Ligações viga-pilar reforçadas pela colagem de laminados de PRFC em entalhes no concreto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ligações viga-pilar reforçadas pela colagem de laminados de PRFC em entalhes no concreto"

Transcrição

1 BE2008 Enontro Naional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Ligações viga-pilar reforçadas pela olagem de laminados de PRFC em entalhes no onreto Tatiana de Cássia Sandra Freire de C. S. da Fonsea 1 Almeida 2 João Bento de Hanai 3 Luiz Viente Vareda 4 RESUMO Neste trabalho, apresentam-se os resultados de ensaios em modelos reduzidos de ligação viga-pilar reforçados à flexão. Apresentam-se também propostas teórias para estimativa da rigidez iniial destes modelos. A ténia de reforço usada onsiste na olagem de laminados de polímeros reforçados om fibra de arbono (PRFC) em entalhes realizados no onreto de obrimento. Os modelos de ligação estudados foram onebidos para se assemelhar a um treho de estrutura real om ligações por enaixe de dente Gerber e onsolo, que têm omportamento artiulado. Os meanismos usuais de transferênia de esforços deste tipo de ligação são humbadores e almofadas de apoio. Nos modelos reforçados, aresentaram-se novos meanismos para transferênia de tração (laminado de PFR) e ompressão (grauteamento dos espaços vazios). Os modelos de ligação foram reforçados e submetidos a ensaios estátios. Esses ensaios onsistiram na apliação de arregamento ílio alternado de urta duração, soliitando-se os modelos a momento fletor positivo ou negativo. Os resultados experimentais demonstram que, om o reforço, as ligações apresentaram omportamento semi-rígido e adquiriram resistênia à flexão ompatível à de estrutura monolítia armada om barras de PRFC. O álulo da rigidez iniial por meio das expressões desenvolvidas se mostrou satisfatório tendo havido uma diferença máxima entre os valores teórios e experimentais de 26%. PALAVRAS-CHAVE Reforço estrutural, ligação viga-pilar, PRFC, NSM Esola de Engenharia de São Carlos - USP, Departamento de Engenharia de Estruturas, Av. Trabalhador Sãoarlense, 400, São Carlos, SP, Brasil, CEP: Esola de Engenharia de São Carlos - USP, Departamento de Engenharia de Estruturas, Av. Trabalhador Sãoarlense, 400, São Carlos, SP, Brasil, CEP: Esola de Engenharia de São Carlos - USP, Departamento de Engenharia de Estruturas, Av. Trabalhador Sãoarlense, 400, São Carlos, SP, Brasil, CEP: Esola de Engenharia de São Carlos - USP, Departamento de Engenharia de Estruturas, Av. Trabalhador Sãoarlense, 400, São Carlos, SP, Brasil, CEP:

2 Ligações viga-pilar reforçadas pela olagem de laminados de PRFC em entalhes no onreto 1. INTRODUÇÃO A primeira investigação ientífia sobre a olagem de laminados de PRF em entalhes é atribuída a Blashko e Zilh [1]. O aspeto inovador desse trabalho onsiste na utilização dos PRF, uma vez que 50 anos antes já se relatava o reforço por inserção de barras de aço no onreto de obrimento, fixadas om uso de argamassa, em Asplund [2]. O trabalho de Blashko e Zilh [1], ontudo, impõe-se omo um maro para o reforço mediante utilização de PRF, por apresentar solução para algumas defiiênias inerentes à olagem externa, prinipalmente em relação ao desolamento prematuro do reforço. A ténia tem ainda por vantagens: exeução menos trabalhosa, maior failidade de anoragem em membros adjaentes ao elemento reforçado, maior failidade de pré-tensionamento, proteção pelo onreto de obrimento e onsequentemente menor exposição a danos meânios, impatos aidentais, fogo e vandalismo e a não interferênia em aspetos estétios das estruturas [3]. A efiiênia da ténia, omprovada por pesquisas que avaliaram o reforço à flexão de vigas, pilares e onsolos e reforço ao isalhamento de vigas motivaram esta investigação sobre o emprego da ténia no inremento de rigidez e resistênia à flexão de ligações viga-pilar de estruturas de onreto prémoldado. Não raro, as estruturas de onreto pré-moldado apresentam omportamento global insatisfatório evideniado por sintomas patológios tais omo: flehas e desloamentos laterais exessivos ou vibração exessiva. As manifestações patológias que afetam as estruturas podem ter origens diversas, dentre as quais: erros de projeto e exeução, alteração na funionalidade da edifiação, alteração das soliitações, ações exepionais (ex.: terremotos, furaões). Para ada origem há uma terapia mais adequada, embora o fenômeno e os sintomas possam ser os mesmos. [4] Em estruturas de onreto armado, monolítias ou pré-moldadas, a reabilitação é geralmente empregada nos elementos de viga e pilar que a ompõem. Certamente, para a maioria dos asos é o proedimento mais prátio a adotar. Entretanto, se a questão a ser orrigida está relaionada ao omportamento global da estrutura, o reforço das ligações entre vigas e pilares deve ser onsiderado. Sobretudo, para estrutura de onreto pré-moldado em que o desempenho das ligações tem extrema importânia. As ligações são responsáveis pela transferênia de esforços e pela estabilidade na fase de montagem e de utilização da estrutura. Devem ser apazes de aomodar desloamentos relativos neessários à mobilização de sua resistênia, resistir a todas as ações resultantes da análise da estrutura omo um todo, bem omo da análise dos membros individualmente, ter resistênia e deformabilidade que assegurem a estabilidade da estrutura omo um todo [5]. Por meio desta investigação pretendeu-se avaliar uma alternativa de reabilitação das ligações que apresentem defiiênia em alguma dessas funções. Os resultados experimentais obtidos demonstram ser a ténia promissora. 2. METODOLOGIA A ténia de reforço em questão foi avaliada por meio de ensaios experimentais em modelos reduzidos de ligação. Os modelos foram onebidos para se assemelhar a um treho de estrutura real (Fig. 1) ontendo ligações por enaixe de dente Gerber e onsolo, que têm omportamento artiulado. As dimensões dos elementos onetados, trehos de vigas e de pilar, foram reduzidas num fator de aproximadamente 1:3. Aqui são apresentados resultados de ensaios em três modelos. Dois deles foram utilizados na avaliação do reforço a momento negativo e um na avaliação do reforço a momento positivo. Os modelos de ensaio são refereniados por nomenlatura om quatro ampos, por exemplo, N1 CJ. O primeiro ampo a define o tipo de reforço. A letra N signifia reforço a momento fletor Negativo e P signifia reforço a momento fletor Positivo. O segundo ampo designa o número do modelo, podendo ser igual a 1 ou 2. O tereiro e o quarto ampos (CJ) indiam que o modelo foi onfeionado Com Junta grauteada. O reforço om laminados, que possibilitou a transferênia de esforços de tração, foi realizado na fae lateral dos modelos. A transferênia de esforços de ompressão foi possibilitada pelo preenhimento dos espaços vazios da ligação om graute. As araterístias dos modelos estão resumidas no Quadro 1. 2

3 Enontro Naional Betão Estrutural 2008 T. Fonsea et al. Pilar Viga Figura 1 - Porção de uma estrutura om treho equivalente ao modelo de ensaio em destaque. Quadro 1 - Caraterístias dos modelos. N1 CJ N2 CJ P1 CJ Caraterístias s ompostos pela montagem dos elementos usuais de uma ligação artiulada (enaixe de dente gerber e onsolo, almofada de apoio, humbador e grauteamento do furo do humbador) reforçados para momento negativo pela olagem de laminado em entalhes no onreto de obrimento na lateral do modelo e grauteamento dos espaços entre a viga e o pilar. omposto pela montagem dos elementos usuais de uma ligação artiulada (enaixe de dente gerber e onsolo, almofada de apoio, humbador e grauteamento do furo do humbador) reforçado para momento positivo pela olagem de laminado em entalhes no onreto de obrimento na lateral do modelo e grauteamento dos espaços entre a viga e o pilar. Os laminados para reforço dos modelos foram olados em entalhes realizados om seção de aproximadamente 18 mm x 5 mm, a uma distânia de 30 mm da base, para reforço a momento positivo, ou do topo, para momento negativo. A Figura 2 ilustra as araterístias do modelo reforçado a momento positivo (P1 CJ). Vista frontal Chumbador Vista lateral Graute 2,8 4,2 1 Almofada Graute Reforço , , Detalhe 1,8 Medidas em entímetros Figura 2 - Caraterístias do P1 CJ.,5 2.2 Propriedades dos materiais A resistênia à ompressão do onreto dos trehos de vigas e pilares foi de 47,3 MPa. O graute usado para o preenhimento dos vazios da ligação foi o Masterflow 885 grout, om a relação água/graute de 0,20, que apresentou resistênia à ompressão variando de 37,3 MPa a 40,3 MPa. Utilizou-se almofada de apoio de borraha natural NR 1087 da mara ORION, dureza Shore 70 A. O laminado utilizado é da mara Rogerte. Possui seção de 2,11 mm x 15,69 mm, resistênia à tração de 2068 MPa e módulo de elastiidade na tração de 126 GPa. Utilizou-se em sua olagem a resina epóxi Sikadur 330 que tem resistênia à tração e módulo de elastiidade na tração de 30 MPa e 4500 MPa, respetivamente. 3

4 Ligações viga-pilar reforçadas pela olagem de laminados de PRFC em entalhes no onreto 2.3 Confeção dos modelos O onreto para onfeção dos elementos do modelo de ligação foi misturado em betoneira, oloado nas fôrmas e adensado em mesa vibratória. Os trehos de viga e pilar foram levados à âmara úmida onde permaneeram em ura até a data de realização dos entalhe. Os entalhes foram realizados om uso de ferramenta elétria om dois disos de orte justapostos, por via úmida (Fig. 3-a). As peças entalhadas foram lavadas om água e deixadas sear ao ar. Na data da exeução do reforço, os entalhes foram limpos om jato de ar omprimido e estopa embebida em álool isopropílio. A superfíie dos elementos também foi limpa om álool para retirada do resquíio de desmoldante. Para montagem dos modelos, posiionaram-se as almofadas de apoio nos onsolos, introduzindo-se os humbadores nos furos das almofadas. Posiionaram-se os trehos de vigas apoiados sobre as almofadas de apoio e em peças de madeira, verifiando o prumo (Fig. 3-b) e o alinhamento (Fig. 3-). Exeutou-se a solidarização do modelo pela olagem do laminado (Fig. 3-d e Fig. 3-e). O furo do humbador foi umedeido e preenhido om graute. Dois dias depois, deitou-se o modelo sobre pedaços de plaas de madeira ompensada. Vedaram-se as extremidades superior e inferior dos vazios entre os elementos da ligação om plaas de madeira ompensada. Umedeeram-se as superfíies a serem grauteadas. Efetuou-se o grauteamento dos vazios (Fig. 3-f). (a) (b) () (d) (e) (f) Figura 3 - Confeção dos modelos de ligação reforçados: (a) realização de entalhe; (b) onferênia prumo; () onferenia do alinhamento; (d) olagem do laminado; (e) aabamento do reforço; (f) preenhimento dos vazios om graute. 2.3 Instrumentação e esquema de ensaio Os modelos foram dotados da instrumentação externa ilustrada nas Figs 4 e 5. Utilizou-se um transdutor de desloamento posiionado vertialmente a meio vão da viga para medição da fleha. As reações nos apoios foram obtidas nas leituras de élulas de arga posiionadas sob os apoios. Foram utilizados transdutores de desloamento, fixados em quadros para suporte da instrumentação presos ao onreto por parafusos, para obtenção do desloamento relativo entre as seções desontínuas. A instrumentação externa apresenta simetria em relação ao plano perpendiular que ontém o eixo longitudinal da peça. O primeiro número na nomenlatura dos transdutores posiionados horizontalmente (Fig. 4) partiulariza o transdutor na parte posterior do modelo e o segundo, o transdutor na parte anterior. Busou-se um posiionamento dos transdutores que permitisse a aferição da deformação tanto das juntas traionadas quanto das juntas omprimidas. O quadro para suporte da instrumentação foi posiionado em um plano eqüidistante a dois outros planos de referenia no onreto em que foram oladas antoneiras metálias, onforme Figs 4 e 5. Mantiveram-se as distânias vertiais de 11 m entre os transdutores e 17 m entre os parafusos de fixação do quadro para suporte da instrumentação e a distânia horizontal de 4 m entre os planos refereniais. Colaramse extensômetros elétrios nos laminados, na seção da junta da ligação, para obter sua deformação ao longo do ensaio. O esquema estátio do ensaio foi o mesmo para todos os modelos (Figs 4 e 5). O modelo de ligação foi bi-apoiado em dispositivos prismátios de seção semiirular. O arregamento foi apliado por 4

5 Enontro Naional Betão Estrutural 2008 T. Fonsea et al. atuador servo-hidráulio e distribuído, om a utilização de bloos metálios, em uma área que orresponderia à seção do pilar. A Figura 5 é um registro do ensaio realizado no modelo P1 CJ. Destaa-se que os modelos reforçados a momento fletor negativo foram submetidos a ensaio em posição diversa (rotaionados em 180º) da que oupariam em uma estrutura real. Medidas em entímetros 0,5 Atuador servo-ontrolado Dispositivo para distribuição da força 3 T 1,3 T 5,7 11 T 2,4 T 6,8 3 0, T 9 Célula de arga 1 Célula de arga 2 7,5 77 7,5 Figura 4 - Configuração esquemátia do ensaio e instrumentação externa para os modelos P1CJ. Figura 5 - Registro da instrumentação externa utilizada no ensaio do modelo P1CJ. Os ensaios foram realizados em ilos de arga e desarga na máquina universal de ensaios servohidráulia INSTRON, sob ontrole de desloamento do pistão a uma taxa de 0,005 mm/s. O sistema de aquisição de dados utilizado foi o System 5000 da Vishay. A realização do arregamento em ilos visou à estabilização do proesso de fissuração dos modelos. Nos dois primeiros ilos de arregamento, apliou-se uma força de 12 kn (aproximadamente 15% da força máxima estimada). No tereiro e quarto ilos, apliou-se uma força de 24 kn (aproximadamente 30% da força máxima estimada). Em seguida realizou-se um ilo om força de 36 kn (aproximadamente 45% da força máxima estimada). O modelo foi levado à ruptura no sexto ilo de arregamento. 2. RESULTADOS E DISCUSSÕES Os modelos romperam devido ao arranamento do laminado em um proesso em que se obsevaram fissuras inlinadas onentradas prinipalmente na região próxima às juntas. Na ruptura, observou-se arranamento de porçoes de onretos, algumas delas om amadas de laminados ainda aderidas. A Figura 6 ilustra o proesso de fissuração do modelo P1 CJ e seu aspeto após a ruptura. 5

6 Ligações viga-pilar reforçadas pela olagem de laminados de PRFC em entalhes no onreto 30 kn P1-CJ 45 kn P1-CJ 60 kn P1-CJ Ruptura P1-CJ Figura 6 - Proesso de fissuração do modelo P1 CJ. Na Quadro 2, omparam-se os valores de momento máximo (M máx ) e deformação máxima no laminado (ε Lmáx ), obtidos nos ensaios, om os valores estimados teoriamente (M u,fib e ε FIB ) de aordo om o FIB 9.3 TG [5], que enfoa o projeto de estruturas de onreto armadas om barras de FRP. Pelo modelo de álulo, previu-se a ruptura por esmagamento do onreto do banzo omprimido e assumiu-se a perfeita aderênia entre o reforço e o onreto. Embora isso não tenha sido observado, os valores experimentais de momento e deformação foram próximos dos teórios. Quadro 2 - Comparação entre valores experimentais e teórios de momento e deformação. M u,fib (kn.m) M máx (kn.m) M ufib / M máx ε FIB ( ) ε Lmáx ( ) ε FIB / ε Lmáx N1 CJ 12,83 11,30 1,14 11,37 8,62 1,32 N2 CJ 12,83 13,47 0,95 11,37 9,83 1,16 P1 CJ 12,83 12,78 1,00 11,37 11,27 1,01 As rigidezes dos modelos de ligação foram avaliadas em função das urvas momento x rotação. O momento foi alulado na seção intermediária em relação às juntas (Eq. 1), ou seja, a seção em que se fixou o quadro para suporte da instrumentação. Os valores da distânia entre o apoio e a seção referenial para a determinação do momento fletor (l m ) e da distânia vertial entre os transdutores (dv) foram de 11 m e 27 m, respetivamente (Fig. 7). A rotação foi alulada pela Eq. 2, em função da leitura dos transdutores de desloamento e da distânia vertial entre eles. É uma média das rotações obtidas para os dois lados da ligação de ada modelo. 6

7 Enontro Naional Betão Estrutural 2008 T. Fonsea et al. F M = l m 2 (1) média ( T1/ 3/ 5/ 7) média( T 2 / 4 / 6 / 8) φ = (2) d v Onde: M - momento na seção F - Força apliada (soma das leituras das élulas de arga posiionadas nos apoios) l m - distânia do apoio à seção referenial φ - rotação média (T1/3/5/ 7) - média das leituras dos transdutores superiores média (T 2/ 4/ 6/8) - média das leituras dos transdutores inferiores d v - distânia vertial entre os transdutores superiores e inferiores Medidas em entímetros F lm = 27 T 2,4 T 1,3 T 5,7 T 6,8 dv = 11 F/ Figura 7 Esquema estátio. F/2 A urva momento x rotação é notadamente não-linear om os trehos iniial e final próximos da linearidade (Fig. 8). Em vista disso, adotou-se uma simplifiação do omportamento da ligação dividindo-o em dois estágios. Aproximou-se a urva a um omportamento bi-linear. As inlinações dos trehos iniial (K i ) e final (K f ) foram definidas pela regressão linear (Fig. 8). No primeiro aso, de 0 a 30% da arga de ruptura. No segundo, de 70% até a arga de ruptura. O momento atuante na transição do primeiro para o segundo estágio é, por simplifiação, denominado momento de transição da ligação (M tr ). Os valores do momento de transição variaram de 54% a 64% do momento máximo na fae do pilar (Quadro 3). Os valores das rigidezes iniial e final, momentos máximos e momento de transição para todos os modelos estão reunidos no Quadro 3. Figura 8 - Curva momento x rotação do modelo P1 CJ e a aproximação bi-linear. 7

8 Ligações viga-pilar reforçadas pela olagem de laminados de PRFC em entalhes no onreto Quadro 3 - Resultados relaionados à urva momento x rotação. M máx (kn.m) K i K f M tr (kn.m) M tr / M máx (%) N1 CJ 11, ,10 191,70 6,67 59 N2 CJ 13, ,70 185,45 8,31 62 P1 CJ 12, ,80 398,20 7,61 60 Os limites de lassifiação quanto à rigidez segundo o Euroode 3 [6] têm omo variável o omprimento, L, da viga onetada pela ligação. Para que se pudessem lassifiar as ligações estudadas, estimou-se que o omprimento de uma viga ompatível om a seção do treho de viga do modelo (10 m x18 m) seria em torno de 1,80 m. Os limites de lassifiação segundo o Euroode 3 [6] foram alulados para esse omprimento de viga. Como todos os valores experimentais de rigidez foram menores que o limite superior (K superior ) e maiores que o limite inferior (K inferior ) do Euroode 3 [6], as ligações são lassifiadas omo semi-rígidas (Quadro 4). Quadro 4 - Classifiação das ligações quanto à rigidez. K i K superior K inferior N1 CJ 1514, ,13 522,82 N2 CJ 1489, ,13 522,82 P1 CJ 1814, ,13 522,82 Busou-se um meio teório de estimar a rigidez iniial da ligação. Considerou-se para isso que a rigidez da ligação é função da deformabilidade do onreto no treho em que se verifia a desontinuidade. A rotação da ligação, φ, foi onsiderada omo a razão entre o enurtamento da fibra mais omprimida do onreto, Δ l, ao longo do omprimento l L (Fig. 9) e a distânia à linha neutra, x. h x Af df ll b f f Figura 9 - Aspetos geométrios em que se baseou a formulação para estimativa da rigidez iniial. Δl φ = (3) x O enurtamento na fibra mais omprimida pode ser determinado por: Δ l = l ε (4) Onde: ε - deformação no onreto L Admite-se a Eq. 5 para álulo da deformação σ ε = (5) E Onde: E - módulo de elastiidade do onreto σ - tensão no onreto 8

9 Enontro Naional Betão Estrutural 2008 T. Fonsea et al. Adotando-se a inéria da seção fissurada, I II, alula-se a tensão no onreto. Mx σ = (6) I II Onde: M - momento atuante na seção A expressão para o álulo do enurtamento resulta em: l LMx Δ l = (7) E I II Substituindo na Eq. 3. l LM φ = (8) E I II A rigidez é a razão entre o momento e a rotação. M K i = (9) φ Por fim, define-se a Eq. 10 para estimativa da rigidez iniial da ligação. No Quadro 5 omparam-se os valores experimentais de rigidez iniial om aqueles alulados por meio da Eq. 10 (Ki, teório). EI II K i = (10) l L Quadro 5 - Comparação entre os valores teórios e experimentais da rigidez iniial. K i, teório K i K i, teório / K i N1 CJ 1875, ,1 1,24 N2 CJ 1875, ,7 1,26 P1 CJ 1875, ,8 1,03 A formulação para o álulo da rigidez iniial onduziu a valores oerentes e aeitáveis onsiderandose a simpliidade da idealização do omportamento da ligação. As diferenças perentuais entre os valores de K i, alulados pela Eq. 10 e obtidos experimentalmente, variaram de 3% a 26% 3. CONCLUSÕES Neste trabalho avaliou-se a apliabilidade da ténia NSM no reforço e inremento de rigidez de ligações viga-pilar de estruturas pré-moldadas. Para tanto, foram realizados ensaios em modelos reduzidos de ligação reforçados pela ténia proposta. Os resultados dos ensaios foram avaliados e permitiram as seguintes onlusões: O estudo realizado demonstrou que a ténia NSM é apliável ao inremento da rigidez e da resistênia de ligações de estruturas de onreto pré-moldado, om rapidez e efiiênia ompatíveis om o proesso industrializado; O proesso de exeução inerente à ténia de reforço foi testado, onluindo-se que ele tem ondições de ser assimilado sem grandes difiuldades pelos agentes exeutores; No tipo de ligação e onfiguração partiularmente analisada, a apliação do graute mostrou-se satisfatória, pratiamente reonstituindo a ondição de ligação monolítia, em relação aos esforços de ompressão; Desenvolveram-se expressões teórias que ofereem uma boa estimativa da rigidez iniial da ligação. 9

10 Ligações viga-pilar reforçadas pela olagem de laminados de PRFC em entalhes no onreto AGRADECIMENTOS Os autores agradeem ao Laboratório de Estruturas do Departamento de Engenharia de Estruturas, onde foram realizados os ensaios experimentais, à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), ao Conselho Naional de Desenvolvimento Científio e Tenológio (CNPq) e à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) que finania o projeto temátio Nuleação e inremento da pesquisa, inovação e difusão em onreto pré-moldado e estruturas mistas para a modernização da Construção Civil do qual fez parte está investigação. REFERÊNCIAS [1] BLASCHKO M.; ZILCH, K. - Rehabilitation of Conrete Strutures with PRFC Strips Glued into Slits. Proeedings of the Twelfth International Conferene on Composite Materials, Paris, [2] ASPLUND, S.O. Strengthening bridge slabs with grouted reinforement. Journal of the Amerian Conrete Institute, v. 20, n. 6, p , Jan., [3] DE LORENZIS, L.; TENG, J. G. Near-surfae mounted FRP reinforement: An emerging tehnique for strengthening strutures. Composites: Part B, 38, Available online 18 Otober [4] HELENE, P. R. L. Manual para Reparo, Reforço e Proteção de Estruturas de Conreto. PINI, São Paulo, [5] FEDERATION INTERNATIONALE DU BETON. FIB 9.3 TG FRP as reinforement in onrete (proposta de norma). Sheffield, Inglaterra, [6] COMITE EURO-INTERNATIONAL DU BETON. CEB-FIP Model Code for Conrete Strutures. Paris,

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Rem: Revista Esola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.om.br Esola de Minas Brasil Ando, Eunie Sumie; Lopes Moreno Junior, Armando; Reis de Oliveira, Clayton Reforço à flexão de vigas em onreto armado

Leia mais

INSERÇÃO DE LAMINADOS DE PRFC EM LIGAÇÕES VIGA-PILAR DE UM DE PÓRTICO DE CONCRETO

INSERÇÃO DE LAMINADOS DE PRFC EM LIGAÇÕES VIGA-PILAR DE UM DE PÓRTICO DE CONCRETO ISSN 1809-5860 INSERÇÃO DE LAMINADOS DE PRFC EM LIGAÇÕES VIGA-PILAR DE UM DE PÓRTICO DE CONCRETO Tatiana de Cássia Coutinho Silva da Fonseca 1 & João Bento de Hanai 2 Resumo Apresentam-se resultados de

Leia mais

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Rigidez à flexão em ligações viga-pilar Bruna Catoia 1 Roberto Chust Carvalho 2 Libânio Miranda Pinheiro 3 Marcelo de

Leia mais

APLICANDO A PROTENSÃO EM PONTES, PISOS, RESERVATÓRIOS E EDIFICAÇÕES

APLICANDO A PROTENSÃO EM PONTES, PISOS, RESERVATÓRIOS E EDIFICAÇÕES & Construções CONCRETO PROTENDIDO APLICANDO A PROTENSÃO EM PONTES, PISOS, RESERATÓRIOS E EDIFICAÇÕES Instituto Brasileiro do Conreto Ano XLIII 78 ABR-JUN 2015 ISSN 1809-7197 www.ibraon.org.br PERSONALIDADE

Leia mais

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Conreto Prof..S. Riardo Ferreira O traço Prof..S. Riardo Ferreira Fonte: Dario Dafio Eletrobras Furnas www.ement.org Traço 3/23 A expressão da proporção dos materiais omponentes de uma omposição partiular

Leia mais

Models for prevision of the modulus of elasticity of concrete: NBR- 6118 versus CEB

Models for prevision of the modulus of elasticity of concrete: NBR- 6118 versus CEB Teoria e Prátia na Engenharia Civil, n.12, p.81-91, Outubro, 08 Modelos para previsão do módulo de deformação longitudinal do onreto: NBR-6118 versus Models for prevision of the modulus of elastiity of

Leia mais

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado BE8 Encontro Nacional Betão Estrutural 8 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 8 Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado Bruna Catoia 1, Carlos A.T. Justo,

Leia mais

Dimensionamento de estruturas de aço e de estruturas mistas aço-concreto de edifícios em situação de incêndio

Dimensionamento de estruturas de aço e de estruturas mistas aço-concreto de edifícios em situação de incêndio AGO 003 Projeto de Revisão da NBR 1433 Dimensionamento de estruturas de aço e de estruturas mistas aço-onreto de edifíios em situação de inêndio Proedimento Origem: NBR 1433:1999 CB-0: Comitê Brasileiro

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

DOSAGEM DE TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO MÉTODO ACI/ABCP E MODELO PROPOSTO POR CAMPITELI. Junio de Matos Torres

DOSAGEM DE TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO MÉTODO ACI/ABCP E MODELO PROPOSTO POR CAMPITELI. Junio de Matos Torres 0 DOSAGE DE TRAÇOS DE ONRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO ÉTODO AI/ABP E ODELO PROPOSTO POR APITELI. Junio de atos Torres Garanhuns setembro de 2015 1 ONRETO DEFINIÇÃO onreto é basiamente o resultado

Leia mais

8 a Aula. Fundações por estacas

8 a Aula. Fundações por estacas Meânia dos Solos e Fundações PEF 522 8 a Aula Fundações por estaas Fundações por estaas Conreto Aço madeira 1 Capaidade de arga de estaas Q ult Q atrito lateral Q ult = Q atrito lateral + Q ponta Q ponta

Leia mais

26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia

26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Universidade ederal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 200 Assoiação rasileira de Métodos Computaionais em Engenharia Aoplamento entre o Método dos Elementos de Contorno e o Método dos Elementos

Leia mais

semi-rígidas no comportamento de vigas pré-moldadas protendidas

semi-rígidas no comportamento de vigas pré-moldadas protendidas /2008 Influência das ligações semi-rígidas no comportamento de vigas pré-moldadas protendidas BRUNA CATOIA* MARCELO DE ARAUJO FERREIRA** ROBERTO CHUST CARVALHO*** THIAGO CATOIA**** O presente trabalho

Leia mais

Estudo experimental do comportamento de chumbadores grauteados para ligações viga-pilar em concreto com fibras de aço

Estudo experimental do comportamento de chumbadores grauteados para ligações viga-pilar em concreto com fibras de aço Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Estudo experimental do comportamento de chumbadores grauteados para ligações viga-pilar em concreto com fibras de aço Ellen Kellen

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA Juliano Fiorelli (1); Antonio Alves Dias (2) (1) Aluno de mestrado Escola de Engenharia de São Carlos EESC USP, e-mail: fiorelli@sc.usp.br (2) Professor

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

Viga de ponte rolante industrial; Capacidade útil da ponte: 60 kn (6 tf); Vão simplesmente apoiado de 15 m; Apoios sobre consolos de concreto, sobre

Viga de ponte rolante industrial; Capacidade útil da ponte: 60 kn (6 tf); Vão simplesmente apoiado de 15 m; Apoios sobre consolos de concreto, sobre Viga de ponte rolante industrial; Capaidade útil da ponte: 60 kn (6 tf); Vão simplesmente apoiado de 15 m; Apoios sobre onsolos de onreto, sobre almofada de neoprene e fixação om humbadores de aço inox;

Leia mais

JOÃO GILBERTO TEIXEIRA SILVA

JOÃO GILBERTO TEIXEIRA SILVA JOÃO GILBERTO TEIXEIRA ILVA CONTRIBUIÇÃO AO PROJETO DE ELEMENTO ETRUTURAI DE CONCRETO ARMADO COM DECONTINUIDADE ATRAVÉ DO MODELO DE PAINÉI ENRIJECIDO. Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

Torção Deformação por torção de um eixo circular

Torção Deformação por torção de um eixo circular Torção Deformação por torção de um eixo irular Torque é um momento que tende a torer um elemento em torno de seu eixo longitudinal. Se o ângulo de rotação for pequeno, o omprimento e o raio do eixo permaneerão

Leia mais

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 1 Prof. Emérito / Instituto Militar de Engenharia / Seção de Engenharia de Fortificação

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Engenharia de Controle e Automação 9ª Série Controle e Servomeanismos I A atividade prátia supervisionada (ATPS) é um proedimento metodológio de ensino-aprendizagem

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

Osmometria de Membrana. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmichel@ima.ufrj.br

Osmometria de Membrana. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmichel@ima.ufrj.br Osmometria de Membrana Riardo Cunha Mihel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmihel@ima.ufrj.br O Fenômeno da Osmose * A osmose pode ser desrita omo sendo o resultado da tendênia do solvente em meslar-se

Leia mais

Practical formulas for calculation of deflections of reinforced concrete beams

Practical formulas for calculation of deflections of reinforced concrete beams Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.18, p.6-70 Novembro, 011 Fórmulas práticas para cálculo de flechas de vigas de concreto armado Practical formulas for calculation of deflections of reinforced concrete

Leia mais

Ensaios Realizados Antes da Execução da Recuperação e do Reforço

Ensaios Realizados Antes da Execução da Recuperação e do Reforço AVALIAÇÃO ESTÁTICA E DINÂMICA DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE VIADUTO... 95 AVALIAÇÃO ESTÁTICA E DINÂMICA DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE VIADUTO EM CONCRETO ARMADO Toshiaki Takeya João Bento de Hanai Docentes

Leia mais

FUNCIONAL FACHADA SUDOESTE. esc. 1/100 FACHADA SUDESTE. esc. 1/100 ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS

FUNCIONAL FACHADA SUDOESTE. esc. 1/100 FACHADA SUDESTE. esc. 1/100 ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS PARÂMETRO DESRIÇÃO IMAGEM SÍNTESE FUNIONAL ENTORNO IDENTIFIAR A RELAÇÃO DO EDIFÍIO OM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, ONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFIADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

Efficiency evaluation of Branson s equivalent inertia to consider physical nonlinearity of beams in simple form

Efficiency evaluation of Branson s equivalent inertia to consider physical nonlinearity of beams in simple form Volume 4, Number (August, 2011) p 50-547 SSN 198-4195 Effiieny evaluation of Branson s equivalent inertia to onsider physial nonlinearity of beams in simple form Avaliação da efiiênia da inéria equivalente

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica 2.1. Introdução Nesse capitulo são apresentados alguns estudos sobre o comportamento do reforço com CFC em elementos estruturais, de modo a salientar a importância da aderência

Leia mais

ESTUDO DAS LIGAÇÕES DE MONTAGEM EM ESTRUTURAS PRÉ- FABRICADAS DE CONCRETO 1

ESTUDO DAS LIGAÇÕES DE MONTAGEM EM ESTRUTURAS PRÉ- FABRICADAS DE CONCRETO 1 ESTUDO DAS LIGAÇÕES DE MONTAGEM EM ESTRUTURAS PRÉ- FABRICADAS DE CONCRETO 1 Carlos Henrique dos Santos 2 Rogério Eustáquio Cirilo 3 Ronilson Flávio Souza 4 RESUMO: Um dos fatores mais importantes durante

Leia mais

COEFICIENTES DE ATRITO

COEFICIENTES DE ATRITO Físia Geral I EF, ESI, MAT, FQ, Q, BQ, OCE, EAm Protoolos das Aulas Prátias 003 / 004 COEFICIENTES DE ATRITO 1. Resumo Corpos de diferentes materiais são deixados, sem veloidade iniial, sobre um plano

Leia mais

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.22, p.25-32, Outubro, 2013 Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Numerical and experimental evaluation

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

Curso de Data Mining

Curso de Data Mining Aula 7 - Os algoritmos SPIRIT Curso de Data Mining Sandra de Amo O esquema geral dos algoritmos SPIRIT é o seguinte: ETAPA 1 : Etapa do relaxamento R Calula-se o onjunto L das sequênias frequentes que

Leia mais

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO CURSO PRÁTICO DE DIAGNOSTICO, REPARO, PROTEÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO PROF. FERNANDO JOSÉ RELVAS frelvas@exataweb.com.br

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado

A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado M. Margarida Corrêa (1); João Carlos Vinagre (2); Regina Helena Souza (2) (1) Mestre, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

INFLUÊNCIA DO FURO ADAPTADOR EM MEDIDAS DE PRESSÃO NO CILINDRO DE COMPRESSOR HERMÉTICO

INFLUÊNCIA DO FURO ADAPTADOR EM MEDIDAS DE PRESSÃO NO CILINDRO DE COMPRESSOR HERMÉTICO INFLUÊNCIA DO FURO ADAPTADOR EM MEDIDAS DE PRESSÃO NO CILINDRO... 19 INFLUÊNCIA DO FURO ADAPTADOR EM MEDIDAS DE PRESSÃO NO CILINDRO DE COMPRESSOR HERMÉTICO Marelo Alexandre Real Mestre em Engenharia Meânia

Leia mais

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Erro! Fonte de referência não encontrada. - aje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

PROVA DE CARGA ESTÁTICA EM ESTACA HÉLICE CONTÍNUA NO DF: COMPARAÇÃO COM OS MÉTODOS DE PREVISÃO DE CAPACIDADE DE CARGA.

PROVA DE CARGA ESTÁTICA EM ESTACA HÉLICE CONTÍNUA NO DF: COMPARAÇÃO COM OS MÉTODOS DE PREVISÃO DE CAPACIDADE DE CARGA. POVA DE CAGA ESTÁTICA EM ESTACA HÉLICE COTÍUA O DF: COMPAAÇÃO COM OS MÉTODOS DE PEVISÃO DE CAPACIDADE DE CAGA. enato Cabral Guimarães 1 ; eusa Maria Bezerra Mota 2 ; Paulo Sérgio Barbosa Abreu 3 ; José

Leia mais

LIGAÇÕES DE APOIO DE PILARES EM PERFIL TUBULAR

LIGAÇÕES DE APOIO DE PILARES EM PERFIL TUBULAR CONSTRUMETAL 00 CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Pauo Brasi 3 de agosto a de setemro 00 LIGAÇÕES DE APOIO DE PILARES EM PERFIL TUBULAR Roerva José Pimenta Codeme Engenharia S.A. Afonso

Leia mais

Este curso consiste de uma introdução ao cálculo estrutural das vigas de concreto armado, ilustrada através do estudo de vigas retas de edifícios.

Este curso consiste de uma introdução ao cálculo estrutural das vigas de concreto armado, ilustrada através do estudo de vigas retas de edifícios. Introdução 1 1. Introdução O objetivo do cálculo de uma estrutura de concreto armado é o de se garantir: uma segurança adequada contra a ruptura decorrente das solicitações; deformações decorrentes das

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica Neste capítulo são apresentados trabalhos relacionados ao comprimento de ancoragem e a resistência de aderência do CFC-substrato de concreto. São mostradas de forma resumida as

Leia mais

Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Circuladores e Derivadores

Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Circuladores e Derivadores 4. Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Ciruladores e Derivadores 4.1. INTRODUÇÃO E ste apítulo apresenta as araterístias básias dos abos oaxiais, guias de ondas, iruladores e derivadores. O onheimento do funionamento

Leia mais

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Universidade Federal de Viçosa - Av. P.H. Rolfs s/n - Viçosa MG - 36.570-000

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

Comportamento Inter-temporal de Consumo

Comportamento Inter-temporal de Consumo Comportamento Inter-temporal de Consumo... 1 A Restrição Orçamental do Consumidor... 2 As Preferênias Inter-temporais do Consumidor... 5 O Equilíbrio Inter-temporal do Consumidor... 6 O Estudo de Consequênias

Leia mais

Resistência. dos Materiais II

Resistência. dos Materiais II Resistência Prof. MSc Eng Halley Dias dos Materiais II Material elaborado pelo Prof. MSc Eng Halley Dias Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Aplicado ao Curso Técnico de

Leia mais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Tema 2 - Reabilitação e Reforços de Estruturas Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Leandro Carvalho D Ávila Dias 1,a

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono

Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono Roberta Aparecida Tomaz, Flavia Lopes Soares, Paulo Henrique Maciel Barbosa Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix / roberta.tomaz2013@gmail.com

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DE VIGAS MISTAS EM AÇO E BETÃO LEVE

ANÁLISE EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DE VIGAS MISTAS EM AÇO E BETÃO LEVE CMNE/CILAMCE 2007 Porto, 13 a 15 de Junho, 2007 APMTAC, Portugal 2007 ANÁLISE EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DE VIGAS MISTAS EM AÇO E BETÃO LEVE Isabel Valente 1 *, Paulo J. S. Cruz 2 1,2: Departamento de Engenharia

Leia mais

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Engenharia Civil Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Gisele S. Novo Possato Engenheira, M.Sc., Doutoranda, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Doutoranda, PPGEC/ UFRGS, p.manica.lazzari@gmail.com 2,3

Doutoranda, PPGEC/ UFRGS, p.manica.lazzari@gmail.com 2,3 Análise Estrutural Não Linear de Vigas em Concreto Armado Utilizando o ANSYS 14.5 Paula Manica Lazzari 1, Américo Campos Filho 2, Francisco de Paula Simões Lopes Gastal 3 Resumo 1 Doutoranda, PPGEC/ UFRGS,

Leia mais

ANÁLISE DO LIMITE DO NÚMERO DE PAVIMENTOS EM ESTRUTURAS USUAIS DE MÚLTIPLOS PAVIMENTOS EM CONCRETO PRÉ-MOLDADO

ANÁLISE DO LIMITE DO NÚMERO DE PAVIMENTOS EM ESTRUTURAS USUAIS DE MÚLTIPLOS PAVIMENTOS EM CONCRETO PRÉ-MOLDADO ANÁLISE DO LIMITE DO NÚMERO DE PAVIMENTOS EM ESTRUTURAS USUAIS DE MÚLTIPLOS PAVIMENTOS EM CONCRETO PRÉ-MOLDADO Floor Limit analysis on Multi-storey usual precast concrete framed structures Marcelo Cuadrado

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes SUPRSTRUTUR s estruturas dos edifícios, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade é suportar e distribuir as cargas, permanentes e acidentais, atuantes

Leia mais

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE LIGAÇÕES ESTRUTURAIS REFORÇO DE ESTRUTURAS E ESTRUTURAS MISTAS LIGAÇÕES ENTRE DIFERENTES MATERIAS ESTRUTURAIS LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS ENG. TIAGO ABECASIS

Leia mais

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas Perfis mistos em aço Novas perspectivas Perfis mistos em aço Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da

Leia mais

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Ensaios de Stuttgart Reprodução em Laboratório Consorte, Anna Karlla G. Oliveira,

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND

ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND Ciro Maestre Dutra Gustavo de Souza Veríssimo José Carlos Lopes Ribeiro José Luiz Rangel Paes UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Tatiana Gesteira Martins de Almeida

Tatiana Gesteira Martins de Almeida REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO POR MEIO DE CABOS EXTERNOS PROTENDIDOS Tatiana Gesteira Martins de Almeida Dissertação aresentada à Esola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, omo

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL

1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL 1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL CARACTERIZAÇÃO EXPERIMENTAL DA RIGIDEZ À FLEXÃO EM MATERIAL COMPÓSITO CARBONO-EPÓXI CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI Aluno:

Leia mais

COMPARAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA COM DIESEL E BIODIESEL ANALISANDO TODOS OS CUSTOS ENVOLVIDOS

COMPARAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA COM DIESEL E BIODIESEL ANALISANDO TODOS OS CUSTOS ENVOLVIDOS COMPARAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA COM DIESEL E BIODIESEL ANALISANDO TODOS OS CUSTOS ENVOLVIDOS Miguel Edgar Morales Udaeta Riardo Laerda Baitelo Geraldo Franiso Burani José Aquiles Baesso Grimoni GEPEA-USP

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO AO ESFORÇO CORTANTE

DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO AO ESFORÇO CORTANTE 1309 Etrutura de Conreto II Dimenionamento de iga de Conreto rmado ao Eforço Cortante 1 DIMENSIONMENTO DE IGS DE CONCRETO RMDO O ESFORÇO CORTNTE 1. INTRODUÇÃO Uma viga de onreto armado reite a arregamento

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este trabalho tem como objetivo estudar a resistência do sistema de ancoragem composto de pinos com cabeça embutidos no concreto, quando submetidos a

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA. DIMENSIONAMENTO À TRAÇÃO Aulas 10 e 11 Eder Brito

ESTRUTURAS DE MADEIRA. DIMENSIONAMENTO À TRAÇÃO Aulas 10 e 11 Eder Brito ESTRUTURS DE MDEIR DIMESIOMETO À TRÇÃO ulas 10 e 11 Eder Brito .3. Tração Conforme a direção de aplicação do esforço de tração, em relação às fibras da madeira, pode-se ter a madeira submetida à tração

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

Aula 7 Sumário. O conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas

Aula 7 Sumário. O conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas Aula 7 Sumário Conjunto de instruções Coneitos Instruções típias O onjunto de instruções Bibliografia: Cap. do livro de teto ses.. a. ISA Instrution Set Arhiteture Conjunto de instruções Alguns oneitos...

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

19. SUSPENSÃO TRASEIRA

19. SUSPENSÃO TRASEIRA 19. SUSPENSÃO TRASEIRA INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 19-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 19-1 DESCRIÇÃO DOS SISTEMAS 19-2 ES 19-7 GARFO TRASEIRO 19-11 ARTICULAÇÕES DA SUSPENSÃO PRÓ-LINK 19-11 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO

Leia mais

CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65

CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65 CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65 ÍNDICE Introdução....................................................... 2 Características mecânicas dos diferentes materiais das lajes mistas...... 3 Condições de apoio................................................

Leia mais

Exame II. Citações e Notificações CURSO DE EMPREGADOS FORENSES DE AGENTE DE EXECUÇÃO. A preencher pelo formando:

Exame II. Citações e Notificações CURSO DE EMPREGADOS FORENSES DE AGENTE DE EXECUÇÃO. A preencher pelo formando: CURSO DE EMPREGADOS FORENSES DE AGENTE DE EXECUÇÃO Exame II Citações e Notifiações Duração: 1 hora 4 de Maio A preenher pelo formando: Nome do formando (ompleto e legível): Identifiação do Agente de Exeução:

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Campus Regional de Resende

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Campus Regional de Resende Universidade do Estado do io de Janeiro ampus egional de esende Tratamentos ísio-químios de Águas Prof. esar Pereira MÓULO I 1. ALEIAS No estudo dos tratamento de águas para aldeiras, onentraremos nossa

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE TEÓRICA-COMPUTACIONAL DE LAJES LISAS DE CONCRETO ARMADO COM PILARES RETANGULARES Liana de Lucca Jardim Borges,1,2 1 Pesquisadora 2 Curso de Engenharia Civil, Unidade Universitária de Ciências Exatas

Leia mais

Engº Marcelo Cuadrado Marin Engº Mounir Khalil El Debs

Engº Marcelo Cuadrado Marin Engº Mounir Khalil El Debs CONTRIBUIÇÃO PARA A AVALIAÇÃO DA REDUÇÃO DA RIGIDEZ DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADO DE EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS PAVIMENTOS PARA ANÁLISE DA ESTABILIDADE GLOBAL. Engº Marcelo Cuadrado Marin

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo IV. Colunas

Estruturas Metálicas. Módulo IV. Colunas Estruturas Metálicas Módulo IV Colunas COLUNAS Definição São elementos estruturais cuja finalidade é levar às fundações as cargas originais das outras partes. Sob o ponto de vista estrutural, as colunas

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

CASOS ESPECIAIS DE PROTENSÃO (1)

CASOS ESPECIAIS DE PROTENSÃO (1) PROTENSÃO (1) A protensão só é aplicada ao concreto quando a peça tiver condições de se deformar. Havendo impedimento de deslocamentos a protensão se desvia para eles Se uma laje lisa se apoia em pilares

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO CAPITULO 1 - Introdução 1 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO O estado gasoso O estado gasoso é ertamente o estado de agregação sob o qual menos nos debruçamos, se pensarmos na observação que fazemos daquilo que nos

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

Integrando Textura e Forma para a Recuperação de Imagens por Conteúdo

Integrando Textura e Forma para a Recuperação de Imagens por Conteúdo Integrando Textura e Forma para a Reuperação de Imagens por Conteúdo André G. R. Balan 1, Agma J. M. Traina, Caetano Traina Jr. 3, Paulo M. Azevedo-Marques 4 1,,3 Grupo de Base de Dados e Imagens (GBDI),

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

LUCIANO CAETANO DO CARMO

LUCIANO CAETANO DO CARMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL LUCIANO CAETANO DO CARMO DUCTILIDADE DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL E DE ALTA RESISTÊNCIA REFORÇADAS

Leia mais

ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO Anderson Borges da Silva (1), Prof. Esp. Alexandre Vargas (2) RESUMO UNESC Universidade

Leia mais

Estudo da confiabilidade de vigas de concreto armado deterioradas pela agressividade do ambiente marítimo

Estudo da confiabilidade de vigas de concreto armado deterioradas pela agressividade do ambiente marítimo Estudo da confiabilidade de vigas de concreto armado deterioradas pela agressividade do ambiente marítimo Charlei M. Paliga 1, Mauro V. Real 2 & Américo Campos Filho 3 1 Departamento de Materiais e Construção

Leia mais

Avaliação do desempenho estrutural de pontes

Avaliação do desempenho estrutural de pontes Avaliação do desempenho estrutural de pontes Luís Oliveira Santos Laboratório Nacional de Engenharia Civil Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

Leia mais