Análise da Viabilidade Económica das Aplicações SAM e SAPE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise da Viabilidade Económica das Aplicações SAM e SAPE"

Transcrição

1 Análise da Viabilidade Económica das Aplicações SAM e SAPE Equipa: Paulo Gomes Nuno Paiva Bernardo Simões Versão 1.0 de 11 de Fevereiro de 2009

2 Índice 1. INTRODUÇÃO SITUAÇÃO ACTUAL BREVE CARACTERIZAÇÃO DAS APLICAÇÕES SAM E SAPE Tecnologia Organização APLICAÇÕES DE MERCADO NECESSIDADES DE ACTUALIZAÇÃO ACTUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA ACTUALIZAÇÃO FUNCIONAL Benchmarking Requisitos de Utilizadores ANÁLISE DE PRIORIDADES DISCUSSÃO DE ALTERNATIVAS ANÁLISE DETALHADA DAS ALTERNATIVAS Alternativa 2 Outsourcing de Desenvolvimento e Manutenção Alternativa 3 Concessão / venda Alternativa 4 Descontinuar SAM/SAPE RESUMO DAS ALTERNATIVAS RECOMENDAÇÕES...41 ANEXO A CÁLCULO DO CUSTO DAS ALTERNATIVAS...43 INTRODUÇÃO...43 EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E FUNCIONAL SAM/SAPE...44 MANUTENÇÃO SAM/SAPE...45 CUSTO DO LICENCIAMENTO SAM/SAPE...45 CUSTO DAS APLICAÇÕES DE MERCADO...46 ANEXO B NECESSIDADES DE DESENVOLVIMENTO DO SAM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS...48 ANEXO C NECESSIDADES DE DESENVOLVIMENTO DO SAPE CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS...58

3 1. Introdução No quadro de implementação do Plano de Transformação dos Sistemas de Informação Integrados da Saúde torna-se necessário decidir sobre a evolução ou descontinuidade de duas aplicações provenientes do extinto Instituto de Gestão Informática da Saúde, o SAM (Sistema de Apoio ao Médico) e o SAPE (Sistema de Apoio à Prática de Enfermagem). Apesar do uso generalizado destas aplicações ao nível dos Cuidados de Saúde Primários (CSP), as aplicações SAM e SAPE estão desactualizadas do ponto de vista tecnológico e funcional. A eventual continuidade destas aplicações exige ainda a sua conversão numa aplicação unificada de registo clínico. Pretende-se através deste estudo efectuar uma análise da viabilidade económico-financeira das aplicações SAM e SAPE em conformidade com o despacho do Secretário de Estado da Saúde com o nº 34/2008. A análise que apresentamos neste documento contempla o levantamento das necessidades de actualização das aplicações, a quantificação do investimento necessário para actualização e manutenção, e uma avaliação comparativa de alternativas, designadamente a opção por soluções disponíveis no mercado de aplicações informáticas para os CSP. 2. Situação actual A evolução das aplicações de apoio à actividade clínica tem sido desenvolvida com recurso à experiência de médicos, enfermeiros e profissionais da saúde para, assim, adaptar melhor as aplicações às necessidades do mercado. O facto de existirem particularidades a ter em conta em ambiente hospitalar e outras nos cuidados de saúde primários, levou a que surgissem duas versões das aplicações SAM e SAPE. Assim, existe uma versão do pacote SAM/SAPE para a prática de CSP e outra versão para Cuidados de Saúde Diferenciados (CSD). Apesar de Página 1 de 66

4 semelhantes ao nível das funcionalidades nucleares as versões incluem características específicas que as adaptam a cada um dos meios. Para aproveitar sinergias de desenvolvimento e manutenção das aplicações, deve ser analisada em detalhe a hipótese de existir apenas uma versão para ambos os ambientes, sendo as funcionalidades específicas geridas através da existência de diferentes perfis. A corrente análise incide na versão para CSP onde estão hoje a ocorrer mudanças organizacionais que mais directamente afectam o panorama de utilização de aplicações de gestão clínica. Macro-Funcionalidades Os sucessivos desenvolvimentos efectuados nas diversas aplicações de gestão clínica disponíveis conduziram a uma situação onde é expectável que um sistema de apoio à actividade clínica apresente as seguintes macrofuncionalidades: Gestão de Utentes permite o registo e pesquisa do utente e da sua visita; Gestão de Agendas e Marcações permite registar e anular marcações de actos clínicos, associando um utente ao acto agendado; Processo Clínico Electrónico permite o registo, consulta e pesquisa do conjunto de informação clínica (médica ou de enfermagem) resultante da prestação de cuidados de saúde a um determinado utente; Prescrição Electrónica permite a prescrição de medicamentos e de meios complementares de diagnóstico e terapêutica; Estatísticas permite analisar indicadores sobre a actividade clínica desenvolvida. Página 2 de 66

5 Quotas de Mercado Actuais Actualmente, existem quatro aplicações de gestão clínica instaladas em centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde (SNS): o pacote SAM/SAPE e os produtos de três fornecedores de software de saúde (ver ponto 2.2). O mercado total é constituído por um universo de 345 instalações em Centros de Saúde (CS) 1, que servem aproximadamente Extensões de Saúde, e 160 instalações em Unidades de Saúde Familiar (USF) 2. Nas tabelas seguintes indica-se o panorama nacional em termos de instalações de software de gestão clínica. Tabela 1 - Instalações nos Centros de Saúde 3 ARS Centros de Saúde Com SAM Sem SAM ARS Norte ARS Centro 82 3 ARS LisboaVT 80 8 ARS Alentejo 45 3 ARS Algarve 4 12 Totais Instalações em CS corresponde ao número de servidores informáticos instalados, que não tem uma correspondência unívoca com o número de CS. 2 Os dados fornecidos pela ACSS indicam um total de 161 USF apesar de a Missão para os Cuidados de Saúde Primários ter publicado a 9 de Fevereiro do corrente ano um ponto de situação das candidaturas a USF onde refere apenas 160 em actividade. 3 Dados fornecidos pela ACSS. Página 3 de 66

6 Segundo informação apurada junto da ACSS, o número de centros de saúde sem qualquer aplicação instalada é inexpressivo face ao número total de centros de saúde. Deste modo, é expectável que a quase totalidade das 26 instalações sem SAM/SAPE tenham instalada uma aplicação concorrente. No entanto, não foi possível obter informação consistente que permitisse ilustrar a distribuição das quotas nessa parcela do mercado. Tabela 2 - Instalações nas Unidades de Saúde Familiar 4 ARS Unidades de Saúde Familiar SAM MedicineOne VitaCare Alert ARS Norte ARS Centro ARS LisboaVT ARS Alentejo ARS Algarve Totais Estas duas tabelas não são complementares para o apuramento da dimensão total do mercado e das respectivas quotas uma vez que as USF são unidades funcionais dos centros de saúde. Por exemplo, o CS de Faro para além das suas sete extensões de saúde inclui, também, duas USF. Para se conseguir a complementaridade e assim chegar a uma aproximação das quotas de mercado actuais, tomou-se em consideração que as equipas dos dois modelos (USF e CS) constituídas por médicos, enfermeiros e administrativos são à partida disjuntas. Ou seja, os profissionais integram, exclusivamente, um centro de saúde (85% dos 4 Dados fornecidos pela ACSS. 5 Dados obtidos do relatório de estatística publicado pela Direcção-Geral de Saúde, intitulado Centros de Saúde e Hospitais, recursos e produção do SNS 2006 Página 4 de 66

7 profissionais) ou uma USF (os restantes 15%) 6. Por outro lado, uma vez que o modelo de negócio neste mercado contempla receitas provenientes da venda ou aluguer de licenças de utilização, que são proporcionais ao número de profissionais existentes nas unidades de saúde, esta análise revela-se mais adequada do que a simples quantificação de unidades de saúde. Assim, as quotas de mercado actuais, calculadas com base na informação disponível e nas razões de proporcionalidade retiradas das tabelas anteriores, podem ser representadas pelo seguinte gráfico: CS Outros 6,4% USF MedicineOne 2,0% CS SAM 78,6% USFs 15,0% USF SAM 11,6% USF VitaCare 1,3% USF Alert 0,1% Figura 1 - Quotas de mercado com base no número de utilizadores Evolução das Quotas Tem-se observado uma diminuição da quota de mercado do pacote SAM/SAPE em resultado da situação vivida hoje em dia nos sistemas de gestão de informação dos CSP. A desactualização tecnológica impede a evolução das aplicações e pode mesmo colocar em causa a prestação de 6 Dados calculados com base na informação publicada pela Missão de Cuidados de Saúde Primários. Página 5 de 66

8 suporte pelos produtores do software de base 7, o que representa um risco operacional significativo para as unidades de saúde que as utilizam. A desactualização funcional permitiu que produtos concorrentes capturassem cerca de 10% do mercado 8, apesar do pacote SAM/SAPE ser disponibilizado às unidades de saúde a custo zero 9. Mesmo com custos de mudança relativamente elevados (instalação, formação, interrupção do serviço, custos de licenciamento inicial, etc.), a tendência parece ser a de perda de quota de mercado por parte do pacote SAM/SAPE na situação actual, sendo que apenas a decisão política de algumas Administrações Regionais de Saúde (ARS) parece impedir uma aceleração dessa tendência. Existem, à data deste estudo, 161 USF em actividade cuja distribuição pelas aplicações no mercado é a que se indica na Tabela 2. De salientar que o pacote SAM/SAPE existe em 125 (77,6%) das USF, uma quota de mercado significativamente inferior à que obtém com 319 Centros de Saúde (92,4% do total de 345 instalações), como apresentado na Tabela 1. Assim, espera-se que a dinâmica de abertura de novas USF conduza à redução da quota de mercado global do SAM/SAPE. As funções da ACSS Em linha com as directivas do modelo de governação e gestão dos Sistemas de Informação Integrados da Saúde (SIIS) referido no Plano de Transformação, devem ser separadas as funções de autoridade das de 7 As aplicações estão construídas sobre versões de software que o fabricante descontinuou dos seus serviços de suporte ou que descontinuará a breve trecho. 8 A soma das parcelas CS Outros, USF MedicineOne, USF VitaCare e USF AlertCare perfaz 9,8%. 9 Existe, na realidade, um custo de licenciamento que foi definido há bastantes anos, mas cujo valor não apresenta um racional que o correlacione com os custos associados à manutenção e evolução das aplicações e que na prática a sua exigibilidade nunca foi operacionalizada. Página 6 de 66

9 prestador de serviços de sistemas de informação 10. Ainda no mesmo documento, refere-se que a ACSS deve actuar essencialmente como a autoridade, incluindo-se nas suas actividades a certificação de soluções e serviços, afastando-se da responsabilidade de desenvolvimento dessas mesmas soluções. A componente operacional ficará a cargo da futura E.P.E. e de prestadores privados de serviços de sistemas de informação Breve Caracterização das Aplicações SAM e SAPE O ponto anterior elencou as macro-funcionalidades que são exigíveis/expectáveis de uma aplicação de gestão clínica para os CSP. Pretende-se agora focar as que efectivamente são disponibilizadas pelas actuais versões de SAM e SAPE. Assim, neste ponto faz-se uma breve descrição das características específicas destas duas aplicações. SAM Sistema de Apoio ao Médico A aplicação SAM tem por objectivo informatizar o registo e consulta das actividades diárias das equipas de médicos. Através do SAM a equipa médica pode, nomeadamente: efectuar prescrições de medicamentos; requisitar exames complementares de diagnóstico e terapêutica; prescrever baixas médicas; registar/consultar informação clínica recolhida nas consultas, quer seja de carácter geral ou especificamente de um dos programas de saúde definidos pela DGS; consultar o histórico clínico do utente, incluindo as prescrições, consultas e baixas que lhe estejam associadas. 10 Definição do Plano de Transformação dos Sistemas de Informação Integrados da Saúde Novembro Página 7 de 66

10 Para além da informação clínica, o sistema dispõe também de informação administrativa, nomeadamente no que respeita à gestão de consultas. As equipas médica e administrativa podem consultar e alterar as agendas e marcações de consulta, interagindo directamente com o sistema SINUS. SAPE Sistema de Apoio à Prática de Enfermagem De modo análogo para a equipa de enfermagem, o SAPE visa o tratamento e organização da informação processada nos actos de enfermagem. Nesta aplicação o profissional de enfermagem pode: consultar o plano de trabalho para a intervenção prevista num determinado contacto inclusa no programa das equipas de enfermagem; registar/consultar os sintomas apresentados pelo utente; registar/consultar as intervenções de enfermagem com base no diagnóstico efectuado; consultar/registar o plano de trabalho elaborado pelo sistema com base na informação clínica nele inserida; consultar as tabelas de parametrização e codificação da actividade de enfermagem. Como referido anteriormente, em ambos os casos SAM e SAPE as diferenças de funcionalidades entre as versões de cuidados diferenciados e de cuidados primários é mínima. Ao nível de arquitectura, a principal diferença entre as duas versões é a interacção com o sistema SONHO na versão hospitalar e com o sistema SINUS na versão para cuidados de saúde primários, como ilustra a figura: Página 8 de 66

11 Versões CSP SAM SAPE Versões CSD SAM SAPE SINUS SONHO Figura 2 Arquitecturas similares SAM/SAPE para versões CSP e CSD De facto, a actualização SAM e SAPE está enquadrada com as linhas orientadoras do Plano de Transformação dos Sistemas de Informação Integrados da Saúde (PTSIIS) e, deste modo, com outros desenvolvimentos resultantes, directa ou indirectamente, desse plano. Entre esses desenvolvimentos destaca-se, a título de exemplo: RNU está a ser preparado o lançamento do Registo Nacional de Utentes (RNU) que irá disponibilizar a nível nacional a informação administrativa dos utentes evitando a duplicação de utentes que, por vezes, hoje acontece. O pacote SAM/SAPE irá interagir com este novo sistema no âmbito da identificação do utente; Portal Electrónico está a ser desenvolvido um novo canal de interacção entre o utente e o sistema de saúde que permitirá ao utente a consulta ou alteração dos seus dados através de uma ligação à Internet (e.g. marcação de consultas, consulta da agenda do médico de família); Módulo de Estatística está a ser desenvolvido um módulo externo ao pacote SAM/SAPE mas que recorrerá à informação gerada no seio dessas aplicações para a geração de dados estatísticos sobre o serviço prestado por cada centro de saúde, permitindo avaliar os níveis de qualidade; Migração para arquitectura orientada a serviços (SOA) está prevista a evolução dos SIIS para uma arquitectura que permita de forma homogénea a troca de informações entre os diferentes Página 9 de 66

12 serviços unificando o modo como a informação é passada entre as diferentes componentes dos SIIS. Para que a actualização do SAM/SAPE se integre com os desenvolvimentos aqui descritos devem ser tidas em consideração questões de interoperabilidade, garantindo que a nova solução SAM/SAPE tira o máximo partido dos progressos preconizados no Plano de Transformação Tecnologia Importa também fazer uma breve descrição dos aspectos tecnológicos que caracterizam as aplicações SAM/SAPE. Para o efeito, recolhemos informação junto das equipas dos centros de saúde e de um relatório de 2008 realizado para identificação de melhorias para as aplicações SAM/SAPE 11. Sistemas Operativos O sistema operativo (SO) em que assentam as aplicações SAM/SAPE é o Microsoft Windows Server até à versão Por outro lado, as aplicações interagem frequentemente com o sistema SINUS que assenta no sistema operativo Unix. Base de Dados As aplicações SAM/SAPE assentam em dados provenientes de diferentes bases de dados. O processo clínico mantido pela aplicação SAM assenta numa base de dados local Oracle, na versão 9. Para aceder a outros dados (e.g., agendamento ou vacinação) acede ao sistema SINUS, que assenta numa base de dados também Oracle, ainda na versão Já o 11 Relatório de identificação de melhorias para os sistemas SAM e SAPE Cuidados Primários, versão , 2008 Fujitsu; Relatório de identificação de melhorias para os sistemas SAM e SAPE Cuidados Diferenciados, versão , 2008 Fujitsu; Página 10 de 66

13 sistema SAPE não apresenta base de dados própria ligando-se remotamente à base de dados SINUS. Arquitectura Ambas as aplicações assentam em Oracle Forms 6, com recurso à linguagem PL/SQL. De referir que, apesar do lançamento do SAM ter ocorrido em 2001 e o do SAPE ter acontecido entre 2002 e 2003, a versão 6 da tecnologia Oracle Forms foi lançada em Outra tecnologia relevante da arquitectura SAM/SAPE são os Oracle Reports também na sua versão 6, também ilustrada na cronológica em baixo: Lançamento SAM Lançamento SAPE Oracle 7 Oracle 8i Oracle 9i* Reports 6i Oracle 10g* Oracle 11g* Forms 6i * - A partir de Oracle 9i as releases incluem as componentes Forms e Reports Figura 3 Cronologia relevante relativa ao pacote SAM/SAPE Como referido atrás, os sistemas SAM/SAPE têm a sua base de dados própria, local, onde é guardada grande parte da informação clínica sendo os restantes módulos recolhidos através de interfaces com o sistema SINUS. Desta arquitectura resultou a dispersão da informação clínica entre os dois sistemas, misturando-se, por vezes, com informação de produção utilizada para facturação dos serviços de saúde Organização As aplicações SAM/SAPE são desenvolvidas e mantidas centralmente pela ACSS, sendo que os ambientes run-time estão fisicamente colocados nas unidades de saúde servidas pela aplicação. No entanto, tradicionalmente Página 11 de 66

14 não existem nas unidades competências que lhes permitam ser autosuficientes em termos de suporte às aplicações locais. Assim, normalmente é também a ACSS que tem a responsabilidade pela assistência de primeira linha, se bem que muitas vezes o faça remotamente. As equipas de suporte actuais estão verticalizadas e especializadas numa única aplicação. Assim, o SAPE conta com uma equipa média de 1,5 FTE full-time equivalent ao passo que o SAM conta com 1,5 FTE para cada uma das suas versões (CSP ou Cuidados Diferenciados). Está a ser posta em prática desde o segundo trimestre de 2008 uma metodologia de gestão de projectos e de portfólio de projectos (PRINCE2) que permitirá à ACSS começar a obter métricas associadas ao esforço empregue pelos seus recursos em cada projecto. No entanto, no passado, não existia uma metodologia de gestão de projectos (como PRINCE2 ou PMI), nem um sistema de contabilidade analítica que permitisse alocar a cada projecto / sistema os devidos custos (e.g. saber qual o custo em licenças de software de base que está alocado às aplicações SAM/SAPE). Será importante rever esta situação para se conhecerem os reais custos das aplicações geridas pela ACSS, para que os correctos custos de desenvolvimento e manutenção sejam imputados às unidades de saúde. Também se torna difícil avaliar objectivamente a adequação e qualidade da resposta dada pelas equipas de suporte SAM/SAPE, uma vez que não estava implementada uma metodologia de gestão de infra-estrutura tecnológica (como ITIL ou MOF). Da breve análise processual e organizacional efectuada destacamos os seguintes pontos dada a sua importância para o serviço prestado pela ACSS aos seus clientes 12 : os processos Service Desk, Incident Management e Problem Management são implementados de uma forma não estruturada e 12 A organização e terminologia utilizadas são baseadas em ITIL v2 para estabelecimento de uma linguagem comum e os processos focalizados são os mais basilares, em cima dos quais se constrói toda a fundação de processos desta framework. Página 12 de 66

15 segregada; as ferramentas informáticas de suporte a estes processos limitam-se ao registo de incidentes; a mesma equipa que suporta uma aplicação acaba por assumir todos os papéis associados a estes processos; os processos Change Management, Release Management e Configuration Management não são formalmente implementados, o que tem impacto na capacidade e qualidade de resposta da ACSS perante os seus milhares de utilizadores em centenas de instalações diferentes; a disciplina de Service Delivery também não tem nenhum dos seus processos formalmente implementados, pelo que não está atribuída a responsabilidade de gestão pró-activa das aplicações em produção, que seria o garante da existência de capacidade, disponibilidade e cumprimento de níveis de serviço; A inexistência de um sistema de custeio adequado e a prestação do serviço a um nível inferior ao que seria desejado resulta numa subestimação dos custos de gestão interna das aplicações, o que cria limitações à análise económica que a seguir apresentamos, designadamente à análise comparativa das soluções de gestão interna com soluções de mercado Aplicações de mercado As aplicações concorrentes ao pacote SAM/SAPE com implementações nos CSP do SNS de aplicações de gestão clínica são: MedicineOne, VitaCare e AlertCare. Para além destes, a Glintt HS tem também uma aplicação com funcionalidades similares, apesar de não estar implementada em nenhuma unidade de saúde da área de CSP. Outros dois pontos que distinguem os players no mercado são as suas parcerias e a experiência relevante no mercado. A HISNetVita existe há 8 anos e conta com a parceria da PT Comunicações, tanto a nível financeiro, Página 13 de 66

16 como de verticalização da oferta VitaCare; a Glintt-HS engloba a antiga CPC- HS, no mercado há 8 anos, a Pararede e a Consiste; a Ideias sem fim, proprietária do MedicineOne, tem uma aplicação no mercado há 19 anos. Em termos funcionais, todas as aplicações no mercado respondem às macro-funcionalidades descritas no ponto 2, apresentando alguns elementos diferenciadores ao nível de serviços (e.g. suporte aplicacional), atributos (e.g. ergonomia da aplicação) ou módulos-satélite da aplicação central (e.g. gestão administrativa de utentes). Para o âmbito deste estudo são relevantes os elementos diferenciadores face ao pacote SAM/SAPE, ao nível da aplicação central. Dado que a maioria da quota de mercado não coberta pelo SAM/SAPE corresponde a instalações de MedicineOne e Vitacare, estas foram as aplicações-referência para um levantamento dos principais elementos diferenciadores face à aplicação da ACSS, brevemente descritos no ponto O esquema de licenciamento de ambos os concorrentes é brevemente analisado no Anexo A e serve de base à comparação económica entre alternativas de evolução do pacote SAM/SAPE. 3. Necessidades de Actualização Da apreciação da situação actual abordada no ponto anterior e para que as aplicações SAM e SAPE não se tornem obsoletas face às outras soluções no mercado, importa identificar e quantificar o esforço associado às principais necessidades de evolução. Uma nota adicional sobre o âmbito temporal da análise: este estudo debruça-se sobre uma aplicação de sistemas de informação, universo caracterizado por uma incerteza elevada a respeito dos rumos e inflexões que o mercado global poderá tomar. Por outro lado, a própria situação actual no seio da ACSS ao nível das suas aplicações, processos e estrutura apresenta-se como uma forte condicionante a análises de prazo mais alargado. Assim, entende-se que 3 anos é uma janela de análise que garante Página 14 de 66

17 níveis de certeza aceitáveis e, ao mesmo tempo, é um tempo de amortização razoável para investimentos em sistemas de informação. A informação aqui organizada foi recolhida por intermédio de reuniões com elementos da ACSS, fornecedores de software de gestão clínica para CSP, empresas com apetência para entrada nesse mercado e utilizadores com conhecimentos profundos das aplicações da ACSS e do mercado. Ao longo deste ponto irão ser apresentadas as necessidades de evolução mais prementes, detectadas tanto a nível tecnológico como a nível funcional, para que se possam identificar os custos de actualização e posterior manutenção da aplicação SAM/SAPE. Em traços gerais, constatouse que existe uma significativa desactualização tecnológica e que, apesar de existirem importantes lacunas funcionais, ainda subsiste um razoável nível de adequação às necessidades dos utilizadores finais Actualização Tecnológica Em termos de necessidades de evolução tecnológica, este estudo partiu do levantamento das oportunidades de melhoria nos sistemas de informação de suporte às aplicações SAM e SAPE realizado em Agosto de Este levantamento apresenta um leque de recomendações para actualizações tecnológicas. De seguida, e numa perspectiva de médio prazo (3 anos), foram identificadas quais as melhorias críticas para manter as aplicações a par das aplicações concorrentes, em termos funcionais. Nessa análise destacam-se: 13 Relatório de identificação de melhorias para os sistemas SAM e SAPE Cuidados Primários, 2008; Relatório de identificação de melhorias para os sistemas SAM e SAPE Cuidados Diferenciados, 2008; Página 15 de 66

18 Actualização/Migração das Bases de Dados Oracle: - Actualmente as aplicações usam bases de dados Oracle 9, uma versão de Este nível de desactualização é relevante ao nível da interligação com outros sistemas mais recentes que comuniquem com as aplicações. Para além deste ponto, existe também um aumento dos custos de suporte à medida que as tecnologias vão ficando desactualizadas e perdem os serviços de suporte garantidos pela própria Oracle. Migração das aplicações de Oracle Forms 6.0 para Java: - A implementação de aplicações em Java (face a Oracle Forms) permite menores tempos e custos de desenvolvimento. Este é um dos standards actuais para o desenvolvimento de aplicações Web. Também a este nível o suporte garantido é algo a ter em consideração dados os elevados custos de manutenção de uma tecnologia actualmente pouco utilizada (Oracle Forms). Estas duas actualizações tecnológicas são estruturais às aplicações e por isso a sua implementação não deve ser vista de forma independente da actualização funcional, uma vez que as sinergias potenciais são consideráveis Actualização Funcional Como referido anteriormente, o presente estudo contempla a necessidade de unificar as aplicações SAM e SAPE numa única solução de registo clínico para os CSP. O desenvolvimento de uma aplicação unificada SAM/SAPE passa pela remodelação do modelo de dados e da aplicaçãocliente em si mesmo, conduzindo a um envolvimento profundo, dispendioso e com impactos significativos em outros sistemas de informação actualmente geridos pela ACSS (e.g., SINUS/SONHO). Assim, e em grande parte devido à alteração profunda do modelo de dados a que obriga, o projecto de unificação das aplicações SAM e SAPE apresenta-se como a oportunidade de identificar o conjunto de desenvolvimentos que visam colmatar outras necessidades já detectadas (para além da unificação das aplicações) e que podem beneficiar de sinergias por serem englobados num grupo maior de desenvolvimentos. Página 16 de 66

19 Para este levantamento das principais necessidades de evolução funcional das aplicações, a metodologia consistiu em duas abordagens benchmarking com outras soluções no mercado e identificação dos principais requisitos dos utilizadores para avaliar, respectivamente, os desenvolvimentos necessários para tornar a aplicação SAM/SAPE actualizada face às soluções no mercado e as evoluções funcionais mais valorizadas pela comunidade de utilizadores Benchmarking Para entendermos o nível de desactualização do SAM/SAPE face à concorrência e assim avaliar o investimento necessário para tornar a aplicação competitiva no mercado, foram identificadas as principais vantagens das aplicações no mercado face à aplicação SAM/SAPE. De seguida, tendo por base duas das principais aplicações concorrentes no mercado (MedicineOne e VitaCare), elencam-se as principais vantagens destas face ao pacote SAM/SAPE, apontadas por utilizadores e pelas as próprias empresas que produzem, promovem e distribuem as referidas aplicações. A opção por estas duas aplicações prende-se apenas com a análise de quotas de mercado já apresentada neste estudo (ver ponto 2). Aplicação única de apoio ao Médico e Enfermeiro. Uma das principais vantagens apontadas pelos utilizadores de ambas as aplicações concorrentes foi a partilha de informação entre a equipa de enfermagem e a equipa médica. Esta partilha consegue-se através da existência de uma mesma aplicação informática para os diferentes perfis existentes num centro de saúde, mudando apenas as permissões de escrita e leitura de cada um desses perfis sobre os dados do utente. Este atributo oferece vantagens para o centro de saúde, nomeadamente em termos de produtividade das equipas, eliminando redundância nos Página 17 de 66

20 processos clínicos (e.g. leituras de tensão arterial) e reduzindo as necessidades de transferência de informação por contacto directo entre as equipas. A aplicação única oferece também vantagens para o utente, melhorando a qualidade do serviço que lhe é prestado, uma vez que promove uma visão integrada do trajecto do utente na unidade do centro de saúde. Aplicação centrada no utente. Uma característica importante e também detectada em ambas as aplicações no mercado é a filosofia centrada no utente que contrasta com a da aplicação SAM/SAPE que está centrada nos processos administrativos existentes nas unidades de saúde. Esta diferença tem fundamentos históricos uma vez que o SAM/SAPE é a mais antiga das três aplicações em análise e a sua construção baseou-se na migração do processo clínico de papel para software. Querendo permanecer fiel às actividades do dia-a-dia (suportadas em papel) perderamse algumas das vantagens que os sistemas de informação promovem. As aplicações concorrentes surgem mais tarde e usufruem naturalmente do conhecimento depositado no SAM/SAPE e dos comentários que puderam recolher dos utilizadores dessa primeira aplicação, o que lhes permitiu criar uma solução de acordo com uma nova realidade tecnológica e com uma nova abertura da comunidade de médicos e enfermeiros. A comunidade clínica beneficia deste atributo por via da flexibilização do acto médico e da reorganização da informação que a mudança de perspectiva irá promover (e.g. permite registos de contactos com utentes sem necessidade de uma ocorrência ou episódio). Ergonomia. Outra forte vantagem apontada pelos utilizadores das aplicações concorrentes foi a organização visual da informação e o processamento que é dado à informação antes de a apresentar para que se torne de fácil interacção. Estes aspectos ergonómicos incluem também uma Página 18 de 66

Análise da Viabilidade Económica das Aplicações SAM e SAPE

Análise da Viabilidade Económica das Aplicações SAM e SAPE Análise da Viabilidade Económica das Aplicações SAM e SAPE Equipa: Paulo Gomes Nuno Paiva Bernardo Simões 12 de Fevereiro de 2009 GANEC Gabinete de Análise Económica Índice 1. INTRODUÇÃO...1 2. SITUAÇÃO

Leia mais

Jornadas Saúde. Contributo das TIC. mais Racional e Adequada

Jornadas Saúde. Contributo das TIC. mais Racional e Adequada Unidades de Saúde : Processos de Integração e Partilha de Informação Contributo das TIC para uma Prestação de Cuidados de Saúde mais Racional e Adequada Espinho, 26 de Outubro de 2005 José Castanheira,

Leia mais

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias ICare-EHR (ASP) ou Application Service Provider, é uma subscrição de Serviço online não necess ICare-EHR (Clássico)

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

Processo Clínico. O próximo passo

Processo Clínico. O próximo passo Processo Clínico Electrónico: O próximo passo Sumário 1. Saúde: Uma Realidade Complexa 2. Implementação de SI na Saúde 2.1. Uma estratégia conjunta 2.2. Benefícios, constrangimentos e, desafios 3. Processo

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

Caderno de Introdução Bases Dados

Caderno de Introdução Bases Dados José Adriano Adriano@ipb.pt Página 1 Sumário 1. Introdução ao Ambiente de Base de Dados 1.1 Contextualização das Base de Dados 1.2 Noção de Base de Dados 1.3 Características das Bases de Dados 1.4 Objectivos

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente

Prontuário Eletrônico do Paciente Prontuário Eletrônico do Paciente a experiência portuguesa Paulino Sousa Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Sistemas de Informação em Enfermagem (USINE) Porto - Portugal CBIS 2006 porque a é

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

Centro de Saúde da Figueira da Foz

Centro de Saúde da Figueira da Foz Centro de Saúde da Figueira da Foz PT Prime e HIS implementam Solução integrada de Processo Clínico Electrónico, Gestão de Atendimento, Portal e Mobilidade. a experiência da utilização do sistema VITA

Leia mais

Hospital de Faro E.P.E optimiza recursos humanos e financeiros com solução Microsoft BI

Hospital de Faro E.P.E optimiza recursos humanos e financeiros com solução Microsoft BI Caso de sucesso Microsoft Hospital de Faro E.P.E optimiza recursos humanos e financeiros com solução Microsoft BI Sumário País: Portugal Sector: Saúde Perfil do Cliente Hospital de Faro EPE é o hospital

Leia mais

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projectos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento Introdução A saúde materna e infantil em Portugal tem vindo a registar melhorias significativas nos últimos anos, verificando-se expressiva diminuição das taxas de mortalidade perinatal e infantil por

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Carta de Segurança da Informação

Carta de Segurança da Informação Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA QUAL FOR A SUA NATUREZA. Todo e qualquer produto

Leia mais

PRODUTOS INOVADORES CINCO PASSOS PARA ATINGIR O SUCESSO

PRODUTOS INOVADORES CINCO PASSOS PARA ATINGIR O SUCESSO PRODUTOS INOVADORES CINCO PASSOS PARA ATINGIR O SUCESSO CINCO PASSOS PARA ATINGIR O SUCESSO Os produtos são componentes diferenciadores nos serviços financeiros. E sempre o foram. Mas no ambiente competitivo,

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural Os Sistemas de Informação Regionais das na vertente Infraestrutural 1, 2 1 Instituto Politécnico de Tomar Tomar, Portugal 2 Centre of Human Language Tecnnology and Bioinformatics Universidade da Beira

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença. Porquê NEXT Vision Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.... Poder de adaptação Porque cabe a si decidir como pretende

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Auditoria Tribunal de Contas

Auditoria Tribunal de Contas Auditoria Tribunal de Contas Situação económico Financeira do SNS 2006 www.acss.min-saude.pt Lisboa, 26 de Novembro de 2007 Auditoria Tribunal de contas nota prévia O Relatório do Tribunal de Contas (RTC)

Leia mais

Instrumento da Sociedade de Informação

Instrumento da Sociedade de Informação Apresentação Pública Estudo Factura Electrónica 8 de Outubro de 2008 Fundação Calouste Gulbenkian Instrumento da Sociedade de Informação João Catarino Tavares Patrocinadores Principais Patrocinadores Globais

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Direção de Sistemas de Informação 30 de Janeiro, 2013 Contexto da Segurança na EDP 2 O contexto da Segurança na EDP

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Projecto: Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde

Projecto: Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde Projecto: Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde Memorando de análise e diagnóstico da situação actual resumida

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda?

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda? O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde Pedir Receitas A de pela Internet, no âmbito do Programa Simplex, surge no seguimento do

Leia mais

Briefing EDP UNIVERSITY CHALLENGE 2013

Briefing EDP UNIVERSITY CHALLENGE 2013 Briefing EDP UNIVERSITY CHALLENGE 2013 1 1 Índice... 1 2 Introdução... 2 3 Contextualização... 3 3.1 Processos de liberalização energética noutros mercados... 3 3.2 Energia Elétrica... 4 3.3 Gás Natural...

Leia mais

CONVERSAS DE FIM DE TARDE

CONVERSAS DE FIM DE TARDE CONVERSAS DE FIM DE TARDE Rogério Correia A estrutura organizacional do Serviço Missão do SRS Promoção da Saúde Prestação de, Hospitalares e Continuados Prestação de actividades no âmbito da Saúde Pública

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012 1º Trimestre 2012 Indicadores de Gestão Interna 0 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012 Enquadramento No presente documento apresentam-se os Indicadores de Gestão Interna da SPMS, EPE, relativos ao primeiro

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Cuidados de Saúde Primários Portugal Coordenação Estratégica Sistema de Gestão de Utentes do Serviço Nacional de Saúde 1. Porquê um sistema de gestão de utentes do SNS? Documento de trabalho (Versão de

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE FIEAE - Fundo Imobiliário Especial de Apoio às Empresas ( FIEAE ) 4 de Junho de 2009 Capítulo I ÂMBITO Artigo 1º 1 - O presente regulamento define a tramitação dos procedimentos

Leia mais

Programas das cadeiras

Programas das cadeiras Programas das cadeiras Gestão de Unidades de Saúde Pretende-se que os participantes identifiquem os conceitos fundamentais de gestão e a sua aplicabilidade no contexto das unidades de saúde. Desenvolverse-á

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

A PHC atingiu recentemente os 400 clientes Licença Garantida. No mercado há pouco mais de um ano, a modalidade que permite os clientes PHC renovarem a licença do seu software por três anos já representa

Leia mais

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 2011/07/07 NOTA: No caso de imprimir este documento, o mesmo passa automaticamente a Cópia Não Controlada ; a sua utilização implica a confirmação prévia de que corresponde à

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

Relatório de Análise de Processos e Fluxos de Informação

Relatório de Análise de Processos e Fluxos de Informação Início do contrato: Maio 2004 Duração: Coordenador: Parceiros: 32 meses Hospital Infante D. Pedro Universidade de Aveiro (Responsável por este Documento) Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

MANUAL DA TRANSFERÊNCIA ELECTRÓNICA DE DADOS

MANUAL DA TRANSFERÊNCIA ELECTRÓNICA DE DADOS MANUAL DA TRANSFERÊNCIA ELECTRÓNICA DE DADOS O relacionamento com os prestadores convencionados tem vindo a sustentar-se na utilização de transferências electrónicas de dados (TED) que permitem alterar

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Desenvolver modelo físico actual Modelo físico actual Modelos a desenvolver tendo em conta a abordagem clássica Desenvolver modelo lógico actual Modelo

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA. Capítulo - 12. Organização para uma Logística Efectiva. Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho

GESTÃO LOGÍSTICA. Capítulo - 12. Organização para uma Logística Efectiva. Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 12 Organização para uma Logística Efectiva Objectivos do Capítulo Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho eficaz e eficiente da empresa Descrição de

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

QuartelOnline Rev. 1.1

QuartelOnline Rev. 1.1 www.decimal.pt/qo ÍNDICE Introdução... 3 Login Entrada na Aplicação... 4 Frontoffice - Acesso... 5 Backoffice - Detalhes... 5 Backoffice - Tabelas... 5 Tabela - Bombeiros... 5 Tabela Bombeiros (continuação)...

Leia mais

Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro

Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro Início do contrato: Maio 2004 Duração: Coordenador: Parceiros: 32 meses Hospital Infante D. Pedro Universidade de Aveiro Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro SUMÁRIO EXECUTIVO Relatório

Leia mais

CAPÍTULO 3 A ANATOMIA DA ECONOMIA DE MERCADO. Introdução

CAPÍTULO 3 A ANATOMIA DA ECONOMIA DE MERCADO. Introdução CAPÍTULO 3 A ANATOMIA DA ECONOMIA DE MERCADO Introdução Em aulas anteriores discutimos três conceitos fundamentais na Ciência Económica: escassez, escolha e custo de oportunidade. O fenómeno da escassez

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES. José M. Viegas (Março 2000)

A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES. José M. Viegas (Março 2000) A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES José M. Viegas (Março 2000) I - A NECESSIDADE DO RECURSO AOS MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES

Leia mais

PHC Clínica CS. A gestão operacional total da clínica ou consultório

PHC Clínica CS. A gestão operacional total da clínica ou consultório PHC Clínica CS A gestão operacional total da clínica ou consultório A informação confidencial sobre cada paciente, o seu historial e, se integrado com o módulo PHC Gestão CS, a gestão financeira e a facturação

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. de 26 de Junho de 2003

Jornal Oficial da União Europeia DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. de 26 de Junho de 2003 15.7.2003 L 176/37 DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Junho de 2003 que estabelece regras comuns para o mercado interno da electricidade e que revoga a Directiva 96/92/CE

Leia mais

Serviço Nacional de Saúde

Serviço Nacional de Saúde Informação de Custos dos Cuidados de Saúde Serviço Nacional de Saúde A Informação de custos dos Cuidados de Saúde é uma iniciativa do Ministério da Saúde, de abrangência nacional, enquadrada no Programa

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

Sem o recurso às tecnologias disponibilizadas pela Microsoft, a solução criada seria difícil de obter num tão curto espaço de tempo.

Sem o recurso às tecnologias disponibilizadas pela Microsoft, a solução criada seria difícil de obter num tão curto espaço de tempo. Caso de Sucesso Microsoft Finsolutia cria solução completa de suporte ao negócio com.net Framework 3.5 Sumário País: Portugal Indústria: Banking&Finance Perfil do Cliente A Finsolutia é uma joint venture

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 12/09/2005 1 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO PROCESSO

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO

ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO PARTILHAR PARTILHAR ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO A ORGANIZAÇÃO O sector da aviação civil, dada a sua natureza, está sujeito a regulamentação internacional, europeia e nacional, que regula e uniformiza

Leia mais

Serviços Partilhados em Saúde. Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita

Serviços Partilhados em Saúde. Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita Serviços Partilhados em Saúde Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita Lisboa, 22 de Maio de 2007 Unidades de Serviços Partilhados Processos A divisão dos processos entre actividades locais e actividades

Leia mais

Workshop. Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal. Inquérito Nacional 2011. Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011

Workshop. Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal. Inquérito Nacional 2011. Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011 Workshop Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal Inquérito Nacional 2011 Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011 Agenda Apresentação dos resultados do estudo de maturidade do ITSM & ITGovervance

Leia mais

Relatório de Análise de Requisitos

Relatório de Análise de Requisitos Relatório de Análise de Requisitos (15/03/02 Versão 1.0) Gestão de Beneficiários Eduardo Abreu ei98020@fe.up.pt Miguel David ei98019@fe.up.pt Nuno Ferreira ei98003@fe.up.pt Tiago Silva ei98015@fe.up.pt

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

1. Introdução. 2. O pedido

1. Introdução. 2. O pedido http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=227462 Deliberação de 11.1.2007 FUNDAMENTAÇÃO PARA O SENTIDO PROVÁVEL DE DECISÃO SOBRE A CRIAÇÃO DE CÓDIGOS ESPECÍFICOS NO PLANO NACIONAL DE NUMERAÇÃO PARA

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Tribunal de Contas. Mantido pelo acórdão nº 24/06, de 04/04/06, proferido no recurso nº 18/06. Acórdão nº 35 /06 7.Fev 1ªS/SS. Proc.

Tribunal de Contas. Mantido pelo acórdão nº 24/06, de 04/04/06, proferido no recurso nº 18/06. Acórdão nº 35 /06 7.Fev 1ªS/SS. Proc. Mantido pelo acórdão nº 24/06, de 04/04/06, proferido no recurso nº 18/06 Acórdão nº 35 /06 7.Fev 1ªS/SS Proc. nº 2 970/05 1. A Direcção-Geral de Informática e Apoio aos Serviços Tributários e Aduaneiros

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

2012 Plano Actividades

2012 Plano Actividades 2012 Plano Actividades Índice 1. Enquadramento... 2 2. Órgãos Sociais... 4 3. Organograma... 4 4. Recursos Existentes... 6 5. Objectivos Estratégicos, Operacionais e Actividades... 7 1 Plano de Actividades

Leia mais