Definição de um Plano Estratégico de uma loja de celular através de um diagnóstico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Definição de um Plano Estratégico de uma loja de celular através de um diagnóstico"

Transcrição

1 FAQ FACULDADES XV DE AGOSTO Definição de um Plano Estratégico de uma loja de celular através de um diagnóstico Mariluci Zucato Socorro 2006

2 2 FAQ FACULDADES XV DE AGOSTO Definição de um Plano Estratégico de uma loja de celular através de um diagnóstico Aluna: Mariluci Zucato Orientadores: Profª. Ms. Claudia Côbero Prof. Ms. Luiz Antonio Fernandes Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade XV de Agosto, curso de Administração. Socorro

3 3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Empresa Analisada Organograma da Empresa REFERENCIAL TEÓRICO Planelamento Postura Estratégica Missão, Crenças e Valores, Visão Ferramentas de Brainstorming Ferramentas de Análise de Swot METODOLOGIA Procedimentos Metodológicos e Ferramentas Ferramentas de Brainstorming Ferramentas de Análise de Swot RESULTADOS Resultados do Brainstorming...23 Resultados do SWOT ANÁLISE DE RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS...30 REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO...32

4 4 AGRADECIMENTOS Agradeço a professora Claudia Cobero que me orientou e acompanhou de perto a elaboração do trabalho, possibilitando oportunidades de diálogo e enriquecimento, discutindo o que aprendemos na teoria e o que vivenciamos na prática do dia-a-dia na empresa. Aos colegas da sala de aula, pela convivência e troca de experiências no decorrer do curso. Ao meu pai, que é um exemplo de vida, a minha mãe, pela compreensão e apoio irrestrito durante toda minha vida, e principalmente aos anos que estou estudando, e aos meus irmãos, pelo carinho em todos os momentos de minha vida. período. Ao meu namorado, Adilson, pela paciência e privação do convívio durante este Agradeço também a Bibliotecária Maria, que sem medir esforços me ajudou desde o início ao fim neste trabalho. As minhas especiais amigas Carminha, Adriana e Rita, pela disposição em me atender, sempre prontamente, além de conquistar estas amizades que nunca serão levadas embora. Por fim, colaboraram para o sucesso deste trabalho a Sra. Maria Inês Spécie, responsável e proprietária pela empresa, e todos seus colaboradores. Foi também de fundamental importância à colaboração dos demais professores da Faculdade Quinze de Agosto que colaboraram para o trabalho final, em especial o professor Noel por ter me orientado nas ferramentas e resultado deste trabalho e pelo incentivo do desenvolvimento do mesmo. E acima de tudo, a Deus, Criador de todas as coisas, pela oportunidade de vida e a capacidade de recomeçar sempre que necessário.

5 5 RESUMO O presente trabalho foi desenvolvido na empresa Maria Inês Specie ME, Zukcel, uma empresa de pequeno porte que atua no ramo de telefonia celular localizada na cidade de Socorro. Teve por objetivo definir a postura estratégica da empresa e o plano estratégico, direcionando as ações da empresa. Trata-se de uma pesquisa baseada em referencial teórico e nos conceitos de planejamento estratégico. Os instrumentos utilizados neste trabalho foram Brainstorming, e a Análise de Swot, ambos realizados com dinâmicas com os funcionários da empresa. Foram definidos neste trabalho o negócio, a missão, valores e crenças, visão, e a postura estratégica da empresa. Por fim, chegou-se a alguns resultados com a definição de objetivos a serem atingidos e uma postura estratégica totalmente favorável para a empresa, dando uma visão que até este trabalho era desconhecida por ela, e assim tornando possível a tomada de decisões, e um foco de mercado como também a implantação de um planejamento estratégico nos negócios futuros.

6 6 1 - INTRODUÇÃO É comum encontrar empresas que não conseguem definir suas metas, nem mesmo identificar qual é o seu negócio, sua missão, visão, suas crenças e valores, enfim não conseguem definir suas metas e seus objetivos. O Plano Estratégico é de extrema importância para as empresas, pois é um conjunto coerente de grandes prioridades e de decisões que orientam o desenvolvimento e a construção do futuro de uma organização num horizonte de longo prazo. É uma ferramenta gerencial essencial para impor uma racionalidade central às decisões, estimular a tendência de esforços e focalizar a atenção nos fatores-chave para o sucesso da organização. Com o plano estratégico elaborado a empresa identifica seu foco, determina seus objetivos e trabalha com um plano de negócios dentro dos seus objetivos. Maria Inês Spécie ME é uma empresa jovem e busca se auto afirmar no mercado e conquistar a liderança na cidade de Socorro, dentro deste mercado de telefonia celular, como a própria fornecedora Claro já é. E não apenas isso, mas também ser uma empresa flexível, transparente e sólida. Cabe então a elaboração de um Planejamento Estratégico, para determinar tomada de decisões, com ferramentas estratégicas para definir seus objetivos e planos e qual é o seu foco no mercado e o rumo a ser tomado. A empresa não foi fundada baseada num planejamento estratégico. Portanto não existia a definição de seus objetivos e até mesmo o porquê da existência da mesma. Ela apenas foi fundada, mas não foi planejada exatamente como deveria. Portanto, sendo uma empresa jovem antes de qualquer outro estudo a decisão foi optar pelo planejamento estratégico, assim definir seu conceito de negócio, sua missão, princípios, uma visão geral de suas pretensões e seus objetivos. Por ser uma empresa que nasceu sem planejamento, tem o seguinte problema: Qual a postura estratégica da empresa para desenvolver um plano de negócios? O objetivo deste trabalho é definir a missão, valores e crenças, visão da empresa e identificar a postura estratégica da mesma, através de seus pontos fracos e fortes, suas ameaças e oportunidades.

7 7 Escolher seu próprio caminho para evoluir desde o presente até a situação desejada num futuro de longo prazo e incertezas torna-se um desafio. Traz para a realidade um estudo que orienta a evolução teórica e prática da organização. Numa perspectiva mais abrangente, o Plano Estratégico abrange todas as atividades críticas da empresa, dotando-os de senso de unidade, direção e propósito, assim como facilitando as mudanças indispensáveis induzidas por seu ambiente Empresa Analisada A Empresa Maria Inês Specie ME, conhecida pelo seu nome fantasia Zukcel iniciou suas atividades em maio de 2005 já como uma loja especifica de celular Claro, com vendas de aparelhos celulares e seus acessórios. Foi escolhida a marca Claro como fornecedora dos produtos e serviços da Zukcel por estar muito próxima da liderança em todo o mercado no país além de não ter nenhuma loja da específica Claro na cidade de Socorro. Inicialmente a loja era constituída da proprietária e um funcionário responsável pelas vendas. Com o passar do tempo foi definido que apenas um funcionário para vendas não era suficiente, e que também era necessário que a empresa disponha de um gerente, responsável pelo departamento financeiro e demais necessidades que fosse surgindo no dia-adia. Assim, outros funcionários e técnico de celular foram sendo contratados. Quando a Zukcel entrou no mercado na cidade de Socorro, ainda não havia lojas da Claro, mas posteriormente, lojas de rede iniciaram a comercialização desta marca. Em seguida foram abertas lojas específicas das principais concorrentes da Claro, na mesma rua. Estas concorrências são a Vivo Telefonia Celular e a Tim Telefonia Celular. A intenção de crescer, gerar lucro dependia principalmente da qualidade do bom atendimento dos funcionários e de como fazer isso. Com as vendas aquecidas através do bom atendimento, e o bom aproveitamento das datas comemorativas, a empresa foi crescendo e conquistando seu espaço. A Zuckcel está localizada na principal rua do centro da cidade de Socorro, Estado de São Paulo.. Sua natureza jurídica é de microempresa, onde há apenas um proprietário. Está

8 8 registrada como ramo de atividade comércio varejista de máquina, equipamentos e materiais de comunicação. O faturamento da empresa é representado por 90% das vendas de aparelhos celulares, 8% de seus acessórios e 2% de cartão de créditos para celular. Toda a rentabilidade da empresa é do comércio no Varejo. Segue abaixo a figura 1, que mostra a distribuição de vendas da loja Zukcel. Faturamento 8% 2% 90% Aparelhos Acessórios Cartões Créditos Figura 1: Distribuição de vendas Maria Inês Specie ME Fonte: Dados fornecidos pela gerência A empresa é composta por 07 colaboradores voltados para as vendas, gerência e departamento técnico, onde a empresa sempre dispõe de seus funcionários para treinamentos diretamente realizados pela empresa Claro. O Quadro I, mostra a distribuição, a quantidade de funcionários por cargos. Cargos Nº de funcionários Sócio-proprietário 01 Gerente 01 Técnico 01 Vendas 04 Total 07 Quadro 1: Distribuição de funcionários e cargos Fonte: Gerencia da Empresa Organograma geral da Empresa. A Zukcel dispõe de um organograma específico, conforme as funções hierárquicas de cada funcionários, facilitando a realização deste trabalho.

9 9 Sócio-proprietário (1) Gerente (1) Gerente (1) Técnico (1) Figura 2: Organograma da Empresa Fonte: Sócio-proprietário e gerente. A função da gerência é controlar, coordenar, organizar e planejar as estratégias necessárias para atingir os objetivos que a empresa deseja, a qualidade no atendimento, a minimização dos custos, a interação com os clientes entre outras. A função dos funcionários voltados para vendas, além de simplesmente vender os produtos disponíveis, cabe a eles ser consultores dos clientes e identificar a necessidade e o desejo dos mesmos, para então efetivar uma venda correta. Também estes colaboradores são responsáveis pela ordem na loja, reposição de produtos, uma vez que para o cliente encontrar o que ele quer comprar, é necessária a disponibilidade dos produtos em prateleiras e em ordem. A função do técnico da loja é o atendimento ao cliente focando principalmente a pós-venda, ou seja, relacionado diretamente ao aparelho celular, quanto ao seu funcionamento e suas funções. Assim o cliente fica satisfeito com a sua compra e certamente voltará à loja quando necessário, ou quando tiver algum problema com seu aparelho celular. Atualmente a loja está investindo em treinamentos de atendimento aos funcionários, além da preocupação com a posição da mesma no mercado, e procura sempre interagir a empresa com funcionários e seus clientes, tendo como objetivo alavancar suas vendas e, assim ganhar prestígio no mercado local. Por ser uma empresa no ramo de telefonia celular, os preços de seus produtos são sempre tabelados com a política da empresa Claro, e onde o cliente for adquirir seu aparelho

10 10 celular, o preço será o mesmo, exceto a forma de pagamento e suas facilitações, a qual a Zukcine está buscando. Portanto, além da forma de pagamento, o que traz o cliente até a nossa loja é o bom atendimento de seus colaboradores.

11 11 2 REFERENCIAL TEÓRICO A seguir, teremos conceitos importantes que formarão a base dessa pesquisa para fundamentar as principais ferramentas, definições utilizadas neste trabalho, através das conclusões de diversos autores, os quais nos trouxeram muitas riquezas fornecidas por artigos, livros e sites de Internet. 2.1 Planejamento Para Tenório (2004) a definição de planejamento é um processo que para obter os resultados satisfatórios de sua empresa, coloca de antemão, os seus objetivos, pois o futuro da mesma, depende de como, o que, quando e com que recursos planejar. Ele ainda diz que planejamento estratégico deve ter uma visão total, ampla, de toda empresa, pois todos os princípios dela, se interligam. Segundo Tenório(2004), para formular com precisão e maior qualidade o planejamento estratégico, deve-se seguir algumas etapas indispensáveis, como a definição de missão, análise do contexto externo, análise do contexto interno, definição dos objetivos, definição de estratégias, redação ou elaboração do plano e finalizar com a avaliação de todas as informações. Para Maximiano (2000), planejamento é uma técnica para lidar com o futuro. É um processo decisório tendo grande importância nas atividades dos administradores e das empresas. A criação de uma empresa se inicia com decisões relacionadas ao ambiente interno e ao ambiente externo. A importância deste planejamento para a organização é para o controle da mesma, quanto aos seus ambientes analisados. Ao planejar, a empresa garante sua sobrevivência e sua eficácia. O autor afirma que estratégia é a seleção de meios para definir um caminho a fim de alcançar seu objetivo em situações complexas. Portanto, um planejamento estratégico consiste em duas forças fundamentais para a sua formação: a primeira que compreende as ameaças (desafios) e as oportunidades que o ambiente externo proporciona, ou seja, a concorrência, fontes de matéria-prima, tecnologia, entre outros. A segunda força é o que compreende as fraquezas (problemas) e fortalezas que o ambiente interno proporciona, como a competência dos funcionários, as máquinas, disponibilidades, etc.

12 12 Ainda afirma Maximiano (2000), que através da análise externa, identificando ameaças e oportunidades, a empresa se adapta com sucesso ao seu ambiente em relação aos concorrentes diretos, demografia, consumidores, política, economia, mudanças tecnológicas, demografia, produtos substitutos, etc. Quanto à análise interna, é fundamental a definição dos pontos fortes e fracos num planejamento estratégico, pois assim identifica-os nas áreas funcionais, desempenho, tendo como foco o conhecimento do mercado, os produtos, serviços, P&D, Marketing, finanças, RH, produção, assistência ao consumidor, etc. Segundo Oliveira (2004), um planejamento estratégico tem como objetivo visar e otimizar o grau de integração da empresa com o ambiente, assim, atuar de forma renovadora e diferenciada. Trata-se de um processo administrativo que melhora a direção da empresa proporcionando uma sustentação à mesma. Geralmente este planejamento estratégico é determinado pela área de níveis mais altos da empresa, pois determina seus objetivos e ações a serem tomadas, respeitando sempre às premissas básicas da empresa, tendo coerência e sustentação nas decisões. O autor ainda afirma que o planejamento estratégico tem um prazo mais longo que demais planejamentos, pois a soma de outros planejamentos dentro dele provoca um tempo maior para sua conclusão; uma amplitude mais ampla, uma vez que tem a visão da empresa como um todo; riscos maiores devido à amplitude maior de prazo longo; atividades com fins e meios em relação à empresa, e uma flexibilidade menor por considerar a empresa como um todo. Afirma Oliveira (2004) que com o planejamento estratégico é possível conhecer e utilizar melhor seus pontos fortes, ou seja, o diferencial da empresa variável controlável considerada como vantagem operacional; conhecer e eliminar seus pontos fracos, que por sua vez é inadequado para a empresa, uma vez que proporciona desvantagens. O planejamento estratégico faz ainda com que a empresa identifique suas oportunidades, para delas usufruir sua ação enquanto perdurar, uma vez que é incontrolável pela empresa, e também conhecer e evitar suas ameaças em tempo hábil, que sendo incontrolável pela empresa, cria obstáculos. Depois destas identificações facilita a elaboração de um plano de trabalho para a empresa. E finalizando este trabalho, é necessário que o planejamento encontre como resultados finais o direcionamento de esforços para pontos comuns, entendimento por todos da empresa quanto a sua missão e o estabelecimento de uma agenda de trabalho.

13 13 Para Oliveira (2004) existem quatro fases essenciais para a elaboração de um plano estratégico. A primeira, o diagnóstico estratégico, a segunda é a Definição da Missão da empresa, a terceira é a identificação dos instrumentos prescritivos e quantitativos e a quarta é o controle e avaliação. Neste trabalho estaremos trabalhando com as duas primeiras fases. Na primeira fase é necessário definir a posição atual da empresa, realizada através de pessoas representativas que passam informações desta situação, analisando todos os aspectos à realidade interna e externa da empresa. Sendo possível então definir a missão e visão da empresa. No planejamento estratégico, segundo Ansoff e McDonnel (1993) não é regra que o futuro de uma empresa seja relacionado ao progresso do passado, mas que primeiramente realize uma análise das perspectivas da empresa, identificando suas ameaças, oportunidades, podendo alterar as tendências históricas da mesma. Ainda afirma que com o planejamento estratégico, a empresa também analisa seus pontos fortes e fracos, ficando clara a capacidade da mesma ingressar em novos negócios. Com esta análise podemos definir uma postura estratégica da empresa, que, ainda segundo McDonnel, é a adição do planejamento de potencialidades ao planejamento estratégico. 2.2 Postura Estratégica Segundo Oliveira (2004), a postura estratégica da empresa é instituída com o cuidado consciente da escolha de caminhos e ações para com o dever cumprido de sua missão. Tem como alvo principal, nortear o ambiente de todas as estratégias e políticas, de médio e longo prazo indispensáveis para a empresa, determinada em certa missão. O estabelecimento da postura estratégica da empresa é limitado por três aspectos, sendo eles a missão da empresa; a relação positiva ou negativa entre as oportunidades e ameaças que a empresa enfrenta no momento específico da escolha; e a relação positiva ou negativa entre os pontos fortes e fracos que ela possui para fazer frente às oportunidades e ameaças do ambiente. Nessa situação devem-se, também, especificar os recursos de que a empresa dispõe para tirar proveito das oportunidades ambientais.

14 14 Existe também, o elemento psicológico que pode influenciar na postura da empresa, pois ele está diretamente ligado com os valores, atitudes, motivações e anseios dos proprietários e dos executivos que têm a faculdade de decisão nela. Nessa situação, a empresa pode escolher uma das posturas estratégicas, como a postura de sobrevivência, manutenção, crescimento e desenvolvimento, conforme quadro abaixo: ANÁLISE INTERNA Predominância de Pontos Fracos Pontos Fortes ANÁLISE EXTERNA Predominância de Ameaças Oportunidades Sobrevivência Crescimento Manutenção Desenvolvimento Quadro 2: Postura Estratégica da Empresa Fonte: Oliveira (2004, p.138) Pode-se escolher também, uma combinação dessas posturas, de acordo com as necessidades da empresa. O estabelecimento da postura estratégica pode ser verificado através de análise interna que é a predominância de pontos fortes (manutenção e desenvolvimento) e pontos fracos (sobrevivência e crescimento) e análise externa que é a predominância de ameaças (na sobrevivência e manutenção) e oportunidades (no crescimento e desenvolvimento). Segundo Maximiano (2000) é necessário diagnosticar a empresa para obter um ponto de partida para a elaboração de um plano estratégico da mesma, identificando através das análises internas e externas a situação estratégica da empresa, definindo seus objetivos,

15 15 então obtendo uma seleção de estratégias. Assim também torna possível definir a Missão, Valores e Visão. 2.3 Missão, Crenças e Valores, Visão. A missão da empresa, no ponto de vista de Oliveira D. (2004), é quando estabelece a razão de ser, um horizonte para a empresa. É a satisfação de alguma necessidade do ambiente externo da mesma, e não o oferecimento de produtos e ofertas para o mercado. E também não está relacionada com o estatuto social, mas sim inclusive com as expectativas da mesma. Dentro da missão, o estrategista tem que estabelecer um propósito e potenciais em relação aos produtos, serviços e segmentação de mercado, ter estrutura de cenário, ou seja, critérios e medidas para preparar a empresa para o futuro, estabelecer a estrutura estratégica da empresa, que corresponde a melhor postura para a empresa alcançar seus propósitos, respeitando o resultado do diagnóstico estratégico, e por fim, estabelecer as macroestratégias (grandes ações para agir no ambiente) e macropolíticas (orientações para sustentação de tomada de decisões). Oliveira(2004) define como visão da empresa, o desejo dos acionistas, ou elementos da alta administração da empresa, os limites que estes conseguem num período longo e com uma maior abordagem. Para que esta visão não se torne irrealista para o cenário da empresa, posteriormente a decisão da mesma é feita uma análise dentro das oportunidades e ameaças, para que assim a mesma seja adequada a empresa, não possibilitando este problema. Oliveira(2004) afirma ainda que missão é o bom senso, a faculdade de avaliar, ponderar, determinar o que acontece na empresa e que caminhos ela tem a seguir, de acordo com o seu surgimento e funcionamento, respeitando seus valores e acreditando na sua atuação que vem sendo transmitida de geração a geração. A missão da empresa tem o papel de impor limites e determinar, num certo período de tempo, sua atuação empresarial num envolvimento dos valores, crenças, expectativas e recursos, qualificando, assim, seus propósitos básicos.

16 16 Esses propósitos são provas de que a empresa atribui e estabelece seu cumprimento nas suas funções e ações, depositando confiança nos acionistas e executivos e demonstrando que a missão é um negócio de grande extensão e sempre necessitando de crescer na sua totalidade, ela deve ser entendida como uma identidade a ser seguida, mas nunca uma privacidade a ser alcançada. É essencial a definição da missão da empresa, pois ela nos expõe as habilidades necessárias, fundamentais da mesma. Existem as habilidades mais amplas que as extensões gerais do produto ou do serviço e as secundárias que avaliam e limitam o que a empresa vai vender e pra quem. A definição da missão da empresa é o ponto inicial para as macroestratégias e macropolíticas a serem estabelecidas, direcionadas e cumpridas dentro dos limites que farão escolher a postura estratégica relevante. Por isso, ela deve seguir critérios prudentes e racionais, sendo capazes de intervir no comportamento da empresa, priorizar a satisfação e do cliente e suas necessidades e não do que o próprio produto, ter competência de reflexão, entendimento, realização e motivação nas habilidades principais da empresa. Missão aberta é aquela que estabelece uma realização geral no ambiente sem interferir nos produtos ou serviços e missão fechada é aquela que revela o produto ou o serviço em que a empresa atua. Tenório (2004) coloca que missão é o alvo principal, o desejo racional de ser, que demonstra, social e economicamente, a existência de uma organização para a qual dirigem todas as suas atividades para atingir os seus objetivos. Ela deve ser determinada pela direção e pelos funcionários da organização, numa reunião rápida e apenas para tal assunto. A reunião deve ser democrática, onde todos possam exprimir suas idéias, visando novas decisões para uma melhor execução dos trabalhos. Essas novas definições devem ter como parâmetro central, essas questões: Qual a intenção de nossa organização? O que ela deverá ser? Para onde vamos? Que futuro a organização terá? Segundo Maximiano (2000), missão é um caráter privativo de objetivo geral, que tem como desempenho o ato de organizar o seu cumprimento na sociedade e o tipo de negócio no qual pretende concentrar-se. O objetivo de um negócio ou de uma missão é proporcionar orientação aos funcionários e mostrar para a sociedade o porquê da organização.

17 17 O autor ainda afirma que a definição da missão, de acordo com as mudanças no ambiente, podem ser redefinidas. 2.4 Ferramenta Brainstorming Para a definição da missão, crenças e valores e visão deste trabalho, foi utilizada a ferramenta de Brainstorming (tempestade de idéias), que por sua vez, segundo Maximiano (2.000) é uma técnica utilizada para gerar novas idéias através de informações e opiniões para tomada de decisões. As pessoas que participam deste procedimento expõem livremente suas idéias, sem qualquer crítica, gerando novas idéias. Quanto mais alternativas, melhor. Quando não houver mais idéias a serem exploradas encerra-se esta primeira etapa, e posteriormente agrupam-se as idéias e sugestões em categorias, e então estas sugestões serão avaliadas, criticadas e aproveitadas. Segundo Kotler (1998) o Brainstorming estimula o desenvolvimento da criatividade dos participantes, onde um líder orienta os participantes sobre o que está sendo avaliado e os orienta a levantar o maior número de idéias, sem nenhuma avaliação das mesmas. Ainda afirma que a crítica está fora de cogitação neste primeiro momento, e que quanto mais extravagantes as idéias, melhor, portanto, o livre arbítrio é muito bem aceito. Com as idéias que vão surgindo, outros participantes podem ir formulando idéias melhores. E quanto mais, melhor, pois assim torna-se possível obter mais idéias úteis. Para que a técnica de Brainstorming seja bem sucedida (BRAINSTORMING 2006), é preciso ter um facilitador para incentivar os participantes em suas idéias, para a partir destas novas combinações surgirem, fazendo sentido inesperados, e para que isso aconteça, não deve haver julgamento das idéias, nem positivos ou negativos. 2.5 Ferramenta Análise de Swot de SWOT. Para a definição do posicionamento estratégico da empresa utilizou-se a Análise Segundo Goldschmidt (1999), análise SWOT é uma ferramenta de gestão utilizada para a definição de um planejamento estratégico. SWOT vem do inglês, sendo que S representa Streghs (forças), W- Weaknesses (fraquezas), O (Oportunidades) e T Threats

18 18 (ameaças). Portanto, o conceito da análise SWOT, é avaliar os pontos fortes e fracos, as oportunidades e as ameaças da organização e do mercado onde ela atua. Ainda afirma autor que a análise é dividida em duas partes, pois a organização tem de agir de maneiras diferentes em um ou em outro caso. Ambiente externo (oportunidades e ameaças) e ambiente interno (pontos fortes e pontos fracos). Como o ambiente interno é planejado pela própria empresa e atuado pelos seus colaboradores, os pontos apontados na análise são controláveis. Portanto, ao apontar os pontos fortes, devem destacá-los e aperfeiçoá-los, e quanto aos pontos fracos, trabalhar de forma que sejam controlados, para amenizar seus impactos. Ainda afirma a autora que o ambiente interno deve ser monitorado, e até mesmo comparado com empresas concorrentes. Determinar qual é o grau de importância quanto aos objetivos da empresa e direcionar esforços para a melhoria das fraquezas e aperfeiçoar as fortalezas. O autor afirma que é extremamente importante conhecer o ambiente externo, mesmo sendo incontrolável pela empresa, e assim monitorar e evitar as ameaças e aproveitar as oportunidades de maneira eficiente. Qualquer mudança neste ambiente influencia positivamente ou negativamente de forma homogênea as empresas do mesmo setor. Da mesma forma que uma oportunidade também pode ser explorada por todas as empresas do mesmo ramo. A organização que acompanha sempre as mudanças do ambiente externo consegue aproveitar melhor as oportunidades oferecidas por ele e também se prevenir com antecedência contra as ameaças que este ambiente traz. Para Cooper e Argyris (2003), embora seja uma ferramenta simples, SWOT é uma excelente forma de avaliar a posição estratégica. Sem limites impostas por planejamentos empresariais e com pensamentos independentes, muitos executivos utilizam esta ferramenta para reavaliar negócios em andamento. Uma forma de análise simples, sem maiores exigências e no final a organização identifica quais informações podem ser utilizadas para o objetivo de pesquisa. Os autores orientam que se deve formar uma lista de pontos fortes e fracos e outra de oportunidades e ameaças, ficando ainda incompleto, com críticas que podem ser identificados no andamento. Posteriormente, as informações são cruzadas identificando a postura estratégica da empresa.

19 19 Assim, a empresa estabelece novas estratégias com seus pontos fortes, controla seus pontos fracos, adquiri habilidades para obter vantagens das oportunidades e recursos necessários para prevenir e evitar suas ameaças.

20 20 3 METODOLOGIA. O método utilizado para o desenvolvimento deste trabalho foi a pesquisa exploratória. Segundo Oliveira S. (2004), este método tem como objetivo, a elaboração de hipótese ou a formalização de problemas para um resultado mais preciso. O autor ainda afirma que esta pesquisa é uma maneira rápida e prática de descobrir hipóteses, tirar proveito de trabalhos anteriores, e assim torna-se possível à modificação e até mesmo a substituição dos mesmos. 3.1 Procedimentos Metodológicos e Ferramentas Este planejamento estratégico da organização envolveu a proprietária, o gerente, 4 vendedores e 1 técnico da empresa, num total de 7 colaboradores. Os dados foram coletados junto a estes colaboradores. Swot. Na metodologia utilizou-se de duas ferramentas, sendo elas Brainstorming e Ferramenta Brainstorming Num primeiro momento, a proprietária e o gerente receberam as informações de como seria desenvolvido este trabalho. Reuniram-se então os demais funcionários onde discutiram e colocaram idéias sobre o assunto, livremente, sem nenhum tipo de restrição. Qualquer idéia seria aproveitada neste primeiro momento, por mais absurda, criativa e maluca que parecesse. A pesquisadora, como facilitadora, motivou o tempo todo os participantes a expor estas idéias sem qualquer problema, registrando todas, uma a uma exatamente como eram, originalmente, interpretadas pelo criador, sem nenhuma sugestão ou crítica de qualquer outro participante. Em seguida, esta lista de idéias que estava exposta para todos no decorrer da reunião em um flip Sharp foi analisada por todos para ter a certeza de que a entenderam e estavam no clima da reunião. Então, deixaram o que era realmente viável para a empresa dentro dos seus limites e sua política, como também dos limites dos seus colaboradores, tornando-a numa lista prática, dinâmica e viável ao trabalho.

21 21 Com a colaboração de todos, o resultado mostrou, claramente, alguns problemas, como também, suas soluções variadas e criativas Ferramenta Análise de SWOT O segundo instrumento utilizado para a metodologia foi à análise de SWOT. Primeiramente foi realizado um estudo através dos funcionários, no qual foram obtidas informações sobre o contexto interno da empresa através dos presentes como clima organizacional, forma de atendimento individual dos funcionários, informações técnicas, entre outras. Assim, foram apontadas pelos presentes quais seriam as fraquezas da empresa e onde estariam os pontos fortes da mesma. Posteriormente, foram colhidas informações sobre o ambiente externo da empresa, ou seja, a concorrência, a economia, a vida social dos clientes atuais e possíveis novos clientes. Também foram relacionadas às oportunidades que este ambiente oferece e quais são as ameaças sofridas por ele. Com o resultado das fases anteriores, a fim de identificar os pontos fracos e fortes da empresa, o ambiente interno e as oportunidades e ameaças do ambiente externo, foi possível cruzar estas informações para uma análise das mesmas e compreensão da relação que existe entre elas. Este cruzamento de informações foi feito no programa do Excel, uma planilha em que, na coluna B, conforme figura XXXXX foi informado o ambiente externo, ameaças e oportunidades, e na frente o peso de importância que eles tem para a empresa, numa numeração de 1 a 10. Na linha 3 da planilha foram colocados os pontos fortes e fracos, do ambiente interno. E igualmente ao ambiente externo, foi colocado o peso de importância destes, de 1 a 10. Posteriormente, na célula que cada item de ambientes externo e interno se cruzam, foi determinado um peso de relação entre eles, sendo 1 quando não procede relação, 2 quando a relação existe mas ainda é fraca e 3 para quando a relação é forte. Assim, uma matemática aconteceu, multiplicou-se o peso de importância dos itens do ambiente interno com o peso da relação e o peso de importância dos itens do ambiente externo. Este cálculo é feito um a um. O resultado desta multiplicação é somado e então se tirou o percentual de cada um, obtendo o resultado desta análise, identificando qual a postura estratégica que a empresa se encontra.

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 2 Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Av. Antônio Sales, 2371 loja 113 Dionísio Torres Fortaleza, CE

Av. Antônio Sales, 2371 loja 113 Dionísio Torres Fortaleza, CE Av. Antônio Sales, 2371 loja 113 Dionísio Torres Fortaleza, CE www.epossivelsim.com.br 3224.4940/3088.6161 INTRODUÇÃO Em nossa vida, é necessário planejarmos com cuidado em que direção pretendemos focar

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Plataforma da Informação. Gestão Estratégica

Plataforma da Informação. Gestão Estratégica 1 Plataforma da Informação Gestão Estratégica Motivação Principais Motivações: Criar um Planejamento Estratégico; Reformular o PE; Definir novas diretrizes para a empresa; Melhorar o Planejamento estratégico

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO É o processo gerencial de desenvolver e manter um ajuste viável entre os objetivos, experiências e recursos da organização e suas oportunidades de mercado. Moldando e remoldando

Leia mais

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL Prof. Roberto Almeida Esta estratégia compreende o comportamento global e integrado da empresa em relação ao ambiente que a circunda. Para Aquino:Os recursos humanos das

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Proporciona ao executivo informações básicas b para começar a usufruir das vantagens do planejamento estratégico, através s do tratamento adequado

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

CONSULTORIA LOJA TOQUE FINAL

CONSULTORIA LOJA TOQUE FINAL CONSULTORIA LOJA TOQUE FINAL Adriana de Freitas Flávia Porcher Janaína Lima Jeferson Medeiros João Jardim Silveira Resumo: O presente trabalho é uma consultoria na Loja Toque Final/Guaíba identificando

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X ) TRABALHO

Leia mais

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos Marketing em Design 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing Profª Ms. Angela Maria Ramos 4. Planejamento de novos negócios, redução de negócios superados Os planos da empresa para seus negócios

Leia mais

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO:

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO: RESUMO O presente trabalho constitui em uma elaboração de um Plano de Marketing para a empresa Ateliê Delivery da Cerveja com o objetivo de facilitar a compra de bebidas para os consumidores trazendo conforto

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 9 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 OBSERVAÇÃO: Esta apresentação é quase que a totalidade de uma apresentação do consultor em planejamento estratégico e palestrante Mario

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

A conquista do sucesso depende do bom atendimento!

A conquista do sucesso depende do bom atendimento! Um excelente atendimento faz toda a diferença numa empresa porque é um dos fatores fundamentais para se destacar em qualquer tipo de negocio. Por isto os profissionais de Atendimento e de Vendas precisam

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Metodologias de Apoio ao Planejamento Estratégico. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Metodologias de Apoio ao Planejamento Estratégico. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Metodologias de Apoio ao Planejamento Estratégico Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Análise Ambiental Análise Ambiental : Matriz SWOT A sigla SWOT Ambiente

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

A Paralisia Decisória.

A Paralisia Decisória. A Paralisia Decisória. Começo este artigo com uma abordagem um pouco irônica, vinda de uma amiga minha, que, inconformada como a humanidade vêm se portando perante a fé em algo superior, soltou a máxima

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro Atuamos junto a estes três grupos de empresas, ajudando-os a atender da melhor maneira às necessidades do consumidor 2 Atendemos às necessidades

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Autores 1 : Leandro Martins de Paiva Maria Aparecida Lepre Willian Pinheiro Orientador 2 : Prof. Maurílio Villa RESUMO O objetivo deste trabalho foi de efetuar

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho IBMEC Jr. Consultoria A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho O mercado de trabalho que nos espera não é o mesmo dos nossos pais... ... ele mudou! As mudanças Certeza Incerteza Real Virtual

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO Bruna Carolina da Cruz Graduando em administração Unisalesiano Lins bruna-estella@hotmail.com Rafael Victor Ostetti da Silva Graduando

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO PARA A EMPRESA SUPERMAIA

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO PARA A EMPRESA SUPERMAIA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FASA CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO PARA A EMPRESA SUPERMAIA SAMUEL LEWKOWICZ ROCHA 2030150/9

Leia mais

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 1. CAPA 2. SUMÁRIO 3. INTRODUÇÃO FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 4. DESCRIÇÃO DA EMPRESA E DO SERVIÇO 4.1 Descrever sua Visão, VISÃO DA EMPRESA COMO VOCÊS IMAGINAM A EMPRESA

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES.

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. Eder Gomes da Silva 1 Resumo: O presente artigo trazer um estudo teórico buscando adquirir

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Recursos Humanos 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDERANÇA AUTOCRÁTICA: O RELACIONAMENTO

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE JULIANA APARECIDA DE SOUZA REIS MAIARA NATALIA MARINHO DUARTE SUSELI SANTOS DIAS RESUMO Neste artigo temos por objetivo apresentar que as micros e pequenas

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 02/01/2013 rev. 00 PAUTA INSTITUCIONAL Sobre a Harpia OUTRAS INFORMAÇÕES Clientes Parceiros SERVIÇOS Responsabilidade Social Consultoria & Gestão Empresarial Planejamento Estratégico

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA A Gestão do desempenho e outros requisitos Planejamento Estratégico A Importância do Planejamento Estratégico Menos de 10% das estratégias efetivamente formuladas são

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

PERFIL DO EMPREENDEDOR

PERFIL DO EMPREENDEDOR INTRODUÇÃO Em nossa vida, é necessário planejarmos com cuidado em que direção pretendemos focar nossos esforços. Após o planejamento, vem a ação. Desta forma, é fundamental conhecermos os caminhos que

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Uma fonte inédita de informação

Uma fonte inédita de informação Mensagem do Presidente Uma fonte inédita de informação Este trabalho, patrocinado pelo Sincor-SP, corresponde a uma expectativa do setor quanto aos dados relativos às corretoras de seguros, em um momento

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. NOME DA EMPRESA

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. NOME DA EMPRESA PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL NOME DA EMPRESA A pesquisa foi desenvolvida e aplicada pela PERSPECTIVA Consultores Associados. Coordenador Interno: Ricardo Lezana

Leia mais

Exercícios de Gestão de Processos

Exercícios de Gestão de Processos Exercícios de Gestão de Processos Agente de Administração 1) Uma organização formal, também conhecida como tradicional, compõe-se de camadas hierárquicas, enfatizando: a) o meio ambiente. b) os funcionários.

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA Desenvolvimento de Monografia SÃO PAULO 2005, NORMAS PARA DESENVOLVIMENTO DA MONOGRAFIA DO MBA I - DEFINIÇÃO A monografia é a proposta de desenvolvimento de atividades

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais