T ÁSSIA PEREIRA RAMOS BARREIRAS ENFRENTADAS NA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTOS DO SETOR DE CONFECÇÕES PROVENIENTES DA CHINA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "T ÁSSIA PEREIRA RAMOS BARREIRAS ENFRENTADAS NA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTOS DO SETOR DE CONFECÇÕES PROVENIENTES DA CHINA."

Transcrição

1 T ÁSSIA PEREIRA RAMOS BARREIRAS ENFRENTADAS NA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTOS DO SETOR DE CONFECÇÕES PROVENIENTES DA CHINA. Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado adequado à obtenção do título de Bacharel em Relações Internacionais e aprovado em sua forma final pelo Curso de Relações Internacionais, da Universidade do Sul de Santa Catarina. Florianópolis, 20 de novembro de Prof. Fabiana Witt, Msc. Universidade do Sul de Santa Catarina Prof. Kátia Regina de Macedo, Msc. Universidade do Sul de Santa Catarina

2 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA TÁSSIA PEREIRA RAMOS BARREIRAS ENFRENTADAS NA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTOS DO SETOR DE CONFECÇÕES PROVENIENTES DA CHINA Florianópolis 2013

3 TÁSSIA PEREIRA RAMOS BARREIRAS ENFRENTADAS NA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTOS DO SETOR DE CONFECÇÕES PROVENIENTES DA CHINA. Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado ao curso de graduação em Relações Internacionais da Universidade do Sul de Santa Catarina, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Relações Internacionais. Orientador: Prof a Beatrice Maria Zanellato Fonseca Mayer, Msc Florianópolis 2013

4 TÁSSIA PEREIRA RAMOS BARREIRAS ENFRENTADAS NA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTOS DO SETOR DE CONFECÇÕES PROVENIENTES DA CHINA. Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado adequado à obtenção do título de Bacharel em Relações Internacionais e aprovado em sua forma final pelo Curso de Relações Internacionais, da Universidade do Sul de Santa Catarina. Florianópolis, de novembro de Prof a Beatrice Maria Zanellato Fonseca Mayer, Msc Universidade do Sul de Santa Catarina Prof. Nome completo, abreviatura da titulação Universidade do Sul de Santa Catarina Prof. Nome completo, abreviatura da titulação Universidade do Sul de Santa Catarina

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus e a minha mãe Rosane, por sempre estar ao meu lado me apoiando e dando toda força do mundo, por sempre acreditar em meus sonhos e nunca me impedir de fazer o que realmente quero. A minha tia Magela, por ser minha segunda mãe, onde me deu oportunidade de vim estudar em Florianópolis e sempre acreditou em minha capacidade e também sempre me apoiando em minhas decisões. Agradeço imensamente as minhas amigas Leticia, Maria Alice, Gabriela, Claudia e meu amigo João Paulo Nadalini, por sempre me apoiarem nos momentos difíceis, e por compartilharem seus conhecimentos, e também pelos momentos de distração durante todo o percurso deste trabalho de conclusão. Especialmente, agradeço e dedico este trabalho a minha Mãe Rosane, por sempre superar as dificuldades e me proporcionar tudo de melhor que a vida possa oferecer. Foi com ela que aprendi que o estudo é a único bem mais valioso que podemos ter, e que dedicar-se não é perca de tempo, e sim conhecimento, pois o estudo é o único bem que nunca será tirado de você. Agradeço também a minha orientadora Profª Bearice, que dedicou seu tempo e compartilhou seu conhecimento para que este trabalho fosse concluído. Para finalizar, não agradeço, mas sim reconheço o meu esforço para a conclusão deste trabalho. A partir dele descobri que possuo muito mais perseverança, paciência e força de vontade do que achava que tinha, e que falta de tempo no cotidiano e ansiedades conseguem ser dribladas quando se tem força foco e fé em seus objetivos.

6 RESUMO Este trabalho tem como objetivo verificar se houve um aumento nas barreiras de importações brasileiras do setor de confecções, dentre os períodos de 2011 a Diante deste fato a autora analisa temas peculiares e fundamentais para o desenvolvimento do trabalho bem como uma conclusão a sua pesquisa. Esses temas constituem-se em identificar quais as exigências brasileiras adotadas para importação de produtos de confecções, no período de 2011 a 2013, de forma a checar se houveram mudanças nas NCM s e Distinguir quais as percepções de empresas importadoras, quanto à facilidade ou dificuldade de importar produtos de confecções entre os períodos analisados e Identificar quais as mudanças ocorridas em um processo de importação de produto de confecções, realizadas por uma trading company. Para alcançar a conclusão da sua pesquisa, a autora baseou-se em coleta de dados e distintas formas, tais quais: da pesquisa bibliográfica e documental, fontes primárias e secundárias, de observação participativa e de entrevista com duas importadoras e com uma trading company. Após tal análise, é concluído que não houve grandes mudanças impostas no processo de importação de confecção durante os anos de 2011 a 2013, e que apenas tiveram pequenas mudanças com o licenciamento de importação e preço mínimo. Palavras Chave: Importação. Barreiras Comerciais. Riscos na importação.

7 ABSTRACT This study has as the main objective to verify if there has been an increase at the Brazilian importation barriers of the confection sector, between the period of 2011 and To this fact the author analyze peculiar and fundamental themes to the development of the work as well as a conclusion of her search. This themes consist on identify which are the Brazilian demands adopted to the confection products importation, on the period of 2011 to 2013, in a way to check if there has been any changes at the NCMs and ; Distinguish what are the perception of the trading companies as to the facilities or difficulties to import confection products between the period analyzed and identify which are the changes occurred in a importation process of confections products, realized through a trading company. To achieve the conclusion of this research, the author was based on the data collect and distinctive ways, such as: documental and bibliographic research, secondary and primary sources, collaborative observation and interview with two import companies and one trading company. After such analyses, is concluded that has not been enforced big changes at the importation process during the years of 2011 and 2013, and that had been only small changes with the importation license and the minimum price. Key Words: Importation. Comercial barriers. Risk at the importation.

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO EXPOSIÇÃO DO TEMA E DO PROBLEMA OBJETIVOS Objetivos gerais Objetivos específicos JUSTIFICATIVA PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Caracterização da pesquisa Teoria para coleta e análise de dados LIMITAÇÕES DA PESQUISA ESTRUTURA DE PESQUISA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA COMÉRCIO INTERNACIONAL A ESTRUTURA E OS ACORDOS DA OMC BARREIRAS TARIFÁRIAS BARREIRAS NÃO TARIFÁRIAS AS BARREIRAS TÉCNICAS NO COMERCIO INTERNACIONAL COMERCIO EXTERIOR ESTRUTURA DO COMÉRCIO EXTERIOR Órgãos Gestores Órgãos Anuentes IMPORTAÇÃO Habilitação da empresa Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros - (RADAR) Sistema Integrado de Comércio Exterior (SISCOMEX) Licenciamento automático Licenciamento não automático ETAPAS DOPROCESSO DE IMPORTAÇÃO Negociações na Importação Fornecedores... 45

9 Incoterms Documentos utilizados no Comércio Exterior Classificação Fiscal Modalidade de Transportes Internacionais Contratação de Câmbio Tributos Incidentes na Importação Imposto de Importação (I.I) Imposto Sobre Produtos Industrializados (I.P.I) PIS/COFINS Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) Processo de Despacho Aduaneiro Custos que incidem no processo de Importação APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DE DADOS ENTRAVES E RISCOS QUE INCIDEM NA IMPORTAÇÃO Licenciamento de Importação Preço Mínimo das NCM`s Tributos na Importação Câmbio Medidas de Defesa Comercial Canais POSIÇÕES DAS EMPRESAS IMPORTADORAS PERANTE AS MEDIDAS APLICADAS NA IMPORTAÇÃO DE CONFECÇÕES NO PERÍODO DE 2011 A MUDANÇAS OCORRIDAS EM PROCESSOS DE IMPORTAÇÃO DE CONFECÇÕES NO PERÍODO DE 2011 A 2013 REALIZADAS POR UMA TRADING COMPANY CONSIDERAÇÕES FINAIS SUGESTOES DE NOVOS ESTUDOS REFERÊNCIAS... 88

10 9 1 INTRODUÇÃO O fenômeno da globalização criou-se a partir de uma revolução tecnológica que provocou mudanças estratégicas para diversos atores internacionais a fim de interligar os mesmos de uma forma mais transparente e promover um comércio mais abrangente. A globalização é um fenômeno importante que todos devem considerar, independente do nível de relacionamento com mercados externos, pois no mundo contemporâneo, tudo está interligado e pode ser considerado interdependente. Com essa visão global, tem-se o comércio internacional, que é o intercâmbio comercial entre empresas de distintos países, pois, de forma geral nenhum país é considerado auto-suficiente. A partir desses fatores, as empresas buscam utilizar seus recursos da melhor forma possível para poder competir no mercado global, e perante isso, novas estratégias de atuação são desenvolvidas no que tange o comércio internacional. Na perspectiva deste cenário, o presente trabalho busca analisar as exigências impostas pelo Brasil ao tratar de importação de produtos de confecções provenientes da China. Tal trabalho aponta questões e identifica as barreiras nas importações brasileiras impostas no período de 2011 a 2013, verificando se houve mudanças significativas neste período que facilitassem ou que dificultassem as compras brasileiras dos referidos produtos. É notável a falta de conhecimento sobre importação por parte de empreendedores que possuem empresas de pequeno e médio porte. Devido ao desconhecimento, muitas organizações perdem a oportunidade de fazer da importação uma alternativa de redução de custos para seus negócios, ou ainda, uma possibilidade de melhoria em seus serviços. Nas práticas de importação existem barreiras que as empresas importadoras encontrarão, algumas são barreiras impostas pelo governo, outras são desconhecimento por parte das empresas. Portanto, faz-se necessário levantar quais as percepções das empresas importadoras, com relação a facilidade ou a dificuldade de importar produtos do setor de confecções. Desta forma, o presente trabalho de conclusão de curso abordará uma análise das importações, com o foco de verificar se há um aumento nas barreiras de importação no setor de confecções, entre o período de 2011 á 2013.

11 EXPOSIÇÃO DO TEMA E DO PROBLEMA O presente estudo tem como tema de pesquisa os entraves e riscos da importação, limitando-se ao processo operacional aplicado no setor de confecções no Brasil, mais especificamente, em duas empresas que possui um grande fluxo no ramo de confecções provenientes da China. A China atualmente é um dos maiores exportadores mundiais 1. Atribui-se esta posição a diversos fatores como a negociação ágil dos chineses nos negócios internacionais, o uso do dólar como moeda comercial juntamente com a queda do valor do mesmo, as inúmeras fábricas de marcas mundialmente conhecidas instaladas no país, mas principalmente pela prática de preços muito baixos na venda de produtos exportados. O comércio exterior surge como uma oportunidade de negociação através do intercâmbio comercial entre as empresas, e a importação é um dos principais meios para amenizar tais necessidades, visto que muitos países são reféns uns dos outros e a importação é um dos principais meios para amenizar tais necessidades. É notável que a capacidade de produção de cada país se difere uns dos outros, uma vez que, não é toda nação que tem espaço, tecnologia ou clima favorável a produção de todos os produtos necessários para sua subsistência. Por estas razões, às vezes torna-se necessário e mais vantajoso importar, acirrando a competitividade entre os países produtores e diminuindo os custos para os importadores. A importação é um dos meios para acessar novos canais de fornecimento no mercado externo e é por isso que se faz necessário realizar um estudo das barreiras e riscos, que poderem ocorrer ao longo desse processo. Conseguir vantagens competitivas faz parte da sobrevivência das empresas, uma vez que os consumidores estão cada vez mais exigentes em questões básicas como qualidade, preço e prazo de entrega. Para isso, os empresários buscam alternativas que viabilizem seus negócios. O presente trabalho consistirá em uma importante via de aprendizado e de negócio, abrangendo um estudo de comércio internacional com a finalidade de compreender os possíveis entraves que podem ocorrer na importação 1 Somente em 2009 a China exportou USD 1,2 trilhão.

12 11 especificamente no setor de confecções. Sendo assim, o estudo tem como problema de pesquisa o seguinte questionamento: Ocorreu um aumento de barreiras nas importações brasileiras do setor de confecções, no período de 2011 a 2013? 1.2 OBJETIVOS A seguir, serão delineados o objetivo geral e os objetivos específicos do trabalho de conclusão de curso, determinando assim o conteúdo e delimitando seu propósito Objetivos gerais O objetivo geral do presente trabalho será verificar se houve um aumento de barreiras nas importações brasileiras do setor de confecções, no período de 2011 a Objetivos específicos Os objetivos específicos a serem alcançados pelo estudo serão: Identificar quais as exigências brasileiras adotadas para importação de produtos de confecções, no período de 2011 a 2013, de forma a checar se houveram mudanças; Apontar qual é a percepção de empresas importadoras, quanto à facilidade ou dificuldade de importar produtos de confecções entre 2011 e 2013; Identificar quais as mudanças ocorridas em um processo de importação de produto de confecções, realizadas por uma trading company 2, no período de 2011 a JUSTIFICATIVA A pertinência do tema desta pesquisa consiste na necessidade de um estudo sobre como as empresas importadoras, mais especificamente como os 2 empresa comercial importadora

13 12 importadores indiretos, convivem com as barreiras e exigências impostas pelo governo brasileiro no setor de confecções. A principal justificativa para a escolha do tema do presente estudo foi o desejo de aprofundar o conhecimento na área de importação, tendo como foco principal conhecer todas as probabilidades de riscos e barreiras que os importadores indiretos sofrem para nacionalizar seus produtos comprados no exterior, e analisar como estes enfrentam as supostas exigências. Além de o comércio exterior ser a área de atuação da autora, a razão que motivou esse estudo foi o interesse de compreender e aprofundar, a fim de checar se os conhecimentos empíricos acerca das dificuldades encontradas em processos de importação de fato se configuram como barreiras comerciais. E assim poder analisar e minimizar os potenciais impactos que os importadores poderão ter. Além disso, aprender, praticar e aplicar os conhecimentos aprendidos no decorrer da graduação e avaliar na prática o processo de importação propiciará avanços para o desenvolvimento profissional da autora. Para os acadêmicos de Relações Internacionais, estudar e compreender um processo de importação e seus problemas enfrentados decorrentes de barreiras comerciais busca abrangerem um maior conhecimento e de forma geral para pequenas e grandes empresas, tendo em vista que em um mundo cada vez mais globalizado, o comércio exterior é uma das principais áreas que norteiam esse mercado global. Entender o procedimento de importação e seus riscos faz com que o estudante melhore seus conhecimentos em relação ao assunto e possa atuar com mais propriedade nesta área. Assim como os acadêmicos, a academia também se beneficiará deste estudo, pois uma contextualização do tema será oferecida sob bibliografias reconhecidas e dos conteúdos obtidos no decorrer do curso de graduação em Relações Internacionais. O estudo planeja servir de fonte de pesquisa para os leitores, estudantes e profissionais da área, que tenham interesse em conhecer uma análise nas limitações e dificuldades na importação de produtos de confecções, e todas as etapas e procedimentos de uma importação, tendo como foco principal a apreciação das barreiras comerciais. Visto que a maioria das micro e pequenas empresas brasileiras não possuem conhecimento na área do comércio exterior, o tema para a sociedade atual é importante, pois pode auxiliar as empresas e principalmente aos potenciais

14 13 importadores a conhecer como ocorre o processo de importação e a desvendar as dificuldades com a importação de seus produtos, e assim desmistificar a complexidade de operar o comércio exterior. Uma vez conhecido e desmistificado as empresas podem se encorajar a buscar novas alternativas de negócios além das fronteiras nacionais. Por meio deste estudo, busca-se apresentar ao leitor um conhecimento mais profundo do assunto barreiras comerciais na importação de confecções da China, e assim o mesmo poderá ser utilizado como referência para futuros empresários e profissionais que queiram empreender neste tipo de negócio em suas empresas. 1.4 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Os itens descritos na seqüência pretendem esclarecer quais serão os métodos utilizados para a realização desta pesquisa e de que forma serão aplicados, a fim de atingir os objetivos predeterminados neste Trabalho de Conclusão do Curso de Relações Internacionais Caracterização da pesquisa De acordo com os objetivos apresentados no trabalho, consegue-se classificar a pesquisa como sendo descritiva, pois é aquela em que descreve as características de um objeto de pesquisa já conhecido, mas sem manipular os dados além da descrição. É também uma pesquisa de caráter exploratório, pois se utiliza de levantamento bibliográfico e documental para obter maior conhecimento do objeto de estudo. Segundo Gil (2002, p. 41), as pesquisas descritivas têm como objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou, então, o estabelecimento de relações entre variáveis. O intuito da pesquisa descritiva se assemelha com as pesquisas exploratórias, pois esta também serve para proporcionar uma visão do problema, identificar suas características e ainda se preocupa com a atuação prática (GIL, 2002). Para tal serão utilizadas técnicas de coleta de dados, a fim de solucionar o problema da pesquisa em questão, conforme será apresentado no tópico 2.2.

15 14 O objeto de estudo visa analisar quais as barreiras enfrentadas na importação brasileira no setor de confecções provenientes da China, e com isso buscar-se-á estabelecer um trabalho de conclusão de curso que avalie quais as barreiras encaradas e apresentar as etapas de importação desse procedimento. Com a análise do estudo, faz se com que se obtenha uma abordagem predominantemente qualitativa do problema. A respeito da abordagem qualitativa, segundo Moresi (2003, p.70): Consistem de descrições detalhadas de situações, eventos, pessoas, interações, comportamento observado; citações diretas das pessoas acerca de suas experiências, atitudes, crenças e pensamentos; e extratos ou passagens inteiras de documentos, registro de correspondência e históricos de casos. Vale ressaltar que, para Fachin (2003), a abordagem e pesquisa qualitativa são caracterizadas por seus aspectos descritivos, mas também não se relacionada apenas por aspectos mensuráveis. O presente trabalho também se caracteriza como um estudo de caso múltiplo, onde serão analisados duas empresas mais uma trading company no período de 2011 a O estudo de caso pode apontar diferentes propósitos, tais como Gil (2002, p.54) cita: (1) explorar situações da vida real cujos limites não estão claramente definidos; (2) descrever a situação do contexto em que está sendo feita determinada investigação; (3) formular hipóteses ou desenvolver teorias; e (4) explicar as variáveis causais de determinado fenômeno em situações muito complexas que não possibilitam a utilização de levantamentos e experimentos. No que tange o estudo de caso, Gil (2002, p.54) argumenta que este consiste no estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos, de maneira que permita seu amplo e detalhado conhecimento, tarefa praticamente impossível mediante outros delineamentos já considerados. Sendo assim, este é realizado quando se deseja obter um conhecimento mais profundo do objeto pesquisado, investigando um fenômeno dentro de um contexto real. O raciocínio dedutivo tem a finalidade de explicar o conteúdo das premissas. Por intermédio de uma cadeia de raciocínio em ordem descendente, de análise do geral para o particular, chega a uma conclusão. Usa o silogismo, construção lógica para, a partir de duas premissas, retirarem uma terceira

16 15 logicamente decorrente das duas primeiras, denominada de conclusão (GIL,1999; LAKATOS; MARCONI, 1993). O método indutivo consiste na adoção da seguinte linha de raciocínio: quando os conhecimentos disponíveis sobre determinado assunto são insuficientes para a explicação de um fenômeno, surge o problema. Para tentar explicar a dificuldades expressas no problema, são formuladas conjecturas ou hipóteses. Das hipóteses formuladas, deduzem-se conseqüências que deverão ser testadas ou falseadas. Enquanto no método dedutivo se procura a todo custo confirmar a hipótese, no método hipotético-dedutivo, ao contrário, procuram-se evidências empíricas para derrubá-la (GIL, 1999, p.30). A pesquisa qualitativa é geralmente associada à pesquisa exploratória interpretativa, enquanto a pesquisa quantitativa é associada a estudos positivistas confirmatórios (WILDEMUTH, 1993). No que descreve a pesquisa ou método científico, geralmente é definido como quantitativo ou qualitativo em função do tipo de dados coletados. A pesquisa qualitativa é indutiva, isto é, o pesquisador desenvolve conceitos, idéias e entendimentos a partir de padrões encontrados nos dados, ao invés de coletar dados para comprovar teorias, hipóteses e modelos preconcebidos (RENEKER, 1993). Na pesquisa quantitativa normalmente se mostra apropriada quando existe a possibilidade de medidas quantificáveis de variáveis e inferências a partir de amostras de uma população. Esse tipo de pesquisa usa medidas numéricas para testar constructos científicos e hipóteses, ou busca padrões numéricos relacionados a conceitos cotidianos. Em contrapartida, a pesquisa qualitativa se caracteriza, principalmente, pela ausência de medidas numéricas e análises estatísticas, examinando aspectos mais profundos e subjetivos do tema em estudo. (Dias, 1999) Teoria para coleta e análise de dados Para realizar a presente pesquisa, foi utilizada pesquisa de caráter exploratório e descritivo, utilizando de dados primários e secundários, visando o desenvolvimento do trabalho com diferentes formas de se aproximar do objeto de estudo. Os dados foram coletados através de: (a) Pesquisa bibliográfica fundamentada em livros e artigos científicos de diversos autores; (b) Pesquisa

17 16 documental se faz presente neste trabalho através de documentos oficiais, e documentos publicados pelos órgãos pertinentes deste assunto; (c) Pesquisa de campo efetuada por meio de entrevista com duas empresas importadoras de confecções, a fim de verificar os entraves e dificuldades enfrentados pelas mesmas. Para tal pesquisa, foi desenvolvido um questionário de perguntas a fim de analisar as medidas enfrentadas na importação de confecção de 2011 a 2013 visando à evidenciação dos reais acontecimentos na prática da importação antes e depois das medidas aplicadas pelo governo. 1.5 LIMITAÇÕES DA PESQUISA As dificuldades encontradas neste presente trabalho foram de dados como recolhimento integral dos impostos das NCM`s selecionadas para estudo dos anos de 2011 e 2012, informações mais completas referente ao incentivo fiscal de Santa Catarina e levantamento de dados como custos na operação de importação efetuada por uma empresa. 1.6 ESTRUTURA DE PESQUISA O presente trabalho será dividido em quatro partes visando ao entendimento geral e efetivo de seu conteúdo. O capítulo 1 traz os principais elementos da pesquisa, que são introdução, seguido do tema e problema, objetivo geral e os objetivos específicos, a justificativa, os procedimentos metodológicos empregados para a composição da pesquisa, além da sua estrutura. Na segunda parte da pesquisa é apresentado o capítulo 2, onde há a contribuição bibliográfica de autores, notícias, relatórios e temas pertinentes para a sustentação teórica do presente trabalho. No capítulo 3 são apresentadas as análises referentes aos objetivos específicos já apresentados pela autora. É a partir deste capítulo que a pergunta de pesquisa objetiva ser respondida e os dados, até então apresentados, serão analisados e comentados. E por fim no último capítulo, o 4, com base nos dados analisados a autora apresenta a conclusão de sua pesquisa.

18 17 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste item será exibida uma revisão da literatura relacionada ao assunto proposto, onde serão descritos os tópicos necessários à elaboração do estudo e o devido embasamento teórico para responder a pergunta de pesquisa. O texto inicia com a contextualização do comércio internacional tratando de seu conceito, criação, e teorias de comercio internacional. Será abordada também a organização e função da Organização Mundial do Comércio. Logo após, aborda-se o comércio exterior contextualizando sua procedência e o funcionamento de sua estrutura. Por fim, é apresentado o conceito, estrutura e funcionamento do processo de importação, para então abordar as barreiras enfrentadas no processo de importação, como objetivo de analisar se houve aumento ou diminuição na implantação de barreiras à importação, nos períodos de 2011 a 2013, e conseqüentemente avaliar as modificações que as empresas de importação, trading companies e importadores indiretos sofrem com essas mudanças. 2.1 COMÉRCIO INTERNACIONAL O comércio internacional é a troca de bens e serviços através de fronteiras internacionais. Na maior parte dos países, ele representa uma grande parcela do PIB. O comércio internacional esteve presente através de grande parte da história da humanidade, mas a sua importância econômica, social e política tornaram-se crescente nos últimos séculos. O desenvolvimento industrial, dos transportes, a globalização e o surgimento das corporações multinacionais, tiveram grande impacto no desenvolvimento deste comércio, e com isso desvendando o mercado mundial e oferecendo novas oportunidades e desafios. Soares (2004, p.3) analisa o comércio internacional como uma atividade multidisciplinar que mistura diversas áreas de conhecimento por agregar diferentes termos, práticas e técnicas agregadas a esta prática ao longo dos anos devido a mudanças econômicas e tecnológicas notadas no cenário mundial. Diante da influência da globalização, o comércio internacional vem se intensificando cada vez mais, acarretando no maior intercâmbio de bens e serviços com mais rapidez e conseqüentemente ocasionando o aumento da competitividade global.

19 18 Segundo Segre (2010, p.2): A expressão comércio internacional aplica-se ao intercâmbio de bens e serviços entre nações distintas, resultantes das especializações de cada nação da divisão internacional do trabalho. Seu desenvolvimento depende basicamente do nível dos termos do intercâmbio ou das relações de troca, que se obtém comparando o poder aquisitivo dos dois países que mantêm comércio entre si. Com a globalização, provocaram-se mudanças nas prioridades mundiais e atualmente buscam-se relações mais transparentes, assim como, trocas comerciais mais baseadas na competição do que na proteção (MALUF, 2000). Enfatiza-se que é importante que as empresas estejam atentas às mudanças causadas nos mercados internos e externos no que diz respeito à competitividade dos produtos, pois a concorrência está cada vez maior e faz-se necessário uma resposta ágil e eficaz para os novos desafios (SEGRE, 2010) O comércio internacional tem origem antiga, antes de Cristo, o descobrimento europeu das Américas e exploração da África e da Ásia no século XV, descobriram-se o fato e a junção de diferentes bens culturas e riquezas. Historicamente, através disso foi dado início a primeira teoria de comércio internacional: o mercantilismo. O mercantilismo tinha em vista que os estados conquistassem mais mercados e que resguardassem seus interesses comerciais. Com o estudo do mercantilismo, e a teoria de comércio internacional que expressa pode ser feito tendo como base qualquer um dos países que o praticaram, pois em essência seus fundamentos são os mesmos (DIAS; RODRIGUES, 2010.) Sucedido do mercantilismo foi dada seqüência a diversas outras teorias de comércio internacional. Desde então outros pensadores e estudiosos desenvolveram novas teorias econômicas e de comércio que foram se aprimorando até os dias atuais. O mercantilismo no século XVIII foi interrogado por pensadores que fixavam a diminuição da intervenção estatal e mais liberdade para seus comerciantes. Tal episódio ficou conhecido como liberalismo, esse levava como base a livre iniciativa individual e a concorrência, onde declarava que o Estado

20 19 precisaria apenas interferir em questões que lhe diziam respeito, assuntos onde a iniciativa privada obtivesse lucros era de interesse da sociedade. Para Dias e Rodrigues (2010, p. 57): O liberalismo econômico pode então ser compreendido com base na ausência do intervencionismo estatal na atividade econômica de um país. Isso representa a aceitação do comércio totalmente livre, sem tabelamento de preços ou barreiras alfandegárias, em que são encontradas empresas atuando segundo o regime da livre concorrência em nível global, em que os preços se formam em função de características do próprio mercado, como uma relação entre oferta de produtos, demanda de consumidores e eficiência das próprias empresas. Posteriormente a teoria do liberalismo, várias outras teorias foram desenvolvidas por outros pensadores e teóricos, sendo favorável a liberdade de comércio entre os países. Com o final da Guerra Fria nos anos 80, e o fim de um mundo bipolar, a economia mundial foi reestruturada, influenciando o fenômeno da globalização. Houve um progresso nas produções e divulgações de novas tecnologias, diminuíramse as distâncias geográficas entre os países, decorrente da facilitação do transporte e da comunicação entre países foi então notado um novo padrão de produção de comércio (THORSTENSEN, 2001). Com a globalização, o comércio internacional, causou expressivas mudanças estruturais ao redor do mundo, tornando as nações cada vez mais interdependentes, e eliminando as fronteiras. A economia mundial e o comércio internacional estão interligados, a economia mundial depende do comercio exterior para que haja seu desenvolvimento, devido à interligação dos países. Soares (2004, p.3) avalia o comércio internacional como uma atividade multidisciplinar, que mistura e agrega diversos campos de conhecimento em diferentes termos, práticas e técnicas agregadas ao longo dos anos devido a mudanças econômicas e tecnológicas notadas no cenário mundial. Dias e Rodrigues (2010, p.128) complementam essa afirmativa, alegando que: A expressão Comércio Internacional em seu sentido mais amplo se traduz nos dias de hoje nas significativas modificações estruturais ocorridas na economia internacional durante o século XIX. O advento da globalização, que pode ser caracterizada como um processo em que capitais e tecnologia privados, cujos titulares são grandes corporações empresariais, circulam em todo o globo independentemente

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

Organização Mundial do Comércio I. Histórico

Organização Mundial do Comércio I. Histórico Organização Mundial do Comércio I Histórico No final da Segunda Guerra Mundial, diversos países resolveram reunir- -se, sob a influência norte-americana, para formular as diretrizes do sistema econômico-financeiro

Leia mais

OMC: suas funções e seus acordos de comércio

OMC: suas funções e seus acordos de comércio OMC: suas funções e seus acordos de comércio Prof.Nelson Guerra Surgiu para combater o protecionismo criado pelos países no período entreguerras. O GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio) surgiu em 1947

Leia mais

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Especial Perfil Wesley Robert Pereira 08 de setembro de 2005 Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 1 1G203 - ECONOMIA INTERNACIONAL A regulação das trocas internacionais: do GATT à OMC 1.3 OMC: Objectivos e princípios. Perspectiva histórica da liberalização

Leia mais

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial BRICS Monitor A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial Outubro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO MASTER JURIS RJ Prof. LUIZ OLIVEIRA CASTRO JUNGSTEDT Agosto/2015 Aula 4 73 ASILO INSTITUTO LIGADO À PROTEÇÃO DA PESSOA HUMANA MESMO COM O FORTALECIMENTO DO DIREITO INTERNACIONAL

Leia mais

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller. http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.html Celso Lafer, A OMC e a regulamentação do comércio internacional.

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Prof.Nelson Guerra Políticas Comerciais Conceito: São formas e instrumentos de intervenção governamental sobre o comércio exterior, e sempre

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 41 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

OMC Organização Mundial do Comércio

OMC Organização Mundial do Comércio OMC Organização Mundial do Comércio CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. SILVA, Luiz

Leia mais

O IMPACTO DO DIREITO OHADA E DOS ACORDOS DA OMC NO DIREITO FISCAL SÃO-TOMENSE. Jaime de Oliveira

O IMPACTO DO DIREITO OHADA E DOS ACORDOS DA OMC NO DIREITO FISCAL SÃO-TOMENSE. Jaime de Oliveira O IMPACTO DO DIREITO OHADA E DOS ACORDOS DA OMC NO DIREITO FISCAL SÃO-TOMENSE Jaime de Oliveira 1 PLANO DA APRESENTAÇÃO I. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE: OHADA, OMC E DIREITO FISCAL SÃO-TOMENSE II. DIFICULDADES

Leia mais

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Breve referência aos acordos da OMC OTC e SPS Sumário GATT Origem dos acordos OTC e SPS OMC funções e acordos Propósitos

Leia mais

Curso Básico de Comércio Exterior Pitágora Pereira CURSO BÁSICO DE COMÉRCIO EXTERIOR. Módulo IV. Pitágora Pereira

Curso Básico de Comércio Exterior Pitágora Pereira CURSO BÁSICO DE COMÉRCIO EXTERIOR. Módulo IV. Pitágora Pereira CURSO BÁSICO DE COMÉRCIO EXTERIOR Módulo IV www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1. BARREIRAS TARIFÁRIAS E NÃO-TARIFÁRIAS... 03 1.1 Barreiras Tarifárias... 03 1.1.1 A Tarifa Ótima... 04 1.2

Leia mais

AS BARREIRAS TÉCNICAS AO COMÉRCIO INTERNACIONAL 1

AS BARREIRAS TÉCNICAS AO COMÉRCIO INTERNACIONAL 1 Ponto Focal de Barreiras Técnicas às Exportações Portal: http://www.inmetro.gov.br/barreirastecnicas Contato: barreirastecnicas@inmetro.gov.br Os artigos assinados são de exclusiva responsabilidade dos

Leia mais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais

RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI

RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI Andréia Nádia Lima de Sousa 1 RESUMO: O trabalho tem por objeto estudar a origem da Organização Mundial do Comércio dentro do cenário econômico

Leia mais

GENERALIDADES DO COMÉRCIO INTERNACIONAL. Comércio Interno: efetuado dentro do território do país. Pode ser nacional, regional e local;

GENERALIDADES DO COMÉRCIO INTERNACIONAL. Comércio Interno: efetuado dentro do território do país. Pode ser nacional, regional e local; Profª Elieti Biques Fernandes GENERALIDADES DO COMÉRCIO INTERNACIONAL 1.1 - Comércio Interno vs Comércio Externo O comércio é atividade econômica que consiste em adquirir os bens dos produtores e revendê-los

Leia mais

A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra

A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra A Nova Fronteira? A China na Arena Mundial A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra I - Introdução A acessão da China à OMC Organização

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO Os Membros, Considerando que os Ministros acordaram em Punta del Este que "em seguida a um exame da operação dos Artigos do GATT relacionados

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RONALDO HISSAO KATAYAMA IMPORTA FÁCIL PARA EMPREENDDORES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RONALDO HISSAO KATAYAMA IMPORTA FÁCIL PARA EMPREENDDORES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RONALDO HISSAO KATAYAMA IMPORTA FÁCIL PARA EMPREENDDORES CURITIBA 2014 RONALDO HISSAO KATAYAMA IMPORTA FÁCIL PARA EMPREENDEDORES Monografia apresentada ao curso de especialização

Leia mais

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI CAIO AUGUSTO TAKANO MESTRANDO EM DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO USP ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO IBET PROFESSOR-ASSISTENTE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO

Leia mais

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2008. Declaração Conjunta Sumário Os empresários europeus e brasileiros apóiam com entusiasmo a Parceria Estratégica Brasil-

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFTN/1989 - ADAPTADA) Apurando-se o dano ou avaria: a)

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com Prof. Esp. Lucas Cruz www.proflucas.com O principal discípulo de Smith, David Ricardo, sofisticou um pouco mais essa teoria. Segundo ele, ainda que uma economia fosse mais eficiente em todos os produtos,

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA

CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA EXERCÍCIOS 1 (AFRF/2002-1) Por meio dos elementos abaixo determine, com

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Bruxelas, 18 de Março de 2002

Bruxelas, 18 de Março de 2002 Bruxelas, 18 de Março de 2002 O tratado da UE institui uma política comercial comum cuja execução é da competência da Comissão Europeia : A política comercial comum assenta em princípios uniformes, designadamente

Leia mais

CISG-Brasil.net entrevista LUCA CASTELLANI, consultor jurídico do Secretariado da UNCITRAL

CISG-Brasil.net entrevista LUCA CASTELLANI, consultor jurídico do Secretariado da UNCITRAL CISG-Brasil.net entrevista LUCA CASTELLANI, consultor jurídico do Secretariado da UNCITRAL Luca G. Castellani é Consultor Jurídico do Secretariado da Comissão das Nações Unidas para o Direito Mercantil

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

Expressando que este processo de integração constitui uma resposta adequada a tais acontecimentos;

Expressando que este processo de integração constitui uma resposta adequada a tais acontecimentos; TRATADO PARA A CONSTITUIÇÃO DE UM MERCADO COMUM ENTRE A REPUBLICA ARGENTINA, A REPUBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, A REPUBLICA DO PARAGUAI E A REPUBLICA ORIENTAL DO URUGUAI (ASSUNÇÃO, 26/03/1991) A República

Leia mais

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR Expositor: AFRFB JUVÊNCIO SOUSA FERREIRA (ALF/FOR/SADAD) SEMINÁRIO: A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE ADUANEIRO NA PROTEÇÃO DA SOCIEDADE E NO PROCESSO DE

Leia mais

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO 1. O comércio internacional deve ser conduzido de forma a melhorar o bem estar social, respeitando a necessidade de promover

Leia mais

Ensaios em Comércio Internacional 2

Ensaios em Comércio Internacional 2 INTRODUÇÃO Na introdução à primeira coletânea de artigos do ABCI, Ensaios em Comércio Internacional, além das referências de praxe sobre os artigos publicados, falei da importância de dar a devida atenção

Leia mais

CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA

CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA EXERCÍCIOS 1 (AFRF/2002-1) Por meio dos elementos abaixo determine, com base no Método Primeiro, o valor

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO A Organização mundial de comércio em poucas palavras A Organização Mundial de Comércio (OMC) é a única organização internacional que trata das regras que regem o comércio

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Sumário. (11) 3177-7700 www.systax.com.br

Sumário. (11) 3177-7700 www.systax.com.br Sumário Introdução... 3 Amostra... 4 Tamanho do cadastro de materiais... 5 NCM utilizadas... 6 Dúvidas quanto à classificação fiscal... 7 Como as empresas resolvem as dúvidas com os códigos de NCM... 8

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

A CAMEX e a Facilitação de Comércio

A CAMEX e a Facilitação de Comércio CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A CAMEX e a Facilitação de Comércio Ministério das Comunicações 18 de novembro 2009, São Paulo SP. MARIA FÁTIMA B. ARRAES DE OLIVEIRA Assessora Especial

Leia mais

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR Durval de Noronha Goyos Jr. Aula Magna - Universidade de

Leia mais

Gestão de Negócios Internacionais

Gestão de Negócios Internacionais Gestão de Negócios Internacionais Aula-tema 03: Regulação do Comércio Internacional e impactos nos negócios: os acordos de defesa comercial sobre Consequências da Globalização 2-16 Evolução dos Negócios

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV &RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV 3RU 'HQLV &RUWL] GD 6LOYD $QGHUVRQ 1RYDHV 9LHLUD 5RGROIR )DUDK 9DOHQWH )LOKR 'DQLHO5XGUD)HUQDQGHV,QWURGXomR A criação da OMC (Organização Mundial do Comércio) foi um grandioso

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

1.1 POLÍTICA INDUSTRIAL: Componentes básicos: incentivos e subsídios

1.1 POLÍTICA INDUSTRIAL: Componentes básicos: incentivos e subsídios COMÉRCIO E FINANÇAS INTERNACIONAIS Prof. José Alfredo A. Leite (Ph.D.) 2. Políticas Externas, p. 1 2A. PROTECIONISMO Características: O protecionismo compreende um conjunto de políticas econômicas destinadas

Leia mais

POR UMA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE DEFESA

POR UMA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE DEFESA 02 DE SETEMBRO DE 2011 DEPARTAMENTO DA INDÚSTRIA DA DEFESA ANÁLISE COMDEFESA Nº 003/2011 POR UMA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE DEFESA A alteração da Lei de Licitações (8.666/93) de acordo com a

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional Gerenciamento do Risco Operacional Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2010 Compliance 001 Dezembro/2011 Compliance 002 Dezembro/2012 Compliance 003 Agosto/2014 Compliance 004 Revisão do documento

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex Prof.Nelson Guerra Órgãos acima + Ministério das Relações Exteriores. Conheça cada um deles CAMEX: Objetiva a formulação, adoção, implementação

Leia mais

NORMA DE APLICAÇÃO SOBRE A VALORAÇÃO ADUANEIRA DE MERCADORIAS

NORMA DE APLICAÇÃO SOBRE A VALORAÇÃO ADUANEIRA DE MERCADORIAS MERCOSUL/LXVII GMC / P DEC. Nº 01/07 NORMA DE APLICAÇÃO SOBRE A VALORAÇÃO ADUANEIRA DE MERCADORIAS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 17/94 do Conselho do Mercado

Leia mais

Disciplina: Comércio Internacional

Disciplina: Comércio Internacional COORDENADORIA DE TRANSPORTES Sumário 2 Disciplina: Comércio Internacional CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Exportação e Importação Conceitos Cambiais, Aduaneiros e Comerciais Formas de

Leia mais

regulamentadores dos negócios internacionais

regulamentadores dos negócios internacionais 1.1 Operações e órgãos regulamentadores dos negócios internacionais DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo:

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO. BLOG: www.boscotorres.com.br EMAIL: bosco.torres@hotmail.com. 3. Globalização 1

GLOBALIZAÇÃO. BLOG: www.boscotorres.com.br EMAIL: bosco.torres@hotmail.com. 3. Globalização 1 GLOBALIZAÇÃO CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. 3. Globalização 1 SUMÁRIO Globalização

Leia mais

REVISTA CONTEÚDO COMÉRCIO INTERNACIONAL: UM ESTUDO DAS PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS NO COMÉRCIO EXTERIOR 1

REVISTA CONTEÚDO COMÉRCIO INTERNACIONAL: UM ESTUDO DAS PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS NO COMÉRCIO EXTERIOR 1 COMÉRCIO INTERNACIONAL: UM ESTUDO DAS PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS NO COMÉRCIO EXTERIOR 1 Leibi Roque 2 RESUMO O presente artigo tem como propósito identificar os principais

Leia mais

Áreas de Atuação Societário

Áreas de Atuação Societário SC Advogados Apresentação A Salomão Cateb Advogados foi fundada em 1963 na cidade de Belo Horizonte por Salomão de Araújo Cateb. Os mais de 40 anos de atividade conferiram à empresa o reconhecimento e

Leia mais

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo.

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

ACORDOS INTERNACIONAIS

ACORDOS INTERNACIONAIS Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 53 ACORDOS INTERNACIONAIS ONU SDN (Sociedade ou Liga das Nações) Foi criada com a intenção de manter a paz. No seu período de atividade, contudo,

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25 Uô / Comércio erior Sumário Capítulo I Negociações Internacionais I Introdução 1 Definição: Negociação 1 Negociação Distributiva ou Posicionai 3 Negociação Cooperativa 4 Negociações Internacionais 7 Leitura

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações:

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações: RESUMO EXECUTIVO O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, comunicou no dia 27 de dezembro de 2011 que vai mudar o regime de tributação para a importação de produtos têxteis do atual ad valorem, em que no

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação I- CADASTRO DO FORNECEDOR EXTERIOR I.I- Cadastro Geográfico Antes de iniciarmos o registro do Fornecedor Exterior precisamos verificar se os detalhes do

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

participação de mercado em território estrangeiro. No caso da Suzano, o produto exportado foi a celulose. Por ser commodity, não requer certo padrão

participação de mercado em território estrangeiro. No caso da Suzano, o produto exportado foi a celulose. Por ser commodity, não requer certo padrão 5 Conclusão A partir deste estudo, foi possível observar como as teorias de internacionalização puderam explicar diferentes aspectos da expansão para a China das empresas estudadas. A teoria Poder de Mercado

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL MÓDULO 11

AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL MÓDULO 11 AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL MÓDULO 11 Índice 1. Os movimentos relativos ao comércio exterior e a busca por relações comerciais justas...3 2 1. OS MOVIMENTOS RELATIVOS AO COMÉRCIO EXTERIOR E A BUSCA POR RELAÇÕES

Leia mais

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1 ADAM SMITH e DAVID RICARDO DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1 Principais

Leia mais

Metodologia. Definição do procedimentos e instrumentos metodológicos para a realização da pesquisa. 18/03/2014

Metodologia. Definição do procedimentos e instrumentos metodológicos para a realização da pesquisa. 18/03/2014 18/03/2014 15:24 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Prof.ª: Kátia Paulino dos Santos E-mail: katiapaulinoap@yahoo.com.br 1 Metodologia Definição do procedimentos e instrumentos

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes 25 de setembro de 2009 Instituto Aliança Procomex - SP LYTHA SPÍNDOLA Secretária-Executiva

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO

ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO As Partes do presente Acordo, Reconhecendo que as suas relações na esfera da atividade comercial e econômica devem objetivar a elevação dos níveis

Leia mais

Gest ão em Cooper at i vi smo

Gest ão em Cooper at i vi smo Gest ão em Cooper at i vi smo Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial 1 A Contabilidade como Ciências; Princípios Fundamentais de Contabilidade e Normas Brasileiras de

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010. Institui a Política de Segurança da Informação e Comunicações POSIC, no âmbito do IPEA. O PRESIDENTE DO INSTITUTO DE

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO 1 DESMISTIFICANDO A INOVAÇÃO Transformar a inovação em competência gerenciável é o paradigma contemporâneo para empresas, governo e organizações sociais. Nesse contexto, o Congresso Internacional de Inovação

Leia mais