Agilidade Com Responsabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agilidade Com Responsabilidade"

Transcrição

1 Agilidade Com Responsabilidade serviços mensuráveis entregando mais e com maior frequencia Paulo Caroli and Ismael Melo

2 Agilidade Com Responsabilidade serviços mensuráveis entregando mais e com maior frequencia Paulo Caroli and Ismael Melo 2015 Paulo Caroli and Ismael Melo

3 Contents Agradecimentos Prefácio Introdução Quem deve ler este livro De que trata este livro Como aproveitar bem este livro Capítulo 1 - Desenvolvimento de Software Ágil Lean Scrum Kanban Produto Mínimo Viável Capítulo 2 - Métricas de Software Análise de Pontos de Função SNAP Métricas Derivadas Outras Métricas Capítulo 3 - Outsourcing e o Desenvolvimento de Software Ágil Gerenciando um Portfólio Ágil Escritório de Projetos Ágeis Escritório de Métricas

4 CONTENTS Práticas de Contratação Capítulo 4 - Métricas no Contexto Ágil para Outsourcing Contagem da Iteração Contagem Incremental Consolidada Capítulo 5 - Documentando o Ágil Considerações Finais Ser Ágil Ser Responsável Bibliografia Termos e Definições

5 Agradecimentos Aos familiares, amigos e colegas de trabalho que de alguma forma contribuíram com insights, dicas e/ou experiências sobre o tema abordado. Agradecemos também, à Join Tecnologia da Informação, que auxiliou na validação e pilotou artefatos propostos neste livro em seu processo ágil (SCRUM).

6 Prefácio Motivados pela recorrência do assunto ágil versus pontos de função entre agilistas, especialistas em métricas e gestores de tecnologia da informação, decidimos publicar este livro como um guia para quem deseja aventurar-se junto aos benefícios deste casamento de opostos que, aliás, se atraem. Explica-se: enquanto um modelo tem foco na colaboração e valoriza as pessoas, o outro enaltece o controle e a impessoalidade nas contratações de serviços de desenvolvimento de software; no entanto, ambos juntos, fornecem transparência e previsibilidade às contratações de software, diminuindo conflitos e problemas de planejamento. Incluímos também, a partir de nossos estudos e experiências no mercado, outro ingrediente nesta relação: o SNAP. Esta é uma métrica recente, mantida pelo mesmo órgão que a APF (o IFPUG) e que atua sobre os requisitos não funcionais de software. Sua origem remete, portanto, à lacuna deixada pela APF, que trata apenas os requisitos funcionais de software. Pretendemos que esta publicação desperte o interesse das comunidades relacionadas pelo assunto e que ela realmente seja útil para as diferentes organizações que contratam serviços de desenvolvimento de software, sejam elas públicas ou privadas, pequenas ou de grande porte. Agora você poderá ler nosso livro e começar a contratar seus projetos ágeis com segurança, transparência e alta capacidade de gerenciamento. E isso com o mínimo impacto possível, na essência da metodologia.

7 Introdução Ponto de Função (PF) tem sido nos últimos anos, alvo de discussões em relação a sua aplicabilidade no contexto ágil. Já possui adeptos nos órgãos do governo e em grandes corporações, que têm utilizado a APF como métrica para contratos firmados com base no método Scrum, com relativo sucesso, mas ainda sentimos que ainda há oportunidades para melhorias em ambos os métodos. Neste livro, vamos compartilhar o resultado de um trabalho que mostra uma forma efetiva para a conexão de métodos ágeis com a Análise de Pontos de Função (e também com o SNAP), não restrita, mas com foco em contratos de outsourcing. Quem deve ler este livro Este livro foi escrito para gestores de TI, consultores e espevialistas do mundo ágil e de métricas de software. Também pode ser proveitoso no entanto, aos entusiastas e demais interessados nos referidos assuntos. De que trata este livro Este livro apresenta uma abordagem empítica sobre assuntos recentes na contratações de projetos cujo desenvolvimento é iterativo incremental. detalhar os capitulos com breve descricao

8 Introdução 4 Como aproveitar bem este livro É necessário que você compreenda bem os conceitos apresentados nos capítulos iniciais para facilitar o entendimento do modelo proposto. Ao seu final, esta publicação possui Termos e Referências gerais, sobre os assuntos abordados, o que poderá ajudar a compreender o texto de forma mais dinâmica se você não tiver intimidade com ele.

9 Capítulo 1 - Desenvolvimento de Software Ágil Desenvolvimento de software ágil é tipicamente iterativo e incremental. Os requisitos de software são separados em pequenas funcionalidades e planejados em iterações. O software é construído de forma incremental, com funcionalidades recém-desenvolvidas sendo adicionadas ao software já existente. A figura abaixo descreve a natureza do desenvolvimento ágil de software. O ciclo de trabalho O desenvolvimento de software ágil avança em pequenos ciclos de desenvolvimento, que normalmente duram de uma a quatro semanas. Como você pode ver na figura acima, há várias atividades que ocorrem dentro de um ciclo de desenvolvimento. Essas atividades diferem, dependendo do estilo e da maturidade da metodologia ágil dentro da sua organização. A entrega incremental de funcionalidades proporciona o aumento

10 Capítulo 1 - Desenvolvimento de Software Ágil 6 do valor do produto ao longo do tempo, enquanto que o processo de desenvolvimento de software tradicional adiciona valor apenas na entrega do produto final idealizado. Esta é a diferença primária para a contagem de pontos no estilo ágil, ou tradicional. A figura abaixo ilustra entrega incremental típica de métodos ágeis por meio de iterações consecutivas. Entregando gradualmente A figura acima ilustra três iterações consecutivas. Os requisitos do produto são organizados em um backlog, uma lista dos pequenos pedaços de requisitos. Em seguida, a partir do backlog, uma certa quantidade de trabalho tipicamente é selecionada para uma iteração. Scrum chama esses backlogs respectivamente de backlog do produto e backlog da iteração (Sprint). Subsequentemente, à medida que o trabalho progride, este é continuamente integrado com o trabalho concluído anteriormente. Por fim, o trabalho realizado dentro da iteração ou é contabilizado, ou espera por um trabalho complementar de iterações futuras para ser contabilizado. O gráfico de funcionalidade em função do tempo (abaixo) fornece uma representação visual eficaz para comparar métodos ágeis e estilos de desenvolvimento tradicional. Neste gráfico, o eixo X representa o tempo decorrido, e o eixo Y representa a funcionalidade entregue. A seta azul representa o momento no tempo.

11 Capítulo 1 - Desenvolvimento de Software Ágil 7 Funcionalidade gráfico em função do tempo O gráfico acima representa o projeto no início. Neste caso, nenhuma funcionalidade foi concluída ainda. E esta é a mesma situação para o desenvolvimento ágil ou tradicional. As figuras a seguir mostram o que é entregue no estilo ágil comparado com equipes de desenvolvimento de software tradicionais. Sequencia no desenvolvimento tradicional: desenvolvimento tradicional 1

12 Capítulo 1 - Desenvolvimento de Software Ágil 8 desenvolvimento tradicional 2 Sequencia ágil: desenvolvimento tradicional 3

13 Capítulo 1 - Desenvolvimento de Software Ágil 9 desenvolvimento ágil 1 desenvolvimento ágil 2

14 Capítulo 1 - Desenvolvimento de Software Ágil 10 desenvolvimento ágil 3 Esta sequencia mostra como entregas ágeis incrementam funcionalidade ao longo do tempo, enquanto o estilo de desenvolvimento de software mais tradicional entrega o todo somente no final Lean 1.2. Scrum Scrum é um framework ágil para a conclusão de projetos complexos. Scrum foi inicialmente formalizado para projetos de desenvolvimento de software, mas tem sido aplicado para qualquer âmbito de projetos complexos, e trabalhos inovadores. O Scrum é especialmente adequado para projetos com requisitos quem mudam rapidamente ou são altamente emergentes. O desenvolvimento de software com Scrum progride através de uma série de iterações chamados de Sprints, que duram, tipicamente, de uma a quatro semanas. O modelo Scrum sugere que cada sprint começe com uma breve

15 Capítulo 1 - Desenvolvimento de Software Ágil 11 reunião de planejamento, e termine com uma reunião de revisão do trabalho realizado na Sprint. Estes são os princípios do gerenciamento de projetos Scrum: ciclos curtos e cadenciados com reuniões de alinhamenot e acompannhamento da evolução do trabalho e adequação e melhoria do time. Além das reuniões de (1) planning e (2) review, Scrum sugere mais duas reuniões que acontecem a cada Sprint. Essa são: (3) retrospectiva, a reunião que promove o momento kaizen, onde o time busca a melhoria contínua em relação ao processo, entrega, e interação entre as pessoas; e (4) grooming, a reunião onde o backlog do produto é revisitado buscando o entendimmento dos próximos requisitos, candidatos ao próximo Sprint. Sprint promove uma cadencia de semanas (de uma a quatro semanas, dependendo da preferencia do time). Mas diariamente o time realiza uma reunião para verificar o andamento das tarefas de trabahlo. Esta reunião (5) é a Daily Sprint. Nesta, basicamente todos os membros do time ficam de pé e respondem a tres perguntas, as quais auxiliam o time a se auto-organizar, buscando o alinhamento diário para realizar todo trabalho da Sprint. As tres perguntas são: o que fiz ontem, o que vou fazer hoje e o que está impedindo o progresso do meu trabalho. No mundo ágil Scrum, evitamos descrições completas e detalhadas sobre como tudo deverá ser feito pelo. Muito é deixada para o time de desenvolvimento Scrum decidir. Isso porque o time vai saber a melhor forma de resolver o problema em questão. É por isso que a reunião de planejamento do sprint é descrita em termos de metas e resultado desejado. O resultado é um compromisso com um conjunto de funcionalidades a serem desenvolvidas no próximo sprint. Buscando assim o equilíbrio entre automonia e flexibilidade e comprometimento do time. Scrum depende de uma equipe multifuncional e auto-organizada. O time scrum é auto-organizado pois não deve existir um líder de equipe que decide quem vai fazer qual tarefa e como. Tarefas e

16 Capítulo 1 - Desenvolvimento de Software Ágil 12 problemas são levantados por todos, e essas são questões decididas pela equipe como um todo. Os times Scrum são apoiados por dois papéis específicos. O primeiro é um ScrumMaster, alguém experiente com o framework que pode ajudar o time a usar o processo de Scrum para alcançar seus objetivos de alto nível. Os melhores Scrum Masters são aquelas pessoas que sentem mais satisfação de facilitar o sucesso dos outros do que seus próprios. O Scrum Master deve se sentir confortável e seguro com o frameowrk a ponto de dar todo controle em relação ao produto para o Product Owner(PO), e todo controle em relação ao desenvolvimento a sua equipe. O segundo papel específico é o Product Owner(ou PO). O PO representa o negócio, os clientes ou usuários, e orienta a equipe para a construção do produto certo. O Product Owner deve liderar o esforço de desenvolvimento, através de esclarecimentos e priorizações sobre o trabalho. Tipicamente, o PO trabalha com o Product Backlog, a lista mestre ods requisitos do produto a ser criado. É sua função priorizar o backlog com base no valor do negócio, e no alinhamento entre as partes interessadas, tanto internas quanto externas a equipe Scrum. Como tal, o Product Owner deve estar disponível para a equipe para responder a perguntas e direcionar o time a cada momento ou indagação. Esta combinação de autoridade e disponibilidade para a equipe de desenvolvimento faz com que o PO chave do framework. Scrum valoriza a auto-organização e autonomia do time; portanto, o Product Owner deve respeitar o direcionamento e a capacidade da equipe para criar o seu próprio plano de ação.

17 Capítulo 1 - Desenvolvimento de Software Ágil Kanban 1.4. Produto Mínimo Viável Produto mínimo viável (em inglês, Minimum Viable Product MVP) é a versão mais simples de um produto que pode ser disponibilizada para a validação de um pequeno conjunto de hipóteses sobre o negócio. Basicamente, você não quer desperdiçar tempo, dinheiro e esforço construindo um produto que não vai atender as suas expectativas. Para isso, é preciso entender e validar as hipóteses sobre o negócio. O MVP ajuda essa validação e aprendizado da forma mais rápida possível. Diferentemente de produtos criados da forma tradicional, normalmente com um período longo de criação de protótipo, análise e elaboração, o objetivo do MVP é somente a validação do primeiro passo, do produto mínimo, bem menos elaborado do que a versão final. O MVP foca no produto mínimo, mas viável para verificar se o direcionamento está correto. O conjunto inicial de funcionalidades necessário para o processo de validação de hipóteses e aprendizagem sobre o negócio Origem A ideia de MVP está originalmente vinculada às ideias popularizadas pelo estilo Toyota de manufatura enxuta ¹ ² ³. Steve Blank, um empreendedor do Vale do Silício, criou uma metodologia ⁴ baseada no desenvolvimento do cliente. Este foi o início do movimento Lean ¹Womack, James P.; Daniel T. Jones, and Daniel Roos. (1990) The Machine That Changed the World. ²Ohno, Taiichi. (1988) Toyota Production System. Productivity Press ³Womack, James P.; Daniel T. Jones. (2003) Lean Thinking. Free Press. ⁴Blank, Steve G. (2013) The four steps to the epiphany: successful strategies for products that win.

18 Capítulo 1 - Desenvolvimento de Software Ágil 14 Startup, o qual teve seu ápice com Eric Ries e o lançamento do seu livro ⁵, com o mesmo nome do movimento. Enquanto Eric Ries popularizou o MVP desde a publicação do seu livro Lean StartUp, o termo estava em uso vários anos antes do surgimento do movimento Lean Startup, especialmente entre as startups, com seus empreendedores e investidores do Vale do Silício. A expressão minimum viable product apareceu pela primeira vez em 2000 em um artigo de Willin Junk ⁶, de título O equilíbrio dinâmico entre Custo, Cronograma, Recursos e Qualidade em Projetos de Desenvolvimento de Software, em português Criação evolutiva do MVP MVP não significa que o produto não vá evoluir e incrementar suas funcionalidades. Muito pelo contrário, a ideia por trás de MVP é o incremento validado e guiado pelos resultados iniciais. A correção ou a confirmação do curso é que vai guiar os incrementos a seguir. Incrementos estes que são MVP: novos produtos mínimos adicionados aos produtos mínimos já validados. Mais uma vez, produtos mínimos, entretanto viáveis para fazer novas verificações sobre o direcionamento. O produto, agora, é mais elaborado, talvez com uma base maior de usuários, permitindo validar novas hipóteses, ainda mais elaboradas. É muito importante compreender que o MVP promove uma criação evolutiva. Logo, a arquitetura, bem como o ferramental de construção do produto, deve permitir esta característica de evolução gradual e contínua. Jez Humble e David Farley, em 2010, publicaram o livro Continuous ⁵Ries, Eric. (2011) The Lean Startup: How Today s Entrepreneurs Use Continuous Innovation to Create Radically Successful Businesses. Crown Publishing. ⁶Willian, S. Junk. (2000) The Dynamic Balance Between Cost, Schedule, Features, and Quality in Software Development Projects, Computer Science Dept., University of Idaho, SEPM-001.

19 Capítulo 1 - Desenvolvimento de Software Ágil 15 Delivery ⁷. Neste livro, os autores elaboram sobre um processo de entrega rápido e de baixo custo, permitindo a criação incremental de produtos de software. Eles definem Continuous Delivery (em português, Entrega Contínua) como uma disciplina de desenvolvimento de software que promove entregas mais rápidas e com maior frequência. Apesar do livro Continuous Delivery entrar em detalhes sobre produtos de software e o fluxo de trabalho para sua criação, a essência da ideia de Entrega Contínua é a mesma que Eric Ries recomenda no livro Lean StartUp: ciclos rápidos para validação das hipóteses. Ciclos rápidos e frequentes, permitindo tempos de liberação muito curtos e com baixos custos de experimentação. No livro Direto Ao Ponto ⁸ Paulo Caroli descreve uma receita com atividades de análise e planejamento efetivo baseado em MVP. Esta proposta que comibna APF com métodos ágeis toma como base o entendimmento e planejamento dos MVPs e suas features de acordo com a proposta DiretoAoPonto Incrementando MVPs O produto é construído de forma incremental, com MVPs recémcriados sendo adicionados ao produto consolidado já existente. A entrega contínua e incremental proporciona o aumento do valor do produto ao longo do tempo, enquanto que o processo de criação de produto tradicional não fornece qualquer valor até o final, quando todo o produto está pronto. ⁷Jez Humble and David Farley. (2010) Continuous Delivery, Addison-Wesley. ⁸Paulo Caroli. (2014) Direto Ao Ponto, criando produtos de forma enxuta, LeanPub.

20 Capítulo 1 - Desenvolvimento de Software Ágil 16 MVPs para cortar grama Esta figura mostra como MVP oferece pequenas validações ao longo do tempo, enquanto o estilo de criação do produto mais tradicional só oferece a validação do todo no final. Primeiramente o tesourão forma o primeiro MVP. Há realmente grama para cortar? Alguém vai utilizar tal aparato? A validação dessas hipóteses impulsiona a evolução do produto para o próximo MVP. Talvez um aparato mais cômodo, com um cabo. Depois rodar. E assim adiante até que o produto evolua de MVP a MVP, sempre incrementando e validando tais incrementos. O MVP promove uma abordagem incremental, em que apenas uma pequena parte de um requisito ou ideia mais abrangente são tratadas ao mesmo tempo. Cada um desses incrementos é projetado, criado e preparado para ser adicionada ao produto, adicionando mais funcionalidades ao mesmo. Em essência, uma ideia de produto de softwate é sequenciada em uma série de hipóteses menores, mais simples e, logo, mais fácil de entender, criar e contabilizar. E cabe lembrar que felizmente software não é manufatura: no mundo se software, um cortador de grama pode ser criado adicionando-se rodas e cabo a um tesourão.

21 Capítulo 2 - Métricas de Software 2.1. Análise de Pontos de Função A Análise de Pontos de Função (APF) é o método padrão do IFPUG (International Function Points Users Group) para a medição funcional de software. Sua função é quantificar a funcionalidade solicitada e entregue sob o ponto de vista do usuário, em termos de tarefas, serviços e estruturas de dados, independentemente da tecnologia utilizada e da forma como a solução foi projetada. O método considera em sua composição, funções de transação e funções de dados, num total de cinco tipos de função (Quadro 1) e três níveis de complexidade (Quadro 2). Para cada tipo e complexidade, há uma ponderação a qual chamamos contribuição. A relação de complexidade versus contribuição pode ser visualizada no Quadro 3. Quadro 1 - Tipos de Função na APF Quadro 2 - Complexidade de um Função na APF Quadro 3 - Complexidade versus Contribuição (IFPUG). Diferentemente de uma indicação ou estimativa de tamanho (abordagem NESMA, que será explicada a seguir), uma medição de tamanho funcional necessita de um maior detalhamento dos requisitos para ser executada, mas é mais confiável, visto que possibilita a quantificação ponderada dos itens do escopo de um projeto. O Manual de Práticas de Contagem de Pontos de Função do IFPUG, atualmente publicado na versão 4.3.1, é o documento que descreve as regras que permeiam uma contagem de pontos de função e orienta apenas a medição do tamanho funcional envolvido em um

22 Capítulo 2 - Métricas de Software 18 projeto de software. Para que se contratar utilizando esta métrica, é importante, embora não essencial, estabelecer convenções locais e deflatores de produtividade para cada tipo de manutenção. As convenções visam estabelecer uma relação de linearidade entre as medidas de tamanho e as estimativas de esforço e/ou custo. No Brasil, um exemplo de guia de orientações de métricas bastante conhecido é o que suporta os contratos de prestação de serviços de desenvolvimento de software mantidos pela Caixa Econômica Federal (CEF) com seus fornecedores, os quais são estabelecidos com um baseline de pontos de função e diversas adequações em relação ao método original publicado pelo IFPUG. O Governo Federal inclusive, através do Ministério do Planejamento, publicou um guia com diversas necessidades consideradas comuns, o Roteiro de Métricas do SISP. Ele é aderente à Instrução Normativa 04/2010, que orienta que os contratos de software sejam mantidos com base em critérios objetivos, critérios pelos quais a APF se destaca. Com a Instrução Normativa, o Governo passa a ter um maior controle sobre o que está sendo contratado, um processo maduro, auditável e repetível (com os mesmos resultados e diferentes profissionais, pode-se chegar a um mesmo quantitativo da unidade de pontos de função). No Brasil, entre as organizações mais conhecidas que utilizam a Análise de Pontos de Função (APF) podemos citar: BACEN, Bradesco, Oi, TAM, Santander, Caixa Econômica Federal (CEF), Embratel, Porto Seguro, SERPRO, SICREDI, DATAPREV, Infraero, Petrobras, Correios, Tribunal de contas da união (TCU), Ministério das Cidades, Aeronáutica, Marinha do Brasil, Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear, Comissão nacional de energia nuclear, INEP, Ministério da Cultura, Ministério do Trabalho, Ministério da Educação, dentre outras. Além do método padrão do IFPUG, existem no entanto, outras métricas para estimativa e medição de tamanho funcional, tais como: as técnicas NESMA Indicativa, Estimativa e de Melhoria,

23 Capítulo 2 - Métricas de Software 19 Mark II, COSMIC, entre outras. Veremos conceitos básicos destas métricas posteriormente neste capítulo, visando complementar o seu entendimento sobre estimativas de software e melhor abordarmos os tópicos inerentes ao Escritório de Métricas no Capítulo SNAP O Processo de Avaliação Não Funcional de Software (SNAP) do IFPUG, publicado na versão 2.1, é um framework para avaliar e quantificar os requisitos não funcionais de software, sendo complementar à APF. O modelo consiste em 4 categorias e 14 subcategorias de medição, onde os requisitos não funcionais são mapeados para sub-categorias relevantes. Assim como o método funcional do IFPUG, o SNAP tem um manual de contagem próprio e possui critérios objetivos Métricas Derivadas A APF e o SNAP são métricas que calculam unidades base, ou seja podem ser derivadas ou convertidas, assim como ocorre por exemplo com a unidade base da construção civil, o metro quadrado. Note, que tanto o ponto de função como o metro quadrado podem ser utilizados como referência para a predição, acompanhamento e controle de produtividade (em horas por PF ou metro quadrado produzido) e que ambas também podem convencionar um valor unitário como parâmetro de custos para seus projetos (o valor do PF ou o valor do CUB).

24 Capítulo 2 - Métricas de Software Outras Métricas Há diversas outras métricas em relação a APF e poucas que atuam sobre o escopo relacionado ao SNAP, porém ou obsoletas ou pouco conhecidas e utilizadas, ou ainda vistas como uma tendência por alguns. Há ainda, métricas que podem ser utilizadas em situações específicas, onde a capacidade de predição é ainda limitada pelo alto nível de incerteza na concepção do escopo do produto que será atendido pelo projeto de software. Veremos essas métricas a seguir Estimativa NESMA O método de Estimativa NESMA (mantido pelo órgão com este nome) foi concebido com base na APF. Ele atribui a complexidade baixa para todas as funções de dados (repositórios, definidos como ALI ou AIE) e a complexidade média para todas as funções de transação (definidas como EE, CE ou SE) resultando na contribuição obtida pela análise do Quadro 4. Quadro 4 - Tipo de Função versus Contribuição (NESMA). Este método normalmente é utilizado em fases iniciais do ciclo de vida do desenvolvimento de software, especialmente quando ainda não é possível visualizar o detalhamento das funcionalidades do escopo, embora seja possível identificar a maioria delas Indicativa NESMA Há também uma forma para a realização de estimativas de software em altíssimo nível, chamado de método holandês, ou ainda, Indicativa NESMA. Neste método, somente as funções de dados são contadas, sendo que um ALI contribui com 35 pontos de função e um AIE, com 15 pontos de função (Quadro 5). É um método

25 Capítulo 2 - Métricas de Software 21 pouco preciso e pouco utilizado, mas ainda útil para uma contagem antecipada. Quadro 5 - Tipo de Função versus Contribuição (NESMA) COSMIC O COSMIC é um método para estimativa e medição de software que tem chamado a atenção pela sua simplicidade e aplicabilidade, pois atua sobre qualquer manutenção em que funcionalidades específicas são mexidas (mesmo as que seriam classificadas como não funcionais na APF). O COSMIC tem como principais características: o tamanho flutuante para cada funcionalidade e a possibilidade de estabelecer níveis de granularidade diferentes do que a APF utiliza (visão do usuário). Embora parte do mercado visualize este método como tendência, ainda a pouca referência sobre o assunto e indredubilidade de alguns como algo que realmente possa ser utilizado com benefícios adicionais a APF no estabelecimento de acordos comerciais.

26 Capítulo 3 - Outsourcing e o Desenvolvimento de Software Ágil O outsourcing, ou tercerização, é o modelo de contratação de produtos e serviços onde o contratante transfere a responsabilidade sobre parte de suas atividades (as que não são propriamente o foco da operação ou core da organização). Este formato, mesmo com a aplicação do método de pontos de função, é amplamente utilizado para contratação de serviços de desenvolvimento ou manutenção de software seguindo o processo de desenvolvimento tradicional, porém não é comum o casamento da APF com métodos ágeis, embora existam casos de aplicação com sucesso no mercado Gerenciando um Portfólio Ágil Um portfólio refere-se a projetos, programas, subportfólios e operações, gerenciados como um grupo para atingir objetivos específicos. [2] Projetos ágeis são propensos a um gerenciamento ágil, embora nada venha a impedir uma abordagem de gestão de portfólio tradicional. Sugere-se escalar a utilização do Kanbam e suas ferramentas (lead time e work in progress), também como uma maneira de visualizar e gerenciar o portfólio. É uma forma visual onde programas, projetos e subprojetos podem ser facilmente acompanhados pelo Escritório de Gerenciamento de Projetos e/ou Comitê de TI.

27 Capítulo 3 - Outsourcing e o Desenvolvimento de Software Ágil Escritório de Projetos Ágeis Um Escritório de Gerenciamento de Projetos (EGP, ou em inglês PMO) é uma estrutura organizacional que padroniza os processos de governança relacionados a projetos, facilitando o gerenciamento de recursos, metodologias, técnicas e ferramentas. [2] O PMO é responsável pelo apoio ao gerenciamento de projetos, mas não está restrito a este escopo. Em projetos ágeis com a utilização de métricas de software, o PMO ganha em capacidade de gestão dos projetos sob sua responsabilidade, pois viabiliza-se a mensuração tamanho de cada pedaço de software impactado, de forma normalizada. A normalização possibilita a realização de comparações matemáticas e estatísticas que facilitam o controle da operação, a detecção de tendências e apóiam a avaliação de desempenho da organização e fornecedores, além de viabilizar análises relacionadas às metas mapeadas no alinhamento estratégico da TI organizacional Escritório de Métricas O Escritório de Métricas é uma estrutura física ou conceitual, complementar ao Escritório de Projetos, que atua como mediadora sobre assuntos relacionados às estimativas de software, como um braço especialiazado que atesta o tamanho de software com vistas a sua correta precificação frente aos contratos firmados com base em métricas. Dependendo do porte e estrutura de cada organização, cabe aos gestores avaliar se será necessário criar uma estrutura formal física ou se deverá ser contratada uma empreza especializada em métricas para assumir suas atribuições.

28 Capítulo 3 - Outsourcing e o Desenvolvimento de Software Ágil Práticas de Contratação Para que se colham os benefícios providos pela utilização de métricas, algumas práticas devem, ou ao menos os autores assim entendem, ser cuidadosamente estabelecidas, antes mesmo da contratação de um fornecedor. Vamos explorar mais isso durante este subcapítulo. Primeiramente, segundo Neto [1], as relações cliente-fornecedor não devem ser pontuadas apenas pela concorrência de preços, pois isoladamente não há sentido sem compará-lo a qualidade experada pelo produto serviço sendo contratado Homologação de Fornecedores Um processo de homologação Gestão de Demandas Em um cenário de full outsourcing, com um processo uniforme e definida uma metodologia de desenvolvimento específica,

29 Capítulo 4 - Métricas no Contexto Ágil para Outsourcing Contagem da Iteração Como a maioria das referências encontradas para aplicação de pontos de função em contextos ágeis utiliza a abordagem do Scrum, se identificou padrões de mercado, principalmente quando analisado o cenário público no âmbito do governo federal. Neste modelo, cada Sprint é contada separadamente, ao seu início e ao seu final Contagem Incremental Consolidada Esta é uma proposta dos autores, a qual consolida o tamanho funcional e não funcional incrementalmente, com foco no valor que o trabalho executado agregou ao produto sendo desenvolvido ou mantido, o que é aderente à perspectiva ágil. A abordagem sugerida visa também, fornecer uma melhor capacidade de predição do orçamento e visibilidade em relação ao momento atual do projeto sendo portanto, um importante instrumento para o acompanhamento de budget e progresso pelo responsável pelo projeto. Considerando a utilização dos conceitos de feature driven e MVP, o modelo aplica-se de forma consistente e abrangente em conjunto com as métricas APF e SNAP, com vistas ao faturamento dos serviços prestados e no modelo de pagamento contra-a-entrega. O modelo ágil proposto nesta publicação será simplificado para fins

5. Contagem de Pontos de Função no Desenvolvimento de Software utilizando Métodos Ágeis

5. Contagem de Pontos de Função no Desenvolvimento de Software utilizando Métodos Ágeis 5. Contagem de Pontos de Função no Desenvolvimento de Software utilizando Métodos Ágeis Este capítulo descreve orientações, sobre a utilização da métrica Ponto de Função, para medição e remuneração de

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Guia Projectlab para Métodos Agéis

Guia Projectlab para Métodos Agéis Guia Projectlab para Métodos Agéis GUIA PROJECTLAB PARA MÉTODOS ÁGEIS 2 Índice Introdução O que são métodos ágeis Breve histórico sobre métodos ágeis 03 04 04 Tipos de projetos que se beneficiam com métodos

Leia mais

Reuse in a Distributed Environment

Reuse in a Distributed Environment Reuse in a Distributed Environment É possível aplicar APF em um Ambiente Ágil? Alcione Ramos, MSc, CFPS, PMP, CSD Cejana Maciel, MSc, Scrum Master, ITIL, COBIT Ponto de função é coisa dos anos 70. É uma

Leia mais

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes Workshop Scrum & Rational Team Concert (RTC) Sergio Martins Fernandes Agilidade Slide 2 Habilidade de criar e responder a mudanças, buscando agregar valor em um ambiente de negócio turbulento O Manifesto

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Análise de Pontos de Função

Análise de Pontos de Função Análise de Pontos de Função Medição, Estimativas e Gerenciamento de Projetos de Software 1 Agenda Importância da medição Uso da APF na gerência de projetos Uso da APF em estimativas Uso da APF em contratos

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

Núcleo de Métricas: Alcançando a Excelência na Governança de TI

Núcleo de Métricas: Alcançando a Excelência na Governança de TI Núcleo de Métricas: Alcançando a Excelência na Governança de TI Gustavo Siqueira Simões - PMP e CFPS http://www.linkedin.com/in/gustavosimoes gustavo.simoes@fattocs.com.br skype: gustavosimoes +55(11)

Leia mais

FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS

FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS DESAFIOS NA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO MÉTODOS ÁGEIS CARLOS EDUARDO VAZQUEZ 13/10/2015 FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS ORIENTAÇÕES INICIAIS Dê preferência ao uso de

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto.

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. SCRUM SCRUM É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. Ken Schwaber e Jeff Sutherland Transparência A transparência garante que

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Manifesto da Agilidade Quatro princípios Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas Software funcionando mais que documentação compreensiva Colaboração

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 Disciplina: Professor: Engenharia de Software Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Área: Metodologias

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Motivação Manifesto Ágil Princípios Ciclo Papeis, cerimônias, eventos, artefatos Comunicação Product Backlog Desperdício 64% das features

Leia mais

O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio. Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior

O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio. Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior Orientações iniciais Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum C.E.S.A.R.EDU Unidade de Educação do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife Projeto de Dissertação de Mestrado FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum Eric de Oliveira

Leia mais

Objetivos do Módulo 3

Objetivos do Módulo 3 Objetivos do Módulo 3 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Conceitos do Scrum O que é um Sprint Decifrando um Product backlog Daily Scrum, Sprint Review, Retrospectiva

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

Levantamento sobre Métodos Ágeis

Levantamento sobre Métodos Ágeis 1º Seminário de Metodologia Ágil do SISP Levantamento sobre Métodos Ágeis Carlos Alberto Mamede Hernandes, MSc, CISA, CGEIT Tribunal de Contas da União - TCU Secretaria de Fiscalização de TI - Sefti Brasília,

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

Workshop. Workshop SCRUM. Rildo F Santos. rildo.santos@etecnologia.com.br. Versão 1 Ago 2010 RFS. www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260

Workshop. Workshop SCRUM. Rildo F Santos. rildo.santos@etecnologia.com.br. Versão 1 Ago 2010 RFS. www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Workshop www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Rildo F Santos twitter: @rildosan skype: rildo.f.santos http://rildosan.blogspot.com/ Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010

Leia mais

Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil

Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil Carlos Oest carlosoest@petrobras.com.br Time Box: 60 minutos Backlog da apresentação: Apresentação do assunto 1 SCRUM 2 Estimativa com Pontos

Leia mais

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA NONA REGIÃO ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA

Leia mais

15/06/2011. Pontos de Função e Agilidade. Felipe Foliatti. Sumário. Pontos de Função. Métodos Ágeis. Cenário do Projeto.

15/06/2011. Pontos de Função e Agilidade. Felipe Foliatti. Sumário. Pontos de Função. Métodos Ágeis. Cenário do Projeto. Pontos de Função e Agilidade Felipe Foliatti Sumário Pontos de Função Métodos Ágeis Cenário do Projeto Conclusões 1 Pontos de Função? Não sepode controlar o que não se pode medir Tom DeMarco Surgiu com

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br SCRUM Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br Introdução 2 2001 Encontro onde profissionais e acadêmicos da área de desenvolvimento de software de mostraram seu descontentamento com a maneira com que os

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br RESUMO

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br RESUMO 1 AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br Autor: Julio Cesar Fausto 1 RESUMO Em um cenário cada vez mais competitivo e em franca

Leia mais

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br Agilidade parte 3/3 - Scrum Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br 1 Scrum Scrum? Jogada do Rugby Formação de muralha com 8 jogadores Trabalho em EQUIPE 2 Scrum 3 Scrum Scrum Processo

Leia mais

É POSSÍVEL SER ÁGIL EM PROJETOS DE HARDWARE?

É POSSÍVEL SER ÁGIL EM PROJETOS DE HARDWARE? É POSSÍVEL SER ÁGIL EM PROJETOS DE Doubleday K. Francotti v 1.0 Onde foi parar os requisitos? Trabalhando 30h por dia! Manda quem pode... Caminho das pedras Hum... Acho que deu certo... Onde foi parar

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade. Fernando Wanderley

SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade. Fernando Wanderley SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade Fernando Wanderley Apresentação Líder Técnico em Projetos Java (~ 9 anos) (CESAR, Imagem, CSI, Qualiti Software Process) Consultor de Processos de Desenvolvimento

Leia mais

Padrões de Contagem de Pontos de Função

Padrões de Contagem de Pontos de Função Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: 1.0.0 Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente

Leia mais

Diretrizes Complementares para Aplicação da Análise de Pontos de Função no PAD

Diretrizes Complementares para Aplicação da Análise de Pontos de Função no PAD Diretrizes Complementares para Aplicação da Análise de Pontos de Função no PAD Ricardo Gaspar (21) 2172-8078 ricardo.gaspar@bndes.gov.br 10 de Junho de 2013 Agenda Contextualização Diretrizes de Contagem

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Diretrizes Propostas para Aplicação da APF em Programa Envolvendo Tecnologias Recentes Tais como Barramento, BPMS e Portal

Diretrizes Propostas para Aplicação da APF em Programa Envolvendo Tecnologias Recentes Tais como Barramento, BPMS e Portal Diretrizes Propostas para Aplicação da APF em Programa Envolvendo Tecnologias Recentes Tais como Barramento, BPMS e Portal Ricardo Gaspar, CFPS (21) 2172-8078 ricardo.gaspar@bndes.gov.br 29 de Novembro

Leia mais

Dinâmica em Grupo com o Framework SCRUM

Dinâmica em Grupo com o Framework SCRUM Dinâmica em Grupo com o Framework SCRUM Contextualização: O grupo foi convidado a desenvolver um projeto de um Sistema de informação, que envolve a área de negócio: compras (cadastros de fornecedores,

Leia mais

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Danilo Sato e Dairton Bassi 21-05-07 IME-USP O que é Scrum? Processo empírico de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR Em seu próprio Projeto Aprenda como Agilizar seu Projeto! A grande parte dos profissionais que tomam a decisão de implantar o Scrum em seus projetos normalmente tem

Leia mais

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Felipe Furtado Engenheiro de Qualidade Izabella Lyra Gerente de Projetos Maio/2008 Agenda Motivação Pesquisas Adaptações do Processo Projeto Piloto Considerações

Leia mais

Ferramenta para gestão ágil

Ferramenta para gestão ágil Ferramenta para gestão ágil de projetos de software Robson Ricardo Giacomozzi Orientador: Everaldo Artur Grahl Agenda Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Resultados e discussões

Leia mais

Os princípios e valores do ágil são a chave para o escalonamento!

Os princípios e valores do ágil são a chave para o escalonamento! 1 Os princípios e valores do ágil são a chave para o escalonamento! Introdução 2 Agenda Parte I Por onde e como começamos? Buscando informações Tratando as expectativas Definindo uma estratégia Executando

Leia mais

Método Aldeia de Projetos

Método Aldeia de Projetos MAP Método Aldeia de Projetos Como surgiu o MAP? Em mais de 15 anos de atuação experimentamos distintas linhas de pensamento para inspirar nosso processo e diversas metodologias para organizar nossa forma

Leia mais

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010 Objetivo: Estudo de Caso Objetivo: Apresentar um Estudo de Caso para demonstrar como aplicar as práticas do SCRUM em projeto de desenvolvimento de

Leia mais

FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas. OpenUp. Arquitetura de software

FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas. OpenUp. Arquitetura de software FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas OpenUp Arquitetura de software Fortaleza/2010 OpenUP Alguns anos atrás, vários funcionários da IBM começaram

Leia mais

Frederico Aranha, Instrutor. Scrum 100 Lero Lero. Um curso objetivo!

Frederico Aranha, Instrutor. Scrum 100 Lero Lero. Um curso objetivo! Scrum 100 Lero Lero Um curso objetivo! Napoleãããõ blah blah blah Whiskas Sachê Sim, sou eu! Frederico de Azevedo Aranha MBA, PMP, ITIL Expert Por que 100 Lero Lero? Porque o lero lero está documentado.

Leia mais

Wesley Torres Galindo

Wesley Torres Galindo Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com User Story To Do Doing Done O que é? Como Surgiu? Estrutura Apresentar

Leia mais

Agenda. Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias

Agenda. Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias Agenda Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias 1 Questão Central Como formar trabalhadores para o Século 21? 2 Visão Desafios do Cenário Atual

Leia mais

Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson Costa Marcelo Guedes

Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson Costa Marcelo Guedes Instituto Federal do Rio Grande do Norte IFRN Graduação Tecnologia em Analise e Desenvolvimento de Sistema Disciplina: Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson

Leia mais

Uso de Métricas em Contratos de Fábrica de Software Roteiro de Métricas do SISP 2.0

Uso de Métricas em Contratos de Fábrica de Software Roteiro de Métricas do SISP 2.0 Uso de Métricas em Contratos de Fábrica de Software Roteiro de Métricas do SISP 2.0 Claudia Hazan claudia.hazan@serpro.gov.br claudia.hazan@serpro.gov.br 1 Objetivos Definir a Métrica Pontos de Função

Leia mais

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Wesley Galindo Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Mestrado em Engenharia de Software Engenheiro de Software Professor Faculdade Escritor Osman

Leia mais

Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente.

Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente. Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente. Desenvolvido por Jeff SUTHERLAND e Ken SCHWABER ; Bastante objetivo, com papéis bem definidos; Curva de Aprendizado é

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Corrente Crítica ao Resgate: Tornando a Agilidade Confiável. Critical Chain to the Rescue: Making Agile Reliable

Corrente Crítica ao Resgate: Tornando a Agilidade Confiável. Critical Chain to the Rescue: Making Agile Reliable 11 th International Conference of the TOC Practitioners Alliance - TOCPA www.tocpractice.com March 14-15, 2014 São Paulo, Brazil Corrente Crítica ao Resgate: Tornando a Agilidade Confiável Critical Chain

Leia mais

Transformando a TI de uma agência governamental em ágil

Transformando a TI de uma agência governamental em ágil Transformando a TI de uma agência governamental em ágil Gavin Martin O governo é composto de programas independentes que, por causa de sua organização, inibem cadeias de valor eficientes. Por minha experiência,

Leia mais

Gerenciamento de Equipes com Scrum

Gerenciamento de Equipes com Scrum Gerenciamento de Equipes com Scrum Curso de Verão 2009 IME/USP www.agilcoop.org.br Dairton Bassi 28/Jan/2009 O que é Scrum? Processo de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Patrícia Bastos Girardi, Sulimar Prado, Andreia Sampaio Resumo Este trabalho tem como objetivo prover uma

Leia mais

Métricas para Contratação de Fábricas de Software - Pontos de Função

Métricas para Contratação de Fábricas de Software - Pontos de Função Métricas para Contratação de Fábricas de Software - Pontos de Função Guilherme Siqueira Simões guilherme.simoes@fattocs.com.br ENCOSEP TI 2013 Encontro sobre Contratação de Produtos e Serviços de TI na

Leia mais

Guia de Projetos de Software com Práticas de Métodos Ágeis para o SISP

Guia de Projetos de Software com Práticas de Métodos Ágeis para o SISP CAPA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação SLTI COR CLARA NO FUNDO Facilita a leitura e não aparece na impressão em preto e branco Guia de Projetos de Software com

Leia mais

um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO

um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO Um pouco de história... Década de 50: a gestão de projetos é reconhecida como disciplina,

Leia mais

Utilizando SCRUM em contratos de preço fixo

Utilizando SCRUM em contratos de preço fixo Agile Brazil 2010 Eduardo Meira Peres Utilizando SCRUM em contratos de preço fixo UNIDADES Porto Alegre /RS Caxias do Sul /RS DBServer Nossa Missão Entregar produtos de qualidade no prazo e orçamento pré-definidos

Leia mais

Software na medida certa: desmistificando pontos de função

Software na medida certa: desmistificando pontos de função FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com Software na medida certa: desmistificando pontos de função Guilherme Siqueira Simões +55 (27) 8111-7505 guilherme.simoes@fattocs.com.br Fatto Consultoria

Leia mais

Aplicação de Métricas de Software com Scrum

Aplicação de Métricas de Software com Scrum Aplicação de Métricas de Software com Scrum Mateus Luiz Gamba. Ana Cláudia Garcia Barbosa Curso de Ciência da Computação Unidade Acadêmica de Ciências, Engenharias e Tecnologias - Universidade do Extremo

Leia mais

Estudo comparativo de contagens usando o CPM, NESMA Estimada e FP Lite TM na Dataprev

Estudo comparativo de contagens usando o CPM, NESMA Estimada e FP Lite TM na Dataprev Estudo comparativo de contagens usando o CPM, NESMA Estimada e FP Lite TM na Dataprev Mauricio Koki Matsutani (DATAPREV) Luiz Flavio Santos Ribeiro (DATAPREV) Estudo comparativo de contagens usando o CPM,

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 13B DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar, discutir o conceito de métricas de software orientadas a função. DESENVOLVIMENTO

Leia mais

TUTORIAIS. Framework SCRUM. Rafael Buck Eduardo Franceschini. MSc., PMP, CSM MBA

TUTORIAIS. Framework SCRUM. Rafael Buck Eduardo Franceschini. MSc., PMP, CSM MBA TUTORIAIS Framework SCRUM Rafael Buck Eduardo Franceschini MSc., PMP, CSM MBA SCRUM vs. PMBOK SCRUM vs. PMBOK ESCOPO Restrições de um projeto (Tripla Restrição) TEMPO CUSTO Modelo de Contrato de projetos

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

Cursos Gestão. Agenda Conteúdos Programáticos CVs dos Intrutores. Versão 1.0 04/10/2013

Cursos Gestão. Agenda Conteúdos Programáticos CVs dos Intrutores. Versão 1.0 04/10/2013 Cursos Gestão Agenda Conteúdos Programáticos CVs dos Intrutores Versão 1.0 04/10/2013 Sumário 1. Agenda de Cursos... 3 2. Conteúdos Programáticos... 4 PORTFOLIO DE PROJETOS... 4 CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO

Leia mais

Processo de Abertura de Projetosescritorio. Bizagi Process Modeler

Processo de Abertura de Projetosescritorio. Bizagi Process Modeler Processo de Abertura de Projetosescritorio Bizagi Process Modeler Índice PROCESSO DE ABERTURA DE PROJETOS-ESCRITORIO...1 BIZAGI PROCESS MODELER...1 1 PROCESSO DE ABERTURA DE PROJETOS...5 1.1 PROCESSO

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta web para gerenciamento de projetos de software baseado no Scrum Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Introdução Roteiro da apresentação Objetivos do trabalho Fundamentação

Leia mais

FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS

FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS Gestão de Riscos Como lidar com as incertezas do Projeto? Thomaz Ottoni da Fonseca 04/11/2015 FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS 2015 FATTO Consultoria e Sistemas www.fattocs.com 1 ORIENTAÇÕES INICIAIS Dê preferência

Leia mais

Orientações iniciais. FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com

Orientações iniciais. FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com 1 Orientações iniciais Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO Bruno Edgar Fuhr 1 Resumo: O atual mercado de sistemas informatizados exige das empresas de desenvolvimento, um produto que tenha ao mesmo

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Scrum How it works. Há quatro grupos com papéis bem definidos:

Scrum How it works. Há quatro grupos com papéis bem definidos: Scrum É um processo de desenvolvimento iterativo e incremental. É utilizado quando não se consegue predizer tudo o que irá ocorrer. Em geral, utiliza-se em projetos complexos, de difícil abordagem pela

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Gestão Ágil de Projetos e a certificação PMI-ACP

Gestão Ágil de Projetos e a certificação PMI-ACP Gestão Ágil de Projetos e a certificação PMI-ACP Apresentação Roberto Gil Espinha Mais de 15 anos de experiência em Projetos Bacharel em Administração de Empresas pela UNIVILLE Pós-Graduado em Gestão Empresarial

Leia mais

Scrum. Gestão ágil de projetos

Scrum. Gestão ágil de projetos Scrum Gestão ágil de projetos Apresentação feita por : Igor Macaúbas e Marcos Pereira Modificada por: Francisco Alecrim (22/01/2012) Metas para o o Metas para treinamento seminário Explicar o que é Scrum

Leia mais

Desenvolvimento ágil de software

Desenvolvimento ágil de software Desenvolvimento ágil de software Desenvolvimento ágil de software (do inglês Agile software development) ou Método ágil é um conjunto de metodologias de desenvolvimento de software. O desenvolvimento ágil,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Governança de TI: O que é COBIT?

Governança de TI: O que é COBIT? Governança de TI: O que é COBIT? Agenda Governança de TI Metodologia COBIT Relacionamento do COBIT com os modelos de melhores práticas Governança de TI em 2006 Estudo de Caso Referências Governança de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Metodologia SCRUM. Moyses Santana Jacob RM 63484. Stelvio Mazza RM 63117. Tiago Pereira RM 63115. Hugo Cisneiros RM 60900

Metodologia SCRUM. Moyses Santana Jacob RM 63484. Stelvio Mazza RM 63117. Tiago Pereira RM 63115. Hugo Cisneiros RM 60900 Metodologia SCRUM Hugo Cisneiros RM 60900 Moyses Santana Jacob RM 63484 Stelvio Mazza RM 63117 Tiago Pereira RM 63115 SCRUM? O que é isso? SCRUM é um modelo de desenvolvimento ágil de software que fornece

Leia mais

Monitoramento e Controle. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br

Monitoramento e Controle. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Monitoramento e Controle Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br O que é? O plano pode ser visto como lacunas (contendo tarefas), que estão previstas mas ainda não foram executadas É possível

Leia mais

ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software

ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software Uso de práticas ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software Artur Mello artur.mello@pitang.com Uma empresa C.E.S.A.R Fábrica de Software O termo software factory foi empregado pela primeira

Leia mais

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO RESUMO Eleandro Lopes de Lima 1 Nielsen Alves dos Santos 2 Rodrigo Vitorino Moravia 3 Maria Renata Furtado 4 Ao propor uma alternativa para o gerenciamento

Leia mais

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com.

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com. ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS (CASE STUDY: SCRUM AND PMBOK - STATES IN PROJECT MANAGEMENT) Aline Maria Sabião Brake 1, Fabrício Moreira 2, Marcelo Divaldo Brake 3, João

Leia mais