UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FACULDADE DE BIOMEDICINA LAINE CELESTINO PINTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FACULDADE DE BIOMEDICINA LAINE CELESTINO PINTO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FACULDADE DE BIOMEDICINA LAINE CELESTINO PINTO ANÁLISE DE MUTAÇÕES DE ALTA RESISTÊNCIA AO TRATAMENTO COM MESILATO DE IMATINIBE EM PACIENTES PORTADORES DE LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA COM RESPOSTA SUBÓTIMA. BELÉM 2010

2 LAINE CELESTINO PINTO ANÁLISE DE MUTAÇÕES DE ALTA RESISTÊNCIA AO TRATAMENTO COM MESILATO DE IMATINIBE EM PACIENTES PORTADORES DE LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA COM RESPOSTA SUBÓTIMA. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Biomedicina da Universidade Federal do Pará, como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Biomedicina. Orientador: Prof. Dr. José Alexandre Rodrigues de Lemos. BELÉM 2010

3 LAINE CELESTINO PINTO ANÁLISE DE MUTAÇÕES DE ALTA RESISTÊNCIA AO TRATAMENTO COM MESILATO DE IMATINIBE EM PACIENTES PORTADORES DE LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA COM RESPOSTA SUBÓTIMA. Belém (PA), 13 de dezembro de Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Biomedicina da Universidade Federal do Pará, como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Biomedicina, aprovado com o conceito. BANCA EXAMINADORA: Prof. Dr. José Alexandre Rodrigues de Lemos (ICB/UFPA) - Orientador Msc. Ana Cristina Simões Beltrão (HOL/FSCMPA) Prof. MSc. Aldemir Branco Filho (UFPA, Campus de Breves) MSc. Caroline de Fátima Aquino Moreira (ICB/UFPA) - Suplente

4 i Em todas as atividades humanas existem esforços e resultados, e a intensidade do esforço é a medida do resultado. O acaso não existe. Dons, potencialidades, bens materiais, intelectuais e espirituais são frutos de esforço; são pensamentos concluídos, alvos atingidos, visões realizadas. (James Allen)

5 ii AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, por estar sempre presente em minha vida e tornar tudo possível, dando-me força e saúde para a conclusão de mais uma etapa importante. Agradeço aos meus pais Angela e Gilmar, pela educação que me deram, pela grande dedicação, apoio nas horas mais difíceis e amor incondicional. Graças a eles, eu sempre tive exemplo, força e incentivo para partir em busca do meu crescimento pessoal e profissional. Ao meu irmão Airlan, que mesmo distante, sempre me apoiou ao longo dessa caminhada da graduação. Ao meu namorado Junior Barra, pelo apoio, respeito e companheirismo, por se fazer sempre presente na minha vida e acima de tudo por seu amor. Ao meu orientador, Prof. Dr. Jose Alexandre Lemos, pela oportunidade, orientação e por ter acreditado no meu trabalho. Ao grupo do Laboratório de Biologia Molecular do HEMOPA (GEBIM), funcionários e estagiários, pelos momentos de descontração e pela ajuda. À Msc. Carol Moreira por toda a paciência na hora de ensinar as técnicas, pelos conselhos e idéias, pelo apoio, por estar sempre disposta a ajudar e pela amizade. Muito obrigada por tudo. Aos meus amigos da Biomedicina 2007, em especial, ao grupo PEBBA (Paty, Ellen, Bruno, Breno, Alexandre), Ivy Tsuya e Yasmin Farias pela amizade e por todos os momentos de descontração, viagens, baladas, tornando esses quatro anos inesquecíveis. As minhas amigas, Leila Sawada e Karla Marques, que me aturaram ao longo desses anos. Obrigada pela amizade, apoio e incentivo. Tenho certeza que mesmo o tempo e a distância não separam as verdadeiras amizades. Aos amigos que fiz no Laboratório de Biologia Molecular da UFPA (LABIOMOL), onde comecei a iniciação científica e reafirmei a vontade de fazer pesquisa. Agradeço pela ajuda, apoio e amizade.

6 iii Agradeço a todos os meus amigos, desde a pré-escola até a Universidade, alguns que já perdi contato, pelo carinho e companheirismo. Agradeço aos órgãos de fomento a pesquisa e empresas, que proporcionaram o subsídio financeiro para que a pesquisa fosse realizada. Aos pacientes e familiares que aceitaram participar do projeto de pesquisa e tornaram possível a realização deste trabalho. Por fim, a todos aqueles amigos, colegas e familiares, que contribuíram direta ou indiretamente para realização deste trabalho, dando-me força, incentivo e principalmente acreditando em mim.

7 iv SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS E TABELAS... vi LISTA DE ABREVIATURAS... viii RESUMO... x 1. INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO EPIDEMIOLOGIA ETIOLOGIA O CROMOSSOMO PHIILADELPHIA ASPECTOS MOLECULARES ASPECTOS CLÍNICOS DIAGNÓSTICO TRATAMENTO E MONITORAMENTO Mesilato de Imatinibe MECANISMOS DE RESISTÊNCIA Outros Inibidores de Tirosina Quinase MUTAÇÕES NO BCR/ABL JUSTIFICATIVA OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS PACIENTES E COLETA DAS AMOSTRAS... 22

8 v 4.2 CRITÉRIO DE FALHA NO TRATAMENTO EXTRAÇÃO DE RNA TRANSCRIÇÃO REVERSA ANÁLISE DAS MUTAÇÕES DE RESISTÊNCIA ASSAYS BY DESIGN A REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) ALELO ESPECÍFICA EM TEMPO REAL RESULTADOS DISCUSSÃO CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO I ANEXO II... 47

9 vi LISTA DE FIGURAS E TABELAS Páginas Figura 1 (1) Cariótipo 46XY, t(9,22) (q34;q11) de um paciente com LMC Ph (+); (2) Cromossomo derivado 9 (seta); (3) O cromossomo Ph (seta) um cromossomo 22 encurtado como conseqüência da translocação (DEININGER & DRUKER, 2003)... 4 Figura 2 A translocação t(9;22) (q34;q11) na LMC. O ponto de quebra do gene ABL é localizado na região 5 do éxon a2 na maioria dos casos. Diferentes pontos de quebra foram identificados no gene BCR, tamanhos variados de fragmentos BCR são fusionados com o gene ABL, resultando em diferentes mrna (e1a2, b2a2, b3a2 e e19a2) que são traduzidos em diferentes proteínas (p190, p210 e p230) com pesos moleculares e funções diferentes (FARDEL et al., 1999)... 5 Figura 3 Representação esquemática do mecanismo de ação do imatinibe no domínio tirosina quinase do BCR-ABL. À esquerda, a ligação do ATP ao sítio da proteína tirosina quinase e a fosforilação do substrato, causando a proliferação das células mielóides características da LMC. Á direita, a ligação do imatinibe bloqueando o acesso do ATP e inibindo a fosforilação do substrato (adaptado de MAURO & DRUKER, 2001) Figura 4 À esquerda, esquema demonstrando os principais pontos de mutação e suas frequências (%) no domínio quinase do BCR-ABL. À direita, a estrutura cristalizada ilustrando a ligação do BCR-ABL ao imatinibe (TAUCHI & OHYASHIKI, 2004) Figura 5 Gráfico do PCR em tempo real referente ao SNP T315I(LMC 3)... 30

10 vii Figura 6 Gráfico do PCR em tempo real referente ao SNP Y253H (LMC 3) Figura 7 Gráfico do PCR em tempo real referente ao SNP E255V (LMC 3) Tabela 1 Critérios para a resposta hematológica, citogenética e molecular (BACCARANI et al., 2009) Tabela 2 Sensibilidade das mutações do domínio tirosina quinase do BCR-ABL e a resposta de acordo com os inibidores de tirosina quinase (adaptado de BACCARANI, 2008; HUGUES & BRANFORD, 2009) Tabela 3 Critérios baseados no European LeukemiaNet (ELN) para resposta subótima e falha de resposta em 3, 6, 12 e 18 meses (HUGUES & BRANFORD, 2009) Tabela 4 Reagentes utilizados na síntese de cdna Tabela 5 Pontos de mutação do domínio tirosina quinase do BCR-ABL utilizados no estudo (adaptado de HOUCHAUSS et al., 2002; BACCARANI, 2008) Tabela 6 Reagentes utilizados na PCR alelo específica em tempo real Tabela 7 Perfil de mutações dos pacientes portadores de LMC... 28

11 viii LISTA DE ABREVIATURAS ABL ATP BCR FISH IFNα IC50 IRIS HLA Proto-oncogene de Abelson Adenosina trifosfato Gene breakpoint cluster region Hibridização in situ por fluorescência Interferon alfa 50% da concentração inibitória máxima International Randomized Interferon versus STI571 Antígenos leucocitários humanos MDR1 Multidrug Resistance 1 M-bcr m-bcr mrna LMC Major breakpoint cluster region Minor breakpoint cluster region RNA mensageiro Leucemia Mielóide Crônica OCT1 organic cátion transporter 1 OMS Ph PKC Q-PCR RC RCC RCM Organização Mundial de Saúde Cromossomo Philadelphia Proteína quinase C Reação em Cadeia da Polimerase em tempo real quantitativa Resposta citogenética Resposta citogenética completa Resposta citogenética maior

12 ix RH RHC RHM RM RMM RT-PCR SNP µ-bcr Resposta hematológica Resposta hematológica completa Resposta hematológica maior Resposta molecular Resposta molecular maior Reação em Cadeia da Polimerase usando a enzima Transcriptase Reversa Polimorfismo de nucleotídeo único Micro breakpoint cluster region

13 x RESUMO A Leucemia Mielóide Crônica (LMC) é caracterizada por uma desordem clonal das células tronco hematopoéticas, sendo o evento molecular mais comum a translocação entre os cromossomos 9 e 22 que resulta na junção dos genes BCR e ABL, formando o gene quimérico BCR/ABL. A LMC representa o primeiro câncer humano em que uma terapia molecular produz uma eficiente resposta clínica. Vários grupos de pesquisa identificaram pela primeira vez, pelo menos 13 principais mutações em células leucêmicas de pacientes que desenvolveram resistência ao imatinibe. As mutações no domínio quinase podem prejudicar ou reduzir o efeito do imatinibe e de outros inibidores de tirosina quinase na proteína quimérica BCR/ABL, sendo possível modificar a estratégia clínica em pacientes resistentes ao tratamento que apresentem as mutações. O objetivo deste trabalho foi identificar as mutações presentes em pacientes com LMC que apresentem resposta subótima ao tratamento com mesilato de imatinibe. A investigação de mutações foi baseada em um único polimorfismo (SNP), no qual foram selecionados de acordo com a frequência na literatura: T315I, Y253H, E255V. A presença de mutações do domínio quinase BCR/ABL constitui uma importante ferramenta para o manejo dos pacientes LMC resistentes ao imatinibe, na escolha das terapias de segunda e terceira geração. Nosso estudo revelou que 58 (100%) dos pacientes apresentaram o alelo selvagem para as mutações pesquisadas, sugerindo a não adesão ao tratamento com imatinibe. A não adesão pode ser influenciada pelo sistema de saúde, doença e tratamento e por vários fatores econômicos e sociais. O conhecimento da doença e do tratamento, o grau de escolaridade poderia estar associado ao melhor comportamento de adesão ao tratamento. Estudos indicam que o diagnóstico tardio associado à demora na implantação do tratamento também podem influenciar na resposta subótima. Além disso, existem outros mecanismos que podem ser responsáveis pela resistência ao imatinibe como a ativação da família Src e a ocorrência de evoluções clonais citogenéticas, que precisam ser esclarecidos. Palavras-chave: Leucemia Mielóide Crônica. Mesilato de imatinibe. Mutações.

14 1 1. INTRODUÇÃO 1.1 DEFINIÇÃO A Leucemia Mielóide Crônica (LMC) é uma doença mieloproliferativa que se origina a partir de uma célula hematopoética primordial anormal, resultando em proliferação clonal de células da linhagem granulocítica (REDAELLI et al, 2004; SAWYERS et al, 1999; FADERL et al,1999). Caracteristicamente a LMC apresenta uma marcante hiperplasia na medula óssea e granulocitose no sangue periférico. A doença também é marcada por leucocitose com desvio à esquerda, neutrofilia, basofilia, esplenomegalia, curso clínico trifásico e ainda pela presença do cromossomo Philadelphia (Ph) resultante da translocação recíproca e equilibrada entre os braços longos dos cromossomos (9q34) e (22q11) (TEFFERI et al., 2005). 1.2 EPIDEMIOLOGIA A incidência da LMC é de um a dois casos para cada 100 mil habitantes/ano e representa aproximadamente 15% de todas as leucemias. A mediana de idade ao diagnóstico é de 55 a 60 anos e menos de 10% dos casos ocorrem em pacientes com menos de 20 anos (TEFFERI et al., 2005). Casuísticas nacionais mostram que a mediana de idade do diagnóstico é, no mínimo, dez anos mais baixa que a encontrada na literatura internacional. No estudo da Santa Casa de São Paulo, em pacientes com LMC resistentes ou refratários ao interferon alfa (IFNα), a mediana de idade ao diagnóstico foi de 40 anos (BORTOLHEIRO, 2007). O sexo masculino apresenta uma discreta predominância no desenvolvimento da doença em relação ao sexo feminino: 2:1 e ao que parece não há predisposições geográficas ou étnicas (FRAZER et al., 2007). Em 2005, nos Estados Unidos, estimou-se a ocorrência de 4600 novos casos com 850 mortes. Comparando-se com os dados de 2009, onde o número

15 2 estimado de novos casos foi de 5050 com 470 mortes, observa-se que a sobrevida dos pacientes tem aumentado o que pode ser reflexo dos avanços no tratamento da doença (JEMAL et al., 2005, JEMAL et al., 2009). Segundo Redaelli e colaboradores (2004), a taxa de mortalidade aumenta de acordo com a idade, na população com a faixa etária entre 0 a 14 anos, a taxa de mortalidade é menor que 0,1 por habitantes, na população de 40 anos, a taxa eleva-se para 1,0 por habitantes, na população de 80 anos, a taxa de mortalidade atingiu o valor de 8,0 por habitantes. No Rio Grande do Sul, em um estudo retrospectivo, Fassina (2003) estimou uma incidência de 0,6 casos em habitantes por ano com uma média de idade de 42 anos ao diagnóstico, e uma maior freqüência no sexo masculino, semelhante à descrita na literatura. 1.3 ETIOLOGIA Exposição a altas doses de radiação ionizante pode ser considerada fator de risco. Este fator explica ao aumento na freqüência de pacientes acometidos de LMC, oito anos após as explosões atômicas nas cidades de Hiroshima e Nagasaki. Em Nagasaki, cerca de 30% das leucemias em um período de latência de 3 a 13 anos após a bomba, eram LMC. O risco de desenvolvimento de leucemia nos indivíduos mais próximos ao epicentro da bomba atômica foi significativamente maior. A incidência de LMC também aumentou em pacientes que receberam tratamento com irradiação (HEYSSEL et al., 1960; MOLONEY, 1987). O mecanismo pelo qual o cromossomo Ph é inicialmente formado e o período de tempo até o surgimento dos sinais da doença é desconhecido. Parece não haver predisposição genética ao desenvolvimento da LMC, pois a incidência em filhos de pais leucêmicos ou entre gêmeos monozigóticos não é significantemente diferente da população geral, sugerindo que a LMC seja uma desordem adquirida através de mutações somáticas ocorridas ao longo da vida (CORTES et al., 1996). Uma hipótese para o surgimento da t(9,22) é a proximidade física das regiões cromossomais envolvidas. A distância física entre os genes BCR do cromossomo 22 e ABL do cromossomo 9, principais genes envolvidos na LMC, é curta o que facilitaria a translocação recíproca e a fusão gênica do BCR-ABL responsável pelo caráter maligno da doença (NEVES et al., 1999). Entretanto, a presença de transcritos BCR-ABL em células hematopoéticas não

16 3 é suficiente para causar a leucemia, visto que são detectados raramente no sangue de pessoas saudáveis (BOSE et al., 1998). 1.4 O CROMOSSOMO PHILADELPHIA Em 1845, foram publicadas as primeiras descrições clínicas da LMC combinando detalhes microscópicos precários com as características clínicas observadas em pacientes que, após a morte apresentavam acentuada hepatoesplenomegalia associada com sangue purulento. O médico John Hugues Bennett descreveu a LMC como sendo causada por uma infecção, enquanto o médico Rudolf Virchow relatou a doença como não sendo provocada por infecção, gerando uma controvérsia sobre o descobrimento da doença (GEARY, 2000). O grande avanço no conhecimento da patogênese foi em 1960 quando Nowell e Hungerford, pesquisadores da Philadelphia, descreveram a presença de um pequeno cromossomo acrocêntrico, em culturas de sangue de sete pacientes com LMC. Este achado foi descrito posteriormente por outros pesquisadores, que em consenso, o nomearam cromossomo Ph, em homenagem aos dois pesquisadores. Pensava-se que o cromossomo Ph era um cromossomo 21, porém com a introdução das técnicas de bandeamento cromossômico, este foi identificado como o cromossomo 22, com uma parcial deleção de seu braço longo (Figura 1) (GEARY, 2000). O cromossomo Ph foi o primeiro exemplo de arranjo cromossômico relacionada intimamente com uma neoplasia humana (SANDBERG et al.,1986). Este marcador pode ser encontrado em metáfases de células da medula óssea em aproximadamente 90% dos pacientes diagnosticados com LMC, porém outros 10% dos pacientes com mesmos sintomas clínicos não apresentam tal marcador, sendo denominados, respectivamente Ph (+) e Ph (-) (CLARCKSON et al.,2003). Cerca de um terço dos pacientes Ph (-) são diagnosticados com LMC pela presença do gene BCR-ABL detectado pela técnica de nested RT-PCR (Reação em cadeia da polimerase usando a enzima transcriptase reversa) que é usada para amplificação de uma seqüência interna de um fragmento previamente amplificado, com o objetivo de melhorar a especificidade e a eficiência da reação. Esses pacientes são classificados como Ph (-) BCR- ABL (+) (FADERL et al., 1999). Os pacientes Ph (-) BCR-ABL (-) tem apresentação clínica e hematológica consistente de LMC, embora o critério diagnóstico seja discutido. Tais

17 4 pacientes possuem um mau prognóstico, pois o curso clínico da doença é severo (ONIDA et al., 2002). Figura 1. (1) Cariótipo 46XY, t(9,22) (q34;q11) de um paciente com LMC Ph (+); (2) Cromossomo derivado 9 (seta); (3) O cromossomo Ph (seta) um cromossomo 22 encurtado como conseqüência da translocação (DEININGER & DRUKER, 2003). 1.5 ASPECTOS MOLECULARES Em 1973, foi demonstrado que o cromossomo Ph derivava de uma translocação recíproca, envolvendo os braços longos do cromossomo 9 (9q34) e do cromossomo 22 (22q11) (ROWLEY et al.,1973). O produto gênico desta translocação é uma oncoproteína de massa molecular igual a 210 KDa (p210) designada como BCR-ABL, que possui uma atividade tirosina quinase potencializada e desregulada. Esta atividade desencadeia o potencial leucemogênico da p210 resultando na diferenciação e proliferação das células

18 5 malignas responsável por modificações genéticas adicionais que encaminham a doença para a fase aguda (LUGO et al., 1990; MELO et al., 2003; DEININGER et al., 2000). O gene BCR normal possui três regiões de quebra denominadas: major breakpoint cluster region (M-bcr), minor breakpoint cluster region (m-bcr) e micro breakpoint cluster region (µ-bcr), como podemos observar na Figura 2. Os pontos de quebra do BCR formam três tipos diferentes de proteínas de fusão BCR-ABL: p190, p210 ou p230, responsáveis pelo desenvolvimento, respectivamente, da Leucemia Linfocítica Aguda, da LMC e da Leucemia Neutrofílica Crônica (SAWYERS et al.,1999). Figura 2. A translocação t(9;22) (q34;q11) na LMC. O ponto de quebra do gene ABL é localizado na região 5 do éxon a2 na maioria dos casos. Diferentes pontos de quebra foram identificados no gene BCR, tamanhos variados de fragmentos BCR são fusionados com o gene ABL, resultando em diferentes mrna (e1a2, b2a2, b3a2 e e19a2) que são traduzidos em diferentes proteínas (p190, p210 e p230) com pesos moleculares e funções diferentes. (FARDEL et al., 1999).

19 6 O gene BCR codifica uma proteína de 160 KDa que é constitutivamente expressa em vários tipos celulares sendo mais intensamente expressa em células hematopoiéticas (RANDOLPH, 2005). Embora sua função fisiológica não esteja bem definida, sua estrutura sugere que esteja envolvida na transdução de sinal (MARU & WITTE, 1991). Já o gene ABL é o homólogo humano do oncogene ABL do vírus Abelson da leucemia murina (A-MuLV), normalmente codifica uma proteína de 145 KDa, denominada de p145, que possui atividade tirosina quinase e está envolvida com a regulação do crescimento celular, a indução de apoptose e reparo ao DNA (LUGO et al., 1990; MELO et al., 2003; DEININGER et al., 2000). Na LMC, o ponto de quebra do gene Abl pode ocorrer entre os éxons 1b e 1a ou entre 1a e a2, porém o splicing do RNA mensageiro primário (mrna) faz com que seja sempre o éxon a2 a se ligar a um dos três pontos de quebra do BCR, formando um fragmento ABL de tamanho constante (Figura 2) (FADERL et al., 1999; DEININGER et al., 2000). Na maioria dos pacientes com LMC, o ponto de quebra do gene BCR ocorre no M-bcr. Geralmente, a quebra do M-bcr ocorre dentro dos íntrons localizados entre os éxons b2 e b3 ou b3 e b4, que devido ao splicing alternativo juntam-se ao éxon a2 do ABL, formando os chamados transcritos e13a2 (formalmente b2a2) e e14a2 (formalmente b3a2) (FADERL et al., 1999; DEININGER et al., 2000). Os principais mecanismos de ação oncogênica da proteína BCR-ABL são: a superexpressão do proto-oncogene RAS que leva a um estímulo mitótico anormal e uma desregulada proliferação celular; redução da adesão celular à matriz estromal da medula óssea que permite células progenitoras hematopoéticas permanecer em longa fase proliferativa antes de sofrer diferenciação e uma resposta diminuída a apoptose através da ação sobre as vias ligadas ao proto-ongogene RAS e a STAT5, permitindo uma maior sobrevida da célula maligna (DEININGER et al., 2000). 1.6 ASPECTOS CLÍNICOS A LMC se caracteriza por três fases distintas: fase crônica, fase acelerada, e crise blástica. A fase crônica dura vários anos e é caracterizada por um aumento de precursores mielóides e células maduras na medula óssea, sangue periférico e células extra-medulares. A fase acelerada dura de quatro a seis meses e é caracterizado por agravamento da doença e

20 7 aumento das células progenitoras em relação às células diferenciadas. A fase conhecida como crise blástica dura poucos meses e se caracteriza por rápida expansão das células blásticas mielóides ou linfóides diferenciadas (CALABRETTA et al, 2004). Aproximadamente 85% dos pacientes com LMC são diagnosticados na fase crônica e até 40% destes são assintomáticos. Os achados clínicos incluem fadiga, fraqueza, perda do apetite, febre, perda de peso, sudorese noturna, aumento do baço e/ou fígado, infecções freqüentes, sangramento, púrpuras. As alterações laboratoriais mais freqüentes são diminuição ou aumento na contagem de plaquetas, aumento na contagem de leucócitos (REDAELLI et al, 2004). A fase crônica é definida pelo estudo International Randomized Interferon versus STI571 (IRIS) na qual a contagem no sangue periférico e na medula óssea corresponde a menos que 15% de blastos, menos que 20% de basófilos e menos que 30% de blastos + promielócitos com o cromossomo Ph (O BRIEN et al., 2003). Esta é uma fase de fácil controle terapêutico, com uma sobrevida média de três a seis anos em terapia convencional (FADERL et al., 1999). A fase acelerada da LMC caracteriza-se por progressiva resistência à terapêutica, aumento da esplenomegalia, da basofilia e do número de células blásticas, trombocitose ou trombocitopenia, mielofibrose e evolução clonal citogenética. Nesta fase os pacientes podem estar assintomáticos ou apresentar febre, sudorese noturna, perda de peso e dores ósseas (PASQUINI, 2001). A fase acelerada tem sido definida por diferentes grupos médicos. O critério do M.D. Anderson Câncer Center define a fase blástica quando se observa contagem dos blastos maior e igual a 15%, percentagem de promielócitos maior que 30%, percentagem de basófilos maior que 20%, contagem de plaquetas menor que e evolução clonal positiva (REDAELLI et al, 2004). Segundo os critérios do International Bone Marrow Transplant Registry (IBMTR) a fase acelerada deve ser diagnosticada quando a percentagem de blastos é superior igual ou maior que 10%, percentagem de promielócitos igual ou maior que 20%, basófilos igual ou maior que 20%, contagem de plaquetas com diminuição persistente, evolução clonal positiva, contagem de leucócitos de difícil controle ou duplicando em menos de cinco dias, anemia refratária, esplenomegalia progressiva, presença de cloromas e mieolofibrose (REDAELLI et al, 2004). Os critérios da Organização Mundial de Saúde (OMS) são: percentagem de blastos de 10% a 19% e de basófilos igual ou maior que 20%, contagem de plaquetas

21 8 refratária e inferior ou superior a , evolução clonagem positiva, proliferação de megacariócitos e fibrose (REDAELLI et al, 2004). A fase blástica é caracterizada por um número de células blásticas superior a 30% na medula óssea ou sangue periférico. Estas células imaturas são mieloblastos em 50% dos casos, linfoblastos em 25% e no restante são células indiferenciadas ou bifenotípicas. Nesta fase é comum a presença de febre, sudorese noturna, anorexia, perda de peso e dores ósseas. A esplenomegalia aumenta e a infiltração extramedular pode estar presente, particularmente nos linfonodos, pele, ossos, e sistema nervoso central (PASQUINI, 2001). A crise blástica como manifestação inicial da LMC é incomum e deve-se procurar diferenciá-la das leucemias mielóides e linfóides agudas, pois as estratégias terapêuticas são diferentes para cada uma delas (PASQUINI, 2001). 1.7 DIAGNÓSTICO Cerca de 50% dos casos são assintomáticos, sendo diagnosticados ao acaso através de exames de rotina (FADERL et al., 1999). Os exames laboratoriais realizados em caso de suspeita clínica são hemograma completo, aspiração e biopsia da medula óssea e outros testes complementares. O hemograma mostra leucocitose acima de /mm³ (25 x 10 9 /L) freqüentemente excedendo /mm³ (100 x 10 9 /L) com aproximadamente 20% de formas mielóides imaturas, porém menos de 15% de blastos no sangue periférico e medula óssea (CORTES et al., 1996; HILL et al., 1999). É característico o aumento de eosinófilos e basófilos e pode ocorrer trombocitose. A medula óssea é hipercelular com hiperplasia granular e megacariocítica. Os níveis de ácido úrico e lactato desidrogenase estão geralmente aumentados, refletindo um aumento da lise de células malignas e a fosfatase alcalina leucocitária fica próxima de zero (CORTES et al., 1996; HILL et al., 1999). Os pacientes onde o hemograma, a contagem de plaquetas, o mielograma, outros testes laboratoriais e os achados físicos sugerem uma desordem mieloproliferativa crônica é realizado a confirmação pelo cariótipo da medula óssea que demonstra a presença do cromossomo Ph em células em metáfase (SINCLAIR et al., 2000). Se a coleta de medula óssea não for possível ou a análise cariotípica for prejudicada, a hibridização in situ por fluorescência (FISH) em amostra de sangue periférico

22 9 pode ser alternativa. A confirmação do diagnóstico também pode ser feita pela detecção dos transcritos b2a2 ou b3a2 do gene BCR-ABL através da técnica qualitativa de Reação em Cadeia da Polimerase usando a enzima Transcriptase Reversa (RT-PCR) que pode ser realizada em amostra de sangue periférico (SINCLAIR et al., 2000). 1.8 TRATAMENTO E MONITORAMENTO A primeira terapia efetiva no tratamento da LMC foi o arsênico e foi administrado em Em 1912 foi introduzido benzeno associado à radioterapia e em 1953 o bussulfan, um agente alquilante, foi introduzido dando início à era moderna da quimioterapia no tratamento da LMC. O uso do bussulfan com 6-tioguanina resultou em melhora da sobrevida e tornou o tratamento padrão durante 35 anos, até a introdução do IFNα (REDAELLI et al, 2004). O IFNα além de aumentar a sobrevida induziu ao desaparecimento do cromossomo Ph e reduziu a progressão para crise blástica. A partir de 1986, o transplante de medula óssea tornou o tratamento padrão para pacientes com LMC (RANDOLPH, 2005). Apenas o transplante de medula óssea ou de célula mãe demonstrou ser capaz de erradicar o cromossomo Ph (REDAELLI et al, 2004). Entretanto, o uso do transplante é limitado à disponibilidade de doadores e a alta toxicidade do procedimento nos pacientes idosos. Avanços tais como maior precisão na tipagem molecular dos antígenos leucocitários humanos (HLA) dos doadores, regimes menos tóxicos estão melhorando os resultados e ampliando a indicação dos transplantes (RADICH et al, 2004). Evidências clínicas indicam que os pacientes com LMC submetidos ao tratamento com mesilato de imatinibe podem ser monitorados com o objetivo de avaliar a resposta, eficácia da terapia e possíveis recaídas. Existem três tipos diferentes de respostas na LMC: (1) Resposta Hematológica (RH), (2) Resposta citogenética (RC), (3) Resposta molecular (RM) (Tabela 1). A Resposta Hematológica Completa (RHC) é definida por uma normalização da contagem de células no sangue e do tamanho do baço e pode ser avaliada a cada três meses (O BRIEN et al., 2009). O monitoramento citogenético é determinado pelo aumento do número de células em metáfase Ph (+) detectado através de aspiração da medula óssea por técnicas citogenéticas (O BRIEN et al., 2009). A Resposta Citogenética Maior (RCM) é atingida quando metáfases

23 10 Ph (+) são presentes 0-35% de células. Em contraste, a ausência de células em metáfase Ph (+) leva a Resposta Citogenética Completa (RCC) (BACCARANI et al., 2009). A técnica de FISH que analisa um grande número de células (mais que 200) pode ser usada ao em vez da citogenética convencional para quantificar células Ph (+). No entanto, um significante número de resultados falso positivos limita o uso do FISH e recomenda a correlação com a avaliação convencional (BACCARANI et al., 2009). As recentes recomendações da European LeukemiaNet (ELN) uma organização de médicos, cientistas e pacientes com interesse em melhorar o tratamento e o conhecimento da leucemia na Europa sugerem a realização de testes citogenéticos nos primeiros 3 a 6 meses e após 6 meses a RCC ser atingida (BACCARANI et al., 2009). Tabela 1. Critérios para a resposta hematológica, citogenética e molecular (BACCARANI et al., 2009). Resposta Critério Hematológica completa (RHC) - Completa normalização da contagem no sangue periférico. - Células brancas < L 1 - Plaquetas < L 1 - Sem células imaturas - Sem esplenomegalia Parcial - Semelhante a RHC, exceto a persistência de células imaturas - Plaquetas < 50% da contagem pré-tratamento, porém > L 1 - Esplenomegalia < 50% pré-tratamento, mas persistente Citogenética completa (RCC) - Sem metáfases Ph (+) Maior (RCM) % metáfases Ph (+) (completa + parcial) Parcial % metáfases Ph (+) Menor % metáfases Ph (+) Molecular completa (RMC) - mrna do BCR-ABL não é detectável por RT-PCR Maior (RMM) - 3-log redução do mrna do BCR-ABL

24 11 A resposta molecular é determinada por uma diminuição na quantidade de mrna do BCR-ABL. A Resposta Molecular Completa (RMC) é atingida quando o mrna do gene quimérico BCR-ABL não é detectável por meio da técnica de PCR em tempo real. A Resposta Molecular Maior (RMM) é definida pela redução de 3 logs no nível de BCR-ABL quando comparadas com a média do nível de pré-tratamento (O BRIEN et al., 2009). Hugues e colaboradores (2003) introduziram essas definições durante o monitoramento da resposta ao imatinibe no estudo IRIS, em pacientes com LMC previamente não tratados. Para normalizar os resultados obtidos em três laboratórios geograficamente dispersos foram mensuradas reduções nos transcritos BCR-ABL, os investigadores definiram o conceito de redução de 10 logs como o padrão para pacientes não tratados. Consequentemente foi deduzido que os pacientes tratados com imatinibe apresentaram menos que 3 logs de redução no nível dos transcritos com o risco de progressão doença nos subseqüente 12 meses (HUGHES et al., 2003). Para tal, a metodologia de PCR em tempo real é provavelmente mais sensível podendo detectar uma célula leucêmica em mais de células normais. Outras técnicas também são utilizadas como a PCR quantitativa em tempo real (Q-PCR) que mensura a atual percentagem de transcritos e mostra a significante correlação entre os resultados obtidos no sangue periférico e na medula óssea (HUGHES et al., 2006). Os estudos moleculares apresentam vantagens como: boa correlação entre os níveis de resposta na medula óssea e no sangue periférico e a detecção da doença residual mínima. As limitações incluem a incidência substancial de testes falsos negativos devido à degradação do RNA, e baixa sensibilidade a uma dada sonda, o coeficiente de variabilidade que pode ser maior que 0,5 log e a pobre reprodutibilidade dos resultados (KANTARJIAN et al., 2008) Mesilato de imatinibe No fim dos anos 80, cientistas da Ciba Geigy (atualmente Novartis), sob a direção de N. Lydon e A. Matter iniciaram vários projetos para a identificação de compostos capazes de inibir a atividade de proteínas quinases. Em um desses projetos que tinha como alvo a proteína quinase C (PKC) foi identificado um composto derivado de 2-fenilaminopirimidina. Este composto apresentava baixa potência e especialidade, inibindo tanto serina/treonina

25 12 quanto tirosina quinases, porém a partir deste ponto uma série de compostos derivados foi sintetizada (DEININGER et al., 2005). A atividade da molécula 2-fenilaminopirimidina foi otimizada através de modificações em sua estrutura química, aumentando a atividade de inibição à tirosina quinases. A partir disso surge o mesilato de imatinibe que foi identificado como um composto promissor para o uso clínico (BUCHDUNGER et al., 2001). Em 2001, baseado em estudos clínicos randomizados de fase I e II, o U.S Food and Drug Administration aprovou o seu uso e em 2003 o aprovou como terapia de primeira linha para LMC em fase crônica (SAWYERS et al., 2002). A LMC representa o primeiro câncer humano em que uma terapia molecular produz uma eficiente resposta clínica (HOLTZ et al., 2002). O mesilato de imatinibe, anteriormente conhecido como STI571 (Signal Transduction Inhibitor 571) e comercialmente como Glivec é uma droga que foi designada a inibir, seletivamente, certas proteínas tirosina quinase envolvidas no processo de oncogênese (GUILHOT, 2004). A droga atua ocupando o sítio quinase na proteína BCR-ABL e bloqueia o acesso do ATP, mantendo-a em uma conformação inativa (Figura 3), inibindo a capacidade da proteína BCR-ABL fosforilar resíduos de tirosina na proteína substrato, resultando na modulação de vário genes envolvidos no controle do ciclo celular, na adesão celular à matriz estromal da medula óssea e na apoptose (SAVAGE & ANTMAN, 2002). Originalmente achava-se que o imatinibe era um inibidor competitivo do sítio de ligação do ATP na proteína oncogênica BCR/ABL. Entretanto, estudos posteriores demonstraram que o imatinibe se liga e estabiliza a quinase do BCR/ABL em sua forma inativa ao invés de competir com o ATP pela ligação ao sítio (SCHINDLER et al., 2000). Em pacientes recém-diagnosticados em fase crônica, o tratamento com mesilato de imatinibe em primeira linha resulta numa alta taxa de RH de 98%, RCC de 87% e de sobrevida global de 89% em 60 meses. A taxa de progressão anual é cerca de 4% no total, incluindo perda de RH e RC, sendo que 2% dos pacientes evoluem para fase acelerada ou crise blástica. As taxas de progressão caem com o tempo, mas, de um modo geral, podemos dizer que, apesar dos excelentes resultados, cerca de 15% vão apresentar alguma forma de resistência ao tratamento (DRUKER et al., 2006).

26 13 Figura 3. Representação esquemática do mecanismo de ação do imatinibe no domínio tirosina quinase do BCR-ABL. À esquerda, a ligação do ATP ao sítio da proteína tirosina quinase e a fosforilação do substrato, causando a proliferação das células mielóides características da LMC. Á direita, a ligação do imatinibe bloqueando o acesso do ATP e inibindo a fosforilação do substrato (adaptado de MAURO & DRUKER, 2001). 1.9 MECANISMOS DE RESISTÊNCIA A resistência ao imatinibe pode ser definida de acordo como momento em que ocorre. A resistência primária ocorre quando a droga é ineficaz desde o início do tratamento e pode ser definida como uma falha do paciente em atingir a resposta hematológica ou citogenética significativa, enquanto a resistência secundária é o resssurgimento progressivo do clone leucêmico após uma resposta inicial à droga. A resistência também pode ser definida nos critérios clínicos e laboratoriais para avaliação da LMC, que incluem RH, RC e RM (HUGHES et al., 2006). Os critérios para definição de falha de tratamento e resposta subótima foram publicados pelo grupo de especialistas do ELN baseado nos resultados do estudo IRIS. Muitos

27 14 dos conceitos provavelmente sofrerão alterações, em face dos resultados obtidos com os novos inibidores (BACCARANI et al., 2006). Os critérios atuais definem como falha de tratamento a ausência de alguma RH aos três meses, ausência de RHC ou qualquer RC aos seis meses, ausência de RCM aos 12 meses e RCC aos 18 meses, além de perda da RH e RCC e mutações com alto grau de insensibilidade ao imatinibe. Nesses casos, deve ser feita alguma intervenção terapêutica, como aumento de dose, mudança para outro inibidor ou encaminhamento para transplante de medula óssea (BACCARANI et al., 2006). Resposta subótima foi definida como falha em atingir RH completa aos três meses de tratamento, ausência de RC parcial aos seis meses e ausência de RCC aos 12 meses, ausência de RM maior aos 18 meses, evolução clonal, perda da RMM e mutações com baixo grau de insensibilidade ao imatinibe. No caso de resposta subótima, o paciente provavelmente não se beneficiaria com imatinibe em longo prazo e poderia ser tentado aumento de dose ou tratamento com outro inibidor (BACCARANI et al., 2006). Em geral, os mecanismos de resistência ao imatinibe podem ser subdivididos em BCR-ABL independente e BCR-ABL dependente. Na primeira categoria as células leucêmicas não dependem mais do BCR-ABL para dirigir sua capacidade proliferativa, elas entram em divisão em conseqüência de mudanças secundárias em seus próprios oncogenes (TAUCHI & OHYASHIKI, 2004). Os mecanismos independentes do BCR-ABL incluem a ligação do mesilato à α1- glicoproteína ácida, o aumento da expressão das bombas de efluxo de drogas e a baixa expressão dos transportadores de influxo de drogas. Os mecanismos dependentes do BCR- ABL são o aumento da expressão da proteína BCR-ABL devido à amplicação gênica e as mutações no domínio tirosina quinase (MELO & CHUAH, 2007). A concentração plasmática do mesilato depende da metabolização da droga pelo sistema do citocromo P450 (CYP3A4 e CYP3A5), e pode ser aumentada ou diminuída por alguns medicamentos (MARIN et al., 2002). A entrada do imatinibe no interior das células é mediada por uma proteína denominada organic cátion transporter 1 (OCT1), cujos níveis variam de paciente para paciente (THOMAS et al., 2004). A atividade de influxo da OCT1 e a capacidade de retenção do imatinibe têm impacto nos níveis séricos e na resposta terapêutica (WHITE et al., 2007). Entre os pacientes que apresentam alta atividade dessa bomba, 85% atingem resposta molecular maior aos 24 meses de imatinibe, enquanto nos pacientes com baixa atividade, essa resposta é de 45%. Os pacientes com baixa atividade são os que mais se

28 15 beneficiam com altas doses de imatinibe. Outra evidência são os resultados com altas doses de imatinibe, que levam a uma maior taxa de RC (KANTARJIAN et al., 2004). Outros mecanismos conhecidos incluem a superprodução da proteína BCR-ABL decorrente de amplificação gênica, aparecimento de cromossomos Ph adicionais ou outras modificações cromossômicas além do cromossomo Ph (evolução clonal) (GORRE et al., 2001; HOCHHAUS et al., 2002). A evolução clonal está associada a um risco maior de transformação para fases avançadas. Já alterações clonais nas células Ph negativas não têm impacto negativo, e o tratamento não deve ser modificado se não houver evidência de mielodisplasia (DEININGER et al., 2005). O aumento de expressão da Multidrug Resistance 1 (MDR1) foi observado em linhagens celulares resistentes a imatinibe e foi parcialmente revertido com verapamil, um inibidor da glicoproteína P. Outros estudos avaliaram o papel da glicoproteína P e mostraram que a expressão da MDR1 confere resistência (MAHON et al., 2003; WIDMER et al., 2003). Há outros mecanismos independentes do BCR-ABL, como expressão da LYN quinase e da família da SRC (DAI et al., 2004) Outros inibidores de tirosina quinase Atualmente, outros inibidores de tirosina quinase, chamados de segunda geração foram sintetizados em resposta aos casos de resistência e intolerância de alguns pacientes ao tratamento com o imatinibe. Os inibidores de segunda geração existentes hoje são comercialmente conhecidos como: Dasatinib (Sprycel da empresa Bristol-Myers Squibb), Nilotinib, Tasigna (empresa Novartis Pharma) (BACCARANI et al., 2008). Os novos inibidores de tirosina quinase foram desenvolvidos baseados na estrutura cristalizada do complexo imatinibe-abl. O nilotinibe é uma droga com atuação similar ao imatinibe, à medida que se liga a conformação inativa da quinase do ABL e bloqueia o substrato do sítio de ligação proximal da alça de ativação, resultando na inibição da atividade catalítica da ATPase. Os estudos cristalográficos indicam que o nilotinibe tem uma alta afinidade pelo domínio quinase do BCR-ABL quando comparada com o imatinibe (WEISBERG et al., 2005; MANLEY et al., 2005; O HARE et al., 2005). O nilotinibe é efetivo contra 32 de 33 pontos de mutações resistentes ao imatinibe, mas não apresenta significante atividade contra a mutação T315I. De fato, esta

29 16 droga mostrou-se efetiva no prolongamento da sobrevida em modelos de camundongos LMC resistentes ao imatinibe. O nilotinibe também inibe a atividade do receptor transmembranar de tirosina quinase (KIT) e do receptor do fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGFR), mas não inibe a atividade da família SRC quinase (WEISBERG et al., 2006; GOLAS et al., 2005). O dasatinibe é um inibidor ATP competitivo não baseado na fenilaminopirimidina, sendo responsável por inibir tirosinas quinases do BCR-ABL. A droga foi desenvolvida para inibir a família SRC quinase e inibe tanto a conformação ativa como a inativa do domínio ABL. Estudos in vitro também mostraram a sua eficácia inibindo as variantes do BCR-ABL e mutantes com altos níveis de resistência ao imatinibe, exceto a T315I (KIMURA et al., 2005; SHAH et al., 2004). O dasatinibe também inibe outras vias tirosina quinase incluindo a SRC, LCK (proteína tirosina quinase linfócito específica), YES (Yamaguchi sarcoma homólogo), EPHA2 (ephrin tipo A receptor 2) e PDGFRβ (receptor do fator de crescimento derivado de plaquetas beta), através da autofosforilação de vias adicionais que podem estar envolvidas em mutações de pacientes LMC resistentes e intolerantes ao imatinibe (QUINTAS-CARDAMA et al., 2007; O HARE et al., 2005; KVASNICKA et al., 2004) MUTAÇÕES NO BCR-ABL As mutações podem ser categorizadas em quatro grupos: (1) mutações que impedem diretamente a ligação do imatinibe; (2) mutações que ocorrem no sítio de ligação do ATP; (3) mutações que ocorrem na alça de ativação e (4) mutações que ocorrem no domínio catalítico (Figura 4) (MELO & CHUAH, 2007). As mutações do dominio tirosina quinase do gene BCR-ABL constituem a principal causa de resistência ao tratamento com inibidores seletivos de tirosina quinase. (BACCARANI et al., 2006). Vários grupos de pesquisa identificaram, pela primeira vez, pelo menos 13 principais mutações em células leucêmicas de pacientes que desenvolveram resistência ao imatinibe (GAMBACORTI-PASSERINI et al., 2003; VON BUBNOFF et al., 2002; HOFMANN et al., 2002; BRANFORD et al., 2002; ROCHE-LESTIENNE et al.,2002; CORBIN et al., 2003; BRANFORD et al., 2003).

30 17 Figura 4. À esquerda, esquema demonstrando os principais pontos de mutação e suas frequências (%) no domínio quinase do BCR-ABL. À direita, a estrutura cristalizada ilustrando a ligação do BCR-ABL ao imatinibe (TAUCHI & OHYASHIKI, 2004). Estas mutações no domínio quinase podem prejudicar ou reduzir o efeito do imatinibe e de outros inibidores de tirosina quinase na proteína quimérica BCR-ABL, que é o principal alvo desses inibidores nas células (Ph+) (BACCARANI et al., 2008). Atualmente, se tem são pelo menos 73 mutações que levam a quase 50 substituições de aminoácidos na LMC resistente ao imatinibe. A pesquisa de mutações deve ser realizada nos casos de resposta subótima, de falha no tratamento e aumento dos transcritos BCR-ABL, conforme recomendações da LeukemiaNet. Esta análise pode identificar quais as mutações estão relacionadas à resistência clínica, podendo auxiliar no planejamento do tratamento (BACCARANI et al., 2008). Dependendo da sensibilidade ao determinado inibidor de tirosina quinase, que pode ser avaliado através da concentração inibitória (IC 50), um índice que avalia o quanto a droga é capaz de inibir a linhagem mutante. Quanto maior o IC 50, mais medicamento é necessário para inibir a tirosina quinase e, portanto, mais resistente é a mutação (KHORASHAD et al., 2008; SOVERINI et al., 2007; SHAH et al., 2007).

31 18 Mutações com baixo grau de insensibilidade ao imatinibe (M244V, M351T e F359V) podem responder ao aumento de dose. Mutações com alto grau de insensibilidade (Y253F, E255K/V) necessitam mudança no tratamento (Tabela 2). A mutação T315I é resistente ao imatinibe e aos outros inibidores de segunda e terceira geração, é freqüentemente identificada em pacientes não responsivos ou com perda de resposta aos novos inibidores, devido à seleção de clones resistentes (KHORASHAD et al., 2008; SOVERINI et al., 2007; SHAH et al., 2007). Mutações que ocorrem em sítios de contato com imatinibe eliminam pontes de hidrogênio críticas para a ligação. Outras que ocorrem na alça de fosfato impedem que a quinase assuma uma conformação adequada para a ligação do imatinibe e, por fim, aquelas da alça de ativação estabilizam uma forma ativa, inacessível para o imatinibe. As mutações são mais freqüentes na resistência secundária do que primária (57% versus 30%) e também nas fases avançadas (80% na fase blástica versus 14% na fase crônica) (SOVERINI et al., 2006). Tabela 2. Sensibilidade das mutações do domínio tirosina quinase do BCR-ABL e a resposta de acordo com os inibidores de tirosina quinase (adaptado de BACCARANI, 2008; HUGUES & BRANFORD, 2009). Mutações Imatinib (nm) (Nilotinib nm) (Dasatinib nm) T315I* E255K*/ E255V Y253F/ Y253H* Q252H M244V T315A Outras mutações Ausência de sensibilidade, Sensibilidade intermediária, Sensível

32 19 2. JUSTIFICATIVA A presença de mutações no domínio tirosina quinase do BCR-ABL é um dos principais mecanismos envolvidos na resistência clínica ao imatinibe (GORRE et al, 2001; BRANDFORD et al, 2002; VON BUBNOFF et al, 2002). A detecção destas mutações é um importante parâmetro na definição da causa da resistência, contribuindo para o direcionamento do tratamento. A resistência clínica ao imatinibe é mais comum nos pacientes com fases mais avançadas, e ocorre dentro de três a seis meses após o início do tratamento em mais de 70% dos pacientes (SAWYERS et al., 2002). Após dois anos de tratamento, a resistência ao imatinibe acomete 10% dos pacientes em fase crônica, na qual poucos apresentam recaídas após a resposta citogenética completa, atinge 50% dos pacientes em fase acelerada e 61% em crise blástica que recaem após resposta hematológica inicial (GAMBACORTI-PASSERINI, 2003). Em resposta aos casos de resistência e intolerância ao imatinibe foram sintetizados outros inibidores de tirosina quinase, chamados de segunda geração que têm demonstrado melhor desempenho contra as mutações de resistência do que o imatinibe (BACCARANI et al., 2008). Neste contexto, já se realiza uma medida prática da sensibilidade de uma dada mutação a um inibidor de tirosina quinase, sendo importante no manejo clínico destes pacientes. Atualmente, existe apenas um artigo publicado, por autor brasileiro, sobre detecção de mutações, porém este não as discrimina e não deixa claro quais as mutações mais envolvidas e qual seria o impacto clínico dessas mutações nos pacientes com LMC que estão em uso de Glivec (ALVES, 2009). Em Belém, os pacientes atendidos pelo Hospital Ophir Loyola não recebiam o imatinibe como droga de primeira linha até junho/2008 após a publicação da Portaria Nº 347 pelo Ministério da Saúde, a maior parte deles começam o tratamento com outras drogas tais como Hidroxiuréia ou IFNα para correção primária dos desvios hematológicos. Segundo Scerni e colaboradores (2009) do diagnóstico ao começo do tratamento com imatinibe os pacientes levam uma média de 14 meses, podendo chegar até 90 meses, aumentando estatisticamente o risco desses pacientes desenvolverem algum tipo de resistência ocasionado pela demora na implantação do protocolo de tratamento, como demonstrado pelo estudo. Neste estudo mesmo estudo, observou-se que pacientes em fase crônica que

33 20 receberam o imatinibe no intervalo máximo de um ano do diagnóstico ao inicio do tratamento, tem uma maior probabilidade de manter uma RMM em comparação com outros pacientes cujo intervalo do diagnóstico e inicio do tratamento foi maior que um ano (SCERNI et al. 2009). Em suma, além da importância prognóstica, a detecção de novas mutações do domínio tirosina quinase do BCR-ABL que possam estar relacionadas com o desenvolvimento da resistência à droga pode ser útil no desenvolvimento de novas terapêuticas para os casos resistentes e auxiliar no desenho de terapias com múltiplas drogas que previnam a emergência de clones resistentes.

34 21 3. OBJETIVO Esta proposta tem como objetivo identificar as mutações presentes no domínio quinase da proteína quimérica BCR-ABL responsáveis por causar resistência em pacientes portadores de LMC, que apresentem resposta subótima ao tratamento com imatinibe. Para tal, foram selecionadas três mutações mais freqüentes descritas na literatura: T315I, E255V e Y253H.

35 22 4. MATERIAL E MÉTODOS 4.1 PACIENTES E COLETA DAS AMOSTRAS O estudo incluiu 58 pacientes diagnosticados como portadores de LMC, que são tratados regularmente com 400 a 800 mg de imatinibe no Hospital Ophir Loyola (Belém-PA) e são atendidos na Fundação HEMOPA para monitoramento molecular do BCR-ABL. Todos os pacientes foram previamente tratados com Hidroxiuréia e/ou IFNα de acordo com as recomendações do Ministério de Saúde do Brasil e iniciaram o tratamento com imatinibe após apresentar intolerância e ou falha aos medicamentos. O estudo inclui apenas os pacientes que estão realizando a terapia com imatinibe e estão apresentando resposta subótima ao tratamento. Antes da realização da coleta do material biológico desses pacientes, todos foram previamente informados sobre o objetivo da pesquisa a ser desenvolvida para então concordar com a sua participação na doação do material biológico assinando o termo de consentimento livre e esclarecido, conforme rege a Resolução 196/96, do Conselho Nacional de Saúde, sobre aspectos éticos envolvendo a pesquisa com seres humanos (Anexo I). 4.2 CRITÉRIO DE FALHA NO TRATAMENTO O estudo utilizou como parâmetro os critérios utilizados pela European LeukemiaNet (ELN) descrito na Tabela 3.

36 23 Tabela 3. Critérios baseados no European LeukemiaNet (ELN) para resposta subótima e falha de resposta em 3, 6, 12 e 18 meses (HUGUES & BRANFORD, 2009). Período Falha Resposta subótima 3 meses Sem RH Sem RHC 6 meses Sem RHC Sem RCM e/ou > 10% BCR-ABL (IS) 12 meses Sem RCM e/ou > 10% BCR-ABL (IS) 18 meses Sem RCC e/ou > 1% BCR- Sem RCC e/ou > 1% BCR- ABL (IS) Sem RMM ABL (IS) *RH: Resposta hematológica; RHC: Resposta hematológica completa; RCM: Resposta citogenética completa; RMM: Resposta molecular maior. As amostras foram encaminhadas ao Laboratório de Biologia Celular e Molecular da Fundação HEMOPA, as quais foram retiradas de 5 ml de sangue periférico com sistema a vácuo em tubo com anticoagulante EDTA para obtenção da camada de leucócitos e posterior extração de RNA. 4.3 EXTRAÇÃO DE RNA O RNA foi extraído a partir da camada de leucócitos utilizando o kit comercial TRIzol (Invitrogen) de acordo com instruções do fabricante. O reagente TRIZOL LS é uma solução monofásica de fenol e guadinina isotiocianato que permite o isolamento de RNA total de células em suspensão. O reagente mantém a integridade do RNA, destruindo e dissolvendo os componentes celulares. A adição de clorofórmio seguida da centrifugação separa a solução em uma fase orgânica e uma fase aquosa. O RNA fica restrito à fase aquosa e pode ser

37 24 finalmente precipitado com o uso do álcool isopropílico. A descrição dos procedimentos técnicos consta no Anexo II. 4.4 TRANSCRIÇÃO REVERSA A partir de 10 L de RNA, o cdna foi sintetizado de acordo com o kit High Capacity cdna Reverse Transcriptase (Applied Biosystems) para transformar o RNA extraído e purificado em cdna. A reação utiliza as quantidades de reagentes descritas na Tabela 4. Tabela 4. Reagentes utilizados na síntese de cdna. Reagentes µl Água ultra pura 4,2 Tampão Reverse Transcript (10 X) 2 dntp 0,8 Iniciadores randômicos (10X) 2 Transcriptase reversa 1,0 Amostra 10 A ciclagem utilizada é 25º C durante 10 minutos e 37º C por 120 minutos. 4.5 ANÁLISE DAS MUTAÇÕES DE RESISTÊNCIA A pesquisa de mutações é baseada em um polimorfismo de nucleotídeo único (SNP), através da presença das variantes de resistência que apresentem falha na resposta ao tratamento com imatinibe. Os SNPs foram selecionados de acordo com a literatura como podemos observar na Tabela 5.

38 25 A mutação T315I ocasiona substituição do códon 315 de treonina (ACT) para isoleucina (ATT) e está localizada na região de ligação ao imatinibe. Já as mutações E255V que substitui ácido glutâmico (GAG) para valina (GTG) e a Y253H responsável pela mudança de tirosina (TAC) para histidina (CAC) estão localizadas no domínio da alça P(sítio de ligação ao fosfato). Tabela 5. Pontos de mutação do domínio tirosina quinase do BCR-ABL utilizados no estudo (adaptado de HOUCHAUSS et al., 2002; BACCARANI, 2008). Mutação genômica Aminoácido Localização/ABL IC 50 (µm) * C T T 315 I éxon 6 >6400 A T E255V éxon 4 >6400 T C Y253H éxon 4 >6400 A posição do nucleotídeo ABL refere-se ao locus U extraída do banco de dados NCBI. 4.6 ASSAYS-BY-DESIGN As seqüências dos SNPs escolhidos foram enviadas à Applied Biosystems para desenho e síntese de iniciadores e sondas através do serviço Assays-by-design. 4.7 REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) ALELO ESPECÍFICA EM TEMPO REAL. A detecção das mutações por PCR em tempo real foi realizada utilizando o aparelho ABI Prism 7000 e kit comercial TaqMan Genotyping Master Mix, ambos da Applied Biosystems. O protocolo da reação utiliza as quantidades de reagentes descritas na Tabela 6. O protocolo de amplificação da reação constituiu-se da seguinte ciclagem: 50ºC/2 min, 95ºC/10 min e 50 ciclos de 95ºC/15 seg e 60ºC/ 1 min. A leitura das mutações do BCR-ABL

39 26 em tempo real foi baseada no polimorfismo de nucleotídeo único, sendo utilizado fluoróforo VIC e FAM para marcar os nucleotídeos, respectivamente alelo selvagem e alelo mutado. Tabela 6. Reagentes utilizados na PCR alelo específica em tempo real. Reagentes µl Água deionizada 9,25 Tampão TaqMan Genotyping Master Mix 12,5 SNP 1,25 cdna 2

40 27 5. RESULTADOS Entre os pacientes portadores de LMC assistidos no Hospital Ophir Loyola (Belém-PA) diagnosticados por critérios clínicos e hematológicos e confirmados por PCR em tempo real para BCR-ABL, foram selecionados 58 pacientes que realizam a terapia com imatinibe e apresentaram falha na resposta. Os pacientes LMC 8, LMC 10 e LMC 27 e LMC 43 apresentaram intolerância ao imatinibe e já iniciaram a terapia com outros inibidores de tirosina quinase. Dentre os 58 pacientes estudados, 27 (47%) são do sexo feminino e 31 (53%) do sexo masculino. As idades variam entre 9 e 79 anos, com a média de idade de 46 anos. A maioria dos pacientes encontra-se na fase crônica da LMC 48 (83%) e 10 (17%) na fase acelerada, nenhum paciente encontra-se em fase blástica. Em relação à resposta molecular destes pacientes, 12 (21%) apresentaram redução de 1 log e encontram-se em remissão hematológica em contraposta a 46 (79%) que não apresentação redução de log. O intervalo entre o diagnóstico e o início do tratamento foi dividido em dois grupos: menor que 1 ano e maior que 1 ano, sendo que 40 (69%) iniciam o tratamento em menos de 1 ano e 18 (31%) dos pacientes iniciam o tratamento após 1 ano do diagnóstico, como podemos observar na Tabela 7.

41 28 Tabela 7. Perfil de mutações dos pacientes portadores de LMC. Paciente Sexo Idade Fase Resposta Intervalo Mutações (Log) D/T T315I Y253H E255V LMC 01 M 38 C < 1 ano S S S LMC 02 F 47 C 1.60 > 1 ano S S S LMC 03 F 71 C < 1 ano S S S LMC 04 M 43 A < 1 ano S S S LMC 05 M 34 C 0.47 < 1 ano S S S LMC 06 M 24 C < 1 ano S S S LMC 07 M 43 A > 1 ano S S S LMC 08 M 49 A 1.76 > 1 ano S S S LMC 09 M 44 C > 1 ano S S S LMC 10 M 50 C < 1 ano S S S LMC 11 F 36 C < 1 ano S S S LMC 12 F 34 C 0.04 < 1 ano S S S LMC 13 F 36 C < 1 ano S S S LMC 14 F 45 C 2.04 < 1 ano S S S LMC 15 F 37 C < 1 ano S S S LMC 16 F 32 C 1.45 > 1 ano S S S LMC 17 F 43 C > 1 ano S S S LMC 18 F 41 C < 1 ano S S S LMC 19 F 58 C < 1 ano S S S LMC 20 M 30 C < 1 ano S S S LMC 21 M 64 C > 1 ano S S S LMC 22 M 42 C 2.44 > 1 ano S S S LMC 23 M 63 C 1.73 < 1 ano S S S LMC 24 M 27 A 0.42 < 1 ano S S S LMC 25 F 49 C < 1 ano S S S LMC 26 M 20 C < 1 ano S S S LMC 27 M 53 C 0.94 > 1 ano S S S LMC 28 M 71 C < 1 ano S S S LMC 29 M 20 C < 1 ano S S S LMC 30 F 35 C 0.03 < 1 ano S S S

42 29 Paciente Sexo Idade Fase Resposta Intervalo Mutações (Log) D/T T315I Y253H E255V LMC 31 F 22 C < 1 ano S S S LMC 32 F 61 A -1,12 > 1 ano S S S LMC 33 F 9 C < 1 ano S S S LMC 34 M 74 C < 1 ano S S S LMC 35 M 62 C < 1 ano S S S LMC 36 M 44 C > 1 ano S S S LMC 37 M 79 C 0.65 > 1 ano S S S LMC 38 M 52 C 0.21 > 1 ano S S S LMC 39 F 38 C < 1 ano S S S LMC 40 M 27 C < 1 ano S S S LMC 41 F 68 C 1.93 < 1 ano S S S LMC 42 F 70 A 0.01 > 1 ano S S S LMC 43 F 47 A < 1 ano S S S LMC 44 F 38 C < 1 ano S S S LMC 45 M 36 C 0.10 < 1 ano S S S LMC 46 F 44 C > 1 ano S S S LMC 47 M 72 C < 1 ano S S S LMC 48 M 42 C < 1 ano S S S LMC 49 F 34 C 0.18 < 1 ano S S S LMC 50 M 72 A -0,35 < 1 ano S S S LMC 51 M 49 C 0.18 > 1 ano S S S LMC 52 F 39 C > 1 ano S S S LMC 53 F 53 C 0.05 < 1 ano S S S LMC 54 M 58 C 0.10 < 1 ano S S S LMC 55 F 73 A 0.21 < 1 ano S S S LMC 56 M 25 A 2.05 > 1 ano S S S LMC 57 M 30 C 1.30 < 1 ano S S S LMC 58 F 50 C < 1 ano S S S *Feminino: F, Masculino: M; Fase Crônica: C, Fase Acelerada: A, Fase Blástica: B; Intervalo D/T: Intervalo entre o diagnóstico e o tratamento; Alelo Selvagem: S, Alelo Mutante: M.

43 30 O estudo revelou que 58 (100%) dos pacientes apresentaram o selvagem para as mutações pesquisadas. A mutação T315I que sinaliza a mudança de base de (C/T), é identificada pela curva durante a reação de cadeia da polimerase, na qual o fluoróforo VIC marca o nucleotídeo C (alelo selvagem) e o FAM marca o nucleotídeo T (alelo mutante) observado no Figura 5. A curva é positiva para o alelo selvagem. Figura 5. Gráfico do PCR em tempo real referente ao SNP T315I (LMC 3). A mutação Y253H corresponde à mudança de base (T/C) em que o fluoróforo VIC marca o nucleotídeo T (alelo selvagem) e a o fluoróforo FAM marca o nucleotídeo C (alelo mutante). Na Figura 6 podemos observar a curva da reação positiva para o selvagem.

44 31 Figura 6. Gráfico do PCR em tempo real referente ao SNP Y253H (LMC 3). A Figura 7 corresponde a uma curva positiva para o alelo selvagem da mutação E255V, também marcada pelos fluoróforos VIC e FAM para a mudança de base de (A/T). Figura 7. Gráfico do PCR em tempo real referente ao SNP E255V (LMC 3).

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

Leucemia Mieloide Crônica: diagnóstico, fisiopatologia e fatores prognósticos. Maria de Lourdes Chauffaille Unifesp, Grupo Fleury

Leucemia Mieloide Crônica: diagnóstico, fisiopatologia e fatores prognósticos. Maria de Lourdes Chauffaille Unifesp, Grupo Fleury Leucemia Mieloide Crônica: diagnóstico, fisiopatologia e fatores prognósticos Maria de Lourdes Chauffaille Unifesp, Grupo Fleury Definição Incidência Clínica Exames diagnósticos Fisiopatologia História

Leia mais

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Farmácia Programa de Educação Tutorial - PET Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes Sumário Introdução Leucemia

Leia mais

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos:

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos: Estudo das alterações citogenéticas em pacientes com suspeita clínica de síndrome mieloproliferativa e em pacientes com leucemia mielóide crônica em uso de imatinib. Experiência do laboratório Sérgio Franco

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Patricia Weinschenker Hematologista HIAE Responsável pelo Ambulatório Leucemias FM ABC

Patricia Weinschenker Hematologista HIAE Responsável pelo Ambulatório Leucemias FM ABC Leucemia Mielóide Crônica Patricia Weinschenker Hematologista HIAE Responsável pelo Ambulatório Leucemias FM ABC Leucemia MielóideCrônica Proliferação clonal da célula tronco hematopoiética proliferação

Leia mais

ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA

ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA Laiz Silva Ribeiro laiz0711@bol.com.br Prof Dr. Rodrigo da Silva Santos rdssantos@gmail.com FACULDADE ALFREDO

Leia mais

Leucemia Mieloide Crônica

Leucemia Mieloide Crônica Leucemia Mieloide Crônica Autoria: Associação Brasileira de Hematologia Hemoterapia Sociedade Brasileira de Patologia Sociedade Brasileira de Pediatria Elaboração Final: 20 de julho de 2012 Participantes:

Leia mais

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre ÍNDICE 1. O que é Leucemia Mieloide Crônica (LMC)?... pág 4 2. Quais são os sinais e sintomas?... pág 4 3. Como a LMC evolui?... pág 5 4. Quais são os tratamentos disponíveis para a LMC?... pág 5 5. Como

Leia mais

Leucemias Crônicas HEMATOLOGIA II 5/6/2010. Curso de Farmácia Prof. Christian LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS LINFÓIDES MIELÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC

Leucemias Crônicas HEMATOLOGIA II 5/6/2010. Curso de Farmácia Prof. Christian LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS LINFÓIDES MIELÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC HEMATOLOGIA II Curso de Farmácia Prof. Christian Leucemias Crônicas LEUCEMIAS AGUDAS CRÔNICAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LMA LLA LMC LLC M0 A M7 L1, L2, L3 1 LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA (LLC)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 18 - Área de atuação em Hematologia e Hemoterapia Nome do Candidato

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 Leucemia Mielóide Crônica Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Referente às síndromes mielodisplásicas, julgue os itens a seguir. 41 Segundo a classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS), um indivíduo que apresente leucopenia com ausência de blastos no sangue

Leia mais

RITA DE CÁSSIA SILVA ALVES ANÁLISE DE PACIENTES COM LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA COM RESISTÊNCIA PRIMÁRIA OU SECUNDÁRIA AO MESILATO DE IMATINIBE

RITA DE CÁSSIA SILVA ALVES ANÁLISE DE PACIENTES COM LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA COM RESISTÊNCIA PRIMÁRIA OU SECUNDÁRIA AO MESILATO DE IMATINIBE RITA DE CÁSSIA SILVA ALVES ANÁLISE DE PACIENTES COM LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA COM RESISTÊNCIA PRIMÁRIA OU SECUNDÁRIA AO MESILATO DE IMATINIBE Tese apresentada ao curso de Pós-Graduação da Faculdade de

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA COM MESILATO DE IMATINIBE NO HOSPITAL DE

Leia mais

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia O que é Leucemia? O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos brancos. Para melhor entender esta, ou melhor, estas doenças, é importante

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Mieloide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Mieloide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Manual de (LMC) O que você deve saber sobre (LMC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Este manual, destinado a pacientes com leucemia mieloide crônica (LMC) e seus familiares,

Leia mais

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia HEMATOLOGIA 2010-11 3ºAno Prof. Leonor Correia 10ª Aula Hematologia 2010/2011 Tumores dos tecidos hematopoiético e linfático Classificação OMS 2008: Interesse e objectivos da classificação Neoplasias mieloproliferativas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO 3º Teste Sumativo DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turmas A e B TEMA: Regulação e alteração do material genético Versão A 31 de janeiro de 2013 90 minutos Nome: Nº

Leia mais

LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE: BOM PROGNÓSTICO

LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE: BOM PROGNÓSTICO ATUALIZA CURSOS PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EM ANÁLISES CLÍNICAS LUIZ ARTUR KRAUSE DE SOUSA WALTERMAR CORREIA DOS SANTOS SILVA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE: BOM PROGNÓSTICO Salvador/BA.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ANA LUCIA VIEIRA MION

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ANA LUCIA VIEIRA MION UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ANA LUCIA VIEIRA MION TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELOIDE CRÔNICA COM MESILATO DE IMATINIBE PERFIL DA RESPOSTA MOLECULAR EM PACIENTES BRASILEIROS CURITIBA 2014 ANA LUCIA VIEIRA

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

Leucemia Mielóide Crônica

Leucemia Mielóide Crônica O que você deve saber sobre Leucemia ABRALE. 100% de esforço, onde houver 1% de chance. Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia Coordenação Executiva Merula A. Steagall Comitê Médico

Leia mais

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Tema: Mielodisplasia: Novidades no tratamento Total de pessoas que participaram: 34 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30

Leia mais

Leucemias. Claudia witzel

Leucemias. Claudia witzel Leucemias Claudia witzel Introduçao MEDULA ÓSSEA fabrica CÉLULAS (células mães imaturas). célula sanguínea pode tornar-se uma célula mielóide ou uma célula linfóide. que se desenvolvem em células sanguíneas

Leia mais

FARMACOGENÉTICA APLICADA AO CÂNCER NO SUS: QUIMIOTERAPIA INDIVIDUALIZADA E ESPECIFICIDADE MOLECULAR PARA O TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA

FARMACOGENÉTICA APLICADA AO CÂNCER NO SUS: QUIMIOTERAPIA INDIVIDUALIZADA E ESPECIFICIDADE MOLECULAR PARA O TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA FARMACOGENÉTICA APLICADA AO CÂNCER NO SUS: QUIMIOTERAPIA INDIVIDUALIZADA E ESPECIFICIDADE MOLECULAR PARA O TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA Jeany CAMELO-SANTOS 1, Elisângela de Paula SILVEIRA-LACERDA

Leia mais

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014 SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS Hye, 2014 DEFINIÇÃO Trata se de um grupo de diversas desordens da medula óssea que leva o indivíduo não produzir células sanguíneas saudáveis em número suficiente. SINTOMATOLOGIA

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Departamento de Biologia Celular e Molecular Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Tema: Bases Moleculares do Câncer e Ação A

Leia mais

UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO

UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO Biologia 12º ano Cap.2.1. Alterações do Material Genético Mutações UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO Situação Problemática

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos

I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos 1. Técnicas Experimentais para o Estudo da Expressão Gênica O curso terá como base o estudo da expressão gênica utilizando um fator de transcrição.

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

Resistência ao Imatinib: da problemática às novas estratégias terapêuticas para a Leucemia Mieloide Crónica

Resistência ao Imatinib: da problemática às novas estratégias terapêuticas para a Leucemia Mieloide Crónica Resistência ao Imatinib: da problemática às novas estratégias terapêuticas para a Leucemia Mieloide Crónica i Sílvia Raquel Ferreira Fonseca Resistência ao Imatinib: da problemática às novas estratégias

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014

LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014 LEUCEMIAS AGUDAS Hye 2014 LEUCEMIAS AGUDAS APRESENTAÇÃO LEUCEMIA AGUDA LEUCEMIA CRÔNICA Início Abrupto Insidioso Morte Meses Anos Idade Todas Adultos Leucometria, N ou Elevada Morfologia Blastos Maturas

Leia mais

Leucemia Mielóide Crônica: Bases Moleculares e Terapias RESUMO

Leucemia Mielóide Crônica: Bases Moleculares e Terapias RESUMO Leucemia Mielóide Crônica: Bases Moleculares e Terapias Barbara Dumas Santos Silva 1 ; Jorge Lisboa Borges 1 ; Flávio Monteiro Ayres 2 1 Bolsista PBIC/UEG, graduandos do Curso de Ciências Biológicas, UnUCET-

Leia mais

Resposta ao tratamento com mesilato de Imatinibe nos portadores de Leucemia Mielóide Crônica do Hospital de Base do Distrito Federal

Resposta ao tratamento com mesilato de Imatinibe nos portadores de Leucemia Mielóide Crônica do Hospital de Base do Distrito Federal Universidade de Brasília Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas Resposta ao tratamento com mesilato de Imatinibe nos portadores de Leucemia Mielóide Crônica do Hospital de

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS LABORATORIAIS E CLÍNICOS DE PACIENTES PORTADORES DE LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA

Leia mais

GENÉTICA E CÂNCER. Para que a carcinogênese ocorra são necessárias algumas condições, entre elas:

GENÉTICA E CÂNCER. Para que a carcinogênese ocorra são necessárias algumas condições, entre elas: GENÉTICA E CÂNCER O câncer é uma doença genética, independentemente de ocorrer de forma esporádica ou hereditária, pois a carcinogênese sempre inicia com danos no DNA. Geralmente, esses danos são potencializados

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

VALDEREZ RAVAGLIO JAMUR ESTUDO CITOGENÉTICO DE PACIENTES COM LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA TRATADOS COM O MESILATO DE IMATINIBE

VALDEREZ RAVAGLIO JAMUR ESTUDO CITOGENÉTICO DE PACIENTES COM LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA TRATADOS COM O MESILATO DE IMATINIBE VALDEREZ RAVAGLIO JAMUR ESTUDO CITOGENÉTICO DE PACIENTES COM LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA TRATADOS COM O MESILATO DE IMATINIBE Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Genética do Departamento

Leia mais

Análise dos transcritos da translocação t(9;22) em Leucemia Mielóide Crônica

Análise dos transcritos da translocação t(9;22) em Leucemia Mielóide Crônica Barboza L.P. et al Artigo Especial Análise dos transcritos da translocação t(9;22) em Leucemia Mielóide Crônica Luciana P. Barboza 1 Jamison M. Souza 1,2 Felippe V. Simões 1 Iracema C. Bragança 2 Eliana

Leia mais

Tumor Estromal Gastrointestinal

Tumor Estromal Gastrointestinal Tumor Estromal Gastrointestinal Pedro Henrique Barros de Vasconcellos Hospital Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Introdução GIST é o tumor mesenquimal mais comum do TGI O termo foi desenvolvido

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE MUTAÇÕES QUE CONFEREM RESISTÊNCIA AO TRATAMENTO COM INIBIDORES DE TIROSINA CINASE

IDENTIFICAÇÃO DE MUTAÇÕES QUE CONFEREM RESISTÊNCIA AO TRATAMENTO COM INIBIDORES DE TIROSINA CINASE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA ROBERTA BITENCOURT MOREIRA IDENTIFICAÇÃO DE MUTAÇÕES QUE CONFEREM RESISTÊNCIA AO TRATAMENTO

Leia mais

Avanços na terapêutica de Leucemia Mielóide Crônica

Avanços na terapêutica de Leucemia Mielóide Crônica Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde Avanços na terapêutica de Leucemia Mielóide Crônica Graziela Elias Pedroso Brasília - 2003 1 Centro Universitário de Brasília Faculdade de

Leia mais

Análise de expressão gênica

Análise de expressão gênica Universidade Federal do Espírito Santo Laboratório de Biotecnologia Aplicado ao Agronegócio Análise de expressão gênica Fernanda Bravim EXPRESSÃO GÊNICA Processo pelo qual a informação contida em um gene

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos.

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos. Questão 1 Você é um imunologista que quer ficar rico e decide deixar o mundo da ciência, conseguindo um emprego como consultor de roteiro em um novo seriado de drama médico. Você avalia o conhecimento

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

Mutação e Engenharia Genética

Mutação e Engenharia Genética Mutação e Engenharia Genética Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Mutações erros não programados que ocorrem durante o processo de autoduplicação do DNA e

Leia mais

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu PCR tempo real PCR quantitativo 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu Aspectos Básicos um dos métodos atuais de aferir o nível de expressão de genes mas não é o único: Northern blotting (quantificação

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

VALIDAÇÃO DA EXPRESSÃO DOS GENES ABCA1 E ABCG1 EM CÉLULAS DO SANGUE PERIFÉRICO EM PACIENTES PORTADORES DE LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA

VALIDAÇÃO DA EXPRESSÃO DOS GENES ABCA1 E ABCG1 EM CÉLULAS DO SANGUE PERIFÉRICO EM PACIENTES PORTADORES DE LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FACULDADE DE BIOMEDICINA RUTH MERIEN DE FREITAS VIEIRA VALIDAÇÃO DA EXPRESSÃO DOS GENES ABCA1 E ABCG1 EM CÉLULAS DO SANGUE PERIFÉRICO EM PACIENTES

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO. Hye, 2014

NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO. Hye, 2014 NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO Hye, 2014 O QUE GERA A SUSPEITA DE MALIGNIDADE HEMATOLÓGICA? Falta de energia; Facilidade de sangramentos; Infecções frequentes; Emagrecimento inexplicável; INVESTIGAÇÃO

Leia mais

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA Hemograma com hematoscopia do sangue periférico Bioquímica completa incluindo hepatograma e função renal Coagulograma Citoquímica e Imunofenotipagem

Leia mais

Aspectos peculiares da leucemia em crianças com Síndrome de Down

Aspectos peculiares da leucemia em crianças com Síndrome de Down Universidade Federal De Minas Gerais Instituto De Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica e Imunologia Projeto de Biologia Molecular Aspectos peculiares da leucemia em crianças com Síndrome de Down

Leia mais

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e CASO 01 - Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e muita sudoração. O médico examinou a paciente

Leia mais

Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores

Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores A determinação da seqüência de bases de um segmento de DNA é um passo crítico em muitas aplicações da Biotecnologia.

Leia mais

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Patologia x Genética Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Lucas Brandão Patologia Clínica Definição: Fornece informações ao médico, de modo a proporcionar-lhe os meios necessários para

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Construção de Bibliotecas de cdna

Construção de Bibliotecas de cdna Construção de Bibliotecas de cdna Claudia Teixeira Guimarães Antônio A.C. Purcino Eliane A. Gomes Jurandir V. Magalhães Newton P. Carneiro Elto E.G. Gama Robert E. Schaffert Sidney N. Parentoni Vera M.C.

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

Leucemia Mieloide Crônica (LMC) Um guia para pacientes, familiares e amigos

Leucemia Mieloide Crônica (LMC) Um guia para pacientes, familiares e amigos Leucemia Mieloide Crônica (LMC) Um guia para pacientes, familiares e amigos Tradução Voluntária: Fernanda de Souza Mello Revisão: Sílvia R Brandalise e Carmen C M Rodrigues Centro Infantil Boldrini Novembro

Leia mais

Painéis Do Organismo ao Genoma

Painéis Do Organismo ao Genoma Painéis Do Organismo ao Genoma A série de 5 painéis do organismo ao genoma tem por objetivo mostrar que os organismos vivos são formados por células que funcionam de acordo com instruções contidas no DNA,

Leia mais

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Tema: Entenda a Síndrome Mielodisplásica (Mielodisplasia) Total atingido de pessoas na sala: 24 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários

Leia mais

Coffee Break 10:30hs às 11:30hs Biologia Molecular do Processo de Apoptose Prof. Dr. Roberto César Pereira Lima Júnior Departamento de Fisiologia e

Coffee Break 10:30hs às 11:30hs Biologia Molecular do Processo de Apoptose Prof. Dr. Roberto César Pereira Lima Júnior Departamento de Fisiologia e II Curso Avançado em Citogenômica do Câncer - realizado pelo Laboratório de Citogenômica do Câncer da Universidade Federal do Ceará. 20 a 23 de novembro no Seara Praia Hotel em Fortaleza - Ceará. Carga

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS HEREDITÁRIAS DO METABOLISMO (DHM)

EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS HEREDITÁRIAS DO METABOLISMO (DHM) EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS HEREDITÁRIAS DO METABOLISMO (DHM) A Epidemiologia é a disciplina que estuda os determinantes da doença bem como os fatores envolvidos no seu desenvolvimento, distribuição e disseminação

Leia mais

Complexo principal de histocompatibilidade

Complexo principal de histocompatibilidade Complexo principal de histocompatibilidade Todas as espécies possuem um conjunto de genes denominado MHC, cujos produtos são de importância para o reconhecimento intercelular e a discriminação do que é

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

Importância dos polimorfismos C3435T e C1236T do

Importância dos polimorfismos C3435T e C1236T do Ministério da Educação Universidade Federal de Goiás Faculdade de Farmácia Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas LUCAS CARLOS GOMES PEREIRA Importância dos polimorfismos C3435T e C1236T do

Leia mais

Rev. 04 Out/2013. Amostras

Rev. 04 Out/2013. Amostras BANG07-02 BANG07-05 Philadelphia Oligomix Alert Kit Instruções de Uso USO PRETENDIDO O produto «PHILADELPHIA oligomix Alert kit» é um teste qualitativo de amplificação dos ácidos nucleicos para a pesquisa

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Antes da descoberta dos sirnas oligonucleotídeos antisenso (ASO) eram usados para silenciar genes

Antes da descoberta dos sirnas oligonucleotídeos antisenso (ASO) eram usados para silenciar genes Antes da descoberta dos sirnas oligonucleotídeos antisenso (ASO) eram usados para silenciar genes Zamecnik PC and Stephenson ML, 1978: oligonucleotídeos como agentes antisenso para inibir replicação viral.

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA Dr. Roberto Augusto Plaza Teixeira - 2004 Centro de Hematologia de São Paulo HISTÓRICO - 1846 - Virchow ( Alemanha) 1870 - Neumann 1905 - Naegel 1919 - Hirschfeld Definição

Leia mais

Contributo para o estudo dos. mecanismos de resistência ao Imatinib. em Leucemia Mielóide Crónica

Contributo para o estudo dos. mecanismos de resistência ao Imatinib. em Leucemia Mielóide Crónica Vânia Patrícia Nunes da Silva Contributo para o estudo dos mecanismos de resistência ao Imatinib em Leucemia Mielóide Crónica Dissertação apresentada para a obtenção do Grau de Mestre em Genética Molecular

Leia mais

Acompanhamento molecular de pacientes com leucemia mielóide. crônica tratados com mesilato de imatinibe e avaliação dos

Acompanhamento molecular de pacientes com leucemia mielóide. crônica tratados com mesilato de imatinibe e avaliação dos Luciana Nardinelli Acompanhamento molecular de pacientes com leucemia mielóide crônica tratados com mesilato de imatinibe e avaliação dos mecanismos de resistência ao tratamento: mutação do gene BCR- ABL

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos Rio de Janeiro, 21-25 setembro de 2009 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ Construções Mais Comuns

Leia mais

A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA...

A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA... Atividade extra Fascículo 4 Biologia Unidade 9 Questão 1 A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA. O processo de divisão celular é composto por cinco etapas:

Leia mais

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica 132_Newslab_Informe Científico Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica *Monika Conchon médica onco-hematologista Nos últimos anos, vários marcadores de prognóstico foram identificados

Leia mais

V Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE

V Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE V Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE São Paulo 17/11/2011 Estudo genético da síndrome de Birt- Hogg-Dubé (variante Hornstein- Knickenberg) Bolsista: Sergio Aparecido do Amaral Junior (Faculdade

Leia mais

RESULTADOS DO MESILATO DE IMATINIBE NO TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

RESULTADOS DO MESILATO DE IMATINIBE NO TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA RESULTADOS DO MESILATO DE IMATINIBE NO TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Luci R. dos Santos 1, Fernanda B. Morrone 2 luci_farma@terra.com.br, fernanda.morrone@pucrs.br

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - UNICEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE FACES GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA ANA PAULA COSTA ATHAYDE NUNES

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - UNICEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE FACES GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA ANA PAULA COSTA ATHAYDE NUNES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - UNICEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE FACES GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA ANA PAULA COSTA ATHAYDE NUNES AVALIAÇÃO DO EFEITO TERAPÊUTICO DO MESILATO DE IMATINIBE

Leia mais

Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE

Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE UNESP, São José do Rio Preto Câncer : Doença Genética?

Leia mais

Técnicas Moleculares

Técnicas Moleculares Biologia Molecular no Diagnóstico de Infecção :HPV Maria Elizabeth Menezes,MSc;Ph.D e-mail:melmenezes@dnanalise.com.br DNAnálise Laboratório Técnicas Moleculares HIBRIDIZAÇÃO IN SITU SEQÜENCIAMENTO PCR

Leia mais

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA Os biólogos supunham que apenas as proteínas regulassem os genes dos seres humanos e dos

Leia mais

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Tema: Novas perspectivas no tratamento das Leucemias Agudas Total atingido de pessoas na sala: 25 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA

DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Variações de Expressão Génica associadas a terapêutica com inibidores de tirosina cinases na Leucemia Mielóide Crónica

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler Tópicos (1) Estratégias gerais de estudo de sequências de DNA específicas em populações de DNA complexas Requisitos da reacção de polimerização em cadeia

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR Kit Genomic de Quantificação de DNA Manual Técnico Para quantificação de DNA humano em análises forenses WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução Na maioria dos casos forenses, as amostras recebidas apresentam-se

Leia mais