Documento No. R 0822 Revisão 0 15 setembro 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Documento No. R 0822 Revisão 0 15 setembro 2008"

Transcrição

1 MAKAI Engenharia & Serviços Ltda. fone /fax: / 8759 Website: Documento No. R 0822 Revisão 0 15 setembro 2008 MANUAL DE INSTALAÇÃO E USO MESA DE REAÇÃO PARA CARGAS DINÂMICAS DE 25 kn < LABORATÓRIO DE ESTRUTURAS VEICULARES > Referência Makai: Serviço S08.50 Arquivo: R0822 CIMATEC 11 páginas A4 Cliente: SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial CIMATEC Centro Integrado de Manufatura e Tecnologia FIEB Federação das Indústrias do Estado da Bahia Elaborado por: Adalto F. da Conceição Tecnólogo Senior Makai Alexius Masiukewycz Engenheiro Mecânico, MS Makai Mauro G. Vidal Ocean Engineer, MS Makai Resumo Este documento técnico, elaborado por Makai Engenharia & Serviços Ltda, apresenta os cuidados básicos e instruções técnicas para a correta instalação no Laboratório de Estruturas Veiculares do CIMATEC, dos módulos da mesa de reação para cargas dinâmicas até 25 kn, conforme projeto executivo desenvolvido pela Makai, visando principalmente o posicionamento das placas modulares da mesa sobre o bloco inercial de concreto, o nivelamento das mesmas, e a fixação dos módulos através de parafusos chumbadores de expansão no bloco de concreto. O documento apresenta também orientações e instruções de uso da mesa para uma correta fixação de amostras de peças que poderão ser submetidas a ensaios de fadiga mecânica. Quadro de Revisões Rev Data Resp. Comentários 0 15/set/08 Makai Emissão original

2 Mesa de Reação para Cargas Dinâmicas até 25 kn Set/08 página 2 de INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo apresentar, de forma clara e didática, uma seqüência de instruções técnicas para a correta instalação dos módulos que compõe a mesa de reação, conforme planejado pela projetista da mesa. A mesa de reação é composta por 12 módulos de placas de aço, com as dimensões nominais de 2,3 m x 1,00 m x 60 mm. Cada módulo pesa aproximadamente 1 tonelada. Os módulos possuem 4 furos com rosca na superfície superior para a fixação de olhais de içamento para o seu manuseio seguro. A sala do laboratório no qual será instalada a mesa tem as dimensões aproximadas de 7,0 m x 9,5 m com pé direito de 3,8 m. Parte do piso da sala corresponde a superfície de um bloco inercial de concreto totalmente enterrado no solo, e aproximadamente nivelado com o piso do laboratório, com área de 4 m x 7 m e espessura de 1,5 m. Os módulos da mesa de reação deverão ser fixados pro meio de buchas de expansão a esse bloco inercial de concreto, de maneira a oferecer uma única superfície plana e horizontal, sobressalente ao nível do piso, para a fixação de peças mecânicas de ensaio, dispositivos, e atuadores hidráulicos. A mesa de reação proverá os meios físicos de fixação das peças, dos dispositivos, e dos atuadores hidráulicos em diversas configurações de ensaio, e transmitirá os esforços decorrentes do ensaio das peças para o bloco inercial de concreto. 2.0 DOCUMENTOS DE REFERENCIA Durante a instalação dos módulos da mesa de reação 25 kn poderá ser necessário consultar o desenho de montagem da mesa e sua lista de materiais e componentes: Desenho No Mesa de Reação 25 kn Laboratório de Estruturas Veiculares Montagem da Mesa Completa 4 m x 7 m (nominal) LMC No. L Mesa de Reação 25 kn

3 Mesa de Reação para Cargas Dinâmicas até 25 kn Set/08 página 3 de INSTRUÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DA MESA DE REAÇÃO 3.1 Preâmbulo As instruções para instalação da mesa de reação apresentadas neste documento, foram planejadas detalhadamente para possibilitar a perfeita instalação do equipamento no bloco inercial de concreto existente no laboratório do CIMATEC, e recomenda-se que a empresa responsável pela instalação siga essas instruções tanto quanto possível. Não obstante, por se tratar de um serviço de instalação não usual, e com requisitos bem específicos, a empresa instaladora poderá propor uma seqüência de instalação diferente da sugerida, que ela julgue ser mais adequada para o sucesso do serviço de instalação. A sala operacional do laboratório tem dimensões de 7,0 m x 9,5 m e pé direito de 3,80 m. Nessa sala, com piso plano e horizontal, está construído um bloco inercial de concreto armado que servirá de base para a fixação da mesa (metálica) de reação. O bloco inercial de concreto tem um comprimento de 7 m por uma largura de 4 m e uma profundidade de 1,5 m, com massa aproximada de kg. A superfície de 4 x 7 m plana e horizontal, no mesmo nível do piso, possui uma malha de armação, logo abaixo da sua superfície, com barras redondas de ferro de construção, 10 mm de diâmetro, espaçadas de 120 mm nas duas direções do plano horizontal, e recobertas com uma camada de concreto entre 20 e 25 mm de espessura. Os módulos da mesa de reação são constituídos por placas grossas, espessura nominal de 2.1/2, de aço laminado ASTM A-36, usinadas na superfície superior e nas suas faces laterais com a geometria final de x x 60 mm, pesando cerca de 1 tonelada cada módulo. Ao todo poderão ser instalados 12 módulos da mesa sobre o bloco inercial de concreto, sub-dividido em regiões, conforme ilustrado na figura 1. Cada módulo da mesa é dotado de 4 furos roscados na sua superfície superior para a fixação de olhais de içamento. O manuseio dos módulos deverá ser realizado sempre através desses olhais de içamento aparafusados e torqueados aos furos roscados, com o auxílio de equipamento de içamento adequado e seguro. Não existe ponte rolante disponível na sala operacional, portanto, será necessário o uso de uma empilhadeira ou pórtico móvel de capacidade adequada para o içamento seguro das placas. Apenas acessórios certificados para içamento de carga poderão ser utilizados no serviço de instalação. A empresa instaladora é a responsável pelo correto uso dos acessórios.

4 Mesa de Reação para Cargas Dinâmicas até 25 kn Set/08 página 4 de Marcação e Verificação da Superfície do Bloco Sugere-se iniciar o trabalho traçando-se na superfície do bloco as linhas divisórias das 12 regiões conforme mostrado na figura 1. Nesse trabalho de marcação do bloco é necessário identificar exatamente as regiões sob os parafusos de nivelamento de cada módulo. A superfície do bloco deve estar limpa e isenta de partículas soltas. Recomenda-se até mesmo uma pintura superficial com uma tinta de fundo adequada para concreto aparente. A superfície do bloco inercial de concreto deve estar razoavelmente plana e horizontal, porém, a instaladora deverá confirmar a existência de irregularidades da superfície exposta do bloco de concreto, e determinar a região de maior elevação. Para essa tarefa ela pode utilizar-se de um nível longo e uma régua reta (perfilado de alumínio) com um comprimento adequado. Figura 1 Demarcação das linhas divisórias na superfície do bloco de concreto Se for confirmado que uma região é bem mais elevada do que as demais, desníveis acima de 10 ou 15 mm, então sugere-se iniciar a instalação dos módulo por essa região mais elevada. Se não houver uma região preponderantemente mais elevada então devese começar a instalação por uma região de canto.

5 Mesa de Reação para Cargas Dinâmicas até 25 kn Set/08 página 5 de Posicionamento dos Módulos Antes de se posicionar o primeiro módulo é importante marcar os pontos de nivelamento de cada região, conforme mostrado na figura 2. Em seguida deve-se preparar as chapas de apoio para os parafusos niveladores. Essas chapas de apoio podem ser retalhos de chapa de aço carbono comum, dimensões aproximadas de 100 mm x 100 mm x 1/8. Figura 2 Coordenadas dos pontos niveladores Essas pequenas chapas deverão ser coladas com uma cola adequada (aço x concreto) na superfície do bloco de concreto na posição dos parafusos niveladores, conforme ilustrado na figura 3. Tanto quanto possível, essas placas devem estar niveladas no mesmo plano horizontal. Figura 3 Posicionamento das placas de apoio dos niveladores

6 Mesa de Reação para Cargas Dinâmicas até 25 kn Set/08 página 6 de 11 Com as chapas de apoio dos niveladores coladas a base de concreto, procede-se a colocação do primeiro módulo da mesa sobre as mesmas e posicioná-la corretamente. O manuseio de cada módulo da mesa deve ser feito com o máximo cuidado. Os módulos possuem quatro furos roscados para adaptação de olhais de içamento. O equipamento de levantamento da carga a ser utilizado, seja um pórtico móvel ou uma empilhadeira deve ser selecionada levando em conta o peso de cada módulo e sua geometria. Todos os acessórios de içamento de carga, tais como cabos de aço; grampos; e outros, devem ser certificados para o uso e adequados para a tarefa. 3.4 Nivelamento dos Módulos Com o primeiro módulo corretamente apoiado sobre as chapas de apoio procede-se ao nivelamento do mesmo através dos parafusos niveladores conforme ilustrado na figura 4. Figura 4 Parafusos de nivelamento O nivelamento dos módulos poderá ser realizado com o emprego de dois níveis longos adequados apoiados sobre o módulo da mesa de reação. Apesar de apenas 3 parafusos niveladores serem suficientes para o correto nivelamento do módulo, obter-se-á uma melhor estabilidade do módulo com os 4 parafusos niveladores devidamente apoiados nas suas respectivas placas de apoio.

7 Mesa de Reação para Cargas Dinâmicas até 25 kn Set/08 página 7 de Furação no Bloco de Concreto para Fixação dos Módulos Cada módulo da mesa de reação possui 8 furos passantes nos quais serão acomodados os parafusos de fixação que serão rosqueados nos chumbadores cravados no bloco de concreto. Os furos no bloco devem ser feitos com o módulo corretamente posicionado. Deve-se utilizar um martelete pneumático com função impacto e rotação ou uma furadeira de impacto de porte adequado e com base magnética. Existe uma boa folga dimensional entre o diâmetro do furo passante e o diâmetro do chumbador especificado, não obstante, os furos no bloco devem ser bem centrados e realizados com o máximo cuidado para não se danificar a parede do furo passante no módulo da mesa, conforme sugerido pela ilustração da figura 6. Figura 5 Furação no bloco de concreto para os chumbadores Deve-se seguir as instruções do fabricante do chumbador (TECNART) para o serviço de furação do bloco de concreto. Sugere-se também que os resíduos de material sejam constantemente removidos com um aspirador industrial adequado, durante a operação de furação. A profundidade dos furos para os chumbadores Tecnart URST M16 deve ser de 67 mm (-0 mm /+4 mm) a partir da superfície do bloco de concreto, ou 130 mm (- 0 mm / + 3 mm) com referência ao plano da mesa. Pode acontecer que ao se iniciar o furo no bloco de concreto, a broca de vídia encontre uma barra da malha da armação do concreto. Nesse caso, deve-se avaliar a dificuldade encontrada e decidir entre duas opções: a) continuar a furação no concreto mesmo se cortando a barra de armação, porém mantendo-se o direcionamento do furo, ou b) abandonar o furo. Como cada módulo da mesa possui 8 furos para sua fixação no bloco de concreto, podese abandonar um dos furos sem comprometer a funcionalidade de todo o conjunto.

8 Mesa de Reação para Cargas Dinâmicas até 25 kn Set/08 página 8 de Instalação dos Chumbadores e Fixação do Módulo Seguir as instruções do fabricante para a correta instalação dos chumbadores. Os furos no concreto devem estar completamente limpos antes de se inserir os chumbadores. O tipo de chumbador especificado (Tecnart URST) emprega uma bucha (comumente denominada bala) com geometria cilíndrica/cônica que é montada após a inserção do chumbador no concreto. A cravação dos mesmos deve ser feita com a ferramenta especial do fabricante Tecnart para o chumbador escolhido, batedor BTT. É interessante se ter a mão pequenos retalhos de chapas finas de aço, com espessuras diversas, que possam ser usados como calços do módulo em torno dos furos de fixação no concreto. Para se rosquear os parafusos de fixação do módulo deve-se utilizar as arruelas especiais (ver desenho série S0850) conforme ilustrado na figura 6. O torque de aperto dos parafusos sextavados M16 de fixação do módulo deve ser de 50 N.m (+/- 2 N.m). Figura 6 Inserção dos chumbadores O torque de aperto nos parafusos deve ser controlado com o uso de um torquímetro de capacidade adequada. Recomenda-se o uso de um pouco de graxa entre a cabeça do parafuso e a arruela especial.

9 Mesa de Reação para Cargas Dinâmicas até 25 kn Set/08 página 9 de Instalação Completa da Mesa e Interligação dos Módulos Os demais módulos devem ser instalados na seqüência de modo que cada módulo seja instalado justaposto ao módulo já instalado e fixado, conforme sugerido pela ilustração da figura 7. Os olhais de manuseio dos módulos devem ser removidos após o posicionamento dos mesmos. Recomenda-se que as chavetas de união sejam levemente aparafusadas interligando-se o módulo fixo com o módulo recém posicionado, antes mesmo do nivelamento deste último e furação do bloco de concreto. Para o nivelamento e a fixação do módulo recém-posicionado, seguir exatamente as mesmas instruções apresentadas para o primeiro módulo. O aperto final das chavetas de união deverá ser feito apenas após a fixação final do módulo justaposto. O torque especificado para o aperto dos parafusos da chaveta (classe de resistência 8.8) é de 160 N.m (+/- 10 N.m). Recomenda-se novamente o uso de um pouco de graxa para o aperto controlado dos parafusos das chavetas de união dos módulos. Figura 7 Chaveta de união dos módulos Completar a instalação e fixação dos módulos até se ter a mesa completa.

10 Mesa de Reação para Cargas Dinâmicas até 25 kn Set/08 página 10 de RECOMENDAÇÕES PARA O USO CORRETO DA MESA DE REAÇÃO Após a fixação de todos os módulos da mesa de reação e interligação dos mesmos com as chavetas de união, a mesa estará pronta para ser utilizada como base de apoio de peças que serão ensaiadas. Como não temos nenhum exemplo concreto de peças a serem ensaiadas, apresentamos apenas algumas regras gerais que deverão ser observadas pelo pessoal técnico do laboratório. Regra No. 01: Peças e componentes mecânicos submetidos a ensaios dinâmicos estão inerentemente sujeitos a falhas estruturais. A quebra de um parafuso ou de uma peça durante o ensaio pode ocasionar a projeção de fragmentos metálicos com muita energia, e dependendo do caso, equivalente até mesmo a energia de um projétil de arma de fogo. Dessa forma, a segurança do elemento humano (operador e espectador) deverá ser sempre a primeira consideração na definição de qualquer programa de ensaio no laboratório. Regra No. 02: Não permitir a aplicação de esforços mecânicos, cargas de ensaio acima da capacidade nominal da mesa, que é de 25 kn, em qualquer direção. Regra No. 03: Cada novo ensaio solicitado deverá ser estudado pela equipe do laboratório para a definição de dispositivos de fixação e acessórios especiais que certamente serão necessários. Manter sempre os esforços dinâmicos, ação e reação, contidos na mesa. Regra No. 04: É primordial que o aperto de parafusos de fixação de peças e atuadores seja feito com a máxima atenção, com ferramentas adequadas e com o torque especificado. Parafusos mal apertados ficam sujeitos a variação de carga e portanto são passíveis ao fenômeno de fadiga. Regra No. 05: Recomenda-se que o laboratório mantenha um registro de uso (log book) dos acessórios que podem ser utilizados em vários programas de ensaio, sujeitos a fadiga.

11 Mesa de Reação para Cargas Dinâmicas até 25 kn Set/08 página 11 de COMENTARIOS FINAIS As instruções de instalação da mesa de reação apresentadas neste documento foram elaboradas com o máximo cuidado, seguindo-se critérios técnicos, e dentro da filosofia de projeto adotada. Eventualmente, qualquer outra equipe técnica poderá ter idéias diferentes e propor um outro conjunto de instruções igualmente aceitável e exeqüível para a instalação da mesa, porém recomendamos que quaisquer alterações significativas nas instruções de instalação aqui apresentadas, sejam previamente discutidas com os técnicos da Makai. End File >>> Pasta: Makai Services/S08.50/ Arquivo Doc R08.22 CIMATEC

Manual de Montagem Casa 36m²

Manual de Montagem Casa 36m² Manual de Montagem Casa 36m² cga -gerência de desenvolvimento da aplicação do aço Usiminas - Construção Civil INTRODUÇÃO Solução para Habitação Popular - é uma alternativa econômica, simples e de rápida

Leia mais

Elementos Táteis de Alerta Linha Dome - Mozaik

Elementos Táteis de Alerta Linha Dome - Mozaik Elementos Táteis de Alerta Linha Dome - Mozaik APRESENTAÇÃO Os elementos táteis Mozaik foram projetados para a sinalização tátil de pisos executados em praticamente quaisquer tipos de materiais de revestimento,

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais

C-EC/U. Porta Comercial de Encosto em caixilho "U

C-EC/U. Porta Comercial de Encosto em caixilho U C-EC/U Porta Comercial de Encosto em caixilho "U A Dânica Doors recomenda que as instruções de montagem contidas neste manual sejam seguidas rigorosamente para que as portas atendam em sua plena funcionalidade.

Leia mais

HUS-P 6 / HUS-I 6 Fixação por parafuso para aplicação em lajes de núcleo vazado pré-esforçadas pré-fabricadas

HUS-P 6 / HUS-I 6 Fixação por parafuso para aplicação em lajes de núcleo vazado pré-esforçadas pré-fabricadas HUS-P 6 / HUS-I 6 Fixação por para aplicação pré-esforçadas pré-fabricadas Versão da ancoragem HUS-P 6 Parafuso para betão em aço carbono HUS-I 6 Parafuso para betão em aço carbono com rosca interna M8

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. CAIXA DE MEDIÇÃO EM 34, kv 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de

Leia mais

Yep. Nicho para Fogão 80/90-57cm. Partes do Produto. Componentes

Yep. Nicho para Fogão 80/90-57cm. Partes do Produto. Componentes Yep Partes do Produto Nicho para Fogão 80/90-57cm Tampo Vendido Separadamente - Lateral Direita/ Esquerda (x) - Fechamento Frontal (x) - Travessa Inferior (x) - Travessa Traseira (x) 5- Fechamento Lateral

Leia mais

Estrutura Dupla Plana

Estrutura Dupla Plana Estrutura Dupla Plana Plurigas Solar, Energias LDA. @2013 Instruções de Leia atentamente as instruções de segurança. As nossas estruturas foram concebidas especificamente para a suportar a montagem de

Leia mais

BT 0001 BOLETIM TÉCNICO - WEDGE-BOLT

BT 0001 BOLETIM TÉCNICO - WEDGE-BOLT BT 0001 BOLETIM TÉCNICO - WEDGE-BOLT Elaborador: Verificadores: Aprovador: DIEGO RAFAEL CAMERA DANILO P. P. DE ALMEIDA DIEGO RAFAEL CAMERA WEDGE-BOLT Chumbador mecânico, tipo parafuso. Descrição Wedge-Bolt

Leia mais

Sistema de Esteira Porta Cabos igus Guia de Instalação

Sistema de Esteira Porta Cabos igus Guia de Instalação Sistema de Esteira Porta Cabos igus Guia de Instalação Cursos Longos (Deslizantes) Horizontais Atenção: Não seguir as instruções instalação pode resultar em falha séria Antes de iniciar o processo de instalação,

Leia mais

Manual de Montagem, Operação, Manutenção e Reparo. Porta Estepe

Manual de Montagem, Operação, Manutenção e Reparo. Porta Estepe Manual de Montagem, Operação, Manutenção e Reparo Porta Estepe Março / 2005 O Porta-Estepe tem como função principal, fazer a fixação do pneu sobressalente nos veículos. Este manual irá ajudá-lo na instalação,

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Expedição ao mundo animal. Casa para pássaros Pequenos e grandes zoólogos podem em breve observar e descobrir o mundo a partir da própria porta da varanda.

Leia mais

Brocas, buchas e mandris

Brocas, buchas e mandris Brocas, buchas e mandris Para fixação de elementos, cada material exige broca e bucha específicos. Saiba quais são os tipos corretos para cada necessidade Fixações em parede de alvenaria, concreto ou drywall

Leia mais

Bucha BNK. Bucha Universal. Código da Linha - 740. Código da Linha - 739 TABELA DE PREÇOS. Dimensões (mm) Preço bruto por cento em Real

Bucha BNK. Bucha Universal. Código da Linha - 740. Código da Linha - 739 TABELA DE PREÇOS. Dimensões (mm) Preço bruto por cento em Real Bucha BNK da Linha - 7 TABELA DE PREÇOS (d nom ) (h ) ø 70-3 29,97 730-7 55 3,7 7-5 0 5 0 77,2 Aplicação: Instalacões gerais em concreto, concreto celular, gesso, pedras calcárias, todos os materiais de

Leia mais

Caixas de junção de poliéster reforçado com fibra de vidro vazias, pré-furadas e não furadas Série NJBEP Segurança Aumentada.

Caixas de junção de poliéster reforçado com fibra de vidro vazias, pré-furadas e não furadas Série NJBEP Segurança Aumentada. não furadas Série NJEP Segurança umentada. Para customização NR IEC: plicações Projetadas para áreas de Zona 1 ou 2, onde gases ou vapores in amáveis estão presentes de forma contínua, frequente ou acidental,

Leia mais

Informativo Técnico. 11 3207-8466 vendas@indufix.com.br www.indufix.com.br

Informativo Técnico. 11 3207-8466 vendas@indufix.com.br www.indufix.com.br Informativo Técnico Descrição Os fixadores contidos neste informativo são normalizados pela incorporadora de normas ASTM (American Society for Testing and Materials), com finalidade fixação e união de

Leia mais

ESTRUTURA CONSTRUÇÃO COM TÁBUAS CONSTRUÇÃO EM COMPENSADO. 5 32 x 44. 4 32 x 68. 3 Serrado de. 6 Cavernas do meio do barco. 8 44 x 143 1.

ESTRUTURA CONSTRUÇÃO COM TÁBUAS CONSTRUÇÃO EM COMPENSADO. 5 32 x 44. 4 32 x 68. 3 Serrado de. 6 Cavernas do meio do barco. 8 44 x 143 1. ESTRUTURA 17 18 Serrado de 20 x 193 CONSTRUÇÃO COM TÁBUAS 5 32 x 44 14 16 x 143 4 32 x 68 3 Serrado de 32 x 143 3 Cavernas da popa ao meio do barco: 32 x 143 6 Cavernas do meio do barco até proa: 32 x

Leia mais

Memorial Descritivo 01/2013 - V01

Memorial Descritivo 01/2013 - V01 Memorial Descritivo P.SQ.07 01/2013 - V01 ÍNDICE Piso em Aço - Modelo AX-1000 Piso em aço Chapa Inferir Estampada Chapa Superior Lisa Concreto Sistema Estrutural Cruzeta Chapa Superior Chapa de Reforço

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

EMPRESA MISSÃO VISÃO VALORES

EMPRESA MISSÃO VISÃO VALORES EMPRESA A Axxio Pisos Elevados é fruto do compromisso permanente com a satisfação de seus clientes e com a inovação, com o intuito de que todos os serviços sejam cada vez mais ágeis e seguros. Para isso

Leia mais

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA 1 INTRODUÇÃO As Furadeiras de Base Magnética Merax caracterizam-se por serem robustas, porém leves e de fácil transporte. Utilizam qualquer tipo de broca, preferencialmente as brocas anulares. Trabalham

Leia mais

Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB

Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB Índice Capítulo Título Página 1 Informações Gerais 3 2 Segurança 4 3 Especificações Técnicas 5 4 Ferramentas, Instrumentos e Materiais 6

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Multiciclone

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Multiciclone Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção ISO 9001:2000 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua Cinco, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era - Indaiatuba - São Paulo CEP: 13.347.395

Leia mais

Capa TN. com Índice. Conheça os produtos TN Faça uma escolha inteligente

Capa TN. com Índice. Conheça os produtos TN Faça uma escolha inteligente Conheça os produtos TN Faça uma escolha inteligente Corrediça Oculta TN Slowmotion Corrediça Telescópica TN H45 Corrediça Telescópica TN H45 Slowmotion Corrediça Telescópica TN MINI H35 Capa TN Corrediça

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

SINALIZAÇÃO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL DIRTEC

SINALIZAÇÃO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL DIRTEC Rev. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 DIRTEC ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-SUL-007.04 Rev. 12 CIA DE GÁS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 de 15 REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU

Leia mais

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO e MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO Trabalho em Altura Uma das principais causas de acidentes de trabalho graves e fatais se deve a eventos envolvendo quedas de trabalhadores de diferentes

Leia mais

Rev.1 18.01.2013. Estantes cantoneira

Rev.1 18.01.2013. Estantes cantoneira 18.01.2013 Estantes cantoneira O sistema de estantes em cantoneira foi concebido para satisfazer as necessidades de armazenagem nas indústrias, oficinas, armazéns, etc, tendo em vista uma solução económica.

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA COBERTURA DE QUADRA POLIESPORTIVA

Leia mais

Esquadrias Metálicas Ltda. Manual de instruções.

Esquadrias Metálicas Ltda. Manual de instruções. Manual de instruções. PORTA DE ABRIR A Atimaky utiliza, na fabricação das janelas, aço galvanizado adquirido diretamente da Usina com tratamento de superfície de ultima geração nanotecnologia (Oxsilan)

Leia mais

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS TORRE ESTAIADA A torre estaiada é a solução mais econômica por atingir grandes alturas e com elevada capacidade de carga, porém exige-se disponibilidade de terreno para sua instalação. Possui seção transversal

Leia mais

Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008.

Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008. - FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO: HIDRÁULICA E SANEAMENTO CURSO: HIDRÁULICA E SANEAMENTO AMBIENTAL DIMENSIONAMENTO DE CHUMBADORES PÓS-FIXADOS Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008.

Leia mais

Walsywa Fixação para Construção Civil

Walsywa Fixação para Construção Civil Catálogo Técnico de Fixação Química A empresa: Serviços e Garantias Serviços A Walsywa mantém hoje a disposição dos clientes uma equipe de técnicos para assessorar e orientar a especificação adequada dos

Leia mais

2.2. Antes de iniciar uma perfuração examine se não há instalações elétricas e hidráulicas embutidas ou fontes inflamáveis.

2.2. Antes de iniciar uma perfuração examine se não há instalações elétricas e hidráulicas embutidas ou fontes inflamáveis. 1. Normas de segurança: Aviso! Quando utilizar ferramentas leia atentamente as instruções de segurança. 2. Instruções de segurança: 2.1. Aterramento: Aviso! Verifique se a tomada de força à ser utilizada

Leia mais

Chumbadores Mecânicos

Chumbadores Mecânicos Chumbadores Mecânicos Líder de mercado na maioria dos países europeus; O mais alto nível de atendimento ao cliente do segmento industrial; Excelente imagem da marca: 92% dos engenheiros de estruturas e

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA Montagem Estrutura Metálica Em uma obra de estruturas metálicas, a montagem é considerada uma das fases mais importantes por representar uma

Leia mais

Fuso de esferas de precisão/eixo estriado

Fuso de esferas de precisão/eixo estriado 58-2BR s BNS-A, BNS, NS-A e NS Vedação Anel externo Placa para calços Vedação Castanha do eixo estriado Eixo Vedação Colar Placa para calços Vedação Bujão terminal Esfera Anel externo Castanha do fuso

Leia mais

Mancais e Rolamentos BRM

Mancais e Rolamentos BRM 7 - Seleção de Rolamentos O tamanho do rolamento a ser utilizado em uma determinada aplicação é selecionado a princípio com base em sua capacidade de carga em relação às cargas a serem aplicadas e as necessidades

Leia mais

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO -

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Material elaborado pelo departamento técnico da OfficeBrasil Desenvolvimento de Projetos e Produtos Última atualização: Março de 2013 Belo Horizonte, MG Linha Ohra

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SUPORTE ARTICULÁVEL DE PAREDE PARA PLASMA OU LCD MEDIUM 3A MANUAL DE UTILIZAÇÃO 1 Características: - Fixação na parede - Para Tv s e monitores Plasma ou LCD com padrão VESA 75x75, 100x100, 200x100 ou 200x200

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS

Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS Índice da seção Página Bielas Montagem da biela no pistão... 4 Verificação Instalação... 7 Remoção Torque... 8 Pistões Montagem do pistão na biela... 4 Verificação do desgaste

Leia mais

Sistema de Paredes Trevo Drywall

Sistema de Paredes Trevo Drywall Nome da Empresa DADOS DO FABRICANTE Trevo Industrial de Acartonados S/A. Endereço Av.Josias Inojosa de Oliveira 5000 - Distrito Industrial do Cariri Juazeiro do Norte - CE - CEP 63045-010 Tel/Fax (88)

Leia mais

Linha Embutida a tid u b m a E h Lin

Linha Embutida a tid u b m a E h Lin Dutos de Piso... 27 Modelos... 27 Caixas de passagem... 31 Caixas de tomada... 35 Derivações... 39 Tomadas de piso - Latão/Cromado/Nylon... 42 Espelho para pisos... 43 Caixa de alumínio... 44 Distribuição

Leia mais

HARDCAP VI 11 CHUMBADOR QUÍMICO BASE VINILÉSTER 1 APRESENTAÇÃO: 1.1 Descrição

HARDCAP VI 11 CHUMBADOR QUÍMICO BASE VINILÉSTER 1 APRESENTAÇÃO: 1.1 Descrição HARDCAP VI 11 CHUMBADOR QUÍMICO BASE VINILÉSTER 1 APRESENTAÇÃO: 1.1 Descrição HARDCAP VI 11 é um adesivo estrutural bicomponente, em cápsula de vidro e base viniléster com alta resistência à cargas de

Leia mais

Mesa de centro com tabuleiro integrado

Mesa de centro com tabuleiro integrado Mesa de centro com tabuleiro integrado Vamos para a mesa Mesa de centro com tabuleiro integrado Esta mesa de centro é genial: ela dispõe de um tabuleiro para que possa mimar as suas vistas com todo o tipo

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

LANÇAMENTO MARÇO 2015 CHUMBADOR QUÍMICO WIT-P 200

LANÇAMENTO MARÇO 2015 CHUMBADOR QUÍMICO WIT-P 200 LANÇAMENTO MARÇO 2015 CHUMBADOR QUÍMICO WIT-P 200 Descrição do produto O Chumbador Químico WIT-P 200 possui excelente propriedade de fixação e ancoragem em substratos maciços e ocos, com rápido tempo

Leia mais

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras Aço o para Concreto O que é o aço a o? O aço é uma combinação de SUCATA, FERRO GUSA E OUTROS.

Leia mais

Elegância e beleza valorizando o projeto arquitetônico.

Elegância e beleza valorizando o projeto arquitetônico. Elegância e beleza valorizando o projeto arquitetônico. A telha Modulada contribui de forma marcante para compor a harmonia dos telhados residenciais. Possui as vantagens de um produto funcional, resistente

Leia mais

AFIADOR ELÉTRICO 511 A Manual de Instruções

AFIADOR ELÉTRICO 511 A Manual de Instruções AFIADOR ELÉTRICO 511 A Manual de Instruções ESTE MANUAL CONTÉM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE MONTAGEM, OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E SEGURANÇA REFERENTES AO AFIADOR ELÉTRICO DE BANCADA OREGON 511A. FAVOR LER

Leia mais

QE-40. Tabela de basquete. Componentes. Código de listagem. Atenção. (Pré-laje treliçada) 1 15/09/10. Revisão Data Página 1/6

QE-40. Tabela de basquete. Componentes. Código de listagem. Atenção. (Pré-laje treliçada) 1 15/09/10. Revisão Data Página 1/6 /6 2/6 3/6 4/6 DESCRIÇÃO Constituintes Base do Pilar de concreto: - Concreto moldado in loco, fck>25 MPa; - Armação em aço CA-50A (bitolas indicadas no desenho). Pilar pré-moldado: - Concreto usinado,

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse torno só dá furo! Na aula sobre furação, você aprendeu que os materiais são furados com o uso de furadeiras e brocas. Isso é produtivo e se aplica a peças planas. Quando é preciso furar peças cilíndricas,

Leia mais

Instruções de Uso e Segurança

Instruções de Uso e Segurança Instruções de Uso e Segurança Alicates Nunca utilize os alicates como martelo para não criar folga. Não martele os isolamentos, pois eles se danificarão; Utilizar alicates para apertar ou desapertar porcas

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO Sumário Andaime Fachadeiro...03 Instrução de Montagem...04 Acessórios...06 Modos e Pontos de Ancoragem...07 Dicas Importantes...08 Acesso dos Andaimes...09 Informações

Leia mais

CADERNO GERAL DE ESPECIFICAÇÕES DOS MOBILIÁRIOS ITEM 1 MESAS ORGÂNICAS/GAVETEIROS/CONEXÕES/MESA REUNIÃO ITEM 1.1 MR1200 -MESA DE REUNIÃO REDONDA cor ARGILADimensões mínimas: 1200X740 mm Tampo Mesa autoportante

Leia mais

Sistema de fixação Renishaw Soluções para fixação em metrologia

Sistema de fixação Renishaw Soluções para fixação em metrologia H-1000-0116-02-A Sistema de fixação Renishaw Soluções para fixação em metrologia Fixações para CMM Fixações para inspeção visual Fixações para Equator Fixações especiais Fixações CMM Renishaw Fixações

Leia mais

Dispositivo de ancoragem com braço giratório SkyORB TM

Dispositivo de ancoragem com braço giratório SkyORB TM Dispositivo de ancoragem com braço giratório SkyORB TM Descrição O Miller SkyORB TM é um dispositivo de ancoragem portátil com braço giratório especialmente projetado para sistemas de elonamento, carregamento/

Leia mais

CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A INSTRUÇÕES PARA ABERTURA DO CABO EN320

CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A INSTRUÇÕES PARA ABERTURA DO CABO EN320 a EMISSÃO INICIAL FTY MM LYT 18/12/14 REV. ALTERAÇÕES EXEC. VISTO APROV. DATA EXEC. VISTO APROV. FTY MM LYT DATA: CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A LD 1 ALMENARA - JEQUITINHONHA, 138kV (Op. 69 kv) 18/12/14 INSTRUÇÕES

Leia mais

Brocas para Concreto. Conjuntos de Brocas para Concreto Conjuntos Combinados Brocas para Furar Vidro Brocas SDS Max Brocas SDS Plus - Speedhammer

Brocas para Concreto. Conjuntos de Brocas para Concreto Conjuntos Combinados Brocas para Furar Vidro Brocas SDS Max Brocas SDS Plus - Speedhammer Conjuntos de Brocas para Concreto Conjuntos Combinados Brocas para Furar Vidro Brocas SDS Max Brocas SDS Plus Speedhammer 37 39 41 41 42 Brocas para Concreto Brocas para furação de paredes de concreto,

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Sistema de Forros Trevo Drywall

Sistema de Forros Trevo Drywall Nome da Empresa Endereço Tel/Fax (88) 3571-6019 Site E-mail DADOS DO FABRICANTE Trevo Industrial de Acartonados S/A. Av.Josias Inojosa de Oliveira 5000 - Distrito Industrial do Cariri Juazeiro do Norte

Leia mais

Metro-light. toldos de fachada manual de instalação

Metro-light. toldos de fachada manual de instalação Metro-light toldos de fachada manual de instalação Metro-light toldos de fachada manual de instalação Instruções gerais e de segurança Leia as instruções de montagem Apesar dos produtos Stobag serem de

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 182

Norma Técnica Sabesp NTS 182 Norma Técnica Sabesp NTS 182 Colar de tomada metálico aplicado na derivação da rede de distribuição de água em ferro fundido, DEFOFO e fibrocimento, para ramais prediais de polietileno DE 20, DE 32 e DE

Leia mais

Laboratório de Controle de

Laboratório de Controle de Laboratório de Controle de Qualidade - LCQ SENAI/CETEMO Eng. Maria Ballestrin Bertarello NBR 15860/2010 Está dividida em duas partes Parte 1 Requisitos de segurança Parte 2 Métodos de ensaios Escopo berços

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA Orçamento Unidade Básica de Saúde - Fronteira Estrutura para o acesso e identificação do

Leia mais

Essas duas questões serão estudadas nesta aula. Além delas, você vai ver quais erros podem ser cometidos na rebitagem e como poderá corrigi-los.

Essas duas questões serão estudadas nesta aula. Além delas, você vai ver quais erros podem ser cometidos na rebitagem e como poderá corrigi-los. A UU L AL A Rebites III Para rebitar peças, não basta você conhecer rebites e os processos de rebitagem. Se, por exemplo, você vai rebitar chapas é preciso saber que tipo de rebitagem vai ser usado - de

Leia mais

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. 25 / 10 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pontalete de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de Arco de Pua Verrumas para Arco de Pua. Verrumas Manuais. Ferros de Pua Mathieson

Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de Arco de Pua Verrumas para Arco de Pua. Verrumas Manuais. Ferros de Pua Mathieson Brocas para Madeira Brocas de 3 Pontas Brocas de 3 Pontas para Mourão Brocas para Fibrocimento e Mourão Brocas em Aço Cromo 46 47 48 48 Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM DA FECHADURA SYNTER EXECUÇÃO DO ALOJAMENTO DA FECHADURA:

MANUAL DE MONTAGEM DA FECHADURA SYNTER EXECUÇÃO DO ALOJAMENTO DA FECHADURA: MANUAL DE MONTAGEM DA FECHADURA SYNTER EXECUÇÃO DO ALOJAMENTO DA FECHADURA: Para fazer o alojamento da Máquina da Fechadura em uma porta, é necessário deixar 1,10m do centro do furo quadrado da maçaneta

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM PLATAFORMAS

MANUAL DE MONTAGEM PLATAFORMAS MANUAL DE MONTAGEM PLATAFORMAS ALTOSUL INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA Fone /Fax (47) 3533-5330 Rua Presidente Nereu, 1300 Ituporanga-sc - Cep 88400-000 Sumario Sumario... 1 A Empresa... 2 Contatos... 2

Leia mais

Manual de Instalação e Operação

Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação Suporte para amostras de pequeno porte e engastadas modelo SB-AP ATCP Engenharia Física Rua Lêda Vassimon, n 735-A - Ribeirão Preto - SP / Brasil CEP 14026-567 Telefone:

Leia mais

MANUAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E CONSERVAÇÃO LINHA TÉCNICA COLEÇÃO MARUBO MADEPLAST PERGOLADOS

MANUAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E CONSERVAÇÃO LINHA TÉCNICA COLEÇÃO MARUBO MADEPLAST PERGOLADOS MANUAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E CONSERVAÇÃO LINHA TÉCNICA COLEÇÃO MARUBO MADEPLAST PERGOLADOS 1. Coleção Marubo... 02 2. Considerações antes de iniciar.... 06 3. Peças e Ferramentas... 07 4. Especificações

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.01.025 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA E CADASTRO SP MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO - ES

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montagem Paredes com estrutura metálica W11 Construção A paredes consistem de uma estrutura metálica revestida com uma mais s de gesso, aparafusadas de ambos os lados. A estrutura metálica

Leia mais

Hahn Türband 4. Para portas representativas funcionais e de edifícios. Novo: com inovadora Fixação de Dobradiça

Hahn Türband 4. Para portas representativas funcionais e de edifícios. Novo: com inovadora Fixação de Dobradiça Hahn Türband 4 Para portas representativas funcionais e de edifícios Novo: com inovadora Fixação de Dobradiça 1 2 3 4 6 7 8 9 J 1 2 3 4 5 6 7 8 9 J 2 Hahn Türband 4 Dobradiça de enroscar com óptica de

Leia mais

PREZADO CLIENTE SOBRE OS CARROS FECHADOS INSTRUÇÕES DE MONTAGEM. Encaixe a divisória como mostram as figuras abaixo.

PREZADO CLIENTE SOBRE OS CARROS FECHADOS INSTRUÇÕES DE MONTAGEM. Encaixe a divisória como mostram as figuras abaixo. CHECK-LIST ( X ) QTDE DESCRIÇÃO SUPORTE DE RODA PUXADOR SUPORTE PARA O TUBO DE PAPEL TUBO PARA PAPEL ROLO DE PAPEL PONTEIRA BANDEJA CAIXA LATERAL SUPORTE PARA MORSA TRAVA DO SUPORTE PARA MORSA BASE DE

Leia mais

Simples, resistente e fácil de montar.

Simples, resistente e fácil de montar. Simples, resistente e fácil de montar. Economia e resistência são as principais qualidades da telha Vogatex. Possui peso reduzido e simplicidade estrutural, exigindo o mínimo de mão-de-obra e madeiramento

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO MGH-500VFD MGH-500VD

MANUAL DE INSTRUÇÃO MGH-500VFD MGH-500VD TERMOS DE GARANTIA I - PRAZO DE GARANTIA 1. A Marcon Indústria Metalúrgica Ltda. dispõe de garantia do produto pelo prazo de 06 (seis) meses (já inclusa a garantia legal referente aos primeiros noventa

Leia mais

1/5. be-16. Bancada laboratório 2 CUBAS 50x40x25cm (L=180cm) eco. Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1 04/04/14

1/5. be-16. Bancada laboratório 2 CUBAS 50x40x25cm (L=180cm) eco. Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1 04/04/14 /5 2/5 3/5 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Tampo de granito polido (L=65cm, e=2cm), cinza andorinha ou cinza corumbá, com moldura perimetral (3,5x2cm) e frontão (7x2cm), conforme detalhe. Alvenaria de apoio

Leia mais

ETERMAX. www.eternit.com.br. Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel.

ETERMAX. www.eternit.com.br. Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel. ETERMAX www.eternit.com.br Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel.: (11) 3038-3838 Qualidade aliada à versatilidade Atende às mais variadas soluções arquitetônicas,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Proprietário...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO GRAMADOTUR. Obra...TROCA DE COBERTURA DO HALL DE ENTRADA

MEMORIAL DESCRITIVO. Proprietário...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO GRAMADOTUR. Obra...TROCA DE COBERTURA DO HALL DE ENTRADA MEMORIAL DESCRITIVO Proprietário...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO GRAMADOTUR Obra...TROCA DE COBERTURA DO HALL DE ENTRADA Localização...CENTRO DE EVENTOS EXPOGRAMADO-GRAMADO/RS 1 GENERALIDADES Este Memorial

Leia mais

GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO

GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS INTRODUÇÃO Os gabinetes de ventilação da linha são equipados com ventiladores de pás curvadas para frente (tipo "sirocco"), de dupla aspiração

Leia mais

FIXADORES ASTM A325 FORÇA DE PROTENSÃO MÍN. FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF kgf LBF 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC

FIXADORES ASTM A325 FORÇA DE PROTENSÃO MÍN. FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF kgf LBF 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC Fixadores de alta resistência, empregados em ligações parafusadas estruturais e indicados em montagens de maior responsabilidade. Fabricados em aço de alta resistência e tratados termicamente, os parafusos

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Manual de Instruções e Termo de Garantia

Manual de Instruções e Termo de Garantia Manual de Instruções e Termo de Garantia 1.Identificação dos itens. 2.Marque na porta a altura do centro da maçaneta (sugestão: 1,10m em relação ao piso). 4.Com auxílio de ferramentas (formão, furadeira,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Introdução: Um rebite compõe-se de um corpo em forma de eixo cilíndrico e de uma cabeça. A cabeça pode ter vários formatos. Os rebites

Leia mais

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Engate Automático

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Engate Automático Manual de Montagem, Operação e Manutenção Português Índice Página 1 Introdução e características gerais 1 Introdução e características gerais 3 1.1 Introdução 3 1.2 Características gerais 3 1.3 Valor D

Leia mais

Parte 5 Operação de Furação

Parte 5 Operação de Furação Parte 5 Operação de Furação revisão 6 152 Parte 5 Operação de furação 5.1 Introdução Na área de usinagem metal-mecânica existem diversas formas de se obter furos em peças. Pode-se destacar os seguintes

Leia mais

Carros de Serviço. Fone: 55 11 5073-5222 Fax 55 11 5073-8185 e-mail: dilo@engemet.com - website: www.engemeteletrica.com.br

Carros de Serviço. Fone: 55 11 5073-5222 Fax 55 11 5073-8185 e-mail: dilo@engemet.com - website: www.engemeteletrica.com.br Carros de Serviço SÉRIE MINI MODULAR A Série Mini Modular se presta ao manuseio de pequenos volumes de gás e tem a vantagem de ter o transporte facilitado em maletas individuais para cada componente, permitindo

Leia mais

Preparativos Antes da Montagem

Preparativos Antes da Montagem Preparativos Antes da Montagem Manter o local da montagem seco e livre de poeira. Observar a limpeza do eixo, alojamento e das ferramentas. Organizar a área de trabalho. Selecionar as ferramentas adequadas

Leia mais

INDICE CONTROLE DE REVISÃO

INDICE CONTROLE DE REVISÃO INDICE 1.0 FINALIDADE PG 03 2.0 APLICAÇÃO PG 03 3.0 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA PG 03 4.0 TERMINOLOGIA PG 03 5.0 CARACTERÍSTICAS GERAIS PG 03 6.0 INSTALAÇÃO PG 06 7.0 COMPONENTES PG 07 8.0 OPERAÇÃO PG 22

Leia mais

De etor de Ar MERCEDES-BENZ SPRINTER 2013

De etor de Ar MERCEDES-BENZ SPRINTER 2013 De etor de Ar MERCEDES-BENZ SPRINTER 2013 006205 www.rodoplast.com.br/downloads/manuais/rodoplast_mbz_006205.pdf 1/9 Aviso Este manual apresenta os passos a serem seguidos para a correta instalação do

Leia mais

Instalação Concluida. IMPORTANTE: Não solte o conjunto Base-Projetor até que ele esteja. perfeitamente fixado ao suporte.

Instalação Concluida. IMPORTANTE: Não solte o conjunto Base-Projetor até que ele esteja. perfeitamente fixado ao suporte. IMPORTANTE: Não solte o conjunto Base-Projetor até que ele esteja perfeitamente fixado ao suporte. Após ter girado o conjunto inferior alinhando os furos como indicado abaixo, insira o parafuso allen no

Leia mais

Versão da ancoragem. HUS-H Parafuso para betão em aço carbono. Betão leve autoclavado

Versão da ancoragem. HUS-H Parafuso para betão em aço carbono. Betão leve autoclavado HUS-H Fixação por Versão da ancoragem HUS-H Parafuso para betão em aço carbono Vantagens - Instalação rápida e fácil - Baixas forças de expansão no material base - Instalação através do material a fixar

Leia mais