AÇÃO CIVIL PÚBLICA POR ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AÇÃO CIVIL PÚBLICA POR ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA"

Transcrição

1 EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE CACHOEIRA DOURADA-GO. Autos Extrajudiciais nº O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS, por intermédio do Promotor de Justiça in fine assinado, legitimado conforme o art. 129, inciso III, da Constituição da República, vem, respeitosamente, perante Vossa Excelência, com base na inclusa documentação, nos termos do art. 37, caput e 4º, da Constituição da República e arts. 4º, 9º caput e incisos IV e XII, 10 caput inciso XIII e 11, caput e inciso I, da Lei n /92, propor, pelo rito ordinário, a presente AÇÃO CIVIL PÚBLICA POR ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA em desfavor de: 1

2 JOÃO BATISTA DE SOUZA, brasileiro, casado, Vereador pela Câmara Municipal de Cachoeira Dourada-GO, nascido em 09/10/1967, natural de Cachoeira Dourada-GO, filho de Faustino de Souza e Maria Félix de Souza, portador da Carteira de Identidade RG n.º /SSP-GO, e do CPF n.º , residente na Avenida Antônio Venâncio Pereira, Setor Noroeste, nesta cidade e comarca, tendo em vista os fatos e fundamentos a seguir aduzidos: OS FATOS No dia 28/03/2012, os então Vereadores ADEMIR TEÓFILO SILVA e ISAÍAS PEREIRA DA SILVA compareceram na Promotoria de Justiça local, noticiando o uso indevido do veículo da Câmara de Vereadores de Cachoeira Dourada, nos termos seguintes: QUE o referido veículo é destinado a atender as necessidades da Câmara, no entanto, tem deixado de atender aos assuntos de interesse da Câmara, para atender interesse de particulares, por exemplo, conduzir eleitores do então Presidente da Câmara a diversas cidades deste e de outros Estados; QUE tal veículo, durante os finais de semana, fica sob a responsabilidade do então Presidente, João Batista Souza, que, inclusive, conduz o referido veículo, sendo por este utilizado para atender seus interesses particulares. Que o motorista responsável é o Sr. PERCIVAL ALMEIDA TAVARES, contrado (sic) para o cargo pela Câmara de Vereadores; QUE não há qualquer controle das despesas do combustível utilizado pelo referido veículo; QUE acreditam que o pagamento do combustível é feito pela Prefeitura de 2

3 Cachoeira Dourada, tendo em vista que a Câmara não tem conta nos postos de combustíveis da cidade; QUE a manutenção do veículo também é feita pela Prefeitura de Cachoeira Dourada, também, sem qualquer controle; (fls. 08) Com a cautela exigida para o caso, o Ministério Público continuou a investigação. Contudo, no dia 25/05/2012, a ONG Transparência Cachoeirense apresenta ao MP delação idêntica àquela dos prefalados Vereadores: Que, o veículo placa oficial do Poder Executivo de Cachoeira Dourada/GO, SANTANA Placa-NFU 0045, encontra-se a serviço da Câmara Municipal de Cachoeira Dourada/GO, com todas as despesas com combustível e manutenção a cargo da Secretaria Municipal de Assistência Social; Que, esse veículo, Santana NFU 0045 têm sua utilização frequentemente indevida para práticas que não condizem com as atribuições do Poder Legislativo. Hora utilizado para práticas sociais; Hora para atender particularidades do Presidente da Câmara Municipal, Vereador João Batista de Souza, em flagrante afronta aos princípios da eficiência, da finalidade e da moralidade administrativa; Que, em várias ocasiões, até mesmo às madrugadas e finais de semana e/ou feriados, o SANTANA NFU 0045 tem sido visto transportando o Vereador João Batista de Souza para festas na cidade, em bares consumindo bebidas alcoólicas, em campos de futbool assistindo a jogos, etc. Fatos estes presenciados e que poderão ser confirmados por várias pessoas em Cachoeira Dourada abaixo arroladas; (fls. 12) Realizada a investigação pela Promotoria de Justiça em sede de inquérito civil público, houve a confirmação de que o requerido João Batista de Souza, na qualidade de Presidente da Câmara de Vereadores de Cachoeira Dourada, utilizou o veículo oficial para satisfazer interesse particular. 3

4 Cumpre ressaltar que o referido veículo SANTANA, placa NFU , pertence ao Município de Cachoeira Dourada, embora realizado um contrato de cessão de uso à Câmara Municipal de Cachoeira Dourada (fls. 35/37). Além disso, a cláusula segunda do contrato (fls. 35), que estipula os encargos e obrigações da casa legislativa contemplada, não previu para esta o dever de abastecimento do veículo, fazendo supor que, a contrário senso, este último seria de responsabilidade do Executivo. Portanto, já não havia dúvida, naquele momento da investigação, de que o bem e sua manutenção saíam do erário municipal. É importante pontuar que inexistia na Câmara qualquer controle ou registro das atividades do famigerado veículo, fato que dificultou a investigação. A oitiva de testemunhas tornou-se imperiosa. As testemunhas ouvidas nos autos confirmaram a improbidade imputada ao réu, e relataram que em várias ocasiões, inclusive às madrugadas, finais de semana e feriados, o Vereador João Batista de Souza utilizava o veículo oficial da Câmara para fins pessoais, como festas na cidade, bares, campos de futebol etc. São depoimentos coincidentes de Vereadores e cidadãos. E, por isso, tomamos a liberdade de colacioná-los, integralmente, para destacar a similitude das versões: que confirma a representação de fls. 12/14; que o próprio declarante já viu, em diversas ocasiões, o Presidente da Câmara local, o Sr. JOÃO BATISTA DE SOUZA, utilizando o veículo do legislativo em fins particulares; que o declarante já viu JOÃO BATISTA assistindo a um jogo de futebol no estádio, num domingo a tarde, e o carro da câmara encontrava-se estacionado no mesmo local; que outro dia, 4

5 no meio da semana, depois das 18h00min, JOÃO BATISTA estava no Espetinho Ademir Buchão tomando uma cerveja, e o carro da câmara estava estacionado em frente ao mesmo bar; que em outra situação o declarante viu o carro da câmara estacionado defronte à casa do SGT. MESQUITA, chefe de segurança da ENDESA, onde ocorria uma festa, isso em pleno sábado, ao meio dia, embora não tenha visto JOÃO BATISTA; que em todas essas situações o declarante presenciou as irregularidades noticiadas; que num sábado, enquanto o declarante fazia caminhada, pode ver JOÃO BATISTA dirigindo-se para a feira da vila operária, com o veículo da câmara ; que ELAINE MARTINS, membra da ONG transparência Cachoeirense, ligou para o declarante, noticiando que JOÃO BATISTA estaria na feira da vila operária, com claros sinais de embriaguez, sendo que a mesma ELAINE viu JOÃO BATISTA chegando no veículo da câmara; que BALTO ARMANDO SILVA, exmembros da mesma ONG, noticiou o declarante que já viu JOÃO BATISTA, inúmeras vezes, consumindo bebida alcoólica no Bar do Tonheca, na vila operária, sendo que o mesmo JOÃO BATISTA estava com o veículo da câmara; que em todas essas situações narradas, JOÃO BATISTA encontrava-se com o veículo SANTANA, placa 0045; que o ex-vereador ZÉ TOLA contou ao declarante que já presenciou, por diversas vezes, JOÃO BATISTA no Bar Último Gole (antiga saída para Itumbiara), com o veículo da câmara; que o declarante arrolou as testemunhas de fls.14, haja vista que todas elas afirmam que já presenciaram o uso indevido do veículo da câmara JOÃO BATISTA, e estão dispostas a prestar informações ao Ministério Público; que esse veículo do legislativo, na verdade, pertence ao Executivo; que tal veículo, na verdade, era utilizado pela Secretaria de Ação Social, sendo que as despesas pagas com o carro (combustível, manutenção com o veículo etc) continuam sendo suportadas pela prefalada Secretaria, embora esteja sendo utilizado pelo legislativo; que o legislativo não possui ao questionar formalmente os gastos com o referido veículo, ouviu de JOÃO BATISTA, que esse controle deve ser feito pela Secretaria de Ação Social, já que o veículo não pertence ao legislativo; que embora o veículo não seja da Câmara, esta possui motorista próprio, pago pelo Legislativo; (SÉLIO ANTÔNIO MOREIRA DA SILVA, fls. 18/19) 5

6 QUE uma única vez, não sabendo precisar a data, mas que foi durante um fim de semana, presenciou o presidente da Câmara Municipal de Cachoeira Dourada, JOÃO SAPATEIRO, assistindo uma partida de futebol, no campo do lado do Ginásio de esportes dessa cidade, e o carro da Câmara, um santana, cor prata, placa final 0045, estacionado no local, e ao lado, o motorista Belinho ; QUE informa que JOÃO SAPATEIRO patrocina times de futebol de Cachoeira Dourada, doando materiais esportivos como chuteiras, uniformes entre outros; QUE neste dia, o declarante parou no local, onde permaneceu por algum tempo, na companhia do SR. GEOVANE, proprietário do estabelecimento comercial Loja do Povo, nesta cidade; QUE não presenciou o momento em que JOÃO SAPATEIRO deixou o local; QUE o declarante reside na cidade de Itumbiara, e trabalha na empresa ENDESA, nesta cidade de Cachoeira Dourada; QUE frequentemente avista o veículo da Câmara, de manhã, na rodovia, sentido Itumbiara (GO); QUE nestes trajetos, o motorista geralmente está acompanhado de moradores da cidade, dando a impressão de que o carro está atendendo a interesses pessoais destas pessoas; QUE este automóvel foi adquirido pela Prefeitura de Cachoeira Dourada, durante o governo de Sr. LAURO, razão pela qual, tem placa 0045, QUE nunca ouviu dizer que há controle de viagens ou de combustível do referido veículo; que por ouvir dizer, o Sr. JOÃO SAPATEIRO é frequentemente visto no mercadinho do Tonheca, na Vila Operária, nesta cidade; QUE neste local, JOÃO SAPATEIRO geralmente é visto fora do horário de expediente da Câmara, consumindo bebidas alcoólicas; (ADENIR MATEUS ALVES, fls. 20/21) que sabe do uso irregular do veículo da Câmara de Vereadores de Cachoeira Dourada pelo seu Presidente o Sr. JOÃO BATISTA DE SOUZA; que o declarante só não possui fotos que comprovam os fatos; que o declarante, contudo, já viu JOÃO BATISTA bebendo em bares da cidade, e o veículo da Câmara, na mesma ocasião, estacionado nas proximidades; que até poucos dias o veículo, nos períodos noturnos e dias não úteis, permanecia na casa de JOÃO BATISTA, pois este estava sem veículo em razão do seu carro pessoal estar apreendido; que a permanência do veículo na residência de JOÃO BATISTA ocorreu apenas alguns dias; que o declarante já recebeu ligação de morador 6

7 da região Boa Vereda (zona rural), informando que JOÃO BATISTA encontrava-se num aniversário, indo para lá no veículo do legislativo; que muita gente na cidade atesta que JOÃO BATISTA utiliza o veículo oficial da Câmara para fins pessoais; que o veículo, na verdade, não pertence ao Poder Legislativo, ma sim ao Executivo especificamente à Secretaria de Ação Social; que o declarante afirma que os gastos com o veículo (manutenção e abastecimento) são suportados pela pasta da Ação Social; que o motorista do veículo utilizado pelo Legislativo é PERCIVAL, vulgo Belinho; que tal motorista é contratado pelo Legislativo; que o veículo tem viajado muito, até 04(quatro) dias semanais; que o declarante conversa com as pessoas que se utilizam do veículo da Câmara, sendo que algumas se valem do carro para ir a Barretos (tratamento de câncer), ou para ir a médico em Goiânia, ou mesmo para ir a clínicas em Uberlândia; que o veículo vem sendo utilizado para atender a interesses dos administrados; que inexiste qualquer forma de controle formalizado do veículo, como Kilometragem, consumo de combustível e destinos, sendo que o deferimento de seu uso passa apenas pelo crivo pessoal de JOÃO BATISTA. (ISAÍAS PEREIRA DA SILVA, fls. 22/23) QUE a Câmara Municipal de Cachoeira Dourada possui apenas um veículo a sua disposição, sendo ele: um santana, cor cinza; QUE esse veículo pertence a Prefeitura de Cachoeira Dourada, lotado no Departamento Social; QUE o veículo foi cedido para a Câmara no ano de 2011, não sabendo indicar a data, nem se houve contrato; QUE o motorista do veículo é o Sr. PERCIVAL ALMEIDA TAVARES; QUE apesar de haver o motorista, o Presidente da Câmara, o Sr. JOÃO BATISTA também dirige o veículo; QUE fora do horário de expediente, o veículo permanece ou na casa do motorista ou do Presidente da Câmara; QUE várias vezes, presenciou o Presidente da Câmara, JOÃO BATISTA, fora do horário de expediente, conduzindo o veículo da Câmara, como por exemplo, em campos de futebol, nos Distritos de Nilópolis e Almerindonópolis, bem como próximo a dentro do referido estabelecimento; QUE uma vez recebeu ligação telefônica do Sr. ALENCAR, residente nas proximidades do referido bar, informando que o Sr. JOÃO BATISTA estaria no Bar, e o veículo da Câmara estacionado nas proximidades do local; QUE o veículo também tem sido utilizado para levar moradores de Cachoeira Dourada, apara as cidades 7

8 de Barretos (MG), Goiânia (GO), entre outras, para tratamento médico; QUE já solicitou o veículo, tendo que arcar com as despesas de combustível; QUE não tem conhecimento se é feito algum controle de viagens ou de abastecimento do veículo, pelo motorista da Câmara; QUE apesar do carro estar a disposição da Câmara, não há ordens de pagamento ou empenho de combustível do veículo, QUE já verificou a existência de pagamentos de diárias, de ordens de serviços, porém, nenhum pagamento de combustível relativo ao veículo; QUE não tem conhecimento de quem tem arcado com as despesas do combustível do veículo, sabendo apenas, que não é a Câmara Municipal de Cachoeira Dourada, e que o Departamento de Assistencia Social cedeu a Câmara o veículo SANTANA, e firmou, aproximadamente, 04 (quatro) contratos de locação de veículos, pagando, em média, o valor de R$ 4.000,00, mensais, pada cada veículo locado; Nada mais disse, nem lhe foi perguntado. (ADEMIR TEÓFILO SILVA, fls. 24/25) QUE na Câmara Municipal de Cachoeira Dourada há apenas um veículo, sendo ele: um santana, cor cinza, QUE não sabe informar de quem é a propriedade do veículo, se da Câmara ou da Prefeitura; QUE uma vez, não se recordando a data, mas que se tratava de um sábado, por volta das 11h00min, presenciou o Presidente da Câmara, JOÃO BATISTA, consumindo bebida alcoólica no bar do Mariano, situado no Bairro Cerâmica, enquanto o carro da Câmara permanecia estacionado na rua do declarante, próximo ao local; QUE já presenciou JOÃO BATISTA conduzindo o veículo Câmara pelas ruas desta cidade, no período matutino, mas não sabe informar se era para atender interesse particular ou da Câmara; que já presenciou também, JOÃO BATISTA assistindo partida de futebol no campo ao lado do ginásio de esportes, por volta das 16h00min, aos sábados, enquanto o veículo da Câmara permanecia estacionado no local; QUE em relação ao fato noticiado na representação de fls 12/14, de que o carro da Câmara tem sido utilizado com finalidade social, informa que desconhece o fato, mas, por várias vezes, cruzou com o veículo na rodovia indo ou voltando da cidade de Itumbiara, transportando pessoas que não são servidoras da Câmara Municipal; QUE conhece o motorista da Câmara, o Sr. Belinho; QUE não sabe informar se é feito pela Câmara 8

9 Municipal algum controle de viagem ou de abastecimento do referido veículo; (FRANCISCO DONIZETE MARQUES ESTEVAM, fls. 26/27) QUE em relação aos fatos noticiados nas representações de fls. 08 e 12/14, dos autos , informa que já presenciou o atual presidente da Câmara, JOÃO BATISTA, dirigindo o veículo da Câmara, um santana, cor cinza, para atender seus interesses particulares; QUE na Câmara Municipal há apenas o referido veículo; QUE não é feito qualquer controle de viagem ou de consumo de combustível do referido veículo; QUE o combustível utilizado pelo veículo da Câmara não é pago pela Câmara, mas pela Prefeitura, não sabendo indicar por qual secretaria; QUE o veículo deveria permanecer, a noite e aos finais de semana, no estacionamento da Câmara, mas isso não ocorreu, permanecendo o veículo, fora do horário de expediente, ou na residencia de JOÃO BATISTA ou do motorista; QUE fato é de fácil constatação tendo em vista que, nunca é visto estacionado no prédio da Câmara, fora do horário de expediente; QUE a declarante trabalha no Posto de Saúde de Nilópolis, e no dia 17/04/2012, por volta das 12h00min, em visita domiciliar realizada na zona rural, esteve na fazenda do pai do Sr. Cláudio Queiroz, onde estava sendo realizado um almoço em comemoração ao aniversário de sua esposa; QUE neste dia, a declarante encontrava-se na companhia da enfermeira ANA PAULA DOS REIS AQUINO e da agente de saúde LETÍCIA; QUE foram convidados para almoçar com eles, porém tinham que concluir o serviço realizado, momento em que se dirigiram até a residência do ANTONIO DUARTE MACIEL, conhecido como TOINZINHO RITINHA, na entrada de de Nilópolis; QUE so sair da residência de TOINZINHO, avistou o veículo da Câmara conduzido por JOÃO BATISTA, passar em sentido a fazendo do pai de Claudio QUEIROZ; QUE desceu do veículo o Sr. RADAMES, que abriu a porteira da fazendo, e em seguida, seguiram no veículo da Câmara em sentido a referida fazenda; QUE acredita que JOÃO BATISTA e RADAMÉS utilizaram o veículo da Câmara ora irem até a referida fazenda para participarem do almoço que estava sendo ali realizado; QUE já solicitou o veículo da Câmara, sendo-lhe negado o pedido, em razão de ter sido cedido para a Sra. Sirlene, Secretária do Departamento de Assistência Social; (NATÁLIA CAMARDELLI CAJAZEIRA PRATES, fls. 28/29) 9

10 QUE não se recorda a data, mas que se tratava de janeiro ou fevereiro, num sábado, no período noturno, na Praça da Vila Operadora, se onde se realizava uma feirinha, ao estacionar seu veículo, percebeu que o veículo SANTANA, de propriedade da Câmara Municipal de Cachoeira, também estava estacionado no local; QUE para chegar a feira, passou ao lado do referido veículo; QUE na Feirinha, avistou o então presidente da Câmara Municipal de Cachoeira Dourada, JOÃO BATISTA, em uma das barracas; QUE não observou JOÃO BATISTA, não sabendo dizer se este estava acompanhado ou fazia uso de bebida alcoólica; QUE não sabe dizer quem era o motorista da Câmara à época do referido fato; QUE acredita que JOÃO BATISTA era quem conduzia o veículo da Câmara Municipal, QUE nada sabe informar sobre o pagamento de combustível do referido veículo; QUE a única vez que presenciou JOÃO BATISTA utilizando o carro da Câmara Municipal fora do horário de expediente foi no caso acima relatado; (HELAINE MENEZES SANTOS MARTINS, fls. 48) QUE é vereador e Cachoeira Dourada (GO); QUE a Câmara Municipal de Cachoeira Dourada possui apenas um veículo oficial, sendo um SANTANA, cor PRATA, Placa NFU- 0045; QUE este veículo pertence, na verdade, à Secretaria de Assistência Social do Município de Cachoeira Dourada, e possui placa preta, com indicação do Poder Executivo; QUE segundo informação prestada ao declarante pelo então presidente da Câmara, JOÃO BATISTA, o pegamento do combustível utilizado pelo veículo da Câmara é feito pela Secretaria de Assistência e Promoção Social de Cachoeira Dourada; QUE em análise aos balancetes da Câmara Municipal, não foi constatado nenhum pagamento de combustível ou despesa de manutenção do veículo utilizado pela Câmara; QUE o Sr. PERCIVAL DE ALMEIDA TAVARES, vulgo BELINHO, foi contratado pela Câmara Municipal de Cachoeira Dourada, como motorista; QUE por mês, são pagas mais de 30(trinta) ordens de viagens em nome de BELINHO ; que esse número de pagamento é abusivo; QUE o que justifica esses número de viagens, são as ações sociais realizadas pelo Presidente da Câmara, como por exemplo, levar gente em hospitais, para consulta em Itumbiara, Uberlândia e Goiânia, bem como para fazerem compras em Itumbiara; QUE, inclusive, na data de 10

11 ontem (25/07/2012), no período vespertino, os vereadores ISAÍAS e ADEMIR viram o referido veículo sendo utilizado pela ex-esposa de JOÃO BATISA, a Sra. Sávia, para fazer compras em uma loja de Itumbiara, na rua do Tubarão dos Tecidos, em frente a loja Kaue uniformes; QUE JOÃO BATISTA utiliza o veículo da Câmara para levar pessoas de Cachoeira Dourada, que trabalham fora, para os respectivos locais de trabalho, inclusive, para outros Estados; QUE informa que isso já ocorreu com o Sr. PEDRÃO, pai do TONINHO, que foi levado até a cidade de Goiânia, para a realização de tratamento médico, há aproximadamente 30 (trinta) dias; QUE com isso, o Presidente da Câmara se beneficia com o referido carro, se promovendo politicamente; QUE o veículo da Câmara deveria ficar estacionado em frente à Câmara, fora do horário de expediente, o que nunca ocorre, tendo em vista que é utilizado pelo Sr. JOÃO BATISTA, fora do horário de expediente, para atender aos interesses pessoais deste; QUE inclusive, por diversas vezes, presenciou o Sr. JOÃO BATISTA, de posse do veículo da Câmara em bares da cidade de Cachoeira Dourada, consumindo bebida alcoólica; QUE já presenciou JOÃO BATISTA nos seguintes bares: BUCHÃO, no centro da cidade e no BAR DO TONHECA, na Vila Operária; QUE não saber precisar as datas, mas que eram sempre em horário noturno; QUE certa vez, presenciou JOÃO BATISTA, com o Carro da Câmara, na porta do Sr. IRINEU, consumindo whisky, e uma garra ao lado; QUE isso foi por volta das 18h00min; QUE não tem conhecimento da existência de controle de combustível ou viagens do referido veículo; QUE todas as vezes em que presenciou JOÃO BATISTA, fora do horário de expediente da Câmara, com o veículo oficial, o motorista BELINHO não se fazia presente; QUE o veículo nem sempre fica a disposição dos demais vereadores; (IZOLDINO SALVADOR SILVA FILHO, fls. 49/50) Tão grave quanto a abusiva utilização do veículo em atividade particular é o fato de que todo o combustível consumido pelo requerido foi pago pelos cofres públicos. 11

12 A utilização do veículo para satisfação de compromisso privado causou prejuízo ao Município de Cachoeira Dourada, tanto pela utilização do veículo quanto pelos gastos de combustíveis a custa do Erário. O requerido João Batista de Souza agiu com inobservância dos deveres de honestidade, legalidade, lealdade e fidelidade à Instituição e também não respeitou o dinheiro arrecadado do contribuinte, porque utilizou bens e valores do Município para atender a objetivos particulares em detrimento dos superiores interesses públicos e sociais. O requerido ainda laborou com flagrante desvio de finalidade, pois não visou à satisfação do interesse público, mas sim atender indevidamente interesses exclusivamente particulares, desviando-se deliberadamente da finalidade pública e do objetivo da lei. Enfim, o requerido violou de forma patente princípios de ordem constitucional como legalidade, moralidade e impessoalidade, consagrados no art. 37, 4º, da Constituição da República. A conduta do requerido importou também em enriquecimento ilícito, tanto pelo uso indevido do veículo público em atos privados, quanto pelo consumo de quantidades de combustíveis a custa do Erário. Toda a conduta do requerido João Batista de Souza adredemente narrada, configura ato de improbidade administrativa previsto na Lei n /92, especialmente em seu art. 4º, art. 9º, caput e incisos IV e XII, art. 10 caput e inciso XIII e art. 11, caput e inciso I. 12

13 Portanto, a imposição ao requerido das sanções estatuídas no art. 12, incisos I, II e III, da Lei Anticorrupção é medida que se impõe O DIREITO seguintes dispositivos legais: A conduta atribuída ao requerido violou em especial os Constituição da República: Art A administração pública direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade impessoalidade, moralidade, publicidade e também, ao seguinte: 4º - Os atos de improbabilidade administrativa importarão a suspensão dos direitos políticos, a perda da função pública, a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário, na forma e gradação previstas em lei, sem prejuízo da ação penal cabível. Lei n , de : Art. 4º - Os agentes públicos de qualquer nível ou hierarquia são obrigados a velar pela estrita 13

14 observância dos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade no trato dos assuntos que lhe são afetos. Art. 9º- Constitui ato de improbidade administrativa importando enriquecimento ilícito auferir qualquer tipo de vantagem patrimonial indevida em razão do exercício de cargo, mandato, função, emprego ou atividade nas entidades mencionadas no artigo. 1º desta Lei, e notadamente: IV - utilizar, em obra ou serviço particular, veículos, máquinas, equipamentos ou material de qualquer natureza, de propriedade ou à disposição de qualquer das entidades mencionadas no artigo. 1º desta Lei, bem como o trabalho de servidores públicos, empregados ou terceiros contratados por essas entidades; XII - usar, em proveito próprio, bens, rendas, verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial das entidades mencionadas no artigo. 1º desta Lei; Art Constitui ato de improbidade administrativa que causa lesão ao erário qualquer ação ou omissão, dolosa ou culposa, que enseje perda patrimonial, desvio, apropriação, malbaratamento ou 14

15 dilapidação dos bens ou haveres das entidades referidas no art. 1º desta Lei, e notadamente: XIII - permitir que se utilize, em obra ou serviço particular, veículos, máquinas, equipamentos ou material de qualquer natureza, de propriedade ou à disposição de qualquer das entidades mencionadas no artigo 1º desta Lei, bem como o trabalho de servidor público, empregados ou terceiros contratados por essas entidades. Art Constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade e lealdade às instituições, e notadamente: I - praticar ato visando fim proibido em lei ou regulamento ou diverso daquele previsto na regra de competência IMPROBIDADE - ENRIQUECIMENTO ILÍCITO Observe-se que, em linhas volvidas, o Ministério Público afirmou que a conduta do requerido constituiu ato de improbidade administrativa, importando enriquecimento ilícito tanto pelo uso indevido do veículo público em atos privados, quanto pelo consumo em benefício próprio de combustíveis a custa do erário. 15

16 afirmação. Assim, importa expor aqui os fundamentos que justificam essa A expressão vantagem patrimonial consignada no artigo 9º, caput, da Lei 8.429/92, não traduz apenas a ideia de vantagem econômica, mas, como acentua Marcelo Figueiredo 1, o conceito legal de vantagem patrimonial refere-se inclusive a aspectos da moralidade administrativa, ao fim visado pelo agente, à análise da licitude da conduta. Francisco Bilac Moreira Pinto, citado por Marcelo Figueiredo, leciona que a expressão vantagem econômica 2 compreende genericamente todas as modalidades de prestações positivas ou negativas de que se beneficie quem aufira enriquecimento ilícito... A vantagem econômica, sob forma de prestação negativa, compreende a utilização de serviços, a locação de móveis ou imóveis, o transporte ou a hospedagem gratuitos ou pagos por terceiro. O sempre acatado De Plácido e Silva ensina que 3 o enriquecimento não se opera simplesmente com o aumento material do patrimônio de uma pessoa. Também ocorre pela aquisição de uma vantagem, mesmo que não importe em aumento patrimonial. Enfim, como anota Marcelo Figueiredo, 4 infringe a norma todo agente que obtenha, receba, perceba, direta ou indiretamente, um interesse que afronte o padrão jurídico da probidade administrativa, tal como encartada 1 in Probidade Administrativa, 2ª edição, editora Malheiros, p in ob. cit. p in Vocabulário Jurídico, 10ª edição, v. I/172, Forense, in ob. cit. pp. 37 e

17 na Constituição da Federal e nas leis... A conduta e a previsão legal não se prendem exclusivamente ao econômico... Pretendeu-se não esgotar o rol de situações tidas como pertinentes ao conceito de vantagens indevidas. Em cada caso concreto, além das disposições específicas dos incisos do artigo. 9º, deverá o aplicador e intérprete da lei dar-lhe concreção. E conclui: 5 de improbidade se trata a hipótese em que determinado agente público desloca, para sua residência particular, funcionários públicos, para serviços notoriamente privados, ou quando o agente público utiliza maquinário, veículos, material público de qualquer natureza para fins nítida e exclusivamente privados, incidindo, nesse caso, as sanções da Lei n /92, independentemente do efetivo prejuízo ao erário ou às entidades mencionadas na lei. Nesta linha, afigura-se realmente que a conduta do requerido constitui ato de improbidade administrativa, importando enriquecimento ilícito, tanto pelo uso indevido do veículo público em atos privados, quanto pelo consumo em benefício próprio de combustível pago pelo erário, exatamente como dispõem o artigo 9º, caput, e seus incisos IX e XII. Verbis: Art. 9º- Constitui ato de improbidade administrativa importando enriquecimento ilícito auferir qualquer tipo de vantagem patrimonial indevida em razão do exercício de cargo, mandato, função, emprego ou atividade nas entidades mencionadas no artigo. 1º desta Lei, e notadamente: 5 Fábio Medina Osório, in Improbidade Administrativa, editora Síntese, p

18 IV - utilizar, em obra ou serviço particular, veículos, máquinas, equipamentos ou material de qualquer natureza, de propriedade ou à disposição de qualquer das entidades mencionadas no artigo. 1º desta Lei, bem como o trabalho de servidores públicos, empregados ou terceiros contratados por essas entidades; XII - usar, em proveito próprio, bens, rendas, verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial das entidades mencionadas no artigo. 1º desta Lei; IMPROBIDADE POR VIOLAÇÃO AOS DEVERES DE OBEDIÊNCIA COGENTE O Ministério Público também afirmou que a conduta do requerido constituiu ato de improbidade administrativa, porque violou, de forma patente, os deveres de honestidade, lealdade e fidelidade para com a Instituição, conforme estabelecido na Lei n /92. que justificam mais essa afirmação. Destarte, importa que sejam aqui expendidos os argumentos A novel Constituição da República, como visto acima, estabelece princípios de obediência cogente no âmbito da Administração Pública: legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade. 18

19 De origem latina, principium significa origem, começo. Em sentido jurídico, são as normas elementares que alicerçam um corpo orgânico, uma estrutura jurídica. É o conjunto de preceitos que serve de parâmetro a toda operação jurídica. Compreendem, pois, os fundamentos da Ciência Jurídica, onde se firmaram as normas do direito que traçam as noções em que se estrutura o próprio Direito. Necessariamente, os princípios não precisam ser expressos. 6 "A Constituição Federal, no art. 37, preceitua que a Administração Pública, tanto a direta como a indireta, ou fundacional de qualquer dos Poderes da União, dos Estados-Membros, do Distrito Federal e dos Municípios, obedecerá aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade. Mas certamente não só a esses, como ensina Toshio Mukai (Administração Pública na Constituição de 1.988, Saraiva, 1.989, p. 48). Estabelece o art. 4º, da Lei 8.429/92, que Os agentes públicos de qualquer nível ou hierarquia são obrigados a velar pela estrita observância dos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade no trato dos assuntos que lhe são afetos. De outra parte, estabelece o art. 11, da mesma Lei, que constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade e lealdade às instituições Os agentes públicos devem observar deveres que lhes são impostos pela lei e pela ética jurídico-administrativa, bem como aqueles que 6 Diógenes Gasparini, in Direito Administrativo, 2ª edição, Editora Saraiva, pp. 05/06. 7 Márcio Luís Chila Freyesleben, in A improbidade Administrativa, Jus, 1.994, pp. 348/

20 lhe são exigidos pelo interesse público. Os deveres estão estabelecidos no ordenamento jurídico, em especial na Constituição e nas leis administrativas. O conjunto dos deveres forma o que se poderá chamar de ordenamento ético. O dever de honestidade surge para o agente em decorrência do princípio da moralidade, imposto à Administração Pública (art. 37, CF). Em verdade, todos estes deveres são desdobramentos de um dever maior que se chama dever de fidelidade. O dever de fidelidade é o mais importante dos deveres dos funcionários públicos, pois compreende todos os demais, e antecede ao próprio exercício do cargo, nasce no momento em que o servidor presta compromisso. Já alguém lhe chamou dever de sentimento, porque corresponde a uma atitude de consciência, informada de todas as ações e omissões pelas quais se desempenha o cargo. Pela fidelidade, o funcionário adere aos interesses superiores do Estado e jamais se coloca em antagonismo com os fins e com o prestígio da Administração. Não será um cumpridor mecânico de Obrigações, mas um ser livremente vinculado ao serviço, a empregar nele toda diligência, boa vontade e energia. De todo o exposto, não se há negar que o requerido João Batista de Souza, a par de afrontar princípios de ordem constitucional, feriu de morte os deveres de honestidade, legalidade e lealdade para com a Instituição, merecendo os atos assim praticados a repulsa do direito, com as sanções da Lei n /92. Aliás, há exata conformação de sua conduta com o disposto no art. 11, caput e inciso I, da referida Lei. Confira: Art Constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole os 20

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA JUDICIÁRIA DE BELÉM/PA

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA JUDICIÁRIA DE BELÉM/PA EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA JUDICIÁRIA DE BELÉM/PA VARA DA SUBSEÇÃO Referência: Inquérito Civil nº 1.23.000.000854/2012-88 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por meio do Procurador da República

Leia mais

PROFESSOR FÁBIO BELLOTE GOMES. Graduado, Mestre e Doutor pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo USP. Professor no Curso FMB - SP

PROFESSOR FÁBIO BELLOTE GOMES. Graduado, Mestre e Doutor pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo USP. Professor no Curso FMB - SP PROFESSOR FÁBIO BELLOTE GOMES Graduado, Mestre e Doutor pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo USP Professor no Curso FMB - SP Autor do Manual Elementos de Direito Administrativo Editora

Leia mais

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA N 05/2013

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA N 05/2013 RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA N 05/2013 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, pelo Promotor de Justiça que esta subscreve, no exercício das atribuições conferidas pelo inc. II do art. 129 da Constituição

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992. Dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS ICP nº 1.18.000.002374/2011-31 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, com fundamento no art. 17 da Lei nº 8.429/92 e com base nas

Leia mais

RECOMENDAÇÃO 002/2011

RECOMENDAÇÃO 002/2011 RECOMENDAÇÃO 002/2011 OFÍCIO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO E SOCIAL O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Procurador da República signatário, no uso de suas atribuições legais e constitucionais, com

Leia mais

L I M P ATOS DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SANTA CATARINA 2010

L I M P ATOS DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SANTA CATARINA 2010 Exercícios de revisão lei 8.429/92 Lei da Improbidade 01) Sobre a Lei de Improbidade Administrativa assinale a alternativa incorreta: a) Os atos de improbidade administrativa são: os que importam em enriquecimento

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB

AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB 1 BASE LEGAL LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 (Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das Autarquias

Leia mais

LEI N 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992

LEI N 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992 LEI N 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992 LEI DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento ilícito no exercício

Leia mais

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13. Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.019/2014 Sanções administrativas LUIS EDUARDO PATRONE REGULES Advogado.

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão de Fiscalização Financeira e Controle CFFC

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão de Fiscalização Financeira e Controle CFFC REQUERIMENTO Nº, DE 2011 (do Srs. Fernando Francischini e Duarte Nogueira) Requer que seja convocada a Sra. IDELI SALVATTI, Ministra de Estado das Relações Institucionais para expor acerca das relações

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PERNAMBUCO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PERNAMBUCO EXMO(A). SR(A). JUIZ(ÍZA) FEDERAL DA VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA EM PERNAMBUCO, POR DISTRIBUIÇÃO AÇÃO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA N. /2008 Ref.: Procedimento Administrativo MPF/PRPE n. 1.26.000.003066/2006-93

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE IPATINGA MINAS GERAIS.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE IPATINGA MINAS GERAIS. EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE IPATINGA MINAS GERAIS. De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE ATIBAIA VARA ÚNICA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE ATIBAIA VARA ÚNICA fls. 800 SENTENÇA Processo: Autor: Requerido: 0001770-34.2010.8.26.0695 - Ação Civil de Improbidade Administrativa Ministério Público do Estado de São Paulo Mario Antonio Pinheiro e outro Vistos. O MINISTÉRIO

Leia mais

RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015

RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015 Procedimento administrativo nº 201400036940 RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015 Objeto: Dispõe sobre o dever de atuação de diversas autoridades públicas, durante a Romaria Nossa Senhora d'abadia do Muquém

Leia mais

Questões comentadas e atualizadas com a jurisprudência do STF e STJ

Questões comentadas e atualizadas com a jurisprudência do STF e STJ Questões comentadas e atualizadas com a jurisprudência do STF e STJ LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1 Essa obra, abrange todo o aspecto legal sobre Improbidade Administrativa; 2 Os profissionais

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) JUIZ(A) FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO AMAZONAS.

EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) JUIZ(A) FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO AMAZONAS. MINISTÉRI PÚBLIC FEDERAL PRCURADRIA DA REPÚBLICA N AMAZNAS GABINETE D 4º FÍCI CÍVEL Avenida André de Araújo, n. 358, Aleixo. Fone: (92) 2129-4700. CEP 69.060-000. Manaus/AM EXCELENTÍSSIM(A) SENHR(A) JUIZ(A)

Leia mais

Sumário. Nota introdutória, xv

Sumário. Nota introdutória, xv Nota introdutória, xv 1 Princípios constitucionais da administração pública, 1 1.1 Conteúdo do capítulo, 1 1.2 Princípios e regras, 2 1.3 Princípi~ constitucionais, 4 IA Princípios expressos, 7 104.1 Legalidade

Leia mais

Exmo. Senhor Subprocurador-Geral da República,

Exmo. Senhor Subprocurador-Geral da República, Ofício n 1204/2011 Etiqueta PRM-JOA-6576/2011 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Av. Getúlio de Moura, n 261 - Centro CEP 25520-660 - São João de Meriti/RJ Tel/Fax: (21) 3-7-53=k5=55-6404 e-mail: subcoordiursim

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO TOCANTINS 9ª Promotoria de Justiça de Araguaína/TO Tutela da Infância e Juventude

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO TOCANTINS 9ª Promotoria de Justiça de Araguaína/TO Tutela da Infância e Juventude R E C O M E N D A Ç Ã O Nº 005/2009 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO TOCANTINS, por seu presentante legal infra-assinado, em pleno exercício de suas atribuições legais junto à 9ª Promotoria de Justiça

Leia mais

Princípios explícitos e implícitos do Direito Administrativo

Princípios explícitos e implícitos do Direito Administrativo 1 CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO ON-LINE AULA GRATUITA Olá! Meu nome é Francisco De Poli de Oliveira e sou professor nomeado da ACADEMIA MILITAR DAS AGULHAS NEGRAS na disciplina DIREITO ADMINISTRATIVO.

Leia mais

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA Conceito: é o designativo técnico para a chamada corrupção administrativa, que, sob diversas formas, promove o desvirtuamento da Administração Pública

Leia mais

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 003/2013

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 003/2013 RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 003/2013 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, pela Promotoria de Justiça da Comarca de Ortigueira, com fundamento no art. 27, parágrafo único, inc. IV, da Lei 8.625/93;

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA - GO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA - GO EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA - GO Inquérito Policial n.º: 234/2005 Vítima: Administração Pública Réu: Honestino Guimarães Rosa O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO

Leia mais

PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços

PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços PARECER JURIDICO ATA DE REGISTRO DE PREÇOS, LEGALIDADE, CARONA, ADESÃO, VIGÊNCIA, VALIDADE, CONSEQUENCIAS JURÍDICAS. RELATÓRIO Trata-se o expediente os seguintes

Leia mais

Cartilha Sobre Atesto de Serviços, Obras e Compras. PREFEITO João Henrique Carneiro. SECRETÁRIO MUNICIPAL DA FAZENDA Joaquim José Bahia Menezes

Cartilha Sobre Atesto de Serviços, Obras e Compras. PREFEITO João Henrique Carneiro. SECRETÁRIO MUNICIPAL DA FAZENDA Joaquim José Bahia Menezes CARTILHA SOBRE ATESTO DE SERVIÇOS, OBRAS E COMPRAS SALVADOR BA SETEMBRO / 2011 PREFEITO João Henrique Carneiro SECRETÁRIO MUNICIPAL DA FAZENDA Joaquim José Bahia Menezes CONTROLADORA GERAL DO MUNICÍPIO

Leia mais

EXMO. SR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE GOVERNADOR VALADARES/MG

EXMO. SR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE GOVERNADOR VALADARES/MG Página 1 EXMO. SR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE GOVERNADOR VALADARES/MG O MINISTÉRIO PÚBLICO, no estrito cumprimento de suas atribuições de Defesa dos Direitos das Pessoas Portadoras de

Leia mais

RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014

RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA BAHIA Inquérito Civil Público Autos n.º 1.14.000.001665/2012-31 RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014 NO ESTADO DE DIREITO GOVERNAM AS LEIS E NÃO OS HOMENS. VIGE

Leia mais

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Direito Processual Penal 2ª Fase OAB/FGV Professora Beatriz Abraão MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da... Vara Criminal da Comarca... (especificar

Leia mais

VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE

VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE EXMO. SR. JUIZ FEDERAL DA PERNAMBUCO VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE Processo Administrativo n.º 1.26.000.000967/2008-95 Denúncia nº 224/2008 O Ministério Público Federal, por sua Representante infrafirmada,

Leia mais

I DOS PRESSUPOSTOS FÁTICOS:

I DOS PRESSUPOSTOS FÁTICOS: EXMO. SR.DR. JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE. VARA CÍVEL E COMERCIAL DA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA, por intermédio do seu representante legal infraassinado, no exercício de uma de suas atribuições

Leia mais

Petição Inicial. OBS: todas as petições iniciais obedecem aos mesmos requisitos, seja ela de rito ordinário, sumário, cautelar procedimento especial.

Petição Inicial. OBS: todas as petições iniciais obedecem aos mesmos requisitos, seja ela de rito ordinário, sumário, cautelar procedimento especial. Petição Inicial A Petição inicial é a peça por meio da qual o autor provoca a atuação jurisdicional do Estado. A sua redação deverá obedecer a determinados requisitos estabelecidos no artigo 282 do CPC.

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 517 300-5/2-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 517 300-5/2-00, da Comarca de Jfife, PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO " TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRAT1CA - ~ REGISTRADO(A) SOB N mpiu Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO

Leia mais

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA 71 O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA Camilla Mendonça Martins Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS Mariana Ineah Fernandes Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS

Leia mais

PROMOTORIA DE JUSTIÇA CIVEL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Promotoria de Defesa do Consumidor

PROMOTORIA DE JUSTIÇA CIVEL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Promotoria de Defesa do Consumidor FICHA R Nº 920/00- CENACON - ASSUNTO: serviço público água constantes interrupções no fornecimento de água em diversos bairros da cidade - manutenção precária do sistema de abastecimento - prestação de

Leia mais

EXCELENTÍSSIMA SENHORA JUÍZA DE DIREITO DA COMARCA DE SÃO JOSÉ DO NORTE:

EXCELENTÍSSIMA SENHORA JUÍZA DE DIREITO DA COMARCA DE SÃO JOSÉ DO NORTE: EXCELENTÍSSIMA SENHORA JUÍZA DE DIREITO DA COMARCA DE SÃO JOSÉ DO NORTE: O MINISTÉRIO PÚBLICO, por seu agente signatário, no exercício de suas atribuições legais, com base na Peça de Informação n 04/07,

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR A punição administrativa ou disciplinar não depende de processo civil ou criminal a que se sujeite também o servidor pela mesma falta, nem obriga

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) RELATOR(A): Inquérito policial n. 27-65.2013.6.20.0000 (IP 011/2013). Relator: Desembargador Amílcar Maia. Autor: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL. Denunciados: Lucicleide Ferreira

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República em Pernambuco 3º Ofício da Tutela Coletiva

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República em Pernambuco 3º Ofício da Tutela Coletiva Inquérito Civil n.º 1.26.000.001064/2012-16 Manifestação n.º 194/2014-MPF/PRM-CG/PB MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República em Pernambuco 3º Ofício da Tutela Coletiva O MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

O ARTIGO 339 DO CÓDIGO PENAL E A IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

O ARTIGO 339 DO CÓDIGO PENAL E A IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA Número 9 fevereiro/março/abril - 2007 Salvador Bahia Brasil - ISSN 1981-1861 - O ARTIGO 339 DO CÓDIGO PENAL E A IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA Profa. Rita Tourinho Promotora de Justiça, Professora de Direito

Leia mais

CONTROLE E CONSEQUÊNCIAS DA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA NO ÂMBITO DAS CORTES DE CONTAS

CONTROLE E CONSEQUÊNCIAS DA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA NO ÂMBITO DAS CORTES DE CONTAS CONTROLE E CONSEQUÊNCIAS DA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA NO ÂMBITO DAS CORTES DE CONTAS Clique para editar o estilo do subtítulo mestre O tema Improbidade Administrativa está inserida dentro do assunto Controle

Leia mais

1008012-70.2013.8.26.0053 - lauda 1

1008012-70.2013.8.26.0053 - lauda 1 fls. 388 SENTENÇA Processo Digital nº: 1008012-70.2013.8.26.0053 Classe - Assunto Requerente: Requerido: Ação Civil Pública - Violação aos Princípios Administrativos 'MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

Políticas Públicas - Contratos administrativos e Licitações. Contratos administrativos e Licitações

Políticas Públicas - Contratos administrativos e Licitações. Contratos administrativos e Licitações Contratos administrativos e Licitações 1 I - INTRODUÇÃO O particular, qualquer pessoa de bom senso, equilibrada, responsável, na hora de adquirir um bem ou contratar um serviço, faz pesquisa de mercado,

Leia mais

Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal

Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal Leone Coelho Bagagi Mestrando em Administração Pública pela Universidade Federal da Bahia

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE 1 EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO MARANHÃO, por seu representante legal infra-assinado, com fundamento nos art. 129, inciso III e 1º, da Carta Magna,

Leia mais

PARECER ANISTIA FISCAL MULTA E JUROS RENÚNCIA DE RECEITA

PARECER ANISTIA FISCAL MULTA E JUROS RENÚNCIA DE RECEITA Salvador, 17 de Março de 2014. Da: CAMP - Consultoria em Administração Pública Ltda. Para: Prefeito Municipal de Barrocas Senhor Prefeito, Vimos por meio deste, em atenção a consulta feita por V.Exª.,

Leia mais

ICP nº 1.34.001.005822/2010-13 RECOMENDAÇÃO Nº 18, DE 06 DE JUNHO 2011

ICP nº 1.34.001.005822/2010-13 RECOMENDAÇÃO Nº 18, DE 06 DE JUNHO 2011 ICP nº 1.34.001.005822/2010-13 RECOMENDAÇÃO Nº 18, DE 06 DE JUNHO 2011 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL por intermédio do PROCURADOR DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO infra-assinado, no exercício das suas

Leia mais

I - OS ANTECEDENTES FACTUAIS

I - OS ANTECEDENTES FACTUAIS 1 EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) DOUTOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DA... VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE BELÉM. O DO, por meio do Promotor de Justiça que ao final assina, vem, com amparo nos artigos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1.870 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2005.

PROJETO DE LEI Nº 1.870 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2005. PROJETO DE LEI Nº 1.870 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2005. Dispõe sobre a organização do Sistema Municipal de Defesa do Consumidor, institui o Departamento de Defesa do Consumidor e o Fundo Municipal de Defesa

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 07/2015/MPF/RR

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 07/2015/MPF/RR MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 07/2015/MPF/RR Referência: inquéritos civis nº 1.32.000.000518/2013-15 e 1.32.000.000013/2013-42 RECOMENDANTE: MINISTÉRIO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS 5ªP OMOTORIA D E JUST I Ç A D E T R I N D A D E

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS 5ªP OMOTORIA D E JUST I Ç A D E T R I N D A D E Autos Notícia de Fato (Registro nº 201500292358) À Sua Excelência o Senhor JÂNIO CARLOS ALVES FREIRE Prefeito Municipal de Trindade GO RECOMENDAÇÃO nº 02/2015 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS, por

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A compra de bebidas alcoólicas para a administração pública viola o princípio da moralidade? Bruno Soares de Souza* O Princípio da Moralidade, de acordo com a Filosofia Moral de

Leia mais

GAECO Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado

GAECO Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 3ª VARA CRIMINAL DA COMARCA DE LONDRINA. O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, por seus agentes adiante firmados, no exercício de suas atribuições, vem

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PALMAS 3ª VARA CRIMINAL SENTENÇA I - RELATÓRIO

ESTADO DO TOCANTINS PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PALMAS 3ª VARA CRIMINAL SENTENÇA I - RELATÓRIO ESTADO DO TOCANTINS PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PALMAS 3ª VARA CRIMINAL PROCESSO Nº 5029091-33.2013.827.2729 SENTENÇA I - RELATÓRIO O Ministério Público denunciou João Batista Marques, brasileiro, casado,

Leia mais

o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais, e

o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais, e RESOLUÇÃO N.o 83, de 10 de junho de 2009. Dispõe sobre a aquisição, locação e uso de veículos no âmbito do Poder Judiciário brasileiro e dá outras providências. o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA,

Leia mais

SENTENÇA. 0010831-77.2012.8.26.0361 - lauda 1

SENTENÇA. 0010831-77.2012.8.26.0361 - lauda 1 fls. 1 SENTENÇA Processo nº: 0010831-77.2012.8.26.0361 Classe - Assunto Ação Civil de Improbidade Administrativa - Improbidade Administrativa Requerente: Ministério Público do Estado de São Paulo Requerido:

Leia mais

Of. Circular nº 16/12-CAO/Saúde-i (c./) Curitiba, 17 de outubro de 2012.

Of. Circular nº 16/12-CAO/Saúde-i (c./) Curitiba, 17 de outubro de 2012. MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Proteção à Saúde Pública Of. Circular nº 16/12-CAO/Saúde-i (c./) Curitiba, 17 de outubro de 2012. Prezada(o) Colega.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000154119 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9144977-64.2002.8.26.0000, da Comarca de Mairiporã, em que são

Leia mais

CURSOS ON-LINE ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROFESSOR LEANDRO CADENAS

CURSOS ON-LINE ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROFESSOR LEANDRO CADENAS Caros alunos Este é o conteúdo do nosso rápido curso de Ética, voltado especialmente para o concurso de AFT. Inicia no dia 09/05/2006, encerrando dia 06/06/2006, num total de 5 aulas, sempre às terças,

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

APOSTILA LEI DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. PROFESSOR MARQUINHO

APOSTILA LEI DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. PROFESSOR MARQUINHO I INTRODUÇÃO Os agentes públicos podem praticar, no exercício da função estatal, condutas violadoras do direito, capazes de sujeitá-los à aplicação das mais diversas formas de punição, por exemplo: causou

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da Egrégia ª Vara Cível da comarca de Americana

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da Egrégia ª Vara Cível da comarca de Americana Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da Egrégia ª Vara Cível da comarca de Americana O Ministério Público do Estado de São Paulo, por meio do Promotor de Justiça infra-assinado, no uso das atribuições

Leia mais

PORTARIA N o 1.516, DE 12 DE SETEMBRO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições, e

PORTARIA N o 1.516, DE 12 DE SETEMBRO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições, e PORTARIA N o 1.516, DE 12 DE SETEMBRO DE 2006 O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a necessidade de reafirmar o compromisso público e formal do Ministério da Justiça

Leia mais

GABARITO SIMULADO WEB 1

GABARITO SIMULADO WEB 1 GABARITO SIMULADO WEB 1 PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL No dia 10 de outubro de 2014, Caio, na condução de um ônibus, que fazia a linha Centro Capão Redondo, agindo com imprudência, realizou manobra

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ 1ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE ENTRÂNCIA FINAL DE ARAPONGAS.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ 1ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE ENTRÂNCIA FINAL DE ARAPONGAS. MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ 1ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE ENTRÂNCIA FINAL DE ARAPONGAS. EDITAL N. 01/2014 TESTE SELETIVO PARA INGRESSO AO QUADRO DE ASSESSOR JURÍDICO DAS-5 DO MINISTÉRIO

Leia mais

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL SINDICÂNCIA PATRIMONIAL A sindicância patrimonial, assim como os demais procedimentos investigativos, conforma um procedimento inquisitorial, sigiloso, não contraditório e não punitivo, que visa colher

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA... VARA FEDERAL CÍVEL DE VITÓRIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA... VARA FEDERAL CÍVEL DE VITÓRIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA... VARA FEDERAL CÍVEL DE VITÓRIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, com fulcro nos artigos 37, caput e 4º, 127 e 129, III,

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR 16575/2012

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR 16575/2012 Origem: PRT 4ª Região Membro Oficiante: Dr. Viktor Byruchko Junior Interessado 1: MPT Interessado 2: Cardioclínica Pronto Socorro e Clinica Cardiolog. Ltda. Assunto: Temas Gerais 09.10. EMENTA: FGTS. AUSÊNCIA

Leia mais

RECOMENDAÇÃO n.º 06/2014

RECOMENDAÇÃO n.º 06/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA BAHIA Procedimento Preparatório Autos n.º 1.14.000.002855/2013-57 RECOMENDAÇÃO n.º 06/2014 NO ESTADO DE DIREITO GOVERNAM AS LEIS E NÃO OS HOMENS. VIGE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO PRIMEIRA VARA CÍVEL DA COMARCA DE FOZ DO IGUAÇU

PODER JUDICIÁRIO PRIMEIRA VARA CÍVEL DA COMARCA DE FOZ DO IGUAÇU AÇÃO CIVIL PÚBLICA Autos n. 6066-94.2014 1. Cuida-se de ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Estado do Paraná em desfavor de José Carlos Neves da Silva e outro e onde se apura a prática

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Licitações e Compras Contrato nº 081/2007 Fls.

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Licitações e Compras Contrato nº 081/2007 Fls. Contrato nº 081/2007 Fls. 1 MINUTA TERMO DE CONTRATO Convite de Preços n.º 081/07 Processo n.º 11784/05 Objeto: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE DESCUPINIZAÇÃO DO PREDIO E ACERVO DO

Leia mais

Número do Processo: Autos 200904702744

Número do Processo: Autos 200904702744 Número do Processo: 200904702744 Autos 200904702744 Vistos etc. I - Trata-se de ação civil pública por ato de improbidade administrativa ajuizada pelo Ministério Público do Estado de Goiás em face de Mário

Leia mais

I. Lei n.º 8.429/92 (dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de

I. Lei n.º 8.429/92 (dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de I. Responsabilidade Civil do Estado. (1ª PARTE) I. Responsabilidade Civil do Estado. (2ª PARTE) I. Lei n.º 8.429/92 (dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento

Leia mais

Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores

Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores RELATORA: CONSELHEIRA ADRIENE ANDRADE Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores EMENTA: CONSULTA LEGISLATIVO MUNICIPAL I. CUSTEIO DE CARTÕES

Leia mais

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais no âmbito do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO

Leia mais

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 SENADO FEDERAL SUBSECRETARIA DE INFORMAÇÕES DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 Institui Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

ATO PGJ N. 06, DE 28 DE JANEIRO DE 2014

ATO PGJ N. 06, DE 28 DE JANEIRO DE 2014 Edição 1133 Publicação:04/02/2014 - Revogou expressamente os Atos-PGJ n. 14/1999 e 07/2003, art. 14. ATO PGJ N. 06, DE 28 DE JANEIRO DE 2014 Regulamenta o estágio probatório dos servidores do Ministério

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 100, DE 14 DE MARÇO DE 2012.

RESOLUÇÃO N.º 100, DE 14 DE MARÇO DE 2012. RESOLUÇÃO N.º 100, DE 14 DE MARÇO DE 2012. Dispõe sobre a aquisição, a locação e o uso de veículos oficiais no âmbito da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. O, de acordo

Leia mais

Novas Atitudes. Novos. Estado Gestor

Novas Atitudes. Novos. Estado Gestor Novas Atitudes Paradigmas 1 Procedimentos Estado G t Gestor Instrumentos 2 Sociedade Estado Necessidades Expectativas P i id d Prioridades Recebe a Recebe a pauta Deve se Deve se empenhar para atender

Leia mais

NÚCLEO PREPARATÓRIO DE EXAME DE ORDEM

NÚCLEO PREPARATÓRIO DE EXAME DE ORDEM ENDEREÇAMENTO E QUALIFICAÇÃO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA... VARA DO TRABALHO DE... A, estado civil..., profissão..., portador do RG nº..., inscrito no CPF nº..., portador da CTPS..., série...,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Tribunal Regional do Trabalho 2ª Região ATA DE AUDIÊNCIA

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Tribunal Regional do Trabalho 2ª Região ATA DE AUDIÊNCIA ATA DE AUDIÊNCIA Aos 14 dias do mês de fevereiro de 2014, às 08h25, na sala de audiências da Egrégia 6ª Vara do Trabalho de São Paulo, presente o Excelentíssimo Juiz RENATO SABINO CARVALHO FILHO, realizou-se

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

Ministério Público Federal Procuradoria da República em São Paulo - SP

Ministério Público Federal Procuradoria da República em São Paulo - SP Ofício Referência: Prot SIAPRO n. 08500.006741/2008-31 SR/DPF/SP Procedimento de Controle Externo n. 1.34.001.000452/2008-11(favor usar esta referência) São Paulo, 04 de junho de 2008. Ilmo. Sr. Corregedor

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR ELEITORAL DA CIRCUNSCRIÇÃO ELEITORAL DE JARAGUÁ DO SUL SANTA CATARINA.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR ELEITORAL DA CIRCUNSCRIÇÃO ELEITORAL DE JARAGUÁ DO SUL SANTA CATARINA. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR ELEITORAL DA CIRCUNSCRIÇÃO ELEITORAL DE JARAGUÁ DO SUL SANTA CATARINA. ALMIRO ANTUNES FARIAS FILHO, brasileiro, casado, representante comercial, portador da carteira

Leia mais

Indenização de despesas com viagem a servidor público e agente político

Indenização de despesas com viagem a servidor público e agente político Indenização de despesas com viagem a servidor público e agente político CONSULTA N. 748.370 EMENTA: Câmara Municipal Agente público Indenização de despesas com viagem Possibilidades de formalização dos

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal, e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal, e dá outras providências. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPIVARI DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LEI MUNICIPAL Nº 884, DE 19 DE AGOSTO DE 2014. Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL Procuradoria Regional Eleitoral do Estado do Piauí

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL Procuradoria Regional Eleitoral do Estado do Piauí Prestação de Contas nº 275-29.2012.6.18.0030 Classe 25 Procedência: Agricolândia/PI (30ª Zona Eleitoral São Pedro do Piauí/PI) Protocolo: 69.643/2012 Relator: Dr. Valter Alencar Rebelo Assunto: Prestação

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA ASSESSORIA JURÍDICA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA ASSESSORIA JURÍDICA Processo nº : 201403583590 Vítima : Washington Faria Martins e outros Indiciados : Danillo José Moreira Coelho e Weder Evaristo Mendanha Assunto : Conflito Negativo de Atribuições Suscitante : 2ª Promotoria

Leia mais

EXERCÍCIO MODELO QUEIXA-CRIME

EXERCÍCIO MODELO QUEIXA-CRIME 2ª Fase OAB/FGV Direito Processual Penal Monitoria Penal Karina Velasco EXERCÍCIO 1 O juiz, ao proferir sentença condenando João por furto qualificado, admitiu, expressamente, na fundamentação, que se

Leia mais

Calendário reuniões ENCCLA

Calendário reuniões ENCCLA Nº 11 Fevereiro/2015 Há dez anos, teve início o modelo do hoje reconhecido Programa Nacional de Capacitação e Treinamento para o Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (PNLD). A percepção dos membros

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.166 MATO GROSSO RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. LUIZ FUX :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011.

Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011. Nota Técnica n 01/2011 Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011. Obrigatoriedade. 1. No dia 03.05.2011 o

Leia mais

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES Conselho Tutelar Órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente,

Leia mais