Plano de Negócio para abertura de uma Farmácia Homeopática na cidade de Niterói/RJ.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Negócio para abertura de uma Farmácia Homeopática na cidade de Niterói/RJ."

Transcrição

1 INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL Departamento de Ensino CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM HOMEOPATIA Área de Concentração: Farmácia MONOGRAFIA Plano de Negócio para abertura de uma Farmácia Homeopática na cidade de Niterói/RJ. Silvana da Silva Souza Talita Barbosa Gomes RIO DE JANEIRO

2 INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL Departamento de Ensino CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM HOMEOPATIA Área de Concentração: Farmácia PLANO DE NEGÓCIO PARA ABERTURA DE UMA FARMÁCIA HOMEOPÁTICA NA CIDADE DE NITERÓI/RJ. Silvana da Silva Souza Talita Barbosa Gomes Sob a Orientação da Professora Maria Letice Couto de Almeida Monografia submetida como requisito parcial para obtenção do certificado de conclusão do curso de pós-graduação lato sensu em Homeopatia área de Farmácia. RIO DE JANEIRO

3 S729p Souza, Silvana da Silva Plano de negócio para abertura de uma farmácia homeopática na cidade de Niterói/RJ / Silvana da Silva Souza; Talita Barbosa Gomes. Rio de Janeiro: IHB, f. Orientador: Maria Letice Couto de Almeida Monografia (Pós-graduação) Homeopatia - Área de Farmácia, Instituto Hahnemanianno do Brasil. 1. Assunto. I. Gomes, Talita Barbosa. II. Almeida, Maria Letice Couto de Almeida (Orientadora). III. Título. 3

4 INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL Departamento de Ensino CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM HOMEOPATIA Área de Concentração: Farmácia PLANO DE NEGÓCIO PARA ABERTURA DE UMA FARMÁCIA HOMEOPÁTICA NA CIDADE DE NITERÓI/RJ. Silvana da Silva Souza Talita Barbosa Gomes MONOGRAFIA APROVADA EM /------/ Maria Letice Couto de Almeida, M.S.c. Instituto Hahnemanniano do Brasil Professora do Curso de Pós-Graduação Lato Senso em Gestão Empresarial na área de Farmácia Andréa Marcia de Oliveira Gomes, M.S.c Instituto Hahnemanniano do Brasil Coordenadora do Curso de Pós-Graduação Lato Senso em Homeopatia na área de Farmácia 4

5 AGRADECIMENTOS A Deus, o que seria de nós sem a fé que temos nele. A Professora Letice Couto pela orientação que tornou possível a conclusão desta monografia. A professora Carmen Afonso por seu apoio e inspiração no amadurecimento dos nossos conhecimentos e conceitos que nos levaram a conclusão do curso. A Professora Alaíde Rodrigues pelo convívio, apoio, ensinamentos e amizade. Pelos desafios que a vida nos lança ao crescimento e ao eterno aprendizado. 5

6 RESUMO Este trabalho tem como alvo levantar dados organizados para viabilidade de um Plano de Negócio de uma farmácia homeopática no município de Niterói/RJ, como algo determinante para a tomada de decisão de duas farmacêuticas empreendedoras. Há tempos, o fator principal para abrir um negócio era a posse de um determinado capital. Não havia um planejamento para estudar os prós e contras, os riscos do sucesso ou do insucesso. Diante do exposto visou-se auxiliar as empreendedoras em questão, autoras deste projeto, na sua largada para tomar a decisão com menos risco, analisando antes, de forma planejada se há viabilidade econômica ou não na sua entrada para o mundo dos negócios de medicamentos manipulados homeopáticos. O nível desta pesquisa é exploratório-descritivo sendo este um nível de busca de informação e investigação, delimitado o tema por meio da revisão bibliográfica. Como conclusão este trabalho possibilitou vislumbrar que através de um trabalho de conscientização da população, da adoção da gestão de preços, da disponibilidade exclusiva e diferenciada da atenção farmacêutica, da excelência no atendimento e da manipulação dos produtos e com qualidade total é possível obter grande retorno neste empreendimento, como poderá ser percebido no trabalho em questão. PALAVRAS-CHAVE: Plano de negócios, Homeopatia, Medicamentos. 6

7 ABSTRACT This work is aimed to collect data organized for feasibility of a Business Plan for a homeopathic pharmacy in the city of Niterói, as something crucial to the decision making of two entrepreneurs. For some time, the key to open a business was the ownership of a given capital. There was a plan to.study the pros and cons, the risks of success or failure. Given the above aimed to assist entrepreneurs in question authors of this project, in its starting to make a decision with less risk, analyzing before, if there is a planned economic viability or not on your input to the business world of homeopathic medicines. The level of this research is exploratory and descriptive which is a level of information search and research the topic delimited by a literature review. In conclusion this work gives a glimpse of that through an awareness of the population, the adoption of price management, the availability of unique and differentiated pharmaceutical care, excellence in care and handling of products and total quality you can get great return this endeavor. KEYWORDS: Business plan, Homeopathy, Medicines. 7

8 LISTA DE ABREVIATURAS ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária BID Banco Internacional de Desenvolvimento BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BPMF Boas Práticas de Manipulação em Farmácia DML - Depósito de Material de Limpeza FAU Farmácia Universitária da UFF HUAP Hospital Universitário Antônio Pedro RDC Resolução de Diretoria Colegiada SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SUS Sistema Único de Saúde UFF Universidade Federal Fluminense 8

9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO Sumário Executivo Descrição da Empresa Produtos e Serviços Análise de Mercado Plano de Marketing Plano Financeiro IMPORTÂNCIA DA HOMEOPATIA O Princípio da Força Vital A importância da Homeopatia no SUS Criação de empregos nas pequenas empresas, através de investimentos do governo JUSTIFICATIVAS O porquê de ser em Niterói: OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos METODOLOGIA RESULTADOS CONSTRUÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIO Sumário Executivo Visão do Negócio: Missão do Negócio: Descrição da Empresa e do Bairro do Fonseca Boas Práticas de Manipulação de Preparações Homeopáticas (BPMH) em farmácias segundo a RDC 67/ Produtos e Serviços Análise de Mercado Plano de Marketing Plano Financeiro CONCLUSÃO REFERÊNCIAS

10 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho apresenta uma metodologia de aplicação para um Plano de Negócio de uma farmácia homeopática. É apresentado o perfil do setor de farmácias na localidade, os pontos fracos e fortes do negócio, assim como sua viabilidade. As decisões de quais produtos possuem boa capacidade em vendas e de como vendê-los são desafiadoras para a gestão. Normalmente ao criar um negócio alguns empreendedores se deixam levar pela intuição e empirismo e tendem por vezes se arriscar mais do que aqueles que agem com extrema prudência e cautela. Estes últimos normalmente são mais analíticos e costumam errar menos, contudo arriscam menos e acabam perdendo boas oportunidades 1. Mesclar uma visão analítica com uma intuitiva de fato não é fácil. Por esta razão a construção de um Plano de Negócio ajuda a elucidar os primeiros passos de um objetivo principal que é um atendimento de qualidade aos seus clientes e estabilidade no negócio 2. De acordo com Relatório da Comissão de Fiscalização de Farmácia do Conselho Federal de Farmácia emitido em dezembro de 2009 existem farmácias homeopáticas no Brasil 3. Existem também cada vez mais projetos para ampliação da Homeopatia no Sistema Único de Saúde (SUS). Portanto é um mercado altamente competitivo que exige alto nível de competência, qualificação e técnica específica. Nesse sentido, a concepção de um Plano de Negócio para uma farmácia homeopática surge a partir da oportunidade de mercado destacado aqui. 1 GESTÃO em farmácia. Associação dos farmacêuticos proprietários de farmácia do Brasil, setembro, Disponível em: <http://www.farmaefarma.com.br/farma/arquivos/2008_09_26_16_54_ pdf> Acesso em: 7 abr DAMIAN, Caroline. PLANO de negócios para abertura de uma farmácia de manipulação em Itajaí/SC. SIAIBIB, Disponível em: <http://siaibib01.univali.br/pdf/caroline%20damian.pdf> Acesso em: 7 abr RELATÓRIO anual dos trabalhos da comissão de farmácia hospitalar/ CRF-BA. Conselho Regional de Farmácia do Estado da Bahia, Disponível em: <http://www.crf- Ba.org.br/arquivos2009/relatorioanual.pdf> Acesso em: 7 abr

11 2. REFERENCIAL TEÓRICO Plano de Negócio é o termo utilizado para um instrumento de planejamento e gestão desejável para empresas que já desejam uma oportunidade de atuação, mas ainda não iniciaram suas atividades ou gostariam de mudar fortemente sua estratégia no mercado. De acordo com Dornelas 4, a definição de um plano de negócio é geralmente usada para descrever minuciosamente o negócio. A elaboração do documento parte da identificação de uma oportunidade de negócio, com base em uma necessidade do mercado. A área de atuação da empresa (produto/serviço) deve estar preferencialmente alinhada às habilidades pessoais das empreendedoras. Segundo a estrutura proposta por Dornelas 4, o Plano de Negócio pode ser dividido em linhas gerais em quatro seções principais: a) sumário executivo (resumo); b) a empresa (aspectos organizacionais e de operações); c) o plano de marketing (análise de mercado e estratégia de marketing); e d) o plano financeiro, viabilidade econômicofinanceira do negócio. O Plano de Negócios é composto por várias seções que se relacionam e permitem um entendimento global do negócio de forma escrita e em poucas páginas. 2.1 Sumário Executivo Apresenta-se resumidamente o projeto, a entidade. Deve conter uma síntese do seu negócio, com informações pertinentes para que ele for dirigido 4. Com dados necessários para caracterizá-la, as condições de apoio necessário, que comprovem a consistência da empresa. Descrever o tipo de produtos/serviços a serem oferecidos, seu diferencial e colocação no mercado. 4 MANUAL de elaboração de plano de negócio para micro, pequena e média empresa. DORNELAS, José Carlos. São Paulo: Editora de cultura

12 Como um resumo de todo o negócio, sendo de suma importância, pois despertará o interesse do leitor em avançar na leitura. Alguns dados da empresa são importantes, como a Visão, a Meta e a Missão, pois aquela tem que saber o que quer ser, qual direção tomará e onde pretende chegar. A Missão é explicitação da razão de existência da empresa, e que justifique seus lucros. Do ponto de vista da sociedade em que está inserida. A missão é bem mais que a diferença entre Receita e Custos. Missão é aquilo que se almeja para a empresa. Deve ser desafiadora, mas atingível. Uma declaração de missão bem feita deve deixar claro que se entende qual é o negócio, tem uma estratégia definida e sabe como atingir os objetivos 5. A Visão é o que se sonha para o negócio, enquanto a Missão identifica o negócio e diz para onde a empresa vai. A Visão é o "passaporte" para o futuro, enquanto a Missão é a "carteira de identidade" da empresa 6. A Visão e a Missão não são declarações a serem lidas apenas como parte do seu business plan. Elas devem existir independentemente dele e são verdadeiros guias para o negócio. Devem revelar paixão. Logo, não devem ser escritas apressadamente, descompromissadamente ou só por que é algo que "todo mundo faz" 7. No que diz respeito às Metas de uma empresa pode-se dizer que são: atingir o ponto de equilíbrio, momento quando despesas e lucros se igualam, e obter o retorno sobre determinado investimento, como, por exemplo, 36 meses. Metas são resultados abrangentes com os quais a empresa assume um compromisso definitivo. Para atingir suas metas, a empresa deve estar disposta a comprometer os recursos de dinheiro e pessoas necessárias para alcançar os resultados almejados. As metas definidas para a empresa devem ditar as opções de negócio, orientando o processo decisório em toda a 5 COMECE Certo Farmácia. 2.ed. São Paulo: Sebrae, Disponível em: <http://antigo.sp.sebrae.com.br/topo/produtos/publica%c3%a7%c3%b5es/comece%20certo/pdfs_comec e_certo/farmacia2.pdf>. Acesso em: 05 mar Op. Cit. p.10 Op. Cit. p.10 12

13 organização. As metas devem criar um elo indissolúvel entre as ações da empresa e sua missão Descrição da Empresa Descrevem-se dados da empresa, tais como: razão social, histórico, capital social, estrutura organizacional e legal, localização, parcerias, certificações de qualidade, serviços terceirizados, etc. Importante também descrever as pessoas envolvidas, a busca por potenciais para desenvolvimento e estratégia da empresa, junto com seu crescimento. Também devem ser apresentados o nível educacional e a experiência dos executivos, gerentes e funcionários operacionais, indicando-se os esforços da empresa na formação de seu pessoal. Cláudia Pavani 9 cita em seu artigo que é preciso fazer uma análise das competências específicas dos empreendedores, staff (um termo inglês que significa "pessoal", no sentido de equipe ou funcionários. O termo é utilizado para designar as pessoas que pertencem ao grupo de trabalho de uma organização particular. Também se refere ao quadro de funcionários de uma empresa) dos profissionais contratados para levar adiante o projeto que consta no Plano de Negócio. Caso sejam necessárias novas contratações para a realização do projeto, o perfil destes profissionais e as habilidades necessárias devem estar descritos nesta parte. Se a necessidade for de estabelecimento de parcerias estratégicas, admissão de novo sócio, contratação de consultorias ou assessorias, é importante que esclareça o perfil necessário destes novos agentes MANUAL Plano de Negócios. São Paulo: Sebrae, Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/>. Acesso em: 20 fev PLANO DE NEGÓCIOS. PAVANI, Claudia. Centro de Informática da UFPE, Disponível em: <http://www.cin.ufpe.br/~dmvb/empreendimentos/check%20list.pdf> Acesso em: 22 fev Op. Cit. p.6. 13

14 2.3 Produtos e Serviços Descrevem-se todo processo dos produtos a serem desenvolvidos pela empresa, o plano tecnológico, como são produzidos e sua capacidade de produção, os recursos utilizados, o ciclo de vida, fatores tecnológicos envolvidos, pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, principais clientes e fornecedores, se detém marca e/ou patente de algum produto, porcentagem de faturamento. O diferencial que o produto proporciona seus benefícios Análise de Mercado Após uma pesquisa de mercado, pode-se conhecer e definir o mercado a serem explorados, seus possíveis clientes, suas características, como está segmentado, o crescimento desse mercado, as características do consumidor e sua localização, se há sazonalidade e como agir nesse caso, análise da concorrência, a sua participação de mercado e a dos principais concorrentes, os riscos do negócio, etc. O mercado entenda-se aqui como o conjunto de pessoas dispostas ou disponíveis para a compra do produto 12. A empresa precisa monitorar as forças macroambientais (demográficas, econômicas, tecnológicas, políticas, legais, sociais e culturais) e os elementos microambientais importantes (consumidores, concorrentes, canais de distribuição e fornecedores) que interferem na sua obtenção lucro. A organização deve estar preparada para se antecipar às tendências e desenvolvimentos importantes. Para cada tendência ou desenvolvimento, a administração precisa identificar as oportunidades e ameaças relacionadas COMO Elaborar um Plano de Negócios. São Paulo: SEBRAE, Disponível em: <http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/bds.nsf/797332c6209b4b ff4 BA/$File/NT000361B2.pdf>. Acesso em: 04 abr Op. Cit. p.52. Op. Cit. p

15 2.5 Plano de Marketing O Plano de Marketing apresenta quatro estratégias: o marketing mix, estratégias de ponto, produto, preço/promoção, que definirá como a empresa pretende vender seu produto e conquistar seus clientes, manter o interesse dos mesmos e aumentar a demanda. Deve abordar seus métodos de comercialização, diferenciais do produto para o cliente, política de preços, principais clientes, canais de distribuição e estratégias de promoção/comunicação e publicidade com o objetivo de informar, persuadir os clientes sobre o produto, também, elaborar projeções de vendas 14. As oportunidades podem ser classificadas de acordo com a atratividade e a probabilidade de sucesso. A possibilidade de sucesso da empresa não está só na força de seu negócio, das exigências básicas para ser bem-sucedida em seu mercado alvo, mas também da sua competitividade. Somente a competência não constitui uma vantagem competitiva. A empresa de melhor desempenho será aquela que pode gerar o maior valor para o consumidor e mantê-lo ao longo do tempo COMO Elaborar um Plano de Negócios. São Paulo: SEBRAE, Disponível em: <http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/bds.nsf/797332c6209b4b ff4 BA/$File/NT000361B2.pdf> Acesso em: 04 abr Op.Cit. p

16 2.6 Plano Financeiro A seção de finanças deve apresentar em números todas as ações planejadas para a empresa e as comprovações, através de projeções futuras (quanto necessita de capital, quando e com que propósito), de sucesso do negócio. Deve conter demonstrativo de fluxo de caixa com horizonte de, pelo menos, três anos; balanço patrimonial; análise do ponto de equilíbrio usos e fontes; necessidades de investimento; e demonstrativos de resultados 16. Essas estruturas de Plano de Negócio possuem os seguintes pontos fortes: planejamento satisfatório do ciclo de vida do primeiro produto, dentro dos contextos externos (mercado) e internos (organizacional) vislumbrados; ferramentas de planejamento financeiro que permitem atestar a viabilidade ou não do negócio, com certo nível de certeza; e disposição lógica das informações, que facilitam a avaliação dos negócios por possíveis investidores COMO Elaborar um Plano de Negócios. São Paulo: SEBRAE, Disponível em: <http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/bds.nsf/797332c6209b4b ff4ba/$file/nt B2.pdf> Acesso em: 04 abr Negócio em Casa: Plano de Negócios. Geranegócio, São Paulo, Disponível em: < >Acesso em: 20 set

17 3. IMPORTÂNCIA DA HOMEOPATIA 3.1 O Princípio da Força Vital Os medicamentos homeopáticos são feitos com extratos vegetais, animais e minerais e ultra diluídos em diversos graus para evitar efeitos colaterais indesejáveis. Quanto mais diluídos e dinamizados forem os medicamentos homeopáticos, maior será a sua eficácia. O processo de fabricação é bem preciso e cuidadoso. Para medicamentos derivados de substâncias solúveis, como os extratos animais ou vegetais, a matéria-prima é dissolvida numa mistura de álcool e água contendo aproximadamente 70% a 90% de álcool puro e 10% a 30% de água purificada (essa proporção pode variar, dependendo da substância). Os homeopatas classificam as doenças como agudas e crônicas. Numa enfermidade aguda, restrita, como o resfriado, a pessoa adoece rapidamente, a doença percorre seu trajeto e depois desaparece sozinha, com ou sem tratamento. Na doença crônica, pelo contrário, a enfermidade é contínua ou intermitente; exemplos disso são as infecções intermitentes ou doenças degenerativas, como a artrite. Embora haja uma série de pequenas vitórias e derrotas da força vital, e as recaídas siga-se um abrandamento do quadro, a tendência geral da saúde é descendente. Os medicamentos homeopáticos ajudam a acelerar a recuperação estimulando a força vital, que, embora, 17

18 temporariamente afetada e desequilibrada é mais do que capaz de se restabelecer. Os medicamentos abastecem a força vital de energia, para que ela livre o corpo da doença, e não só dos sintomas, ajudando-o a retornar ao estado saudável. Para garantir que a força vital reaja da maneira mais eficiente, os homeopatas precisam escolher uma medicação que combine da forma mais exata possível o quadro de sintomas e com o indivíduo. É por isso que a avaliação homeopática leva em conta o caráter da pessoa, os níveis de estresse, o estilo de vida, o biótipo, o nível de exercícios, a dieta, as preferências alimentares, o histórico médico familiar e os efeitos de fatores gerais, como o clima, resultando, assim, num quadro exclusivo de sintomas. Localizar com precisão os pontos fortes e fracos do indivíduo permite ao homeopata prescrever o melhor medicamento e a potência adequada. Ao escolher a homeopatia como a especialidade da farmácia, leva-se em conta seu crescimento, sua expansão, a fácil adesão ao tratamento e seu baixo custo para o paciente. 3.2 A importância da Homeopatia no SUS Já se tem avaliado a inserção da homeopatia como prática alternativa do Sistema Único de Saúde (SUS) e o sucesso desta inclusão foram encontrados em quatro razões fundamentais: a disposição da clientela, que necessita e solicita este tipo de serviço; a visão de saúde dos médicos sanitaristas, que mostram uma abertura para este tipo de projeto; o amplo apoio proveniente de profissionais de saúde não médicos, que pretendem valorizar e ampliar a sua prática; e, finalmente, a própria perspectiva das medicinas alternativas e complementares, que se encontra em plena sintonia com a ênfase na saúde proposta pelo SUS. Apesar do sucesso na implantação dessas práticas na rede básica, dois aspectos negativos foram detectados: o planejamento insuficiente e uma visão simplificadora que converte as racionalidades alternativas em meras técnicas que seguem os mesmos princípios mecanicistas da medicina alopática e o mesmo entendimento retificado de doença. 18

19 3.3 Criação de empregos nas pequenas empresas, através de investimentos do governo O governo Lula teve como meta a criação de dez milhões de postos de trabalho nos quatro últimos anos do seu governo. Neste quadro, a importância do surgimento das micro e pequenas empresas como geradoras de emprego ganhou relevância. Segundo o Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES), as microempresas, que em 1995 responderam por 46% da força de trabalho, em 2000 passaram a concentrar 53% dos trabalhadores. Conclusão: não há forma de estimular a criação de empregos que não passe pelo apoio e investimentos em novas ou jovens empresas. Porém, é justamente nas empresas jovens que se concentra o maior risco de falência. Pesquisa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) revela que 56% das empresas pedem falência em até três anos de existência (FONSECA, 2003). Boa parte desta taxa de mortalidade está na falta de planejamento. Pesquisa do Banco Internacional de Desenvolvimento (BID) mostra que apenas 50% das empresas latino-americanas têm um plano ao começarem seus negócios (FONSECA, 2003). O apoio a jovens empresas por meio da abertura de linhas de crédito ou da colaboração de instituições de apoio ao empreendedorismo é insuficiente, pois sem acoplar experiência empresarial ou na ausência de poder decisório sobre seus aconselhamentos, esses mecanismos tornam-se inócuos (FONSECA, 2003). Portanto, mais do que estimular o empreendedorismo, é necessário prover apoio a quem quer constituir um empreendimento. É necessário que haja alguém que auxilie os empresários a estudar a sua viabilidade, pesquisar o mercado, trazer ideias novas, solucionar os problemas e abrir portas para a construção de relações comerciais, ou seja, empreender diante das oportunidades e planejar antes de investir (FONSECA, 2003). 19

20 A inclusão da Homeopatia 18 na saúde pública foi a partir de iniciativas individuais de alguns médicos que tinham formação em homeopatia e obtiveram permissão para atender pacientes. Mas atualmente, a Homeopatia já é uma opção amplamente difundida para aqueles que buscam uma prática médica humanista (TEIXEIRA, 2009). E, Niterói sendo uma cidade com aproximadamente 500 mil habitantes, com boa qualidade de vida, boa localização, infra-estrutura, demanda aquecida, poder aquisitivo alto, beleza e boas oportunidades, faz da cidade um ótimo local para investir DEFINIÇÃO DE HOMEOPATIA - palavra que deriva do grego e significa moléstia semelhante, é uma doutrina, ou sistema médico vitalista, que, concebendo as moléstias como simples grupos de sintomas da alteração geral da energia vital, cura-as com agentes que produzem no corpo são grupos de sintomas semelhantes (similia similibus curantur), os quais são usados isoladamente (remédios simples), em doses mínimas, usualmente, infinitesimais, que agem sobre a energia vital alterada por meio da sua energia curativa posta em liberdade pelo seu modo de preparação farmacêutica ou pelos próprios líquidos orgânicos (dinamização). (Nilo Cairo ) 19 CURSO Iniciando um Pequeno Grande Negócio. São Paulo: SEBRAE, Disponível em: < >. Acesso em: 02 abr

21 4. JUSTIFICATIVAS Segundo Lakatos e Marconi (2005) o problema de pesquisa é definido como uma dificuldade, teórica ou prática, no conhecimento de alguma coisa de real importância, para qual se deve encontrar uma solução. Com base nesta definição o presente trabalho tem por objetivo, a partir da elaboração de um Plano de Negócio, responder ao seguinte questionamento: qual a viabilidade de implantação de uma farmácia homeopática na cidade de Niterói/RJ? A originalidade do trabalho está na oportunidade identificada por estas autoras, que buscam obter resultados reais sobre a viabilidade ou não, de abrir uma farmácia homeopática em Niterói/RJ. 4.1 O porquê de ser em Niterói 20 : Foram levantados alguns dados, tais como: o número de farmácias homeopáticas no bairro e nas redondezas, as existências de concorrentes no bairro do Fonseca (bairro escolhido para montar a farmácia) e toda a estrutura que estar próximo da capital nos proporciona como a disposição de fornecedores, a principal escola formadora de homeopatas (médicos, odontólogos e veterinários), universidades/faculdades de farmácia (mão de obra qualificada), etc... É uma cidade que tem 14 farmácias de manipulação homeopática; A maioria dos médicos homeopatas se concentra em Icaraí; Niterói é a cidade que as autoras escolheram para morar e trabalhar; 20 ECONOMIA notícias sobre a bolsa, finanças e investimentos. IG, Disponível em: <http://economia.ig.com.br/?gclid=cpfhwt626q8cfsmrnaod7lov1a > Acesso em: 05 abr

22 Tem população estimada de habitantes (2010), isso dá uma excelente proporção de habitantes/farmácia. Niterói possui 3 faculdades que formam farmacêuticos, isso garante mão de obra qualificada; O Instituto Hahnemanniano do Brasil (IHB), uma referência como escola formadora de médicos, dentistas, veterinários e farmacêuticos, especialistas em homeopatia, fica localizado no centro da cidade do Rio de Janeiro, o que representa a formação de prescritores potenciais para a farmácia. Maior acessibilidade aos principais fornecedores de insumos homeopáticos, tais como: SCHRAIBER, GLÓBULOS INERTES, HN CHRISTIANO, FLORES & ERVAS, ÁLCOOL REZENDE, entre outros. 22

23 5. OBJETIVOS 5.1 Objetivo Geral O objetivo geral deste trabalho consiste em elaborar um Plano de Negócio a fim de determinar a viabilidade econômico-financeira para abertura de uma farmácia de manipulação homeopática na cidade de Niterói/RJ, onde a mesma deverá situar-se no bairro do Fonseca. 5.2 Objetivos Específicos A fim de atender estes propósitos, foram definidos os seguintes objetivos específicos: - Realizar um diagnóstico do ambiente do negócio; - Definir o negócio; - Definir o plano operacional; - Elaborar as ações de marketing; - Definir a equipe gerencial e as ações de recursos humanos; - Elaborar um plano financeiro. 23

24 6. METODOLOGIA Segundo Marconi e Lakatos (2007) a especificação da metodologia da pesquisa é a que abrange maior número de itens, pois responde, a um só tempo, às questões: como? Com quê? Onde? E quanto?, sendo assim toda a estrutura do trabalho partirá das respostas destes questionamentos. O nível desta pesquisa é exploratório-descritivo sendo este um nível de busca de informação e investigação, delimitado o tema por meio da revisão bibliográfica. O critério de inclusão serão as referências sobre Plano de Negócio e materiais sobre o mercado de farmácia de manipulação homeopática. Também foi utilizado como norteador para o Plano o Manual do SEBRAE Como elaborar um Plano de Negócios, publicado em 2009 por esta instituição. 24

25 7. RESULTADOS 7.1 CONSTRUÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIO Este Plano foi construído com a finalidade de fornecer informações para que possibilite ao empreendedor analisar com maior abrangência a viabilidade econômicofinanceira para programar uma Farmácia em Niterói, especificamente no Bairro Fonseca. 7.2 Sumário Executivo Trata-se de uma farmácia de manipulação homeopática Visão do Negócio: "Ser reconhecida como a Farmácia voltada para a clientividade até Missão do Negócio: Proporcionar um atendimento voltado para o cliente, através da manipulação e venda de medicamentos homeopáticos com preços competitivos, qualidade, segurança e efetividade garantidos. A condição de apoio apresentada é a sociedade entre as autoras deste Plano de Negócio. E a meta da empresa será ter o retorno do capital investido em 36 meses e se consolidar até 2014, como foi dito na visão da empresa. 25

26 7.3 Descrição da Empresa e do Bairro do Fonseca A Farmácia Homeopática do Fonseca 21 estará localizada no bairro Fonseca do município de Niterói/RJ. Trata-se de um bairro tradicional, bastante arborizado, abriga o Horto Botânico e uma das principais vias de acesso à cidade e a capital do Estado. Predominantemente residencial, o padrão de vida de seus moradores varia entre a classe média à classe média baixa. Após pesquisa, conclui se que não há nenhuma farmácia homeopática no bairro. Todos os clientes têm uma característica comum: a fidelidade, o cliente de uma farmácia de manipulação busca a exclusividade, diante disto o bom atendimento e a qualidade do produto são fundamentais. A área disponível para se instalar a farmácia tem, em média, 90 m 2, então se pensou em dividir, da melhor forma possível, esse espaço para as salas que se fazem necessárias para o bom funcionamento da farmácia. O que se verifica na Tabela 1: 21 Farmácia Homeopática do Fonseca é o nome fantasia escolhido para a empresa em questão. 26

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

O Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano de Negócios Fabiano Marques Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. (Dornelas, 2005) O termo empreendedorismo está naturalmente

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

Índice. Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2

Índice. Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2 1 Índice Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2 A Empresa Informações sobre a empresa, farmacêuticas responsáveis, instalações, diferenciais

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo PN PLANO DE NEGÓCIOS Conceito PLANO DE NEGÓCIO É um documento que contempla a descrição do empreendimento e o modelo de gestão que sustentará a empresa É O CARTÃO DE VISITA DA EMPRESA Plano de Negócio

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO É o processo gerencial de desenvolver e manter um ajuste viável entre os objetivos, experiências e recursos da organização e suas oportunidades de mercado. Moldando e remoldando

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X ) TRABALHO

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA

PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA FELIPE RABELO DE AGUIAR Graduando do Curso de Ciências Contábeis da UFPA feliperabelo11@yahoo.com.br Héber Lavor Moreira Professor Orientador

Leia mais

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques "Um bom plano de negócios deve mostrar claramente a competência da equipe, o potencial do mercado-alvo e uma idéia realmente inovadora; culminando em um

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 392 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Débora Regina

Leia mais

Curso de Bacharelado em Administração

Curso de Bacharelado em Administração PRODUÇÃO TEXTUAL 2 2º SEMESTRE DISCIPLINA PROFESSOR Teorias da Administração II Ivan Campos Introdução à Contabilidade Vânia Silva Introdução à Economia Regina Melassise Matemática Helenara R. Sampaio

Leia mais

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR Edmundo Tork APOSTILA 3 TURMA: EMPRESA E SISTEMA 5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 2 EMPRESA COMO SISTEMA E SEUS SUBSISTEMAS

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal RELATÓRIO DE INSPEÇÃO VERIFICAÇÃO DO ATENDIMENTO ÀS DISPOSIÇÕES DA RDC n 67/07 2ª ETAPA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA INSPEÇÃO EM FARMÁCIAS 1. IDENTIFICAÇÃO DA FARMÁCIA: 1.1. Razão Social:

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

6. Planejamento do Negócio

6. Planejamento do Negócio 6. Planejamento do Negócio Conteúdo 1. O que é um Plano de Negócios 2. Elaboração de um Plano de Negócios 3. Sessões Propostas para um Plano de Negócios 4. Idéias para um Plano de Negócios 5. Sites para

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO Bruna Carolina da Cruz Graduando em administração Unisalesiano Lins bruna-estella@hotmail.com Rafael Victor Ostetti da Silva Graduando

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO Contexto e objetivos CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO O desenvolvimento do plano de negócios, como sistematização das idéias

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

PARTE VI O Plano de Negócios

PARTE VI O Plano de Negócios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Empreendedorismo: Uma Introdução Prof. Fabio Costa Ferrer,

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com Manual do Professor Manual do professor Este manual deve ser usado em conjunto com o vídeo do autor disponível no site da editora: www.campus.com.br Maiores

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO O Plano de Negócios é parte fundamental do processo empreendedor, visto que os empreendedores precisam saber planejar suas ações e delinear

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ MELLO, A.D. de.; RANDO, D.R. Resumo No atual contexto empresarial

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 6 PLANO DE NEGÓCIOS (PN): UMA VISÃO GERAL - O QUE É E PARA QUE SERVE? Plano de negócios (do inglês business plan), também chamado plano empresarial, é um documento que especifica, em linguagem

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé 1. Objetivo O presente guia tem como objetivo orientar o empreendedor a como preencher o Formulário de Pré-proposta para financiamento, item fundamental para início

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária II

Contabilidade Financeira e Orçamentária II Contabilidade Financeira e Orçamentária II Curso de Ciências Contábeis - 7º período Prof. Edenise Tópicos Iniciais Plano Orçamentário compreende: todo o processo operacional da empresa. Envolve todos os

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: EMPREENDEDORISMO

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: EMPREENDEDORISMO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: EMPREENDEDORISMO Código: CTB - 251 Pré-requisito: -------- Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Estudo da viabilidade econômico-financeira de um Depósito de Bebidas no Município de Benevides sob a ótica do plano de negócios

Estudo da viabilidade econômico-financeira de um Depósito de Bebidas no Município de Benevides sob a ótica do plano de negócios UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Diego Begot da Silva Dantas Francisco Mateus da Costa Mota Estudo da viabilidade econômico-financeira de um Depósito

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Novos Negócios Farma

Novos Negócios Farma Novos Negócios Farma *Estudos Pré-Clínicos no Brasil: atual cenário e oportunidades *P&D de Novas Moléculas no Brasil *Parcerias ICTs & Empresas: barreiras e oportunidades *Oportunidades e desafios do

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

CURITIBA, FEVEREIRO DE

CURITIBA, FEVEREIRO DE PLANO DE NEGÓCIO CURITIBA, FEVEREIRO DE 2004 2 PLANO DE NEGÓCIO Odilio Sepulcri 1. Introdução: Antes de implementar novas atividades ou alternativas econômicas no sistema de produção, seja para a sua mudança

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14 PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA (inserir logo) SET/14 Índice 1 INTRODUÇÃO-Sumário Executivo 04 1.1 Identificação da Empresa 04 1.1.1 Histórico da empresa 04 1.1.2 Definição do modelo de negócio 05 1.1.3 Constituição

Leia mais

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil CPI da OPME 6.Abr. 2015 Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil SISTEMA UNIMED 351 Cooperativas contribuindo com a interiorização dos médicos da medicina de qualidade no Brasil. SISTEMA

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO! O que é Orçamento Contínuo?! Qual a periodicidade normal para um Orçamento Contínuo?! Como podemos estruturá-lo?! O que é mais importante para um Orçamento Contínuo?!

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização PLANO DE MARKETING Ferramenta importante do plano estratégico de uma empresa. Deve estar em perfeita sintonia com os objetivos estabelecidos pela empresa. É um passo para a elaboração do PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais