Planejamento Tributário Para 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejamento Tributário Para 2015"

Transcrição

1 Planejamento Tributário Para 2015 Maria das Graças de Souza Chiomento Marcio Lério da Silva CIESP - Distrital Leste- 05/11/2014

2 Planejamento Tributário Montanhas de dinheiro escondidas na contabilidade

3 Agenda Resumo Regimes de tributação Comparativo entre os regimes exemplo prático Pontos críticos e estratégicos Fiscalização Digital Oportunidades de Planejamento Tributário

4 Regimes de Tributação Lucro Presumido Lucro Real Simples Nacional Lucro Arbitrado

5 Lucro Presumido

6 Lucro Presumido Características Qualquer empresa pode optar, com exceção de instituições financeiras, empresas que tiverem lucros ou rendimentos oriundos do exterior, usufruir de benefício fiscal autorizadas por Lei, Factorings. Faturamento máximo: R$ 78 milhões/ano Receita Federal presume o Lucro da empresa conforme atividade PIS e COFINS são cumulativos IPI não cumulativo ICMS regime periódico de apuração

7 Lucro Presumido IRPJ Base de Cálculo Atividade Percentualde Presunção Alíquota de IR Percentual Direto Revenda de combustíveis 1,6% 15% 0,24% Prestação de serviços 32% 15% 4,80% Prestação de serviços faturamento até R$ ,00 por ano, exceto profissões regulamentadas 16% 15% 2,40% Serviços de transportes, exceto de cargas 16% 15% 2,40% Revenda de mercadorias venda de produtos de fabricação própria industrialização por encomenda compra e venda, loteamento, incorporação e construção de imóveis obras de construção civil com emprego de material prestação de serviços hospitalares transporte de cargas demais atividades não caracterizadas como prestação de serviços 8% 15% 1,20%

8 Lucro Presumido IRPJ Adicional do Imposto de Renda Adicional de 10% aplicável sobre a parcela do lucro presumido que exceder o limite de R$ ,00 no trimestre, ou R$ ,00 por mês. CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Atividade Percentualde Presunção Alíquota de CSLL Percentual Direto Atividades comerciais, industriais, serviços hospitalares e transporte 12% 9% 1,08% Prestaçãode serviços em geral, exceto serviços hospitalares e transporte, intermediação de negócios, administração, locação ou cessão de bens imóveis, móveis e direitos de qualquer natureza 32% 9% 2,88%

9 TRIBUTO Lucro Presumido Resumo Vendas, Revendas, Transportes de mercadorias * Prestação de Serviços (faturamento anual até R$ ,00) Prestação de Serviços COFINS 3,00% 3,00% 3,00% PIS 0,65% 0,65% 0,65% IRPJ 1,20% 2,40% 4,80% CSLL 1,08% 2,88% 2,88% ICMS IPI Apuração não cumulativa alíquotas diferenciadas Apuração não cumulativa alíquotas diferenciadas ISS - 5,00%* 5,00%* TOTAL 5,93% 13,93% 16,33% * Varia de acordo com o tipo de serviço, Município

10 Lucro Real

11 Lucro Real Características Tributação de IRPJ e CSLL com base no lucro auferido pela empresa no Balanço Patrimonial e Livro de Apuração do Lucro Real LALUR PIS e COFINS regra geral regime não-cumulativo. Existem exceções de algumas atividades e produtos

12 Lucro Real Empresas obrigadas Receita bruta total superior a R$ 78 milhões no ano-calendário anterior; Instituições financeiras; Que tiverem lucros, rendimentos ou ganhos de capital oriundos do exterior Que usufruam de benefícios fiscais relativos a isenção ou redução do imposto Que no decorrer do ano-calendário, tenham efetuado pagamento mensal pelo regime de estimativa Factoring

13 Lucro Real Alíquotas TRIBUTO Alíquotas Observação COFINS 7,6% Não cumulativo PIS 1,65% Não cumulativo IRPJ 15% Sobre o Lucro Real CSLL 9% Sobre o Lucro Real ICMS Apuração não cumulativa alíquotas diferenciadas IPI Apuração não cumulativa alíquotas diferenciadas ISS 5%* Varia de acordo com o tipo de serviço, Município Dependendo da atividade, poderá ser devido o PIS e COFINS nos regimes cumulativos (0,65% 3%) e/ou não cumulativos (1,65% 7,6%)

14 Lucro Real IRPJ Adicional do Imposto de Renda Adicional de 10% aplicável sobre a parcela do lucro presumido que exceder o limite de R$ ,00 no trimestre, ou R$ ,00 por mês.

15 Simples Nacional

16 Simples Nacional Características Lei Complementar nº 123, de 2006 Recolhimento de tributos Federais, Estaduais e Municipais de forma unificada Aplicável às microempresas (faturamento até R$ ,00/ano) e empresas de pequeno porte (faturamento até R$ ,00/ano) Além do limite acima, a empresa poderá ter receitas de exportação até o limite de R$ ,00/ano Tem o objetivo de simplificar o cumprimento das obrigações principais e acessórias É regulamentado pelo Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN)

17 Simples Nacional Principais Vedações de Opção Tenha auferido no ano-calendário imediatamente anterior ao ano-calendário em curso, receita bruta superior a R$ ,00 ou de igual valor para exportação de mercadorias; De cujo capital participe outra Pessoa Jurídica; Seja filial, sucursal, agência ou representação, no País, de pessoa jurídica sediada no exterior; De cujo capital participe pessoa física que seja sócio ou titular de outra empresa optante pelo Simples e a receita bruta global ultrapasse R$ ,00 Cujo titular ou sócio participe com mais de 10% do capital de outra empresa não optante pelo Simples Nacional, desde que a receita bruta global ultrapasse o limite de R$ ,00;

18 Simples Nacional Principais Vedações de Opção cujo sócio ou titular seja administrador ou equiparado de outra pessoa jurídica com fins lucrativos, desde que a receita bruta global ultrapasse o limite de R$ ,00; que participe do capital de outra pessoa jurídica cujos titulares ou sócios guardem, cumulativamente, com o contratante do serviço, relação de pessoalidade, subordinação e habitualidade; que tenha sócio domiciliado no exterior; que possua débitos tributários;

19 Simples Nacional ATIVIDADES VEDADAS Entidades Financeiras (bancos, empresas de arrendamento mercantil, seguradoras, etc.) Geradoras, transmissoras, distribuidoras ou comercializadora de energia elétrica Importação ou fabricação de automóveis e motocicletas Importação de combustíveis produção ou venda no atacado de cigarros, armas de fogo, munições, bebidas alcoólicas e cervejas sem álcool Loteamento e incorporação de imóveis Locação de imóveis próprios, exceto quando se referir à prestação de serviços tributados pelo ISS Qualquer atividade mediante cessão ou locação de mão-de-obra, exceto aquelas tributadas com base no Anexo IV da LC 123/2006

20 ANEXO I -Comércio Simples Nacional ReceitaBrutaem12meses(emR$) Alíquota IRPJ CSLL Cofins PIS/Pasep CPP ICMS Até ,00 4,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,75% 1,25% De ,01a ,00 5,47% 0,00% 0,00% 0,86% 0,00% 2,75% 1,86% De ,01a ,00 6,84% 0,27% 0,31% 0,95% 0,23% 2,75% 2,33% De ,01a ,00 7,54% 0,35% 0,35% 1,04% 0,25% 2,99% 2,56% De ,01a ,00 7,60% 0,35% 0,35% 1,05% 0,25% 3,02% 2,58% De ,01a ,00 8,28% 0,38% 0,38% 1,15% 0,27% 3,28% 2,82% De ,01a ,00 8,36% 0,39% 0,39% 1,16% 0,28% 3,30% 2,84% De ,01a ,00 8,45% 0,39% 0,39% 1,17% 0,28% 3,35% 2,87% De ,01a ,00 9,03% 0,42% 0,42% 1,25% 0,30% 3,57% 3,07% De ,01a ,00 9,12% 0,43% 0,43% 1,26% 0,30% 3,60% 3,10% De ,01a ,00 9,95% 0,46% 0,46% 1,38% 0,33% 3,94% 3,38% De ,01a ,00 10,04% 0,46% 0,46% 1,39% 0,33% 3,99% 3,41% De ,01a ,00 10,13% 0,47% 0,47% 1,40% 0,33% 4,01% 3,45% De ,01a ,00 10,23% 0,47% 0,47% 1,42% 0,34% 4,05% 3,48% De ,01a ,00 10,32% 0,48% 0,48% 1,43% 0,34% 4,08% 3,51% De ,01a ,00 11,23 % 0,52% 0,52% 1,56% 0,37% 4,44% 3,82% De ,01a ,00 11,32 % 0,52% 0,52% 1,57% 0,37% 4,49% 3,85% De ,01a ,00 11,42 % 0,53% 0,53% 1,58% 0,38% 4,52% 3,88% De ,01a ,00 11,51 % 0,53% 0,53% 1,60% 0,38% 4,56% 3,91% De ,01a ,00 11,61 % 0,54% 0,54% 1,60% 0,38% 4,60% 3,95%

21 Simples ANEXO Nacional II - Indústria Receita Bruta em 12 meses (em R$) Alíquota IRPJ CSLL Cofins PIS/Pasep CPP ICMS IPI Até ,00 4,50% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,75% 1,25% 0,50% De ,01a ,00 5,97% 0,00% 0,00% 0,86% 0,00% 2,75% 1,86% 0,50% De ,01a ,00 7,34% 0,27% 0,31% 0,95% 0,23% 2,75% 2,33% 0,50% De ,01a ,00 8,04% 0,35% 0,35% 1,04% 0,25% 2,99% 2,56% 0,50% De ,01a ,00 8,10% 0,35% 0,35% 1,05% 0,25% 3,02% 2,58% 0,50% De ,01a ,00 8,78% 0,38% 0,38% 1,15% 0,27% 3,28% 2,82% 0,50% De ,01a ,00 8,86% 0,39% 0,39% 1,16% 0,28% 3,30% 2,84% 0,50% De ,01a ,00 8,95% 0,39% 0,39% 1,17% 0,28% 3,35% 2,87% 0,50% De ,01a ,00 9,53% 0,42% 0,42% 1,25% 0,30% 3,57% 3,07% 0,50% De ,01a ,00 9,62% 0,42% 0,42% 1,26% 0,30% 3,62% 3,10% 0,50% De ,01a ,00 10,45% 0,46% 0,46% 1,38% 0,33% 3,94% 3,38% 0,50% De ,01a ,00 10,54% 0,46% 0,46% 1,39% 0,33% 3,99% 3,41% 0,50% De ,01a ,00 10,63% 0,47% 0,47% 1,40% 0,33% 4,01% 3,45% 0,50% De ,01a ,00 10,73% 0,47% 0,47% 1,42% 0,34% 4,05% 3,48% 0,50% De ,01a ,00 10,82% 0,48% 0,48% 1,43% 0,34% 4,08% 3,51% 0,50% De ,01a ,00 11,73% 0,52% 0,52% 1,56% 0,37% 4,44% 3,82% 0,50% De ,01a ,00 11,82% 0,52% 0,52% 1,57% 0,37% 4,49% 3,85% 0,50% De ,01a ,00 11,92% 0,53% 0,53% 1,58% 0,38% 4,52% 3,88% 0,50% De ,01a ,00 12,01% 0,53% 0,53% 1,60% 0,38% 4,56% 3,91% 0,50% De ,01a ,00 12,11% 0,54% 0,54% 1,60% 0,38% 4,60% 3,95% 0,50%

22 ANEXO III Locação Simples de Bens Móveis Nacional e Prestação de Serviços Receita Bruta em 12 meses (em R$) Alíquota IRPJ CSLL Cofins PIS/Pasep CPP ISS Até ,00 6,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 4,00% 2,00% De ,01a ,00 8,21% 0,00% 0,00% 1,42% 0,00% 4,00% 2,79% De ,01a ,00 10,26% 0,48% 0,43% 1,43% 0,35% 4,07% 3,50% De ,01a ,00 11,31% 0,53% 0,53% 1,56% 0,38% 4,47% 3,84% De ,01a ,00 11,40% 0,53% 0,52% 1,58% 0,38% 4,52% 3,87% De ,01a ,00 12,42% 0,57% 0,57% 1,73% 0,40% 4,92% 4,23% De ,01a ,00 12,54% 0,59% 0,56% 1,74% 0,42% 4,97% 4,26% De ,01a ,00 12,68% 0,59% 0,57% 1,76% 0,42% 5,03% 4,31% De ,01a ,00 13,55% 0,63% 0,61% 1,88% 0,45% 5,37% 4,61% De ,01a ,00 13,68% 0,63% 0,64% 1,89% 0,45% 5,42% 4,65% De ,01a ,00 14,93% 0,69% 0,69% 2,07% 0,50% 5,98% 5,00% De ,01a ,00 15,06% 0,69% 0,69% 2,09% 0,50% 6,09% 5,00% De ,01a ,00 15,20% 0,71% 0,70% 2,10% 0,50% 6,19% 5,00% De ,01a ,00 15,35% 0,71% 0,70% 2,13% 0,51% 6,30% 5,00% De ,01a ,00 15,48% 0,72% 0,70% 2,15% 0,51% 6,40% 5,00% De ,01a ,00 16,85% 0,78% 0,76% 2,34% 0,56% 7,41% 5,00% De ,01a ,00 16,98% 0,78% 0,78% 2,36% 0,56% 7,50% 5,00% De ,01a ,00 17,13% 0,80% 0,79% 2,37% 0,57% 7,60% 5,00% De ,01a ,00 17,27% 0,80% 0,79% 2,40% 0,57% 7,71% 5,00% De ,01a ,00 17,42% 0,81% 0,79% 2,42% 0,57% 7,83% 5,00%

23 Simples Nacional ANEXO IV Prestação de Serviços relacionados no 5º -C do art. 18 da Lei Complem. 123/2006 I. construção de imóveis e obras de engenharia em geral, inclusive sob a forma de subempreitada, execução de projetos e serviços de paisagismo, bem como decoração de interiores; II. (REVOGADO); III. (REVOGADO); IV. (REVOGADO); V. (REVOGADO); VI. serviço de vigilância, limpeza ou conservação. VII. serviços advocatícios. (Incluído pela Lei Complementar nº 147, de 7 de agosto de 2014)

24 ANEXO IV Prestação de Serviços Simples relacionados Nacional no 5º-C do art. 18 da Lei Complem. 123/2006 Receita Bruta em 12 meses (em R$) Alíquota IRPJ CSLL Cofins PIS/Pasep ISS Até ,00 4,50% 0,00% 1,22% 1,28% 0,00% 2,00% De ,01a ,00 6,54% 0,00% 1,84% 1,91% 0,00% 2,79% De ,01a ,00 7,70% 0,16% 1,85% 1,95% 0,24% 3,50% De ,01a ,00 8,49% 0,52% 1,87% 1,99% 0,27% 3,84% De ,01a ,00 8,97% 0,89% 1,89% 2,03% 0,29% 3,87% De ,01a ,00 9,78% 1,25% 1,91% 2,07% 0,32% 4,23% De ,01a ,00 10,26% 1,62% 1,93% 2,11% 0,34% 4,26% De ,01a ,00 10,76% 2,00% 1,95% 2,15% 0,35% 4,31% De ,01a ,00 11,51% 2,37% 1,97% 2,19% 0,37% 4,61% De ,01a ,00 12,00% 2,74% 2,00% 2,23% 0,38% 4,65% De ,01a ,00 12,80% 3,12% 2,01% 2,27% 0,40% 5,00% De ,01a ,00 13,25% 3,49% 2,03% 2,31% 0,42% 5,00% De ,01a ,00 13,70% 3,86% 2,05% 2,35% 0,44% 5,00% De ,01a ,00 14,15% 4,23% 2,07% 2,39% 0,46% 5,00% De ,01a ,00 14,60% 4,60% 2,10% 2,43% 0,47% 5,00% De ,01a ,00 15,05% 4,90% 2,19% 2,47% 0,49% 5,00% De ,01a ,00 15,50% 5,21% 2,27% 2,51% 0,51% 5,00% De ,01a ,00 15,95% 5,51% 2,36% 2,55% 0,53% 5,00% De ,01a ,00 16,40% 5,81% 2,45% 2,59% 0,55% 5,00% De ,01a ,00 16,85% 6,12% 2,53% 2,63% 0,57% 5,00%

25 Simples Nacional ANEXO V Prestação de Serviços relacionados no 5ºD do art. 18 da Lei Comp. 123/2006 I. administração e locação de imóveis de terceiros;(redação dada pela Lei Complementar nº 147, de 7 de agosto de 2014) II. academias de dança, de capoeira, de ioga e de artes marciais; III. academias de atividades físicas, desportivas, de natação e escolas de esportes; IV. elaboração de programas de computadores, inclusive jogos eletrônicos, desde que desenvolvidos em estabelecimento do optante; V. licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação; VI. planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas, desde que realizados em estabelecimento do optante; VII. (REVOGADO); VIII.(REVOGADO); IX. empresas montadoras de estandes para feiras; X. produção cultural e artística; (Revogado a partir de 1 de janeiro de 2010 pela Lei Complementar n 133, de 28 de dezembro de 2009) XI. produçãocinematográficaedeartescênicas; (Revogadoapartirde1 dejaneirode2010pelaleicomplementarn 133,de28de dezembrode2009) XII. laboratórios de análises clínicas ou de patologia clínica; XIII. serviços de tomografia, diagnósticos médicos por imagem, registros gráficos e métodos óticos, bem como ressonância magnética; XIV. serviços de prótese em geral.

26 ANEXO V-A Prestação de Serviços Simples relacionados Nacional no 5ºD do art. 18 da Lei Comp. 123/2006 Receita Bruta em 12 meses (em R$) (r)<0,10 0,10 (r) e (r) < 0,15 0,15 (r) e (r) < 0,20 0,20 (r) e (r) < 0,25 0,25 (r) e (r) < 0,30 0,30 (r) e (r) < 0,35 0,35 (r) e (r) < 0,40 (r) 0,40 Até ,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00% De ,01 a ,00 17,52% 15,75% 13,90% 12,60% 12,33% 10,72% 9,10% 8,48% De ,01 a ,00 17,55% 15,95% 14,20% 12,90% 12,64% 11,11% 9,58% 9,03% De ,01 a ,00 17,95% 16,70% 15,00% 13,70% 13,45% 12,00% 10,56% 9,34% De ,01 a ,00 18,15% 16,95% 15,30% 14,03% 13,53% 12,40% 11,04% 10,06% De ,01 a ,00 18,45% 17,20% 15,40% 14,10% 13,60% 12,60% 11,60% 10,60% De ,01 a ,00 18,55% 17,30% 15,50% 14,11% 13,68% 12,68% 11,68% 10,68% De ,01 a ,00 18,62% 17,32% 15,60% 14,12% 13,69% 12,69% 11,69% 10,69% De ,01 a ,00 18,72% 17,42% 15,70% 14,13% 14,08% 13,08% 12,08% 11,08% De ,01 a ,00 18,86% 17,56% 15,80% 14,14% 14,09% 13,09% 12,09% 11,09% De ,01 a ,00 18,96% 17,66% 15,90% 14,49% 14,45% 13,61% 12,78% 11,87% De ,01 a ,00 19,06% 17,76% 16,00% 14,67% 14,64% 13,89% 13,15% 12,28% De ,01 a ,00 19,26% 17,96% 16,20% 14,86% 14,82% 14,17% 13,51% 12,68% De ,01 a ,00 19,56% 18,30% 16,50% 15,46% 15,18% 14,61% 14,04% 13,26% De ,01 a ,00 20,70% 19,30% 17,45% 16,24% 16,00% 15,52% 15,03% 14,29% De ,01 a ,00 21,20% 20,00% 18,20% 16,91% 16,72% 16,32% 15,93% 15,23% De ,01 a ,00 21,70% 20,50% 18,70% 17,40% 17,13% 16,82% 16,38% 16,17% De ,01 a ,00 22,20% 20,90% 19,10% 17,80% 17,55% 17,22% 16,82% 16,51% De ,01 a ,00 22,50% 21,30% 19,50% 18,20% 17,97% 17,44% 17,21% 16,94% De ,01 a ,00 22,90% 21,80% 20,00% 18,60% 18,40% 17,85% 17,60% 17,18%

27 ANEXO V-B Prestação de Serviços Simples relacionados Nacional no 5ºD do art. 18 da Lei Comp. 123/2006 Receita Bruta em 12 meses(em R$) CPP IRPJ CSLL COFINS PIS/Pasep I J K L M Até ,00 N x 0,9 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,875 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,85 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,825 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,8 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,775 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,75 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,725 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,7 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,675 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,65 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,625 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,6 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,575 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,55 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,525 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,5 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,475 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,45 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L De ,01a ,00 N x 0,425 0,75 X (100 -I) X P 0,25 X (100 -I) X P 0,75 X (100 -I -J -K) 100 -I -J -K -L

28 Simples Nacional ANEXO VI Prestação de Serviços relacionados no 5ºI do art. 18 da Lei Comp. 123/2006 I. medicina, inclusive laboratorial e enfermagem; II. medicina veterinária; III. odontologia; IV. psicologia, psicanálise, terapia ocupacional, acupuntura, podologia, fonoaudiologia, clínicas de nutrição e de vacinação e bancos de leite; V. serviços de comissaria, de despachantes, de tradução e de interpretação; VI. arquitetura, engenharia, medição, cartografia, topografia, geologia, geodésia, testes, suporte e análises técnicas e tecnológicas, pesquisa, design, desenho e agronomia; VII. representação comercial e demais atividades de intermediação de negócios e serviços de terceiros; VIII.perícia, leilão e avaliação; (Incluído pela Lei Complementar nº 147, de 7 de agosto de 2014) IX. auditoria, economia, consultoria, gestão, organização, controle e administração; X. jornalismo e publicidade; XI. agenciamento, exceto de mão de obra; XII. outras atividades do setor de serviços que tenham por finalidade a prestação de serviços decorrentes do exercício de atividade intelectual, de natureza técnica, científica, desportiva, artística ou cultural, que constitua profissão regulamentada ou não, desde que não sujeitas à tributação na forma dos Anexos III, IV ou V desta Lei Complementar.

29 ANEXO VI Prestação de Serviços relacionados no 5ºI do art. 18 da Lei Comp. 123/2006 Simples Nacional Receita Bruta em 12 meses (em R$) Alíquota IRPJ, PIS/Pasep, CSLL, Cofins e CPP ISS Até ,00 16,93% 14,93% 2,00% De ,01 a ,00 17,72% 14,93% 2,79% De ,01 a ,00 18,43% 14,93% 3,50% De ,01 a ,00 18,77% 14,93% 3,84% De ,01 a ,00 19,04% 15,17% 3,87% De ,01 a ,00 19,94% 15,71% 4,23% De ,01 a ,00 20,34% 16,08% 4,26% De ,01 a ,00 20,66% 16,35% 4,31% De ,01 a ,00 21,17% 16,56% 4,61% De ,01 a ,00 21,38% 16,73% 4,65% De ,01 a ,00 21,86% 16,86% 5,00% De ,01 a ,00 21,97% 16,97% 5,00% De ,01 a ,00 22,06% 17,06% 5,00% De ,01 a ,00 22,14% 17,14% 5,00% De ,01 a ,00 22,21% 17,21% 5,00% De ,01 a ,00 22,21% 17,21% 5,00% De ,01 a ,00 22,32% 17,32% 5,00% De ,01 a ,00 22,37% 17,37% 5,00% De ,01 a ,00 22,41% 17,41% 5,00% De ,01 a ,00 22,45% 17,45% 5,00%

30 Simples Nacional Novas atividades Lei complementar 147/2014

31 Simples Nacional Novas atividades Lei complementar 147/2014

32 Simples Nacional Novas atividades Lei complementar 147/2014

33 Simples Nacional Novas atividades Lei complementar 147/2014

34 Comparativo 1

35 Comparativo Empresa com atividade mista Descrição Valor Receita de vendas de prudutos ,00 Receita de Serviços ,00 Receita Total ,00 Folha de pagameto -Indústria + encargos ,00 Folha de pagamento -Serviços + encargos ,00 Insumos -Indústria ,00 Insumos -Serviços 3.000,00 Demais Despesas ,00 Para fins de cálculo de ICMS, consideradas compras e vendas à alíquota de 18% Para fins e calculo do IPI, consideradas compras e vendas à alíquota de 10%

36 Comparativo Empresa com atividade mista Tributos Lucro Real Lucro Presumido Simples Nacional Simples Nacional ,00 IRPJ 1.337, ,00 - CSLL 802, ,00 - PIS / COFINS , ,00 - ICMS , ,00 - IPI , ,00 - ISS 5.000, ,00 - INSS , ,00 - FGTS 4.400, , ,00 Total , , ,00 Percentual sobre o Faturamento 26,79% 28,16% 15,46% Link: Calculo completo

37 Comparativo Empresa com atividade mista Tributos Lucro Real Lucro Presumido Simples Nacional Total R$ ,60 R$ ,00 R$ ,00 R$90.000,00 Carga Tributária R$80.000,00 R$70.000,00 R$60.000,00 R$50.000,00 R$40.000,00 R$30.000,00 R$20.000,00 R$10.000,00 R$- Lucro Real Lucro Presumido Simples Nacional

38 Comparativo Comparativo 2

39 Comparativo Apuração dos Tributos no Lucro Real

40 Comparativo Apuração dos Tributos no Lucro Presumido

41 Comparativo Economia Tributária Economia: R$ ,91

42 Comparativo Economia Tributária Economia: R$ ,91

43 Lucro Arbitrado

44 Lucro Arbitrado O arbitramento de lucro é uma forma de apuração da base de cálculo do imposto de renda utilizada pela autoridade tributária ou pelo contribuinte. É aplicável pela autoridade tributária quando a pessoa jurídica deixar de cumprir as obrigações acessórias relativas à determinação do lucro real ou presumido, conforme o caso. Quando conhecida a receita bruta, e, desde que ocorrida qualquer das hipóteses de arbitramento previstas na legislação fiscal, o contribuinte poderá efetuar o pagamento do imposto de renda correspondente com base nas regras do lucro arbitrado.

45 Lucro Arbitrado Coeficientes (base de cálculo) Atividade Percentuais Atividadesemgeral(RIR/1999,art.532) 9,6% Revenda de combustíveis 1,92% Serviços de transporte (exceto transporte de carga) 19,2% Serviços de transporte de cargas 9,6% Serviços em geral (exceto serviços hospitalares) 38,4% Serviços hospitalares 9,6% Intermediação de negócios 38,4% Administração, locação ou cessão de bens e direitos 38,4% de qualquer natureza (inclusive imóveis) Factoring 38,4% Bancos, instituições financeiras e assemelhados 45%

46 Planejamento Tributário Pontos críticos e estratégicos a serem analisados

47 Planejamento Tributário Empresas importadoras recolhem o PIS e COFINS com alíquotas de apuração não-cumulativa 1,65% e 7,6% respectivamente na nacionalização da mercadoria. Se a empresa for optante pelo Lucro Real, via de regra poderá tomar o crédito desses tributos Empresas que apresentam prejuízo contábil/fiscal ou baixa lucratividade. Antes de optar pelo Lucro Real, analisar não somente o IRPJ e CSLL mas também o PIS e COFINS Receitas não operacionais Atentar para receitas não operacionais, aquelas que não estão previstas no objeto da empresa (exemplo: alugueis, receitas financeiras, ganho de capital na venda de ativo imobilizado). São incluídas diretamente na base de calculo o IRPJ e CSLL. Rendimentos de aplicações Financeiras São incluídas na base de calculo do IRPJ e CSLL e abate-se o imposto retido. Em questões tributáriasé mais vantajoso efetuar a distribuição de lucros aos sócios e aplicar na conta de pessoa física

48 Planejamento Tributário Empresas tributadas pelo Lucro Real Efetuar o pagamento de juros sobre o capital próprio para os sócios PAT Programa de Alimentação do Trabalhador Classificação correta dos produtos adquiridos e vendidos (NCM) Se atribuído código incorreto, a empresa poderá recolher tributos a maior ou a menor Avaliar estabelecimento da empresa em outros Municípios/Estados Possibilidade de redução do ISS e/ou do ICMS Desoneração da Folha de Pagamento Analisar os reflexos do aumento ou diminuição da carga tributária

49 Planejamento Tributário Empresa de administração de bens próprios Eventos Pessoa Jurídica Pessoa Física Tributação dos Rendimentos de aluguéis. Tributação da venda de Bens Imóveis em estoque 11.33% a 14,53% 27.50% De 5.93% a 6,73% sobre a venda. 15% sobre o lucro apurado. Planejamento Sucessório

50 Planejamento Tributário Holding Familiar Planejamento Sucessório A Holding é uma empresa cujo objeto social é a gestão de participações societárias. As vantagens principais são: possibilidade de administração das empresas do grupo de forma consolidada, prover uma sucessão organizada, com menores impactos e de forma mais econômica para as empresas e sucessores, visando sempre a continuidade do grupo empresarial de forma saudável.

51 Planejamento Tributário FISCALIZAÇÃO DIGITAL

52 EFD SOCIAL NF-e CF-e SAT Fiscal BRASIL ID ECD Presu mido FCONT (ECF) ECF Central de Balanços XBRL NFS-e e-lalur (ECF) CT-e EFD ICMS/ IPI EFD CONTRI BUIÇÕE S

53 Fiscalização Digital ECD - ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL DIGITAL (SPED CONTÁBIL) A Escrituração Contábil Digital (ECD) é parte integrante do projeto SPED e tem por objetivo a substituição da escrituração em papel pela escrituração transmitida via arquivo, ou seja, corresponde à obrigação de transmitir, em versão digital, os seguintes livros: I-livroDiárioeseusauxiliares,sehouver; II-livroRazãoeseusauxiliares,sehouver; III - livro Balancetes Diários, Balanços e fichas de lançamento comprobatórias dos assentamentos neles transcritos.

54 OBRIGATORIEDADE DA ECD Fiscalização Digital Regime Obrigatoriedade até o ano 2013 Obrigatoriedade a partir do ano 2014 Observação ECD Escrituração Contábil Digital (SPED Contábil) Empresas do Lucro Real Empresas do Lucro Real Empresas do Lucro Presumido Entidades imunes e isentas Até 2013 apenas as empresas de Lucro Real eram obrigadas à ECD Fonte: Instrução Normativa RFB nº 1.420/2013

55 Fiscalização Digital ECF - ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL A Escrituração Contábil Fiscal (ECF) é parte integrante do projeto SPED e tem por objetivo informar todas as operações que influenciem a composição da base de cálculo e o valor devido do Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Regulamentação: IN RFB N 1.422, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2013 (DOU de )

56 Fiscalização Digital OBRIGATORIEDADE DA ECF Regime Obrigatoriedade até o ano 2013 Obrigatoriedade a partir do ano 2014 Observação ECF Escrituração Contábil Fiscal Obrigação inexistente Empresas do Lucro Real Empresas do Lucro Presumido Entidades imunes e isentas A ECF substitui entre outros registros, a DIPJ - Declaração de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica Fonte: Instrução Normativa RFB nº 1.422/2013

57 ECD e ECF Fiscalização Digital Como consequência destas alterações, devemos ressaltar que as empresas tributadas pelo regime Lucro Presumido passam a ter a mesma exposição contábil e fiscal que as empresas do Lucro Real, pois sua contabilidade será informada à Receita Federal do Brasil em detalhes, especialmente quanto ao: Detalhamento das receitas, dos custos e das despesas Detalhamento das movimentações financeiras e bancárias Detalhamento da distribuição dos lucros aos sócios

58 Fiscalização Digital Nota: A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo está notificando as empresas que deixaram de entregar a Escrituração Fiscal Digital- ICMS/IPI no início de sua obrigatoriedade, para que efetuem a entrega até 31/12/2014, sem a imposição de multas, que podem chegar a 2% da movimentação total, incluindo entradas, saídas, remessas, etc.

59 Fiscalização Digital Controle de Produção e Estoque P3 Bloco K Indústrias Composição de cada produto final, para cruzamento de estoques Novo bloco do SPED FISCAL ICMS/IPI a partir de janeiro/2016

60 Informações transmitidas pelas empresas Informações transmitidas por terceiros GIA ICMS/IPI f DECRED OUTRAS

61 Planejamento Tributário OPORTUNIDADES Planejamento Tributário

62 Planejamento Tributário Alternativas legais para redução da carga tributária. Pontos a serem levantados: Analisar alternativas totalmente baseadas nas normas legais vigentes Analisar prazo de retorno. Parte dos casos a percepção financeira ocorre em curto prazo (entre 30 e 60 dias) Se atentar as inúmeras aventuras jurídicas que são ofertadas no mercado

63 Planejamento Tributário RESSARCIMEN TO DE ICMS-ST Ressarcimento INSS sobre verbas indenizatórias CRÉDITOS ACUMULADOS DE ICMS CRÉDITOS DE PIS E COFINS CRÉDITOS GERAIS DE ICMS RESSARCIMEN TO DE IPI REINTEGRA

64 1. RESSARCIMENTO DE ICMS-ST Planejamento Tributário Síntese: Trata-se de solução legal que explora a prerrogativa do Ressarcimento de ICMS Substituição Tributária, combinado com a recuperação de crédito de ICMS Próprio. Diferentemente de outras soluções fiscais, o ressarcimento do ICMS é direito incontestável do contribuinte, estando expressamente garantido por decreto legislativo. Destina-se: Atacadistas e Varejistas paulistas que revendam produtos sujeitos a substituição tributária para outros estados.

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015 Vicente Sevilha Junior setembro/2014 Compreender como funciona o SIMPLES Entender quais atividades podem ou não optar pelo SIMPLES Analisar as tabelas e percentuais do SIMPLES

Leia mais

TABELAS DE ALÍQUOTAS A PARTIR DE 2015 ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR 123, DE 14 12 2006. Até 180.000,00 4,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,75% 1,25%

TABELAS DE ALÍQUOTAS A PARTIR DE 2015 ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR 123, DE 14 12 2006. Até 180.000,00 4,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,75% 1,25% ... Informativo 0 Página 0 Ano 2015 TABELAS DE ALÍQUOTAS A PARTIR DE 2015 ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR 123, DE 14 12 2006 Alíquotas e Partilha do Simples Nacional Comércio Receita Bruta em 12 meses (em

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. SIMPLES NACIONAL Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno

Leia mais

O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e. Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014

O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e. Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014 O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e Jorge Pereira de Souza Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014 PROGRAMA A INTRODUÇÃO DO SUPER SIMPLES PARA OS SERVIÇOS DE

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Gestão da Carga Tributária Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Âmbitos: Federal Estadual Municipal Previdenciário e Trabalhista A Carga Tributária Brasileira Produção Normativa Nos últimos 25 anos,

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO 1 Empresário Contábil, MBA em Contabilidade Empresarial pela PUC-SP, Delegado Regional do CRC-SP em Jundiai, Professor Universitário e de Pós-Graduação.

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) Grant Thornton - Brasil Junho de 2015 Agenda Considerações Iniciais; Obrigatoriedade de Transmissão; Penalidades (Multas); Informações a serem Transmitidas; Recuperação

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED O que é ECF Escrituração Contábil Fiscal? Demonstra o cálculo do IRPJ e da CSLL Sucessora da DIPJ Faz parte do projeto SPED Instituída pela Instrução Normativa RFB 1.422/2013

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte.

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte. SPED O Sistema Público de Escrituração Digital, mais conhecido como Sped, trata de um projeto/obrigação acessória instituído no ano de 2007, através do Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007. É um

Leia mais

INFORMATIVO 09/2014 IRPJ - LUCRO PRESUMIDO: PERMUTA DE IMÓVEIS

INFORMATIVO 09/2014 IRPJ - LUCRO PRESUMIDO: PERMUTA DE IMÓVEIS Novo Hamburgo, 09 de setembro de 2014. INFORMATIVO 09/2014 IRPJ - LUCRO PRESUMIDO: PERMUTA DE IMÓVEIS Com a publicação do Parecer Normativo nº 9, de 2014 (DOU de 5.9.2014), a Receita Federal consolidou

Leia mais

www.audicgroup.com.br DR SPED

www.audicgroup.com.br DR SPED www.audicgroup.com.br DR SPED a EMPRESA A Audic Group no Brasil tem o compromisso com os seus clientes de buscar a satisfação por eles desejada, para tanto dedica-se na identificação dos problemas, na

Leia mais

SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO SIMPLES NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO SIMPLES NACIONAL

SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO SIMPLES NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO SIMPLES NACIONAL SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO NACIONAL ART. 17 Parágrafo 1º - As vedações relativas a exercício das atividades previstas no caput não se aplica as

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS - Lucro Real - Lucro Presumido - Lucro Arbitrado - Simples Nacional 1 LUCRO REAL É o resultado (lucro ou prejuízo) do período

Leia mais

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional 24 de Janeiro de 2014 LÚCIO DA CUNHA FERNANDES Presidente QUAL A IMPORTÂNCIA DE CONHECER AS FORMAS DE TRIBUTAÇÃO? Reconhecer a opção que mais se adeque a

Leia mais

Simples Nacional. Repercussão jurídico-econômica de sua adesão frente às novas categorias/atividades incluídas e a tributação pelo lucro presumido

Simples Nacional. Repercussão jurídico-econômica de sua adesão frente às novas categorias/atividades incluídas e a tributação pelo lucro presumido Simples Nacional Repercussão jurídico-econômica de sua adesão frente às novas categorias/atividades incluídas e a tributação pelo lucro presumido Gramado RS 27 de junho de 2015 O SIMPLES Nacional é um

Leia mais

Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED

Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Como trabalhamos? no passado a pouco tempo Daqui para frente ECD Escrituração Contábil Digital IN RFB 787/07 O que é? : É a substituição

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

Projetos da Receita Federal

Projetos da Receita Federal Escrituração Fiscal Digital - EFD Projetos da Receita Federal A Escrituração Fiscal Digital - EFD é um arquivo digital, que se constitui de um conjunto de escriturações de documentos fiscais e de outras

Leia mais

AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO

AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO Nossos serviços de auditoria das Obrigações Eletrônicas utilizam ferramentas que permitem auditar os arquivos enviados

Leia mais

III - de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal;

III - de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal; Guia do Supersimples ENQUADRAMENTO E RESTRIÇÕES I - Enquadramento e Restrições OSupersimples ou Simples Nacional, instituído pela Lei Complementar 123/06, que entrou em vigor no dia 1º de julho de 2007,

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 O Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) publicou resoluções que prorrogam o prazo da competência

Leia mais

LEI 12.973/2014 E SPED: ADAPTAÇÃO ÀS NOVAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS

LEI 12.973/2014 E SPED: ADAPTAÇÃO ÀS NOVAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS LEI 12.973/2014 E SPED: ADAPTAÇÃO ÀS NOVAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS Visão geral dos impactos das novas evidenciações e diferenças de práticas contábeis advindas da IN 1.515. Subcontas. ECF e suas implicações.

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

Tributação. Cartilha

Tributação. Cartilha Tributação Cartilha Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial CARTILHA TRIBUTAÇÃO Brasília DF 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e

Leia mais

Mapeamento ECF. w w w. b r l c o n s u l t o r e s. c o m. b r

Mapeamento ECF. w w w. b r l c o n s u l t o r e s. c o m. b r Mapeamento ECF Projeto SPED ECF Introdução A Escrituração Contábil Fiscal (ECF) substitui a Declaração de Informações Econômico- Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ), a partir do ano-calendário 2014. São

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

Soluções de Consulta TAX

Soluções de Consulta TAX SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 174 de 04 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº 12.546, DE 2011). BASE DE

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Mendes Fabri Monique Junqueira Ferraz Zanella RESPONSABILIDADE

Leia mais

Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS

Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS Legislação Conforme instituído pela Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010, sujeitam à obrigatoriedade de geração de arquivo da Escrituração Fiscal

Leia mais

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 pela IN 1.515/14 Julio Chamarelli Sócio de Consultoria Tributária da KPMG jcepeda@kpmg.com.br Sergio André Rocha Professor Adjunto de Direito Financeiro

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias

Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias BIG AUTOMAÇÃO Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias Sumário Índice de Figuras... 3 Histórico de Revisões... 4 Introdução... 5 Imposto... 5 Taxa... 5 Contribuição... 5 Tributos... 5

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 21 - Data 17 de setembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL SIMPLES NACIONAL. JORNAL. FORMA DE TRIBUTAÇÃO.

Leia mais

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação 1 ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) Item Código/ Variação Periodicidade Período de Apuração do Fato Denominação Gerador 1 0220/01 Tr i m e s t r a l A partir do 1º trimestre de

Leia mais

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos fictícios. 1 Sistema Cumulativo Pessoa Jurídica tributada pelo

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL Lucro Presumido Manifesto pelo Lucro Presumido: Esta opção é formalizada no decorrer do ano- calendário, se manifesta com o recolhimento no mês de abril, correspondente ao primeiro trimestre. A opção do

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

MANUAL Processo Simples Nacional

MANUAL Processo Simples Nacional 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: Conforme combinação com a Equipe Teorema Joinville teríamos que criar uma tabela de Receitas, uma tabela com as alíquotas por faturamento com data inicial final de validade,

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014.

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. (do Sr. Guilherme Campos e outros) Altera a Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006 para reorganizar e simplificar a metodologia de apuração do imposto

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS.... 2 A) SOMENTE O FRETE CONTRATADO PARA TRANSPORTE DE INSUMOS E MARCADORIAS PARA REVENDA QUANDO SUPORTADO PELO COMPRADOR GERA DIREITO AO CRÉDITO DE

Leia mais

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE?

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? SUMÁRIO I O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? I.1 - RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA... 23 II SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS II.1 - IRRF - SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS... 29 II.1.1 - Hipóteses

Leia mais

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Baião & Filippin Advogados Associados Adv.: João Paulo de Mello Filippin Lei Complementar n.º 123/2006 Desburocratização;

Leia mais

Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT. Claudio Yano 20 de maio de 2014

Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT. Claudio Yano 20 de maio de 2014 Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT Claudio Yano 20 de maio de 2014 DIPJ 2014 Prazo de entrega Programa Gerador aprovado pela IN RFB 1.463/14; Prazo para entrega:

Leia mais

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Dia: 13 CIDE - Combustíveis - 9331 Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a comercialização de petróleo e seus derivados, gás

Leia mais

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 (Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara') Agência Câmara Tel. (61) 3216.1851/3216.1852 Fax. (61) 3216.1856

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

SPED PIS E COFINS SPED PIS E COFINS. Sistema Questor SPED PIS E COFINS - SPED PIS E COFINS - 0brigatoriedade. Objetivos do Curso

SPED PIS E COFINS SPED PIS E COFINS. Sistema Questor SPED PIS E COFINS - SPED PIS E COFINS - 0brigatoriedade. Objetivos do Curso Sistema Questor SPED PIS E COFINS SPED Sistema Público de Escrituração Digital EFD Escrituração Fiscal Digital Instrutor: - Jocenei Friedrich Apoio: - Sejam todos bem-vindos Objetivos do Curso Conhecer

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012 SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 143 de 20 de Novembro de 2012 ASSUNTO: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social Cofins/ Contribuição para o PIS/Pasep EMENTA: CRÉDITOS VINCULADOS A RECEITA NÃO TRIBUTADA.

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES

BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES O Simples Nacional é o regime de apuração instituído pela Lei Complementar nº 123 de 2006, destinado às empresas enquadradas

Leia mais

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99,

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011(DOU de 02/01/2012) Dispõe sobre o preenchimento da Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF), em relação a fatos geradores

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) PROGRAMA

CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) PROGRAMA CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) 1. MÓDULO DE IMPOSTO DE RENDA PROGRAMA TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS FÍSICAS CONTRIBUINTES E RESPONSÁVEIS PESSOAS

Leia mais

RENDIMENTOS DO TRABALHO NÃO-ASSALARIADO E ASSEMELHADOS

RENDIMENTOS DO TRABALHO NÃO-ASSALARIADO E ASSEMELHADOS PROGRAMA CURSO DE EXTENSÃO EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS - (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) 1. MÓDULO DE IMPOSTO DE RENDA TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS FÍSICAS CONTRIBUINTES E RESPONSÁVEIS PESSOAS FÍSICAS

Leia mais

Sumário. Apresentação, xi. 1 Introdução, 1. 2 Tributos federais e contribuições sociais, 31. Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), 31

Sumário. Apresentação, xi. 1 Introdução, 1. 2 Tributos federais e contribuições sociais, 31. Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), 31 Apresentação, xi 1 Introdução, 1 1.1 Fundamentos de contabilidade: a obrigatoriedade da escrituração contábil, 1 1.2 Fundamentos de tributos, 9 1.3 Plano de contas de referência, 20 2 Tributos federais

Leia mais

1. O que é ECF? 2. Obrigatoriedade; 3. Prazo de Entrega; 4. Informações e Estrutura; 5. Penalidades; 6. Considerações Finais.

1. O que é ECF? 2. Obrigatoriedade; 3. Prazo de Entrega; 4. Informações e Estrutura; 5. Penalidades; 6. Considerações Finais. ECF Escrituração Contábil Fiscal Aspectos gerais. Por: Luana Romaniuk. Em junho de 2015. SUMÁRIO 1. O que é ECF? 2. Obrigatoriedade; 3. Prazo de Entrega; 4. Informações e Estrutura; 5. Penalidades; 6.

Leia mais

67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal?

67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal? OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal? Nas operações de vendas a contribuinte, a Nota Fiscal, modelos 1 e 1-A ou a Nota Fiscal

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital EFD - PIS/COFINS. São Paulo, agosto de 2011

Escrituração Fiscal Digital EFD - PIS/COFINS. São Paulo, agosto de 2011 Escrituração Fiscal Digital EFD - PIS/COFINS São Paulo, agosto de 2011 m28 Obrigações Tributárias: Emissão de Documento Fiscal Escrituração Contábil Obrigação Acessória Escrituração Fiscal Entrega de Declarações

Leia mais

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7. Clique e veja o compromisso do dia.

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7. Clique e veja o compromisso do dia. Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA à SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês;

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês; Créditos Dos valores de Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins apurados, a pessoa jurídica submetida à incidência não-cumulativa poderá descontar créditos, calculados mediante a aplicação das alíquotas

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 43 IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

EFD PIS COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL

EFD PIS COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL EFD PIS COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem por objetivo trazer considerações relevantes quanto a dados inerentes à Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep

Leia mais

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 LUCRO PRESUMIDO Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 O QUE É O LUCRO PRESUMIDO É uma forma optativa, que tem a finalidade de facilitar o pagamento do IRPJ, sem ter que

Leia mais

Portfólio de serviços - 1

Portfólio de serviços - 1 Portfólio de serviços - 1 www.valortributario.com.br { C om experiência de quem há mais de 12 anos oferece soluções empresariais para os mais diversos segmentos, a VALOR TRIBUTÁRIO destaca-se como uma

Leia mais

2.3.11.1 Forma alternativa, 108 2.3.11.2 Contabilização da compra de matéria-prima por empresa contribuinte do IPI, 109 2.3.11.3 Contabilização de

2.3.11.1 Forma alternativa, 108 2.3.11.2 Contabilização da compra de matéria-prima por empresa contribuinte do IPI, 109 2.3.11.3 Contabilização de Sumário 1 Introdução, l 1.1 Fundamentos de contabilidade: a obrigatoriedade da escrituração contábil, l 1.2 Fundamentos de tributos, 10 1.3 Plano de contas de referência, 22 2 A contabilização de tributos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Comparativo leiaute DIPJ 2014 x ECF

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Comparativo leiaute DIPJ 2014 x ECF Comparativo leiaute DIPJ 2014 x ECF 05/05/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Time da Eficiência Comercial... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Comparativo

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

BLOCO K ENTENDA A NOVA OBRIGAÇÃO DO SPED FISCAL

BLOCO K ENTENDA A NOVA OBRIGAÇÃO DO SPED FISCAL BLOCO K ENTENDA A NOVA OBRIGAÇÃO DO SPED FISCAL Sumário: 01 02 03 04 05 O que é o Bloco K? Por onde começar? A quem se aplica? A quem não se aplica? Quais os impactos na organização? 06 07 08 09 10 Quais

Leia mais

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7 8. Clique e veja o compromisso do dia.

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7 8. Clique e veja o compromisso do dia. Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA à SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 127, DE 14 DE AGOSTO DE 2007 Mensagem de veto Altera a Lei Complementar n o 123, de 14 de dezembro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 5 AGRADECIMENTOS... 9

APRESENTAÇÃO... 5 AGRADECIMENTOS... 9 Sumário APRESENTAÇÃO... 5 AGRADECIMENTOS... 9 CAPÍTULO 1 INCIDÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS. FATO GERADOR. BASE DE CÁLCULO. ALÍQUOTAS. IMUNIDADES, ISENÇÕES E NÃO INCIDÊNCIA... 19 1.1

Leia mais

1. Fluxo de documentação

1. Fluxo de documentação 1. Fluxo de documentação É de fundamental importância o envio de toda documentação financeira para atender as exigências impostas pelo fisco e evitar problemas futuros à empresa. Prazo de envio: É ideal

Leia mais

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES Sinduscon Ceará - Agosto / 2014 DIAS OBRIGAÇÕES DESCRIÇÃO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 05 (terça-feira) IRRF RETIDO NA FONTE Recolher até o 3º dia útil após o último decêndio do mês anterior, os fatos gerados a

Leia mais

EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS

EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS 1. Introdução 2. Obrigatoriedade e dispensa 3. Periodicidade e prazo de entrega (Alterações IN nº 1.305/2012 e ADE Cofis nº 65/2012) 4. Dispensa do Dacon 5. Forma

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

EFD PIS COFINS Teoria e Prática

EFD PIS COFINS Teoria e Prática EFD PIS COFINS Teoria e Prática É uma solução tecnológica que oficializa os arquivos digitais das escriturações fiscal e contábil dos sistemas empresariais dentro de um formato digital específico e padronizado.

Leia mais

Quem tem conhecimento vai pra frente

Quem tem conhecimento vai pra frente blogdosempreendedores.com.br facadiferente.sebrae.com.br contabilidadeschmitt.com.br Fotos: Produtos do Projeto Gemas e Joias do Sebrae-PA Livro Artesanato- Um negócio genuinamente brasileiro (Sebrae,

Leia mais

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital SPED - Sistema Público de Escrituração Digital SPED - Sistema Público de Escrituração Digital? 2 SPED - Sistema Público de Escrituração Digital Projeto do PAC 2007-2010 Instituído pelo Convênio ICMS 143/06.

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais