PROPOSTA DE UM MODELO DE GESTÃO DE FROTAS SOB A ÓTICA DO GECON Abreu Turística Cafelândia - SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE UM MODELO DE GESTÃO DE FROTAS SOB A ÓTICA DO GECON Abreu Turística Cafelândia - SP"

Transcrição

1 0 UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Ciências Contábeis Alex Henrique Gelmi Ana Paula Marques Maria Regina Martins Solange da Silva Sousa Batista PROPOSTA DE UM MODELO DE GESTÃO DE FROTAS SOB A ÓTICA DO GECON Abreu Turística Cafelândia - SP LINS SP 2009

2 1 ALEX HENRIQUE GELMI ANA PAULA MARQUES MARIA REGINA MARTINS SOLANGE DA SILVA SOUSA BATISTA PROPOSTA DE UM MODELO DE GESTÃO DE FROTAS SOB A ÓTICA DO GECON Trabalho de Conclusão de Curso apresentado a Banca Examinadora do Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, curso de Ciências Contábeis sob a orientação do Prof. M.Sc. André Ricardo Ponce dos Santos e orientação técnica da Profª. M.Sc. Heloisa Helena Rovery da Silva LINS SP 2009

3 1 G283p Gelmi, Alex Henrique; Marques, Ana Paula; Martins, Maria Regina; Batista, Solange da Silva Sousa Proposta de um modelo de gestão de frotas sob a ótica do GECON: Abreu Turística / Alex Henrique; Ana Paula Marques; Maria Regina Martins; Solange da Silva Sousa. Lins, p. il. 31cm. Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium UNISALESIANO, Lins-SP, para graduação em Ciências Contábeis, Orientadores: André Ricardo Ponce dos Santos; Heloisa Helena Rovery da Silva 1. GECON. 2. Gestão Econômica. 3. Otimização do resultado. 4. Resultado Econômico. 5. Eficácia empresarial. I Título. CDU 657

4 2 ALEX HENRIQUE GELMI ANA PAULA MARQUES MARIA REGINA MARTINS SOLANGE DA SILVA SOUSA BATISTA PROPOSTA DE UM MODELO DE GESTÃO DE FROTAS SOB A ÓTICA DO GECON Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, para obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis. Aprovada em: / / Banca Examinadora: Prof. Orientador: André Ricardo Ponce dos Santos Titulação: Mestre em Administração pela Unimep Assinatura: 1º Prof.(a): Titulação: Assinatura: 2º Prof.(a): Titulação: Assinatura:

5 3 Dedico este trabalho aos meus pais, José e Maria, a quem devo a vida e a minha formação moral, e que colaboraram muito para que eu realizasse esse sonho. As minhas filhas Amanda e Roberta, que são tesouros que Deus me deu, e a razão de todo meu esforço para que tenham uma vida mais confortável e feliz. Ao meu noivo Leandro, que me acompanhou com paciência, compreendendo sempre que precisei me ausentar para que o trabalho fosse realizado. A todos meus familiares e amigos que direta ou indiretamente me ajudaram, apoiaram e me deram força para prosseguir. E aos meus amigos de TCC, Alex, Solange e Regina, que dividiram comigo momentos cansativos dessa jornada, mas também muitos momentos felizes que ficarão guardados pra sempre em meu coração. Obrigada por serem meus amigos. Ana Paula Marques A minha família Que sempre confiou e acreditou em mim, a vocês devo tudo o que sou hoje. Se hoje cheguei até aqui, é graças ao apoio de vocês. Obrigado por tudo. Hoje e sempre Amo Vocês Aos meus amigos e as colaboradoras da biblioteca O que dizer a essas pessoas tão especiais que trilharam junto a mim essa jornada? Levarei comigo todas as lembranças desse período, as risadas, as dificuldades que enfrentamos juntos, as duvidas e incertezas que compartilhamos e as escolhas que fizemos juntos. Enfim chegamos até aqui e embora nossos caminhos tomem rumos diferentes nós estaremos sempre unidos em nossos corações Alex Gelmi

6 4 Dedico este trabalho de conclusão e graduação aos meus pais Paulo e Aparecida, os quais não tiveram acesso ao conhecimento literário. Ao meu querido esposo Eduardo e meu filho Luís Paulo que por muitas vezes toleraram minha ausência, mantendo-se pacientes e expressando solidariedade e companheirismo. Nobres colegas Alex, Ana Paula e Solange; sem vocês não conseguiria concluir esta graduação! estudo. Ao Programa Escola da Família pela concessão de minha bolsa de Maria Regina Dedico este trabalho em primeiro lugar a Jesus Cristo, meu salvador. Sem ele a guiar os meus passos, minha chegada até aqui não seria possível. Dedico especialmente ao meu pai Paulo (in memorian), que sempre acreditou em minha capacidade de vencer, desde minha infância, até a sua precoce despedida desta terra. Dedico também com muito carinho ao meu marido Rodrigo, que apesar de muitas vezes disputar minha atenção com meus companheiros de curso, me ajudou muito no decorrer desta estrada. Aos meus colegas de classe, que através das experiências que vivemos juntos se tornaram muito mais que simples colegas e passaram a ser amigos de verdade. Solange da Silva Sousa Batista

7 5 AGRADECIMENTOS A Deus, único que é digno de receber a honra e a glória, a força e o poder. Ao Rei eterno imortal; invisível, mas real, a Ele agradeço pela minha vida e pelas oportunidades que me concedeu até hoje. Agradeço todos os dias por fazer uma morada no meu coração, por estar sempre ao meu lado, me guiando e me protegendo de todos os perigos, agradeço pelo seu infinito amor e por me dar coragem para atingir meus objetivos e assim realizar meus sonhos. À Abreu Turística, nosso muito obrigado por abrir suas portas, nos dando oportunidade de vivenciar experiências práticas para enriquecer nossos conhecimentos, contribuindo para a realização deste importante trabalho. Ao nosso orientador Prof. M. Sc. André Ricardo, pelo seu espírito inovador e empreendedor na tarefa de distribuir seus conhecimentos, nos ensinando a importância da pesquisa científica. À Profª. M. Sc. Heloisa Helena, pela simpatia e presteza no auxílio às atividades e discussões sobre o andamento e normatização deste Trabalho de Conclusão de Curso. Às nossas famílias, que muitas vezes sentiram a nossa ausência, mas compreenderam com carinho, a importância da realização deste trabalho. Alex, Ana Paula, Maria Regina e Solange

8 6 RESUMO Modelo de gestão define-se como um conjunto de princípios que traduz as diretrizes de seus gestores. Nele são definidas as formas de como a empresa será administrada. Os resultados econômicos decorrem do desempenho em determinado período, demonstrando se a empresa terá ou não condições de sobrevivência e desenvolvimento. A eficácia de um sistema de gestão é atingida através da junção da eficiência de seus subsistemas, da melhoria contínua na execução das operações e na criação de alternativas que maximizem os resultados e minimizem o uso de recursos. Para viabilizar a contabilização divisional, o GECON vale-se do efetivo conhecimento de como a organização é estruturada, considerando a existência de diversas áreas dentro de uma única organização, sendo cada uma responsável pelos custos e resultados econômicos. Sob a ótica do GECON, o equilíbrio de funcionamento entre essas áreas reflete no resultado da empresa como um todo. A proposta de um modelo de gestão de frotas de ônibus sob a ótica do GECON desenvolve um modelo que contribui na otimização dos resultados econômicos. O modelo representado pela sigla GECON assume o lucro como a variável que reúne as melhores condições de servir de indicador da eficácia da empresa. Por serem escassos, os recursos consumidos no decorrer das atividades operacionais das organizações possuem valor econômico, o que requer sua utilização de forma eficiente. Partindo deste ponto de vista, entende-se que respostas são necessárias, mas não suficientes para garantir a sobrevivência da empresa. É de extrema necessidade que estas respostas sejam eficazes, conduzindo a organização ao alcance de seus propósitos além da obtenção do lucro, focando também sua continuidade. Um dos aspectos que mais chamam a atenção no modelo GECON é o modo de mensuração. O lucro corretamente mensurado refere-se ao resultado econômico que representa o aumento da riqueza da empresa, de seu patrimônio ou de seu valor, ou seja, um aumento do patrimônio de um período para o outro. A variação da riqueza da empresa ocorre devido a fatores internos e externos como a participação de mercado, nível de tecnologia utilizada, preços dos serviços, imagem, entre outros. A partir desses conceitos, foi proposta à empresa Abreu Turística a implantação de um modelo de gestão econômica de frotas que viabiliza a otimização dos resultados, através de uma análise individualizada, proporcionando ao gestor informações que o auxiliem na tomada de decisões. Palavras-chave: GECON. Gestão econômica. Otimização do resultado. Resultado econômico. Eficácia empresarial.

9 7 ABSTRACT Management model it is defined as a set of principles that reflect the guidelines of its managers. In it are defined the forms of as the company will management. The economic results go of the performance period, demonstrating if the company will have or not conditions for survival and development. The effectiveness of a management system is achieved by combining the efficiency of its subsystems, of the continuous improvement in the performance of its operations and of alternatives that maximize results and minimize the use of resources. To make the division accounting, the GECON relies itself on effective knowledge of as the organization is structured, considering the existence of several areas within a single organization, each responsible for the costs and economic results. From the viewpoint of GECON the balance operation is between these areas that reflect the result of the company as a whole. The proposed management fleet model of buses from the viewpoint of GECON develops a model that contributes in the optimization of the economic results. The model represented by the acronym GECON takes the profit as the variable that combines the best position to serve of indicator of the company effectiveness. Because they are scarce, the resources consumed during the operational activities of the organizations there are economic value, which require the use efficiently. From this point of view, it is meant that responses are necessaries but it doesn t sufficient to ensure the survival of company. It is necessary that these responses are effective, leading the organization to reach of its purposes beyond getting the profit, also focusing its continuity. One of the aspects that draw attention in GECON model is the method of measurement. The profit measured correctly referred to the economic result that represents the increase in wealth of the company, its shareholders or its value, i.e. an increase in wealth of period to another. The variation of the company's wealth occur in the function of internal and external factors like to market share, level of technology used, prices of services, image, among others. Within of these concepts, it was proposed to the Abreu Travel Company the implementation a model of economic management of fleets that enables the optimization of results, through of an individual analyze to the information`s manager that auxiliary him in decision making. Keywords: GECON. Economic management. Outcome s Optimization. Economic results. Managerial Efficiency.

10 8 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Sistema de informações Figura 2: Dimensões operacional, econômica, financeira e patrimonial.. 42 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Lucro sob diferentes óticas contábil e econômica LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ANTT: Agência Nacional de Transportes Terrestres ARTESP: Agência Reguladora de Transporte do Estado de São Paulo CONTRAN: Conselho Nacional de Trânsito DER: Departamento de Estradas de Rodagem DRE: Demonstrativo do Resultado do Exercício GECON: Gestão Econômica

11 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I - A EMPRESA ABREU TURÍSTICA HISTORICO E DESENVOLVIMENTO Missão e objetivos Descrição do negócio Organização administrativa Legislação e regulamentação do segmento de fretamento Modalidade linha regular Modalidade de fretamento Locação de veículos Cálculo dos custos pela empresa Relacionamento com os clientes Perspectivas de crescimento CAPÍTULO II - REFERENCIAL TEÓRICO GECON MODELO DE GESTAO ECONÕMICA CONSIDERAÇÕES INICIAIS Teoria geral dos sistemas A empresa como sistema e seus componentes Lucro como medida de eficácia do sistema empresa Eficiência e eficácia Medidas de eficácia empresarial A Controladoria como responsável pela gestão econômica Teoria da decisão Teoria da mensuração Teoria da informação Modelo de gestão x Modelo de gestão sob a ótica do GECON Histórico do GECON Premissas do GECON... 36

12 Processo de gestão econômica Planejamento Planejamento estratégico Planejamento operacional Execução Controle Resultado econômico Dimensões Formação do resultado econômico Otimização do resultado econômico Mensuração do resultado CAPÍTULO III - PESQUISA - METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DO MODELO Introdução Processo de identificação de áreas cinzentas na empresa As possíveis áreas cinzentas da empresa Alocação dos custos fixos e variáveis Controle de manutenção Reserva financeira Custos das locações Desenvolvimento do planejamento estratégico Controle da execução das atividades Cálculo do custo do combustível Formação do preço das locações Estruturação das informações Desenvolvimento dos campos do modelo Dados da empresa Gestão econômica por viagem Dados da viagem Demonstração dos custos variáveis da viagem Valor da locação Margem líquida Média por passageiro... 56

13 Observações Modelo de gestão econômica por viagem Resumo geral do modelo de gestão econômica por viagem Demonstração do resultado econômico PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES ANEXOS... 71

14 12 INTRODUÇÃO Diante de um cenário formado por inúmeras variáveis consideradas incontroláveis, faz-se importante e necessário que os gestores tomem suas decisões com base nas informações de seu segmento, e suas informações gerenciais, mais precisamente, sobre os custos que formam seus produtos ou serviços. Neste sentido, muitos autores propõem modelos que possam viabilizar a eficácia dos resultados. Assim sendo, foram explorados nesta pesquisa, os conceitos sobre o modelo de gestão econômica, mais conhecido como GECON que foi desenvolvido no final da década de 70, pelo então professor Dr. Armando Catelli, pesquisador da FEA-USP naquele período. O Sistema de gestão econômica é uma ferramenta que na atualidade tornou-se indispensável aos gestores como auxílio na tomada de decisões de uma forma mais rápida e eficaz. A globalização foi um dos fatores determinantes à adaptação das empresas às novas exigências do mercado. O modelo de gestão econômica GECON tem como objetivo principal aprimorar os resultados da empresa por área, ou unidade de negócio, realizando uma análise do processo de planejamento, execução e controle operacional de suas atividades. Na empresa Abreu Turística, essa análise será realizada por veículo da frota, visando à otimização do resultado final da empresa. O objetivo dessa pesquisa foi desenvolver um modelo de gestão econômica que contribua na gestão dos resultados, segundo a ótica do GECON, para apoio às decisões. Identificar os custos e despesas incidentes nas operações da empresa e desenvolver um modelo de contabilidade divisional, considerando cada veículo como um centro de custos. Durante a pesquisa questionou-se: a aplicação de um sistema de gestão econômica permite resultados mais eficazes nas decisões empresariais? Surgiu a hipótese: através da aplicação do sistema GECON a empresa consegue otimizar seu lucro por área de responsabilidade, influenciando as decisões empresariais, visando a eficácia operacional e o resultado positivo da empresa.

15 13 Para demonstrar que o modelo de gestão econômica GECON proporciona uma melhoria do resultado global da empresa através de uma análise individualista de cada área de atividade, foi realizada pesquisa de campo na Abreu Turística, no período de fevereiro a outubro de Para a realização da pesquisa de campo foram utilizados os métodos e técnicas descritos no Capítulo III. O trabalho está assim estruturado: Capítulo I: apresenta a evolução histórica da empresa Abreu Turística, descreve o ramo de atividade e informa os principais conceitos sobre a legislação de atividades de fretamento. Capítulo II: trata da fundamentação teórica sobre o modelo de gestão econômica GECON. Capítulo III: descreve e analisa a pesquisa realizada na empresa Abreu Turística. Por fim, vem a proposta de intervenção e a conclusão.

16 14 CAPÍTULO I A EMPRESA ABREU TURÍSTICA 1 HISTÓRICO E DESENVOLVIMENTO A empresa Abreu Turística está situada na cidade de Cafelândia, interior do estado de São Paulo, Distrito Industrial, na via de acesso José Frederico de Brito, 355, inscrita no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas, no Ministério da Fazenda, CNPJ / e Inscrição Municipal sob o nº A empresa é constituída de um pátio de 1650 m² onde são realizadas a limpeza, a manutenção corretiva e preventiva e a revisão dos ônibus. Neste local, encontra-se o escritório em que funciona a administração da empresa, exceto o setor contábil que é terceirizado, um alojamento para os motoristas e também, a residência da família. O Senhor Germano Abreu, em sociedade com sua esposa Vera Abreu, possuía uma empresa de transporte de passageiros intermunicipal, que realizava apenas o trajeto Cafelândia-Bacuriti e Bacuriti-Cafelândia. Pela inviabilidade de oferecer transporte interestadual aos clientes, através da Abreu Ltda., foi necessária a constituição de uma nova empresa, a Abreu Turística. Esta empresa encontra-se devidamente registrada na Jucesp nº como firma individual em nome de seu filho, sob a razão social Diego Modesto de Abreu ME. No início de suas atividades, a Abreu Turística possuía um veículo de pequeno porte com capacidade para doze passageiros. Devido ao crescimento da demanda, tornou-se necessária a substituição deste veículo por um microônibus. Buscando atender cada vez mais clientes, a empresa deu prosseguimento à ampliação de seu negócio adquirindo um ônibus convencional. Atualmente a frota é composta de quatro ônibus, sendo dois convencionais e dois executivos.

17 Missão e objetivos A Abreu Turística, pela experiência no ramo de transporte de passageiros, tem como missão a prestação de um serviço de qualidade diferenciado, visando atender as expectativas e principalmente, as necessidades de seus usuários a fim de garantir a satisfação de seus clientes, traçando a cada dia um caminho de confiabilidade. Seu objetivo é atender as diversas classes sociais existentes no mercado, conforme suas exigências, trabalhando de forma personalizada. Este é seu principal diferencial. 1.2 Descrição do negócio É indispensável para a caracterização da locação, a entrega do veículo pelo locador ao locatário para usá-lo livremente. De posse do veículo, o locatário tem total liberdade, ou seja, vai para onde quiser, na hora que quiser, escolhe o percurso que melhor lhe agrada, sem se preocupar com nada, afinal ele tem a posse do veículo por aquele período previsto no contrato. O objetivo do serviço de locação é o aluguel do veículo, mas eventualmente, pode ser disponibilizado um profissional motorista. Para o setor de locação, não há regulamentação e inspeção por parte dos órgãos que fiscalizam o regime de fretamento. A empresa Abreu Turística utiliza um contrato no ato do fechamento da locação do ônibus. O cliente paga antecipadamente dez por cento do valor combinado para a viagem e o restante deve ser pago uma semana antes da data da mesma. Se um veículo particular é locado e junto com ele um motorista, não se configura fretamento. A empresa faz uso de um cadastro de profissionais motoristas, sugerindo, se for o caso, a pedido do cliente, a prestação de seus serviços, através de um contrato em regime eventual individual autônomo sem vínculo empregatício com o contratante.

18 Organização administrativa Por tratar-se de uma empresa prestadora de serviços de locação de ônibus sem condutor, a Abreu Turística não possui motoristas registrados. As outras funções são subdivididas em administrativas, operacionais e comerciais, distribuídas entre os membros da família. 1.4 Legislação e regulamentação A Agência Reguladora de Transporte do Estado de São Paulo (ARTESP) foi criada pela Lei Complementar nº 914, de 14 de janeiro de 2002, tem como finalidade a regulamentação e fiscalização de todas as modalidades de serviços públicos de transporte autorizados, permitidos ou concedidos a entidades de direito privado, no âmbito da Secretaria de Estado dos Transportes. Considerada como a principal agência reguladora, a ARTESP classifica o transporte terrestre de passageiros, sob duas modalidades, a modalidade Regular e a modalidade de Fretamento que serão descritas a seguir Modalidade Linha Regular A modalidade Regular, segundo a ARTESP, classifica-se em: rodoviário convencional, rodoviário especial, rodoviário leito, suburbano convencional e auto-lotação. A classificação como rodoviário convencional é formada pelas seguintes características: a) as passagens são adquiridas com antecedência à realização das viagens, proporcionando reserva de lugares; b) a origem e o destino das viagens se processam em terminais rodoviários e, na falta destes, em agências de vendas de passagens,

19 17 ambos dotados de requisitos mínimos de capacidade, segurança, higiene e conforto; c) utiliza ônibus tipo rodoviário convencional, com especificação própria, identificado, entre outros, por apresentar poltronas individuais, reclináveis, estofadas e numeradas; bagageiros externos e portaembrulhos internos destinados ao acondicionamento dos volumes que acompanham os passageiros e ao transporte de encomendas; d) não permissão de transporte de passageiros em pé; e) as viagens em geral expressas com número reduzido de paradas, adstritas aos pontos de apoio; f) utiliza rodovias inseridas em regiões predominantemente não conturbadas proporcionando viagens em velocidades relativamente uniformes. Já, na modalidade de rodoviário especial, além das características mencionadas anteriormente, os ônibus devem dispor de equipamentos ou atributos adicionais, a serem definidos segundo o padrão do serviço e tipo de percurso, com tarifa diferenciada. Entende-se como rodoviário leito aquele que apresenta as mesmas características do serviço rodoviário convencional, diferenciando-se deste por dispor de poltronas leito e de gabinete sanitário. No caso do suburbano convencional, é aquele que apresenta as seguintes características: a) as passagens são, em geral, cobradas no interior dos ônibus, durante a realização das viagens que, por sua vez, poderão ser registradas em dispositivos controladores do número de passageiros; b) a origem, as paradas intermediárias e o destino relativo às viagens, processam-se, geralmente, em abrigos de passageiros convencionais; c) utiliza ônibus tipo urbano convencional, com especificação própria, identificado, entre outros, por apresentar poltronas fixas, sem numeração; por dispor no mínimo de duas portas, uma dianteira e outra traseira, destinadas à entrada e saída de passageiros e por não possuírem bagageiros nem porta-pacotes;

20 18 d) permite o transporte de passageiros em pé com taxa de ocupação pré-fixada; e) utiliza vias inseridas predominantemente em regiões com densidade demográficas significativas e que, devido à frequentes paradas, proporcionam viagens com velocidade média inferior àquelas realizadas no serviço rodoviário. O serviço de auto-lotação apresenta as mesmas características mencionadas no serviço rodoviário convencional, diferenciando-se, substancialmente deste, quanto aos veículos que são de quatro rodas, cinco a doze lugares, excluídas o do condutor, não propiciando a circulação de passageiros no seu interior Modalidade de Fretamento A modalidade de fretamento tem como objetivo a condução de grupo definido de pessoas, com contrato específico, sem cobrança individual de passagens, podendo ser contratado por pessoas ou grupos para a realização de uma viagem com finalidade específica ou turística. Pode-se considerar a contratação de um motorista de ônibus profissional. Motoristas de ônibus fretados recebem cerca de um terço de seu pagamento como gratificação, dez por cento é o padrão. O serviço de transporte profissional de pessoas por ônibus de fretamento é regulamentado e inspecionado periodicamente por quatro órgãos públicos, dependendo da área geográfica em que é realizado. Na área interestadual e internacional, a competência é da ANTT Agência Nacional de Transportes Terrestres. No estado de São Paulo, a regulamentação está sob responsabilidade da ARTESP. Sem pelo menos um destes registros, o transporte de passageiros não pode ser realizado e será considerado como transporte clandestino. Segundo a ARTESP, a modalidade de fretamento compreende o Fretamento contínuo e Fretamento Eventual.

21 19 De acordo com o artigo 7 da Lei /89, fretamento contínuo é o serviço de transporte de passageiros prestado a pessoa jurídica, mediante contrato escrito, para um determinado número de viagens, destinados ao transporte de usuários definidos, que se qualificam por manterem vínculo específico com a contratante para desempenho de sua atividade. Já o Fretamento eventual, segundo o artigo 8 da mesma legislação, é o serviço prestado a um cliente ou a um grupo de pessoas, mediante contrato escrito, para uma viagem. É importante salientar que durante as viagens será de porte obrigatório a Nota Fiscal correspondente ao serviço de fretamento. Cabe à empresa transportadora a comunicação mensal, mais especificamente, até o último dia útil do mês seguinte ao DER - Departamento de Estradas de Rodagem, do número de viagens realizadas sob fretamento eventual, com indicação da data de início e fim de cada uma, origem e destino, bem como o número de passageiros transportados. Para registrar a empresa, é preciso cumprir uma série de exigências com relação à capacidade econômica, técnica e operacional da empresa e também de seus dirigentes. Todos os veículos são submetidos à vistoria de segurança com periodicidade anual ou menor, conforme a idade do veículo Locação de veículos Segundo Instrução Normativa da ARTESP, para uma empresa ser considerada como locadora de veículos, primeiramente ela deve estar inscrita na Receita Federal (CNPJ) e no Posto Fiscal do Estado de São Paulo (inscrição estadual) como ramo de atividade de locação de veículos sem condutor. Outra recomendação é que a razão social da empresa possua a expressão locadora e que os veículos atendam as exigências dos departamentos de trânsito federal, estadual e de seu município de origem. Para tanto, recomenda-se que a viagem seja exclusivamente particular, ou seja, não

22 20 se configurando, portanto, transporte remunerado individualmente que, em outras palavras, significa a cobrança individual de passagens. Para a realização da locação, são necessários os seguintes documentos que deverão estar a bordo do veículo: a) documento do veículo em nome da empresa locadora; b) contrato de locação do veículo; c) Carteira Nacional de Habilitação categoria D, para o condutor do veículo; d) curso de capacitação de condutores de veículos de transporte coletivo de passageiros exigido pela Resolução do CONTRAN Conselho Nacional de Trânsito n. 169/05, para o condutor do veículo; e) lista de passageiros contendo o nome completo dos passageiros, seus respectivos RGs, origem, destino e data da viagem, em papel timbrado da empresa com assinatura identificada; f) contrato de prestação de serviços do motorista para a viagem, firmado entre o locatário do veículo e o motorista, caso o veículo não seja dirigido pelo contratante. Caso a razão social da empresa não conste a palavra locadora, será obrigatória a apresentação de cópia autenticada do Contrato Social da empresa onde conste a atividade de locação de veículos. 1.5 Cálculo dos custos pela empresa Após o contato com o cliente e antes de firmar o contrato, a Abreu Turística faz uma estimativa dos custos incorridos com pedágios, combustível e desgastes de peças e pneus, durante o percurso que o locatário deseja realizar. O cálculo desses custos somados a experiência do locador são os principais elementos para formação do preço da locação. Para a contenção de despesas mecânicas, a empresa mantém em suas próprias instalações uma pequena oficina com equipamentos que possibilitam a conservação dos ônibus, executando os serviços de manutenção preventiva e corretiva, diminuindo as despesas. Estes procedimentos têm como objetivo

23 21 prevenir interrupções em seus trajetos assegurando a pontualidade de suas viagens. Preocupada com o alto custo da frota, a empresa firmou um convênio com um posto de combustíveis para abastecimento dos ônibus a um preço menor do que o do mercado. O setor administrativo da Abreu Turística atualmente não utiliza um sistema de informações específico para reconhecimento de seus custos. O cálculo é feito através de planilhas em Excel onde as receitas por locação são discriminadas juntamente com os custos fixos e variáveis incorridos durante o mês de forma a apresentar o lucro do período. Outra ação que a empresa tomou para redução de custos foi disponibilizar um membro da família para ficar responsável pelos atendimentos e agendamentos das locações. 1.6 Relacionamento com clientes A Abreu Turística iniciou suas atividades atendendo clientes de menor poder aquisitivo. Por meio de um trabalho de propaganda desenvolvido, em grande parte por esses mesmos clientes, e investimentos em outdoors e divulgação em lista telefônica, surgiram novos usuários de maior poder aquisitivo, forçando a empresa a se reestruturar para o mercado de transporte de passageiros, oferecendo aos clientes mais qualidade, conforto e segurança. Os clientes da Abreu Turística são, em grande parte, membros da Associação de Japoneses e grupos de terceira idade, cerca de 30 a 40%. O restante divide-se de forma variada, compreendendo estudantes da região, prefeitura de Cafelândia, grupos evangélicos e particulares. A empresa fornece um treinamento de atendimento ao motorista indicado, visando à prestação de um serviço de melhor qualidade aos passageiros. 1.7 Perspectivas de crescimento

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli Universidade de São Paulo Mestrado em Controladoria e Contabilidade ANÁLISE DE CUSTOS MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER / ELIMINAR / REORG. ATIVIDADES Prof. Dr. Armando Catelli Orientador

Leia mais

Guia para contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros sob regime de FRETAMENTO

Guia para contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros sob regime de FRETAMENTO Guia para contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros sob regime de FRETAMENTO 100 95 75 25 5 0 Introdução A Artesp tem a finalidade de regulamentar e fiscalizar todas as modalidades de serviços

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA NETO, Antonio Rodrigues¹ PORFÍRIO, Anderson Cassiano¹ SILVA, Carlos Eduardo Candido da¹ OLIVEIRA, Dirce Benedita de¹ SARAIVA, Antonio W. Pereira² RESUMO

Leia mais

Guia para compra de passagens e contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros. Suburbano e Rodoviário

Guia para compra de passagens e contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros. Suburbano e Rodoviário Guia para compra de passagens e contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros 100 95 Suburbano e Rodoviário 75 25 5 0 Introdução A Artesp tem a finalidade de regulamentar e fiscalizar todas as

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011)

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) Dispõe sobre a obrigatoriedade de existência de Pontos de Apoio nas rodovias e dá outras providências.

Leia mais

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR Edmundo Tork APOSTILA 3 TURMA: EMPRESA E SISTEMA 5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 2 EMPRESA COMO SISTEMA E SEUS SUBSISTEMAS

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL

CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL Ítalo Alves Gomes Rafael Rocha Salvador Prof Esp. Francisco César Vendrame Profª Esp. Jovira Maria Saraceni Profª M. Sc. Máris

Leia mais

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL 1 ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL ORGANIZATION THE FIRST STEP TO BUSINESS CONTROL Adriane C. Lopes * Elisiane Godoy* Emanuel O. Batista* Sheila C. M. Guilherme* Aparecida Vani Frasson

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda, uma

Leia mais

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze 1 A Controladoria no Processo de Gestão Clóvis Luís Padoveze Cascavel - 21.10.2003 2 1. Controladoria 2. Processo de Gestão 3. A Controladoria no Processo de Gestão 3 Visão da Ciência da Controladoria

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais/CVB s 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda,

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Sistema de informações gerenciais Sistema de informações gerencial => conjunto de subsistemas de informações que processam dados e informações para fornecer

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 Autor(es) LEONARDO GARCIA PAIS DE ARRUDA Orientador(es) ELAINE

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 11/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DE EMPRESAS DE MICRO, PEQUENO

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA O REGISTRO NO FRETAMENTO RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS (Decreto n.º 29.912, de 12/05/89, alterado pelos Decretos nº. 31.105, de 27/12/89 e

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

PROCESSOS PARA REDUÇÃO DO CUSTO

PROCESSOS PARA REDUÇÃO DO CUSTO PROCESSOS PARA REDUÇÃO DO CUSTO A BgmRodotec Empresa de tecnologia que desenvolve, implanta e presta consultoria ao Software de gestão Globus. Atuamos exclusivamente no mercado de transportes há 30 anos;

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008.

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008. Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008. Mercado / % sobre Aplicações/Especificação Quantidade Realização Patrimônio R$ Mil Líquido 1.DISPONIBILIDADES 8 0,03 Depósitos

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA O REGISTRO NO FRETAMENTO RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS (Decreto n.º 29.912, de 12/05/89, alterado pelos Decretos nº. 31.105, de 27/12/89 e

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária

Contabilidade Financeira e Orçamentária Contabilidade Financeira e Orçamentária Mercados Gestão de Riscos Planejamento Orçamentário Mercado Financeiro Mercado financeiro Em uma economia, de um lado existem os que possuem poupança financeira

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014 Anexo à Resolução CGM 1.143 DE 08/07/2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014 INTRODUÇÃO Este trabalho é o produto de discussões finalizados em fevereiro de 2014, junto à Comissão

Leia mais

RESUMOS COM RESULTADOS... 986 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 988

RESUMOS COM RESULTADOS... 986 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 988 985 RESUMOS COM RESULTADOS... 986 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 988 RESUMOS COM RESULTADOS 986 ANÁLISE DOS PRINCÍPIOS ORÇAMENTÁRIOS, NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO PÚBLICO... 987 987 Ensino (ENAENS) ANÁLISE

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.0 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.2 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Qual o objetivo das empresas para a administração financeira? Maximizar valor de mercado da empresa; Aumentar a riqueza dos acionistas.

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br GESTÃO ORÇAMENTÁRIA João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br EMPRESAS OBJETIVOS INDIVIDUAIS em instituições de Saúde devido as corporações profissionais, que detém graus de autonomia diferenciados,

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/17 1 - DOS OBJETIVOS a) Regulamentar procedimentos de controle da frota de veículos leves e pesados da Prefeitura, visando otimizar o uso dos mesmos e reduzir custos de manutenção. 2- DOS ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Marivane Orsolin 1 ; Marlene Fiorentin 2 ; Odir Luiz Fank Palavras-chave: Lei nº 11.638/2007. Balanço patrimonial. Demonstração do resultado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER/ELIMINAR/REORGANIZAR ATIVIDADES: UMA CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial Página 1 de 5. 05/09/2011 ORÇAMENTO BASE ZERO uma ferramenta gerencial para redução de custos e otimização de resultados, distribuição de dividendos e nível de retorno dos investimentos Prof. Ricardo Ferro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas

A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas Prof. Mestre Renato silva 1 Resumo: Este artigo tem o propósito de apresentar a importância da contabilidade gerencial no contexto da geração

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 31 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Professor do curso ESAMI

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs. 1 A Contabilidade como Ferramenta de Gestão: Nova Visão Empresarial Benefícios e Vantagens; Parceria do Administrador e do Profissional

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICASP DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS Janice

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO

CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO Cabrelli, Fantine Lígia Discente Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: fannligia@hotmail.com Ferreira, Ademilson.

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais