Daniel Gustavo Mocelin

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Daniel Gustavo Mocelin"

Transcrição

1 TERCEIRIZAÇÃO E COMPLEXIFICAÇÃO DE UMA EMPRESA CONTRATADA NO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES Daniel Gustavo Mocelin Cientista Social, Mestre em sociologia, doutorando do Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Endereço residencial (postal): Rua Felipe Camarão, 180 Apto. 11 Bairro Rio Branco CEP Porto Alegre-RS-Brasil Telefone: / Endereço Institucional: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA IFCH UFRGS Av. Bento Gonçalves, Campus do Vale, IFCH, Prédio Sala 103, Bairro Agronomia CEP: Porto Alegre/ RS Telefone: (51)

2 2 Resumo: Após a reestruturação dos anos , a terceirização foi uma prática habitual das empresas. Abordando um caso do setor de telecomunicações, o estudo discute as mudanças de procedimento organizacional adotadas no setor, demonstrando como as transformações na configuração do setor contribuíram para transformar qualitativamente uma unidade que compõem a rede de empresas. Argumenta-se que os efeitos do fenômeno da terceirização transformam a empresa contratada, causando sua complexificação em termos de organização, serviços prestados e força de trabalho. O estudo de caso foi realizado numa empresa terceirizada em 2004, e assenta-se em estudos prévios realizados no setor de telecomunicações e em fontes secundárias, como relatórios anuais das empresas, estatísticas oficiais, periódicos e literatura especializados. Palavras-chave: Terceirização; Terceirização no setor de telecomunicações; complexificação organizacional; condições de emprego. Outsourcing and complexification of a contracted company in telecommunications sector Abstract: After the restructuring in the 1980s and 1990s, outsourcing became a usual practice between firms. Approaching a case of telecommunications sector, this research discusses organizational changes in the procedures used in the sector. We aim to demonstrate how the configuration contributed to promote qualitative changes in a unit of the companies network. One could argue that the consequences of outsourcing may lead to the complexification of the organization, services, and labor force of enterprises. The research was conduct in 2004 with a contracted company and it made use of previous studies in the telecommunication sector and secondary sources such as companies annual reports, official statistics, and specialized literature. Key-words: Outsourcing; Outsourcing in telecommunication sector; organizational complexification; job conditions.

3 3 Introdução O artigo analisa novas características dos processos de terceirização, observadas no setor das telecomunicações, na etapa mais recente. Toma por referência o estudo de uma empresa terceira em que ocorreu complexificação em termos de organização, serviços prestados e força de trabalho com repercussões positivas nas relações e nas condições de emprego. A empresa analisada participa da rede formada a partir de uma operadora de telefonia fixa, atuante no Rio Grande do Sul. Através da análise deste caso, pôde-se constatar que as empresas, enquanto agentes atuantes de mercado procuram ampliar suas competências, desenvolver e atingir maior especialização, melhorar procedimentos organizacionais, ampliar as condições de trabalho e melhorar a qualidade do emprego. Durante os anos 1990, a terceirização foi uma prática habitual nas empresas e que se tornou recorrente, no setor de telecomunicações. No Brasil, a terceirização se intensificou com a privatização do setor, em 1998, provocando severas implicações sobre as relações e as condições de emprego. As operadoras de telefonia fixa passaram a enxugar o quadro pessoal, demitindo muitos trabalhadores, principalmente aqueles das atividades menos nobres, como manutenção e instalação de redes e terminais telefônicos, mas também de atividades de operação, serviços de rede e centrais de atendimento. Grande parte das empresas terceiras foi formada após a reestruturação da Telebrás e ampliada depois da privatização. Naquele momento, muitas empresas empreiteiras se constituíram para prestar serviços às operadoras. No caso das atividades de manutenção e instalação de terminais e redes telefônicas, empreiteiras reuniam trabalhadores para execução de projetos, sendo contratadas pelas operadoras de telefonia fixa para realizar a expansão e manutenção da rede telefônica, absorvendo trabalhadores desligados das operadoras. Nas empreiteiras, muitos problemas em termos de qualidade do emprego foram observados, que incluíam informalidade, baixos salários, alta rotatividade, instabilidade e contratos temporários de emprego, especialmente no período anterior ou logo posterior à privatização, situação que foi analisada por pesquisadores interessados no tema e denunciada por sindicatos. A precarização do emprego ocorria em razão do tipo de relação estabelecido entre as operadoras e as empreiteiras, com base em contratos ocasionais, em geral vinculados a projetos de expansão da rede telefônica, mas que de certa forma eram recorrentes, devido às exigências contratuais colocadas às empresas privadas. Os projetos eram recorrentes, visto que as operadoras deveriam cumprir metas de universalização, o que estava definido nos contratos de concessão do serviço.

4 4 Contudo, esse cenário de mudanças no setor de telecomunicações também sofreu mudanças. Acontecimentos posteriores ao que ocorreu no início da adoção do procedimento de terceirização nas empresas de telecomunicações evidenciaram uma situação diferente quando se consolidou nova configuração do setor, segundo princípios de qualidade do serviço e competição de mercado, privilegiando a produtividade, a eficiência e a lucratividade. Com as exigências de qualidade do serviço, foi gerada forte pressão sobre as operadoras que precisaram ampliar as relações com as empreiteiras. Desde então, as empreiteiras transformaram-se, gradualmente, em empresas mais sólidas, duradouras e complexas, ou seja, empresas que vendem serviços para as operadoras permanentemente, ampliando responsabilidades e competência, bem como a qualidade do emprego. Adotando uma perspectiva sócio-histórica, a pesquisa analisou as mudanças de procedimento organizacional tanto na empresa terceira como na empresa contratante uma operadora de telefonia fixa, demonstrando como as transformações tecnológicas e políticas no âmbito do setor de telecomunicações e da operadora transformaram qualitativamente uma unidade empresarial que presta serviços a operadora. Essa observação empírica conduziu-nos a problematizar os estudos sobre terceirização, estabelecendo um debate com a literatura que analisa a terceirização de forma unilateral, como um fenômeno promotor apenas de precarização. As evidências encontradas sugerem repensar a perspectiva sobre esse procedimento organizacional, demonstrando que seus efeitos sobre atividades terceirizadas não são definitivos, mas que também transformam a empresa contratada, causando sua complexificação em termos de organização empresarial, serviços prestados e qualificação dos empregados. Destaca-se que esse processo pode ser restrito a determinados setores, em razão do grau de desenvolvimento dos seus ambientes empresariais e, neste sentido, os achados da pesquisa não tratam de por em xeque as teorias sobre a precariedade do trabalho terceirizado, mas em complementar as interpretações, com novas evidências empíricas. Complexificação foi entendido como um processo que representa uma melhora qualitativa na empresa contratada, em que ocorre gradativo avanço de competências. No caso do estudo, esse processo foi identificado por aspectos tais como transferência de trabalhadores no interior da rede de empresas (trabalhadores desligados da empresa-mãe e alojados em outra unidade da rede), crescimento do número de empregados na empresa terceira, formalização total dos vínculos trabalhistas, profissionalização do setor de recursos humanos, diversificação da divisão técnica do trabalho e segmentação do pessoal empregado na

5 5 empresa terceira, reconhecimento das empresas terceiras por parte dos sindicatos e ampliação das negociações com as entidades de representação. O estudo foi realizado durante dois anos em uma empresa terceira do setor de telecomunicações gaúcho, em que foram realizadas entrevistas com quatro diretores operacionais, dois diretores administrativos, dois gerentes de recursos humanos e vinte trabalhadores. Também foram aplicados questionários para sessenta empregados da empresa, analisados relatórios e realizadas observações no local de trabalho, com base em oito visitas. O estudo também se baseia em outras investigações no setor de telecomunicações e toma por base muitas evidências, especialmente oriundas de entrevistas na operadora de telefonia fixa e no sindicato de telecomunicações. A terceirização no contexto das transformações na organização do trabalho Na literatura sociológica, há consenso sobre o fato de que o padrão taylorista-fordista, rígido e verticalizado, tornou-se incapaz de atender as variações de diferentes mercados da sociedade global. Autores como Manuel Castells e David Harvey afirmaram que a produção tem se tornado cada vez mais fragmentada, diversificada, personalizada, exigindo flexibilidade organizacional. As mudanças nas formas como se organizam as empresas compõem um processo de ajuste característico da nova fase de desenvolvimento do capitalismo relacionado, por um lado, à globalização da economia, ampliando a concorrência entre os agentes do mercado, e, de outro lado, à reestruturação das empresas de diversos setores econômicos, convidadas a produzir mais, melhor e diversamente. As maiores mudanças ocorridas nas empresas aconteceram não no contexto de um novo e melhor modo de produção que surge, mas no contexto de uma crise de um modelo antigo. Dessa crise, surgem diversos sistemas organizacionais, onde alguns prosperam e outros fracassam, dependendo de sua adaptabilidade, dos contextos institucionais diferenciados e das estruturas competitivas. Não ocorre um desaparecimento total do antigo modelo, mas uma diversidade de possibilidades. Tratando destas diferentes possibilidades, a externalização de atividades foi uma alternativa adotada pelas empresas com a finalidade de sanar a crise da produção em massa. Essa alternativa possibilitou uma nova configuração organizacional, a empresa em rede. Segundo Castells (2000), a empresa em rede, forma predominante de organização do Leste asiático, prosperou em vários contextos, enquanto a grande empresa, com várias unidades organizadas hierarquicamente em torno de linhas verticais de comando, tornou-se

6 6 mal-adaptada à economia informacional. A novidade não estaria na externalização de atividades, mas no seu alargamento, tendo em vista manter atividades de gestão, geralmente comerciais, externalizando as demais atividades, passando-as para outras empresas. Essa forma de organização empresarial permitiria a terceirização e a subcontratação como modos de ter o trabalho executado externamente, favorecendo uma adaptação flexível às condições de mercado. Conforme Antunes (2000), houve necessidade emergente de mesclar, aos antigos processos produtivos, novas formas de produção, mais flexíveis, sustentadas na qualidade dos produtos e serviços, articuladas pela re-qualificação do pessoal, da flexibilização organizacional da empresas capaz de transformá-las em uma rede de relação e prestação de serviços. Dessa forma, as empresas ficaram em posição de adequar-se frente à nova realidade, para sobreviverem. Para Hendry (1997), as mudanças tecnológicas, principalmente as de tecnologia da informação, contribuíram para que as organizações verticalmente integradas se tornassem organizações em rede. Segundo Bernstorff e Cunha (1999), a recessão econômica do final da década de 1980, quando a ordem era cortar custos (importância no lucro gerado versus capital imobilizado), e a crescente competitividade internacional somaram os elementos determinantes para a terceirização surgir como forma de gestão, relacionando a estrutura organizacional com a ideologia política dos Estados Unidos e da Inglaterra, baseada no individualismo, na eficiência, no profissionalismo e na orientação ao mercado. Historicamente, a terceirização foi uma estratégia adotada inicialmente pela indústria bélica Norte Americana, durante a Segunda Guerra Mundial, com a finalidade de aumentar a capacidade de produção de armamentos. No Brasil, segundo Leiria e Saratt (1995) a empresa Riocell aderiu a esta alternativa por volta do início da década de No final desta mesma década, verificou-se a expansão da terceirização por muitas outras empresas brasileiras, em diversos setores. Para Giosa (1994 apud Bernstorff e Cunha, 1999), terceirização significa um procedimento de gestão pelo qual se repassam algumas atividades para terceiros, com os quais se estabelece uma relação de parceria, ficando a empresa central da rede concentrada apenas em tarefas essencialmente ligadas ao negócio em que atua. Para definir terceirização, partilha-se das construções de Brasil (1993), Leite (1994), Oliveira (1996), Queiroz (1998) e Ruduit (2001, 2002) que, isolando suas particularidades, entendem esta alternativa organizacional como sendo um processo pelo qual a empresaorigem (ou empresa-mãe) transfere parte de suas atividades referentes ao processo produtivo para outra empresa. A empresa contratada para executar as atividades externalizadas da

7 7 empresa-origem é a empresa-destino, ou empresa terceira. A empresa terceira opera ou no interior do espaço físico da empresa-origem ou opera em seu próprio espaço físico. Segundo Ruduit (2002) o conceito de terceirização é distinto do de subcontratação. A subcontratação refere-se ao recurso gerencial pelo qual uma empresa contrata outra empresa para executar atividades auxiliares à produção, como higiene, vigilância, zeladoria, transporte, saúde, alimentação; enquanto que terceirização diria respeito à contratação de empresas para a realização de tarefas relativas à atividade-meio da cadeia produtiva, interna ou externamente aos limites espaciais da empresa contratante. Segundo o autor, o essencial é que a empresa terceira tenha total independência administrativa da empresa-origem e que opere com seu próprio capital, visando flexibilizar tanto a produção como o trabalho. Assim, ao invés de uma única empresa realizar todas as atividades necessárias para garantir a produção, forma-se um arranjo de empresas. Dentre os diversos objetivos da terceirização de atividades-fim estariam a otimização dos custos de produção, reduzindo o quadro funcional da empresa-mãe e repassando este custo para a empresa terceira, além da suposta maximização da produtividade e do aumento da qualidade dos serviços e da produção. Neste sentido, muitos estudos apontaram que a terceirização provoca redução da qualidade do emprego nas atividades que são terceirizadas. E esta é a perspectiva analítica mais evidenciada, especialmente na sociologia. No Brasil, existem três perspectivas complementares que discutem a terceirização. Diz-se que são perspectivas complementares uma vez que as dimensões que definem as considerações teóricas geralmente referem-se a elementos tomados sob pontos de vista diferenciados. A perspectiva defendida por Queiroz (1992) adota uma postura otimista, enfatizando aspectos organizacionais. O argumento sustenta que a terceirização de atividades proporcionaria uma relação de crescimento significativo da produtividade com elevação da qualidade dos produtos e serviços oferecidos. Nesta perspectiva, as empresas terceiras são empresas mais especializadas que a empresa-mãe acerca das atividades para elas repassadas. Em decorrência de maior know how, as empresas terceiras também teriam elevação na qualidade do quadro pessoal, uma vez que são contratados apenas trabalhadores voltados à atividade executada pela empresa terceira, possibilitando otimização de recursos ou de treinamento, por exemplo. Nesta perspectiva, a inserção de pessoal mais qualificado na empresa terceira favoreceria, portanto, as próprias condições de emprego. Para outros autores, a perspectiva de maior qualificação do pessoal não é evidenciada no caso da terceirização, e o emprego nas empresas terceiras possui menor qualidade do que

8 8 nas empresas centrais, em que quanto mais longe do núcleo, haveria mais precarização. Compartilhada por Borges e Druck (1993), essa perspectiva adota uma postura pessimista em relação à terceirização, observando esse procedimento organizacional através de suas características negativas. A busca por uma diminuição dos custos de produção acarretaria em perdas para os trabalhadores, como a diminuição dos salários, o aumento da jornada de trabalho, a diminuição dos benefícios e das condições de trabalho. A terceira perspectiva adota uma postura dualista, distanciando-se do antagonismo das duas perspectivas anteriores e propõe, conforme Gitahy (1994), a possibilidade de serem observados diferentes modos de terceirização, adaptados cada um ao seu contexto, com história e estrutura particulares. Essa perspectiva discute a terceirização no centro do processo de flexibilização do trabalho, entendendo ser possível observar a coexistência de diversos tipos de terceirização. Esta é uma abordagem que propõem analisar a terceirização no ambiente empresarial em que ela ocorre, percebendo particularidades contextuais que possibilitam diferentes avaliações sobre as conseqüências da terceirização. Nesta perspectiva, torna-se possível localizar formas de terceirização com maior ou menor grau de virtude, em que diferentes sistemas estariam combinados com diferentes tipos de contrato, diferentes perfis sócio-demográficos do pessoal ocupado e diferentes condições de trabalho, dependendo do segmento, do período analisado, da complexidade da atividade terceirizada, ou do grau de desenvolvimento dos setores analisados. No caso do Brasil, alguns autores entendem que a introdução do procedimento de terceirização teria se chocado com a crise econômica do final dos anos oitenta, com a instabilidade econômica, e com a participação assimétrica na globalização de mercados. Desta forma, a formação de redes de empresas teria sido marcada especialmente pela redução dos custos do trabalho e em detrimento da qualidade dos serviços. Em 1998 ocorreu a privatização das telecomunicações no Brasil e houve o boom da terceirização, especialmente no caso das operadoras de telefonia fixa. Os primeiros estudos sobre a terceirização neste setor destacaram situações pouco virtuosas, geralmente evidenciando a precarização do trabalho. Porém, a terceirização já ocorria nestas empresas mesmo quando eram públicas, mas num caráter de atividades auxiliares, como a expansão local das redes telefônicas, portanto, em termos de subcontratação, considerando-se a conceituação anteriormente definida. Foi após a privatização que se formou o terreno propício para que a subcontratação se expressasse de fato como terceirização. As operadoras de telefonia fixa passaram a terceirizar cada vez mais suas atividades, chegando ao momento atual em que gerenciam e monitoram as

9 9 empresas que prestam serviços para elas. Em 2004, as atividades de instalação e manutenção de rede, operação virtual de rede, comercialização de serviços, atendimento ao cliente, causas trabalhistas, dentre outras, estão terceirizadas, em sua maior parte. A terceirização no novo cenário do setor de telecomunicações do Brasil A reestruturação e a privatização das telecomunicações no Brasil foram provocadas por mudanças técnicas e por medidas políticas, impulsionando a constituição de um novo cenário organizacional e de emprego bastante distinto do que vigorou até o final dos anos As mudanças técnicas referem-se ao desenvolvimento e introdução de novas tecnologias, que proporcionaram novos produtos e serviços. As medidas políticas, por sua vez, incluíram processos de desregulamentação, privatização e liberalização, que tiveram repercussão sobre a formação de um ambiente competitivo 1 de atuação para as empresas. Segundo Guimarães (2006), o sistema público de telecomunicações, existente no Brasil até então, teria dificuldades para realizar os investimentos necessários para suportar a velocidade e a natureza das mudanças exigidas para a atualização do setor aos padrões internacionais. No Brasil, até 1998, o setor de telecomunicações estava constituído por empresas estatais, organizadas em regime de monopólio, operando em âmbito estadual e produzindo quase que exclusivamente telefonia fixa, como serviços de utilidade pública. Com as mudanças na base tecnológica do setor e o fim do monopólio estatal 2, entraram no mercado possibilidades de novos serviços, abrindo a perspectiva para a exploração comercial, segundo a concorrência e o atendimento às novas demandas. 3 Desde então, o setor de telecomunicações constitui-se por empresas de capital privado, com cultura e filosofia orientadas para o mercado. Segundo Wohlers (1999, p. 71), a reestruturação das telecomunicações no Brasil distinguiu-se positivamente das demais experiências latinoamericanas, não apenas pela maior dimensão relativa do mercado e do porte do seu operador público (Telebrás), mas especialmente pelo caráter tardio das mudanças. 1 O ambiente competitivo foi reflexo da Lei Geral de Telecomunicações (Lei Nº 9.472/1997). Convém destacar que a competição foi virtuosa no caso da telefonia celular e entre esta e a telefonia fixa. 2 A quebra do monopólio iniciou-se nos Estados Unidos, em 1984, seguido pela Inglaterra e por muitos outros países, entre esses, na América Latina, por exemplo, Chile, Argentina e México. O Brasil foi dos últimos a reestruturar o setor de telecomunicações e o fez privatizando o Sistema Telebrás, em Sobre a reestruturação e a privatização das telecomunicações no Brasil ver Larangeira (1998, 2003, 2004), Walter (1998), Dores (1999), Wohlers (1999), Novaes (2000), Pires e Dores (2000), Ruduit (2001), Guimarães (2006), Mocelin (2007).

10 10 Após a privatização, o setor de telecomunicações brasileiro passou por um revolucionário processo de expansão. Em 1990, existiam 10 milhões de acessos telefônicos fixos, equivalentes a 7,1 acessos telefônicos para cada 100 habitantes. Em 2006, o número de acessos superou os 140 milhões, sendo 40 milhões de acessos fixos e 99 milhões de acessos móveis (Gráfico 1). Gráfico 1: Evolução do número de acessos instalados na telefonia fixa e na telefonia móvel celular Brasil, Milhões de acessos instalados Fixo Celular Fonte: Agência Brasileira de Telecomunicações, Anatel. O crescimento inicial do setor não foi resultado imediato da expansão dos segmentos emergentes, como a telefonia móvel celular, mas ocorreu, sobretudo, em razão da modernização dos segmentos tradicionais, especialmente a telefonia fixa, em que ocorreu a digitalização das plantas telefônicas. No período entre 1994 e 2001, a telefonia fixa cresceu quase cinco vezes em relação ao início da década, mas estagnou nos anos seguintes. Mesmo assim, a expansão e a diversificação dos serviços de telefonia ampliaram o acesso da população aos serviços: a tele-densidade na telefonia fixa atingiu seu ápice em 2002 (28,7 acessos por 100 habitantes) e depois daí passou a declinar, devido ao crescimento da telefonia móvel celular. As operadoras de telefonia fixa são empresas que operam milhões de pontos telefônicos que estão na casa dos seus clientes ou nos estabelecimentos comerciais, o que implica na existência de um significativo contingente de trabalhadores responsáveis pela instalação e manutenção de extensas redes telefônicas. A operação destas redes exige dos trabalhadores especialização técnica na tarefa, mas não exigem escolaridade elevada. Após a

11 11 privatização, as operadoras de telefonia fixa passaram a externalizar toda a estrutura de operação de rede externa, e em seu núcleo tornam-se empresas concentradas cada vez mais cargos de gerenciamento, comerciais e voltados aos negócios. Gráfico 2: Evolução do número de empregos nas empresas de telefonia fixa Brasil, ,000 80,000 70,000 60,000 50,000 40,000 30,000 20,000 10, Tele Norte-Leste Tele São Paulo Tele Centro-Sul Fonte: Relatório Anual das respectivas empresas. Observação: Algumas empresas de telefonia fixa oferecem serviços de call center e de telefonia móvel celular, entretanto, o número de empregados considerado no gráfico refere-se exclusivamente aqueles que trabalham com telefonia fixa. Pesquisas realizadas no período logo após a privatização ( ) identificavam que o comportamento do mercado do trabalho demonstrava uma tendência à supressão de empregos nas operadoras e à expansão do trabalho informal, autônomo e pequenos empreendimentos, observando que tais trabalhadores eram re-inseridos via terceirização e com condições de trabalho precárias. Após a privatização, no caso das operadoras de telefonia fixa, houve redução no número de empregos, principalmente nas atividades de manutenção e instalação de rede. A redução de pessoal nas operadoras foi bastante expressiva e intensificouse no período entre 1997 e Em 1997, um ano antes da privatização, as empresas de telefonia fixa empregavam 80 mil trabalhadores. Em 1999, dois anos depois da privatização, o número de empregados nas empresas de telefonia fixa foi menor que 50 mil, chegando, em 2002, a casa dos 20 mil empregos, número que se estabilizou a partir de então. Contudo, não seria correto afirmar que as mudanças no setor de telecomunicações implicaram em redução do número de empregos no setor. Em linhas gerais, ocorreu geração de empregos, embora com características distintas, com atividades laborais demandantes de

12 12 trabalho mais qualificado. Os dados da base RAIS-Caged 4 permitem observar que o número de empregos no setor não sofreu redução no período entre 1994 e 2004, tendo inclusive se ampliado, mesmo que ligeiramente. Em alguns casos, houve eliminação de determinadas funções, mas com a criação de outras; em outros casos, houve re-alocação desse contingente de trabalhadores, em conseqüência da formação de novas empresas no setor e da terceirização. Gráfico 3: Evolução do número de empregos no setor de telecomunicações Brasil, , , , , , , ,000 60,000 40, , , Telecomunicações Obras em telecomunicações Fabricação de aparelhos telefônicos Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego, Rais-Caged. Nota: Número de vínculos de emprego formais ativos no dia 31 de dezembro do referido ano, declarado pelos respectivos estabelecimentos. Observação: Telecomunicações são atividades econômicas do setor de serviços; obras em telecomunicações, atividades do setor de construção civil; fabricação de aparelhos telefônicos, atividades do setor industrial. Entre 1994 e 1999, ocorre redução no número de trabalhadores na atividade de telecomunicações (serviços e empregos nas operadoras centrais da rede) e aumento no número de trabalhadores na atividade definida como obras em telecomunicações (manutenção e instalação de terminais telefônicos, caso da empresa analisada no presente estudo, que será destaca adiante). Neste período, haveria uma preparação para a privatização, expressa pelos planos de demissão voluntária, com trabalhadores saindo das estatais e sendo re-alocados nas 4 A RAIS (Relação Anual de Informações Sociais), instituída em 1975, fornece informações estatísticas sobre o mercado de trabalho formal, funciona em conjunto com o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), criado em 1965, que instituiu o registro permanente de admissões e dispensa de empregados; são mantidos pelo Ministério do Trabalho e Emprego. As bases estatísticas podem ser acessadas em mediante cadastro como pesquisador.

13 13 empreiteiras. Todavia, neste período, o número de empregos reduziu-se em 16 mil na atividade telecomunicações, correspondente ao setor de serviços, que concentra as operadoras centrais de telefonia fixa e móvel, da mesma maneira que houve implementação de 16 mil empregos no caso das atividades definidas por obras em telecomunicações, que correspondem às atividades de manutenção e instalação de rede (Gráfico 3). Gráfico 4: Evolução da produtividade nas empresas concessionárias de telefonia fixa, Tele Norte-Leste Tele São Paulo Tele Centro-Sul Fonte: Relatórios das empresas. O número de trabalhadores no setor de telecomunicações aumenta logo após a privatização, sendo, entre 1999 e 2000, maior do que o número de trabalhadores no período ainda estatal. A partir de 1998, ano da privatização, até 2000, o setor passou por um grande processo de expansão e diversificação, com as empresas privadas tendo que cumprir as metas de universalização definidas pela Agência Nacional de Telecomunicações Anatel 5, nos contratos de concessão, o que explicaria o aumento do número de trabalhadores tanto na atividade de telecomunicações quanto em obras em telecomunicações. A partir de 2001, até 2003, o número total de trabalhadores começa a reduzir-se, porque o setor passaria a se ajustar, consolidando um contingente de trabalhadores capaz de fornecer suporte estratégico e 5 A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) é uma autarquia especial criada pela Lei Geral de Telecomunicações (Lei 9.472, de 16 de julho de 1997). A agência é administrativamente independente, financeiramente autônoma, não se subordina hierarquicamente a nenhum órgão de governo suas decisões só podem ser contestadas judicialmente. Segunda agência reguladora a ser criada no País, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) foi a primeira a ser instalada, em 5 de novembro de Do Ministério das Comunicações, a Anatel herdou os poderes de outorga, regulamentação e fiscalização e um grande acervo técnico e patrimonial. Compete à Agência adotar as medidas necessárias para o atendimento do interesse público e para o desenvolvimento das telecomunicações brasileiras (Home Page da Anatel, acesso em 26 de dezembro de 2008).

Aspectos da terceirização nas telecomunicações: complexificação de uma empresa terceirizada no Rio Grande do Sul

Aspectos da terceirização nas telecomunicações: complexificação de uma empresa terceirizada no Rio Grande do Sul Alas V Congreso de la Asociación Latinoamericana de Sociología 22 a 26 de agosto del 2005 Porto Alegre; UFRGS Desarrollo, Crisis y Democracia en America Latina: Participación, Movimentos sociales y Teoría

Leia mais

Caderno CRH ISSN: 0103-4979 revcrh@ufba.br Universidade Federal da Bahia Brasil

Caderno CRH ISSN: 0103-4979 revcrh@ufba.br Universidade Federal da Bahia Brasil Caderno CRH ISSN: 0103-4979 revcrh@ufba.br Universidade Federal da Bahia Brasil Mocelin, Daniel Gustavo QUALIDADE DO EMPREGO NAS TELECOMUNICAÇÕES PÓS-PRIVATIZAÇÃO Caderno CRH, vol. 20, núm. 50, mayo-agosto,

Leia mais

Precarização do trabalho e perfil dos trabalhadores na telefonia fixa pós-privatização

Precarização do trabalho e perfil dos trabalhadores na telefonia fixa pós-privatização Precarização do trabalho e perfil dos trabalhadores na telefonia fixa pós-privatização Affonso Cardoso Aquiles * Resumo: Este artigo pretende analisar alguns impactos da privatização das telecomunicações

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Presidente Nacional João Alberto Viol Diretor Executivo Antonio Othon Pires Rolim Gerente Executivo Claudinei Florencio Consultor

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO ALVES, Ana Elizabeth Santos (UESB/UFBA) GT: Trabalho e Educação 1 A Qualificação frente ao atual processo

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

4 A Telefonia Móvel no Brasil

4 A Telefonia Móvel no Brasil 4 A Telefonia Móvel no Brasil 4.1 Breve Histórico da Telefonia Móvel O uso da telefonia móvel teve início no Brasil no final de 1990. Em 30 de dezembro deste ano o Sistema Móvel Celular (SMC) começou a

Leia mais

EMBRATEL PARTICIPAÇÕES TEM RECEITA LÍQUIDA DE R$ 1,5 BILHÕES NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2000, 26 PORCENTO ACIMA DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 1999

EMBRATEL PARTICIPAÇÕES TEM RECEITA LÍQUIDA DE R$ 1,5 BILHÕES NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2000, 26 PORCENTO ACIMA DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 1999 INFORMATIVO Silvia M.R. Pereira Relações com Investidores tel: BR 55 21 519-9662 fax: 55 21 519-6388 Wallace Borges Grecco Relações com a Imprensa tel: BR 21 519-7282 fax: 021-519-8010 EMBRATEL PARTICIPAÇÕES

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

Como integrar R&S com treinamento em call center

Como integrar R&S com treinamento em call center 1 Como integrar R&S com treinamento em call center Já abordamos em outros artigos temas complexos em call center como a formação de cultura organizacional, o perfil do profissional de call center, sistemas

Leia mais

Operadora: Indicadores econômico-financeiros

Operadora: Indicadores econômico-financeiros Número 02 São Paulo, 13 de agosto de 2013 Operadora: Indicadores econômico-financeiros RESUMO A GVT tem apresentado variações positivas significativas na quantidade de acessos nos últimos três anos, e

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática) Institui o Fundo de Aval para Pequenos Provedores de Internet, com a finalidade de garantir

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Bambuí/MG - 2008 O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Júlio César Benfenatti FERREIRA (1); Antônio Carlos SANTOS(2)*

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 SENADO FEDERAL Gabinete do Senador JOSÉ SERRA PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 Altera a Lei nº 11.314, de 3 de julho de 2006, que dispõe sobre o prazo referente ao apoio à transferência definitiva

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO 5 TRABALHO: TRANSFORMAÇÕES, DESAFIOS E POSSIBILIDADES RECRUTAMENTO E PERFIL DOS TRABALHADORES NA TELEFONIA FIXA PÓS- PRIVATIZAÇÃO

GRUPO DE TRABALHO 5 TRABALHO: TRANSFORMAÇÕES, DESAFIOS E POSSIBILIDADES RECRUTAMENTO E PERFIL DOS TRABALHADORES NA TELEFONIA FIXA PÓS- PRIVATIZAÇÃO 1 GRUPO DE TRABALHO 5 TRABALHO: TRANSFORMAÇÕES, DESAFIOS E POSSIBILIDADES RECRUTAMENTO E PERFIL DOS TRABALHADORES NA TELEFONIA FIXA PÓS- PRIVATIZAÇÃO Affonso Cardoso Aquiles 2 RECRUTAMENTO E PERFIL DOS

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES NO PARANÁ: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, TERCEIRIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO

TELECOMUNICAÇÕES NO PARANÁ: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, TERCEIRIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO TELECOMUNICAÇÕES NO PARANÁ: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, TERCEIRIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO Affonso Cardoso Aquiles 1 Introdução As transformações pelas quais as telecomunicações brasileiras passaram nas

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL DOCUMENTO CONFIDENCIAL USO RESTRITO DA UNICAFES-PR MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL Execução: Nézio José da Silva Gestor de Projetos Agricultura Familiar e Agroindústrias Regional Sudoeste

Leia mais

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado 20 Anos de SINDEEPRES Anos de Terceirização no Brasil Seminário 20 Anos de Terceirização no Brasil SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado Marcio Pochmann www.sindeepres.org.br Relações do trabalho

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO TOBIAS ALBUQUERQUE E LEONARDO AVELAR OUTUBRO DE 2015 I. INTRODUÇÃO O conceito de escritórios de projetos Project Management Office (PMO) vem evoluindo desde meados da década

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Plano de Negócio AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Rodovia Celso Garcia Cid 2500 86051-990, Londrina - PR aztech@aztech.com.br André Ricardo Gonçalves - CEO / Tecnologia argoncalves@aztech.com.br

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

Perfil. dosetor. Arquitetura. e Engenharia Consultiva. Edição 2015

Perfil. dosetor. Arquitetura. e Engenharia Consultiva. Edição 2015 Perfil dosetor de Arquitetura e Engenharia Consultiva Edição 2015 SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Presidente Nacional José Roberto Bernasconi Diretor Executivo Antonio

Leia mais

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

O perfil das ONGs no neoliberalismo *

O perfil das ONGs no neoliberalismo * O perfil das ONGs no neoliberalismo * Elton Alcantara eltonluizcosta@gmail.com Gustavo Palmares gupalmaresrj@hotmail.com Letícia Chahaira leticiachahaira@yahoo.com.br Rafael Teixeira rafaelteixeira_ufrj@yahoo.com.br

Leia mais

Contribuição à Audiência 065/2008

Contribuição à Audiência 065/2008 Contribuição à Audiência 065/2008 Revisão da Resolução Normativa n 57/2004, que trata das metas e condições de atendimento das centrais de teleatendimento (CTA) 09/02/2009 APRESENTAÇÃO 1. O SINERGIA CUT

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 EBITDA atingiu a soma de R$ 391 milhões no ano passado São Paulo, 24 de março de 2010 A Algar Telecom, empresa de telecomunicações do Grupo Algar,

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010)

PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010) PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010) METODOLOGIA DA PESQUISA PESQUISA QUANTITATIVA POR AMOSTRAGEM. PROTEÇÃO E PRESERVAÇÃO DO SIGILO Dados para

Leia mais

Telefonia fixa. Negócio de Telefonia Fixa Resultados Consolidados (em milhões de euros)

Telefonia fixa. Negócio de Telefonia Fixa Resultados Consolidados (em milhões de euros) Telefonia fixa Negócio de Telefonia Fixa Resultados Consolidados (em milhões de euros) Telefónica da Espanha Telefónica latino-america 2001 2000 % Var. 2001 2000 % Var. Receitas operacionais 10.220,4 10.182,9

Leia mais

7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6

7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6 7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6 O setor de tecnologia da informação está incluído, de forma mais agregada, nas atividades de serviços prestados às empresas, segundo a &ODVVLILFDomR1DFLRQDOGH$WLYLGDGHV

Leia mais

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda Redução da jornada de trabalho - Mitos e verdades Apresentação Jornada menor não cria emprego Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição 231/95 que reduz a jornada de trabalho de

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

1T10 RESULTADOS. Fitch ratings eleva de A para A+(bra) o Rating Nacional de Longo Prazo da Algar Telecom

1T10 RESULTADOS. Fitch ratings eleva de A para A+(bra) o Rating Nacional de Longo Prazo da Algar Telecom RESULTADOS 1T10 Uberlândia MG, Maio de 2010 A Algar Telecom, Empresa integrada de telecomunicações com um portfólio completo de serviços, divulga seus resultados do 1º Trimestre de 2010 (1T10). As Informações

Leia mais

SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GESTÃO DO RISCO OPERACIONAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão de Risco Operacional; 3. Estrutura

Leia mais

Consultoria Especializada Para empresas de transportes e logística

Consultoria Especializada Para empresas de transportes e logística Solution Consultoria Especializada Para empresas de transportes e logística Redução de gastos e impostos Aumento de Lucro e aproveitamento de recursos Otimização de processos e contratação profissional.

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos Governança Corporativa e o Escritório de Projetos OBJETIVOS Conhecer a Governança Corporativa Entender os tipos de estruturas organizacionais Compreender o modelo de Escritório de Projetos O que é Governança

Leia mais

Em 2004 iniciou suas atividades como Diretor de Outsourcing and Services Solutions na Alcatel Telecomunicações no Brasil.

Em 2004 iniciou suas atividades como Diretor de Outsourcing and Services Solutions na Alcatel Telecomunicações no Brasil. O Outsourcing aplicado a Operadoras de Telecomunicações Este tutorial apresenta os conceitos básicos e características do Outsourcing aplicado às Operadoras de Serviços de Telecomunicações. Pascal Daniel

Leia mais

Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações

Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações São Paulo, 29 de dezembro de 2015. 1 INTRODUÇÃO A Associação Brasileira de

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Nesta mesma matéria divulga uma tabela e variação no faturamento das empresas de TI no Rio Grande do Sul em 2013, que aponta os seguintes índices:

Nesta mesma matéria divulga uma tabela e variação no faturamento das empresas de TI no Rio Grande do Sul em 2013, que aponta os seguintes índices: Quando da manifestação sobre a defesa apresentada pelo SEPRORGS, o SINDPPD/RS apontou que existe concordância, quanto a manutenção de algumas cláusulas, sendo elas: 2ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª, 9ª, 10ª, 15ª, 16ª,

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

A Flexibilização da Relação entre Franqueadora e Franqueada:

A Flexibilização da Relação entre Franqueadora e Franqueada: CF1212 A Flexibilização da Relação entre Franqueadora e Franqueada: Um Estudo de Caso da locadora de Veículos Yes Rent a Car Carlos Arruda, Hérica Morais Righi e Raoni H. Pereira Introdução O objetivo

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Breve Análise do Cenário e das Perspectivas da Conexão em Banda Larga no Brasil

Breve Análise do Cenário e das Perspectivas da Conexão em Banda Larga no Brasil SUPPLY CHAIN Breve Análise do Cenário e das Perspectivas da Conexão em Banda Larga no Brasil Logike Associados S/C Fevereiro 2008 Abstract: This article provides a simple overview of the broadband progress

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

Terceirização no Mercado de Trabalho

Terceirização no Mercado de Trabalho Terceirização no Mercado de Trabalho CENÁRIO Nos anos 90, o Brasil passa por uma série de transformações institucionais e estruturais, em um contexto de baixo crescimento e recessão. Antes da década de

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

GT 3. Classes sociais e transformações no mundo do trabalho. espelho. Affonso Cardoso Aquiles

GT 3. Classes sociais e transformações no mundo do trabalho. espelho. Affonso Cardoso Aquiles Anais do IV Simpósio Lutas Sociais na América Latina ISSN: 2177-9503 Imperialismo, nacionalismo e militarismo no Século XXI 14 a 17 de setembro de 2010, Londrina, UEL GT 3. Classes sociais e transformações

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. Fusões e aquisições no setor de alimentos BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 1. CRESCIMENTO INTERNO VERSUS

AGROINDÚSTRIA. Fusões e aquisições no setor de alimentos BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 1. CRESCIMENTO INTERNO VERSUS AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 Fusões e aquisições no setor de alimentos 1. CRESCIMENTO INTERNO VERSUS CRESCIMENTO EXTERNO O acirramento da concorrência

Leia mais

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*)

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Nivalde J. de Castro (**) Daniel Bueno (***) As mudanças na estrutura do Setor Elétrico Brasileiro (SEB), iniciadas

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal

8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal 8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal FUP Federação Única dos Petroleiros Secretaria de Relações Internacionais e Setor Privado Anselmo Ernesto Ruoso Jr. Porto Alegre, 10 de maio de

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo 1 PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Viviane Dias Uerj diasviviane01@hotmail.com Melissa Machado Uerj melissagmac@yahoo.com.br Resumo

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO JÓIAS, FOLHEADOS E BIJUTERIAS

PESQUISA DE MERCADO JÓIAS, FOLHEADOS E BIJUTERIAS PESQUISA DE MERCADO JÓIAS, FOLHEADOS E BIJUTERIAS AGENDA Metodologia Dados Secundários Dados Primários Comentários, Sugestões e Críticas das Empresas Considerações Finais TRABALHO DE CAMPO PASSO A PASSO

Leia mais

Contratação de serviços de Limpeza

Contratação de serviços de Limpeza 19º Jornada de Controle de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto 1º Jornada de Inovação da Prática em Enfermagem Contratação de serviços de Limpeza próprio terceirizado Vantagens e desvantagens e como

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DE LANÇAMENTO DO NOVO PRODUTO CONEXÃO À INTERNET EM BANDA LARGA 3G COM IP PROFISSIONAL

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DE LANÇAMENTO DO NOVO PRODUTO CONEXÃO À INTERNET EM BANDA LARGA 3G COM IP PROFISSIONAL REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DE LANÇAMENTO DO NOVO PRODUTO CONEXÃO À INTERNET EM BANDA LARGA 3G COM IP PROFISSIONAL 1. Das Partes, das Definições da Promoção: 1.1. 14 BRASIL TELECOM CELULAR S.A., autorizatária

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital.

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital. MOTOROLA A empresa alcançou um faturamento global da ordem de US$ $37.6 bilhões em 2000. É líder mundial em sistemas e serviços eletrônicos avançados. Atuando de maneira globalizada em 45 países, mais

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho de 2011 Mercado Brasileiro de Telecomunicações Oi: Perfil, Cobertura e Estratégia Resultados Operacionais e Financeiros Aliança com a Portugal Telecom e Aumento de Capital

Leia mais

Telefonia celular Grupo Telefônica Móviles Resultados Consolidados (milhões de euros)

Telefonia celular Grupo Telefônica Móviles Resultados Consolidados (milhões de euros) Telefonia celular Grupo Telefônica Móviles Resultados Consolidados (milhões de euros) Dezembro Dezembro 2001 2000 % Var. Receitas operacionais 8.411,1 7.401,2 13,6 Trabalhos para imobilizado (1) 128,6

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

FRANQUIA HOME OFFICE

FRANQUIA HOME OFFICE FRANQUIA HOME OFFICE SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS Djair Picchiai Revisado em 05/04/2010 1 MODELOS DE ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS As organizações têm sido estruturadas de acordo com as funções exercidas pelos seus respectivos

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO

CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO ACIOLI, Maria de Fátima da Costa Lippo - UFBA GT: Trabalho e Educação/n. 09 Agência Financiadora: não contou com financiamento 1 - Tempos e Movimentos

Leia mais

CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA

CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA Presidencia Diretoria Superintendencia Candiadata OC Div. Gdes. Consumidores Pólo de Comunicação Administrativo

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais