Faculdade São Paulo. Leucemia Sociedade em risco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Faculdade São Paulo. Leucemia Sociedade em risco"

Transcrição

1 Faculdade São Paulo Leucemia Sociedade em risco Rolim de Moura 2014

2 CLEICIQUELI DO CARMO SANTOS JEILE TEIXAEIRA RIBEIRO JEINNY TEIXEIRA Leucemia- sociedade em riscos Trabalho de curso apresentado a faculdade São Paulo, com requisito para avaliação da disciplina de metodologia cientifica no curso de farmácia sobre a orientação da professora Tânia Paes.

3 RESUMO A leucemia é um câncer de sangue que afeta principalmente crianças e adolescentes, mas também pode afetar jovens e adultos. O acumulo de células na medula óssea prejudica a produção de glóbulos vermelhos causando anemia, dos glóbulos brancos causando infecções e o das plaquetas causando hemorragias, essa doença progride rapidamente por isso deve ser tratada rapidamente. Embora uma leucemia seja desenvolvida por células corporais, se a pessoa estiver abalada, emocionalmente em depressão ou algo pior, é comum que a doença se desenvolva tão rápido, que os médicos nem tem o tempo de avaliar um melhor tratamento, e as mesmas vem a óbito. Nos últimos anos os números de casos de leucemia ainda sem saber o porquê vêm havendo um crescimento absurdo e com isso aumento o numero de mortes, o maior objetivo é que a população tomem devidos cuidados, sempre fazer exames que possa diagnosticar a doença, a fim de reduzir o numero de mortes. PALAVRA CHAVE: leucemia. Diagnósticos. Tratamento. ABSTRACT Leukemia is a blood cancer that affects mostly children and teenagers, but can also affect young people and adults. The accumulation of cells in the bone marrow impairs the production of red blood

4 cells causing anemia, white blood cells causing infections and platelets causing bleeding, the disease progresses rapidly so it must be treated quickly. Although leukemia is developed by body cells, if the person is upset, emotionally depressed or worse, it is common for the disease to develop so fast, that doctors do not have time to assess better treatment, and the same is the death. In recent years the numbers of cases of leukemia even without knowing why there are an absurd growth and thereby increase the number of deaths, the ultimate goal is that people take care of it, always do tests that can diagnose disease in order to reduce the number of deaths. KEY WORD : leukemia. Diagnoses. Treatment.

5 Leucemia- sociedade em riscos Cleiciqueli do Carmo santos. 1 Jenny Teixeira. 2 Jeile Teixeira Ribeiro. 3 1 INTRODUÇÃO A Leucemia é o câncer das células brancas do sangue, os leucócitos. Ela começa na medula óssea (parte interna dos grandes ossos) e se espalha por todo o corpo humano, prejudicando ou impedindo a produção dos glóbulos vermelhos, das plaquetas e dos glóbulos brancos. Os leucócitos possuem vários subtipos, e por isso há variação em cada caso da leucemia, esse tipo de câncer atinge mais a área infantil, mais há uma grande chance de atingir jovens, adultos e idosos, independente das diferenças, a Leucemia se desenvolve rapidamente tornando-se cada vez mais grave independente do subtipo que seja. A leucemia não-linfocítica aguda apresenta tipos diferenciado, leucemia mieloblástica sem maturação, Leucemia mieloblástica, Leucemia promielócitica, Leucemia mielomonocítica, Leucemia monocítica, Eritroleucemia, Leucemia megacarioblática. Essa doença apresenta sintomas, sendo assim mais fácil de preveni-la e identifica-la, seu tratamento pode ser tanto por meio de quimioterapia, radioterapia ou por transplante de medula ósseas, no dia 19 de Dezembro de 2012 foi recebido pelo ministro da saúde, Alexandre Padilha o primeiro lote de remédios nacional, Mesilato de imatinibe medicamento indicado pra o tratamento de leucemia crônica, os medicamentos feitos vai ser o suficiente para suprir a necessidades de todos os pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) que é aproximadamente de oito mil pessoas, esse medicamento foi desenvolvido em um englobamento de laboratórios públicos instituto de tecnologias em fármacos na instituição Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a instituição Vital Brasil da secretaria de saúde do Rio de Janeiro. A preocupação de todos, está sendo de cada vez mais alertar a população. Sobre uma doença que sem saber exatamente o porquê que esta se alastrando de uma forma absurda a cada dia que passa, e com isso vem também o crescimento de mortes no país. Alguns pesquisadores acreditam que o diagnóstico de leucemia possa passar de pessoas por ano no Brasil, e com esses dados à população possa se preocupa mais e comece a fazer exames e se prevenir da doença precoce e assim também diminuindo o número de mortes.

6 1.1-O QUE É LEUCEMIA Desde a antiguidade, referencias foram encontradas em papiros egípcios (1.200 a.c.) e na Grécia antiga (500 a.c.) sobre o câncer, enfermidade cujas causas, naquela época, estavam relacionadas à magia ou castigo de Deus. Hipócrates ( a.c.) descreveu o câncer pela primeira vez como um mal grave com prognóstico ruim. Naquele período da medicina empírica, a doença estava relacionada às influencia do meio ambiente, acreditando-se que a mente também poderia atingir o corpo. A palavra câncer vem do latim que significa caranguejo, cuja analogia deve-se as veias intumescidas envolvendo o tumor como patas de caranguejo. O câncer pode ser causo por fatores externos (substancias químicas, irradiação, e vírus) e internos (hormônios, condições imunológicas e mutações genéticas). A leucemia é uma doença maligna que ocorre nos glóbulos brancos (Leucócitos) e na maioria das vezes de origem desconhecida, essa doença começa na medula óssea, se espalhando mais tarde por outras partes do corpo, a medula óssea é o local de formação das células sanguíneas ocupando a cavidade dos ossos e conhecida popularmente por tutano. Nelas são encontradas as células mães ou percussoras que da origem aos elementos do sangue: glóbulos brancos, glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos) e plaquetas. A leucemia prejudica ou impede a produção dos glóbulos vermelhos, causando anemia, nos glóbulos brancos causando infecções e o das plaquetas causando hemorragia e depois de instalada a doença desenvolve rapidamente pelo corpo. A característica comum a todas as leucemias é uma proliferação desregulada, na medula óssea, de uma célula hematopoiética. A célula leucêmica cresce mais que os elementos normais e os substitui em todas as áreas da medula hematopoiética; consequentemente, a medula aspira de qualquer local vai revelar infiltrado leucêmico. A célula leucêmica também prolifera em locais extra medulares de antiga hematopoiese fetal, isto é, o fígado e o baço e, nas leucemias linfocíticas, nos linfonodos. Além disso, as células leucêmicas podem invadir e proliferar dentro de órgãos e tecidos não hematopoiéticos, como sistema nervoso central, testículos, trato gastrointestinal e a pele. As leucemias são classificadas pelo tipo celular. Com maior frequência, a células é da série de células brancas, mas às vezes é da linhagem megacariocítica e raramente da linhagem eritróide (eritroleucemia).geralmente, a leucemia envolve apenas uma única série celular, mas estudos de marcadores de superfície com anticorpos monoclonais nos ensinaram que as células de origem leucêmica não precisam seguir sempre um programa único de diferenciação celular. As assim chamadas leucemia de fenótipo misto são atualmente reconhecidas, em que um subclone de células tem marcadores de superfície caraterísticos das células mielóides inicias e outros subclone de células tem marcadores de superfície característicos de forma linfocíticas inicias. Em raras circunstancias, foram encontradas células leucêmicas com está tentando se diferenciar em mais de uma linhagem. 1.2-SUBTIPOS DA LEUCEMIA

7 Há vários subtipos de leucócitos e por isso há diferença nos tipo de leucemia, normalmente se dividem nos dois principais tipos de células brancas as leucemias linfociticas ou leucemias mileoides, e podem apresentada de duas formas crônicas ou agudas nesse caso depende muito da forma de como a leucemia é desenvolvida. Na leucemia aguda em que o infiltrado medular consiste predominantemente de blasto ou de células com evidencias de diferenciação inicial apenas como a leucemia promielocítica aguda, por exemplo, as células não podem fazer o trabalho das células sanguíneas normais. Nesse caso o numero de células leucêmicas cresce rapidamente e a doença agrava-se num curto intervalo de tempo. Já nas leucemias crônicas onde o infiltrado medular consiste em uma maior proporção de células diferenciadas, no inicio da doença, as células leucêmicas conseguem fazer o trabalho dos glóbulos brancos normais. Geralmente se descobre a leucemia crônica em exames normais de sangue, lentamente a leucemia crônica se agrava a medida que as células leucêmicas aumenta aprecem inchaços nos linfonodos (ínguas) ou infecções. Na leucemia aguda não tratada, o número de leucócitos no sangue periféricos pode ser alto se muitas células imaturas escapam para o sangue periférico ou baixo se a proliferação leucemia deprime a produção normal de leucócitos e apenas umas poucas células imaturas escapam para o sangue periférico. Na leucemia crônica não tratada, ao contrario, o numero de leucócitos no sangue periférico é alto, quase que sem exceção, porque os leucócitos maduros têm menor coesão e podem entrar rapidamente no sangue periférico. Os nomes leucemia aguda e crônica eram mais adequados no passado,quando os pacientes cujas células leucêmicas fosse primariamente indiferenciadas geralmente morriam dentro de poucas semanas depois do diagnóstico, enquanto que pacientes cujas as células leucêmicas fosse diferenciadas, poderiam viver muitos anos. Hoje, alguns pacientes com leucemia aguda conseguem remissões completas que duram muitos meses a anos, e muitas crianças com leucemia linfocítica aguda podem ser curadas. Leucemia linfoide crônica afeta as células linfoides e se desenvolve vagarosamente. A maioria das pessoas diagnosticadas com esse tipo de doença tem mais de 55 anos, raramente afeta criança. Leucemia mieloide crônica afeta as células mieloides e se desenvolve vagarosamente no começo acontece principalmente em adultos. Leucemia linfoide aguda afeta as células linfoides e agrava-se rapidamente. É o tipo mais comum em crianças pequenas, mas também ocorrem em adultos. É um câncer de maior ocorrência em crianças, particularmente entre 3 e 5 ano. Leucemia mieloide aguda afeta as células mieloides e avança rapidamente. Ocorre tanto em adulto como em crianças. Nas leucemias não-linfocíticas agudas uma células de origem hematológica mutante dá origem a uma população monoclonal de células mielóides cujas capacidades de se diferenciar além das formas inicias está muito prejudicada. Além disso, as células possuem uma vantagem proliferativa e, portanto, os blastos e outras formas iniciais substituem cada vez mais os elementos hematopoiéticos normais da medula.

8 A leucemia não-linfocítica aguda apresenta tipos diferenciado, leucemia mieloblástica sem maturação, Leucemia mieloblástica, Leucemia promielócitica, Leucemia mielomonocítica, Leucemia monocítica, Eritroleucemia, Leucemia megacarioblática A manifestação da leucemia não-linfocítica apresenta, fadiga, fraqueza segundarias a anemia, sangramento, febre e toxicidade sistêmica a partir de uma infecção. A leucemia mieloblástica, com ou sem maturação, e com ou sem um componente monocítico, constituem aproximadamente 75% de todas as leucemias agudas nãolinfocíticas. O paciente pode parecer bem nutrido e não precisa aparentar doença grave. A menos que esteja infectado, não apresenta febre. A linfadenopatia é rara; às vezes se palpa uma ponta de baço. Com anemia severa, hemorragias e exsudatos podem ser vistos ao fundo dos olhos. Às vezes, a pressão no esterno ou outros ossos provoca dor. Em muitos pacientes, o único achado anormal é palidez, petequeias e pequenas equimoses ocasionais. Os aspectos cinto genéticos e morfológicos da leucemia promielocítica já foram descritos. O aspecto clínico importante é uma tendência muito severa ao sangramento. Além da trombocitopenia encontrada em todos os tipos de leucemia aguda, o paciene com leucemia promielocítica tem deficiências de fatores de coagulação: hipofibrinogenemia e níveis baixos de fatores V e VIII. Isto se deve, provavelmente, à coagulação intravascular difusa deflagrada ela liberação de substancia com atividade de fator tissular pelos promielocítos leucêmicos. O achado recente de níveis plasmáticos mais baixos de antiplasmina, o inibidor primário da plasmina, do que de antitrombina III, o inibidor primário da trombina, neste pacientes sugere que a atividade fibrinolítica excessiva também contribui significativamente para o desenvolvimento de deficiências de fatores de coagulação. A leucemia monocítica difere clinicamente da leucemia mieloblástica em que: as gengivas podem ser hipertrofiar e com frequência se notam úlceras orais, infiltrados cutâneos são comuns, o baço frequentemente é palpável, ulcerações anorretais ocorrem com frequência, o sistema nervoso central é acometido frequentemente. O número de leucócitos periféricos geralmente é alto, com grandes números de monoblástos e monócitos imaturos no esfregaço de sangue periférico. Os monoblastos e outros elementos monocíticos virtualmente substituem os outros elementos da medula óssea. Os níveis de lisozima sérica (também chamada de muramidase) estão elevados, e grades quandida de lisozimas são excretadas na urina. Isto pode lesar os túmulos renais, com resultante perda excessiva de potássio ela urina e hipocalemia. A leucemia megacarioblática (leucemia megacariocítica aguda, mielofibrose aguda) antes considerada rara, a atualmente é reconhecida como constituindo até 5% a 10% das leucemias agudas não-linfocíticas. O aumento de diagnósticos se deve ao uso novas técnicas para identificação de megacarioblastos, demostrando, por exemplo, que os blastos:reagem com anticorpos contra antígenos de superfície de plaquetas ou com o fator de von Willebrand (que é produzido em células megacariocíticas e endoteliais). Contém peroxidase plaquetárias em uma distribuição característica à microscopia eletrônica. Pacientes com leucemia megacarioblática podem ser apresenta com febre, que não pode ser atribuível á infecção, e com fenômenos hemorrágicos. O baço pode ser ou não palpável. O paciente habitualmente é anêmico e leucopênico, com poucos blastos circulantes. O número de plaquetas pode ser baixo, normal ou elevado, e frequentemente se notam plaquetas gigantes e displásicas no esfregaço do sangue. Alguns pacientes apresentam números elevados de leucócitos e muitos blastos circulantes, que variam em tamanhos e outras características morfológicas. Alguns blastos

9 pode ter um citoplasma profundamente basofílico e exibir botões ou vacúolos citoplasmático. Coloração cita químicas são negativas para mieloperoxidase e cloro acetato esterase, mas fracamente positivas para fluoreto que pode ser inibido pela alfa-naftil acetato esterase. Poucos pacientes também podem ter um tempo de pro trombina prolongada associada a uma redução do nível plasmático de fator V. A leucemia mielogênica crônica (LMC) é uma afecção clonal resultante de uma transformação maligna de uma célula de origem hematopoiética pluripotente. Uma anormalidade cromossômica especifica, o cromossomo Ph 1, e a G6PD monoclonal foram demostrados em linhagens de células granulocíticas (neutrofílica, eosinofílica, basofílica), em monócitos, precursores eritróides, megacariócitas e também em linfócitos B. As anormalidades, raramente, apenas foram demostrado em linfócitos T do sangue do sangue periférico, provavelmente porque os percursores destas células de vida longa deixaram a medula óssea muito tempo antes que ela fosse tomada pela célula de origem pluripotente transformada da LMC. A leucemia mielomonocitica crônica é uma doença de inicio insidioso de pessoas mais velhas. Em alguns pacientes, é descoberta durante exames para uma doença não relacionada. Outros pacientes procuram assistência médica por causa de equimoses ou sintomas se anemia. A leucemia linfocítica abrange as leucemia linfoblásticas agudas e as leucemias de linfócitos diferenciados. Com uma rara exceção, as primeiras são proliferação malignas de células que estão em estágios iniciais de processamento em células B ou T. as ultimas são proliferadas malignas de células com propriedades de células T ou B diferenciadas em estado quiescente ou ativadas. As leucemias linfoblástica agudas são geralmente doença da infância, enquanto que as leucemias de linfócitos diferenciados raramente se tornam evidentes antes da metade da vida adulta, ou mais tarde. A leucemia linfocítica aguda é a neoplasia mais comum da infância. Nos Estados Unidos, ela ocorre com frequência em crianças brancas do que em negras. A incidência máxima é entre 3 e 5 anos de idade, mas não é infrequente encontrar a doença em lactantes abaixo de 1 ano e em crianças mais velhas e adolescentes. Nessa afecção, um linfócito imaturo cresce em excesso na medula óssea, esta célula pertence á ontogenia de células B, em aproximadamente 85% das crianças e á ontogenia de células T em aproximadamente 15% das crianças. Em aproximadamente 1% das crianças, a célula tem as propriedades fenotípicas da célula transformada semelhante a blasto, que se desenvolve depois que as células B diferenciadas são incubadas com um agente ativador In vitro. Surgem problemas de diagnósticos quando o paciente se apresenta com pancitopenia, o tipo de leucemia linfocítica ou a não-linfocítica é difícil de determinar a partir da aparência morfológica das células. Para fazer um diagnostico completo de leucemia linfoblástica aguda é necessário determinar seu subtipo. A leucemia linfoblástica de células T é mais agressiva, e necessita de tratamento mais intensivo, do que a forma comum de leucemia linfoblásica de células B. No processo de tratamento da leucemia linfoblástica aguda infantil é utilizado apenas duas drogas, a vincristina e a prednisona, vai introduzir remissão em quase todas as crianças. A medula então vai se apresentar normal, mais muitas células leucêmicas ainda permanecem. E nesse processo os agentes quimioterapêuticos não conseguem atravessar a barreira hematoliquórica. E nesse caso se a terapêutica profilática do SNC (sistema nervoso central) não for administrada, 75% das crianças vão apresentar recaídas dentro de 2 anos apesar dos exames constatarem um resultado negativo. Aproximadamente 10% da leucemia linfoblásticas agudas ocorrem em adultos. Os adultos evoluem pior do que em crianças. Pode ser induzida remissão em aproximadamente

10 85% dos adultos, mas necessária à utilização de daunorrubicina em associação com a vincristina e a prednisona. A quimioterapia continua intensiva estão sendo tentados atualmente para reduzir a frequência de recaídas. Na leucemia linfocíticas crônicas os linfócitos pequenos e normais se infiltram na medula óssea e circulam em grande número no sangue periférico. No inico da doença, os infiltrados linfocíticos não são difusos, isto é, são separados por áreas de medula não acometidas mais tarde, um infiltrado difuso, uniforme de linfócitos geralmente preenche toda a medula. Os linfócitos também proliferam dentre outros órgãos principalmente no baço e fígado. Quando o tratamento da leucemia linfocítcas crônicas é iniciada frequentemente é com doses em pulsos de um agente alquilante e prednisona. Um esquema emprega uma única dose de clorambucil de 0,4 a 0,6mg kg mais 5 dias de prednisona, 60mg m 2 de área de superfície corporal, a cada 2 semana. Paciente com anemia ou trombocitopenia severa pode ser tratada durante várias semanas com prednisona isolada, 40 a 60mg dia, antes de ser associado um agente alquilante. A leucemia de células cabeludas é uma afecção maligna crônica que necessita, para o seu diagnóstico, da demonstração de biopsia de medula óssea de uma proliferação linfocíticas. A observação de linfócitos com projeções citoplasmáticas acentuadas, as assim chamadas células cabeludas, em esfregaço de sangue periférico, pode fornecer a primeira indicação para o di agnóstico. Com a coloração cito química, estes linfócitos apresentam uma segunda característica, ou seja, eles são positivos para fosfatase ácida tartratoresidente. Na maioria dos pacientes, a leucemia cabeluda é uma afecção de células B. As células se coram fortemente para imunoglobulina de superfície e tem genes rearranjados para cadeia de imunoglobulina na análise genética molecular. Essas células também reagem com anticorpo monoclonal chamado Tac, que é direcionado contra um determinante receptor IL-2. Foram também descobertos raros pacientes com leucemia de células cabeludas de origem em células T e infecção com uma cepa incomum de vírus da leucemia de células T humana chamada HTLV-II. Não se sabe porque esta afecção com causa aparentemente diferente e diferente linhagem celular tem as mesmas características clínicas que o tipo comum de leucemia de células cabeludas. O tipo de paciente típico é um homem de meia idade, nos exames é comum achar em exames físicos é um aumento no baço. Então se trata o paciente com um dos dois novos agentes, interferon ou desoxicoformicina, que embora ainda em estudo clínico, claramente se mostram efetivos na leucemia de células cabeludas. Depois de um período de incubação que pode durar vários anos, a infecção pelo vírus de linfoma leucemia humana aguda (HTLV-I) pode dar origem a uma afecção linfo proliferativa aguda rapidamente fatal. A doença pode se apresentar como um linfoma ou numa fase leucêmica; se ocorre a primeira hipótese, a fase leucêmica frequentemente se desenvolve durante a evolução. Os linfócitos circulantes variam tanto em tamanho como em grau de irregularidade nuclear. Um tipo de células é característico, uma célula grande com um núcleo poli lobulado. Pode ser encontrado em números variáveis no esfregaço de sangue da maioria dos pacientes. Estudos com marcador imunológicos mostram que a célula T diferenciada, isto é, CD3 positiva, e é do subgrupo CD4. As células CD4 positivas geralmente tem função imunorreguladora auxiliadora, mas as células CD4 positivas de pacientes com esta doença suprimem a síntese de imunoglobulina quando são cultivadas in vitro juntamente com células B. as células caracteristicamente têm um número alto de receptores de superfície de membrana para II-2 e assim reagem fortemente com o anticorpos monoclonal Tac. Em geral o câncer não é hereditário. A criança não herda o câncer, mas componentes genéticos a tomam predisposta à doença. São raros os casos em que a doença é herdada, como o retino blastoma, um tipo de câncer de olhos que afeta crianças.

11 Mesmo os cânceres causados por vírus não são contagiosos, isto é, não passam de uma pessoa para outra, como um resfriado. As leucemias constituem o tipo de câncer mais comum em crianças menores de 15 anos na maioria na maioria das populações, correspondendo a 25% ate 35% de todos os tipos, exceto a Nigéria, onde esse percentual é de 4,5%. No Brasil, o percentual mediano é de 29%. A faixa etária onde ocorre a maior incidência é de 1 a 4 anos, com cerca de 30% dos casos, sendo esse resultado semelhante ao perfil encontrado na literatura para países em desenvolvimento. A maior taxa média de incidência para o sexo masculino foi observada em Manaus de 1999 a 2002 com 76,70 por milhões de crianças e adolescentes. Já para o sexo feminino, a maior taxa média de incidência foi observada em Jaú com uma pesquisa feita de 2002 a 2004, com 67 por milhões de crianças e adolescentes. As menores taxas médias de incidência ocorreram em Palmas( ) tanto para o sexo masculino: 17,30 por milhões de crianças e adolescentes, quanto para o sexo feminino : 6,30 por milhões de crianças e adolescentes. Os sintomas da leucemia estão relacionados á piora em estado geral, porque o câncer que compromete o corpo como um todo. Além disso, pode-se desenvolver sintomas relacionados à diminuição da atividade das células da medula óssea. Nesses sintomas também pode ocorrer perda de apetite, perda de peso não planejado, sensação de gripe que dura muitos dias. A forma de apresentação da leucemia acontece invasão nas medulas ósseas por células anormais, a criança se torna suscetível a infecção fica pálida, tem sangramento, e sente dor óssea. A manifestação da leucemia aguda são segundarias à proliferação excessiva de células imatura de medula óssea, que infiltram os tecidos dos organismos, tais como: amígdalas, linfonodos (ínguas), pele, baço, rins, sistema nervoso central (SNC) e ouros. A fadiga, palpitação e anemia aparecem pela redução da produção dos eritrócitos pela medula óssea. Infecção que podem levar ao óbito é causada pela redução dos leucócitos normais responsáveis pela defesa do organismo. Verificam-se tendências a sangramentos pela devido à diminuição das plaquetas. Outra manifestação clinica são dores nos ossos e nas articulações. Elas são causadas pela infiltração das células leucêmicas nos ossos. Dor de cabeça, náuseas, vômitos, visão dupla, e desorientação são causadas pelo comprometimento do SNC. Sintomas relacionados á diminuição das atividades brancas (leucócitos), responsáveis pelo combate a infecção: febre e calafrio, infecção repetidas, principalmente infecção oportunistas, como candidíase oral, e no estomago (sapinho) ou pneumonia atípica. Os sintomas relacionados á diminuição das plaquetas, responsáveis pelo controle da coagulação: sangramentos hematomas sem um trauma claro ou proporcional, sangramento das gengivas, petéquias pequenas manchas vermelhas na pele. Sintomas relacionados à diminuição da atividade das células vermelhas (hemácias): anemia e fraqueza. 1.3-DIAGNOSTICO As pessoas que suspeitam que possam ter alguma alteração do sangue, principalmente, se suspeitam que possam estar com algum tipo de leucemia, devem procurar um médico. Este fará uma história e um exame físico completo para procurar algum sintoma ou alteração que confirme a suspeita de leucemia. Além disso, um exame de sangue e alguns exames de imagem, como raios-x e tomografia computadorizada, devem ser realizados para

12 completar a avaliação da doença, o diagnóstico diferencial e a extensão do problema. Porém, somente uma biópsia da medula óssea ou uma biópsia de um gânglio é que dará o diagnóstico definitivo. Para alguns casos, poderá ser necessária, também, uma punção do líquor - líquido presente na medula espinhal (diferente da medula óssea). Na análise laboratorial, o hemograma (exame de sangue) estará alterado, porém, o diagnóstico é confirmado no exame da medula óssea (mielograma). Nesse exame, retira-se menos de um mililitro do material esponjoso de dentro do osso e examinam-se as células ali encontradas. Exame físico: o médico observa a pessoa, para verificar se existem alterações, por exemplo, dos gânglios linfáticos, do baço e do fígado. Análises sanguíneas: o laboratório faz a contagem de células do sangue. A leucemia causa uma grande elevação da contagem dos glóbulos brancos, ou diminuição dos mesmos. Também provoca níveis baixos de plaquetas e hemoglobina. Através da análise do sangue, no laboratório, também pode verificar-se se a leucemia afetou o fígado e os rins. Biópsia: o médico remove uma porção de medula óssea, do osso da bacia; a amostra é analisada ao microscópio, por um patologista. Uma biópsia corresponde à remoção do tecido ósseo, para verificação da existência de células cancerígenas. A biópsia é o único método seguro de saber se as células tumorais se encontram na medula óssea. Existem dois processos para obter medula óssea. Algumas pessoas farão os dois procedimentos: Aspiração da medula óssea: o médico usa uma agulha, para remover amostras de medula (interior do osso). Biópsia da medula óssea: o médico usa outro tipo de agulha, para remover um pedaço de osso. A anestesia local ajuda a sentir menor desconforto. Cito genética: no laboratório, são feitas análises aos cromossomas de células colhidas de amostras de sangue periférico, de medula óssea ou de gânglios linfáticos. Punção lombar: o médico remove algum líquido cefalorraquidiano (líquido que preenche o espaço dentro e em redor do cérebro e da espinal medula). O médico usa uma agulha fina, para remover líquido da coluna vertebral. O procedimento é realizado com anestesia local. Depois, a pessoa tem que permanecer deitada, na horizontal, durante algumas horas, para evitar que tenha dores de cabeça. O líquido é analisado, num laboratório, para detecção de possíveis células tumorais ou outros sinais de patologias. Radiografia ao tórax: os raios-x são importantes para avaliar indiretamente os pulmões e o coração. 1.4-TRATAMENTO O médico é a pessoa indicada para descrever as possíveis escolhas terapêuticas. Poderá ainda falar consigo sobre os resultados esperados. Dependendo do tipo e extensão da doença, a pessoa pode fazer quimioterapia, imunoterapia, radioterapia, transplante de medula óssea ou a associação de diferentes tratamentos. Uma pessoa com leucemia aguda precisa de ser tratada imediatamente. O objetivo do tratamento é a remissão do tumor. Depois, quando os sinais e sintomas desaparecerem, podem ser administrados tratamentos adicionais, para prevenir uma recidiva. Este tipo de

13 tratamento é chamado de terapêutica de manutenção. Muitas pessoas com leucemia aguda podem ser curadas. Uma leucemia crónica que não apresente sintomas, pode não necessitar de tratamento imediato. Para algumas pessoas com leucemia linfocítica crónica, o médico pode sugerir a vigilância monitorizada. A equipa médica irá monitorizar a saúde da pessoa, para que o tratamento possa ter início logo que ocorram sintomas, ou se estes piorarem. Quando é necessário tratamento para a leucemia crónica, muitas vezes consegue-se controlar a doença e seus sintomas. No entanto, a leucemia crónica raramente pode ser curada. Os doentes podem fazer terapêutica de manutenção, para ajudar a manter o tumor em remissão. Adicionalmente ao tratamento da leucemia, podem ser administrados medicamentos para controlar a dor e outros sintomas do cancro, bem como para aliviar os possíveis efeitos secundários do tratamento. Estes tratamentos são designados como tratamentos de suporte, para controlo dos sintomas ou cuidados paliativos. A maioria das pessoas com leucemia faz quimioterapia A quimioterapia consiste na utilização de fármacos, para matar as células cancerígenas. Dependendo do tipo de leucemia, pode ser administrado apenas um fármaco, ou uma associação de dois ou mais fármacos. As pessoas com leucemia podem fazer quimioterapia de várias maneiras Administração orais: em comprimidos. Administração endovenosa: através de uma injeção, dada diretamente numa veia: IV ou endovenosa. Através de um cateter (um tubo fino e flexível): colocado numa grande veia, geralmente na zona superior do peito; o cateter que fica colocado é útil para doentes que necessitem de muitos tratamentos IV. O profissional de saúde injeta os fármacos através do cateter. Este método evita a necessidade de muitas injeções, que podem causar desconforto e danificar as veias e a pele da pessoa. Através de uma injeção administrada diretamente no líquido cefalorraquidiano. Se forem detectadas células tumorais neste líquido, o médico pode querer fazer quimioterapia intra-tecal; neste caso, os fármacos são administrados diretamente no líquido cefalorraquidiano. Este método é utilizado porque, muitas vezes, os fármacos administrados por injeção IV ou per os (pela boca), não chegam às células do cérebro nem da espinal medula (uma rede de vasos sanguíneos, filtra o sangue que vai para o cérebro e para a espinal medula; esta barreira impede que os fármacos cheguem ao cérebro). Estes fármacos podem ser administrados de duas formas: Injeção na coluna: o médico injeta os fármacos na parte inferior da coluna vertebral. Reservatório de Ommaya: as crianças, e alguns adultos, recebem a quimioterapia intratecal através de um cateter especial, chamado reservatório de Ommaya. O médico coloca o reservatório sob o couro cabeludo, e injeta os fármacos anticancerígenos no cateter. Este método evita o desconforto das injeções na coluna vertebral. A quimioterapia é, geralmente, administrada por ciclos de tratamento, repetidos de acordo com uma regularidade específica, de situação para situação. O tratamento pode ser feito durante um ou mais dias; existe, depois, um período de descanso, para recuperação, que pode ser de vários dias ou mesmo semanas, antes de fazer a próxima sessão de tratamento.

14 Algumas pessoas com leucemia fazem a quimioterapia em regime de ambulatório (no hospital, no consultório do médico ou em casa), ou seja, não ficam internadas no hospital. No entanto, pode ser necessário ficar no hospital, em regime de internamento, enquanto fazem a quimioterapia. Algumas pessoas com leucemia mielóide crónica, fazem um novo tipo de tratamento, chamado tratamento direcionado. Este tratamento bloqueia a produção de células tumorais, e não atinge as células normais. Em alguns tipos de leucemia, a pessoa faz imunoterapia. Este tipo de tratamento melhora as defesas naturais do organismo contra o cancro. O tratamento é administrado por injeção numa veia. Algumas pessoas com leucemia linfocítica crónica, recebem imunoterapia, utilizando anticorpos monoclonais. Estas substâncias ligam-se às células cancerígenas, permitindo que o sistema imunitário elimine as células tumorais, no sangue e na medula óssea. Por outro lado, alguns doentes com leucemia mielóide crónica recebem imunoterapia com uma substância natural, chamada interferão. Esta substância pode desacelerar o crescimento das células cancerígenas. A radioterapia usa raios de elevada energia, para matar as células cancerígenas. Para a maioria dos doentes, uma máquina dirige a radiação para o baço, cérebro ou para outras partes do corpo, onde se tenham depositado células tumorais. Alguns doentes fazem radiação dirigida a todo o corpo; a radiação total ao corpo é, geralmente, realizada antes de um transplante de medula óssea. A radioterapia é sempre administrada num hospital ou numa clínica. Algumas pessoas com leucemia fazem transplante de células estaminais. Um transplante de células estaminais permite o tratamento com doses mais elevadas de fármacos, de radiação ou de ambos. As doses elevadas destroem tanto as células cancerígenas como os glóbulos sanguíneos normais da medula óssea. Mais tarde, a pessoa recebe células estaminais saudáveis, através de um cateter que é colocado numa grande veia, no pescoço ou na zona do peito. A partir das células estaminais transplantadas, desenvolvem-se novos glóbulos sanguíneos. Existem vários tipos de transplantes de células estaminais: Transplante de medula óssea: as células estaminais provêm da medula óssea. Transplante de células estaminais periféricas: as células estaminais provêm do sangue periférico. Transplante do sangue do cordão umbilical: para uma criança sem dador, o médico pode usar as células estaminais do sangue do cordão umbilical. O sangue do cordão umbilical provém de um bebé recémnascido. Por vezes, o sangue do cordão umbilical é congelado, para poder ser usado mais tarde. As células estaminais podem ser da própria pessoa, ou de um dador: Autotransplante: este tipo de transplante usa células estaminais da própria pessoa. As células estaminais são removidas, e as restantes células podem ser tratadas, para matar quaisquer células cancerígenas presentes. As células estaminais são congeladas e armazenadas. Depois de a pessoa receber doses elevadas de quimioterapia ou radioterapia, as células estaminais armazenadas são descongeladas e "devolvidas" à pessoa. Transplante halogênico: este tipo

15 de transplante usa células estaminais saudáveis de um dador. O dador pode ser um irmão, uma irmã, um dos progenitores ou um dador não familiar, mas compatível. O médico faz análises sanguíneas específicas, para se assegurar que as células do dador são compatíveis com as da pessoa. Transplante singénico: este tipo de transplante usa células estaminais do gémeo (idêntico) saudável. Depois de um transplante de células estaminais, regra geral a pessoa fica internada, no hospital, durante várias semanas. Nestes casos, a equipe médica necessita de proteger a pessoa de qualquer infecção, até que as células estaminais comecem a produzir glóbulos brancos suficientes. Foi recebido hoje (19) pelo ministro da saúde, Alexandre Padilha, o primeiro lote nacional do medicamento Mesilato de Imatinibe, indicado para tratamento de leucemia mieloide crônica (LMC) e estroma gastrointestinal (tumor maligno do intestino). A produção nacional do medicamento, que antes era importado, será suficiente para suprir a necessidade de todos os pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), que é de, aproximadamente, oito mil pessoas hospitalizadas. Fruto de uma Parceria de Desenvolvimento Produtivo (PDP), que engloba os laboratórios públicos Instituto de Tecnologia em Fármacos/Farmanguinhos da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Instituto Vital Brazil da Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro, além de cinco empresas privadas, o medicamento levará a uma economia de R$ 337 milhões, em cinco anos. Com a produção nacional do Mesilato de Imatinibe, o custo de um comprimido será de R$ 17,5 (100 mg) e R$ 70 (400 mg). Atualmente, o preço é de R$ 20,6 (100 mg) e R$ 82,4 (400 mg). Hoje, os pacientes assistidos pelo SUS contam com cerca de 280 procedimentos para o tratamento de diferentes cânceres, incluindo cirurgias, medicamentos e terapias. Vale lembrar que neste ano ainda, o Ministério da Saúde aprovou o protocolo clínico para incorporação do Trastuzumabe, medicamento para combate ao câncer de mama, a partir do mês de janeiro CAUSADORES DA DOENÇA Uma pesquisa foi liberada por uma pesquisadora do Telethon Institute for Child Health Research, na Austrália que crianças cujos pais são fumantes têm riscos aumentados de desenvolver a leucemia do que aqueles cujos os pais não são fumantes. A pesquisa contou com a participação de quase 400 famílias em que as crianças foram diagnosticadas com leucemia linfoblástica aguda. Os pais responderam, então, a um questionário sobre os abito ligado ao tabagismo, em seguida as crianças com a doença foram comparadas com as de outras de 800 famílias que não tinham leucemia. Os resultados mostraram que as crianças eram mais afetadas pelo vício do pai do que da mãe. Filhos de homens que fumavam durante o período de concepção tinham risco 15% maior de desenvolver leucemia. Já aqueles cujos pais fumavam pelo menos 20 cigarros por dia aumentavam a probabilidade para 44%.

16 A radiação também pode causar leucemia mieloide crônica e leucemia lifoide aguda, na síndrome de Down e outras doenças hereditárias pode ter grande chance da pessoa desenvolver a leucemia aguda, o benzeno encontrado na fumaça do cigarro, gasolina e largamente usando em industrias químicas pode desenvolver a leucemia mieloide aguda e crônica e a leucemia linfoide aguda, quimioterapia também algumas classes de droga pode estar desenvolvendo leucemia mieloide aguda e a leucemia linfoide aguda, a síndrome mielodisplásica e outras desordens sanguíneas também pode levar a leucemia mieloide aguda.

17 1.6-CONSIDERAÇÕES FINAIS O artigo apresentou a leucemia sendo uma doença grave sendo necessário um rápido tratamento para amenizar as consequências. Ainda sabe-se muito pouco sobre a leucemia e como reduzir seus riscos principalmente em crianças porem os fatores que apresentam como riscos devem ser evitados, deve-se ficar atento a possíveis sintomas relacionado á leucemia, e esta sempre a procurando um medico experiente sempre que necessário, O tratamento vem sendo de muita importância para o paciente sendo feito avaliações pra o paciente não correr riscos, o tratamento deve ser com equipe multidisciplinar proporcionado ao paciente o tratamento mais adequado para cada caso, visando atingir a cura causando o menor dano possível no paciente.

18 REFERENCIA BIBLIOGRÁFICA LEUCEMIA. Disponível em: Acesso em: LEUCEMIA. Disponível em: Acesso em: LEUCEMIA. Disponível em: Acesso em: LEUCEMIA. Disponível em: Acesso em: LEUCEMIA. Disponível em: Acesso em: LEUCEMIA. Disponível em: Acesso em: LEUCEMIA. Disponível em: Acesso em:

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais

Leucemias. Claudia witzel

Leucemias. Claudia witzel Leucemias Claudia witzel Introduçao MEDULA ÓSSEA fabrica CÉLULAS (células mães imaturas). célula sanguínea pode tornar-se uma célula mielóide ou uma célula linfóide. que se desenvolvem em células sanguíneas

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 Leucemia Mielóide Crônica Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos

Leia mais

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN Gânglio Linfático O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É O LINFOMA DE HODGKIN? O linfoma de Hodgkin é um cancro do sistema linfático, que surge quando as células linfáticas se alteram

Leia mais

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal O QUE É? O NEUROBLASTOMA Coluna Vertebral Glândula supra-renal O NEUROBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O NEUROBLASTOMA? O neuroblastoma é um tumor sólido maligno, o mais frequente em Pediatria

Leia mais

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC Documentário Despertar Para a Vida Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC RESUMO A leucemia atinge grande parte da população mundial. Em 2008

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA A Doença, ou Linfoma de Hodgkin, é uma forma de câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, um conjunto

Leia mais

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia O que é Leucemia? O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos brancos. Para melhor entender esta, ou melhor, estas doenças, é importante

Leia mais

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia HEMATOLOGIA 2010-11 3ºAno Prof. Leonor Correia 10ª Aula Hematologia 2010/2011 Tumores dos tecidos hematopoiético e linfático Classificação OMS 2008: Interesse e objectivos da classificação Neoplasias mieloproliferativas

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica Manual de Leucemia (LLC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Você está lutando contra algum câncer do sangue? Existe ajuda gratuita. A ABRALE -

Leia mais

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Farmácia Programa de Educação Tutorial - PET Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes Sumário Introdução Leucemia

Leia mais

O que é Câncer? Estágio de Iniciação

O que é Câncer? Estágio de Iniciação O que é Câncer? O câncer é definido como um tumor maligno, mas não é uma doença única e sim um conjunto de mais de 200 patologias, caracterizado pelo crescimento descontrolado de células anormais (malignas)

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2010/2011. Módulo V.I. Medicina Laboratorial

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2010/2011. Módulo V.I. Medicina Laboratorial 2010/2011 Módulo V.I. Medicina Laboratorial Tema da Aula: Docente: Dr. Manuel Garrido Data: 08/11/2010 Número da Aula Previsto: 5ª aula Desgravador: Adriana Vasconcelos Oliveira Corrector: Micaela Caixeiro

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014

LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014 LEUCEMIAS AGUDAS Hye 2014 LEUCEMIAS AGUDAS APRESENTAÇÃO LEUCEMIA AGUDA LEUCEMIA CRÔNICA Início Abrupto Insidioso Morte Meses Anos Idade Todas Adultos Leucometria, N ou Elevada Morfologia Blastos Maturas

Leia mais

O que é Leucemia? http://www.abrale.org.br/doencas/leucemia/index.php?area=leucemia

O que é Leucemia? http://www.abrale.org.br/doencas/leucemia/index.php?area=leucemia O que é Leucemia? http://www.abrale.org.br/doencas/leucemia/index.php?area=leucemia O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos brancos.

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre ÍNDICE 1. O que é Leucemia Mieloide Crônica (LMC)?... pág 4 2. Quais são os sinais e sintomas?... pág 4 3. Como a LMC evolui?... pág 5 4. Quais são os tratamentos disponíveis para a LMC?... pág 5 5. Como

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA Dr. Roberto Augusto Plaza Teixeira - 2004 Centro de Hematologia de São Paulo HISTÓRICO - 1846 - Virchow ( Alemanha) 1870 - Neumann 1905 - Naegel 1919 - Hirschfeld Definição

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SANGUE

ALTERAÇÕES NO SANGUE ALTERAÇÕES NO Alterações no sangue são mais frequentes em crianças com síndrome de Down do que no resto da população. Existem algumas diferenças nas contagens das células sanguíneas e também uma maior

Leia mais

. Hematos = sangue + poese = formação.

. Hematos = sangue + poese = formação. Marco Biaggi - 2015 . Hematos = sangue + poese = formação. transporte de nutrientes, gases respiratórios, hormônios e excretas Sangue participa da defesa do organismos, juntamente com a linfa e o sistema

Leia mais

Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib)

Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib) Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib) Este guia destina-se a doentes a quem tenha sido receitado

Leia mais

O QUE É? O TUMOR DE WILMS

O QUE É? O TUMOR DE WILMS O QUE É? O TUMOR DE WILMS Rim O TUMOR DE WILMS O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O TUMOR DE WILMS? O tumor de Wilms é o tipo de tumor renal mais frequente na criança. Desenvolve-se quando células imaturas

Leia mais

Leucemia Mieloide Aguda (LMA) Um guia para pacientes, familiares e amigos

Leucemia Mieloide Aguda (LMA) Um guia para pacientes, familiares e amigos Leucemia Mieloide Aguda (LMA) Um guia para pacientes, familiares e amigos Tradução Voluntária: Gisela Cristina Lopes Revisão: Sílvia R Brandalise e Carmen C M Rodrigues Centro Infantil Boldrini Novembro

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

Leucemia Linfoblástica Aguda

Leucemia Linfoblástica Aguda Leucemia Linfoblástica Aguda Entendendo a Leucemia Linfoblástica Aguda Um guia para pacientes e familiares Tradução Voluntária: Gisela Cristina Lopes Revisão: Sílvia R Brandalise e Carmen C M Rodrigues

Leia mais

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um Um tumor é uma massa anormal em qualquer parte do corpo. Ainda que tecnicamente ele possa ser um foco de infecção (um abcesso) ou de inflamação; o termo habitualmente significa um novo crescimento anormal

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Mieloide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Mieloide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Manual de (LMC) O que você deve saber sobre (LMC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Este manual, destinado a pacientes com leucemia mieloide crônica (LMC) e seus familiares,

Leia mais

Linfomas. O que você deve saber sobre

Linfomas. O que você deve saber sobre Linfomas O que você deve saber sobre Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia Coordenação Executiva Merula A. Steagall Comitê Médico Científico ABRALE Comunicação & Marketing Diólia

Leia mais

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância Câncer de Tireóide Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O câncer de tireóide é um tumor maligno de crescimento localizado dentro da glândula

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Referente às síndromes mielodisplásicas, julgue os itens a seguir. 41 Segundo a classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS), um indivíduo que apresente leucopenia com ausência de blastos no sangue

Leia mais

NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO. Hye, 2014

NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO. Hye, 2014 NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO Hye, 2014 O QUE GERA A SUSPEITA DE MALIGNIDADE HEMATOLÓGICA? Falta de energia; Facilidade de sangramentos; Infecções frequentes; Emagrecimento inexplicável; INVESTIGAÇÃO

Leia mais

Síndrome Mielodisplásica

Síndrome Mielodisplásica Síndrome Mielodisplásica As sídromes mielodisplásicas, apresentam características heteregêneas não ser progressivas, e ter poucas conseqüências na saúde ou expectativa de vida de uma pessoa. Podem progredir

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

Leucemia Mielóide Crônica

Leucemia Mielóide Crônica O que você deve saber sobre Leucemia ABRALE. 100% de esforço, onde houver 1% de chance. Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia Coordenação Executiva Merula A. Steagall Comitê Médico

Leia mais

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos:

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos: Estudo das alterações citogenéticas em pacientes com suspeita clínica de síndrome mieloproliferativa e em pacientes com leucemia mielóide crônica em uso de imatinib. Experiência do laboratório Sérgio Franco

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: DOENÇA

Leia mais

Professora: Ms Flávia

Professora: Ms Flávia Professora: Ms Flávia Sua principal função é: Transporte de nutrientes necessários à alimentação das células; Transporte de gás oxigênio necessário à respiração celular; Remoção de gás carbônico produzido

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Síndrome Mielodisplásica.

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Síndrome Mielodisplásica. MANUAL DO PACIENTE - SÍNDROME MIELODISPLÁSICA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Síndrome Mielodisplásica. Sabemos

Leia mais

Questão 1. a) Cite as duas hipóteses diagnósticas mais prováveis para o caso. b) Descreva, em linhas gerais, a abordagem terapêutica mais adequada.

Questão 1. a) Cite as duas hipóteses diagnósticas mais prováveis para o caso. b) Descreva, em linhas gerais, a abordagem terapêutica mais adequada. Questão 1 Uma paciente de 35 anos é internada com história de cinco dias de cefaleia progressiva, febre e astenia. A avaliação laboratorial mostrou contagem plaquetária de 23.000/mm³, anemia com hemácias

Leia mais

Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br

Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br O que você deve saber sobre Leucemia Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma

Leia mais

O que você deve saber sobre Leucemia Mielóide Aguda

O que você deve saber sobre Leucemia Mielóide Aguda O que você deve saber sobre Leucemia Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma

Leia mais

Rua Sérgio Tomás, 608 Bom Retiro - São Paulo - SP CEP: 01131-010 Tel.: (11) 3361-9900 abrale@abrale.org.br www.abrale.org.br

Rua Sérgio Tomás, 608 Bom Retiro - São Paulo - SP CEP: 01131-010 Tel.: (11) 3361-9900 abrale@abrale.org.br www.abrale.org.br Rua Sérgio Tomás, 608 Bom Retiro - São Paulo - SP CEP: 01131-010 Tel.: (11) 3361-9900 abrale@abrale.org.br www.abrale.org.br 2 Leucemia de Células Pilosas (Tricoleucemia) 3 Introdução Este manual fornece

Leia mais

substância intercelular sólida, dura e resistente.

substância intercelular sólida, dura e resistente. Tecido ósseo É um dos tecidos que formam o esqueleto de nosso corpo, tendo como função principal a sustentação. Além disso: serve de suporte para partes moles; protege órgão vitais; aloja e protege a medula

Leia mais

16-06-2016 1/2 Info Saude

16-06-2016 1/2 Info Saude 16-06-2016 1/2 Info Saude Doença de Hodgkin A doença de Hodgkin (linfoma de Hodgkin) é um tipo de linfoma que se caracteriza por possuir um tipo particular de célula cancerosa, chamada célula de Reed-Sternberg,

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e CASO 01 - Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e muita sudoração. O médico examinou a paciente

Leia mais

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA ANEMIAS SISTEMA HEMATOLÓGICO MEDULA ÓSSEA SANGUE LINFONODOS Volume: 7 a 10 % do peso corporal (cerca de 5 litros)

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

O Sistema Linfático. Gânglios Linfáticos

O Sistema Linfático. Gânglios Linfáticos O Sistema Linfático O sistema linfático faz parte da defesa natural do organismo contra infecções. É composto por inúmeros gânglios linfáticos, conectados entre si pelos vasos (canais) linfáticos. Os gânglios

Leia mais

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura?

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura? Volume1 O que é? O que é Hemofilia? Hemofilia é uma alteração hereditária da coagulação do sangue que causa hemorragias e é provocada por uma deficiência na quantidade ou qualidade dos fatores VIII (oito)

Leia mais

Leucemias Crônicas HEMATOLOGIA II 5/6/2010. Curso de Farmácia Prof. Christian LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS LINFÓIDES MIELÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC

Leucemias Crônicas HEMATOLOGIA II 5/6/2010. Curso de Farmácia Prof. Christian LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS LINFÓIDES MIELÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC HEMATOLOGIA II Curso de Farmácia Prof. Christian Leucemias Crônicas LEUCEMIAS AGUDAS CRÔNICAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LMA LLA LMC LLC M0 A M7 L1, L2, L3 1 LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA (LLC)

Leia mais

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Tema: Mielodisplasia: Novidades no tratamento Total de pessoas que participaram: 34 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30

Leia mais

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva EU VENCI A LEUCEMIA Alexandra Oliveira da Silva Descoberta da doença Ano 2012 Sintomas gripe medo da gripe A Emergência do Mãe de Deus Exames não conclusivos, procurar hematologista Marcada consulta com

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº 442/2005 Despacho DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE EXAME SOROLÓGICO PRÉ-NATAL EM MULHERES GRÁVIDAS PARA DIAGNÓSTICO PRECOCE DE VÍRUS DA AIDS, DAS HEPATITES B E C E DOS

Leia mais

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Tema: Entenda a Síndrome Mielodisplásica (Mielodisplasia) Total atingido de pessoas na sala: 24 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários

Leia mais

INTRODUÇÃO. Cancro é o crescimento desordenado de células, que invadem tecidos e órgãos.

INTRODUÇÃO. Cancro é o crescimento desordenado de células, que invadem tecidos e órgãos. CANCRO INTRODUÇÃO Cancro é o crescimento desordenado de células, que invadem tecidos e órgãos. Dividindo-se rapidamente, estas células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis. O QUE É CANCRO Cancro

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola contém 100 mg de azacitidina e 100 mg de manitol como excipiente.

COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola contém 100 mg de azacitidina e 100 mg de manitol como excipiente. Vidaza azacitidina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Vidaza pó liofilizado para injeção, está disponível em frasco ampola com 100 mg de azacitidina. USO SUBCUTÂNEO USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola

Leia mais

O fígado e a deficiência de alfa-1. antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION

O fígado e a deficiência de alfa-1. antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION O fígado e a deficiência de alfa-1 antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION O que é deficiência de alfa-1 antitripsina? Alfa-1 é uma condição que pode resultar em graves doenças pulmonares em adultos

Leia mais

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL Cecília Fernandes Lorea Julho/2009 EPIDEMIOLOGIA 9000 casos novos/ ano no Brasil Probabilidade de 0,3% de uma criança desenvolver câncer antes dos 20 anos 1/300 indivíduos

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Linfoma. Não-Hodgkin

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Linfoma. Não-Hodgkin HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LINFOMA NÃO-HODGKIN EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Linfoma Não-Hodgkin Introdução Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata O Câncer de Próstata O câncer de próstata é o segundo tumor mais comum no sexo masculino, acometendo um em cada seis homens. Se descoberto no início, as chances de cura são de 95%. O que é a Próstata A

Leia mais

Leucemia Mieloide Crônica (LMC) Um guia para pacientes, familiares e amigos

Leucemia Mieloide Crônica (LMC) Um guia para pacientes, familiares e amigos Leucemia Mieloide Crônica (LMC) Um guia para pacientes, familiares e amigos Tradução Voluntária: Fernanda de Souza Mello Revisão: Sílvia R Brandalise e Carmen C M Rodrigues Centro Infantil Boldrini Novembro

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL

AVALIAÇÃO LABORATORIAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL Escolha das análises a serem realizadas Realização da coleta de forma adequada domínio da técnica reconhecimento de eventuais erros de procedimento escolha do recipiente, acondicionamento

Leia mais

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma.

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma. Introdução O hemograma pode ser entendido como o exame do sangue periférico que permite fazer avaliação da série vermelha, série branca (leucócitos), e das plaquetas. Grosso modo, o sangue pode ser conceituado

Leia mais

Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas. Elizabeth Xisto Souto

Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas. Elizabeth Xisto Souto Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas Elizabeth Xisto Souto Médica hematologista do Hospital Brigadeiro Responsável médica pelo setor de Citometria de Fluxo São Paulo Laboratório DASA Foco de atuação:

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

é a vez dos homens câncer.

é a vez dos homens câncer. Agora é a vez dos homens falarem sobre câncer. Agora é a vez dos homens falarem sobre câncer Uma publicação do SIEMACO Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Prestação de Serviços de Asseio e Conservação

Leia mais

AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE

AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE O sangue é um tecido conectivo especializado constituído por diferentes tipos celulares em suspensão em um meio líquido denominado de plasma. Funciona primordialmente

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA

ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA Laiz Silva Ribeiro laiz0711@bol.com.br Prof Dr. Rodrigo da Silva Santos rdssantos@gmail.com FACULDADE ALFREDO

Leia mais

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA

Leia mais

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014 SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS Hye, 2014 DEFINIÇÃO Trata se de um grupo de diversas desordens da medula óssea que leva o indivíduo não produzir células sanguíneas saudáveis em número suficiente. SINTOMATOLOGIA

Leia mais

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA Hemograma com hematoscopia do sangue periférico Bioquímica completa incluindo hepatograma e função renal Coagulograma Citoquímica e Imunofenotipagem

Leia mais

O QUE É? O HEPATOBLASTOMA

O QUE É? O HEPATOBLASTOMA O QUE É? O HEPATOBLASTOMA Fígado O HEPATOBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O HEPATOBLASTOMA? O hepatoblastoma é o tipo de tumor maligno do fígado mais frequente na criança; na maioria dos casos

Leia mais