COMERCIO EXTERIOR. Canais de Distribuição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMERCIO EXTERIOR. Canais de Distribuição"

Transcrição

1 Canais de Distribuição 1

2 Canais de Exportação As Empresas têm à sua disposição três canais de Comercialização para Efetivar as suas Exportações: 1. Venda direta 2. Venda via interveniente comercial 3. Venda equiparada à exportação As empresas podem operar somente com um canal ou com Todos ao mesmo tempo. Considerando planejamento estratégico cada empresa decide com que canal vai operar. É importante lembrar que cada canal de comercialização tem suas exigências, vantagens e desvantagens 2

3 Fabricante Exportador > Cliente no Exterior A exportação ocorre de forma direta para o cliente no exterior Toda a documentação envolvida é preparada pelo exportador É emitida em nome de uma empresa que está situada em outro país 3

4 Exportação Direta Quando um fabricante/exportador atua de forma direta, Tem como responsabilidade acompanhar todos os passos de uma exportação. O exportador é responsável pelo Registro no RADAR Responsável: Pela Negociação Embarque das mercadorias Recebimento do pagamento do cliente 4

5 Exportação Direta Nos casos de exportações de forma direta é comum surgir a figura de um AGENTE, podendo ser uma Empresa ou Pessoa Física 1. O Agente recebe por operação 2. Responsável em conectar o fabricante ao cliente 3. Recebe-se um percentual de comissão sobre o valor das mercadorias vendidas. 4. Comissão que pode ser pago é 10%. Normalmente as comissões variam de 3% a 5%. O agente só receberá comissão quando o cliente efetuar o pagamento da venda. 5

6 Exportação Via Interveniente Comercial Fabricante exportador > Interveniente Comercial > Cliente no Exterior A exportação ocorre de forma indireta: O Fabricante/Exportador vende as mercadorias para o interveniente comercial, este por sua vez revende ao cliente no exterior. Toda a documentação envolvida neste caso é emitida em nome do interveniente comercial localizado no Brasil que Refatura as mercadorias para a empresa situada em outro país Refatura Constitui a sua Fonte de Renda do Interveniente comercial Após a exportação efetuada, a empresa interveniente comercial deve fornecer ao fabricante um documento chamado de memorando de exportação. 6

7 Exportação via Interveniente Vantagens Não há a necessidade do fabricante possuir um profissional que fale outros idiomas. Os riscos para os fabricantes são bem menores Toda negociação dos produtos, logística envolvida e o risco do não recebimento do pagamento fica por conta do interveniente. Desvantagens O fabricante perde o contato com seu cliente final Ignora o seu nível de satisfação, o potencial deste cliente e do país. O ganho do interveniente comercial é o valor que é conseguido através do refaturamento das mercadorias. Fabricante poderia estar tendo este ganho se vendesse os produtos diretamente. 7

8 Venda Equiparada à Exportação Fabricante / Exportador > Trading Company > Cliente no exterior O Canal equiparado à exportação é efetuado através de empresas conhecidas como trading companies. O fabricante/exportador vende as mercadorias para a trading company, e esta por sua vez revende ao cliente no exterior. Seguindo novamente nossa regra citada de definição de canal, toda a documentação envolvida neste caso é emitida em nome da trading company que está localizada no Brasil, Esta refatura as mercadorias para a empresa que está situada em outro país. 8

9 As diferenças entre Empresas Comerciais Exportadoras e Trading Companies são: A Trading Company é uma empresa S.A. (sociedade anônima), Enquanto a Comercial Exportadora é Ltda. (de constituição limitada). Além de Comercializar produtos como a comercial exportadora, A Trading Company também pode atuar como agente, recebendo comissões sobre as vendas de exportações. 9

10 Venda Equiparada À Exportação Vantagens Contatar o cliente, negociar detalhes de adequação de produtos organizar e arcar com o custo da logística para o embarque das mercadorias Emitir toda a documentação internacional e receber o pagamento do cliente final ficam por conta da trading company Venda Equiparada À Exportação Desvantagens O fabricante não terá conhecimento do mercado. Ele saberá do mercado e do cliente final apenas aquilo que a trading company revelar. Em muitos casos os fabricantes chegam a desconhecer os países onde seus produtos estão sendo comercializados 10

Procedimentos para exportação

Procedimentos para exportação Procedimentos para exportação Fundamentos de Comércio Exterior Prof. 1. Inscrição da empresa em dois cadastros: REI (MDIC/SECEX) e Radar (MF /SRF); 2. Análise mercadológica: avaliação do potencial do mercado

Leia mais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Introdução Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Fundamentos de Comércio Exterior Prof. Marco A. Arbex As exportações geram entrada de divisas para o país exportador e saída de divisas

Leia mais

Exportação Direta x Exportação Indireta

Exportação Direta x Exportação Indireta Exportação Direta x Exportação Indireta Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Na exportação direta o próprio fabricante, produtor ou revendedor remete (geralmente vende) a mercadoria

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX PROEX FINANCIAMENTO FINALIDADE: Proporcionar e apoiar o exportador brasileiro na comercialização com o exterior de bens e serviços em condições de financiamento

Leia mais

Exportação Indireta GRUPO INTERNACIONALIZAÇÃO DO SEBRAE-SP

Exportação Indireta GRUPO INTERNACIONALIZAÇÃO DO SEBRAE-SP Exportação Indireta GRUPO INTERNACIONALIZAÇÃO DO SEBRAE-SP Junho/2011 1 Tipos de Exportação: Direta : A própria empresa vende diretamente ao exterior. Brasil Exterior 2 Indireta : Mercadoria é exportada

Leia mais

Modalidades de Importação para redução de custos de equipamentos e produtos importados

Modalidades de Importação para redução de custos de equipamentos e produtos importados Modalidades de Importação para redução de custos de equipamentos e produtos importados Introdução Contexto Brasileiro AquisiçãoA i i ã de Produto Direta / Trading Importação por Conta e Ordem Globalização

Leia mais

EXPORTAÇÕES Definição

EXPORTAÇÕES Definição EXPORTAÇÕES Definição CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas, 2004. 9.1 Exportações - Definição

Leia mais

Lex Garcia Advogados http://lexlab.esy.es. Dr. Alex Garcia Silveira OABSP 285373

Lex Garcia Advogados http://lexlab.esy.es. Dr. Alex Garcia Silveira OABSP 285373 Alex Garcia Silveira Cartilha: Direito do Comercio Internacional São Paulo Junho de 2015 SUMÁRIO RESUMO... 5 ABSTRACT... 5 PARTES E AUXILIARES DO COMÉRCIO... 6 EXPORTADOR E IMPORTADOR... 6 SELEÇÃO DE MERCADO...

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 7.719, DE 2014 Altera a legislação tributária facultando que as mercadorias vendidas com fim específico de exportação sejam

Leia mais

Disciplina: Comércio Internacional

Disciplina: Comércio Internacional COORDENADORIA DE TRANSPORTES Sumário 2 Disciplina: Comércio Internacional CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Exportação e Importação Conceitos Cambiais, Aduaneiros e Comerciais Formas de

Leia mais

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso!

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso! Fornecedores www.grupoquantica.com Apresentação 2010 A idéia Fundado e idealizado por Cleber Ferreira, Consultor de Marketing e Vendas, autor do livro Desperte o Vendedor Interior com Técnicas de Vendas

Leia mais

CENTRO DE NEGÓCIOS DE DUBAI Emirados Árabes Unidos

CENTRO DE NEGÓCIOS DE DUBAI Emirados Árabes Unidos CENTRO DE NEGÓCIOS DE DUBAI Emirados Árabes Unidos CN DUBAI: o exportador brasileiro mais perto do seu cliente. O objetivo do CN DUBAI é a redução da distância entre exportadores brasileiros e seus clientes

Leia mais

Importação Passo a Passo

Importação Passo a Passo 1º Passo Defina o que quer importar Importação Passo a Passo O mercado internacional, principalmente a China, apresenta uma ampla oportunidade de produtos para se importar. Antes de iniciar sua operação

Leia mais

Proposta de Serviços Royale

Proposta de Serviços Royale ANO. 2011 Proposta de Serviços Royale ROYALE SOLUTIONS IMP. E EXP. LTDA. Departamento Fiscal Rua Evangelina, 257 Vl. Carrão Cep.: 03421-000 São Paulo/SP Tel: +55 11 2532.0772 - Fax: +55 11 2537.8143 sales@royalesolutions.com

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

SOLUÇÕES ELETRÔNICAS EM COMÉRCIO EXTERIOR BALCÃO DE COMÉRCIO EXTERIOR

SOLUÇÕES ELETRÔNICAS EM COMÉRCIO EXTERIOR BALCÃO DE COMÉRCIO EXTERIOR SOLUÇÕES ELETRÔNICAS EM COMÉRCIO EXTERIOR BALCÃO DE COMÉRCIO EXTERIOR Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior Salvador-BA, Julho/2008 Site de comércio exterior eletrônico onde empresas realizam

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos EFD ICMS/IPI Registro 1110 Operações de Exportação Indireta

Parecer Consultoria Tributária Segmentos EFD ICMS/IPI Registro 1110 Operações de Exportação Indireta EFD ICMS/IPI Registro 1110 Operações de 04/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Demonstração das informações na

Leia mais

Financiamento á exportação

Financiamento á exportação Financiamento á exportação Crédito seguro/pagamento Garantido É um meio de pagamento internacional que consiste na emissão de uma carta de crédito na qual o Banco Emitente se compromete a pagar, aceitar

Leia mais

PROFª. REGINA NEGRI PAGANI PROFª. JAQUELINE RODRIGUES

PROFª. REGINA NEGRI PAGANI PROFª. JAQUELINE RODRIGUES ECONOMIA PARA ADMINISTRADORES Decisões sobre a maneira de ingressar no Mercado Internacional - Estratégias para o Mercado Internacional PROFª. REGINA NEGRI PAGANI PROFª. JAQUELINE RODRIGUES 1 2 DECISÕES

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

AGENTES DE COMÉRCIO INTERNACIONAL

AGENTES DE COMÉRCIO INTERNACIONAL AGENTES DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Fortaleza - CE 2013-1 - 2013. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Ceará - SEBRAE/CE. Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS. Estratégias

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS. Estratégias INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. 1 Variáveis das de Internacionalização Segundo

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

Setembro 2014. Aspectos pragmáticos das importações indiretas

Setembro 2014. Aspectos pragmáticos das importações indiretas Setembro 2014 Aspectos pragmáticos das importações indiretas Agenda 1. Contexto 2. Modalidades de Importação 3. Real adquirente x Real importador 4. Conclusão PwC 2 PwC Contexto 1. Contexto Responsável

Leia mais

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_01_ Estratégias de Internacionalização

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_01_ Estratégias de Internacionalização ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. 1 Variáveis das Estratégias de Segundo Philip Kotler,

Leia mais

Cursos in company CIA. LIBRA Formação Básica em Comércio Exterior Carga horária: 36h/aula

Cursos in company CIA. LIBRA Formação Básica em Comércio Exterior Carga horária: 36h/aula CIA. LIBRA Formação Básica em Comércio Exterior Carga horária: 36h/aula PROGRAMA Preparando-se para exportar 6 hs Procedimentos básicos na exportação 6 hs Procedimentos básicos na importação 6 hs Câmbio

Leia mais

GUIA PARA ENVIO E DEVOLUÇÃO DE AMOSTRAS INTERNACIONAIS

GUIA PARA ENVIO E DEVOLUÇÃO DE AMOSTRAS INTERNACIONAIS GUIA PARA ENVIO E DEVOLUÇÃO DE AMOSTRAS INTERNACIONAIS O envio de amostras do exterior para o ICBr, e também o retorno dessas amostras para o exterior podem ser feitos de duas maneiras: 1. Através de Courier

Leia mais

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto

Leia mais

As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente.

As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente. Capitulo 10: Tipos de exportação As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente. Diretamente: quando o exportador fatura e remete o produto ao importador, mesmo

Leia mais

16. PROCESSOS ALFANDEGÁRIOS LOGÍSTICOS

16. PROCESSOS ALFANDEGÁRIOS LOGÍSTICOS 16. PROCESSOS ALFANDEGÁRIOS LOGÍSTICOS DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de

Leia mais

Diretoria de Comércio Exterior

Diretoria de Comércio Exterior Diretoria de Comércio Exterior Rede de atendimento no País 15.212 pontos Banco do Brasil rede de atendimento Rede de TAA 39.417 terminais Agências no exterior 42 dependências em 23 países 1.471 Bancos

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

Cadeias de Valor e Aglomerações Empresariais Estratégias para Inserção Competitiva. Luiz Gilberto Mury

Cadeias de Valor e Aglomerações Empresariais Estratégias para Inserção Competitiva. Luiz Gilberto Mury Cadeias de Valor e Aglomerações Empresariais Estratégias para Inserção Competitiva Luiz Gilberto Mury Competitividade internacional Competitividade para uma nação é o grau pelo qual ela pode, sob condições

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios Correios Quem somos? Empresa de administração pública. Missão: Fornecer soluções acessíveis e confiáveis para conectar pessoas,

Leia mais

A SISTEMÁTICA BRASILEIRA APLICADA À OPERAÇÃO BACK TO BACK: ROTINA E PROCEDIMENTOS

A SISTEMÁTICA BRASILEIRA APLICADA À OPERAÇÃO BACK TO BACK: ROTINA E PROCEDIMENTOS A SISTEMÁTICA BRASILEIRA APLICADA À OPERAÇÃO BACK TO BACK: ROTINA E PROCEDIMENTOS Profª. MSc. Patrícia Duarte Peixoto Morella Julciane Dambros RESUMO Com a significativa intensificação do comércio internacional

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

Services IMPORT ON BEHALF OF THIRD PARTY IMPORT EXPORT UNDER ORDER IMPORT INTERNATIONAL CONSULTING AND CUSTOMIZED PROJECTS

Services IMPORT ON BEHALF OF THIRD PARTY IMPORT EXPORT UNDER ORDER IMPORT INTERNATIONAL CONSULTING AND CUSTOMIZED PROJECTS Services IMPORT IMPORT ON BEHALF OF THIRD PARTY UNDER ORDER IMPORT EXPORT INTERNATIONAL CONSULTING AND CUSTOMIZED PROJECTS OUTSOURCING, PROCUREMENT, PURCHASING AGENT, Import: 7 TRADEX is updated to current

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA. Procedimentos Fiscais no Retorno de Resíduos Sólidos Raphael Polito Departamento Tributário

LOGÍSTICA REVERSA. Procedimentos Fiscais no Retorno de Resíduos Sólidos Raphael Polito Departamento Tributário LOGÍSTICA REVERSA Procedimentos Fiscais no Retorno de Resíduos Sólidos Raphael Polito Departamento Tributário Julho/2011 CONCEITOS As legislações do Município e do Estado de São Paulo reproduzem o conceito

Leia mais

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto ou terminal portuário voltado para a movimentação interna, importação

Leia mais

SEGURO DE TRANSPORTE DE CARGAS NACIONAL E INTERNACIONAL

SEGURO DE TRANSPORTE DE CARGAS NACIONAL E INTERNACIONAL SEGURO DE TRANSPORTE DE CARGAS NACIONAL E INTERNACIONAL Sobre o Seguro de Transportes É destinado a dois tipos de clientes: 1. Proprietários de mercadorias (embarcador) 2. Empresas de transportes rodoviários

Leia mais

Despacho Aduaneiro Desembaraço Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Despacho Aduaneiro Desembaraço Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Despacho Aduaneiro Desembaraço Aduaneiro de Importação Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 1 Sistema Integrado de Comércio Exterior (SISCOMEX - Módulo Importação) INTEGRAÇÃO DOS ÓRGÃOS GOVERNAMENTAIS

Leia mais

CANCELAMENTO DE DESEMBARAÇO DE NFE PELO DTE - RESOLUÇÃO GSEFAZ 10/15

CANCELAMENTO DE DESEMBARAÇO DE NFE PELO DTE - RESOLUÇÃO GSEFAZ 10/15 CANCELAMENTO DE DESEMBARAÇO DE NFE PELO DTE - RESOLUÇÃO GSEFAZ 10/15 dte@sefaz.am.gov.br 26/11/2015 REQUISITOS BÁSICOS PARA TODOS OS CANCELAMENTOS: Prazo máximo de 180 dias, a contar da emissão da NF-e

Leia mais

DINÂMICA TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE CARGAS E ENCOMENDAS LTDA

DINÂMICA TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE CARGAS E ENCOMENDAS LTDA DINÂMICA TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE CARGAS E ENCOMENDAS LTDA RUA DR. TAVARES CORREIA, Nº105 LOJA 02 IMBIRIBEIRA RECIFE PE CEP Nº 51.200-130 - TELEFONES: 3471.7404 3338.1563 Recife-PE. 04 de Janeiro de

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

O SERVIÇO DE EXPORTAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CORREIOS. Prefeitura de Santo André Março/2013

O SERVIÇO DE EXPORTAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CORREIOS. Prefeitura de Santo André Março/2013 O SERVIÇO DE EXPORTAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CORREIOS Prefeitura de Santo André Março/2013 Exporta Fácil Conceito e Objetivo Conceito: É o serviço de exportação dos Correios, desenvolvido em parceria com a

Leia mais

Programa de Revenda Ciminos

Programa de Revenda Ciminos 1 Programa de Revenda Ciminos Ciminos Informática Ltda. Fabrica de Software, Softwares de Gestão de Negócios e CRM 2 Softwares de Gestão de Negócios e CRM Empresa 3 Objetivo 3 Especificação do Produto

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS GUIA DE ORIENTAÇÃO OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS ATRAVÉS DOS NOSSOS CURSOS

GUIA DE ORIENTAÇÃO OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS GUIA DE ORIENTAÇÃO OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS ATRAVÉS DOS NOSSOS CURSOS GUIA DE ORIENTAÇÃO QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS ATRAVÉS DOS NOSSOS CURSOS 1 ÁREA DE COMÉRCIO EXTERIOR Advogados Advogados podem atuar na área de direito aduaneiro e poderão ser muito bem remunerados pelos

Leia mais

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens de fabricação nacional, observadas

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 TRIBUTOS FEDERAIS EXPORTAÇÃO INDIRETA - CONSIDERAÇÕES BÁSICAS... ICMS - MS/MT/RO ENTREGA FUTURA - PROCEDIMENTOS... LEGISLAÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: Exportação indireta; Empresas Comerciais Exportadoras; Trading Companies.

Palavras-chave: Exportação indireta; Empresas Comerciais Exportadoras; Trading Companies. Exportação Indireta via Trading Company e Comercial Exportadora Cristiane Maria Silva Lima Patrícia Helena Andrade Patrício RESUMO A exportação é a base para o crescimento da economia, sendo a forma mais

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº 5496096 em 23/04/2015 da Empresa OMEGA GERACAO S.A., Nire 31300093107 e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº 5496096 em 23/04/2015 da Empresa OMEGA GERACAO S.A., Nire 31300093107 e pág. 1/21 pág. 2/21 pág. 3/21 pág. 4/21 pág. 5/21 pág. 6/21 pág. 7/21 pág. 8/21 pág. 9/21 pág. 10/21 pág. 11/21 pág. 12/21 pág. 13/21 pág. 14/21 pág. 15/21 pág. 16/21 pág. 17/21 pág. 18/21 pág. 19/21 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº 5512916 em 22/05/2015 da Empresa UNIMED BELO HORIZONTE COOPERATIVA DE TRABALHO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº 5512916 em 22/05/2015 da Empresa UNIMED BELO HORIZONTE COOPERATIVA DE TRABALHO pág. 2/33 pág. 3/33 pág. 4/33 pág. 5/33 pág. 6/33 pág. 7/33 pág. 8/33 pág. 9/33 pág. 10/33 pág. 11/33 pág. 12/33 pág. 13/33 pág. 14/33 pág. 15/33 pág. 16/33 pág. 17/33 pág. 18/33 pág. 19/33 pág. 20/33

Leia mais

Certifico que este documento da empresa CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. - CELG D, Nire: 52 30000295-8, foi deferido e arquivado na Junta Comercial do Estado

Certifico que este documento da empresa CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. - CELG D, Nire: 52 30000295-8, foi deferido e arquivado na Junta Comercial do Estado Pág 12 de 60 Pág 13 de 60 Pág 14 de 60 Pág 15 de 60 Pág 16 de 60 Pág 17 de 60 Pág 18 de 60 Pág 19 de 60 Pág 20 de 60 Pág 21 de 60 Pág 22 de 60 Pág 23 de 60 Pág 24 de 60 Pág 25 de 60 Pág 26 de 60 Pág 27

Leia mais

Certifico que este documento da empresa COOPERATIVA DE CRÉDITO LIVRE ADMISSÃO DO VALE DO SÃO PATRÍCIO LTDA, Nire: 52 40000248-8, foi deferido e

Certifico que este documento da empresa COOPERATIVA DE CRÉDITO LIVRE ADMISSÃO DO VALE DO SÃO PATRÍCIO LTDA, Nire: 52 40000248-8, foi deferido e Pág 38 de 74 Pág 39 de 74 Pág 40 de 74 Pág 41 de 74 Pág 42 de 74 Pág 43 de 74 Pág 44 de 74 Pág 45 de 74 Pág 46 de 74 Pág 47 de 74 Pág 48 de 74 Pág 49 de 74 Pág 50 de 74 Pág 51 de 74 Pág 52 de 74 Pág 53

Leia mais

Certifico que este documento da empresa COOPERATIVA DE CRÉDITO DOS MAGISTRADOS, SERVIDORES DA JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS E EMPREGADOS DA CELG LTDA,

Certifico que este documento da empresa COOPERATIVA DE CRÉDITO DOS MAGISTRADOS, SERVIDORES DA JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS E EMPREGADOS DA CELG LTDA, Pág 9 de 58 Pág 11 de 58 Pág 13 de 58 Pág 15 de 58 Pág 17 de 58 Pág 19 de 58 Pág 21 de 58 Pág 23 de 58 Pág 25 de 58 Pág 27 de 58 Pág 29 de 58 Pág 31 de 58 Pág 33 de 58 Pág 35 de 58 Pág 37 de 58 Pág 39

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO pág. 16/49 pág. 17/49 pág. 18/49 pág. 19/49 pág. 20/49 pág. 21/49 pág. 22/49 pág. 23/49 pág. 24/49 pág. 25/49 pág. 26/49 pág. 27/49 pág. 28/49 pág. 29/49 pág. 30/49 pág. 31/49 pág. 32/49 pág. 33/49 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e pág. 1/46 pág. 2/46 pág. 3/46 pág. 4/46 pág. 5/46 pág. 6/46 pág. 7/46 pág. 8/46 pág. 9/46 pág. 10/46 pág. 11/46 pág. 12/46 pág. 13/46 pág. 14/46 pág. 15/46 pág. 16/46 pág. 17/46 pág. 18/46 pág. 19/46 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E pág. 1/23 pág. 2/23 pág. 3/23 pág. 4/23 pág. 5/23 pág. 6/23 pág. 7/23 pág. 8/23 pág. 9/23 pág. 10/23 pág. 11/23 pág. 12/23 pág. 13/23 pág. 14/23 pág. 15/23 pág. 16/23 pág. 17/23 pág. 18/23 pág. 19/23 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO pág. 1/26 pág. 2/26 pág. 3/26 pág. 4/26 pág. 5/26 pág. 6/26 pág. 7/26 pág. 8/26 pág. 9/26 pág. 10/26 pág. 11/26 pág. 12/26 pág. 13/26 pág. 14/26 pág. 15/26 pág. 16/26 pág. 17/26 pág. 18/26 pág. 19/26 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e pág. 1/71 pág. 2/71 pág. 3/71 pág. 4/71 pág. 5/71 pág. 6/71 pág. 7/71 pág. 8/71 pág. 9/71 pág. 10/71 pág. 11/71 pág. 12/71 pág. 13/71 pág. 14/71 pág. 15/71 pág. 16/71 pág. 17/71 pág. 18/71 pág. 19/71 pág.

Leia mais

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta pág. 1/34 pág. 2/34 pág. 3/34 pág. 4/34 pág. 5/34 pág. 6/34 pág. 7/34 pág. 8/34 pág. 9/34 pág. 10/34 pág. 11/34 pág. 12/34 pág. 13/34 pág. 14/34 pág. 15/34 pág. 16/34 pág. 17/34 pág. 18/34 pág. 19/34 pág.

Leia mais

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros 2015 Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros Sumário Introdução... 2 O Programa PROEX... 2 PROEX Financiamento... 3 Mais Alimentos Internacional... 4 PROEX Equalização...

Leia mais

2 Bloco K: Controle da Produção e do Estoque

2 Bloco K: Controle da Produção e do Estoque Bloco K - Inventário Físico e Controle de Produção Desenvolvido o processo de geração do Bloco K para o EFD. DLL: fiscal.dll Comando: Ex_F_ApuracaoIcmsIPI 1 Apuração ICMS e IPI No cadastro de Apuração

Leia mais

Catálogo de Cursos 2015

Catálogo de Cursos 2015 Catálogo de Cursos 2015 Tanto do ponto de vista pessoal quanto financeiro, o melhor reconhecimento que um profissional pode ter é o do mercado em que atua. É com esta visão que a Export Manager Trading

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ 290.0330 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE SISTEMA DE PEDIDOS

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ 290.0330 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE SISTEMA DE PEDIDOS PSQ - (820.60 Distribution) (7.2 Processos relacionados a clientes) APROVAÇÃO KLEBERSON FORTUNATO Gerente Supply Chain Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO ROSELI ROMERO CAMARGO Coordenadora de Logística GISELA

Leia mais

NÃO PREVISTO NO da Clausula 8º do convenio 57/95.

NÃO PREVISTO NO da Clausula 8º do convenio 57/95. PROPOSTAS PARA SIMPLIFICAÇÃO DAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS. Comissão criada pela Portaria nº 028/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA: ATENDIDO PTA RP 2004 ATENDIDO PTA RP 2005 NÃO PREVISTO PTA RP 1. CADASTRO UNIDADE

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

NIEx. 30º AgroEx Manaus. 26 de novembro de 2009

NIEx. 30º AgroEx Manaus. 26 de novembro de 2009 NIEx NÚCLEO DE INTEGRAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO Caminhos para Exportar 30º AgroEx Manaus 26 de novembro de 2009 FASES DO PROCESSO EXPORTADOR Fase Mercadológica Fase Comercial Fase Administrativa Fase Aduaneira

Leia mais

Escola Secundária com 3º ciclo de Paços de Ferreira 403374. Pagamentos e Garantias Catarina Campos Nº7 12ºS

Escola Secundária com 3º ciclo de Paços de Ferreira 403374. Pagamentos e Garantias Catarina Campos Nº7 12ºS Pagamentos e Garantias Catarina Campos Nº7 12ºS ÍNDICE Pagamentos... 3 Condições e mecanismos gerais... 3 Pagamento Direto... 3 Cobrança Documentária... 3 Abertura de Crédito... 4 Garantias de Pagamento...

Leia mais

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros Categoria Setor de Mercado Seguros 1 Apresentação da empresa e sua contextualização no cenário competitivo A Icatu Seguros é líder entre as seguradoras independentes (não ligadas a bancos de varejo) no

Leia mais

TOTVS Vendas e Faturamento Visão Geral

TOTVS Vendas e Faturamento Visão Geral TOTVS Vendas e Faturamento Visão Geral 08/08/2012 Sumário Sumário... 2 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 Objetivos do Treinamento... 3 2 Faturamento... 4 3 Controle de Vendas... 5 4 Fluxo Entidades X Processos...

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO Brasil,tendencias e potencialidades. Aristides Moreira Junho.2015

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO Brasil,tendencias e potencialidades. Aristides Moreira Junho.2015 TÍTULO DA APRESENTAÇÃO Brasil,tendencias e potencialidades Aristides Moreira Junho.2015 TEMAS A ABORDAR Tendencias de Consumo Potencialidades Obstáculos e Funcionamento Estratégia Conclusões gerais da

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DISMED MAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DISMED MAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DISMED MAIS O PROGRAMA DISMED MAIS ("PROGRAMA"), desenvolvido pela empresa DISMED DISTRIBUIDORA DE MEDICAMENTOS OLÍMPIA LTDA, sociedade por cotas de responsabilidade limitada, estabelecida

Leia mais

CIA. INDUSTRIAL VALE DO PARAÍBA S/A. UM CASO DE SUCESSO?

CIA. INDUSTRIAL VALE DO PARAÍBA S/A. UM CASO DE SUCESSO? CIA. INDUSTRIAL VALE DO PARAÍBA S/A. UM CASO DE SUCESSO? Autoria: Amadeu Nosé Junior Mestre em Administração de Empresas Universidade Presbiteriana Mackenzie A Cia. Industrial Vale do Paraíba S/A., é uma

Leia mais

5 Levantamento e Análise dos Fluxos Logísticos de Processos de Importação Desembaraçados no Rio de Janeiro.

5 Levantamento e Análise dos Fluxos Logísticos de Processos de Importação Desembaraçados no Rio de Janeiro. 52 5 Levantamento e Análise dos Fluxos Logísticos de Processos de Importação Desembaraçados no Rio de Janeiro. Este Capítulo abordará a análise dos dados efetuados em 150 processos aduaneiros de importação

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO orienta na implantação e desenvolvimento do seu negócio de forma estratégica e inovadora O QUE SÃO PALESTRAS

Leia mais

BLOCO K ENTENDA A NOVA OBRIGAÇÃO DO SPED FISCAL

BLOCO K ENTENDA A NOVA OBRIGAÇÃO DO SPED FISCAL BLOCO K ENTENDA A NOVA OBRIGAÇÃO DO SPED FISCAL Sumário: 01 02 03 04 05 O que é o Bloco K? Por onde começar? A quem se aplica? A quem não se aplica? Quais os impactos na organização? 06 07 08 09 10 Quais

Leia mais

Operador Econômico Autorizado - OEA

Operador Econômico Autorizado - OEA Operador Econômico Autorizado - OEA 26.08.15 Operador Econômico Autorizado - OEA Agenda 00:00 Quem Somos O que é OEA? Benefícios Fases de Implementação Requisitos Projeto Piloto - Fase 1 01:30 Fase 2 OEA

Leia mais

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Roteiro Básico Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 1º Passo Efetuar contatos com fornecedor (exportador). 2º Passo Formalizar as negociações com fornecedor (exportador). 3º Passo Negociar a condição de

Leia mais

OPORTUNIDADES NO COMÉRCIO INTERNACIONAL

OPORTUNIDADES NO COMÉRCIO INTERNACIONAL 1 OPORTUNIDADES NO COMÉRCIO INTERNACIONAL Abril/2006 Prof. João Bosco Torres Graduado em Administração, MBA Auditoria (USP) e Mestre em Economia, na área de Comércio Exterior e Relações Internacionais

Leia mais

EPRETEC TRADING SOLUÇÕES COMPLETAS PARA UM MUNDO DE NEGÓCIOS

EPRETEC TRADING SOLUÇÕES COMPLETAS PARA UM MUNDO DE NEGÓCIOS EPRETEC TRADING SOLUÇÕES COMPLETAS PARA UM MUNDO DE NEGÓCIOS A REPRETEC TRADING Localizada em Itajaí -SC, a Repretec está no mercado há mais de 10 anos e conta com um vasto conhecimento no processo de

Leia mais

SISTEMA DE EXPORTAÇÃO SISEXP SEFAZ/GO EXPORTAÇÃO ATRAVÉS DE COMERCIAL EXPORTADORA OU TRADING COMPANY.

SISTEMA DE EXPORTAÇÃO SISEXP SEFAZ/GO EXPORTAÇÃO ATRAVÉS DE COMERCIAL EXPORTADORA OU TRADING COMPANY. SISTEMA DE EXPORTAÇÃO SISEXP SEFAZ/GO EXPORTAÇÃO ATRAVÉS DE COMERCIAL EXPORTADORA OU TRADING COMPANY. Digite sua matrícula e senha na parte superior direita na página da web www.sefaz.go.gov.br Clique

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

MANUAL DA REVENDA. É muito importante que você leia todas as informações contidas neste documento.

MANUAL DA REVENDA. É muito importante que você leia todas as informações contidas neste documento. MANUAL DA REVENDA Prezada Revenda, Elaboramos este manual para que você conheça um pouco mais sobre a HENIQ NET, os produtos distribuídos por nós, assim como os seus direitos e deveres como revenda. É

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES OPERAÇÕES COM VENDA DE VEÍCULOS ADQUIRIDOS EM CONSIGNAÇÃO E VENDA DE VEICULOS USADOS ADQUIRIDOS PARA REVENDA

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES OPERAÇÕES COM VENDA DE VEÍCULOS ADQUIRIDOS EM CONSIGNAÇÃO E VENDA DE VEICULOS USADOS ADQUIRIDOS PARA REVENDA CARTILHA DE ORIENTAÇÕES OPERAÇÕES COM VENDA DE VEÍCULOS ADQUIRIDOS EM CONSIGNAÇÃO E VENDA DE VEICULOS USADOS ADQUIRIDOS PARA REVENDA www.contabilidadearthuso.com.br 1 1-OPERAÇÕES DE CONSIGNAÇÃO COM VEÍCULOS:...

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Estudo das garantias nos contratos mercantis internacionais Vanessa Rugai* Por várias razões, nem sempre os compradores conseguem crédito junto aos seus fornecedores. Uma forma de

Leia mais