UMA ESPÉCIE DE INTRODUÇÃO PARA QUE POSSAMOS ENTENDER-NOS MELHOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA ESPÉCIE DE INTRODUÇÃO PARA QUE POSSAMOS ENTENDER-NOS MELHOR"

Transcrição

1 4 PLANO GERAL DA OBRA INTRODUÇÃO UMA ESPÉCIE DE INTRODUÇÃO PARA QUE POSSAMOS ENTENDER-NOS MELHOR 11 O que é a literatura? 11 Porquê História de Literatura em Portugal e não da Literatura Portuguesa? 12 Os modos de «estudar» a literatura; perspectiva sincrónica e diacrónica; teoria, crítica e história da literatura 13 Modos/Géneros literários? 13 Prosa Poesia, dois modos de escrever um texto literário ou as chamadas «formas naturais de literatura» 16 Literatura popular e literatura erudita 18 A periodização literária ÉPOCA MEDIEVAL (finais do século XII ao século XV) CAPÍTULO I A ÉPOCA MEDIEVAL 23 A formação e desenvolvimento da língua portuguesa A língua portuguesa árvore genealógica Como é que, a partir do indo-europeu, se diversificaram todas estas línguas? O papel dos substratos e superstratos O galego-português A língua portuguesa no mundo/variantes do português As fases ou períodos da língua portuguesa 25 A Idade Média, na Europa e em Portugal Introdução Caracterização geral da Idade Média na Europa A Idade Média em Portugal 31 CAPÍTULO II A LITERATURA PORTUGUESA NA IDADE MÉDIA A POESIA TROVADORESCA E PALACIANA 33 A poesia trovadoresca galego-portuguesa 33

2 5 1. Breve introdução O que é a poesia galego-portuguesa? Cancioneiros existentes A poesia como espectáculo Os géneros A poesia de temática sentimental Distinção cantigas de amor/cantigas de amigo As cantigas de amor de influência provençal As cantigas de amigo A sátira medieval: as cantigas de escárnio e de mal dizer Aspectos da poética e versificação trovadoresca 46 A poesia palaciana no século XV: O Cancioneiro Geral de Garcia de Resende O Prólogo Âmbito cronológico Conteúdos e temas O lirismo amoroso A sátira o riso Forma e estruturas A mais bela e conhecida composição do Cancioneiro Geral 52 CAPÍTULO III A LITERATURA PORTUGUESA NA IDADE MÉDIA A PROSA 55 A prosa anterior a Fernão Lopes Nobiliários ou Livros de Linhagem Crónica Geral de Espanha de Épica jogralesca Romance de Cavalaria Demanda do Santo Graal Amadis de Gaula Prosa de carácter doutrinal e religioso 58 Fernão Lopes O tempo de Fernão Lopes: a crise de A prosa doutrinal dos Príncipes de Aviz Fernão Lopes A vida A obra O cronista/historiador As ideias do Prólogo da Crónica de D. João I O artista da palavra 63 Análise de um capítulo da Crónica de D. João I Outros cronistas (Gomes Eanes de Zurara e Rui de Pina) 67 CAPÍTULO IV O NOSSO SÉC. XVI «GIL VICENTE E O FIM DO TEATRO MEDIEVAL» 71 Ponto prévio necessário O teatro pré-vicentino Gil Vicente A época Vida e obra A classificação das peças A alegoria vicentina 75

3 A farsa A comédia narrativa O lirismo vicentino Aspectos da ideologia vicentina Gil Vicente produtor e encenador Um produtor cómico Breves considerações e análise de algumas peças de Gil Vicente Os «Autos das Barcas» ( ) «Farsa chamada Auto da Índia» (1508) «Farsa de Inês Pereira» (1523) «Auto da Lusitânia» (1532) «Tragicomédia de Dom Duardos» ( ) Uma espécie de conclusão Depois de Gil Vicente: a chamada «escola vicentina» 95 CAPÍTULO V Nos alvores do Renascimento em Portugal Bernardim Ribeiro 97 Ponto prévio: duas épocas do Renascimento em Portugal 97 Bernardim Ribeiro (1482?-1552?) Vida e obra A poesia lírica de carácter bucólico: as Éclogas O género bucólico A écloga As éclogas de Bernardim Ribeiro Menina e Moça ou Livro das Saudades Uma espécie de conclusão ÉPOCA CLÁSSICA: PERÍODO CLÁSSICO (séc. XVI) Capítulo VI ÉPOCA CLÁSSICA: 1.º PERÍODO O CLASSICISMO Portugal no séc. XVI século de grandeza e miséria A cultura em Portugal no século XVI Renascimento, Humanismo e Classicismo Renascimento 110

4 Humanismo Classicismo Renascimento, Humanismo e Classicismo em Portugal Os «pioneiros»: Sá de Miranda e António Ferreira Francisco Sá de Miranda ( ) António Ferreira ( ) 118 Capítulo VII LUÍS DE CAMÕES, PRÍNCIPE DOS POETAS DO SEU TEMPO Vida e obra de Luís de Camões (1524?-1580?) A poesia lírica de Luís de Camões As redondilhas Os poemas em «medida nova» A temática camoniana (temas, conflitos, perplexidades, busca de respostas) O amor Temas filosóficos Os Lusíadas Poema épico; suas regras; estruturação externa e interna de Os Lusíadas Uma leitura de Os Lusíadas O tempo (e a mudança) n Os Lusíadas O tempo passado, (tempo épico) o «bem», Sião 156 a) Plano de acção secundária: História de Portugal 156 b) Plano de acção central: a viagem de Vasco da Gama O tempo presente (tempo anti-épico, de «vil tristeza»; tempo «ético» e Linha da Moral) o mal presente, Babel O tempo futuro (tempo de expectativa de «novo Canto») O herói do poema será o seu Poeta? Linguagem e estilo O teatro de Camões As Cartas 165 Ainda um Poeta quinhentista Diogo Bernardes 165 CAPÍTULO VIII A PROSA NO SÉC. XVI LITERATURA DE VIAGENS Literatura novelesca e dramaturgia A literatura de viagens A Peregrinação de Fernão Mendes Pinto Historiadores dos Descobrimentos Prosadores religiosos O «século de Camões» 172

5 8 3. ÉPOCA CLÁSSICA: PERÍODO MANEIRISTA E BARROCO (séc. XVII) CAPÍTULO IX MANEIRISMO E BARROCO O século XVII na Europa e em Portugal Maneirismo e Barroco Maneirismo Barroco O Barroco em Portugal (na literatura) Teorização literária a poética barroca 183 CAPÍTULO X AUTORES MANEIRISTAS E DO BARROCO 187 Francisco Rodrigues Lobo ( /1621) Vida e obra A poesia e o romance bucólico de Rodrigues Lobo A Corte na Aldeia 189 A poesia lírica da Fénix Renascida e do Postilhão de Apolo 190 Dom Francisco Manuel de Melo Vida e obra A poesia lírica de As Segundas Três Musas A obra em prosa A obra dramática: o Auto do Fidalgo Aprendiz 202 Visão de conjunto sobre a poesia barroca portuguesa 203 CAPÍTULO XI PADRE ANTÓNIO VIEIRA, IMPERADOR DA LÍNGUA PORTUGUESA 205 Prosadores religiosos seiscentistas Frei Luís de Sousa Padre Manuel Bernardes 206 Padre António Vieira, Imperador da Língua Portuguesa Vida e obra do Padre António Vieira ( ) Os Sermões de Vieira O estilo do «imperador da língua portuguesa» Um Sermão sobre a arte de pregar (Retórica): o Sermão da Sexagésima (Lisboa, 1655) O mais conhecido dos Sermões de Vieira: O Sermão de Santo António aos Peixes (S. Luís do Maranhão, Brasil, 1663) Outros Sermões de Vieira Algumas conclusões gerais sobre António Vieira 225

6 9 4. ÉPOCA CLÁSSICA: PERÍODO NEOCLÁSSICO OU ARCÁDICO (séc. XVIII) Capítulo XII ILUMINISTAS, ÁRCADES E PRÉ-ROMÂNTICOS 229 O séc. XVIII, «Século das Luzes» As mudanças na Europa Em Portugal: Estrangeirados e Iluministas Na Literatura: Árcades ou Neoclássicos Formação de um novo gosto A «Arcádia Lusitana» Alguns dos Árcades 238 António Dinis da Cruz e Silva ( ) 238 Pedro António Correia Garção ( ) Em jeito de conclusão Dois autores marginais ou à margem de 4.1. Nicolau Tolentino ( ) António José da Silva, o «Judeu» ( ) Os dissidentes da Arcádia Os Pré-Românticos As possíveis origens da sensibilidade pré-romântica Alguns pré-românticos portugueses 250 Marquesa de Alorna ( ) 250 Tomás António Gonzaga ( ) 252 Manuel Maria Barbosa du Bocage ( ) 255 Outros pré-românticos Visão de conjunto sobre o séc. XVIII 261 BIBLIOGRAFIAS GERAIS E ESPECÍFICAS 265

PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO

PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Letras Disciplina: Literatura Portuguesa I Professor: Paula Cristina Ribeiro da Rocha de Morais Cunha Código: Carga Horária: 60 Créditos: 3

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 - ESTREMOZ Competências Gerais PLANIFICAÇÃO ANUAL DISCIPLINA: LITERATURA PORTUGUESA 2016-2017 - 10º Ano COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Leitura / Oralidade Seguir

Leia mais

Planificação Anual. Disciplina de Português

Planificação Anual. Disciplina de Português Planificação Anual Disciplina de Português N.º e nome Módulo Horas Tempos (45 ) Conteúdos de cada módulo 1. Poesia trovadoresca - Contextualização histórico-literária - Espaços medievais, protagonistas

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Planificação Anual da Disciplina de Português 10º ano Cursos Profissionais Ano Letivo de 2016/2017 Manual adotado: não há manual adotado Domínios e Objetivos Sequências/Conteúdos

Leia mais

PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO

PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Letras Disciplina: Literatura Portuguesa I Professor: Socorro Almeida Código: Carga Horária: 60 Créditos: 3 Pré-requisito(s): Teoria da literatura

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL

ENSINO SECUNDÁRIO 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO SECUNDÁRIO Ano letivo 2015 / 2016 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL PLANIFICAÇÃO A MÉDIO E A LONGO PRAZO - PORTUGUÊS - 10º ANO MANUAL: SENTIDOS, ASA Período Domínios / Tópicos de Conteúdo Metas Curriculares

Leia mais

Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa

Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa Prof. Thiago Robson Aletro As Trovas Medievais Contexto histórico-cultural Idade Média (Séc XII) Feudalismo/vassalage m Nobreza Teocentrismo Cruzadas Galego-Português

Leia mais

O ALEM-MAR LITERATURA PORTUGUESA

O ALEM-MAR LITERATURA PORTUGUESA JOÃO DE CASTRO OSÓRIO O ALEM-MAR NA LITERATURA PORTUGUESA (ÉPOCA DOS DESCOBRIMENTOS) NOVA ARRANCADA ÍNDICE DAS MATÉRIAS Breve nota sobre a vida e obra de João de Castro Osório., CAPÍTULO I CONDIÇÕES HISTÓRICAS

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

Ministério da Educação e do Desporto Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação. Curso: Letras Código: 37

Ministério da Educação e do Desporto Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação. Curso: Letras Código: 37 Ministério da Educação e do Desporto Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso: Letras Código: 37 Modalidade(s): Licenciatura Currículo(s): 2006.1 Turno(s): (

Leia mais

HISTORIA CRÍTICA DA LITERATURA PORTUGUESA

HISTORIA CRÍTICA DA LITERATURA PORTUGUESA HISTORIA CRÍTICA DA LITERATURA PORTUGUESA Direcção de CARLOS REIS Professor Catedrático da Universidade de Coimbra SUB Hamburg A/555285 Volume IV NEOCLASSICISMO E PRÉ-ROMANTISMO por Rita Marnoto Verbo

Leia mais

HISTORIA DO TEATRO PORTUGUÊS

HISTORIA DO TEATRO PORTUGUÊS DUARTE IVO CRUZ A 369271 HISTORIA DO TEATRO PORTUGUÊS Editorial VERBO ÍNDICE GERAL PREFACIO PRIMEIRA PARTE 1193 a 1893 I - SINAIS DIFUSOS DO TEATRO PRÉ-VICENTINO Formas do Teatro medieval Teatro popular

Leia mais

Literatura Portuguesa. Aula 02 de Literatura Portuguesa Professora Carolina Ferreira Leite

Literatura Portuguesa. Aula 02 de Literatura Portuguesa Professora Carolina Ferreira Leite Literatura Portuguesa Humanism mo séc. XV Aula 02 de Literatura Portuguesa Professora Carolina Ferreira Leite Humanismo (1434-1527) olítica, economia e sociedade: IDADE MÉDIA X RENASCIMENTO Feudalismo

Leia mais

Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho Planificação de Língua Portuguesa - 9º Ano - Ano Lectivo 2009/ 201 0

Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho Planificação de Língua Portuguesa - 9º Ano - Ano Lectivo 2009/ 201 0 1º Período (5) Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho UNIDADE 0: ACTIVIDADES INICIAIS Apresentação dos objectivos da disciplina; Planificação anual e marcação de testes; Avaliação diagnóstica. UNIDADE

Leia mais

Os Docentes: Luís Magalhães, Adélia Silvestre, Anabela Campos e Patrícia Lima PLANIFICAÇÃO ANUAL 10.º ANO DE ESCOLARIDADE OBJETIVOS GERAIS

Os Docentes: Luís Magalhães, Adélia Silvestre, Anabela Campos e Patrícia Lima PLANIFICAÇÃO ANUAL 10.º ANO DE ESCOLARIDADE OBJETIVOS GERAIS A planificação que se apresenta é uma adaptação da que acompanha o manual O Caminho das Palavras. Servirá de matriz a todos os professores que estão a leccionar o 10º, sendo adaptada e reajustada de acordo

Leia mais

Universidade do Estado do Pará - UEPA Centro de Ciências Sociais e Educação CCSE

Universidade do Estado do Pará - UEPA Centro de Ciências Sociais e Educação CCSE Universidade do Estado do Pará - UEPA Centro de Ciências Sociais e Educação CCSE Núcleo Universitário de Paragominas / Campus VI Plano de Ensino, pesquisa e Extensão / 2008 I. Identificação 1.1 Disciplina:

Leia mais

Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação

Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Conhecer os elementos que constituem a turma, criando

Leia mais

Escola Secundária de Manuel da Fonseca, Santiago do Cacém Disciplina: Língua Portuguesa Planificação do Ano Lectivo 2008/2009 Ano: 9º

Escola Secundária de Manuel da Fonseca, Santiago do Cacém Disciplina: Língua Portuguesa Planificação do Ano Lectivo 2008/2009 Ano: 9º Relativos ao programa dos anos transactos e do ciclo de estudos. A História da Língua Portuguesa: do indo-europeu ao português moderno. alguns processos de transformação. o mundo lusófono O Texto Dramático:

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 10 9 9 11 11 3.º período 9 10 9 9 10 (As aulas previstas

Leia mais

ミ Trabalho de Literatura 彡. Tema: Classicismo e Humanismo.

ミ Trabalho de Literatura 彡. Tema: Classicismo e Humanismo. ミ Trabalho de Literatura 彡 Tema: Classicismo e Humanismo. Movimento cultural que se desenvolveu na Europa ao longo dos séculos XV e XVI, com reflexos nas artes, nas ciências e em outros ramos da atividade

Leia mais

Metas de Aprendizagem Educação Literária

Metas de Aprendizagem Educação Literária (5.º ano) 1. Fábulas A lebre e a tartaruga, A raposa e a cegonha, O leão e o rato e A formiga e a pomba, Esopo (Manual) 2. Lendas A ilha de Timor e Os dois amigos, José Pedro Mésseder e Isabel Ramalhete

Leia mais

Índice. A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18

Índice. A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18 Índice PREFÁCIO 11 CAPÍTULO 1 A PRÉ-HISTÓRIA DO TEATRO A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18 CAPÍTULO 2 O TEATRO

Leia mais

MÓDULO N.º 1 POESIA TROVADORESCA FERNÃO LOPES

MÓDULO N.º 1 POESIA TROVADORESCA FERNÃO LOPES CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURANTE / BAR PLANIFICAÇÃO MODULAR DISCIPLINA: PORTUGUÊS 10º9 CONTEÚDOS OBJETIVOS HORAS / TEMPOS AVALIAÇÃO MÓDULO N.º 1 POESIA TROVADORESCA FERNÃO LOPES - Cantigas

Leia mais

AULA 03 LITERATURA. Classicismo

AULA 03 LITERATURA. Classicismo AULA 03 LITERATURA Classicismo PROFª Edna Prado O Classicismo, terceiro grande movimento literário da língua portuguesa, marca o início a chamada Era Clássica da Literatura. A Era Clássica é formada por

Leia mais

PRINCIPAIS OBRAS DE LEODEGÁRIO A. DE AZEVEDO FILHO

PRINCIPAIS OBRAS DE LEODEGÁRIO A. DE AZEVEDO FILHO PRINCIPAIS OBRAS DE LEODEGÁRIO A. DE AZEVEDO FILHO 1. Alguns Problemas do Idioma. Rio de Janeiro: Gráfica Carioca, 1953. 2. Didática Especial de Português. Rio de Janeiro: Editora Conquista, 1958. 3. A

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ATIVIDADES ESTRATÉGIAS ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO BÁSICO Curso de Apoio à Família e à Comunidade DISCIPLINA: Língua Portuguesa ANO: CEF Tipo 2 (2º ano) ANO LETIVO: 2011/2012 COMPETÊNCIAS

Leia mais

Preparação para o. Exame Final Nacional. Português 10.º ano

Preparação para o. Exame Final Nacional. Português 10.º ano Preparação para o Exame Final Nacional Português 10.º ano 10 Oo Índice Parte I Conteúdos programáticos 10.º ano Preparação ao longo do ano 1. Conselhos úteis 6 1.1. Métodos e estratégias de trabalho e

Leia mais

Domínios Conteúdos Horas

Domínios Conteúdos Horas AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ BELCHIOR VIEGAS ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ BELCHIOR VIEGAS PORTUGUÊS 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL 1.º ANO Cursos Profissionais Domínios Conteúdos Horas Oralidade - Compreensão do

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 9.º Ano

PLANIFICAÇÃO ANUAL 9.º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALE DE MILHAÇOS ESCOLA BÁSICA DE VALE DE MILHAÇOS PLANIFICAÇÃO ANUAL 9.º Ano Disciplina de Português Ano Letivo - 2016/2017 Metas de aprendizagem Conteúdos Nº de aulas previstas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Visão diacrônica das correntes estéticas da Literatura Portuguesa do período medieval ao final do séc. XIX. Abordagem crítica dos seguintes movimentos: Trovadorismo, Humanismo, Renascimento,

Leia mais

3) As primeiras manifestações literárias que se registram na Literatura Brasileira referem-se a:

3) As primeiras manifestações literárias que se registram na Literatura Brasileira referem-se a: ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA - LITERATURA PROFESSOR: Renan Andrade TURMA: 1ª Série EM REVISÃO 1) Comente a respeito das vertentes lírica e épica da poesia de Camões. 2) Não se relaciona à medida

Leia mais

Literatura 1º ano João J. Classicismo

Literatura 1º ano João J. Classicismo Literatura 1º ano João J. Classicismo LITERATURA 1º ANO Tema: CLASSICISMO O Classicismo, terceiro grande movimento literário da língua portuguesa, marca o início a chamada Era Clássica da Literatura. A

Leia mais

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários.

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários. CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula Nº de Créditos: 04 (quatro) PERÍODO: 91.1 a 99.1 EMENTA: Visão panorâmica das literaturas produzidas em Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São

Leia mais

O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem no verbo grego theastai (ver, contemplar, olhar), e no vocábulo greg

O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem no verbo grego theastai (ver, contemplar, olhar), e no vocábulo greg O TEXTO DRAMÁTICO Ridendo castigat mores (a rir se criticam os costumes) O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem no verbo grego theastai (ver, contemplar, olhar),

Leia mais

PLANO NACIONAL DE LEITURA

PLANO NACIONAL DE LEITURA PLANO NACIONAL DE LEITURA 2016/2017 Biblioteca Escolar Objetivo Central O Plano Nacional de Leitura tem como objetivo central elevar os níveis de literacia dos portugueses e colocar o país a par dos nossos

Leia mais

2011/2012 (Despacho nº 5238/2011 de 28 de Março) 2º Ano CONTEÚDOS ANUAIS DISCIPLINA: Língua Portuguesa. CEF Serviço de Bar

2011/2012 (Despacho nº 5238/2011 de 28 de Março) 2º Ano CONTEÚDOS ANUAIS DISCIPLINA: Língua Portuguesa. CEF Serviço de Bar 2011/2012 (Despacho nº 5238/2011 de 28 de Março) 2º Ano CONTEÚDOS ANUAIS DISCIPLINA: Língua Portuguesa CEF Serviço de Bar CONTEÚDOS 1º PERÍODO AULAS PREVISTAS 46 TEXTOS DE TEATRO - AUTO DA BARCA DO INFERNO,

Leia mais

Funcionamento da língua. Escrita. Oralidade

Funcionamento da língua. Escrita. Oralidade Índice geral Módulo 5 Textos dos media II 12 CONTRATO DE LEITURA 13 Imagens que transformam [artigo de imprensa], de José Carlos Abrantes 17 Do fracasso ao êxito [artigo de imprensa] 20 Anúncios publicitários

Leia mais

GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico

GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico GÊNEROS LITERÁRIOS Dramático, Épico, Narrativo e Lírico O QUE SÃO GÊNEROS LITERÁRIOS? Designam as famílias de obras literárias dotadas de características iguais ou semelhantes. Porém, os gêneros não são

Leia mais

Ministério da Educação e do Desporto Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação

Ministério da Educação e do Desporto Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Ministério da Educação e do Desporto Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso: Letras Código:37 Modalidade(s): Licenciatura Currículo(s): 2006.1 Turno(s): (

Leia mais

Slides por Carlos Daniel S. Vieira

Slides por Carlos Daniel S. Vieira Slides por Carlos Daniel S. Vieira Portugal (início do século XX) invasão das tropas de Napoleão vinda da Família Real para o Brasil Reino Unido a Portugal e Algarve A burguesia de Portugal entra em crise

Leia mais

ESTAVA A FORMOSA SEU FIO TORCENDO (paráfrase de Cleonice Berardinelli) - Por Jesus, senhora, vejo que sofreis Estava a formosa seu fio torcendo,

ESTAVA A FORMOSA SEU FIO TORCENDO (paráfrase de Cleonice Berardinelli) - Por Jesus, senhora, vejo que sofreis Estava a formosa seu fio torcendo, 3º EM Literatura Dina Aval. Mensal 19/03/11 Responda no gabarito ao final 1. Sobre a poesia trovadoresca em Portugal, é INCORRETO afirmar que: a) refletiu o pensamento da época, marcada pelo teocentrismo,

Leia mais

Direção Regional de Setúbal

Direção Regional de Setúbal SPGL Sindicato dos Professores da Grande Lisboa Direção Regional de Setúbal Eleição dos Delegados ao 5º Congresso do SPGL 5 e 6 de fevereiro de 2015 2º, 3º CEB e Secundário António Gedeão EB2,3 Alembrança

Leia mais

Lıter tur. Literatura: a arte da palavra... 15. O texto literário... 33

Lıter tur. Literatura: a arte da palavra... 15. O texto literário... 33 sum rıo Lıter tur 1 2 Literatura: a arte da palavra... 15 Primeira leitura: Obras de arte Kandinsky... 15 Leitura: O que é arte? H. W. Janson... 17 Leitura de imagem... 19 A literatura... 21 Leitura: Andorinha...

Leia mais

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa GÊNEROS LITERÁRIOS ÉPICO (OU NARRATIVO) Longa narrativa literária de caráter heroico, grandioso e de interesse nacional e social. Atmosfera maravilhosa de acontecimentos heroicos passados que reúnem mitos,

Leia mais

1. QUESTÕES PERIODOLÓGICAS E QUADRO CONTEXTUAL

1. QUESTÕES PERIODOLÓGICAS E QUADRO CONTEXTUAL ÍNDICE Pág. APRESENTAÇÃO... 7 1. QUESTÕES PERIODOLÓGICAS E QUADRO CONTEXTUAL 1. Introdução... 13 2. Bibliografia... 23 Francisco José Freire: Finalidades da poesia... 29 Luís A ntônio Verney: A educação

Leia mais

Arcadismo e Neoclassicismo

Arcadismo e Neoclassicismo Arcadismo e Neoclassicismo Origem do nome Recupera as características do classicismo porém em outra época = neoclassicismo Arcadismo = região da Grécia (Arcádia), região do Peloponeso, onde fica o Monte

Leia mais

CEMAS - REVISTA ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A

CEMAS - REVISTA ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A 1 ARCADISMO O Arcadismo, também conhecido como Setecentismo ou Neoclassicismo, é o movimento que compreende a produção literária brasileira na segunda metade do século

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 9.º ANO DE PORTUGUÊS 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 9.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes graus de formalidade, finalidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UINIVERSITÁRIO DE BRAGANÇA FACULDADE DE LETRAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UINIVERSITÁRIO DE BRAGANÇA FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UINIVERSITÁRIO DE BRAGANÇA FACULDADE DE LETRAS Disciplina: Literatura Portuguesa Clássica Professora: Alessandra Conde Turma: Letras 2012 Bragança EMENTA: O Renascimento

Leia mais

Valéria. Literatura. Exercícios de Revisão I

Valéria. Literatura. Exercícios de Revisão I Nome: n o : 1 a E nsino: Médio S érie: T urma: Data: Prof(a): Valéria Literatura Exercícios de Revisão I Conteúdo: Humanismo (Fernão Lopes, Gil Vicente e Poesia Palaciana) Obras Literárias: Medéia e Auto

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS - 9.º ANO DE PORTUGUÊS - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No final do 9.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir discursos/textos orais com diferentes graus de formalidade,

Leia mais

AULA 01 LITERATURA. Os mais de oito séculos de produção literária portuguesa são divididos em três grandes eras:

AULA 01 LITERATURA. Os mais de oito séculos de produção literária portuguesa são divididos em três grandes eras: AULA 01 LITERATURA PROFª Edna Prado INTRODUÇÃO Periodização da Literatura em Portugal e no Brasil: A história da literatura portuguesa, tal qual conhecemos hoje, tem início em meados do século XII, quando

Leia mais

António Lobo Antunes, no programa O meu tempo é hoje, RTP, 23/01/2015

António Lobo Antunes, no programa O meu tempo é hoje, RTP, 23/01/2015 António Lobo Antunes, no programa O meu tempo é hoje, RTP, 23/01/2015 1ª Parte: A língua portuguesa ao longo dos tempos (o passado). 2ª Parte: A língua portuguesa pelo mundo nos nossos dias (o presente).

Leia mais

Vida e obra de Gil Vicente

Vida e obra de Gil Vicente Vida e obra de Gil Vicente Não existem dados concretos quanto à data e local de nascimento de Gil Vicente, mas segundo alguns estudiosos, o autor terá nascido em Guimarães, entre 1460 e 1470. Quanto à

Leia mais

DOMÍNIOS DE REFERÊNCIA E CONTEÚDOS

DOMÍNIOS DE REFERÊNCIA E CONTEÚDOS Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos de Português 9 º ano Ano letivo 2015 2016 1º PERIODO DOMÍNIOS DE REFERÊNCIA E CONTEÚDOS Poema declamado/musicado (escuta ativa) Crónica/rubrica radiofónica

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA PLANIFICAÇÃO ANUAL DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA PLANIFICAÇÃO ANUAL DE LÍNGUA PORTUGUESA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA PLANIFICAÇÃO ANUAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 9º Ano - CEF Ano Letivo de 2012/2013 Módulo 15 Textos de Teatro Auto da Barca do Inferno de Gil Vicente Competências transversais: Duração

Leia mais

LISTA DAS ESCOLAS/AGRUPAMENTOS DE ESCOLAS QUE SUSPENDERAM A AVALIAÇÃO (124)

LISTA DAS ESCOLAS/AGRUPAMENTOS DE ESCOLAS QUE SUSPENDERAM A AVALIAÇÃO (124) Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt LISTA DAS ESCOLAS/AGRUPAMENTOS DE ESCOLAS QUE SUSPENDERAM A AVALIAÇÃO (124) Lista das escolas que, de acordo com dados obtidos até às 11.00 horas de 14

Leia mais

Semana 4 Sexta Feira L.E. Períodos Literários. O Trovadorismo

Semana 4 Sexta Feira L.E. Períodos Literários. O Trovadorismo L.E. Semana 4 Sexta Feira Períodos Literários O Trovadorismo Idade média O sistema feudal Teocentrismo Língua portuguesa arcaica O Trovador Um poeta itinerante Artista de origem nobre Recitava sua poesia

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARQUITECTURA PORTUGUESA MODERNA CONTEMPORÂNEA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARQUITECTURA PORTUGUESA MODERNA CONTEMPORÂNEA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARQUITECTURA PORTUGUESA MODERNA CONTEMPORÂNEA Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Arquitectura 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2013 Disciplina: Literatura Ano: 2013 Professor (a): Felipe Amaral Turma: 1º ano FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

Luís Vaz de Camões. 1º Abs Joana Santos nº2486

Luís Vaz de Camões. 1º Abs Joana Santos nº2486 Luís Vaz de Camões 1º Abs Joana Santos nº2486 Ano lectivo: 2010/2011 Índice.. 2 Introdução...3 Vida de Luís de Camões.. 4 Obra. 5 Conclusão 6 Bibliografia..7 2 Neste trabalho irei falar sobre Luís Vaz

Leia mais

PRESENÇA PORTUGUESA EM ROMA

PRESENÇA PORTUGUESA EM ROMA B 55662 A. PINTO CARDOSO PRESENÇA PORTUGUESA EM ROMA Aguarelas de Sofia C. Macedo 291 ÍNDICE Mapa de Roma Lusitana Apresentação Introdução 6 9 11 I. PARTE AS PESSOAS E OS FACTOS I. PORTUGAL E ROMA NOS

Leia mais

ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI

ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI INÍCIO NA INGLATERRA E NA ALEMANHA ATÉ METADE DO SÉC. XIX; DISPUTAS DE PODER, FIM DA NOBREZA E ARISTOCRACIA; LITERATURA PARA A BURGUESIA E VISTA COMO ENTRETENIMENTO.

Leia mais

Prof. Eloy Gustavo. Aula 2 Trovadorismo

Prof. Eloy Gustavo. Aula 2 Trovadorismo Aula 2 Trovadorismo Escolas Literárias História da Literatura Um sistema de tendências artísticas, em vigor, na maioria das obras produzidas, numa determinada época histórica. Periodologia da Literatura

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM 3º Ciclo. Ano Letivo 2013-2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL PORTUGUÊS 9ºANO Documento(s) Orientador(es): Programas de Português do Ensino Básico, Metas Curriculares

Leia mais

DISCIPLINA: PORTUGUÊS 10º

DISCIPLINA: PORTUGUÊS 10º ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DISCIPLINA: PORTUGUÊS 10º Ano 2016-2017 ENTRE NÓS E AS PALAVRAS Português 10. o ano Santillana 1 PLANIFICAÇÃO ANUAL UNIDADE Unidade

Leia mais

humanismo história da literatura

humanismo história da literatura CONTEXTO HISTÓRICO.: Didaticamente, convencionou-se determinar como marco inicial do Humanismo a nomeação de Fernão Lopes como guarda-mor da Torre do Tombo, em 1418. Seu término ocorre em 1527, quando

Leia mais

Índice. COLÓQUIO Colóquio. Letras / propr. Fundação Calouste Gulbenkian N.º 166/167 (Jan./Mai. 2004) págs. Editorial Nota de apresentação

Índice. COLÓQUIO Colóquio. Letras / propr. Fundação Calouste Gulbenkian N.º 166/167 (Jan./Mai. 2004) págs. Editorial Nota de apresentação Índice págs Editorial Nota de apresentação Ensaio Imagens da Poesia Europeia Homero e a «Ilíada» / Homero e a «Odisseia» Poetas líricos da Grécia I Poetas líricos da Grécia II As origens da tragédia Poesia

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VENDAS NOVAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VENDAS NOVAS Português AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VENDAS NOVAS 1. Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário Domínios Conhecimentos e capacidades Atitudes 85% 15% - Cumprimento de regras - Participação nas

Leia mais

Livros Recomendados. 9º ano Leitura orientada Autores Títulos Editoras ISBN. Grau de dificuldade I

Livros Recomendados. 9º ano Leitura orientada Autores Títulos Editoras ISBN. Grau de dificuldade I Grau de dificuldade I Araújo, Jorge Comandante Hussi Quetzal - Bertrand Editora 972-564-575-8 Camões, Luís Vaz de (Adapt. Amélia Pinto Pais) Os Lusíadas em prosa Areal Editores 972-627-559-8 Fanha, José

Leia mais

Planificação Anual GR Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º

Planificação Anual GR Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º Planificação Anual GR 300 - Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º Módulo 9: Textos Líricos (Fernando Pessoa ortónimo e heterónimos) 30 horas (40 aulas) Objectivos de Aprendizagem -Distinguir a

Leia mais

HUMANISMO 1434-1527. Gil Vicente

HUMANISMO 1434-1527. Gil Vicente HUMANISMO 1434-1527 Gil Vicente HUMANISMO É UMA ÉPOCA DE TRANSIÇÃO DA IDADE MÉDIA PARA O RENASCIMENTO. CONTEXTO HISTÓRICO (SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIV) FEUDALISMO ENTRA EM DECLÍNIO CRESCIMENTO DO COMÉRCIO

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Claudia S. N. Vieira Disciplina: LPO Série: 1ª Tema da aula: O Trovadorismo Objetivo da aula: Trabalhar as principais características do estilo

Leia mais

Planificação do trabalho a desenvolver com a turma G do 10º ano (ano letivo 2015/2016) Conteúdos / Temas a lecionar

Planificação do trabalho a desenvolver com a turma G do 10º ano (ano letivo 2015/2016) Conteúdos / Temas a lecionar Disciplinas Português Aulas Previstas (aulas de 50 min) Planificação do trabalho a desenvolver com a turma G do 10º ano (ano letivo 2015/2016) Conteúdos / Temas a lecionar 1º 2º 3º 1º Período 2º Período

Leia mais

HISTORIA CRÍTICA DA LITERATURA PORTUGUESA

HISTORIA CRÍTICA DA LITERATURA PORTUGUESA HISTORIA CRÍTICA DA LITERATURA PORTUGUESA Direcção de CARLOS REIS Professor Catedrático da Universidade de Coimbra A 399160 Volume IX DO NEO-REALISMO AO POST-MODERNISMO por Carlos Reis Editorial VERBO

Leia mais

A SÁTIRA NA POESIA PORTUGUESA

A SÁTIRA NA POESIA PORTUGUESA SUB Hamburg B/110843 A SÁTIRA NA POESIA PORTUGUESA e a Poesia Satírica de Nicolau Tolentino, Guerra Junqueiro e Alexandre O'Neill CARLOS NOGUEIRA FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E

Leia mais

No arquivo Exames e Provas podem ser consultados itens e critérios de classificação de provas desta disciplina.

No arquivo Exames e Provas podem ser consultados itens e critérios de classificação de provas desta disciplina. INFORMAÇÃO-PROVA LITERATURA PORTUGUESA Novembro de 2016 Prova 734 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova de exame final

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 63/2002

RESOLUÇÃO Nº 63/2002 RESOLUÇÃO Nº 63/2002 Estabelece a relação de obras literárias do Processo Seletivo da UFES para ingresso nos cursos de graduação nos anos letivos de 2004, 2005 e 2006. O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO

Leia mais

Língua Portuguesa. 1º ano. Unidade 1

Língua Portuguesa. 1º ano. Unidade 1 Língua Portuguesa 1º ano Unidade 1 Linguagem Linguagem, língua, fala Unidade 4 - capítulo 12 Linguagem verbal e não verbal Unidade 4 - capítulo 12 e 13 Signo linguístico Unidade 4 - capítulo 12 Denotação

Leia mais

AULA 02 LITERATURA. Humanismo

AULA 02 LITERATURA. Humanismo AULA 02 LITERATURA Humanismo PROFª Edna Prado É interessante ressaltarmos que o termo Humanismo é polissêmico, podendo ser considerado sob vários enfoques, ao mesmo tempo distintos e interdependentes.

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS LÍNGUA PORTUGUESA 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Cultura A pluralidade na expressão humana 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 10.2 Conteúdo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Resolução do teste diagnóstico

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Resolução do teste diagnóstico ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL Ensino Secundário Profissional DISCIPLINA: Português ANO: 12º ANO LETIVO 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

Leia mais

maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo, por bem das águas

maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo, por bem das águas Exercícios preparatórios para P7 Literatura Prof. Ítalo Puccini 1) I. A terra Esta terra, Senhor, me parece que, da ponta que mais contra o sul vimos até outra ponta que contra o norte vem, de que nós

Leia mais

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno)

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno) ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

Março Na listagem seguinte, encontrará os documentos catalogados segundo a CDU (classificação decimal universal) no programa Porbase.

Março Na listagem seguinte, encontrará os documentos catalogados segundo a CDU (classificação decimal universal) no programa Porbase. Novidades Editoriais na Biblioteca Março 2010 Na listagem seguinte, encontrará os documentos catalogados segundo a CDU (classificação decimal universal) no programa Porbase. [6618] 821.AP-31 OND ONDJAKI

Leia mais

TROVADORISMO: AS RAÍZES MEDIEVAIS SÉCULO XII MEADOS SÉCULO XIV

TROVADORISMO: AS RAÍZES MEDIEVAIS SÉCULO XII MEADOS SÉCULO XIV TROVADORISMO: AS RAÍZES MEDIEVAIS SÉCULO XII MEADOS SÉCULO XIV Momento Histórico Idade Média Literário Poesias Cantigas Feudalismo Igreja $ Acompanhamento musical Trovador: homem, músico, nobre Jogral

Leia mais

REFERÊNCIAS DA BMFC. Ciclo de Exposições Documentais Temáticas Leituras sobre Autores portugueses: Uma viagem pela literatura portuguesa 1 5

REFERÊNCIAS DA BMFC. Ciclo de Exposições Documentais Temáticas Leituras sobre Autores portugueses: Uma viagem pela literatura portuguesa 1 5 1 5 REFERÊNCIAS DA BMFC ANDRADE, Eugénio de Antologia pessoal da poesia portuguesa. 5ª ed. Porto: Campo das Letras, 2001., 545 p. 972-610-225-1. Assunto: Literatura portuguesa -- poesia Cota: FG LP(P)

Leia mais

Direcção Geral do Ensino Básico e Secundário Serviço do Ensino Secundário Geral LISTA DE MANUAIS ADOPTADOS ANO LECTIVO 2011/12

Direcção Geral do Ensino Básico e Secundário Serviço do Ensino Secundário Geral LISTA DE MANUAIS ADOPTADOS ANO LECTIVO 2011/12 LISTA DE MANUAIS ADOPTADOS ANO LECTIVO 2011/12 1º CICLO (7º e 8º anos) LÍNGUA PORTUGUESA Título: Hespérides Manual de Língua Portuguesa 7º e 8º anos Autora: Maria Cândida Neiva LÍNGUA FRANCESA 7º ano Título:

Leia mais

POEMAS DE FERNANDO PESSOA O ORTÓNIMO E OS HETERÓNIMOS

POEMAS DE FERNANDO PESSOA O ORTÓNIMO E OS HETERÓNIMOS Índice geral 3 Índice geral Módulo 9 Textos líricos POEMAS DE FERNANDO PESSOA O ORTÓNIMO E OS HETERÓNIMOS 12 CONTRATO DE LEITURA 14 Tábua bibliográfica, 16 FERNANDO PESSOA (ortónimo) 17 Autopsicografia,

Leia mais

Escola Estadual Frederico J. Pedrera Neto

Escola Estadual Frederico J. Pedrera Neto Trovadorismo Escola Estadual Frederico J. Pedrera Neto Data 18/08/2016 professora(a); Mirleia Aluno(a); Marcos Vinicius Palmas - To Trovadorismo foi um movimento literário e poético que surgiu na Idade

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 1º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Estudos de Fonética e Fonologia

Leia mais

António Furtado Gráfica Eborense Évora 1969 24,5 x 19 cm 12 p. 4. Lda Lisboa 1949 26 x 19,5 cm 183 p. 10 sua História: Vol. 1

António Furtado Gráfica Eborense Évora 1969 24,5 x 19 cm 12 p. 4. Lda Lisboa 1949 26 x 19,5 cm 183 p. 10 sua História: Vol. 1 A abolição da pena de morte António Furtado 1969 24,5 x 19 cm 12 p. 4 dos Santos A Família Pousão em Elvas (Elementos para a Eurico Gama Minerva Comercial, 24,5 x 19 cm 29 p. 5 Biografia do Pintor Henrique

Leia mais

Luís de Camões (1524?-1580?)

Luís de Camões (1524?-1580?) Prof. André de Freitas Barbosa Análise literária Luís de Camões (1524?-1580?) SONETOS (1595) Aspectos da lírica camoniana Luís de Camões é o maior expoente do Classicismo literário e, por extensão, do

Leia mais

LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS

LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS OS GÊNEROS LITERÁRIOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS OS GÊNEROS LITERÁRIOS Conceito; Origem; Classificação. OS GÊNEROS LITERÁRIOS GÊNERO ÉPICO OU NARRATIVO; LÍRICO OU POÉTICO; DRAMÁTICO OU TEATRAL. O GÊNERO

Leia mais

LITERATURA PORTUGUESA

LITERATURA PORTUGUESA MASSAUD MOISÉS Do Instituto de Estudo» Portugueses da U. 8. F. BIBLIOGRAFIA DA LITERATURA PORTUGUESA Colaboração de: HERTI HOEPPNER FERREIRA NEUSA DIAS MACEDO YARA FRATESCHI VIEIRA EDIÇÃO SARAIVA EDITORA

Leia mais

Resumo Aula 4 e 5 de Literatura: Classicismo, Quinhentismo e Barroco.

Resumo Aula 4 e 5 de Literatura: Classicismo, Quinhentismo e Barroco. Resumo Aula 4 e 5 de Literatura: Classicismo, Quinhentismo e Barroco. Classicismo Período literário que surgiu na época do Renascimento. Teve inicio na Itália e difundiu-se ao longo na Europa, séc. XV

Leia mais

Testes comuns Português 10º Ano. Sala

Testes comuns Português 10º Ano. Sala Sala 211 05-02 - 2015 19663 10 CT3 Adriana Raquel Seara Ferreira 15965 10 CT1 Alexandra Sofia Gonçalves dos Santos 19743 10 LH2 Alexandre Vilas Boas Soares 16035 10 CT1 Ana Beatriz Coelho Moreira 16002

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL

ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL Escola Secundária Dr. Solano de Abreu Abrantes ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 12º ANO LETIVO 2012/2013 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS

Leia mais