PRISCILA MAGALHÃES GONZALEZ NUTRIÇÃO PARENTERAL OU ENTERAL: QUAL É A TERAPIA MAIS INDICADA NO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRISCILA MAGALHÃES GONZALEZ NUTRIÇÃO PARENTERAL OU ENTERAL: QUAL É A TERAPIA MAIS INDICADA NO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA?"

Transcrição

1 PRISCILA MAGALHÃES GONZALEZ NUTRIÇÃO PARENTERAL OU ENTERAL: QUAL É A TERAPIA MAIS INDICADA NO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA? SÃO PAULO 2008

2 2 PRISCILA MAGALHÃES GONZALEZ NUTRIÇÃO PARENTERAL OU ENTERAL: QUAL É A TERAPIA MAIS INDICADA NO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA? Monografia apresentada ao curso de Pós Graduação em Nutrição Clínica do Grupo de Apoio de Nutrição Enteral e Parenteral (GANEP), como prérequisito para obtenção do título de Especialista em Nutrição Clínica. Orientador: Prof. Dr. Dan Linetzky Waitzberg. SÃO PAULO 2008

3 3 DEDICATÓRIA A todos os meus pacientes da unidade da Pediatria Oncológica da Irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Santos e em especial a minha querida afilhada Letícia Silva de Araújo, que devido a um problema de saúde despertou o meu interesse em estudar esse assunto.

4 4 AGRADECIMENTOS Ao Dr. Dan Linetzky Waitzberg pelas orientações e conselhos dados durante o desenvolvimento do trabalho. Aos meus queridos pais, Francisco e Carmelita, que sempre me incentivaram e que não deixaram eu desistir quando as dificuldades apareceram. Aos meus irmãos, Patrícia e Leandro, por todo apoio e carinho. E aos meus colegas de trabalho da Irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Santos que sempre me apoiaram e que me ajudaram muito durante a execução do trabalho. Muito Obrigado a todos vocês!!!

5 5 RESUMO O Transplante de Medula Óssea (TMO) é um procedimento terapêutico que utiliza quimioterapia citorredutora e/ou radioterapia corporal total para promover a aplasia medular do receptor e assim favorecer a recuperação da hematopoiese normal. Durante esse período, há aumento no metabolismo e diminuição da ingestão alimentar dos pacientes submetidos ao TMO, resultando em importantes repercussões no estado nutricional dos mesmos, como também prejuízos na função imunológica. Em virtude disso, a terapia nutricional torna-se fundamental em todos os momentos do tratamento, por proporcionar condições favoráveis para o estabelecimento do plano terapêutico; recuperar a atividade do sistema imune do paciente; minimizar as complicações; recuperar o estado nutricional do transplantado e reduzir o tempo de hospitalização. A Nutrição Parenteral tem sido o suporte nutricional mais utilizado nos últimos anos, porém, devido às complicações infecciosas que essa via apresenta, estudos atuais sugerem o uso de Nutrição Enteral, pois a nutrição por sonda tem um caráter mais fisiológico; ajuda a manter a integridade do trato gastrointestinal; reduz a incidência de translocação bacteriana; está associada a um número menor de complicações e apresenta um custo menor quando comparado à nutrição parenteral. Além disso, estudiosos tem sugerido a suplementação de glutamina na terapia nutricional, por promover menor taxa de infecção, menor incidência da doença do enxerto contra o hospedeiro, diminuição da intensidade da mucosite, maior tempo de sobrevida e menor tempo de hospitalização. Frente a esses questionamentos, foram analisados os últimos trabalhos referentes a esse assunto e constatouse que a nutrição parenteral continua sendo a via preferencial durante o período mais crítico do TMO, porém, a utilização da nutrição enteral apresenta resultados satisfatórios se iniciada precocemente, ou seja, quando as complicações ainda não estão graves; no entanto, a escolha irá depender do estado clínico e nutricional do paciente. Em relação a glutamina as opiniões ainda são conflitantes, mas com uma maior tendência para a suplementação, em virtude da diminuição da ocorrência de infecções, da gravidade da mucosite e da redução do tempo de internação. Entretanto, mais estudos são necessários para determinar qual a melhor via de administração desse aminoácido e qual a quantidade necessária para se obter tais efeitos. Palavras-chave: transplante de medula óssea, terapia nutricional, nutrição parenteral, nutrição enteral, glutamina.

6 6 ABSTRACT The Bone Marrow Transplants (BMT) is a therapeutic procedure that uses citorredutora chemotherapy and / or total body radiation to promote bone marrow aplasia of the recipient and thus promote the recovery of normal haematopoiesis. During this period, there is an increase in metabolism and decrease of food intake of patients undergone bone marrow transplantation, resulting in significant impact on the nutritional status of them, but also damage the immune function. As a result, nutritional therapy becomes essential in all stages of the treatment, by providing favorable conditions for the establishment of therapeutic plan; recover the activity of the immune system of patients; minimize complications; recover the nutritional status of transplanted and reduce the time of hospitalization. The parenteral nutrition has been widely used nutritional support in recent years, however, due to infectious complications that this way presents, current studies suggest the use of enteral nutrition, because nutrition for the probe has a more physiological character, helps maintain the integrity of the gastrointestinal tract, reduces the incidence of bacterial translocation, is associated with fewer complications and provides a lower cost when compared to parenteral nutrition. In addition, scholars have suggested the supplementation of glutamine in nutritional therapy, by promoting lower rate of infection, lower incidence of the disease graft-versushost, reducing its intensity of mucositis, longer survival and shorter hospitalization. Considering such questions, we analyzed the latest work relating to this matter and it was found that parenteral nutrition remains the preferred route during the most critical of the BMT, however, the use of enteral nutrition gives satisfactory results if started early, that where the complications are not serious; however, the choice will depend on clinical and nutritional status of the patient. As for glutamine the views are still conflicting, but with a greater tendency to supplementation, as a result of reduced incidence of infections, the severity of mucositis and reducing the length of hospital stay. However, further studies are needed to determine the best route of administration of this amino acid and how much is needed to make such effects. Key words: bone marrow transplantation, nutritional therapy, parenteral nutrition, enteral nutrition, glutamine.

7 7 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO METODOLOGIA TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA E SUAS CONSEQÜÊNCIAS NO ESTADO NUTRICIONAL DO PACIENTE TERAPIA NUTRICIONAL NO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA Resultados clínicos sobre nutrição enteral ou parenteral no TMO GLUTAMINA E TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA Resultados clínicos CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 34

8 8 1. INTRODUÇÃO Em crianças e adolescentes submetidos ao Transplante de Medula Óssea (TMO), tanto à doença quanto o tratamento com radioterapia de corpo inteiro ou com altas doses de quimioterapia têm efeitos agressivos para o hospedeiro, deixando o organismo vulnerável, debilitado e aumentando o risco de comprometimento nutricional. Isso ocorre porque o regime intenso de condicionamento promove inapetência por um período prolongado, que é agravado pelas complicações gastrintestinais que incluem náuseas, vômitos, mucosite, dor abdominal, diarréia e perda de proteína devida enteropatia; além disso, eles podem apresentar síndrome inflamatória, infecções, doença venoclusiva e doença do enxerto contra o hospedeiro (DECH), que irão acelerar ainda mais a perda de peso e contribuir para a instalação da desnutrição, piorando o quadro clínico do paciente e prejudicando sua resposta ao tratamento. (ANELLI, 2003; GARÓFALO, 2005; SEGUY et al., 2006). As complicações do TMO irão depender do estado da doença antes do procedimento, do tipo do transplante e do regime de condicionamento com quimioterapia e radioterapia, que podem causar falência múltipla dos órgãos, doença do enxerto contra o hospedeiro, infecção, falência ou rejeição do enxerto, como também recorrência da doença. Fora isso, a perda de peso apresentada pelos pacientes aumenta o risco de morte no período imediato após o transplante. (STERN et al., 2000; SEGUY et al., 2006). Portanto, um suporte nutricional intensivo que atenda às necessidades individuais do paciente torna-se necessário no período que antecede o transplante, como também nas demais fases do tratamento, porque permitirá a melhora do estado nutricional do paciente; evitará a ocorrência da desnutrição protéico-calórica; minimizará as deficiências nutricionais decorrentes do tratamento e das complicações que o mesmo provoca, como também aumentará a chance de recuperação com sucesso. (SHIBUYA e TRINTN, 2003). A Nutrição Parenteral (NP) tem sido a via preferencial durante anos, porque durante o transplante a maioria dos pacientes apresenta ingestão por via oral inferior a 60% do gasto energético total por vários dias, devido às complicações gastrointestinais que eles apresentam e que resulta numa perda de peso importante. Fora isso, a presença de plaquetopenia e DECH no intestino acaba comprometendo o uso de sondas e como a maioria dos pacientes já possui cateter de acesso venoso central a introdução desse tipo de suporte torna-se mais fácil,

9 9 permitindo uma melhor modulação dos fluídos e eletrólitos, como também garante a oferta dos macronutrientes que o paciente necessita. (SEFCICK et al., 2001; MUSCARITOLI et al., 2002). Atualmente a conduta nutricional de se usar NP no TMO está sendo substituída pelo uso precoce de sondas nasoenterais, particularmente nas nações mais desenvolvidas do globo, por ser factível, segura e bem tolerada; deixando a NP total para aqueles casos em que a Nutrição Enteral (NE), mesmo associada à NP periférica, seja inadequada ou contra-indicada devido ao quadro clínico do paciente. (GARÓFALO, 2005). Shibuya e Trintin (2003) ressaltam que a utilização de NE em pequenas quantidades desempenharia um papel fundamental para preservar a mucosa intestinal, através do uso de fórmulas semi-elementares ou poliméricas isotônicas que poderiam facilitar a tolerância da dieta e minimizar as alterações gastrointestinais, evitando dessa maneira a translocação bacteriana. No estudo desenvolvido por Garófalo et al. (2007) constataram que a maioria das indicações da NP aconteceu devida toxicidade medicamentosa e complicações gastrintestinais graves que inviabilizaram o uso de NE. Fora isso, a diminuição da motilidade gastrintestinal, o retardo no esvaziamento gástrico, a destruição da mucosa intestinal e a redução da capacidade digestiva e absortiva resultaram na interrupção da progressão do volume da NE e favoreceram o início do uso da NP. Outro questionamento que se faz sobre terapia nutricional durante TMO é sobre a suplementação ou não de glutamina. Isso porque no estado hipermetabólico que o paciente se encontra a glutamina torna-se um nutriente condicionalmente essencial devido à combinação da redução da ingestão dietética e do metabolismo acelerado induzir a uma rápida depleção desse aminoácido, tornando a produção deste insuficiente, apesar do aumento da sua liberação a partir da musculatura esquelética. (FARIA, 2008). Como a glutamina é um nutriente importante para as células de replicação rápida por ser fonte de energia para as células do sistema imune e as do intestino, a manutenção da sua quantidade ideal se faz necessário, pois favorecerá a ativação e proliferação de linfócitos e macrófagos, mantendo a função imune sistêmica; contribuirá para o trofismo gastrintestinal,

10 10 minimizando a ocorrência de infecção bacteriana secundária a translocação bacteriana, permitirá a melhora do balanço nitrogenado, através da retenção de nitrogênio; e aumentará a produção de glutationa, melhorando desta forma o estado antioxidante do organismo. (LANGDANA et al., 2001; ZIEGLER, 2001; FARIA, 2008). Baseado nas funções que esse aminoácido apresenta estudos estão sendo desenvolvidos para saber se a suplementação de glutamina seria interessante ou não no TMO. Scholoerb e Amare em 1993 realizaram um estudo duplo cego, randomizado com 29 pacientes e constataram que a utilização de NP suplementada com glutamina durante 30 dias não apresentou diferenças significativas no que diz respeito à recuperação dos neutrófilos e a incidência de mucosite, febre, infecção, uso de antibióticos e mortalidade; porém, apresentou redução no tempo de internação (p < 0.05). Já no estudo controlado e randomizado com pacientes submetidos ao TMO alogênico, utilizou-se NP suplementada com glutamina (0,57g/kg/dia) após o transplante e verificou-se menor incidência de infecções (p = 0.041), menor tempo de permanência hospitalar (p = 0.017) e conseqüente redução no custo do tratamento em $21,095 por paciente que recebeu suplementação; além de aumento na concentração de linfócitos totais; porém, não foi observada mudança na quantidade de leucócitos e neutrófilos. (ZIEGLER, 2001). Devido a esses questionamentos sobre o suporte nutricional, esta monografia tem como objetivo analisar os últimos estudos na área e verificar qual a melhor via a ser utilizada na recuperação do estado nutricional de pacientes submetidos ao TMO e analisar se é viável ou não associar glutamina na terapia nutricional escolhida, com intuito de contribuir para melhora do estado nutricional do paciente em questão.

11 11 2. METODOLOGIA Esta monografia consiste em um levantamento bibliográfico dos últimos 15 anos (1993 a 2008), que foi realizado a partir de consultas e revisões de livros, artigos científicos internacionais indexados e Internet (Medline e Pubmed) visando à obtenção de informações referentes à nutrição no Transplante de Medula Óssea, como também sobre o uso associado de glutamina na terapia nutricional, que foram os objetos de estudo deste trabalho.

12 12 3. TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA E SUAS CONSEQÜÊNCIAS NO ESTADO NUTRICIONAL DO PACIENTE O TMO é um procedimento terapêutico utilizado em uma variedade de doenças oncohematológicas, anormalidades genéticas e em portadores de tumores sólidos, em que o receptor é submetido primeiramente à aplasia medular, para posterior infusão das células pluripotentes do doador, com a finalidade reconstituir o sistema hematopoético do receptor, através de células que possuam a capacidade de multiplicação e diferenciação em todos os tipos de células maduras: eritrócitos, leucócitos e plaquetas. (MASSUMOTO et al., 2006; GARÓFALO et al., 2006). Este tipo de transplante é dividido em três etapas: mobilização e coleta da medula óssea ou das células tronco; condicionamento com terapia citorredutora; pega e recuperação medular. Em relação à origem das células progenitoras, elas podem ser do próprio paciente, recebendo a denominação de transplante autólogo; serem oriundas de um doador que apresente compatibilidade com o receptor em termos de HLA (antígeno leucocitário humano), sendo considerado transplante alogênico ou serem retiradas do sangue do cordão umbilical, recebendo a denominação de transplante com células de cordão. (MUSCARITOLI et al., 2002). Após a seleção das células que serão transplantadas, o paciente passará por um regime de condicionamento com altas doses de quimioterapia que podem estar associadas ou não à radioterapia corporal total, com objetivo de maximizar a destruição do tecido anormal e mielóide, evitar à rejeição ao enxerto e promover a reconstituição do novo sistema imunológico. (ALBERTINI e RUIZ, 2001). A etapa seguinte desse procedimento é a transferência das células progenitoras do doador para o receptor, com intuito de recuperar a hematopoiese através da reconstituição da medula óssea. Esse processo consiste em dois fenômenos distintos: a recuperação numérica dos elementos celulares da medula, que é denominado pega (momento em que a contagem de plaquetas são mantidas acima de /mm 3 e o de granulócitos acima de 500/mm 3 por 3 dias consecutivos, sem a necessidade de transfusão); e a recuperação funcional dos linfócitos e das células imunes efetoras, que ocorre gradualmente, podendo demorar um ano ou mais

13 13 para o receptor desenvolver uma imunidade celular e humoral adequada. (ANELLI, 2003; REIS e VISENTAINER, 2004). Posterior a infusão, a medula do transplantado fica em aplasia por um período aproximado de duas a três semanas. Nessa fase, o receptor apresenta comprometimento da capacidade da migração linfocitária para os linfonodos, como também alteração na concentração destas células nos órgãos linfóides secundários, contribuindo para aparecimento de toxicidade orgânica intensa e variável, além de leucopenia e plaquetopenia; que retardam a recuperação imune e favorecem o aparecimento de complicações infecciosas. Essa deficiência imune que pode persistir por anos nos indivíduos que receberam TMO é uma das principais causas de morbidade e mortalidade entre essa população. (CASTRO JUNIOR et al., 2001; ALBERTINI e RUIZ, 2001; REIS e VISENTAINER, 2004). As complicações do pós-transplante podem ser consideradas agudas ou crônicas dependendo da doença de base, da condição inicial do paciente antes do procedimento, do tipo de transplante, da quimioterapia preparatória e do regime de radioterapia, sendo as principais: náuseas; vômitos; diarréia; hipoalbuminemia; deficiência de zinco; mucosite; hemorragia; infecções; eritema generalizado; hiperpigmentação da pele; toxicidade cardíaca, renal e pulmonar; falência orgânica; DECH; doença venoclusiva; falha ou rejeição do enxerto e doença recorrente. (PAPADOPOULOU et al., 1998; ANELLI, 2003; GARÓFALO et al., 2006). Numa análise sobre a experiência de um Serviço de Oncologia do Brasil na realização do TMO, Carlos Júnior et al. (2003) constataram que todos os pacientes apresentaram náuseas e vômitos relacionados ao condicionamento da quimioterapia e que 99% deles tiveram mucosite, sendo que em 80,5% a gravidade foi considerada de graus II e III. A manifestação da diarréia começou logo após a ocorrência de mucosite e esteve presente em 87,8% dos pacientes devido à agressão intensa da quimioterapia na mucosa intestinal; a febre aconteceu em quase todos os indivíduos, sendo 58,5% causados por um foco infeccioso; já a DECH ocorreu em 20% dos pacientes que foram submetidos ao TMO alogênico, indo de encontro com a experiência de outros centros de oncologia do país. Nesse mesmo sentido foi realizado um estudo retrospectivo por Hamerschlak et al. (2006) sobre a experiência brasileira na realização do TMO e verificaram que a DECH aguda

14 14 de graus III e IV acometeu 10% dos 731 pacientes analisados, enquanto que a DECH crônica ocorreu em 19%; fora isso, foi observado mucosite de graus III e IV em 58% dos casos, doença venoclusiva hepática em 14% e a infecção bacteriana aconteceu em 54% dos pacientes. Outra intercorrência grave que a maioria dos pacientes submetidos ao TMO apresenta é a desnutrição, que ocorre em virtude do aumento do metabolismo (febre, infecção, DECH, quimioterapia e radioterapia) e da baixa ingestão alimentar causada pelos distúrbios gastrointestinais; prejudicando assim, a resposta terapêutica, como também o crescimento e desenvolvimento do paciente. (LANGDANA et al., 2001; RODGERS, 2004). Isso pode ser verificado no estudo de Albertini (2002) que constatou a ocorrência de perda de peso e de gordura corporal importantes durante o TMO, diminuição dos níveis séricos de albumina e complicações digestivas, como diarréia, náuseas, vômitos e mucosite grau I e II, que prejudicaram em muito o estado nutricional e a recuperação dos pacientes. O estudo de Stern et al. (2000) também vai de encontro com essas informações, pois constataram que a média de ingestão de energia durante três dias consecutivos que antecederam o TMO variou de 10.9% a 14% das necessidades energéticas individuais, demonstrando a baixa aceitação alimentar que esses pacientes apresentam. Em virtude da redução significativa na ingestão calórica e protéica que esses pacientes apresentam há prejuízos na função imunológica durante o período de estresse metabólico, pois a desnutrição modifica os processos de defesa do organismo, prejudica órgãos linfohematopoéticos e altera a resposta imune do paciente, em virtude das alterações estruturais e ultra-estruturais da medula, baço e timo; alterações funcionais, como a redução da migração celular, da capacidade de espraiamento, da fagocitose, da atividade bactericida e fungicida; bem como alterações na produção de espécies reativas de oxigênio, constatando-se que em estados de desnutrição as alterações no ambiente hematopoético parecem ser responsáveis pela hematopoiese ineficiente. Portanto, estudos apontam a importância de se ajustar às necessidades de energia e proteína da dieta, com intuito de manter um balanço nitrogenado igual à zero, evitar o catabolismo protéico e contribuir para o restabelecimento da medula óssea do paciente. (BORELLI et al, 2004; GARÓFALO et al., 2006).

15 15 Além dessas intercorrências, o paciente pode apresentar alteração no metabolismo de carboidratos, intolerância à glicose e alterações nas células β pancreáticas durante o TMO, que resultaram num aumento dos níveis de glicose circulante, prejudicando o sistema imune por inibir a atividade de monócitos; comprometer os elementos leucocitários fundamentais; reduzir a aderência dos granulócitos, quimiotaxia, fagocitose e, conseqüentemente, a atividade microbicida. Em relação ao metabolismo de lipídios as anormalidades são menos freqüentes, ocorrendo elevação na concentração sérica de colesterol e triglicérides, principalmente nas primeiras semanas após o transplante, e com esse excesso a habilidade do sistema retículoendotelial hepático de clarear bactérias pelas células de Kupffer durante o estado de estresse agudo será diminuída e os macrófagos tendem a fagocitar mais os triglicérides em excesso no sangue, em detrimento à fagocitose de bactérias, prejudicando assim, o sistema de defesa do paciente.(muscaritoli et al., 2002; GARÓFALO et al., 2006). Fora isso, o tratamento induz ao catabolismo protéico; disfunções na mucosa do trato gastrointestinal, que vão desde inflamação até a ocorrência de úlceras; estresse oxidativo; imunossupressão e infecções freqüentes, que aumentam as perdas nutricionais e promovem o aumento no metabolismo em 130 a 150% do gasto energético basal, necessitando por esse motivo de um aporte nutricional maior, com intuito de reverter às complicações que o paciente apresenta. (ZIEGLER, 2002). Em virtude da diminuição da ingestão e da absorção dos nutrientes estar comprometida pelo aumento das perdas intestinais e pelas disfunções tubulares, os pacientes submetidos ao TMO apresentam deficiências de vitaminas (K, E, B 12, tiamina e ácido fólico) e de elementos traços (zinco, cobre e selênio), que se não forem corrigidos a tempo aumentam relativamente à mortalidade no período pós-tmo. (LANGDANA et al., 2001; SHIBUYA e TRINTIN, 2003). Além disso, o estado nutricional no pré-transplante influencia em muito o tempo de internação do paciente, como pode ser demonstrado no estudo de Papadopoulou et al. (1998), que constataram um período de internação maior naqueles pacientes que estavam desnutridos no período do pré-transplante quando comparado aos pacientes com estado nutricional dentro dos limites de eutrofia (34 dias vs 27,5 dias; p = 0.01).

16 16 Os resultados do estudo de Horsley et al. (2005) vão de encontro a essas informações, pois verificaram que os pacientes eutróficos no pré-transplante permaneceram menos tempo internados quando comparado aos pacientes desnutridos (-7.0 ± 2.1 dias; p = 0.002), tiveram uma menor ocorrência de sintomas gastrointestinais durante o transplante (16% vs 76%; p < 0.001) e apresentaram uma menor taxa de mortalidade pós-tmo (2% vs 20%; p = 0.059) quando comparado aos que tinham diagnóstico nutricional de eutrofia antes do procedimento. Pela freqüente ocorrência de desnutrição durante o transplante, o candidato a esse procedimento deve estar com o estado nutricional preservado ou este deverá ser corrigido antes do procedimento, pois, caso contrário, este será um fator negativo, que se não for recuperado a tempo poderá ser agravado pelas intercorrências citadas anteriormente, dificultando assim, a decisão de qual a melhor via para alimentação e comprometendo a resposta ao tratamento; o que resultará em maiores índices de infecções, maior tempo de hospitalização, maior custo hospitalar e aumentará os riscos de morbimortalidade. (SHIBUYA e TRINTIN, 2003; WHITE et al., 2005).

17 17 4. TERAPIA NUTRICIONAL NO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA A terapia nutricional torna-se fundamental durante todos os momentos do transplante, por proporcionar condições favoráveis para o estabelecimento do plano terapêutico; oferecer energia e nutrientes em quantidades adequadas para manter as funções vitais e a homeostase; recuperar a atividade do sistema imune do paciente; minimizar as complicações; garantir a oferta de calorias e proteína adequadas para reduzir o catabolismo protéico e a perda nitrogenada; recuperar o estado nutricional do transplantado e diminuir o tempo de hospitalização. (GARÓFALO, 2005). Em relação à via de escolha para a realização da terapia nutricional, a primeira a ser utilizada é a oral, com dieta para neutropênicos durante a fase de condicionamento até a pega ou recuperação medular, dependendo da condição clínica do paciente. Porém, com o aparecimento das náuseas, vômitos e estomatite há necessidade de modificações na dieta, que vão desde o aumento do fracionamento e diminuição do volume, até alteração na temperatura dos alimentos e consistência dos mesmos. (SHIBUYA e TRINTN, 2003). Se após as modificações dietéticas e introdução de módulos de nutrientes a ingestão alimentar do paciente for incapaz de suprir mais de 60% das suas necessidades nutricionais e houver agravamento das complicações gastrointestinais, torna-se necessário à introdução de uma terapia mais agressiva através da NE (suplementos nutricionais por via oral ou alimentação por sonda) ou NP, pois estes atuam na melhora do apetite e ganho de peso, favorecem a diminuição das toxicidades gastrointestinais e beneficiam a resposta imune do mesmo. (VAN BOKHORST-DE VAN DER SCHUEREN, 2005; LOCHS et al., 2006). Segundo o guidelines elaborado por Raynard et al. (2003) a introdução do suporte nutricional no TMO está indicada para aqueles pacientes que apresentam perda de mais de 10% do peso corporal, independente do tipo de transplante e condicionamento, porém, a indicação dependerá do estado nutricional inicial do paciente e da duração das complicações gastrointestinais que o mesmo apresente. Quando se fala em suporte nutricional a ser utilizado no TMO ainda não existe um modelo padrão, ou seja, tanto a NE quanto a NP, ou a combinação das duas terapias podem

18 18 ser consideradas por elas apresentarem resultados clínicos e metabólicos semelhantes, porém, a utilização da NE ainda é variável. (RAYNARD et al., 2003). A NE deve ser utilizada quando o paciente não conseguir suprir suas necessidades nutricionais exclusivamente por via oral, devido incapacidade ou habilidade limitada de comer, disfagia, comprometimento da digestão ou da absorção, obstrução do trato gastrointestinal superior ou obstrução parcial do trato gastrointestinal inferior; podendo ser utilizada de maneira parcial com intuito de suplementar uma ingestão oral insuficiente ou total nos casos impossibilidade de ingestão oral. Como benefícios, esse tipo de suporte nutricional promove melhora do apetite; maior ingestão de energia e proteína; reduz toxicidade gastrointestinal causada pela quimioterapia e/ou radioterapia; melhora a resposta ao tratamento e a função imune; reduz a ocorrência de infecções e favorece a manutenção e/ou recuperação do estado nutricional do paciente de uma maneira mais fisiológica, em termos de competência local e sistêmica, além de promover uma melhora na qualidade de vida e reduzir os custos hospitalares. (VAN BOKHORST-DE VAN DER SCHUEREN, 2005). No entanto, quando as manifestações gastrointestinais provocadas pelo regime de condicionamento se agravam e há risco de hemorragia ou infecção associada à localização da sonda em pacientes plaquetopênicos e imunodeprimidos, a utilização da NE torna-se contraindicada segundo o guidelines elaborado em 2006 pela Sociedade Européia de Nutrição Enteral e Parenteral (ESPEN), em virtude de não existir evidências comprovadas referentes ao uso desse tipo de suporte na diminuição dos efeitos colaterais associados à terapia, na pega, na prevenção da DECH ou na taxa de sobrevida dos transplantados. (ARENDS et al., 2006). Além disso, se a ingestão por via oral for inferior a 1000kcal/dia ou menor que 60% do gasto energético total por três a cinco dias, houver comprometimento dos parâmetros de monitoramento nutricional (peso e pré-albumina), baixa tolerância da dieta por via enteral e presença da doença venoclusiva hepática ou da DECH intestinal confirmada por exame endoscópico e biópsia, a via para o suporte nutricional deve ser a NP. (ALBERTINI e RUIZ, 2004). Todavia, esse tipo de suporte nutricional apresenta custo elevado quando comparado a NE, favorece a ocorrência de inapetência, febre, infecção, hiperglicemia, disfunção hepática e aumenta os riscos de contaminação do cateter, podendo resultar em necrose, sepse, embolia

19 19 pulmonar, pneumotórax, endocardite, etc. Além disso, o uso desse tipo de suporte favorece o fenômeno da translocação bacteriana, pois há atrofia dos enterócitos, destruição das criptas intestinais, perda da integridade da mucosa intestinal e redução da flora bacteriana normal. (PAPADOPOULOU et al., 1998; SHIBUYA e TRINTIN, 2003; ARFONS e LAZARUS, 2005). Garófalo et al. (2006) complementam esse assunto ressaltando que os regimes de condicionamento com altas doses de quimioterapia, associadas ou não a irradiação corporal total induzem a mucosite grave e prolongada, favorecendo o uso da NP. No entanto, algumas circunstâncias podem limitar o uso desse tipo de nutrição em virtude principalmente do uso de agentes imunossupressores como a ciclosporina, pois estes provocam a elevação dos níveis de triglicérides ou glicose, predispondo os pacientes graves à falência ou disfunção orgânica, além do aumento do risco de infecção. Devido às complicações que a NP apresenta alguns estudos sugerem a sua associação com NE, dependendo do estado clínico do paciente, ou a introdução precoce desse tipo de alimentação, pois a nutrição por sonda, mesmo em pequenas quantidades, tem um caráter mais fisiológico por ajudar a manter a integridade do trato gastrointestinal desde que este esteja funcionando; favorece a cicatrização; mantém a integridade da mucosa e reduz a incidência de translocação bacteriana, apresentando nesse ponto melhores resultados e menor custo quando comparado à NP. (CANDUSSO et al., 2000; LANGDANA et al., 2001; HOPMAN et al., 2003; VAN BOKHORST-DE VAN DER SCHUEREN, 2005). Albertini e Ruiz (2004) ressaltam que o uso da NE antes e durante o período de internação, apesar de ainda não ser muito utilizada, pode ser administrada concomitantemente com a alimentação por via oral, pois auxilia na estimulação gástrica e intestinal do paciente durante o TMO e auxilia os pacientes que não conseguem se alimentar por via oral após o transplante, permitindo assim, uma melhor reintrodução alimentar. No entanto, os autores alertam que a NE não é preconizada em pacientes trombocitopênicos e que apresentam diarréia intensa, mucosite e esofagite grave, ou íleo paralítico. Segundo o guidelines proposto por Raynard et al. (2003) a NE é preferível a NP nos casos de pacientes que foram submetidos ao TMO sem o uso de condicionamento mieloablativo; podendo estar associada à NP quando a ingestão calórica for inferior a 60%

20 20 das necessidades nutricionais. Já a NP exclusiva deveria ser reservada para aqueles pacientes que apresentem intolerância à nutrição oral ou a NE, como também naqueles que possuem obstrução do tubo digestivo ou mucosite grave, conforme esquema descrito a seguir: Paciente com desnutrição não Transplante com condicionamento mieloablativo? sim não Mucosite severa? sim não Mucosite severa? sim - Nutrição enteral, suplementada ou não com glutamina; - Hidratação intravenosa; - Nutrição oral. - Nutrição parenteral exclusiva, suplementada ou não com glutamina; - Hidratação intravenosa; - Nutrição oral. - Nutrição enteral, suplementada ou não com glutamina - Nutrição enteral + parenteral - Nutrição parenteral exclusiva, suplementada ou não com glutamina. Avaliação do estado nutricional no período pós-transplante: - determinação do peso corporal diariamente; - avaliação clinica do estado de hidratação; - avaliação diária da ingestão oral. Fonte: Adaptado de Raynard et al (2003).

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica PANCREATITE AGUDA ETIOLOGIA Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÃO CLÍNICA CRITÉRIOS PROGNÓSTICOS Ranson Na admissão: Idade > 55 anos Leucócitos > 1600 N uréico aumento

Leia mais

Imagens A) Desnutrido crônico: abdome globoso, rarefação de pêlos, perda de massa muscular, estado mental alterado.

Imagens A) Desnutrido crônico: abdome globoso, rarefação de pêlos, perda de massa muscular, estado mental alterado. 18 de Março de 2008. Professor Fábio. Conceito de desnutrição Conseqüências de estados patológicos que resulta do consumo inadequado de um ou mais nutrientes essenciais e que se manifesta ou se diagnostica

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Orientação Nutricional: O que pode influenciar no tratamento do paciente oncológico.

Orientação Nutricional: O que pode influenciar no tratamento do paciente oncológico. Orientação Nutricional: O que pode influenciar no tratamento do paciente oncológico. Dr. Flávius Marinho Vieira flaviusmv@ig.com.br Orientação Nutricional: O que pode influenciar no tratamento do paciente

Leia mais

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA Graduação 1 FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA UNIDADE 4 ALIMENTAÇÃO ENTERAL Nesta unidade você irá estudar as

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos?

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 4: NUTRIÇÃO Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Q Quais uais são são as as necessidades

Leia mais

Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico.

Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico. III CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM NUTRIÇÃO PARENTERAL E ENTERAL ADULTO/PEDIATRIA Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico. Nut. Eduila Couto eduilacouto@hotmail.com Estado

Leia mais

Transplante Intestinal: indicações e manejo

Transplante Intestinal: indicações e manejo Transplante Intestinal: indicações e manejo Marcio Miasato Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Introdução

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Protocolo Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Embora a sobrevida dos pacientes com talassemia major e anemia falciforme (AF) tenha

Leia mais

Nutrição. Diana e Silva, Marta Rola

Nutrição. Diana e Silva, Marta Rola Outras dimensões Nutrição Diana e Silva, Marta Rola Hospital Pediátrico Integrado/ Centro Hospitalar São João Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto Suporte Nutricional

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

PROVA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM CANCEROLOGIA CLINICA EM ÃREA DA SAÚDE: NUTRIÇÃO PROCESSO SELETIVO Nº 01/2014 DATA: 17/02/2014 HORÁRIO:

PROVA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM CANCEROLOGIA CLINICA EM ÃREA DA SAÚDE: NUTRIÇÃO PROCESSO SELETIVO Nº 01/2014 DATA: 17/02/2014 HORÁRIO: PROVA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM CANCEROLOGIA CLINICA EM ÃREA DA SAÚDE: NUTRIÇÃO PROCESSO SELETIVO Nº 01/2014 DATA: 17/02/2014 HORÁRIO: das 8h30min às 11h30min INSTRUÇÕES CADERNO DE QUESTÕES 1-

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA HIPOGLICEMIA NEONATAL HIPOGLICEMIA NEONATAL DOENÇA DA HIPÓFISE

GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA HIPOGLICEMIA NEONATAL HIPOGLICEMIA NEONATAL DOENÇA DA HIPÓFISE Nice Testa Rezende HIPOGLICEMIA NEONATAL DOENÇA DA HIPÓFISE INSUFICIÊNICA ADRENAL PRIMÁRIA HIPERINSULINISMO DOENÇA METABÓLICA HIPOGLICEMIA NEONATAL HIPOPITUITARISMO OU DEFICIÊNCIA ISOLADA DE GH 1 DOENÇA

Leia mais

& ASSISTÊNCIA NUTRICIONAL NA TERAPIA DA CRIANÇA COM CÂNCER

& ASSISTÊNCIA NUTRICIONAL NA TERAPIA DA CRIANÇA COM CÂNCER & ASSISTÊNCIA NUTRICIONAL NA TERAPIA DA CRIANÇA COM CÂNCER A r t i g o s Marielli Pacheco Brondani Mello 1 Silvania Moraes Bottaro 2 Resumo O estudo teve como objetivo estudar a acuidade da assistência

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA. Kátia Baluz

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA. Kátia Baluz TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA Kátia Baluz Transplantes realizados no CEMO/INCA Fonte: Ministério da Saúde - INCA. TRANSPLANTE

Leia mais

Suporte nutricional a ransplante de la óssea

Suporte nutricional a ransplante de la óssea Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação UNIVERSIDADE DO PORTO St» Sim'--' 1*0' -um. o Suporte nutricional a ransplante de la óssea dos Santos 1999 INDICE 1. Introdução 2. Indicações para o Transplante

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Transplante de Células Tronco Hematopoéticas

Transplante de Células Tronco Hematopoéticas 20 Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Hospital Mãe de Deus Transplante de Células Tronco Hematopoéticas Enfermeira Fabiane Marek Especialista em Enfermagem Oncológica Unidade de Ambiente Protegido

Leia mais

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar A assistência nutricional e clínica ao paciente em domicilio vêm crescendo no Brasil e no mundo. Também conhecida como home care, internação domiciliar ou

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS 1 TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS Adriano dos Santos Pereira RESUMO Desde o primeiro procedimento realizado em 1968, o transplante de medula óssea vem sendo utilizado de maneira crescente, o tratamento

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

DESNUTRIÇÃO ENERGÉTICO-PROTÉICA NO PACIENTE HOSPITALIZADO RESUMO ABSTRACT

DESNUTRIÇÃO ENERGÉTICO-PROTÉICA NO PACIENTE HOSPITALIZADO RESUMO ABSTRACT DESNUTRIÇÃO ENERGÉTICO-PROTÉICA NO PACIENTE HOSPITALIZADO Carolline Ferreira de Brito 1 Jesualdo Alves Avelar 2 Felipe Waschmuth Menhô Rabelo 3 RESUMO A desnutrição é um problema frequente enfrentado por

Leia mais

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico.

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico. Nota Técnica Processo n º Solicitante: Dra. Daniele Viana da Silva Juíza da Comarca de Ervália - Mg Data: 07/12/2012 Medicamento/ Dieta Material Procedimento Cobertura x TEMA: Dieta enteral de soja para

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva EU VENCI A LEUCEMIA Alexandra Oliveira da Silva Descoberta da doença Ano 2012 Sintomas gripe medo da gripe A Emergência do Mãe de Deus Exames não conclusivos, procurar hematologista Marcada consulta com

Leia mais

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Doenças potencialmente tratáveis com transplantação de medula óssea Leucemias

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER/ INCA/ RJ

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER/ INCA/ RJ DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Pesquisador: PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP Título da Pesquisa: Impacto da Suplementação Oral com ômega-3 no Estado Nutricional, Perfil Imunológico e Inflamatório de Pacientes

Leia mais

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação 1. Tipo de trabalho e responsabilidades principais O Gastrenterologista Pediátrico é um médico com formação em Pediatria

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Terapia Nutricional e Imunomoduladora em Pacientes com Câncer e Caquexia

Terapia Nutricional e Imunomoduladora em Pacientes com Câncer e Caquexia Terapia Nutricional e Imunomoduladora em Pacientes com Câncer e Caquexia DESNUTRIÇÃO NO CÂNCER MULTIFATORIAL INGESTÃO ALIMENTAR INADEQUADA ALTERAÇÕES NO GASTO ENERGÉTICO E NO METABOLISMO DE NUTRIENTES

Leia mais

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS CINÉTICA DO FERRO Danni Wanderson Introdução A importância do ferro em nosso organismo está ligado desde as funções imune, até as inúmeras funções fisiológicas, como

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Alexandre Leite) Reduz a zero as alíquotas da Contribuição para o PIS/PASEP e da Cofins incidentes sobre os serviços de administração de dietas enteral e parenteral.

Leia mais

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0 NOTA TÉCNICA 75/2013 Solicitante Juiz de Direito Dr.Alexsander Antenor Penna Silva Comarca de João Monlevade Processo Número 0024 13 023060-0 Data: 23/05/2013 Medicamento/ x dieta Material Procedimento

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos

Leia mais

WORKSHOP PARTICULARIDADES NA DOENÇA RENAL CRÔNICA EM GATOS ADULTOS X IDOSOS

WORKSHOP PARTICULARIDADES NA DOENÇA RENAL CRÔNICA EM GATOS ADULTOS X IDOSOS WORKSHOP PARTICULARIDADES NA DOENÇA RENAL CRÔNICA EM GATOS ADULTOS X IDOSOS PARTE I: Profa. Dra. Maria Cristina Nobre e Castro (UFF) Doenças renais primárias em gatos que podem evoluir para DRC (jovem

Leia mais

LITERATURA DE CREATINA

LITERATURA DE CREATINA Nome Científico: Ácido acético metilguanidina Fórmula Química: NH 2 -C(NH) - NCH 2 (COOH)-CH 3 Descrição: A creatina [NH 2 -C(NH) - NCH 2 (COOH)-CH 3 ], uma amina nitrogenada, é um composto de aminoácidos

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2009

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2009 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2009 Medicina - Especialização - TMO Este Caderno contém as questões discursivas de Conhecimentos Específicos correspondentes ao curso descrito acima. Confira se este

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Vida. A importância da alimentação ao longo do ciclo da vida. Factores Fisiológicos, Religiosos, Culturais, Socio-economicos 22-10-2008

Vida. A importância da alimentação ao longo do ciclo da vida. Factores Fisiológicos, Religiosos, Culturais, Socio-economicos 22-10-2008 Nutrição e Hidratação em Fim de Vida Nutricionista Sónia Velho Unidade de Nutrição e Dietética Instituto Português de Oncologia de Lisboa-Francisco Gentil Congresso Nacional de Cuidados Paliativos 2008

Leia mais

PROTÉICO-CALÓRICACALÓRICA. Prof a. Dr a. Andréia Madruga de Oliveira Nutrição p/ Enfermagem 2009/2

PROTÉICO-CALÓRICACALÓRICA. Prof a. Dr a. Andréia Madruga de Oliveira Nutrição p/ Enfermagem 2009/2 DESNUTRIÇÃO PROTÉICO-CALÓRICACALÓRICA Prof a. Dr a. Andréia Madruga de Oliveira Nutrição p/ Enfermagem 2009/2 Desnutrição protéico-calóricacalórica Síndrome clínica em conseqüência de um balanço energético

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso ANEXO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do Metabolismo (anabolismo x catabolismo) Metabolismo de Carboidratos Metabolismo de Lipídeos Motilidade no trato gastrointestinal Introdução ao Metabolismo

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ Rita de Cássia Felix

Leia mais

Grau A de evidência: a escolha completa da fórmula

Grau A de evidência: a escolha completa da fórmula Grau A de evidência: a escolha completa da fórmula A escolha de um nutriente pode ser realizada mediante a leitura de um guia alimentar (diretriz) produzido por entidade científica renomada como ASPEN

Leia mais

Prevenção de náuseas, vômitos e reações anafiláticas induzidos pela terapia antineoplásica (quimioterapia e terapia alvo).

Prevenção de náuseas, vômitos e reações anafiláticas induzidos pela terapia antineoplásica (quimioterapia e terapia alvo). Prevenção de náuseas, vômitos e reações anafiláticas induzidos pela terapia antineoplásica (quimioterapia e terapia alvo). Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Nome do protocolo: Prevenção de

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

Uso de nutrição parenteral em câncer: Como e quando? Valéria Abrahão vavaabrahao@gmail.com Blog: eternuemtn.org Facebook: Eternu

Uso de nutrição parenteral em câncer: Como e quando? Valéria Abrahão vavaabrahao@gmail.com Blog: eternuemtn.org Facebook: Eternu Uso de nutrição parenteral em câncer: Como e quando? Valéria Abrahão vavaabrahao@gmail.com Blog: eternuemtn.org Facebook: Eternu Até 1972 1973 1974 NPT aumenta crescimento do tumor Estudo com testes de

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

UNIVERSI DADE CATÓLI CA DE PERNAMBUCO UNICAP PRÓ REI TORI A DE ENSI NO, PESQUI SA E EXTENSÃO PROESPE DEP ARTAMENTO DE BI OLOGI A / ESPAÇO EXECUTI VO

UNIVERSI DADE CATÓLI CA DE PERNAMBUCO UNICAP PRÓ REI TORI A DE ENSI NO, PESQUI SA E EXTENSÃO PROESPE DEP ARTAMENTO DE BI OLOGI A / ESPAÇO EXECUTI VO UNIVERSI DADE CATÓLI CA DE PERNAMBUCO UNICAP PRÓ REI TORI A DE ENSI NO, PESQUI SA E EXTENSÃO PROESPE DEP ARTAMENTO DE BI OLOGI A / ESPAÇO EXECUTI VO I I I CURSO DE ATUALI ZAÇÃO EM NUTRI ÇÃO PARENTERAL

Leia mais

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM Prof a. Ms. Carolina Rivolta Ackel Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM DEFINIÇÃO Acúmulo de estresse provocado pelo treinamento resultando em queda persistente da capacidade

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Linfoma. Não-Hodgkin

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Linfoma. Não-Hodgkin HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LINFOMA NÃO-HODGKIN EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Linfoma Não-Hodgkin Introdução Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA ANEMIAS SISTEMA HEMATOLÓGICO MEDULA ÓSSEA SANGUE LINFONODOS Volume: 7 a 10 % do peso corporal (cerca de 5 litros)

Leia mais

Leucemias. Claudia witzel

Leucemias. Claudia witzel Leucemias Claudia witzel Introduçao MEDULA ÓSSEA fabrica CÉLULAS (células mães imaturas). célula sanguínea pode tornar-se uma célula mielóide ou uma célula linfóide. que se desenvolvem em células sanguíneas

Leia mais

Nutrição & cuidados no tratamento do câncer. Valéria Bordin Nutricionista CRN3-4336

Nutrição & cuidados no tratamento do câncer. Valéria Bordin Nutricionista CRN3-4336 04/10/2014 Nutrição & cuidados no tratamento do câncer Valéria Bordin Nutricionista CRN3-4336 Nutrição & cuidados no tratamento do câncer O Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL ENFERMEIRO : Elton Chaves NUTRIÇÃO PARENTERAL Refere-se a nutrição feita por uma via diferente da gastro-intestinal. A nutrição parenteral pode servir para

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica.

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica. Hepatites Virais O FÍGADO E SUAS FUNÇÕES. O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas (gradio costal). É responsável por aproximadamente

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014 MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL Belo Horizonte 2014 RESIDENTES MULTIPROFISSIONAIS EM INTENSIVISMO Camilla Serva Camilo Brandão Christina Tinti Cleunice Oliveira Daniela Falcão Gabriela Reis

Leia mais

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi)

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi) Ficha técnica CHÁ VERDE COM CÓLAGENO, VITAMINA C E POLIDEXTROSE Pó para Preparo de Bebida a Base de Chá Verde, com Colágeno hidrolisado, vitamina C e polidextrose Sabor Abacaxi e frutas vermelhas REGISTRO:

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Trombocitopenia Imune Primária (PTI)

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Trombocitopenia Imune Primária (PTI) O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Trombocitopenia Imune Primária (PTI) Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia Coordenação Executiva Merula A. Steagall Comitê Médico Científico ABRALE Bianca

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia Diabetes Mellitus É concebido por um conjunto de distúrbios metabólicos, caracterizado por hiperglicemia resultando de defeitos na secreção de insulina e/ou na sua atividade Report of Expert Committe on

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução injetável intravenosa em frasco-ampola de uso único. Embalagem com 1 frascoampola

APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução injetável intravenosa em frasco-ampola de uso único. Embalagem com 1 frascoampola MODELO DE BULA DO PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DACOGEN decitabina APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução injetável intravenosa em frasco-ampola de uso único. Embalagem com 1 frascoampola com

Leia mais

SUPORTE NUTRICIONAL. Nutrição Parenteral

SUPORTE NUTRICIONAL. Nutrição Parenteral UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DISCIPLINA DE NUTROLOGIA SUPORTE NUTRICIONAL Nutrição Parenteral EnfªDanielli Soares Barbosa Equipe Multiprofissional Terapia Nutricional HC-UFTM CONCEITO Solução

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

Legifol CS folinato de cálcio. APRESENTAÇÕES Legifol CS solução injetável de 10 mg/ml em embalagens contendo 10 ampolas de 5 ml (50 mg).

Legifol CS folinato de cálcio. APRESENTAÇÕES Legifol CS solução injetável de 10 mg/ml em embalagens contendo 10 ampolas de 5 ml (50 mg). Legifol CS folinato de cálcio I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Legifol CS Nome genérico: folinato de cálcio APRESENTAÇÕES Legifol CS solução injetável de 10 mg/ml em embalagens contendo

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

ÍNDICE BRAVEWHEY WHEY PROTEIN BRAVEWK2 PRÉ-TREINO BRAVECARBUS CARBO AMINOBRAVE BCAA BRAVEPURE CREATINA GLUTABRAVE L-GLUTAMINA OXYBRAVE TERMOGÊNICO

ÍNDICE BRAVEWHEY WHEY PROTEIN BRAVEWK2 PRÉ-TREINO BRAVECARBUS CARBO AMINOBRAVE BCAA BRAVEPURE CREATINA GLUTABRAVE L-GLUTAMINA OXYBRAVE TERMOGÊNICO ÍNDICE BRAVEWHEY WHEY PROTEIN BRAVEWK2 PRÉ-TREINO BRAVECARBUS CARBO AMINOBRAVE BCAA BRAVEPURE CREATINA GLUTABRAVE L-GLUTAMINA OXYBRAVE TERMOGÊNICO 04 05 06 07 08 09 10 BRAVEWHEY CONCENTRADO O BRAVEWHEY

Leia mais

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA Academia Nacional de Medicina PANCREATITE AGUDA TERAPÊUTICA José Galvão-Alves Rio de Janeiro 2009 PANCREATITE AGUDA FORMAS EVOLUTIVAS INÍCIO PANCREATITE AGUDA 1º - 4º Dia Intersticial Necrosante 6º - 21º

Leia mais

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 ASPECTOS MÉDICOS M DA DOAÇÃO DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ INTRODUÇÃO ; TRANSPLANTE

Leia mais

Tocar, Nutrir e Cuidar

Tocar, Nutrir e Cuidar Tocar, Nutrir e Cuidar Soluções adequadas para a prevenção e cicatrização de feridas tocar nutrir cuidar Quando falamos do cuidado integral do paciente precisamos pensar em vários fatores que afetam a

Leia mais

Frutovitam Polivitamínicos sem minerais. Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Solução Injetável MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Frutovitam Polivitamínicos sem minerais. Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Solução Injetável MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Frutovitam Polivitamínicos sem minerais Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Solução Injetável MODELO DE BULA PARA O PACIENTE I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: FRUTOVITAM polivitamínicos sem

Leia mais

Manejo da Diarréia no Paciente Crítico

Manejo da Diarréia no Paciente Crítico Manejo da Diarréia no Paciente Crítico Bibiana Rubin Especialista em Clínica Terapêutica Nutricional Mestre em Saúde Coletiva Nutricionista Clínica CTI/HCPA Não há conflitos de interesse. Diarréia do Paciente

Leia mais

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Myograf filgrastim

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Myograf filgrastim MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Myograf filgrastim IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES Solução injetável Myograf 300 mcg/ml: Embalagens contendo 5 frascos-ampola com 1 ml USO SUBCUTÂNEO / INFUSÃO

Leia mais

NECESSIDADES ENERGÉTICAS DE PACIENTES EM NUTRIÇÃO ENTERAL: COMPARAÇÃO DE DOIS MÉTODOS

NECESSIDADES ENERGÉTICAS DE PACIENTES EM NUTRIÇÃO ENTERAL: COMPARAÇÃO DE DOIS MÉTODOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 NECESSIDADES ENERGÉTICAS DE PACIENTES EM NUTRIÇÃO ENTERAL: COMPARAÇÃO DE DOIS MÉTODOS Mariana da Silva Ricoldy 1 ; Izabelle

Leia mais