A PRÁTICA DA LEITURA: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA COM FINALIDADE POLÍTICA DA AÇÃO EDUCATIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PRÁTICA DA LEITURA: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA COM FINALIDADE POLÍTICA DA AÇÃO EDUCATIVA"

Transcrição

1 A PRÁTICA DA LEITURA: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA COM FINALIDADE POLÍTICA DA AÇÃO EDUCATIVA PAULO EMÍLIO DE ASSIS SANTANA (FECILCAM). Resumo O presente artigo apresenta a questão da leitura como definição para o sentido da prática pedagógica dos educadores na escola. Aborda o fato de que tal prática constitui se como elemento fundamental para contribuir com o pensamento crítico dos educandos. Discorre também sobre a importância da prática da leitura por parte dos educadores como forma de promover o processo de emancipação política dos educandos. Pretende, ainda, estimular os professores a aplicar a leitura como finalidade política, pois é necessário aprender a ler para aprender a pensar, criticar e entender a realidade circundante. O autor destaca que a ausência de leitura entre as classes menos favorecidas produz a falta de conhecimento e exclusão social, o que torna a sociedade ainda mais excludente, com indivíduos alienados e incapazes de pensar por si sós. Vale destacar que o presente trabalho tem, portanto, uma intenção política definida, que tem como ponto de partida e de chegada a prática social global entendendo a leitura como instrumento basilar à emancipação política dos educandos. Desta maneira, inicialmente, apresenta se a importância da leitura na sociedade moderna, com a finalidade de fazer que com que as crianças aprendam a pensar verdadeiramente para aprender a interpretar a realidade social em que vivem. Em seguida, busca se definir a interpretação da realidade como elemento básico fundante para o desenvolvimento tanto acadêmico quanto político dos estudantes. Ao final, o autor enfatiza que o ato de ler deve ser visto como uma proposta política fundamental para os educadores comprometidos com a transformação da sociedade em virtude de ser também uma estratégia de luta vinculada a pratica pedagógica deles próprios. Palavras-chave: leitura, prática pedagógica, política. Introdução O entendimento do processo de escolarização no atual modelo de sociedade não pode ser devidamente viabilizado sem que os educadores tenham uma concepção correta, em termos políticos, da função da escola. Temos a convicção que esta instituição não deve ser encarada como neutra e distanciada da realidade sócioeconômica e política que hoje a circunda. Assim, o processo de ensinoaprendizagem que se realiza na sala de aula não está dissociado dos aspectos políticos e sociais que fazem parte da concretude que social. A prática pedagógica hodierna tem, portanto, encontrado de forma constante um duplo desafio diante de si que, muitas vezes, tem sido relegado: a educação escolar a partir de um sentido político. É nesse contexto que o exercício da leitura, como estratégia de aprendizagem dos alunos, precisa ser encarado como um passo em direção ao processo de emancipação política da criança seja ela das classes populares ou das classes favorecidas economicamente. Assim, educar para a prática da leitura, além de uma ação pedagógica essencial para a formação intelectual do ser humano, caracteriza-se, também, como uma forma de elevar politicamente os alunos diante da sociedade. Portanto, será nessa direção que o presente artigo caminhará: num primeiro momento vamos procurar estabelecer as conexões necessárias entre o processo de escolarização e o atual

2 modelo de sociedade capitalista, com o objetivo de enfatizarmos que a prática da leitura no processo didático-pedagógico dos professores não está dissociada da realidade macro que determina em muitos sentidos aquilo que acontece na sala de aula; num segundo momento vamos estabelecer a necessidade de o professor como figura exemplar ter profundos vínculos com a leitura, para que ele sirva como uma espécie de gatilho que dispare no seu aluno o gosto essencial pela leitura; num terceiro momento discutiremos a escola como lócus fundamental, apesar de não ser o único, para o desenvolvimento da leitura, o que a transforma em um ambiente central para a apropriação do conhecimento científico acumulado historicamente pelo conjunto da humanidade; em quarto lugar tornaremos evidente o quão importante é que a prática da leitura seja incluída nas práticas curriculares como elemento determinante para o processo de ensino-aprendizagem nos dias contemporâneos. 1. O processo de escolarização e sua relação com a sociedade capitalista Não faz parte dos interesses do presente artigo esgotar o tópico acima, entretanto, sabemos que o desenvolvimento da temática que o orienta não será plenamente efetivado sem nos determos, por pouco que seja, no entendimento das relações políticas entre escola e sociedade. É basilar que os professores saibam estabelecer as profundas relações entre escola e sociedade antes de prepararem as suas aulas e de as ministrarem para os seus alunos. Sem essa compreensão seus conteúdos serão vazios de uma formação mais ampla e emancipatória dos seus alunos. Quando nos propomos a participar da educação escolar das próximas gerações uma verdade concreta deve estar presente em nossas mentes: a escola não é uma instituição neutra, uniforme e harmônica. Conforme Rodrigues, "é mesmo indispensável que os educadores e o público em geral percam a ingenuidade de encarar a escola como uma instituição inocente, pairando acima do bem e do mal" (RODRIGUES, 1986: 67). Na concepção desse autor a instituição escolar está permeada de conflitos que se cruzam por meio das dimensões intelectual, ética e profissional, fazendo dela um campo de ação política, onde vários interesses de classe lutam pelo poder hegemônico dela. O entendimento das relações entre processo de escolarização e sociedade não será plenamente compreendido sem a questão histórica relacionada ao déficit educacional presente na atual sociedade. O processo de construção de um modelo de escolarização dualizado encontra sua raiz na história do Brasil a partir da reorganização educacional promovida por Gustavo Capanema em A institucionalização do ensino industrial em paralelo com o ensino secundário e comercial criou aquilo que os historiadores da educação brasileira costumam chamar de dualismo educacional (GHIRALDELLI JR., 1990). Essa forma de organização do processo educativo característica do Estado Novo, segundo o Saviani (Saviani, 2007): "Tinha caráter centralista, fortemente burocratizado; dualista, separando o ensino secundário, destinado às classes condutoras, do ensino profissional, destinado ao povo conduzido e concedendo apenas ao ramo secundário a prerrogativa de acesso a qualquer carreira de nível superior; corporativista, pois vinculava estreitamente cada ramo ou tipo de ensino às profissões e ofícios requeridos pela organização social "(SAVIANI, 2007, p. 269) Essa estratégia governamental produziu uma defasagem formativa e educacional das classes desfavorecidas, gerando,igualmente, a defasagem quanto à leitura para os grupos sociais distanciados do poder econômico. A escola que se

3 caracterizou vinculada á estrutura produtiva do capitalismo recente que começava a se instalar no Brasil, na década de 1930, tinha um caráter essencialmente profissionalizante e necessário às classes desfavorecidas. Enquanto que, por outro lado, a escola propedêutica preparada e estimulada pelo Estado às classes favorecidas elevaria tais classes a outros níveis de educação. Assim se constituiu a raiz do dualismo educacional tão característico à formação social brasileira, aspecto que se mantém até os dias atuais como marca das relações entre educação e sociedade. A leitura propedêutica, portanto, nesse contexto, se realizou, pelo menos de maneira, propositiva, como um privilégio, para as crianças das camadas favorecidas da sociedade, deixando para a grande maioria dos filhos das classes trabalhadoras a possibilidade do aprendizado da leitura básica necessária à ascensão social pela via do trabalho profissionalizante. Os aspectos educativos e formativos que se processam no ambiente escolar, como a prática da leitura, devem possibilitar a democratização do saber científico a todas as crianças, colocando em suas mãos as ferramentas culturais necessárias ao seu processo emancipatório. Nessa perspectiva, a prática leitura se insere como fundamento imprescindível para a luta social que visa a transformação das estruturas sociais impostas aos alunos das classes menos favorecidas. A leitura como elemento essencial das práticas curriculares de todas as disciplinas básicas do processo educativo de escolarização possibilitará a apropriação científica de um saber essencial para a atuação dos educandos no ambiente do qual fazem parte. Nesse contexto a escola deve ser percebida pelos educadores como a instância de efetivação específica da ação pedagógica (OLIVEIRA, 1987). Não enxergar esta perspectiva da ação docente é trabalhar dentro da escola apenas na ótica do otimismo pedagógico e, portanto, sem uma concepção política da prática educativa. O domínio da leitura por parte das crianças, especificamente daquelas vinculadas às camadas sociais menos favorecidas, deve ser considerado por parte dos professores como elemento central do saber escolar sistematizado, para que o mesmo seja utilizado na prática social na qual elas estão inseridas. 2. A prática pedagógica da leitura dos professores como ponto de partida para a leitura dos alunos Certamente, não precisaríamos enfatizar a preponderância da figura do professor para a formação intelectual dos seus alunos. A sua postura enquanto docente deve ser o grande diferencial para gestar em seus alunos o desejo pelo saber sistematizado no decorrer do processo de escolarização. A contribuição que cada professor deve e pode dar no sentido de ampliar o gosto pela leitura nos alunos é de suma importância. Entendemos como fundamental que os professores tornemse leitores profícuos para então compartilhar com seus alunos os segredos e frutos que os mesmos podem alcançar por meio da leitura. Talvez, alguns professores não tenham tido oportunidades de se tornar leitores na sua fase de escolarização ou profissionalização. Outros fatores relacionados à contemporaneidade, como, condições salariais ou de trabalho, falta de infraestrutura, pouco ou nenhum tempo para ler enquanto correm atrás das condições materiais para a sua subsistência, contribuem negativamente para a má formação do professor-leitor. Na medida em que os professores vinculam os conhecimentos específicos de suas disciplinas com as finalidades sociais e políticas mais amplas, as contribuições que eles podem dar ao desenvolvimento pleno das capacidades dos seus alunos são de certa forma, imprevisíveis e produtivas. Tais contribuições devem se utilizar da leitura oral por parte dos professores de textos científicos e estratégicos que

4 vinculem os conteúdos formais aos conteúdos políticos e sociais presentes na prática social global dos educandos. Quando uma criança não encontra utilidade na leitura, o professor deve fornecerlhe outros exemplos e possibilidades de leituras. Quando uma criança não se interessa pela leitura, é o professor quem deve criar situações mais envolventes, já que muitas vezes o problema vem de dentro de casa, onde a criança não encontra nos pais exemplos de leitores. Assim, "o próprio interesse e envolvimento do professor com a leitura servem como modelo indispensável: ninguém ensina bem uma criança a ler bem se não se interessa pela leitura" (BARBOSA, 1994: 138). A leitura como elemento central da prática pedagógica tem a finalidade de fazer com que a criança aprenda a pensar verdadeiramente para aprender a interpretar a realidade social em que vive. Ler diariamente para os alunos é uma atividade imprescindível para criar-se o hábito de leitura. A leitura só despertará interesse quando interagir com o leitor, quando fizer sentido e trouxer conceitos que se articule com as informações que já se tem e esta é uma das tarefas primordiais que o professor tem ao preparar suas aulas. É acima de tudo, uma estratégia metodológica com uma política dos educadores que queiram ir para além dos métodos pedagógicos motivacionais. Ao comentar a importância que a leitura tem para promover nos ouvintes reações responsivas de caráter ativo e produtivo Bakhtin (Bakhtin, 2000) afirma: "De fato, o ouvinte que recebe e compreende a significação (lingüística) de um discurso adota simultaneamente, para com esse discurso, uma atitude responsiva ativa, (conquanto o grau dessa atividade seja muito variável); toda compreensão é prenhe de resposta e, de uma forma ou de outra, forçosamente a produz: o ouvinte torna-se locutor". (BAKHTIN, 2000, p. 290) A formação ou educação de professores deve ser percebida como parte de um projeto político fundamental para que todos possam repensar sua própria inserção hoje na escola e na sociedade em que se produz e se reproduz as relações de poder. Portanto, através dessas considerações pode-se entender o pensamento de Giroux que vê os educadores como além de professores de sala de aula e mais como intelectuais críticos. É neste sentido que Giroux (Giroux, 1997) cita Jerome Bruner ao afirmar que: Uma teoria de ensino é uma teoria política no sentido de que é proveniente de um consenso em relação à distribuição de poder dentro da sociedade - quem será educado e para cumprir que papéis? Exatamente no mesmo sentido, a teoria pedagógica deve certamente originar-se de uma concepção de economia, pois onde existe uma divisão do trabalho dentro da sociedade e uma troca de bens e serviços por riqueza e prestígio, a forma como as pessoas são educadas, em que número e com que limitações no uso de recursos são todas relevantes. O psicólogo ou educador que formula uma teoria pedagógica sem considerar o ambiente político, econômico e social do processo educacional corteja a trivialidade e merece ser ignorado na comunidade e na sala de aula. (p. 63). A prática pedagógica da leitura que não estimula a reflexão, a compreensão, tornando passiva a atividade com o texto e que não provoca o aluno com atividades instigantes, deixando de formar nestes uma atitude responsável e ativa, faz do ambiente escolar um lugar de neutralidade e descolado das questões políticas, sociais e econômicas necessárias ao processo formativo dos educandos. É nessa perspectiva que podemos relacionar as palavras de Giroux (Giroux, 1997) sobre a ação dos professores no ambiente escolar.

5 "Um ponto de partida para interrogar-se a função social dos professores enquanto intelectuais é ver as escolas como locais econômicos, culturais e sociais que estão inextricavelmente atrelados às questões de poder e controle. Isto significa que as escolas fazem mais do que repassar de maneira objetiva um conjunto comum de valores e conhecimento. Pelo contrário, as escolas são lugares que representam formas de conhecimento, práticas de linguagem, relações e valores sociais que são seleções e exclusões particulares da cultura mais ampla. Como tal as escolas servem para introduzir e legitimar formas particulares de vida social. Mais do que instituições objetivas, separadas da dinâmica da política e do poder, as escolas são, de fato, esferas controversas que incorporam e expressam uma disputa acerca de que formas de autoridade, tipos de conhecimento, formas de regulação moral e versões do passado e futuro devem ser legitimadas e transmitidas aos estudantes". (GIROUX, 1997, p. 162) A idéia que defendemos no presente artigo é que os professores devem se autoperceber como intelectuais, que, pelo seu trabalho, atuam na transformação das consciências dos seus alunos e em direção as mudanças estruturais mais profundas da sociedade a que pertencem. O trabalho intelectual da leitura com os seus alunos pode fazer com que os professores tragam, por meio do texto lido e interpretado, novos caminhos ainda não percebidos para questões desiguais tão prementes no contexto da prática social global. Esta, certamente, pode ser uma das direções mais corretas para a ação prática e transformadora da ação docente em sala de aula. Conforme Ribeiro (Ribeiro, 1984): "Essa finalidade para vir a ser concretizada exige, como já foi visto, o conhecimento sobre essa realidade; exige ainda que esse conhecimento e essa finalidade venham a ser domínio do conjunto de pessoas que com suas ações efetivas transformarão a realidade objetiva. É necessário, pois o trabalho pedagógico, trabalho este que tem, portanto, o seu lado intelectual (teórico) de transformação de consciências". (p. 51, parênteses do autor). 3. A Importância da escola como local específico de aprendizado da leitura Defender a escola como lugar de excelência do processo formativo e emancipatório das crianças e, especificamente, das crianças pertencentes às camadas populares é fundamental para a luta política mais ampla. Portanto, não devemos perder de vista, enquanto professores, que apesar de a escola pública encontrar-se degradada e, em muitos sentidos, sucateada, ela ainda se constitui num local de crescimento para aqueles que não têm as condições materiais básicas de vida e, portanto, alienados das grandes questões sociais, econômicas, políticas e culturais. Ao fazer uma análise histórica sobre o surgimento da escola, Saviani (2008) vincula tal surgimento com o interesse burguês de superar o antigo regime feudal que aliava os anseios políticos e econômicos da nobreza e da Igreja Católica para manter na ignorância grande parte da população pobre da Europa medieval. Assim baseado nas conquistas políticas da Revolução Francesa, a burguesia propõe a universalização do ensino para retirar os indivíduos da condição inferior de súditos e transformá-los em cidadãos esclarecidos. Afirma Saviani (2006): "Para superar a situação de opressão, própria do "Antigo Regime", e ascender a um tipo de sociedade fundada no contrato social celebrado "livremente" entre os indivíduos, era necessário vencer a barreira da ignorância. Só assim seria possível transformar os súditos em cidadãos, isto é, em indivíduos livres porque esclarecidos, ilustrados". (SAVIANI, 2006, p. 6)

6 Diante disso, surge, a escola "redimindo os homens de seu duplo pecado histórico: a ignorância, miséria moral, e a opressão, miséria política". (Zanotti, apud, Saviani, 2008: 6). A escola, então, seria a cura para essa enfermidade: "A escola surge como um antídoto à ignorância, logo, um instrumento para equacionar o problema da marginalidade.". (Saviani, 2008: 6). A escola, portanto, se constitui nas condições materiais estabelecidos pela cultura moderna como um daqueles instrumentos que possibilitam a apreensão e o exercício mais consciente das decisões e ações do indivíduo na sociedade. Assim, os processos de promoção da aquisição sistemática daqueles conhecimentos necessários ao homem se dão no ambiente escolar. A escola tem, dessa forma, a função de transmitir às novas gerações tais conhecimentos. Ela deve organizar-se de modo a garantir, desde muito cedo, para todos o acesso processual a eles. Ao analisar a especificidade da função escolar, Klein (Klein, 2000) afirma: "Cabe á escola, enquanto instância organizada pela sociedade como especificamente destinada à transmissão do conhecimento científico, responder à essa necessidade. E é fundamental que essa aquisição se realize na idade mais tenra, para que os cidadãos possam usufruir o mais cedo possível das possibilidades que lhes são oferecidas pelo domínio do conhecimento mais amplo". (KLEIN, 2000, p. 17). A educação escolar, portanto, não pode de maneira nenhuma ser relegada a um segundo plano na vida formativa das crianças em idade escolar. Ela deve, pelo contrário, ser considerada como elemento basilar para a compreensão crítica dos aspectos envolvidos e exigidos pela sociedade contemporânea. A prática educativa escolar deve ser concebida, nesse viés como uma atividade mediadora, ou seja, "como um momento mais ou menos longo da vida do indivíduo (seus anos de escolarização) pelo qual passa, a fim de adquirir as ferramentas culturais para sua atuação nomeio social em que vai atuar" (OLIVEIRA, 1987: 7). A leitura, portanto, nesse contexto cumpre uma função política determinante para a prática pedagógica. Na medida em que ela se transforma em uma das estratégias prioritárias dos professores em sala de aula, contribuirá de maneira específica para a ampliação dos horizontes educacionais da própria escola. Os conteúdos assimilados por meio das estratégias de leitura têm a capacidade de dar aos educandos as condições teóricas de compreenderem as situações concretas vivenciadas por eles em sua prática social global. Mais do que mera passagem' ou ponte', o processo de escolarização, tendo a leitura como uma de suas estratégias mais contundentes, terá as condições materiais de influenciar a formação da consciência crítica em relação ao mundo do qual o educado faz parte. É nessa perspectiva que compreendemos Freire (Freire, 1997) ao afirmar que: A leitura do mundo precede a leitura da palavra, daí que a posterior leitura desta não possa prescindir da continuidade da leitura daquele. Linguagem e realidade se prendem dinamicamente. A compreensão do texto a ser alcançada por sua leitura crítica implica a percepção das relações entre o texto e o contexto. (p. 11). 4. A Inclusão da leitura nas práticas curriculares O conceito de proposta curricular é um construto histórico que reflete as transformações decorrentes da organização econômica, política e legal de uma sociedade em um determinado momento. Ela implica que sua elaboração e prática sejam concretizadas em processos educativos que correspondam às finalidades socioeducativas derivadas da realidade social e do desenvolvimento científicotécnológico. (BRASIL, 1999: 19). Sendo assim, a leitura, como uma finalidade

7 socioeducativa, deveria ser inclusa e praticada nas escolas ou centros educacionais, como meio de favorecer o pensamento crítico e despertar melhoria da civilidade nos educandos. Para facilitar a inclusão da leitura na prática curricular dos educadores, faz-se necessário analisar e definir claramente a ação educativa, percebendo-a como uma ação social, estabelecendo uma proposta curricular que considere as relações escola-comunidade e o retrato cultural, produzindo, assim, uma prática educativa articuladora da teoria com a prática, tendo o educando como sujeito do processo de aprendizagem. A inserção da leitura no processo de desenvolvimento dos educandos como cidadãos, demanda ações educativas considerando que a escolarização constitui instrumento indispensável à construção da sociedade democrática. Nessa direção, a inclusão da leitura nas práticas curriculares deve acontecer, contemplando fatores que impliquem em transformações sociais, qualificando educandos à cidadãos conscientes de seus deveres e direitos, atendendo as expectativas de cada um, tanto quanto aos anseios e carências destes. Compete, então, aos sistemas de ensino, partindo da análise realizada sobre a inclusão da leitura nas práticas curriculares, a elaboração de propostas pedagógicas concretas, fazendo romper, assim, com os limites das práticas convencionais. Considerações Finais O sentido da prática pedagógica dos educadores em sala de aula tem como elemento fundamental contribuir com o pensamento crítico dos educandos e estimular a importância da prática da leitura por parte dos educadores como forma de promover o processo de emancipação política dos educandos. Procuramos discutir no presente artigo a leitura como prática social na vida de crianças, sendo esta efetivada por meio de professores que além de educadores, são essencialmente intelectuais comprometidos com a transformação política. Então, o ato de ler deve ser visto como uma proposta política fundamental para os educadores comprometidos com a transformação da sociedade em virtude de ser também uma estratégia de luta vinculada a prática pedagógica deles próprios. Por isto, fica claro que para situar a criança e a leitura na dimensão da busca de novos caminhos de aprendizagem, o educador deve servir de exemplo, e fazer da sua própria prática individual um modelo pedagógico para os seus alunos. Analisamos que esta é uma das tarefas mais difíceis de todo o processo, já que exige dos educadores uma prática que muitos não têm ou não podem ter em razão das críticas exigências impostas pela luta pela sobrevivência. Fazer da leitura uma ação prática exige tempo e postura formativa, algo que muitas vezes não faz parte do caráter formativo na graduação dos futuros professores. Consideramos, portanto, como elemento político e transformador a leitura em sala de aula dos professores com os alunos e dos alunos entre eles mesmos. Deixamos para futuros estudos a necessidade de aprofundar as idéias deste artigo dando atenção mais estrita a um dos aspectos que julgamos de extrema necessidade para a continuidade do presente trabalho, que é o valor da interpretação textual para a emancipação política dos alunos. Por motivos de espaço não podemos nos deter aqui no detalhamento dessa questão, ficando aberta a mesma para futuros estudos.

8 REFERÊNCIAS BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, BARBOSA, José Juvêncio. Alfabetização e leitura, 2 ed. São Paulo: Cortez, BENJAMIN, Walter. Origem do drama barroco alemão. São Paulo, Brasiliense, BRASIL. Ministério da Educação e Desporto. Educação de jovens e adultos. Secretaria da Educação a Distância. Salto Para o Futuro. Brasília, FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler, 33 ed. São Paulo: Cortez, GIROUX, Henry A. Os Professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, GHIRALDELLI. JR; Paulo. História da educação. São Paulo: Cortez, KLEIN, Lígia Regina. Proposta político-pedagógica para o ensino fundamental do Governo Popular do Mato Grosso do Sul, v. 4. SED/MS: mato Grosso do Sul, MACIEL, Lizete Shizue Bomura & SHIGUNOV NETO, Alexandre. (Orgs.) Desatando os nós da formação docente. Porto Alegre: Mediação, OLIVEIRA, Betty. A prática social global como ponto de partida e de chegada da prática educativa. Brasília: Em Aberto, RIBEIRO, Maria Luiza Santos. A formação política do professor de 1º e 2º graus. São Paulo: Cortez, RODRIGUES, Neidson. Lições do príncipe e outras lições. São Paulo: Autores Associados, SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia, 40 ed. Campinas, SP: Autores Associados, História das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas-SP: Autores Associados, 2007.

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO LARSON, Sandra PUCPR. slarson@terra.com.br MATHEUSSI, Elisa Machado - PUCPR elisa.matheussi@pucpr.br Resumo Esta pesquisa objetiva discutir o projeto político

Leia mais

A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Avanay Samara do N. Santos. Pedagogia - UEPB-CAMPUS III avanaysamara@yahoo.com.br Lidivânia de Lima Macena. Pedagogia -

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

O PEDAGOGO COMO ARTICULADOR POLÍTICO-PEDAGÓGICO DAS ÁREAS DO CONHECIMENTO

O PEDAGOGO COMO ARTICULADOR POLÍTICO-PEDAGÓGICO DAS ÁREAS DO CONHECIMENTO O PEDAGOGO COMO ARTICULADOR POLÍTICO-PEDAGÓGICO DAS ÁREAS DO CONHECIMENTO João Marcos V. Santos Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP João.vitorino@hotmail.com Luiz A.Oliveira Universidade Estadual

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL.

MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. RICOMINI, Ingrid da Silva; GIROTTO, Cyntía Graziella Guizelim Simões.

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Educação popular, democracia e qualidade de ensino

Educação popular, democracia e qualidade de ensino Educação popular, democracia e qualidade de ensino Maria Ornélia Marques 1 Como se poderia traduzir, hoje, o direito de todas as crianças e jovens não somente de terem acesso à escola de oito anos, mas

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

DA IMPORTÂNCIA DE SUBSTITUIR A EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA POR ATIVIDADES FÍSICAS E/ OU ESPORTIVAS REALIZADAS EM ACADEMIAS, CLUBES, ESCOLINHAS *

DA IMPORTÂNCIA DE SUBSTITUIR A EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA POR ATIVIDADES FÍSICAS E/ OU ESPORTIVAS REALIZADAS EM ACADEMIAS, CLUBES, ESCOLINHAS * DA IMPORTÂNCIA DE SUBSTITUIR A EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA POR ATIVIDADES FÍSICAS E/ OU ESPORTIVAS REALIZADAS EM ACADEMIAS, CLUBES, ESCOLINHAS * ANEGLEYCE T. RODRIGUES, FERNANDO MASCARENHAS, RÚBIA-MAR NUNES

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

O papel do pedagogo como articulador do trabalho educativo em sala de aula.

O papel do pedagogo como articulador do trabalho educativo em sala de aula. O papel do pedagogo como articulador do trabalho educativo em sala de aula. PARA QUE SERVEM AS ESCOLAS? (YOUNG, 2007) Desejos emancipatórios Expansão da escolarização Currículo relevante TENSÕES E CONFLITOS

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

O Plano Nacional de Extensão Universitária

O Plano Nacional de Extensão Universitária O Plano Nacional de Extensão Universitária Antecedentes A universidade brasileira surgiu tardiamente, na primeira metade do século XX, pela união de escolas superiores isoladas, criadas por necessidades

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem Resumo Maria Rita Leal da Silveira Barbosa * Angélica Pinho Rocha Martins ** É sabido que a prática de avaliação é uma intervenção

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de vida para todos

Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de vida para todos JORGE STEINHILBER 1 Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de No Brasil, a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva assegura acesso ao

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos (Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos na Educação de Surdos Por MARIA DE FÁTIMA DA SILVA CAVALCANTE Resumo: O presente artigo tem por objetivo discutir a Educação em Direitos Humanos como

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE PARA A INCLUSÃO ESCOLAR DE ALUNOS ESPECIAIS

A FORMAÇÃO DOCENTE PARA A INCLUSÃO ESCOLAR DE ALUNOS ESPECIAIS 44 A FORMAÇÃO DOCENTE PARA A INCLUSÃO ESCOLAR DE ALUNOS ESPECIAIS I- INTRODUÇÃO Aline SEGATE Universidade Federal de Uberlândia (UFU) As transformações sociais dos últimos tempos, conseqüência de grandes

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Maikon dos Santos Silva 1 Mirian Pacheco Silva 2 RESUMO: Muitos alunos da Educação de Jovens e Adultos não relacionam

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE KOGUT, Maria Cristina - PUCPR Cristina.k@pucpr.br SOUZA, Franciely Prudente de Oliveira - PUCPR franciely.oliveira@pucpr.br TREVISOL,

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

Gestão Democrática na Escola

Gestão Democrática na Escola Gestão Democrática na Escola INTRODUÇÃO Porque é importante estudar o processo de gestão da educação? Quando falamos em gestão da educação, não estamos falando em qualquer forma de gestão. Estamos falando

Leia mais

CURRÍCULO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES. Palavras-Chave: Currículo, Escolas democráticas, Multiculturalismo, Formação de professores.

CURRÍCULO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES. Palavras-Chave: Currículo, Escolas democráticas, Multiculturalismo, Formação de professores. CURRÍCULO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Sérgio Donizeti Mariotini (Faculdades Integradas FAFIBE) Resumo: O presente artigo levanta reflexões sobre a formação do currículo no Brasil a partir da influência

Leia mais

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL *Drisner, Thales thalesjacmt@hotmail.com *Ferreira, Leandra Diniz Lediniz10@hotmail.com 1 *Oliveira, Elizabete Gaspar elisabetegasparo@hotmail.com 2 RESUMO Este artigo, intitulado

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Patronato Penitenciário de Ponta Grossa: uma proposta de cidadania e de resgate do direito à educação

Patronato Penitenciário de Ponta Grossa: uma proposta de cidadania e de resgate do direito à educação 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E LABORATÓRIOS DE APRENDIZAGEM: O QUE SÃO E A QUEM SE DESTINAM

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E LABORATÓRIOS DE APRENDIZAGEM: O QUE SÃO E A QUEM SE DESTINAM ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E LABORATÓRIOS DE APRENDIZAGEM: O QUE SÃO E A QUEM SE DESTINAM Rui Sartoretto Mara Lucia Sartoretto A inclusão das pessoas com deficiências nas escolas comuns da rede

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PROJETO DE EDUCAÇÃO DE CARÁTER EMANCIPADOR Jéssica de Lourdes Preti 1 Soraia Kfouri Salerno 2 Elaine Vieira 3

REFLEXÕES ACERCA DO PROJETO DE EDUCAÇÃO DE CARÁTER EMANCIPADOR Jéssica de Lourdes Preti 1 Soraia Kfouri Salerno 2 Elaine Vieira 3 1 REFLEXÕES ACERCA DO PROJETO DE EDUCAÇÃO DE CARÁTER EMANCIPADOR Jéssica de Lourdes Preti 1 Soraia Kfouri Salerno 2 Elaine Vieira 3 Resumo Ainda nos dias atuais é possível notar um distanciamento das práticas

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

A legislação e a Orientação Educacional

A legislação e a Orientação Educacional A legislação e a Orientação Educacional A legislação relacionada à educação no Brasil auxiliou o Orientador Educacional a fortalecer-se como profissional, muitas vezes embasado em pressupostos teóricos

Leia mais

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS Prof. Ms.Camila Corrêa Moura Prof. Ms. Larissa Rafaela Galatti

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo 1 O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU Suellen Celina Vitcov Ribeiro IE/UFMT shuribeiro@hotmail.com Juliana Assis da Cruz IE/UFMT- juliassis2010@yahoo.com.br Resumo Este

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU.

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. Autora: MARIA JOSÉ CALADO Introdução Diante da necessidade e do direito

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG

A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG Introdução Aline Aparecida Angelo O debate sobre a formação

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares 590 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares Raquel Renzo Silva - UNESP Analúcia Bueno dos Reis Giometti - UNESP INTRODUÇÃO A atualidade

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI Resumo AREND, Catia Alire Rodrigues UTP catiarend@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da

Leia mais

O REGIME DE PROGRESSÃO CONTINUADA NO ESTADO DE SÃO PAULO NA VOZ DOS PROFESSORES DO CICLO I : PRIMEIRAS REFLEXÕES Claudia Cristina Fiorio Guilherme

O REGIME DE PROGRESSÃO CONTINUADA NO ESTADO DE SÃO PAULO NA VOZ DOS PROFESSORES DO CICLO I : PRIMEIRAS REFLEXÕES Claudia Cristina Fiorio Guilherme O REGIME DE PROGRESSÃO CONTINUADA NO ESTADO DE SÃO PAULO NA VOZ DOS PROFESSORES DO CICLO I : PRIMEIRAS REFLEXÕES Claudia Cristina Fiorio Guilherme Toda lei é como um retrato de uma sociedade: tem caráter

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

Adaptação Curricular, por onde começar?!

Adaptação Curricular, por onde começar?! Caderno de Estudos 6 Deficiências Intelectuais Adaptação Curricular, por onde começar?! Conversando sobre o assunto. "O fator isolado mais importante que influencia o aprendizado é aquilo que o aprendiz

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais