com ou sem argamassa blocos de concreto celular

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "com ou sem argamassa blocos de concreto celular"

Transcrição

1 1. ALVENARIA São paredes, muros ou alicerces (sapatas corridas) feitos com: pedras naturais blocos e tijolos cerâmicos blocos de concreto blocos sílico-calcários com ou sem argamassa blocos de concreto celular tijolos de vidro tijolos de solo-cimento, etc. 1 ESCOLHA DOS MATERIAIS Há uma enorme variedade de materiais à disposição no mercado. A escolha da unidade de alvenaria deve ser feita buscando o atendimento às exigências pré-estabelecidas. Deve-se levar em consideração: - a natureza do material - seu peso próprio - dimensões e forma - disposição dos furos - textura - propriedades físicas (porosidade, capilaridade, propriedades térmicas, propriedades acústicas, etc.) - propriedades mecânicas (resistências, módulo de elasticidade, coeficiente de Poisson, tenacidade, etc.) durabilidade de acordo com a função que irão desempenhar resistência à ação de agentes agressivos precisão dimensional estabilidade dimensional

2 2 finalidade e disposição CLASSIFICAÇÃO DAS ALVENARIAS EXTERNAS ou perimetrais INTERNAS ou divisórias comuns de divisa cortafogo divisórias ponto de vista estático PORTANTES: esforços horizontais, verticais, inclinados (alvenaria estrutural) FECHAMENTO, VEDAÇÃO (tabiques) espessura SIMPLES COMPOSTA cutelo ½ tijolo 1 tijolo 1 ½ tijolo 2 tijolos de caixão comum sistema Eckert mistas

3 3 Tijolos/Blocos Cerâmicos Produção o Podem ser prensados ou extrudados (caso mais freqüente). Características o Tijolos maciços: podem ser extrudados ou prensados. o Blocos vazados: são extrudados - 2, 4, 6, 8, 21 furos. o Resistência à compressão: entre 1 e 10 MPa (mínima: 2,5 MPa). o Peso de até 131 kg/m 2. o Detêm 90% do mercado brasileiro de blocos. o Blocos com dimensões modulares e submodulares; blocos com formatos diversos (tipo canaleta e para instalações elétricas e hidráulicas). Normas o NBR 7170/1983 Tijolo maciço cerâmico para alvenaria. o NBR /2005 Componentes cerâmicos Parte1: Blocos cerâmicos para alvenaria de vedação Terminologia e requisitos o NBR /2005 Componentes cerâmicos Parte2: Blocos cerâmicos para alvenaria estrutural Terminologia e requisitos o NBR /2005 Componentes cerâmicos Parte1: Blocos cerâmicos para alvenaria estrutural e de vedação Métodos de ensaios. o NBR 6460/1983 Tijolo maciço cerâmico para alvenaria Verificação da resistência à compressão. o NBR 8041/ Tijolo maciço cerâmico para alvenaria Forma e dimensões.

4 4 Blocos de Concreto Produção o Mistura de cimento, areia, pedrisco e água. o Fabricado com agregado normal ou leve. o Vibro-prensa para moldagem e compactação. o Cura úmida a vapor durante tempo padronizado. o Exigem rigoroso controle da cura para evitar retração por secagem excessiva na parede e sua conseqüente fissuração. Características o Resistência mínima à compressão de 2,5 MPa para blocos de vedação. o Isolamento acústico: deve variar de 40 db para blocos de 9 cm de espessura sem revestimento a 46 db para blocos de 14 cm de espessura com revestimento. o Peso de até 156 kg/m 2. Normas o NBR 7173/1982 Blocos vazados de concreto simples para alvenaria sem função estrutural. o NBR 6136/1994 Bloco vazado de concreto simples para alvenaria estrutural. o NBR 7184/ Blocos vazados de concreto simples para alvenaria Determinação da resistência à compressão. o NBR 8215/ Prismas de blocos vazados de concreto simples para alvenaria estrutural Preparo e ensaio à compressão. o NBR 12117/ Blocos vazados de concreto para alvenaria Retração por secagem. o NBR 12118/ Blocos vazados de concreto para alvenaria Determinação da absorção de água, do teor de umidade e da área líquida. Problemas mais comuns o Devidos, principalmente, à retração por secagem. o Falta de esquadro. o Fragilidade. o Variações dimensionais o Falta de planicidade da superfície.

5 5 Blocos Sílico-Calcários Produção o Mistura de cal virgem, areia fina quartzosa e água. o Prensagem em moldes (alta pressão). o Desmolde. o Colocação em autoclaves e cura sob alta pressão de vapor por várias horas (16 atm, 200ºC, 5 horas): forma-se hidrossilicato de cálcio (C-S- H). o Método patenteado em 1880 na Alemanha: Método de produção de pedra artificial de areia. 70% dos blocos comercializados na Alemanha são sílico-calcários. o Produção atual em diversos países da Europa, Rússia, Canadá, México e EUA. No Brasil são produzidos desde 1976 pela Prensil, para alvenaria estrutural. o Exigem rigoroso controle da cura para evitar retração por secagem excessiva e conseqüente fissuração. Características o Material bem compactado: resistência à compressão varia entre 4,5 e 15 MPa. o Alta precisão nas dimensões. o Arestas bem definidas. o Textura suave, pouca rugosidade, alta absorção de água. o Peso de até 132 kg/m 2. o Coloração variada por meio de adição de pigmentos. Normas o Não há normalização brasileira para blocos sílico-calcários. o Norma alemã: DIN-106.

6 6 Blocos de Concreto Celular Autoclavados Produção o Mistura de cimento, cal, areia e alumínio em pó (agente expansor). o Autoclave: cura a vapor sob pressão de 10 atm e 180ºC de temperatura. o Exigem rigoroso controle da cura para evitar retração por secagem excessiva e conseqüente fissuração. Características o Contém bolhas de ar de dimensões milimétricas, homogêneas e uniformemente distribuídas. A textura é suave. o Peso 60% menor que os blocos cerâmicos (500 kg/m 3 ): estruturas mais esbeltas e menor consumo de aço e menor carga nas fundações. o Preenchimento de nervuras em lajes. o Maior dimensão dos blocos (até 40x60x19 cm) e maior leveza (peso de até 75 kg/m 2 ) levam a maior produtividade. o Regularidade de dimensões: possibilitam fina camada de revestimento o Isolante térmico e acústico; alta resistência ao fogo (incombustível). o Resistência à compressão: 2,5 Mpa aos 28 dias. o Pode ser cortado com serrote de dentes largos; pode ser furado, lixado e pregado com ferramentas comuns. o Exigem cuidados maiores no manuseio e armazenagem. Normas o NBR 12644/92 Concreto celular espumoso determinação da densidade de massa aparente no estado fresco Método de ensaio. o NBR 12646/92 - Paredes de concreto celular espumoso moldadas no local Especificação. o NBR 12655/92 Execução de paredes de concreto celular espumoso moldadas no local Procedimento. o NBR 13438/ Blocos de concreto celular autoclavado. o NBR 13439/ Blocos de concreto celular autoclavado Verificação da resistência à compressão. o NBR 13440/ Blocos de concreto celular autoclavado Verificação da densidade de massa aparente seca.

7 7 Produção Blocos de Solo-Cimento o Mistura de solo arenoso + cimento + água em betoneira. As proporções desta mistura determinam a resistência dos tijolos de acordo com a sua utilização (o solo ideal é aquele constituído de 50% a 70% de areia e o restante de argila). O teor de umidade é de cerca de 5%. o Prensagem em moldes. o Cura: processo essencial para garantir qualidade. A cura deve ser úmida, e é indispensável nos primeiros 7 dias. o Exigem rigoroso controle da cura para evitar retração por secagem excessiva e conseqüente fissuração. o Na mistura de solo-cimento podem ser acrescentados aditivos impermeabilizantes, cimento refratário, óxido de ferro (pigmento para colorir). Características o Capacidade térmica e acústica. o Alvenaria de tijolos à vista. o Regularidade de dimensões, resultando em revestimentos de pequena espessura. o Dispensa o uso de chapisco. quando forem utilizados blocos vazados, as instalações hidráulica e elétrica podem ser feitas por dentro dos furos. o Tijolos assentados com cola. o Confere maior produtividade no canteiro de obras. o Blocos modulados, blocos de encaixe, blocos canaleta. Normas o NBR 8491/1984 Tijolo maciço de solo-cimento. o NBR 8492/1984 Tijolo maciço de solo-cimento Determinação da resistência à compressão e da absorção de água. o NBR 10832/ Fabricação de tijolo maciço de solo-cimento com a utilização de prensa manual. o NBR 10833/ Fabricação de tijolo maciço e bloco vazado de solocimento com utilização de prensa hidráulica. o NBR 10834/1994 Bloco vazado de solo-cimento sem função estrutural. o NBR 10835/1994 Bloco vazado de solo-cimento sem função estrutural Formas e dimensões. o NBR 10836/ Bloco vazado de solo-cimento sem função estrutural Determinação da resistência à compressão e da absorção de água.

8 8 Tijolos de Vidro Produção o Fundição de duas partes de vidro a altas temperaturas. o O resfriamento do vidro fundido faz a pressão interna do ar reduzir. Características o Peças ocas, estanques, preenchidas com ar rarefeito. o Bom isolamento térmico e acústico. o Várias colorações. Normas o NBR / Blocos de vidro para a construção civil Parte 1: Definições, requisitos e métodos de ensaio.

9 1.1 ALVENARIA de VEDAÇÃO Exigências: resistência mecânica, durabilidade, estanqueidade, isolamento térmico, isolamento acústico, resistência ao fogo. As alvenarias de vedação não têm função estrutural, mas estão sujeitas as seguintes cargas acidentais: Deformações da estrutura de concreto Recalques de fundações Movimentações térmicas, etc RECEBIMENTO DOS BLOCOS/TIJOLOS EM OBRA Exigências da normalização nacional para blocos de vedação: avaliação de dimensões, desvios de forma, percentual de vazios, absorção de água, material e resistência à compressão. a) Blocos cerâmicos para vedação cada caminhão = 1 lote amostra = 24 blocos aleatoriamente coletados em cada lote verificação visual: trincas, quebras, superfícies irregulares, deformações, não uniformidade de cor planeza das faces: com régua metálica plana em 24 blocos de cada lote desvio de esquadro: desvio máximo:3 mm queima: percussão com objeto metálico: som vibrante indica boa queima; som abafado indica bloco mal cozido imersão em água por 4 horas: desmanche ou esfarelamento indicam queima ruim Planeza das faces 9 Desvio de esquadro

10 10 Armazenamento dos blocos cerâmicos na obra h pilha < 2m próximo ao meio de transporte vertical (economia de tempo e redução de perdas) evitar umidade excessiva b) Blocos de concreto para vedação NBR 7173/82: cada caminhão = 1 lote verificação visual: em 20 blocos de cada lote: trincas, fraturas, superfícies e arestas irregulares, deformações, falta de homogeneidade; bloco aparente: pequenas lascas, imperfeições superficiais dimensões: medida com trena em 10 blocos de cada lote espessura da parede: medida com trena em 10 blocos de cada lote, na região mais estreita

11 Critérios para aceitação ou rejeição do lote verificação visual: - peças defeituosas 2 aceitação - peças defeituosas > 2 2 a amostra (A 2 ) - n o blocos defeituosos (A 1 + A 2 ) 6 aceitação Se A 1 e A 2 forem rejeitadas, o lote deve ser rejeitado, ou todos os blocos devem ser inspecionados com separação dos defeituosos. dimensões: dimensões nominais da NBR + 3mm, - 2mm (espessura mínima = 15 mm) uniformidade dimensional: desvio máximo = 3mm quebra excessiva: pode ser devida a uma cura deficiente dos blocos ou à baixa resistência mecânica. Armazenamento dos blocos de concreto na obra h pilha 1,5 m cobertos, protegidos da chuva próximos ao meio de transporte vertical 11

12 1.1.2 TÉCNICAS DE EXECUÇÃO DE ALVENARIAS 12 ALVENARIA DE TIJOLOS E BLOCOS CERÂMICOS, BLOCOS DE CONCRETO e BLOCOS SÍLICO-CALCÁRIOS Normas Brasileiras: NBR 8545/1984 Execução de alvenaria sem função estrutural de tijolos e blocos cerâmicos. Documentos de referência projeto arquitetônico projeto estrutural projetos de instalações (hidráulico, elétrico, etc) Prazos mínimos para das início à execução das alvenarias Concretagem do pavimento executada há, pelo menos, 45 dias. Retirada total do escoramento da laje do pavimento há, pelo menos, 15 dias. Ter sido retirado completamente o escoramento da laje do pavimento superior. Realização de chapisco há, pelo menos, 3 dias. Justificativa: os prazos mínimos acima permitem que ocorra uma parcela significativa das deformações da estrutura de concreto armado, minimizando seus efeitos sobre a alvenaria de vedação. Etapas do método executivo: 1. Preparação da superfície para receber a alvenaria 2. Marcação da alvenaria 3. Elevação da alvenaria 4. Execução do respaldo

13 MÉTODO EXECUTIVO 1 a etapa: PREPARAÇÃO DA SUPERFÍCIE 1. Limpeza da base (laje ou viga de concreto armado) 2. Lavagem (água) e escovação (escova de aço) da superfície de concreto 3. Chapisco do concreto que ficará em contato com a alvenaria. O chapisco deve ser feito com 72 horas de antecedência. Podem ser aplicados três diferentes tipos de chapisco: CHAPISCO CONVENCIONAL Argamassa de cimento e areia grossa Traço 1:3 ou 1:4, em volume Aplicação com colher de pedreiro, lançada energicamente contra a estrutura Desperdício elevado CHAPISCO ROLADO Argamassa de cimento e areia média, misturada a seco Traço 1:4,5, em volume Adicionar água e resina PVA (1 parte de PVA: 6 partes de água) Aplicação com rolo para textura acrílica (2 a 3 demãos). A espessura final da camada fica em torno de 5 mm CHAPISCO COM ARGAMASSA COLANTE Argamassa colante, preparada de acordo com a recomendação do fabricante Aplicação com desempenadeira dentada 13 CHAPISCO ROLADO ARGAMASSA COLANTE

14 4. Marcação do alinhamento 5. Definição da galga (definição da altura das fiadas da alvenaria) A galga é marcada com auxílio de nível de mangueira ou com aparelho de nível, nos pilares ou com auxílio de caibro ou escantilhão. São esticadas linhas de náilon. São marcadas também cotas de vergas e contravergas. 14 O ponto mais alto da base define a cota da primeira fiada. Devem ser feitas, com argamassa, correções de desníveis na estrutura de concreto superiores a 2 cm, com pelo menos 24 horas de antecedência. 6. Fixação dos dispositivos de amarração da alvenaria aos pilares Ferros-cabelo aço CA-50 5mm chumbado no pilar, a cada 2 fiadas Tela soldada aparafusada ao pilar, a cada 2 fiadas

15 15 2 a etapa: MARCAÇÃO DA ALVENARIA 7. Molhagem do alinhamento 8. Assentamento de blocos ou tijolos de extremidade 9. Assentamento dos blocos intermediários 3 a etapa: ELEVAÇÃO DA ALVENARIA 10. Iniciar a 2 a fiada com ½ tijolo a fiada = 1 a fiada; 4 a fiada = 2 a fiada, Juntas horizontais = 10 mm Juntas pouco espessas: mau desempenho do conjunto pela redução da capacidade de absorver deformações. Mínimo = 8 mm. Juntas muito espessas: causam queda na resistência mecânica da alvenaria e maior consumo de argamassa. Máximo = 18 mm. FERRAMENTAS UTILIZADAS PARA A APLICAÇÃO DA ARGAMASSA Blocos junto aos pilares: deverão ser assentes com a argamassa da junta vertical já aplicada na sua face lateral, de modo que ela seja fortemente comprimida contra o pilar previamente chapiscado. O preenchimento posterior da junta pilar/alvenaria pode criar uma ligação fraca sujeita à fissuração. 13. Verificar o prumo, nível e alinhamento de cada fiada Instrumentos: prumo de face, régua de nível e linhas de náilon. 14. Não executar até o respaldo

16 4 a etapa: EXECUÇÃO DO RESPALDO O respaldo é a região de encontro entre a alvenaria e a estrutura do pavimento superior. Nesta região, podem ocorrer fissuras por retração da argamassa de assentamento da alvenaria e transmissão de esforços da estrutura à alvenaria. Deve-se esperar o maior tempo possível para executar o respaldo. Pode-se ter três situações possíveis quanto à interação alvenaria/estrutura: a) A alvenaria funciona como travamento da estrutura b) A alvenaria não funciona como travamento da estrutura, mas a estrutura que a envolve é deformável c) A alvenaria não funciona como travamento da estrutura e a estrutura que a envolve é pouco deformável Soluções para cada situação a) A alvenaria funciona como travamento da estrutura É necessária uma ligação efetiva e rígida entre alvenaria e estrutura. A alvenaria estará submetida a tensões elevadas, e devem resistir a essas tensões. Soluções no respaldo: encunhamento ou argamassa expansiva. Encunhamento com tijolos maciços a 45º ou com cunhas de concreto pré-fabricadas. Nesse caso, é necessário deixar um espaço mínimo de 15 cm entre estrutura e alvenaria. 16

17 Preenchimento com argamassa expansiva. Nesse caso, um espaço de 2 a 3 cm entre estrutura e alvenaria. Essa técnica pode gerar concentração de tensões em alguns pontos e problemas à alvenaria. 17 b) A alvenaria não funciona como travamento da estrutura, mas a estrutura que a envolve é deformável Exemplos: pórticos de grande vão, lajes cogumelo, estruturas em balanço, etc. Soluções no respaldo: preenchimento com material deformável. Encunhamento com tijolos maciços a 45º com argamassa fraca Aplicação de espuma de poliuretano e acabamento Aplicação de argamassa rica em cal, com baixo consumo de cimento (exemplo: argamassa de traço 1:3:12) c) A alvenaria não funciona como travamento da estrutura e a estrutura que a envolve é pouco deformável Soluções no respaldo: preenchimento com a própria argamassa de assentamento.

18 18 DETALHES DE CONSTRUÇÃO 1. Encontro entre paredes L, T, cruz O objetivo é evitar destacamento entre panos de alvenaria (fissuras), por meio de amarração. O ideal é a utilização de blocos especiais Se as juntas forem aprumadas, deve-se ter CAUTELA maior rigidez de vigas e lajes ferros ou telas metálicas nas juntas de assentamento telas metálicas embutidas no revestimento quando for esperada intensa movimentação, a junta deve ser tratada com selante flexível

19 19 2. Juntas de controle Servem para evitar fissuras causadas por movimentações térmicas e higroscópicas da alvenaria, e por retração por secagem da argamassa de assentamento. Preenchimento com selante (acrílico, silicone, polissulfetos) Ligação: fios de aço = 4,2 ou 5 mm, nas juntas horizontais ímpares, passando 30 cm para cada lado da junta. Valores indicativos para juntas de controle nas alvenarias de vedação Blocos ou tijolos assentados com argamassa mista, parede revestida/ impermeabilizada cerâmico concreto sílico-calcário concreto celular solo-cimento Comprimento máximo de parede ou distância máxima entre juntas de controle (metros) Paredes internas Paredes externas Sem aberturas Com aberturas Sem aberturas Com aberturas b 14 b<14 b 14 b<14 b 14 b<14 b 14 b< b = largura do bloco (cm) valores para paredes sem telas ou armaduras contínuas

20 3. Região das aberturas Devem ser reforçadas com VERGAS e CONTRAVERGAS A alvenaria deve ser elevada até uma fiada antes da altura do peitoril, para permitir a execução da contraverga. As vergas e contravergas devem estender-se no mínimo 20 cm além da abertura. No caso de aberturas sucessivas, com distanciamento inferior a 60 cm, deve-se executar uma verga contínua. Caso a altura da abertura atinja a face inferior da viga ou laje, a verga é desnecessária. A seção transversal das vergas e contravergas deve ser no mínimo igual à seção transversal dos blocos/tijolos. Apoios mínimos recomendados para vergas e contravergas BLOCO CERÂMICO Verga Contraverg a Comprimento da parede <8 8 a <6 6 a 12 (m) 12 Vão (m) <2,4 <2,4 <2,4 <2,4 Apoio mínimo (m) 0,2 0,3 0,3 0,4 BLOCO DE CONCRETO Verga Contraverga Comprimento da parede <6 6 a >8 <6 6 a >8 (m) 8 8 Vão (m) <2,4 <2,4 <2,4 <2,4 <2,4 2,4 a 3 Apoio mínimo (m) 0,2 0,3 0,4 0,3 0,4 0,6 BLOCO DE CONCRETO Verga Contraverga CELULAR Compr. da parede (m) <8 8 a 12 >12 <8 8 a 12 <8 8 a 12 Vão (m) <1,8 <1,8 1,8 a 0,5 a 1 1,8 a 3,2 3,2 Apoio mínimo (m) 0,2 0,3 0,3 0,3 0,4 0,4 0,6 Para aberturas superiores a 2,4 metros, a verga deve ser calculada como uma viga. 20

21 21 Cintas de amarração h parede > 3m cintas de amarração intermediárias h parede > 5m cálculo estrutural alvenaria estrutural

22 Técnicas de execução de vergas e contravergas TÉCNICA Moldagem no local com fôrmas de madeira Distribuição de barras de aço na junta de argamassa Moldagem no local com emprego de blocos tipo canaleta, com duas barras de aço CA-50 = 6,3 mm e preenchimento com concreto fck 15 MPa Pré-fabricação de vergas e contravergas 22 VANTAGENS/DESVANTAGENS Não permite a execução do apoio necessário Reduz a produtividade, pois interrompe a elevação da alvenaria Causa desperdícios de material e mão-de-obra Fraca aderência entre as barras de aço e a argamassa de assentamento Risco de corrosão das barras Reduz a produtividade, pois interrompe a elevação da alvenaria Elementos são assentados como se fossem unidades da alvenaria Não interrompe a elevação da alvenaria, resultando em maior produtividade Peças padronizadas

23 23 4. Embutimento de instalações Forma tradicional: embutimento é feito posteriormente à elevação da alvenaria, por meio de cortes e rasgos na parede. Implica em elevado desperdício de tempo e de materiais. Cuidado: redução excessiva da seção do bloco torna necessário o reforço com tela metálica no revestimento Cortes em paredes de blocos cerâmicos, blocos de concreto e blocos sílico-calcários: corte com auxílio de serra de disco de corte. Cortes em paredes de blocos de concreto celular: rasgador manual. Forma racionalizada: emprego de shafts. Instalações hidráulicas distribuídas ao longo da parede: emprego de paredes duplas de pequena espessura. Primeiro constrói-se uma delas (de fundo), onde serão fixadas as instalações, e posteriormente faz-se o fechamento com a outra, deixando apenas os pontos de saída de água e entrada de esgoto. Instalações elétricas: passagem dos eletrodutos por dentro dos furos dos componentes. As caixas elétricas devem ser instaladas nos blocos antes do assentamento dos mesmos (serra de bancada ou serra manual). Instalações de água quente: prever isolamento da tubulação com: argamassa de amianto, argamassas específicas prédosadas e tubos de espuma rígida. Prumadas de luz, telefone, gás e sanitárias: emprego de shafts.

24 5. Cuidados para evitar fissuração no último pavimento 24

25 CUIDADOS DIVERSOS NA ELEVAÇÃO DAS ALVENARIAS Blocos secos de alta absorção devem ser umedecidos antes do assentamento. As superfícies chapiscadas devem ser umedecidas antes de receberem contato com argamassa. Paredes apoiadas em vigas ou lajes contínuas devem ser elevadas simultaneamente em todos os vãos. A argamassa deve ser aplicada em excesso, e o posicionamento do bloco deve ser feito com pressão. O piso deve ser revestido com lona plástica durante a elevação da alvenaria, para permitir o reaproveitamento da argamassa que cai. Correções no nível e no prumo dos blocos devem ser feitas imediatamente após o assentamento. Em alvenarias de tijolos/blocos à vista, o friso na junta deve ser feito entre 1 e 2 horas após o assentamento, cuidando para não tirar os blocos da posição. Se a junta entre alvenaria e pilar for maior que 3 cm, a mesma deve ser preenchida com microconcreto. As alvenarias de fachada devem ser chapiscadas logo após a elevação. O não preenchimento das juntas verticais leva a uma redução da resistência da alvenaria a esforços laterais e a uma redução do isolamento acústico. MEDIDAS PARA RACIONALIZAÇÃO Estoque organizado dos blocos. Projeto para transporte dos blocos e execução da alvenaria. Blocos moduláveis e seccionáveis, adequados a todo tipo de obra. Existem no mercado famílias de blocos que permitem incorporar detalhes construtivos, portas, janelas e instalações. Evita-se, assim, quebras e retrabalho. Ferramentas especiais para execução. Acondicionamento dos blocos para transporte (ex.: paletização). 25

26 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS LORDSLEEM JR., Alberto Casado. Execução e inspeção de alvenaria racionalizada. São Paulo: O Nome da Rosa, 2000, 103p. THOMAZ, Ercio; HELENE, Paulo. Qualidade no projeto e na execução de alvenaria estrutural e de alvenarias de vedação em edifícios. São Paulo: EPUSP, (BT/PCC/252) Revista TÉCHNE. Blocos em carreira. São Paulo: PINI, No.64, julho 2002, p Revista TÉCHNE. Como construir alvenaria de blocos de vidro. São Paulo: PINI, No.64, julho 2002, p

Aula 2: ALVENARIAS: conceitos, alvenaria de vedação, processo executivo

Aula 2: ALVENARIAS: conceitos, alvenaria de vedação, processo executivo Assunto: Vedações Departamento de Arquitetura e Urbanismo ARQ 56 - Tecnologia da Edificação III Aula 2: ALVENARIAS: conceitos, alvenaria de vedação, processo executivo PROFESSOR Deivis Marinoski UFSC FLORIANÓPOLIS

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos Classificação dos materiais pétreos Fabricação de blocos cerâmicos Pedras naturais: encontradas in natura, usadas normalmente após beneficiamento. Ex.: agregados, placas de rocha para revestimento. Pedras

Leia mais

CAPÍTULO IV - ALVENARIA

CAPÍTULO IV - ALVENARIA CAPÍTULO IV - ALVENARIA Alvenaria é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta de pedras naturais ou artificiais, ligadas ou não por argamassa. Segundo ZULIAN et al. (2002) também

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural?

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL Indice ALVENARIA ESTRUTURAL MANUAL DE EXECUÇÃO E TREINAMENTO...1 O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?...1 Seu trabalho fica mais fácil...1 CUIDADOS QUE

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

Alvenaria de Vedação CARTILHA COM BLOCOS DE CONCRETO. Capacitação de equipes de produção. Realização. Recife - PE

Alvenaria de Vedação CARTILHA COM BLOCOS DE CONCRETO. Capacitação de equipes de produção. Realização. Recife - PE Alvenaria de Vedação COM BLOCOS DE CONCRETO CARTILHA Capacitação de equipes de produção Realização Recife - PE Gerência Regional ABCP N/NE Eduardo Barbosa de Moraes Gestão da Comunidade da Construção Roberto

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS 4 - ALVENARIA APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher a alvenaria adequada; Orientar a elevação das paredes (primeira fiada,

Leia mais

! Locação precisa de todas as paredes; ! Abrir frente para grande produtividade. ! Preparar uma ligação adequada com a

! Locação precisa de todas as paredes; ! Abrir frente para grande produtividade. ! Preparar uma ligação adequada com a Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil Aula

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

4 - ALVENARIA. Resistência mecânica Isolamento térmico e acústico Resistência ao fogo Estanqueidade Durabilidade

4 - ALVENARIA. Resistência mecânica Isolamento térmico e acústico Resistência ao fogo Estanqueidade Durabilidade 4 - ALVENARIA APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher a alvenaria adequada; Orientar a elevação das paredes (primeira fiada, cantos, prumo, nível); Especificar o tipo de argamassa

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

CAPÍTULO IV ARGAMASSA DE REVESTIMENTO

CAPÍTULO IV ARGAMASSA DE REVESTIMENTO CAPÍTULO IV ARGAMASSA DE REVESTIMENTO I. CONSIDERAÇÕES GERAIS A alta competitividade do panorama econômico atual faz com que as empresas busquem um maior ganho de qualidade com redução de custos. A obtenção

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO HISTÓRICO O uso da alvenaria é a mais antiga forma de construção empregada pelo homem. 2 HISTÓRICO Pirâmides do Egito

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

23/05/2014. Professor

23/05/2014. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Alvenarias Área de Construção Civil Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Elementos

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

Bloco e tijolo de solo-cimento

Bloco e tijolo de solo-cimento MATERIAL OPÇÕES Veja abaixo os tipos de parede sem função estrutural (paredes de vedação) > ALVENARIA DE BLOCOS E TIJOLOS DE SOLO- CIMENTO > ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO > ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Produtos Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix são telas soldadas produzidas com fio de 1,65 mm de diâmetro e

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL

ALVENARIA ESTRUTURAL Alvenaria Ministério Estruturalda Educação 18:04 Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br Versão 2013

Leia mais

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II E ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II MÉTODO EXECUTIVO Cuidados no Recebimento Formas de Instalação

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

CASAS TERREAS EM PAREDES DE ALVANARIA EM BLOCOS DE GESSO

CASAS TERREAS EM PAREDES DE ALVANARIA EM BLOCOS DE GESSO CASAS TERREAS EM PAREDES DE ALVANARIA EM BLOCOS DE GESSO MANUAL CONSTRUTIVO Recomendações Técnicas 1/6 1.CARACTERIZAÇÃO E RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS O sistema construtivo utilizado para construção de casas

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO VANTAGENS E DESVANTAGENS DO CONCRETO ARMADO: Apenas

Leia mais

QUE DEFINEM E LIMITAM VERTICALMENTE O EDIFÍCIO E SEUS AMBIENTES INTERNOS QUE CONTROLAM A PASSAGEM DE AGENTES ATUANTES.

QUE DEFINEM E LIMITAM VERTICALMENTE O EDIFÍCIO E SEUS AMBIENTES INTERNOS QUE CONTROLAM A PASSAGEM DE AGENTES ATUANTES. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 2 VEDAÇÕES VERTICAIS: CONCEITOS BÁSICOS ALVENARIAS: CARACTERÍSTICAS E PROJETO Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix : marca registrada da Belgo Bekaert Arames BelgoFix são telas soldadas

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS MANUAL DE MONTAGEM ÍNDICE 1. Tuper lajes mistas nervuradas... 03 2. Especificações... 04 3. Escoramento... 05 4. Armadura de distribuição... 07 5. Nervuras

Leia mais

TIPO ESP. LOCAL APLIC. 6mm Coberta da Cloaca

TIPO ESP. LOCAL APLIC. 6mm Coberta da Cloaca FABRICANTE Eternit TIPO ESP. LOCAL APLIC. Ondulada 6mm Coberta da Cloaca COR - As telhas serão de fibrocimento 6mm, Eternit ou equivalente técnico de procedência conhecida e idônea, textura homogênea,

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

EDIFICAÇÕES. Técnicas construtivas ALVENARIAS

EDIFICAÇÕES. Técnicas construtivas ALVENARIAS Professora Carolina Barros EDIFICAÇÕES Técnicas construtivas ALVENARIAS INTRODUÇÃO Alvenaria é o sistema construtivo de paredes e muros, executadas com pedras naturais, tijolos ou blocos unidos entre si

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais LA-J ARTEFATOS DE CIMENTO LUCAS LTDA Av. Cônsul Assaf Trad 6977 Em frente ao Shopping Bosque dos Ipês / Campo Grande MS 0800 647 1121 www.lajlucas.com.br

Leia mais

TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES

TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES NOTAS DE AULAS TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES ALVENARIA DIVERSAS COLATINA-ES 2010 Tecnologia das Construções Prof. Dorival Rosa Brito 1 ALVENARIAS DIVERSAS 1.INTRODUÇÃO Alvenaria

Leia mais

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: REFORMA, ADEQUAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA CRECHE CRIANÇA FELIZ LOCAL: BALNEÁRIO ICARAÍ DE IGUAPE 1. Descrição As adequações e ampliações da Creche Criança feliz visam melhorar o atendimento

Leia mais

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Execução e Manutenção de MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Norma de Execução e Manutenção NBR 15953 com peças de concreto - Execução NBR 15953 Escopo Se aplica à pavimentação intertravada com peças de concreto

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. A CONTRATADA deverá fornecer ART de execução dos serviços e diários de obra.

MEMORIAL DESCRITIVO. A CONTRATADA deverá fornecer ART de execução dos serviços e diários de obra. Página 1 de 10 MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Reforma na Unidade de Polícia Militar de Guarujá do Sul (SC) PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Guarujá do Sul (SC) LOCAL: Rua Presidente Vargas, n 739, Guarujá

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 1.1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas 01520.8.1.1 m² 7,50 1.2 Ligação provisória de água para a obra

Leia mais

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Conheça a PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Mais de 80 anos de experiência O imigrante italiano Giovanni Pauluzzi e seus filhos Theo e Ferrucio construíram a primeira unidade da empresa em 1928, especializada

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

Manual de Construção em Aço. Alvenarias

Manual de Construção em Aço. Alvenarias Manual de Construção em Aço Alvenarias BIBLIOGRAFIA TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO EM AÇO ALVENARIAS Sobre o autor Otávio Luiz do Nascimento Graduado em Engenharia Civil pela Faculdade de

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

Revestimento de fachadas: aspectos executivos

Revestimento de fachadas: aspectos executivos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Setembro, 2009 Revestimento de fachadas: aspectos executivos Eng.º Antônio Freitas da Silva Filho Engenheiro Civil pela UFBA Julho de 1982; Engenheiro da Concreta Tecnologia

Leia mais

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Banheiros Públicos Rincão do Segredo Local: Rua Carlos Massman - Rincão do Segredo Alm. Tam. do Sul-RS Proprietário: Município de Almirante Tamandaré do Sul / RS 1. O presente

Leia mais

TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES

TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES NOTAS DE AULAS TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES ALVENARIA COLATINA-ES 2010 1. ALVENARIA Tecnologia das Construções profª Alessandra Savazzini Reis e profª Georgia Serafim 1 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO

METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO Segurança Antes do início de qualquer serviço, verificar a existência e condições dos equipamentos de segurança

Leia mais

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Sapatas Arame Recozido Trançadinho Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo Bekaert Malhas Top Telas Soldadas

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

GINÁSIO ESPORTIVO DA COMUNIDADE RIO BONITO ALTO - PONTÃO - RS

GINÁSIO ESPORTIVO DA COMUNIDADE RIO BONITO ALTO - PONTÃO - RS MEMORIAL DESCRITIVO Obra: GINÁSIO ESPORTIVO DA COMUNIDADE RIO BONITO ALTO - PONTÃO - RS Área: 488,50 m² Local: Comunidade de Rio Bonito Alto Bairro: Rio Bonito Alto Cidade: Pontão - RS Proprietário: Comunidade

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO II EGC0015

MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO II EGC0015 MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO II EGC0015 Alvenaria Estrutural 2013 Profº Newton Chwartzmann newtonc@ufrgs.br 1 SUMÁRIO Introdução Alvenaria Estrutural no Brasil Potencial da Alvenaria estrutural Princípios

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

Líder em Tecnologia. www.ceramicacity.com.br SAC (15) 3246 8030

Líder em Tecnologia. www.ceramicacity.com.br SAC (15) 3246 8030 Líder em Tecnologia Líder em Tecnologia Vedação Racional As maiores construtoras buscam a qualidade e desempenho dos s City para ganhar em produtividade e reduzir desperdícios Vedação Racional O bloco

Leia mais

Os principais pontos de cada projeto, a serem observados são:

Os principais pontos de cada projeto, a serem observados são: Comunidade da Construção Campinas Programa de Melhorias : Alvenaria de vedação GT Projetos e GT Interação Alvenaria-Estrutura Manual de Projetos de Alvenaria de Vedação Este relatório é a conclusão dos

Leia mais

Sistema de Paredes Trevo Drywall

Sistema de Paredes Trevo Drywall Nome da Empresa DADOS DO FABRICANTE Trevo Industrial de Acartonados S/A. Endereço Av.Josias Inojosa de Oliveira 5000 - Distrito Industrial do Cariri Juazeiro do Norte - CE - CEP 63045-010 Tel/Fax (88)

Leia mais

Concreto Convencional

Concreto Convencional TIPOS DE CONCRETO Concreto Convencional Pode-se dizer que o Concreto Convencional é aquele sem qualquer característica especial e que é utilizado no dia a dia da construção civil. Seu abatimento (Slump)

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 1. DESCRIÇÃO DA OBRA As presentes especificações, bem como

Leia mais

Bloco de vidro sem função estrutural

Bloco de vidro sem função estrutural MATERIAL OPÇÕES Veja abaixo os tipos de parede sem função estrutural (paredes de vedação) DE VIDRO DE CONCRETO CERÂMICOS > PAREDES DE CHAPAS DE GESSO ACARTONADO (DRYWALL) SÍLICO-CALCÁRIOS DE CONCRETO CELULAR

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Concreto Recomendações Gerais Av. Verbo Divino Nº 331 Bairro: Chácara Da Cotia Contagem - MG Tel.: 3394-6104 Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural? Alvenaria estrutural é

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza Elaine Valentim CONSTRUTORA DACAZA CENÁRIO - 2005 Mais de 20 anos no mercado; Focada na qualidade

Leia mais

Bloco de concreto celular autoclavado sem função estrutural

Bloco de concreto celular autoclavado sem função estrutural MATERIAL OPÇÕES Veja abaixo os tipos de parede sem função estrutural (paredes de vedação) DE CONCRETO CELULAR AUTOCLAVADOS DE CONCRETO CERÂMICOS > PAREDES DE CHAPAS DE GESSO ACARTONADO (DRYWALL) SÍLICO-CALCÁRIOS

Leia mais

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto ESTRUTURAS Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAREDES DE TIJOLO Assentamento dos tijolos: Quanto a colocação (ou dimensão das paredes) dos tijolos, podemos classificar as paredes em: cutelo, de meio tijolo,

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura MASSA LISA Massa extra-lisa para revestimento de paredes e tetos. Substitui a massa corrida e o gesso, reduzindo o uso de lixas. Sem desperdício e de rápida aplicação; Reduz o uso de lixas; Aplicação sobre

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje.

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. MANUAL DE COLOCAÇÃO Laje Treliça Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. Henrique. [Endereço de email] 1 VANTAGENS LAJE TRELIÇA É capaz de vencer

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO PASSO A PASSO

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO PASSO A PASSO ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO PASSO A PASSO ALVENARIA ESTRUTURAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA 2 SEGURANÇA COLETIVA 3 SEGURANÇA COLETIVA ANDAIME COM GUARDA

Leia mais

FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes)

FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes) FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes) 1- Qual tipo de aço da vigota e qual a sua norma? São produzidas com aço estrutura ZAR 345, com revestimento Z275, no qual segue as prescritivas

Leia mais

Saiba mais sobre. Murfor

Saiba mais sobre. Murfor Saiba mais sobre Murfor O que é Murfor? Murfor é uma treliça plana galvanizada formada por dois fios de aço longitudinais (Ø 4,0 mm) paralelos e separados entre si por um fio (Ø 3,75 mm) em forma de sinusóide,

Leia mais

O que é EPS? Classe F-L: 11,0 Kg/m 3 Material retardante à chama classe F Condutividade Térmica: λ do EPS: 0,028 kcal/h.m².ºc

O que é EPS? Classe F-L: 11,0 Kg/m 3 Material retardante à chama classe F Condutividade Térmica: λ do EPS: 0,028 kcal/h.m².ºc LAJES COM E.P.S. O que é EPS? O EPS (Poliestireno Expandido) é comumente chamado de Isopor. É um produto derivado do petróleo. A matéria-prima, poliestireno, sofre uma expansão de 20 a 50 vezes, resultando

Leia mais