Trabalho julgado adequado e aprovado com conceito A em / /.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho julgado adequado e aprovado com conceito A em / /."

Transcrição

1 Revista Conceito A Revista dos Trabalhos de Conclusão de Curso RECIFE 2011 FLAVIANO GONÇALVES LOPES DE SOUZA FACULDADE SÃO MIGUEL CURSO DE FISIOTERAPIA FLAVIANO GONÇALVES LOPES DE SOUZA EFEITO DA CINESIOTERAPIA RESPIRATÓRIA COMO PREVENÇÃO E/OU TRATAMENTO NO PÓS-TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA. EFEITO DA CINESIOTERAPIA RESPIRATÓRIA COMO PREVENÇÃO E/OU TRATA- MENTO NO PÓS-TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA. RECIFE 2011 ORIENTADOR Prof. Fábio Romero Gallote de Albuquerque Trabalho julgado adequado e aprovado com conceito A em / /. Banca Examinadora 924

2 INTRODUÇÂO A hematopoiese é o processo de formação no qual são geradas as células sanguíneas e tem durante o período de vida embrionária o seu início, e é também através deste mesmo processo que o corpo humano mantém os níveis fisiológicos das células maduras circulantes no sangue periférico (OLIVEIRA, 2008). Entretanto o órgão que tem a função de produzir a hematopoiese é a medula óssea (MO) chamada de medula vermelha, que é um tecido esponjoso mole encontrado em alguns ossos do corpo como, por exemplo, as extremidades dos ossos longos dos membros inferiores e superiores (DIAS, 2009). Como forma de tratamento terapêutico para muitas doenças que afetam esse órgão de suma importância para vida humana, surge ao final do século XIX o transplante de medula óssea. Essa modalidade terapêutica tem como característica maior a simplicidade na sua realização, pois é um processo no qual o paciente que necessita do tratamento o recebe por meio de transfusão periférica contendo células progenitoras de um doador com total compatibilidade. O doador pode ser um parente ou qualquer individuo compatível que se encontra cadastrado no banco nacional de medula óssea. Essa doação não ocasiona nenhum dano à saúde do doador, bem diferente do que acontece com a maioria dos transplantes de órgãos sólidos (DIAS, 2009). Dependendo da patologia que criou a necessidade do transplante de medula óssea, o paciente é em muitas ocasiões encaminhado para vários ciclos de quimioterapia e em alguns casos também para a radioterapia ocasionando normalmente profunda depressão imunológica. A partir desse quadro o paciente pode tornar-se sucessível a várias complicações tais como: infecções; doença do enxerto contra hospedeiro (DECH); doença veno-oclusiva dentre outras (SOUZA, 2002). Efeito da cinesioterapia respiratória como prevenção e/ou tratamento no pós-transplante de medula óssea. As complicações respiratórias se dá a partir do ponto de supressão total da medula óssea. Esses complicações afetam em torno de 40 a 60% dos receptores de TMO. Os indivíduos que fazem uso do transplante alogênico possui uma maior probabilidade de desenvolver uma complicação infecciosa do que os 925

3 Revista Conceito A Revista dos Trabalhos de Conclusão de Curso que realizam o transplante autólogo. As complicações respiratórias não-infecciosas em pacientes submetidos ao TMO são também frequentes (NIEDERMAN et al, 2006). Sendo assim, o conhecimento e a experiência adquiridos mostraram a necessidade de uma equipe multidisciplinar com a capacidade de diminuir a morbidade e mortalidade desses pacientes. Por isso, faz-se necessário que esteja inserido nesta equipe multidisciplinar um profissional de fisioterapia para que com seus métodos e técnicas possam minimizar, aliviar e/ou restaurar as funções responsáveis pelo bem estar do paciente, e também prevenir, diminuir e tratar possíveis complicações pulmonares; manter a amplitude de movimento articular e a força muscular; evitar as complicações ocasionados pela mobilidade no leito; minimizar quadro álgico e proporcionar qualidade de vida (SIMÃO, 2004). Este trabalho teve como base artigos encontrados em bancos de dados científicos eletrônicos tais como: Bireme e Scielo; pesquisa realizada no âmbito da biblioteca da Faculdade São Miguel e de outras instituições de ensino superior da cidade do Recife, além do acervo da biblioteca do Instituto Nacional do Câncer (INCA) no Rio de Janeiro no período de dezembro de 2000 a agosto de 2011, salvo algumas publicações no período de 1990 a 1999 por apresentarem relevância literária para este estudo. 1. A MEDULA ÓSSEA. Logo após o nascimento, o ser humano apresenta em sua conformação óssea um tecido esponjoso mole, denominado medula óssea (MO). Com a competência de gerar o sangue a MO também denominada de medula vermelha, órgão que possui a capacidade de realizar a hematopoese. À medida que os anos vão passando, grande parte dessa medula passa a ser trocada por um tecido gorduroso e a partir desse momento passa a ser chamada de medula amarela, que por sua vez não possui a habilidade de produzir sangue (DIAS,2009). É fundamental que haja na MO três circunstâncias como base para que ocorra a hematopoese, são elas: a existência de células parenquimatosas, responsáveis pela composição do tecido medular e pela competência de gerar 926

4 as células sanguíneas; a constituição de um microambiente medular favorável constituído por células estromais, células endoteliais, fibroblastos, linfócitos, macrófagos e pelo resumo de fatores de desenvolvimento, citocinas e a existência de uma matriz extracelular constituída por fibronectina, hemonectina, fibras de colágenos e proteoglicanos que favorecem a base de sustentação ao tecido estromal e parenquimatoso (OLIVEIRA, 2007). A MO, conhecida popularmente como tutano, no ser humano adulto ocupa a parte interna de alguns ossos, que são: as extremidades dos ossos longos dos membros superiores e inferiores; as costelas; corpo das vértebras; as partes esponjosas de alguns ossos curtos e o interior dos ossos do crânio. Entretanto as células hematopoiéticas continuam a ser as produtoras dos componentes figurados do sangue: as hemácias (glóbulos vermelhos), os leucócitos (glóbulos brancos), e as plaquetas (trombócitos) (FUNDAÇÃO PRÓ-SANGUE, 1996). Efeito da cinesioterapia respiratória como prevenção e/ou tratamento no pós-transplante de medula óssea. FIGURA 1: Esquema da localização da medula óssea, plaquetas e glóbulos Vermelho e branco. FONTE: adamimages.com 927

5 Revista Conceito A Revista dos Trabalhos de Conclusão de Curso No desenvolvimento do tecido sanguíneo são encontradas células indiferenciadas que são nominadas de células-tronco (totipotente) hematopiéticas, ficando com a obrigação de produzir sangue na MO, tornando-se em todas as células do sangue. A MO, além disso, é a origem produtora de células-tronco adultas, que são as células com poder de auto-replicação, ou seja, que tem o domínio de criar uma cópia idêntica a si mesma e com capacidade de modificar-se em inúmeros tecidos (ZATZ, 2006). Após o embrião formado, suas primeiras células sofrem sucessivas divisões, passando pelo processo de mitose, no qual uma célula mãe se divide em duas células filhas. As duas células derivadas têm igual composição genética e as mesmas particularidades onde não sofrerá interrupção na reprodução das células, tornando maior o número delas e o crescimento do embrião, que gradualmente acontece uma diferenciação, produzindo linhagens modificadas que constituirão tecidos diversos tais como: conjuntivo, epitelial, óssea, muscular, etc. (OTTO, 2002). Tal célula ao se dividir cria uma célula que distingui-se de outra que permanece com a mesma composição da original. Dessa forma, esta célula deverá se diferenciar em outra, simultaneamente em que pode manter suas características fundamentais. Tal forma de conservação das características possibilita, em organismo maduro, que exista um conjunto de células que ainda forneçam características primitivas, ou precursoras, ou tronco. Por esses motivos são nomeadas células-tronco ou totipotentes (OTTO,2002). Sendo assim, ao final deste processo as células diferenciadas alcançam a circulação sanguínea, com o intuito de desempenhar seu papel. A MO permanece em ação intensa e constante na fabricação de células sanguíneas, e necessita de um maior aporte sem interrupções do fornecimento de substâncias. Como exemplo, pode-se citar a produção de novos glóbulos vermelhos que a MO re-aproveita o ferro retido na hemoglobina abandonado por hemácias que completaram seu ciclo de vida e geram novas moléculas de hemoglobina (BU- ZAID E HOFF, 2006). Dessa forma, a célula-tronco detém a habilidade de auto-replicação e o poder de criar duplicata perfeitamente igual a si mesma, com potencial de transforma-se em inúmeros tecidos. Que por sua vez pode ser extraídas da 928

6 MO, sangue periférico ou cordão umbilical, e sua disfunção pode ocasionar doenças como a leucemia mielóide crônica, o mieloma múltiplo e a anemia aplástica severa, entre outras (ZATZ, 2006). 2. O TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA TMO O desenvolvimento da técnica do TMO foi criado tendo como suporte os trabalhos e experimentos ocorridos na metade do século XX, no qual aconteceu um aumento da utilização da técnica, que tem sido o causador da ampliação expressiva da sobrevida de muitos indivíduos com doenças que precisam desse procedimento como forma de tratamento (TABAK,1991). O Transplante de Medula Óssea (TMO), tem por objetivo inserir a célula progenitora hematopoiética (CPH) com o intuito de concertar um deficiência quantitativa e qualitativa da MO (PASQUINI, 2000). Figura 3 Efeito da cinesioterapia respiratória como prevenção e/ou tratamento no pós-transplante de medula óssea. FIGURA 2: Esquema do modo como se realiza o TMO. FONTE: adamimages.com As células tronco hematopoiéticas podem ser obtidas diretamente na cris- 929

7 Revista Conceito A Revista dos Trabalhos de Conclusão de Curso ta ilíaca, por meio da aspiração da MO; sangue periférico, através de máquinas de aférese; ou também pode ser extraída do sangue de cordão umbilical. No entanto o termo TMO é conservado, mesmo sendo um termo genérico, uma vez que a MO não é a única a originar as células progenitoras hematopoiéticas (MENDES & LOPES, 2002). Assim sendo, o transplante de células-tronco hematopoiéticas (TCTH), embora seja muito divulgado como TMO, é uma forma terapêutica, que se apresenta no processo destinado a curar ou a paliar as patologias onco-hematológicas, que lesam o trabalho realizado pela MO. Da mesma forma pode servir como tratamento coadjuvante nos tumores sólidos cuja função será restaurar a fabricação de células sanguíneas (AZEVEDO & RIBEIRO, 2000). A particularidade fundamental do TMO ou TCTH que se distingui da grande maioria dos outros transplantes de órgãos, é que a pessoa que necessita do TCTH ganha por via de transfusão células progenitoras de um doador com completa compatibilidade. Qualquer pessoa que seja compatível e que esteja registrado no banco de doadores de MO pode ser doador, independente de ser aparentado ou não do paciente que necessita de transplante. Ser um doador de MO não ocasiona nenhum dano ou prejuízo a saúde do individuo que fornece o material para doação (DIAS, 2009). 2.1 BREVE HISTÓRICO DO TMO Na segunda metade da década de 50 foi utilizado pela primeira vez o transplante de medula óssea humana como tratamento para pacientes vítimas de acidentes com radiação. Nos anos 60 com a descoberta da tipagem de histocompatibilidade tornou possível a combinação do tecido do recipiente (paciente) com o tecido da medula do doador, sendo a teoria do tratamento que o enxerto de medula saudável de um doador proporcionaria função medular normal para o paciente e erradicação do processo patológico. Atualmente o transplante é considerado quando a doença do paciente não responde à terapia convencional e o transplante é a única esperança para cura (IRWIN & TECKLIN, 2003). Sendo assim, o transplante de medula óssea (TMO) foi um dos avanços da medicina no século XX. Hoje se realiza mais de transplantes por ano em todo mundo, entretanto ainda é um procedimento 930

8 de alta morbidade e mortalidade, mas permite a cura atualmente, antes, sem nenhuma possibilidade. O TMO é uma transfusão de células nucleadas da medula óssea (MO) com o mesmo sentido de uma transfusão de sangue periférico (SP). A técnica habitual é a injeção intravenosa de MO total, embora a remoção de células não desejadas ou o enriquecimento de células-tronco sejam usualmente utilizados (FILHO, 2006). Em 1968 foi o ano em que aconteceram os primeiros transplantes alogênicos bem sucedidos, que foram realizados em dois pacientes com imunodeficiência, portadores, respectivamente, de deficiência imunológica combinada grave (SCID) e de síndrome de Wiskott-Aldrich (SWA) (VOLTARELLI & STRACIERI, 2000). No Brasil, o Dr. Ricardo Pasquini e sua equipe na Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, e a Dr a. Mary E. Flowers no Centro Nacional de Transplante de Medula Óssea (CNTMO) do Instituto Nacional do Câncer (INCA), no Rio de Janeiro, foram pioneiros dessa técnica, nos anos 80 (TABAK, 1991). 2.2 MODALIDADES DO TMO O TMO é um tratamento adequado para anomalias adquiridas ou congênitas da hematopoiese na qual a MO defeituosa do indivíduo afetado sofre uma ablação e é trocado por MO de um doador normal (transplante alogênico); ou em patologias malignas avançadas, nas quais se administram quimioterapia que destroem a MO doente e trata o câncer, e as próprias células da MO do paciente guardadas é, às vezes, lavadas, são infundidas para reconstituir a hematopoiese normal (transplante autólogo). A partir das inovações da qualidade de coleta e manipulação das células da MO, a utilização desse tratamento teve um aumento substancial (STADTMAUER, 1999). Efeito da cinesioterapia respiratória como prevenção e/ou tratamento no pós-transplante de medula óssea. Hoje o transplante pode ser feito de três maneiras: autogênico, quando a medula ou as células são do próprio individuo transplantado; alogênico, quando se utiliza a MO de um doador para um paciente; e singênico, em que se tem como doador um irmão gêmeo (OTTO, 2002). 931

9 Revista Conceito A Revista dos Trabalhos de Conclusão de Curso Entretanto, a probabilidade de uma pessoa que necessita do TMO encontrar um doador ideal entre irmãos (mesmo pai e mesma mãe) é de 25% e em relação ao pai ou mãe ser doador essa probabilidade cai para 5%. Por causa da grande diversificação de raças no Brasil, a chance de encontrar um doador em bancos de medula estima-se que seja 1/ em doadores brasileiros, e esse número é muito inferior nos bancos de MO internacionais (ABRALE, 2006) TRANSPLANTE AUTÓLOGO Na realização do transplante autólogo a origem de células progenitoras neste caso é o próprio paciente. Esta modalidade é uma conduta viável preferencialmente nos casos de doenças neoplásicas, tanto hematológicas quanto em alguns tipos de tumores sólidos. Estas doenças exibem períodos no qual são de grande importância altas doses de quimioterapia, na tentativa de erradicar completamente a doença de base. A agressividade do tratamento é na grande maioria das vezes um período de tempo prolongado, no qual leva a uma aplasia medular irreversível ou prolongada (DIAS, 2009). As células progenitoras são preferencialmente obtidas do sangue periférico e antecipadamente coletadas e criopreservadas ou ainda infundidas imediatamente. Com a infusão das células a aplasia medular é diminuída e a hematopoiese é restaurada. O momento ideal para coletar essas células é no período de remissão da doença (MASSUMOTO & MIZUKAMI, 2000). O propósito do transplante de células progenitoras hematopoiéticas autólogo, é viabilizar a administração de quimioterapia em altas doses, nas patologias que manifestam sensibilidade ao acréscimo das doses dos quimioterápicos. Como a toxicidade da dose limitante destas medicações é a mielossupressão, a infusão de células progenitoras hematopoiéticas possibilita a utilização de doses que nunca poderiam ser administradas se não existisse este recurso (CASTRO et al, 2001). Apesar de o transplante autogênico ser de menor complexidade e com menos complicação que o transplante alogênico, é de grande importância a presença de uma equipe treinada especializada e multidisciplinar. Assim como 932

10 ocorre com o transplante alogênico, as discussões a respeito das prescrições são frequentes. Esse tipo de transplante trás como vantagem o fato de não haver a reação imunológica entre doador e receptor. No entanto, a consequência antitumoral se torna menor e o perigo de recidiva maior (CASTRO et al, 2001). FIGURA 3: Sequência da realização do TMO autólogo. FONTE: comciencia.br Efeito da cinesioterapia respiratória como prevenção e/ou tratamento no pós-transplante de medula óssea TRANSPLANTE SINGÊNICO Essa modalidade de transplante só pode ser realizado entre irmãos gêmeos idênticos. A identidade antigênica entre doador e receptor é absoluta e não se reproduz, por esse motivo não acontece nenhuma complicação imunológica. No entanto este transplante é destituído de efeito antitumoral, podendo ocorrer recidivas. O transplante singênico é uma modalidade terapêutica rara (MASSU- 933

11 Revista Conceito A Revista dos Trabalhos de Conclusão de Curso MOTO & MIZUKAMI, 2000) TRANSPLANTE ALOGÊNICO O TCTH é uma das mais importantes estratégias para a cura de doenças neoplásicas malignas hematológicas, reunidas a um prognóstico desfavorável com a quimioterapia convencional ou que seguiram avançando depois de uma resposta inicial à quimioterapia. Existe a cada ano um acréscimo do número de transplantes alogênicos executados, e esse acréscimo é realizável por causa da melhor qualificação da compatibilidade do sistema HLA (Antígeno Leucocitário Humano) entre doadores e receptores e aos progressos nos métodos de imunossupressão (DIAS, 2009). Na ultima década, o modelo de terapêutica das leucemias por TCTH foi modificada. Inicialmente o objetivo era aplicar doses mieloablativas de radiação e quimioterapia de modo que pudesse suprimir a leucemia, e o transplante por sua vez ocorria como forma de prevenir ou restringir o óbito por lapso da MO. Nos dias atuais, a perspectiva do TCTH alogênico apoia-se em um sistema de condicionamento com pequenas doses de quimioterapia e radioterapia, bastante apenas para admitir o enxerto das células-tronco hematopoiéticas do voluntário que serviu de doador. No modelo atualizado do transplante alogênico, as células aloimunes, que são originárias do doador e que são as que possuem o papel de erradicar as células leucêmicas, denominado efeito enxerto contra leucemia (ECL), como uma maneira de imunoterapia adotiva (OLIVEIRA & DIAMOND, 2008). Foi mostrado, nos dias atuais, que as células natural killer (NK), atuam como mediadores do efeito enxerto contra leucemia, e o empenho nas possibilidades antileucêmico destas células tem aumentado nos últimos anos. A recuperação dessas células se dá muito rápido após o TCTH e assim se tornam aptas para mediar à resposta imune inicial, agora que a recuperação das células T é mais demorada. As células NK são elementos necessários do sistema imune natural e possui a habilidade de lisar células alvos, como também prover citocinas imunorregulatórias (DIAS, 2009). Qualquer pessoa cadastrada no banco nacional de medula óssea ou parente que seja compatível com o paciente que necessita do transplante alogênico pode ser doador de células progenitoras. Neste tipo de transplante podem 934

12 surgir complicações relacionadas a reações imunológicas entre as células do doador e do receptor. Podendo desenvolver doença do enxerto contra hospedeiro (DECH). Do mesmo modo as reações imunológicas podem agir sobre as células neoplásicas residuais, desencadeando um efeito antitumoral, que colabora para a redução nas chances de uma recidiva da patologia. Para a realização de um transplante alogênico se faz importante que exista compatibilidade total entre doador e receptor, que por sua vez é conferida por meio de exames de histocompatibilidade HLA (DIAS, 2009). 2.3 INDICAÇÕES DE TMO Inúmeras doenças hematológicas, genéticas, imunológicas e oncológicas possuem indicação para fazer uso do transplante de medula como modalidade terapêutica. Essa indicação se fundamenta com base no estado clínico do indivíduo que necessita do transplante e na evolução da doença. Nas leucemias agudas, o momento mais adequado para realizar o tratamento é depois que se consegue obter a remissão completa da doença; no entanto, o mesmo não ocorre em outras doenças, nas quais o transplante cumpre sua função como consolidação da quimioterapia. Sendo assim a indicação do transplante de medula óssea depende, em geral, da fase da doença em que os pacientes se encontram (SARMENTO, 2010). Efeito da cinesioterapia respiratória como prevenção e/ou tratamento no pós-transplante de medula óssea. 935

13 Revista Conceito A Revista dos Trabalhos de Conclusão de Curso Como descrito na tabela o TMO é utilizado como tratamento para doenças como as leucemias agudas, tanto as linfoblásticas, quanto as mioloblásticas (TABAK, D. G., 2000). Pode ser usada também como tratamento para doença de hodgikin, neoplasia maligna das estruturas linfáticas, ainda pode ser utilizado nas doenças hematológicas benignas, como a anemia aplástica, a anemia de fanconi entre outras doenças que não são originadas na MO, mas se utiliza do TMO como tratamento (ANDERS et al, 2000; PASQUINI, 2000; PORTH et al, 2004) CRITÉRIOS DE INDICAÇÕES A Portaria 931 de 02 de maio de 2006 aprova o regulamento técnico para o TCTH com seus critérios e indicações: TCTH autólogo de MO e sangue periférico: idade igual ou inferior a 70 anos. Indicações: a) leucemia mielóide aguda em primeira ou segunda remissão; b) linfoma não Hodgkin de graus intermediário e alto, indolente transformado, quimiossensível, como terapia de salvamento após a primeira recidiva; c) doença de Hodgkin quimiossensível, como terapia de salvamento, excluídos os doentes que não se beneficiaram de um esquema quimioterápico atual; d) mieloma múltiplo; e) tumor de célula germinativa recidivado, quimiossensível, excluídos os doentes que não se beneficiaram de um esquema quimioterápico atual. TCTH alogênicos aparentados de MO, sangue periférico e de cordão umbilical. Com mieloablação: idade do receptor igual ou inferior a 60 anos. 936

14 Indicações: a) leucemia mielóide aguda em primeira remissão, exceto leucemia promielocítica (M3), t(8;21) ou inv. 16; b) leucemia mielóide aguda com falha na primeira indução; c) leucemia mielóide aguda em segunda ou terceira remissão; d) leucemia mielóide aguda/linfoma linfoblástico em segunda ou remissões posteriores; e) leucemia linfóide agida Ph+ entre a primeira e a segunda remissão; f) leucemia mielóide crônica em fase crônica ou acelerada (de transformação); g) anemia aplástica grave adquirida ou constitucional; h) síndrome mielodisplásica de risco intermediário ou alto, incluindo-se a leucemia mielomonocítica crônica na formas adulto e juvenil LMC juvenil; i) imunodeficiência celular primária; j) talassemia até 2 (dois) centímetros do rebordo costal, sem fibrose hepática e tratados adequados com quelante de ferro; k) miolofibrose primária em fase evolutiva. Sem mioloablação: idade do receptor igual ou inferior 70 anos. Indicações: Efeito da cinesioterapia respiratória como prevenção e/ou tratamento no pós-transplante de medula óssea. a) as mesmas indicações do transplante alogênico aparentado com mieloablação, em pacientes com doença associada (co-morbidade); b) leucemia linfóide crônica; c) mieloma múltiplo; d) linfoma não Hodgkin indolente; 937

15 Revista Conceito A Revista dos Trabalhos de Conclusão de Curso e) doença de Hodgkin quimiossensível, como terapia de salvamento, excluídos os doentes que não se beneficiaram e um esquema quimioterápico atual. TCTH alogênicos não-aparentados de MO, sangue periférico e de cordão umbilical. Com mieloablação: idade do receptor igual ou inferior a 55 anos. Indicações: As mesmas citadas em TCTH alogênico aparentado. 2.4 O PROCESSO DO TMO A fundamentação do transplante de medula se dá com a infusão, mediante via intravenosa, de células totipotentes em um paciente antecipadamente condicionado. O propósito do método é eliminar as células anormais ou criar espaço (que é o que ocorre com a anemia aplástica) no receptor e admitir a reconstituição hematopoiética em seguida ao regime de condicionamento (SAR- MENTO, 2010). Para que o organismo do paciente aceite a MO do doador e permita seu enxerto, existe a necessidade da supressão total do sistema imune do paciente antes que seja realizado o transplante. De modo que essa supressão seja alcançada com dosagens tóxicas de quimioterapia e provável irradiação corporal total. Os efeitos colaterais comuns desse tratamento são náusea, vômito, diarréia e alopecia (IRWIN & TECKLIN, 2003). A coleta da medula óssea pode ser realizada a partir das cristas ilíacas usando como coletor as agulhas de Thomas. Comumente, o doador é posto em decúbito ventral por meio de anestesia peridural ou geral, e depois, são realizadas inúmeras punções das cristas ilíacas. Após esse procedimento a medula óssea é depositada em meio de cultura heparinizada e em seguida filtrada para poder retirar espículas ósseas e gordura. Ao final, a coleta esta pronta para ser infundida, por meio intravenoso, no receptor. Em consequência da diferença que acontece entre o tamanho das células da MO, existe a possibilidade de fazer 938

16 a centrifugação com o intuito de realizar a separação das células (SARMEN- TO,2010). Após a separação a medula é formada de três partes: no topo, o plasma abundante em plaquetas, a camada leuco-placentária (buffy coat) na parte abaixo, e as células vermelhas sedimentadas na outra porção (SARMENTO, 2010). FIGURA 4: Modo de coleta da MO. FONTE: adamimages O PRÉ-TRANSPLANTE No pré-transplante existe o condicionamento que é a fase que possui o propósito de diminuir e se possível erradicar uma doença maligna existente e dessa forma induzir a imunossupressão do receptor no intuito de aceitar o enxerto. Existem vários regimes de condicionamento, dentre elas pode-se citar: combinações de agentes quimioterápicos (ciclofosfamida, bussulfano, etoposide), irradiação parcial ou corpo total, e outros agentes imunossupressores, em doses que seriam habitualmente maciças e letais sem a infusão posterior das CPH (PASQUINI, 2000). Efeito da cinesioterapia respiratória como prevenção e/ou tratamento no pós-transplante de medula óssea. A erradicação da doença, que não se manifesta claramente, e a produção de imunossupressão, é parte do esquema de tratamento administrado, que os pacientes deverão receber logo antes do TMO. No caso da imunossupressão, 939

17 Revista Conceito A Revista dos Trabalhos de Conclusão de Curso por exemplo, será de grande importância, já que ela será utilizada para ajudar na aceitação da medula óssea recebida no transplante, nesse caso, o TMO alogênico. Mas claro, que tal esquema dependerá bastante, também, do tipo de doença e da origem da medula óssea. Exemplificando, se temos um paciente com imunodeficiência, e que precisa de TMO para tratamento desta doença e, o doador será seu irmão, no caso histocompatível com o paciente, não haverá essa necessidade de tratamento. Isso pelo simples fato de não ser preciso erradicar nenhuma célula do paciente. Fora que o paciente, também, estará imunodeprimido para que a medula transplantada seja rejeitada. Já no caso da anemia plástica, não existe qualquer população grande de células para ser erradicada, e a administração de doses altas de ciclofosfamida mais globulina antitimócito gera imunossupressão bastante para que o paciente possa admitir adequadamente o enxerto medular (APPELBAUM, 2010). Quando ocorre talassemia e anemia falciforme, repetidas vezes é acrescentado bussulfano em doses altas à ciclofosfamida, com o propósito de extirpar a hematopoiese hiperplásica do hospedeiro. Por esse motivo foi desenvolvido inúmeros esquemas diferentes que pudesse ser utilizados como tratamento de patologias malignas. Esses esquemas, em sua grande maioria, inserem agentes com aumento da ação contra o tumor (APPELBAUM, 2010) O PÓS-TRANSPLANTE No dia em que o paciente recebe o transplante de células progenitoras hematopoiéticas é chamado dia 0 (zero). Os dias (D) anteriores, que é quando acontece o condicionamento, são denominados como negativos (CASTRO et al, 2001). Posterior a etapa de condicionamento e infusão das células progenitoras hematopoiéticas, o paciente passa por um período de aplasia medular por aproximadamente duas a três semanas. Nessa etapa, a possibilidade de ocorrer infecções é maior, como pode também acontecer anemia e sangramentos. Repetidas vezes os pacientes necessitam de um suporte hemoterápico. Após a realização do transplante de células progenitoras hematopéticas, a reconstituição da medula óssea se baseia em dois processos diferentes: a recuperação numérica dos elementos celulares da medula e a recuperação funcional das intera- 940

18 ções celulares (REIS & VISENTAINER, 2004). De modo geral a numeração de leucócitos está abaixo de 100 células/ mm 3 por volta do D+4, dependendo do tipo de condicionamento utilizado e da doença de base. Considera-se que houve a pega da medula logo que a contagem de células mantenha-se acima de 500 células/mm 3 por três dias seguidos, o que pode acontecer por volta dos D+15 a D+19 após o transplante alogênico relacionado (CASTRO et al, 2001). Já no caso das plaquetas a contagem frequentemente fica abaixo de células/mm 3, manifestando o início da recuperação medular quando contagens acima de plaquetas/mm 3 são atingidas sem a necessidade de transfusões por mais de sete dias. Isso acontece por volta dos D+19 a D+25 (CASTRO et at, 2001). No momento em que o número de plaquetas é inferior a células/ mm 3 ou quando existe um sinal de sangramento, são indicadas transfusões de concentrados de plaquetas. A hemoglobina é sustentada acima de 9-10g/dl de sangue também com a ajuda de transfusões. Concentrados de plaquetas e de hemácias devem ser irradiados para inativação dos linfócitos, e filtrados para baixar o número de leucócitos. Dessa forma reduzem-se a incidência da doença do enxerto contra o hospedeiro transfunsional, infecções por citomegalovírus e reações anafiláticas (CASTRO et al, 2001). A recuperação dos linfócitos e das células imunes efetoras acontece paulatinamente, podendo ocorrer de forma demorada, de um ano ou mais, para o receptor poder produzir uma adequada imunidade celular e humoral. Tal recuperação depende de fatores que pode, em alguns casos, interferir como a idade do receptor, a patologia inicial, as diferenças no complexo de Histocompatibilidade Principal (MHC) e antíngenos secundários, a depleção das células T, a terapia de condicionamento, a prevenção da doença do enxerto contra o hospedeiro e estados infecciosos prévios aos transplantes. Esta imperfeição imune que pode perseverar por anos em pacientes que foram submetidos ao transplante alogênico é uma dos principais motivos que levam a morbidade e mortalidade (REIS & VISENTAINER, 2004). Efeito da cinesioterapia respiratória como prevenção e/ou tratamento no pós-transplante de medula óssea. Ainda que o reaparecimento de neutrófilos e plaquetas possa ser considerado o processo final da recuperação hematológica, mesmo depois de forte 941

19 Revista Conceito A Revista dos Trabalhos de Conclusão de Curso quimioterapia e/ou radioterapia e o transplante de medula, a reconstituição imunológica é um elemento primordial neste período para o êxito do transplante, o qual possui grande relevância na proteção do paciente contra agentes patogênicos (REIS & VISENTAINER, 2004). Para se ter sucesso com o transplante se faz necessário que o sistema imunológico possa estar recuperado e competente, para dessa forma ser capaz de defender o organismo contra agentes patogênicos. Os receptores do transplante que estão no pós sem complicações é indicativo de que as suas funções imunológicas deverão ser alcançadas por volta de um ano (REIS & VISENTAI- NER, 2004). 2.5 COMPLICAÇÕES NO PÓS-TMO A rejeição do transplante e as complicações como infecções e doença do enxerto contra o hospedeiro são os principais problemas do TMO e podem resultar em óbito (IRWIN & TECKLIN, 2003). A doença do enxerto contra o hospedeiro (DECH) é uma síndrome sistêmica que se desenvolve depois do transplante alogênico de células progenitoras hematopoiéticas, independente se são originadas da MO, sangue periférico ou cordão umbilical. Esta doença tem inicio a partir de células imunocompetentes do doador que acometem tecidos do receptor geneticamente, a DECH é a grande causadora de morbidade e mortalidade até então observada nos indivíduos transplantados (VIZONI et al, 2008; BALMAN et al, 2009). Podemos classificar a DECH em forma aguda e forma crônica. A forma aguda acontece nos primeiros dois a três meses (nos 100 primeiros dias) depois do paciente receber o transplante e é composta por três sinais que são: exantema, hepatite (com icterícia) e gastroenterite (dor abdominal, diarréia). O desenvolvimento da DECH aguda pode ser explicado em três estágios, nas quais fagócitos mononucleares e outras células acessórias seriam os causadores da iniciação de uma reação do enxerto contra o hospedeiro após completa interação com citocinas. Já a forma crônica da DECH mostra-se de maneira tardia por volta do terceiro ao sexto mês após o transplante, pode acontecer como continuação da DECH aguda (progressiva), depois de um intervalo livre da do- 942

20 ença. Ela pode ser descrita como limitada ou extensa, dependendo dos órgãos acometidos, é uma síndrome multiorgânica, com características parecidas com as doenças auto-imunes e do colágeno. Habitualmente atinge pele, fígado, olhos e mucosa oral, entretanto o trato gastrointestinal, o pulmão e o sistema neuromuscular pode da mesma forma estar envolvidos (VIZONI et al, 2008; SANTOS et al, 2005; MORTON et al, 2007). Além da DECH, as pessoas que utilizaram o TMO como modalidade de tratamento podem, também, ser acometidas por infecções que são um dos grandes problemas no pós transplante. Os pacientes, depois do transplante de medula óssea, têm graves deficiências no sistema imunológico, tornando-se assim muito vulnerável a uma série de infecções bacterianas, fúngicas, virais e parasitárias (NUCCI & MAIOLINO, 2000). Entre as infecções que acometem os indivíduos no pós-tmo a mucosite acontece em quase todos os indivíduos submetidos a essa modalidade de tratamento, atacando o trato gastrointestinal, variando desde hiperemia da mucosa até ulcerações. É tratada com analgésicos tópicos, higiene oral, e quando ocorre uma superinfecção, são administradas drogas antivirais e antifúngicas (CAS- TRO et al, 2001; RAMPINI et al, 2009). Os lugares que mais são atingidos pelas infecções bacterianas são: pulmões, seios da face e cateter. Causadores como os Staphylococcus coagulase negativos bem como o Staphylococcus aureus são habitualmente reconhecidos. O tratamento é realizado com antibióticos de vasto espectro, e os esquemas podem sofrer mudanças em conformidade com os patógenos e seus padrões de sensibilidade (CASTRO et al, 2001). As infecções podem também ter como agentes patógenos os fungos. A utilização do fluconazol como prevenção no espaço de período de neutropenia obteve um impacto positivo nestes pacientes, fazendo cair à quantidade de infecções por Candida albicans, se bem que a ocorrência de outras espécies de Candida, que são resistentes a esta prevenção tenha se elevado, algumas vezes é imprescindível a intervenção terapêutica com anfotericina (CASTRO et al, 2001). Efeito da cinesioterapia respiratória como prevenção e/ou tratamento no pós-transplante de medula óssea. Depois dos primeiros 100 dias pós-tmo, o perigo dos pacientes que usa- 943

Transplante de Células Tronco Hematopoéticas

Transplante de Células Tronco Hematopoéticas 20 Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Hospital Mãe de Deus Transplante de Células Tronco Hematopoéticas Enfermeira Fabiane Marek Especialista em Enfermagem Oncológica Unidade de Ambiente Protegido

Leia mais

ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO

ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO I - DEFINIÇÕES 1. TCTH de Medula Óssea - Substituição de células-tronco hematopoéticas a partir de células-tronco hematopoéticas

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Protocolo Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Embora a sobrevida dos pacientes com talassemia major e anemia falciforme (AF) tenha

Leia mais

CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO

CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO FRITZ, E. R.¹; GARCIA, M. C. ² ; FILIPINI, S. M. 3 1,2,3, Universidade do Vale do

Leia mais

PORTARIA Nº 931 DE 2 DE MAIO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso de suas atribuições, e

PORTARIA Nº 931 DE 2 DE MAIO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso de suas atribuições, e PORTARIA Nº 931 DE 2 DE MAIO DE 2006. Aprova o Regulamento Técnico para Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso de suas atribuições, e Considerando

Leia mais

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC Documentário Despertar Para a Vida Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC RESUMO A leucemia atinge grande parte da população mundial. Em 2008

Leia mais

PORTARIA Nº 931, DE 2 DE MAIO DE 2006 Aprova o Regulamento Técnico para Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas.

PORTARIA Nº 931, DE 2 DE MAIO DE 2006 Aprova o Regulamento Técnico para Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas. título: Portaria nº 931, de 02 de maio de 2006 ementa: Aprova o Regulamento Técnico para Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas publicação: DOU - Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 03 de

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 ASPECTOS MÉDICOS M DA DOAÇÃO DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ INTRODUÇÃO ; TRANSPLANTE

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O presente Projeto de Lei tem como base e inspiração a Lei Federal nº 11.930, de 22 de abril de 2009, de autoria do deputado federal Beto Albuquerque uma homenagem a seu filho e a

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA, O TRABALHO DE CAPTAÇÃO DE CANDIDATOS E A POSSIBILIDADE DE ENVOLVIMENTO DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA Déborah Carvalho Gerência

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva EU VENCI A LEUCEMIA Alexandra Oliveira da Silva Descoberta da doença Ano 2012 Sintomas gripe medo da gripe A Emergência do Mãe de Deus Exames não conclusivos, procurar hematologista Marcada consulta com

Leia mais

Mato Grosso do Sul conta com 80.665 pessoas cadastradas (até 2010) como doadoras de

Mato Grosso do Sul conta com 80.665 pessoas cadastradas (até 2010) como doadoras de Nesta sexta-feira (12) o Rádio Clube se dedica à solidariedade. Será feita uma campanha de captação de doadores de medula óssea no clube. A intenção da ação é sensibilizar as pessoas para aumentar o número

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA Karina de Sousa Assad * Layana de Souza Guimarães ** RESUMO A proposta desse artigo é demonstrar que algumas alterações posturais podem levar a distúrbios

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Tema: Entenda a Síndrome Mielodisplásica (Mielodisplasia) Total atingido de pessoas na sala: 24 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 I RELATÓRIO. Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea.

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 I RELATÓRIO. Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea. COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea. Autora: Deputada ALICE PORTUGAL Relator: Deputado LELO COIMBRA I RELATÓRIO O Projeto

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2009

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2009 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2009 Medicina - Especialização - TMO Este Caderno contém as questões discursivas de Conhecimentos Específicos correspondentes ao curso descrito acima. Confira se este

Leia mais

Tipos de Transplantes

Tipos de Transplantes TRANSPLANTADOS Tipos de Transplantes Doador Vivo Um dos Rins Parte dos Pulmões Parte do Fígado Medula Óssea Doador Falecido Diagnóstico de Morte Encefálica Rins, Pulmões, Coração, Valvas Cardíacas, Fígado

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

Síndrome Mielodisplásica

Síndrome Mielodisplásica Síndrome Mielodisplásica As sídromes mielodisplásicas, apresentam características heteregêneas não ser progressivas, e ter poucas conseqüências na saúde ou expectativa de vida de uma pessoa. Podem progredir

Leia mais

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade Apresentação Projeto Cultura Doadora É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade e uma atitude proativa para a doação de órgãos e tecidos, bem como na

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS 1 TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS Adriano dos Santos Pereira RESUMO Desde o primeiro procedimento realizado em 1968, o transplante de medula óssea vem sendo utilizado de maneira crescente, o tratamento

Leia mais

Qual é a função dos pulmões?

Qual é a função dos pulmões? Câncer de Pulmão Qual é a função dos pulmões? Os pulmões são constituídos por cinco lobos, três no pulmão direito e dois no esquerdo. Quando a pessoa inala o ar, os pulmões absorvem o oxigênio, que é levado

Leia mais

ALTA COMPLEXIDADE: TRANSPLANTE

ALTA COMPLEXIDADE: TRANSPLANTE MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.217, DE 13 DE OUTUBRO DE 1999 DO Nº 197-E, de 14/10/99 O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a necessidade

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica.

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica. Hepatites Virais O FÍGADO E SUAS FUNÇÕES. O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas (gradio costal). É responsável por aproximadamente

Leia mais

Perguntas Frequentes. Centro de Histocompatibilidade do Norte

Perguntas Frequentes. Centro de Histocompatibilidade do Norte Perguntas Frequentes Desde quando o Banco Público de Células Estaminais do Cordão Umbilical serve gratuitamente a criopreservação às grávidas? O Despacho do Banco Público de células estaminais do cordão

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS (TCTH)

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS (TCTH) UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Diretoria de Enfermagem Serviço de Educação em Enfermagem ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS (TCTH) Patricia Afonso Regino

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA)

PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA) PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA) 29/08/2013 14:00-15:30 h PEDIATRIA (SALA SÃO PAULO) - DISCUSSÃO DE CASOS TCTH em Tumores Sólidos Moderador: Cláudio Galvão de Castro

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Florianópolis, Agosto 2004 Células-tronco O que são células-tronco e o que podemos fazer com elas? Qual a relação

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Leucemia Mielóide Crônica

Leucemia Mielóide Crônica O que você deve saber sobre Leucemia ABRALE. 100% de esforço, onde houver 1% de chance. Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia Coordenação Executiva Merula A. Steagall Comitê Médico

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Ano CXXXVIII Nº 232-E Brasília - DF, 4/12/00 ISSN 1415-1537 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.315, DE

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 Leucemia Mielóide Crônica Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

Discussão para Prova ENADE/2007

Discussão para Prova ENADE/2007 Discussão para Prova ENADE/2007 Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva Erikson Custódio Alcântara Resposta correta: letra c 1 Comentários letra a Não é apenas após uma inspiração

Leia mais

Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea

Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea Manual do Doador Voluntário O desconhecimento sobre a doação de medula óssea é enorme. Quando as pessoas são informadas de como é fácil ser doador voluntário

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Mieloide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Mieloide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Manual de (LMC) O que você deve saber sobre (LMC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Este manual, destinado a pacientes com leucemia mieloide crônica (LMC) e seus familiares,

Leia mais

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia O Fígado na Hematologia Dominique Muzzillo Prof a. Adjunto UFPR 1. Anemias - siderose secundária - hemólise transfusão 2. Doenças Malignas - leucemia

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica Manual de Leucemia (LLC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Você está lutando contra algum câncer do sangue? Existe ajuda gratuita. A ABRALE -

Leia mais

. Hematos = sangue + poese = formação.

. Hematos = sangue + poese = formação. Marco Biaggi - 2015 . Hematos = sangue + poese = formação. transporte de nutrientes, gases respiratórios, hormônios e excretas Sangue participa da defesa do organismos, juntamente com a linfa e o sistema

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório SISTEMA RESPIRATÓRIO O sistema respiratório humano é constituído por um par de pulmões e por vários órgãos

Leia mais

substância intercelular sólida, dura e resistente.

substância intercelular sólida, dura e resistente. Tecido ósseo É um dos tecidos que formam o esqueleto de nosso corpo, tendo como função principal a sustentação. Além disso: serve de suporte para partes moles; protege órgão vitais; aloja e protege a medula

Leia mais

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA ANEMIAS SISTEMA HEMATOLÓGICO MEDULA ÓSSEA SANGUE LINFONODOS Volume: 7 a 10 % do peso corporal (cerca de 5 litros)

Leia mais

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente CÉLULA - TRONCO São células com capacidade de autorenovação,eficiente proliferação, gerando células-filhas com as mesmas características fenotípicas da célula precursora e, ainda, com habilidade de gerar

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO Elaine Jacob da Silva Carmo 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3, 4. 1 Curso de Ciências Biológicas, Unidade Universitária de Ciências

Leia mais

Rua Sérgio Tomás, 608 Bom Retiro - São Paulo - SP CEP: 01131-010 Tel.: (11) 3361-9900 abrale@abrale.org.br www.abrale.org.br

Rua Sérgio Tomás, 608 Bom Retiro - São Paulo - SP CEP: 01131-010 Tel.: (11) 3361-9900 abrale@abrale.org.br www.abrale.org.br Rua Sérgio Tomás, 608 Bom Retiro - São Paulo - SP CEP: 01131-010 Tel.: (11) 3361-9900 abrale@abrale.org.br www.abrale.org.br 2 Leucemia de Células Pilosas (Tricoleucemia) 3 Introdução Este manual fornece

Leia mais

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Adriana Barretto de Mello hemoba@hemoba.ba.gov.br Todo sangue é fracionado em componentes Vantagens Uma doação pode ajudar vários pacientes Para manter as propriedades

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Tema: Mielodisplasia: Novidades no tratamento Total de pessoas que participaram: 34 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

Linfomas. O que você deve saber sobre

Linfomas. O que você deve saber sobre Linfomas O que você deve saber sobre Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia Coordenação Executiva Merula A. Steagall Comitê Médico Científico ABRALE Comunicação & Marketing Diólia

Leia mais

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral! Sistema Cardiovascular! Professor: Bruno Aleixo Venturi! O sistema cardiovascular ou é composto pelo coração

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO. Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO. Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Apresentação de um serviço único na Europa na área da Biotecnologia Clínica As células estaminais

Leia mais

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia O que é Leucemia? O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos brancos. Para melhor entender esta, ou melhor, estas doenças, é importante

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Síndrome Mielodisplásica.

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Síndrome Mielodisplásica. MANUAL DO PACIENTE - SÍNDROME MIELODISPLÁSICA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Síndrome Mielodisplásica. Sabemos

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de Tratamento Odontológico Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2009 A EQUIPE DE SAÚDE BUCAL NA UTMO Fernanda de Paula Eduardo Letícia Mello Bezinelli Pacientes que

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

O que você deve saber sobre Leucemia Mielóide Aguda

O que você deve saber sobre Leucemia Mielóide Aguda O que você deve saber sobre Leucemia Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL Respiração das Aves Monitor: André Fernandes de Azevedo Revisão: Nos mamíferos http://veterinerara.com/wp-content/uploads/2009/08/liver-feline-anatomy.gif

Leia mais

QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL

QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL Graziele Francine Franco Mancarz 1 Bianca Manfroi da Silva 2 Delizie Albuquerque Freitas 3 Grasiele Mayara Bim 4

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Leucemias. Claudia witzel

Leucemias. Claudia witzel Leucemias Claudia witzel Introduçao MEDULA ÓSSEA fabrica CÉLULAS (células mães imaturas). célula sanguínea pode tornar-se uma célula mielóide ou uma célula linfóide. que se desenvolvem em células sanguíneas

Leia mais

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA A Doença, ou Linfoma de Hodgkin, é uma forma de câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, um conjunto

Leia mais

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea Transfusão de Hemocomponentes Especiais Belo Horizonte Abril 2015 Ricardo Olivo Hemocentro Regional de Uberaba Hemocomponentes Especiais São hemocomponentes

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Introdução O termo respiração pode ser entendido como a união do oxigênio com o alimento (substâncias dissolvidas) nas células e a liberação de energia, calor, gás carbônico e água.

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian SISTEMA HEMATOLÓGICO ATUAÇÃO DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO E TRANSFUSÃO SANGUÍNEA SEMINÁRIO ALUNOS DO 4º SEMESTRE

Leia mais

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão Foto: Marcelo Rosa 8h30 8h40-9h 9h-9h50 9h50-10h 10h-10h20 Entrega do material Abertura Conferência: A doação de sangue na América Latina 10h20-10h50 10h50-11h 11h-12h30 11h-11h20 11h20-11h40 11h40-12h

Leia mais

Professora: Ms Flávia

Professora: Ms Flávia Professora: Ms Flávia Sua principal função é: Transporte de nutrientes necessários à alimentação das células; Transporte de gás oxigênio necessário à respiração celular; Remoção de gás carbônico produzido

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 12 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem

Leia mais

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Doenças potencialmente tratáveis com transplantação de medula óssea Leucemias

Leia mais