Relatório da Comissão de Revisão do Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório da Comissão de Revisão do Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior"

Transcrição

1 Relatório da Comissão de Revisão do Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Abril de

2 1. Apresentação Tendo como objetivo a revisão do Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo para Estudantes do Ensino Superior 1, o Secretário de Estado do Ensino Superior procedeu à criação de uma Comissão, por intermédio do Despacho n.º 2906-C/2015, a qual deveria, dentro do período de tempo dado, elaborar um relatório com um conjunto de propostas de alteração ao Regulamento. Na verdade, o Ministério da Educação e Ciência (MEC) tem feito, ao longo dos últimos anos, um importante esforço no aumento da eficiência do sistema de ação social escolar direta, objetivo esse assumido nas várias revisões efetuadas ao Regulamento nos últimos 4 anos, reafirmado nas Linhas de Orientação Estratégica para o Ensino Superior, publicadas em 2014 e renovado com a criação da Comissão. A participação na elaboração das bases fundamentais da política de ação social escolar, assim como a concepção de novas medidas e a melhoria das já existentes deve ser um processo assumido por todos e feito em estreita colaboração entre o MEC e o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP), o Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), a Associação Portuguesa do Ensino Superior Privado (APESP), bem como as associações académicas e de estudantes do ensino superior. Nesta lógica, durante os dois últimos anos letivos foram apresentados, pelos vários intervenientes, múltiplos contributos referentes ao processo de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do ensino superior. As problemáticas são naturalmente distintas, de acordo com a percepção de cada organismo, mas há muitos pontos de contacto e linhas de atuação que se podem considerar transversais e consensuais. O objetivo do trabalho da Comissão foi o de coligir, entre os representantes dos organismos referidos anteriormente, um conjunto de alterações que merecessem ampla aceitação. É o resultado desse trabalho que aqui se apresenta. 1 Despacho n.º 8442-A/2012, de 22 de junho, retificado pela Declaração de Retificação n.º 1051/2012, de 14 de agosto e alterado pelo Despachos n.º 627/2014 (2.ª série), de 14 de janeiro e n.º D/2014 (2.ª série), de 27 de agosto. 2

3 2. Composição da Comissão A Comissão tem a seguinte composição: Ricardo Morgado, em representação do gabinete do Secretário de Estado do Ensino Superior; Ana Costa Freitas, em representação do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas; Fernando Sebastião, em representação do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos; António Barros, em representação da Associação Portuguesa do Ensino Superior Privado; Bruno Caixeiro, em representação da Direção-Geral do Ensino Superior; Daniel Martins de Freitas, em representação do movimento associativo estudantil; Daniel Pires Monteiro, em representação do movimento associativo estudantil. No período de tempo que foi dado à Comissão para elaborar o presente Relatório, esta ouviu algumas entidades que intervêm no processo de atribuição de bolsas de estudo, cumprindo fazer um especial agradecimento à Eng.ª Cristina Centeno, Diretora dos Serviços de Ação Social da Universidade de Évora, à Dr.ª Rosa Maria Rodrigues, Administradora dos Serviços de Ação Social do Instituto Politécnico de Viseu e ao Eng.º Carlos Silva, Administrador dos Serviços de Ação Social da Universidade do Minho. 3

4 3. Missão da Comissão Nos termos do despacho de criação, compete à Comissão o desenvolvimento de um trabalho de análise ao atual Regulamento de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do ensino superior, sugerindo alterações que tornem o sistema mais rápido e eficiente. Esta incumbência visa aperfeiçoar uma política ativa de ação social escolar direta, através da atribuição eficiente e equitativa de bolsas de estudo a estudantes economicamente carenciados com aproveitamento académico, assegurando desta forma que nenhum cidadão português é privado do acesso ao ensino superior por insuficiências económicas. As alterações a propor pela Comissão não devem traduzir, nos termos do despacho, um aumento da despesa, em virtude do financiamento para bolsas de estudo estar já consignado nas respetivas fontes de financiamento: financiamento europeu e orçamento do estado. Por último, cumpre referir que a apresentação deste relatório com a análise e as propostas de alteração ao Regulamento respeita a data determinada pelo Secretário de Estado do Ensino Superior. 4

5 4. Enquadramento A atribuição de bolsas de estudo a estudantes do ensino superior tem-se realizado, desde junho de 2012, ao abrigo do Regulamento aprovado pelo Despacho n.º 8442-A/2012, de 22 de junho, retificado pela Declaração de Retificação n.º 1051/2012, de 14 de agosto e alterado pelo Despachos n.º 627/2014 (2.ª série), de 14 de janeiro e n.º D/2014 (2.ª série), de 27 de agosto. Esta atribuição resulta da obrigação do Estado de «garantir a existência de um sistema de ação social que permita o acesso ao ensino superior e a frequência das suas instituições a todos os estudantes» (n.º 1 do art. 18.º da Lei nº 37/2003, de 22 de agosto). O Regulamento constitui a principal modalidade de atribuição de apoios do Estado aos estudantes carenciados do ensino superior, tendo como grande finalidade igualar as oportunidades dos mesmos perante o sistema, equilibrando-os nos mínimos indispensáveis para que possam frequentar uma formação superior, servindo, fundamentalmente, como uma ferramenta de justiça social. O presente Regulamento sofreu, desde a sua aprovação até à presente data, algumas alterações, das quais se destacam a remoção da norma que impedia a atribuição de bolsa de estudo a estudantes cujo agregado familiar tivesse qualquer elemento com dívidas fiscais e/ou contributivas e a criação de um escalão 0 na consideração do património mobiliário no rendimento. O trabalho realizado pela Comissão, concretizado nas propostas apresentadas neste Relatório, visa essencialmente três grandes objetivos: - Maior eficiência e celeridade no processo de análise e decisão; - Maior equidade nos conceitos e critérios; - Maior justiça na atribuição das bolsas. 5

6 5. Propostas de alteração Apresentam-se de seguida as propostas de alteração ao Regulamento consideradas necessárias pela Comissão, procurando-se, de forma sucinta, justificar e simular o impacto da proposta no número de bolseiros e/ou na variação da despesa Alteração da alínea a) do n.º 1 do artigo 4.º Artigo 4.º 1 a) Cônjuge ou pessoa em união de facto, nos termos previstos em legislação específica, do próprio ou de outro membro do agregado; Na atual redação da alínea a) do n.º 1 do artigo 4.º decorre que só o cônjuge ou o unido de facto do próprio candidato integram o conceito de membro do agregado familiar relevante para o Regulamento. Com esta alteração, pretende-se estender o âmbito da norma, considerando na composição do agregado familiar o cônjuge ou unido de facto de qualquer elemento, e não apenas do candidato Alteração do n.º 2 do artigo 4.º Artigo 4.º 1 2 Podem constituir agregados familiares unipessoais os estudantes com residência habitual fora do seu agregado familiar de origem e que, comprovadamente, disponham de rendimentos não inferiores a uma média mensal de 30% do IAS, no ano civil anterior ao da apresentação da candidatura e/ou no ano civil da apresentação da candidatura. 6

7 O n.º 2 do artigo 4.º não estabelece, atualmente, critérios objetivos que permitam aferir a medida do rendimento de que o estudante deva dispor para poder ser considerado agregado familiar unipessoal, nos casos em que o candidato declare que vive fora do seu agregado familiar de origem. Tal como está a redação atual, tanto se viabiliza esta opção a quem não tem sérias dificuldades económicas, como a quem apresente rendimentos razoáveis. Face ao exposto, entende-se que devem ser fixados critérios objetivos que delimitem valores de rendimento compatíveis com a opção de viver fora do agregado familiar de origem, em ordem a evitar qualquer desvio daquela que foi a ratio da norma por parte dos candidatos. Optou-se pelo valor de rendimento mínimo exigível de 30% do IAS, isto é, cerca de 125 mensais Alteração da alínea d) do artigo 5.º Artigo 5.º d) Esteja inscrito num mínimo de 30 ECTS, salvo nos casos em que se encontre inscrito num número de ECTS inferior por estar a finalizar o curso ou por não se poder inscrever àquele número mínimo de ECTS por a isso obstarem normas internas de inscrição na tese, dissertação, projeto ou estágio do respetivo ciclo de estudos." A alínea d) do artigo 5.º estabelece como exceção lógica à regra da condição de elegibilidade consistente na inscrição a pelo menos 30 ECTS, a inscrição dos estudantes finalistas num número inferior por estarem a concluir o curso. Todavia ignora uma outra situação que obedece a lógica idêntica e que tem gerado algumas injustiças nas decisões de atribuição de bolsas de estudo, que são as situações em que, por força de regras internas das próprias instituições, existir uma impossibilidade objetiva de inscrição àquele mínimo de 30 ECTS. É o caso típico dos estudantes de Mestrado que podem ter no 2.º e último ano do seu ciclo de 7

8 estudos uma única unidade curricular com um peso igual ou muito próximo dos 60 ECTS (tese, dissertação, estágio ou projeto), mas a que só se podem inscrever se tiverem tido aproveitamento em todas as unidades curriculares que a antecederam Alteração da alínea e) do artigo 5.º Artigo 5.º e) Tendo estado matriculado e inscrito em instituição de ensino superior em ano letivo anterior àquele para o qual requer a bolsa, tenha obtido, no último ano em que esteve inscrito, aprovação em, pelo menos: NC, se NC < ECTS, se NC ECTS, se NC 30, no caso dos estudantes de 1.º ano/ 1.ª vez inscritos em ciclos de estudo de licenciatura e mestrado integrado Entende-se que a condição do aproveitamento escolar é desequilibrada na medida em que atribui condições diferentes ao esforço realizado por diferentes estudantes. Ao exigir 60% de aproveitamento para qualquer número de ECTS superior a 60 e uma vez que já existe limitação ao número de anos que o estudante pode ser apoiado até concluir o curso, cria-se alguma injustiça nesta aplicação. Sugere-se, então, que esta situação seja alterada, passando-se a exigir um aproveitamento de 36 ECTS, independentemente do número de créditos a que o estudante se inscreva a partir de 36. No caso dos estudantes do 1.º ano/ 1.ª vez, a introdução de um critério mais flexível prende-se com o facto de ser neste ano que se verifica um maior insucesso escolar, motivado por diversos factores, dos quais se destacam a adaptação a um novo tipo de ensino, uma nova instituição e, em alguns casos, um novo estilo de vida. Contudo, é de salientar que estes estudantes terão sempre de respeitar os demais critérios de aproveitamento escolar previstos no Regulamento nos anos subsequentes, nomeadamente o critério da alínea f) do artigo 5.º. 8

9 Simulação: Foi efetuada uma análise sobre requerimentos que apresentam, em 2014/2015, motivos de indeferimento e que contêm informação académica, tendo-se verificado a existência de 4647 requerentes (20%) que haviam estado inscritos a mais de 60 ECTS no ano letivo anterior. Analisada a situação, exclusivamente em relação ao aproveitamento académico, 977 requerentes (4,2%) deixariam de apresentar como motivo (ou um dos motivos) de indeferimento, a falta de aproveitamento. Efetuada uma análise aos requerimentos que haviam sido indeferidos, exclusivamente, por este motivo, a alteração sugerida aumentaria em 710 o número de bolseiros, a que corresponde aproximadamente mais 1,5 M anuais de despesa Alteração da alínea g) do artigo 5.º Artigo 5.º g) Tenha um rendimento per capita do agregado familiar em que está integrado, calculado nos termos do artigo 45.º, igual ou inferior a 16 vezes o indexante dos apoios sociais em vigor no início do ano letivo, acrescido do valor da propina máxima anualmente fixada para o 1º.ciclo de estudos do ensino superior público nos termos legais em vigor. O limiar de elegibilidade é o critério que permite determinar o universo de candidatos potencialmente considerados para a atribuição de uma bolsa de estudo, ou seja, define o escalão mínimo de apoio dos bolseiros. Desta forma, o limiar de elegibilidade diz-nos qual o rendimento máximo acima do qual um candidato deixa de ser considerado elegível por excesso de capitação. Atualmente, todo o candidato cujo agregado familiar que disponha de cerca de 6930 euros de rendimento anual per capita, deixa de ser elegível para efeito de atribuição bolsa. 9

10 Face ao contexto atual de crise, é entendimento da Comissão que este limiar deve ser alargado, como forma de aumentar o universo de candidatos abrangidos pela bolsa mínima. Entende-se que o valor que mais se ajusta às reais necessidades dos agregados é o de 16xIAS+P, o que corresponde a um aumento de 838,44 no limiar de elegibilidade. Simulação: Impacto, no número de bolseiros e na despesa, da alteração do limiar de elegibilidade para 16xIAS e 15x IAS, usando dados históricos dos anos letivos 2012/13 a 2014/ Número de indeferidos com um dos motivos rendimento per capita superior a 14 x IAS + P Concurso 14xIAS+P 15xIAS+P Acréscimo potencial máximo n.º bolseiros 16xIAS+P Acréscimo potencial máximo n.º bolseiros Dos quais, os indeferimentos exclusivamente por rendimento per capita superior a 14 x IAS + P Concurso 14xIAS+P 15xIAS+P Acréscimo Acréscimo 16xIAS+P Acréscimo Acréscimo potencial potencial de potencial potencial de n.º despesa n.º despesa bolseiros bolseiros , , , , , ,40 2 Considerando que não existe alteração à fórmula de apuramento do valor de bolsa, o acréscimo é calculado tendo em conta a propina efetivamente suportada pelos requerentes em causa, facultada pelos serviços competentes. 10

11 5.6. Alteração da subalínea ii) da alínea i) do artigo 5.º Artigo 5.º i) i. ii. As situações que não lhe sejam imputáveis, considerando-se, designadamente, a insolvência decretada judicialmente. A subalínea ii) da alínea i) do artigo 5.º não define qualquer situação concreta em que se possa entender não ser imputável a falta de regularidade da situação tributária ou da situação contributiva. Desta forma, torna-se necessária a densificação desta norma, enumerando taxativamente as duas situações possíveis nas quais o candidato a bolsa, ou o próprio agregado familiar, não têm a liberdade de gerir o pagamento das suas dívidas: insolvências e dívidas prestativas. Leia-se que, no caso da existência de uma dívida prestativa à Segurança Social ou à Autoridade Tributária, o contribuinte pode não ter conhecimento da mesma. Por sua vez, no caso de uma insolvência decretada judicialmente, qualquer decisão cabe ao Administrador da Insolvência nomeado pelo Tribunal que decretou a insolvência Alteração do artigo 8.º Artigo 8.º a) ; b) Não releva o requisito fixado na alínea e) do artigo 5.º, desde que no ano letivo em questão o candidato não tenha beneficiado da atribuição de bolsa de estudo. Nas situações de mudança de curso (1.ª mudança) o artigo 8.º determina que ao número limite de inscrições necessárias para completar o ciclo de estudos sem 11

12 perder o direito a bolsa, previsto na alínea f) do artigo 5.º, seja acrescentada uma unidade. Tal regra é justificada pela oportunidade que se pretende dar ao estudante de, numa segunda opção, conseguir concluir o novo curso escolhido no mesmo tempo concedido aos demais estudantes. Porém, na execução de tal desiderato não se teve em conta o requisito da alínea e) do artigo 5.º, ou seja, quando haja lugar a uma primeira mudança de curso, o Regulamento obriga a que seja considerado na análise da elegibilidade do candidato o aproveitamento escolar que obteve na sua última inscrição no ensino superior. Assim, para se dar plena aplicação ao princípio que cremos subjazer neste artigo, cremos que o mesmo deve conter duas alíneas, permitindo que, para os estudantes cuja primeira inscrição no ciclo de estudos tenha sido feita na sequência de uma mudança de curso, os valores a que se refere a alínea f) do artigo 5.º sejam acrescidos de uma unidade e o aproveitamento previsto na alínea e) desse mesmo artigo não releve, desde que o candidato não tenha, no ano letivo em questão, beneficiado de bolsa de estudo Aditamento do n.º 3 ao artigo 10.º Artigo 10.º Para os fins da condição a que se refere o número 1, quando um estudante transite do regime de tempo parcial para o regime de tempo integral as inscrições realizadas no regime de tempo parcial são divididas por dois. Do n.º 2 do art.º 10.º, na sua atual redação, a fazer-se uma interpretação meramente literal do mesmo, depreende-se que só os estudantes que transitem do tempo integral para o tempo parcial beneficiam de uma regra especial de contagem do número de inscrições para efeitos de verificação do número limite de inscrições 12

13 até ao qual podem beneficiar da atribuição de bolsa de estudos. Contudo, não se encontra prevista a situação em que os candidatos possam ter realizado a transição oposta, ou seja, do tempo parcial para o tempo integral Aditamento do n.º 2 ao artigo 12.º Artigo 12.º São consideradas situações especialmente graves ou socialmente protegidas aquelas que, pela sua natureza estritamente pessoal, sejam comprovadamente impeditivas da frequência das atividades letivas, nomeadamente: a) O exercício de direitos de maternidade e paternidade; b) A assistência imprescindível e inadiável a familiares que integram o agregado familiar do assistente; c) Ter diminuição física ou sensorial, conferente de incapacidade igual ou superior a 60%, que contribua para um acentuado menor rendimento escolar. O artigo 12.º determina que para efeitos de verificação do aproveitamento escolar mínimo e do número limite de inscrições até ao qual um estudante tem direito a bolsa de estudo, não sejam consideradas as inscrições relativas a anos letivos em que o estudante não obtenha aproveitamento escolar por motivo de doença grave prolongada, devidamente comprovada, ou outras situações especialmente graves ou socialmente protegidas, igualmente comprovadas. Esta norma tem-se revelado, na sua aplicação prática, indefinida e demasiado ampla, pelo que se entende necessário proceder-se a uma enumeração, a título exemplificativo, de algumas situações concretas a contemplar Supressão do n.º 6 do artigo 14.º e do n.º 3 do artigo 15.º: Entende-se que o número 6 do artigo 14.º e o n.º 3 do artigo 15.º devem ser suprimidos. Estes números dispõem que, respetivamente: 13

14 6 - O valor da bolsa de referência fixado nos termos dos números anteriores é majorado em 7,5 % no caso dos agregados familiares: a) Unipessoais; b) Constituídos pelo requerente e por um elemento menor de idade; c) Constituídos pelo requerente e por um elemento maior de idade. e 3 - Para os agregados familiares a que se refere o n.º 5 do artigo anterior, o valor da bolsa base anual é igual a: BR - (R x 0,85), para aqueles a que se refere a alínea a); BR - [(R x 0,85)/1,5], para aqueles a que se refere a alínea b); BR - [(R x 0,85)/1,7], para aqueles a que se refere a alínea c) em que: BR é a respetiva bolsa de referência; R é o rendimento calculado nos termos do artigo 34.º. O Regulamento contempla majorações que são introduzidas no cálculo do valor da bolsa de estudo dos candidatos integrados em agregados familiares de menor dimensão, nomeadamente agregados familiares unipessoais e com menos de 3 pessoas. Ainda que compreendendo a razão e a importância de se majorar o valor da bolsa de estudo dos candidatos provenientes de agregados familiares com menos de 3 pessoas, entende-se que a forma de cálculo do valor da bolsa de estudo deve ser igual para todos os agregados familiares, colocando termo a esta discriminação entre agregados e candidatos, que se revelou de carácter eminentemente transitório aquando da sua introdução no Regulamento (em 2012). Desta forma, acentua-se a igualdade na distribuição dos recursos disponíveis e evitam-se situações de discriminação entre agregados, que neste caso favoreciam os agregados mais pequenos em detrimento dos agregados mais numerosos. 14

15 Simulação: Foram avaliados os requerimentos deferidos onde os agregados familiares eram compostos por menos de 3 elementos. Concurso N.º requerimentos com menos de 3 elem no agregado Poupança alcançada na despesa pela eliminação da majoração de 7,5% , ,39 Desta forma, a medida ora proposta gera uma redução previsível da despesa de aproximadamente 2,5M, essencial para, numa lógica de redistribuição, permitir a opção por outras medidas propostas neste Relatório Aditamento do n.º 6 ao artigo 19.º e do n.º 2 ao artigo 20.º Artigo 19.º Os estudantes bolseiros deslocados a que se referem os números 1 e 2 beneficiam de um complemento mensal adicional quando, através de comprovativo emitido pelos serviços académicos da instituição que frequentam, façam prova de terem realizado/estarem a realizar determinados atos académicos, designadamente provas de avaliação e estágios. Artigo 20.º Os estudantes bolseiros deslocados a que se refere o número 1 beneficiam de um complemento mensal adicional quando, através de comprovativo emitido pelos serviços académicos da instituição que frequentam, façam prova de terem 15

16 realizado/estarem a realizar determinados atos académicos, designadamente provas de avaliação e estágios. Os estudantes de Ensino Superior, por força da realização de exames em épocas de setembro, bem como pela realização de exames até ao final do mês de julho, acabam muitas vezes por ficar alojados em residência dos Serviços de Ação Social ou mesmo em alojamento privado durante 11 meses. No entanto, atendendo a que o complemento de estudante deslocado é pago em número de prestações igual ao da bolsa, o estudante bolseiro apenas recebe 10 complementos mensais. Assim, entendemos que o Regulamento deve adequar-se a esta nova realidade, fazendo a atribuição de complementos de alojamento para 11 meses, quando se demonstrar comprovadamente essa necessidade, e não apenas 10 tal como atualmente está previsto Alteração do n.º 3 do artigo 19.º Artigo 19.º O disposto no número anterior aplica-se igualmente aos estudantes bolseiros deslocados do ensino superior público inscritos em instituições de ensino superior que ainda não disponham de residências ou que se encontrem a frequentar atividades letivas, nomeadamente estágios curriculares, em localidades onde as instituições de ensino superior não disponham de residências próprias ou possibilidade de os fazer alojar em residências de outras instituições e de ensino superior. O n.º 3 do artigo 19.º estabelece, a propósito da atribuição de complemento de alojamento a estudantes bolseiros, em articulação com o n.º 2 do mesmo artigo, que os estudantes bolseiros deslocados do ensino superior público inscritos em instituições de ensino superior que ainda não disponham de residências e que, 16

17 tendo requerido a atribuição de alojamento em residência dos serviços de ação social não o tenham obtido, beneficiam, no período letivo em causa, de um complemento mensal igual ao valor do encargo efetivamente pago pelo alojamento e comprovado por recibo, até ao limite de 30 % do indexante dos apoios sociais. Porém, em norma alguma do Regulamento é acautelada a situação dos estudantes bolseiros deslocados inscritos em instituições de ensino superior que até disponham de residências, mas não disponham delas na localidade onde aqueles tenham que frequentar as atividades do curso. É o caso, por exemplo, dos estudantes que tenham que frequentar estágios curriculares ou outras atividades letivas, não só fora da sua localidade de residência, como ainda fora da localidade onde se situa o seu estabelecimento de ensino. A introdução desta nova redação visa corrigir esta assimetria Aditamento de um novo n.º 2 ao artigo 28.º Artigo 28.º 1 2 Ocorrendo a inscrição antes de 30 de setembro é sempre garantido um prazo mínimo de 20 dias úteis após a inscrição para que o candidato apresente o requerimento de atribuição de bolsa Relativamente a este artigo, que fixa os prazos de submissão dos requerimentos de atribuição de bolsas de estudo, propõe-se o aditamento de um novo n.º 2 que estabeleça o princípio da garantia de um prazo mínimo de 20 dias úteis, após a inscrição, para que o candidato possa submeter o requerimento a atribuição de bolsa de estudos. Na verdade, na redação atual, o artigo 28.º dispõe que um estudante que se inscreva no dia 30 de setembro e que pretenda receber as 10 prestações de bolsa seja obrigado a apresentar o requerimento de atribuição de bolsa de estudos nesse mesmo dia. Ora, esta situação parece-nos desproporcionada relativamente aos 17

18 demais estudantes, razão pela qual, em alinhamento com o que já dispõe a alínea b) do n.º 1 deste artigo, se entende que deve ser sempre garantido o prazo mínimo de 20 dias úteis após inscrição a qualquer candidato a bolsa Alteração do artigo 32.º Artigo 32.º Em caso de alteração significativa da composição e/ou da situação económica do agregado familiar do estudante em relação ao ano anterior ao do início do ano letivo, pode o mesmo, consoante os casos, submeter requerimento de atribuição de bolsa de estudo ou de reapreciação do valor da bolsa de estudo atribuída, sendo o montante a atribuir proporcional ao valor calculado nos termos do presente Regulamento, considerando o período que medeia entre o mês de apresentação do requerimento e o fim do período letivo ou do estágio. O artigo 32.º prevê que em caso de alteração significativa da situação económica do agregado familiar do estudante em relação ao ano anterior ao do início do ano letivo, pode o mesmo, consoante os casos, submeter requerimento de atribuição de bolsa de estudo ou de reapreciação do valor da bolsa de estudo. Ora, este artigo não inclui uma outra situação que pode igualmente afetar significativamente a situação dos estudantes bolseiros ou candidatos a bolsa, que é a de haver uma alteração na composição do agregado familiar, como por exemplo o nascimento de um filho ou o falecimento de um familiar que compõe o agregado. A redação proposta visa corrigir estas situações Alteração do artigo 36.º Artigo 36.º Consideram-se rendimentos empresariais e profissionais os definidos no artigo 3.º do CIRS, apurados de acordo com o previsto no n.º 1 do artigo 28.º do mesmo Código, não podendo ser considerados rendimentos inferiores aos que resultariam da aplicação das 18

19 regras do regime simplificado, ainda que apurados com base na contabilidade organizada. O artigo 36.º define o critério de apuramento dos rendimentos de trabalho independente dos membros do agregado familiar do estudante candidato a bolsa, remetendo, para tanto, para o rendimento apurado de acordo com o n.º 1 do artigo 28.º do CIRS. Esta norma determina como critérios de apuramento dos rendimentos de trabalho independente ou os decorrentes das regras do regime simplificado de tributação ou os decorrentes de apuramento em contabilidade organizada. Ora parece-nos que a opção tomada nesta norma, na parte que respeita aos rendimentos de trabalho independente cuja base tributária é apurada através de contabilidade organizada, distorce os princípios que devem subjazer à atribuição de um apoio social, como é a bolsa de estudos, visto que se beneficiam os titulares de rendimentos de trabalho independentes que, tendo a vantagem de poder ter contabilidade organizada, podem imputar na atividade empresarial diversos encargos e despesas. Face ao exposto, e com o intuito de repor alguma justiça social nesta situação, propõe-se a alteração deste artigo. Simulação: Foram considerados 1884 requerimentos de bolsa entregues no ano letivo de que apresentam o anexo C na declaração de IRS electrónica. Apenas neste tipo de declaração, cujos dados são obtidos por interoperabilidade, se encontram disponíveis os valores discriminados. Este valor representa cerca de 2,7% dos requerimentos entregues que apresentam todos os elementos do agregado familiar associados a declarações electrónicas. 19

20 Valor Novo valor a Variação em valor Variação atualmente considerar a considerar para percentual considerado efeitos de rendimento Rendimentos apresentados anexo C no , ,14 Aumento de 297% no montante a considerar Lucro apresentado no anexo C ,77 0 Foi efetuada análise a 1220 requerimentos, para os quais existe toda a informação adicional necessária para a simulação. Valor atualmente Novo valor a Variação em valor Variação considerado considerar a considerar para percentual efeitos de rendimento Rendimentos apresentados anexo C Lucro apresentado anexo C no no , ,19 Aumento de 285% no montante a considerar ,86 0 Valor Novo valor a Variação em valor Variação percentual considerado considerar Total de Rendimentos Rendimento per capita , , ,19 Aumento de 22,4% , , ,94 Aumento de 22,7% Rendimento per capita inferior a 14xIAS+P Rendimento per capita superior a 14xIAS+P Variação Cálculo atual Novo proposto Cálculo bolseiros 20

21 Os 188 requerentes que perdem a condição de bolseiros representariam uma diminuição de despesa anual de, aproximadamente, A alteração na fórmula de apuramento do rendimento afetaria, ainda, os estudantes bolseiros. O impacto nestes 648 requerentes traduzir-se-ia numa diminuição de no montante de bolsas a pagar, a que corresponde, em termos médios a uma diminuição de 481 no valor da bolsa base atribuída. Assim, a alteração proposta resultaria numa diminuição da despesa que totalizaria cerca de e do número de bolseiros em cerca de Aditamento do n.º 2 ao artigo 37.º Artigo 37.º 2 Relativamente aos titulares de quotas de sociedades comerciais é considerada uma participação nos lucros ou dividendos de ações, no valor mínimo correspondente à percentagem da sua participação social sobre 20% dos proveitos anuais realizados. O artigo 37.º define o critério de apuramento dos rendimentos de capitais dos membros do agregado familiar do estudante candidato a bolsa, remetendo para os rendimentos definidos no artigo 5.º do CIRS, designadamente os juros de depósitos bancários, dividendos de ações ou rendimentos de outros ativos financeiros. A aplicação desta norma levanta problemas no que toca aos titulares de participações sociais em sociedades comercias, semelhantes às anteriormente colocadas a propósito dos titulares dos rendimentos de trabalho independente que seguem a regra de apuramento do rendimento tributável através da contabilidade. Assim, propomos que se determine que, relativamente aos titulares de ações ou quotas de sociedades comerciais, seja considerada uma participação nos lucros ou dividendos de ações, no valor mínimo correspondente à percentagem da sua participação social sobre 20% dos proveitos anuais realizados. A percentagem poderá ser outra. 21

Alterações ao Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudos a Estudantes de Ensino Superior

Alterações ao Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudos a Estudantes de Ensino Superior Alterações ao Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudos a Estudantes de Ensino Superior O movimento associativo nacional entende que a existente dificuldade dos estudantes e das famílias portuguesas

Leia mais

PARTE C MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 16994-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 121 24 de junho de 2015. Gabinete do Ministro

PARTE C MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 16994-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 121 24 de junho de 2015. Gabinete do Ministro 16994-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 121 24 de junho de 2015 PARTE C MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro Despacho n.º 7031-A/2015 Na sequência da assinatura, em Pequim, em 15

Leia mais

FREGUESIA DESANTOANTÓNIO PROJETO DE REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO REGULAMENTO DE APOIO AO ALUNO DO ENSINO SUPERIOR NOTA JUSTIFICATIVA

FREGUESIA DESANTOANTÓNIO PROJETO DE REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO REGULAMENTO DE APOIO AO ALUNO DO ENSINO SUPERIOR NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DE APOIO AO ALUNO DO ENSINO SUPERIOR NOTA JUSTIFICATIVA Considerando o quadro legal de competências e atribuições das autarquias locais estabelecido pela Lei n.º 169/99, de 18 de setembro,

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior 3 de Setembro de 2010 Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Capítulo I Princípios da

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Regras Técnicas aprovadas no CAS Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2009/2010 REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

Despacho n.º 8442-A/2012, de 22 de junho de 2012 Versão consolidada

Despacho n.º 8442-A/2012, de 22 de junho de 2012 Versão consolidada Despacho n.º 8442-A/2012, de 22 de junho de 2012 Versão consolidada A atribuição de bolsas de estudo a estudantes do ensino superior no ano letivo de 2011-2012 realizou-se ao abrigo do regulamento aprovado

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR (3ª ALTERAÇÃO)

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR (3ª ALTERAÇÃO) REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR (3ª ALTERAÇÃO) Preâmbulo Considerando a experiência adquirida com a atribuição anual de bolsas de estudo aos estudantes que

Leia mais

PARTE C MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 22056-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 120 22 de junho de 2012

PARTE C MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 22056-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 120 22 de junho de 2012 22056-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 120 22 de junho de 2012 PARTE C MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Secretário de Estado do Ensino Superior Despacho n.º 8442-A/2012 A atribuição de

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Bolsas de Estudo e Novas Regras

Serviços de Acção Social da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Bolsas de Estudo e Novas Regras Serviços de Acção Social da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Bolsas de Estudo e Novas Regras Missão dos SASUTAD Apoios Directos Apoios Indirectos Núcleo de Apoio ao Estudante (NAE) Sector de

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

REGRAS TÉCNICAS PARA APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO

REGRAS TÉCNICAS PARA APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO REGRAS TÉCNICAS PARA APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Nos termos do disposto no nº2 do Despacho nº 10324-D/97 do D.R. (II Série) de 31 de Outubro, o Conselho de Acção Social dos

Leia mais

GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Manual de

GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Manual de Manual de GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático

Leia mais

MUNICÍPIO DE CHAVES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR

MUNICÍPIO DE CHAVES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas de atribuição de bolsas de estudo, por parte da Câmara Municipal de

Leia mais

Propostas de alteração nos mecanismos de atribuição de bolsas de estudo a estudantes de ensino superior

Propostas de alteração nos mecanismos de atribuição de bolsas de estudo a estudantes de ensino superior Propostas de alteração nos mecanismos de atribuição de bolsas de estudo a estudantes de ensino superior O tem já manifestado de formas diversas o seu apoio à existência de um sistema de ação social abrangente

Leia mais

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO DESPACHO N.º /2015 Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de PREÂMBULO Considerando a experiência adquirida no Instituto Politécnico de (IP) com a aplicação

Leia mais

Regulamento para Atribuição de Bolsas de Estudo

Regulamento para Atribuição de Bolsas de Estudo Regulamento para Atribuição de Bolsas de Estudo Nota Justificativa Um dos grandes fatores que contribui para o abandono escolar e para o não prosseguimento dos estudos, após a conclusão da escolaridade

Leia mais

REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL DO ISVOUGA

REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL DO ISVOUGA Página 1 de 5 Artigo 1.º (objeto) Num contexto económico e social com elevados níveis de competitividade e em que o processo de escolarização se revela fundamental para a aquisição/reforço de competências

Leia mais

BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA

BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇ BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA Pretende-se, com este regulamento, incentivar e proporcionar condições de

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO MUNICÍPIO DE BARCELOS

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO MUNICÍPIO DE BARCELOS Nota justificativa Os municípios enquanto autarquias locais

Leia mais

Câmara Municipal de Arraiolos

Câmara Municipal de Arraiolos Alteração ao Regulamento Municipal para Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Público Artigo 1.º Alteração à denominação do Regulamento É alterado o título do Regulamento que passa

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO No âmbito da sua ação sócio-cultural e educacional, a Santa Casa da Misericórdia de Mora decidiu atribuir bolsas de estudo

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO REGRAS E PROCEDIMENTOS TÉCNICOS PARA O CÁLCULO DE BOLSAS DE ESTUDO I. Atento o nº 1 do artigo 10º, o Rendimento anual do agregado

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC Artigo 1º Âmbito do regulamento 1. O presente regulamento define o regime do pagamento da propina pelos estudantes do IPVC inscritos a tempo integral,

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE REQUERIMENTOS A BOLSA DE ESTUDO

GUIA PRÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE REQUERIMENTOS A BOLSA DE ESTUDO GUIA PRÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE REQUERIMENTOS A BOLSA DE ESTUDO DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR NOVEMBRO DE 2010 ÍNDICE Índice ÍNDICE 2 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. VERIFICAÇÃO DA CONDIÇÃO DE RECURSOS...

Leia mais

Câmara Municipal de Cuba

Câmara Municipal de Cuba Câmara Municipal de Cuba Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo para Cursos do Ensino Superior CAPITULO 1 Artigo 1 Âmbito 1. O presente Regulamento tem como lei habilitante a Lei n 169/99,

Leia mais

Regulamento de atribuição de Bolsas de Estudo U CAN

Regulamento de atribuição de Bolsas de Estudo U CAN Regulamento de atribuição de Bolsas de Estudo U CAN Preâmbulo Faz parte da missão do Programa Escolhas o apoio à inclusão escolar dos jovens provenientes dos contextos socio-económico mais vulneráveis.

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL PREÂMBULO No contexto socioeconómico do País e concretamente da UFAFDN, debatemonos com várias carências de nível económico,

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO ENSINO SUPERIOR PREÂMBULO A educação e formação dos jovens estarrejense são factores essenciais para o desenvolvimento económico e social do concelho

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

Alteração ao Regulamento Municipal de Bolsas de Estudo de Paredes de Coura

Alteração ao Regulamento Municipal de Bolsas de Estudo de Paredes de Coura Alteração ao Regulamento Municipal de Bolsas de Estudo de Paredes de Coura Preâmbulo A educação e formação dos jovens courenses são fatores essenciais para o desenvolvimento económico e social do concelho

Leia mais

Contributos para a agilização do processo de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do ensino superior

Contributos para a agilização do processo de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do ensino superior Contributos para a agilização do processo de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do ensino superior 1. Contexto A atribuição de bolsas de estudo a estudantes de ensino superior encontra-se actualmente

Leia mais

C Â M A R A M U N I C I P A L D E M O N T I J O

C Â M A R A M U N I C I P A L D E M O N T I J O REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO CIDADE DE MONTIJO Preâmbulo Os défices estruturais dos níveis de educação e de qualificação que ainda continuam a caracterizar a população concelhia

Leia mais

U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento. Preâmbulo

U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento. Preâmbulo U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento Preâmbulo O Programa Escolhas, tutelado pela Presidência do Conselho de Ministros e integrado no Alto Comissariado para as Migrações, I.P., tem como um

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO. Preâmbulo

BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO. Preâmbulo BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO Preâmbulo Faz parte da missão da ANA - Aeroportos de Portugal, S.A. (ANA) gerir de forma eficiente a rede de infraestruturas aeroportuárias a seu cargo os aeroportos

Leia mais

FAQ - Perguntas Mais Frequentes

FAQ - Perguntas Mais Frequentes FAQ - Perguntas Mais Frequentes I-Bolsas de Estudo 1. Que legislação regulamenta a atribuição de bolsas de estudo? Relativamente ao ano letivo 2012-2013, o Despacho nº 8442-A/2012, de 22 junho, que se

Leia mais

Formulário de Candidatura ao Fundo Social de Emergência (FSE) do ano letivo /

Formulário de Candidatura ao Fundo Social de Emergência (FSE) do ano letivo / Campus de Gualtar 4710-057 Braga P I - identificação e residência Nome: Formulário de Candidatura ao Fundo Social de Emergência (FSE) do ano letivo / Nº de aluno: Data de nascimento / / Estado civil: Sexo:

Leia mais

REGULAMENTO. Tesouraria. Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL. Direção do ISPA - CRL 1.14

REGULAMENTO. Tesouraria. Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL. Direção do ISPA - CRL 1.14 Tesouraria REGULAMENTO Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL Direção do ISPA - CRL O presidente da Direção do ISPA - CRL (Prof. Doutor Emanuel Gonçalves) O presidente da Direção do

Leia mais

ÍNDICE. Artigo 8.º - Apoio ao pagamento de renda ou prestações relacionadas com a aquisição de habitação própria

ÍNDICE. Artigo 8.º - Apoio ao pagamento de renda ou prestações relacionadas com a aquisição de habitação própria REGULAMENTO MUNICIPAL PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL CAMINHA SOLIDÁRIA ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de atribuição Artigo 4.º - Destinatários Artigo 5.º

Leia mais

Regulamento Atribuição de Bolsas de Estudo para Estudantes do Ensino Superior do Concelho de Alpiarça

Regulamento Atribuição de Bolsas de Estudo para Estudantes do Ensino Superior do Concelho de Alpiarça Regulamento Atribuição de Bolsas de Estudo para Estudantes do Ensino Superior do Concelho de Alpiarça Nota Justificativa A educação assume-se, no contexto atual, como uma tarefa transversal que cabe a

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PROGRAMA

PROGRAMA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PROGRAMA PROGRAMA ARTIGO 1º (OBJECTO) O presente programa tem por objecto o concurso para atribuição, pela Câmara Municipal de Alcobaça, de 25 bolsas de estudo, durante o ano lectivo de 2014/2015, a estudantes

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1 ÂMBITO 1. O presente Regulamento, submetido à aprovação da Fundação

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL CAMINHA SOLIDÁRIA

REGULAMENTO MUNICIPAL PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL CAMINHA SOLIDÁRIA REGULAMENTO MUNICIPAL PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL CAMINHA SOLIDÁRIA APROVADO EM REUNIÃO DE CÂMARA DE 12 DE JUNHO DE 2013 ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições

Leia mais

Fiscalidade de Seguros

Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros (aplicável a partir de 01 de Janeiro de 2015) O presente documento tem natureza meramente informativa, de carácter necessariamente geral, e não constitui nem

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de Atribuição Artigo 4.º - Organização Processual Artigo 5.º - Benefícios do Cartão

Leia mais

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma.

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma. Decreto-Lei N.º 512/99 De 24 de Novembro Cria um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior A Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro - Lei de Bases do Financiamento do Ensino Superior Público

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014 Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027 Portaria n.º 151/2014 de 30 de julho O Governo tem vindo a desenvolver uma estratégia nacional de combate ao desemprego jovem assente numa

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL PARA ATRIBUIÇÃO DE DE BOLSAS DE ESTUDOS AOS ALUNOS QUE FREQUENTAM O ENSINO SUPERIOR Órgão APROVAÇÃO Data Entrada em vigor Câmara Municipal 30/05/2014 Assembleia Municipal 06/06/2014

Leia mais

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO Regulamento do Programa de Bolsas de Educação Introdução Considerando a importância e oportunidade do Programa de Responsabilidade Social do Comité Olímpico de

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE. Maternidade, Paternidade, Adoção. Guia da Parentalidade

PROTEÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE. Maternidade, Paternidade, Adoção. Guia da Parentalidade PROTEÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE Maternidade, Paternidade, Adoção Guia da Parentalidade Ficha Técnica Autor: Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação

Leia mais

Guia de Apoio. Orientações para Candidaturas Ano 2014 Regiões de Convergência, Algarve e Lisboa. Tipologias de Intervenção 6.2/8.6.2/9.6.

Guia de Apoio. Orientações para Candidaturas Ano 2014 Regiões de Convergência, Algarve e Lisboa. Tipologias de Intervenção 6.2/8.6.2/9.6. Guia de Apoio Orientações para Candidaturas Ano 2014 Regiões de Convergência, Algarve e Lisboa Tipologias de Intervenção 6.2/8.6.2/9.6.2 Qualificação das Pessoas com Deficiência e Incapacidade Setembro

Leia mais

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Bonificação por Deficiência (4002 v4.20)

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO DOS ESTUDANTES

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO DOS ESTUDANTES DO APROVEITAMENTO DOS CONSELHO PEDAGÓGICO Julho de 2014 CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento estabelece o regime de funcionamento e as normas de avaliação a aplicar

Leia mais

Regulamento de Propina

Regulamento de Propina Regulamento de Propina 2015 2015 ÍNDICE SECÇÃO I Curso de Licenciatura em Enfermagem... 4 Artigo 1º Valor da Propina... 4 Artigo 2º Modalidades de pagamento... 4 SECÇÃO II Cursos de Pós-Licenciatura e

Leia mais

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Artigo 1.º Objeto

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Artigo 1.º Objeto DATA: Quarta-feira, 30 de julho de 2014 NÚMERO: 145 SÉRIE I EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social DIPLOMA: Portaria n.º 151/2014 SUMÁRIO: Cria o Programa Investe Jovem Artigo

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO DE ESPECIALIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL EM ARTES NO ESTRANGEIRO REGULAMENTO

BOLSAS DE ESTUDO DE ESPECIALIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL EM ARTES NO ESTRANGEIRO REGULAMENTO BOLSAS DE ESTUDO DE ESPECIALIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL EM ARTES NO ESTRANGEIRO I. DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO Artº 1º 1) Com o fim de estimular a especialização e a valorização profissional nos

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

5fe0d90107e74964b15fe89af08c53e4

5fe0d90107e74964b15fe89af08c53e4 DL 35/2014 2014.01.23 A Lei 64-B/2011, de 30 de dezembro, que aprovou o orçamento do Estado para o ano de 2012, promoveu a criação de novas medidas de combate à fraude e evasão fiscais. Neste contexto

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR O direito a uma justa e efectiva igualdade de oportunidades no acesso e sucesso

Leia mais

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores por conta de outrem Trabalhadores independentes Seguro social voluntário: Trabalhadores

Leia mais

sadsfffffffffffffffffff REGULAMENTO MUNICIPAL Centro com Vida Incentivo ao Arrendamento no Centro Histórico de Ponte de Lima

sadsfffffffffffffffffff REGULAMENTO MUNICIPAL Centro com Vida Incentivo ao Arrendamento no Centro Histórico de Ponte de Lima regulamento Deliberado pela Câmara Municipal em 26 de novembro de 2012 Aprovado pela Assembleia Municipal na sua sessão Ordinária de 27 de dezembro de 2012 REGULAMENTO MUNICIPAL Centro com Vida Incentivo

Leia mais

DÚVIDAS SOBRE: - O ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS? - O ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NAT AL? - A BOLSA DE ESTUDO? - O SUBSÍDIO DE FUNERAL?

DÚVIDAS SOBRE: - O ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS? - O ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NAT AL? - A BOLSA DE ESTUDO? - O SUBSÍDIO DE FUNERAL? DÚVIDAS SOBRE: - O ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS? - O ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NAT AL? - A BOLSA DE ESTUDO? - O SUBSÍDIO DE FUNERAL? FUNDAMENTO LEGAL O regime das prestações por encargos familiares,

Leia mais

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO DOSSIER INFORMATIVO 4 INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO EMPRESAS 2015 ÍNDICE 1 - Medida Estágio Emprego...4 2 - Medida Estímulo Emprego...10 3 - Medida REATIVAR...16 4 - Dispensa de pagamento de contribuições

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Nota justificativa Os municípios são autarquias locais que têm como objetivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respetivos

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE RESENDE

CÂMARA MUNICIPAL DE RESENDE 1 REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Preâmbulo As dificuldades económicas são hoje o grande factor que condiciona o abandono escolar precoce e o não prosseguimento dos estudos após a conclusão

Leia mais

O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de julho.

O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de julho. Perguntas Frequentes: CANDIDATURAS E PRAZOS 1. Quais os prazos para apresentar candidatura ao Programa Retomar? O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de

Leia mais

S. R. MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR DESPACHO CONJUNTO Nº Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5706, de 24 de Dezembro de 2004, que altera a Decisão C (2000) 1785, de 28 de Julho de 2000, que aprovou o Programa Operacional Ciência,

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO. Nota Justificativa

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO. Nota Justificativa ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Nota Justificativa Em 29 de dezembro de 2010, foi publicado em Edital afixado nos lugares públicos do

Leia mais

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA AGREGADOS FAMILIARES CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO (Deliberação 27/AML/2012, publicada no 1º Sup. ao BM nº 951, de 10 de Maio

Leia mais

Guia Prático de Registo, Preenchimento e Submissão de Candidaturas à. Bolsa de Estudo 2015/2016

Guia Prático de Registo, Preenchimento e Submissão de Candidaturas à. Bolsa de Estudo 2015/2016 Guia Prático de Registo, Preenchimento e Submissão de Candidaturas à Bolsa de Estudo 2015/2016 O que é? A bolsa de estudo é uma prestação pecuniária anual para comparticipação nos encargos com a frequência

Leia mais

FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA. Regulamento de Bolsas de Investigação Científica. Capítulo I Disposições gerais

FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA. Regulamento de Bolsas de Investigação Científica. Capítulo I Disposições gerais FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA Regulamento de Bolsas de Investigação Científica Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, segue o modelo aprovado pela

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ATRIBUIÇÃO DE COMPARTICIPAÇÕES SOCIAIS

REGULAMENTO PARA A ATRIBUIÇÃO DE COMPARTICIPAÇÕES SOCIAIS REGULAMENTO PARA A ATRIBUIÇÃO DE COMPARTICIPAÇÕES SOCIAIS Outubro/2012 INDÍCE ÍNDICE DATA: 01/10//12 Introdução... 2 Capítulo 1 Ama, Berçário, Creche, Jardim de Infância e Actividades de Tempos Livres...3

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Despacho Presidente n.º 2013/29 Valores de propina e outras taxas para o ano letivo de 2013/2014 Nos termos previstos no Regulamento de propinas em vigor na ESEP

Leia mais

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS OBJECTIVOS O Decreto-lei 55/2009 estabelece

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS Nota Justificativa Os Municípios enquanto Autarquias Locais têm por objetivo

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos

Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos REPUBLICA DE MOÇAMBIQUE Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos Deliberação nº /CI/2007 Reunido em sua Sessão Ordinária no dia 6 de Setembro de 2007, a Comissão Instaladora

Leia mais

GUIA PRÁTICO FUNDO DE GARANTIA DE ALIMENTOS DEVIDOS A MENORES PENSÃO DE ALIMENTOS DEVIDOS A MENORES

GUIA PRÁTICO FUNDO DE GARANTIA DE ALIMENTOS DEVIDOS A MENORES PENSÃO DE ALIMENTOS DEVIDOS A MENORES GUIA PRÁTICO FUNDO DE GARANTIA DE ALIMENTOS DEVIDOS A MENORES PENSÃO DE ALIMENTOS DEVIDOS A MENORES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO, INICIAL OU SUBSEQUENTE AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO, INICIAL OU SUBSEQUENTE AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO, INICIAL OU SUBSEQUENTE AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/36 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE ALIMENTAÇÃO 2013/14 1.º SEMESTRE

REGULAMENTO DA BOLSA DE ALIMENTAÇÃO 2013/14 1.º SEMESTRE REGULAMENTO DA BOLSA DE ALIMENTAÇÃO 2013/14 1.º SEMESTRE 1 PREÂMBULO A Associação Académica da Universidade da Madeira (AAUMa) tem uma missão ampla e variada, onde está prevista a participação na definição

Leia mais

- Ano Lectivo 2010/2011

- Ano Lectivo 2010/2011 - Ano Lectivo 2010/2011 CANDIDATURA A BOLSA DE ESTUDO Serviços de Acção Social Recebido por: Nº MECANOGRÁFICO Nº ALUNO ENTRADA Nº Data de Entrada FOTO (Colada) OBRIGATÓRIO I IDENTIFICAÇÃO E RESIDÊNCIA

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei

Leia mais

g ~ autoridade tributária e aduaneira A Portaria n 421/2012, de 21 de dezembro, aprovou os novos modelos de impressos da

g ~ autoridade tributária e aduaneira A Portaria n 421/2012, de 21 de dezembro, aprovou os novos modelos de impressos da Classificação: 000.05.02 Seg.: Pública Proc.: 20 12/9664 Of.Circulado N.' : 20 163 2013-01-30 Entrada Geral: N.' ldentificação Fiscal (NIF): Sua Ref.-: Técnico: MGN Exmos. Senhores Subdiretores-Gerais

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ANO LETIVO 20 / 20

BOLSAS DE ESTUDO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ANO LETIVO 20 / 20 Nº da candidatura / FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ANO LETIVO 20 / 20 1. IDENTIFICAÇÃO DO/A CANDIDATO/A Nome: Data de nascimento (aa/mm/dd): / / BI ou Cartão do Cidadão nº: válido até (aa/mm/dd) / / NIF (n.º

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO SOCIAL AO ARRENDAMENTO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO SOCIAL AO ARRENDAMENTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO SOCIAL AO ARRENDAMENTO A Constituição da República Portuguesa consagra como um direito fundamental o acesso a uma habitação de dimensão adequada, em condições de higiene

Leia mais

Sobretaxa extraordinária

Sobretaxa extraordinária Sobretaxa extraordinária Por Elsa Marvanejo da Costa Departamento de Consultoria da OTOC Atualizado em 30 11 2011 Nota: Agradece-se que coloque qualquer dúvida ou sugestão através da sua Pasta TOC ou para

Leia mais

REQUERIMENTO DE CANDIDATURA BOLSAS DE ESTUDO - ENSINO SUPERIOR - ANO LETIVO 2014-2015-

REQUERIMENTO DE CANDIDATURA BOLSAS DE ESTUDO - ENSINO SUPERIOR - ANO LETIVO 2014-2015- MUNICÍPIO DE MÊDA DESC- Divisão Educativa e Sócio Cultural Largo do Município 6430 197 Meda Telefone: 279.880040 Fax: 279.888290 E-mail: divisaosociocultural@cm-meda.pt REQUERIMENTO DE CANDIDATURA BOLSAS

Leia mais

FAQ - Perguntas Mais Frequentes

FAQ - Perguntas Mais Frequentes FAQ - Perguntas Mais Frequentes I-Bolsas de Estudo 1. Que legislação regulamenta a atribuição de bolsas de estudo? Relativamente ao ano letivo 2013-2014, o Despacho nº 8442-A/2012, de 22 junho, que se

Leia mais

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Mobilidade Internacional para Estudos REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

( DR N.º 172, Série I 4 Setembro 2009 4 Setembro 2009 )

( DR N.º 172, Série I 4 Setembro 2009 4 Setembro 2009 ) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 985/2009, de 4 de Setembro, Aprova a criação do Programa de Apoio ao Empreendimento e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE), a promover e executar pelo Instituto do Emprego e Formação

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe III

Linha de Crédito PME Investe III Linha de Crédito PME Investe III Condições e Procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: empresas localizadas nas regiões do Continente, salvo quanto à Linha Específica para

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS Artigo 1º Âmbito O presente regulamento aplica-se às acções de formação previstas na Medida 4 da Intervenção Operacional para a Ciência

Leia mais

Fundo Universitário AMI

Fundo Universitário AMI Fundo Universitário AMI Regulamento Geral Preâmbulo Desde 1994, ano em que se inaugurou o primeiro centro social da AMI (Olaias) e até 2014, os Serviços Sociais da AMI apoiaram 64.317 pessoas em situação

Leia mais

Documento de Apoio Simulador de Rendas

Documento de Apoio Simulador de Rendas Documento de Apoio Simulador de Rendas O Município de Lisboa desenvolveu um simulador de Cálculo de Rendas que está disponível para o munícipe na página da internet da CML, no seguinte endereço http://simuladorderenda.cm-lisboa.pt

Leia mais

Nome completo Data de Nascimento (dd-mm-aaaa) Morada Familiar Código Postal Freguesia. B.I. NIF (Contribuinte) Telefone Telemóvel

Nome completo Data de Nascimento (dd-mm-aaaa) Morada Familiar Código Postal Freguesia. B.I. NIF (Contribuinte) Telefone Telemóvel Ex.mo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Barcelos C A N D I D A T U R A A B O L S A D E E S T U D O E N S I N O S U P E R I O R Responda a todos os itens de forma mais completa possível. 1. Estabelecimento

Leia mais