A RELAÇÃO DOS INCENTIVOS FISCAIS COM OS INCOTERMS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL THE RELATIONSHIP OF TAX INCENTIVES AND INCOTERMS IN INTERNATIONAL TRADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RELAÇÃO DOS INCENTIVOS FISCAIS COM OS INCOTERMS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL THE RELATIONSHIP OF TAX INCENTIVES AND INCOTERMS IN INTERNATIONAL TRADE"

Transcrição

1 A Relação dos Incentivos Fiscais e os Incotherms para o Comércio Internacional Felipe Aparecido Gonçalves USF Resumo:Com os processos industriais cada vez mais enxutos a bola da vez é a logística e o ganho de competitividade através da estratégia logística está cada vez mais presente no mercado nacional e internacional, dentre os diversos pontos possíveis foi escolhido como pontos principais os Incoterms e os incentivos fiscais, o quanto este conjunto de regras pode auxiliar no ganho de competitividade se bem aplicado, apesar do Brasil ser um grande exportador de comodities devido a produção agrícola e à riqueza em minerais, ainda não possui uma cultura de exportação. Para mudar este cenário, o governo federal vem gradativamente desenvolvendo projetos de modo a incentivar e apoiar os empresários interessados na exportação, uma vez que esse movimento favorece a balança comercial e o equilíbrio da economia, atraindo divisas e empregos ao país. Palavras Chave: Exportação - Incentivos Fiscais - Estratégia - -

2 A RELAÇÃO DOS INCENTIVOS FISCAIS COM OS INCOTERMS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL THE RELATIONSHIP OF TAX INCENTIVES AND INCOTERMS IN INTERNATIONAL TRADE Felipe Aparecido Gonçalves 1

3 RESUMO: Com os processos industriais cada vez mais enxutos a bola da vez é a logística e o ganho de competitividade através da estratégia logística está cada vez mais presente no mercado nacional e internacional, dentre os diversos pontos possíveis foi escolhido como pontos principais os Incoterms e os incentivos fiscais, o quanto este conjunto de regras pode auxiliar no ganho de competitividade se bem aplicado, apesar do Brasil ser um grande exportador de comodities devido a produção agrícola e à riqueza em minerais, ainda não possui uma cultura de exportação. Para mudar este cenário, o governo federal vem gradativamente desenvolvendo projetos de modo a incentivar e apoiar os empresários interessados na exportação, uma vez que esse movimento favorece a balança comercial e o equilíbrio da economia, atraindo divisas e empregos ao país. PALAVRAS-CHAVE: Exportação; Incentivos Fiscais; Estratégia. ABSTRACT: With the increasingly lean manufacturing process the "next big thing" is the logistics and gain competitiveness through logistics strategy is increasingly present in the national and international market, among many possible points was chosen as the main point Incoterms and Tax Incentives how this set of rules can help to gain competitiveness, if implemented well. Brazil is a big exporter in the commodity Market. However, there is a lack os infrastructure and the export culture is not well developed in the country. These make its products less competitive. To change this scenario, the Brazilian government has been launching projects to stimulate and support companies willing to export and make Brazil1s name stronger worldwide. By doing it the authorities wants to benefit the trade balance, make the economy healthier, and add jobs in the country. KEYWORDS: Export; Tax Incentives; Strategy. 2

4 INTRODUÇÃO Desde os tempos primórdios a logística vem sendo aplicadas no transporte, armazenamento e controle de bens e serviços, os líderes militares já se utilizavam da logística para o transporte de tropas, armazenamento de suprimentos e administração destes. Após a segunda guerra mundial a necessidade de suprir os lugares destruídos pela guerra fez com que as empresas enraizassem a logística. Dentro das empresas quando bem aplicada à logística proporciona vantagem competitiva, e com a otimização das atividades relacionas ao manuseio, armazenagem, deslocamento aquisição e controle de seus produtos é possível reduzir seus custos. Não é diferente quando nos relacionamos ao comercio internacional com o agravante que o comprador e vendedor estão em territórios diferentes o que faz com que haja na negociação um maior esclarecimento dos deveres e obrigações e neste sentido o Incoterms vem auxiliar compradores e vendedores. Diante deste cenário, através da evolução e fortalecimento da globalização, gradativamente o mundo vem aumentando suas relações comerciais. Atualmente as empresas buscam alternativas de mercados para aumentarem seu faturamento e seus lucros, e a comercialização que atravessa as barreiras territoriais passou a ser uma opção bastante interessante para este fim. No entanto, para adentrar o mercado externo, faz-se necessário que os profissionais que administram o negócio, proprietários e até mesmo os funcionários desenvolvam uma mentalidade global, de forma que possibilite a empresa a se tornar uma companhia globalizada, aberta às tendências de mercado em questão. De acordo com o Tófoli (2006), a arena internacional apresenta tanto oportunidades como ameaças para empresas que procuram competitividade em mercador globais. No entanto, as fronteiras nacionais, culturais ou distâncias geográficas já não existem, e a empresa que não moldar suas estratégias para o mercado internacional, corre o risco de ficar para trás e perder espaço interno para empresas estrangeiras que se instalaram no país. Muito além das vantagens privadas do negócio, a exportação beneficia em muito o país, pois gera empregos, aumento da produção, e os funcionários sentem-se orgulhosos por trabalharem em uma empresa que exporta seus produtos. Além dos padrões de qualidade que os produtos precisam ter para alcançar o mercado externo, é importante que ele possa competir em preço. Para tanto, existe incentivos que o Governo providenciou para que as empresas possam ser competitivas em suas exportações. 3

5 Para isso a escolha do melhor Inconterms apto a proporcionar a otimização, ou seja, a aplicação de estratégicas logística como redutor da carga de custos no momento da importação e ou preços competitivos quando se exporta. Os Incoterms surgiram em 1936, quando a Câmara Internacional do Comércio - CCI, com sede em Paris, interpretou e consolidou as diversas formas contratuais que vinham sendo utilizadas no comércio internacional. O constante aperfeiçoamento das negociações mundiais e a logística incorporando tecnologias cada vez mais sofisticadas, fez com que os Incoterms passassem por diversas modificações ao longo dos anos, chegando a um novo conjunto de regras, conhecido atualmente como Incoterms Incoterms Os Incoterms surgiram em 1936, quando a Câmara Internacional do Comércio - CCI, com sede em Paris, interpretou e consolidou as diversas formas contratuais que vinham sendo utilizadas no comércio internacional. O constante aperfeiçoamento das negociações mundiais e a logística incorporando tecnologias cada vez mais sofisticadas, fez com que os Incoterms passassem por diversas modificações ao longo dos anos, hoje com revisões a cada 10 anos chegando a um novo conjunto de regras, conhecido atualmente como Incoterms Estas regras compreendem aspectos como; Obrigações gerais do comprados e vendedor; Licenças, autorizações, liberações e outras formalidades; Contrato de transporte e seguro; Entrega e recebimento da mercadoria; Transferência de riscos; Atribuição de custos; Notificações; documentos de entrega; Conferencia, Embalagem e marcação; Assistência com as informações e custos relacionados. O Incoterms é um conjunto de 11 regras nomeadas por siglas que são compostas por três letras e subdivididas em dois grandes grupos decorrentes do modal utilizado, são eles: EXW (EX Works) Ex Fábrica. EX-Fábrica quer dizer que o vendedor entrega a mercadoria colocando-a à disposição do comprador, em sua fábrica ou em outro local designado (ex.: empresas, fábrica, armazéns, etc.). O vendedor não precisa carregar a mercadoria no veiculo de coleta, nem é necessário que ele a desembarace para exportação quando o desembaraço aduaneiro for aplicável. O comprador assume todos os custos e riscos envolvidos em retirar as mercadorias do ponto acordado, caso existam, no local designado para entrega. (JUNIOR, 2011, p.17). 4

6 FCA (Free Carrier) Transportador livre. Livre de transporte significa que o vendedor entrega as mercadorias para o transportador, ou outra pessoa nomeada pelo comprador, na fábrica do vendedor ou outro local nomeado. As partes são advertidas sobre especificar o mais claro possível o ponto dentro do local designado para entrega, uma vez que a transferência de risco é passada para o comprador neste ponto. (JUNIOR, 2011, p.25). CPT (Carriege Paid To) Transporte pago até. Transporte pago significa que o vendedor entrega a mercadoria para o transportador ou outra pessoa nomeada pelo vendedor em um local designado (se algum local for acordado entre as partes), que o vendedor deve contratar e pagar os custos de transporte necessários para levar a carga até o local nomeado no destino. (JUNIOR, 2011, p.37). CIP (Carrige and Insurence Paid To) Transporte e seguro pagos até. Transporte e seguro pagos significa que o vendedor entrega as mercadorias para o transportador ou outra pessoa nomeada pelo vendedor em um local designado (se algum local for acordado entre as partes), e que o vendedor deve contratar e pagar pelos custos do transporte necessário para levar a carga ao local designado no destino. O vendedor também contrata a cobertura do seguro contra o risco de o comprador sofrer perdas ou danos das mercadorias durante o transporte. (JUNIOR, 2011, p.47 e 48). DAT (Delivered At Terminal) Entregue no terminal. Entrega no Terminal significa que o vendedor entrega a mercadoria quando as mesmas, após descarregadas do veículo de transporte de chegada, são colocadas à disposição do comprador no terminal designado no porto ou no local de destino nomeado. Terminal inclui qualquer lugar, coberto ou não, tal como cais, armazém, estacionamento de contêiner, terminal de carretas, ferrovias ou terminal de carga aérea. O vendedor assume os riscos envolvidos em levar as mercadorias e descarregá-las no terminal, no porto, ou local designado no destino.(junior, 2011, p.61). DAP (Delivered At Place) Entregue no local. Entrega no Local significa que o vendedor entrega as mercadorias quando estas estão dispostas para o comprador no veículo de transporte de chegada, prontas para descarga no local de destino nomeado. O vendedor assume os riscos envolvidos em levar as mercadorias ao local designado.(junior, 2011,p.69). DDP (Delivered Duty Paid) Entregue com direitos pagos. Entregas com direitos pagos significa que o vendedor entrega as mercadorias quando estas são colocadas á disposição do comprador, desembaraçadas para importação no meio de transporte 5

7 de chegada, e pronta para descarga no local nomeado de destino. O vendedor arca com todos os custos e riscos envolvidos em levar as mercadorias ao local de destino e tem a obrigação de desembaraçar as mercadorias não somente para exportação, mas também para importação, pagar quaisquer impostos tanto devido à exportação quanto à importação e arca com todos os tramites aduaneiros. (JUNIOR, 2011, p.77). FAS (Free Alongside Ship) Livre ao costado do navio. Livre ao longo do navio significa que o vendedor entrega as mercadorias colocadas no costado do navio (ex. em um cais ou em barcaça) nomeado pelo comprador, no porto de embarque nomeado. Os riscos de perdas e danos das mercadorias são transferidos quando as mercadorias estão no costado do navio e o comprador assume todos os custos a partir deste momento. (JUNIOR, 2011,p.87). FOB (Free On Board) Livre a bordo Livre a bordo significa que o vendedor entrega as mercadorias a bordo do navio nomeado pelo comprador, no porto de embarque nomeado, ou que as obtenha prontas para embarque. Os riscos de perdas e danos das mercadorias são transferidos quando as mercadorias estão a bordo do navio, e o comprador assume todos os custos a partir deste momento. (JUNIOR, 2011, p.97). CFR (Cost and Freight) Custo e frete Custo e frete significa que o vendedor entrega as mercadorias a bordo do navio ou as obtém prontas para embarque. Os riscos de perdas e damos das mercadorias são transferidas quando as mercadorias estão a bordo do navio. O vendedor deve contratar e pagar os custos com o frete necessário para levar as mercadorias até o ponto de destino. (JUNIOR, 2011, p.107). CIF (Cost, Insurence and Freight) Custo, seguro e frete. Custo, Seguro e Frete significa que o vendedor entrega as mercadorias a bordo do navio ou as obtém prontas para embarque. Os riscos de perdas e danos das mercadorias são transferidos quando as mercadorias estão a bordo do navio. O vendedor deve contratar o frete e pagar os custos necessários para levar as mercadorias até o porto de destino. (JUNIOR, 2011, p.119). Governo - Incentivos Financeiros Para Garcia (2006) os incentivos financeiros são representados por linhas de financiamento concedidas às empresas exportadoras para o desenvolvimento da produção (fase pré-embarque) e a comercialização (fase pós-embarque) de seus produtos destinados ao exterior. Conheceremos a seguir alguns programas abordados a descritos por Garcia (2006). 6

8 Financiamentos à Produção: a) O BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) disponibiliza linhas de financiamentos para produção destinada à exportação de bens de longo ciclo de produção ou bens de capital como máquinas e equipamentos. b) O PROGER Exportação é uma linha de financiamento às exportações destinadas ao financiamento da produção nacional de bens e atividades diretamente envolvidas com a promoção da exportação. Abrange, inclusive, despesas com pacotes de viagem para participação em feiras e eventos comerciais no país e no exterior, aquisição de passagens aéreas, hospedagem, traslado, transporte de bagagem, locação de espaço físico, montagem e ambientação de estande, produção de material promocional, entre outros. c) PGNI o Programa de Geração de Negócios Internacionais para microempresas e empresas de pequeno porte. Tem sua área de atuação disponível em todo território nacional, na agência de relacionamento do cliente. Tem por objetivo contribuir para o incremento e desburocratização do comércio exterior brasileiro, com foco nas exportações e como forma de auxiliar a inclusão social a partir da inserção, de micro e pequenas empresas no mercado internacional. Financiamento à comercialização: a) ACE Adiantamento sobre Cambiais de Exportação é regulado pela circular do Banco Central do Brasil nº /92, tradicionalmente conhecido no mercado interno como desconto de títulos, Representa o saque representativo da operação de exportação. É feita mediante cessão, pelo exportador, do respectivo endosso a favor do Banco. b) PROEX Programa de Financiamento às Exportações previsto na lei nº , de 12/02/01, que permite ao Tesouro Nacional pactuar encargos financeiros compatíveis com os praticados no mercado internacional para financiamento à exportação de bens e serviços nacionais. As condições para aplicação dessa modalidade serão estabelecidas pelo MDIC, observadas as disposições do Conselho Monetário Nacional. Governo Incentivos Institucionais O governo brasileiro criou o Programa Brasil Exportador, o qual objetiva formular, consolidar e racionalizar as ações de promoção das exportações. Este programa tem a participação 7

9 de diversas instituições que possuem distintos papéis no comércio exterior. A ideia principal é a de que precisamos, além de exportar mais, exportar melhor. Existem instituições que formam, informam e auxiliam as empresas no processo de exportação e estimulam a sua entrada no mercado externo. Dentre elas temos a APEX-Brasil, SEBRAE, SENAI, CNI, Federações das Indústrias, associações, sindicatos, câmaras de comércio que são sociedades civis, sem fins lucrativos, constituídos com o aval oficial do país que representam. Todas estas instituições visam estimular o comércio exterior. Governo Acordos Comerciais Internacionais O Brasil participa dos Acordos listados abaixo. Tais acordos possibilitam o importador de se isentar parcial ou totalmente dos impostos de importação que seriam recolhidos em seus países, desde que o Brasil comprove que o produto é de origem brasileira, através de um certificado de origem (É importante ressaltar que dentre os componentes podem conter produtos importados, porém há a exigência de que seja manufaturado no Brasil). Consequentemente esta ação torna a importação do Brasil mais interessante que a importação de outras localidades. a) ACE nº18 Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) b) ACE nº02 Brasil x Uruguai (automotivo) c) ACE nº14 Brasil x Argentina (Automotivo) d) ACE nº35 Mercosul x Chile e) ACE nº36 Mercosul x Bolívia f) AAR/PTR04 AR, BR, PA, UR, BO, CH, CU, CO, EQ, VE, PE E MEX. g) ACE nº62 Mercosul x Cuba h) ACE nº53 Brasil x México i) ACE nº55 Mercosul x México (automotivo) j) ACE nº58 Mercosul x Peru k) ACE nº59 Mercosul x CAN (Colômbia, Equador, Venezuela) l) ACP Mercosul x Índia m) FTP Mercosul x Israel n) SGP Sistema Geral de Preferências 8

10 Governo Incentivos fiscais As empresas exportadoras podem utilizar mecanismos que contribuem para uma diminuição dos tributos que normalmente são devidos nas operações no mercado interno, são chamados de Incentivos Fiscais. Os Incentivos Fiscais são benefícios destinados a eliminar os tributos incidentes sobre produtos nas operações normais de mercado interno e são concedidos através da eliminação dos tributos incidentes sobre os produtos nacionais com destino ao mercado externo. Seu objetivo principal é desonerar tributariamente o produto. Os incentivos fiscais à exportação são garantidos pela não aplicação dos impostos abaixo relacionados Segundo Garcia (2006), a) IPI imposto sobre produtos industrializados; b) ICMS imposto sobre circulação de mercadorias e serviços de transporte e telecomunicações; c) PIS programa de integração social; d) COFINS contribuição para financiamento da seguridade social; e) IE imposto de exportação; f) Credito presumido do IPI para ressarcimento do PIS e COFINS cumulativos incidentes a aquisição de matéria prima, produto intermediário e material de embalagem; g) Drawback suspensão; h) Drawback isenção; i) Drawback restituição; j) Drawback interno; k) IOF imposto sobre operações financeiras; l) IR imposto de renda. m) Reintegra IPI O IPI é um tributo de competência federal, indireto (pois é repassado ao consumidor final, mas quem o recolhe é a empresa), seletivo (por possuir alíquotas diferenciadas que variam de acordo com a essencialidade dos produtos) e não-cumulativo (pois seu recolhimento é feito através da equação IPI s/ vendas IPI s/ compras = imposto a recolher / compensar ), nas operações de exportação o IPI: 9

11 a) Imune (impossibilidade de tributação garantida pela constituição federal) nas exportações diretas conf. Inciso III, do 3º, art. 153 da constituição federal; b) Suspenso (não aplicação, pela destinação final do produto) na exportação indireta; c) Isento (dispensa do pagamento) nas vendas equiparadas à exportação (trading company). ICMS O ICMS é um tributo de competência estadual, indireto, seletivo (variação da alíquota de Estado para Estado e de alguns produtos por essencialidade) e não-cumulativo (sua apuração é igual à do IPI), nas operações de exportação o ICMS é tratado pela não incidência tanto nas exportações diretas, quanto nas indiretas e como nas vendas equiparadas (trading company). Assim como com o IPI, é garantida a manutenção do crédito relativo às aquisições de insumos, materiais de embalagem e outros materiais utilizados no processo de produção dos produtos destinados à exportação, inclusive para abatimento no imposto debitado na venda dos produtos no mercado interno. COFINS A COFINS é um imposto de competência federal, pode ser cumulativo (alíquota de 3% sobre a receita bruta de vendas) ou não-cumulativo (apura-se o imposto da mesma forma que o IPI e o ICMS, aplicando a alíquota de 7,6 % s/ às vendas de produtos, mercadorias e/ou serviços e 7,6 % s/ às compras de insumos utilizados na produção). A COFINS com relação às operações de exportação é: a) Isenta conf. Lei complementar 70, de 30/12/1991 sobre as exportações diretas, indiretas e vendas equiparadas (trading company); b) Pode manter e utilizar os créditos do imposto (quando no regime da não cumulatividade) relativos aos produtos vendidos ao exterior. PIS O PIS é um imposto de competência federal, assim como a COFINS, pode ser cumulativo (alíquota de 0,65 % sobre a receita bruta de vendas) ou não-cumulativo (apura-se o imposto da mesma forma que a COFINS, aplicando a alíquota de 1,65 % s/ às vendas de produtos, mercadorias e/ou serviços e 1,65 % s/ às compras de insumos utilizados na produção). Quanto às operações de venda ao mercado externo, o PIS é: 10

12 a) Isento nas exportações diretas, indiretas e de vendas equiparadas (trading company) conf. Art. 5º da lei 9004, de 16/03/95; b) Pode manter e utilizar os créditos do imposto (quando no regime da não cumulatividade) relativos aos produtos vendidos ao exterior. IE Segundo o artigo 153, inciso II da constituição federal, o imposto sobre exportação é um tributo de competência exclusiva da união, extrafiscal, tem como fato gerador a saída de mercadorias/produtos do território nacional. Considera-se ocorrido o fato gerador quando expedida a guia de exportação. Tem como característica principal o fato de ser cobrada com fins fiscais e regulatórios. É Importante salientar que o preço de venda dos produtos (que é à base de cálculo para o imposto) não pode ser inferior ao seu custo de produção/aquisição, acrescido dos impostos incidentes e margem de lucro de 15% sobre a soma dos itens anteriores (custos e impostos). A alíquota deste imposto é de 30%, facultado ao poder executivo, por meio de decreto, reduzi-la ou aumentá-la sem que obedeça ao princípio da anterioridade para que possa atender aos objetivos da política cambial e do comércio exterior. Em caso de elevação, a alíquota não poderá ser superior a 150%. Crédito presumido do IPI para ressarcimento do PIS e da COFINS cumulativos incidentes sobre a aquisição de MP, PI e ME. Segundo Garcia (2006, p.153), A origem deste incentivo remonta à edição da Medida Provisória nº. 674/94, que o Congresso Nacional transformou na lei nº , em 13/12/96. Fazem jus ao benefício as empresas cujas receitas auferidas nas vendas de exportação diretas e/ou indireta estejam sujeitas ao regime cumulativo do PIS e da COFINS. O crédito do IPI é concedido como forma de restituição pelo pagamento do PIS e da COFINS agregados ao valor de compra dos insumos utilizados na fabricação de produtos destinados à exportação. O valor do crédito é apurado através da fórmula: a) Base cálculo = receita de exportação / receita operac. Bruta b) Valor de insumos = valor das compras x base de cálculo c) Crédito presumido = valor dos insumos x 5,37 % O valor encontrado pode ser aproveitado nas operações internas com débito do imposto ou ressarcido em espécie. 11

13 Drawback - suspensão Trata-se de operação de importação de insumos vinculada ao compromisso de exportação futura. Para gozar deste benefício a empresa, deve pleiteá-lo antes de realizar a importação dos insumos através do preenchimento do formulário pedido de drawback que dará origem ao ato concessório, e então será fixado o prazo para cumprimento do compromisso. O prazo para cumprimento do compromisso é de 1 ano, podendo ser renovado por igual período. Em caso de bens de longo período de fabricação, o prazo poderá ser de até 5 anos. Na chegada do insumo importado, a empresa firma um termo de responsabilidade junto à receita federal para que sejam suspensos os impostos que normalmente oneram a operação. Drawback isenção Trata-se de operação de importação de insumos para reposição de estoques de insumos utilizados na fabricação de produtos já exportados (drawback suspensão). O benefício é Drawback é o compromisso da empresa que quando realiza a compra de insumos no exterior deverá a mesma realizar exportação dos produtos utilizados pelo mesmo pleiteado após a importação, fabricação e exportação do produto, através de formulário pedido de drawback junto de comprovante de exportação e respectivos comprovantes de importação que darão origem ao ato concessório. O prazo para pleitear o benefício é de 2 anos contados a partir da data da primeira declaração de importação utilizada no pedido de drawback. O embarque dos produtos importados através do drawback isenção é de 1 ano após emissão do ato concessório, podendo ser prorrogado por mais 1 ano. Para ambos os benefícios (drawback suspensão e isenção), os impostos beneficiados sobre a importação são: a) II Imposto de importação; b) IPI; c) ICMS; d) AFRMM - adicional de frete para renovação da marinha mercante. Drawback restituição Assemelham-se ao drawback isenção, por ser pleiteado após a importação, fabricação e exportação do produto. Apesar de ter exportado o produto, fabricado com insumos importados, a empresa não tem interesse em repor seu estoque através da isenção; portanto, decide-se pela restituição dos impostos federais que incidiram na importação anteriormente efetuada. 12

14 IOF Tem alíquota de 0% para as seguintes operações vinculadas à exportação: a) Crédito, câmbio e seguros; b) Títulos e valores imobiliários; c) Operações de crédito às exportações; d) Adiantamentos de contrato de crédito (ACC). IR Possui alíquota de 0% para as seguintes operações vinculadas à exportação: a) Remessas ao exterior para pagamento de despesas com promoções, propagandas e pesquisas de mercado, como feiras e exposições ou na manutenção de escritórios, armazéns, depósitos e entrepostos; b) Solicitação, obtenção e manutenção de direito de propriedade industrial; c) Comissões pagas a agentes; d) Juros e descontos de cambiais de exportação e comissões de banqueiros referentes a essas cambiais; e) Juros e descontos de créditos obtidos no exterior e destinados ao financiamento de exportações. Reintegra Criado por medida provisória, o Reintegra (Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras) vai devolver ao exportador de bens industrializados 0,5% da receita da exportação, nos mesmos moldes da restituição do Imposto de Renda. Por meio de decreto Presidencial, a presidenta da República poderá elevar esse percentual para até 4%. O valor em espécie será depositado na conta do exportador, mas quem desejar também poderá usar os recursos para quitar débitos existentes junto à Receita Federal. O objetivo do Regime é desonerar as exportações de bens industrializados de tributos pagos ao longo da cadeia de produção que, hoje, não são desonerados pelas sistemáticas vigentes, como ISS, IOF e CIDE, entre outros. O benefício é linear e está de acordo com as normas da Organização Mundial do Comércio. 13

15 RESULTADOS Baseando-se na pesquisa, identificamos que o Governo Brasileiro criou mecanismos para que a exportação de seu país tenha como adentrar o mercado internacional de forma competitiva. O grande encargo de impostos cobrado para o negócio nacional não se aplica às exportações, e assim sendo, há um grande incentivo às empresas para se tornarem exportadoras. Este ponto é um tanto quanto positivo, pois além de expandir os negócios, o mercado passa a se deparar com produtos com nível de qualidade muito melhor, tal qual se exige no exterior. Para a formalidade constatou-se no embasamento legal aludido a obrigatoriedade de informar o INCOTERMS. E no âmbito logístico foi confirmada a necessidade de aplicação da mesma como ferramenta estratégia competitiva, otimizando recursos para a redução de custos ou utilizando a soma dos volumes para negociação. CONCLUSÃO Diante das informações levantadas como; materiais aplicados, legislação pertinente e resultados de pesquisa e ainda sem querer neste esgotar o tema, mas sim concluir este estudo com embasamento suficiente para responder a indagação apresentado como titulo e sustentar a defesa da escolha do INCOTERMS mais adequado para empresas multinacionais com transação correntes entre coirmãs. Ao explorar a logística aplicada nas operações de importação e exportação de empresas multinacionais e o poder de negociação com a junção da distribuição local e das atividades inerentes a exportação e a importação que ocorrem no território nacional é sugerido a utilização do Incoterms FCA Porto ou Aeroporto de embarque (Free Carrier) Transportador livre. Com a aplicação do Incoterms FCA a empresa sediada no Brasil, por exemplo, ao exportar suas mercadoria com o Incoterms FCA entrega a carga no aeroporto ou porto de embarque podendo otimizar a volta do veiculo com mercadorias originarias de importações carregadas nos portos e aeroportos. Além da otimização do frete em território nacional o serviço de liberação Aduaneira na exportação e na Importação também pode ser otimizado utilizando uma mesma estrutura, seja ela 14

16 Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) A Relação dos Incentivos Fiscais com os Incoterms no Comércio Internacional própria ou terceirizada, a soma do volume de serviço aduaneiro (importação e exportação) pode ser utilizado como barganha para a negociação deste serviço já que a mesma estrutura pode ser utilizada. Embora o governo incentive esta ação, infelizmente a burocracia é grande e a competitividade acirrada. Porém, ainda com todas as dificuldades apresentadas, o mercado internacional é excelente opção para as empresas, pois traz ganhos financeiros e expansão mercadológica, além de melhorar significativamente sua imagem. Para esta estratégia internacional, o Governo garante vários incentivos financeiros, institucionais, fiscais e acordos comerciais que favorecem a negociação entre as partes. Assim sendo, as operações de venda ao mercado externo são muito vantajosas tanto para as empresas quanto para o país como um todo. Diante do cenário apresentado e que favorece a empresa, cabe a cada empresário analisar o custo x benefício da operação e formular a melhor estratégia para sua empresa, a fim de levá-la ao sucesso. REFERÊNCIAS acessado em 22/03/2014 as 16h14. acessado em 22/03/2014 as 17h30. GARCIA L. M. Exportar Rotinas e Procedimentos, Incentivos e Formação de Preços. 7. Ed. São Paulo, 2001, Edições Aduaneiras Ltda., 230 p. Cabanas L.A., Tófoli I. Artigo: Estratégias de internacionalização do Segmento Agroindustrial: Utilizando competências internas um caso em foco. Certificado de Origem, Comércio Exterior Apostila FIESP acessado em 20/06/2012 as 18:22. JUNIOR, Publio Incoterms 2010 Regras da ICC para uso domestico e internacional dos termos comerciais Rio de Janeiro, Ed. Aduaneiras, Publicação nº acessado em 27/03/2013 as 19:56 horas. acessado em 06/03/2013 as 18:56 Horas. 15

Comércio Exterior no Brasil

Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior Fluxograma para empresa brasileira exportar Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/235

Leia mais

Serviços em Comércio Exterior

Serviços em Comércio Exterior INCOTERMS Os Incoterms (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) foram instituídos em 1936 pela Câmara Internacional do Comércio com o intuito de fornecer regras internacionais

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Em 1931, os países membros da Liga das Nações (Órgão, naquela época,

Leia mais

O Uso dos Incoterms na Exportação

O Uso dos Incoterms na Exportação O Uso dos Incoterms na Exportação Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Nas exportações brasileiras, são aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio

Leia mais

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada INCOTERMS Definições para interpretar as fórmulas contratuais Elaboradas pelas Câmara de Comércio Internacional (CCI) São termos facilitadores na redação do contrato de compra e venda, mas não são obrigatórios

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo I www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 DRAWBACK... 03 1.1 Formas de Classificação... 03 1.2 Mercadorias Admitidas no Regime... 04 1.3 Modalidades de

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 41 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES COMÉRCIO EXTERIOR Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES Histórico 1936 - Câmara de Comércio Internacional - CCI, publicou série de normas para interpretação dos mais importantes termos utilizados no

Leia mais

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34 Sumário CAPÍTULO 1 VISÃO GERAL DE UMA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA... 1 1.1. Escolha da Mercadoria...1 1.2. Licenciamento das Importações...1 1.3. Siscomex e Habilitação...2 1.4. Deferimento da Licença de Importação

Leia mais

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010) Universidade Tuiuti do Paraná Artigo de conclusão de curso MBA em Relações internacionais, negociação e comércio exterior INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

Leia mais

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010.

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. 9. INCOTERMS CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010)

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) PUCGO 2014 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias (Convenção de Viena) Regras estándar internacionalmente

Leia mais

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS)

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) Os INCOTERMS são regras criadas pela Câmara de Comércio Internacional (CCI) para administrar conflitos que possam existir através da interpretação

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

22/08/2013. Conceitos e aplicações básicas

22/08/2013. Conceitos e aplicações básicas 22/08/2013 Conceitos e aplicações básicas Palestrantes: Álvaro Cerqueira dos Anjos - Diretor Técnico responsável por toda a área operacional e de treinamento da CUSTOM; José Izidro Riba - Despachante Aduaneiro

Leia mais

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.)

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.) Numa negociação internacional, é muito importante que o gestor comercial esclareça com o seu cliente quais serão as condições de entrega a praticar para a mercadoria que vai ser transacionada, ou seja,

Leia mais

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012 International Commercial Terms Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos Eduardo Leoni Machado Junho/2012 Incoterms Definição e Conceito International Commercial Terms (Termos

Leia mais

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Ana Paula Haypas Olvera Gabriela Itália Sartori Lucas Selles Marina Feo Luís Henrique João Comércio Exterior Contrato de Compra e Venda Internacional Piracicaba

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Agenciamento de Cargas Importação Marítima

Agenciamento de Cargas Importação Marítima Agenciamento de Cargas Importação Marítima Jailson de Souza Agenciamento de Cargas Definição Sistemática, como trabalha, intermediários, contratação de serviços Vantagens do Agenciamento de Cargas O que

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO orienta na implantação e desenvolvimento do seu negócio de forma estratégica e inovadora O QUE SÃO PALESTRAS

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL 01. Sobre regimes aduaneiros, marque a opção incorreta: a) Regimes Aduaneiros Atípicos são criados para atender a determinadas situações econômicas peculiares, de pólos regionais

Leia mais

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex AQUILES VIEIRA Teoria e Prática Cambial Exportação e importação 2ª edição Editora Lex São Paulo 2005 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Vieira,

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS / FINANCEIROS

INCENTIVOS FISCAIS / FINANCEIROS INCENTIVOS FISCAIS / FINANCEIROS Entendidas as distinções básicas das alternativas apresentadas ao fabricante ou produtor para a promoção da saída, a título de exportação de seus produtos, seja ela direta,

Leia mais

Im portação Fo x 1/23

Im portação Fo x 1/23 Importação Fox 1/23 Índice 1.INTRODUÇÃO... 3 1.1. Quais os tributos que incidem sobre a importação de produtos e serviços no Brasil?... 3 2.CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS... 5 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. 2.5. 2.6.

Leia mais

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 COMÉRCIO INTERNACIONAL VISÃO GERAL - INCOTERMS Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 Prof.Nelson Guerra Concurso Receita Federal EXW Ex Works Tradução: Na Origem Exemplo: EXW-Curitiba

Leia mais

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms O contrato internacional é formal, bilateral, consensual, oneroso e comutativo, o que pressupõe agentes autônomos, livre formação de suas vontades

Leia mais

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES MSc.RICARDO LOZANO PANORAMA DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS US$ bilhões Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Exportações Brasileiras 256 243 198

Leia mais

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria Glossário Alfandega Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe addīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controlo do movimento de entradas

Leia mais

Variações no Patrimônio NBS. 4.2.2. Solicitação do Licenciamento. Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira

Variações no Patrimônio NBS. 4.2.2. Solicitação do Licenciamento. Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira Sumário Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira 1.1. Escolha da Mercadoria 1.2. Licenciamento das Importações 1.3. Siscomex e Habilitação 1.4. Deferimento da Licença de Importação e Embarque

Leia mais

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador)

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador) Na última aula, estudamos os INCOTERMS dos grupos E e F. Agora, discutiremos os INCOTERMS dos grupos C e D. Claro que nosso objetivo é identificar quais despesas (custos) e quais riscos (responsabilidade

Leia mais

Disciplina: Comércio Internacional

Disciplina: Comércio Internacional COORDENADORIA DE TRANSPORTES Sumário 2 Disciplina: Comércio Internacional CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Exportação e Importação Conceitos Cambiais, Aduaneiros e Comerciais Formas de

Leia mais

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação I- CADASTRO DO FORNECEDOR EXTERIOR I.I- Cadastro Geográfico Antes de iniciarmos o registro do Fornecedor Exterior precisamos verificar se os detalhes do

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador.

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador. EXPORTAÇÃO E XPORTAÇÃO Antes de fornecer o preço, é importante analisar os preços de produtos similares praticados no mercado onde está o potencial cliente, exigências técnicas, barreiras tarifárias e

Leia mais

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7 Informa INCOTERMS 2010 Tendo em vista a publicação do Incoterms 2010 pela Câmara de Comércio Internacional (International Chamber of Commerce - ICC)

Leia mais

Exportar e Internacionalizar, Como?

Exportar e Internacionalizar, Como? Exportar e Internacionalizar, Como? WORKSHOP Ferramentas de Apoio à Internacionalização de Empresas 13 de Junho 2012 1 António Trigueiros de Aragão Uma moda? Uma tendência? Uma estratégia? Um novo mundo?

Leia mais

Exportação Direta x Exportação Indireta

Exportação Direta x Exportação Indireta Exportação Direta x Exportação Indireta Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Na exportação direta o próprio fabricante, produtor ou revendedor remete (geralmente vende) a mercadoria

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

IMPORTAÇÃO 05/08/2015. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Despacho Aduaneiro Tratamento Tributário.

IMPORTAÇÃO 05/08/2015. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Despacho Aduaneiro Tratamento Tributário. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Tratamento Tributário Conceituação Comercial Recebimento da mercadoria pelo comprador ou seu representante, no exterior, de acordo

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais

DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO

DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO 1 DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO Introdução D. Maria de Lourdes tem uma indústria de brindes que se tornou bastante conhecida no Brasil, principalmente pela criatividade com que desenvolve seus produtos.

Leia mais

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE Profa. Lérida Malagueta Unidade IV SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Importação Importar consiste em uma operação de compra de produtos no mercado exterior e sua respectiva entrada em um país Necessidade

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO

ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO D. Daniela tem uma fábrica de móveis e vende seus produtos para todo o Brasil. Como os produtos de sua fábrica têm ótima qualidade e seus preços no mercado interno são

Leia mais

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO PROCEDIMENTOS DE IMPORTAÇÃO 1º Passo - Habilitação Legal A inscrição no Registro de Exportadores e Importadores (REI) da Secretaria de Comércio Exterior constitui condição preliminar

Leia mais

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1 Apresentação Prefácio à 11ª edição Prefácio à 10ª edição Prefácio à 9ª edição Prefácio à 8ª edição Prefácio à 7ª edição Prefácio à 6ª edição Nota à 5ª edição Prefácio Planejamento tributário como técnica

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente Dilma Vana Rousseff Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Fernando Damata Pimentel Secretário Executivo Alessandro Golombiewski Teixeira Secretária

Leia mais

Sim. O fato de operações caracterizadas como industrialização, pela legislação do IPI, se

Sim. O fato de operações caracterizadas como industrialização, pela legislação do IPI, se 001 Estão sujeitos ao IPI os produtos resultantes de operações caracterizadas como industrialização, quando essas são também consideradas serviços sujeitos ao ISS, relacionados na lista anexa à Lei Complementar

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX PROEX FINANCIAMENTO FINALIDADE: Proporcionar e apoiar o exportador brasileiro na comercialização com o exterior de bens e serviços em condições de financiamento

Leia mais

Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais

Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais Diretoria de Negócios Internacionais Setembro/2013 Banco do Brasil. Do Brasil para o mundo. Do mundo para o Brasil O Banco do Comércio

Leia mais

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro Regimes Aduaneiros Especiais Regimes Aduaneiros Especiais As características básicas dos regimes especiais são: Regra geral, os prazos na importação são de um ano, prorrogável, por período não superior,

Leia mais

REGIME ADUANEIRO ESPECIAL DE DRAWBACK

REGIME ADUANEIRO ESPECIAL DE DRAWBACK Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Coordenação-Geral de Exportação e Drawback

Leia mais

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior SILBRAN Comércio Exterior 1 Decisões em Negócios Globalizados Importadores Exportadores 2 SILBRAN Comércio Exterior Desafio Global Distância Documentos Diversidade Demanda Disponibilidade Velocidade Consistência

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente extrafiscal, como instrumento de proteção da industria

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS

ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS a) IPI NA AQUISIÇÃO DE AERONAVES Na aquisição de aeronaves pode incidir IPI, dependendo da natureza do adquirente, com alíquotas de 0% (empresas aéreas de transporte

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFTN/1989 - ADAPTADA) Apurando-se o dano ou avaria: a)

Leia mais

CONTRATOS E INCOTERMS. Sobre contratos que regulamentam as importações e as exportações, é possível afirmar que

CONTRATOS E INCOTERMS. Sobre contratos que regulamentam as importações e as exportações, é possível afirmar que CONTRATOS E INCOTERMS 01 - (CODESP/2011) Um contrato internacional de compra e venda de mercadorias é um instrumento complexo, pois inclui não somente as condições de compra e venda, mas também acordos

Leia mais

Aula Nº 15 Contratos Mercantis

Aula Nº 15 Contratos Mercantis Aula Nº 15 Contratos Mercantis Objetivos da aula: Nesta aula, vamos conhecer os contratos mercantis mais usuais, suas características e as normas que os disciplinam. 1. NOÇÕES GERAIS Contrato é um negócio

Leia mais

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros 2015 Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros Sumário Introdução... 2 O Programa PROEX... 2 PROEX Financiamento... 3 Mais Alimentos Internacional... 4 PROEX Equalização...

Leia mais

RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF

RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF Breve conceito de Regime Aduaneiro Regime especial de Admissão Temporária Casos Práticos Regime Aduaneiro deve ser entendido como o tratamento aplicável às mercadorias submetidas

Leia mais

I Ciclo de Debates da Administração da PROAD. Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014

I Ciclo de Debates da Administração da PROAD. Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014 I Ciclo de Debates da Administração da PROAD Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014 (*) Administrador, Chefe da Divisão de Importação da UFABC, desde 2010. Graduado em Administração

Leia mais

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO NA EXPORTAÇÃO INTRODUÇÃO

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO NA EXPORTAÇÃO INTRODUÇÃO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO NA EXPORTAÇÃO Mário Alexander Lopes Rodrigues é sócio do escritório Rodrigues, Ehlers & Neves Advogados Associados. Formado em Direito no Centro Universitário do Distrito Federal

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

Curso Analista de Comércio Exterior

Curso Analista de Comércio Exterior Curso Analista de Comércio Exterior Curso Presencial em Belo Horizonte Aviso: O curso presencial é bem mais completo do que o curso de analista à distância Objetivo: Capacitar o aluno para atuar como analista

Leia mais

Tributação na. Momento de ocorrência do FG do II para efeito de cálculo (art 73)

Tributação na. Momento de ocorrência do FG do II para efeito de cálculo (art 73) Tributação na Importação Imposto de Importação (II) Caráter extra-fiscal (regulatório) SP, BC e FG definidos em lei Regulamento Aduaneiro (RA Decreto 6.759/2009) consolida as normas Exceção constitucional

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial (Curso de consultoria empresarial em Belo Horizonte) Programa do curso: Planejamento Empresarial com Técnicas de Negociação 1. Perfil do gestor empresarial: Características do gestor

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA Roseli de Fátima Nogueira Tatiane Santiago Cerqueira Barbosa Jefferson da Silva Pinheiro Gonçalves Alex Couto Carlos Eduardo

Leia mais

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados DOING BUSINESS IN BRAZIL 19 DE JUNHO Lisboa RFF & Associados Preto Advogados Raquel Elita Alves Preto - Graduada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), com especialização

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 Maio de 2012 NOVIDADE NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA "GUERRA DOS PORTOS" - ICMS NAS IMPORTAÇÕES - RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 13, DE 26 DE ABRIL DE 2012 DECISÕES JUDICIAIS PARTICIPAÇÃO

Leia mais

TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS

TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS Base Constitucional: PIS E COFINS PIS: Art. 149 e 239 da Constituição Federal COFINS: Art. 195 da Constituição Federal 1 COFINS Art. 195. A seguridade social

Leia mais

As alíquotas nominais e as alíquotas reais dos impostos sobre a venda da produção

As alíquotas nominais e as alíquotas reais dos impostos sobre a venda da produção As alíquotas nominais e as alíquotas reais dos impostos sobre a venda da produção Divonsir de Jesuz da Silva Dutra (CEFET-PR) divonsirdutra@terra.com.br Dr. Kazuo Hatakeyama (CEFET-PR) kazuo@ppgte.cefetpr.br

Leia mais

Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI

Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 153, Inciso IV, da Constituição Federal. Decreto 4.544 de 26/12/2002: Regulamento do IPI vigência a partir de 27/12/2002.

Leia mais

Planejamento Tributário: O desafio da Logística

Planejamento Tributário: O desafio da Logística Planejamento Tributário: O desafio da Logística Contextualização Tributos O Brasil é considerado o país mais oneroso no que diz respeito a impostos e tributos. Fonte: Receita Federal Contextualização Tributos

Leia mais

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO Planejamento Tributário Setembro de 2011 QUESTÃO 1 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Cite algumas situações em que a pessoa jurídica estará obrigada à tributação

Leia mais

Tópicos Especiais de Administração Financeira Reginaldo Gonçalves

Tópicos Especiais de Administração Financeira Reginaldo Gonçalves Tópicos Especiais de Administração Financeira Reginaldo Gonçalves 7.1 - O Mercado Internacional e as Importações e Exportações. 7.2 - Noções sobre Fusão, Incorporação, Cisão e Consórcio entre Empresas

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas TURMA: PECC Você estudará, nesta unidade, os principais

Leia mais

AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ!

AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ! AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ! ZM TRADE A ZM pensou nisso para você, e agora pode lhe oferecer os serviços da ZM TRADE. Qualidade, preço

Leia mais

O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA

O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS MILLENNIUM. É PARA AVANÇAR. MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS CONQUISTE NOVOS MERCADOS PARA A SUA EMPRESA A Exportação e Importação, bem como a Internacionalização

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 07/02/2014. Capítulo XX - IPI 2014

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 07/02/2014. Capítulo XX - IPI 2014 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 07/02/2014 Capítulo XX - IPI 2014 001 Estão sujeitos ao IPI os produtos resultantes de operações caracterizadas como industrialização, quando essas são também consideradas serviços

Leia mais

INCOTERMS 2000-2010. samir keedi. samir@aduaneiras.com.br

INCOTERMS 2000-2010. samir keedi. samir@aduaneiras.com.br INCOTERMS 2000-2010 samir keedi samir@aduaneiras.com.br INCOTERMS 2000-2010 PUBLICAÇÃO Nº 560 / 715E VIGOR A PARTIR DE 01.01.2000 / 2011 CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL CCI - PARIS O QUE É E O OBJETIVO

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1

Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1 Luanda, 30.Março.2015 SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1 EXW DTA FAS FOB CFR CIF VANTAGENS NA IMPORTAÇÃO DA MODALIDADE FOB 2 ÍNDICE 1. Introdução

Leia mais

Regimes aduaneiros. Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. SEGRE, German. Manual Prático de Comércio

Regimes aduaneiros. Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. SEGRE, German. Manual Prático de Comércio Regimes aduaneiros CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: SOUZA, José Meireles de. Gestão do Comércio Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. SEGRE, German. Manual

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA DESAFIOS Estabelecer a logística reversa Regulamentar planos de gerenciamento de resíduos Implantação

Leia mais

Exportação Indireta GRUPO INTERNACIONALIZAÇÃO DO SEBRAE-SP

Exportação Indireta GRUPO INTERNACIONALIZAÇÃO DO SEBRAE-SP Exportação Indireta GRUPO INTERNACIONALIZAÇÃO DO SEBRAE-SP Junho/2011 1 Tipos de Exportação: Direta : A própria empresa vende diretamente ao exterior. Brasil Exterior 2 Indireta : Mercadoria é exportada

Leia mais