AJUSTE DE STRIKE PARA LANÇAMENTO COBERTO DE CALL (PETR4)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AJUSTE DE STRIKE PARA LANÇAMENTO COBERTO DE CALL (PETR4)"

Transcrição

1 ISSN AJUSTE DE STRIKE PARA LANÇAMENTO COBERTO DE CALL (PETR4) Aneli Cristiana de Oliveira, Alexandre Lemes Sanches (Fatec de Bragança Paulista - Jornalista Omair Fagundes de Oliveira) Resumo: O evidente estudo visa analisar o strike ideal de um lançamento coberto de uma call, para tanto, realizou se uma revisão terminológica em conceitos voltados às opções assim como uma simulação com quatro strikes diferentes, tomando como base o valor da cotação no dia do lançamento, logo após monitor ou se a reação do mesmo ativo objeto no mercado de capitais no decorrer do período vigente para o exercício da opção, a fim de diagnosticar em qual momento deveria o lançador mudar de estratégia para alavancar a rentabilidade ou se proteger. Todavia verifica se e mostra o strike ideal na visão dos autores, utilizando se da estratégia rolagem. Palavras-chaves: Mercado de Opções; Strike; Call; Rolagem

2 INTRODUÇÃO No mercado de opções é de fundamental importância que o investidor tenha informações com precisão, principalmente para não precipitar se nas tomadas de decisão em relação a seus investimentos. Este artigo tem como objetivo analisar e definir qual o Strike (preço de exercício de uma opção) ideal, de um lançamento coberto, para o melhor resultado de um investidor diminuindo seu risco e obtendo lucro na operação. Para esta analise foi realizada uma simulação de uma Call (opção de compra) PETR4 (ação da empresa Petrobrás) no dia dezenove de setembro de dois mil e treze, com data de exercício para dezessete de dezembro do mesmo ano. Os valores utilizados nesta simulação tiveram como base a cotação da data, ou seja, valores das operações efetuadas naquele dia pela BM&FBOVESPA (Bolsa de Valores de São Paulo). Próximo ao dia de exercício da opção os resultados analisados do experimento chega ao strike ideal. Para abordar este tema houve necessário definir alguns conceitos referentes ao Mercado de Derivativos que segundo a Comissão de Valores Mobiliários (...) mercado de extrema importância atual pelo papel que desempenham na administração de riscos dos participantes e para desenvolvimento de estratégias mais sofisticadas de investimento. (CVM, 2013, p.13) para estas definições utilizou se o próprio site da BM&FBOVESPA, onde são negociadas estas opções, além de livros específicos em conceitos, operações e estratégia deste mercado o qual segundo Bessada, Barbedo e Araújo: (...) permite uma grande alavancagem de posição. (BESSADA; BARBEDO; ARAÚJO, 2009, p.180). Para Cavalcante: O mercado de opções permite a alavancagem dos recursos. e ainda (...) o risco neste mercado é bastante elevado. (CAVALCANTE; MISUMI; RUDG, 2009, p.174). Investimentos arriscados requer maior cautela e analise, a estratégia de cobrir uma Call aumenta a segurança e diminui o risco, porém, diminui também o ganho, para Silva Neto (...) a mitigação do risco implica, como era de se esperar, no aumento do custo ou limitação da possibilidade de ganho. (SILVA NETO b, 2010, p.44). 2

3 A relevância do artigo é trazer a informação de como o investidor poderá obter lucro no mercado de opções quando a operação escolhida for um lançamento coberto. Dentre as inúmeras possibilidades deste mercado competitivo e alavancado uma analise de estratégias é de grande importância. A metodologia utilizada neste artigo é a pesquisa normativa e experimental. Pesquisa normativa por desenvolver uma estratégia na forma de investir em opções, segundo Bertrand e Fransoo ela (...) está primariamente interessada no desenvolvimento de políticas, estratégias e ações para aperfeiçoar os resultados disponíveis na literatura existente, para encontrar uma solução ótima para novas definições de problemas (...) (BERTRAND; FRANSOO, 2002). E pesquisa experimental por analisar dados registrados pela BMF&BOVESPA procura as causas e uma solução para Severino o experimento: (...) além de registrar e analisar os fenômenos estudados busca identificar suas causas, seja através da aplicação do método experimental/matemático, (...). (SEVERINO, 2007, p.123). Experimental porque neste método se mostra o resultado, este tipo de metodologia é de grande importância Bryman acredita que: (...) sua importância particular é permitir ao investigador fazer fortes considerações sobre casualidades - que uma coisa tem feito sobre outra (...). (BRYAMAN, 1989, p.71). Neste método o pesquisador pode afirmar o porquê do resultado que obteve. Ainda segundo Bryman: (...) os pesquisadores que empregam pesquisas experimentais conseguem estabelecer causa e efeito, o experimento é frequentemente visto como modelo de pesquisa (...). (BRYAMAN, 1989, p.71). 3

4 4

5 2. REFERENCIAL TEÓRICO Nesta seção serão descritos alguns termos e conceitos sobre o assunto, para melhor entendimento do estudo. 2.1 MERCADO DE OPÇÕES Opções para Silva Neto é um instrumento que dá a seu titular, ou comprador, um direito futuro sobre algo, mas não uma obrigação; e a seu lançador, ou vendedor, uma obrigação futura, caso solicitado pelo titular da opção (SILVA NETO b, 2010, p.17). Podemos assim dizer que o mercado de opções nada mais é a venda de um direito e uma obrigação que será realizado em datas distintas. O mesmo Silva Neto ainda conclui: Podemos dizer que o vendedor de uma opção está, na verdade, vendendo um direito para alguém (o comprador da opção) faça algo em data futura a suas custas. Comprador da opção paga em data presente o prêmio, ou preço da opção, e essa é a remuneração do vendedor do título, por ter assumido a responsabilidade de tomar uma posição no mercado em data futura se assim o solicitar o comprador da opção. (SILVA NETO a, p. 87). Opções não deixam de ser um investimento de risco devido sua volatilidade este mercado segundo Bessada, Barbedo e Araújo: é dotado de grande flexibilidade, permitindo uma gama de estratégias operacionais que dão aos agentes econômicos, diversas alternativas, tanto especulativas como de proteção (hedge), (...). Este mercado faz parte dos Derivativos que segundo os mesmos autores: São ativos cujos valores dependem dos valores de outras variáveis mais básicas. Por exemplo, o valor de uma opção de ação depende do preço da ação em questão. (BESSADA; BARBEDO; ARAÚJO, 2009, p.20). A Comissão de Valores Mobiliários ainda nos lembra de que (...) derivativos são ativos de renda variável, ou seja, não oferecem ao investidor rentabilidade garantida, previamente conhecida. Por não oferecer uma garantia de retorno, devem ser considerados como investimentos de risco. (CVM, 2013, p.294). Investimento arriscado mais rentável cabe ao seu investidor conhecer e definir a melhor estratégia dentro do seu perfil, conservador ou mais ousado, a Comissão de Valores ainda completa que: O Mercado de Derivativos é utilizado com diferentes propósitos são eles: Hedge (Proteção), Arbitragem, Especulação. (CVM, 2013, p.282). Para Bessada, Barbedo e Araújo: Hedgers são agentes econômicos que desejam se proteger dos riscos derivados das flutuações adversas nos preços de commodities, (matéria prima) taxas de juros, moedas estrangeiras ou ações. O hedger busca reduzir o risco. (BESSADA; BARBEDO; ARAÚJO, 5

6 2009, p.22). Enquanto os especuladores em busca de um alto retorno bancam os que tentam se proteger, Bessada, Bardedo e Araújo os definem como: Especuladores são agentes econômicos, pessoas físicas ou jurídicas que estão dispostos a assumir os riscos das variações de preços, motivados pela possibilidade de ganhos financeiros. (BESSADA; BARBEDO; ARAÚJO, 2009, p.26). No meio termo estão os arbitradores se equilibram entre um e outro e tiram proveito deste sobe e desce do mercado até enquanto o vencimento não chega. Segundo a Comissão de Valores Mobiliários: Arbitragem significa tirar proveito da diferença de preços de um mesmo produto negociado em mercados diferentes. O objetivo é aproveitar as discrepâncias momentâneas que eventualmente acontecem no processo de formação de preços dos diversos ativos e mercadorias e entre vencimentos. (CVM, 2013, p.283). Para Bessada, Barbedo e Araújos os arbitradores são: (...) responsáveis, portanto, pela manutenção de uma relação de equilíbrio entre preços à vista em diferentes mercados e pelo equilíbrio entre preços e futuros e à vista. (BESSADA; BARBEDO; ARAÚJO, 2009, p.26). 2.2 TERMINOLOGIA Para melhor entendimento do mercado de opções veremos a seguir alguns termos e suas definições, segundo autores pesquisados para a fundamentação deste estudo. O titular é o comprador, Bessada, Barbedo e Araújo o definem como: Quem compra a opção (ou seja, quem paga o prêmio), assumindo assim os direitos a ela vinculados, podendo escolher se quer ou não exercê-la. (BESSADA; BARBEDO; ARAÚJO, 2009, p.181). Quem vende é chamado de lançador, segundo os mesmos autores, lançador é: Aquele que vende a opção (ou seja, quem recebe o prêmio), assumindo assim a obrigação de vender ou comprar o ativo-objeto até uma determinada data pelo preço preestabelecido. (BESSADA; BARBEDO; ARAÚJO, 2009, p.181). O preço pago pela opção é chamado de prêmio e o preço estabelecido para a compra do ativo-objeto o qual a opção pertence de strike, definidos por Bessada, Barbedo e Araújo respectivamente como: Preço de mercado da opção ou preço da negociação da opção ou, ainda, cotação da opção em bolsa ou balcão e É o preço preestabelecido para a compra ou venda do ativo-objeto. (...) o lançador deve pagar ao titular se este exercer seu direito de vender o ativoobjeto. (BESSADA; BARBEDO; ARAÚJO, 2009, p. 181). 6

7 Existem dois tipos de opções a primeira é a opção de vender, conhecidas também como put, a qual para Bessada, Barbedo e Araújo é a: modalidade em que o titular possui o direito de vender ao lançador o ativo-objeto por um preço predeterminado. (BESSADA; BARBEDO; ARAÚJO, 2009, p.181). No Brasil este tipo de opção é exercida apenas na data do vencimento esta característica a classifica como opção europeia segundo Cavalcante, Misumi e Rudge opção europeia é quando o titular tem o direito de comprar ou vender o ativo-objeto ao preço de exercício apenas na data do vencimento. (CAVALCANTE; MISUMI; RUDGE, 2009, p.172). A segunda é a opção de comprar conhecida também como call, ou seja, o comprador comprar o direito de comprar um ativo-objeto caso este lhe seja vantajoso Bessada, Barbedo e Araújo define call como: Opção de compra, modalidade em que o titular possui o direito de comprar do lançador o ativo-objeto por um preço predeterminado. (BESSADA; BARBEDO; ARAÚJO, 2009, p.181), ao contrário da put a call pode ser exercida a qualquer momento não tendo que esperar até o dia do vencimento isto a faz uma opção americana a qual Cavalcante, Misumi e Rudge define como quando titular tem o direito de comprar ou vender o ativo-objeto ao preço de exercício a qualquer momento até a data de vencimento do mercado. (CAVALCANTE; MISUMI; RUDGE, 2009, p.172). Tabela 1 As Principais Diferenças Das Opções Call e Put POSIÇÃO CALL PUT Titular / Comprador Direito, mas não a obrigação, de comprar. Direito, mas não a obrigação de vender. Lançador / Vendedor Obrigação de vender Obrigação de comprar Fonte: Autoria própria baseada em dados da BM&FBOVESPA A precificação da opção mais comum no Brasil é o modelo de Black Scholes. O qual Bessada, Barbedo e Araújo definem como: O modelo apreça opções europeias de compra e de venda em função do preço do ativoobjeto no mercado à vista (S), do preço de exercício (K), do tempo para o vencimento da opção (t), da taxa de juros livre de risco (r), e da volatilidade dos retornos do ativo-objeto (σ). (...) o prêmio de compra de uma opção de compra (c) pode ser descrito como função destas variáveis: c = f(s,k,t,r,σ). (BESSADA; BARBEDO, ARAÚJO, 2009, p.250) 7

8 Modelo Black Scholes 2.3 CODIFICAÇÃO DE OPÇÕES As opções são escritas em formas de códigos, PETRL19 onde primeiras letras fazem referência da mercadoria, a última letra o tipo da opção o seu mês de vencimento, e por fim o valor do Strike. Tabela 2 - Letras que identificam o tipo e o mês de vencimento da opção TIPO DE OPÇÃO VENCIMENTO COMPRA VENDA MÊS A M JANEIRO B N FEVEREIRO C O MARÇO D P ABRIL E Q MAIO F R JUNHO G S JULHO H T AGOSTO I U SETEMBRO J V OUTUBRO K X NOVEMBRO L Z DEZEMBRO Fonte: BM&FBOVESPA, A APLICAÇÃO No dia dezenove de setembro de dois mil e treze realizou se uma simulação de quatro Calls da PETR4 para serem exercida em dezessete de dezembro de dois mil e treze PETRL com Strikes 16, 17, 18, 19 os dois primeiro abaixo do valor da cotação do dia e os demais acima do valor da cotação. 3.1 O LANÇAMENTO O valor do prêmio foi simulado pelo próprio site da BMF&BOVESPA em cotações rápidas na tabela a seguir valores da simulação no dia do lançamento: 8

9 Tabela 3 Início da simulação as opções lançadas e seus respectivos strikes e prêmios Início da Operação: 19/09/13 Cotação do Dia R$ 17,85 Produto (Call) Strike Valor do Prêmio PETRL16 R$ 16,00 R$ 3,45 PETRL17 R$ 17,00 R$ 3,90 PETRL18 R$ 18,00 R$ 2,19 PETRL19 R$ 19,00 R$ 1,68 Fonte: Autoria própria baseada em dados da BMF&BOVESPA Os valores do prêmio mostram que quanto mais perto o strike estiver da cotação, maior a rentabilidade, e também mostram que strikes fora do dinheiro, ou seja, com valor menor que a cotação a rentabilidade é maior ainda assim como também o risco, neste caso, o prêmio rende bem, porém o risco de ficar sem o ativo e ter de comprá-lo no futuro mais caro é maior. A seguir gráfico com o comportamento do lançamento: Figura 1 Comportamento do lançamento coberto Fonte: Autoria própria 3.2. O ACOMPANHAMENTO 9

10 Após o lançamento realizou se um acompanhamento semanal para analisar a volatilidade deste ativo objeto PETRL, a seguir a cotação semanal registrada. Tabela 4 Cotações Semanais Para a Elaboração do Estudo DATAS COTAÇÕES 27/09/ ,48 04/10/ ,67 11/10/ ,10 18/10/ ,93 25/10/ ,54 01/11/ ,86 08/11/ ,64 14/11/ ,45 22/11/ ,67 29/11/ ,12 06/12/ ,23 13/12/ ,03 17/12/ ,80 Fonte: Autoria própria baseada em dados da BM&FBOVESPA A cotação manteve se com pouca variação na última semana de setembro, e no decorrer do mês de outubro, em novembro apresentou alta nas primeiras semanas, porém no mês de dezembro só apresentou queda até a data do exercício. A seguir gráfico com a variação. Figura 2 Cotações ao longo do período 10

11 Fonte: Autoria própria baseada em dados da BM&FBOVESPA 3.4 RESULTADO Para o lançador da Call coberta o ideal é que não ocorra o exercício assim ele ganha o valor do prêmio e não se desfaz do ativo objeto, quando o exercício acontece ele perde o ativo objeto e seu prejuízo pode ser todo investimento, mas mesmo que o exercício aconteça, ele ainda pode ganhar um pouco, a seguir possíveis resultados do lançador no experimento estudado, importante ressaltar que no evidente estudo não considerou os custos de transações tais como emolumentos, taxas de liquidação, permanência, registro e tributos. Strike Cotação + Prêmio = Lucro do Lançador (quando a cotação maior que o strike não dá exercício) Tabela 5 Resultados da Simulação COTAÇÃO PRÊMIO STRIKES 16 R$ 3,45 R$ 2,45 R$ 1,45 R$ 0,45 R$ 3,45 17 R$ 3,90 R$ 3,90 R$ 2,90 R$ 1,90 R$ 3,90 18 R$ 2,19 R$ 2,19 R$ 2,19 R$ 1,19 R$ 2,19 19 R$ 1,68 R$ 1,68 R$ 1,68 R$ 1,68 R$ 1,68 Fonte: Autoria própria 11

12 Dias antes do exercício o ativo objeto se mostrava com tendência de queda e deixar a opção ser exercida seria um risco grande, tomando como base que o ativo objeto mantinha se nas casas de 17, 16 poderia ficar em 16 como poderia cair para 15. Assim sendo para proteção do investimento e pensando na rentabilidade a melhor estratégia seria se utilizar de rolagem para frente, com exercício para o próximo ou mais meses, neste caso para o próximo mês, e no dinheiro, ou seja, recomprar a opção e relançar no mesmo valor da cotação. A seguir resultado da rolagem para frente no dinheiro: PETR4 (Preço Pago)= 17,85 PETRL17 (Str 17,00)= 0,30 PETRA17 (Str 17,00+30D)= 0,86 Cotação AO= 17,03 Diferença Prêmio= 0,56 Margem de Rolagem Θ= 3,14% Uma segunda opção de rolagem seria para frente, e para cima podendo ser 1 acima (1 valor acima da cotação) desta forma acreditando se também na valorização do investimento a longo prazo. A seguir resultado da rolagem para frente 1 acima do dinheiro: PETR4 (Preço Pago)= 17,85 PETRL17 (Str 17,00)= 0,30 PETRA17 (STR 18,00+30D)= 0,45 Cotação AO= 17,03 Diferença Prêmio= 0,15 Margem de Rolagem Θ= 0,84% Ainda utilizado se da rolagem para frente e para cima, poderia se rolar para frente e 2, 3,4 acima do dinheiro, esta estratégia poderia ser uma boa opção caso o mercado estivesse se apresentado em 12

13 alta o que não é o caso do experimento sendo assim teríamos um prejuízo. A seguir resultado da rolagem para frente 2 acima do dinheiro: PETR4 (Preço Pago)= 17,85 PETRL17 (Str 17,00)= 0,30 PETRA17 (STR 19,00+30D)= 0,21 Cotação AO= 17,03 Diferença Prêmio= -0,09 Margem de Rolagem Θ= -0,50% A rolagem pode ser feita também para baixo, ou seja, rolar a opção para frente 1, 2, 3 abaixo (abaixo do valor da cotação). Neste caso o valor do prêmio seria bem mais rentável, porém o risco também seria muito maior, além do que o próprio investidor não estaria acreditando no investimento que fez, o qual em queda perderia na desvalorização do ativo objeto. A seguir o resultado da rolagem para frente 1 abaixo da cotação: PETR4 (Preço Pago)= 17,85 PETRL17 (Str 17,00)= 0,3 PETRA17 (Str 16,00+30D)= 1,46 Cotação AO= 17,03 Diferença Prêmio= 1,16 Margem de Rolagem Θ= 6,50% O objetivo da rolagem é tentar neutralizar o risco recomprando a opção com valor mínimo, já que a mesma esta preste a vencer perdendo valor no mercado, e embolsar o dinheiro do novo prêmio ganhando rentabilidade e liquidez. CONCLUSÃO 13

14 Com o presente estudo é possível concluir que o ajuste do strike se faz observando o mercado e a cotação do ativo objeto dias antes do exercício da opção. O investidor lançador da opção deve dispor de tempo para analisar como o ativo objeto esta se comportando no mercado e assim se posicionar em relação ao se novo lançamento. A rolagem será feita com critérios estratégicos a partir desta analise. Neste experimento o ativo objeto se apresentou em queda e nos mostrou que o strike ideal para o dia do exercício foi no dinheiro, ou seja, o strike 18 não deu exercício sendo assim o investidor não se desfez do ativo objeto e ainda teve uma rentabilidade de R$ 2,19 o que é mais de 12% na operação em 3 meses. Na rolagem o strike ideal também se mostra no dinheiro, rolar para frente e no valor da cotação se mostrou a estratégia com menos risco e ainda garantiu a rentabilidade de 3,14% no mês. Então pode se dizer que na rolagem lucrar menos, porém este lucro pode ser constantemente. Por fim, sugerem-se outros experimetnos com ativo objeto em outro comportamento que não de queda, e ainda analisar a rolagem utilizando as Gregas e suas influências. 14

15 REFERÊNCIAS BESSADA, Octavio; BARBEDO, Claudio; ARAÚJO, Gustavo. Mercado de Derivativos no Brasil : conceitos, operações e estratégias. 3ª. ed. Rio de Janeiro : Record, p. BERTRAND, J. W. M.; FRANSOO, J. C. Modelling and simulation: operations manageme nt researchmethodologies using quantitative modeling. International Journal of Operations & Production Management,Vol. 22, No. 2, 2002, p BOLSA DE VALORES MERCADORIAS E FUTUROS. Código de Negociação de Opções. Disponível em <http://www.bmfbovespa.com.br/pt-br/regulacao/regulamentos-enormas/procedimentos-operacionais/derivativos/codigo-de-negociacao-deopcoes.aspx?idioma=pt-br>. Acesso em 13 fev. 2014, às 14h20min. BOLSA DE VALORES MERCADORIAS E FUTUROS. Cotação Rápida : Mercado de Opções : Petrobras disponível em: < copcoes>. Acesso em 27 set às 11h45min. BOLSA DE VALORES MERCADORIAS E FUTUROS. Regulamento de Operações do Seguimento BM&F : Sistema de Negociações de Derivativos : Pregões Viva voz e Eletrônico : Definições. São Paulo, disponível em: < Acesso em: 20 out. 2013, às 22h19min. BRYMAN, A. Research methods and organizacional studies. London: Unwin Hyman, p.71 CAVALCANTE, Francisco; MISUMI, Jorge Yoshio; RUDGE, Luiz Fernando. Mercado de Capitais : o que é, e como funciona. 7ª. ed. Rio de Janeiro : Elsevier (Campus), p (Capitulo 11) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Mercado de Valores Mobiliários Brasileiro : TOP : Programa de Treinamento de Professores. Rio de Janeiro disponível em <http://www.portaldoinvestidor.gov.br/publicacao/livrotop.html >. Acesso em: 19 set. 2013, às 21h46min. HULL, Jonh. Fundamento dos Mercados Futuros e de Opções. 4º ed. São Paulo, Brasil : Bolsa de Valores Mercadorias e Futuros, p

16 SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23ª ed.(revisada e atualizada). São Paulo, Brasil : Cortez, p.123 SILVA NETO, Lauro de Araújo. Derivativos. 4ª ed. São Paulo, Brasil, (Capítulos 6,7e 8. p ). SILVA NETO, Lauro de Araújo. Opções : do tradicional ao exótico. 2ª. São Paulo : Atlas, p. 16

Análise de Risco no Ajuste de Strike Price na Rolagem de Opções de Compra em Operações de Lançamento Coberto (petr4)

Análise de Risco no Ajuste de Strike Price na Rolagem de Opções de Compra em Operações de Lançamento Coberto (petr4) Análise de Risco no Ajuste de Strike Price na Rolagem de Opções de Compra em Operações de Lançamento Coberto (petr4) Isabela Ribeiro da Silva isabela.silva5@fatec.sp.gov.br FATEC BP Jéssica Mori de Oliveira

Leia mais

Análise do Capital Mínimo necessário para Estratégias Complexas viáveis envolvendo Opções

Análise do Capital Mínimo necessário para Estratégias Complexas viáveis envolvendo Opções Análise do Capital Mínimo necessário para Estratégias Complexas viáveis envolvendo Opções Raquel Aparecida Mendes kquelmendes@hotmail.com Fatec - Bragança Pau Resumo:Opção é um contrato que dá a seu titular,

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

COMPRANDO AÇÕES E VENDENDO OPÇÕES

COMPRANDO AÇÕES E VENDENDO OPÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CAPITAIS REMO GEDIEL SONEGO COMPRANDO AÇÕES E VENDENDO OPÇÕES Porto

Leia mais

INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178.

INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178. INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178.421/0001-64) O cliente, devidamente qualificado em sua ficha cadastral,

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

Operações com derivativos (item 7 do edital BB)

Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Prof.Nelson Guerra set / 2012 INTRODUÇÃO Os preços gerais das mercadorias agrícolas, das taxas de juros e do câmbio têm-se mostrado altamente instável no

Leia mais

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 AO FINAL DESTE GUIA TEREMOS VISTO: GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE OPÇÕES COBERTAS UTILIZANDO A TEORIA DE MARKOWITZ

OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE OPÇÕES COBERTAS UTILIZANDO A TEORIA DE MARKOWITZ OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE OPÇÕES COBERTAS UTILIZANDO A TEORIA DE MARKOWITZ LUIZ FERNANDO DE ALMEIDA PEREIRA - FATEC BP REGINALDO DIAS GRUNWALD NETO - FATEC BP GUILHERME CAMARGO DE ANDRADE - FATEC BP RESUMO

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

LANÇAMENTO COBERTO DE OPÇÕES

LANÇAMENTO COBERTO DE OPÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CAPITAIS Ricardo Schio LANÇAMENTO COBERTO DE OPÇÕES Porto Alegre 2009 Ricardo Schio LANÇAMENTO COBERTO DE

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

Mercado de Derivativos

Mercado de Derivativos Mercado de Derivativos Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com 8141-4045 I. Mercado de Derivativos 1. Conceito de Derivativos 2. Mercado a Termo 2.1 Mercado a Termo de Derivativos Sobre Commodities 2.2

Leia mais

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade;

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade; Modalidades Fora o clássico buy & hold, que é a compra e eventual construção de uma posição comprada no mercado acionário algumas outras modalidades são: Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas;

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO DERIVATIVOS. Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 6/11/2012. Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados.

ANÁLISE DE RISCO DERIVATIVOS. Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 6/11/2012. Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados. ANÁLISE DE RISCO E DERIVATIVOS Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 09.11.2012 OBJETIVOS DA AULA Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados. 1 Relembrando a aula de VAR... O

Leia mais

O MERCADO DE DERIVATIVOS: ANÁLISE DE CASO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS COM NDF

O MERCADO DE DERIVATIVOS: ANÁLISE DE CASO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS COM NDF UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA) Leonardo Marmitt O MERCADO DE DERIVATIVOS: ANÁLISE DE CASO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS

Leia mais

Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb

Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb Fabiana de Jesus Peixoto fabi.contato@hotmail.com FATEC-BP Priscila Gandolfi Dell Orti priscilagandolfi@hotmail.com

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE OPÇÕES DE SOJA NO BRASIL

O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE OPÇÕES DE SOJA NO BRASIL FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - FASA CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: MERCADO FINANCEIRO O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE OPÇÕES DE SOJA NO BRASIL DAVI ROSA RAMOS RA 20401160 PROF. ORIENTADOR: MARCOS

Leia mais

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Ao comprar uma opção, o aplicador espera uma elevação do preço da ação, com a valorização do prêmio da opção. Veja o que você, como aplicador, pode fazer: Utilizar

Leia mais

AULA 16. Mercado de Capitais III

AULA 16. Mercado de Capitais III AULA 16 Mercado de Capitais III FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE AÇÕES Mercado de bolsa: as negociações são abertas e realizadas por sistema de leilão, ou seja, a venda acontece para quem oferece melhor lance.

Leia mais

Análise de Atratividade e Parâmetros de Blue Chips para Operações de Lançamento Coberto

Análise de Atratividade e Parâmetros de Blue Chips para Operações de Lançamento Coberto Análise de Atratividade e Parâmetros de Blue Chips para Operações de Lançamento Coberto Pedro Henrique Andrade Bueno pedrobueno89@gmail.com Fatec - BP ARIANE DE FATIMA BERGAMIN ariane.bergamin@hotmail.com

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da apresentação 2 Breve histórico Os Mercados Futuros no mundo têm sua história diretamente vinculada

Leia mais

Bolsa de Mercadorias e Futuros

Bolsa de Mercadorias e Futuros Bolsa de Mercadorias e Futuros Mercado de Capitais Origens das Bolsas de mercadoria No Japão em 1730, surgiu o verdadeiro mercado futuro de arroz(que já era escritural), chamado chu-aí-mai, foi reconhecido

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Opção sobre Futuro de Boi Gordo Opção sobre Futuro de Boi Gordo O Contrato de Opção sobre Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira foi lançado pela BM&FBOVESPA, em 22/07/1994,

Leia mais

MERCADO DE CÂMBIO HEDGE PARA IMPORTAÇÕES PROTEÇÃO CONTRA VOLATILIDADE CAMBIAL.

MERCADO DE CÂMBIO HEDGE PARA IMPORTAÇÕES PROTEÇÃO CONTRA VOLATILIDADE CAMBIAL. MERCADO DE CÂMBIO HEDGE PARA IMPORTAÇÕES PROTEÇÃO CONTRA VOLATILIDADE CAMBIAL. 1. Valdir Alcântara de Souza Junior. 2. Anderson Mateus Batista de Rezende. Introdução. As empresas que fazem importações

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

Mercado de Opções Agropecuárias: Estratégias para o Lançador de Opções de Café

Mercado de Opções Agropecuárias: Estratégias para o Lançador de Opções de Café Mercado de Opções Agropecuárias: Estratégias para o Lançador de Opções de Café Vitor Caminha Faustino Dias 1 Leonardo Francisco Leonice Rosina 3 Flavia Rover Leão 4 Figueiredo Neto 2 vitorcfd@yahoo.com.br

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA AÇÕES Ações são instrumentos utilizados pelas empresas para captar recursos no mercado financeiro para os mais diversos projetos (investimentos, redução

Leia mais

REMUNERAÇÃO DE AÇÕES COM LANÇAMENTO COBERTO DE OPÇÕES

REMUNERAÇÃO DE AÇÕES COM LANÇAMENTO COBERTO DE OPÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS William Persch REMUNERAÇÃO DE AÇÕES COM LANÇAMENTO COBERTO DE OPÇÕES Porto Alegre 2009 William

Leia mais

www.leandrostormer.com.br

www.leandrostormer.com.br 1 OPERANDO OPÇÕES: CONCEITOS E ESTRATÉGIAS I. Introdução: Em primeiro lugar gostaria de deixar claro que este é apenas um resumo, uma pequena introdução a uma forma diferente de operar no mercado financeiro,

Leia mais

MERCADOS DE 11 DERIVATIVOS

MERCADOS DE 11 DERIVATIVOS MERCADOS DE 11 DERIVATIVOS 11. Mercados de Derivativos 11.1. Conceitos Básicos Derivativos é o nome dado à família de mercados em que operações com liquidação futura são realizadas, tornando possível a

Leia mais

www.convexity.net.br http://www.convexity.net.br/treinamentos/in stituto-educacional-bmfbovespa-fazendo-adiferenca/

www.convexity.net.br http://www.convexity.net.br/treinamentos/in stituto-educacional-bmfbovespa-fazendo-adiferenca/ www.convexity.net.br A Convexity possui uma parceria com o Instituto Educacional BM&FBOVESPA. A parceria abrange os seguintes aspectos: - Os treinamentos Convexity são certificados pelo Instituto Educacional.

Leia mais

Aprenda a investir na Bolsa de Valores

Aprenda a investir na Bolsa de Valores Aprenda a investir na Bolsa de Valores Investimento: Curso completo: R$ 350,00 à vista ou parcelado em até 5x (c/ juros) Módulos 1 ao 5: R$ 199,00 à vista ou parcelado em até 5x (c/ juros) Módulos 6 ao

Leia mais

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção;

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção; 1 / 7 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1.1 O mercado de opções compreende as operações relativas à negociação de direitos outorgados aos titulares

Leia mais

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e significa mercadoria. É usado para designar bens sem diferenciação (por não possuírem valor agregado), e são habitualmente extraídas

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

Guia Produtos. e Serviços

Guia Produtos. e Serviços Guia Produtos e Serviços Conheça a Safra Corretora Torne-se um investidor 5 Carteira acompanhada 7 Safra Net Ações 8 Relatórios 9 Portfólio de produtos 10 Comece a operar na Safra Corretora 27 Taxas Operacionais

Leia mais

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Ivan Wedekin Diretor de Produtos do Agronegócio e Energia ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária 1 Brasil o gigante da pecuária

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Forex

Conceitos básicos de negociação em Forex Conceitos básicos de negociação em Forex A GoBulling é uma marca do Banco Carregosa. EM 2012 O BANCO CARREGOSA É ELEITO O MELHOR EM BANCA PRIVADA EM PORTUGAL www.facebook.com/gobulling Produtos Financeiros

Leia mais

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Ibovespa WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. WEBTRADING O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples, rápido e seguro.

Leia mais

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Conceitos básicos de negociação em Forex N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

Derivativos FIDC - Diagnóstico e Perspectivas. Mercados IBEF PAULO LAMOSA BERGER. Instrumentos do Mercado Financeiro. Mercados.

Derivativos FIDC - Diagnóstico e Perspectivas. Mercados IBEF PAULO LAMOSA BERGER. Instrumentos do Mercado Financeiro. Mercados. Mercados Derivativos IBEF PAULO LAMOSA BERGER 1 Instrumentos do Mercado Financeiro Emissão Os ativos de renda fixa são emitidos de forma escritural e registrados em Sistemas de Custódia. Existem no Brasil

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 475, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 475, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 Dispõe sobre a apresentação de informações sobre instrumentos financeiros, em nota explicativa específica, e sobre a divulgação do quadro demonstrativo de análise de sensibilidade. Revoga a Instrução CVM

Leia mais

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 A História da BM&F Uma história de Sucesso criada em Junho de 1985. Constituída sob a forma de sociedade por ações. Desenvolver, organizar e operacionalizar

Leia mais

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Dólar WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. FUTURO WEBTRADING EM UM CLIQUE O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples,

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

COMO DETERMINAR O PREÇO DE UMA

COMO DETERMINAR O PREÇO DE UMA COMO DETERMINAR O PREÇO DE UMA O que são opções? Precificação de opções Exemplo de árvore recombinante Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos

Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos 6.A.1 Apresentação do capítulo Nesta unidade, é abordado o estudo dos diferentes tipos de mercados derivativos. O objetivo deste capítulo é dar ao leitor uma visão

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MERCADO DE DERIVATIVOS UMA VISÃO GERAL Por: Ana Paula Loureiro Santos Orientador Prof. Ana Paula Alves Ribeiro Rio de Janeiro

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 2 Continuação do Módulo 1 www.tradernauta.com.br Sistema de negociação da Bovespa e Home Broker Mega Bolsa Sistema implantado em 1997, é responsável por toda

Leia mais

15. CONTRATOS A TERMO (FORWARD)

15. CONTRATOS A TERMO (FORWARD) 18 15. CONTRATOS A TERMO (FORWARD) Por um contrato a termo ou forward, um vendedor e um comprador fixam hoje o preço de certo ativo que deverá ser liquidado em um prazo determinado ou data de exercício.

Leia mais

A CVM E O MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

A CVM E O MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL A CVM E O MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL Leonardo B. Pupo Analista de Mercado de Capitais Gerência de Acompanhamento de Mercado 2 Superintendência de Acompanhamento de Mercado Agenda Intermediação Financeira

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Marina Fischer Danelli. Hedge em Financiamento à Importação

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Marina Fischer Danelli. Hedge em Financiamento à Importação INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Marina Fischer Danelli Hedge em Financiamento à Importação São Paulo 2012 Marina Fischer Danelli Hedge em Financiamento à

Leia mais

6 Estratégias de hedge

6 Estratégias de hedge 6 Estratégias de hedge O conceito básico por trás deste capítulo é mostrar algumas estratégias de hedge que normalmente são utilizadas para a gestão de carteiras no mercado financeiro. A partir de sua

Leia mais

Box de 4 Pontas: uma alternativa de uso de derivativos como custo de capital para as empresas

Box de 4 Pontas: uma alternativa de uso de derivativos como custo de capital para as empresas Box de 4 Pontas: uma alternativa de uso de derivativos como custo de capital para as empresas Jorge Ribeiro de Toledo Filho jtoledo@usp.br José Luiz de Castro Neto njcastro@uol.com.br José Roberto Kassai

Leia mais

César Frade Finanças Aula 02

César Frade Finanças Aula 02 César Frade Finanças Aula 02 Olá Pessoal. Estamos nós aqui mais uma vez para tentar entender essa matéria. Concordo que a sua compreensão não é das mais fáceis, mas vocês terão que concordar comigo que

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com Boi - Mercado Mercado de Boi gordo - Brasil: * Maior exportador mundial, * Consumo interno: mais de 70%, * Maior rebanho comercial, * Perda de área para outras culturas. - Mundo:

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

Instituto Educacional BM&F. MERCADO DE OPÇÕES: Conceitos e Definições

Instituto Educacional BM&F. MERCADO DE OPÇÕES: Conceitos e Definições Instituto Educacional BM&F MERCADO DE OPÇÕES: Conceitos e Definições São Paulo, 2007 FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F Bolsa de Mercadorias & Futuros) B67m Mercado de opções:

Leia mais

O QUE É O MERCADO DE OPÇÕES OPÇÃO DE COMPRA OPÇÃO DE VENDA

O QUE É O MERCADO DE OPÇÕES OPÇÃO DE COMPRA OPÇÃO DE VENDA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para esclarecimentos adicionais, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora. Ela pode ajudá-lo a avaliar

Leia mais

TAXAS DE JURO. 1. Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 01 a 03

TAXAS DE JURO. 1. Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 01 a 03 TAXAS DE JURO ÍNDICE Contratos Pag. 1. Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 01 a 03 2. Alterado pelo Ofício Circular 015/2002-DG, DE 01/02/2002 04 3. Novos procedimentos

Leia mais

A utilização do hedge cambial na indústria brasileira do trigo

A utilização do hedge cambial na indústria brasileira do trigo 161 A utilização do hedge cambial na indústria brasileira do trigo Recebimento dos originais: 20/02/2012 Aceitação para publicação: 02/05/2012 Adilson Celestino de Lima Doutor em Administração pela UFPE

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte XI Os Derivativos 1 Fundamentos dos Derivativos 2 O que são Derivativos? Os Instrumentos financeiros: Um instrumento financeiro é qualquer contrato que dá origem

Leia mais

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito 239 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS : 239 questões com gabarito. São

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MERCADO DE CAPITAIS. 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MERCADO DE CAPITAIS 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS PARA OS ALUNOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 Mercado de Capitais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MBA EM FINANÇAS CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA UFPR GUILHERME MEI CARRASCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MBA EM FINANÇAS CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA UFPR GUILHERME MEI CARRASCO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MBA EM FINANÇAS CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA UFPR GUILHERME MEI CARRASCO A UTILIZAÇÃO DE DERIVATIVOS PARA A REDUÇÃO DO RISCO NAS EMPRESAS: O CASO

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Pedro de Albuquerque Seidenthal TAXA DE JUROS FUTURA: SIMULAÇÃO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS São Paulo 2012 Pedro de Albuquerque

Leia mais

Bom Dia Commodities. Commodities. 12 de Agosto, 2013. Café

Bom Dia Commodities. Commodities. 12 de Agosto, 2013. Café Bom Dia Café Semana positiva para o café. Finalmente saiu a medida que os produtores estavam esperando. A presidente Dilma anunciou que enxugará do mercado 3 milhões de sacas em março/14 a R$346,00/saca

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História do Milho - Os primeiros registros do cultivo datam de 7.300 anos - Origem Americana: litoral do México - Nome, de origem indígena, significa "sustento

Leia mais

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA! O que é hedge?! Como estar protegido de um eventual prejuízo de uma operação financeira da empresa no futuro?! Como podemos hedgear uma operação efetuada em dólar?! Como

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Futuros

Conceitos básicos de negociação em Futuros Conceitos básicos de negociação em Futuros N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar

Leia mais

CAPÍTULO 2. O QUE SÃO DERIVATIVOS? CAPÍTULO 3. PARA QUEM OS DERIVATIVOS SERVEM? CAPÍTULO 5. COMO SE REALIZAM AS OPERAÇÕES NA BM&F?

CAPÍTULO 2. O QUE SÃO DERIVATIVOS? CAPÍTULO 3. PARA QUEM OS DERIVATIVOS SERVEM? CAPÍTULO 5. COMO SE REALIZAM AS OPERAÇÕES NA BM&F? Índice INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1. O QUE É A BM&F E PARA QUE ELA SERVE? 3 4 CAPÍTULO 2. O QUE SÃO DERIVATIVOS? 8 CAPÍTULO 3. PARA QUEM OS DERIVATIVOS SERVEM? 14 CAPÍTULO 4. COMO SE FORMAM OS PREÇOS NA BM&F?

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500)

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) CONTRATOS DERIVATIVOS Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) Opções sobre Futuro de S&P 500 Diversifique o seu portfólio com derivativos que possuem exposição no mercado financeiro internacional

Leia mais

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários Mercado de capitais Mercado de capitais Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O mercado de capitais está estruturado para suprir as necessidades de investimento

Leia mais

Academia de Warrants. 3. Turbo Warrants

Academia de Warrants. 3. Turbo Warrants Academia de Warrants 3. Turbo Warrants Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3. Turbo Warrants 4. Como negociar - Direct Trade 1/281 Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3.

Leia mais

Mercado de Derivativos

Mercado de Derivativos Mercado de Derivativos Contratos de Opções Prof. Bertolo OBJETIVOS Conceituar opções, Titular e Lançador, prêmio, valor intrínseco e extrínseco. Tipologia, modalidades e classificação de opções identificar

Leia mais

Material Explicativo sobre Títulos Públicos

Material Explicativo sobre Títulos Públicos Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais Os são emitidos pelo Tesouro Nacional, servindo como um instrumento de captação do Governo Federal para execução e financiamento de suas dívidas internas,

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

O USO DE CONTRATOS DERIVATIVOS COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE RISCO NA INDÚSTRIA DE ENERGIA ELÉTRICA

O USO DE CONTRATOS DERIVATIVOS COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE RISCO NA INDÚSTRIA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE BACHARELADO O USO DE CONTRATOS DERIVATIVOS COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE RISCO NA INDÚSTRIA DE ENERGIA ELÉTRICA PAULO FERNANDES

Leia mais

Matemática & Finanças: o homem que calculava e negociava

Matemática & Finanças: o homem que calculava e negociava : o homem que calculava e negociava 13 de novembro de 2006 Outline 1 2 3 Mercado de Capitais Negociação de títulos fungíveis. Um bem é fungível se pode ser facilmente trocado ou substituído por outro de

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1 CODIFICAÇÃO DAS SÉRIES A codificação utilizada no mercado de opções é composto de 5 letras (as 4 primeiras correspondem

Leia mais

INTRODUÇÃO. Índice. 1 Introdução. 2 Definição. 2 Por que participar do Mercado Futuro de Ações? 3 Benefícios da negociação com futuros de ações

INTRODUÇÃO. Índice. 1 Introdução. 2 Definição. 2 Por que participar do Mercado Futuro de Ações? 3 Benefícios da negociação com futuros de ações Índice 1 Introdução 2 Definição 2 Por que participar do Mercado Futuro de Ações? 3 Benefícios da negociação com futuros de ações 5 Que tipo de investidor atua no Mercado Futuro de Ações? 6 Mercado Futuro

Leia mais

Custo e benefícios dos derivativos agropecuários: utilização de butterfly de put no incremento do resultado em contratos de café.

Custo e benefícios dos derivativos agropecuários: utilização de butterfly de put no incremento do resultado em contratos de café. 36 Custo e benefícios dos derivativos agropecuários: utilização de butterfly de put Recebimento dos originais: 15/05/2009 Aceitação para publicação: 02/02/2010 Jorge Ribeiro de Toledo Filho Doutor em Controladoria

Leia mais

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros?

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros? Introdução O que são Futuros? São instrumentos financeiros derivados, negociados em bolsa, que obrigam ao seu comprador/vendedor comprar/vender uma determinada quantidade de um activo numa determinada

Leia mais