ROTEAMENTO REDES E SR1 ETER-FAETEC. Rio de Janeiro - RJ ETER-FAETEC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROTEAMENTO REDES E SR1 ETER-FAETEC. Rio de Janeiro - RJ ETER-FAETEC"

Transcrição

1 ROTEAMENTO REDES E SR1 Rio de Janeiro - RJ

2 INTRODUÇÃO A comunicação entre nós de uma rede local é realizada a partir da comutação (seja por circuito, seja por pacotes). Quem realiza essa função é o switch de rede, que analisa o endereço MAC para fazê-lo. Então, como é possível estabelecer a comunicação entre redes distintas? Afinal, temos a Internet, que é um grande coletivo de milhões de redes. Tudo isso é possível graças ao roteamento.

3 INTRODUÇÃO O roteamento é o ato de traçar a melhor rota entre dois nós distintos, em redes distintas. Ele é realizado quando há essa necessidade de comunicação. O roteador é o equipamento utilizado para realizar essa ação. Para que o roteamento seja bem sucedido, é necessário ter os endereços de rede (como o IP). O roteamento pode ser realizado por um hardware específico ou por software.

4 ROTEADORES Os roteadores são equipamentos feitos especificamente para desempenhar essa função. Existem roteadores simples, que estão em residências e pequenas empresas, até equipamentos bem complexos e muito caros. Todo roteador possui um sistema operacional. Se você desejar fazer o roteamento por software, basta ter um servidor e software específico instalado em um sistema operacional (Windows ou Linux) para atender essa necessidade.

5 ROTEADORES Todo roteador precisa ter no pelo menos duas interfaces de rede. Cada uma será ligada a uma rede distinta. O roteador usa uma tabela de roteamento para saber para onde deve enviar os pacotes. Um roteador quebra os domínios de broadcast, melhorando o desempenho das redes. Também é bom lembrar que, assim como os switches, cada porta do equipamento é um domínio de colisão.

6 TIPOS DE ROTAS Podemos ter em um roteador 3 tipos de rotas: rotas diretamente conectadas, rotas estáticas e rotas dinâmicas. Existem protocolos para que o roteador obtenha informação e trace a melhor rota. Por exemplo, para realizar o roteamento dinâmico, fazemos uso de protocolos internos (IGP) ou externos (EGP).

7 TIPOS DE ROTAS Podemos ter em um roteador 3 tipos de rotas: rotas diretamente conectadas, rotas estáticas e rotas dinâmicas. Existem protocolos para que o roteador obtenha informação e trace a melhor rota. Por exemplo, para realizar o roteamento dinâmico, fazemos uso de protocolos internos (IGP) ou externos (EGP). Veremos então como são esses três tipos de rotas.

8 ROTAS DIRETAMENTE CONECTADAS Essas são rotas já presentes em um roteador que conectam duas ou mais redes, passando por ele. Esse tipo de rota é feita automaticamente no equipamento. Sem essas rotas, os equipamentos da rede A não se falam com os equipamentos da rede B, e vice-versa. Cada rede gera uma rota diretamente conectada.

9 ROTAS DIRETAMENTE CONECTADAS No exemplo abaixo, temos um roteador com duas redes diretamente conectadas.

10 ROTAS DIRETAMENTE CONECTADAS Abaixo temos uma tabela de roteamento do roteador do exemplo anterior. Na coluna Type, temos a letra C para as rotas existentes. O C mostra que a rede é diretamente conectada.

11 ROTEAMENTO ESTÁTICO As rotas estáticas são configuradas manualmente. Para configurar uma rota estática devemos conhecer o endereço da rede em que queremos chegar, a mascara de sub-rede da mesma e o IP da interface de rede por qual o pacote vai sair para chegar até a rede desejada.

12 ROTEAMENTO ESTÁTICO

13 ROTEAMENTO ESTÁTICO No slide anterior, temos um cenário simples com dois roteadores e três redes. Existem duas redes diretamente conectadas: A-C e B-C. A comunicação se dará sem dificuldades. Mas como as redes A e B poderão se comunicar? Isso será possível usando roteamento estático ou dinâmico (que veremos posteriormente).

14 ROTEAMENTO ESTÁTICO A configuração de uma rota estática segue a seguinte lógica: 1)Endereço IP da rede que se precisa chegar. 2)Máscara de sub-rede dessa rede. 3)O IP ou porta no roteador vizinho que se chega a rede desejada. No roteador 1, a configuração é: Rede: ; Máscara: saída do roteador: No roteador 2, a configuração é: Rede: ; Máscara: saída do roteador: ; IP de ; IP de

15 ROTEAMENTO ESTÁTICO Acima temos a tabela de roteamento de cada roteador desse cenário. Agora temos a letra S em uma das rotas. Podemos ver na coluna Type. Isto indica que a rota foi configurada estaticamente.

16 ROTEAMENTO DINÂMICO Em estruturas pequenas, o uso de rotas estáticas podem atender as necessidades de interconexão de redes. Mas quando a quantidade de redes a serem interligadas é muito grande, rotas estáticas tornam-se inviáveis. Imagine ter que se conectar 50 redes com roteamento estático? É praticamente impossível, e a chance de falhas é imensa. Para resolver esse problema foi criado o roteamento dinâmico.

17 ROTEAMENTO DINÂMICO Rotas dinâmicas são criadas automaticamente através de um protocolo de roteamento. O administrador coloca as redes nas quais o roteador faz parte (ou seja, faz o anúncio das redes) para o protocolo de roteamento. As rotas, uma vez anunciadas são propagadas para os roteadores vizinhos.

18 ROTEAMENTO DINÂMICO Existem diversos protocolos de roteamento. Podemos citar: RIP (Protocolo de Roteamento de Informação). Temos as versões 1 e 2. IGRP (Protocolo do Gateway Interior). OSPF (Open Shortest Path First ou Siga o Caminho Mais Curto Primeiro). EIGRP (Protocolo do Gateway Interior Apromorado). Esses são voltados para roteamento interno, dentro de um conjunto de redes locais (LAN).

19 ROTEAMENTO DINÂMICO Para roteamento externo, ou seja, que trocam dados entre redes, podemos citar: EGP (Protocolo do Gateway Exterior). BGP (Protocolo do Gateway de Borda). Logo, esses protocolos são usados para roteamento externo, em interfaces do tipo WAN.

20 ROTEAMENTO DINÂMICO Na figura ao lado temos um cenário com quatro redes que são interligadas por dois protocolos de roteamento.

21 ROTEAMENTO DINÂMICO A tabela de roteamento dos roteadores apresentam diversas rotas na coluna Type. (O para rotas OSPF e R para rotas RIP).

RCO2. Redes Locais: Interligação de LANs com roteadores

RCO2. Redes Locais: Interligação de LANs com roteadores RCO2 Redes Locais: Interligação de LANs com roteadores Pontes e switches: ativos de camada de enlace 2 Pontes e switches: aprendem que estações estão em cada porta Mas pode haver problemas! Considere a

Leia mais

Roteamento Prof. Pedro Filho

Roteamento Prof. Pedro Filho Roteamento Prof. Pedro Filho Definição Dispositivo intermediário de rede projetado para realizar switching e roteamento de pacotes O roteador atua apenas na camada 3 (rede) Dentre as tecnologias que podem

Leia mais

Redes. DIEGO BARCELOS RODRIGUES Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes. DIEGO BARCELOS RODRIGUES Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes DIEGO BARCELOS RODRIGUES dbarcelos@ifes.edu.br 1 Agenda Correção do Trabalho de Casa Exercício Ponto Extra Roteamento o Estático o Dinâmico 2 Exercício Valendo Ponto Extra Utilize VLSM para distribuir

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

CCNA 1 Roteamento e Sub-redes. Kraemer

CCNA 1 Roteamento e Sub-redes. Kraemer CCNA 1 Roteamento e Sub-redes Roteamento e Sub-redes Introdução Protocolo roteado Visão geral de roteamento Endereçamento de sub-redes Introdução IP é o principal protocolo roteado da Internet IP permite

Leia mais

O que é a distância administrativa?

O que é a distância administrativa? O que é a distância administrativa? Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Usados Convenções Selecione o Melhor Caminho Tabela de Valor de Distância Padrão Outras Aplicações da Distância

Leia mais

# $ % & ' ( ) * ' ( ) *! " " Orientador +, -

# $ % & ' ( ) * ' ( ) *!   Orientador +, - #$ %&'()* '()*!"" Orientador +,- ."%&/0#12 3"/%'0)/))&/ )4506 7" %/0)/))&/ 8906 8)) :"'/0)/))&/ '% '); Um roteador recebe em alguma de suas interfaces um pacote vindo da rede local ou da rede externa.

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Rede de computadores Roteador. Professor Carlos Muniz

Rede de computadores Roteador. Professor Carlos Muniz Rede de computadores Professor Carlos Muniz Definição (estrangeirismo do inglês router, ou encaminhador) é um equipamento usado para fazer a comutação de protocolos, a comunicação entre diferentes redes

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 6 - Roteamento e ProtocolosP de Roteamento 1 Objetivos do Capítulo Entender o conceito de protocolo de roteamento; Conhecer o roteamento estático;

Leia mais

UFRN/COMPERVE CONCURSO PÚBLICO IFRN 2010 DOCENTE

UFRN/COMPERVE CONCURSO PÚBLICO IFRN 2010 DOCENTE UFRN/COMPERVE CONCURSO PÚBLICO IFRN 2010 DOCENTE Expectativa de Respostas Rede de Computadores A) As tabelas de roteamento podem ser manipuladas diretamente pelo administrador da rede através de comandos

Leia mais

Capítulo 7: Roteando Dinamicamente (Resumo)

Capítulo 7: Roteando Dinamicamente (Resumo) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 7: Roteando Dinamicamente (Resumo) Protocolos de roteamento Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) Protocolo RIP

CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) Protocolo RIP CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) Protocolo RIP Cronograma Introdução Formato da mensagem e características do RIP Operação do RIP Habilitando o RIP Verificando, identificando e resolvendo

Leia mais

Introdução aos Protocolos de Roteamento Dinâmico

Introdução aos Protocolos de Roteamento Dinâmico CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) Introdução aos Protocolos de Roteamento Dinâmico Cronograma Introdução Perspectiva e histórico Classificação de protocolos Métrica Distância administrativa

Leia mais

Introdução ao Roteamento

Introdução ao Roteamento Carlos Gustavo Araújo da Rocha Imagine o seguinte cenário IP= 10.0.0.15 Mask = End. Rede = 10.0.0.0 IP= 10.0.1.231 Mask = End. Rede = 10.0.1.0 Ethernet Roteamento Neste caso as duas estações estão em redes

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do N Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP Prof. Diego Pereira

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Um conjunto de regras que definem como informações originadas em uma rede devem alcançar uma outra rede. A função

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

Capítulo 4: Conceitos de Roteamento

Capítulo 4: Conceitos de Roteamento Capítulo 4: Conceitos de Roteamento Protocolos de roteamento 1 Capítulo 4 4.0 Conceitos de Roteamento 4.1 Configuração inicial de um roteador 4.2 Decisões de roteamento 4.3 Operação de roteamento 4.4 Resumo

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 11

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 11 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. ROTEAMENTO...3 1.1 Introdução... 3 1.2 O roteamento e seus componentes... 3 1.3 Tabelas de roteamento... 3 1.4 Protocolos de roteamento... 3

Leia mais

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede 2 Repetidor

Leia mais

também conhecido como Interior Gateway Protocols (IGP) protocolos de roteamento intra-as mais comuns:

também conhecido como Interior Gateway Protocols (IGP) protocolos de roteamento intra-as mais comuns: Roteamento intra-as também conhecido como Interior Gateway Protocols (IGP) protocolos de roteamento intra-as mais comuns: RIP: Routing Information Protocol OSPF: Open Shortest Path First IGRP: Interior

Leia mais

Redes de Computadores. Aula: Roteamento Professor: Jefferson Silva

Redes de Computadores. Aula: Roteamento Professor: Jefferson Silva Redes de Computadores Aula: Roteamento Professor: Jefferson Silva Perguntinhas básicas J n O que é rotear? n O que é uma rota? n Porque rotear? n Como sua requisição chega no facebook? Conceitos n Roteamento

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

Este documento requer uma compreensão do ARP e de ambientes Ethernet.

Este documento requer uma compreensão do ARP e de ambientes Ethernet. Proxy ARP Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Como o Proxy ARP Funciona? Diagrama de Rede Vantagens do Proxy ARP Desvantagens do Proxy ARP Introdução Este documento

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina COMPONENTES ATIVOS DE REDE i Paulo Montenegro paulo.montenegro@simplestec.com.br 04 de fevereiro de 2009 FP.AC.010.00 Sumário Assuntos: Objetivos da Disciplina Competências Habilidades Bibliografia Didática

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Roteamento Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 22 de Novembro de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 22 de Novembro de 2012 1 / 26 1 Introdução 2 Roteamento na

Leia mais

Nota: Lista Roteadores Teoria e Comandos Professor: Roberto Leal Aluno: Data: Turma: Número: Redes Locais e Metropolitanas

Nota: Lista Roteadores Teoria e Comandos Professor: Roberto Leal Aluno: Data: Turma: Número: Redes Locais e Metropolitanas Redes Locais e Metropolitanas Nota: Lista Roteadores Teoria e Comandos Professor: Roberto Leal Aluno: Data: Turma: Número: Folha de Exercícios Exercícios Parte 1 Teoria do Roteamento Questão 1: Quais são

Leia mais

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br 1 Equipamentos de rede Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Repetidores É o dispositivo responsável por ampliar o tamanho máximo do cabeamento de rede; Como o nome sugere, ele repete as informações

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

a ponto utilizando o protocolo ethernet. ( ) Para que duas redes de dados distintas se comuniquem, o equipamento utilizado para conectar e efetuar as

a ponto utilizando o protocolo ethernet. ( ) Para que duas redes de dados distintas se comuniquem, o equipamento utilizado para conectar e efetuar as Exercícios Aula 6 1. Nomeie duas das funções que podem ser executadas pelos LEDs em um adaptador de interface de rede típico. 2. Pesquise e pontue os passos necessários, fundamentais para a instalação

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Redistribuindo Protocolos de Roteamento

Redistribuindo Protocolos de Roteamento Redistribuindo Protocolos de Roteamento Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Usados Convenções Métricas Distância Administrativa Sintaxe e Exemplos de Configuração de Redistribuição

Leia mais

IPv6 - O Novo Protocolo da Internet (2013) ::: Samuel Henrique Bucke Brito 1

IPv6 - O Novo Protocolo da Internet (2013) ::: Samuel Henrique Bucke Brito 1 IPv6 - O Novo Protocolo da Internet (2013) ::: Samuel Henrique Bucke Brito 1 IPv6 - O Novo Protocolo da Internet (2013) ::: Samuel Henrique Bucke Brito 2 Roteamento Estático 1 Rotas Estáticas a Rotas Flutuantes

Leia mais

RIP Routing Information Protocol

RIP Routing Information Protocol Routing Information Protocol Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução O objetivo final de qualquer protocolo de roteamento é automatizar o processo de preenchimento das tabelas de rotas de roteadores Dependendo

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolos de Roteamento Módulo - V Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Hubs. Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Hubs. Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

DISCIPLINA: TELEPROCESSAMENTO E REDES CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 6. SEMESTRE PROFESSOR: ANTONIO P. NASCIMENTO FILHO

DISCIPLINA: TELEPROCESSAMENTO E REDES CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 6. SEMESTRE PROFESSOR: ANTONIO P. NASCIMENTO FILHO DISCIPLINA: TELEPROCESSAMENTO E REDES CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 6. SEMESTRE PROFESSOR: ANTONIO P. NASCIMENTO FILHO Nome: LISTA 3 Máscara de sub-rede 1 Objetivos: Este exercício se concentra nas máscaras

Leia mais

Redistribua redes conectadas no OSPF com palavras-chave de subrede

Redistribua redes conectadas no OSPF com palavras-chave de subrede Redistribua redes conectadas no OSPF com palavras-chave de subrede Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Configurar Diagrama de Rede Configurações Verificar Verifique

Leia mais

Simulação de Ambientes de Rede para Suporte ao Ensino de Redes de Computadores: Projeto e Criação de Novos Ambientes

Simulação de Ambientes de Rede para Suporte ao Ensino de Redes de Computadores: Projeto e Criação de Novos Ambientes Simulação de Ambientes de Rede para Suporte ao Ensino de Redes de Computadores: Projeto e Criação de Novos Ambientes Douglas José Ramalho Araujo¹, Madianita Bogo¹ 1 Curso de Sistemas de Informação Centro

Leia mais

Rot. #1. Metro Eth. Rot. #3 Rede. IP over SDH. GigaEth. Rot. #2. Rot. #4 LAN Eth. LAN Eth. Sw1 LAN. GigaEth INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

Rot. #1. Metro Eth. Rot. #3 Rede. IP over SDH. GigaEth. Rot. #2. Rot. #4 LAN Eth. LAN Eth. Sw1 LAN. GigaEth INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES INTERCONEXÃO DE REDES LOCAIS COM ROTEADORES POR QUE NÃO SÓ PONTES? LANs podem ser conectadas entre si com pontes (bridges) Por que não usar sempre pontes para construir redes grandes? Pontes não fazem

Leia mais

Camadas do TCP/IP. Camada de Rede Protocolo IP. Encapsulamento dos Dados. O Protocolo IP. IP visto da camada de Transporte.

Camadas do TCP/IP. Camada de Rede Protocolo IP. Encapsulamento dos Dados. O Protocolo IP. IP visto da camada de Transporte. Camadas do TCP/IP Camada de Protocolo IP TE090 s de Computadores UFPR Prof. Eduardo Parente Ribeiro Aplicação Transporte ou Serviço Roteamento ou Inter-rede Enlace ou Interface de FTP, TELNET, SMTP, BOOTP,

Leia mais

Configurando uma VPN MPLS Básica

Configurando uma VPN MPLS Básica Configurando uma VPN MPLS Básica Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Usados Produtos Relacionados Convenções Configurar Diagrama de Rede Procedimentos de Configuração Configurações

Leia mais

Noções de BGP4. Carlos Gustavo A. da Rocha. Roteamento Internet

Noções de BGP4. Carlos Gustavo A. da Rocha. Roteamento Internet Noções de BGP4 Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução Protocolos de roteamento como RIP e OSPF devem ser implantados em um domínio administrativo, um grupo de roteadores sobre administração única Como trocar

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF)

Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF) Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF) 2014/1 Roteiro de Aula Introdução Funcionamento

Leia mais

Manual de utilização Módulo TCP/IP MTCP-4E4S

Manual de utilização Módulo TCP/IP MTCP-4E4S INSTALAÇÃO 1 - Conecte a fonte 12Vcc/1A a tomada e em seguida ao módulo MTCP-4E4S. 2 - Conecte o cabo de rede que acompanha o produto ao módulo TCP/IP (conector RJ45) e em seguida ao roteador ou servidor

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

ROTEADORES. Introdução ao roteamento e ao encaminhamento de pacotes

ROTEADORES. Introdução ao roteamento e ao encaminhamento de pacotes ROTEADORES Introdução ao roteamento e ao encaminhamento de pacotes Laboratório de Redes de Computadores Introdução do capítulo As redes atuais têm um impacto significativo em nossas vidas alterando a forma

Leia mais

AULA 07 Roteamento Dinâmico com Protocolo RIP

AULA 07 Roteamento Dinâmico com Protocolo RIP Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre AULA 07 Roteamento Dinâmico com Protocolo RIP 2014/1 Roteiro de Aula Introdução a Conceitos de Roteamento Dinâmico Problemas

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Introdução à Certificação Cisco... 1 Capítulo 2 Redes de Computadores... 21

Sumário Capítulo 1 Introdução à Certificação Cisco... 1 Capítulo 2 Redes de Computadores... 21 Sumário Capítulo 1 Introdução à Certificação Cisco... 1 Por que Ser um Profissional Certificado... 2 CCNA 4... 3 A Carreira de Certificação Cisco... 4 Profissional de Suporte... 6 Engenheiro de Projeto...

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede computadores Utilização do Ping e Tracert 1 Objectivo

Leia mais

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco 2014/1 Roteiro de Aula Correção Exercícios Aula Anterior O que é o Roteador? Componentes

Leia mais

Protocolos de Roteamento Dinâmico (Vetor de Distância)

Protocolos de Roteamento Dinâmico (Vetor de Distância) Protocolos de Roteamento Dinâmico (Vetor de Distância) Profª Ana Lúcia L Rodrigues Wiggers 2009, Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Profª Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Protocolo de roteamento Dinâmico

Leia mais

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona.

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona. Aula 14 Redes de Computadores 24/10/07 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber ROTEAMENTO EM UMA REDE DE COMPUTADORES A máscara de sub-rede é utilizada para determinar

Leia mais

Introdução ao EIGRP. Índice. Introdução. Antes de Iniciar. O que é IGRP? Convenções. Pré-requisitos. Componentes Usados

Introdução ao EIGRP. Índice. Introdução. Antes de Iniciar. O que é IGRP? Convenções. Pré-requisitos. Componentes Usados Introdução ao EIGRP Índice Introdução Antes de Iniciar Convenções Pré-requisitos Componentes Usados O que é IGRP? O que é EIGRP? Como o EIGRP Funciona? Conceitos de EIGRP Tabela Vizinha Tabela de Topologia

Leia mais

Guia Rápido de Instalação SL-D300N. Guia Rápido de Instalação

Guia Rápido de Instalação SL-D300N. Guia Rápido de Instalação Guia Rápido de Instalação SL-D300N Guia Rápido de Instalação Roteador Wireless SL-D300N Conteúdo do Pacote Um Modem Roteador Wireless SL-D300N Um Adaptador de Energia Um cabo Rj45 Dois Cabos Rj11 Guia

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Equipamentos de Rede ATIVOS E PASSIVOS Além dos dispositivos que atuam na borda da rede (computadores, tablets, smartphones, etc), uma rede é

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO/ PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: ADM e PROJETO DE REDES PROFESSOR: Msc Walter Augusto Varella

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO/ PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: ADM e PROJETO DE REDES PROFESSOR: Msc Walter Augusto Varella CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO/ PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: ADM e PROJETO DE REDES PROFESSOR: Msc Walter Augusto Varella Lista de Exercícios 1 1. Diga com suas palavras o que vem a ser uma rede

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes Protocolos Roteados (Routed Protocols) 2 Protocolos Roteáveis e Roteados Routable and Routed Protocols Um protocolo roteado

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 4.5 Algoritmos de Roteamento Capítulo 4.6 Roteamento na Internet Prof. Jó Ueyama Abril/2011 SSC0641-2011 1 Rede Roteador default? saltos? rotas? SSC0641-2011 2 Roteamento

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação Teórica Data Limite de Entrega 06/11/2015

Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação Teórica Data Limite de Entrega 06/11/2015 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Internet (LEIC/LEETC/LEIM) Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação

Leia mais

Aula 21: Roteamento em Redes de Dados

Aula 21: Roteamento em Redes de Dados Aula : Roteamento em Redes de Dados Slide Redes de Pacotes Comutados Mensagens dividas em Pacotes que são roteados ao seu destino PC PC PC Rede de Pacotes PC PC PC PC Buffer Pacote Comutado Slide Roteamento

Leia mais

Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação 20/5/2014

Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação 20/5/2014 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Computadores (LEIC/LEETC/LERCM) Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação

Leia mais

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Redes de Computadores Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br 1 Roteamento Relembrando: O roteamento IP consiste em duas fases: 1. Como repassar um pacote de uma

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico As principais vantagens do roteamento dinâmico são: Simplifica o gerenciamento da rede. Viável em grandes

Leia mais

Qual é a função Básica de um Roteador? Interconectar LAN s através de WAN s, esta é a função principal de um Roteador.

Qual é a função Básica de um Roteador? Interconectar LAN s através de WAN s, esta é a função principal de um Roteador. Uma vez conhecidos os Modos de Operação dos Roteadores Cisco, vamos às Configurações Básicas. Devemos nos perguntar. Qual é a função Básica de um Roteador? Interconectar LAN s através de WAN s, esta é

Leia mais

CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO

CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO Instrutor: Rinaldo Vaz Analista de Redes Responsável técnico pelo AS 28135 Versão do material: 1.0 1.1 INTRODUÇÃO autor: Rinaldo Vaz rinaldopvaz@gmail.com

Leia mais

Protocolos de roteamento dinâmico

Protocolos de roteamento dinâmico Protocolos de roteamento dinâmico Maurício B. Bendjouya 1, Msc. André Moraes 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC (FATEC PELOTAS) Rua Gonçalves Chaves

Leia mais

Camada de Rede. Endereçamento de Rede Protocolo IP

Camada de Rede. Endereçamento de Rede Protocolo IP Camada de Rede Endereçamento de Rede Protocolo IP Camada de Rede Protocolo mais importante: IP IPv4 (mais utilizada) IPv6 (atender ao crescimento das redes e a necessidade de novos endereços). PDU: Pacote

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Roteamento AS e OSPF. AS Autonomous System

Roteamento AS e OSPF. AS Autonomous System Roteamento AS e OSPF Prof. Alexandre Beletti AS Autonomous System Como cada rede é independente, todas elas podem usar diferentes algoritmos. Por serem independentes umas das outras, com frequência cada

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Resumo Este trabalho aborda alguns protocolos de roteamento, especificamente

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

Acesso Ethernet, através de roteadores implementador por PCs com 2 interfaces de rede FastEthernet.

Acesso Ethernet, através de roteadores implementador por PCs com 2 interfaces de rede FastEthernet. TCP - EXEMPLOS UFCG Campus-CPV Núcleo/distribuição (core) GigabitEthernet, composto de sete SwitchRouters ExtremeNetworks x450-24t: backplane Ethernet de 160 Gbps; 4 interfaces 1000baseX, 24 interfaces

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Barramento compartilhado

Barramento compartilhado Barramento compartilhado A organização de rede de barramento compartilhado usa um único caminho de comunicação entre todos os processadores e módulos de memória: a rota pela qual as mensagens transitam.

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Roteamento IPv4 básico com OSPF. Por Patrick Brandão TMSoft

Roteamento IPv4 básico com OSPF. Por Patrick Brandão TMSoft Roteamento IPv4 básico com OSPF Por Patrick Brandão TMSoft www.tmsoft.com.br Pré-requisitos Conhecimento técnico de IPv4 Laboratório com roteadores OSPF Cisco MyAuth3 Mikrotik RouterOs Conceitos básicos

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

As alterações de política do controle de acesso neste documento usam as seguintes plataformas de hardware:

As alterações de política do controle de acesso neste documento usam as seguintes plataformas de hardware: Índice Introdução Pré-requisitos Componentes Utilizados Diagrama de Rede Configuração Exemplo EIGRP Exemplo OSPF Exemplo de BGP Verificação EIGRP OSPF BGP Troubleshooting Cisco relacionado apoia discussões

Leia mais

Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede. Prof. Alex Furtunato

Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede. Prof. Alex Furtunato Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede Prof. Alex Furtunato alex.furtunato@academico.ifrn.edu.br Roteiro Introdução Números IPs Interfaces de rede Interface de loopback

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede COMPONENTES ATIVOS DE REDE Paulo Montenegro paulo.montenegro@simplestec.com.br 04 de fevereiro de 2009 FP.AC.010.00 Sumário Repetidor HUB Pontes Modos de Funcionamento Roteadores Protocolos de Roteamento

Leia mais

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos Seleção de Protocolos de Switching e Roteamento Protocolos de switching/roteamento diferem quanto a: Características de tráfego gerado Uso de CPU, memória e banda passante O número máximo de roteadores

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais