ROTEAMENTO REDES E SR1 ETER-FAETEC. Rio de Janeiro - RJ ETER-FAETEC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROTEAMENTO REDES E SR1 ETER-FAETEC. Rio de Janeiro - RJ ETER-FAETEC"

Transcrição

1 ROTEAMENTO REDES E SR1 Rio de Janeiro - RJ

2 INTRODUÇÃO A comunicação entre nós de uma rede local é realizada a partir da comutação (seja por circuito, seja por pacotes). Quem realiza essa função é o switch de rede, que analisa o endereço MAC para fazê-lo. Então, como é possível estabelecer a comunicação entre redes distintas? Afinal, temos a Internet, que é um grande coletivo de milhões de redes. Tudo isso é possível graças ao roteamento.

3 INTRODUÇÃO O roteamento é o ato de traçar a melhor rota entre dois nós distintos, em redes distintas. Ele é realizado quando há essa necessidade de comunicação. O roteador é o equipamento utilizado para realizar essa ação. Para que o roteamento seja bem sucedido, é necessário ter os endereços de rede (como o IP). O roteamento pode ser realizado por um hardware específico ou por software.

4 ROTEADORES Os roteadores são equipamentos feitos especificamente para desempenhar essa função. Existem roteadores simples, que estão em residências e pequenas empresas, até equipamentos bem complexos e muito caros. Todo roteador possui um sistema operacional. Se você desejar fazer o roteamento por software, basta ter um servidor e software específico instalado em um sistema operacional (Windows ou Linux) para atender essa necessidade.

5 ROTEADORES Todo roteador precisa ter no pelo menos duas interfaces de rede. Cada uma será ligada a uma rede distinta. O roteador usa uma tabela de roteamento para saber para onde deve enviar os pacotes. Um roteador quebra os domínios de broadcast, melhorando o desempenho das redes. Também é bom lembrar que, assim como os switches, cada porta do equipamento é um domínio de colisão.

6 TIPOS DE ROTAS Podemos ter em um roteador 3 tipos de rotas: rotas diretamente conectadas, rotas estáticas e rotas dinâmicas. Existem protocolos para que o roteador obtenha informação e trace a melhor rota. Por exemplo, para realizar o roteamento dinâmico, fazemos uso de protocolos internos (IGP) ou externos (EGP).

7 TIPOS DE ROTAS Podemos ter em um roteador 3 tipos de rotas: rotas diretamente conectadas, rotas estáticas e rotas dinâmicas. Existem protocolos para que o roteador obtenha informação e trace a melhor rota. Por exemplo, para realizar o roteamento dinâmico, fazemos uso de protocolos internos (IGP) ou externos (EGP). Veremos então como são esses três tipos de rotas.

8 ROTAS DIRETAMENTE CONECTADAS Essas são rotas já presentes em um roteador que conectam duas ou mais redes, passando por ele. Esse tipo de rota é feita automaticamente no equipamento. Sem essas rotas, os equipamentos da rede A não se falam com os equipamentos da rede B, e vice-versa. Cada rede gera uma rota diretamente conectada.

9 ROTAS DIRETAMENTE CONECTADAS No exemplo abaixo, temos um roteador com duas redes diretamente conectadas.

10 ROTAS DIRETAMENTE CONECTADAS Abaixo temos uma tabela de roteamento do roteador do exemplo anterior. Na coluna Type, temos a letra C para as rotas existentes. O C mostra que a rede é diretamente conectada.

11 ROTEAMENTO ESTÁTICO As rotas estáticas são configuradas manualmente. Para configurar uma rota estática devemos conhecer o endereço da rede em que queremos chegar, a mascara de sub-rede da mesma e o IP da interface de rede por qual o pacote vai sair para chegar até a rede desejada.

12 ROTEAMENTO ESTÁTICO

13 ROTEAMENTO ESTÁTICO No slide anterior, temos um cenário simples com dois roteadores e três redes. Existem duas redes diretamente conectadas: A-C e B-C. A comunicação se dará sem dificuldades. Mas como as redes A e B poderão se comunicar? Isso será possível usando roteamento estático ou dinâmico (que veremos posteriormente).

14 ROTEAMENTO ESTÁTICO A configuração de uma rota estática segue a seguinte lógica: 1)Endereço IP da rede que se precisa chegar. 2)Máscara de sub-rede dessa rede. 3)O IP ou porta no roteador vizinho que se chega a rede desejada. No roteador 1, a configuração é: Rede: ; Máscara: saída do roteador: No roteador 2, a configuração é: Rede: ; Máscara: saída do roteador: ; IP de ; IP de

15 ROTEAMENTO ESTÁTICO Acima temos a tabela de roteamento de cada roteador desse cenário. Agora temos a letra S em uma das rotas. Podemos ver na coluna Type. Isto indica que a rota foi configurada estaticamente.

16 ROTEAMENTO DINÂMICO Em estruturas pequenas, o uso de rotas estáticas podem atender as necessidades de interconexão de redes. Mas quando a quantidade de redes a serem interligadas é muito grande, rotas estáticas tornam-se inviáveis. Imagine ter que se conectar 50 redes com roteamento estático? É praticamente impossível, e a chance de falhas é imensa. Para resolver esse problema foi criado o roteamento dinâmico.

17 ROTEAMENTO DINÂMICO Rotas dinâmicas são criadas automaticamente através de um protocolo de roteamento. O administrador coloca as redes nas quais o roteador faz parte (ou seja, faz o anúncio das redes) para o protocolo de roteamento. As rotas, uma vez anunciadas são propagadas para os roteadores vizinhos.

18 ROTEAMENTO DINÂMICO Existem diversos protocolos de roteamento. Podemos citar: RIP (Protocolo de Roteamento de Informação). Temos as versões 1 e 2. IGRP (Protocolo do Gateway Interior). OSPF (Open Shortest Path First ou Siga o Caminho Mais Curto Primeiro). EIGRP (Protocolo do Gateway Interior Apromorado). Esses são voltados para roteamento interno, dentro de um conjunto de redes locais (LAN).

19 ROTEAMENTO DINÂMICO Para roteamento externo, ou seja, que trocam dados entre redes, podemos citar: EGP (Protocolo do Gateway Exterior). BGP (Protocolo do Gateway de Borda). Logo, esses protocolos são usados para roteamento externo, em interfaces do tipo WAN.

20 ROTEAMENTO DINÂMICO Na figura ao lado temos um cenário com quatro redes que são interligadas por dois protocolos de roteamento.

21 ROTEAMENTO DINÂMICO A tabela de roteamento dos roteadores apresentam diversas rotas na coluna Type. (O para rotas OSPF e R para rotas RIP).

RCO2. Redes Locais: Interligação de LANs com roteadores

RCO2. Redes Locais: Interligação de LANs com roteadores RCO2 Redes Locais: Interligação de LANs com roteadores Pontes e switches: ativos de camada de enlace 2 Pontes e switches: aprendem que estações estão em cada porta Mas pode haver problemas! Considere a

Leia mais

Roteamento Prof. Pedro Filho

Roteamento Prof. Pedro Filho Roteamento Prof. Pedro Filho Definição Dispositivo intermediário de rede projetado para realizar switching e roteamento de pacotes O roteador atua apenas na camada 3 (rede) Dentre as tecnologias que podem

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

O que é a distância administrativa?

O que é a distância administrativa? O que é a distância administrativa? Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Usados Convenções Selecione o Melhor Caminho Tabela de Valor de Distância Padrão Outras Aplicações da Distância

Leia mais

CCNA 1 Roteamento e Sub-redes. Kraemer

CCNA 1 Roteamento e Sub-redes. Kraemer CCNA 1 Roteamento e Sub-redes Roteamento e Sub-redes Introdução Protocolo roteado Visão geral de roteamento Endereçamento de sub-redes Introdução IP é o principal protocolo roteado da Internet IP permite

Leia mais

CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) Protocolo RIP

CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) Protocolo RIP CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) Protocolo RIP Cronograma Introdução Formato da mensagem e características do RIP Operação do RIP Habilitando o RIP Verificando, identificando e resolvendo

Leia mais

UFRN/COMPERVE CONCURSO PÚBLICO IFRN 2010 DOCENTE

UFRN/COMPERVE CONCURSO PÚBLICO IFRN 2010 DOCENTE UFRN/COMPERVE CONCURSO PÚBLICO IFRN 2010 DOCENTE Expectativa de Respostas Rede de Computadores A) As tabelas de roteamento podem ser manipuladas diretamente pelo administrador da rede através de comandos

Leia mais

Capítulo 4: Conceitos de Roteamento

Capítulo 4: Conceitos de Roteamento Capítulo 4: Conceitos de Roteamento Protocolos de roteamento 1 Capítulo 4 4.0 Conceitos de Roteamento 4.1 Configuração inicial de um roteador 4.2 Decisões de roteamento 4.3 Operação de roteamento 4.4 Resumo

Leia mais

Introdução aos Protocolos de Roteamento Dinâmico

Introdução aos Protocolos de Roteamento Dinâmico CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) Introdução aos Protocolos de Roteamento Dinâmico Cronograma Introdução Perspectiva e histórico Classificação de protocolos Métrica Distância administrativa

Leia mais

Este documento requer uma compreensão do ARP e de ambientes Ethernet.

Este documento requer uma compreensão do ARP e de ambientes Ethernet. Proxy ARP Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Como o Proxy ARP Funciona? Diagrama de Rede Vantagens do Proxy ARP Desvantagens do Proxy ARP Introdução Este documento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 11

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 11 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. ROTEAMENTO...3 1.1 Introdução... 3 1.2 O roteamento e seus componentes... 3 1.3 Tabelas de roteamento... 3 1.4 Protocolos de roteamento... 3

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Hubs. Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Hubs. Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

a ponto utilizando o protocolo ethernet. ( ) Para que duas redes de dados distintas se comuniquem, o equipamento utilizado para conectar e efetuar as

a ponto utilizando o protocolo ethernet. ( ) Para que duas redes de dados distintas se comuniquem, o equipamento utilizado para conectar e efetuar as Exercícios Aula 6 1. Nomeie duas das funções que podem ser executadas pelos LEDs em um adaptador de interface de rede típico. 2. Pesquise e pontue os passos necessários, fundamentais para a instalação

Leia mais

IPv6 - O Novo Protocolo da Internet (2013) ::: Samuel Henrique Bucke Brito 1

IPv6 - O Novo Protocolo da Internet (2013) ::: Samuel Henrique Bucke Brito 1 IPv6 - O Novo Protocolo da Internet (2013) ::: Samuel Henrique Bucke Brito 1 IPv6 - O Novo Protocolo da Internet (2013) ::: Samuel Henrique Bucke Brito 2 Roteamento Estático 1 Rotas Estáticas a Rotas Flutuantes

Leia mais

Guia Rápido de Instalação SL-D300N. Guia Rápido de Instalação

Guia Rápido de Instalação SL-D300N. Guia Rápido de Instalação Guia Rápido de Instalação SL-D300N Guia Rápido de Instalação Roteador Wireless SL-D300N Conteúdo do Pacote Um Modem Roteador Wireless SL-D300N Um Adaptador de Energia Um cabo Rj45 Dois Cabos Rj11 Guia

Leia mais

Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação Teórica Data Limite de Entrega 06/11/2015

Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação Teórica Data Limite de Entrega 06/11/2015 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Internet (LEIC/LEETC/LEIM) Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação

Leia mais

Barramento compartilhado

Barramento compartilhado Barramento compartilhado A organização de rede de barramento compartilhado usa um único caminho de comunicação entre todos os processadores e módulos de memória: a rota pela qual as mensagens transitam.

Leia mais

Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação 20/5/2014

Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação 20/5/2014 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Computadores (LEIC/LEETC/LERCM) Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação

Leia mais

Redistribuindo Protocolos de Roteamento

Redistribuindo Protocolos de Roteamento Redistribuindo Protocolos de Roteamento Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Usados Convenções Métricas Distância Administrativa Sintaxe e Exemplos de Configuração de Redistribuição

Leia mais

Simulação de Ambientes de Rede para Suporte ao Ensino de Redes de Computadores: Projeto e Criação de Novos Ambientes

Simulação de Ambientes de Rede para Suporte ao Ensino de Redes de Computadores: Projeto e Criação de Novos Ambientes Simulação de Ambientes de Rede para Suporte ao Ensino de Redes de Computadores: Projeto e Criação de Novos Ambientes Douglas José Ramalho Araujo¹, Madianita Bogo¹ 1 Curso de Sistemas de Informação Centro

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO/ PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: ADM e PROJETO DE REDES PROFESSOR: Msc Walter Augusto Varella

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO/ PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: ADM e PROJETO DE REDES PROFESSOR: Msc Walter Augusto Varella CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO/ PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: ADM e PROJETO DE REDES PROFESSOR: Msc Walter Augusto Varella Lista de Exercícios 1 1. Diga com suas palavras o que vem a ser uma rede

Leia mais

Protocolos de Roteamento Dinâmico (Vetor de Distância)

Protocolos de Roteamento Dinâmico (Vetor de Distância) Protocolos de Roteamento Dinâmico (Vetor de Distância) Profª Ana Lúcia L Rodrigues Wiggers 2009, Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Profª Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Protocolo de roteamento Dinâmico

Leia mais

Configurando uma VPN MPLS Básica

Configurando uma VPN MPLS Básica Configurando uma VPN MPLS Básica Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Usados Produtos Relacionados Convenções Configurar Diagrama de Rede Procedimentos de Configuração Configurações

Leia mais

Acesso Ethernet, através de roteadores implementador por PCs com 2 interfaces de rede FastEthernet.

Acesso Ethernet, através de roteadores implementador por PCs com 2 interfaces de rede FastEthernet. TCP - EXEMPLOS UFCG Campus-CPV Núcleo/distribuição (core) GigabitEthernet, composto de sete SwitchRouters ExtremeNetworks x450-24t: backplane Ethernet de 160 Gbps; 4 interfaces 1000baseX, 24 interfaces

Leia mais

ROTEADORES. Introdução ao roteamento e ao encaminhamento de pacotes

ROTEADORES. Introdução ao roteamento e ao encaminhamento de pacotes ROTEADORES Introdução ao roteamento e ao encaminhamento de pacotes Laboratório de Redes de Computadores Introdução do capítulo As redes atuais têm um impacto significativo em nossas vidas alterando a forma

Leia mais

Procedimentos para configuração de WDS With AP

Procedimentos para configuração de WDS With AP Procedimentos para configuração de WDS With AP No modo WDS with AP, o DWL-2100AP se conecta a várias redes, embora ainda funcionando como um Access Point wireless. WDS (Wireless Distribution System) permite

Leia mais

Exemplo de Configuração de Ponto de Acesso como Ponte de Grupo de Trabalho

Exemplo de Configuração de Ponto de Acesso como Ponte de Grupo de Trabalho Exemplo de Configuração de Ponto de Acesso como Ponte de Grupo de Trabalho Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações de Apoio Configuração Diagrama de Rede

Leia mais

I CICLO CIENTÍFICO FAPAN

I CICLO CIENTÍFICO FAPAN I CICLO CIENTÍFICO FAPAN Instalação e configuração de Redes Locais LAN, em ambientes Microsoft Windows e GNU/Linux Ademar Alves Trindade Roberto Tikao Tsukamoto Júnior Cáceres-MT, 4 a 6 de maio de 2011.

Leia mais

Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede. Prof. Alex Furtunato

Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede. Prof. Alex Furtunato Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede Prof. Alex Furtunato alex.furtunato@academico.ifrn.edu.br Roteiro Introdução Números IPs Interfaces de rede Interface de loopback

Leia mais

TeamViewer Manual Wake-on-LAN

TeamViewer Manual Wake-on-LAN TeamViewer Manual Wake-on-LAN Rev 11.1-201601 TeamViewer GmbH Jahnstraße 30 D-73037 Göppingen www.teamviewer.com Sumário 1 Sobre Wake-on-LAN 3 2 Requisitos 5 3 Configuração do Windows 6 3.1 Configuração

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Introdução ao roteamento Aula 20 Inter-rede TCP/IP (Internet) é composta por um conjunto de redes interligadas por roteadores Roteador

Leia mais

Manual de Configuração.

Manual de Configuração. O NX WiFi é um conversor de Serial e Ethernet para WiFi, com isso eliminando o cabeamento em suas instalações e deixando-os equipamentos com mais mobilidade. NX WiFi Modo STA Modo STA Neste modo o NXWiFi

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Jonas Willian R Aureliano Resumo prático Professor: Jonas Willian ROTEIRO Arquivo sources.list; Comando apt-get; Arquivo hostname; Arquivo interfaces; ARQUIVO SOURCES.LIST Este é

Leia mais

Roteamento IPv4 básico com OSPF. Por Patrick Brandão TMSoft

Roteamento IPv4 básico com OSPF. Por Patrick Brandão TMSoft Roteamento IPv4 básico com OSPF Por Patrick Brandão TMSoft www.tmsoft.com.br Pré-requisitos Conhecimento técnico de IPv4 Laboratório com roteadores OSPF Cisco MyAuth3 Mikrotik RouterOs Conceitos básicos

Leia mais

Roteamento AS e OSPF. AS Autonomous System

Roteamento AS e OSPF. AS Autonomous System Roteamento AS e OSPF Prof. Alexandre Beletti AS Autonomous System Como cada rede é independente, todas elas podem usar diferentes algoritmos. Por serem independentes umas das outras, com frequência cada

Leia mais

Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação Teórica Data Limite de Entrega: 06/11/2016

Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação Teórica Data Limite de Entrega: 06/11/2016 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Internet (LEIC/LEETC/LEIM/MEIC) Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 8 - Mensagens de Erro e de Controle do Conjunto de Protocolos TCP/IP

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 8 - Mensagens de Erro e de Controle do Conjunto de Protocolos TCP/IP CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 8 - Mensagens de Erro e de Controle do Conjunto de Protocolos TCP/IP 1 Objetivos do Capítulo Descrever o ICMP; Descrever o formato de mensagem

Leia mais

Introdução às camadas de transporte e de rede

Introdução às camadas de transporte e de rede capítulo 1 Introdução às camadas de transporte e de rede É por meio da camada de rede que os computadores identificam qual caminho será utilizado para transmissão de dados entre a origem e o destino de

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Internet - Exame de ªépoca 06/0/03 As perguntas de escolha múltipla

Leia mais

Protocolos de roteamento dinâmico

Protocolos de roteamento dinâmico Protocolos de roteamento dinâmico Maurício B. Bendjouya 1, Msc. André Moraes 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC (FATEC PELOTAS) Rua Gonçalves Chaves

Leia mais

Manual de utilização NSE Módulo TCP/IP MTCP-1E1S

Manual de utilização NSE Módulo TCP/IP MTCP-1E1S INSTALAÇÃO 1 Conecte a fonte 12Vcc/1A (ou 24Vcc/1A) a tomada e em seguida ao módulo MTCP-1E1S ( Negativo externo ---(o--- Positivo interno ). 2 Conecte o cabo de rede que acompanha o produto ao módulo

Leia mais

As alterações de política do controle de acesso neste documento usam as seguintes plataformas de hardware:

As alterações de política do controle de acesso neste documento usam as seguintes plataformas de hardware: Índice Introdução Pré-requisitos Componentes Utilizados Diagrama de Rede Configuração Exemplo EIGRP Exemplo OSPF Exemplo de BGP Verificação EIGRP OSPF BGP Troubleshooting Cisco relacionado apoia discussões

Leia mais

Manual de Ativação AhF01 Fog IoT

Manual de Ativação AhF01 Fog IoT Manual de Ativação Sumário Introdução 3 Conteúdo da Embalagem 3 Requisitos para Instalação 3 Guia de Configuração Rápida 3 Acessando o 4 Para acessar a interface de configuração do : 4 Configurações avançadas

Leia mais

Integração IP/ATM. Características das redes atuais

Integração IP/ATM. Características das redes atuais Integração IP/ Msc. Marcelo Zanoni Santos Msc. Adilson Guelfi Msc. Frank Meylan Características das redes atuais Ethernet, Fast Ethernet, Token Ring, FDDI etc Não orientadas a conexão Unidade de transmissão

Leia mais

VigorTalk ATA. Quick Start Guide. Versão 1.0

VigorTalk ATA. Quick Start Guide. Versão 1.0 VigorTalk ATA Quick Start Guide Versão 1.0 Verifique o conteúdo da embalagem Uma VigorTalk; O Quick Start Guide do VigorTalk (este documento); CD incluindo o Manual do Usuário do VigorTalk; Um cabo de

Leia mais

Formação para Sistemas Autônomos. Introdução ao BGP. Formação para Sistemas Autônomos

Formação para Sistemas Autônomos. Introdução ao BGP. Formação para Sistemas Autônomos Introdução ao BGP Licença de uso do material Esta apresentação está disponível sob a licença Creative Commons Atribuição Não a Obras Derivadas (by-nd) http://creativecommons.org/licenses/by-nd/3.0/br/legalcode

Leia mais

Revisão de Introdução às TCP-IP INTERNET. Redes de Computadores TCP/IP

Revisão de Introdução às TCP-IP INTERNET. Redes de Computadores TCP/IP Revisão de Introdução às Redes de Computadores TCP-IP INTERNET Redes de Computadores TCP/IP MODELO DE REFERENCIA TCP/IP FLUXO DE DADOS MODELOS DE REFERÊNCIA MODELO DE REFERENCIA TCP/IP MODELOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Rede EtherTalk Macintosh (MacOS 8.x/9.x/X, versão 10.1)

Rede EtherTalk Macintosh (MacOS 8.x/9.x/X, versão 10.1) Impressora a laser em cores Phaser 6200 Rede EtherTalk Macintosh (MacOS 8.x/9.x/X, versão 10.1) Esta seção fornece as etapas de instalação e solução de problemas para Macintosh (MacOS 8 até X, versão 10.1):

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Camada de Rede (Endereçamento IP) Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.1T Conteúdo Programático 3.3. Camada de Rede 3.3.1. Endereçamento IP 3.3.2. Roteamento 3.3.3. IPv4

Leia mais

Nome do software: Freestyler

Nome do software: Freestyler LBC8 - Configuração das interfaces Lumikit em software de terceiros Autor: Gabriel Klabunde Neste documento apresentamos um passo a passo explicando como configurar as interfaces Lumikit em softwares de

Leia mais

Aula 5 Camada de rede (TCP/IP):

Aula 5 Camada de rede (TCP/IP): Aula 5 Camada de rede (TCP/IP): Protocolos da Camada de Rede; Endereços IP (Versão 4); ARP (Address Resolution Protocol); ARP Cache; RARP (Reverse Address Resolution Protocol); ICMP. Protocolos da Camada

Leia mais

Resumo P2. Internet e Arquitetura TCP/IP

Resumo P2. Internet e Arquitetura TCP/IP Resumo P2 Internet e Arquitetura TCP/IP Internet: Rede pública de comunicação de dados Controle descentralizado; Utiliza conjunto de protocolos TCP/IP como base para estrutura de comunicação e seus serviços

Leia mais

Comunicação de Dados IV

Comunicação de Dados IV Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Bibliografia Redes de Computadores Andrew S. Tanenbaum Tradução da Quarta Edição Editora Campus Profa. Débora Christina Muchaluat Saade deborams@telecom.uff.br

Leia mais

Configurando o NAT Estático e o NAT Dinâmico Simultaneamente

Configurando o NAT Estático e o NAT Dinâmico Simultaneamente Configurando o NAT Estático e o NAT Dinâmico Simultaneamente Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Usados Convenções Configurando o NAT Informações Relacionadas Introdução Em algumas

Leia mais

CCT0023 INFRAESTRUTURA DE REDES DE COMPUTADORES Aula 9: Equipamentos Rede / Topologia Hierárquica

CCT0023 INFRAESTRUTURA DE REDES DE COMPUTADORES Aula 9: Equipamentos Rede / Topologia Hierárquica CCT0023 Aula 9: Equipamentos Rede / Topologia Hierárquica Placa de rede Placa de rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de rede gera os bits de um quadro no sentido

Leia mais

Conectar a uma LAN sem fio utilizando a configuração manual

Conectar a uma LAN sem fio utilizando a configuração manual Observe que neste documento são mencionadas páginas do manual sobre função Wi-Fi. Consulte o site da Canon do Brasil para baixar o documento completo em formato PDF. Selecionar a Rede Sem Fio Quando [Encontrar

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 O que são Sistemas Distribuídos? Sistemas Distribuídos consistem em uma coleção de computadores autônomos ligados por uma rede de comunicação. O uso de tais sistemas tem se expandido nos últimos anos

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática Redes de Computadores 2º Teste de avaliação de frequência 90 minutos * 15.12.2014 =VERSÃO D= 1. Esta teste serve como

Leia mais

Erratas CCNA 5.0 (atualizado )

Erratas CCNA 5.0 (atualizado ) Erratas CCNA 5.0 (atualizado 27-09-2014) Página 40 5º parágrafo, deveria ser: "Já alguns dos protocolos desenhados para atuar em redes geograficamente dispersas (WAN) são definidos nas três primeiras camadas

Leia mais

Exercícios Redes de Comunicação de Dados

Exercícios Redes de Comunicação de Dados Exercícios Redes de Comunicação de Dados MATRÍCULA: 0) A camada da arquitetura Internet TCP/IP, responsável pela transferência de dados fim-a-fim, é a A) Física B) Enlace C) Rede D) Transporte E) Aplicação

Leia mais

Redes de Computadores I - Princípios de Roteamento. por Helcio Wagner da Silva

Redes de Computadores I - Princípios de Roteamento. por Helcio Wagner da Silva Redes de Computadores I - Princípios de Roteamento por Helcio Wagner da Silva Classificação dos Algoritmos Globais x scentraliados Globais Algoritmo considera com dados de cálculo a conectividade entre

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores por fldotti@inf.pucrs.br Redes de Computadores Nível de Rede Algoritmos de Roteamento - Vetor de Distância Redes de Computadores 2 1 Algoritmo de Bellman-Ford (Vetor de Distância)

Leia mais

Laboratório 1. Laboratório 1

Laboratório 1. Laboratório 1 Laboratório 1 Abra o Lab01.pkt Clique no roteador Laboratório 1 Observe as guias Physical e CLI Na Physical temos a simulação da interface física de um roteador Na CLI temos acesso ao software do roteador

Leia mais

Balanceamento de Carga de NAT no IOS para Duas Conexões de ISP

Balanceamento de Carga de NAT no IOS para Duas Conexões de ISP Balanceamento de Carga de NAT no IOS para Duas Conexões de ISP Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Configuração Diagrama de Rede Configurações Verificação Troubleshooting

Leia mais

Configurando o Cisco Secure ACS for Windows v3.2 com autenticação da máquina PEAP-MS- CHAPv2

Configurando o Cisco Secure ACS for Windows v3.2 com autenticação da máquina PEAP-MS- CHAPv2 Configurando o Cisco Secure ACS for Windows v3.2 com autenticação da máquina PEAP-MS- CHAPv2 Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Material de Suporte Convenções Diagrama de

Leia mais

Disciplina: Dispositivos de Rede II. Professor: Jéferson Mendonça de Limas. 4º Semestre. Aula 02 Dispositivos Básicos de Rede

Disciplina: Dispositivos de Rede II. Professor: Jéferson Mendonça de Limas. 4º Semestre. Aula 02 Dispositivos Básicos de Rede Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 02 Dispositivos Básicos de Rede 2014/2 Roteiro Introdução Adaptadores de Rede Reptidor Hub Bridge Introdução O

Leia mais

Configuração do Evo-W54ARv2 em modo Cliente

Configuração do Evo-W54ARv2 em modo Cliente Configuração do Evo-W54ARv2 em modo Cliente Para começar com a configuração do EVO-W54ARv2 conectaremos um cabo de rede desde a porta 1 do EVO-W54ARv2 até a placa de rede de seu equipamento. Agora começaremos

Leia mais

HSE USER LAYER USER LAYER USER LAYER. OSI Model. IEC Type 5 FDA. 7 IEC Type 9 COMMUNICATION STACK IETF TCP/UDP IETF IP IEEE 802.

HSE USER LAYER USER LAYER USER LAYER. OSI Model. IEC Type 5 FDA. 7 IEC Type 9 COMMUNICATION STACK IETF TCP/UDP IETF IP IEEE 802. Arquitetura HSE 1 H1 & HSE Profiles OSI Model USER LAYER USER LAYER USER LAYER 7 APPLICATION LAYER 7 IEC 61158 Type 9 IEC 61158 Type 5 FDA 6 5 PRESENTATION LAYER SESSION LAYER COMMUNICATION STACK 6 5 4

Leia mais

Redes para Automação Industrial: Introdução às Redes de Computadores Luiz Affonso Guedes

Redes para Automação Industrial: Introdução às Redes de Computadores Luiz Affonso Guedes Redes para Automação Industrial: Introdução às Redes de Computadores Luiz Affonso Guedes Conteúdo Definição Classificação Aplicações típicas Software de rede Modelos de referências Exemplos de redes Exemplos

Leia mais

Redes Sem Fio. Alberto Felipe Friderichs Barros https://albertofelipeblog.wordpress.com

Redes Sem Fio. Alberto Felipe Friderichs Barros https://albertofelipeblog.wordpress.com Redes Sem Fio Alberto Felipe Friderichs Barros alberto.barros@ifsc.edu.br https://albertofelipeblog.wordpress.com Introdução Uma rede sem fio é uma infraestrutura das comunicações sem fio que permite a

Leia mais

Protocolos da camada de redes. Professor Leonardo Larback

Protocolos da camada de redes. Professor Leonardo Larback Protocolos da camada de redes Professor Leonardo Larback Protocolos da camada de redes Na camada de redes (modelo OSI) operam os protocolos IP, ARP, RARP, ICMP etc. Em conjunto a esses protocolos, abordaremos

Leia mais

Redes de Computadores Nível de Rede

Redes de Computadores Nível de Rede Comunicação de Dados por Fernando Luís Dotti fldotti@inf.pucrs.br Redes de Computadores Nível de Rede Fontes Fontes principais: principais: Redes Redes de de Computadores Computadores -- das das LANs,

Leia mais

EIC0032, Redes de Computadores 20/jan/2017 Exame Parte 2 (com consulta, 10 valores, 90 minutos) Nome:

EIC0032, Redes de Computadores 20/jan/2017 Exame Parte 2 (com consulta, 10 valores, 90 minutos) Nome: Exame Parte 2 (com consulta, 10 valores, 90 minutos) 1. Dois equipamentos comunicam usando uma ligação de dados que usa mecanismos ARQ. Assuma que a capacidade do canal (em cada sentido) é de 1 Mbit/s,

Leia mais

Endereço de Rede. Comumente conhecido como endereço IP Composto de 32 bits comumente divididos em 4 bytes e exibidos em formato decimal

Endereço de Rede. Comumente conhecido como endereço IP Composto de 32 bits comumente divididos em 4 bytes e exibidos em formato decimal IP e DNS O protocolo IP Definir um endereço de rede e um formato de pacote Transferir dados entre a camada de rede e a camada de enlace Identificar a rota entre hosts remotos Não garante entrega confiável

Leia mais

Interior Gateway Protocols Routing Information Protocol - RIP. Redes de Comunicação de Dados

Interior Gateway Protocols Routing Information Protocol - RIP. Redes de Comunicação de Dados Interior Gateway Protocols Routing Information Protocol - RIP Redes de Comunicação de Dados Routing Information Protocol RIPv1 Características Implementa um algoritmo do tipo vector-distance Incluído na

Leia mais

Alta disponibilidade:

Alta disponibilidade: Alta disponibilidade: do BGP ao PPPoE Grupo de Trabalho de Engenharia e Operação de Redes VI Semana de Infraestrutura da Internet no Brasil São Paulo - Dezembro de 2016 Quem Somos? Motivação Ultimamente,

Leia mais

Verificando a Operação e Troubleshooting Básico do NAT

Verificando a Operação e Troubleshooting Básico do NAT Verificando a Operação e Troubleshooting Básico do NAT Este documento contém animações em Flash. Interativo: Este documento apresenta uma análise personalizada do seu dispositivo Cisco. Índice Introdução

Leia mais

Manual de Instrução Módulo de Configuração

Manual de Instrução Módulo de Configuração Manual de Instrução Módulo de Configuração NetControl Pacote 49 Versão 2.0 Data 06/05/2015 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Configuração do Módulo... 3 2.1 Configuração do Assistente de Configuração...

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados. Encaminhamento. Encaminhamento. Encaminhamento. Vectores de Distância Estado dos Elos. Encaminhamento.

Protocolos em Redes de Dados. Encaminhamento. Encaminhamento. Encaminhamento. Vectores de Distância Estado dos Elos. Encaminhamento. Sumário ula Introdução ao encaminhamento FCUL V1 V Introdução ao encaminhamento. istance Vector Routing. Link State Routing.. (Nota: a maioria das figuras foram retiradas de. Tanenbaum c Prentice-all 1996)

Leia mais

Aspectos de Segurança no IPv6

Aspectos de Segurança no IPv6 Aspectos de Segurança no IPv6 Motivação Motivação Inicialmente, o protocolo IP foi criado para interligar redes acadêmicas de pesquisa Não tinha grande, ou nenhuma, preocupação com a segurança dos dados

Leia mais

Bom simulado! Professor Ravel Silva https://www.facebook.com/professorravelsilva

Bom simulado! Professor Ravel Silva https://www.facebook.com/professorravelsilva Orientações aos alunos: 1. Este simulado visa auxiliar os alunos que estão se preparando para o cargo de Assistente em Administração da UFBA Nível Médio. 2. O Simulado contém 15 questões estilo UFBA (Certo

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede II Aula 02 Unidade II Dispositivos Básicos de Rede Prof: Jéferson Mendonça de Limas Introdução Redes LAN Dois ou mais dispositivos interligados por um

Leia mais

Procedimento para Configuração de Internet em modo Bridge

Procedimento para Configuração de Internet em modo Bridge Procedimento para Configuração de Internet em modo Bridge 1- Para realizar o procedimento de configuração em modo Bridge o computador deve estar conectado via cabo Ethernet em uma das portas LAN do DSL-2640B

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Infraestrutura de Redes de Computadores

REDES DE COMPUTADORES. Infraestrutura de Redes de Computadores Objetivos Gerais da Cadeira Apresentar a camada de enlace e suas principais tecnologias de comutação em LAN, MAN, e WAN. Objetivos Específicos da Cadeira Entender os conceitos fundamentais sobre a camada

Leia mais

Aula 1 Conceitos Básicos

Aula 1 Conceitos Básicos Aula 1 Conceitos Básicos Redes e Comunicação de Dados Prof. Mayk Choji UniSALESIANO Araçatuba 6 de agosto de 2016 Sumário 1. Usos de Redes de Computadores 2. O que é a Internet? 3. A Borda da Rede 4. O

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

terça-feira, 30 de julho de 13 Equipamentos de Interconexão

terça-feira, 30 de julho de 13 Equipamentos de Interconexão Equipamentos de Interconexão Repetidor Um repetidor ( repeater ) é um dispositivo utilizado para estender o alcance de uma LAN. Atuando na camada física, o repetidor conecta segmentos de rede, amplificando

Leia mais

Manual de Instrução Módulo de Configuração

Manual de Instrução Módulo de Configuração Manual de Instrução Módulo de Configuração NetControl Pacote 49 Versão 2.1 Data 31/01/2017 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Configuração do Módulo... 3 2.1 Configuração do Assistente de Configuração...

Leia mais

GUIA DE CONFIGURAÇÃO. Conexões VPN SSL (Rede a Rede)

GUIA DE CONFIGURAÇÃO. Conexões VPN SSL (Rede a Rede) GUIA DE CONFIGURAÇÃO Conexões VPN SSL (Rede a Rede) 1 Conexões VPN SSL (Rede a Rede) 1- Introdução Uma VPN (Virtual Private Network, ou rede virtual privada) é, como o nome sugere, uma rede virtual, criada

Leia mais

Manual Sistema de Dimensionamento Cabos e Energia SDF

Manual Sistema de Dimensionamento Cabos e Energia SDF Manual Sistema de Dimensionamento Cabos e Energia SDF Manual Sistema de Dimensionamento Cabos e Energia... 1 Inicialização Automática do SDF... 2 Configurações Internet Explorer... 2 Passo 1 - Abra Opções

Leia mais

Aula 3 Redes de Interconexão

Aula 3 Redes de Interconexão Aula 3 Redes de Interconexão As redes de interconexão são de fundamental importância nas arquiteturas paralelas Não importa o tipo da arquitetura, todo computador paralelo necessita de uma rede de interconexão

Leia mais

Guia de Instalação. Versão Fevereiro 2013

Guia de Instalação. Versão Fevereiro 2013 O PrintScout é um serviço que permite monitorar impressoras e multifuncionais, além de automatizar a coleta de contadores de impressão (Contadores físicos/hardware) para fechamento de volume mensal de

Leia mais

Redes de Computadores.

Redes de Computadores. Redes de Computadores www.profjvidal.com TOPOLOGIA DE REDES Topologia de Redes A topologia de rede descreve como é o layout de uma rede de computadores, através da qual há o tráfego de informações, e também

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Informática Redes de Computadores e Aplicações

Curso Técnico Integrado em Informática Redes de Computadores e Aplicações Redes de Computadores Curso Técnico Integrado em Informática Redes de Computadores e Aplicações Aula 23 Estratégias de Roteamento IP Unicast Parte 1 Objetivo Entender as diferentes estratégias de roteamento;

Leia mais

Curso Técnico em Informática Redes TCP/IP 2 o Módulo. Prof. Cristiano da Silveira Colombo

Curso Técnico em Informática Redes TCP/IP 2 o Módulo. Prof. Cristiano da Silveira Colombo Curso Técnico em Informática Redes TCP/IP 2 o Módulo Prof. Cristiano da Silveira Colombo Objetivos da Aula Apresentar os conceitos de tecnologias e padrões de redes de computadores. Agenda da Aula Padronização

Leia mais

CCNA2 v5.03 Exame Final 003

CCNA2 v5.03 Exame Final 003 1. Consulte a exposição. Um administrador de rede está a configurar um roteador como um servidor DHCPv6. O administrador emite um comando piscina dhcp show de IPv6 para verificar a configuração. Qual afirmação

Leia mais

COMO CONFIGURAR O MÓDULO IAAP PARA RUNNER

COMO CONFIGURAR O MÓDULO IAAP PARA RUNNER COMO CONFIGURAR O MÓDULO IAAP PARA RUNNER 1. Ligue o Módulo IP à porta LAN do computador com o cabo de rede fornecido com o equipamento 2. Ligue o Módulo IP aos 12V da central ou a uma fonte auxiliar (12V).

Leia mais

MANUAL TÉCNICO PROCEDIMENTO DE RECUPERAÇÃO DE FIRMWARE P/ FAMÍLIA WOM 5000

MANUAL TÉCNICO PROCEDIMENTO DE RECUPERAÇÃO DE FIRMWARE P/ FAMÍLIA WOM 5000 MANUAL TÉCNICO PROCEDIMENTO DE RECUPERAÇÃO DE FIRMWARE P/ FAMÍLIA WOM 5000 1. Introdução Eventualmente, caso o WOM 5000 seja desligado no meio de uma atualização de firmware ou restauração de backup (mesmo

Leia mais

Tutorial Aceda remotamente à sua rede Meo de casa por VPN

Tutorial Aceda remotamente à sua rede Meo de casa por VPN Tutorial Aceda remotamente à sua rede Meo de casa por VPN Date : 1 de Fevereiro de 2013 usando o seu router Thomson da Meo e uma máquina com Windows Nos dias de hoje são já poucas as habitações onde não

Leia mais