ENSAIOS BÁSICOS PARA INSPEÇÕES ROTINEIRAS EM PONTES DE CONCRETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENSAIOS BÁSICOS PARA INSPEÇÕES ROTINEIRAS EM PONTES DE CONCRETO"

Transcrição

1 44ªRAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 18ºENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA ISSN RAPv Foz do Iguaçu, PR de 18 a 21 de Agosto de 2015 ENSAIOS BÁSICOS PARA INSPEÇÕES ROTINEIRAS EM PONTES DE CONCRETO ANA PAULA BRANDÃO CAPRARO; CAMILA MACHADO DA ROSA; EDUARDO MUÑOZ DE LA TORRE; GABRIEL PEREIRA MARINHO; LETÍCIA ANDRADE CAMARA; LUCAS BUDEL PAES LEME; MAURO LACERDA SANTOS FILHO RESUMO Pontes são elementos indispensáveis em um sistema viário. Como exemplo a ser citado, interrupções na utilização dessas estruturas podem provocar grandes danos à mobilidade e economia de uma região. O desempenho desses elementos relaciona-se diretamente à frequência de manutenção a qual são submetidos. Segundo a norma de inspeções em pontes e viadutos de concreto armado e protendido do DNIT (010/2004), a inspeção é uma atividade técnica que abrange diversas operações. Entre as principais atividades de inspeção, destacam-se a análise das características de projeto, construção, o exame minucioso da ponte, a elaboração de relatórios e a avaliação do estado da obra. Não menos importante, algumas recomendações devem ser levadas em conta, tais como a realização de novas vistorias conforme a necessidade e a execução de obras de manutenção, recuperação, reforço e reabilitação. Tendo isso em vista, o objetivo deste estudo foi propor uma metodologia de ensaios básicos em inspeções de pontes. Os ensaios, de caráter técnico, ultrapassam uma simples analise visual, permitindo, portanto, um julgamento mais crítico do estado da ponte. Dentre os ensaios, enumeram-se a avaliação do potencial de corrosão, esclerometria, carbonatação e teor de cloretos. Além de abordar a metodologia de execução, o trabalho propôs a escolha dos elementos estruturais a serem analisados, bem como a região mais indicada das peças para a realização dos ensaios. Os resultados obtidos nos ensaios proporcionam fundamentação técnica para a classificação das pontes quanto à necessidade de manutenção. Palavras Chave: Ensaios básicos, pontes, manutenção, desempenho.

2 ABSTRACT Bridges are essential elements in a road system. As an example to be named, interruptions in the use of these structures can cause major damage to mobility and economy of a region. The performance of these elements is directly related to the frequency of maintenance which are submitted. According to the standard inspections on bridges and viaducts of reinforced concrete and prestressed concrete DNIT (010/2004), inspection is a technical activity covering several operations. Among the main inspection activities include the analysis of the design features, construction, scrutiny of the bridge, reporting and assessing the status of the structure. Not least, some recommendations should be taken into account, such as the completion of new surveys as needed and the execution of maintenance works, recovery, strengthening and rehabilitation. Keeping this in view, the aim of this study was to propose a methodology of basic tests for bridge inspections. The tests, of a technical nature, beyond a simple visual analysis, therefore allowing a more critical judgment of the state of the bridge. Among the tests listed to assessing the Half-cell potentials, concrete s sclerometry, carbonation and chloride content. In addition to addressing the methodology of implementation, the work proposed the selection of the structural elements to be analyzed, as well as the most suitable region of parts for the tests. The test results obtained provide technical basis for the classification of bridges on the need for maintenance. Key words: basic tests, bridges, maintenance, performance INTRODUÇÃO O emprego de ensaios básicos em inspeções de pontes diminui a subjetividade e, consequentemente, melhora os resultados obtidos nas análises das estruturas. O simples cadastramento das manifestações patológicas não possibilita o entendimento da real situação da estrutura e da sua previsão de vida útil. Os ensaios propostos nesse trabalho auxiliam na identificação dos mecanismos de deterioração e possibilitam analisar o grau de desgaste da ponte, avaliando assim, a necessidade e a urgência de reparo. A realização dos ensaios será feita em conformidade com as normatizações existentes e os resultados obtidos serão analisados comparativamente com valores bases, existentes no meio técnico. Através dos resultados obtidos, será possível realizar o ranqueamento das pontes. Essa listagem será feita com base nos dados quantitativos e não somente nos qualitativos, o que trará maior confiabilidade as inspeções.

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA De acordo com a norma de inspeções de pontes e viadutos de concreto armado e protendido do DNIT (10/2014) a inspeção de ponte pode ser definida como a atividade técnica que abrange a coleta de informações do projeto e da construção, o exame minucioso da ponte, a elaboração de relatórios, a avaliação do estado da obra e por fim as recomendações a respeito da mesma. As inspeções não só ajudam a prevenir o insucesso, mas também fornecem informações necessárias para uma administração eficaz da rede de pontes. Durante as inspeções, as necessidades de reparos urgentes, manutenção e as substituições de parte dos elementos de pontes podem ser detectadas e notificadas. Com base no relatório de inspeção, os Sistemas de Gestão de Pontes (SGP) podem ainda definir prioridades e estabelecer programas para aplicar os recursos disponíveis para as pontes mais críticas. Mitre (2005) apud Sahuinco (2011). O Manual de Inspeção de Pontes (DNIT) define inspeção rotineira como uma inspeção programada, realizada em geral a cada um ou dois anos, que tem como objetivo coletar informações que possibilitem identificar qualquer possível anomalia em desenvolvimento ou qualquer alteração ocorrida em relação à inspeção anterior. Segundo Mitre (2005) apud Sahuinco (2011), grande parte das pontes de concreto no mundo é avaliada através de inspeções visuais, e no Brasil métodos de ensaios só são aplicados em casos mais relevantes. De acordo com o Routine Visual Inspection Guidelines da MAIN ROADS Western Australia, as inspeções visuais de rotina são destinadas a verificar a segurança e o desempenho geral da estrutura, identificando qualquer incidente ou falha óbvia nos componentes estruturais. O foco desta inspeção está em detectar anomalias potencialmente críticas. Atualmente diversos países já estão empregando métodos de ensaios não destrutivos e semi destrutivos na avaliação estrutural de pontes, alcançando bons resultados devido à sua capacidade efetiva. Manjunath (2007) apud Sahuinco (2011). ANÁLISE VISUAL Antes da realização dos ensaios é necessário uma análise visual de toda a estrutura da ponte. Essa etapa é importante, pois é nela que serão definidos os elementos estruturais que deverão ser ensaiados. Os ensaios de esclerometria, carbonatação, potencial de corrosão e teor de cloretos são de curta duração, entretanto torna-se inviável a realização destes em todos os pilares, vigas e outros elementos da ponte, pois se trata de uma inspeção rotineira. Assim sendo, os elementos devem ser vistoriados visualmente, ou seja, o inspetor deve procurar os locais que concentrarem uma maior quantidade ou gravidade de manifestações patológicas e, posteriormente, ensaiar estas áreas mais deterioradas.

4 IMPORTÂNCIA DOS ENSAIOS A utilização de ensaios em inspeções de pontes é uma ferramenta inovadora e necessária. Através das análises visuais são identificados somente os danos externos às estruturas. Com a realização dos ensaios é possível verificar a existência de mecanismos de deterioração atuantes na estrutura, mesmo que estes não estejam evidenciados externamente. Pontes e viadutos são sistemas estruturais que possuem por característica o suporte de altas cargas. O acompanhamento da resistência dessas estruturas ao longo de sua vida útil é um instrumento capaz de prevenir graves acidentes. O ensaio de esclerometria possibilita a avaliação da resistência da estrutura, sem extração de testemunhos, o que facilita por não ser um ensaio destrutivo. Estruturas expostas ao ambiente estão sujeitas ao fenômeno de carbonatação. Dessa forma, a avaliação da profundidade carbonatada é de fundamental importância, pois além de diagnosticar a estrutura quanto a uma possível corrosão, dá subsídios para a avaliação de previsão de vida útil. O ensaio de potencial de corrosão é capaz de mapear as estruturas quanto á sua probabilidade de corrosão. Esse mapeamento é de fundamental importância para definição das áreas e dos intervalos de tempo para manutenções necessárias. O ataque de cloretos é um mecanismo de deterioração de grande impacto às estruturas de concreto. Quando contaminado com altos teores, o concreto armado tende a apresentar corrosões localizadas e de elevada gravidade. Estruturas expostas em ambiente marinho, ou que tenham possibilidade de contaminação com o íon, devem ser ensaiadas quanto ao teor de cloretos. Esse ensaio permite avaliar a probabilidade de corrosão da estrutura e sua previsão de vida útil. METODOLOGIA PARA REALIZAÇÃO DOS ENSAIOS Esclerometria Considerado um ensaio não destrutivo, segundo Melquiades (2011), a esclerometria é capaz de estimar a qualidade do concreto e sua resistência superficial. O método consiste em um martelo (Martelo de Schmidt) que, impulsionado por uma mola, se choca com a área de ensaio. O resultado obtido varia conforme a dureza do concreto e a resistência encontrada é então comparada com a real (obtida através do ensaio de compressão em corpos de provas extraídos). Todo o ensaio foi feito seguindo a norma NBR 7584/2012. Como o teste requer uma superfície limpa, seca, plana e uniforme, antes da utilização do aparelho, usou-se a pedra esmeril para a regularização superficial. Pelo fato da maior parte das pontes e viadutos não possuírem revestimento, que alteraria os valores dos resultados, a esclerometria passa a ser ainda mais interessante. No teste foram realizadas 16 leituras em cada área, espaçadas de 3 cm entre elas e, como recomenda a norma, não foram efetuadas duas medições no mesmo ponto. Leituras com distância menor que 5 cm das arestas do elemento estudado foram evitadas. Para a realização do ensaio, posicionou-se o esclerômetro horizontalmente, perpendicular à superfície desejada e, previamente, foi utilizado o detector de materiais GMS 120 PROFESSIONAL da Bosch a fim de evitar leituras sobre as armaduras. A figura 1 ilustra a região ideal de análise na superfície, seguida durante o ensaio.

5 Contudo, em algumas situações, não foi possível respeitar essa região, já que possuíam alta densidade de armadura, devendo nesses casos, utilizando o detector de materiais, realizar as medidas nos pontos com ausência de barras de aço. FIGURA 1 - ENSAIO DE ESCLEROMETRIA FONTE: AUTOR (2015) Para a elaboração deste artigo, adotou-se algumas maneiras de realizar as medições que forneceram resultados mais fiéis à realidade. No caso dos pilares, os ensaios foram realizados nas faces mais expostas, pois é a região mais sujeita a ação de intempéries. Os testes foram realizados na altura do tórax para facilitar o uso correto do equipamento, mantendo a horizontalidade durante a medição. O objetivo principal não foram os resultados de resistência em si, mas se haviam discrepâncias nos resultados entre os pilares, para que fosse possível a identificação de possíveis defeitos no concreto de peças específicas. Fora definido também, que somente um membro do grupo faria os ensaios numa mesma ponte, com o objetivo de diminuir possíveis divergências nos resultados por conta do operador. Carbonatação Segundo GOMES (2006) a carbonatação do concreto é um termo utilizado para descrever o efeito do dióxido de carbono (CO2) usualmente presente na atmosfer,a nos sistemas de cimentações, argamassas, grautes e concreto armado. De acordo Andrade (1992) apud Sahuinco (2011) o CO2 presente no ar penetra nos poros do concreto e reage com os constituintes alcalinos da pasta de cimento, especialmente com o hidróxido de cálcio, formando carbonato de cálcio. Este fenômeno diminui o ph do concreto de 13 para um nível em torno de 9, deixando as armaduras vulneráveis a corrosão. Conforme a profundidade da frente de carbonatação aumenta com o tempo ocorre a despassivação das armaduras.

6 A carbonatação é um dos mecanismos mais frequentes de deterioração do concreto armado e está diretamente associado a corrosão das armaduras, sendo assim a realização do ensaio de carbonatação é de extrema importância para avaliação das condições estruturais das pontes e viadutos de concreto armado, vistas que estas estruturas encontram-se expostas ao dióxido de carbono presente no ar. O ensaio para determinação da profundidade da frente de carbonatação do concreto consiste na mensuração do ph em uma superfície do concreto recentemente fraturado, livre de pó utilizando uma solução indicadora composta de fenolftaleína. Fenolftaleína é um indicador sintético que ao se dissolver em água se ioniza liberando H+ e OH- que estabelecem um equilíbrio em meio aquoso. Quando se adiciona fenolftaleína em uma solução incolor, esta, ao entrar em contato com uma base ou ácido, muda de cor. Se adicionarmos solução de fenolftaleína em um meio ácido ela fica incolor. Por outro lado, se o meio for básico e acima de 9,3, a solução de fenolftaleína se torna vermelho carmim. Esta substância (composta de 1g de fenolftaleína + 49g de álcool + 50g de água) sendo assim é utilizada para determinar in situ a profundidade da frente de carbonatação de uma estrutura de concreto. Dessa forma após a aplicação de fenolftaleína a zona carbonatada apresenta-se incolor, e a não carbonatada deverá apresentar uma coloração vermelho carmim. A seguir é apresentada a metodologia desenvolvida para realização do ensaio de carbonatação. Primeiramente devem ser selecionados, de forma criteriosa, os pontos em que serão realizadas as medições, de acordo com: - A posição das armaduras: devem ser previamente localizadas, utilizando um pacômetro, a fim de não prejudicarem o ensaio. - Exposição a agentes agressivos: elementos com exposição direta requerem maior atenção do que peças estruturais protegidas. - Grau de umidade: regiões em contato direto com água, como pé de pilares, necessitam de maior atenção. - Zonas de transpasse: áreas com elevadas taxas de armadura tem maior probabilidade de falhas de concretagem, aumentando as chances de entrada de agentes agressivos. Os pontos escolhidos devem ser devidamente identificados e localizados em uma planta esquemática. Em seguida as aberturas são executadas nos locais determinados, utilizando uma serra mármore para delimitação e um martelete para romper o concreto. A profundidade de cada furo ou concavidade deve ter ao menos 2 cm livre atrás da armadura para ajudar na fixação da argamassa de reparo. Após a abertura, o furo deve ser limpo com um pincel para garantir a confiabilidade do ensaio. Resíduos de pó das zonas interiores não carbonatadas, depositadas nas zonas que apresentam carbonatação, podem prejudicar o ensaio.

7 Caso já haja na estrutura algum ponto em que o concreto esteja desplacado ou alguma outra abertura no mesmo, o ensaio deve ser preferencialmente realizado nesta área afim de evitar a realização de uma outra abertura. Nos testes realizados neste trabalho, as regiões escolhidas para a realização do ensaio de carbonatação estavam situadas no pé do pilar e na face externa do mesmo, por ser uma região com maior grau de umidade, além de estar mais sujeita as intempéries e consequentemente mais propicia a apresentar manifestações patológicas. Para análise das áreas carbonatadas deve ser utilizado um borrifador contendo a solução de fenolftaleína. Aplica-se na superfície interna do furo ou da abertura a solução e observa-se a sua coloração, conforme mostrado na figura 2. Caso o concreto apresente-se carbonatado deve-se medir a profundidade da frente de carbonatação. FIGURA 2- ENSAIO COM FENOLFTALEÍNA PARA DETERMINAÇÃO DA PROFUNDIDADE DE CARBONATAÇÃO DO CONCRETO FONTE: AUTOR (2015) Potencial de corrosão O ensaio de potencial de corrosão possibilita o monitoramento da integridade da armadura em certa estrutura de concreto e, através de avaliações qualitativas, fornece avaliações dos locais onde a corrosão é provável antes mesmo que ela se torne visível. O método permite localizar as áreas onde o concreto armado precisa ser reparado ou protegido, acompanhando assim seu comportamento e minimizando os custos de manutenção da estrutura. Adotou-se medir o potencial de corrosão através do uso de um eletrodo de referência e um voltímetro de alta-impedância. Baseando-se na Norma ASTM C876-09, o ensaio consiste em impor uma corrente elétrica e medir o campo elétrico existente na superfície da estrutura. Para que essa medição seja realizada é necessário haver pelo menos um ponto de conexão com uma armadura dentro da estrutura a ser analisada, sendo necessário realizar uma perfuração para alcançar a barra. Se a

8 estrutura possuir armadura exposta, é possível realizar o ensaio nessa região, desde que se limpe o produto da corrosão na superfície da barra. Caso não exista armadura exposta, recomenda-se a realização do ensaio perto da base dos pilares ou em lugares afetados por umidade ou infiltrações. Segundo Cascudo (1997), existem fatores que podem interferir nas medições do aparelho e causar distorções na leitura apresentada. Se a estrutura possuir um concreto de grande resistividade, uma alta densidade nos materiais ou uma frente de carbonatação, o valor da resistividade elétrica tende a aumentar, o que diminui a probabilidade de corrosão. Já em elementos que apresentam teor de cloretos ou elevada umidade do solo, o valor da leitura diminui (o que aumenta a chance da armadura corroer). As distorções entre o valor real de potencial e o apresentado na leitura podem chegar a 0,3 V (volts) no primeiro caso e 0,2 V no segundo caso. Para a realização do ensaio, primeiramente escolheu-se uma área de inspeção em função do estado aparente do concreto com o auxílio de um detector de armaduras e de análise visual. Após realizar a limpeza do local que será ensaiado, fixou-se um eletrodo na armadura exposta através de um alicate de aperto e acoplou-se o outro (eletrodo de referência) no multímetro. Em seguida saturouse a superfície do elemento estrutural com água de modo a formar um eletrólito entre o eletrodo de referência e a armadura a ser avaliada. Então colocou-se o eletrodo primário sobre uma esponja e moveu-se o conjunto sucessivamente em cada ponto de leitura realizando a medição do potencial elétrico, nas cotas 0,50 m, 1,00 m 1,50 m contado apartir da conexão com a armadura. A norma ainda complementa que durante a realização de todas as medições, o operador deve assegurar-se que a esponja do topo do eletrodo primário esteja devidamente umedecida. A figura 3 ilustra o esquema de funcionamento deste aparelho. FIGURA 3- ESQUEMA EXPLICATIVO SOBRE O ELETRODO E O MULTÍMETRO FONTE: NORMA ASTM C MODIFICADO PELO AUTOR (2015)

9 As análises dos testes partem do princípio de que um concreto de maior resistividade elétrica possui menor probabilidade sofrer corrosão. A Tabela 1 traz relações encontradas na norma ASTM C876-09, para análise dos resultados de maneira a estimar as chances de corrosão em determinada estrutura. Tipo de Eletrodo TABELA 1 RELAÇÕES PARA ESTIMAR A CORROSÃO Probabilidade de ocorrer a corrosão < 10 % 10 % a 90 % > 90% ENH* > 0,118 V 0,118 V a -0,032 V <-0,032 V Cu/CuSO4, Cu 2+ (ASTM C876) Hg, Hg2Cl2/KCL (Sol. Saturada)** > -0,200 V -0,200 V a -0,350 V < -0,350 V > -0,124 V -0,124 V a -0,274 V < -0,274 V Ag, AgCl/KCl (1M) > -0,104 V -0,104 V a -0,254 V < -0,254 V * Eletrodo Normal de Hidrogênio, padrão. * Eletrodo de calomelano saturado. FONTE: RIBEIRO, D. V. Et al Teor de cloretos O ensaio de teor de cloretos consiste na determinação da concentração de íons cloreto em estruturas de concreto. A presença desses íons é indesejável, uma vez que aumentam consideravelmente a probabilidade de haver corrosão das armaduras, afetando diretamente a durabilidade do elemento. Os cloretos podem aparecer tanto de forma livre, como combinada, sendo a soma de ambos o fator a ser considerado, chamado de cloretos totais. Quanto às quantidades permitidas de íons cloreto nos concretos, não há parâmetros bem definidos. Para Helene (1993), um limite geral de 0,4% em relação à massa de cimento ou de 0,05 a 0,1% em relação ao peso do concreto despassiva o aço, mas não há limite determinado para o qual seja possível afirmar que não haverá despassivação. A NBR 6118:1978 apresenta o valor de 500 mg/l em relação à água de amassamento como sendo o teor máximo de cloretos totais. Com essa imprecisão e baixas tolerâncias, recomenda-se que todas as precauções sejam tomadas para evitar ao máximo a entrada desses agentes na estrutura.

10 Tomando como base a norma ASTM C 1152, o procedimento para a determinação do teor de cloretos totais será descrito na sequência. O ensaio é realizado em laboratório, sendo apenas a coleta da amostra feita em campo. PROCEDIMENTO: Coleta da amostra: Com o auxílio de uma furadeira de impacto rotativa, deve-se perfurar o concreto e obter cerca de 20g de pó. É importante que a coleta seja feita em camadas, uma vez que isso possibilita a elaboração de um perfil de cloretos e a previsão de vida útil da estrutura frente à corrosão das armaduras. Os equipamentos, bem como a amostra, devem ser manuseados adequadamente e não devem entrar em contato com as mãos, a fim de evitar qualquer tipo de contaminação. Preparação da amostra: Passar a coleta em uma peneira 850 μm (No. 20) e, com o auxílio de papéis acetinados, transferir a amostra de um para o outro pelo menos dez vezes. Procedimento do ensaio: - Separar 10g de amostra e transferir para uma proveta de 250 ml; - Preencher a proveta com 75 ml de água destilada; - Lentamente, adicionar 25 ml de ácido nítrico diluído e misturar com uma vareta de vidro; - Adicionar 3 gotas do indicador alaranjado de metila; - Cobrir a proveta com vidro e deixar a amostra descansar por 1 a 2 minutos; - Caso a solução acima dos sólidos depositados não esteja cor-de-rosa, deve-se adicionar ácido nítrico gota por gota (misturando constantemente), até que seja obtida a coloração rosada ou avermelhada; - Adicionar 10 gotas de ácido nítrico e mexer; - Aquecer a proveta ainda coberta até ferver. Não permitir que a amostra ferva demais, deixar apenas alguns segundos; - Passar a amostra por um papel filtro de 9 cm em um frasco de Buchner de 250 ml ou 500 ml usando sucção; - Lavar a proveta e o papel filtro duas vezes com um pouco de água; - Transferir a amostra do frasco para uma proveta de 250 ml (pode ser a mesma do início do ensaio) e lavar o frasco com água; - Resfriar a amostra até que atinja a temperatura ambiente. - OBS: O volume não deve exceder 175 ml; - Para equipamentos com marcação de leitura, deve-se estabelecer um ponto de equivalência, imergindo os eletrodos em uma proveta com água e ajustando a leitura para cerca de 20 mv a menos que a metade da escala; - Registrar a leitura aproximada do milivoltímetro;

11 - Limpar os eletrodos com papel absorvente; - Pipetar 2,00 ml da solução padrão de 0,05 N NaCl na proveta de amostra; - Colocar a proveta em um agitador magnético e adicionar uma barra de agitação revestida de flúor carbono; - Mergulhar os eletrodos na solução, cuidando para que não colidam com a barra de agitação; - Mexer delicadamente e, em seguida, colocar a ponta da bureta de 10 ml (cheia com solução padrão 0,05 N AgNO3 até o marco zero) dentro da solução da amostra ou acima dela; - Registrar a quantidade padrão de solução 0,05 N AgNO3 necessária para que a marcação do milivoltímetro seja -60,0 mv do ponto de equivalência determinado anteriormente; - Dar continuidade ao ensaio adicionando 0,20 ml e registrando a marcação da bureta e a leitura correspondente do milivoltímetro; - À medida que há a aproximação do ponto de equivalência, as adições de nitrato de prata vão causar maiores alterações nas leituras do milivoltímetro. Quando o ponto de equivalência é ultrapassado, as alterações tendem a diminuir a cada adição. O ensaio deve prosseguir até que sejam feitas três leituras depois do registro do ponto de equivalência ; - Calcular o ponto de equivalência exato e subtrair o registro feito com água; Cálculo para obtenção de resultados: Abaixo, está apresentada a fórmula que permite o cálculo da porcentagem de cloretos presente na amostra. C1 (em %) = 3,545 [(V1-V2)N]W (1) V1 = ml de solução de 0,05N de AgNO3 utilizado para a titulação da amostra ( ponto de equivalência ); V2 = ml de solução de 0,05N de AgNO3 utilizado para titulação da água ( ponto de equivalência ); N = normalidade exata da solução de 0,05 N AgNO3 ; W = massa da amostra em gramas. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com relação a ordem dos ensaios, o primeiro a ser realizado é a esclerometria, já que consiste em analisar a superfície do elemento estrutural e pode ser feita sem a necessidade de realizar perfurações, não havendo assim nenhum dano físico de maior escala. Em seguida deve-se realizar a abertura do concreto para dar início ao teste de carbonatação, o qual precisa avaliar o material ao nível das barras de aço. Terminado este, aproveita-se a exposição da armadura, para dar procedimento ao ensaio de potencial de corrosão realizando somente uma limpeza prévia das barras referente a sujeiras que podem ter sido causadas pelo teste da carbonatação. No caso de se usa uma armadura exposta de outro local da estrutura e estas estarem corroídas, retira-se o material, produto da corrosão

12 das barras, com o auxílio de uma lima. Quanto ao ensaio de teor de cloretos, a abertura do local para retirada das amostras deve contemplar outra área da estrutura, pois ele necessita de um maior cuidado na retirada das amostras para posterior análise em laboratório. Ao fim da realização de todos os ensaios, foi feita a limpeza do local utilizando pincéis para a remoção de pó e detritos gerados pelos ensaios e, em seguida reparado o concreto. Nos reparos referentes aos ensaios realizados neste artigo, utilizou-se o graute de reparo, com a superfície previamente preparada para aumentar a aderência da argamassa ao concreto antigo. Este preparo consistiu em umedecer a superfície até que o concreto esteja saturado com a superfície seca, para que este não retire água da argamassa, o que provocaria um plano de baixa aderência entre o reparo e a peça, além de a argamassa não se hidratar completamente. A região é então preenchida com argamassa ou graute de reparo conforme a figura 4. Por fim, deve-se realizar a cura da argamassa com o intuito de evitar o surgimento de fissuras. A cura deve ser feita utilizando uma fôrma, preferencialmente lisa, e esta deve estar úmida para evitar a perda de água da argamassa para o material. Nos reparos realizados neste artigo, foi utilizado como fôrma, papelão úmido, e, para fixação,barbante e madeiras funcionando de escoras, como mostra a Figura 5. FIGURA 4 - PREENCHIMENTO DA ABERTURA COM ARGAMASSA DE REPARO FONTE: AUTOR (2015)

13 FIGURA 5 FÔRMA FIXADA POR BARBANTE E ESCORAS DE MADEIRA FONTE: AUTOR (2015) CONCLUSÃO Foram abordados ao longo desde trabalho métodos complementares à inspeção visual realizada em pontes e viadutos. Tais métodos visaram uma maior qualificação e detalhamento dos dados característicos da ponte e também proporcionam a confecção de planos de ações para realizarem-se reparos nas estruturas. Quando uma obra de arte especial é submetida somente à uma avaliação visual de sua conjuntura, certas manifestações patológicas passam despercebidas pelos inspetores. Por mais que os profissionais sejam treinados, eles não são capazes de identificar tais situações de deterioração pelo simples fato de elas não serem visíveis na superfície da ponte. O ensaio de potencial de corrosão, por exemplo, indica se há chance de ocorrer a oxidação da armadura antes mesmo da estrutura apresentar alguma evidência de problema na superfície. Outro fator relevante é que os ensaios podem ser usados para investigar as causas de manifestações patológicas de mesma característica em vários elementos estruturais, como a capilaridade e a umidade do solo que geram corrosão nas armaduras de base de pilar. Em resumo, estes testes trazem uma nova variedade de dados e informações que podem ser utilizados na avaliação de uma OAE (Obra de arte especial). Os ensaios básicos propostos por este estudo são de simples execução e possuem um tempo de realização relativamente condizente ao período de inspeção de uma ponte. No geral, o tempo de duração da atividade aumenta, pois os ensaios exigem cuidados especiais na sua execução. Outro fator importante é a respeito do profissional que irá realizar a vistoria: ele deve possuir qualificações e competências mínimas, como o conhecimento do funcionamento da deterioração do concreto e das principais manifestações patológicas encontradas, para que os dados coletados sejam utilizáveis.

14 Ainda no campo dos ensaios propostos, todos eles contribuem de certa forma para construir um modelo que prevê a vida útil de uma estrutura de concreto. O ensaio de esclerometria traz uma relação entre a resistência superficial e a resistência efetiva de compressão, o que permite verificar a qualidade do concreto em questão e conferir dados de projeto da estrutura. A medida da profundidade de carbonatação ajuda a identificar o local onde se situa a frente de carbonatação do elemento e, consequentemente, a área suscetível à despassivação das armaduras. O ensaio de teor de cloretos indica primeiramente se há presença de cloretos na região e, com isso, ajuda a estimar uma possível região de corrosão da armadura. O potencial de corrosão consegue revelar se há problemas com armaduras internas, devido à umidade, cobrimento deficiente, despassivação da armadura. Dessa forma, com estes ensaios, pode-se estimar a quantidade de anos que a estrutura resistirá sem nenhuma intervenção. Este cenário de uso de ensaios para obter um maior número de dados quantitativos da obra de arte especial segue um padrão atual da engenharia, que não considera somente a estrutura como fator principal de avaliação da edificação, mas que coloca diversas variáveis na equação da operação e durabilidade. A construção não é mais pensada simplesmente com o objetivo de solucionar um problema proposto, mas sim de englobar uma visão mais sistêmica da questão, proporcionando uma vida-útil mais proveitosa. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. STANDARTS. C : Standard Test Method for Acid-Soluble Chloride in Mortar and Concrete. Pennsylvania United States, AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. STANDARTS. C876 09: Standard Test Method for Corrosion Potentials of Uncoated Reinforcing Steel in Concrete. Pennsylvania United States, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118: Projeto de estruturas de concreto procedimento. Rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7584: Concreto endurecido Avaliação da dureza superficial pelo esclerômetro de reflexão método de ensaio. Rio de Janeiro, 2012.

15 CASCUDO, O. O controle da corrosão de armaduras em concreto inspeção e técnicas eletroquímicas. Co-edição, São Paulo: Ed. PINI, Goiânia: Ed. UFG, HELENE, P. R. L. Contribuição ao estudo da corrosão em armaduras de concreto armado Tese (Livre Docência) - Universidade de São Paulo. São Paulo, MAIN ROADS WESTERN AUSTRALIA - SCANLON, R. F; LIM, A. Routine Visual Bridge Inspection Guidelines (Level 1 Inspections) For Bridges Disponível em:< https://www.mainroads.wa.gov.au/documents/routine%20visual%20inspection%20guidelines%2 0-% %20-%20Rev2(2).RCN-D13%5E PDF> Acesso em: 05. Mar MITRE, M. P. Metodologia para inspeção e diagnóstico de pontes e viadutos de concreto Dissertação (Mestrado) Universidade de São Paulo. São Paulo, MEDEIROS, M. H. F. ; OLIVEIRA, H. B. ; HELENE, Paulo. Fatores de influência nas leituras de potencial de corrosão: Estudo de caso de prédios no Rio de Janeiro. In: Congresso Internacional sobre Patologia e Reabilitação de Estrutras, 2009, Curitiba. v. Único. p MESQUITA, C. Metodologias de inspeção e ensaios para avaliação do estado de conservação de estruturas afetadas por corrosão de armaduras Disponível em:<http://www.scielo.oces.mctes.pt/scielo.php?pid=s &script=sci_arttext&tlng=pt> Acesso em: 07. Mar OMES, N. A. Estruturas de Concreto Armado Interrompidas em Ambiente Urbano: Avaliação da Carbonatação à Luz das Recomendações da NBR 6118: São Carlos: UFScar, p. Disponível em: <http://www.bdtd.ufscar.br/htdocs/tedesimplificado/tde_busca/arquivo.php?cod Arquivo=963> Acesso em: 05. Mar RIBEIRO, D. V. ; HELENE, P. ; SALES, A. ; SOUZA, C. A. C. ; ALMEIDA, F. C. R. ; CUNHA, M. P. T. ; LOURENCO, M. Z.. Corrosão em Estruturas de Concreto:Teoria, Controle e Métodos de Análise. 1. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, p SAHUINCO, M. H. C. Utilização de Métodos não Destrutivos e Semi-destrutivos na Avaliação de Pontes de Concreto Armado. São Paulo, Disponível em:<http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3146/tde /pt-br.php>. Acesso em: 05. Mar

Ensaios para Avaliação das Estruturas

Ensaios para Avaliação das Estruturas ENSAIOS PARA INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Eliana Barreto Monteiro Ensaios para Avaliação das Estruturas Inspeção visual Ensaios não destrutivos Ensaios destrutivos Ensaios para Avaliação das

Leia mais

Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2

Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2 Resumo Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2 1 Votorantim Metais / Desenvolvimento de Mercado / luiza.abdala@vmetais.com.br

Leia mais

Doutorando do Departamento de Construção Civil PCC/USP, São Paulo, SP paulo.barbosa@poli.usp.br 2

Doutorando do Departamento de Construção Civil PCC/USP, São Paulo, SP paulo.barbosa@poli.usp.br 2 Influência de ciclos de molhamento e secagem, da altura e do posicionamento de pilares no teor de íons cloreto presentes no concreto de estrutura com 30 anos de idade Paulo Barbosa 1, Paulo Helene 2, Fernanda

Leia mais

Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira

Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira Ponte de Vitória (ES) é um trabalho pioneiro no Brasil, principalmente

Leia mais

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS Helton Gomes ALVES 1, Kátya Dias NERI 1, Eudésio Oliveira VILAR 1 1 Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

Engenharia Diagnóstica

Engenharia Diagnóstica Engenharia Diagnóstica Ensaios Não Destrutivos - END Concreto Armado e Instalações PATOLOGIAS, DANOS E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL ENG. LEONARDO MEDINA ROSARIO,ESP,MBA Engenharia Diagnóstica

Leia mais

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Ensaios destrutivos que danificam ou comprometem o desempenho estrutural. Inspeção e diagnóstico do desempenho de estruturas existentes de concreto

Leia mais

DIAGNÓSTICO, ENSAIOS PARA DIAGNÓSTICO E TIPOS DE INTERVENÇÃO. Prof. Bernardo F Tutikian

DIAGNÓSTICO, ENSAIOS PARA DIAGNÓSTICO E TIPOS DE INTERVENÇÃO. Prof. Bernardo F Tutikian DIAGNÓSTICO, ENSAIOS PARA DIAGNÓSTICO E TIPOS DE INTERVENÇÃO Prof. Bernardo F Tutikian Desempenho das Construções Problemas patológicos Quando uma edificação fica doente, ou apresenta algum problema em

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL Profa. Eliana Barreto Monteiro Você sabia? Que na maioria das vezes a aplicação da argamassa de reparo deve ser manual? A diferença entre reparo superficial e profundo? Procedimentos

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO

Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO Engenharia de Diagnóstico A engenharia Diagnóstica é a disciplina da ciência que procura a natureza e a causa das anomalias patológicas das construções, com

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DE OBRAS DE ARTES ESPECIAIS, SELECIONADAS NA BR 101 ESTUDO DE CASO: PONTE SOBRE O RIO ARAÇATUBA SC.

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DE OBRAS DE ARTES ESPECIAIS, SELECIONADAS NA BR 101 ESTUDO DE CASO: PONTE SOBRE O RIO ARAÇATUBA SC. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DE OBRAS DE ARTES ESPECIAIS, SELECIONADAS NA BR 101 ESTUDO DE CASO: PONTE SOBRE O RIO ARAÇATUBA SC. RESUMO Patrick Campos de Souza (1), Daiane dos Santos da Silva (2)

Leia mais

Estudo de variáveis que influenciam nas medidas de resistividade de estruturas de concreto armado. Marcelo H. F. de Medeiros 1

Estudo de variáveis que influenciam nas medidas de resistividade de estruturas de concreto armado. Marcelo H. F. de Medeiros 1 Estudo de variáveis que influenciam nas medidas de resistividade de estruturas de concreto armado Marcelo H. F. de Medeiros 1 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo São Paulo, Brasil RESUMO A

Leia mais

Avaliação do processo corrosivo instaurado na estrutura de concreto armado de uma edificação com mais de 50 anos de idade

Avaliação do processo corrosivo instaurado na estrutura de concreto armado de uma edificação com mais de 50 anos de idade Manifestações patológicas nas construções Avaliação do processo corrosivo instaurado na estrutura de concreto armado de uma edificação com mais de 50 anos de idade Evaluation of the corrosion process brought

Leia mais

ANÁLISE DE PROCEDIMENTOS PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CORROÍDAS

ANÁLISE DE PROCEDIMENTOS PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CORROÍDAS ANÁLISE DE PROCEDIMENTOS PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CORROÍDAS Ana Carolina Lopes Duarte (1) ; Thiago Thielmann Araújo (2) ; Maria Teresa Gomes Barbosa (3) ; José Alberto Castanon

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DE ANODO DE SACRIFÍCIO PARA PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CONTRA CORROSÃO

ANÁLISE DO DESEMPENHO DE ANODO DE SACRIFÍCIO PARA PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CONTRA CORROSÃO ANÁLISE DO DESEMPENHO DE ANODO DE SACRIFÍCIO PARA PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CONTRA CORROSÃO RESUMO César Augusto Madeira Trevisol (1), Fernando Pelisser (2); UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001 CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE QUÍMICA - LICENCIATURA INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA SÉRIE: EXPERIÊNCIAS DEMONSTRATIVAS REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

MANUTENÇÃO DAS ESTRUTURAS METALICAS COM UTILIZAÇÃO DOS ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

MANUTENÇÃO DAS ESTRUTURAS METALICAS COM UTILIZAÇÃO DOS ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS MANUTENÇÃO DAS ESTRUTURAS METALICAS COM UTILIZAÇÃO DOS ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS RESUMO. Engº. Fabio Gomes da Costa; M.Sc* *Engenheiro Civil Pós-Graduado Engenharia e Ciências dos Materiais e Processos Metalúrgico

Leia mais

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO Costenaro, F. L. (1); Isa M. M. (2) (1) Graduanda de Eng. Civil. Faculdade de Engenharia de Bauru

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (CAUSAS QUÍMICAS ATAQUE ÁLCALI/AGREGADO) Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 REAÇÕES ENVOLVENDO A FORMAÇÃO DE PRODUTOS EXPANSIVOS Ataque por sulfatos Ataque

Leia mais

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7 Pág. 1 de 7 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi 1. Descrição: Produto bicomponente, pré-dosado, à base de epóxi, isento de estireno e não retrátil, disposto em bisnaga com câmaras independentes,

Leia mais

Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas

Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas António Costa Avaliação do Estado da Estrutura Objectivos: Definir o tipo e as causas da deterioração Definir o nível de deterioração Prever

Leia mais

localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo

localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo Inspecções e ensaios não destrutivos em pontes localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo Duarte Abecasis, Tiago Ribeiro OZ, Lda. Ambientes agressivos

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Bianca P. Moreira 1, Geraldo C. Isaia 2, Antônio L. G. Gastaldini 3 1

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PREPARO, RECEBIMENTO, LANÇAMENTO E CURA DO CONCRETO

Leia mais

Estudo sobre a utilização do ensaio de dureza superficial no controle tecnológico de fundações rasas do tipo radier

Estudo sobre a utilização do ensaio de dureza superficial no controle tecnológico de fundações rasas do tipo radier PROCEDIMENTOS Estudo sobre a utilização do ensaio de dureza superficial no controle tecnológico de fundações rasas do tipo radier VALIN JR, Marcos de Oliveira(1); CUNHA DA SILVA, Roberto Sampaio (2); (1)

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0041 CRUZETAS DE AÇO TUBULAR 1/14

Leia mais

Parâmetros de Avaliação de Patologias em Obras-de-Arte Especiais. Mychael V. C. Lourenço 4

Parâmetros de Avaliação de Patologias em Obras-de-Arte Especiais. Mychael V. C. Lourenço 4 Parâmetros de Avaliação de Patologias em Obras-de-Arte Especiais Líbia C. Lourenço 1,*, Vancler R. Alves 2, João C. Jordy 2, Luiz Carlos Mendes 3 Universidade Federal Fluminense, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 1 de 11 APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 2 de 11 SUMÁRIO Página 1. OBJETIVO... 03 2. PREPARAÇÃO DAS SUPERFÍCIES...

Leia mais

O que são os Ensaios Não Destrutivos

O que são os Ensaios Não Destrutivos Resumo Nesse relatório vamos identificar as descontinuidade de uma peça usando ensaio por líquidos penetrantes, o qual consiste na aplicação do líquido penetrante e de um revelador que irá identificar

Leia mais

3ª PONTE DE VITÓRIA MONITORAMENTO E MANUTENÇÃO PERMANENTE. José Eduardo de Aguiar (1); Djardiere Dalvi (2); Abdias Magalhães Gomes (3)

3ª PONTE DE VITÓRIA MONITORAMENTO E MANUTENÇÃO PERMANENTE. José Eduardo de Aguiar (1); Djardiere Dalvi (2); Abdias Magalhães Gomes (3) 3ª PONTE DE VITÓRIA MONITORAMENTO E MANUTENÇÃO PERMANENTE José Eduardo de Aguiar (1); Djardiere Dalvi (2); Abdias Magalhães Gomes (3) (1) Engenheiro civil, Recuperação Serviços Especiais de Engenharia

Leia mais

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO Objetivo Assegurar que a estrutura satisfaça, durante o seu tempo de vida, os requisitos de utilização, resistência e estabilidade, sem perda significativa de utilidade nem excesso de manutenção não prevista

Leia mais

SEMINÁRIO TÉCNICAS NÃO TRADICIONAIS DE REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO BETÃO ARMADO. OE Lisboa 25 de Outubro de 2013. José Paulo Costa

SEMINÁRIO TÉCNICAS NÃO TRADICIONAIS DE REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO BETÃO ARMADO. OE Lisboa 25 de Outubro de 2013. José Paulo Costa SEMINÁRIO TÉCNICAS NÃO TRADICIONAIS DE REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO BETÃO ARMADO OE Lisboa 25 de Outubro de 2013 José Paulo Costa TÉCNICAS NÃO TRADICIONAIS DE REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO BETÃO ARMADO 1. REFORÇO

Leia mais

ANÁLISE DO ALCANCE DA AGRESSIVIDADE PROVOCADA PELOS ÍONS CLORETOS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE DO ALCANCE DA AGRESSIVIDADE PROVOCADA PELOS ÍONS CLORETOS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO II Workshop Mudanças Climáticas e Impactos sobre Regiões Costeiras Litoral Norte de São Paulo ANÁLISE DO ALCANCE DA AGRESSIVIDADE PROVOCADA PELOS ÍONS CLORETOS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Mestrando:

Leia mais

Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade

Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade Realização: Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade Ricardo Leopoldo e Silva França PALESTRA do Gogó da Ema! Quatro apresentações,

Leia mais

CUSTOS DE RECUPERAÇÃO ESTRUTURAL: UM ESTUDO DE CASO. F. G. X. Oliveira (1), V. J. B. F. Filgueiras (1), G. R. Meira (2), A. M. P. Carneiro (3) RESUMO

CUSTOS DE RECUPERAÇÃO ESTRUTURAL: UM ESTUDO DE CASO. F. G. X. Oliveira (1), V. J. B. F. Filgueiras (1), G. R. Meira (2), A. M. P. Carneiro (3) RESUMO CUSTOS DE RECUPERAÇÃO ESTRUTURAL: UM ESTUDO DE CASO F. G. X. Oliveira (1), V. J. B. F. Filgueiras (1), G. R. Meira (2), A. M. P. Carneiro (3) (1) Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil da Universidade

Leia mais

ISO 9001 : 2008. De 11/03/2013 a 15/03/2013. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: Das 8h30min às 17h30min

ISO 9001 : 2008. De 11/03/2013 a 15/03/2013. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: Das 8h30min às 17h30min ISO 9001 : 2008 Inspeção, Avaliação, Reforço e Recuperação das Estruturas de Concreto e Edificações De 11/03/2013 a 15/03/2013 Visita à obra do Estádio do Maracanã Local: Hotel a definir Rio de Janeiro

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

Diagnóstico do estado de conservação e hierarquização das medidas de intervenção - estádio Bernardo Werner - Blumenau/SC

Diagnóstico do estado de conservação e hierarquização das medidas de intervenção - estádio Bernardo Werner - Blumenau/SC Diagnóstico do estado de conservação e hierarquização das medidas de intervenção - estádio Bernardo Werner - Blumenau/SC Diagnosis of the conservation state and action prioritization - stadium Bernardo

Leia mais

Instrumentos de análise da corrosão

Instrumentos de análise da corrosão corrosion analysis Instrumentos de análise da corrosão Todas as estruturas de concreto estão sujeitas a influências agressivas que, com o tempo, causam desgaste. São especialmente suscetíveis as estruturas

Leia mais

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia, Crea-BA RELATÓRIO VISTORIA Nº. 007/2012

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia, Crea-BA RELATÓRIO VISTORIA Nº. 007/2012 , Crea-BA RELATÓRIO DE VISTORIA Nº. 007/2012 Salvador, 03 de abril de 2012. , Crea-BA RELATÓRIO DE VISTORIA 1 - SOLICITANTE: Vereadora Aladilce Souza Membro da Frente Parlamentar Mista em defesa de Itapuã,

Leia mais

Determinação de cloretos em produtos de origem animal por argentometria

Determinação de cloretos em produtos de origem animal por argentometria Página 1 de 9 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de cloretos ou cloretos em NaCl de produtos de origem animal. 2 Fundamentos O ensaio fundamenta-se na reação do nitrato de prata com

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

Implantação de programas de manutenção preventiva e corretiva em estruturas de concreto armado

Implantação de programas de manutenção preventiva e corretiva em estruturas de concreto armado Manifestações patológicas na construção Implantação de programas de manutenção preventiva e corretiva em estruturas de concreto armado Implementation of preventive and corrective maintenance program in

Leia mais

O que é durabilidade?

O que é durabilidade? DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 Conceito de Durabilidade O que é durabilidade? A durabilidade é a capacidade que um produto, componente ou construção possui

Leia mais

CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES

CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES Os produtos SODRAMAR em Aço Inox são fabricados utilizando matéria prima com alto padrão de qualidade, e como tal merecem cuidados. Preocupados em manter a beleza

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Nina Celeste Macario Simões da Silva (1), José Afonso P. Vitório (2) Romilde Almeida de Oliveira (3) (1)Mestranda, Programa de Pós-graduação

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

ENGº DANIEL GARCIA DE GARCIA LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA - FORO DA COMARCA PELOTAS

ENGº DANIEL GARCIA DE GARCIA LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA - FORO DA COMARCA PELOTAS ENGº DANIEL GARCIA DE GARCIA LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA - FORO DA COMARCA PELOTAS PORTO ALEGRE MARÇO DE 2013 DADOS DO SERVIÇO: Cliente: DEAM - TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL FORO DA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Estruturas de Concreto

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Estruturas de Concreto UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Estruturas de Concreto Concreto Armado Brita Cimento, areia Adições, aditivos + aço Cimento Hidratado Cimento

Leia mais

INSPEÇÃO E MONITORAMENTO DE EDIFÍCIOS COM ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

INSPEÇÃO E MONITORAMENTO DE EDIFÍCIOS COM ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO INFORMAÇÕES OBJECTIVOS Detalhar e analisar a inspeção de edifícios, avaliando os fatores que a influenciam e as ferramentas disponíveis. Dar a conhecer os diferentes tipos de ensaios experimentais em edifícios,

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ÁGUA POTÁVEL PARA ELIMINAÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA TRATADA

IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ÁGUA POTÁVEL PARA ELIMINAÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA TRATADA IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ÁGUA POTÁVEL PARA ELIMINAÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA TRATADA Andrello, José Mario(1); Galletto, Adriana (2) (1) Instituto IDD, contato@petraconsultoria.com.br (2) Unicamp,

Leia mais

INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ RESUMO PADARATZ, Ivo J. (1); CANOVA, José A. (2); DE MORI, Luci M. (3);

Leia mais

TT32 REFORÇO ESTRUTURAL COM FIBRA DE CARBONO

TT32 REFORÇO ESTRUTURAL COM FIBRA DE CARBONO TT32 REFORÇO ESTRUTURAL COM FIBRA DE CARBONO GILBERTO COURI ENGENHEIRO CIVIL (PUC/RJ), MESTRE EM CIÊNCIAS EM ENGENHARIA (PUC/RJ), DOUTORADO EM ENGENHARIA (COPPE/UFRJ). PROFESSOR TITULAR NA FACULDADE DE

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

Impermeável Protector Resistente impermeabilizações objectivo - problema - solução objectivo 1 Prevenir a infiltração de água para os pavimentos e paredes das cozinhas, casas de banho, balneários e outros

Leia mais

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS Eng o Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda LPgomes@iecengenharia.com.br 21 2159

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

ISO 9001 : 2008. De 12/03/2012 16/03/2012. Local: Hotel a definir Copacabana - RJ. Carga Horária: 40 horas. Horário: Das 8h30min às 17h30min

ISO 9001 : 2008. De 12/03/2012 16/03/2012. Local: Hotel a definir Copacabana - RJ. Carga Horária: 40 horas. Horário: Das 8h30min às 17h30min ISO 9001 : 2008 Inspeção, Avaliação, Reforço e Recuperação das Estruturas de Concreto e Edificações De 12/03/2012 16/03/2012 Local: Hotel a definir Copacabana - RJ Carga Horária: 40 horas Horário: Das

Leia mais

Estruturas de Saneamento. Soluções para impermeabilização e proteção de estruturas que armazenam água e efluentes

Estruturas de Saneamento. Soluções para impermeabilização e proteção de estruturas que armazenam água e efluentes Estruturas de Saneamento Soluções para impermeabilização e proteção de estruturas que armazenam água e efluentes SUMÁRIO Zentrifix Elastic pág. 7-8 MC-RIM pág. 9-10 Xypex pág. 11-12 MC-DUR 1100 Diffusion

Leia mais

ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA

ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA Kaisson Teodoro de Souza, Msc; Ricardo Frangiosi de Moura,Msc; Gabriel Cintra Escola Técnica

Leia mais

INSPECÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO

INSPECÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO INSPECÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO António Costa Instituto Superior Técnico AVALIAÇÃO DO ESTADO DA ESTRUTURA Identificação das anomalias e caracterização da segurança e do estado de deterioração

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

Patologia em fachadas com revestimentos cerâmicos

Patologia em fachadas com revestimentos cerâmicos Manifestações patológicas na construção Patologia em fachadas com revestimentos cerâmicos Pathology on facades with ceramic coatings Galletto, Adriana (1); Andrello, José Mario (2) Mestre em Engenharia

Leia mais

Deterioração de marquises de concreto armado na cidade de Bambuí (MG)

Deterioração de marquises de concreto armado na cidade de Bambuí (MG) a r t i g o Envie artigo para: techne@pini.com.br. O texto não deve ultrapassar o limite de 15 mil caracteres (com espaço). Fotos devem ser encaminhadas separadamente em JPG Deterioração de marquises de

Leia mais

Análise de patologias e recuperação estrutural em edificação desocupada por décadas

Análise de patologias e recuperação estrutural em edificação desocupada por décadas Manifestações patológicas na construção Análise de patologias e recuperação estrutural em edificação desocupada por décadas Analysis of pathologies and structure recovery in construction vacated per decades

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 03 Síntese do Oxalato

Leia mais

Innovation in Building Chemicals

Innovation in Building Chemicals Innovation in Building Chemicals Engº José Roberto Saleme Jr. MC-Bauchemie MC Muller Chemie Bau Construção Chemie Químicos MC-Bauchemie Multinacional Alemão Privado 48 anos de experiência 19 fábricas e

Leia mais

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Universidade de São Paulo. Instituto de Química. Proposta de experimento didático para a disciplina QFL 3201

Universidade de São Paulo. Instituto de Química. Proposta de experimento didático para a disciplina QFL 3201 Universidade de São Paulo Instituto de Química Proposta de experimento didático para a disciplina QFL 3201 Larissa Ciccotti São Paulo 2010 A disciplina Química das Águas (QFL 3201) contou com cinco aulas

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

Patologia. Ciência que estuda a origem, os sintomas e o mecanismo de ação das doenças MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO

Patologia. Ciência que estuda a origem, os sintomas e o mecanismo de ação das doenças MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 IMPORTÂNCIA DO ESTUDO Conhecer da evolução dos problemas Estudar as suas causas Fornecer informações para os trabalhos

Leia mais

Aulas práticas de Química Ambiental: Alguns Experimentos para a Determinação da Qualidade de Águas Superficiais

Aulas práticas de Química Ambiental: Alguns Experimentos para a Determinação da Qualidade de Águas Superficiais 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA Aulas práticas de Química Ambiental: Alguns Experimentos para a Determinação da Qualidade de Águas Superficiais

Leia mais

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS. IBAPE/AM PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA Resumo Trata-se da solução de um problema de infiltração

Leia mais

Ambientes agressivos. Rodnei Corsini

Ambientes agressivos. Rodnei Corsini Ambientes agressivos Téchne 196 - Julho 2013 Projetos de estruturas de concreto expostas a ambientes quimicamente agressivos exigem atenção especial para assegurar desempenho e vida útil à edificação Rodnei

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

Zona de Transição. Azul de Timol (A) (faixa ácida) 1,2 2,8 Vermelho Amarelo. Tropeolina OO (B) 1,3 3,2 Vermelho Amarelo

Zona de Transição. Azul de Timol (A) (faixa ácida) 1,2 2,8 Vermelho Amarelo. Tropeolina OO (B) 1,3 3,2 Vermelho Amarelo ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. Indicador Zona de Transição Cor Ácida Cor Básica Azul de Timol (A) (faixa ácida) 1,2 2,8 Vermelho Amarelo Tropeolina

Leia mais

Resumo. Palavras-chave. Corrosão das armaduras; Reação álcali agregado; Patologia.

Resumo. Palavras-chave. Corrosão das armaduras; Reação álcali agregado; Patologia. Investigação dos Agentes Causadores de Corrosão nas Armaduras em Pontes de Concreto na Região do Curimataú Oriental Paraibano. Túlio Raunyr Cândido Felipe 1, Maria das Vitorias do Nascimento 2, Weslley

Leia mais

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1 Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Objetivo: Conhecer os materiais volumétricos e as técnicas de utilização desses materiais. I. Introdução teórica: Medir volumes de líquidos faz

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

made for life Inox na Arquitetura Manutenção e Limpeza

made for life Inox na Arquitetura Manutenção e Limpeza made for life Inox na Arquitetura Manutenção e Limpeza Fabricante de aços inoxidáveis, a Aperam South America apresenta este catálogo para que os profissionais das áreas de Arquitetura e Construção Civil

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais