Rosana Gonçalves Mattos 1 José Ednilson de Oliveira Cabral 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rosana Gonçalves Mattos 1 José Ednilson de Oliveira Cabral 2"

Transcrição

1 O Processo de Internacionalização de Empresas Cearenses através da Comercialização de Castanha de Caju Orgânica Rosana Gonçalves Mattos 1 José Ednilson de Oliveira Cabral 2 RESUMO O avanço tecnológico na produção de alimentos, na maioria dos países no mundo, tem contribuído, sobremaneira, para o afastamento da ameaça de uma oferta de alimentos inferior as necessidades da população. Consequentemente, aliado a determinadas mudanças demográficas, como a maior idade média da população, tem surgido uma grande preocupação com a segurança alimentar. É nesse contexto que tem crescido, exponencialmente, o interesse por produtos orgânicos. Esse crescimento tem sido tão significativo que, em grande parte dos países consumidores, a produção não atende a demanda. Tal cenário coloca uma oportunidade para países emergentes na produção de orgânicos. Assim, é importante entender o destino dessa produção e, consequentemente, o processo de internacionalização das empresas desses países através de produtos orgânicos. Daí, o presente trabalho tem como objetivo investigar o modo utilizado pelas empresas cearenses de inserção, no mercado internacional, decorrente da produção e comercialização da castanha de caju orgânica. Para cumprimento do objetivo, utilizou-se o arcabouço teórico proporcionado pelas teorias dos estágios de internacionalização e modos de entrada no mercado internacional, revisadas na literatura especializada do marketing internacional. O método de pesquisa, em relação ao objetivo, foi o estudo de caso. O estudo abrangeu duas empresas, presentes na listagem da Secretaria de Agricultura e Pecuária do Ceará, que comercializaram castanha de caju orgânica no mercado internacional, em A análise dos resultados permitiu a identificação do perfil dessas empresas e respostas a questionamentos quanto ao modo de entrada, aos canais de distribuição utilizados e os mercados de destino da produção. Os resultados mostram que a exportação é o modo usual de entrada no mercado externo. Porém, contrariando as proposições teóricas de gradualismo de estágios quanto aos modos de entrada no mercado externo e proximidade de mercados iniciais, a pesquisa apontou o canal de distribuição direto como a forma utilizada pelas empresas na comercialização da castanha de caju orgânica e evidenciou o atendimento a mercados distantes. Conclui-se, assim, que as empresas cearenses pesquisadas atuam de forma independente no acesso ao mercado externo, e que a castanha de caju orgânica comercializada por elas atende, consistentemente, a um exigente mercado. Dessa forma, o fomento à produção orgânica e a ação efetiva das embaixadas e câmaras de comércio brasileiras podem contribuir, significativamente, para o incremento e a diversificação da pauta de exportação cearense. Palavras-chaves: castanha de caju, Ceará, exportação, internacionalização, orgânicos ABSTRACT 1 Mestre em Negócios Internacionais. Professora da Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Av. Washington Soares, Bairro Edson Queiroz Fortaleza CE. E.mail: 2 PhD em Economia da Tecnologia e Economia Agroalimentar. Pesquisador da Embrapa Agroindústria Tropical e Professor Titular da Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Av. Dra Sara Mesquita, 2270 Pici Fortaleza CE. E.mail:

2 This article aims to investigate the internationalization mode used by Ceara s firms which deal with organic cashew nuts. For such, a bibliographical research on international marketing was made, to identify the internationalization stages theory and international market entry mode. The methodology contemplated a study of case involving two companies listed by Secretaria de Agricultura e Pecuária do Ceará (Agricultural and Cattle Board of Ceará) which exported organic cashew nuts during the year The data analysis shows the companies profile and answer the question regarding entry model and distribution channels used by them and production importers. The analysis also show the exporting process as a usual mode of international entry. But, frustrating the theoretical models, the research points to a direct distribution channels as a way used by these companies to supply distant markets. Hence, the main conclusion points that the ceará s organic cashew nuts exporters access markets based on their experience with export of conventional cashew nut. Moreover, the supply of organic cashew nut conforms to the product requirements of the international purchasers. Key words: cashew nuts, Ceará, firms internationalization, export, organic products INTRODUÇÃO Ultimamente, preocupações mundiais com a saúde e o meio ambiente têm levado os consumidores a buscar, cada vez mais, alimentos com atributos de qualidade, elaborados de acordo com suas necessidades e desejos de consumo. Principalmente nos países em desenvolvimento, estas preocupações têm se refletido, de forma consistente, nas discussões da comunidade internacional sobre o fomento de políticas que visem o desenvolvimento sustentável. Os freqüentes questionamentos em termos de segurança alimentar, potencializados pela doença da vaca louca, na Inglaterra, a contaminação dos alimentos por dioxina, na Bélgica, bem como a introdução dos polêmicos alimentos contendo organismos geneticamente modificados, são apontados como os catalisadores do desejo do consumidor de retorno simbólico às origens. Este novo comportamento do consumidor não está restrito apenas aos países desenvolvidos. As transformações advindas do avanço tecnológico, os processos de distribuição altamente eficientes e o desenvolvimento das potencialidades das indústrias processadoras têm contribuído para que os consumidores, de uma maneira geral, tenham mais acesso às informações e, com isso, formem, muitas vezes, nichos de mercados quanto a produtos e / ou serviços. Essa convergência de necessidades traduz-se em grandes oportunidades para as empresas dispostas a correr risco no exterior (KOTABE; HELSEN, 2000). É precisamente nesse contexto de preocupação alimentar global que os produtos orgânicos são encontrados. Cultivados a partir da alimentação orgânica do solo, o produto orgânico veio preencher uma lacuna de consumo demandada por um segmento específico de consumidores que valoriza a saúde alimentar e o meio ambiente. O impacto benéfico causado no meio ambiente pela vantagem da agricultura orgânica sobre a agricultura convencional não se limita apenas à saúde humana, mas contribui, também, para maiores rendas, melhor segurança alimentar e para a criação de empregos (BNB, 2000). Pesquisas conduzidas pela Stiftung Okologie und Landbau (SOL), e apoiadas pelo International Federation of Organic Agriculture Movements (IFOAM) e pelo International Trade Centre (ITC), comprovam que o negócio mundial de produtos orgânicos tem apresentado sucessivos incrementos de produção e de consumo, mesmo nos países em desenvolvimento. De acordo com esses órgãos, a evolução das terras sob manejo orgânico, entre os anos 2000 e 2002, apresentaram um incremento de 44,27% e, ainda segundo essas mesmas fontes, as estimativas de consumo para 2003 tendem a ficar entre US$ 23 e US$ 25 milhões de dólares. Hoje, existem aproximadamente 100 países no mundo praticando a agricultura orgânica. Os países que não conseguem atender à demanda de consumo interna, como a Alemanha, os Estados 2

3 Unidos e o Japão, têm se lançado no mercado internacional a procura de alimentos, principalmente advindos de países em desenvolvimento. Apesar dos poucos dados disponíveis quanto ao mercado de orgânicos, os números sobre a importação desses produtos, nos últimos anos, apontam um mercado internacional promissor. Mesmo países com grande área orgânica certificada, como a Austrália, importam. Os Estados Unidos, o maior consumidor mundial de alimentos orgânicos, também complementa a sua demanda doméstica através do mercado internacional, principalmente com produtos cultivados no Canadá. Na Europa, a Alemanha e a França importam 50% e o Reino Unido 70% de todo o alimento orgânico consumido. Frutas e hortaliças frescas, leite, e, principalmente, produtos tropicais não produzidos domesticamente são os itens que têm apresentado crescente demanda por parte dos países ricos. O Brasil também tem se mostrado um mercado importante quanto à produção de orgânicos. Com uma área orgânica em torno de 275 mil hectares, representando 0,08% de toda a área agricultável (YUSSEFI; WILLER, 2003), a produção brasileira tem destino certo: 85% é exportada para a Europa, para os Estados Unidos e para o Japão (DAROLT, 2002). Embora grande parte dessa produção esteja concentrada nos Estados do Sul e Sudeste, o Ceará vem despontando como importante produtor orgânico de frutas, mel, café e hortaliças, produtos valorizados no mercado internacional. Entre estes destaca-se a castanha de caju. Tradicionalmente, dominando a produção e beneficiamento da castanha de caju convencional no País, o Estado vem experimentando um contínuo processo de aumento da exportações da versão orgânica do produto, tendo como eventuais concorrentes, a Índia, Tanzânia, Sirilanka, El Salvador e Guiné-Bissau. Portanto, este trabalho tem por objetivo apresentar o modo de inserção, no mercado internacional, utilizado pelas empresas cearenses na produção e comercialização da castanha de caju orgânica. Para tanto, está organizado como segue: o tópico 1, após esta introdução, apresenta a revisão da literatura sobre modo de entrada de empresas em mercados internacionais; o tópico 2 resume a metodologia seguida na pesquisa; o tópico 3 apresenta a descrição dos dois casos pesquisados; e o tópico 4 finaliza com as considerações finais. 1. MODOS DE ENTRADA DE EMPRESAS EM MERCADOS INTERNACIONAIS Estudos empíricos conduzidos por Bernard e Jensen (1995) com o objetivo de estabelecer comparações entre as empresas exportadoras e as não exportadoras demostram que as primeiras apresentam características de qualidade, produtividade e de recursos humanos superiores aos das empresas não exportadoras, além de sobreviverem mais tempo no mercado. Assim, ao se decidir pela efetiva atuação no mercado exterior, uma das etapas fundamentais do processo de internacionalização da empresa é a de optar por um dos diferentes modos de entrada. Essa escolha, segundo Kotabe e Helsen (2000), é influenciada por fatores inerentes ao mercado de destino do produto e aspectos relacionados ao posicionamento da empresa, classificados como critérios externos e internos, respectivamente. Os critérios externos dizem respeito ao tamanho atual do mercado e potencial de crescimento, risco quanto à instabilidade do ambiente político e econômico, regulamentações governamentais em forma de barreiras comerciais de vários tipos, concorrentes e infra-estrutura física do mercado. Enquanto que os critérios internos, estes contemplam os aspectos relacionados ao posicionamento da empresa, como nível de controle desejado e compromisso de recursos, recursos humanos e/ou financeiros e flexibilidade em relação a possíveis mudanças ambientais. Assim, após proceder à avaliação dos critérios determinantes para escolha da sua entrada no mercado internacional, a empresa estará apta a optar entre os diferentes modos de entrada disponíveis, elegendo, assim, o que mais se aproxime de seus interesses. 3

4 4 Os modos de entrada de uma empresa no mercado internacional são identificados, na literatura de exportação, fundamentalmente através de dois modelos: o modelo U-model (Uppsala model) e o modelo I-model (Inovation-related internationalization model). Ambos têm por base a teoria da internacionalização ou teoria dos estágios de exportação, na qual a empresa, ao entrar no mercado internacional, evolui através de estágios determinados. O U-model, desenvolvido por acadêmicos da Universidade de Uppsala, considera que esta evolução é realizada à medida em que a empresa adquire experiência e domínio do mercado externo. Dessa forma, ao iniciar seu processo de internacionalização, a empresa busca mercados fisicamente próximos, utilizando métodos indiretos de comercialização, reunidos sob a denominação de intermediários. Porém, ao adquirir confiança no processo, a empresa evolui para estágios correspondentes aos métodos diretos de operação, que podem culminar no estabelecimento de filiais ou até mesmo fábricas no país estrangeiro (OSBORNE, 1996). A proximidade de mercados é aqui definida não somente em relação a mercados fronteiriços ou com distâncias físicas menores, mas também como sendo a soma de fatores que interferem no fluxo de informações entre mercados, como a diferença entre línguas, educação, práticas de negócios, cultura, desenvolvimento industrial, dentre outros (JOHANSON; VALHNE, 1977 apud SILVA, 2003, p.40). Já o I-model postula que, de forma análoga às etapas do ciclo de vida de um produto, os estágios vivenciados pela empresa, durante a entrada no mercado internacional, apresentam relação direta com as inovações, tecnológicas ou de processo, ocorridas dentro da própria empresa. Dessa forma, alguns estágios do modelo são normalmente operacionalizados, levandose em consideração a relação entre o total de vendas e as exportações. Essa relação representa o nível de envolvimento da empresa com o mercado externo (GANKERMA et al, 2000). Dentre os principais trabalhos relativos ao I-model, o proposto por Cavusgil (1980 apud ANDERSEN, 1993, p.213), é apresentado no Quadro 1. Nele, nos estágios dois e três, a empresa utiliza os serviços de um intermediário para localizar possíveis compradores interessados no seu produto. A partir do estágio quatro, com o desenvolvimento de uma estrutura de apoio às exportações, a empresa encontra-se em condições de assumir o controle integral de suas operações. E, do estágio três em diante, a empresa dá início ao processo de comprometimento de sua produção com o mercado externo. Quadro 1. Estágios de internacionalização das empresas Estágio Descrição Exportações/ Vendas totais (%) Estágio 1: Não exportador A empresa se interessa apenas pelo mercado doméstico. Não tem interesse em adquirir 0 experiência com a exportação. Estágio 2: Pré-exportador A empresa busca informação e avalia a 0 possibilidade de exportar. Estágio 3: Exportador A empresa inicia as exportações, porém de maneira 0 9 experimental Estágio 4: Exportar ativo Estágio 5: Exportador comprometido intermitente. A empresa se empenha no aumento das vendas para diferentes países. É desenvolvida uma estrutura de apoio A empresa é dependente dos mercado externo >= 40

5 Fonte: Andersen (1993), adaptado pelos autores. Alguns autores questionam a linearidade e a rigidez dos estágios da teoria da internacionalização, entendendo que os mesmos não contemplam uma eventual ação de contingência por parte da empresa, não permitem a combinação do uso de diferentes canais e, finalmente, discordam quanto à afirmação de que as empresas evoluem ao longo dos estágios à medida em que aumentam o grau de comprometimento com o mercado (REID; TURNBULL, 1987 apud OSBORNE). Nas literaturas nacional e internacional encontram-se diferentes abordagens sobre o gradualismo de estágios quanto aos modos de entrada no mercado externo. Estes modos podem ser resumidos em: exportação, joint venture e investimento direto. Muitas empresas começam como exportadoras, partem para a joint venture e, por fim, fazem um investimento nos mercados estrangeiros. EXPORTAÇÃO Sendo a forma mais incidente em negócios globais, uma vez que vem sendo praticada durante séculos (ENGEL et al, 1995), constituindo-se a primeira etapa do desenvolvimento internacional da maior parte das empresas. Ao optar pela entrada no mercado internacional via exportação, uma das escolhas mais difíceis para uma empresa é, certamente, a seleção do canal de distribuição que atenderá o seu produto. A escolha entre executar uma operação ou entregá-la a um intermediário tem sido um tema econômico exaustivamente debatido na literatura. Os canais de distribuição, de uma forma geral, tem a função de atuar como elos entre o produtor e o consumidor, estando presentes tanto na exportação direta quanto na exportação indireta. Exportação Indireta Esta modalidade de exportação é uma das formas mais simples de entrada no mercado exterior, dado que, na maioria das vezes, todo o processo se traduz numa operação de compra e venda dentro do próprio país (ACERENZA, 1990). O processo é conduzido por meio de serviços disponibilizados através de um intermediário que localiza os compradores no mercado externo, coordena o embarque e a distribuição do produto e garante o pagamento (BERGSTRAND, 2002, p. 30). Esse intermediário, estabelecido no país exportador, recebe diferentes nomes na literatura nacional e internacional, inclusive em diferentes indústrias (ACERENZA, 1990). Algumas denominações de identificação desses profissionais são: agente de compras, empresa comercializadora, trading company, agente de exportação ou corretor de exportação, cooperação ou piggyback, e jobber. (ACERENZA, 1990; MINERVINI, 2001; KOTABE; HELSEN, 2000; KOTLER, 2000; GARNIER, 1987; SANTOS, Assim, uma empresa que esteja se iniciando na exportação e não se considere suficientemente preparada para procurar ou negociar com possíveis importadores (SANTOS, 2000; p. 9) ou que não queira correr riscos nem arcar com os custos inerentes ao negócio pesquisa, propaganda, distribuição, despesas legais ou ainda, que não esteja convencida de que existe um bom mercado para os seus produtos, deve considerar, a princípio, o método indireto de exportação. Exportação Direta A diferença fundamental entre a exportação indireta e a direta é que, nesta última, a empresa controla suas próprias exportações, respondendo pelos riscos da operação (DE PAULA, 1994). Dessa forma, a modalidade exige da empresa um domínio do processo de exportação, em toda a sua extensão. Mas, se por um lado a exportação direta permite a empresa adquirir maior conhecimento e controle sobre o mercado para o qual o seu produto está sendo exportado, por outro, envolve maior risco e exige maiores investimentos quanto a equipamentos, instalações e recursos humanos (PIPKIN, 2000). Além disso, a opção pela exportação direta requer um envolvimento bem maior da empresa no processo de internacionalização do produto, através da 5

6 condução de pesquisas de mercados, possíveis adaptações e escolha da forma de distribuição do produto (BERGSTRAND, 2002). A etapa de inserção de um produto no mercado exterior, através da exportação direta, pode ser exercida através de uma ação direta de vendas por parte da própria empresa ou, em alguns casos, através da contratação de intermediários independentes, estabelecidos no país importador (ACERENZA, 1990). Esses intermediários trabalham sob regime comissionado e, geralmente, conhecem muito bem o mercado local. Por vezes, chegam a exercer a função de pós-venda, dependendo dos produtos comercializados. São eles: representantes de vendas ou agentes locais, brokers, distribuidor ou atacadista, vendedor direto ou viajante, rock jobbing, filial de vendas ou escritório, vendas através dos correios, venda direta e consórcios de exportação. Dessa forma, a empresa que se sentir segura e confortável para cuidar de todos os detalhes, desde a comercialização e entrega do produto até a cobrança o que exige maior atenção administrativa, empenho de recursos humanos e de tempo - pode optar pelo modo de entrada no mercado internacional via exportação direta. JOINT VENTURES As joint ventures são uma conjunção de interesses entre as partes. Nessa modalidade de entrada no mercado internacional, os investidores estrangeiros juntam-se a outros investidores locais, com o objetivo de criar um negócio local, dividindo a propriedade e o controle do novo empreendimento (KOTLER; ARMSTRONG, 1998; p. 443). Há quatro tipos de joint ventures: licenciamento, contrato de fabricação, contrato de administração e propriedade conjunta. Licenciamento Nesta modalidade, a empresa licenciadora oferece a outra empresa, através de um acordo, o direito exclusivo ou não de usar, freqüentemente por um período de tempo e numa determinada área geográfica, o processo de produção, marca registrada, patente, segredo comercial, serviço de gerenciamento ou outro item de valor, em troca de royalties ou de outra forma de pagamento. Uma vez que o licenciamento se baseia em qualquer conhecimento vendável, o franchising é entendido como uma derivação do licenciamento. Nele, o franqueador cede um conjunto de componentes essenciais ao negócio, como o uso do conceito e a marca registrada, mediante pagamento de royalties. Contrato de fabricação Um outro modo de entrada refere-se ao contrato de fabricação ou de subcontratação internacional. Neste, a empresa estrangeira estabelece um contrato com um fabricante local para a produção de um determinado produto ou parte deste. A responsabilidade do fabricante reduz-se à produção e entrega da encomenda, quando finalizada, à empresa estrangeira. Contrato de administração Nele a empresa nacional fornece seu know-how administrativo a uma empresa estrangeira, que entra com o capital. A empresa nacional exporta serviços administrativos no lugar de produtos. Ele é uma opção de baixo risco para a entrada no mercado estrangeiro, e gera rendimentos desde o início. O acordo é ainda mais atraente se a empresa contratante tiver eventualmente a opção de comprar alguma participação da empresa administrada. Propriedade conjunta Consiste na associação da empresa a investidores estrangeiros para criar um negócio local, em que ambas as partes compartilham a propriedade e o controle. A empresa pode comprar ações de uma firma local ou as duas partes podem formar um novo negócio. A propriedade conjunta pode ser necessária por motivos econômicos ou políticos. INVESTIMENTO DIRETO 6

7 Esta modalidade requer um maior comprometimento de capital, uma vez que a empresa entra como única proprietária do negócio, através de investimentos na fusão ou aquisição de empresas já existentes ou na construção (greenfield) de uma nova empresa no local. 2. METODOLOGIA DA PESQUISA Essa pesquisa aborda a internacionalização das empresas cearenses na comercialização de castanha de caju orgânica, procurando identificar o modo de inserção no mercado internacional (modo de entrada e canais de distribuição). A análise dos resultados visou a estabelecer o perfil dessas empresas e responder aos questionamentos quanto ao canal de distribuição utilizado, a localização dos mercados importadores e o nível de comprometimento dessas empresas com esses mercados. TIPO DE PESQUISA De acordo com Bastos e Keller (1991, p.55), a pesquisa científica é uma investigação metodológica acerca de um assunto determinado, com o objetivo de esclarecer aspectos do objeto em estudo. Nesse sentido, o estudo utilizou-se da pesquisa bibliográfica para levantamento de proposições teóricas e resultados de pesquisas anteriores sobre o assunto desejado e de um estudo de caso para obtenção de dados primários, com o objetivo de formular hipóteses ou premissas a serem testadas através da comparação da realidade das empresas pesquisadas com as proposições e resultados apresentados na bibliografia. A pesquisa bibliográfica é o exame ou consulta de livros ou documentação escrita que se faz sobre determinado assunto (BASTOS; KELLER, 1991, p.55), referindo-se, fundamentalmente, a fontes secundárias. Os estudos de caso referem-se à situação, entidade ou conjunto de entidades que têm o mesmo comportamento ou são do mesmo perfil (FORTE, 2003). São indicados a pesquisas em que existe limitação da área de conhecimento, permitindo, contudo, a obtenção de informações, o que possibilita a identificação dos aspectos mais relevantes do problema (SOUZA, 1985). Não se pode generalizar as conclusões obtidas do estudo de caso, pois são de natureza particular. O presente trabalho utilizou um estudo de caso, contemplando duas empresas exportadoras de castanha de caju orgânica, a fim de verificar, com base na teoria da internacionalização, os modos usuais de entrada dessas empresas no mercado internacional. INSTRUMENTOS DE COLETA DE DADOS Para realização da pesquisa foi elaborado um questionário contendo perguntas fechadas, buscando identificar os dados relevantes para o estudo, definidos pelo referencial teórico. Antes da aplicação do questionário, foi feito um pré-teste, envolvendo um empresário exexportador de produtos orgânicos e um profissional responsável pela área de exportação dentro de uma determinada empresa. Como resultado dessa etapa, algumas questões relativas ao produto orgânico, de modo geral, foram retiradas, enquanto que outras sofreram leves modificações, visando a um melhor entendimento por parte do entrevistado. O questionário serviu de roteiro à entrevista pessoal e de apoio à coleta dos dados. As perguntas foram divididas em blocos, contemplando a identificação da empresa, sua participação no mercado internacional e início das suas exportações. As entrevistas, por sua vez, foram realizadas durante o primeiro semestre de Ocorreram, em sua maioria, no próprio local de trabalho dos entrevistados. Estes atuam como responsáveis pelas negociações internacionais e/ou exportações da empresa. Em alguns casos, o engenheiro agrônomo, que acompanha o processo de inspeção da certificadora, também esteve presente.. A primeira autora conduziu todas as entrevistas, que tiveram a duração média de duas horas. Todas as entrevistas foram gravadas mediante autorização dos entrevistados e depois 7

8 transcritas. Foram iniciadas contextualizando o propósito da pesquisa, bem como esclarecendo os principais itens a serem abordados. Assim, após esclarecimentos, o entrevistado foi questionado quanto à história da empresa, a opção desta pelos produtos orgânicos e o processo de envolvimento no mercado internacional. Embora o questionário tenha servido de roteiro para a entrevista, quando necessário, perguntas adicionais foram formuladas, a fim de dirimir eventuais dúvidas. Com base na entrevista, no material de divulgação fornecido e em fontes de informação consultadas, um resumo do estudo de caso foi preparado e, posteriormente, enviado aos entrevistados, a fim de que estes tivessem a oportunidade de revisa-lo, solicitando, se necessário, possíveis ajustes. POPULAÇÃO E AMOSTRAGEM Visto que não existem dados oficiais quanto à empresas cearenses que comercializam castanha de caju orgânica no mercado internacional, a amostra foi extraída de informações fornecidas pela SEAGRI e pela Sertão Verde Consultoria e Projetos. Um total de 13 empresas comercializam orgânicos no Ceará. Desse total, sete estão envolvidas com o mercado doméstico e seis atuam, efetivamente, no mercado internacional. Dessas últimas, duas produzem castanha de caju orgânica. As duas concordaram em participar desse estudo, cujo resultado é descrito a seguir. 3. MODOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS CEARENSES - EVIDÊNCIA DOS ESTUDOS DE CASOS A fim de atender aos objetivos da presente pesquisa, duas empresas foram selecionadas e analisadas. Ambas são de grande porte, sendo que uma apresenta controle de capital nacional, enquanto que a outra tem controle norte-americano. As empresas estão no mercado há mais de 30 anos, não refletindo este período, necessariamente, um envolvimento com o tipo orgânico de castanha, visto que ambas já lidavam com a versão convencional antes de atuarem na comercialização do tipo orgânico. 3.1 IRACEMA INDÚSTRIA DE CAJU LTDA. Controlada, desde o final de 2000, pela Kraft Foods Brasil, uma das empresas do grupo Philip Morris, a Iracema Indústrias de Caju Ltda. está há 30 anos no mercado cearense, trabalhando com o beneficiamento e a exportação da castanha de caju. Em suas 3 fábricas, localizadas em Fortaleza, a Iracema emprega cerca de funcionários, beneficiando aproximadamente, toneladas/ano de castanha de caju, volume que a torna líder mundial no beneficiamento desse produto. A matéria-prima necessária à extração da amêndoa é toda adquirida de terceiros e, há seis anos atrás, envolvia apenas a castanha de caju convencional. Porém, a partir de um pedido de suprimento de castanha de caju orgânica, feito por um de seus clientes tradicionais de castanha de caju convencional, a Iracema deu início ao beneficiamento e à comercialização, também, desse tipo de produto. Para tanto, contou com a ajuda do Instituto Biodinâmico (IBD), na localização de parceiros que não só produzissem a castanha de caju orgânica, mas que também tivessem sua produção certificada, condição indispensável para a comercialização do produto orgânico. Até o momento, a castanha de caju orgânica representa 3% do volume total de castanha de caju beneficiado pela Iracema. Toda essa produção é destinada ao mercado externo, tendo como maior cliente um distribuidor localizado na Alemanha. Este recebe, a cada 15 dias, um container (700 caixas = kg), contendo o produto acondicionado em embalagens aluminizadas de 22,8 kg, dispostos em caixas devidamente etiquetadas, com as informações básicas: tipo, peso e lote, selo do IBD. 8

9 Embora a produção adquirida pela Iracema disponha de certificação, o IBD acompanha o estoque da matéria-prima e a fase completa de beneficiamento do produto, fornecendo seu aval a cada embarque da mercadoria. Ao dar início, há 5 anos, à exportação de castanha de caju orgânica, a Iracema Indústrias de Caju não encontrou qualquer dificuldade quanto ao processo de exportação. O conhecimento adquirido com a exportação de castanha de caju convencional e a existência de um departamento próprio de exportação foram determinantes para o sucesso da comercialização do novo produto. Atualmente, a Iracema tem buscado novos clientes e mercados, tanto nos países da Europa quanto nos Estados Unidos. Para isso, tem utilizado os serviços de agentes localizados no exterior. Segundo a empresa, as vantagens na contratação desses profissionais incluem o custo, uma vez que o pagamento é feito através de comissão tendo esta seu percentual máximo estipulado pelo governo brasileiro, e consoante atuação como representantes da empresa em feiras e exposições de produtos orgânicos. A Iracema Indústria de Caju entende que o maior estímulo à comercialização e à produção da castanha de caju orgânica é a margem de lucro obtida no mercado internacional. Porém, embora exista compromisso com o incremento anual da produção, o grande limitador tem sido o baixo volume de produção, incapaz de atender plenamente a esse mercado demandante. 3.2 CASCAJU AGROINDUSTRIAL S/A. Localizada no município de Cascavel, a 65 km de Fortaleza, a Cascaju Agroindustrial S/A. faz parte da Holding Queiroz Comércio e Participações S/A. É considerada uma das principais produtoras e exportadoras de castanha de caju do Brasil. Fundada em 1968, a Cascaju mantém m2 de instalações fabris, dentro de uma área protegida de m2, oferecendo postos de trabalho diretos em suas três fazendas: Boa Esperança e Retiro Grande, localizadas no Estado do Ceará e em Serra Negra, no estado do Piauí. Com capacidade fabril de toneladas por ano, a Cascaju adquire toda a castanha de caju convencional de pequenos produtores, enquanto cultiva, em suas próprias fazendas, a castanha orgânica a ser processada. Do volume total beneficiado, 90% refere-se à castanha de caju convencional, e 10% à castanha de caju orgânica. O conhecimento inicial da Cascaju quanto ao potencial da castanha orgânica e da facilidade de comercialização no mercado internacional foi adquirido através de contatos com um intermediário (broker). Este trouxe a idéia da conversão de convencional para orgânico, facilitando o contato da Cascaju com o IBD e com dois clientes em potenciais de castanha de caju orgânica. A partir daí, a Cascaju deu início à conversão dos seus cajueiros convencionais e em 1993 conquistou o certificado internacional emitido pelo IBD, tornando-se, assim, a pioneira na certificação internacional da castanha de caju orgânica. Ao optar pela produção, beneficiamento e comercialização desse tipo de produto, a Cascaju levou em consideração não apenas a possibilidade de agregar valor a sua produção através da diferença de preço entre o produto convencional e o produto orgânico, mas também atuar no mercado com um produto diferenciado e demandado por uma parcela crescente de consumidores. De posse da certificação, a Cascaju deu início ao processo de exportação da castanha orgânica. A princípio, toda a sua produção visava a atender pedidos de um único cliente, estabelecido na Alemanha. Porém, a partir do incremento de sua produção, a Cascaju iniciou busca pela diversificação de mercado, investindo na prospecção de clientes nos Estados Unidos e na própria Europa. Desde então, a empresa tem se desenvolvido com o objetivo de se tornar uma das principais fornecedoras de castanha de caju orgânica do mundo. Hoje, a Cascaju exporta 100% da sua produção de castanha orgânica. Todo o processo de produção, beneficiamento e exportação é rigorosamente acompanhado pelo IBD. Do total das 9

10 exportações, 60% tem como destino a Europa basicamente a Alemanha e 40% tem como destino os Estados Unidos. Esses importadores repassam a castanha orgânica para pequenos torradores, que embalam e distribuem o produto em supermercados, com sua marca própria. O processo de exportação da castanha orgânica foi facilitado pela experiência acumulada pela Cascaju ao longo dos anos de exportação da castanha convencional e pela existência de um departamento interno para exportação. Assim, a castanha de caju orgânica pôde, desde o início, ser exportada diretamente pela Cascaju, sem necessidade de intermediários. Embora atendendo às exigências do IBD quanto ao aumento gradual do seu plantio orgânico, a Cascaju entende que sua produção ainda é insuficiente para suprir os inúmeros pedidos recebidos do exterior. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os resultados da pesquisa permitiram o atendimento dos objetivos propostos, especificamente no que tange a identificação do modo de inserção no mercado internacional das empresas cearenses que comercializam castanha de caju orgânica. A análise desses resultados segue, de maneira geral, a teoria apresentada, e, em particular, os questionamentos mencionados no início desse artigo. Essa análise é apoiada no Apêndice 1. Em geral, a pesquisa contraria as proposições teóricas de gradualismo de estágios quanto aos modos de entrada no mercado externo e proximidade de mercados iniciais. Esse resultado pode ser atribuído ao tipo de produto comercializado. Ao diferir do seu similar convencional, a castanha de caju orgânica atende a um tipo de segmento de mercado, estratificado e classificado como nicho. Como tal, requer da empresa que a comercializa um tratamento de vendas, de preço e de distribuição não convencional. Assim, as empresas aqui estudadas, confirmando proposições teóricas, inserem-se no mercado internacional através da exportação. Porém, diferindo da proposição da teoria dos estágios de internacionalização, as empresas cearenses que comercializam castanha de caju orgânica, ao iniciarem suas atividades com o mercado exterior, sentem-se seguras, não buscando, dessa forma, o apoio de intermediários estabelecidos no país exportador. Logo, para essas empresas, o canal de distribuição utilizado foi a exportação direta. Esse comportamento encontra sua justificativa ao analisarmos o perfil das empresas pesquisadas. As empresas revelaram ter adquirido experiência do processo de comercialização internacional através de negociações anteriormente realizadas, envolvendo o mesmo tipo de produto, porém em sua versão convencional, e, ambas, fazem parte de holdings detentoras de departamento de importação/exportação. Quanto à exportação para mercados distantes, os dados mostram que as empresas iniciaram a comercialização de orgânicos e, atualmente, suprem e buscam mercados geograficamente bastante distantes do Brasil. A concentração das expectativas das empresas em regiões física e culturalmente distantes Europa e Estados Unidos está intimamente ligada aos hábitos de consumo e às dificuldades de produção do orgânico nesses locais devido às condições climáticas e às características específicas desse tipo de cultura. Assim, contrariando a teoria, a busca inicial de mercados próximos para colocação do produto não se confirmou. A partir desses resultados, coloca-se como sugestão o fomento de políticas públicas ao incremento das exportações de castanha de caju orgânica e incentivos à produção e a diversificação de mercados. Da mesma forma, sugere-se uma maior participação das entidades de apoio à exportação, no intuito de aproximar as empresas que comercializam castanha de caju orgânica dos mercados potenciais. A participação em feiras nacionais e internacionais e rodadas de negócios deve-se contemplar não só os produtos convencionais, mas também os produtos orgânicos. Nesse sentido, é fundamental o apoio efetivo das embaixadas brasileiras e das câmaras 10

11 de comércio bilaterais, no intuito de atuarem como intermediárias na prospecção de negócios para o setor e, consequentemente, contribuir para o aumento e a diversificação da pauta de exportação cearense. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ACERENZA, M. Marketing internacional. México: Trillas, ANDERSEN, O. On the Internalization of Firms: A Critical Analysis. Journal of International Business Studies, Hampshire, v.24, n2, p , BANCO DO NORDESTE DO BRASIL. Workshop internacional sobre produtos orgânicos e mercados verdes. Fortaleza: BNB, BASTOS, C; KELLER,V. Aprendendo a aprender. Rio de Janeiro: Vozes, 1991 BERGSTRAND, J. Empresa global. São Paulo: Publifolha, 2002 BERNARD, A; JENSEN. J. Exporter jobs and wages in US manufacturing The Brooking Papers of Economic Activity: microeconomics, Washington, DC, p , CASCAJU AGROINDUSTRIAL S.A Empresa e produtos. Disponível em: Acesso em: 13/06/2003. DAROLT, M. A agricultura orgânica. Londrina: IAPAR, Disponível em: Acesso em: 26/06/2003. DE PAULA, M. Guia prático de exportação. São Paulo, ENGEL, J.; BLACKWELL, R.; MINIARD, P. Consumer Behavior. Forth Worth, USA: FORTE, S. Manual de elaboração de tese, dissertação e monografia. Fortaleza: Unifor, GARNIER, L. Marketing internacional para brasileiros. São Paulo: Aduaneiras, GANKERMA, H: SNUIF, H: ZWART, P. The internationalization process of small and medium-sizes enterprises. Journal of Business Management; v. 38, i. 4,p. 15, KOTABE, M.; HELSEN, K. Administração de marketing global. São Paulo: Atlas, KOTLER, P. Administração de Marketing. São Paulo: Prentice Hall do Brasil, KOTLER, P.; ARMSTRONG, G. Princípios de marketing. São Paulo: Prentice Hall do Brasil, MINERVINI, N. O exportador. 3 ed. São Paulo: Makron Books, OSBORNE, K. The channel integration decision for small to medium sized manufacturing exporters. International Small Business Journal, London, v. 14, i. 3, p. 40, PIPKIN, A. Marketing Internacional. Rio de Janeiro: Aduaneiras, SANTOS, J. Prepare-se para exportar. Brasília: JSS, SILVA, L. O acesso de empresas cearenses ao mercado externo. Fortaleza: Unifor, Dissertação de mestrado. SOUZA, R. Evolução de uma empresa no setor agro-industrial. Rio de Janeiro, COPPEAD/UFRJ, Tese (mestrado), YUSSEFI, M; WILLER, H. Organic Agriculture Worldwide. Bad Durkheim: SOL,

12 12 APÊNDICE 1 Resumo dos Casos Analisados Iracema Cascaju Missão beneficiamento produção e beneficiamento Certificação - IBD/1993 Share da produção 3% 10% orgânica Destino da produção mercado externo mercado externo orgânica Modo de exportação direto Direto inicial Mercado comprador Alemanha Alemanha inicial Mercados Alemanha (99,5%) e Alemanha (60%); EUA (40%) compradores atuais EUA(0,5%) CODTI*. experiência prévia com. experiência prévia com exportação de produtos exportação de produtos convencionais convencionais. existência. existência departamento de departamento de exportação exportação Tamanho Empresa grande grande Destaques líder mundial no beneficiam. de castanha pioneira certificação mundial de castanha orgânica orgânica Fonte: Dados da pesquisa * Características organizacionais determinantes do sucesso da internacionalização (exportações).

REAd - Revista Eletrônica de Administração ISSN: 1980-4164 ea_read@ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Brasil

REAd - Revista Eletrônica de Administração ISSN: 1980-4164 ea_read@ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Brasil REAd - Revista Eletrônica de Administração ISSN: 1980-4164 ea_read@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil Colares Oliveira, Marcelle; de Oliveira Cabral, José Ednilson; Neto Nunes da

Leia mais

OPORTUNIDADES NO COMÉRCIO INTERNACIONAL

OPORTUNIDADES NO COMÉRCIO INTERNACIONAL 1 OPORTUNIDADES NO COMÉRCIO INTERNACIONAL Abril/2006 Prof. João Bosco Torres Graduado em Administração, MBA Auditoria (USP) e Mestre em Economia, na área de Comércio Exterior e Relações Internacionais

Leia mais

Brasil IT Emerging Players

Brasil IT Emerging Players Sua empresa tem um produto competitivo e inovador na área de Tecnologia da Informação e Comunicação? Você tem interesse em expandir sua atuação no mercado externo? Está disposto a qualificar sua empresa

Leia mais

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário Plano de Negócios Plano de Negócios Sumário Introdução... 3 Plano de Negócios... 3 Etapas do Plano de Negócio... 3 Fase 1... 3 Fase 2... 8 Orientação para entrega da Atividade de Avaliação... 12 Referências

Leia mais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Nicola Minervini Santa Catarina, 02-05/12/2014 Sumario Desafios da empresa Ferramentas para a competitividade O porque das alianças Formas de alianças

Leia mais

Antigamente a comercialização era baseado na filosofia do produto, aonde o lucro era obtido através de uma grande quantidade de produtos trocados.

Antigamente a comercialização era baseado na filosofia do produto, aonde o lucro era obtido através de uma grande quantidade de produtos trocados. Comercialização de Produtos Agroindustriais -Professora: Graci Acadrolli Tozzo -Formação: Engª Agrônoma -Especialização: Qualidade Total na Agricultura Empresarial -Mestrado : Tecnologia em Produção de

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Procura-se investidor para a produção e desenvolvimento de linha inovadora de produtos feitos de peixe.

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Procura-se investidor para a produção e desenvolvimento de linha inovadora de produtos feitos de peixe. Tipo de parceria: Investimento Procura-se investidor para a produção e desenvolvimento de linha inovadora de produtos feitos de peixe. Empresa húngara desenvolveu uma linha de alimentos a base de peixe

Leia mais

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil.

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. GIRÃO, Enio G. Eng. Agrônomo, Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza CE, enio@cnpat.embrapa.br; OLIVEIRA, Francyálisson

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

O Consórcio de Exportação como Alternativa para Internacionalização das Pequenas e Médias Empresas Brasileiras

O Consórcio de Exportação como Alternativa para Internacionalização das Pequenas e Médias Empresas Brasileiras 1 O Consórcio de Exportação como Alternativa para Internacionalização das Pequenas e Médias Empresas Brasileiras Melina J. Pereira 1 RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar o consórcio de exportação

Leia mais

Apresentação ao Shopping

Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_01_ Estratégias de Internacionalização

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_01_ Estratégias de Internacionalização ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. 1 Variáveis das Estratégias de Segundo Philip Kotler,

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS. Estratégias

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS. Estratégias INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. 1 Variáveis das de Internacionalização Segundo

Leia mais

Estratégia Internacional

Estratégia Internacional Estratégia Internacional Professor: Claudemir Vasconcelos Aluno: Sergio Abreu Estratégia Internacional A internacionalização não se limita somente ao Comércio exterior (importação & exportação); é operar

Leia mais

2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais

2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais 2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. 05/02/2016 www.boscotorres.com.br

Leia mais

Menores, mas com potencial de gigantes

Menores, mas com potencial de gigantes Menores, mas com potencial de gigantes 12 KPMG Business Magazine Empresas do mercado empreendedor ganham força com a expansão do consumo nos países emergentes O ano de 2008 foi um marco na história econômica

Leia mais

Informativo. O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015. Comportamento do varejo - Mercado Nacional. Mercado da Tilápia

Informativo. O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015. Comportamento do varejo - Mercado Nacional. Mercado da Tilápia Informativo Mercado da Tilápia 03 O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015 Palmas, TO Abril, 2015 Renata Melon Barroso Med. Veterinária, Dra. em Genética Analista da Embrapa, renata.barroso@embrapa.br

Leia mais

Marketing Global Plano de Marketing

Marketing Global Plano de Marketing Administração Prof. Eder Polizei Marketing Global Plano de Marketing Marketing Global Nike é Americano??? Made in Ganado Empresa Global é aquela que opera em mais de um país e obtém vantagem em pesquisa

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

PROFª. REGINA NEGRI PAGANI PROFª. JAQUELINE RODRIGUES

PROFª. REGINA NEGRI PAGANI PROFª. JAQUELINE RODRIGUES ECONOMIA PARA ADMINISTRADORES Decisões sobre a maneira de ingressar no Mercado Internacional - Estratégias para o Mercado Internacional PROFª. REGINA NEGRI PAGANI PROFª. JAQUELINE RODRIGUES 1 2 DECISÕES

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

Administrando os canais de distribuição (aula 2)

Administrando os canais de distribuição (aula 2) 13 Aula 2/5/2008 Administrando os canais de distribuição (aula 2) 1 Objetivos da aula Explicar como os profissionais de marketing usam canais tradicionais e alternativos. Discutir princípios para selecionar

Leia mais

Capital de risco: oportunidade de financiamento para as empresas de base tecnológica

Capital de risco: oportunidade de financiamento para as empresas de base tecnológica Capital de risco: oportunidade de financiamento para as empresas de base tecnológica Heloise das Neves Balan Nathalie Aparecida dos Santos Rôas RESUMO - O presente trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 Debora de Moura 1) Panorama Internacional O mercado da castanha de caju, embora, regional no Brasil, movimenta grandes valores mundialmente. De

Leia mais

The Contribution of the NGOs, Associations and Foundations to Promote Production and Consumption of Green Products

The Contribution of the NGOs, Associations and Foundations to Promote Production and Consumption of Green Products The Contribution of the NGOs, Associations and Foundations to Promote Production and Consumption of Green Products Ágata Ritter Miriam Borchardt Giancarlo Pereira Introdução ONGs, Associações e Fundações

Leia mais

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2 Training of Trainers Program on Effective Intellectual Property Asset Management by Small and Medium Sized Enterprises (SMEs) in Portuguese-Speaking African Countries (PALOP) Lisboa, Portugal 11 de abril

Leia mais

PROCESSOS E ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DE REDES DE FRANQUIAS. Rio de Janeiro, 16 de Novembro de 2015

PROCESSOS E ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DE REDES DE FRANQUIAS. Rio de Janeiro, 16 de Novembro de 2015 PROCESSOS E ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DE REDES DE FRANQUIAS Rio de Janeiro, 16 de Novembro de 2015 36% das unidades das 200 maiores franqueadoras americanas são no exterior 80% das Top 200 operam

Leia mais

Exportar e Internacionalizar, Como?

Exportar e Internacionalizar, Como? Exportar e Internacionalizar, Como? WORKSHOP Ferramentas de Apoio à Internacionalização de Empresas 13 de Junho 2012 1 António Trigueiros de Aragão Uma moda? Uma tendência? Uma estratégia? Um novo mundo?

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Processo de Internacionalização na Indústria Calçadista Brasileira: Estudo de Caso da Calçados Azaléia S.A.

Processo de Internacionalização na Indústria Calçadista Brasileira: Estudo de Caso da Calçados Azaléia S.A. Ana Cecilia Martyn Milagres Processo de Internacionalização na Indústria Calçadista Brasileira: Estudo de Caso da Calçados Azaléia S.A. Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Análise dos critérios para decisão do modo de entrada em mercados internacionais - estudo de caso: empresa européia do ramo industrial

Análise dos critérios para decisão do modo de entrada em mercados internacionais - estudo de caso: empresa européia do ramo industrial Análise dos critérios para decisão do modo de entrada em mercados internacionais - estudo de caso: empresa européia do ramo industrial William Wagner Astolfi (USP) william.astolfi@uol.com.br Roberto Rotondaro

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s Justificativa do trabalho As Empresas, com fim lucrativo ou não, enfrentam dificuldades para determinar o preço de seus produtos ou serviços, visto que o preço sofre grande influência do mercado, levando

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Juliano Merlotto Mestre em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade

Leia mais

Cadeias de Valor e Aglomerações Empresariais Estratégias para Inserção Competitiva. Luiz Gilberto Mury

Cadeias de Valor e Aglomerações Empresariais Estratégias para Inserção Competitiva. Luiz Gilberto Mury Cadeias de Valor e Aglomerações Empresariais Estratégias para Inserção Competitiva Luiz Gilberto Mury Competitividade internacional Competitividade para uma nação é o grau pelo qual ela pode, sob condições

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

O BRASIL NO MERCADO MUNDIAL DO ALGODÃO

O BRASIL NO MERCADO MUNDIAL DO ALGODÃO O BRASIL NO MERCADO MUNDIAL DO ALGODÃO Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão / chgeral@cnpa.embrapa.br), Joffre Kouri (Embrapa Algodão) RESUMO - Utilizando-se a definição de competitividade no mercado

Leia mais

Nota de Idéia de Projeto

Nota de Idéia de Projeto Nota de Idéia de Projeto Obs.: Esse documento é de caráter orientador, para a FAZENDA TIMBO, tratando do seu potencial de geração de créditos ambientais (carbono). Todas as estimativas apresentadas são

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Área: ADMINISTRAÇÃO José Lindomir Pezenti EMATER, Cascavel-PR, pezenti@yahoo.com.br Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Cascavel-PR,

Leia mais

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco 1ª edição 2009 Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco Contador formado pela Faculdade

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

DO GERENCIAMENTO DA PRODUÇÃO À GESTÃO DA DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS HORTÍCOLAS ORGÂNICOS: UM ESTUDO DE CASO

DO GERENCIAMENTO DA PRODUÇÃO À GESTÃO DA DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS HORTÍCOLAS ORGÂNICOS: UM ESTUDO DE CASO DO GERENCIAMENTO DA PRODUÇÃO À GESTÃO DA DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS HORTÍCOLAS ORGÂNICOS: UM ESTUDO DE CASO Ana Paula de Oliveira Souza Departamento de Engenharia de Produção- UFSCAR/ anasol@asbyte.com.br

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA Antônio Carlos de Araújo Lúcia Maria Ramos Silva Ahmad Saeed Khan RESUMO: Estudou-se o comportamento do consumidor de iogurte

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

PEDSYN (PROGRAMA DE EXCELÊNCIA EM DISTRIBUIÇÃO SYNGENTA): Estratégia de Acesso ao Mercado Canais de Distribuição

PEDSYN (PROGRAMA DE EXCELÊNCIA EM DISTRIBUIÇÃO SYNGENTA): Estratégia de Acesso ao Mercado Canais de Distribuição Central de Cases PEDSYN (PROGRAMA DE EXCELÊNCIA EM DISTRIBUIÇÃO SYNGENTA): Estratégia de Acesso ao Mercado Canais de Distribuição www.espm.br/centraldecases Central de Cases PEDSYN (PROGRAMA DE EXCELÊNCIA

Leia mais

Cód. Ref.: SOFT/EDL039/2012 2ª Chamada Consultoria Especializada PSVs. Campinas, 21 de dezembro de 2012.

Cód. Ref.: SOFT/EDL039/2012 2ª Chamada Consultoria Especializada PSVs. Campinas, 21 de dezembro de 2012. Cód. Ref.: SOFT/EDL039/2012 2ª Chamada Consultoria Especializada PSVs Campinas, 21 de dezembro de 2012. 2º CHAMADA EDITAL DE SELEÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA PARA APOIO À OPERAÇÃO DOS PORTFÓLIOS DE

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café ED 2180/14 15 maio 2014 Original: espanhol P Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café 1. O Diretor Executivo apresenta seus cumprimentos e, em nome da Colômbia, encaminha aos Membros

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Comunicação. As flores da Bahia

Comunicação. As flores da Bahia As flores da Bahia Andréa Mendes Sampaio Scherer* O mercado de flores O mercado de flores movimenta hoje algo em torno de US$ 64 bilhões por ano. Dois terços dele pertencem à Holanda. Apesar de crescente,

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Café de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011 Substitui a versão anterior de: 16.02.2009 Data esperada para a próxima revisão : 2013 Envie seus comentários

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO SUMÁRIO 4 APRESENTAÇÃO DO PROJETO 6 JUSTIFICATIVA 7 OBJETIVOS 7 PÚBLICO ALVO 8 HISTÓRICO DO EVENTO 12 EMPRESAS E INSTITUIÇÕES PARCEIRAS APRESENTAÇÃO DO PROJETO Foto 1: Vista aérea do evento A Expoarroz

Leia mais

A internacionalização do varejo brasileiro

A internacionalização do varejo brasileiro franchising A internacionalização do varejo brasileiro Estudo mostra que apenas 5% das franquias brasileiras possuem atuação no exterior. Levantamento aponta ainda que 95% das redes criadas no Brasil estão

Leia mais

Período de exposição e funcionamento dos Quiosques

Período de exposição e funcionamento dos Quiosques Chamamento Público para empreendimentos da agricultura familiar que tenham a intenção de participar dos Quiosques Brasil Orgânico e Sustentável durante os dias 11 a 27/06 em 10 cidades sedes da Copa de

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua

Leia mais

reflexos da oscilação cambial para o exportador brasileiro

reflexos da oscilação cambial para o exportador brasileiro Central de Cases MADEHOUSE: reflexos da oscilação cambial para o exportador brasileiro www.espm.br/centraldecases Central de Cases MADEHOUSE: reflexos da oscilação cambial para o exportador brasileiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. 1. Apresentação

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. 1. Apresentação MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO 1. Apresentação Este trabalho tem por objetivo analisar os aspectos do agronegócio do caju relacionados à sua produção

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto INTRODUÇÃO Cenário político e econômico da Globalização Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento Viçosa Novembro de 2012 Ceres Mattos Della Lucia ceresnut@yahoo.com.br

Leia mais

5 Conclusões. Estratégias Café Verde. peneiras) peneiras) cereja descascado) - certificação orgânica internacional (IBD)

5 Conclusões. Estratégias Café Verde. peneiras) peneiras) cereja descascado) - certificação orgânica internacional (IBD) 5 Conclusões A partir do objetivo principal deste estudo, que buscava identificar as estratégias de marketing adotadas pela empresas Alfa e Beta para comercializar o seu produto no exterior, bem como os

Leia mais

4 Metodologia da Pesquisa

4 Metodologia da Pesquisa 79 4 Metodologia da Pesquisa Este capítulo se preocupa em retratar como se enquadra a pesquisa de campo e como foram desenvolvidas as entrevistas incluindo o universo pesquisado e a forma de analisá-las

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO

ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO D. Daniela tem uma fábrica de móveis e vende seus produtos para todo o Brasil. Como os produtos de sua fábrica têm ótima qualidade e seus preços no mercado interno são

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MANUAL DO CANDIDATO Ingresso março 2011 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda a sexta-feira 9h00

Leia mais

Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País

Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País EMBRATEL CASE Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País O Portfólio de TI da Embratel a Serviço da Agroindústria A convergência de serviços de TI e telecom se consolida como fenômeno

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014 BRIGANTI ADVOGADOS é um escritório brasileiro de advogados, de capacidade e experiência reconhecidas, que nasce com um propósito distinto. Nosso modelo de negócio

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

35ª Reunião do CAMARA SETORIAL DA CADEIA PRODUTIVA DA CACHAÇA

35ª Reunião do CAMARA SETORIAL DA CADEIA PRODUTIVA DA CACHAÇA 35ª Reunião do CAMARA SETORIAL DA CADEIA PRODUTIVA DA CACHAÇA Brasília, 22 de outubro de 2013 Convênio SENAC-SP - curso de formação do Sommelier especializado em Cachaças Capacitar Sommeliers com ênfase

Leia mais

Relatório Anual Café RAC Brasil 2012. Elaborado por: Piracicaba, 2013

Relatório Anual Café RAC Brasil 2012. Elaborado por: Piracicaba, 2013 Relatório Anual Café RAC Brasil 2012. Elaborado por: Piracicaba, 2013 Introdução O presente relatório tem objetivo de demonstrar o comportamento de parte da cadeia produtiva do café certificado RAC Rainforest

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos Professor: Raphael Rocha Formado em Administração, especialista em Marketing, pela UFRJ, com MBA em Gestão de Negócios, Comércio e Operações

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

Palavras-chave: Produtos agroecológicos beneficiados, comercialização, agricultura familiar, Ouro Preto do Oeste

Palavras-chave: Produtos agroecológicos beneficiados, comercialização, agricultura familiar, Ouro Preto do Oeste PROPOSTA INTEGRADA PARA A REABILITAÇÃO DA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS BENEFICIADOS DE AGRICULTORES FAMILIARES DE BASE ECOLÓGICA DE OURO PRETO DO OESTE, RONDÔNIA Integrated proposal for the reabilitation

Leia mais

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. Este documento está disponível nos seguintes sites: www.sanstandards.org

Leia mais

A OPORTUNIDADE E A ESTRATÉGIA

A OPORTUNIDADE E A ESTRATÉGIA Central de Cases A OPORTUNIDADE E A ESTRATÉGIA www.espm.br/centraldecases Central de Cases A OPORTUNIDADE E A ESTRATÉGIA Preparado pelo Prof. Ricardo D Alò de Oliveira, da ESPM-RS. Recomendado para as

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

A revitalização da cultura do cajueiro em Olho D água do Casado/AL

A revitalização da cultura do cajueiro em Olho D água do Casado/AL Professoara da Universidade Estadual de Alagoas - UNEAL Lúcia Bezerra Guerra luciabguerra@hotmail.com Aluno da Universidade Estadual de Alagoas UNEAL Eudes Soares Silva Eudes_k9@hotmail.com A revitalização

Leia mais