UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA AO ESTUDO DA CADEIA DE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA AO ESTUDO DA CADEIA DE"

Transcrição

1 UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA AO ESTUDO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DO SETOR TÊXTIL BRASILEIRO 1 Domingos Alves Corrêa Neto Faculdade de Administração e Ciências Contábeis da Universidade de Santo Amaro UNISA fone (0xx11) Silvio Roberto Ignácio Pires Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - FEAU - UNIMEP fone (0xx19) Resumo Uma cadeia de suprimentos bem projetada é personalizada para atender às diversas necessidades dos vários grupos de clientes, permitindo que se encontre o equilíbrio entre geração de receita e custo do serviço, possibilitando que todos os seus elos possam trabalhar com um único objetivo e tornar-se fonte de vantagens estratégicas se ela for projetada e implementada de forma inovadora. O trabalho tem como objetivo introduzir e caracterizar os efeitos gerados pelo aumento da competitividade global na cadeia de suprimentos da indústria têxtil atuante no Brasil. Para isto, analisa-se o movimento atual de redefinição dos papéis das empresas têxteis na busca por um novo padrão de relacionamento, considerando-se o referencial teórico sobre gestão da cadeia de suprimentos e a utilização atual de técnicas de produção globalizadas. Palavras-chave: Gestão da cadeia de suprimentos, indústria têxtil, competitividade. Abstract A supply chain well projected is personalized to assist to the several needs of the several groups of customers, allowing that it meets the balance between revenue generation and cost of the service, facilitating that all its links can work with an only objective and to become source of strategic advantages if it be projected and implemented in an innovative way. This work introduces and to characterize the effects generated by the increase of the global competitiveness in the supply chain of the Brazilian industry textile. Key Words: Supply chain management; textile industry; competitiveness.

2 1. Introdução A sociedade moderna é um conjunto de organizações, que fornecem uma gama variada de produtos e serviços que necessitam. Segundo Maximiano (2000), as organizações são grupos de pessoas deliberadamente reunidas, com relações estáveis que combinam seus próprios esforços com outros tipos diferentes de recursos, objetivando alcançarem resultados coletivos, usando para isso transações planejadas com o ambiente. A transformação ou combinação dos mais diferentes tipos de recursos como mão-de-obra, informação, materiais, instalações e capital gera ou adiciona valor por intermédio de um processo. O produto resultante, normalmente um composto de bens e serviços, chega ao consumidor final e retroalimenta a cadeia produtiva ou de suprimentos em que o mesmo está inserido, através de recursos econômicos, fechando o ciclo produtivo e gerando a competição entre as organizações. Segundo Pires (1998), tal competição tornou-se mais acirrada no início da década 90 e provocou uma profunda reflexão sobre os paradigmas e práticas industriais até então utilizadas, que deixaram de ser suficientes para orientar e conduzir estas organizações, em situação de mercado altamente competitivo. Ao apresentar uma teoria sobre dinâmica industrial, Forrester (1958) introduziu o conceito do Efeito Chicote de Boi (Bullwhip Effect) que mostra a importância dos relacionamentos entre as diversas funções de uma organização e dela com seus mercados, seus fornecedores e com a economia do país em que a mesma está localizada. Este fenômeno mostra que a volatilidade da demanda e dos estoques na cadeia de fornecimento tende a intensificar-se quando se olha para cima, a montante, longe do consumidor final. Decorridos mais de quarenta anos desde que Forrester identificou e ilustrou a importância do fluxo de informação e sua influência sobre o desempenho da produção e distribuição de cada membro da cadeia de suprimentos em que está inserido, Fine (1999) afirma que não existe competência mais importante do que a do projeto superior da própria cadeia de suprimentos, do consumidor final, ao longo de todo o percurso a montante, até as fontes de matérias-primas e os novos conceitos tecnológicos. Considera que a empresa é a sua cadeia de capacidades em constante evolução, ou seja, as suas próprias capacidades, mais as capacidades de todos que com ela negociam. Serão apresentados nesse texto os aspectos conceituais mais relevantes relacionados ao tema Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM), vinculando-os ao setor têxtil, apesar da pouca disponibilidade de material existente sobre o setor em questão. Algumas questões relacionadas ao tema são colocadas a seguir, e serão motivadoras de pesquisas futuras a serem desenvolvidas junto ao programa de pós-graduação no qual os autores estão vinculados. a)- Para o momento atual, qual seria a configuração ideal dos relacionamentos entre os componentes na cadeia de suprimentos do setor têxtil? b)- Quais processos de negócio pertencentes a uma determinada empresa-líder que poderão ser transferidos (outsourcing) para outras, numa relação de parceria? c)- Poderá ser aplicado um modelo de relacionamento semelhante ao desenvolvido no setor automobilístico (relação de fornecimento exclusivo-local ou exclusivo-global)? d)- Como estabelecer um padrão para projetos da cadeia de fornecimento aplicado ao setor têxtil? Inicialmente, será desenvolvido um referencial teórico com considerações sobre o novo modelo competitivo de Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) e técnicas modernas adjacentes, e logo em seguida, serão descritos aspectos gerais sobre o setor têxtil brasileiro. Finalizando o artigo, serão feitas algumas considerações gerais sobre o estudo em desenvolvimento. 2. A importância estratégica da gestão da cadeia de suprimentos A Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM Supply Chain Management) ou Cadeia de Fornecimento é a integração dos processos que englobam todas as empresas que participam das 2

3 etapas de transformação, comercialização e distribuição de determinado bem tangível (produto) ou serviço, que será entregue a um determinado cliente final (Mentzer et al., 2001). O pressuposto é criar uma rede de fornecedores com foco tanto na redução de desperdício, quanto na maximização do valor para o cliente final. Neste contexto, a necessidade de transformar desperdício em valor é ponto de partida fundamental, para a gestão eficaz da cadeia de suprimentos (Womack & Jones, 1998). As empresas participantes podem ser consideradas dos mais diversos tipos, desde uma mineradora ou fabricante de um determinado componente, até um operador logístico. De acordo com Pires (1998), a SCM é considerada como uma visão expandida, atualizada e principalmente holística da abordagem tradicional de administração de materiais. É um modelo estratégico e competitivo, que mostra as organizações como sistemas cada vez mais abertos, com fronteiras permeáveis e difíceis de identificar em muitos dos casos. Cabe aqui, a consideração que a iniciativa do estabelecimento da SCM será sempre dos participantes mais fortes, uma vez que o propósito deste gerenciamento é a detecção de fraquezas ao longo de toda a rede produtiva e como encontrar formas de reduzi-las. Com uma dinâmica complexa, na qual os atores interagem muitas das vezes em âmbito mundial, vantagens competitivas são passageiras e o ciclo de vida dos produtos e serviços é curto. A sobrevivência, em função deste permanente desequilíbrio, torna-se função da capacidade de interagir associativamente com fornecedores, clientes e até concorrentes (Wood Jr & Zuffo, 1998). A chave para a gestão eficaz da cadeia de suprimentos é transformar os fornecedores em parceiros na estratégia empresarial, objetivando atender um mercado em permanente mutação. Neste novo cenário competitivo, alianças estratégicas são formuladas, reduzindo drasticamente barreiras externas, na busca por uma nova relação de negócios de longo prazo. 3. Projeto da cadeia de suprimentos: o desenvolvimento de cadeia de capacidades A pesquisa desenvolvida por Fine (1999) durante dez anos na Sloan School of Management do MIT, sobre velocidade evolutiva de diversos setores empresariais, mostra como se obtém ou se perde vantagem competitiva, em função do gerenciamento de uma rede dinâmica de relacionamentos existentes entre fornecedores, distribuidores e demais parceiros de uma determinada cadeia de suprimentos. Segundo sua linha de raciocínio, o desafio competitivo atual se caracteriza no projeto da empresa ampliada, definida como a empresa em si, acrescida da sua rede de fornecimento, da sua rede de distribuição e da sua rede de alianças. Cada um dos atores deve contribuir com suas competências para a montagem de cadeias de capacidades (capabilities), num processo sistemático e dinâmico, considerando-se a alta volatilidade e evolução contínua dos diversos mercados. Não importa se um determinado fabricante adotar as melhores práticas e técnicas de produção e os seus fornecedores forem ineficazes em relação ao controle de custo, bem como seus distribuidores forem ineficientes com relação à disponibilização de produtos aos clientes finais De acordo com Pires (1998), o conceito de capacidade (capability) abordado relaciona-se diretamente ao de competência e traduz o know-how, habilidades e práticas vinculadas à integração e a operação de processos. È uma característica peculiar que, quando percebida pelo cliente, gera valor agregado. Podem ser definidos três tipos de competências: - distintas: garantem à empresa vantagem competitiva única, representando um conhecimento exclusivo e que não pode ser conseguido pela concorrência. São aquelas que realmente criam valor, conforme percebido pelo cliente; - qualificadoras: incluem as necessidades fundamentais para competição em determinados segmentos ou negócios. A falta desta competência exclui a empresa como fornecedora de bens e serviços. São aquelas que não criam valor, mas são necessárias para a aceitação, por parte do cliente final; - básicas: representam as atividades ou tarefas que não impactam diretamente nos produtos e serviços fornecidos. São aquelas que não criam valor, conforme percebido pelo cliente final. 3

4 O projeto ou reformulação da cadeia de capacidades de uma empresa começa com um mapeamento, que identifica todas as organizações envolvidas nas atividades do negócio, os subsistemas fornecidos e as capacidades que elas trazem para a formação do valor, bem como as contribuições tecnológicas de cada uma para o produto final. Womack & Jones (1998) enfatizam a necessidade da descoberta e definição correta do que é valor para os consumidores. Normalmente, as empresas procuram definir valor da forma mais adequada às próprias necessidades, esquecendo-se de ouvir seus clientes. Em A Mentalidade Enxuta nas Empresas, James P. Womack & Daniel T. Jones (1998) também relatam um exemplo interessante de mapeamento da rede de suprimentos e análise da cadeia de valor, feita em conjunto com uma grande rede de supermercado inglesa, a Tesco. O produto escolhido foi uma caixa de refrigerantes, contendo oito latas do produto. Os resultados apresentados são impressionantes e mostram desperdícios durante todo o processo, principalmente na obtenção da lata, de longe o aspecto mais complexo e de maior lead time, desde a extração da bauxita na Austrália passando pelo processo de laminação da chapa até o depósito central do engarrafador que atende a todos os clientes da Inglaterra. Neste fluxo entre mineradora, usina de redução, usina de redução, laminação à quente, laminação a frio, fabricação da lata, engarrafador, depósito da Tesco, loja da Tesco e a casa do consumidor, decorreram-se 319 (trezentos e dezenove) dias, sendo que o cliente final consumiu o produto em 5 (cinco) minutos. Pelo exemplo anteriormente mencionado e considerando critérios mencionados por Fine (1999), pode-se evidenciar como fundamental para o SCM, três níveis de mapeamento da cadeia de fornecimento, passíveis de utilização para identificar as dificuldades e oportunidades existentes na cadeia que são (1) mapeamento das empresas da cadeia de fornecimento, (2) mapeamento das tecnologias da cadeia de fornecimento e (3) mapeamento da cadeia de capacidades da empresa. 4. Outsourcing como fonte de vantagem competitiva O referencial teórico não estaria completo, se não fossem discutidos aspectos relativos ao processo de outsourcing, prática cada vez mais utilizada nos diversos segmentos, notadamente no industrial. Os formatos tradicionais da organização fordista e taylorista baseados na grande empresa integrada verticalmente estão sendo descartados, devido a sua rigidez e ineficiência no novo ambiente competitivo. Um número significativo de grandes unidades produtoras que geram economias de escopo internas, ou seja, que produzem um volume importante de linhas diferenciadas de produtos afins, estão adotando a estratégia de desintegração vertical. As características básicas dessa estratégia são o aumento do outsourcing da produção e a exploração da vantagem das economias de escopo, estas geradas pela fragmentação do processo de produção em unidades e estágios separados, e da operação em unidades de produção pequenas e mais especializadas. A formação de redes ou cadeias ampliadas de empresas que trabalham em regime de cooperação e subcontratadas, desempenha um papel importante nesse processo. Na visão de Amato Neto (2000), toda empresa tem o potencial de unir alguma parte de suas capacidades com capacidades complementares de outras empresas, de forma a obter sucesso na redução dos custos de gerenciamento e de produção. Bowersox & Closs (1996) colocam que a idéia de terceirizar as atividades de suporte para os especialistas, resulta do desejo que as organizações têm de focalizar em suas competências básicas. Cabe aqui salientar que a visão correta de outsourcing extrapola as práticas tradicionais de subcontratação ou terceirização, com freqüência adotada no Brasil nos últimos anos em áreas periféricas, como por exemplo, a de informática (Pires, 1998). A manutenção de um relacionamento que estabeleça um nível de dependência mútua, através do desempenho do serviço oferecido, envolve os parceiros numa aliança estratégica. A empresa fornecedora de bens e serviços procura desenvolver continuamente a sua competência específica, de forma a garantir a competitividade da cadeia produtiva em que está inserida. 4

5 Dyer (1996) mostra como a mudança do relacionamento com fornecedores, desenvolvendo parcerias de longo prazo e numa relação ganha-ganha fez com que a Chrysler Corporation obtivesse uma maior participação no mercado (market share) americano e aumento da lucratividade. Collins, Bechler & Pires (1997) enfatizam que a necessidade de reavaliação das atividades e relacionamentos de sua cadeia produtiva ou de suprimentos, notadamente em termos de valor agregado, fez com que as indústrias automobilísticas procurassem obter ganhos de eficiência e de desempenho através das seguintes ações: - racionalizar a sua base de fornecedores; - definir um novo conjunto de necessidades, incluindo fornecimento global, fornecimento de serviços completos, desenvolvimento de novos produtos, desenvolvimento de montagens; - transferência (outsourcing) de atividades, que historicamente eram consideradas partes das atividades das indústrias automobilísticas. No bojo dessas iniciativas, os fornecedores da indústria automobilística (autopeças) têm aumentado significativamente suas atividades, através de fusões e aquisições. Estas ações mostram que um processo de reestruturação da base de fornecedores está ocorrendo, em todos os níveis. Como benchmark para outros setores, é interessante mencionar um dos casos mais conhecidos sobre outsourcing na cadeia produtiva do setor automobilístico: o consórcio modular. Esse modelo é considerado como um caso drástico e radical de outsourcing numa cadeia de suprimentos. Segundo Collins, Bechler & Pires (1997), no modelo de consórcio modular, os fornecedores do módulo (modulistas) têm a responsabilidade da montagem do módulo diretamente na linha de montagem da montadora, trabalhando ambos, lado a lado. O consórcio modular é caracterizado por um contrato de relacionamento de longa duração entre a montadora e um pequeno número de fornecedores de primeira camada. Nesse novo modelo de relacionamento, os fornecedores assumem a responsabilidade pela montagem do módulo, a montagem do mesmo na linha de produção final da montadora, todo o investimento em máquinas e equipamentos necessários para a operação do módulo bem como a logística do módulo. Para a montadora, cabe providenciar o espaço físico de montagem dos modulistas e toda a coordenação operacional e de qualidade. A figura 1 mostra o nível de relacionamentos existente numa determinada cadeia de suprimentos. Uma das tendências atuais do setor automobilístico é a busca pelo relacionamento de um fornecedor exclusivo em nível global. No caso do modelo anteriormente descrito do consórcio modular, Collins, Bechler & Pires (1997) identificam os fornecedores modulistas na posição exclusivo-local. Figura 1 - Matriz do Perfil de Relacionamento na Cadeia (adaptado de Collins, R., Bechler, K., Pires, S. Outsourcing in the automotive industry: from JIT to modular consortia. European Management Journal, v.15, n.5, 1997) 5 NÚMERO DE FORNECEDORES Múltiplos Único Exclusivo Global FOCO GEOGRÁFICO DO FORNECIMENTO Regional Local CONSÓRCIO MODULAR

6 Na análise de setores diferentes do automobilístico, como por exemplo o têxtil, torna-se relevante à identificação do estágio atual de relacionamento existente entre os diversos atores da cadeia produtiva, a fim de que ações estratégicas possam ser propostas e desenvolvidas para melhoria do desempenho e da competitividade da cadeia como um todo. Portanto, é importante o conhecimento do setor têxtil, bem como da sua cadeia produtiva ou de suprimentos. 5. Visão geral do setor têxtil brasileiro A cadeia produtiva do setor têxtil brasileiro está passando nessa última metade dos anos 90 por profundas transformações, nunca antes vista. As mudanças estão ocorrendo de forma bastante dinâmica. Muitas empresas estão desaparecendo, algumas novas surgindo e outras passando por um processo de integração vertical ou de fusão, basicamente devido ao processo de abertura comercial, que gerou na verdade uma globalização de mercados, produzindo um choque estrutural importante e sem possibilidades de retorno. Novas técnicas de gestão estão sendo introduzidas e adotadas novas tecnologias de processo, em decorrência da estratégia de adaptar as empresas para um novo cenário competitivo que se impõe ao país. Em que pese o relativo sucesso das empresas que enfrentaram o desafio da abertura comercial e realizaram reformas profundas, a sua grande maioria encontra-se aquém do nível mínimo de competitividade exigido, para ser considerada uma empresa de classe mundial. O mapeamento das empresas a fim de se obter uma visão abrangente do setor objetivando, desenvolvimento de um estudo sobre as estratégias de competitividade da cadeia produtiva é a primeira etapa que deverá ser vencida, obedecendo-se o esquema proposto por Fine (1999). Pretende-se conseguir informações não somente das grandes e médias empresas, como principalmente das micro e pequenas da cadeia nos segmentos em que elas são mais importantes.a partir dessa visão de conjunto será possível formular propostas específicas para aprimoramento da cadeia como um todo. Por tratar-se de um estudo em fase inicial de desenvolvimento, a metodologia da pesquisa ainda carece de definições gerais quanto aos procedimentos a serem adotados. Portanto, a proposta deste tópico é a de apresentar a constituição da cadeia produtiva do setor têxtil e seus principais relacionamentos. Dados fornecidos pela ABIT - Associação Brasileira da Indústria Têxtil (2000) mostram que o setor é composto por mais de 20 mil empresas, investiu US$ 7 bilhões de dólares nos últimos oito anos na modernização do seu parque de máquinas e equipamentos, na aquisição de tecnologia e na capacitação dos seus colaboradores. De acordo com as macro metas apontadas pelo Fórum de Competitividade da Cadeia Produtiva Têxtil, até 2008 são previstos mais de US$ 12, 3 bilhões de dólares em novos investimentos. Outras metas instrumentais a serem perseguidas até o ano de 2005, dizem respeito ao aumento da produção industrial em 70% e o aumento da produtividade em 20%. A evolução da produtividade da cadeia é apresentada no gráfico 1. O faturamento do setor durante o ano de 1999, foi da ordem de US$ 21 bilhões de dólares., e a ABIT estimava para 2000, um crescimento entre 5% e 6%, chegando a algo em torno de US$ 22 bilhões de dólares. 6

7 7 Gráfico 1 - Produtividade da Cadeia do Setor Têxtil Produtividade da Cadeia Têxtil Valor Real da Produção/Pessoal Ocupado na Produção 106,00 104,00 Brasil 102,00 Tendência 100,00 98,00 96,00 94,00 Crescimento de 6% desde janeiro de ,00 jan/98 mar/98 mai/98 jul/98 set/98 nov/98 jan/99 mar/99 mai/99 jul/99 set/99 nov/99 jan/00 mar/00 mai/00 Fonte: IBGE Base: janeiro de 1999=100 O nível de emprego vem apresentando crescimento a partir de 1999, após anos caracterizados pelo fechamento de postos de trabalho. O setor gerou novos empregos de janeiro a setembro de 2000, e espera alcançar até o final de A evolução do nível de emprego no setor têxtil é apresentada no gráfico 2. Gráfico 2 - Evolução do Nível de Emprego no Setor Têxtil EVOLUÇÃO DO EMPREGO NA CADEIA TÊXTIL Fonte: Ministério do Trabalho Com relação às exportações, de janeiro a outubro de 2000, obteve-se a marca de US$ 1 bilhão de dólares, pretendendo-se alcançar uma meta de US$ 4,3 bilhões até 2005, conseguindo-se assim, uma participação de 1% no comércio mundial de têxteis.

8 Apesar de ser colocado como um desafio, os números de exportação apresentados pela ABIT estão longe de refletir tempos áureos, pois como informado, a participação do setor no comércio mundial é insignificante, se comparada com outros setores industriais. Reforça-se assim, a necessidade de pesquisar e desenvolver capacidades e competências na cadeia produtiva desse setor, de forma a torná-lo mais competitivo a nível global 6. Definição da cadeia de suprimentos do setor têxtil Tendo como referência à análise econômica e de competitividade desenvolvida pelo IEL - Instituto Evaldo Lodi (2000), pode-se considerar a cadeia de suprimentos do setor têxtil conforme apresentado na figura 2. Figura 2: Configuração Básica da Cadeia de Suprimentos do Setor Têxtil (adaptado de IEL, SEBRAE, CNA. Análise da Eficiência Econômica e da Competitividade da Cadeia Têxtil Brasileira. Brasília: IEL, 2000) 8 Náilon Algodão Poliéster Viscose Seda Lycra Acetato Rami/Linho Polipropileno Lã Juta FIBRAS SINTÉTICAS FIBRAS ARTIFICIAIS FIBRAS NATURAIS FIAÇÃO TECELAGEM MALHARIA ACABAMENTO ATACADISTA ATACADISTA CONFECÇÃO Os atores principais da cadeia estão distribuídos entre os fornecedores de matéria-prima, notadamente os de fibra de algodão que representam cerca de 70% do consumo, os fabricantes de fios nas indústrias de fiação, as tecelagens numa ponta e na outra, as malharias, as empresas de acabamento e beneficiamento dos tecidos e malhas, e na ponta final, o segmento de confecção. Numa análise mais detalhada, será incluída também a indústria de máquinas e equipamentos, apesar da pequena participação de empresas brasileiras nesta atividade.

9 Do ponto de vista da localização, no estudo a ser desenvolvido dar-se-á maior importância na análise do pólo têxtil localizado na região sudeste, e do qual fazem parte às cidades de Americana, Nova Odessa, Santa Bárbara d Oeste e Sumaré. Complementarmente, poderão ser desenvolvidos estudos nos demais pólos brasileiros, localizados em Santa Catarina (Blumenau, Joinville e Brusque) e ao redor de Fortaleza, no Ceará. Cada um desses pólos possui característica própria, do fornecimento de matérias-primas ao produto final comercializado. Um caso interessante de mudança na cadeia produtiva do setor têxtil foi relatado por Háfez (2000). Segundo o autor, o comércio atacadista de tecidos, um dos elos da cadeia estava sendo descartado pelas indústrias de tecidos, que resolveram vender diretamente para as confecções de roupas. O resultado dessa ação representou uma redução de custo equivalente a 20% em média para as confecções. As indústrias de tecidos procuraram se adaptar à nova realidade de vender menores volumes e buscar novas ações logísticas para agregar maior valor ao seu cliente, às confecções, que a partir da abertura do mercado para importados em 1994 e a paridade do dólar com o real, tinham um bom incentivo para comprar tecidos importados. Premidos pela nova situação, os atacadistas de tecidos trocaram de papel para tentar continuar em atividade. Deixaram de lado a sua função essencial de revender para fabricantes e passaram a exercer atividades de varejista e até mesmo de indústria. 7. Considerações finais O presente texto teve como objetivo apresentar aspectos introdutórios sobre a cadeia de suprimentos da indústria têxtil no Brasil, tendo como pano de fundo o modelo praticado de forma pioneira pelo setor automobilístico nacional, que segundo Miranda & Corrêa (1996) levou as empresas a analisarem de forma detalhada, a dinâmica e complexidade da cadeia de suprimentos em que estão inseridas, não somente a sua rede de suprimentos imediata, mas a sua operação total. A identificação das mudanças estratégicas que vêm sendo ou deverão ser praticadas pelas empresas pertencentes à cadeia de suprimentos têxtil para a manutenção da competitividade, desde a busca de parcerias até fusões e confluência de interesses de produção, deverá ser objeto de investigação detalhada, de forma que possa ser proposto e, talvez consolidado, um modelo a ser seguido pelas empresas do setor têxtil. Análises comparativas entre as cadeias produtivas de outros setores poderão servir de base para a elaboração do projeto da cadeia de suprimentos mais adequado ao setor em questão, o têxtil. Referências AMATO NETO, J. Redes de Cooperação Produtiva e Clusters Regionais: Oportunidades para as Pequenas e Médias Empresas. São Paulo: Atlas: Fundação Vanzolini, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA TÊXTIL. Anuário Quem Produz o Que na Cadeia Têxtil Brasileira. São Paulo: Editora Brasil Têxtil, BOWERSOX, D. J., CLOSS, D. J. Logistical Management: the Integrated Supply Chain Process. New York: McGraw-Hill, COLLINS, R., BECHLER, K., PIRES, S. Outsourcing in the Automotive Industry: from JIT to Modular Consortia. European Management Journal, v.15, n.5, p , out DYER, J. H. How Chrysler Created an American Keiretsu. Harvard Business Review, jul./aug FINE, C. H. Mercados em Evolução Contínua: Conquistando Vantagem Competitiva num Mundo em Constante Mutação. Rio de Janeiro: Campus, FORRESTER, J. W. Industrial Dynamics: a Major Breakthrough for Decision Makers. Harvard Business Review, v.38, p.37-66, jul./aug

10 HÁFEZ, A. Comércio Atacadista Desaparece da Cadeia Têxtil. Gazeta Mercantil, São Paulo, 26 ago p.a-4. INSTITUTO EVALDO LODI, SEBRAE, CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA AGRICULTURA. Análise da Eficiência Econômica e da Competitividade da Cadeia Têxtil Brasileira. Brasília: Instituto Evaldo Lodi, MAXIMIANO, A. C. A. Teoria Geral da Administração: da Escola Científica à Competitividade na Economia Globalizada. São Paulo: Atlas, MENTZER, J. T. et al. Defining Supply Chain Management. Journal of Business Logistics, v.22, n.2, p.1-25, MIRANDA, N. G., CORRÊA, H. L. Uma Análise Parcial da Rede de Suprimentos da Indústria Automobilística Brasileira. Revista de Administração, São Paulo, v.31, n.1, p.5-13, jan./mar PIRES, S. R. I. Gestão da Cadeia de Suprimentos e o Modelo de Consórcio Modular. Revista de Administração, São Paulo, v.33, n.3, p.5-15, jul./set WOMACK, J. P., JONES, D. T. A Mentalidade Enxuta nas Empresas: Elimine o Desperdício e Crie Riqueza. Rio de Janeiro: Campus, WOOD JR. T., ZUFFO, P. K. Supply Chain Management. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.38, n.3, p.55-63, jul./set

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 1. Apresentação Este artigo discute as oportunidades e riscos que se abrem para a

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Gerenciamento da cadeia de suprimentos no setor automobilístico: um estudo de caso no consórcio modular

Gerenciamento da cadeia de suprimentos no setor automobilístico: um estudo de caso no consórcio modular Gerenciamento da cadeia de suprimentos no setor automobilístico: um estudo de caso no consórcio modular Ana Carolina Cardoso Firmo (UNIFEI) accfirmo@unifei.edu.br Renato da Silva Lima (UNIFEI) rslima@unifei.edu.br

Leia mais

1- Objetivos e métodos

1- Objetivos e métodos Resumo: O dinamismo e a competitividade sempre caracterizaram a indústria automobilística, a qual está em constante busca por inovações que agreguem valor ao seu processo produtivo, reduzindo custos com

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Cadeia de Suprimentos

Cadeia de Suprimentos Cadeia de Suprimentos Cadeia Produtiva Cadeia de suprimento Cadeias Globais Cluster: Sistema Local de Produção (SLP) Arranjos produtivos locais (APL) Redes de cooperação de pequenas e médias empresas Condomínio

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos

Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos O mercado exige... Produtos e serviços entregues de acordo

Leia mais

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição Prof. Paulo Medeiros Canais de suprimento e distribuição Podemos dividir as operações logísticas de uma empresa em três áreas: Suprimentos;

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO EM OPERAÇÕES EMPRESARIAIS E LOGÍSTICA 27/11/2014

ADMINISTRAÇÃO EM OPERAÇÕES EMPRESARIAIS E LOGÍSTICA 27/11/2014 ADMINISTRAÇÃO EM OPERAÇÕES EMPRESARIAIS E LOGÍSTICA 27/11/2014 Composição do GELOG Adm. ANA CLAUDIA BELFORT Tecn. ANTONIO SAMPAIO Adm. DOMINGOS ALVES CORRÊA NETO (coordenador) Tecn. JOSINEI RODRIGUES Adm.

Leia mais

ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS NO SETOR TÊXTIL DE JARAGUÁ DO SUL, SC

ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS NO SETOR TÊXTIL DE JARAGUÁ DO SUL, SC PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO CONTROLADORIA E FINANÇAS MAGALI GARCIA MARTINS DE SOUZA ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS NO SETOR TÊXTIL DE JARAGUÁ DO SUL, SC JARAGUÁ DO SUL

Leia mais

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL PRINCIPAIS FONTES DE DADOS: CONCLA (Comissão nacional de classificação) Órgão administrado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão criado em

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Inovação na cadeia produtiva

Inovação na cadeia produtiva CRI Minas BH, 21 Mar 2013 Inovação na cadeia produtiva Renato Garcia Poli/USP renato.garcia@poli.usp.br Novo paradigma tecnológico Reestruturação das grandes empresas Especialização nas competências centrais

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA 9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA Autor(es) ELIACY CAVALCANTI LELIS Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON 1. Introdução Atualmente, a preocupação da gestão

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

AULA 12 ASSUNTO: Estratégia de Nível de Negócio. Bibliografia: Administração Estratégica WRIGHT, et al.

AULA 12 ASSUNTO: Estratégia de Nível de Negócio. Bibliografia: Administração Estratégica WRIGHT, et al. AULA 12 ASSUNTO: Estratégia de Nível de Negócio Bibliografia: Administração Estratégica WRIGHT, et al. Estratégia de nível empresarial É a estratégia que a alta administração formula para toda a empresa;

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Administração de Materiais e Logística

Administração de Materiais e Logística Administração de Materiais e Logística Com abordagem a Supply Chain Scorecard Prof. Me Clesio L. Landini Jr. - 2012 - Dedicatória Aos meus alunos, a mola propulsora para a realização desta obra; Aos meus

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL

OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL Mara Janaina Gomes de Oliveria 1 ¹Mestre em Economia pela Unesp Professora do IMMES RESUMO O investimento direto estrangeiro tornou-se, desde o inicio de 90,

Leia mais

GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC

GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC 1 INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO Contexto do módulo Gestão e Comercialização de Tecnologia Serviços de apoio da DIRTEC/CGTEC Perspectivas de análise da

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT MBA EM GERÊNCIA DE SISTEMAS LOGÍSTICOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Eduardo Pécora, Ph.D. Reflexão: Como chegar lá? Desenvolvimento Pessoal Rertorno Financeiro Título? Maior eficiência e eficácia? Avaliação

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

INDICES DE CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL EM HIPER E SUPERMERCADOS DO BRASIL

INDICES DE CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL EM HIPER E SUPERMERCADOS DO BRASIL INDICES DE CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL EM HIPER E SUPERMERCADOS DO BRASIL Josiel Lopes Valadares < josielvaladares@hotmail.com> 1 Maria Luísa Paniago Pereira< mluisapaniago@hotmail.com> 2 Rosiane Maria Lima

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ISSN: 0000-0000 Monica Alejandra Noemi Romero 1 Dario Silva de Souza 2 RESUMO O presente artigo tem por objetivo apresentar uma revisão bibliográfica da abrangência

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CÓDIGO: IH 104 CRÉDITOS: 04 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL I OBJETIVO DA : Dar conhecimentos gerais do Sistema de Administração de Material, Patrimônio e Conhecimentos Básicos de Compras. EMENTA: Conceitos

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

Supply Chain Management: Conceitos, Oportunidades e Desafios da Implementação

Supply Chain Management: Conceitos, Oportunidades e Desafios da Implementação Supply Chain Management: Conceitos, Oportunidades e Desafios da Implementação Paulo Fernando Fleury O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais, especialmente

Leia mais

Logística Internacional. Aula 5. Organização da Aula. Fluxo Logístico. Contextualização. Prof. Luiz Fernando R. Campos. Tópicos a serem abordados

Logística Internacional. Aula 5. Organização da Aula. Fluxo Logístico. Contextualização. Prof. Luiz Fernando R. Campos. Tópicos a serem abordados Logística Internacional Aula 5 Prof. Luiz Fernando R. Campos Organização da Aula Tópicos a serem abordados Fluxos logísticos Desafios logísticos Tecnologias emergentes Inovações tecnológicas Fluxo Logístico

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

Desenvolvimento. da Estratégica Competitiva. Chapter Title. 15/e PPT

Desenvolvimento. da Estratégica Competitiva. Chapter Title. 15/e PPT McGraw-Hill/Irwin 2007 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. 6 Desenvolvimento Chapter Title da Estratégica Competitiva 15/e PPT Screen graphics created by: Jana F. Kuzmicki, Ph.D. Troy

Leia mais

FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO DE VALOR

FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO DE VALOR FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO Principais Vantagens Principais fontes de sinergia Principais cuidados Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura Daniel Reis Armond de Melo armond@ufam.edu.br Universidade Federal do Amazonas Universidade

Leia mais

MBA EXECUTIVO EM SAÚDE

MBA EXECUTIVO EM SAÚDE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE SIGA: TMBAES*06/26 Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua Almirante Protógenes,

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS 46 LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS Leandro Soares Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil Professor

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté

PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté Ailton da Silva, Paulo César Ribeiro Quintairos, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: Tendências da Indústria Automobilística Brasileira

Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: Tendências da Indústria Automobilística Brasileira Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: Tendências da Indústria Automobilística Brasileira Francisco Eduardo Barros Pires Introdução O conceito de gerenciamento da cadeia de suprimentos está baseado no

Leia mais

Terceirização e estratégia competitiva: perspectivas para a logística no Brasil

Terceirização e estratégia competitiva: perspectivas para a logística no Brasil XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de Novembro de 2006 Terceirização e estratégia competitiva: perspectivas para a logística no Brasil Karine Lima de Carvalho (PRO/USP) karine.carvalho@poli.usp.br Maria

Leia mais

Terceirização e estratégia competitiva: perspectivas para a logística no Brasil

Terceirização e estratégia competitiva: perspectivas para a logística no Brasil Terceirização e estratégia competitiva: perspectivas para a logística no Brasil Karine Lima de Carvalho (PRO/USP) karine.carvalho@poli.usp.br Maria de Fátima Pereira Barrosa Barboza (PNV/USP) fatima.barboza@poli.usp.br

Leia mais

E.I. DU PONT DE NEMOURS & CO

E.I. DU PONT DE NEMOURS & CO E.I. DU PONT DE NEMOURS & CO A DuPont é uma companhia voltada para a ciência, que concentra seus esforços e atua nas áreas de alimentação e nutrição; higiene pessoal; moda; casa e construção; eletrônicos;

Leia mais

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 15 E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET INTRODUÇÃO As empresas que, de alguma forma, estão envolvidas

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Cadeia de valor e cadeia de valor expandida Estoques e o motivo da sua existência O dilema make or buy O modelo de Fine Economia colaborativa

Cadeia de valor e cadeia de valor expandida Estoques e o motivo da sua existência O dilema make or buy O modelo de Fine Economia colaborativa Agenda: Prof. Alexandre Reis Graeml Cadeia de valor e cadeia de valor expandida Estoques e o motivo da sua existência O dilema make or buy O modelo de Fine Economia colaborativa )) * + # # )),#-.# /,0#.

Leia mais

2. As Empresas. Conteúdo

2. As Empresas. Conteúdo 2. As Empresas Conteúdo 1. Empresas 2. Características das Empresas 3. Rápida História das Organizações 4. Categoria de Empresas 5. Empresas Como Sistema Abertos 6. O Alinhamento Organizacional 7. Os Recursos

Leia mais

Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações

Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações Daniela Ramos Teixeira Para vencer a guerra diária num cenário co-opetivo (competitivo e cooperativo), as empresas

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Estudos prospectivos. ABIT, ABDI, CETIQT, empresas & universidades. 6 estratégias. 7 vetores portadores de futuro

Estudos prospectivos. ABIT, ABDI, CETIQT, empresas & universidades. 6 estratégias. 7 vetores portadores de futuro 2 Estudos prospectivos ABIT, ABDI, CETIQT, empresas & universidades 6 estratégias 7 vetores portadores de futuro Estudo prospectivo T&C: 6 estratégias para 2023 MERCADO Aumentar a percepção de valor dos

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Contabilidade e Análise de Balanço EAC0110.

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Contabilidade e Análise de Balanço EAC0110. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo Curso de Ciências Econômicas Contabilidade e Análise de Balanço EAC0110 Lucas Rockembach Apollaro Nº USP 8557531 Marcos

Leia mais

Segundo Helen Deresky, (2004, p. 55), as alianças estratégicas não acionárias ocorrem:

Segundo Helen Deresky, (2004, p. 55), as alianças estratégicas não acionárias ocorrem: O modelo supply chain As empresas de hoje atuam segundo algumas correntes, ou modelos econômicos. Dentre estes se pode citar a cadeia de suprimentos ou supply chain, modelo das grandes corporações, e a

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Gestão da Qualidade: Gerenciamento por Processos

Gestão da Qualidade: Gerenciamento por Processos Gestão da Qualidade: Gerenciamento por Processos Curso de Especialização em Gestão da Produção Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann UNESP Universidade Estadual Paulista FEG Faculdade de Engenharia do Campus

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. Fusões e aquisições no setor de alimentos BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 1. CRESCIMENTO INTERNO VERSUS

AGROINDÚSTRIA. Fusões e aquisições no setor de alimentos BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 1. CRESCIMENTO INTERNO VERSUS AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 Fusões e aquisições no setor de alimentos 1. CRESCIMENTO INTERNO VERSUS CRESCIMENTO EXTERNO O acirramento da concorrência

Leia mais