Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família"

Transcrição

1 1 Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família André Portela Souza (a) Janete Duarte (b) Plínio Portela de Oliveira (b) Luis Felipe Vital Nunes Pereira (b) Sérgio Ricardo de Brito Gadelha (b) Resumo: Esse estudo avalia os determinantes da focalização do Programa Bolsa Família por meio da implementação de um indicador de focalização baseado em uma ponderação entre o alcance e a precisão do programa. Utilizando-se as informações no Censo IBGE 2010, os resultados das simulações evidenciam não apenas um aumento da proporção dos domicílios elegíveis corretamente incluídos no Programa, como também uma redução na proporção dos domicílios elegíveis erroneamente excluídos do Programa (Erro Tipo I). Além disso, estimações econométricas via método dos momentos generalizados são realizadas para analisar o impacto de variáveis socioeconômicas e fiscais no alcance e na precisão desse Programa. Abstract: This study assesses the determinants of Bolsa Família Program s targeting through the implementation of an targeting indicator based on a weighing between range and accuracy of the program. Using the information in the IBGE Census 2010, the simulation results show not only an increase in the proportion of eligible households correctly included in the program, as well as a reduction in the proportion of eligible households erroneously excluded in the Program (Type I error). Moreover, econometric estimations by generalized method of moments are performed to analyze the impact of socioeconomic and fiscal variables in range and accuracy of this Program. Palavras-chave: Programa Bolsa Família, Focalização. Classificação JEL: C31, I38, O15 (a) Fundação Getúlio Vargas (FGV/SP). (b) Analistas de Finanças e Controle da Secretaria do Tesouro Nacional. Coordenação-Geral de Estudos Econômico-Fiscais/Gerência de Estudos Econômico-Fiscais (Cesef/Geefi). Esplanada dos Ministérios, Bloco P, Anexo A, Ala B, 1º andar, sala 134. Brasília-DF. CEP.: Fone: (61) para contato: As opiniões expressas nesse trabalho são de exclusiva responsabilidade dos autores, não expressando, necessariamente, a opinião da Secretaria do Tesouro Nacional.

2 2 1. Introdução Embora a literatura sobre federalismo fiscal estabeleça que a renda deve ser redistribuída por um governo central (MUSGRAVE, 1971; OATES, 1999), recentemente nos países em desenvolvimento tem-se tornado prática comum delegar a tarefa de escolher os beneficiários de programas governamentais de redução de pobreza aos governos e comunidades locais, os quais possuem mais informações a respeito da população pobre do que o governo central, de modo que há um incentivo de se usar a informação disponível localmente para melhorar o desempenho desses tipos de programas de transferência de renda (GALASSO e RAVALLION, 2005). Contudo, um importante obstáculo em melhorar a focalização dos programas governamentais de transferência de renda para os pobres são os custos elevados que podem estar envolvidos na obtenção de informações precisas sobre rendimentos e necessidades da população local. Por essa razão, a maneira que tem sido sugerida para reduzir o custo é descentralizar a responsabilidade pelo monitoramento e gerenciamento desses programas aos governos locais, sob o argumento de que esses governos são capazes de realizar essa tarefa com maior precisão e efetividade, em termos de custos, do que o governo central. Alega-se que os governos locais são bem informados sobre a renda dos membros de suas comunidades e, dessa forma, são capazes de identificar àqueles individuos que são realmente pobres. Por outro lado, as famílias serão menos capazes de esconder informações sobre seus rendimentos das autoridades governamentais locais, em comparação às autoridades em nível nacional. Uma vez que a pobreza em certa comunidade pode ser caracterizada por diferentes indicadores do que a pobreza em outra comunidade, o sistema descentralizado pode aumentar a eficiência de um programa de redução de pobreza ao permitir que as autoridades governamentais locais determinem o critério de elegibilidade local (ALDERMAN, 2002). Um dos focos da descentralização de programas governamentais de redução de pobreza tem sido melhorar a accountability 1 no processo de prestação do serviço 1 Accountability é um termo da língua inglesa, sem tradução exata para a língua portuguesa, que remete à obrigação de membros de um órgão administrativo ou representativo de prestar contas a instâncias controladoras ou a seus representados. Outro termo usado é responsabilização. Nesse caso, accountability em seu sentido mais abrangente, pode ser definida como a responsabilidade do governante de prestar contas de suas ações, o que significa apresentar o que faz, como faz, por que faz, quanto gasta e o que irá fazer em seguida. Não se trata, portanto, apenas de prestar contas em termos quantitativos, mas também de auto-avaliar a obra feita, de dar conhecimento sobre o que se conseguiu fazer e de justificar aquilo em que se falhou.

3 3 público, limitando os problemas inerentes ao sistema centralizado tradicional 2. O argumento em favor de descentralizar o fornecimento do serviço público reside no fato de que os governos locais estarão sujeitos a pressões eleitorais dos cidadãos, os quais são mais capazes de monitorar a prestação do serviço público do que uma autoridade central distante 3. Contudo, a presunção de maior accountability sob descentralização tem sido questionada porque se baseia na suposição de que a democracia local funciona de maneira eficaz. Assume-se um nível de alfabetização e conscientização política entre os cidadãos que pode ser irreal para vários países pobres ou em desenvolvimento. Existem inúmeros estudos indicando que os recursos de programas governamentais de redução de pobreza são bloqueados devido à captura dos governos locais pelas elites locais com maior influência política, as quais distorcem e desviam recursos de programas governamentais para benefícios próprios em detrimento do bem-estar das famílias pobres (BARDAN e MOOKHERJEE, 2005). A alegação de que um maior número de informações encontra-se disponível localmente é plausível (ALDERMAN, 2002), mas é controverso alegar que instituições (governamentais e não-governamentais) locais em nações em desenvolvimento são mais responsáveis pela população pobre, uma vez que o argumento da accountability é convincente em ambientes em que existem pouco ou nenhum conflito distributivo ao nível local (GALASSO e RAVALLION, 2005). Por exemplo, Seabright (1996) desenvolve o argumento da accountability para a descentralização no contexto de um modelo de comunidades localmente homogêneas, assumindo tratar-se do caso de nações desenvolvidas com baixos custos de mobilidade interjurisdicional. No estudo de Seabright (1996), assume-se que a accountability é maior ao nível local, cuja abordagem sugere tratar-se de um benefício da descentralização que necessita ser levado em consideração contra possíveis perdas na coordenação política entre regiões. Contudo, conflitos distributivos decorrentes da heterogeneidade local podem ser 2 Um desses problemas é a corrupção entre os burocratas na esfera central que possuem autoridade para alocar o fornecimento do serviço nas áreas locais. Enquanto que a evidência empírica sobre corrupção é escassa, existem inúmeros estudos de casos de altas taxas de corrupção entre os burocratas do governo no processo de fornecimento do serviço público (BARDAN e MOOKHERJEE, 2005). 3 Por exemplo, a corrupção em grande escala e desvios de recursos serão mais perceptíveis pelos residentes locais, uma vez que eles podem pagar propinas (subornos) e vivem em estreita proximidade com os funcionários dos governos locais. Provavelmente, os residentes locais serão motivados a denunciar e retirar esses funcionários de suas atividades, além de aplicar sanções sociais. Dessa forma, consegue-se melhorar a accountability no processo de prestação do serviço público (BARDAN e MOOKHERJEE, 2005).

4 4 observados, mesmo em países desenvolvidos que possuam relativa livre mobilidade entre as jurisdições locais (RAVALLION, 1984). No entanto, os pressupostos de comunidades locais homogêneas e livre mobilidade são implausíveis em vários contextos em que a descentralização tem sido difundida, incluindo economias rurais subdesenvolvidas em que o risco de captura dos recursos desses programas governamentais pelas elites locais está presente (GALASSO e RAVALLION, 2005). Além disso, a existência de fortes efeitos geográficos nos padrões de vida dos países em desenvolvimento, controlando características observáveis dos residentes, previne contra o pressuposto da livre mobilidade (RAVALLION e WODON, 1999). Em resumo, quando se trata de gasto público focalizado para os pobres, e não existe mecanismo de focalização para assegurar que somente os pobres possam participar, pode surgir um amplo escopo para a captura dos recursos do programa governamental. Logo, pode-se estabelecer uma relação antagônica entre a vantagem informacional de uma focalização baseada na comunidade e uma desvantagem de accountability, dada a desigualdade local (GALASSO e RAVALLION, 2005). O caso teórico para a descentralização dependerá da extensão da captura local do programa governamental pelos não-pobres (BARDAN e MOOKHERJEE, 2000). É nesse contexo que o presente estudo se insere na investigação dos determinantes da focalização do Programa Bolsa Família (PBF). Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) 4, o PBF é um programa de transferência direta de renda que beneficia famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza em todo o País. Possui três eixos principais focados na transferência de renda, condicionalidades 5 e ações, assim como programas complementares. A transferência de renda promove o alívio imediato da pobreza. As condicionalidades reforçam o acesso a direitos sociais básicos nas áreas de educação, saúde e assistência social. Já as ações e programas complementares objetivam o desenvolvimento das famílias, de modo que os beneficiários consigam superar a situação de vulnerabilidade As condicionalidades são os compromissos assumidos tanto pelas famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família quanto pelo poder público para ampliar o acesso dessas famílias a seus direitos sociais básicos. Por um lado, as famílias devem assumir e cumprir esses compromissos para continuar recebendo o benefício. Por outro lado, as condicionalidades responsabilizam o poder público pela oferta dos serviços públicos de saúde, educação e assistência social.

5 5 A gestão do PBF é descentralizada e compartilhada entre a União, Estados, Distrito Federal e Municípios. Os entes federados trabalham em conjunto para aperfeiçoar, ampliar e fiscalizar a execução do Programa, instituído pela Lei /04 e regulamentado pelo Decreto nº 5.209/04. A seleção das famílias para o PBF é feita com base nas informações registradas pelo município no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, instrumento de coleta de dados que tem como objetivo identificar todas as famílias de baixa renda existentes no Brasil. Com base nesses dados, o MDS seleciona, de forma automatizada, as famílias que serão incluídas no PBF. No entanto, o cadastramento não implica a entrada imediata das famílias no Programa e o recebimento do benefício. Os benefícios financeiros definidos pela Lei /04 são transferidos mensalmente às famílias beneficiárias. As informações cadastrais das famílias são mantidas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, e para receber o benefício são considerados a renda mensal per capita da família, o número de crianças e adolescentes até 17 anos e a existência de gestantes e nutrizes. Atualmente, o MDS trabalha com cinco tipos de benefícios do PBF: (i) Benefício Básico ou Fixo (no valor de R$ 70, concedidos apenas a famílias extremamente pobres, com renda per capita igual ou inferior a R$ 70); (ii) Benefício Variável (no valor de R$ 32, concedidos pela existência na família de crianças de zero a 15 anos, gestantes e/ou nutrizes limitado a cinco benefícios por família); (iii) Benefício Variável Vinculado ao Adolescente (BVJ) (no valor de R$ 38, concedidos pela existência na família de jovens entre 16 e 17 anos limitado a dois jovens por família); (iv) Benefício Variável de Caráter Extraordinário (BVCE) (com valor calculado caso a caso, e concedido para famílias migradas de Programas Remanescentes ao PBF); e (v) Benefício para Superação da Extrema Pobreza na Primeira Infância (BSP) (com valor correspondente ao necessário para que a todas as famílias beneficiárias do PBF com crianças entre zero e seis anos superem os R$ 70,00 de renda mensal por pessoa). Na área de saúde, as famílias beneficiárias assumem o compromisso de acompanhar o cartão de vacinação, assim como o crescimento e desenvolvimento das crianças menores de 7 anos. As mulheres na faixa de 14 a 44 anos também devem fazer o acompanhamento e, se gestantes ou nutrizes (lactantes), devem realizar o pré-natal e o acompanhamento da sua saúde e do bebê.

6 6 Na educação, todas as crianças e adolescentes entre 6 e 15 anos devem estar devidamente matriculados e com frequência escolar mensal mínima de 85% da carga horária. Já os estudantes entre 16 e 17 anos devem ter frequência de, no mínimo, 75%. Na área de assistência social, crianças e adolescentes com até 15 anos em risco ou retiradas do trabalho infantil pelo Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), devem participar dos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) do PETI e obter frequência mínima de 85% da carga horária mensal. Todavia, sob os atuais critérios de elegibilidade, o PBF tem sido eficiente, em termos de alcance e de precisão, na identificação de seus beneficiários, evitando possíveis desperdícios de recursos e promovendo uma distribuição mais equitativa no sentido de mitigar as diferenças de renda e de oportunidades existentes na sociedade? Os gestores do PBF tem conseguido reduzir os desperdícios de vazamentos e tentado ampliar a cobertura desse programa governamental para as famílias pobres e extremamente pobres? O objetivo principal desse estudo é avaliar os determinantes da focalização do PBF, a partir dos dados constantes no Censo 2010, elaborado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para atingir essa finalidade, nesse estudo será adotada a proposta metodológica sugerida por Tavares et al. (2009) e Anuatti-Neto, Fernandes e Pazello (2001), em que se constrói um indicador de focalização (IF) baseado em medidas de alcance e de precisão. Em seguida, utilizam-se estimações econométricas por meio do método dos momentos generalizados (GMM generalized method of moments) para analisar o impacto de variáveis socioeconômicas e demográficas no desempenho do programa, conforme as medidas de alcance e de precisão. Este estudo contribui à literatura sobre o tema por estender a análise iniciada por Tavares et al. (2009) ao nível municipal, visando preencher, dessa forma, uma lacuna existente na literatura brasileira sobre o tema. As evidências aqui obtidas indicam não apenas um aumento da proporção dos domicílios elegíveis corretamente incluídos no PBF, como também uma redução na proporção dos domicílios elegíveis erroneamente excluídos do PBF (Erro Tipo I). Além disso, os resultados das estimações econométricas via GMM apontam efeitos antagônicos na relação de causalidade funcional das variáveis explicativas para as variáveis dependentes, caracterizadas pelas medidas de alcance e de precisão do PBF. A Tabela 1 a seguir apresenta a evolução dos critérios de elegibilidade e benefícios do PBF entre os anos 2004 a 2011.

7 7 Tabela 1 Evolução dos Critérios de Elegibilidade e Benefícios do Programa Bolsa Família, , em R$ 1,00 Critérios Elegibilidade Extremamente (renda familiar mensal Pobres (a) 50,00 50,00 60,00 60,00 60,00 70,00 70,00 70,00 70,00 per capita) Pobres (b) 100,00 100,00 120,00 120,00 120,00 140,00 140,00 140,00 140,00 Básico 50,00 50,00 50,00 58,00 62,00 68,00 68,00 70,00 70,00 Variável 15,00 15,00 15,00 18,00 20,00 22,00 22,00 32,00 32,00 Extremamente Pobres Benefícios (0 a 14) (0 a 14) (0 a 14) (0 a 14) (0 a 15) (0 a 15) (0 a 15) (0 a 15) (0 a 15) BVJ 30,00 33,00 33,00 38,00 38, (16 a 17) (16 a 17) (16 a 17) (16 a 17) (16 a 17) Básico Variável 15,00 15,00 15,00 18,00 20,00 22,00 22,00 32,00 32,00 Pobres (b) (0 a 14) (0 a 14) (0 a 14) (0 a 14) (0 a 15) (0 a 15) (0 a 15) (0 a 15) (0 a 15) BVJ 30,00 33,00 33,00 38,00 38, (16 a 17) (16 a 17) (16 a 17) (16 a 17) (16 a 17) Notas: (a) linha de pobreza extrema; (b) linha de pobreza; 1 Lei nº /2004 e Decreto nº 5.209/2004. Crianças (R$ 15,00 a R$ 45,00); 2 Decreto nº 5.749/2006. Crianças (R$ 15,00 a R$ 45,00); 3 Decreto nº 6.157/2007. Crianças (R$ 18,00 a R$ 54,00) e Jovens (R$ 30,00 a R$ 60,00); 4 Lei nº /2008 e Decreto nº 6.491/2008. Crianças (R$ 20,00 a R$ 60,00) e Jovens (R$ 30,00 a R$ 60,00); 5 Decreto nº 6.917/2009. Crianças (R$ 22,00 a R$ 66,00) e Jovens (R$ 33,00 a R$ 66,00); 6 Decreto nº 7.447/2011 e Decreto nº 7.494/2011. Crianças (R$ 32,00 a R$ 160,00) e Jovens (R$ 38,00 a R$ 76,00); 7 Decreto nº 7.758/2012. Crianças (R$ 32,00 a R$ 160,00) e Jovens (R$ 38,00 a R$ 76,00);

8 8 Este estudo encontra-se dividido da seguinte forma. A próxima seção descreve o indicador de focalização a ser utilizado nas estimações empíricas. A terceira seção descreve a construção da variável renda familiar ajustada per capita ex ante e os dados a serem utilizados nesse estudo. A quarta seção descreve a distribuição espacial do indicador de focalização no território brasileiro para diferentes casos, assim como os resultados obtidos a partir das estimações por GMM. A quinta seção conclui o estudo. 2. Metodologia No tocante à avaliação da focalização do PBF, neste estudo será adotado a proposta metodológica sugerida por Tavares et al. (2009) e Anuatti-Neto, Fernandes e Pazello (2001), em que duas medidas de focalização serão utilizadas: a medida tradicional, que trata da porcentagem de domicílios incluídos que efetivamente pertencem ao público-alvo do programa e o indicador de focalização (IF), os quais são expressos da seguinte maneira: = + 1 ã 1 em que 1; 1;,, e são as variáveis de focalização (targeting) da política de redução da pobreza, definidas da seguinte forma: (i) a variável corresponde à proporção de domicílios pertencentes ao público-alvo (elegíveis) corretamente incluídos no programa (ou seja, trata-se da inclusão correta); (ii) a variável é a proporção de domicílios pertencentes ao público-alvo (elegíveis) erroneamente excluídos do programa, conhecida também como exclusão indevida ou erro tipo I; (iii) a variável é a proporção de domicílios não pertencentes ao público-alvo (inelegíveis) erroneamente incluídos no programa, conhecida também como inclusão indevida, vazamentos ou erro tipo II; e (iv) é a proporção de domicílios não pertencentes ao público-alvo (inelegíveis) corretamente excluídos no programa (isto é, trata-se da exclusão correta). O parâmetro é o fator de ponderação, 0 < < 1. De modo objetivo, esse parâmetro refere-se ao peso que se concede ao alcance, ao passo que 1 referese ao peso que se concede à precisão. Para calcular o valor do IF, pode-se atribuir valores arbitrários ao parâmetro, como é feito em Tavares et al. (2009), estabelecendo

9 9 importâncias relativas quaisquer para os dois critérios de focalização. Por outro lado, Anuatti-Neto, Fernandes e Pazello (2001) sugerem estimar o implícito de uma política pública existente, isto é, dada a observação do público atendido, é possível calcular o peso que o policymaker estaria atribuindo ao alcance e à precisão, supondo-se que a política estivesse maximizando o indicador de focalização. Segundo Tavares et al. (2009) e Anuatti-Neto, Fernandes e Pazello (2001), o IF avalia a efetividade geral da regra de seleção ao considerar simultaneamente medidas de alcance e de precisão do PBF. Quanto maior for o valor do indicador de focalização, melhor a focalização do programa. Tavares et al. (2009) destacam que, em programas focalizados, o esforço dos policymakers está em minimizar o vazamento (inclusão indevida ou erro tipo II) e maximizar a cobertura. Porém, existe um tradeoff entre esses dois indicadores: quanto o programa se expande, ambas as medidas tendem a aumentar. Assim, seria interessante que o policymaker conhecesse, a priori, como estes índices evoluem à medida que o programa passasse a contemplar um número maior de beneficiários. 3. Dados No Censo 2010 do IBGE, não há uma variável específica capaz de capturar a renda proveniente do PBF. Logo, houve a necessidade de se realizar um tratamento nos dados do Censo 2010, visando identificar quais os domicílios que abrigavam indivíduos beneficiários do PBF, em outras palavras, deve-se construir a variável renda familiar ajustada per capita a partir das etapas a seguir descritas. A Figura 1 a seguir sintetiza o procedimento de filtragem para a obtenção da variável renda familiar ajustada per capita ex ante. O ponto de partida foi a variável V6527, a qual passou a representar a renda de todas as fontes dos indivíduos. Concomitantemente, a variável V0502 passou por um tratamento visando selecionar apenas o nível de parentesco até agregado. Em seguida, constrói-se a variável renda domiciliar de todas as fontes como sendo a soma das informações constantes na variável renda de todas as fontes dos indivíduos. A partir da variável V0657, cria-se uma variável relacionada aos indivíduos que declaram receber os benefícios do PBF. Por meio da variável V6033, constrói-se uma variável associada ao número de filhos menor de 15 anos, assim como

10 10 outra variável relacionada ao número de filhos maior ou igual a 15 anos e menor ou igual a 17 anos. Figura 1: Critério de Filtragem para a Renda Familiar Ajustada Per Capita Valor de Outros Rendimentos (V6521) Recebe Bolsa Família? (V0657) Valor do PBF Estimado no Censo 2010 Salário Mínimo em 2010 (R$ 510,00) Valores Típicos: intervalo entre R$ 0,00 e R$ 246,00 Renda de Todas as Fontes Ajustada Renda de Todas as Fontes (V6527) Renda de Todas as Fontes por Domicílio Ajustada Renda Familiar Ajustada Per Capita ex ante Tamanho Domicílio do O valor potencial teórico do benefícios do PBF pagos aos indivíduos abaixo da linha de pobreza (isto é, os extremamente pobres) leva em consideração um cálculo que inclui os valores de R$ 70,00 + R$ 22,00 vezes o número de indivíduos menores de 15 anos + R$ 33,00 vezes o número de indivíduos com idade entre 16 e 17 anos. Por analogia, o valor potencial teórico do benefícios do PBF pagos aos indivíduos acima da linha de pobreza (isto é, os pobres) leva em consideração um cálculo que inclui os valores de R$ 22,00 vezes o número de indivíduos menores de 15 anos + R$ 33,00 vezes o número de indivíduos com idade entre 16 e 17 anos.

11 11 Outra variável importante refere-se ao valor do PBF estimado no Censo 2010, obtida a partir de combinações da variável V6591 (valor de outros rendimentos) e o valor do salário mínimo de R$ 510,00. Em vista disso, a variável renda de todas as fontes ajustada corresponde à diferença obtida entre as variáveis renda de todas as fontes menos valor do PBF estimado no Censo Por sua vez, a variável renda de todas as fontes por domicílio ajustada é o somatório dos valores correspondentes à variável renda de todas as fontes ajustada. Finalmente, a variável renda familiar ajustada per capita ex ante é obtida pela razão entre as variáveis renda de todas as fontes por domicílio ajustada e o tamanho do domicílio, este último caracterizado pelo número de pessoas na família 6. A seguir, descreve-se as variáveis explicativas que serão utilizadas nas estimações GMM para analisar os impactos nas medidas de alcance e de precisão do indicador de focalização do PBF. A variável Taxa de Urbanização é dada pela razão entre a população residente em áreas urbanas e a população total em Já a variável Densidade Demográfica é dada pela razão população total e a área quadrado do município (hab/km 2 ). Intuitivamente, quanto mais baixas forem a urbanização e a densidade demográfica, menor a concentração populacional, maior o custo de se cadastrar uma família como beneficiária do PBF e, conseqüentemente, menor seria a probabilidade de acesso aos benefícios desse programa de distribuição de renda condicionada. A variável Água (Rede Pública) refere-se ao número de domicílios com abastecimento de água proveniente de uma rede geral de abastecimento. Essa variável de saneamento básico pode ser considerada também uma proxy para pobreza, uma vez que viver em locais desprovidos de certos bens públicos fundamentais, tais como a existência de rede pública de água, passa a ser um elemento importante na determinação do grau de pobreza das famílias (PIRES, 2008). Quando as pessoas não dispõem de rede de água dentro dos domicílios, elas procuram pontos coletivos de abastecimento, como poços, caminhão-pipa ou diretamente dos rios, mas esse tipo de abastecimento submete às famílias a condições restritas, induzindo à reutilização da água para conseguir poupá-la e evitar vários deslocamentos, ou, forçando a consumir água suja. O fato de reciclar a água e o inadequado gerenciamento dentro da casa deve causar a 6 Com base nessas informações, elaborou-se uma rotina (script) no pacote econométrico STATA 11 capaz de gerar os valores do indicador de focalização e seus componentes.

12 12 contaminação do recurso, o qual por sua vez, pode comprometer a saúde da família, principalmente das crianças. A Taxa de Trabalho Infantil refere-se à proporção (em termos percentuais) da população residente com 10 a 15 anos de idade que se encontra trabalhando ou procurando trabalho na semana de referência, em determinado espaco geografico, no ano considerado. Como uma das condicionalidades do programa é a frequencia escolar, espera-se uma redução da taxa de trabalho infantil devido ao PBF. O Índice de Desempenho do SUS (IDSUS) é um indicador síntese, que faz uma aferição contextualizada do desempenho do Sistema de Único de Saúde (SUS) quanto ao acesso (potencial ou obtido) e à efetividade da Atenção Básica, das Atenções Ambulatorial e Hospitalar e das Urgências e Emergências. A partir da análise e do cruzamento de uma série de indicadores simples e compostos, o IDSUS avalia o Sistema Único de Saúde que atende aos residentes nos municípios, regiões de saúde, estados, regiões, bem como em todo país. Na lista dos indicadores utilizados na formação dos grupos de municípios homogêneos para cálculo do IDSUS, o indicador nº 2 que compõe o IDSUS refere-se ao percentual de famílias que recebem benefícios do PBF em relação ao total de famílias do município. As informações sobre o IDSUS foram obtidas no sítio eletrônico do Ministério da Saúde 7. A variável Matrículas Escolares corresponde ao número de matrículas no ensino fundamental, segundo o Censo Escolar de Na educação, todas as crianças e adolescentes entre 6 e 15 anos devem estar devidamente matriculados e com frequência escolar mensal mínima de 85% da carga horária. Já os estudantes entre 16 e 17 anos devem ter frequência de, no mínimo, 75%. Além disso, todas as faltas devem ser justificadas pelos pais e o gestor local do programa deve ser informado sempre que a criança mudar de escola. A Taxa de Analfabetismo corresponde ao percentual de pessoas com 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever pelo menos um bilhete simples, no idioma que conhecem, na população total residente da mesma faixa etária, em determinado espaço geográfico, no ano considerado. O Índice de Gestão Descentralizada Municipal (IGD-M) é um indicador que mostra a qualidade da gestão descentralizada do Programa Bolsa Família, além de refletir os compromissos assumidos pelos estados e municípios na sua adesão ao 7 Informação disponível em: <<

13 13 Programa, como a gestão do Cadastro Único e das condicionalidades 8. Trata-se de um importante instrumento utilizado pelo MDS para monitorar a qualidade da implementação do cadastro único e o cumprimento das condicionalidades do PBF. Esse sistema é baseado em incentivos financeiros formais para assegurar uma melhor qualidade na realização das condicionalidades no nível municipal. Esses incentivos consistem em recursos para cobrir, parcialmente, os custos administrativos dos municípios com a implementação do programa. Esse índice varia entre zero e 1. Quanto mais próximo de 1, melhor a avaliação da gestão desses processos. Com base nesse indicador, o MDS repassa recursos a estados/df e municípios para a realização da gestão do PBF. Quanto maior o valor do IGD-M, maior será também o valor dos recursos a serem repassados. O PIB per capita é calculado pela razão PIB municipal/população, referente ao ano de Esta variável constitui uma proxy para o grau de desenvolvimento econômico municipal. A série de população refere-se a estimativas das populações residentes em nível municipal, calculadas com data de referência em 1º de julho de cada ano civil. A variável correspondente às classes de rendimento nominal mensal domiciliar per capita até 1/4 de salário mínimo, cujas informações encontram-se na Tabela Domicílios particulares permanentes, por classes de rendimento nominal mensal domiciliar per capita (Resultados Gerais da Amostra do Censo 2010, divulgados pelo IBGE/SIDRA), constitui uma proxy para a desigualdade de renda ao nível municipal. O coeficiente de Gini mede o grau de desigualdade na distribuição da renda domiciliar per capita entre as famílias beneficiárias dos recursos do PBF. Quando o índice tem valor igual a um, existe perfeita desigualdade, isto é, a renda familiar ajustada per capita é totalmente apropriada por um único indivíduo. Quando esse coeficiente tem valor igual à zero, observa-se perfeita igualdade, isto é, a renda é distribuída na mesma proporção para todos os domicílios. 8 O IGD-M é composto por quatro fatores. O Fator de Operação é calculado através da média aritmética de quatro variáveis, a saber: qualidade e integridade das informações do cadastro único; atualização dos dados do cadastro; informações sobre o cumprimento das condicionalidades de educação; e informações sobre o cumprimento das condicionalidades de saúde. Os demais fatores são: adesão ao Sistema Único de Assistência Social (SUAS); apresentação e comprovação dos gastos dos recursos do IGD-M no SUASWEB; e informação da aprovação total da comprovação de gastos dos recursos do IGD-M pelo Conselho Municipal de Assistência Social.

14 14 A variável Gasto com Bolsa Família (em R$1,00) refere-se ao valor financeiro repassado às famílias beneficiárias dos recursos desse programa pelo MDS. Logo, tratase de uma proxy para o tamanho do Estado no tocante aos recursos destinados à redução da pobreza. A variável Transferências Totais per capita corresponde às transferências constitucionais e legais da União e dos Estados para os Municípios. Essas informações foram obtidas no banco de dados Finanças do Brasil: Dados Contábeis dos Municípios (FINBRA) para o ano de 2010, disponibilizado no sítio eletrônico da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) 9. No tocante à Brasília, o FINBRA não fornece informações específicas sobre as variáveis despesas em saúde e em educação, assim como no tocante à receita total das transferências para a saúde (SUS). Em vista dessas restrições, recorreu-se às informações constantes no arquivo de Execução Orçamentária dos Estados no tocante ao Distrito Federal (DF), disponível no sítio eletrônico da STN 10. No tocante à fonte de obtenção dos dados, as séries das variáveis PIB Municipal e rendimento nominal mensal domiciliar per capita até 1/4 de salário mínimo foram obtidos no sítio eletrônico do IBGE 11. Por outro lado, as séries de população total do município (2009 e 2010) e população de residente em áreas urbanas (2010), assim como a área quadrada do município foram obtidas no sítio eletrônico do IPEADATA 12, mas tendo como fonte primária o IBGE. Os dados sobre o IGD-M e a Despesa com o PBF foram obtidos junto ao MDS 13. Os dados das variáveis Taxa de Trabalho Infantil, Taxa de Analfabetismo e Água (Rede Pública) foram obtidos no sítio eletrônico do DATASUS 14. A série de dados de despesa de pessoal e encargos sociais foi obtida junto ao sítio eletrônico da STN, FINBRA As informações sobre a variável número de matrículas no ensino 9 Informações disponíveis em: << 10 As informações sobre execução orçamentária dos Estados e do Distrito Federal encontram-se disponíveis em: <<http://www.tesouro.fazenda.gov.br/estados_municipios/index.asp>>. Utilizou-se como proxy para os dados das referidas transferências para a saúde os valores constantes da conta contábil Transferências de Recursos do Sistema Único de Saúde - SUS - Repasses Fundo a Fundo ( ). 11 Informação disponível em: <<http://www.ibge.gov.br/home/download/estatistica.shtm>> 12 Informação disponível em: <<http://www.ipeadata.gov.br/>> 13 Informação disponível em: <<http://www.mds.gov.br/bolsafamilia>> 14 Informação disponível em: << tohtm.exe?sih/cnv/sx>>

15 15 fundamental foram obtidas junto ao sítio eletrônico do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) 15. Todas essas variáveis foram convertidas na forma de logaritmos, de modo os coeficientes a serem estimados possam ser interpretados como elasticidades. Além disso, foram criadas variáveis dummies que assumem valor um se os municípios pertencem a determinado Estado, e zero caso contrário. 4. Análise dos Resultados 4.1 Análise da Distribuição Espacial do Indicador de Focalização e Cálculo dos Erros Tipo I e Tipo II Nesta seção, alguns comentários serão realizados a respeito da distribuição espacial do indicador de focalização, para diferentes valores do parâmetro, conhecido como fator de ponderação. A Figura 2 a seguir foi gerada considerando = 0, situação que descreve um peso maior para a medida de precisão do programa representada pelo termo constante na equação (1). Nesta figura, é possível observar que, para baixos valores de, a focalização do PBF se concentra, fundamentalmente, nos municípios das regiões Sul e Sudeste, apesar de se destacar alguns municípios no Centro-Oeste. Por outro lado, a Figura 3 a seguir destaca a distribuição espacial do PBF para = 0,5, valor sugerido por Tavares et al. (2009) e Anuatti-Neto, Fernandes e Pazello (2001). Caso = 0,5, o indicador de focalização se reduz a, passando a avaliar somente a diferença nas probabilidades de inclusão no programa para pobres e não pobres. Em vista disso, o mecanismo de seleção aleatória (em que todos os domicílios têm a mesma probabilidade de inclusão no programa) apresentará em média um indicador de focalização igual a zero. Logo, a magnitude do indicador de focalização calculado para esse valor de mostra quão melhor é a seleção dos beneficiários em relação à seleção aleatória, ou seja, considera-se que valores positivos para o indicador revelam que a focalização da política é melhor do que se fosse baseada em uma loteria (TAVARES et al., 2009; ANUATTI-NETO, FERNANDES e 15 Informações disponíveis em: <<

16 16 PAZELLO, 2001). Logo, note que a Figura 3 destaca uma maior inclusão de municípios da Região Nordeste, em detrimento de municípios das regiões Sul e Sudeste. Figura 2 Precisão do Programa Bolsa Família Nota: elaboração da STN/CESEF. Figura 3 Média entre Alcance e Precisão do Programa Bolsa Família Nota: elaboração da STN/CESEF.

17 17 Finalmente, a Figura 4 a seguir destaca a distribuição espacial do indicador de focalização para = 1, situação em que se descreve um peso maior para a medida de alcance do PBF, resultando em uma maior focalização para os municípios da Região Nordeste. Em outras palavras, quando se expande o alcance do PBF, a focalização é mais elevada quanto mais pobre for a Unidade da Federação a qual pertence os municípios, corroborando as evidências obtidas Tavares et al. (2009). Esses resultados também confirmam as evidências obtidas por Soares e Satyro (2009) de que, quanto mais pobres as pessoas, mais recebem o benefício. Figura 4 Alcance do Programa Bolsa Família Nota: elaboração da STN/CESEF. Soares, Ribas e Soares (2009) argumentam que a expansão de programas focalizados tende a melhorar a cobertura entre a população mais pobre, mas à custa de uma piora nos indicadores de focalização. Por isso, é importante investigar em que medida o PBF tem obtido sucesso não só em incluir apenas os mais necessitados, mas também em cobrir todos os mais necessitados e, portanto, em potencializar o processo de redução da pobreza e da desigualdade brasileira. Nesse sentido, esses autores relatam a existência de um tradeoff entre os erros tipo I (exclusão indevida) e tipo II (inclusão indevida) no PBF provocado por uma série de motivos, dentre eles, os erros de medição da renda no momento do cadastramento, a volatilidade da renda (particularmente, a renda dos indivíduos mais pobres) e o comportamento estratégico dos indivíduos e das

18 18 famílias. Os resultados obtidos a partir do cálculo do erro de inclusão indevida médio apontam que, entre 2004 e 2006, para cada inclusão legítima de pessoa no programa, houve outra pessoa incluída de maneira indevida. Os autores calculam também o erro de inclusão indevida marginal e encontram essa mesma paridade, argumentando que os rendimentos são pouco decrescentes. Logo, à medida que o programa vai incluindo mais beneficários, mantêm-se o padrão de focalização dos mais pobres. Os resultados da Tabela 2 a seguir, obtidos a partir de exercício de simulação utilizando os dados do Censo 2010 elaborado pelo IBGE apontam que a proporção de domicílios elegíveis erroneamente excluídos do programa (ou seja, o erro tipo I) é de 36,96%, ao passo que a proporção de domicílios inelegíveis erroneamente incluídos no programa (isto é, o erro tipo II) é de 13,44%. Ao comparar os resultados aqui obtidos com os resultados já existentes na literatura, observa-se uma redução nos percentuais associados ao erro tipo I (exclusão indevida), assim como um aumento nos percentuais associados ao erro tipo II (inclusão indevida). Em outras palavras, no decorrer do período de existência do PBF, diminuiuse a proporção de domicílios erroneamente excluídos do programa, ao passo que se aumentou a proporção de domicílios erroneamente incluídos no programa. Por outro lado, nota-se um crescimento do percentual de domicílios pertencentes ao público-alvo corretamente incluídos no programa, sugerindo uma melhora na focalização do PBF ao se comparar as informações constantes na PNAD 2004, PNAD 2006 e Censo Esses resultados corroboram as evidências obtidas por Soares, Ribas e Soares (2009) de que, à medida que o programa inclui mais beneficiários, mantem-se o padrão de focalização dos mais pobres, de modo que a gestão do programa conseguiu manter o padrão de focalização mesmo com o aumento da cobertura. Além disso, esses resultados confirmam as evidências obtidas por Soares e Sátyro (2009) a respeito da melhoria no foco do PBF. De modo geral, os resultados das simulações aqui obtidos estão próximos aos resultados obtidos por Soares, Ribas e Soares (2009) ao utilizarem as informações da PNAD 2006, e a justificativa para essa proximidade pode residir no fato de que, na PNAD 2006, houve um suplemento contendo perguntas específicas sobre o Programa Bolsa Família.

19 19 Tabela 2 Comparativo de Resultados Apresentados na Literatura Recente para o Brasil CESEF/STN (1) Variáveis Censo 2010 PI - Proporção de domicílios pertencentes ao publico alvo corretamente incluídos no programa PE - Proporção de domicílios pertencentes ao público alvo erroneamente excluídos do programa (Erro Tipo I) NPI - Proporção de domicílios não pertencentes ao público alvo erroneamente incluídos no programa (Erro Tipo II) NPE - Proporção de domicílios não pertencentes ao público alvo corretamente excluídos do programa Soares, Ribas e Osório (2009) PNAD 2006 (2) PNAD 2004 (3) 63,04% 56,3% 42,9% 36,96% 43,7% 57,1% 13,44% 9,8% 6,4% 86,56% 90,2% 93,6% Nota: Elaboração da CESEF/STN; 1 Censo 2010, divulgado em 2012; 2 PNAD Dados percentuais obtidos a partir da Tabela 4 em Soares, Ribas e Osório (2009). De acordo com esses autores, do total de famílias em 2006, 15,1% eram elegíveis para o Programa Bolsa Família. Dessas, 56,3% (8,5%/15,1%) recebiam o benefício do PBF, ao passo que 43,7% (6,6%/15,1%) não recebiam os benefícios desse programa. Por outro lado, 84,9% eram famílias não elegíveis para o Programa Bolsa Família. Dessas, 9,8% (8,3%/84,9%) eram beneficiadas pelo PBF, ao passo que 90,2% (76,6%/84,9%) não recebiam os benefícios desse programa. 3 PNAD Dados percentuais obtidos a partir da Tabela 4 em Soares, Ribas e Osório (2009). De acordo com esses autores, do total de famílias em 2004, 16,8% eram elegíveis para o Programa Bolsa Família. Dessas, 42,9% (7,2%/16,8%) recebiam o benefício do PBF, ao passo que 57,1% (9,6%/16,8%) não recebiam os benefícios desse programa. Por outro lado, 83,2% eram famílias não elegíveis para o Programa Bolsa Família. Dessas, 6,4% (5,3%/83,2%) eram beneficiadas pelo PBF, ao passo que 93,6% (77,9%/83,2%) não recebiam os benefícios desse programa.

20 20 A respeito dessa melhora na focalização, é importante destacar o estudo de Barros et al. (2008), no qual grande parte da focalização ocorre simplesmente no procedimento de inscrição para o programa, no qual não incidem quotas. Esta focalização na inscrição pode ocorrer por dois motivos: os servidores municipais são eficazes em identificar e incentivar as famílias que devem se inscrever no Cadastro Único; e/ou existe um mecanismo de auto-seleção, pelo qual somente as famílias mais necessitadas dispõem de motivação suficiente para se inscrever. No tocante aos resultados associados ao erro tipo II (inclusão indevida), a literatura aponta algumas explicações, a saber, (i) fraudes; (ii) erros na medida da renda, os quais ocorreriam na captação da renda pelos agentes municipais do PBF e na projeção populacional; e (iii) volatilidade de renda (SOARES e SÁTYRO, 2009). Conforme argumentam Soares, Ribas e Soares (2009), as fraudes beneficiam parentes e amigos de políticos eleitos ou cabos eleitorais que claramente não têm direito de receber o benefício. No entanto, o número de casos de fraude levantado situa-se em algumas centenas, o que, em comparação ao volume de benefícios, é insignificante. Esses autores argumentam que os erros no levantamento de informações devem ser mais relevantes, uma vez que as famílias que potencialmente seriam beneficiadas pelo PBF têm incentivos claros para subdeclarar sua renda. Não obstante, alguns assistentes sociais podem identificar uma família como pobre, mesmo esta família não cumprindo formalmente as exigências para ingressar no programa, e decidir fazer uma estimativa para baixo da renda familiar. Complementarmente, Soares e Sátyro (2009) argumentam que as famílias próximas, mas acima, da linha de elegibilidade do PBF têm incentivos claros para subdeclarar sua renda. Além disso, assistentes sociais podem identificar famílias como pobres, mesmo estas não cumprindo formalmente as exigências para entrarem no programa, e decidirem fazer estimativas para baixo da renda familiar. Talvez a explicação mais plausível seja que as pessoas em geral, e particulamente as pessoas mais pobres, frequentemente não sabem qual é sua renda mensal. Por exemplo, um vendedor ambulante pode saber exatamente quanto vendeu no dia, mas calcular o lucro líquido no mês é bem mais difícil. Por fim, a volatilidade da renda de famílias pobres poderia ser outra explicação para esse tipo de erro de focalização, pois muitas famílias classificadas como nãopobres podem ser na realidade bastante vulneráveis à pobreza e, assim, elegíveis ao Programa Bolsa Família. De maneira específica, o conceito de volatilidade está

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família BRASÍLIA-DF Março, 2013 Introdução Motivação Revisão de Literatura Metodologia Resultados Considerações Finais 2 Introdução Transferência

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR

CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR XVIII PRÊMIO TESOURO NACIONAL 2013 Tema 2- Economia do Setor Público Inscrição: 49 CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR Título da Monografia: Uma Investigação sobre a Focalização do Programa Bolsa Família e seus Determinantes

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

Cadastro Único e Programa Bolsa Família

Cadastro Único e Programa Bolsa Família Cadastro Único e Programa Bolsa Família Letícia Bartholo Secretária Adjunta Abril de 2014 A Secretaria A Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc) é responsável pela gestão, em nível nacional,

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Presidência da República Controladoria-Geral da União O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O Programa Bolsa Família foi instituído pelo Governo Federal, pela Lei nº 10.836, de 9 de janeiro

Leia mais

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil Brasil População: 184 milhões habitantes Área: 8.514.215,3 km² República Federativa com 3 esferas de governo: Governo Federal, 26 estados, 1 Distrito Federal e 5.565 municípios População pobre: 11 milhões

Leia mais

e seus resultados na área de saúde

e seus resultados na área de saúde O Programa Bolsa Família e seus resultados na área de saúde Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Contexto histórico América Latina: proteção social baseada no seguro. Brasil, anos 1970,

Leia mais

Plínio Portela de Oliveira (b) Sérgio Ricardo de Brito Gadelha (b)

Plínio Portela de Oliveira (b) Sérgio Ricardo de Brito Gadelha (b) Uma Investigação sobre a Focalização do Programa Bolsa Família e seus Determinantes Imediatos An Investigation into the Targeting of Bolsa Familia Program and Its Immediate Determinants 1 André Portela

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

Programa Bolsa Família (PBF)

Programa Bolsa Família (PBF) FICHA DE PROGRAMA Área temática: Transferência de renda. 1. SUMÁRIO EXECUTIVO Programa Bolsa Família (PBF) DATA DE ATUALIZAÇÃO: 23/06/2015 O Programa Bolsa Família (PBF) é um programa de transferência

Leia mais

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 Estabelece ações, normas, critérios e procedimentos para o apoio à gestão e execução descentralizadas do Programa Bolsa Família, no âmbito dos municípios, e dá

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL

BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL 1 2 BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À

Leia mais

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Comparativo entre o rendimento médio dos beneficiários de planos de saúde individuais e da população não coberta por planos de saúde regional e por faixa etária Amanda Reis Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a Portaria/MDS nº 551, de 9 de novembro de 2005, e dá outras providências. O MINISTRO

Leia mais

Programa Bolsa Família no Município de Manaus

Programa Bolsa Família no Município de Manaus SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO EDUCACIONAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO EDUCACIONAL DIVISÃO DE APOIO A GESTÃO ESCOLAR GERÊNCIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES E PROGRAMAS ESPECIAIS Programa

Leia mais

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Washington, DC 13 de março de 2006 Senhoras e Senhores É com imensa satisfação que me dirijo aos Senhores para

Leia mais

Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Pólis Pesquisa Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

RELATÓRIO AVALIATIVO DA QUALIDADE DA BASE DE DADOS DO SISTEMA DE CADASTRO ÚNICO MUNICIPAL

RELATÓRIO AVALIATIVO DA QUALIDADE DA BASE DE DADOS DO SISTEMA DE CADASTRO ÚNICO MUNICIPAL PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO

BOLSA FAMÍLIA À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL 1 2 BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À

Leia mais

Fórum Banco Central de Inclusão Financeira. Painel MDS

Fórum Banco Central de Inclusão Financeira. Painel MDS Fórum Banco Central de Inclusão Financeira Painel MDS Brasília, 18/nov/2010 Sumário Breve descrição do PBF; Razões para inclusão financeira; Marco legal da inclusão financeira; Atual agenda de inclusão

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a portaria GM/MDS nº 321, de 29 de setembro de 2008, e dá outras

Leia mais

Gestão Municipal do Cadastro Único. Programa Bolsa Família

Gestão Municipal do Cadastro Único. Programa Bolsa Família Gestão Municipal do Cadastro Único e Programa Bolsa Família Gestora Olegna Andrea da Silva Entrevistadora e Operadora de Cadastro Ana Paula Gonçalves de Oliveira A porta de entrada para receber os bene?cios

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil é dever do Estado e direito de todos, sem qualquer

Leia mais

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO Com um registro único para programas sociais é possível saber quem são as pessoas mais vulneráveis, suas necessidades e onde elas moram. É possível

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Avaliação Econômica Programa Escola Integrada Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Criado em 2004, o Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais, da Fundação Itaú Social, atua em

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa para Avaliação do Impacto dos Programas Sociais Administrados pelo MDS no Vale do Jequitinhonha MG

Sumário Executivo. Pesquisa para Avaliação do Impacto dos Programas Sociais Administrados pelo MDS no Vale do Jequitinhonha MG Sumário Executivo Pesquisa para Avaliação do Impacto dos Programas Sociais Administrados pelo MDS no Vale do Jequitinhonha MG Datamétrica Consultoria, Pesquisa e Telemarketing Secretaria de Avaliação e

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009.

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. EMENTA: INSTITUI O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA, NA EMANCIPAÇÃO SUSTENTADA DAS FAMÍLIAS QUE VIVEM EM SITUAÇÃO DE EXTREMA POBREZA, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA,

Leia mais

TEXTO ORIENTADOR PARA O CURSO DO SIBEC

TEXTO ORIENTADOR PARA O CURSO DO SIBEC 1 TETO ORIENTADOR PARA O CURSO DO SIBEC Antes de iniciar a capacitação presencial do SIBEC, é importante rever alguns pontos sobre a gestão do Programa Bolsa Família. Fique atento às informações que reunimos

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Plano Nacional de Educação. Programa Bolsa Família e MDS

Plano Nacional de Educação. Programa Bolsa Família e MDS Plano Nacional de Educação COORDENAÇÃO GERAL DE INTEGRAÇÃO E ANÁLISE DE INFORMAÇÕES Departamento de Condicionalidades x Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Ministério do Desenvolvimento Social e

Leia mais

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL Ricardo Paes de Barros Mirela de Carvalho Samuel Franco 1 INTRODUÇÃO O objetivo desta nota é apresentar uma avaliação

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Entenda o cálculo do IDH Municipal (IDH-M) e saiba quais os indicadores usados O Índice de Desenvolvimento Humano foi criado originalmente para medir o nível de desenvolvimento humano dos países a partir

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI - PETI Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010

INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010 INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010 DISPÕE SOBRE APROVAÇÃO DO BENEFÍCIO ALIMENTAÇÃO. O Conselho Municipal de Assistência Social de Indaial, no uso de suas

Leia mais

Sistema de Informações de Custos do Governo Federal (SIC): Uma Análise Gerencial Aplicada ao Programa Bolsa Família

Sistema de Informações de Custos do Governo Federal (SIC): Uma Análise Gerencial Aplicada ao Programa Bolsa Família Sistema de Informações de Custos do Governo Federal (SIC): Uma Análise Gerencial Aplicada ao Programa Bolsa Família ORGANIZAÇÃO: CESEF Coordenação-Geral de Estudos Econômico-Fiscais GEEFI Gerência de Estudos

Leia mais

Bolsa Família Program

Bolsa Família Program Bolsa Família Program Brazil: Brief Overview Population: 184 million Area: 8,5 million km² Federative country, with 27 states and 5.564 municipalities Poor population: 11,1 million of families (21% of

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA NO SEU MUNICÍPIO Município: VITÓRIA DA CONQUISTA / BA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

PROGRAMA BOLSA FAMÌLIA. O que é

PROGRAMA BOLSA FAMÌLIA. O que é PROGRAMA BOLSA FAMÌLIA O que é É o maior e mais ambicioso programa de transferência de renda da história do Brasil. O Bolsa Família nasce para enfrentar o maior desafio da sociedade brasileira, que é o

Leia mais

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS O Cadastro Único e a Gestão do SUAS: Essa ferramenta auxilia no processo de planejamento das ações socioassistenciais?

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 RESULTADOS DA PNAD 2011 EDUCAÇÃO Apresentação 2 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio Gabrielli

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil***

1 INTRODUÇÃO. Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil*** BOLSA FAMÍLIA, ESCOLHA OCUPACIONAL E INFORMALIDADE NO BRASIL* Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil*** 1 INTRODUÇÃO O Bolsa Família (BF) é um programa assistencialista que visa

Leia mais

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Brasília, 7 A pobreza extrema no país caiu a 2,8%

Leia mais

Acompanhamento Familiar Programa Bolsa Família

Acompanhamento Familiar Programa Bolsa Família Acompanhamento Familiar Programa Bolsa Família 3 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Acompanhamento Familiar Programa Bolsa Família Brasília, 2009 2009 Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil

A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil 28 set 2006 Nº 14 A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil Por Antonio Prado 1 Economista do BNDES O salário mínimo subiu 97% de 1995 a 2006, enquanto a concentração de renda diminuiu O desenvolvimento

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME DOU de 27/08/2015 (nº 164, Seção 1, pág. 73) GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 81, DE 25 DE AGOSTO DE 2015 Altera as Portarias nº 754, de 20 de outubro

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro Edição Número 251 de 30/12/2005 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N o 666, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2005 Disciplina a integração entre

Leia mais

0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20(

0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20( 0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20( 3257$5,$*00'61ƒ'('(0$,2'( Aprova os instrumentos necessários à formalização da adesão dos municípios ao Programa Bolsa Família, à designação dos gestores

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Autores: Luís Otávio Farias Clarice Melamed VI Encontro Nacional de Economia da Saúde Nova Friburgo,

Leia mais

Modalidade do Trabalho: Apresentação oral. 1 Introdução

Modalidade do Trabalho: Apresentação oral. 1 Introdução O Bolsa Família: a centralidade do debate e da implementação da focalização nas famílias pobres e extremamente pobres no Brasil 1 Maria Ozanira da Silva e Silva Valéria Ferreira Santos de Almade Lima Modalidade

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua LOAS benefício de prestação continuada (BPC), previsto pelo art. 203 da Constituição. garantia de um salário-mínimo mensal à pessoa com deficiência

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais. Guia Rápido. O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão

Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais. Guia Rápido. O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais Guia Rápido O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão Janeiro de 2013 Apresentação Enfrentar a pobreza e as desigualdades

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 Dispõe sobre a destinação dos recursos recuperados por meio de ações judiciais para o Fundo Nacional de Saúde e o Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família ENAP, 1 de abril de 2005 Criação do Bolsa Família Medida Provisória nº 132 de 20 de

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília IE - Departamento de Estatística Avaliando o Impacto do Programa Bolsa Família no Trabalho Infantil e Frequência Escolar Infantil: Uma Abordagem de Regressão Descontínua Ana Paula

Leia mais

A QUESTÃO DA EDUCAÇÃO ENTRE OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO NORDESTE DO BRASIL

A QUESTÃO DA EDUCAÇÃO ENTRE OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO NORDESTE DO BRASIL A QUESTÃO DA EDUCAÇÃO ENTRE OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO NORDESTE DO BRASIL Anderson Paulino da Silva 1 André Augusto P. Brandão 2 Salete da Dalt 3 Resumo: Este trabalho examina a relação

Leia mais

Avaliação da Descentralização de Programas Sociais o caso do Bolsa Família no Nordeste V Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Campinas, 27/09/2013 Cátia Wanderley Lubambo FUNDAJ/UFPE

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO MÓDULO DE TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS APLICATIVO UPLOAD /DOWNLOAD VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF)

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Por: Maria das Graças Rua 1 Este relatório descreve o novo modelo do Programa de Erradicação

Leia mais

Transferencias de renda no Brasil. O Fim da Pobreza?

Transferencias de renda no Brasil. O Fim da Pobreza? Transferências de renda no Brasil O Fim da Pobreza? PET - Economia - UnB 20 de novembro de 2013 Outline A Autora 1 A Autora Sonia Rocha 2 Renda Mensal Vitaĺıcia (RMV) Bolsa Escola 3 Fome Zero O Novo Programa

Leia mais

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009 Campinas, 29 de fevereiro de 2012 AVANÇOS NO BRASIL Redução significativa da população em situação de pobreza e extrema pobreza, resultado do desenvolvimento econômico e das decisões políticas adotadas.

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública

Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública 4 Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública JOÃO RICARDO SPOSITO ANÁLISE SÓCIO-ECONÔMICO DO MUNICÍPIO DE UMUARAMA POR MEIO DE INDICADORES RELACIONADOS À DIMENSÃO

Leia mais

Texto 2. Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento

Texto 2. Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento Texto 2 Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento Após estudarmos sobre o contexto histórico em torno do repasse de recurso financeiro por

Leia mais

CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO. Caio Nakashima Março 2012

CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO. Caio Nakashima Março 2012 CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO Caio Nakashima Março 2012 Introdução O Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal é o principal instrumento de identificação e seleção

Leia mais

FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM

FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM PROPOSTA DE UM MODELO DE NOVOS COEFICIENTES DE DISTRIBUIÇÃO DO FPM PARA OS MUNICÍPIOS DO INTERIOR IBGE - Abril/2008 OBJETIVOS Proposta de criação de novos coeficientes

Leia mais

Perguntas e Respostas mais Frequentes FAQ (Frequently Asked Questions) Acompanhamento da Frequência Escolar

Perguntas e Respostas mais Frequentes FAQ (Frequently Asked Questions) Acompanhamento da Frequência Escolar P0 Perguntas e Respostas mais Frequentes FAQ (Frequently Asked Questions) Acompanhamento da Frequência Escolar P1 ÍNDICE DE PERGUNTAS 1 P2 2 P3 3 P3 4 P4 5 P5 6 P6 7 P7 8 P8 09 P9 10 P9 11 p9 12 P11 13

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA

O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA Rafael Guerreiro Osorio e Sergei S. D. Soares O Programa Bolsa Família é uma transferência de renda mensal do governo federal para famílias

Leia mais

Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados

Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados Luis Henrique Paiva Secretário Nacional de Renda de Cidadania Dezembro de 2014 2011-2014: Ciclo de Aperfeiçoamento do PBF e do Cadastro Único

Leia mais