FAMÍLIA CONVIVENDO COM A CRIANÇA ACOMETIDA PELO CÂNCER DE MEDULA ÓSSEA: O STRESS FÍSICO, PSÍQUICO E EMOCIONAL RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FAMÍLIA CONVIVENDO COM A CRIANÇA ACOMETIDA PELO CÂNCER DE MEDULA ÓSSEA: O STRESS FÍSICO, PSÍQUICO E EMOCIONAL RESUMO"

Transcrição

1 FAMÍLIA CONVIVENDO COM A CRIANÇA ACOMETIDA PELO CÂNCER DE MEDULA ÓSSEA: O STRESS FÍSICO, PSÍQUICO E EMOCIONAL CARMO, Roberta Ivanira Silva do SOUZA, Carmelita de Almeida RESUMO A temática pesquisa foi escolhida devido ao acometido de uma doença grave de uma criança amiga de minha amiga e de meus familiares. Nosso amigo teve como diagnóstico de leucemia, patologia que não só afetou a ele, mais a amigos e familiares. O objeto do estudo: sofrimento psíquico dos familiares. Objetivamos através da pesquisa, investigar o sofrimento psíquico dos familiares de crianças portadoras de leucemias. Pretendemos informar a enfermeiros e profissionais da saúde que as famílias necessitam também da atenção e apoio emocional dos profissionais. Método: pesquisa qualitativa realizada com 10 de pais de crianças com leucemias, o cenário foi um Hospital do Município do Rio de Janeiro, do mês de Janeiro até junho de Apresentamos o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido para os participantes da pesquisa, esclarecemos que seriam utilizados nomes fictícios pa salvaguardar o sigilo e a identidade de suas pessoas, conforme a Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde. Conclusão: vimos na investigação que os familiares das crianças com leucemias apresentavam um importante sofrimento psíquico devido a doença de seus filhos e também por se sentirem de certa forma sem apoio dos profissionais. Quem sabe até a imparcialidade dos profissionais ao lidar com familiares. Sugestões: consideramos de fundamental importância que o enfermeiro promova ações educativas para profissionais e familiares, lembrando que é no momento da dor que precisamos unir forças, com isso contribuindo também para uma recuperação ou pelo menos minimizar a dor desencadeada pelo sofrimento desta tão grava patologia. Palavras chave: Leucemia; Emocional da família; Imparcialidade dos profissionais.

2 FAMÍLIA CONVIVENDO COM A CRIANÇA ACOMETIDA PELO CÂNCER DE MEDULA ÓSSEA: O STRESS FÍSICO, PSÍQUICO E EMOCIONAL FAMILY LIVING TOGETHER WITH THE CHILD ATTACKED BY BONE MARROW CANCER: THE STRESS PHYSICAL, PSYCHIC AND EMOTIONAL ABSTRACT CARMO, Roberta Ivanira Silva do SOUZA, Carmelita de Almeida The theme research was chosen due to the attacked of a serious disease of a child becomes friends of my friend and of my relatives. Our friend had as leukemia diagnosis, pathology that not only affected him, but his friends and family. The object of the study: the relatives' psychic suffering. We aimed through the research, to investigate the children's bearers of leukemias relatives' psychic suffering. We intended to inform nurses and professionals of health that the families also need the attention and the professionals' emotional support. Method: he/she researches qualitative accomplished with 10 of children's parents with leukemias, the scenery was a Hospital of the Municipal district of Rio de Janeiro, of the month of January to June of We presented the Term of Free and Illustrious Consent for the participants of the research, we explained that they would be used names fictitious shovel to safeguard the secrecy and their people's identity, according to the Resolution 196/96 of National Council of Health. Conclusion: we saw in the investigation that the children's relatives with leukemias presented an important psychic suffering due to their children's disease and also for if they feel in a certain way without the professionals' support. Who knows until the impartiality of the professionals when working with family. Suggestions: we considered of fundamental importance that the nurse promotes educational actions for professionals and family, reminding that it is in the moment of the pain that we need to unite forces, through this action we contribute to a recovery or at least to minimize the pain unchained by the suffering of this so it serious pathology. Unitermos: Leukemia; Emotional of the family; The professionals' impartiality.

3 FAMÍLIA CONVIVENDO COM A CRIANÇA ACOMETIDA PELO CÂNCER DE MEDULA ÓSSEA: O STRESS FÍSICO, PSÍQUICO E EMOCIONAL CARMO, Roberta Ivanira Silva do SOUZA, Carmelita de Almeida FAMÍLIA CONVIVENDO COM A CRIANÇA ACOMETIDA PELO CÂNCER DE MEDULA ÓSSEA: O STRESS FÍSICO, PSÍQUICO E EMOCIONAL 1.1. Considerações Iniciais O tema escolhido foi inspirado em um amigo que foi acometido por esta grave doença quando criança. Todas as suas angústias, limitações, medos e incertezas, foram acompanhadas por mim. O diagnóstico de leucemia afetou não só a ele, mas também a todas as pessoas que estavam próximas dele, pois era como se todos nós familiares e amigos estivéssemos doentes junto a ele. Os sacrifícios que uma família faz quando o câncer está presente no seu membro mais frágil foi o que me chamou mais atenção para este problema, que muitos de nós profissionais de enfermagem ainda negligenciamos, seja por falta de sensibilidade ou pelo desconhecimento do enorme sofrimento que passa essa família. A este respeito, Brunner & Suddarth (2002) afirma que:

4 A leucemia é a proliferação descontrolada de leucócitos, geralmente imaturos, essas células anormais podem acometer toda a medula óssea, chegando a ponto de impedir a produção de células normais do sangue (falência medular) Problema Nas crianças jovens o tipo mais freqüente de leucemia é a leucemia linfocítica aguda (ou linfoblástica) que é uma doença maligna. Entretanto, os meninos são mais afetados do que as meninas, sendo o pico de incidência aos 4 anos de idade. O aspecto emocional da família em relação à criança portadora de leucemia não é considerado por muitos profissionais de enfermagem que na maioria das vezes focam sua atenção no portador da doença e acaba por esquecer da ansiedade, apreensão, aflição e angústia de seus familiares. As famílias além de se preocupar com as chances de sobrevivência de um de seus membros tentam desesperadamente encontrar ou ser um doador compatível, visando a realização do transplante de medula óssea que vem obtendo resultados positivos como forma de aumentar a sobrevida dos portadores de leucemias. Contudo, o procedimento do Transplante de Medula Óssea, e as técnicas utilizadas são muito estressantes para os pacientes e seus familiares, onde esses se preocupam com sua condição física tanto quanto com a possibilidade de morrer, complicações pós-transplante, interrupções da vida social por um longo período, quimioterapia agressiva e radiação total do corpo, isolamento durante o período da aplasia medular, efeitos a longo prazo do Transplante de Medula Óssea (infertilidade, disfunção hormonal e recaídas da doença) e dificuldades financeiras.

5 1.3. Objeto de Estudo Esse estudo foi desenvolvido com a intenção de concentrar em um único lugar informações que sejam úteis aos profissionais de enfermagem, fazendo com que estes profissionais possam compreender melhor a reação dos familiares que possuem um pequeno membro com o diagnóstico de leucemia linfocítica aguda Objetivos Propor estratégias para atuação da equipe de enfermagem frente a família que possui uma criança acometida pelo câncer de medula óssea. Colaborar com os profissionais de enfermagem, através de apresentação de palestras e trabalhos desenvolvidos em congressos. Incentivar os membros da família na participação de encontros com equipe multidisciplinar visando o apoio emocional. Sinalizar através de palestras que, todos nós podemos ser doadores em potencial, haja vista a enorme carência de doadores cadastrados no Registro Brasileiro de Doadores Voluntários de Medula Óssea REDOME Justificativa Considera-se de fundamental importância o trabalho da equipe multidisciplinar. Pela proximidade com o paciente, o enfermeiro destaca-se por suas ações e reações. Este é o

6 profissional que mais tempo dedica ao paciente e aos seus familiares é por isso que ele deve estar preparado para lhe dar com as possíveis Adversidades que possam surgir durante o atendimento das necessidades básicas dos pacientes e familiares, proporcionam uma melhor relação da família com os profissionais de enfermagem que possui uma criança com o câncer de medula óssea Relevância do Estudo A pesquisa será de fundamental relevância para o entendimento da convivência das famílias com crianças que possuam o diagnóstico de leucemia linfocítica aguda - LLA, bem como a contribuição para o profissional de enfermagem que se beneficiará com a oportunidade de saber qual a melhor tomada de decisão nesses casos. Observando-se que o alto índice de mortalidade infantil está diretamente associado há falta de um doador compatível de medula óssea, o referente estudo visa também à importância da realização de um esclarecimento em âmbito nacional para que todas os profissionais de enfermagem e a sociedade em geral, saibam que são doadores em potencial e que podem colaborar para salvar uma vida. Devido à falta de conscientização da maioria dos pacientes com leucemia morrem antes de encontrar um doador compatível, em conseqüência da já mencionada escassez de doadores. Dados fornecidos pela Associação Brasileira de Transplante de Órgãos mostram que, no ano

7 de 2000, foram realizados apenas 553 transplantes de medula óssea, número inexpressivo em uma sociedade tão populosa como a nossa Referencial Metodológico Esta pesquisa terá o enfoque qualitativo, isto é segundo MINAYO et al (2002) o estudo qualitativo:...reponde a questões muito particulares...e se preocupa, nas ciências sociais, com um nível de realidade que não pode ser quantificado. Ou seja, ela trabalha com o universo de significados, motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes, o que corresponde a um espaço mais profundo das relações, dos processos e dos fenômenos que não podem ser reduzidos à operacionalização de variáveis... (2002: 22). Tratará de um estudo descritivo não haverá intervenção direta na realidade, isto é para GARCIA (1999) a descrição apresenta:...muitas das características gerais da literária, porém, nela se sublinha mais a precisão do vocabulário, a exatidão dos pormenores e a sobriedade de linguagem do que a elegância e os requisitos de expressividade lingüística... (1999: 387).

8 O Universo dessa pesquisa foi a criança acometida pelo câncer de medula óssea, sua família e como os profissionais de enfermagem da rede pública ou privada do estado do Rio de Janeiro poderão atuar nesses casos. Os sujeitos da pesquisa foram as famílias que possuem crianças acometidas pelo câncer de medula óssea na faixa etária de 0 á 14 anos, os critérios para a seleção destes sujeitos serão: disponibilidade do depoente e aceitação da participação. Os protocolos para coleta de dados envolveram: Contato com o responsável do setor de oncologia de enfermagem de rede pública ou privada do estado do Rio de Janeiro solicitando autorização para coletas de dados. Contato com o sujeito esclarecendo sobre a pesquisa e pedindo sua colaboração e esclarecê-lo sobre o termo de consentimento livre e esclarecido, que segundo a Resolução n 0 196/96 do Conselho Nacional de Saúde do Ministério da Saúde:...Esta pesquisa incorpora, sob a ótica do individuo e das coletividades os quatro referenciais básicos da bioética: autonomia, não maleficência, beneficência e justiça entre outros. Visa assegurar os direitos e deveres que dizem respeito à comunidade científica, aos sujeitos da pesquisa e ao Estado.... Para coleta de dados foi utilizado um questionário composto de 20 perguntas sendo 12 perguntas abertas e 8 perguntas fechadas, os dados foram coletados nos meses de janeiro a junho de Por se tratar do estudo qualitativo segundo MINAYO (2002) apud Le Compte (1982):...Frisa que a validade interna da pesquisa qualitativa (i.2., o fato de as categorias conceituais empregadas para análise possuírem um significado mútuo e partilhado entre os participantes e o pesquisador)... (2002: 204).

9 Os dados qualitativos foram agrupados buscando o ponto de saturação permitindo formar unidades ou serão citados isoladamente. Deste modo, na fala dos depoentes selecionamos os segmentos relacionados com o estudo, agrupando as informações que se confluíram, possibilitando delinear as categorias conceituais, que segundo MINAYO (2002):...As pesquisas qualitativas também são intimadas a demonstrar o critério de confiabilidade... (2002: 200) Fundamentação Bibliográfica O Câncer O câncer é uma patologia que vem crescendo a cada ano sabe-se que segundo Otto,...O câncer não é um crescimento desordenado de células imaturas, mas um processo lógico coordenado, no qual uma célula normal sofre modificações e adquire capacidades especiais... (2002, p.3). O maior problema em relação ao câncer é a sua capacidade de crescimento, multiplicação, nutrição, imortalidade e invasão que ocorre de maneira rápida e através dos seguintes passos que Segundo W. WAYT (2003, p.41) apud Scientific American são:

10 Os seis poderes diabólicos do câncer são : 1. crescimento mesmo na ausência de sinais de avance normais, 2. crescimento apesar dos comandos de pare emitidos pelas células vizinhas, 3. evasão de mecanismos auto-destrutivos emutidos, 4. habilidade para estimular a construção de vasos sangüíneos, 5. imortalidade efetiva, 6. poder para invadir tecidos e se espalhar por outros órgãos. O câncer de Medula óssea é conhecido como leucemia que segundo OTTO (2002, p.3): Leucemia é um câncer do sistema hematológico, sendo um tumor difuso (em vez de sólido) caracterizado por proliferação anormal e liberação de precursores de leucócitos. As leucemias são classificadas como linfóides ou mielóides, segundo o tipo de célula predominante, e em agudas e crônicas, de acordo com o nível de maturidade demonstrado pela célula predominante. O prefixo linfo descreve uma leucemia de origem linfóide (sistema linfático), e mielo ou granulo descreve uma leucemia de origem mielóide (medula óssea). O sufixo blástico descreve leucócitos imaturos, enquanto o sufixo cístico descreve a presença de células mais maduras. O câncer de medula óssea tem a sua maior incidência em crianças e na faixa etária de 0 a 14 anos. Nesta faixa etária nos encontramos um tipo especifico de leucemia que é a leucemia linfocitica aguda. A este respeito BRUNNER & SUDDARTH (2002, p ) afirma que: A leucemia linfocitica aguda resulta de uma proliferação incontrolada de células (linfoblastos) imaturos derivados da célulamatriz linfóide...os linfócitos imaturos proliferam na medula e incentivam o desenvolvimento das células mielóides normais. Como resultado, a hematopoiese normal fica inibida, resultando na redução do número de leucócitos, dos eritrócitos e das plaquetas... As manifestações da infiltração celular leucêmica nos outros órgãos são mais comuns com a LLA do que com as outras formas de

11 leucemia e incluem dor no fígado e no baço, que estão aumentados, dor nos ossos, cefaléia e vômitos (devido ao envolvimento das meninges). A Leucemia possui diversos efeitos que vão debilitar o paciente afirma GAYTON (2002, p. 376): Os efeitos mais comuns da leucemia consistem no desenvolvimento de infecções, anemia grave e tendência ao sangramento, devido à trombocitopenia (deficiência de plaquetas). Esses efeitos resultam, principalmente, da substituição da medula óssea e das células linfóides normais por células leucêmicas nãofuncionais. Por fim, talvez o efeito mais importante da leucemia sobre o organismo seja o uso excessivo de substratos metabólicos pelas células cancerosas em crescimento. Os tecidos leucêmicos reproduzem novas células com tal rapidez, a ponto de impor demandas extraordinárias às reservas corporais de nutrientes, aminoácidos e vitaminas. Por conseguinte, ocorre acentuada depleção da energia do paciente, e a utilização excessiva de aminoácidos causa deterioração particularmente rápida dos tecidos protéicos normais do organismo. Assim, enquanto os tecidos são debilitados. Quando a inanição metabólica já está instalada há muito tempo, ela, por si só, é suficiente para causar a morte O Estresse Emocional da Criança e Familiares diante do Diagnóstico do Câncer de Medula O diagnóstico de câncer de medula óssea é uma situação nova e inesperada. Os meios existentes para se enfrentar a doença estão ligados a conceitos negativos, o que gera um estresse emocional nos familiares deste paciente. Medidas de desespero como a suicídio podem desencadear tragédias ainda maiores. Para exemplificar nos temos o relato de uma

12 mãe segundo BRUM (2003, p. 61) apud Revista Época: Há um ano, Maria Sterse Prado, de 35 anos, estava na sacada do 70 andar, pronta para se atirar. Era meia-noite e naquele dia ela descobrira que sua filha de 1 ano, Maria Vitória, tinha câncer. Minha filha tem câncer, repetia sem acreditar. No meio da noite, Isabel acordou sem conseguir respirar. Olhava a filha no berço e pensava: vai morrer. Caminhou para a sacada e, quando preparava o salto, viu uma luz muito forte que a cegou. Não sou religiosa, mas naquele momento achei que era Deus, diz. Comecei a chorar sem parar e, no dia seguinte, estava disposta a lutar. O equilíbrio psico-fisio-socio do individuo, devido ao tratamento agressivo e as constantes idas ao hospital ou à internação, tem continuidade abalada, proporcionando limitações desagradáveis. Além disso, nem sempre o tratamento de radioterapia e quimioterapia são suficientes para a cura da doença, estando em alguns casos a solução no transplante de medula óssea. Neste momento, o paciente e a família se deparam com outra situação: a angústia durante a espera e a procura de um doador compatível. E se esse paciente ainda é uma criança a angustia sentida pelos familiares aumenta, como afirma GRAMACHO (1998, p. 95) apud Carvalho: No caso de um diagnóstico de câncer na criança, as dificuldades tornam-se ainda maiores, pois é mais fácil para todos nós pensarmos em situações de doença (grave e /ou crônica) somente para o adulto e não para as crianças. É comum ouvirmos

13 das pessoas que nos procuram, o seguinte comentário: Somente os adultos deveriam adoecer, como se apenas o adulto tivesse uma razão para adoecer, sofrer e até morrer, mas a criança não. As justificativas apresentadas para essa atitude são mais diversas, relacionando-se entre elas a ingenuidade da criança, sua pouca oportunidade de ter vivido a vida, sua fragilidade interna para enfrentar situações de doença, dor e morte, e a impossibilidade de ter colocado seus planos de vida em ação. Nossa experiência nos mostra que quando os pacientes são crianças e adolescentes, novos aspectos acrescentam-se a esses devido, principalmente, a maior dependência desses ao seu meio socioafetivo, necessitando a criação de referências também afetivas durante o período de internação, para que não sintam tanto as limitações físicas impostas pelo próprio processo do tratamento. Com isso, o envolvimento com equipe de saúde aparenta ser mais intenso, assim como as alterações na dinâmica familiar interferem de maneira significativa. Os familiares buscam compreender o porquê da doença e encontrar explicações de sua causa. Neste período pode haver auto-acusação e acusação mútua entre os familiares. Há uma mobilização de raiva em relação à doença, a eles mesmos, ao médico, a equipe e a própria instituição. É importante que os familiares lamentem e desabafem para haver um processo de aceitação da doença e da condição em que está o paciente. Eles buscam comparar outros pacientes com seus familiares, comparar suas doenças gerando um clima de competição, sobretudo em salas de espera, estabelecendo um ambiente tenso e cheio de culpa. Quando um membro da família adoece, a família como um todo adoece, havendo uma desestruturação familiar. Sendo ela estruturada pode proporcionar ao paciente uma ajuda para diminuir a tensão psicológica. Há uma relação de que quanto maior a estruturação familiar maior será a organização para enfrentar o problema da doença. A este respeito, RESS (2001, p ) afirma que:

14 Parentes e amigos íntimos têm uma importante contribuição em manter seu estado de espírito, mas a maioria das pessoas não gosta de falsa alegria. Se aqueles próximos a você se recusam a considerar a possibilidade de conseqüências desfavoráveis ou de reconhecer seus medos e preocupações, você pode se sentir menos estimulado a conversar abertamente com eles. Familiares e amigos não devem tentar fingir é melhor dizer as coisas naturalmente A mãe e a família são a ponte de acesso para a compreensão do paciente em sua integridade no contexto hospitalar. Como um membro fundamental da equipe multidisciplinar a enfermagem pediátrica oncológica desempenha várias funções no contexto do dia-a-dia, entre elas o contato inicial com a descoberta do diagnóstico, bem como os transtornos da criança e da família, que fazem com que o enfermeiro tenha uma ampla visão de todas as necessidades do paciente e seus familiares. Afirma FONTES (2000, p ) apud Camargo: Para o enfermeiro, a assistência inicia com o primeiro contato com a criança e família. É essencial estar presente, quando possível, no momento em que o diagnóstico for transmitido à família e à criança. Este contato inicial pode ser resumido, mas deve permitir o desenvolvimento de um esboço para as possíveis intervenções de enfermagem. Dentre as responsabilidades do enfermeiro, está o clareamento e reforço das informações dadas pelo médico, oferecendo mais informações à família....os resultados do tratamento são considerados instáveis pelas condições físicas da criança, pois requerem prolongadas e repetidas internações. Há, portanto, amplas oportunidades para a

15 enfermagem pediátrica oncológica afirmar sua influência na qualidade de vida da criança e seus familiares, prestando atendimento de qualidade e principalmente especializado. O profissional de enfermagem que cuida de um paciente oncológico deve se despir do senso comum que associa a doença à morte para então poder se aproximar e cuidar desse paciente. E quando o paciente é uma criança tudo muda, pois a esse paciente estão associados os membros familiares que também necessitam de uma atenção especial devido ao misto de emoções vivenciadas por eles durante o processo da doença. Como afirma ZANCHETTA (1995, p ): O ajustamento do profissional que sofre influência dos sentimentos negativos da sociedade quanto ao câncer, antes do ingresso às escolas de graduação, reflete-se, portanto, na aceitação da morte como transição natural e não como fracasso profissional. Sabemos que o paciente põe à prova a tolerância do pessoal assistencial que muitas vezes tenta recorrer à euforia, às piadas e ao bom humor, como antídotos do desespero que sem sabê-lo compartilham; também nisso, convém que participam para que o apoio que surge da interação os levem à etapa de aceitação do final. Ao assistir o paciente infantil, deparamo-nos com problemas de necessidades aumentadas de proteção total, nutrição e atenções por parte da mãe ou da pessoa substituta... Já a família convive com sentimentos diversos, tais como: falta de renúncia do contato afetivo, atitude de superproteção e culpa, todos relacionados com o envolvimento prévio do paciente com os familiares. A criança ainda não adquiriu os conceitos negativos da sociedade em relação a doença é por isso que a equipe de enfermagem pediátrica tem influência em como esse pequeno

16 paciente ira ver a doença. Com isso, a equipe de enfermagem deve traçar estratégias e maneiras de melhorar a auto-estima com simples gestos como: cantar, brincar, sorrir... Esses mínimos gestos influenciaram no modo da criança e, por conseguinte da família conviver com a doença. Segundo BRUM (2003) apud Revista Época:... A neta repetia a música que as enfermeiras cantavam: Dona Aranha subiu pela parede... e mandava a avó levantar os braços. Veio a chuva forte e a derrubou/ A chuva foi embora e o sol já foi saindo... (2003, p.61). Segundo MINISTÉRIO DA SAÚDE & INSTITUTO NACIONAL DE CÃNCER (1995):... As ações de enfermagem constituem em permitir à família e criança a livre expressão dos seus sentimentos com relação ao diagnóstico... (1995, p.168) Como a equipe de enfermagem pode preparar a criança e seus familiares para enfrentarem a dor decorrente desta doença Os profissionais de enfermagem precisam preparar a criança e os familiares para enfrentarem as limitações impostas pela dor oncológica, pois segundo TWYCROSS apud SCHULZE (1997, p.83-84): Os que trabalham, em cuidado de saúde, necessitam dar-se conta de que: deve ser dada atenção a todos os aspectos do sofrimento físico, psicológico, social e espiritual; no câncer avançado, a maioria dos pacientes com dor tem muitos tipos de dor; a dor, no câncer não é sempre causada pelo câncer, há mais no controle da dor do que o uso de analgésicos... Dependência psicológica não ocorre em pacientes que recebem opiódes para alívio da dor, os pacientes que recebem analgésicos devem ser cuidadosamente monitorados, o trabalho de equipe faz-se necessário

17 para a obtenção dos melhores resultados. Muitos profissionais de enfermagem desconhecem o programa da OMS para o controle da dor, esse é um dado alarmante e que deve ser modificado através de programas educativos para os profissionais e os acadêmicos, de tal forma que os estudantes venham a ter um espaço acadêmico para a discussão de temas como a morte, o cuidado paliativo, a comunicação de um diagnóstico de câncer, o controle da dor etc..., visando uma melhor qualidade de vida dos pacientes. Visto que segundo INCA (2003, p. 189): Da análise de dez estudos sobre o impacto de programas educativos na vivência da dor no câncer, pôde-se concluir que resultaram em melhorias na qualidade de vida e na intensidade da dor; ajuste nas concepções crenças sobre dor oncológica e seu controle, aumento da adesão ao tratamento medicamentoso e maior aceitação dos meios não farmacológicos Como a equipe de enfermagem pode preparar a criança e seus familiares para enfrentarem os efeitos colaterais decorrentes desta doença A equipe de enfermagem deve preparar a criança e os familiares para os possíveis efeitos colaterais da doença, pois segundo CAMARGO (2000, p ):

18 A enfermagem especializada, em pediatria-oncológica, é a peça fundamental do tratamento. A criança com câncer necessita freqüentemente de cuidados de enfermagem especializada na administração de quimioterápicos, manejo dos efeitos colaterais tais como vômitos, desidratação, infecções, convulsões, febre, etc..., como também a família necessita de apoio da enfermagem... A ansiedade provocada pela possibilidade da cura, ás vezes, é mais difícil de ser manejada do que a certeza da morte. Enfrentar os efeitos colaterais é muito difícil, podendo parecer impossível e não valido, às vezes; porém, devemos sempre lembrar que a possibilidade de cura existe, e nunca esquecer da cura com qualidade de vida. A alopécia é o efeito que causa uma baixa estima muito grande no paciente é por isso que nesta face às ações de enfermagem são de extrema importante e vão ajudar a esse paciente conviver de maneira melhor com a doença. Como afirma MINISTÉRIO DA SAÚDE & INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (1995, p. 170): A alopécia ocorre porque as células pilosas, por apresentarem rápida proliferação, sofrem ação imediata dos efeitos dos quimioterapicos e da irradiação craniana... As ações de enfermagem constituem em preparar a criança e familiares para ocorrência da alopecia. Icentivar o uso de recursos estáticos (prótese capilar, boinas, bonés etc.). Manter a higiene do couro cabeludo. Enfatizar a alopécia é temporária. Reafirma WHALEY & WONG (1999, p.827):...a enfermeira também deve informar à família de que o cabelo cresce novamente dentro de 3 a 6 meses, mas pode ter cor e textura diferentes. Com freqüência, o cabelo torna-se mais escuro, mais espesso e mais encrespado. Se a criança optar por não utilizar uma peruca, é importante providenciar algum tipo de proteção para a cabeça, sobretudo nos climas frios e durante a exposição ao sol.

19 A face de Lua Cheia é outro fator que pode contribuir para uma baixa na autoestima do paciente. A orientação e acolhimento da equipe para com os pais e familiares é algo de extrema importância, pois o estado emocional da família interfere diretamente na relação que a criança estabelece com a doença, visto que segundo WHALEY & WONG (1999, p.827): A esteroidoterapia a curto prazo não provoca nenhuma toxicidade aguda e produz duas reações benéficas: aumento do apetite e sensação de bem-estar. Todavia, ocasiona alterações na imagem corporal, que, apesar de não serem significativas do ponto de vista clínico, podem ser extremamente desagradáveis para as crianças de mais idade. Uma destas transformações é a face de lua cheia, em que a face da criança torna-se arredondada e intumescida. Não é raro que outras crianças façam piada do paciente, chamando-o de leitão ou cara balofa. É conveniente informar ás crianças que são alvo destes apelidos que, após suspensão do fármaco, As alterações faciais desaparecem. Ao contrário da queda dos cabelos, pouca coisa pode ser feita para disfarçar esta alteração óbvia. Se a criança retomar suas atividades no início do curso do tratamento, a alteração pode ser menos percebida pelos colegas do que após uma longa ausência. As alterações do Humor devem ser informadas aos familiares para que estes não se surpreendam com as atitudes dos seus filhos, pois segundo WHALEY & WONG (1999, p.827): Pouco depois de iniciarem a terapia com esteróides, as crianças sofrem diversas alterações do humor, que variam desde

20 uma sensação de bem-estar e euforia até depressão e irritabilidade. Se os pais não tomarem consciência de que estas alterações são induzidas pelo fármaco, podem ficar desnecessariamente preocupados. Por conseguinte, a enfermeira deve informá-los a respeito destas reações e incentivá-los a discutir as alterações comportamentais entre si e com a criança. As novas descobertas de tratamento ajudam a dar uma nova expectativa e melhoria de qualidade de vida para o paciente, pois segundo ABRALE (2003):...Pacientes que sofrem de leucemia agora possuem uma expectativa de vida maior do que nunca!.. (2003:11). A equipe de enfermagem oncológica deve sempre procurar saber das novas técnicas, tratamentos etc para auxiliar e informar ao paciente e seus familiares, visando uma melhor qualidade de vida. Os familiares devem participar de todo o processo da doença tentando sempre manter o equilíbrio, o que ajudará ao paciente e a equipe de enfermagem no desempenho de suas funções, como afirma ROSENTHAL (1995):...Doente e família bem-informados, com controle sensato de suas vidas, mostram-se mais aptos a ser ativos, além de participantes eficientes na prestação dos cuidados... (1995: 281). 2.5.Sentimentos dos familiares durante a exposição ao processo da doença Durante o processo da doença os familiares se deparam com muitos sentimentos como a proteção, angústia entre outros, mas todos estes sentimentos estão relacionados a sensação de incapacidade de ação diante de uma doença grave que acomete o seu membro mais desprotegido. Afirma Kubler-Ross (2000, p ):

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Cuidados paliativos e a assistência ao luto

Cuidados paliativos e a assistência ao luto Cuidados paliativos e a assistência ao luto O processo de luto tem início a partir do momento em que é recebido o diagnóstico de uma doença fatal ou potencialmente fatal. As perdas decorrentes assim se

Leia mais

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO NO PROCESSO DO HUMANIZAR FERNANDO BASTOS fernandobastosmoura@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO

Leia mais

Diretos do paciente:

Diretos do paciente: Diretos do paciente: Criada no sentido de incentivar a humanização do atendimento ao paciente, a Lei 10.241, promulgada pelo governador do Estado de São Paulo, Mário Covas, em 17 de março de 1999, dispõe

Leia mais

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Tema: O papel do terapeuta ocupacional para pessoas em tratamento de leucemia, linfoma, mieloma múltiplo ou mielodisplasia Total atingido de pessoas na sala: 26

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva EU VENCI A LEUCEMIA Alexandra Oliveira da Silva Descoberta da doença Ano 2012 Sintomas gripe medo da gripe A Emergência do Mãe de Deus Exames não conclusivos, procurar hematologista Marcada consulta com

Leia mais

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano CUIDADOS PALIATIVOS A diversidade das necessidades da pessoa humana em sofrimento intenso e em fim de vida encerram, em si mesmo, uma complexidade de abordagens de cuidados de Saúde a que só uma equipa

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS OPÇÕES DE LOGO 1. Psicotraumatologia Clínica 2. PSICOTRAUMATOLOGIA CLÍNICA psicotraumatologia clínica Todos já perdemos ou perderemos pessoas queridas e, geralmente,

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental Avaliação & Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA MSc. Psicologia Esp. Neusopsicologia Esp.Psicopedagogia Terapeuta Cognitivo-Comportamental Coordenadora do Curso de TCC Aplicada a crianças e adolescentes

Leia mais

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL RIBAS, Ana C. -UFPR-GEMSA anacarolinaribas@gmail.com Resumo Nos dias atuais, o papel do enfermeiro nas unidades hospitalares deixou de ser apenas assistencial.

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO Valesca Boarim da Silva 1 Regina Célia Gollner Zeitoune 2 Introdução:Trata-se de nota prévia de estudo que tem como

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O presente Projeto de Lei tem como base e inspiração a Lei Federal nº 11.930, de 22 de abril de 2009, de autoria do deputado federal Beto Albuquerque uma homenagem a seu filho e a

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Tec. de Enfermagem Claudia Sterque claudiasterque@yahoo.com.br 11 de novembro de 2010 VISÃO DO TÉCNICO ESPECIALISTA Quando comecei

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde Valdir Reginato Espiritualidade

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

O QUE É? O TUMOR DE WILMS

O QUE É? O TUMOR DE WILMS O QUE É? O TUMOR DE WILMS Rim O TUMOR DE WILMS O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O TUMOR DE WILMS? O tumor de Wilms é o tipo de tumor renal mais frequente na criança. Desenvolve-se quando células imaturas

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS RELATIVOS AO ENGAJAMENTO (ADERÊNCIA) DO PACIENTE CRÔNICO E SUA FAMÍLIA AO TRATAMENTO

ASPECTOS PSICOLÓGICOS RELATIVOS AO ENGAJAMENTO (ADERÊNCIA) DO PACIENTE CRÔNICO E SUA FAMÍLIA AO TRATAMENTO ASPECTOS PSICOLÓGICOS RELATIVOS AO ENGAJAMENTO (ADERÊNCIA) DO PACIENTE CRÔNICO E SUA FAMÍLIA AO TRATAMENTO Nêmeton Centro de Estudos e Pesquisas em Psicologia e Saúde Ricardo Werner Sebastiani ricardo@nemeton.com.br

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade Apresentação Projeto Cultura Doadora É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade e uma atitude proativa para a doação de órgãos e tecidos, bem como na

Leia mais

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares.

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares. 1 Manual do Paciente Você não está sozinho Qualquer pessoa pode vir a desenvolver algum tipo de câncer ao longo da vida. No ano passado de 2008, mais de 1,3 milhões de novos cânceres foram diagnosticados

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald

Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald Em junho deste ano, comecei um trabalho voluntário na instituição Casa Ronald McDonald, que tem como missão apoiar e humanizar o tratamento de crianças e adolescentes

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização.

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Eutanásia e Luto. dos responsáveis em Oncologia Veterinária. Profa. Dra. Renata A Sobral

Eutanásia e Luto. dos responsáveis em Oncologia Veterinária. Profa. Dra. Renata A Sobral Eutanásia e Luto dos responsáveis em Oncologia Veterinária Profa. Dra. Renata A Sobral Oncologia Relação direta! Cancêr : Morte O medo. A apreensão. Veterinário oncologista - ponto de vista particular!

Leia mais

Parent Academy October 2011 Elementary Office Camila Miranda

Parent Academy October 2011 Elementary Office Camila Miranda Lidando com emoções e frustrações criando um processo de tomada de decisão positivo Parent Academy October 2011 Elementary Office Camila Miranda O que é frustração? Estado emocional desagradável que advém

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

BestKIDS&Teens BestKIDS&Teens Espaço e Centro de Estudos e Explicações em Porto Salvo

BestKIDS&Teens BestKIDS&Teens Espaço e Centro de Estudos e Explicações em Porto Salvo A BestKIDS&Teens tem por objetivo desenvolver em cada criança, adolescente ou jovem o melhor de si próprio, contribuindo para o seu enriquecimento pessoal e emocional, através do reforço da sua autoestima,

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 07/2014 DATA DA ENTRADA: 07 de janeiro de 2014 INTERESSADA: Sra. M. C. da S. CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra Hildenete Monteiro Fortes ASSUNTO: classificação

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam o desejo de participação social direciona as ações para a estruturação de um processo construtivo para melhoria

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade

A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade Thaís Cristina Simamoto* Thaís Silva Luiz* A obesidade mórbida é uma doença crônica metabólica que combina grandes chances de

Leia mais

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 Márcia Pilla do Valle 2 Todos sabemos que a prática de uma atividade física é fundamental para a saúde do indivíduo. Cada vez

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas

Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas Aula 05 Prof. Esp. Gladimir Ceroni Catarino gccatarino@senacrs.edu.br gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo.

O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. CÂNCER EM CRIANÇAS O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. O câncer é comum em crianças? Nos

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA, O TRABALHO DE CAPTAÇÃO DE CANDIDATOS E A POSSIBILIDADE DE ENVOLVIMENTO DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA Déborah Carvalho Gerência

Leia mais

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL Resultados Quantitativos Outubro 2008 1 METODOLOGIA FICHA TÉCNICA Total da Amostra: 606 Entrevistas telefónicas, realizadas por CATI (computer assisted telephone interview).

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

150923-BMS15SET05-livreto_v2 APROV.indd 1

150923-BMS15SET05-livreto_v2 APROV.indd 1 150923-BMS15SET05-livreto_v2 APROV.indd 1 23/09/2015 10:29:04 150923-BMS15SET05-livreto_v2 APROV.indd 2 23/09/2015 10:29:04 Talvez você já conheça algumas opções terapêuticas disponíveis contra o câncer,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Família Secretaria Municipal de Saúde CASC - Centro de Atenção a Saúde Coletiva Administração Municipal Horizontina RS Noroeste do Estado Distante 520 Km da

Leia mais

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Fernanda Diniz de Sá 1, Leonildo Santos do Nascimento Júnior, Daniele Nascimento dos Santos, Magdalena Muryelle Silva Brilhante (UFRN

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Cuidados Paliativos em Câncer

Cuidados Paliativos em Câncer Cuidados Paliativos em Câncer Temos assistido nas últimas décadas a um envelhecimento progressivo da população, assim como o aumento da prevalência do câncer. O avanço tecnológico alcançado, associado

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL Autor: Adalberto de Carvalho Júnior CPFL Paulista, uma empresa do Grupo CPFL Energia RESUMO A promoção do entendimento do indivíduo com relação a sua

Leia mais

O UNIVERSITÁRI FACULDADE ATENAS ESTÁ INTEGRADA COM A COMUNIDADE DE PARACATU

O UNIVERSITÁRI FACULDADE ATENAS ESTÁ INTEGRADA COM A COMUNIDADE DE PARACATU FACULDADE ATENAS ESTÁ INTEGRADA COM A COMUNIDADE DE PARACATU COM A REALIZAÇÃO DE DIVERSAS ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL, A INSTITUIÇÃO PROPORCIONA FORMAÇÃO HUMANIZADA AOS ALUNOS E TRAZ BENEFÍCIOS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

0 ponto - Não há perda de memória óbvia. Esquecimentos irregulares que não interferem com as atividades diárias

0 ponto - Não há perda de memória óbvia. Esquecimentos irregulares que não interferem com as atividades diárias Para fazer o teste é preciso focar nas mudanças que eventualmente tenham ocorrido na capacidade cognitivas e funcionais do paciente. Em cada categoria, deve ser escolhida a frase que melhor descrever o

Leia mais

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal O QUE É? O NEUROBLASTOMA Coluna Vertebral Glândula supra-renal O NEUROBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O NEUROBLASTOMA? O neuroblastoma é um tumor sólido maligno, o mais frequente em Pediatria

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Aprendendo a vencer a Ansiedade

Aprendendo a vencer a Ansiedade Rua Conde de Bonfim 232/301 Tijuca Rio de Janeiro RJ Tel:2234-2399 Email: eliane@epvpsicologia.com Home Page:www.epvpsicologia.com Aprendendo a vencer a Ansiedade Um guia para os pais sobre a ansiedade

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a Sentir dor não é normal A dor é sinal de que algo não vai bem no organismo. Os sintomas estão no cotidiano e é essencial saber a diferença entre a dor crônica e a aguda para buscar o tratamento Por Vivian

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1

CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1 CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1 BENDER, Leticia Silmara 2 ; MARZARI, Carla 3 ; MENEGAZZI, Bruna Boff 4 ; NEVES, Bruna Sartori 5 ; QUADROS,

Leia mais

VIVÊNCIAS DE FAMILIARES DE CRIANÇAS COM NEOPLASIAS E AS IMPLICAÇÕES PARA A ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA

VIVÊNCIAS DE FAMILIARES DE CRIANÇAS COM NEOPLASIAS E AS IMPLICAÇÕES PARA A ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA VIVÊNCIAS DE FAMILIARES DE CRIANÇAS COM NEOPLASIAS E AS IMPLICAÇÕES PARA A ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA INTRODUÇÃO Liana Dantas da Costa e Silva Barbosa - CRAS Elayna Dantas da Costa e Silva UNESC Maria Enoia

Leia mais

FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO PEFF/A 1ªSESSÃO

FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO PEFF/A 1ªSESSÃO FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO PEFF/A 1ªSESSÃO 28 DE NOVEMBRO - 21 HORAS RECONHECER AS SUAS EMOÇÕES 1-TESTE DE AUTO-AVALIAÇÃO Indique até que ponto cada uma das seguintes afirmações o descreve. Seja franco e 1

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR. Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França)

PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR. Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França) PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França) 1 Trinta anos de experiência num serviço de psiquiatria infantil especializado

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais