Do Discurso à Prática:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Do Discurso à Prática:"

Transcrição

1 Do Discurso à Prática: Uma Experiência de Comunidade de Aprendizagem Lynn Alves 126 Estamos interconectados com o mundo. É essa a sensação que temos ao sermos bombardeados de informações que são veiculadas pelas diferentes mídias impressas, televisivas e telemáticas. A Galáxia de Gutemberg vem sendo nos últimos quarenta anos invadida por uma nova forma de comunicar, de produzir conhecimentos e saberes a comunicação através das redes telemáticas e em especial a Internet que, desde das experiências iniciais da Arpanet (EUA) e Minitel (França), vem crescendo vertiginosamente, o que torna impossível apontar nesse momento dados numéricos deste crescimento que está em constante mutação. A aldeia global concebida por McLuhan e Powers (1996), nas décadas de 1960 e 1970, possui hoje uma outra configuração interativa, possibilitando a emergência de comunidades de aprendizagem. Para Rheingold, 2 essas comunidades se constituem em agregações sociais que surgem na Internet formada por interlocutores invisíveis que podem ter interesses que vão do conhecimento cientifico ao conhecimento espontâneo, utilizando esses espaços para trocas intelectuais, sociais, afetivas e culturais, permitindo aflorar os seus sentimentos, estabelecendo teias de relacionamentos, mediadas pelo computador, conectados a uma linha telefônica e um modem.

2 Ainda segundo o autor, as pessoas nas comunidades virtuais fazem quase tudo o que as pessoas fazem na vida real, mas deixam para trás nossos corpos. 3 Estes ambientes que surgem na década de 1970 são potencializados hoje pela Internet, caracterizando uma nova forma de viver que no dizer de Turkle seria a vida na tela. Nestes últimos tempos, o computador tornouse algo mais do que um misto de ferramenta e espelho: temos agora a possibilidade de passar para o outro lado do espelho. Estamos a aprender a viver em mundos virtuais. Por vezes, é sozinhos que navegamos em oceanos virtuais, desvendamos mistérios virtuais e projetamos arranha-céus virtuais. Porém, cada vez mais, quando atravessamos o espelho, deparam-se-nos outras pessoas (Turkle, 1995:11-2). A emergência destas comunidades podem configurar o que Lèvy (1994) denomina de uma inteligência coletiva, que se constrói no ambiente de rede, mediante uma necessidade pontual dos seres humanos, que intercambiam os saberes, trocando e construindo novos conhecimentos, estabelecendo assim, um laço virtual auxiliando os seus membros no aprendizado do que desejam conhecer. Ainda para este autor, esta inteligência não prescinde da inteligência pessoal, do esforço individual e do tempo necessário para aprender, pesquisar, avaliar e integrar-se a diversas comunidades, sejam elas virtuais ou não. Tranqüilizando os apocalípticos, Lèvy pontua que a rede jamais pensará por nós. É importante ressaltar que o processo de construção do conhecimento do coletivo para o individual não se constitui em uma abordagem nova, que emerge a partir da mediação das mídias telemáticas. Trata-se de uma perspectiva que vem sendo discutida desde a década de 1920 pela escola soviética (Luria, Leontiev), especialmente por Vygotsky (1995). Para este teórico, o desenvolvimento 127

3 128 e a aprendizagem ocorrem mediante um processo de internalização que se dá no decorrer das interações sociais mediadas por instrumentos e signos, que são elementos mediadores, os quais atuam no nível inter e intrapsíquico, respectivamente, possibilitando a transfiguração de funções psicológicas elementares em funções psicológicas superiores. Os saberes, informações e conhecimentos são socializados no coletivo (nível interpsíquico) e posteriormente o individuo dá significado a estas construções coletivas, internalizando novos saberes (nível intrapsíquico). Creio que esta deve ser a concepção que trafega nas comunidades de aprendizagem, existentes na Internet e construídas mediante interesses comuns dos sujeitos que interagem neste locus de aprendizagem. Contudo, apesar da proliferação dessas comunidades, percebe-se ainda a existência de resistências e dificuldades de convivência com estes espaços, que vejo como fruto, sobretudo, de três fatores: primeiro, porque os indivíduos têm que aprender a lidar com a diferença, o que sempre é algo complexo; segundo, porque esses ambientes exigem posturas autônomas (algo que a educação tradicional nunca incentivou); terceiro, porque necessitam interagir com suportes tecnológicos e ambientes digitais que, para muitos, ainda são realidades novas e distantes do seu cotidiano e de sua cultura. E, quando estas comunidades atendem a demandas da educação formal, percebemos uma acentuação dos fatores acima relatados, em função ainda de uma cultura e de uma concepção cristalizada da educação como um processo de assimilação de um conhecimento pronto que ainda persiste na maior parte dos alunos e professores, apesar dos discursos renovadores e dos avanços realizados nos processos de ensinar e aprender. Isso gera uma grande dificuldade desses sujeitos sustentarem o desejo de saber, indo além do senso comum, o que faz emergir, muitas vezes, uma nova categoria na educação: os evadidos online.

4 É importante ressaltar que as dificuldades acima pontuadas não se referem apenas às comunidades telemáticas, mas existem e persistem no cotidiano das relações presenciais, seja nos espaços de aprendizagem regular, isto é, instituições de ensino, seja nos diferentes espaços de aprendizagem, como a rua, por exemplo. Enquanto uma pesquisadora que busca estar atenta a minha práxis, venho procurando vivenciar situações de aprendizagem, nas quais possa aprender com o outro a ressignificar o meu fazer pedagógico, indo além da teorização. Isso fez com que emergisse o meu desejo de socializar uma experiência de comunidade virtual de aprendizagem vivida por mim e por um grupo de dezesseis alunos. Delineando a Proposta A experiência 4 surgiu a partir da realização de duas disciplinas (na modalidade de ensino presencial), denominadas Projeto Colaborativo de Aprendizagem em Rede e Educação a Distância, cada uma com trinta horas/aula, que se constituiram nas últimas disciplinas de um curso de especialização (pós-graduação lato sensu) em Informática e Educação, com carga horária total de 360 horas. O curso ofereceu disciplinas que objetivavam uma articulação teórica/prática e outras que enfatizavam a interação com os suportes tecnológicos. As disciplinas que ministrei tinham uma grande afinidade teórico/prática, por isso foram desenvolvidas de forma interligada, objetivando discutir os limites e possibilidade da construção coletiva de conhecimento em ambientes virtuais, contextualizando a modalidade de EAD desde da década de 1920 no cenário nacional e internacional, refletindo sobre compassos e descompassos das experiências realizadas utilizando as mídias digitais. Utilizamos os espaços da sala de aula convencional, do laboratório de informática conectado a Internet para realização das atividades 129

5 presenciais e elaboramos uma proposta de trabalho para os momentos não presenciais. Construção do Trabalho Online A nossa intenção foi construir coletivamente (sujeitos do processo: professor e alunos) um ambiente de aprendizagem utilizando as ferramentas free que encontramse disponibilizadas na Internet, para construção de comunidades de aprendizagem e realização de cursos a distância, vivenciando todas as dificuldades em interagir com estes suportes tecnológicos, bem como os limites de um curso a distância, a fim de propor novas possibilidades. 130 A Escolha das Ferramentas Atualmente existem na Internet uma infinidade de ferramentas que podem possibilitar a construção de comunidades de aprendizagem. Estes suportes devem ser escolhidos considerando o objetivo do projeto, buscando estabelecer interface com mais de uma ferramenta ao mesmo tempo, já que cada uma pode oferecer possibilidades diferentes. As ferramentas mais comuns são: As assíncronas, que se caracterizam por promover a comunicação em momentos distintos sem a presença dos sujeitos. Dentre estas, cito as seguintes: a) Listas de discussão objetivam agregar um grupo de pessoas que visam discutir uma determinada temática. O Yahoogrupos 5, o Grupos 6 e a Msn Grupos 7 oferecem hoje espaços para criação destas comunidades assíncronas, totalmente em português e autoexplicativos. A minha experiência tem mostrado que as listas vinculadas ao Yahoogrupos apresentam menos problemas de interface e mais possibilidades pedagógicas na medida em que os listeiros podem criar um ambiente para disponibilização

6 de textos, imagens, banco de dados, agenda, bate papo e realizar até enquetes com os seus membros. Neste espaço virtual, ficam disponíveis todas as mensagens enviadas pela lista, com o nome do remetente, o dia e o assunto, constituindo um grande banco de dados das discussões ocorridas, onde os interatores 8, podem resgatar as informações veiculadas sempre que tiver interesse. Além do ambiente do Yahoogrupos apresentar uma interface amigável, clean, o usuário pode configurá-lo para uma das oito matizes disponíveis. Um dos problemas do Yahoogrupos é que não podemos salvar as discussões da seção de bate-papo, para realizar esta tarefa é preciso utilizar a opção print scren, o que dificulta a interação posterior com as informações discutidas no chat. b) Blogs diários eletrônicos criados para os usuários construam suas anotações diárias pessoais, permitindo que os visitantes interajam com os seus discursos, ficando disponível para ser lido e comentado por qualquer pessoa ou apenas restrito ao seu proprietário. No Brasil, citamos o site da Globo.com 9 que oferece este ambiente totalmente em português e gratuito. c) Fórum 10 espaço criado para realizar discussões sobre uma determinada temática. Assemelha-se a uma lista de discussão, com a diferença de que os usuários tem acesso a todas as mensagens postadas, separadas por temas, metaforizando a concepção de árvore do conhecimento construída por Michel Authier e Pierre Lèvy 11. d) Whiteboard (quadro branco) espaço onde os usuários podem deixar avisos, textos, 131

7 imagens ou qualquer outro tipo de informação. Esta foi à única ferramenta que não foi utilizada durante as disciplinas. Estas ferramentas podem ser fechadas para um determinado grupo ou abertas para todos os usuários que trafegam na infovia da rede. e) Equitext 12 ferramenta criada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul que possibilita a construção de textos coletivos. Os usuários podem incluir, excluir, alterar e colocar observações nos parágrafos que vão sendo construídos coletivamente. É necessário enviar um para o suporte técnico, pedindo autorização para criar um texto. 132 As ferramentas síncronas, que se caracterizam por possibilitar a comunicação em tempo real. Destas, destacamos as seguintes: a) Chats 13 estas ferramentas são bastantes conhecidas e utilizadas nas comunidades de aprendizagem. Existem vários canais que possibilitam a realização de encontros on-line, inclusive criando salas particulares para a realização das atividades. Estes ambientes não exigem nenhum cadastramento anterior, os usuários escolhem o nickname ou apelido, digitam uma senha e podem entrar na sala. Atualmente existem ambientes que disponibilizam para o internauta a criação do seu próprio chat, sem necessidade de ter um servidor, como por exemplo: o ambiente da Msn.com.br e cjb.net 14, possibilitando assim, uma certa privacidade para um grupo de pessoas que desejam conversar sobre determinado tema sem a interferência de desconhecidos.

8 A realização dos chats com objetivos pedagógicos deve estabelecer algumas regras que serão construídas junto com o grupo, para possibilitar a participação de todos, bem como o atendimento das demandas dos usuários. Estas regras não têm o objetivo de tolhir ou inibir a participação dos sujeitos. Muito bem contrário; o objetivo é dar voz a todo o grupo, possibilitando a construção coletiva do conhecimento. b) Videoconferências - ferramentas que possibilitam a troca instantânea de discursos sonoros (falas) e imagéticos (vídeo), possibilitando que indivíduos que se encontram em ambientes separados possam realizar diálogos, vendo-se e escutando-se. Na Internet, existem alguns softwares que mediam as videoconferências, a exemplo do Netmeeting, embora estas experiências ainda se encontrem limitadas por conta da velocidade da conexão das redes. c) Softwares de mensagens instantâneas - programas (geralmente gratuitos) que permitem que um grupo de pessoas cadastradas numa rede possam identificar aqueles que se encontram online naquele instante e permitem envio instantâneo de mensagens, abertura de chats exclusivos, diálogos com trocas de sons, compartilhamento de imagens de vídeo, envio de s, troca de arquivos. Dentre os mais difundidos atualmente, temos o ICQ, o YahooMessenger, o MSN Messenger, o AOL Messenger, dentre outros. A partir da análise destas ferramentas, selecionamos os suportes que utilizaríamos durante nossas atividades a distância. 133

9 A nossa comunidade de aprendizagem teve como interface as ferramentas do Yahoo (que disponibilizou os serviços de agenda, chat, lista de discussão, banco de textos e imagens), do Equitext (que possibilitou a construção coletiva de textos), o Blog da Globo.com (nosso diário de bordo virtual, onde foram registrados os aspectos subjetivos que emergiram durante a experiência), o fórum (onde fizemos a tentativa de dar continuidade às discussões teóricas iniciadas na sala de aula presencial e na lista de discussão) e o chat (que se constituiu em mais um espaço síncrono para discussão teórica). As duas disciplinas do curso, já referenciadas anteriormente, possuíam uma home page inicial construída por mim e com links para todas as ferramentas relacionadas acima, incluindo o item Trilhas que tinham uma vinculação com a página Educação a distância: limites e possiblidades. Em conjunto com os alunos, foram estabelecidos pontos teóricos 17 que foram escolhidos por estes sujeitos, a fim de construir novas páginas, utilizando o Front Page para subsidiar a discussão das temáticas. 134 Premissas da Proposta Para realização da nossa empreitada pedagógica, foram estabelecidas as seguintes premissas: 1. Todos nós podemos modificar as produções dos colegas, desde que solicitemos previamente autorização dos mesmos. A autorização poderia ser feita através do Forumnow 18 ou da lista de discussão. 2. Cada aluno deverá ser responsável por pelo menos uma página em html sobre a temática discutida, isto é, Educação a distância: limites e possibilidades e apresentar três inserções na página de outra pessoa. 3. As páginas deverão ter links com a página inicial e com outros sites disponíveis na Web. 4. Todos os envolvidos no projeto terão a senha

10 para alimentar as páginas, modificando-as, linkando-as, enfim construindo um grande hipertexto sobre a temática referenciada. 5. As páginas serão hospedadas no site do GeocitiesYahoo Construiremos um Blog, nosso diário de bordo virtual, onde falaremos sobre o processo subjetivo de construção dessa experiência. 7. Realizaremos encontros no chat com o objetivo de discutir as questões ligadas à temática. Para tanto, estabeleceremos algumas regras a fim de alcançarmos nossos objetivos. 8. As ferramentas indicadas no menu do ambiente do Yahoogrupos (Agenda, Favoritos, Banco de Textos, Banco de Imagens, Enquete e Banco de dados) serão exploradas por todos os cursistas, sendo que cada aluno ficará responsável pela manutenção de uma ferramenta. A distribuição desta tarefa será realizada presencialmente em data a ser estabelecida. Obs: Todos poderão contribuir nos diferentes espaços, mas sempre haverá alguém responsável pela manutenção de um deles. 9. Todas as ferramentas elencadas acima deverão ser contempladas e utilizadas durante o curso. Os alunos e professor terão liberdade para criar outros itens no menu. 10. E finalmente, todos os envolvidos no projeto terão uma senha de acesso que será divulgada em data a ser estabelecida. Como já foi dito anteriormente, por conta da afinidade entre as duas disciplinas todo o trabalho foi interligado e contínuo. A nossa intenção era discutir as questões ligadas a ambientes de aprendizagem e EAD, vivenciando, experimentando, teorizando, dando significado a partir da prática, exercitando a ação/reflexão. No entanto, tivemos 135

11 uma longa caminhada e penso que o desafio não foi concretizado. Por que? Esta pergunta, que esteve presente em muitos momentos de nossa caminhada, foi socializada com os alunos, com quem busquei a interlocução, na tentativa de implicálos no processo, de encontrar soluções, alternativas para as dificuldades que afloravam a cada instante. Mas O Caminho Trilhado... Estávamos vivendo um momento diferente das disciplinas anteriores, na medida em que, além das aulas presenciais, realizávamos atividades a distância, adotando uma metodologia que exigia a participação ativa dos sujeitos, indo além da mera transmissão de informações. Nos encontros presenciais, discutíamos os textos, esclarecíamos as categorias teóricas e metodológicas que pautaram a proposta de trabalho e interagíamos com os suportes tecnológicos, já que três alunos não dispunham de computador conectado a Internet em casa para participar das atividades propostas, limitando-se ao laboratório da instituição. É interessante pontuar que, apesar de já estarem no final de um curso de especialização cujo objeto era a articulação tecnologia e educação, havia sete alunos que apresentavam muita dificuldade para utilizar os elementos tecnológicos, embora o curso tenha contemplado disciplinas que visavam essa instrumentalização A dificuldade de acesso e de interação foram aspectos que dificultaram o alcance dos objetivos propostos, mas não podemos deixar de sinalizar que, no laboratório, os pares que tinham afinidade se ajudavam mutuamente, resgatando a perspectiva vygotskiana de que se aprende com o outro que atua na zona de desenvolvimento proximal, mediando as relações. Este outro, aqui compreendido não só como sujeito, mas ainda como instrumentos e signos que também atuam como elementos mediadores no processo de apropriação da técnica.

12 O grupo era composto por apenas dezesseis pessoas, de faixa etária que variava entre 22 e 50 anos, com formação nas áreas de letras, história, biologia, geografia, pedagogia e informática. Apesar de ser um grupo pequeno, havia momentos de desintegração entre eles, fato que vinha ocorrendo ao longo de todo o curso, intensificados nas disciplinas finais, que tinham como premissa a construção coletiva do conhecimento, já que enfatizavam a colaboração, exigindo dos sujeitos do processo de ensinar e aprender o exercício do seu papel de interator. O Revés do Processo Para realizar o exercício de aprender com o diferente e romper com o modelo de prática tradicional, centrada no discurso do professor, tentamos concretizar um processo de troca que tinha como base a comunicação síncrona e assíncrona. Contudo, a experiência de produzir coletivamente apontou diferentes reveses em cada ferramenta utilizada, como podemos ver na análise abaixo. Equitext: A Menina dos Olhos A proposta foi construir, no Equitext, um texto sobre ambientes colaborativos, tentando articular a vivência dos envolvidos e os referenciais teóricos sobre a temática, dando coerência e coesão ao discurso. Porém, esse objetivo não foi atingido, apesar de ter sido registrado cinqüenta e seis participações e inferências dos alunos, durante a construção, pois a produção se configurou em uma grande colcha de retalhos, fato este que foi apontado pelos próprios sujeitos do processo, no Blog, na lista de discussão e no fórum. Todavia, apesar da consciência que alguns alunos tinham do subaproveitamento da ferramente, eles não se sentiam à vontade ou mobilizados para ir construindo os nós de sentido na experiência de escrita coletiva, embora fossem constantemente incentivados a fazê-lo. Esta situação caracterizava uma certa passividade frente a algo que os incomodava, mas não o suficiente que 137

13 eles propusesse ou realizassem mudanças. Somente no fórum (espaço destinado às discussões teóricas, que não ocorreram) foram postadas cinqüenta e uma mensagens, sendo que vinte e duas registravam a fragmentação do texto coletivo. O que pode ser percebido nos seguintes discursos: 20 Sujeito 1 Pessoal, acho que precisamos rever as colocações no Equitext. Talvez fazer uma revisão no texto inteiro, de forma que todos participem. O que acham? Sujeito 2 Por que aquele que detecta o erro não faz o conserto? 138 Sujeito 3 Concordo plenamente mas efetivamente o que faremos princesa? Sabe de uma? Poderíamos em sala brincar de quebra cabeças, cada grupo de alunos montaria uma ordem e no final fecharíamos com texto mais coeso.uma aula presencial diferente com o Equitext. Ops... será que Professor e vcs aceitariam como sugestão? Talvez não tenhamos tempo... Daria certo com os alunos?.o vc pensa. Desculpe demorar de responder. Apenas o sujeito 3 tentou reconstruir o texto, imprimindo-o e recortando os parágrafos, como se fosse um grande mosaico de idéias. Os demais se mantiveram no nível da queixa, inclusive sinalizando que o professor deveria fazer essa reestruturação, como aponta o Sujeito 4: Concordo com vc, porém o nosso tempo neste momento é muito curto. Será que a análise final do material não deveria ser feita por um orientador, de modo a verificar o que está fora ou não do contexto? Esta analise poderia ser feita via , além de indicar um material que sirva como base teórica. Na verdade, os alunos não imergiram na lógica da ferramenta, que exige uma interlocução coletiva, onde todos

14 podem modificar o texto de todos, não existe uma única autoria, isto é, não existe o meu texto, mas o nosso texto. Os parágrafos, embora sejam adicionados individualmente, sinalizando o nome, dia e horário de quem introduziu a última modificação, podem (e devem) ser modificados e não pertencem a ninguém em especial, mas ao grupo responsável pelo texto. Embora os alunos não tenham interagido com a lógica do Equitext, esta ferramenta ocupou o lugar da grande descoberta, na medida que estes faziam questão de apontar, nos momentos presenciais e a distância, o potencial da mesma. Sujeito 3 O Equitext entretanto foi o menino dos meus olhos; apesar de não ter acessado um monte de vezes descobri logo um monte de coisas; demorei de escreve lo e fiquei chateada porque ele ainda estava aberto hoje vou tentar não escrever HyperCiber paper (Neologismo do texto do equi com os caminhos que decidi). Sujeito 5 Minha principal descoberta, foi o Equitext. Foi realmente incrível trabalhar com essa ferramenta. É interessante (e sintomático) o fato de uma ferramenta mobilizar tanto os sujeitos, pela novidade, pela riqueza e pela possibilidade de uma escrita coletiva, e, ao mesmo tempo, ser tão pouco explorada por eles próprios. É mais interessante ainda refletir sobre como esses alunos (também professores) podiam vislumbrar uma série de aplicações (ricas) da ferramenta com os seus alunos e se relacionar com a sua dificuldade de interação. Esse peradoxo me trazia a dúvida: Seria possível professores que não conseguem vivenciar a experiência de produzir no coletivo, respeitando a diversidade, conseguirem, com seus alunos, concretizar tal desafio? Não estariam estes professores sendo incoerentes com o discurso? 139

15 140 O Blog como a Grande Vedete É interessante pontuar como os sujeitos do processo de ensinar e aprender sentem-se mobilizados para falar de si mesmos, de suas angústias, dificuldades, de registrar a queixa, de exibir-se. O Blog ocupou no imaginário dos discentes do curso um espaço de prazer. Inicialmente, a participação era tímida, frases rápidas e recadinhos, que foram passando por uma nova configuração mediante a participação dos pares. O sujeito 3 que, desde adolescente, tinha o hábito de escrever no seu diário, começou a fazer os registros, seguindo a lógica dos diários adolescenciais, inserindo imagens, poemas, frases, e muito texto. Esta prática começou a ser imitada por outros membros do grupo. Mas não se tratava apenas uma cópia, reprodução do que o outro estava fazendo, mas de uma ressignificação do que vinha sendo feito, com a marca pessoal de cada sujeito do processo. O Blog se constituiu em mais um espaço para denunciar os entraves que imobilizaram a participação coletiva do grupo, em geral relacionados com suas dificuldades de relacionamento. Sujeito 6 Os destemperos emocionais, os psíquicos difíceis contribuíram de forma negativa muitas das vezes. Todavia de tudo existem dois lados. O processo de aprendizagem durante todo o ano, que convivemos juntos, foi fantástico. Nunca seria possível descobrir como viver com o diferente é tão complicado e, por conseguinte como precisamos nos educar para isso Ou ainda Sujeito 7 Todavia não posso afirmar que os problemas de convivência, nesta turma, tenham sido superados. Perdemos um tempo precioso e tenho convicção de que a produção coletiva teria sido bem melhor caso as

16 relações interpessoais se constituíssem de uma forma mais amadurecida. Que pena!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! 21 O exercício de escuta, de tolerância e de aceitação do outro neste grupo ainda está em processo de gestação, embora a nossa experiência tenha se constituído em um grande exercício para todos nós. O descompasso das relações interpessoais no grupo intensificou a dificuldade de construir coletivamente, onde todos os sujeitos pudessem intervir e interferir na produção do outro, culminando com a produção de conhecimento e sentido nos ambientes virtuais, mediante essas trocas interativas. Havia uma preocupação em se posicionar frente às informações que foram disponibilizadas no fórum, no Blog, na lista de discussão, no equitext e na página em html construída por cada sujeito e disponibilizada na rede, já que não sabiam conviver com a diferença, com a interlocução do outro. Por isso, o sujeito 3 fez a reconfiguração do texto fora da ferramenta, a fim de evitar novos embates, já que interferir no texto do outro poderia significar desqualificação daquele que fez a primeira escrita. A dificuldade de lidar com a crítica e se defrontar com o seu não-saber paralisava estes sujeitos, colocando-se em posições bem ambivalentes, já que não conseguiam alcançar os objetivos da proposta nem em nível individual nem no coletivo. Contudo, depois dos primeiros e tímidos contatos com o Equitext e o Blog, começaram a participar, contribuindo com o seu olhar mesmo que descontextualizado do todo. Da Reinvenção da Roda à Construção de Sentidos A lista de discussão, o fórum e o chat deveriam se caracterizar como ambientes para estabelecer discussões teóricas, contudo, elas não aconteciam apesar das constantes chamadas realizadas por mim, sinalizando uma dificuldade em pensar teoricamente sobre os problemas que 141

17 envolvem a prática pedagógica em ambientes de aprendizagem, acentuando, assim, um fato que observamos cotidianamente na nossa prática enquanto professores: a dificuldade que os alunos têm de ler, sistematizar e escrever, respaldado por um conhecimento já construído teoricamente. Prefere-se inventar a roda, circulando sempre num discurso vazio de significado. Surgem, assim, questões como: onde anda o desejo destes sujeitos em aprender? O que os leva a buscar cursos de especialização quando não existe o desejo de aprofundar teoricamente os seus conhecimentos? Somente a necessidade do título? Como transpor o discurso da queixa, do desagrado das aulas em uma perspectiva tradicional que se limita à transmissão de informações, para emergir uma proposta que ocupe um lugar diferente, de sujeitos autônomos? Segundo Preti 142 ter autonomia significa ser autoridade, isto é, ter força para falar em próprio nome, poder professar (daí o sentido de ser professor) um credo, um pensamento, ter o que ensinar a outrem, ser possuidor de uma mensagem a ser proferida. Em outras palavras, é ser autor da própria fala e do próprio agir. Daí a necessidade da coerência entre o dizer e o agir, entre a ação e o conhecimento, isto é, não separação desses dois momentos interdependentes (2000:131). Por que é tão difícil professar as concepções, os desejos? Percebe-se nas comunidades de aprendizagem a existência de sujeitos que optam por apenas observar o que acontece, exercitando assim a sua pulsão escópica, o seu desejo de ver. Freud (1976) diria que esta pulsão é fundamental para despertar o desejo de saber. Contudo, o desejo de saber do grupo envolvido no trabalho não foi mobilizado, indo de encontro à perspectiva do autor.

18 Quando questionados sobre a sua não implicação no processo, eles se calavam. Mas estabeleci como exigência para concluir a avaliação quantitativa das disciplinas um posicionamento quanto a este aspecto no Blog e aí foram relatadas diferentes justificativas, como por exemplo: Sujeito 8 Exercitei pouco a minha autonomia. Infelizmente toda a riqueza de potencialidades do ambiente disponibilizado não foi por mim explorado. Isto prova que existência dos meios é condição necessária mas não suficiente 22. Além disto, ressalta-se que o apoio, orientação e estímulos para despertar a motivação sempre estivem presentes por parte do facilitador. O que faltou? E onde ficou a colaboração? Quase não colaborei comigo imagine com os outros. Tínhamos todas as condições disponíveis. Sinto que se houvesse maior tempo os resultados seriam melhores. Mas tempo é uma questão de prioridade. Não pude priorizar. Alguns compromissos profissionais incluindo deslocamentos em viagens afetaram-me. O tempo realmente ficou curto. Mas a semente foi plantada. Vencido o obstáculo citado não enxergo outro que possa me atrapalhar. Vamos a luta companheiro!!! Sujeito 9 Nem sempre a oportunidade que nos surge de sermos autônomos no que fazemos, nos é agarrada com tanta sabedoria e grandeza. Por muitas vezes por questões de não estarmos habituados com esta nova concepção ou novas mudanças, ou por problemas particulares que não nos permitem fazer tudo o que queremos. Vários foram os obstáculos que impediram o meu avanço nas disciplinas Ensino Colaborativo e EAD. A proposta inovadora, no início não causa impacto, digo, aquela pressão típica na execução das tarefas para conclusão de uma disciplina. Mas, ao decorrer das aulas 143

19 presenciais pude perceber que além de ser algo inovador, que vinha para quebrar as amarras da Educação tradicional, era algo em que eu poderia estar livre para extravasar meus potenciais Sujeito 8 Belíssimo Diário, fui convidada a refletir sobre minha autonomia intelectual nestas disciplinas o que me fez pensar sobre essa grande conquista almejada por todo ser humano. Confesso que fiquei bastante mobilizada, pois percebi que não me sinto intelectualmente autônoma para discursar ou até mesmo usar meus conhecimentos sobre NT autonomamente. Porém descobri que minha capacidade intelectual foi bastante ampliada após essas disciplinas o que me permite afirmar que tudo que aprendi será usado como conhecimentos prévios para novas descobertas que, com certeza, continuarei a buscar. (...) Carinhosamente, 144 Os relatos dos sujeitos envolvidos no processo (apenas dois alunos não fizeram o registro) confirmam que as questões subjetivas interferem significativamente no caminhar do grupo, resultando não só em frustrações, mas em perdas qualitativas para o crescimento intelectual e afetivo dos indivíduos. Portanto, os aspectos pontuados não podem ser esquecidos ou preteridos no processo de ensinar e aprender presencialmente ou a distância. Aprender a lidar com a diferença, investir no processo de construção da autonomia, interagir com os suportes tecnológicos e trilhar os caminhos do desejo tornam-se condições sine qua non para construir conhecimento. Concluo o texto com um agradecimento especial a estes interlocutores que possibilitaram pensar/repensar o meu fazer pedagógico, pois sem a existência destes sujeitos parceiros não existe aprendizagem.

20 Notas 1 Texto fruto de uma experiência de construção de um ambiente de aprendizagem junto a alunos de pós-graduação Tradução da autora do artigo. 4 Ministrei as disciplinas Ambientes colaborativos e Educação a Distância em um curso de especialização nos meses de agosto a outubro/ Interator aqui compreendido na perspectiva de Machado (2002), enquanto sujeito que participa ativamente, experimentando, negociando, construindo mediante a sua imersão nos diferentes espaços Supports_Demo/9 LÈVY, Pierre e AUTHIER, Michel. As árvores de conhecimentos. São Paulo: Escuta, www. equitext.pgie.ufrgs. 13 e /www3.prossiga.br/chat/ Neste caso, é necessário dar o download do programa e instalar no computador ou acessar o go.icq.com utilizando o ICQ online. 16 Este software normalmente vem com o pacote Windows. 17 Histórico da EAD; Aspectos legais; Ações públicas e privadas; Perspectativas instrucional ou construtivista; Tutor ou professor? Netiqueta e Direito autoral e a Internet;. Instituições de EAD no Brasil;. Experiências de EAD e Universidade Corporativa Os textos dos sujeitos foram transcritos na integra, sem correção gramatical. 21 Relato de dois membros do grupo. 22 Grifo meu. 145

Educação a distância: desafios e descobertas

Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: Desafios e descobertas Conteudista: Equipe Multidisciplinar Campus Virtual Cruzeiro do Sul Você na EAD Educação a distância: desafios

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 07 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 09 Edição do Perfil... 12 Acessando as Atividades... 14 Iniciando o Semestre...

Leia mais

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL Prezado(a) aluno(a); Este material que você está começando a ler trata-se do manual do aluno, referente às disciplinas que serão ministradas através

Leia mais

Guia Prático. Sistema EAD PRO-CREA

Guia Prático. Sistema EAD PRO-CREA Guia Prático Sistema EAD PRO-CREA Educação a Distância (EAD) Conheça a seguir algumas dicas de Netiqueta para uma convivência sociável e boas maneiras na web. Sugerimos fazer um teste para saber como você

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

A sala virtual de aprendizagem

A sala virtual de aprendizagem A sala virtual de aprendizagem Os módulos dos cursos a distância da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza decorrem em sala virtual de aprendizagem que utiliza o ambiente de suporte para ensino-aprendizagem

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

A PRESENTAÇÃO SUMÁRIO

A PRESENTAÇÃO SUMÁRIO SUMÁRIO Apresentação Como ter sucesso na educação à distância A postura do aluno online Critérios de Avaliação da aprendizagem do aluno Como acessar a plataforma Perguntas freqüentes A PRESENTAÇÃO O Manual

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

Criação de um site sobre Comunicação

Criação de um site sobre Comunicação Luciano Conceição Martins Criação de um site sobre Comunicação UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Introdução: Um site é um conjunto de arquivos feitos através de códigos de programação. E, estes

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

TEdAM. Educação Ambiental

TEdAM. Educação Ambiental 290 Educação Ambiental TEdAM Resumo O projeto TEdAm tem como meta principal introduzir novas formas de construção, cooperação e circulação de conhecimentos e informações, capazes de auxiliar o processo

Leia mais

Aprender a Distância na Previdência

Aprender a Distância na Previdência Relatório de Encerramento Aprender a Distância na Previdência (ADP-001-09) Brasília, 05 de março de 2009. 1 1. Identificação: Curso: Aprender a distância na Previdência Descrição do curso: Módulo introdutório

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD!

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! MANUAL DO ALUNO MANUAL DO ALUNO Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! 1. APRESENTAÇÃO Preparado pela equipe da Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem...

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 08 Edição do Perfil... 10 Ambiente Colaborar... 11 Iniciando

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil...

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil... Sumário INTRODUÇÃO... 3 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4 2. Ferramentas e Configurações... 5 2.1 Ver Perfil... 5 2.2 Modificar Perfil... 6 2.3 Alterar Senha... 11 2.4 Mensagens... 11 2.4.1 Mandando

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Brasília - DF- Fevereiro 2013 Priscila Alessandra da Silva Universidade Federal de Brasília priscilaalesilva@gmail.com Fernanda Carla Universidade

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

EMPREGABILIDADE E MARKETING PESSOAL

EMPREGABILIDADE E MARKETING PESSOAL EMPREGABILIDADE E MARKETING PESSOAL 1 2 Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Leonardo da Vinci CARO ALUNO Não existem limites para a educação a distância. Seus desafios

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

Pró-Reitoria de Educação a Distância. Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos

Pró-Reitoria de Educação a Distância. Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos Pró-Reitoria de Educação a Distância Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos Como acessar o ambiente 1. Entre no Ambiente Virtual de Aprendizagem localizado na página principal do Portal

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

Manual de Utilização Moodle

Manual de Utilização Moodle Manual de Utilização Moodle Perfil Professor Apresentação Esse manual, baseado na documentação oficial do Moodle foi elaborado pela Coordenação de Tecnologia de Informação CTI do câmpus e tem como objetivo

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações Comunidades de Prática Experiências e Contribuições da Tecnologia para a Educação Profissional Lane Primo Senac Ceará 2012 Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 3. Metodologia 4. Resultados 5. Considerações

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Caro aluno da EAD da ULBRA Para você ter acesso às salas das disciplinas ofertadas

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO GUIA DO ALUNO Prezado(a) Aluno(a), O Guia do Aluno é um instrumento normativo que descreve os padrões de qualidade dos processos acadêmicos e administrativos necessários ao desenvolvimento dos cursos de

Leia mais

Apresentação. Nossa sugestão é que você experimente e não tenha medo de clicar!!!

Apresentação. Nossa sugestão é que você experimente e não tenha medo de clicar!!! Apresentação Este manual é uma orientação para os participantes de cursos no ambiente Moodle do INSTITUTO PRISMA. Tem como objetivo orientar sobre as ações básicas de acesso e utilização do ambiente virtual

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

O que é educação a distância (*)

O que é educação a distância (*) O que é educação a distância (*) José Manuel Moran Professor da Universidade Bandeirante e das Faculdades Sumaré-SP Assessor do Ministério de Educação para avaliação de cursos a distância jmmoran@usp.br

Leia mais

Como ter sucesso na educação a distância

Como ter sucesso na educação a distância Metodologia Diferenciada Ambiente de Aprendizagem Moderno Inovação Continuada e Empreendedorismo Como ter sucesso na educação a distância 1 Regulamento 2 1 Como ter sucesso na educação a distância Para

Leia mais

Tutorial 7 Fóruns no Moodle

Tutorial 7 Fóruns no Moodle Tutorial 7 Fóruns no Moodle O Fórum é uma atividade do Moodle que permite uma comunicação assíncrona entre os participantes de uma comunidade virtual. A comunicação assíncrona estabelecida em fóruns acontece

Leia mais

Universidade Anhanguera Uniderp Centro de Educação a Distância

Universidade Anhanguera Uniderp Centro de Educação a Distância Universidade Anhanguera Uniderp Centro de Educação a Distância CURSOS DE GRADUAÇÃO MODALIDADE A DISTÂNCIA 2º semestre letivo / 2012 Sumário 1. Objetivo... 04 2. O Ambiente Virtual de Aprendizagem... 04

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL Gabriela Jurak de Castro UCPel gabriela.jurak@ucpel.tche.br Letícia Marques Vargas UCPel lvargas@ucpel.tche.br

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER Blog é uma abreviação de weblog, qualquer registro frequênte de informações pode ser considerado um blog (últimas notícias de um jornal online por exemplo). A maioria das

Leia mais

Fóruns em Moodle (1.6.5+)

Fóruns em Moodle (1.6.5+) (1.6.5+) Ficha Técnica Título Fóruns em Moodle Autor Athail Rangel Pulino Filho Copyright Creative Commons Edição Agosto 2007 Athail Rangel Pulino 2 Índice O que são Fóruns 4 Criando um fórum 5 Nome do

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO TUTORIAL PARA TUTORES PLATAFORMA MOODLE OURO PRETO 2014 1 SUMÁRIO 1. PRIMEIRO ACESSO À PLATAFORMA... 03 2. PLATAFORMA DO CURSO... 07 2.1 Barra de Navegação...

Leia mais

Rua Baronesa do Engenho Novo, 189 Eng. Novo - Rio de Janeiro - RJ. Rua Buenos Aires, 12 / 12 o andar Centro - Rio de Janeiro - RJ

Rua Baronesa do Engenho Novo, 189 Eng. Novo - Rio de Janeiro - RJ. Rua Buenos Aires, 12 / 12 o andar Centro - Rio de Janeiro - RJ Manual do Cursista Copyright COP EDITORA LTDA. Todos os direitos reservados a COP EDITORA LTDA. Essa é uma co-edição entre a COP EDITORA LTDA e a FUNAGER - Fundação Nacional de Apoio Gerencial. Proibida

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG 1 ÍNDICE 03 APRESENTAÇÃO. Dicas para estudar a distância. Funções do professor e do tutor 04 CADASTRO NO CURSO 05 ACESSO AO CURSO 07 FERRAMENTAS DE ESTUDO. Conteúdo: aulas virtuais.

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Quem ainda não tem um, provavelmente já pensou ou está pensando em ter, seja para fins pessoais ou profissionais.

Quem ainda não tem um, provavelmente já pensou ou está pensando em ter, seja para fins pessoais ou profissionais. Você sabia que o Whatsapp está presente em quase 50% dos smartphones no Brasil? O aplicativo virou febre rapidamente, seguindo a tendência de crescimento anual das vendas de smartphones no país. Quem ainda

Leia mais

TUTORIAL UNP VIRTUAL

TUTORIAL UNP VIRTUAL UNIVERSIDADE POTIGUAR UnP PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NEaD TUTORIAL UNP VIRTUAL Aluno Primeira edição NATAL/RN 2012 SUMÁRIO Conteúdo PREFÁCIO - BEM-VINDO(A) AO UNP VIRTUAL...

Leia mais

A INTERATIVIDADE EM AMBIENTES WEB Dando um toque humano a cursos pela Internet. Os avanços tecnológicos de nosso mundo globalizado estão mudando a

A INTERATIVIDADE EM AMBIENTES WEB Dando um toque humano a cursos pela Internet. Os avanços tecnológicos de nosso mundo globalizado estão mudando a A INTERATIVIDADE EM AMBIENTES WEB Dando um toque humano a cursos pela Internet Por Carolina Cavalcanti * Os avanços tecnológicos de nosso mundo globalizado estão mudando a maneira que nossa sociedade está

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD 1. O que é EAD? EAD é a sigla para Ensino a Distância, ou Educação a Distância, uma modalidade de ensino que acontece a partir da união

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL A nossa meta é envolver alunos e professores num processo de capacitação no uso de ferramentas tecnológicas. Para isto, mostraremos ao professor como trabalhar as suas disciplinas (matemática, português,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

com diferentes relatórios de acompanhamento.

com diferentes relatórios de acompanhamento. 1 O PVANet é o ambiente virtual de aprendizado (AVA) desenvolvido e utilizado pela UFV para apoiar as disciplinas de cursos regulares, nas modalidades presenciais ou a distância, bem como nos cursos de

Leia mais

Alfabetização Digital

Alfabetização Digital Ferramentas de interação e sua utilização pedagógica nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem evidenciando o papel do professor e do estudante Prof. Ana Carolina de Oliveira Salgueiro de Moura Prof. Antônio

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Mercedes Bêtta Quintano de Carvalho Pereira dos Santos ( Centro Universitário São Camilo) GT 02 Formação de Professores As alunas

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook.

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook. A INCLUSÃO DIGITAL E O FACEBOOK NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EJA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA POMBAL PB Autor (1) Amélia Maria

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg.

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg. CURSO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS ON-LINE: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás

Leia mais

Manual do Aluno. O Moodle é um sistema que gerencia ambientes educacionais de aprendizagem que podem ser denominados como:

Manual do Aluno. O Moodle é um sistema que gerencia ambientes educacionais de aprendizagem que podem ser denominados como: Manual do Aluno É com muita satisfação que apresentamos o Reunir Unopar. Ambiente Virtual de Aprendizagem Colaborativa que tem por objetivo principal ser um espaço colaborativo de construção do conhecimento

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

Manual do Participante do Curso de Gestão da Assistência Farmacêutica - EaD

Manual do Participante do Curso de Gestão da Assistência Farmacêutica - EaD Capacitação - HÓRUS Manual do Participante do Curso de Gestão da Assistência Farmacêutica - EaD SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO... 3 2.1 Objetivos do curso... 3 2.2 Recursos de Aprendizagem...

Leia mais