EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva"

Transcrição

1 EU VENCI A LEUCEMIA Alexandra Oliveira da Silva

2 Descoberta da doença Ano 2012 Sintomas gripe medo da gripe A Emergência do Mãe de Deus Exames não conclusivos, procurar hematologista Marcada consulta com hematologista

3 Possível diagnóstico Pedido de exames da médica muitos exames (sangue, alguns de imagem) Sem diagnóstico Fiz exames no sábado pela manhã ligação médica sábado à tarde repetir exames Suspeita de leucemia Resultado de exames inconclusivo internação desconfiança de leucemia era grande, aguardando a confirmação com biópsia Espera na emergência, desespero total aguardando leito Consegui leito - oitavo andar

4 Internação Apresentação Dra Paula, segunda-feira coletada a biópsia - desagradável No outro dia - Dr Marcelo Capra e Dra Paula e confirmam o diagnóstico de leucemia Conversam sobre tratamento aguardando confirmação do tipo de leucemia Dor e conversa com família

5 Confirmação da doença Diagnóstico de leucemia mielóide aguda Exame do cariótipo monossomia do cromossomo 7 - alteração genética resultando em um prognóstico desfavorável Bastante agressivo, possibilidade altíssima de cura somente com transplante de medula óssea

6 Tratamento inicial Consistiria em quimioterapia e possível transplante de medula Quimioterapia um ciclo de indução remissão da doença e dois ou três ciclos de consolidação (manter a remissão, sem resíduos da doença) Inserção do primeiro catéter ruim - várias vezes Sintomas da primeira quimio tranquila, após 7 a 10 dias sintomas reais muitas transfusões de sangue, plaquetas após a quimio onde baixavam as defesas totalmente Contato com o mundo exterior praticamente não existe

7 Queda de cabelo Cabelo começou a cair Rapaz foi no quarto cortar Pedi que cortasse tudo Cada pessoa reage de uma maneira Me ver careca não tinha importância queria a cura

8 Tratamento inicial não satisfatório Não atingira a remissão 20 a 22% de blastos (células ruins) para 8%, deveria ser zero% Decepção total sensação de nadar e morrer na praia Opção por nova reindução, a doença poderia ficar muito mais agressiva

9 Procura na família Confirmação da necessidade de transplante Compatibilidade com pais e irmã Inserido nome no Cadastro REREME, procura no REDOME

10 CTI Condições muito ruins com segunda quimio falta de ar - quadro clínico decrescente possibilidade de remoção para UTI Ida para CTI, piora geral necessidade de entubação - Sedação Sensações da CTI, vivências, transformação para sempre Foram +20 dias de CTI luta muito grande pela vida, estado muito grave Coleta de mielograma e verificação de remissão de doença 1 semana descedando para retirar o tubo Lembranças fortes, algumas visitas Melhora de estado clínico, ida para o quarto (Imóvel) data importante 20 de setembro Início do trabalho com fisioterapia equipe multidisciplinar do hospital Feliz

11 Primeiro retorno para casa Quase três meses primeira volta para casa cadeira de rodas, imobilidade, felicidade, fisioterapia em casa Feliz pela vida apesar das condições físicas ruins Recepção de amigos Descoberta da campanha, descoberta que irmã não era compatível Proporção gigante da campanha, solidariedade das pessoas

12 Primeira consolidação Volta para o hospital medo de como seria Nova quimio mais tranquila Ao final da quimio residual de doença ativa não remissão total, continua procura por doador compatível Sinusite retarda a nova volta para descanso em casa Não ir para casa piora condição psicológica ter mais força e mais fé, superação Meu aniversário no hospital, natal, primeiro do ano, muito ruim - aprendizado

13 Conversa com médica da equipe Início da procura de leito de transplante, transplante não aparentado sem doador, possibilidade de transplante por cordão umbilical Tempo muito curto, corrida contra o tempo, condições ideais para transplante, doença rápida e agressiva, não tinha a remissão total Marcação de consultas em São Paulo e Curitiba

14 Ida para casa Quimioterapia de manutenção espera pelo doador que não saberia se chegaria Viagem do Telmo para São Paulo - consulta Verificada a possibilidade de transplante de cordão umbilical existia compatibilidade Marcado transplante para março, continua procura no Redome Espera pelo doador angustiante - esperança

15 Descoberta de doador Ligação para Telmo descobriram doador 100% compatível Telmo liga dando a notícia, felicidade geral Espera da ida para transplante

16 Internação em São Paulo Viagem máscara, avião comercial condições físicas possíveis Chegada ao hospital, expectativa Internação exames prévios, inserção de catéter Ambiente inerte Doadora faz exames mais refinados ao mesmo tempo que estou internada Início condicionamento - quimioterapia prétransplante matar a medula doente para receber a medula sadia

17 Transplante Medo anterior da desistência da doadora Transplante é realizado - tranquilo semelhante a transfusão de sangue Expectativa da pega em 15 a 20 dias medula voltar a funcionar

18 Aguardo da pega Recebendo medicações necessárias (muitas medicações), inclusive da famosa ciclosporina (cheiro e gosto horrível) Tratamento muito bom, sem nenhuma ocorrência grave naquele momento

19 Pega da medula Alguns dias antes da pega - mucosite muito forte - morfina Possibilidade de Pega próxima Informação que medula tinha pego Medula produzindo Exame quimerismo confirma 100% medula da doadora

20 Continuação do tratamento Risco de GVHD (doença do enxerto contra hospedeiro), um dos principais problemas de transplantados Aguardo de 100 dias em SP, dias mais críticos para transplantados Duas intercorrências sérias: 1 - Cistite hemorrágica 2 - Ativação do citamegalovírus

21 Continuação do tratamento Tratamento continua muitas medicações, ciclosporina oral Tratamento todos os dias no hospital dia Mielograma confirma cariótipo normal - sem alteração genética Citamegalovírus fica inativo possibilidade de voltar para Porto Alegre, seguir o tratamento com Dr Capra e equipe Início uso vidaza droga para evitar o retorno da doença

22 POA Retorno para Porto Alegre Viagem esperança, sonhos de vida normal Recepção de amigos muito emocionante Voltar para casa - importante Seguir tratamento Passou 6 meses de transplante, depois a comemoração de 1 ano Aniversários especiais Cuidados especiais

23 Vida que segue Complicações de transplantados infecções, recuperação da imunidade deficiente Retorno ao trabalho Felicidade pela vida, pessoa diferente, ver as coisas diferentes, conscientizar da importância da doação de medula óssea, gesto simples que salva vidas, sou exemplo vivo disso, eternamente grata a minha doadora 2 anos e três meses após a descoberta e 1 ano e 7 meses de vida nova pós transplante.

24

25 OBRIGADA!!! SEJA UM DOADOR DE MEDULA ÓSSEA

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O presente Projeto de Lei tem como base e inspiração a Lei Federal nº 11.930, de 22 de abril de 2009, de autoria do deputado federal Beto Albuquerque uma homenagem a seu filho e a

Leia mais

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade Apresentação Projeto Cultura Doadora É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade e uma atitude proativa para a doação de órgãos e tecidos, bem como na

Leia mais

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Tema: Mielodisplasia: Novidades no tratamento Total de pessoas que participaram: 34 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30

Leia mais

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Tema: Entenda a Síndrome Mielodisplásica (Mielodisplasia) Total atingido de pessoas na sala: 24 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea

Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea Manual do Doador Voluntário O desconhecimento sobre a doação de medula óssea é enorme. Quando as pessoas são informadas de como é fácil ser doador voluntário

Leia mais

Mato Grosso do Sul conta com 80.665 pessoas cadastradas (até 2010) como doadoras de

Mato Grosso do Sul conta com 80.665 pessoas cadastradas (até 2010) como doadoras de Nesta sexta-feira (12) o Rádio Clube se dedica à solidariedade. Será feita uma campanha de captação de doadores de medula óssea no clube. A intenção da ação é sensibilizar as pessoas para aumentar o número

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 I RELATÓRIO. Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea.

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 I RELATÓRIO. Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea. COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea. Autora: Deputada ALICE PORTUGAL Relator: Deputado LELO COIMBRA I RELATÓRIO O Projeto

Leia mais

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC Documentário Despertar Para a Vida Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC RESUMO A leucemia atinge grande parte da população mundial. Em 2008

Leia mais

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Tema: Novas perspectivas no tratamento das Leucemias Agudas Total atingido de pessoas na sala: 25 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração:

Leia mais

O UNIVERSITÁRI FACULDADE ATENAS ESTÁ INTEGRADA COM A COMUNIDADE DE PARACATU

O UNIVERSITÁRI FACULDADE ATENAS ESTÁ INTEGRADA COM A COMUNIDADE DE PARACATU FACULDADE ATENAS ESTÁ INTEGRADA COM A COMUNIDADE DE PARACATU COM A REALIZAÇÃO DE DIVERSAS ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL, A INSTITUIÇÃO PROPORCIONA FORMAÇÃO HUMANIZADA AOS ALUNOS E TRAZ BENEFÍCIOS

Leia mais

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais

Assistência. Assistência no INCA

Assistência. Assistência no INCA Assistência A qualidade do tratamento oferecido aos pacientes pelo Sistema Único de Saúde é de alta prioridade entre as ações desenvolvidas para o controle do câncer no Brasil. Por tratar-se de uma doença

Leia mais

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Protocolo Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Embora a sobrevida dos pacientes com talassemia major e anemia falciforme (AF) tenha

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

Tipos de Transplantes

Tipos de Transplantes TRANSPLANTADOS Tipos de Transplantes Doador Vivo Um dos Rins Parte dos Pulmões Parte do Fígado Medula Óssea Doador Falecido Diagnóstico de Morte Encefálica Rins, Pulmões, Coração, Valvas Cardíacas, Fígado

Leia mais

05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS

05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS 05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS Grupo: Sub-Grupo: 05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS 01-EXAMES LABORATORIAIS PARA IDENTIFICACAO DE DOADOR E RECEPTOR DE CELULAS-TRONCO HEMATOPOETICAS

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2009

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2009 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2009 Medicina - Especialização - TMO Este Caderno contém as questões discursivas de Conhecimentos Específicos correspondentes ao curso descrito acima. Confira se este

Leia mais

Plaquetopenia (Camila Villa)

Plaquetopenia (Camila Villa) Plaquetopenia (Camila Villa) Para os portadores de plaquetopenia, também chamada de trombocitopenia, uma condição que causa a diminuição do número das plaquetas na corrente circulatória pelo desequilíbrio

Leia mais

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO.

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. Qualquer hora é hora de falar sobre doação de órgãos. Pode ser à mesa do jantar, no caminho para o trabalho ou até mesmo ao receber este folheto.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES Elisandro Luis Lima Saldanha Orientadora: Profª Themis Dovera Porto Alegre

Leia mais

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre ÍNDICE 1. O que é Leucemia Mieloide Crônica (LMC)?... pág 4 2. Quais são os sinais e sintomas?... pág 4 3. Como a LMC evolui?... pág 5 4. Quais são os tratamentos disponíveis para a LMC?... pág 5 5. Como

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier) PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier) Dispõe sobre doação de sangue e células do corpo humano vivo para fins de transplante de medula óssea e de outros precursores hematopoéticos, e estabelece

Leia mais

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA, O TRABALHO DE CAPTAÇÃO DE CANDIDATOS E A POSSIBILIDADE DE ENVOLVIMENTO DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA Déborah Carvalho Gerência

Leia mais

Chat com o Dr. Fábio Dia 06 de março de 2015

Chat com o Dr. Fábio Dia 06 de março de 2015 Chat com o Dr. Fábio Dia 06 de março de 2015 Tema: Mielofibrose uma doença ainda desconhecida Total atingido de pessoas na sala: 27 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30 Perguntas

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO PARA MIELOGRAMA e/ou BIÓPSIA DE MEDULA ÓSSEA., declara(m), para todos os fins legais, que:

TERMO DE CONSENTIMENTO PARA MIELOGRAMA e/ou BIÓPSIA DE MEDULA ÓSSEA., declara(m), para todos os fins legais, que: TERMO DE CONSENTIMENTO PARA MIELOGRAMA e/ou BIÓPSIA DE MEDULA ÓSSEA O (a) paciente, declara(m), para todos os fins legais, que:, ou seu responsável 1) Fui informado(a) pelo médico que as avaliações e os

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Ano CXXXVIII Nº 232-E Brasília - DF, 4/12/00 ISSN 1415-1537 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.315, DE

Leia mais

Seja bem-vindo ao Chat!

Seja bem-vindo ao Chat! Chat com o Dr. Jacques Dia 04 de setembro de 2014 Tema: Linfoma: Novas perspectivas em busca da cura Total atingido de pessoas na sala: 31 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30 (10h

Leia mais

PORTARIA No- 845, DE 2 DE MAIO DE 2012

PORTARIA No- 845, DE 2 DE MAIO DE 2012 PORTARIA No- 845, DE 2 DE MAIO DE 2012 Estabelece estratégia de qualificação e ampliação do acesso aos transplantes de órgãos sólidos e de medula óssea, por meio da criação de novos procedimentos e de

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão Foto: Marcelo Rosa 8h30 8h40-9h 9h-9h50 9h50-10h 10h-10h20 Entrega do material Abertura Conferência: A doação de sangue na América Latina 10h20-10h50 10h50-11h 11h-12h30 11h-11h20 11h20-11h40 11h40-12h

Leia mais

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia O Fígado na Hematologia Dominique Muzzillo Prof a. Adjunto UFPR 1. Anemias - siderose secundária - hemólise transfusão 2. Doenças Malignas - leucemia

Leia mais

ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO

ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO I - DEFINIÇÕES 1. TCTH de Medula Óssea - Substituição de células-tronco hematopoéticas a partir de células-tronco hematopoéticas

Leia mais

Chat com o Dr. Rodrigo Dia 10 de fevereiro de 2011

Chat com o Dr. Rodrigo Dia 10 de fevereiro de 2011 Chat com o Dr. Rodrigo Dia 10 de fevereiro de 2011 Tema: Leucemias - Em busca da Cura Total de pessoas que participaram: 34 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30 (17h às 18h30) Perguntas

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Hemoam - Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas Eu Decidi Ser Um Herói 1. Andrey Felipe Souza, MATOS 2

Hemoam - Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas Eu Decidi Ser Um Herói 1. Andrey Felipe Souza, MATOS 2 Hemoam - Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas Eu Decidi Ser Um Herói 1 RESUMO Andrey Felipe Souza, MATOS 2 Daniel Lacerda, SOARES 3 Gibson Yuri de, OLIVEIRA 4 Hilton dos Santos Gonçalves,

Leia mais

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA Hemograma com hematoscopia do sangue periférico Bioquímica completa incluindo hepatograma e função renal Coagulograma Citoquímica e Imunofenotipagem

Leia mais

Lucy tem um tumor. Por Victoria Barton. Revisores médicos para esta edição: Dr Anna Jenkins e Dr Dan Yeomanson, Consultor Oncologista Pediátrico

Lucy tem um tumor. Por Victoria Barton. Revisores médicos para esta edição: Dr Anna Jenkins e Dr Dan Yeomanson, Consultor Oncologista Pediátrico Lucy tem um tumor Por Victoria Barton Revisores médicos para esta edição: Dr Anna Jenkins e Dr Dan Yeomanson, Consultor Oncologista Pediátrico Ilustração por Tony Harris Este livro pertence a... Essa

Leia mais

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA Rotina da Agência Transfusional Mara Martins Bióloga HCI / INCA O ato transfusional é um delicado processo na assistência a saúde. No INCA são realizadas cirurgias de grande porte e também grande número

Leia mais

Células estaminais criam nova esperança contra leucemia (pág.1)

Células estaminais criam nova esperança contra leucemia (pág.1) Células estaminais criam nova esperança contra leucemia (pág.1) Investigadores portugueses e americanos, no âmbito do programa MIT-Portugal, estão usar clinicamente células estaminais para neutralizar

Leia mais

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Doenças potencialmente tratáveis com transplantação de medula óssea Leucemias

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SANGUE

ALTERAÇÕES NO SANGUE ALTERAÇÕES NO Alterações no sangue são mais frequentes em crianças com síndrome de Down do que no resto da população. Existem algumas diferenças nas contagens das células sanguíneas e também uma maior

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Campanha Solidária. Letícia com Vida

Campanha Solidária. Letícia com Vida Campanha Solidária Letícia com Vida Meu nome é Raimundo Cleudecí de Paula Chaves, tenho 33 anos. Minha esposa é Samara Chaves Lima, de 34 anos. Somos cearenses, nascidos em São João do Jaguaribe, interior

Leia mais

Fevereiro 2011 BEBÉ VIDA INFORMA. 707 20 10 18 geral@bebevida.com www.bebevida.com

Fevereiro 2011 BEBÉ VIDA INFORMA. 707 20 10 18 geral@bebevida.com www.bebevida.com Fevereiro 2011 BEBÉ VIDA INFORMA 1 Células hematopoiéticas do sangue do cordão umbilical podem ajudar na recuperação de AVC s As células estaminais hematopoiéticas do sangue do cordão umbilical podem promover

Leia mais

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos:

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos: Estudo das alterações citogenéticas em pacientes com suspeita clínica de síndrome mieloproliferativa e em pacientes com leucemia mielóide crônica em uso de imatinib. Experiência do laboratório Sérgio Franco

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de Tratamento Odontológico Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2009 A EQUIPE DE SAÚDE BUCAL NA UTMO Fernanda de Paula Eduardo Letícia Mello Bezinelli Pacientes que

Leia mais

Portugiesisch. 2 Chegada ao hospital Agora eu tenho que me inscrever. Ainda bem que meus pais fazem isso por mim!

Portugiesisch. 2 Chegada ao hospital Agora eu tenho que me inscrever. Ainda bem que meus pais fazem isso por mim! Portugiesisch VI Este livro é para voce Voce pode olhar as figuras, ilustrá-las e descreve-las. Caso tenha alguma dúvida, pergunte aos seus pais, aos médicos, às infermeiras ou à psicólaga de sua estacao.

Leia mais

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos.

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos. Doação de órgãos A doação de órgãos é um ato de caridade e amor ao próximo. A cada ano, muitas vidas são salvas por esse gesto altruísta. A conscientização da população sobre a importância da doação de

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares.

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares. 1 Manual do Paciente Você não está sozinho Qualquer pessoa pode vir a desenvolver algum tipo de câncer ao longo da vida. No ano passado de 2008, mais de 1,3 milhões de novos cânceres foram diagnosticados

Leia mais

FAZENDO SEXO APÓS O CÂNCER DE PRÓSTATA. Alícia Flores Jardim

FAZENDO SEXO APÓS O CÂNCER DE PRÓSTATA. Alícia Flores Jardim FAZENDO SEXO APÓS O CÂNCER DE PRÓSTATA Alícia Flores Jardim Dedicatórias Dedico este trabalho a meu pai que morreu em janeiro de 2013, após um câncer de próstata descoberto tardiamente. Ao meu marido

Leia mais

CÓDIGO DOS PROCEDIMENTOS

CÓDIGO DOS PROCEDIMENTOS CÓDIGO DOS PROCEDIMENTOS Coração 0505020041 TRANSPLANTE DE CORACAO Fígado 0505020050 TRANSPLANTE DE FIGADO (ORGAO DE DOADOR FALECIDO) 0505020068 TRANSPLANTE DE FIGADO (ORGAO DE DOADOR VIVO) Pâncreas 0505020076

Leia mais

PORTARIA N 344 DE 20 DE JUNHO DE 2008.

PORTARIA N 344 DE 20 DE JUNHO DE 2008. Page 1 of 8 PORTARIA N 344 DE 20 DE JUNHO DE 2008. A Secretária de Atenção à Saúde Substituta, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 2.848/GM, de 06 de novembro de 200, que aprova a estrutura

Leia mais

O LÚDICO NA RECONSTRUÇÃO AFETIVA UMA CRIANÇA HOSPITALIZADA EM UM CENTRO DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA

O LÚDICO NA RECONSTRUÇÃO AFETIVA UMA CRIANÇA HOSPITALIZADA EM UM CENTRO DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA O LÚDICO NA RECONSTRUÇÃO AFETIVA UMA CRIANÇA HOSPITALIZADA EM UM CENTRO DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA Autores: Erika Pallottino - erika.pallottino@gmail.com Ana Cristina Waissmann RESUMO: O presente trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 ASPECTOS MÉDICOS M DA DOAÇÃO DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ INTRODUÇÃO ; TRANSPLANTE

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO COFEN-200/1997 - REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 306/2006

RESOLUÇÃO COFEN-200/1997 - REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 306/2006 Página 1 de 5 Publicado Portal do Cofen - Conselho Federal de Enfermagem (http://site.portalcofen.gov.br) Início > RESOLUÇÃO COFEN-200/1997 - REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 306/2006 RESOLUÇÃO COFEN-200/1997 -

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS 1 TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS Adriano dos Santos Pereira RESUMO Desde o primeiro procedimento realizado em 1968, o transplante de medula óssea vem sendo utilizado de maneira crescente, o tratamento

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO PARA MIELOGRAMA e/ou BIÓPSIADE MEDULA ÓSSEA

TERMO DE CONSENTIMENTO PARA MIELOGRAMA e/ou BIÓPSIADE MEDULA ÓSSEA TERMO DE CONSENTIMENTO PARA MIELOGRAMA e/ou BIÓPSIADE MEDULA ÓSSEA O (a) paciente, ou seuresponsável, declara(m),para todos os fins legais, que: 1) Fui informado(a) pelo médico que as avaliaçõese os exames

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 Leucemia Mielóide Crônica Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

Discurso Proferido pelo Deputado Federal Dimas Ramalho PPS/SP na Tribuna da Câmara dos Deputados. Sr. Presidente, Sras. e Srs.

Discurso Proferido pelo Deputado Federal Dimas Ramalho PPS/SP na Tribuna da Câmara dos Deputados. Sr. Presidente, Sras. e Srs. Discurso Proferido pelo Deputado Federal Dimas Ramalho PPS/SP na Tribuna da Câmara dos Deputados. Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, O tema que me traz hoje à tribuna desta Casa, diz respeito à doação

Leia mais

Transplante de Células Tronco Hematopoéticas

Transplante de Células Tronco Hematopoéticas 20 Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Hospital Mãe de Deus Transplante de Células Tronco Hematopoéticas Enfermeira Fabiane Marek Especialista em Enfermagem Oncológica Unidade de Ambiente Protegido

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

Leucemias. Claudia witzel

Leucemias. Claudia witzel Leucemias Claudia witzel Introduçao MEDULA ÓSSEA fabrica CÉLULAS (células mães imaturas). célula sanguínea pode tornar-se uma célula mielóide ou uma célula linfóide. que se desenvolvem em células sanguíneas

Leia mais

29 Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DOADOR DE MEDULA ÓSSEA DO PRESENTE E DO FUTURO

29 Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DOADOR DE MEDULA ÓSSEA DO PRESENTE E DO FUTURO DOADOR DE MEDULA ÓSSEA DO PRESENTE E DO FUTURO Área Temática: Saúde Eni Picchioni Bompeixe (Coordenadora da Ação de Extensão) Eni Picchioni Bompeixe 1 Maria da Graça Bicalho 2 Suelen Camargo Zeck 2 Teresa

Leia mais

ANTES DO FIM EPISÓDIOS 3 E 4. E-MAIL: gilfnascimento@hotmail.com

ANTES DO FIM EPISÓDIOS 3 E 4. E-MAIL: gilfnascimento@hotmail.com ANTES DO FIM EPISÓDIOS 3 E 4 E-MAIL: gilfnascimento@hotmail.com EPISÓDIO 03 Anteriormente: Célia bofeteia Álvaro e chora, mas fica para ajudá-lo, Leandro defende Laila de Caio, Marques encontra a mãe com

Leia mais

ALTA COMPLEXIDADE: TRANSPLANTE

ALTA COMPLEXIDADE: TRANSPLANTE MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.217, DE 13 DE OUTUBRO DE 1999 DO Nº 197-E, de 14/10/99 O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a necessidade

Leia mais

QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL

QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL Graziele Francine Franco Mancarz 1 Bianca Manfroi da Silva 2 Delizie Albuquerque Freitas 3 Grasiele Mayara Bim 4

Leia mais

Instruções para coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Doação Não-Aparentada

Instruções para coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Doação Não-Aparentada Instruções para coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Doação Não-Aparentada Objetivo: Orientar o procedimento para a coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário SCUP. Clientela: Profissionais

Leia mais

WEBDESIGN (CCA0350) - 3008. Professor: Constantino Neto

WEBDESIGN (CCA0350) - 3008. Professor: Constantino Neto WEBDESIGN (CCA0350) - 3008 Professor: Constantino Neto Desenvolvido por: Anne Santos Jéssica Nogueira Lívia Coutinho Priscila Ramos Rebecca Mordehachvili 2014.2 1Situação geradora Introdução Campanha:

Leia mais

Doença do Enxerto versus Hospedeiro:

Doença do Enxerto versus Hospedeiro: Doença do Enxerto versus Hospedeiro: GvHD Informação para jovens que receberam transplante de células progenitoras, e suas famílias Children s Cancer and Leukaemia Group www.cclg.org.uk Tradução: Ana Cristina

Leia mais

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Ajudando futuros pais a tomar uma decisão consciente Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa O que é sangue de cordão umbilical

Leia mais

Transplantes de órgãos crescem 24,3% Qui, 24 de Setembro de 2009 00:00

Transplantes de órgãos crescem 24,3% Qui, 24 de Setembro de 2009 00:00 Qui, 24 de Setembro de 29 : Aumento é relativo ao número de procedimentos realizados com órgãos de doadores falecidos no primeiro semestre de 29 em relação ao primeiro semestre de 28. Ministério da Saúde

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica Manual de Leucemia (LLC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Você está lutando contra algum câncer do sangue? Existe ajuda gratuita. A ABRALE -

Leia mais

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

O AUTISMO- NA CRIANÇA

O AUTISMO- NA CRIANÇA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano Disciplina de Psicopatologia Geral Ano letivo 2013\14 Docente:

Leia mais

Perguntas Frequentes. Centro de Histocompatibilidade do Norte

Perguntas Frequentes. Centro de Histocompatibilidade do Norte Perguntas Frequentes Desde quando o Banco Público de Células Estaminais do Cordão Umbilical serve gratuitamente a criopreservação às grávidas? O Despacho do Banco Público de células estaminais do cordão

Leia mais

PORTARIA Nº 931 DE 2 DE MAIO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso de suas atribuições, e

PORTARIA Nº 931 DE 2 DE MAIO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso de suas atribuições, e PORTARIA Nº 931 DE 2 DE MAIO DE 2006. Aprova o Regulamento Técnico para Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso de suas atribuições, e Considerando

Leia mais

Um guia para crianças para a doação de medula óssea. Children s Cancer and Leukaemia Group www.cclg.org.uk

Um guia para crianças para a doação de medula óssea. Children s Cancer and Leukaemia Group www.cclg.org.uk A Doação de Medula Óssea de Jess Um guia para crianças para a doação de medula óssea Children s Cancer and Leukaemia Group www.cclg.org.uk Tradução: Daiane Lemes e Carmen C M Rodrigues (Centro Infantil

Leia mais

Chat com o Dr. Guilherme Perini Dia 15 de setembro de 2015

Chat com o Dr. Guilherme Perini Dia 15 de setembro de 2015 Chat com o Dr. Guilherme Perini Dia 15 de setembro de 2015 Tema: Linfoma em busca de novos tratamentos Total atingido de pessoas na sala: 40 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30

Leia mais

PORTARIA Nº 931, DE 2 DE MAIO DE 2006 Aprova o Regulamento Técnico para Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas.

PORTARIA Nº 931, DE 2 DE MAIO DE 2006 Aprova o Regulamento Técnico para Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas. título: Portaria nº 931, de 02 de maio de 2006 ementa: Aprova o Regulamento Técnico para Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas publicação: DOU - Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 03 de

Leia mais

GUIA DO PACIENTE DE QUIMIOTERAPIA

GUIA DO PACIENTE DE QUIMIOTERAPIA GUIA DO PACIENTE DE QUIMIOTERAPIA Você está iniciando o seu tratamento e acompanhamento conosco. Com o objetivo de esclarecer algumas dúvidas, elaboramos este guia com as informações sobre a rotina de

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA - CURITIBA Unidade

Leia mais

Projeto: POUSADA SOLIDARIEDADE

Projeto: POUSADA SOLIDARIEDADE Projeto: POUSADA SOLIDARIEDADE 1. Área de Ação: Casa de hospedagem destinada com prioridade a crianças e adolescentes, e adultos, que buscam Porto Alegre, oriundos de outras cidades para realizarem um

Leia mais

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia O que é Leucemia? O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos brancos. Para melhor entender esta, ou melhor, estas doenças, é importante

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO Elaine Jacob da Silva Carmo 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3, 4. 1 Curso de Ciências Biológicas, Unidade Universitária de Ciências

Leia mais

apresentação SEJA UM DOADOR

apresentação SEJA UM DOADOR 1 apresentação SEJA UM DOADOR Salvar vidas é um ato fantástico, privilégio de poucos. Penso muito nos médicos, enfermeiros, os profissionais de saúde que têm diante de si esta responsabilidade diariamente.

Leia mais

ANEMIA APLÁSTICA CARLOS EDUARDO PIZZINO

ANEMIA APLÁSTICA CARLOS EDUARDO PIZZINO ANEMIA APLÁSTICA CARLOS EDUARDO PIZZINO INTRODUÇÃO: - A anemia aplás-ca é caracterizada pela acentuada redução ou ausência de células eritroides, mieloides e megacariocí-cas na medula óssea, com resultante

Leia mais

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

e a Doença de Gaucher

e a Doença de Gaucher e a Doença de Gaucher Gigi 1 e a Doença de Gaucher 1 Aqui começa a história de nossa amiguinha Gigi, uma menina que adora brincar e estudar. - Olá! Eu sou a Gigi e esta é a minha família. Gigi mora em

Leia mais