Quimioterapia antineoplásica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quimioterapia antineoplásica"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Ensino Superior Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação Programa de Educação Tutorial Grupo PET Farmácia Quimioterapia antineoplásica Gisele Ribeiro da Assunção Frois Marcella Moraes Kojarski

2 Sumário Tratamentos do câncer Antineoplásicos Agentes Alquilantes Produtos Naturais Antimetabólicos Agentes Diversos Classificação quanto a reações locais

3 Tratamento do câncer Radioterapia Cirurgia Transplante de medula óssea Anemia Aplástica Grave Mielodisplasias Leucemia Mielóide Aguda Leucemia Mielóide Crônica Leucemia Linfóide Aguda Quimioterapia

4 1. Radioterapia Uso de radiações para destruir um tumor ou impedir que suas células aumentem; Associação com outros recursos; Melhoria da qualidade de vida; Diferentes números de aplicações.

5 1. Radioterapia cont. Programação do tratamento utilização de simulador ; Localização do tumor: Teleterapia ou Radioterapia Externa (aparelhos afastados do paciente); Braquiterapia ou Radioterapia de Contato (aparelhos em contato com o organismo do paciente). Figura 1: Radioterapia

6 1. Radioterapia cont. Efeitos da radioterapia Cansaço; Perda de apetite e dificuldade para ingerir alimentos: é recomendável comer pouco e em mais vezes; Reação da pele: coceira, vermelhidão, irritação e queimaduras.

7 2. Cirurgia Ferramentas importante no tratamento do câncer; Retirada do tumor/ da cadeia de gânglios linfáticos próxima ao tumor. Figura 2: Tumor de garganta

8 2. Cirurgia cont. Finalidades: curativa detecção precoce do tumor; paliativa alívio dos sintomas; estadiamento localização ou presença em outros órgãos (metástases).

9 3. Transplante de Medula Óssea (TMO) Tratamento de várias doenças da medula óssea (leucemias e linfomas e alguns tipos de câncer); MO substituída por outra sadia, após quimioterapia e/ou radioterapia. Figura 3: TMO

10 3. Transplante de Medula Óssea (TMO) - cont. TMO pode ser: Autólogo (células do próprio paciente); Alogênico (células de doador aparentado ou não aparentado (banco de MO ou cordão umbilical); Haploidêntico (quando só 50% do HLA é compatível).

11 4. Quimioterapia Agentes químicos para o tratamento de câncer; Ação sobre células de crescimento acelerado (cancerígenas; folículos capilares; epitélio intestinal; células do sistema imunológico); Agente quimeoterápico ideal = inofensivo as células sadias.

12 4. Quimioterapia cont. Uso de diferentes medicamentos; Sangue distribuição pelo corpo destruição de células cancerosas; Quimioterapia com ou sem radioterapia/ cirurgia. Figura 4: Quimioterapia

13 4. Quimioterapia cont. Fontes principais: Substâncias químicas sintéticas; Produtos produzidos por microorganismos; Plantas. Atualmente: efetividade toxicidade Cuidados com a administração.

14 4. Quimioterapia cont. Duração: depende do caso; Paciente deve sentir apenas a picada da agulha na pele. Reações devem ser avisadas ao médico; Finalidade: Curativa (eliminação da doença); Controle (diminuição das células neoplásicas).

15 4. Quimioterapia cont. Protocolos de Quimioterapia Propostas de tratamento que combinam diferentes medicamentos/ doses/ administrações programadas; Resultados semelhantes quando aplicados em diferentes centros de tratamento; Recuperação do organismo do paciente também é estimada (período sem tratamento antes do início de cada novo ciclo).

16 4. Quimioterapia cont. Retornar ao hospital imediatamente em caso de: febre por mais de duas horas, 38 C; manchas ou placas avermelhadas no corpo; sensação de dor ou ardência ao urinar; dor em qualquer parte do corpo inexistente antes do tratamento; sangramentos que demoram a estancar; falta de ar ou dificuldade de respirar; diarréia por mais de dois dias.

17 4. Quimioterapia cont. Alterações/ Situações que devem ser observadas: Sono; Menstrução; Tratamento dentário; Uso de outros medicamentos; Relações sexuais; Bebidas Alcoólicas.

18 4. Quimioterapia cont. Reações Adversas mais comuns: Cansaço; Enjôo; Diarréia; Perda/ Aumento de peso; Vômitos; Feridas na boca; Perda de cabelo e outros pelos; Infecções; Figura 5: Efeitos Colaterais Alterações Laboratoriais: leucopenia, anemia, plaquetopenia.

19 Antineoplásicos 4.1 Classificação quanto a reações locais Quimioterápicos vesicantes; Quimioterápicos irritantes; Quimioterápicos não vesicantes/ irritantes.

20 Antineoplásicos 4.2 Vias de administração Via Oral; Via Tópica; Via Intravenosa; Via Intramuscular; Via Intracraneal (pela espinha dorsal); Via Subcutânea.

21 Antineoplásicos 4.3 Classificação quanto a reações locais Divisão celular CCS CCNS Figura 6: Ciclo celular

22 Antineoplásicos Agentes Alquilantes Síntese DNA e divisão celular; Toxicidade Medula óssea, neurotoxicidade, imunosupressão. Figura 7: Ligações cruzadas Figura 8: Ciclo Celular

23 Antineoplásicos Agentes Alquilantes cont. Mostardas nitrogenadas Pioneira; Intravenosa Mecloretamina (Mustargen ); Clorambucil (Leukeran ); Ciclofosfamida (Cytoxan ); Isofosfamida ; Melfalam (Alkeran ). Figura 9: Ligação interfilamentar

24 Antineoplásicos Agentes Alquilantes cont. Nitrosureias Carmustina (BCNU); Lomustina (CCNU); Semustina (metil-ccnu); Lipossolúvel Figura 10: Ligação interfilamentar

25 Antineoplásicos Agentes Alquilantes cont. Triazeno Dacarbazina (DTIC); Temozolomida; Alquisulfonatos Bussulfano; LMC Transplante de medula óssea Etileneiminas e metilmelaminas Altretamina; Tiotepa.

26 Antineoplásicos Antimetabólicos Bloqueio bioquímico ->fase S; Análogo das purina Fosfato de fludarabina; Cladribina; Pentostatina. Figura 11: Purina Figura 12: Mercaptopurina

27 Antineoplásicos Antimetabólicos cont. Análogo da pirimidina Figura 13: Pirimidina Figura 14: Fluoracil

28 Antineoplásicos Antimetabólicos cont. Análogos do ácido fólico Figura 15: Ácido fólico Figura 16: Metotrexato

29 Antineoplásicos Produtos naturais Agentes Antimitoticos Vinca -> Vimblastina e Vincristina Leucemia, linfomas e câncer testicular; Figura 17: Microtúbulos Figura 18: Metáfase Neurotoxicidade; Taxanos -> Paclitaxel e Docetaxel Câncer de ovário, mama, pulmão.

30 Antineoplásicos Produtos naturais cont. Análogos da Camptotecina Irinotecan Topotecan Cânceres colorretal, do ovário e pulmão Figura 19: Ação das captotecina

31 Antineoplásicos Produtos naturais cont. Antibióticos Daunorrubicina, Idarrubicina lesões agudas; Doxorrubicina, Epirrubicina tumores sólidos; Mitoxantrona Câncer de próstata Miocardiopatia; Intercalam-se DNA.

32 Antineoplásicos Produtos naturais cont. Epipodofilotoxinas Etoposídeo e Teniposídeo; Leucemia pediátrica, carcinoma, tumores testiculares. Enzimas L-Asparaginase Linfomas de alto grau.

33 4.3.5 Agentes diversos Uréia substituída; Agentes de diferenciação; Inibidores da proteína; Tirosinoquinase; Inibidores do preteassomo.

34 Referências UFTM. Administração de Quimioterapicos Antineoplásicos. Disponível em:<http://www.uftm.edu.br/upload/hc/seenf/ trabalhos/avihe pdf>. Acesso em:7/10/2010. UFSC. Quimioterapia: moléculas que salvam vidas. Disponível em:<http://www.qmc.ufsc.br/qmcweb/artigos/quimioterapia.html>. Acesso em:7/10/2010. ALMEIDA, V. L. et al. Câncer e agentes antineoplásicos ciclocelular específicos e ciclo-celular não específicos que interagem com o DNA: uma introdução. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s >. Acesso em: 7/10/2010. BRANDÃO, H. N. Química e farmacologia de quimioterápicos antineoplásicos derivados de plantas. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s &script=sci_arttext>. Acesso em: 11/10/2010. Oncologia. Disponível em: <http://www.einstein.br/hospital/ oncologia/tratamentos/paginas/quimioterapia.aspx>. Acesso em: 15/10/10.

35 Referências Instituto Nacional do Cancêr. Disponível em:<http://www. inca.gov.br/conteudo_view.asp?id=483>. Acesso em:7/10/2010. Protocolo de Administração de Quimioterápicos. Disponível em:< 57.pdf>. Acesso em: 7/10/2010.

36 Referências - figuras Figura1: Radioterapia. Disponível em: <http://1.bp.blogspot.com/ Lkyq7xvHKzA/TD0o8Tzw50I/AAAAAAAAABo/Qqol0vzHLiQ/s1600/radiot erapia-guia_clip_image007.jpg>. Acesso em: 17/10/10. Figura 2: Tumor de garganta. Disponível em: <http://www.google. com.br/imgres?imgurl=http://3.bp.blogspot.com/_qw1kjwmuiec/shz M5yH918I/AAAAAAAADg0/WTSWbNfehyk/s400/Celulas%2Bcancerosas %2Bdo%2Bpulm%C3%A3o.bmp&imgrefurl=http://dicascuriosidadese mais.blogspot.com/2009_05_01_archive.html&usg= ehpe6w6gri8rty 5Z5BX4jVcfINA=&h=305&w=400&sz=42&hl=ptbr&start=2&zoom=0&um=1&itbs=1&tbnid=8Lg_EK6VVXM1TM:&tb nh=95&tbnw=124&prev=/images%3fq%3dcelulas%2bcancerosas%26 um%3d1%26hl%3dpt-br%26sa%3dn%6tbs%3disch:1>. Acesso em: 15/10/10. Figura 3: TMO. Disponível em: <http://www.infoescola.com/ medicina/transplante-de-medula/>. Acesso em: 17/10/10. Figura 4: Quimioterapia. Disponível em: <http://www.qmc.ufsc.br/ qmcweb/artigos/quimioterapia.html>. Acesso em: 17/10/10.

37 Referências - figuras Figura 5: Efeitos Colaterais. Disponível em: <http://pra-vidatoda. blogspot.com/2010/03/testemunhos-de-utilizadores-de-produtos. html>. Acesso em: 15/10/10. Figura 6: Ciclo celular. Disponível em: <http://www.scielo.br/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=s >. Acesso em: 14/10/10. Figura 7: Ligações cruzadas. Disponível em: <http://www. scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s >. Acesso em: 16/10/10. Figura 8: Ciclo Celular. Disponível em: <http://www.infoescola.com/ medicina/transplante-de-medula/>. Acesso em: 13/10/10. Figura 9: Ligação interfilamentar. Disponível em: <http://www. scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s >. Acesso em: 13/10/10. Figura 10: Ligação interfilamentar. Disponível em: <http://www. scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s >. Acesso em: 13/10/10.

38 Referências - figuras Figura 11: Purina. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=s >. Acesso em: 13/10/10. Figura 12: Mercaptopurina. Disponível em: <http://www.scielo.br/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=s >. Acesso em: 13/10/10. Figura 13: Pirimidina. Disponível em: <http://www.scielo.br/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=s >. Acesso em: 13/10/10. Figura 14: Fluoracil. Disponível em: <http://www.scielo.br/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=s >. Acesso em: 13/10/10. Figura 15: Ácido fólico. Disponível em: <http://www.scielo.br/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=s >. Acesso em: 13/10/10. Figura 16: Metotrexato. Disponível em: <http://www.scielo.br/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=s >. Acesso em: 13/10/10.

39 Referências - figuras Figura 17: Microtúbulos. Disponível em: <http://www.portalsao francisco.com.br/alfa/citologia/citoesqueleto.php>. Acesso em: 13/10/10. Figura 18: Metáfase. Disponível em: <http://www.colegioweb.com.br/biologia/metafase.html>. Acesso em: 13/10/10. Figura 19: Ação das captotecina. Disponível em: <http://www. scielo.br/scielo.php?pid=s &script=sci_arttext>. Acesso em: 13/10/10.

Alquilantes Diretrizes para Quimioterapia e Modificações das Dosagens Farm. William Rotea Junior Mostardas nitrogenadas Nitrosuréias Triazenos Etileniminas Alquilsulfonados Divisão Celular Mostardas Quimioterápicos

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia)

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia) 1 SILVA, M.B..; FONSECA, C.A.; RODRIGUES, A.J.L.; Terapia medicamentosa do câncer. In III SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E I JORNADA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UEG. 2005, Anápolis. Anápolis: UEG,

Leia mais

Oncologia. Aula 4: Farmacologia dos antineoplásicos. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 4: Farmacologia dos antineoplásicos. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 4: Farmacologia dos antineoplásicos Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Alquilantes Produtos Diversos Antimicóticos Classificação Atividade Funcional Antimetabólico Antibióticos Antitumorais

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias NEOPLASIAS Prof. Dr. Fernando Ananias Neoplasia = princípio básico CLASSIFICAÇÃO DOS TUMORES Comportamento Benigno versus Maligno Crescimento lento rápido Semelhança com O tecido de origem (Diferenciação)

Leia mais

Introdução ao Tratamento Oncológico

Introdução ao Tratamento Oncológico Introdução ao Tratamento Oncológico Diogo Rodrigues Médico oncologista da COI - Clínicas Oncológicas Integradas Gerente Médico do Instituto COI de Pesquisa, Educação e Gestão TÓPICOS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC Documentário Despertar Para a Vida Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC RESUMO A leucemia atinge grande parte da população mundial. Em 2008

Leia mais

QUIMIOTERÁPICOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DO CARCINOMA DE MAMA: REVISÃO DE LITERATURA

QUIMIOTERÁPICOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DO CARCINOMA DE MAMA: REVISÃO DE LITERATURA QUIMIOTERÁPICOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DO CARCINOMA DE MAMA: REVISÃO DE LITERATURA OLIVEIRA, Alisson Felipe de 1 ; GARCES, Solange Beatriz Billig 2 ; HANSEN, Dinara 3 ; COSER, Janaína 3 ; LEITEMBERGER,

Leia mais

GUIA DO PACIENTE DE QUIMIOTERAPIA

GUIA DO PACIENTE DE QUIMIOTERAPIA GUIA DO PACIENTE DE QUIMIOTERAPIA Você está iniciando o seu tratamento e acompanhamento conosco. Com o objetivo de esclarecer algumas dúvidas, elaboramos este guia com as informações sobre a rotina de

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

ASERCIT dacarbazina. Cada frasco-ampola de ASERCIT(dacarbazina) 200 mg contém: dacarbazina... 200 mg excipientes* q.s.p...

ASERCIT dacarbazina. Cada frasco-ampola de ASERCIT(dacarbazina) 200 mg contém: dacarbazina... 200 mg excipientes* q.s.p... Pó liófilo injetável FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: 100 mg. Embalagem com 1 frasco-ampola. 00 mg. Embalagem com 1 frasco-ampola. USO INTRAVENOSO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO:

Leia mais

Para que Serve? Tratamento

Para que Serve? Tratamento Quimioterapia O que é? É um tratamento que utiliza medicamentos quimioterápicos para eliminar células doentes. Cada agente quimioterápico tem diferentes tipos de ação sobre as células e, consequentemente,

Leia mais

Palavras Chave: Antibióticos, Antineoplásicos, Interações medicamentosas.

Palavras Chave: Antibióticos, Antineoplásicos, Interações medicamentosas. 6CCSDCFOUT02 ANTIBIÓTICOS ANTITUMORAIS: UM ESTUDO DAS INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS DOS PRODUTOS PADRONIZADOS NO HOSPITAL NAPOLEÃO LAUREANO Hariad Ribeiro (2) ; Roseane Wanderley (3) Centro de Ciências da

Leia mais

FAULDACAR (dacarbazina)

FAULDACAR (dacarbazina) FAULDACAR (dacarbazina) Libbs Farmacêutica Ltda. Pó liófilo injetável 200 mg FAULDACAR dacarbazina APRESENTAÇÃO Pó liófilo injetável com 200 mg de dacarbazina. Embalagem contendo 1 frasco-ampola. USO INTRAVENOSO

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

EMENTA: Utilização - Indicação - Fornecimento do Medicamento Temozolamida CONSULTA

EMENTA: Utilização - Indicação - Fornecimento do Medicamento Temozolamida CONSULTA PARECER Nº 2392/2012 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 41/2012 PROTOCOLO N. º 21582/2012 ASSUNTO: FORNECIMENTO DO MEDICAMENTO TEMOZOLAMIDA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Utilização - Indicação

Leia mais

O que é Câncer? Estágio de Iniciação

O que é Câncer? Estágio de Iniciação O que é Câncer? O câncer é definido como um tumor maligno, mas não é uma doença única e sim um conjunto de mais de 200 patologias, caracterizado pelo crescimento descontrolado de células anormais (malignas)

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 Leucemia Mielóide Crônica Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos

Leia mais

Orientações aos pacientes. Quimioterapia

Orientações aos pacientes. Quimioterapia Orientações aos pacientes Quimioterapia O corpo humano O corpo humano é formado por tecidos e os tecidos são formados de células. A células são as menores unidades que constituem o nosso corpo; elas crescem

Leia mais

Leukeran comprimidos Modelo de texto de bula LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO

Leukeran comprimidos Modelo de texto de bula LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Leukeran clorambucila APRESENTAÇÃO Leukeran comprimido revestido de 2 mg é apresentado em embalagem com 25 comprimidos

Leia mais

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre ÍNDICE 1. O que é Leucemia Mieloide Crônica (LMC)?... pág 4 2. Quais são os sinais e sintomas?... pág 4 3. Como a LMC evolui?... pág 5 4. Quais são os tratamentos disponíveis para a LMC?... pág 5 5. Como

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

doença Sem especificação de fase da doença Sem especificação de fase da doença Estágios avançados Linfomas Mama Micose Fungóide

doença Sem especificação de fase da doença Sem especificação de fase da doença Estágios avançados Linfomas Mama Micose Fungóide SUBSTÂNCIA LOCALIZAÇÃO INDICAÇÃO Acetato de Abiraterona Anastrozol Bicalutamida Bussulfano Metastático resistente à castração em homens que receberam quimioterapia prévia com docetaxel Adjuvante na pós-menopausa

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN Gânglio Linfático O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É O LINFOMA DE HODGKIN? O linfoma de Hodgkin é um cancro do sistema linfático, que surge quando as células linfáticas se alteram

Leia mais

9) QUIMIOTERAPIA DO CÂNCER

9) QUIMIOTERAPIA DO CÂNCER 9) QUIMIOTERAPIA DO CÂNCER O câncer é uma doença caracterizada pela multiplicação e propagação descontroladas no corpo de formas anormais das próprias células corporais. Existem três abordagens principais

Leia mais

A Química na medicina: Quimioterapia no tratamento do câncer

A Química na medicina: Quimioterapia no tratamento do câncer PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNICAMP A Química na medicina: Quimioterapia no tratamento do câncer Letícia Araújo de Oliveira, bolsista PIBID, IQ-UNICAMP Professores responsáveis:

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SANGUE

ALTERAÇÕES NO SANGUE ALTERAÇÕES NO Alterações no sangue são mais frequentes em crianças com síndrome de Down do que no resto da população. Existem algumas diferenças nas contagens das células sanguíneas e também uma maior

Leia mais

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Tema: Mielodisplasia: Novidades no tratamento Total de pessoas que participaram: 34 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

Entendendo a Terapia Medicamentosa e Lidando com os Efeitos Colaterais

Entendendo a Terapia Medicamentosa e Lidando com os Efeitos Colaterais Entendendo a Terapia Medicamentosa e Lidando com os Efeitos Colaterais Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br Introdução Índice

Leia mais

Transplante de Células Tronco Hematopoéticas

Transplante de Células Tronco Hematopoéticas 20 Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Hospital Mãe de Deus Transplante de Células Tronco Hematopoéticas Enfermeira Fabiane Marek Especialista em Enfermagem Oncológica Unidade de Ambiente Protegido

Leia mais

Imunossupressores e Agentes Biológicos

Imunossupressores e Agentes Biológicos Imunossupressores e Agentes Biológicos Histórico Início da década de 1960 Transplantes Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Doenças autoimunes Neoplasias Imunossupressores Redução

Leia mais

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Tema: Novas perspectivas no tratamento das Leucemias Agudas Total atingido de pessoas na sala: 25 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração:

Leia mais

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO Elaine Jacob da Silva Carmo 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3, 4. 1 Curso de Ciências Biológicas, Unidade Universitária de Ciências

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

ANEXO II DIRETRIZES DE UTILIZAÇÃO PARA COBERTURA DE PROCEDIMENTOS NA SAÚDE SUPLEMENTAR

ANEXO II DIRETRIZES DE UTILIZAÇÃO PARA COBERTURA DE PROCEDIMENTOS NA SAÚDE SUPLEMENTAR ANEXO II DIRETRIZES DE UTILIZAÇÃO PARA COBERTURA DE PROCEDIMENTOS NA SAÚDE SUPLEMENTAR 1 MEDICAMENTOS PARA O CONTROLE DE EFEITOS ADVERSOS E ADJUVANTES RELACIONADOS A TRATAMENTOS 1. TERAPIA PARA ANEMIA

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA Dr. Roberto Augusto Plaza Teixeira - 2004 Centro de Hematologia de São Paulo HISTÓRICO - 1846 - Virchow ( Alemanha) 1870 - Neumann 1905 - Naegel 1919 - Hirschfeld Definição

Leia mais

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO Data: 08/12/2012 Nota Técnica 2012 Juízo da 4ª Vara de Fazenda Pública Municipal Juiz Renato Dresh Numeração Única: 3415341-21.201 Impetrante Marlene Andrade Montes Medicamento Material Procedimento Cobertura

Leia mais

O que você deve saber sobre Leucemia Mielóide Aguda

O que você deve saber sobre Leucemia Mielóide Aguda O que você deve saber sobre Leucemia Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma

Leia mais

Myleran GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Comprimidos Revestidos 2mg

Myleran GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Comprimidos Revestidos 2mg Myleran GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Comprimidos Revestidos 2mg LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Myleran bussulfano APRESENTAÇÃO Myleran é apresentado

Leia mais

CÂNCER E AGENTES ANTINEOPLÁSICOS CICLO-CELULAR ESPECÍFICOS E CICLO-CELULAR NÃO ESPECÍFICOS QUE INTERAGEM COM O DNA: UMA INTRODUÇÃO

CÂNCER E AGENTES ANTINEOPLÁSICOS CICLO-CELULAR ESPECÍFICOS E CICLO-CELULAR NÃO ESPECÍFICOS QUE INTERAGEM COM O DNA: UMA INTRODUÇÃO Quim. Nova, Vol. 28, No. 1, 118-129, 2005 Divulgação CÂNCER E AGENTES ANTINEOPLÁSICOS CICLO-CELULAR ESPECÍFICOS E CICLO-CELULAR NÃO ESPECÍFICOS QUE INTERAGEM COM O DNA: UMA INTRODUÇÃO Vera Lúcia de Almeida,

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

Leucemia Mielóide Aguda. Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.

Leucemia Mielóide Aguda. Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org. Leucemia Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br Introdução Índice Este manual faz parte de uma série de publicações desenvolvida

Leia mais

Cancro Tratamento. Cancro Tratamento. Cancro Tratamento. Cancro Tratamento. Cancro Tratamento. Cancro. Invasão. História natural do cancro

Cancro Tratamento. Cancro Tratamento. Cancro Tratamento. Cancro Tratamento. Cancro Tratamento. Cancro. Invasão. História natural do cancro Cancro História natural do cancro Equilíbrio entre proto-oncogénios/genes supressores Proliferação descontrolada e indefinida de células Clones de células transformadas Subclonos Variabilidade genética

Leia mais

Guia do paciente em tratamento Quimioterápico

Guia do paciente em tratamento Quimioterápico 1- Introdução Guia do paciente em tratamento Quimioterápico Este manual foi elaborado para ajudar os pacientes, seus familiares e amigos a entenderem o que é a quimioterapia, como funciona e seus principais

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO Intervenções no extravasamento de quimioterápicos vesicantes: revisão integrativa da literatura Mariana Ribeiro Brunherotti Ribeirão Preto

Leia mais

A RADIOTERAPIA NA CURA DE CÂNCERES

A RADIOTERAPIA NA CURA DE CÂNCERES A RADIOTERAPIA NA CURA DE CÂNCERES INTRODUÇÃO Elder Alves Moreira dos Santos UNESC* Julho César Soares da Silva UNESC** Karinn de Araújo Soares UNESC*** Ronald Gerard Silva - UNESC **** A radioterapia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: ONCOLOGISTA PEDIÁTRICO C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão

Leia mais

Manual de orientação aos pacientes

Manual de orientação aos pacientes Manual de orientação aos pacientes Você está iniciando o seu tratamento e acompanhamento conosco. Com o objetivo de esclarecer algumas dúvidas, elaboramos este guia com as informações sobre a rotina de

Leia mais

Princípios de Oncologia Clínica. Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861

Princípios de Oncologia Clínica. Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861 Princípios de Oncologia Clínica Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861 Histórico 1900 Termo Quimioterapia Dr. Paul Ehrlich (1854-1915) Anos 40 Segunda Guerra Mundial Ilha de Bali 1943

Leia mais

Legifol CS folinato de cálcio. APRESENTAÇÕES Legifol CS solução injetável de 10 mg/ml em embalagens contendo 10 ampolas de 5 ml (50 mg).

Legifol CS folinato de cálcio. APRESENTAÇÕES Legifol CS solução injetável de 10 mg/ml em embalagens contendo 10 ampolas de 5 ml (50 mg). Legifol CS folinato de cálcio I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Legifol CS Nome genérico: folinato de cálcio APRESENTAÇÕES Legifol CS solução injetável de 10 mg/ml em embalagens contendo

Leia mais

EFEITOS COLATERAIS NA RADIOTERAPIA

EFEITOS COLATERAIS NA RADIOTERAPIA EFEITOS COLATERAIS NA RADIOTERAPIA ANA PAULA DOS SANTOS OLIVEIRA Discente do Curso de Radiologia das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS MARCELO HENRIQUE VENTURELLI Discente do Curso de Radiologia

Leia mais

TOXICIDADE DE ANTINEOPLÁSICOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

TOXICIDADE DE ANTINEOPLÁSICOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA TOXICIDADE DE ANTINEOPLÁSICOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Autores SOUZA, Wagner Amaral de NEGRÃO, Arthur José Moraes FILHO, Cláudio Garcia FERREIRA, Vitor Hugo LINO, Ricardo Stanger FREITAS, Rogério Ernandes

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL

QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL Graziele Francine Franco Mancarz 1 Bianca Manfroi da Silva 2 Delizie Albuquerque Freitas 3 Grasiele Mayara Bim 4

Leia mais

BULA PARA PACIENTE PARAPLATIN (carboplatina) 50 mg ou 150 mg ou 450 mg solução injetável

BULA PARA PACIENTE PARAPLATIN (carboplatina) 50 mg ou 150 mg ou 450 mg solução injetável BULA PARA PACIENTE PARAPLATIN (carboplatina) 50 mg ou 150 mg ou 450 mg solução injetável BRISTOL-MYERS SQUIBB PARAPLATIN carboplatina Uso intravenoso somente APRESENTAÇÃO PARAPLATIN 50 mg, 150 mg e 450

Leia mais

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe NOTA TÉCNICA 19 2013 Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe Incorporado no SUS para tratamento de câncer de mama HER2 positivo, em fase inicial ou localmente avançado. CONASS, julho de 2013 1 Considerações

Leia mais

Manual Educativo de PaciEntEs E FaMiliarEs

Manual Educativo de PaciEntEs E FaMiliarEs Manual Educativo de Pacientes e Familiares 1 ÍNDICE MANUAL EDUCATIVO DE PACIENTES E FAMILIARES O MANUAL... 04 1. O QUE É CÂNCER?... 05 2. SINAIS DE ALERTA PARA O CÂNCER... 10 3. RECOMENDAÇÕES PARA EVITAR

Leia mais

Orientações aos pacientes sobre radioterapia

Orientações aos pacientes sobre radioterapia Orientações aos pacientes sobre radioterapia SUMÁRIO Prezado paciente....................... 03 O que é radioterapia?..................... 04 Quais os benefícios da Radioterapia?.............. 04 Como

Leia mais

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais

6- Qual é a causa do câncer? genes DNA), moléculas de RNA cromossomos ribossomos Genes: Moléculas de RNA: Ribossomos:

6- Qual é a causa do câncer? genes DNA), moléculas de RNA cromossomos ribossomos Genes: Moléculas de RNA: Ribossomos: 6- Qual é a causa do câncer? Na realidade não há apenas uma causa, mas várias causas que induzem o aparecimento do câncer. Primeiramente é importante saber que todo o câncer tem origem genética por abranger

Leia mais

INTRODUÇÃO. Cancro é o crescimento desordenado de células, que invadem tecidos e órgãos.

INTRODUÇÃO. Cancro é o crescimento desordenado de células, que invadem tecidos e órgãos. CANCRO INTRODUÇÃO Cancro é o crescimento desordenado de células, que invadem tecidos e órgãos. Dividindo-se rapidamente, estas células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis. O QUE É CANCRO Cancro

Leia mais

Quimioterapia. Orientações aos pacientes

Quimioterapia. Orientações aos pacientes Quimioterapia Orientações aos pacientes 2010 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1.000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Tratamento Quimioterápico em Pacientes Oncológicos Chemotherapy Treatment in Cancer Patients

Tratamento Quimioterápico em Pacientes Oncológicos Chemotherapy Treatment in Cancer Patients ARTIGO / Article Tratamento Quimioterápico em Pacientes Oncológicos Chemotherapy Treatment in Cancer Patients Marília Martins Schulze * Resumo O trabalho visa conhecer os efeitos colaterais e psicológicos

Leia mais

MabThera. rituximab. O que é o MabThera? Para que é utilizado o MabThera? Resumo do EPAR destinado ao público

MabThera. rituximab. O que é o MabThera? Para que é utilizado o MabThera? Resumo do EPAR destinado ao público EMA/614203/2010 EMEA/H/C/000165 Resumo do EPAR destinado ao público rituximab Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR) relativo ao. O seu objetivo é explicar o modo como o Comité

Leia mais

Quimioterapia. Orientações aos pacientes. 3ª Edição

Quimioterapia. Orientações aos pacientes. 3ª Edição Quimioterapia Orientações aos pacientes 3ª Edição 2010 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva / Ministério da Saúde É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada

Leia mais

PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA)

PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA) PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA) 29/08/2013 14:00-15:30 h PEDIATRIA (SALA SÃO PAULO) - DISCUSSÃO DE CASOS TCTH em Tumores Sólidos Moderador: Cláudio Galvão de Castro

Leia mais

ERBITUX (cetuximabe) 5 MG/ML SOL INJ. Merck S/A

ERBITUX (cetuximabe) 5 MG/ML SOL INJ. Merck S/A ERBITUX (cetuximabe) 5 MG/ML SOL INJ Merck S/A Erbitux 5 mg/ml cetuximabe 5 mg/ml APRESENTAÇÕES Solução injetável para infusão endovenosa - Frasco com 20 ml Solução injetável para infusão endovenosa -

Leia mais

Agentes alquilantes: reações adversas e complicações hematológicas

Agentes alquilantes: reações adversas e complicações hematológicas Agentes alquilantes: reações adversas e complicações hematológicas Alkylating agents: adverse effects and hematological complications Damiana Maria Ferdinandi 1 Adriano Araújo Ferreira 2 Apesar de na atualidade

Leia mais

Boas-vindas e Introdução

Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias John P. Leonard, médico Reitor Associado de Pesquisa Clínica

Leia mais

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Myograf filgrastim

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Myograf filgrastim MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Myograf filgrastim IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES Solução injetável Myograf 300 mcg/ml: Embalagens contendo 5 frascos-ampola com 1 ml USO SUBCUTÂNEO / INFUSÃO

Leia mais

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA. Data: 05/03/2014 NOTA TÉCNICA /2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA. Data: 05/03/2014 NOTA TÉCNICA /2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA /2014 Data: 05/03/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Marly Gonçalves Pinto - PJPI 3998-2 - Oficial de Apoio Judicial B - Escrivã Judicial da Comarca de Cláudio/MG

Leia mais

Assistência. Assistência no INCA

Assistência. Assistência no INCA Assistência A qualidade do tratamento oferecido aos pacientes pelo Sistema Único de Saúde é de alta prioridade entre as ações desenvolvidas para o controle do câncer no Brasil. Por tratar-se de uma doença

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE ADAPTAÇÃO DE MÉDICOS DA AERONÁUTICA (CAMAR 2013) LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

COMANDO DA AERONÁUTICA EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE ADAPTAÇÃO DE MÉDICOS DA AERONÁUTICA (CAMAR 2013) LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. COMANDO DA AERONÁUTICA VERSÃO B EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE ADAPTAÇÃO DE MÉDICOS DA AERONÁUTICA (CAMAR 2013) ESPECIALIDADE: CANCEROLOGIA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Este caderno contém

Leia mais

ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NOS CUIDADOS AO PACIENTE ONCOLÓGICO EM USO QUIMIOTERAPIA: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NOS CUIDADOS AO PACIENTE ONCOLÓGICO EM USO QUIMIOTERAPIA: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NOS CUIDADOS AO PACIENTE ONCOLÓGICO EM USO QUIMIOTERAPIA: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO Ana Paula Perdiz 1 RESUMO O paciente com câncer traz várias apreensões pelo enfrentamento da doença.

Leia mais

Grupo Técnico - Medicamentos Adjuvantes e para Tratamento de Efeitos Colaterais e Efeitos Adversos 09/05/2014

Grupo Técnico - Medicamentos Adjuvantes e para Tratamento de Efeitos Colaterais e Efeitos Adversos 09/05/2014 Grupo Técnico - Medicamentos Adjuvantes e para Tratamento de Efeitos Colaterais e Efeitos Adversos 09/05/2014 COSAÚDE 4ª. Reunião Pauta da 4ª. Reunião: 1. Informes 2. LeituradaAtada3ª.reunião 3. Contribuições

Leia mais

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

INFORMAÇÕES AO PACIENTE FAULDVINCRI sulfato de vincristina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÃO Solução injetável com 1 mg de sulfato de vincristina. Embalagem contendo 5 frascos-ampola com

Leia mais

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal O QUE É? O NEUROBLASTOMA Coluna Vertebral Glândula supra-renal O NEUROBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O NEUROBLASTOMA? O neuroblastoma é um tumor sólido maligno, o mais frequente em Pediatria

Leia mais

O QUE É? O TUMOR DE WILMS

O QUE É? O TUMOR DE WILMS O QUE É? O TUMOR DE WILMS Rim O TUMOR DE WILMS O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O TUMOR DE WILMS? O tumor de Wilms é o tipo de tumor renal mais frequente na criança. Desenvolve-se quando células imaturas

Leia mais

2 - Biodisponibilidade. Biodisponibilidade Velocidade e extensão de absorção de um fármaco a partir de uma forma de administração

2 - Biodisponibilidade. Biodisponibilidade Velocidade e extensão de absorção de um fármaco a partir de uma forma de administração 2 - Biodisponibilidade TOXICOCINÉTICA Biodisponibilidade Velocidade e extensão de absorção de um fármaco a partir de uma forma de administração Fator de Biodisponibilidade (F) Fração da dose administrada

Leia mais

Vinatin. Meizler UCB Biopharma S.A. Solução Injetável 1 mg/ml

Vinatin. Meizler UCB Biopharma S.A. Solução Injetável 1 mg/ml Vinatin Meizler UCB Biopharma S.A. Solução Injetável 1 mg/ml VINATIN sulfato de vimblastina Solução Injetável FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Vinatin é uma solução injetável de 1 mg/ml. Apresenta se

Leia mais

Pode ser utilizada isolada ou associada no tratamento adjuvante e paliativo de câncer gastrointestinal, onde pode ser associada ao ácido fólico.

Pode ser utilizada isolada ou associada no tratamento adjuvante e paliativo de câncer gastrointestinal, onde pode ser associada ao ácido fólico. Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 4 H 3 FN 2 O 2 Peso molecular: 130,1 DCB/ DCI: 04174 - fluoruracila CAS: 51-21-8 INCI: Não aplicável Sinonímia: Fluorouracil, 5-Fluorouracil, 5-Fluoropyrimidine-2,4(1H,3H)-dione.

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO MANUSEIO DE DROGAS CITOTÓXICAS

SEGURANÇA NO TRABALHO MANUSEIO DE DROGAS CITOTÓXICAS ESTADO DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS EM SAÚDE GERÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO E PROJETOS ESPECIAIS CURSO

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO

CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO FRITZ, E. R.¹; GARCIA, M. C. ² ; FILIPINI, S. M. 3 1,2,3, Universidade do Vale do

Leia mais

16-06-2016 1/2 Info Saude

16-06-2016 1/2 Info Saude 16-06-2016 1/2 Info Saude Doença de Hodgkin A doença de Hodgkin (linfoma de Hodgkin) é um tipo de linfoma que se caracteriza por possuir um tipo particular de célula cancerosa, chamada célula de Reed-Sternberg,

Leia mais

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 ASPECTOS MÉDICOS M DA DOAÇÃO DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ INTRODUÇÃO ; TRANSPLANTE

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Amethopterin; 4-Amino-4-deoxy-10-methylpteroyl-L-glutamic Acid; -Methopterin;t; Méthotrexate; Methotrexatum; MTX.

IDENTIFICAÇÃO. Amethopterin; 4-Amino-4-deoxy-10-methylpteroyl-L-glutamic Acid; -Methopterin;t; Méthotrexate; Methotrexatum; MTX. IDENTIFICAÇÃO Nome Metotrexato Fórmula Molecular C20H22N8O5 Peso molecular 454,44 DCB / DCI 05884 - metotrexato CAS 59-05-2 INCI Não aplicável Denominação Não aplicável botânica Sinonímia Amethopterin;

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

Evorubicin. Evolabis Produtos Farmacêuticos Ltda. Pó Liofilizado Injetável 10 e 50mg

Evorubicin. Evolabis Produtos Farmacêuticos Ltda. Pó Liofilizado Injetável 10 e 50mg Evorubicin Evolabis Produtos Farmacêuticos Ltda. Pó Liofilizado Injetável 10 e 50mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Evorubicin cloridrato de doxorrubicina Evorubicin cloridrato de doxorrubicina APRESENTAÇÕES:

Leia mais

PLANO DE CURSO. Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Pré-requisito:

PLANO DE CURSO. Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Pré-requisito: CURSO DE ENFERMAGEM R e c o n h e c i d o p e l a P o r t a r i a n º 2 7 0 d e 1 3 / 1 2 / 1 2 D O U N º 2 4 2 d e 1 7 / 1 2 / 1 2 S e ç ã o 1. P á g. 2 0 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA

Leia mais