COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES PELO BNDES EXIM COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES PELO BNDES EXIM COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR"

Transcrição

1 BRASÍLIA, 2014 COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES PELO BNDES EXIM COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

2 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Desenvolvimento Industrial Carlos Eduardo Abijaodi Diretor Diretoria de Comunicação Carlos Alberto Barreiros Diretor Diretoria de Educação e Tecnologia Rafael Esmeraldo Lucchesi Ramacciotti Diretor Julio Sergio de Maya Pedrosa Moreira Diretor Adjunto Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto Coelho Fernandes Diretor Diretoria de Relações Institucionais Mônica Messenberg Guimarães Diretora Diretoria de Serviços Corporativos Fernando Augusto Trivellato Diretor Diretoria Jurídica Hélio José Ferreira Rocha Diretor

3 APRESENTAÇÃO Os financiamentos na exportação têm por objetivo oferecer ao exportador apoio financeiro para atender às várias fases de produção e comercialização externa de bens e serviços. Existem linhas de crédito para exportação que envolvem a rede bancária pública e privada. Esta cartilha faz parte de uma série para desmitificar o acesso ao crédito, trazendo informações básicas e linguagem simplificada para as empresas. Esta edição explicará o financiamento BNDES EXIM, nas linhas Pré-Embarque e Pós-Embarque destinadas à exportação, por meio dos bancos credenciados no BNDES. As próximas cartilhas abordarão outras linhas de financiamento à exportação.

4 2014. CNI Confederação Nacional da Indústria. Qualquer parte desta obra poderá ser reproduzida, desde que citada a fonte. CNI Unidade de Política Industrial GEPI C748c FICHA CATALOGRÁFICA Confederação Nacional da Indústria. Como financiar as exportações pelo BNDES EXIM : como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. Brasília: CNI, p. ISBN: XXXXXXXXXXXXXXX 1. Exportação. 2. Empresas. 3. Benefícios. I. Título. CDU: CNI Serviço de Atendimento ao Cliente SAC Confederação Nacional da Indústria Tels.: (61) / Setor Bancário Norte Quadra 1 Bloco C Edifício Roberto Simonsen Brasília DF Tel.: (61) Fax: (61)

5 SUMÁRIO O que é o BNDES EXIM? Quem pode ter acesso ao BNDES EXIM? Quais são as modalidades de linhas de financiamento BNDES EXIM? Quais são as condições do BNDES PSI Exportação Pré-Embarque? Quais são as formas de operar o BNDES EXIM? O que pode ser financiado pelo BNDES EXIM Pré-Embarque? Quais são os custos do BNDES EXIM Pré-Embarque? Quais documentos devo apresentar ao banco para o BNDES EXIM Pré-Embarque? Quais garantias devo apresentar no BNDES EXIM Pré-Embarque? Quais são os prazos de embarque, de amortização e de financiamento do BNDES EXIM Pré-Embarque? Como é o financiamento no BNDES EXIM Pós-Embarque Supplier s Credit e no Pós-Embarque Buyer s Credit? Quais são as condições para liberação dos recursos do financiamento BNDES EXIM Pós-Embarque, modalidade Supplier s Credit? Quais são os limites de financiamento para o BNDES EXIM Pré-Embarque? Que garantias devo apresentar para a operação BNDES EXIM Pós-Embarque, modalidade Supplier s Credit? Qual é o prazo e o limite do financiamento BNDES EXIM Pós-Embarque, modalidade Supplier s Credit? Quais são as particularidades do BNDES EXIM Pré-Embarque Empresa-Âncora? Quais são os encargos devidos na modalidade Supplier s Credit? Como é o financiamento no BNDES EXIM Pós- Embarque, modalidade Buyer s Credit? Existe algum benefício para as micro, pequenas e médias empresas? O que é o financiamento BNDES EXIM Automático?

6 1 O QUE É O BNDES EXIM? É o financiamento à produção de bens e de serviços brasileiros, destinados à exportação e à comercialização no exterior para empresas exportadoras. O BNDES EXIM atende as empresas por meio de dois produtos: BNDES EXIM Pré-Embarque e BNDES EXIM Pós-Embarque. Se o crédito for concedido na fase de produção da mercadoria, chama-se de crédito Pré-Embarque (ou financiamento à produção exportável). Quando o crédito se dá na fase de comercialização da mercadoria, fala-se em financiamento Pós-Embarque. 6

7 QUEM PODE TER ACESSO AO BNDES EXIM? 2 Podem ter acesso empresas exportadoras de bens e/ou serviços, de qualquer porte, constituídas sob as leis brasileiras e que tenham sede e administração no país, incluindo trading company, empresa comercial exportadora e cooperativa. 7

8 QUAIS SÃO AS MODALIDADES DE LINHAS DE FINANCIAMENTO BNDES EXIM? 3O BNDES EXIM possui as seguintes modalidades: Na fase de embarque: BNDES EXIM Pré-Embarque: financia a produção nacional de bens a serem exportados; BNDES EXIM Pré-Embarque Empresa-Âncora: financiamento à produção nacional de bens fabricados por micro, pequenas e médias empresas a serem exportados por meio de empresa exportadora (Empresa-Âncora); O Programa PSI Exportação Pré-Embarque financia, na fase de Pré-Embarque, a produção de bens de capital destinados à exportação e tem condições mais favoráveis. Este programa tem vigência até 31/12/2014. Veja na página 10 as condições. 8

9 Na fase de Desembarque: BNDES EXIM Pós-Embarque: apoio à comercialização de bens e serviços nacionais no exterior, por meio da modalidade Supplier s Credit ou da modalidade Buyer s Credit: -- Supplier s Credit: é o refinanciamento ao exportador, que ocorre por meio do desconto de títulos do financiamento concedido pelo exportador ao importador; -- Buyer s Credit: operações efetuadas diretamente entre o BNDES e a empresa importadora, com interveniência do exportador. As operações são analisadas caso a caso. Possuem custo mais elevado e prazo mais longo de análise. BNDES EXIM Automático: apoio à comercialização de bens brasileiros no exterior, por meio de abertura de linha de crédito a instituições financeiras no exterior. 9

10 QUAIS SÃO AS CONDIÇÕES DO BNDES PSI EXPORTAÇÃO PRÉ-EMBARQUE? 4As condições do financiamento são mais favoráveis do que na linha de crédito BNDES EXIM Pré-Embarque. Veja na tabela a seguir. TAXA LIMITE PRAZO GARANTIA 8% a.a. Para micro, pequenas e médias empresas: até 100% do valor da exportação. Para média-grande e grandes empresas: até 80% do valor da exportação. O total de operações do BNDES PSI Exportação Pré-Embarque, contratadas a partir de 01/01/2014, está limitado a R$ 100 milhões por cliente ou grupo econômico ao qual pertença o cliente. Até 3 anos, com prazo de carência definido pelo BNDES. O prazo de embarque terá início a partir do dia 1º subsequente ao início do prazo de financiamento, tendo fim no último dia do último mês do financiamento, sendo equivalente, em número de meses, ao prazo de financiamento. As amortizações serão em parcela única ou em até 30 mensais. Negociadas entre o banco e o cliente. Para utilização do BNDES FGI, consulte suas condições específicas. Itens financiáveis: bens de capital indicados no Grupo I, exceto os códigos e , da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), constantes da relação de produtos financiáveis, devidamente credenciados no BNDES, se aplicável, ou enquadrados no Processo Produtivo Básico PPB. Consulte a lista no link: 10

11 QUAIS SÃO AS FORMAS DE OPERAR O BNDES EXIM? 5 São duas as formas de operar o BNDES EXIM: Operação direta, ou seja, diretamente no BNDES; e Operação indireta, por meio dos bancos credenciados. Para operar o BNDES EXIM é necessária a Consulta Prévia nas operações direta e indireta não automática. A Consulta Prévia é o documento utilizado para solicitação de financiamento ao BNDES. Deve conter as características da empresa e as especificações necessárias à análise do enquadramento da operação. O modelo de consulta prévia está disponível no Anexo 2, na página do BNDES: Saiba quais são os bancos que operam o BNDES EXIM no endereço: 11

12 O QUE PODE SER FINANCIADO PELO BNDES EXIM PRÉ-EMBARQUE? 6Os bens financiáveis constam da relação dos produtos financiáveis disponível no site do BNDES, e que obedeçam as seguintes condições: Bens do grupo I devem ser credenciados pelo BNDES, caso aplicável, ou apresentar índice de nacionalização que atenda os critérios definidos pelo BNDES, ou estar enquadrados no Processo Produtivo Básico PPB; Bens do Grupo II, III e serviços devem possuir índice de nacionalização em valor calculado de acordo com os critérios definidos pelo BNDES. Grupo I bens de capital (máquinas, motores, equipamentos pesados, embarcações, veículos terrestres etc.). Grupo II bens de consumo (alimentos e bebidas, produtos de origem animal, vegetal e mineral, químicos, fármacos, têxtil, vestuário, calçados, móveis etc.). Grupo III bens específicos (veículos, motocicletas, materiais inflamáveis etc.). 12 O Processo Produtivo Básico PPB é o conjunto mínimo de operações no estabelecimento fabril, que caracteriza a efetiva industrialização de determinado produto, incidindo nas operações de industrialização, transformação, beneficiamento, montagem e recondicionamento. As empresas que se enquadram no PPB dominam todas as etapas básicas do processo com tecnologia nacional. Consulte a relação de produtos financiáveis no link:

13 QUAIS SÃO OS CUSTOS DO BNDES EXIM PRÉ-EMBARQUE? 7 A taxa de juros é composta pelo custo financeiro + remuneração básica do BNDES + taxa de intermediação financeira + remuneração do banco credenciado. CUSTO FINANCEIRO REMUNERAÇÃO BÁSICA DO BNDES TAXA DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA REMUNERAÇÃO DO BANCO 40% TJLP + 60% TJFPE, para bens do Subgrupo Máquinas do Grupo I ou 30% TJLP + 70% TJFPE, para demais bens do Grupo I e automóveis de passeio* ou 100% da TJFPE, para demais bens 1,5 % ao ano (a.a.), para os bens do Subgrupo Máquinas do Grupo I ou 2,0% a.a., para os demais bens 0,1 % ao ano (a.a.) para micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) ou 0,5% a.a. para demais empresas Negociada com cliente * Condição válida para automóveis de passeio, desde que associados a financiamentos do BNDES a projetos de investimentos. O único item negociável é a remuneração do banco, que pode ser negociado entre o exportador e o banco. Conheça a classificação do porte da empresa adotado pelo BNDES na página

14 QUAIS DOCUMENTOS DEVO APRESENTAR AO BANCO PARA O BNDES EXIM PRÉ-EMBARQUE? 8Os documentos exigidos para análise de crédito variam de banco para banco, da área de atuação da empresa e da linha de financiamento solicitada. Pergunte ao gerente quais os documentos necessários para a análise pelo banco credenciado. Para facilitar, disponibilizamos, ao final da cartilha, um check list de alguns documentos que podem ser exigidos. Tenha em mãos essa lista quando entrar em contato com o gerente. 14

15 QUAIS GARANTIAS DEVO APRESENTAR NO BNDES EXIM PRÉ-EMBARQUE? 9 As garantias exigidas ao financiamento dependem dos bens financiados, do valor disponibilizado, da avaliação da empresa e do próprio banco. Solicite ao seu banco mais informações sobre as garantias exigidas. A empresa poderá complementar a garantia com a utilização do FGI, mas para isso o banco deve estar habilitado. Para mais informações, consulte a cartilha sobre FGO e FGI Fundos Garantidores de Risco de Crédito, disponível no link: 15

16 0QUAIS SÃO OS PRAZOS DE EMBARQUE, DE AMORTIZAÇÃO E DE FINANCIAMENTO DO BNDES EXIM PRÉ-EMBARQUE? Os prazos de embarque, de amortização e de financiamento variam de acordo com os bens e serviços a serem exportados. Veja na tabela abaixo. TIPOS DE PRAZO Prazo do financiamento PARA BENS DO GRUPO I, SUBGRUPO MÁQUINAS Até 3 anos PARA OS DEMAIS BENS E SERVIÇOS (EXCETO AUTOMÓVEIS DE PASSEIO NCM 8703) Até 2 anos Prazo de embarque Igual ao prazo de financiamento Prazo de amortização Até 2 anos Até 1 anos A amortização será paga em parcela única ou dividida em parcelas mensais. No financiamento à exportação de automóveis de passeio, o prazo será de 3 anos e a amortização será em parcela única. A exportação de automóveis de passeio é associada a financiamentos do BNDES a projetos de investimentos em novas plantas automotivas tecnologicamente atualizadas ou na fabricação de novos modelos de veículos. 16

17 QUAIS SÃO OS LIMITES DE FINANCIAMENTO PARA O BNDES EXIM PRÉ-EMBARQUE? 11 O limite para micro, pequena e média empresa (MPME) será de até 90% do valor da exportação. Para as demais empresas, o limite de financiamento varia de acordo com o bem ou serviço a ser exportado*: Bens do Grupo I, subgrupo Máquinas : até 70% do valor de exportação; Bens do Grupo I, exceto subgrupo Máquinas : até 50% do valor de exportação; Bens do Grupo II e III, exceto automóveis de passeio (NCM 8703): até 90% do valor de exportação; Para serviços: até 90% do valor de exportação. * O limite máximo será de 30% do valor de exportação quando o bem for automóvel de passeio associado a financiamentos do Banco e a projetos de investimentos em novas plantas automotivas tecnologicamente atualizadas ou na fabricação de novos modelos de veículos, inclusive reestilizações. Para fins de cálculo do limite a ser financiado, o valor da exportação equivale ao valor do compromisso de exportação no Incoterm FOB (sem frete e seguro internacionais), expresso em dólares dos EUA ou em euros, excluídos a comissão do agente comercial e eventuais adiantamentos de recursos financeiros, ocorridos antes da data do contrato de financiamento. Incoterm ou International Commercial Terms são termos de vendas internacionais utilizados para dividir os custos e a responsabilidade no transporte entre o comprador e o vendedor. FOB ( Free On Board ) quer dizer que a responsabilidade do exportador vai até a mercadoria completa estar embarcada no navio que fará o transporte. 17

18 QUAIS SÃO AS PARTICULARIDADES DO BNDES EXIM PRÉ-EMBARQUE, EMPRESA-ÂNCORA? 2Esta modalidade aplica-se ao financiamento de empresas enquadradas como empresas-âncoras, a critério do BNDES, trading companies, comerciais exportadoras ou demais empresas exportadoras que participem da cadeia produtiva e que adquiram a produção de outras empresas visando a sua exportação. Veja abaixo as condições de apoio: O prazo de financiamento é de até 2 anos, para os bens do Grupo I, Subgrupo Máquinas e de 1 ano e 6 meses para os demais bens, sendo que o prazo de embarque é igual ao prazo de financiamento; O limite de financiamento é de até 90% do valor da exportação para MPMEs; Para exportação dos bens do Grupo I e clientes que não sejam MPMEs, o limite de financiamento é de até 50% do valor da exportação. 18

19 A taxa de juros é composta pelo Custo Financeiro + Remuneração do BNDES + Taxa de Intermediação Financeira + Remuneração do Banco. 40% TJLP + 60% TJFPE, para bens do Subgrupo Máquinas do Grupo I ou CUSTO FINANCEIRO REMUNERAÇÃO BÁSICA DO BNDES TAXA DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA REMUNERAÇÃO DO BANCO 30% TJLP + 70% TJFPE, para demais bens do Grupo I e automóveis de passeio* ou 100% da TJFPE, para demais bens 1,5% ao ano (a.a.), para os bens do Subgrupo Máquinas do Grupo I ou 2,0% a.a., para os demais bens 0,1% ao ano (a.a.) para micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) ou 0,5% a.a. para demais empresas Negociada com cliente * Condição válida para automóveis de passeio, desde que associados a financiamentos do BNDES a projetos de investimentos. 19

20 COMO É O FINANCIAMENTO NO BNDES EXIM PÓS-EMBARQUE SUPPLIER S CREDIT E NO PÓS- EMBARQUE BUYER S CREDIT? 3A operação na modalidade Pós-Embarque Supplier s Credit ocorre por meio do desconto de títulos de crédito (notas promissórias ou letras de câmbio) de juros e principal (separadamente). O resultado do desconto é liberado em última instância à empresa exportadora, enquanto o importador se beneficia do prazo estabelecido no financiamento para realizar os pagamentos devidos. Nas operações de Pós-Embarque Buyer s Credit, o financiamento é analisado caso a caso e se dá de forma direta, por meio de apresentação de consulta prévia ao BNDES. 20

21 QUE GARANTIAS DEVO APRESENTAR PARA A OPERAÇÃO BNDES EXIM PÓS-EMBARQUE, MODALIDADE SUPPLIER S CREDIT?14 1) Os títulos de crédito deverão ser garantidos por: Aval ou finança bancária de: Estabelecimentos de crédito ou financeiros sediados no exterior com limite de crédito aprovado pelo BNDES ou instituições sediadas no exterior autorizadas a operar no âmbito do Convênio de Pagamentos e Créditos Recíprocos CCR, da Associação Latino-Americana de Integração Aladi; Bancos que disponham de limite para operar com o BNDES; Seguro de crédito à exportação, emitido pela Seguradora Brasileira de Crédito à Exportação S/A SBCE, ou por outras seguradoras com limite de crédito aprovado pelo BNDES. 21

22 2) Cartas de crédito, emitidas por: Instituições financeiras no exterior com limite de crédito aprovado pelo BNDES; Instituições sediadas no exterior autorizadas a operar no âmbito do Convênio de Pagamentos e Créditos Recíprocos CCR, da Associação Latino-Americana de Integração Aladi; Serão admitidas outras garantias ou garantidores, a critério do BNDES. Poderá ser aceita carta de crédito aberta por instituição financeira sediada no exterior que não apresente limite de crédito junto ao BNDES, desde que confirmada por instituição financeira credenciada pelo BNDES no Brasil. 22

23 QUAIS SÃO OS ENCARGOS DEVIDOS NA MODALIDADE SUPPLIER S CREDIT? 15 Taxas de desconto composta por custo financeiro (LIBOR + variação cambial) + remuneração básica do BNDES (mínimo de 1% a.a.) + taxa de risco de crédito (definida na estrutura da operação); Comissão de administração até 1% flat sobre o valor liberado; Encargo por compromisso comissão de 0,5% a.a. sobre o total do crédito aprovado, ou saldo não utilizado do total do crédito contratado; Outros encargos encargos específicos, de acordo com as características das operações, como comissões de estudos e de estruturação. 23

24 6QUAIS SÃO AS CONDIÇÕES PARA LIBERAÇÃO DOS RECURSOS DO FINANCIAMENTO BNDES EXIM PÓS-EMBARQUE, MODALIDADE SUPPLIER S CREDIT? Para a liberação dos recursos, as instituições garantidoras, o exportador e o importador deverão estar adimplentes com o BNDES e a instituição financeira deverá enviar os seguintes documentos ao BNDES: Uma via do Pedido de Liberação (PL); e Títulos de crédito referentes à exportação ou carta de crédito: Os títulos de crédito deverão ser aceitos ou emitidos pelo importador, devidamente avalizados, e estar endossados pela beneficiária em favor do BNDES. No caso de operação garantida por agente financeiro, os títulos de crédito deverão estar endossados em favor do agente, o qual deverá endossá-los ao BNDES. Cópia da fatura comercial; Cópias do conhecimento de transporte internacional; Cópia do Registro de Exportação (RE) apresentando a expressão averbado; Cópia do contrato de câmbio referente ao pagamento do sinal e/ou pagamento antecipado da exportação refinanciada; Certidões; 24 Outros documentos julgados necessários.

25 QUAL É O PRAZO E O LIMITE DO FINANCIAMENTO BNDES EXIM PÓS-EMBARQUE, MODALIDADE SUPPLIER S CREDIT?17 O prazo do financiamento dependerá da classificação do bem exportado e do valor da operação, e não poderá ultrapassar 12 (doze) anos. O limite de financiamento no BNDES EXIM Pós-Embarque é de até 100% do valor da exportação, no Incoterm constante do Registro de Operações de Crédito (RC). 25

26 COMO É O FINANCIAMENTO NO BNDES EXIM PÓS- EMBARQUE, MODALIDADE BUYER S CREDIT? 18No Financiamento BNDES EXIM Pós-Embarque Buyer Credit, os contratos de financiamento são estabelecidos diretamente entre o BNDES e a empresa importadora. As operações são analisadas caso a caso, podendo atender estruturas específicas de garantia, desembolso e liberação. A modalidade Buyer Credit possui custo mais elevado que a modalidade Supplier Credit e possui prazo superior de análise, por ter condição diferenciada e envolver diretamente o importador. 26

27 EXISTE ALGUM BENEFÍCIO PARA AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS?19 No programa BNDES PSI há o apoio de até 100% do valor do financiamento e condições financeiras mais favoráveis. No BNDES Pré-Embarque o limite de financiamento é maior. Porte de empresa adotado pelo BNDES CLASSIFICAÇÃO Microempresa Pequena empresa Média empresa Média-grande empresa Grande empresa RECEITA OPERACIONAL BRUTA ANUAL Menor, ou igual, a R$ 2,4 milhões. Maior que R$ 2,4 milhões e menor, ou igual, a R$ 16 milhões. Maior que R$ 16 milhões e menor, ou igual, a R$ 90 milhões. Maior que R$ 90 milhões e menor, ou igual, a R$ 300 milhões. Maior que R$ 300 milhões. 27

28 0O QUE É O FINANCIAMENTO BNDES EXIM AUTOMÁTICO? É uma linha de financiamento que apoia a comercialização no exterior de bens brasileiros, mediante a abertura de linha de crédito nas instituições financeiras no exterior, formalizada por meio de duas estruturas operacionais: Desconto de cartas de crédito financiamento por meio do desconto de carta de crédito, emitida ou confirmada pelo banco no exterior, em favor do exportador; Formalização contratual financiamento por meio de instrumento contratual específico com o BNDES e emissão de autorizações de desembolso de recursos diretamente para o exportador. Nas duas operações não há direto de regresso ao exportador. Itens financiáveis: bens de capital e de consumo brasileiros. Não se financiam commodities básicas. Saiba mais no link: 28

29 CHECK LIST DE DOCUMENTOS Documentos básicos: Comprovante de inscrição do CNPJ; Estatuto social, acompanhado da última alteração; Atas de eleição da diretoria em exercício ou conselho de administração; Declaração simplificada para empresas optantes do Simples ou DIPJ; Balanço patrimonial dos dois últimos exercícios; Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF) ou declaração dos sócios; Documento de identidade e CPF dos sócios; Certidão conjunta de débitos relativos aos tributos federais e à dívida ativa da União (www.receita. fazenda.gov.br); Certidão de regularidade do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FGTS (www.caixa.gov.br); Certidão relativa a contribuições previdenciárias (www.receita.fazenda.gov.br); Comprovante de regularidade da Relação Anual de Informações Sociais (Rais); Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf) relativo ao parcelamento Paes; Licença prévia dos órgãos do meio ambiente; Certidões negativas do estado e do município onde está localizada a empresa/projeto; Projeto e/ou carta-consulta do investimento pleiteado.

30 SUA OPINIÃO É IMPORTANTE! Envie sugestões para o aperfeiçoamento da Cartilha de Exportação BNDES EXIM ao Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa COMPEM

31

32 Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa COMPEM Amaro Sales de Araujo Presidente CNI Diretoria de Desenvolvimento Industrial Carlos Eduardo Abijaodi Diretor Unidade de Política Industrial GEPI João Emilio Padovani Gonçalves Gerente Executivo Caroline Letícia Lompa Suzana Squeff Peixoto Silveira Equipe Técnica DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO DIRCOM Carlos Alberto Barreiros Diretor de Comunicação Gerência Executiva de Publicidade e Propaganda GEXPP Carla Gonçalves Gerente Executiva Armando Uema Produção Editorial DIRETORIA DE SERVIÇOS CORPORATIVOS DSC Fernando Augusto Trivellato Diretor de Serviços Corporativos Área de Administração, Documentação e Informação ADINF Maurício Vasconcelos de Carvalho Gerente-Executivo de Administração, Documentação e Informação Gerência de Documentação e Informação GEDIN Mara Lucia Gomes Gerente de Documentação e Informação Maria Aparecida Rosa Vital Brasil Bogado Consultora Editorar Multimídia Revisão Gramatical Editorar Multimídia Projeto Gráfico e Diagramação

FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento

FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar Brasília 2011 2011. CNI Confederação Nacional da Indústria. Qualquer parte desta obra

Leia mais

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Comunicação Carlos Alberto

Leia mais

COMPRAS GOVERNAMENTAIS COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

COMPRAS GOVERNAMENTAIS COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR COMPRAS GOVERNAMENTAIS COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR Brasília, 2013 BRASÍLIA, 2013 COMPRAS GOVERNAMENTAIS COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR CONFEDERAÇÃO

Leia mais

FGO E FGI. Fundos Garantidores de Risco de Crédito COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

FGO E FGI. Fundos Garantidores de Risco de Crédito COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR FGO E FGI Fundos Garantidores de Risco de Crédito COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR Brasília, 2013 BRASÍLIA, 2013 FGO E FGI Fundos Garantidores de Risco de Crédito COMO AS MICRO,

Leia mais

CARTÃO BNDES COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

CARTÃO BNDES COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR CARTÃO BNDES COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR Brasília, 2013 BRASÍLIA, 2013 CARTÃO BNDES COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR CONFEDERAÇÃO NACIONAL

Leia mais

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros 2015 Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros Sumário Introdução... 2 O Programa PROEX... 2 PROEX Financiamento... 3 Mais Alimentos Internacional... 4 PROEX Equalização...

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 002/2015, de 30 de janeiro de 2015.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 002/2015, de 30 de janeiro de 2015. BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AEX Nº 002/2015, de 30 de janeiro de 2015. Altera e consolida as Normas Operacionais da Linha de Financiamento BNDES Exim Pré-embarque

Leia mais

Apoio do BNDES às Exportações ABIMAQ

Apoio do BNDES às Exportações ABIMAQ Apoio do BNDES às Exportações ABIMAQ São Paulo, 17.03.2015 Política de Privacidade: Documento Reservado Empresas do Sistema BNDES - Unidade Gestora AEX/DECEX3 Agenda 1. BNDES Exim 2. Linhas e Programas

Leia mais

Apoio ao Exportador: mecanismos de financiamento

Apoio ao Exportador: mecanismos de financiamento Apoio ao Exportador: mecanismos de financiamento Apresentação do BNDES no ENCOMEX Empresarial Vitória Vitória, 09.08.2012 Política de Privacidade: Documento Reservado Empresas do Sistema BNDES - Unidade

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você

O BNDES Mais Perto de Você O BNDES Mais Perto de Você Rio de Janeiro - RJ 11 de março de 2010 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Federal Principal fonte de crédito de longo

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009 O BNDES Mais Perto de Você julho de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Subsidiárias BNDESPar

Leia mais

Feira Internacional da Amazônia Manaus - AM

Feira Internacional da Amazônia Manaus - AM O BNDES Mais Perto de Você Feira Internacional da Amazônia Manaus - AM 25 de novembro de 2009 Como apoiamos Operações Diretas Contratadas t diretamente t com o BNDES Operações Indiretas Instituições i

Leia mais

Apoio do BNDES às Exportações Fórum A Industria de Defesa no Estado do Paraná Curitiba, 21.07.2014

Apoio do BNDES às Exportações Fórum A Industria de Defesa no Estado do Paraná Curitiba, 21.07.2014 Apoio do BNDES às Exportações Fórum A Industria de Defesa no Estado do Paraná Curitiba, 21.07.2014 Política de Privacidade: Documento Reservado Empresas do Sistema BNDES - Unidade Gestora AEX/DESAL/GERI1

Leia mais

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 PER DA IND PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

Linhas de Financiamento para a Construção Civil

Linhas de Financiamento para a Construção Civil Linhas de Financiamento para a Construção Civil Câmara Brasileira da Indústria de Construção 16 de dezembro de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da

Leia mais

FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES LINHAS DE FINANCIAMENTO BNDES

FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES LINHAS DE FINANCIAMENTO BNDES FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES LINHAS DE FINANCIAMENTO BNDES Desde 2000, a ABINEE firmou convênio com o BNDES, para a instalação de um Posto de Informações, na sede da entidade, com o objetivo de facilitar

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 008/2016, de 10 de maio de 2016.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 008/2016, de 10 de maio de 2016. BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AEX Nº 008/2016, de 10 de maio de 2016. Ref.: Circular AEX nº 002/2016, de 29 de janeiro de 2016. Ass.: Alteração das Normas Operacionais

Leia mais

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 1 Março de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Março / 2015

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 1 Março de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Março / 2015 Indicadores CNI ISSN 217-7012 Ano 5 Número 1 Março de 2015 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Março / 2015 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE

Leia mais

PROGRAMA BNDES-exim PÓS-EMBARQUE SUPPLIER CREDIT REGULAMENTO

PROGRAMA BNDES-exim PÓS-EMBARQUE SUPPLIER CREDIT REGULAMENTO PROGRAMA BNDES-exim PÓS-EMBARQUE Julho/2002 SUPPLIER CREDIT REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar a comercialização, no exterior, dos bens indicados na Relação de Produtos Financiáveis aprovada pelo BNDES e/ou

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 001/2015, de 30 de janeiro de 2015.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 001/2015, de 30 de janeiro de 2015. BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AEX Nº 001/2015, de 30 de janeiro de 2015. Altera e consolida as Normas Operacionais da Linha de Financiamento BNDES Exim Pré-embarque.

Leia mais

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição FGO e FGI Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar 2ª Edição Brasília 2010 Sumário Apresentação 5 5 1 O que é o fundo garantidor de risco de

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens

Leia mais

Formas de apoio do BNDES

Formas de apoio do BNDES Formas de apoio do BNDES ABIMAQ São Paulo/SP 16 de junho de 2011 BNDES FGI Fundo Garantidor para Investimentos Contexto BNDES FGI - Fundo Garantidor para Investimentos Micro, Pequena e Média Empresa Solicitação

Leia mais

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à:

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à: Capítulo II CONDIÇÕES GERAIS 1. SISTEMÁTICA DE CÁLCULO DOS JUROS. Os juros, aí considerados o Custo Financeiro, a Remuneração do BNDES e a Remuneração do Agente Financeiro, serão calculados sobre o saldo

Leia mais

Solicitando o Cartão BNDES no Portal de Operações do BNDES

Solicitando o Cartão BNDES no Portal de Operações do BNDES SOLICITANDO O CARTO BNDES NO PORTAL DE OPERAÇÕES DO BNDES CARTO Solicitando o Cartão BNDES no Portal de Operações do BNDES - Cartão BNDES Formatados: Marcadores e numeração C:\BNDES - SOLICITACAO DE CARTAO.doc

Leia mais

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009 CAFÉ COM CRÉDITO Santo André - SP 06 de outubro de 2009 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Bens de

Leia mais

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 2 Junho de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Junho / 2015

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 2 Junho de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Junho / 2015 Indicadores CNI ISSN 217-7012 Ano 5 Número 2 Junho de 2015 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Junho / 2015 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE

Leia mais

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011 Apoio às MPMEs Sorocaba/SP 30 de novembro de 2011 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Infra-estrutura

Leia mais

Linha BNDES Exim Automático

Linha BNDES Exim Automático Linha BNDES Exim Automático Ajudando sua empresa a exportar mais através da rede de bancos credenciados do BNDES no exterior Como incrementar as exportações da minha empresa oferecendo mais prazo de pagamento

Leia mais

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 4 Dezembro de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Dezembro / 2015

Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 5 Número 4 Dezembro de 2015. Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Dezembro / 2015 Indicadores CNI ISSN 237-702 Ano 5 Número 4 Dezembro de 205 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Dezembro / 205 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você. Santos - SP 22 de maio de 2014

O BNDES Mais Perto de Você. Santos - SP 22 de maio de 2014 O BNDES Mais Perto de Você Santos - SP 22 de maio de 2014 Agenda Informações Institucionais Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas Projetos de Investimento Aquisição de Máquinas e Equipamentos Capital

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet. Curitiba / PR 17 de março de 2014

Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet. Curitiba / PR 17 de março de 2014 Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet Curitiba / PR 17 de março de 2014 Agenda Informações Institucionais Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas Projetos de Investimento Aquisição de Máquinas

Leia mais

Apoio do BNDES às Empresas de Comércio e Serviços. São Paulo - SP 24.jun.2015

Apoio do BNDES às Empresas de Comércio e Serviços. São Paulo - SP 24.jun.2015 Apoio do BNDES às Empresas de Comércio e Serviços São Paulo - SP 24.jun.2015 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte de crédito de longo

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga. São Paulo - SP 16.abr.2015

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga. São Paulo - SP 16.abr.2015 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga São Paulo - SP 16.abr.2015 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Campinas - SP 17.mar.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações 2014*

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GOVERNO MARÇO/2014

AVALIAÇÃO DO GOVERNO MARÇO/2014 AVALIAÇÃO DO GOVERNO MARÇO/14 PESQUISA CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE SERVIÇOS CORPORATIVOS Fernando Augusto Trivellato Diretor DIRETORIA

Leia mais

PROGRAMA BNDES-EXIM PÓS-EMBARQUE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

PROGRAMA BNDES-EXIM PÓS-EMBARQUE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PROGRAMA BNDES-EXIM PÓS-EMBARQUE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 1. PEDIDO DE REFINANCIAMENTO O pedido de refinanciamento deverá ser formalizado mediante Consulta Prévia (Anexo 2), que poderá ser apresentada

Leia mais

Palestra MPME. 30 de junho de 2011

Palestra MPME. 30 de junho de 2011 Palestra MPME 30 de junho de 2011 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES Empresário Informação e Relacionamento

Leia mais

Reunião de Trabalho da cadeia produtiva de Defesa e Segurança do Grande ABC. São Bernardo do Campo - SP 18 de abril de 2013

Reunião de Trabalho da cadeia produtiva de Defesa e Segurança do Grande ABC. São Bernardo do Campo - SP 18 de abril de 2013 Reunião de Trabalho da cadeia produtiva de Defesa e Segurança do Grande ABC São Bernardo do Campo - SP 18 de abril de 2013 Agenda 1. Informações Institucionais 2. Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX PROEX FINANCIAMENTO FINALIDADE: Proporcionar e apoiar o exportador brasileiro na comercialização com o exterior de bens e serviços em condições de financiamento

Leia mais

APOIO ÀS MPME s. CIESP Campinas SP 28/05/2013

APOIO ÀS MPME s. CIESP Campinas SP 28/05/2013 APOIO ÀS MPME s CIESP Campinas SP 28/05/2013 Agenda 1. Informações Institucionais 2. Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas Projetos de Investimento Aquisição de Máquinas e Equipamentos Capital de

Leia mais

Propostas do BNDES para o Desenvolvimento da Aquicultura Brasileira

Propostas do BNDES para o Desenvolvimento da Aquicultura Brasileira Propostas do BNDES para o Desenvolvimento da Aquicultura Brasileira Jaldir Freire Lima Maio/2014 Diagnóstico Linhas de crédito convencionais são pouco adequadas à realidade do setor Principais dificuldades:

Leia mais

A seguir são definidos os critérios, condições e procedimentos operacionais a serem observados no Programa.

A seguir são definidos os critérios, condições e procedimentos operacionais a serem observados no Programa. Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI N 39/2014-BNDES Rio de Janeiro, 12 de setembro de 2014 Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES para Composição de Dívidas

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ EXPORTAR

TUDO PARA VOCÊ EXPORTAR ============================================================ TUDO PARA VOCÊ EXPORTAR ============================================================ APEX, Correios, Banco do Brasil e BNDES (Utilidade Pública

Leia mais

EQ PS -Fortaleza. Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

EQ PS -Fortaleza. Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social EQ PS -Fortaleza Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software Marcio Wegmann masil@bndes.gov.br Depto. Indústria Eletrônica Área Industrial Princípios Norteadores da Atuação do BNDES

Leia mais

Retratos da Sociedade Brasileira: Educação a Distância

Retratos da Sociedade Brasileira: Educação a Distância 15 Retratos da Sociedade Brasileira: Educação a Distância CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE POLÍTICAS E ESTRATÉGIA José Augusto Coelho Fernandes Diretor

Leia mais

BNDES-exim Linhas de Financiamento à Exportação

BNDES-exim Linhas de Financiamento à Exportação Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES-exim Linhas de Financiamento à Exportação Centro das Indústrias do Estado de São Paulo São Paulo, 20 de junho de 2007 BNDES-exim: Objetivos Oferecer

Leia mais

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG www.bndes.gov.br LINHAS DE CRÉDITO BNDES Automático

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 007/2015, de 22 de junho de 2015.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 007/2015, de 22 de junho de 2015. BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AEX Nº 007/2015, de 22 de junho de 2015. Ref.: Circular AEX nº 001/2015, de 30 de janeiro de 2015. Ass.: Alteração das Normas Operacionais

Leia mais

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens de fabricação nacional, observadas

Leia mais

O que pode ser financiado?

O que pode ser financiado? BNDES Automático Projetos de Investimento BNDES Automático Obras civis, montagem e instalações Móveis e Utensílios Estudos e projetos de engenharia associados ao investimento Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

Ref.: FINAME, FINAME LEASING, FINAME AGRÍCOLA e BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa BNDES de Sustentação do Investimento BNDES PSI

Ref.: FINAME, FINAME LEASING, FINAME AGRÍCOLA e BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa BNDES de Sustentação do Investimento BNDES PSI CIRCULAR Nº 79/2009 Rio de Janeiro, 24 de julho de 2009. Ref.: FINAME, FINAME LEASING, FINAME AGRÍCOLA e BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa BNDES de Sustentação do Investimento BNDES PSI O Superintendente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GOVERNO DEZEMBRO/2011

AVALIAÇÃO DO GOVERNO DEZEMBRO/2011 AVALIAÇÃO DO GOVERNO DEZEMBRO/11 PESQUISA CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA EXECUTIVA - DIREX Diretor: José Augusto Coelho Fernandes Diretor

Leia mais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo dispõe sobre as operações no mercado de câmbio relativas às exportações brasileiras de mercadorias e de serviços. 2. O exportador de mercadorias ou de serviços

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR Nº 39/2012-BNDES Rio de Janeiro, 05 de junho de 2012. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da

Leia mais

1 BNDES. 1. ENCAMINHAMENTO DA OPERAÇÃO AO BNDES. A operação poderá ser encaminhada ao BNDES por meio de FRO Consulta ou Consulta Prévia.

1 BNDES. 1. ENCAMINHAMENTO DA OPERAÇÃO AO BNDES. A operação poderá ser encaminhada ao BNDES por meio de FRO Consulta ou Consulta Prévia. Capítulo III PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS Os Procedimentos Operacionais contemplam as etapas de Encaminhamento da Operação (Item 1), Aprovação (Item 2), Contratação (Item 3), Liberação (Item 4), Prestação

Leia mais

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009.

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Presidência 1 Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Instrumento institucional de apoio à execução de políticas de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GOVERNO JUNHO/2013

AVALIAÇÃO DO GOVERNO JUNHO/2013 AVALIAÇÃO DO GOVERNO JUNHO/13 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade Diretoria de Serviços Corporativos Fernando Augusto Trivellato Diretor Diretoria

Leia mais

11º Encontro Técnico de Alto Nível: Compostagem

11º Encontro Técnico de Alto Nível: Compostagem 11º Encontro Técnico de Alto Nível: Compostagem São Paulo / SP 02 de outubro de 2015 Mercado Brasileiro de Fertilizantes Situação atual do mercado nacional de fertilizantes minerais: altamente dependente

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 BH COPA 2014 Agenda Resumo Institucional Os Projetos que Apoiamos Formas de Atuação Condições de Financiamento Fechamento Agenda Resumo

Leia mais

Linhas de Financiamento e Programas Complementares. Montes Claros, 15 de abril de 2010

Linhas de Financiamento e Programas Complementares. Montes Claros, 15 de abril de 2010 BNDES - Linhas de Financiamento e Programas Complementares Montes Claros, 15 de abril de 2010 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal

Leia mais

Ref.: FINAME, FINAME LEASING, FINAME AGRÍCOLA e BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa BNDES de Sustentação do Investimento BNDES PSI

Ref.: FINAME, FINAME LEASING, FINAME AGRÍCOLA e BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa BNDES de Sustentação do Investimento BNDES PSI CIRCULAR Nº 71/2009 Rio de Janeiro, 10 de julho de 2009. Ref.: FINAME, FINAME LEASING, FINAME AGRÍCOLA e BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa BNDES de Sustentação do Investimento BNDES PSI O Superintendente

Leia mais

Linhas de Financiamento do BNDES voltadas à inovação São Paulo Cidade da Inovação FIESP SP 21 de outubro de 2013

Linhas de Financiamento do BNDES voltadas à inovação São Paulo Cidade da Inovação FIESP SP 21 de outubro de 2013 Linhas de Financiamento do BNDES voltadas à inovação São Paulo Cidade da Inovação FIESP SP 21 de outubro de 2013 Classificação de Porte utilizada Porte da Empresa Receita Operacional Bruta Anual M P M

Leia mais

CIRCULAR Nº 64/2009. Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009. Ref.: BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL

CIRCULAR Nº 64/2009. Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009. Ref.: BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL CIRCULAR Nº 64/2009 Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante Resolução do BNDES, COMUNICA

Leia mais

BNDES Turismo. BNDES Turismo. Foz do Iguaçu 18 de Junho 2011

BNDES Turismo. BNDES Turismo. Foz do Iguaçu 18 de Junho 2011 BNDES Turismo BNDES Turismo Foz do Iguaçu 18 de Junho 2011 Agenda Informações Institucionais Apoio ao Turismo Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas - Projetos de Investimento; - Aquisição

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Incentivo à Armazenagem para Empresas e Cooperativas Cerealistas Nacionais BNDES Cerealistas

Ass.: Programa BNDES de Incentivo à Armazenagem para Empresas e Cooperativas Cerealistas Nacionais BNDES Cerealistas Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 43/2014-BNDES Rio de Janeiro, 20 de outubro de 2014 Ref.: Produtos BNDES Automático e BNDES Finame Agrícola Ass.: Programa BNDES

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros - BNDES PROCAMINHONEIRO

Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros - BNDES PROCAMINHONEIRO CIRCULAR Nº 80/2009 Rio de Janeiro, 24 de julho de 2009 Ref.: FINAME e FINAME LEASING Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros - BNDES PROCAMINHONEIRO O Superintendente da Área de Operações

Leia mais

Ass.: Programa de Financiamento à Aquisição de Veículos de Transporte Escolar PROESCOLAR

Ass.: Programa de Financiamento à Aquisição de Veículos de Transporte Escolar PROESCOLAR CARTA-CIRCULAR Nº 36/2007 Rio de Janeiro, 20 de agosto de 2007 Ref.: FINAME Ass.: Programa de Financiamento à Aquisição de Veículos de Transporte Escolar PROESCOLAR O Superintendente da Área de Operações

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: INCLUSÃO FINANCEIRA JUNHO/2012

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: INCLUSÃO FINANCEIRA JUNHO/2012 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: INCLUSÃO FINANCEIRA JUNHO/2012 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE POLÍTICAS E ESTRATÉGIA José

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI. Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE POLÍTICAS E ESTRATÉGIA

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI. Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE POLÍTICAS E ESTRATÉGIA Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE POLÍTICAS E ESTRATÉGIA José Augusto Coelho Fernandes Diretor Pesquisa CNI-IBOPE Retratos da

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

BNDES - AUTOMÁTICO. Vitória - 22 de abril de 2010

BNDES - AUTOMÁTICO. Vitória - 22 de abril de 2010 BNDES - AUTOMÁTICO n Grupo: Aline Pereira Fracalossi Andrea Abreu Carlos Adriano Elika Capucho Janete Pontes Victor Henrique Vitória - 22 de abril de 2010 BNDES Automático n Finalidade Financiar projetos

Leia mais

Ass.: Programa de Melhoria do Ensino das Instituições de Educação Superior - Programa IES

Ass.: Programa de Melhoria do Ensino das Instituições de Educação Superior - Programa IES CIRCULAR Nº 94/2009 Rio de Janeiro, 27 de agosto de 2009 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa de Melhoria do Ensino das Instituições de Educação Superior - Programa IES O Superintendente da Área de Operações

Leia mais

9.4. Benefícios creditícios

9.4. Benefícios creditícios 9.4. Benefícios creditícios CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: FORTUNA, Eduardo. Mercado Financeiro Produtos e Serviços. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1996. VAZQUEZ, José Lopes.

Leia mais

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 11/2015-BNDES Rio de Janeiro, 16 de abril de 2015. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. CIRCULAR Nº 3.330 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão extraordinária realizada em 27 de outubro de 2006,com

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE B RASILEIRA: PADRÃO DE VIDA

RETRATOS DA SOCIEDADE B RASILEIRA: PADRÃO DE VIDA 12 RETRATOS DA SOCIEDADE B RASILEIRA: PADRÃO DE VIDA N OVEMBRO/2013 12 Retratos da Sociedade Brasileira: Padrão de Vida CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA

Leia mais

NOTA METODOLÓGICA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

NOTA METODOLÓGICA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL NOTA METODOLÓGICA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Versão 1.0 - Brasília - Novembro/2011 NOTA METODOLÓGICA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de

Leia mais

APOIO DO SISTEMA BNDES ÀS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

APOIO DO SISTEMA BNDES ÀS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS APOIO DO SISTEMA BNDES ÀS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FINAME/DEREM 12/04/2000 APOIO DO SISTEMA BNDES ÀS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Historicamente, o BNDES tem voltado sua ação para o apoio

Leia mais

Solicitando o Cartão BNDES

Solicitando o Cartão BNDES Solicitando o Cartão BNDES Atualizado em 13/09/2013 Pág.: 1/15 Introdução Este manual destina-se a orientar as micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) na solicitação do Cartão BNDES no Portal de Operações

Leia mais

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio do escritório Stuber Advogados Associados, especializado em Direito Bancário, Mercado de Capitais e Negociações

Leia mais

Solicitando o Cartão BNDES

Solicitando o Cartão BNDES Solicitando o Cartão BNDES Atualizado em 03/03/2010 Pág.: 1/18 Introdução Este manual destina-se a orientar as micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) na solicitação do Cartão BNDES no Portal de Operações

Leia mais

Comércio Exterior no Brasil

Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior Fluxograma para empresa brasileira exportar Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/235

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIO DE REGISTRO CADASTRAL 1 Preenchimento pela Prefeitura Municipal de Viana

ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIO DE REGISTRO CADASTRAL 1 Preenchimento pela Prefeitura Municipal de Viana ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIO DE REGISTRO CADASTRAL 1 Preenchimento pela Prefeitura Municipal de Viana São campos de informações, destinado exclusivamente a Prefeitura Municipal de Viana.

Leia mais

Apresentação A Investe Rio é uma instituição financeira não bancária, sociedade de economia mista com personalidade jurídica de direito privado, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia,

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS Apresentação Criada em 2002 e autorizada a funcionar pelo Banco Central em 2003, entrou em operação em 2004. É uma sociedade anônima de economia mista vinculada à. Atualmente conta com um patrimônio líquido

Leia mais

Ass.: Programa de Apoio à Aquisição de Bens de Capital Usados BK USADOS

Ass.: Programa de Apoio à Aquisição de Bens de Capital Usados BK USADOS CIRCULAR N 21/2009 Rio de Janeiro, 12 de março de 2009. Ref.: FINAME e FINAME LEASING Ass.: Programa de Apoio à Aquisição de Bens de Capital Usados BK USADOS O Superintendente da Área de Operações Indiretas,

Leia mais

Ass.: Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT Comercialização

Ass.: Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT Comercialização CARTA-CIRCULAR Nº 37/2007 Rio de Janeiro, 30 de agosto de 2007 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT

Leia mais

Cartão BNDES. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição

Cartão BNDES. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição Cartão BNDES Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar 2ª Edição Brasília 2009 2009. CNI Confederação Nacional da Indústria. Qualquer parte desta obra poderá ser reproduzida, desde

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult IMPORTANTE O programa BNDES PSI reduziu as taxas de juros no apoio a bens de capital, inovação e exportação. Verifique se o seu

Leia mais

Ass.: Programa de Apoio à Aquisição de Bens de Capital Usados BK USADOS

Ass.: Programa de Apoio à Aquisição de Bens de Capital Usados BK USADOS CIRCULAR Nº 58/2009 Rio de Janeiro, 04 de junho de 2009. Ref.: FINAME e FINAME LEASING Ass.: Programa de Apoio à Aquisição de Bens de Capital Usados BK USADOS O Superintendente da Área de Operações Indiretas,

Leia mais

Ass.: Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva Farmacêutica PROFARMA - Produção

Ass.: Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva Farmacêutica PROFARMA - Produção CARTA-CIRCULAR Nº 65/2005 Rio de Janeiro, 08 de novembro de 2005 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva Farmacêutica PROFARMA - Produção O Superintendente

Leia mais

Ministro apresenta programa Bem Mais Simples Brasil para deputados de comissão que discute novo Código Comercial

Ministro apresenta programa Bem Mais Simples Brasil para deputados de comissão que discute novo Código Comercial Ministro apresenta programa Bem Mais Simples Brasil para deputados de comissão que discute novo Código Comercial O ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa (SMPE), Guilherme Afif Domingos, apresentou

Leia mais

PROSOFT. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES

PROSOFT. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT Agosto / 2008 1 Definições:

Leia mais

APRESENTAÇÃO BDMG. I Encontro COMTUR. Sete Lagoas - 25/02/2010

APRESENTAÇÃO BDMG. I Encontro COMTUR. Sete Lagoas - 25/02/2010 APRESENTAÇÃO BDMG I Encontro COMTUR Sete Lagoas - 25/02/2010 SOLUÇÕES DE FINANCIAMENTO PARA EMPREENDIMENTOS QUE INTEGRAM O SETOR DE TURISMO: GERAMINAS OBJETIVO Conceder financiamentos a microempresas e

Leia mais