T ÁSSIA PEREIRA RAMOS BARREIRAS ENFRENTADAS NA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTOS DO SETOR DE CONFECÇÕES PROVENIENTES DA CHINA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "T ÁSSIA PEREIRA RAMOS BARREIRAS ENFRENTADAS NA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTOS DO SETOR DE CONFECÇÕES PROVENIENTES DA CHINA."

Transcrição

1 T ÁSSIA PEREIRA RAMOS BARREIRAS ENFRENTADAS NA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTOS DO SETOR DE CONFECÇÕES PROVENIENTES DA CHINA. Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado adequado à obtenção do título de Bacharel em Relações Internacionais e aprovado em sua forma final pelo Curso de Relações Internacionais, da Universidade do Sul de Santa Catarina. Florianópolis, 20 de novembro de Prof. Fabiana Witt, Msc. Universidade do Sul de Santa Catarina Prof. Kátia Regina de Macedo, Msc. Universidade do Sul de Santa Catarina

2 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA TÁSSIA PEREIRA RAMOS BARREIRAS ENFRENTADAS NA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTOS DO SETOR DE CONFECÇÕES PROVENIENTES DA CHINA Florianópolis 2013

3 TÁSSIA PEREIRA RAMOS BARREIRAS ENFRENTADAS NA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTOS DO SETOR DE CONFECÇÕES PROVENIENTES DA CHINA. Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado ao curso de graduação em Relações Internacionais da Universidade do Sul de Santa Catarina, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Relações Internacionais. Orientador: Prof a Beatrice Maria Zanellato Fonseca Mayer, Msc Florianópolis 2013

4 TÁSSIA PEREIRA RAMOS BARREIRAS ENFRENTADAS NA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTOS DO SETOR DE CONFECÇÕES PROVENIENTES DA CHINA. Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado adequado à obtenção do título de Bacharel em Relações Internacionais e aprovado em sua forma final pelo Curso de Relações Internacionais, da Universidade do Sul de Santa Catarina. Florianópolis, de novembro de Prof a Beatrice Maria Zanellato Fonseca Mayer, Msc Universidade do Sul de Santa Catarina Prof. Nome completo, abreviatura da titulação Universidade do Sul de Santa Catarina Prof. Nome completo, abreviatura da titulação Universidade do Sul de Santa Catarina

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus e a minha mãe Rosane, por sempre estar ao meu lado me apoiando e dando toda força do mundo, por sempre acreditar em meus sonhos e nunca me impedir de fazer o que realmente quero. A minha tia Magela, por ser minha segunda mãe, onde me deu oportunidade de vim estudar em Florianópolis e sempre acreditou em minha capacidade e também sempre me apoiando em minhas decisões. Agradeço imensamente as minhas amigas Leticia, Maria Alice, Gabriela, Claudia e meu amigo João Paulo Nadalini, por sempre me apoiarem nos momentos difíceis, e por compartilharem seus conhecimentos, e também pelos momentos de distração durante todo o percurso deste trabalho de conclusão. Especialmente, agradeço e dedico este trabalho a minha Mãe Rosane, por sempre superar as dificuldades e me proporcionar tudo de melhor que a vida possa oferecer. Foi com ela que aprendi que o estudo é a único bem mais valioso que podemos ter, e que dedicar-se não é perca de tempo, e sim conhecimento, pois o estudo é o único bem que nunca será tirado de você. Agradeço também a minha orientadora Profª Bearice, que dedicou seu tempo e compartilhou seu conhecimento para que este trabalho fosse concluído. Para finalizar, não agradeço, mas sim reconheço o meu esforço para a conclusão deste trabalho. A partir dele descobri que possuo muito mais perseverança, paciência e força de vontade do que achava que tinha, e que falta de tempo no cotidiano e ansiedades conseguem ser dribladas quando se tem força foco e fé em seus objetivos.

6 RESUMO Este trabalho tem como objetivo verificar se houve um aumento nas barreiras de importações brasileiras do setor de confecções, dentre os períodos de 2011 a Diante deste fato a autora analisa temas peculiares e fundamentais para o desenvolvimento do trabalho bem como uma conclusão a sua pesquisa. Esses temas constituem-se em identificar quais as exigências brasileiras adotadas para importação de produtos de confecções, no período de 2011 a 2013, de forma a checar se houveram mudanças nas NCM s e Distinguir quais as percepções de empresas importadoras, quanto à facilidade ou dificuldade de importar produtos de confecções entre os períodos analisados e Identificar quais as mudanças ocorridas em um processo de importação de produto de confecções, realizadas por uma trading company. Para alcançar a conclusão da sua pesquisa, a autora baseou-se em coleta de dados e distintas formas, tais quais: da pesquisa bibliográfica e documental, fontes primárias e secundárias, de observação participativa e de entrevista com duas importadoras e com uma trading company. Após tal análise, é concluído que não houve grandes mudanças impostas no processo de importação de confecção durante os anos de 2011 a 2013, e que apenas tiveram pequenas mudanças com o licenciamento de importação e preço mínimo. Palavras Chave: Importação. Barreiras Comerciais. Riscos na importação.

7 ABSTRACT This study has as the main objective to verify if there has been an increase at the Brazilian importation barriers of the confection sector, between the period of 2011 and To this fact the author analyze peculiar and fundamental themes to the development of the work as well as a conclusion of her search. This themes consist on identify which are the Brazilian demands adopted to the confection products importation, on the period of 2011 to 2013, in a way to check if there has been any changes at the NCMs and ; Distinguish what are the perception of the trading companies as to the facilities or difficulties to import confection products between the period analyzed and identify which are the changes occurred in a importation process of confections products, realized through a trading company. To achieve the conclusion of this research, the author was based on the data collect and distinctive ways, such as: documental and bibliographic research, secondary and primary sources, collaborative observation and interview with two import companies and one trading company. After such analyses, is concluded that has not been enforced big changes at the importation process during the years of 2011 and 2013, and that had been only small changes with the importation license and the minimum price. Key Words: Importation. Comercial barriers. Risk at the importation.

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO EXPOSIÇÃO DO TEMA E DO PROBLEMA OBJETIVOS Objetivos gerais Objetivos específicos JUSTIFICATIVA PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Caracterização da pesquisa Teoria para coleta e análise de dados LIMITAÇÕES DA PESQUISA ESTRUTURA DE PESQUISA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA COMÉRCIO INTERNACIONAL A ESTRUTURA E OS ACORDOS DA OMC BARREIRAS TARIFÁRIAS BARREIRAS NÃO TARIFÁRIAS AS BARREIRAS TÉCNICAS NO COMERCIO INTERNACIONAL COMERCIO EXTERIOR ESTRUTURA DO COMÉRCIO EXTERIOR Órgãos Gestores Órgãos Anuentes IMPORTAÇÃO Habilitação da empresa Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros - (RADAR) Sistema Integrado de Comércio Exterior (SISCOMEX) Licenciamento automático Licenciamento não automático ETAPAS DOPROCESSO DE IMPORTAÇÃO Negociações na Importação Fornecedores... 45

9 Incoterms Documentos utilizados no Comércio Exterior Classificação Fiscal Modalidade de Transportes Internacionais Contratação de Câmbio Tributos Incidentes na Importação Imposto de Importação (I.I) Imposto Sobre Produtos Industrializados (I.P.I) PIS/COFINS Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) Processo de Despacho Aduaneiro Custos que incidem no processo de Importação APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DE DADOS ENTRAVES E RISCOS QUE INCIDEM NA IMPORTAÇÃO Licenciamento de Importação Preço Mínimo das NCM`s Tributos na Importação Câmbio Medidas de Defesa Comercial Canais POSIÇÕES DAS EMPRESAS IMPORTADORAS PERANTE AS MEDIDAS APLICADAS NA IMPORTAÇÃO DE CONFECÇÕES NO PERÍODO DE 2011 A MUDANÇAS OCORRIDAS EM PROCESSOS DE IMPORTAÇÃO DE CONFECÇÕES NO PERÍODO DE 2011 A 2013 REALIZADAS POR UMA TRADING COMPANY CONSIDERAÇÕES FINAIS SUGESTOES DE NOVOS ESTUDOS REFERÊNCIAS... 88

10 9 1 INTRODUÇÃO O fenômeno da globalização criou-se a partir de uma revolução tecnológica que provocou mudanças estratégicas para diversos atores internacionais a fim de interligar os mesmos de uma forma mais transparente e promover um comércio mais abrangente. A globalização é um fenômeno importante que todos devem considerar, independente do nível de relacionamento com mercados externos, pois no mundo contemporâneo, tudo está interligado e pode ser considerado interdependente. Com essa visão global, tem-se o comércio internacional, que é o intercâmbio comercial entre empresas de distintos países, pois, de forma geral nenhum país é considerado auto-suficiente. A partir desses fatores, as empresas buscam utilizar seus recursos da melhor forma possível para poder competir no mercado global, e perante isso, novas estratégias de atuação são desenvolvidas no que tange o comércio internacional. Na perspectiva deste cenário, o presente trabalho busca analisar as exigências impostas pelo Brasil ao tratar de importação de produtos de confecções provenientes da China. Tal trabalho aponta questões e identifica as barreiras nas importações brasileiras impostas no período de 2011 a 2013, verificando se houve mudanças significativas neste período que facilitassem ou que dificultassem as compras brasileiras dos referidos produtos. É notável a falta de conhecimento sobre importação por parte de empreendedores que possuem empresas de pequeno e médio porte. Devido ao desconhecimento, muitas organizações perdem a oportunidade de fazer da importação uma alternativa de redução de custos para seus negócios, ou ainda, uma possibilidade de melhoria em seus serviços. Nas práticas de importação existem barreiras que as empresas importadoras encontrarão, algumas são barreiras impostas pelo governo, outras são desconhecimento por parte das empresas. Portanto, faz-se necessário levantar quais as percepções das empresas importadoras, com relação a facilidade ou a dificuldade de importar produtos do setor de confecções. Desta forma, o presente trabalho de conclusão de curso abordará uma análise das importações, com o foco de verificar se há um aumento nas barreiras de importação no setor de confecções, entre o período de 2011 á 2013.

11 EXPOSIÇÃO DO TEMA E DO PROBLEMA O presente estudo tem como tema de pesquisa os entraves e riscos da importação, limitando-se ao processo operacional aplicado no setor de confecções no Brasil, mais especificamente, em duas empresas que possui um grande fluxo no ramo de confecções provenientes da China. A China atualmente é um dos maiores exportadores mundiais 1. Atribui-se esta posição a diversos fatores como a negociação ágil dos chineses nos negócios internacionais, o uso do dólar como moeda comercial juntamente com a queda do valor do mesmo, as inúmeras fábricas de marcas mundialmente conhecidas instaladas no país, mas principalmente pela prática de preços muito baixos na venda de produtos exportados. O comércio exterior surge como uma oportunidade de negociação através do intercâmbio comercial entre as empresas, e a importação é um dos principais meios para amenizar tais necessidades, visto que muitos países são reféns uns dos outros e a importação é um dos principais meios para amenizar tais necessidades. É notável que a capacidade de produção de cada país se difere uns dos outros, uma vez que, não é toda nação que tem espaço, tecnologia ou clima favorável a produção de todos os produtos necessários para sua subsistência. Por estas razões, às vezes torna-se necessário e mais vantajoso importar, acirrando a competitividade entre os países produtores e diminuindo os custos para os importadores. A importação é um dos meios para acessar novos canais de fornecimento no mercado externo e é por isso que se faz necessário realizar um estudo das barreiras e riscos, que poderem ocorrer ao longo desse processo. Conseguir vantagens competitivas faz parte da sobrevivência das empresas, uma vez que os consumidores estão cada vez mais exigentes em questões básicas como qualidade, preço e prazo de entrega. Para isso, os empresários buscam alternativas que viabilizem seus negócios. O presente trabalho consistirá em uma importante via de aprendizado e de negócio, abrangendo um estudo de comércio internacional com a finalidade de compreender os possíveis entraves que podem ocorrer na importação 1 Somente em 2009 a China exportou USD 1,2 trilhão.

12 11 especificamente no setor de confecções. Sendo assim, o estudo tem como problema de pesquisa o seguinte questionamento: Ocorreu um aumento de barreiras nas importações brasileiras do setor de confecções, no período de 2011 a 2013? 1.2 OBJETIVOS A seguir, serão delineados o objetivo geral e os objetivos específicos do trabalho de conclusão de curso, determinando assim o conteúdo e delimitando seu propósito Objetivos gerais O objetivo geral do presente trabalho será verificar se houve um aumento de barreiras nas importações brasileiras do setor de confecções, no período de 2011 a Objetivos específicos Os objetivos específicos a serem alcançados pelo estudo serão: Identificar quais as exigências brasileiras adotadas para importação de produtos de confecções, no período de 2011 a 2013, de forma a checar se houveram mudanças; Apontar qual é a percepção de empresas importadoras, quanto à facilidade ou dificuldade de importar produtos de confecções entre 2011 e 2013; Identificar quais as mudanças ocorridas em um processo de importação de produto de confecções, realizadas por uma trading company 2, no período de 2011 a JUSTIFICATIVA A pertinência do tema desta pesquisa consiste na necessidade de um estudo sobre como as empresas importadoras, mais especificamente como os 2 empresa comercial importadora

13 12 importadores indiretos, convivem com as barreiras e exigências impostas pelo governo brasileiro no setor de confecções. A principal justificativa para a escolha do tema do presente estudo foi o desejo de aprofundar o conhecimento na área de importação, tendo como foco principal conhecer todas as probabilidades de riscos e barreiras que os importadores indiretos sofrem para nacionalizar seus produtos comprados no exterior, e analisar como estes enfrentam as supostas exigências. Além de o comércio exterior ser a área de atuação da autora, a razão que motivou esse estudo foi o interesse de compreender e aprofundar, a fim de checar se os conhecimentos empíricos acerca das dificuldades encontradas em processos de importação de fato se configuram como barreiras comerciais. E assim poder analisar e minimizar os potenciais impactos que os importadores poderão ter. Além disso, aprender, praticar e aplicar os conhecimentos aprendidos no decorrer da graduação e avaliar na prática o processo de importação propiciará avanços para o desenvolvimento profissional da autora. Para os acadêmicos de Relações Internacionais, estudar e compreender um processo de importação e seus problemas enfrentados decorrentes de barreiras comerciais busca abrangerem um maior conhecimento e de forma geral para pequenas e grandes empresas, tendo em vista que em um mundo cada vez mais globalizado, o comércio exterior é uma das principais áreas que norteiam esse mercado global. Entender o procedimento de importação e seus riscos faz com que o estudante melhore seus conhecimentos em relação ao assunto e possa atuar com mais propriedade nesta área. Assim como os acadêmicos, a academia também se beneficiará deste estudo, pois uma contextualização do tema será oferecida sob bibliografias reconhecidas e dos conteúdos obtidos no decorrer do curso de graduação em Relações Internacionais. O estudo planeja servir de fonte de pesquisa para os leitores, estudantes e profissionais da área, que tenham interesse em conhecer uma análise nas limitações e dificuldades na importação de produtos de confecções, e todas as etapas e procedimentos de uma importação, tendo como foco principal a apreciação das barreiras comerciais. Visto que a maioria das micro e pequenas empresas brasileiras não possuem conhecimento na área do comércio exterior, o tema para a sociedade atual é importante, pois pode auxiliar as empresas e principalmente aos potenciais

14 13 importadores a conhecer como ocorre o processo de importação e a desvendar as dificuldades com a importação de seus produtos, e assim desmistificar a complexidade de operar o comércio exterior. Uma vez conhecido e desmistificado as empresas podem se encorajar a buscar novas alternativas de negócios além das fronteiras nacionais. Por meio deste estudo, busca-se apresentar ao leitor um conhecimento mais profundo do assunto barreiras comerciais na importação de confecções da China, e assim o mesmo poderá ser utilizado como referência para futuros empresários e profissionais que queiram empreender neste tipo de negócio em suas empresas. 1.4 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Os itens descritos na seqüência pretendem esclarecer quais serão os métodos utilizados para a realização desta pesquisa e de que forma serão aplicados, a fim de atingir os objetivos predeterminados neste Trabalho de Conclusão do Curso de Relações Internacionais Caracterização da pesquisa De acordo com os objetivos apresentados no trabalho, consegue-se classificar a pesquisa como sendo descritiva, pois é aquela em que descreve as características de um objeto de pesquisa já conhecido, mas sem manipular os dados além da descrição. É também uma pesquisa de caráter exploratório, pois se utiliza de levantamento bibliográfico e documental para obter maior conhecimento do objeto de estudo. Segundo Gil (2002, p. 41), as pesquisas descritivas têm como objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou, então, o estabelecimento de relações entre variáveis. O intuito da pesquisa descritiva se assemelha com as pesquisas exploratórias, pois esta também serve para proporcionar uma visão do problema, identificar suas características e ainda se preocupa com a atuação prática (GIL, 2002). Para tal serão utilizadas técnicas de coleta de dados, a fim de solucionar o problema da pesquisa em questão, conforme será apresentado no tópico 2.2.

15 14 O objeto de estudo visa analisar quais as barreiras enfrentadas na importação brasileira no setor de confecções provenientes da China, e com isso buscar-se-á estabelecer um trabalho de conclusão de curso que avalie quais as barreiras encaradas e apresentar as etapas de importação desse procedimento. Com a análise do estudo, faz se com que se obtenha uma abordagem predominantemente qualitativa do problema. A respeito da abordagem qualitativa, segundo Moresi (2003, p.70): Consistem de descrições detalhadas de situações, eventos, pessoas, interações, comportamento observado; citações diretas das pessoas acerca de suas experiências, atitudes, crenças e pensamentos; e extratos ou passagens inteiras de documentos, registro de correspondência e históricos de casos. Vale ressaltar que, para Fachin (2003), a abordagem e pesquisa qualitativa são caracterizadas por seus aspectos descritivos, mas também não se relacionada apenas por aspectos mensuráveis. O presente trabalho também se caracteriza como um estudo de caso múltiplo, onde serão analisados duas empresas mais uma trading company no período de 2011 a O estudo de caso pode apontar diferentes propósitos, tais como Gil (2002, p.54) cita: (1) explorar situações da vida real cujos limites não estão claramente definidos; (2) descrever a situação do contexto em que está sendo feita determinada investigação; (3) formular hipóteses ou desenvolver teorias; e (4) explicar as variáveis causais de determinado fenômeno em situações muito complexas que não possibilitam a utilização de levantamentos e experimentos. No que tange o estudo de caso, Gil (2002, p.54) argumenta que este consiste no estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos, de maneira que permita seu amplo e detalhado conhecimento, tarefa praticamente impossível mediante outros delineamentos já considerados. Sendo assim, este é realizado quando se deseja obter um conhecimento mais profundo do objeto pesquisado, investigando um fenômeno dentro de um contexto real. O raciocínio dedutivo tem a finalidade de explicar o conteúdo das premissas. Por intermédio de uma cadeia de raciocínio em ordem descendente, de análise do geral para o particular, chega a uma conclusão. Usa o silogismo, construção lógica para, a partir de duas premissas, retirarem uma terceira

16 15 logicamente decorrente das duas primeiras, denominada de conclusão (GIL,1999; LAKATOS; MARCONI, 1993). O método indutivo consiste na adoção da seguinte linha de raciocínio: quando os conhecimentos disponíveis sobre determinado assunto são insuficientes para a explicação de um fenômeno, surge o problema. Para tentar explicar a dificuldades expressas no problema, são formuladas conjecturas ou hipóteses. Das hipóteses formuladas, deduzem-se conseqüências que deverão ser testadas ou falseadas. Enquanto no método dedutivo se procura a todo custo confirmar a hipótese, no método hipotético-dedutivo, ao contrário, procuram-se evidências empíricas para derrubá-la (GIL, 1999, p.30). A pesquisa qualitativa é geralmente associada à pesquisa exploratória interpretativa, enquanto a pesquisa quantitativa é associada a estudos positivistas confirmatórios (WILDEMUTH, 1993). No que descreve a pesquisa ou método científico, geralmente é definido como quantitativo ou qualitativo em função do tipo de dados coletados. A pesquisa qualitativa é indutiva, isto é, o pesquisador desenvolve conceitos, idéias e entendimentos a partir de padrões encontrados nos dados, ao invés de coletar dados para comprovar teorias, hipóteses e modelos preconcebidos (RENEKER, 1993). Na pesquisa quantitativa normalmente se mostra apropriada quando existe a possibilidade de medidas quantificáveis de variáveis e inferências a partir de amostras de uma população. Esse tipo de pesquisa usa medidas numéricas para testar constructos científicos e hipóteses, ou busca padrões numéricos relacionados a conceitos cotidianos. Em contrapartida, a pesquisa qualitativa se caracteriza, principalmente, pela ausência de medidas numéricas e análises estatísticas, examinando aspectos mais profundos e subjetivos do tema em estudo. (Dias, 1999) Teoria para coleta e análise de dados Para realizar a presente pesquisa, foi utilizada pesquisa de caráter exploratório e descritivo, utilizando de dados primários e secundários, visando o desenvolvimento do trabalho com diferentes formas de se aproximar do objeto de estudo. Os dados foram coletados através de: (a) Pesquisa bibliográfica fundamentada em livros e artigos científicos de diversos autores; (b) Pesquisa

17 16 documental se faz presente neste trabalho através de documentos oficiais, e documentos publicados pelos órgãos pertinentes deste assunto; (c) Pesquisa de campo efetuada por meio de entrevista com duas empresas importadoras de confecções, a fim de verificar os entraves e dificuldades enfrentados pelas mesmas. Para tal pesquisa, foi desenvolvido um questionário de perguntas a fim de analisar as medidas enfrentadas na importação de confecção de 2011 a 2013 visando à evidenciação dos reais acontecimentos na prática da importação antes e depois das medidas aplicadas pelo governo. 1.5 LIMITAÇÕES DA PESQUISA As dificuldades encontradas neste presente trabalho foram de dados como recolhimento integral dos impostos das NCM`s selecionadas para estudo dos anos de 2011 e 2012, informações mais completas referente ao incentivo fiscal de Santa Catarina e levantamento de dados como custos na operação de importação efetuada por uma empresa. 1.6 ESTRUTURA DE PESQUISA O presente trabalho será dividido em quatro partes visando ao entendimento geral e efetivo de seu conteúdo. O capítulo 1 traz os principais elementos da pesquisa, que são introdução, seguido do tema e problema, objetivo geral e os objetivos específicos, a justificativa, os procedimentos metodológicos empregados para a composição da pesquisa, além da sua estrutura. Na segunda parte da pesquisa é apresentado o capítulo 2, onde há a contribuição bibliográfica de autores, notícias, relatórios e temas pertinentes para a sustentação teórica do presente trabalho. No capítulo 3 são apresentadas as análises referentes aos objetivos específicos já apresentados pela autora. É a partir deste capítulo que a pergunta de pesquisa objetiva ser respondida e os dados, até então apresentados, serão analisados e comentados. E por fim no último capítulo, o 4, com base nos dados analisados a autora apresenta a conclusão de sua pesquisa.

18 17 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste item será exibida uma revisão da literatura relacionada ao assunto proposto, onde serão descritos os tópicos necessários à elaboração do estudo e o devido embasamento teórico para responder a pergunta de pesquisa. O texto inicia com a contextualização do comércio internacional tratando de seu conceito, criação, e teorias de comercio internacional. Será abordada também a organização e função da Organização Mundial do Comércio. Logo após, aborda-se o comércio exterior contextualizando sua procedência e o funcionamento de sua estrutura. Por fim, é apresentado o conceito, estrutura e funcionamento do processo de importação, para então abordar as barreiras enfrentadas no processo de importação, como objetivo de analisar se houve aumento ou diminuição na implantação de barreiras à importação, nos períodos de 2011 a 2013, e conseqüentemente avaliar as modificações que as empresas de importação, trading companies e importadores indiretos sofrem com essas mudanças. 2.1 COMÉRCIO INTERNACIONAL O comércio internacional é a troca de bens e serviços através de fronteiras internacionais. Na maior parte dos países, ele representa uma grande parcela do PIB. O comércio internacional esteve presente através de grande parte da história da humanidade, mas a sua importância econômica, social e política tornaram-se crescente nos últimos séculos. O desenvolvimento industrial, dos transportes, a globalização e o surgimento das corporações multinacionais, tiveram grande impacto no desenvolvimento deste comércio, e com isso desvendando o mercado mundial e oferecendo novas oportunidades e desafios. Soares (2004, p.3) analisa o comércio internacional como uma atividade multidisciplinar que mistura diversas áreas de conhecimento por agregar diferentes termos, práticas e técnicas agregadas a esta prática ao longo dos anos devido a mudanças econômicas e tecnológicas notadas no cenário mundial. Diante da influência da globalização, o comércio internacional vem se intensificando cada vez mais, acarretando no maior intercâmbio de bens e serviços com mais rapidez e conseqüentemente ocasionando o aumento da competitividade global.

19 18 Segundo Segre (2010, p.2): A expressão comércio internacional aplica-se ao intercâmbio de bens e serviços entre nações distintas, resultantes das especializações de cada nação da divisão internacional do trabalho. Seu desenvolvimento depende basicamente do nível dos termos do intercâmbio ou das relações de troca, que se obtém comparando o poder aquisitivo dos dois países que mantêm comércio entre si. Com a globalização, provocaram-se mudanças nas prioridades mundiais e atualmente buscam-se relações mais transparentes, assim como, trocas comerciais mais baseadas na competição do que na proteção (MALUF, 2000). Enfatiza-se que é importante que as empresas estejam atentas às mudanças causadas nos mercados internos e externos no que diz respeito à competitividade dos produtos, pois a concorrência está cada vez maior e faz-se necessário uma resposta ágil e eficaz para os novos desafios (SEGRE, 2010) O comércio internacional tem origem antiga, antes de Cristo, o descobrimento europeu das Américas e exploração da África e da Ásia no século XV, descobriram-se o fato e a junção de diferentes bens culturas e riquezas. Historicamente, através disso foi dado início a primeira teoria de comércio internacional: o mercantilismo. O mercantilismo tinha em vista que os estados conquistassem mais mercados e que resguardassem seus interesses comerciais. Com o estudo do mercantilismo, e a teoria de comércio internacional que expressa pode ser feito tendo como base qualquer um dos países que o praticaram, pois em essência seus fundamentos são os mesmos (DIAS; RODRIGUES, 2010.) Sucedido do mercantilismo foi dada seqüência a diversas outras teorias de comércio internacional. Desde então outros pensadores e estudiosos desenvolveram novas teorias econômicas e de comércio que foram se aprimorando até os dias atuais. O mercantilismo no século XVIII foi interrogado por pensadores que fixavam a diminuição da intervenção estatal e mais liberdade para seus comerciantes. Tal episódio ficou conhecido como liberalismo, esse levava como base a livre iniciativa individual e a concorrência, onde declarava que o Estado

20 19 precisaria apenas interferir em questões que lhe diziam respeito, assuntos onde a iniciativa privada obtivesse lucros era de interesse da sociedade. Para Dias e Rodrigues (2010, p. 57): O liberalismo econômico pode então ser compreendido com base na ausência do intervencionismo estatal na atividade econômica de um país. Isso representa a aceitação do comércio totalmente livre, sem tabelamento de preços ou barreiras alfandegárias, em que são encontradas empresas atuando segundo o regime da livre concorrência em nível global, em que os preços se formam em função de características do próprio mercado, como uma relação entre oferta de produtos, demanda de consumidores e eficiência das próprias empresas. Posteriormente a teoria do liberalismo, várias outras teorias foram desenvolvidas por outros pensadores e teóricos, sendo favorável a liberdade de comércio entre os países. Com o final da Guerra Fria nos anos 80, e o fim de um mundo bipolar, a economia mundial foi reestruturada, influenciando o fenômeno da globalização. Houve um progresso nas produções e divulgações de novas tecnologias, diminuíramse as distâncias geográficas entre os países, decorrente da facilitação do transporte e da comunicação entre países foi então notado um novo padrão de produção de comércio (THORSTENSEN, 2001). Com a globalização, o comércio internacional, causou expressivas mudanças estruturais ao redor do mundo, tornando as nações cada vez mais interdependentes, e eliminando as fronteiras. A economia mundial e o comércio internacional estão interligados, a economia mundial depende do comercio exterior para que haja seu desenvolvimento, devido à interligação dos países. Soares (2004, p.3) avalia o comércio internacional como uma atividade multidisciplinar, que mistura e agrega diversos campos de conhecimento em diferentes termos, práticas e técnicas agregadas ao longo dos anos devido a mudanças econômicas e tecnológicas notadas no cenário mundial. Dias e Rodrigues (2010, p.128) complementam essa afirmativa, alegando que: A expressão Comércio Internacional em seu sentido mais amplo se traduz nos dias de hoje nas significativas modificações estruturais ocorridas na economia internacional durante o século XIX. O advento da globalização, que pode ser caracterizada como um processo em que capitais e tecnologia privados, cujos titulares são grandes corporações empresariais, circulam em todo o globo independentemente

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Prof.Nelson Guerra Políticas Comerciais Conceito: São formas e instrumentos de intervenção governamental sobre o comércio exterior, e sempre

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

OMC: suas funções e seus acordos de comércio

OMC: suas funções e seus acordos de comércio OMC: suas funções e seus acordos de comércio Prof.Nelson Guerra Surgiu para combater o protecionismo criado pelos países no período entreguerras. O GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio) surgiu em 1947

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

participação de mercado em território estrangeiro. No caso da Suzano, o produto exportado foi a celulose. Por ser commodity, não requer certo padrão

participação de mercado em território estrangeiro. No caso da Suzano, o produto exportado foi a celulose. Por ser commodity, não requer certo padrão 5 Conclusão A partir deste estudo, foi possível observar como as teorias de internacionalização puderam explicar diferentes aspectos da expansão para a China das empresas estudadas. A teoria Poder de Mercado

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Sumário. (11) 3177-7700 www.systax.com.br

Sumário. (11) 3177-7700 www.systax.com.br Sumário Introdução... 3 Amostra... 4 Tamanho do cadastro de materiais... 5 NCM utilizadas... 6 Dúvidas quanto à classificação fiscal... 7 Como as empresas resolvem as dúvidas com os códigos de NCM... 8

Leia mais

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO Os Membros, Considerando que os Ministros acordaram em Punta del Este que "em seguida a um exame da operação dos Artigos do GATT relacionados

Leia mais

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Breve referência aos acordos da OMC OTC e SPS Sumário GATT Origem dos acordos OTC e SPS OMC funções e acordos Propósitos

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI CAIO AUGUSTO TAKANO MESTRANDO EM DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO USP ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO IBET PROFESSOR-ASSISTENTE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Especial Perfil Wesley Robert Pereira 08 de setembro de 2005 Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

Operador Econômico Autorizado - OEA

Operador Econômico Autorizado - OEA Operador Econômico Autorizado - OEA 26.08.15 Operador Econômico Autorizado - OEA Agenda 00:00 Quem Somos O que é OEA? Benefícios Fases de Implementação Requisitos Projeto Piloto - Fase 1 01:30 Fase 2 OEA

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex Prof.Nelson Guerra Órgãos acima + Ministério das Relações Exteriores. Conheça cada um deles CAMEX: Objetiva a formulação, adoção, implementação

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

Bruxelas, 18 de Março de 2002

Bruxelas, 18 de Março de 2002 Bruxelas, 18 de Março de 2002 O tratado da UE institui uma política comercial comum cuja execução é da competência da Comissão Europeia : A política comercial comum assenta em princípios uniformes, designadamente

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

WP Council 242/13 Add. 1

WP Council 242/13 Add. 1 WP Council 242/13 Add. 1 1 julho 2014 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 113. a sessão 22 26 setembro 2014 Londres, Reino Unido Atividades de rotina Programa de Atividades da Organização

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema 1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema Para se estudar os determinantes do investimento é preciso, em primeiro lugar, definir o investimento. Segundo Galesne (2001) fazer um investimento consiste, para uma empresa,

Leia mais

O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO

O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO A FÓRMULA DO SUCESSO PODE SER SIMPLES. A maioria dos corretores da bolsa sente dificuldade em atuar permanentemente com sucesso nos mercados financeiros.

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

Organização Mundial do Comércio I. Histórico

Organização Mundial do Comércio I. Histórico Organização Mundial do Comércio I Histórico No final da Segunda Guerra Mundial, diversos países resolveram reunir- -se, sob a influência norte-americana, para formular as diretrizes do sistema econômico-financeiro

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café ED 2180/14 15 maio 2014 Original: espanhol P Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café 1. O Diretor Executivo apresenta seus cumprimentos e, em nome da Colômbia, encaminha aos Membros

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 41 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFTN/1989 - ADAPTADA) Apurando-se o dano ou avaria: a)

Leia mais

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização Pesquisa de Mercado Aula 1 Prof. Me. Ricieri Garbelini Tópicos Abordados 1. Identificação do problema ou situação 2. Construção de hipóteses ou determinação dos objetivos 3. Tipos de pesquisa 4. Métodos

Leia mais

Introdução ao Comércio Internacional

Introdução ao Comércio Internacional Comércio Exterior Introdução ao Comércio Internacional Comércio internacional Comércio exterior é o conjunto das compras e vendas de bens e serviços feitos entre países. Quando um país vende um bem ou

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 1 1G203 - ECONOMIA INTERNACIONAL A regulação das trocas internacionais: do GATT à OMC 1.3 OMC: Objectivos e princípios. Perspectiva histórica da liberalização

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA. Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA. Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt PRINCIPAIS TÓPICOS A emergência da Diplomacia Económica e suas razões As mudanças

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

OMC Organização Mundial do Comércio

OMC Organização Mundial do Comércio OMC Organização Mundial do Comércio CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. SILVA, Luiz

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com Prof. Esp. Lucas Cruz www.proflucas.com O principal discípulo de Smith, David Ricardo, sofisticou um pouco mais essa teoria. Segundo ele, ainda que uma economia fosse mais eficiente em todos os produtos,

Leia mais

regulamentadores dos negócios internacionais

regulamentadores dos negócios internacionais 1.1 Operações e órgãos regulamentadores dos negócios internacionais DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo:

Leia mais

Tipo de raciocínio - Indutivo. Método de Pesquisa (continuação) Tipo de raciocínio - Indutivo

Tipo de raciocínio - Indutivo. Método de Pesquisa (continuação) Tipo de raciocínio - Indutivo Tipo de raciocínio - Indutivo Método de Pesquisa (continuação) Analisa-se um aspecto particular e se procura gerar proposições teóricas a partir dos dados (May,2004). A teoria se forma a partir da observação

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Elaboração do Projeto de Pesquisa

Elaboração do Projeto de Pesquisa Elaboração do Projeto de Pesquisa Pesquisa Pesquisa é um conjunto de atividades, que tem como finalidade solucionar e esclarecer dúvidas e problemas; comprovar hipóteses; Utiliza procedimentos próprios,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná.

COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná. COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná. 1.Introdução A cooperação sempre existiu na história

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente.

As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente. Capitulo 10: Tipos de exportação As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente. Diretamente: quando o exportador fatura e remete o produto ao importador, mesmo

Leia mais

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV &RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV 3RU 'HQLV &RUWL] GD 6LOYD $QGHUVRQ 1RYDHV 9LHLUD 5RGROIR )DUDK 9DOHQWH )LOKR 'DQLHO5XGUD)HUQDQGHV,QWURGXomR A criação da OMC (Organização Mundial do Comércio) foi um grandioso

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 Autor(es) LEONARDO GARCIA PAIS DE ARRUDA Orientador(es) ELAINE

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS. Estratégias

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS. Estratégias INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. 1 Variáveis das de Internacionalização Segundo

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS UNINORTE LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES PRÊMIO DE EMPREENDEDORISMO JAMES McGUIRE EDITAL DE SELEÇÃO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. O Prêmio James McGuire de Empreendedorismo é uma competição

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Abrange três componentes interdependentes: a visão sistêmica; o pensamento estratégico e o planejamento. Visão Sistêmica

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001 PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001 As perguntas abaixo têm o propósito de elucidar algumas dúvidas sobre a certificação da NBR 16001. 1. O que é a NBR 16001? A NBR 16001 tem a finalidade

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais