Corporate Finance em Foco Uma visão dos cenários macroeconômico, M&A, crédito, dívida e investimentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Corporate Finance em Foco Uma visão dos cenários macroeconômico, M&A, crédito, dívida e investimentos"

Transcrição

1 Financial Advisory CFA 1 o edição Setembro 2015 Corporate Finance em Foco Uma visão dos cenários macroeconômico, M&A, crédito, dívida e investimentos Contexto Macroeconômico As turbulências no cenário político e econômico continuam ditando o rumo dos principais indicadores macroeconômicos do País, e por consequência influenciando a percepção de risco dos investidores internacionais e das agências internacionais de classificação de risco (Moody s, S&P e Fitch). Recentemente, a S&P tirou o Brasil da lista de países com grau de investimento (ao rebaixar o rating soberano de BBB- para BB+), o que diminuirá o acesso a fontes globais de capital e aumentará o custo desse capital, contribuindo para conturbar ainda mais o momento econômico atual. Soma-se a isso os efeitos decorrentes da desaceleração chinesa e da lenta recuperação da economia do euro. O prêmio dos Credit Default Swaps (CDS) de 5 anos do Brasil, instrumentos de cobertura de risco de títulos de dívida, já superaram 350 pontos base países com classificação de risco igual a que o Brasil tinha antes do rebaixamento pagam menos da metade desse spread, e até aqueles sem grau de investimento pagam menos. A cotação dos CDS do País acaba pressionando a taxa de câmbio, pois como existem investidores institucionais que não podem aplicar recursos em países sem grau de investimento conforme classificação de 2 agências de risco, alguns acabam se antecipando a esse risco e resgatam aplicações locais, principalmente em carteiras de renda fixa e variável a título de exemplo, o fluxo na BM&FBovespa em Agosto já foi negativo, denotando saída líquida de capital. Os Investimentos Estrangeiros Diretos (IED) também poderão ser afetados, apesar do mercado atualmente estimar um ligeiro aumento em relação a Ambos, investimentos estrangeiros em renda fixa e diretos, já registram queda até o mês de Agosto, em comparação com o mesmo período do ano passado. Ou seja, o fluxo de capital e o preço dos ativos, observando-se a evolução do valor de mercado das empresas listadas em Bolsa, já podem estar antecipando parte dos desafios relacionados a questão do grau de investimento. Nesse contexto, o alto endividamento das famílias, a elevação do desemprego, o aumento nos preços regulados (ex: energia, gasolina), que estavam represados, levarão a inflação em 2015 para patamares bem acima do centro da meta de 4,5% e a uma queda no poder de compra e, consequentemente, no consumo. A situação fiscal do governo se agrava com a menor arrecadação de tributos em função da retração da economia. A inflação alta dificulta a redução a curto prazo na taxa de juros, o que aumenta a dívida pública em relação PIB e reforça o quadro recessivo, conforme pode ser visto na estimativa de queda no PIB em 2015 e Deloitte Corporate Finance

2 Com o orçamento apresentado recentemente pelo governo, prevendo déficit de 0,5% do PIB este ano, economistas estimam que a dívida pública bruta chegue a 66% do PIB em 2015 e ao redor de 70% em Esse cenário fiscal dificulta a queda nos juros futuros, devido ao prêmio de risco adicional A internacionalização das empresas reduz a dependência do mercado local, beneficiando os resultados, inclusive no aspecto cambial e acesso a crédito no exterior. que os investidores exigem, além de acentuar a desvalorização cambial. A preocupação com a economia chinesa e com a saída de capital do País decorrente do rebaixamento apenas piora a situação, pois faz com que o mercado antecipe compras de dólares. Para reverter esse cenário, além da melhoria nos fundamentos da economia, é necessário reverter a perda de confiança de consumidores e empresários, que também afeta a retomada do crescimento. Por outro lado, com a desvalorização do câmbio, as importações tem caído, refletindo o custo maior dos bens importados e a desaceleração da economia, enquanto que as exportações ficaram mais competitivas, gerando aumento de volume exportado de manufaturados e de algumas commodities, resultando em superávit de US$ 2,7 bilhões na balança comercial apenas em Agosto, o que está em linha com a expectativa de um saldo positivo superior a US$ 12 bihões na balança comercial este ano. Empresas exportadoras, como as do setor de papel e celulose, alimentos, entre outras, tendem a se beneficiar do câmbio atual. Nesses momentos podemos observar como a internacionalização das operações, as aquisições de empresas ou investimentos no exterior reduzem a dependência do mercado local e beneficiam as empresas, seja no aspecto cambial, como no acesso a crédito no exterior a custos mais atrativos e atrelados a mesma moeda de geração de caixa da atividade. A economia da China é um ponto de atenção para as empresas nacionais e o mercado financeiro. A sua desaceleração recente tem impactado o preço e o volume das exportações mundiais de commodities, o que afeta o Brasil e outras economias emergentes que tem a China como importante parceiro comercial. Nos últimos anos, o crescimento chinês foi pautado por investimento em capacidade, gerando expansão importante no endividamento público e privado, que não está sendo acompanhado por crescimento no consumo doméstico. O contraponto é a economia dos EUA, que cresce a um ritmo anual ao redor de 3%, com inflação e desemprego baixos, e dólar forte o que por enquanto reduz o risco de um eventual aumento nas taxas de juros dos títulos do tesouro dos EUA, que poderia atrair capital e desvalorizar ainda mais a taxa de câmbio brasileira e de outros países. Na Europa a recuperação ainda é lenta e tem na Alemanha o principal indutor. Na percepção do FMI até o momento, a economia mundial crescerá menos esse ano (ao redor de 3,3%), em função da desaceleração chinesa e de países emergentes, e recuperação mais lenta das economias maduras. 2

3 Mercado de Fusões e Aquisições (M&A) Um efeito colateral do momento econômico é o aumento na venda de divisões de negócios de empresas envolvidas em investigações do ministério público, em dificuldades financeiras devido ao impacto da variação cambial sobre dívidas em dólar, e de empresas com queda na geração de caixa e dificuldade de honrar dívidas ou alongar seu vencimento, devido a escassez de crédito bancário e impossibilidade de captação de recursos via mercado de ações (IPO s), que está no nível mais baixo dos últimos anos. Operações de M&A envolvendo desinvestimentos estão sendo observadas nos segmentos de construção, óleo e gás, siderurgia e mineração, entre outros. Vale observar que o câmbio está favorável a investidores estrangeiros e fundos de private equity em busca de oportunidades de aquisição em segmentos propensos a consolidação ou que demandem capital para crescimento, aquisições ou diversificação de portfolio e atuação. A necessidade de otimizar a geração de caixa para compensar queda nas vendas e atender compromissos financeiros tem feito as empresas repensarem de forma estratégica seu portfólio de ativos, visando se concentrar naquilo que é o core business. Reflexo desse e dos fatores elencados acima pode ser visto nas transações de M&A no primeiro semestre desse ano, que já são superiores a 2014 e tendem a continuar aumentando. O caixa obtido com a venda de ativos não essenciais tem sido usado pelas empresas para se reestruturar operacional e financeiramente, e reinvestir em suas operações principais. 3

4 Há também o fato de que nem todos os setores foram afetados, ou afetados da mesma maneira, pela situação econômica. Conforme indicam as estatísticas, segmentos como energia, transporte/logística, saúde, educação, tecnologia, Total - Fusões e Aquisições no Brasil (por semestre - em número de operações) 1ºSem ºSem O caixa obtido com a venda de ativos não essenciais tem sido usado pelas empresas para se reestruturar operacional e financeiramente, e reinvestir em suas operações principais. alimentos e serviços financeiros continuam promissores e liderando as transações de M&A. Transações entre empresas nacionais tem sido observadas com maior intensidade, dada a familiaridade dos empresários locais com a economia, e o interesse em aproveitar o momento para consolidar posições estratégicas através de fusões ou aquisições em seus setores de atuação Fonte: Deloitte Research - (elaborado com base em dados da TTR) Fusões e Aquisições Setores /atividades - acumulado até agosto de % 5% 8% 5% 5% TI e internet 5% 24% 8% 8% 8% Fonte: Deloitte Research - (elaborado com base em dados da TTR) 17% 328 Outras manufaturas Alimentos e bebidas Transportes Outros serviços Serviços financeiros Construção civil Publicidade Mineração e siderúrgia Serviços de consultoria Comércio e varejo Mercado de Dívida e de Capitais O mercado estima uma queda nas captações via debêntures, notas promissórias, CRI s e FIDC s em 2015, quando comparado a 2014, em parte fruto da retração de investimentos das empresas, mas também devido a aversão a risco por parte dos investidores, que tem se refletido nos custos e na avaliação criteriosa das características do papel, do risco de crédito do emissor e do setor da economia em que está inserido. Outro fator que contribui para essa situação é que, nas várias opções de investimento no mercado, tomando-se janeiro de 2014 como base e até o mês de agosto deste ano, nenhuma outra aplicação superou a rentabilidade de títulos atrelados ao CDI, que expõem o investidor a menor risco e a juros reais em moeda local que estão no maior nível dos últimos anos. Os títulos do governo com rentabilidade atrelada a inflação medida pelo IPCA, 4

5 as NTN-B s, também concorrem pelo capital de investidores avessos a risco empresarial. A deterioração do cenário macroeconômico fragiliza a saúde financeira das empresas, que enfrentam queda nas receitas e aumento de custos, principalmente na folha de pagamentos, que cresceu em termos reais nos últimos anos. Esse cenário afeta mais gravemente as empresas com foco no mercado interno, que sentem pressões mensais em capital de giro e geração de caixa, agravadas pelo aumento na taxa básica de juros, que impactam as despesas financeiras. Neste cenário, as empresas se defrontam com um cenário mais restritivo de crédito e os bancos vêm se deparando com uma piora na qualidade do crédito concedido, com aumento na taxa de inadimplência, que atingiu 2,4% em julho de 2015, uma alta de 40 bps quando comparado com o mesmo período de 2014 e de 60 bps, quando comparado com dezembro de Diante deste cenário, os bancos tornam-se mais restritivos na concessão do crédito, elevando spreads e aumentando a exigência de garantias. O crédito torna-se mais caro e escasso nos bancos comerciais, que focam em operações de curto prazo, que por definição são mais previsíveis. O volume de crédito pessoa jurídica concedido nos sete primeiros meses de 2015 é 4% menor do que em igual período de 2014 e a carteira de crédito do sistema financeiro nacional para pessoa jurídica também cresce a taxas menores este ano. O crescimento da carteira pessoa jurídica foi de 1,98% no primeiro semestre de 2015 contra 3,39% no mesmo período em Com as dificuldades fiscais enfrentadas pelo governo espera-se uma redução na atuação do BNDES como fonte primária de concessão de crédito com juros subsidiados para projetos de infraestrutura e investimentos de longo prazo em geral. Essa tendência já se observa no volume de desembolsos realizados até agosto, que sinaliza uma queda acentuada em 2015, comparativamente ao ano passado. Esse quadro não deverá ser revertido no médio prazo, tendo em vista que a principal fonte de recursos do banco é o Tesouro Nacional, responsável por mais de 50% do funding do banco. Essa redução no papel do BNDES já está prevista no próprio programa federal de concessões na área de logística (portos, rodovias e aeroportos). Os financiamentos a serem concedidos pelo BNDES serão reduzidos, e a necessidade adicional de capital deverá ser suprida com emissão de debêntures a custos de mercado, o que elevará o custo total do financiamento. Nesse contexto, as empresas precisarão ter espaço no balanço para contrair mais dívida, recorrer ao mercado de capitais emitindo debêntures, ou a bancos comerciais e investidores institucionais internacionais. Após o pico de 2013, os montantes captados via debêntures de infraestrutura estão crescendo em menor velocidade esse ano. Até o mês de agosto havia sido captado cerca de R$ 2,3 bilhões, com destaque para o setor de logística, com a captação de R$ 1,7 bilhão e as captações do setor de energia eólica, que, apesar de pequenas, demonstra apetite de investidores para este tipo de projeto, cuja demanda potencial é grande. Com as novas rodadas de concessões previstas no Programa de Investimento em Logística (PIL) e a recorrência de leilões de Energia Nova, é justamente nesses setores onde a demanda para este tipo de emissão tende a aumentar, de modo a complementar a necessidade de capital de terceiros para realização dos investimentos previstos. A emissão de debêntures incentivadas, através do Os financiamentos a serem concedidos pelo BNDES serão reduzidos, e a necessidade adicional de capital deverá ser suprida com emissão de debêntures a custos de mercado, o que elevará o custo total do financiamento enquadramento no artigo 1º da Lei de 2012, as chamadas debêntures de infraestrutura, vêm sendo utilizadas para complementar a fonte de financiamento deste tipo de projeto, mas este mesmo mecanismo também é utilizado por empresas já consolidadas para financiar investimentos em expansão. Neste último caso, os investidores aceitam receber um prêmio menor do que em papéis vinculados a um project finance. O 5

6 spread médio sobre a NTN-B medido na data de emissão das debêntures de infraestrutura para implantação de novos projetos ficou em torno de 1,5%. Ao passo que o spread médio sobre emissões vinculadas a capex de empresas já consolidadas ficou em 0,7%. Desde o início das emissões sob a Lei , cerca de 37% das emissões foi apenas para a complementação de financiamento na modalidade project finance. Capex Prazo anos Fonte: Deloitte baseado em dados do Debentures.com.br Spread sobre a NTN-B na emissão - % Evolução das Debêntures de Infraestrutura R$ Bi Fonte: Deloitte baseado em dados do Debentures.com.br Fonte: Debentures.com.br Evolução do Desembolso do BNDES R$ bilhões Curvas de Rendimento da NTN-B Fonte: BNDES Evolução da TJLP Fonte: Tesouro Nacional Project Finance Prazo anos Fonte: BNDES Saldo de Crédito Pessoa Jurídica no Sistema Financeiro R$ bilhões Fonte: Deloitte baseado em dados do Debentures.com.br Fonte: Banco Central Spread sobre a NTN-B na emissão - % Novos Empréstimos para Pessoa Jurídica no Sistema Financeiro R$ bilhões Fonte: Deloitte baseado em dados do Debentures.com.br Fonte: Banco Central 6

7 Spread Bancário Pessoa Jurídica no Sistema Financeiro em p.p. Fonte: Banco Central Nível de Inadimplência Pessoa Jurídica em % mínimos de patrimônio líquido para poder se habilitar nas licitações. Particularmente no setor de energia, o segmento de energias renováveis já atraiu em 2015 cerca de R$ 9 bilhões em investimentos, notadamente em projetos de fonte eólica e solar. Isto é reflexo de um setor que está em franco crescimento, atrai capital externo e ainda possui maior disponibilidade de financiamento do BNDES. Fonte: Banco Central Cenário de Investimentos Com o aumento dos custos de captação e financiamento, os retornos requeridos para a implantação de novos projetos devem aumentar. Nos programas federais de concessões na área de logística, o governo acena com aumento na TIR das novas concessões, que passariam a 10% para portos, 8,5% para aeroportos e 9,2% para rodovias. Porém, após o rebaixamento do rating soberano do País, é possível que os investidores demandem um retorno maior, em função do maior custo da dívida. Podemos observar também que, apesar do cenário mais recessivo, segmentos como o de energias renováveis, saúde, alimentos, serviços financeiros e outros serviços, e tecnologia tem atraído um fluxo crescente de investimentos e operações de M&A. Estão também surgindo oportunidades para construtoras de médio porte participarem de leilões de concessão de rodovias, por exemplo, devido a eliminação de algumas exigências como a de níveis 7

8 Principais transações de fusões e aquisições em Agosto*. A maior transação do mês e do ano na área financeira foi a aquisição dos ativos do banco HSBC no Brasil pelo Bradesco, em uma transação avaliada em US$ 5,2 bilhões, e que coloca o Bradesco na terceira posição no ranking por valor de ativos, atrás apenas do Banco do Brasil e do ItaúUnibanco, porém superando a Caixa Econômica Federal.. Ainda no setor de serviços financeiros, a norte-americana PRA Group aportou capital na gestora RCB Investimentos, especializada em aquisição de carteira de créditos em atraso, principalmente decorrentes de financiamento a pessoas físicas e empresas de pequeno porte, segmento que tem crescido em função da deterioração da capacidade de pagamento de dívidas pelas empresas e famílias.. No setor de alimentos, o grupo nacional e familiar Wickbold anunciou a aquisição da concorrente Seven Boys, ampliando sua atuação nacional, principalmente na região Centro-Oeste e no Rio Grande do Sul, e consolidando-se na segunda posição no setor de pães industrializados no País, atrás apenas da mexicana Bimbo. A aquisição do Moinho Pacífico pela multinacional Bunge reforça sua posição no fornecimento de farinhas de trigo e pré-misturas, em particular no Estado de São Paulo, que responde por 28% da demanda nacional por farinha de trigo.. Na área de energia, a China Three Gorges adquiriu participação em usinas hidrelétricas e no negócio de comercialização de energia da Triunfo Negócios de Energia, Rio Verde e Rio Canoas Energia, em uma transação estimada em R$ 970 milhões, e mais assunção de dívidas e pagamento de earn-out, dando sequência a uma série de investimentos que a CTG tem feito em usinas hidrelétricas e parques eólicos no Brasil desde Entre os fundos de investimentos e private equity, o Carlyle fez oferta para aquisição da empresa de assistência de serviços Tempo Participações, cujos maiores acionistas são os fundos GP Investimentos e Tarpon. A Monashees Capital, Dragoneer Investment Group e Qualcomm Ventures realizaram aporte na Loggi, plataforma online de entrega expressa. A Sterigenics International, controlada pelos fundos Warbung Pincus e GTCR, adquiriu a Companhia Brasileira de Esterilização.. No segmento de tecnologia, a Bematech foi adquirida pela Totvs, em uma operação envolvendo pagamento em dinheiro e em ações da Totvs. A Cielo adquiriu a Multidisplay/M4U, com forte atuação em plataformas de recarga de celulares prépagos e em pagamentos móveis. A Stefanini adquiriu participação de 40% na Saque e Pague, especializada em soluções de tecnologia de autoatendimento para o varejo; dentre outras transações que fizeram deste setor o mais ativo em M&A no mês de Agosto. 8

9 . Dentre outras importantes transações estão a aquisição do laboratório oftalmológico nacional Latinofarma pela Cristália. A transação envolvendo o Grupo Garnero, a Camisaria Colombo e a futura listagem desta última na Nasdaq. A aquisição da rede de estacionamentos WellPark, com forte atuação no Nordeste, pelo grupo Estapar (controlado pelo BTG Pactual), assim como transações nas áreas de mídia, engenharia, publicidade, mineração e imobiliária. Debêntures de Infraestrutura 9

10 Contatos Reinaldo Grasson Sócio-líder Corporate Finance Lara Fenolio Diretora Debt Advisory Para maiores informações, visite nosso site: Esta newsletter é produzida pela Deloitte, a partir da consolidação de informações de mercado extraídas de fontes públicas e de análises elaboradas por especialistas da frente de Corporate Finance Advisory. Sua periodicidade é mensal e seu público-alvo são os profissionais da Deloitte, agentes de mercado parceiros e interlocutores selecionados. Estão reservados à Deloitte os direitos autorais desta newsletter. A reprodução de informações nela contidas está sujeita à autorização prévia, mediante consulta formal e citação da fonte. 10

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8%

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8% Outubro de 2015 INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES O Geral Asset Long Term - GALT FIA é um fundo de investimento que investe em ações, selecionadas pela metodologia de análise

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Uso de instrumentos de mercado de capitais em Projetos de Longo Prazo Laura Bedeschi Agosto/2015 Debêntures Adquiridas 2 BNDES Investidor Debêntures

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 Como Presidente e Gestora do Instituto de Previdência

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Perspectivas sobre consolidação de mercados Estratégia de investimentos e o movimento de fusões e aquisições. Pesquisa 2015

Perspectivas sobre consolidação de mercados Estratégia de investimentos e o movimento de fusões e aquisições. Pesquisa 2015 Perspectivas sobre consolidação de mercados Estratégia de investimentos e o movimento de fusões e aquisições Pesquisa 2015 Índice Momento de superar desafios e criar oportunidades... 3 Alternativas para

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO?

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? Josué Pellegrini 1 As contas externas de um país estão retratadas no seu balanço de pagamentos, registros das transações econômicas entre residentes

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

Financiamento da Infraestrutura Nacional Banco de do Transportes

Financiamento da Infraestrutura Nacional Banco de do Transportes Unidade Serviços em Infraestrutura Apresentação para o Conselho Diretor 12.05.2015 Financiamento da Infraestrutura Nacional Banco de do Transportes Brasil Outubro/2015 1 Dentre 140 países, o Brasil é o

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2014 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2014 1 No terceiro trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de -0,07%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,72% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Rio de Janeiro Maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

Corporate Finance em foco Uma visão dos cenários macroeconômico e de M&A, crédito, dívida e investimentos

Corporate Finance em foco Uma visão dos cenários macroeconômico e de M&A, crédito, dívida e investimentos Corporate Finance em foco Uma visão dos cenários macroeconômico e de M&A, crédito, dívida e investimentos Abril de 2016 Corporate Finance em foco 1 Índice Corporate Finance em foco Cenário macroeconômico

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2015 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2015 1 No terceiro trimestre de 2015, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de -2,75%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 3,43% e o mercado de bolsa apresentou

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Fonte: AZ Investimentos / Andima. Fonte: AZ Investimentos / Andima

Fonte: AZ Investimentos / Andima. Fonte: AZ Investimentos / Andima ANÁLISE CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA OFERTAS PUBLICAS DE AÇÕES Por: Ricardo Zeno 55 21 3431 3831 27 de Fevereiro, 2008 Em 2007, o destaque foi para as emissões de Renda Variável, o volume total das ofertas

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO

A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO DE FINANCIAMENTO DE INFRAESTRUTURA BM&F BOVESPA 30/01/2015 CEMEC Centro de Estudos do IBMEC Carlos A. Rocca INDICE 1. Investimentos crescimento em infraestrutura e retomada

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Lisboa 31 de maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Internacional Cenário mundial ainda cercado de incertezas (1) EUA: Recuperação lenta; juros à frente (2) Europa:

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

EM PAUTA PRIVATE EQUITY & VENTURE CAPITAL OPORTUNIDADES EM MEIO À CRISE NO BRASIL

EM PAUTA PRIVATE EQUITY & VENTURE CAPITAL OPORTUNIDADES EM MEIO À CRISE NO BRASIL EM PAUTA PRIVATE EQUITY & VENTURE CAPITAL OPORTUNIDADES EM MEIO À CRISE NO BRASIL 14 REVISTA RI Abril 2015 É sabido que 2015 vai ser um ano difícil diante de uma economia com perspectiva de recessão. No

Leia mais

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A RETOMADA DOS INVESTIMENTOS E O MERCADO DE CAPITAIS Sumário I. O MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA PRIVADA NO BRASIL II. A AGENDA

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

CSHG RECEBIVEIS IMOBILIARIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII

CSHG RECEBIVEIS IMOBILIARIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CSHG RECEBIVEIS IMOBILIARIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ 11.160.521/0001-22 Administradora: Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A. CNPJ: 61.809.182/0001-30 I. Objeto do Fundo

Leia mais

III. FATORES DE RISCO

III. FATORES DE RISCO III. FATORES DE RISCO 1. RISCOS RELACIONADOS A FATORES MACROECONÔMICOS Política Econômica do Governo Federal O Governo Federal intervém freqüentemente na economia brasileira e realiza, ocasionalmente,

Leia mais

Conferência de Investimento Alternativo: FIDC, FII E FIP. São Paulo, 11 de dezembro de 2012. Hotel Caesar Park. Patrocínio

Conferência de Investimento Alternativo: FIDC, FII E FIP. São Paulo, 11 de dezembro de 2012. Hotel Caesar Park. Patrocínio Conferência de Investimento Alternativo: FIDC, FII E FIP São Paulo, 11 de dezembro de 2012 Hotel Caesar Park Patrocínio Estratégia FUNCEF Investimentos Estruturados Diversificação de carteira de Fundos

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES Área de Mercado de Capitais BNDES Desenvolvendo a Governança Corporativa Eduardo Rath Fingerl Diretor 02/06/2006 www.bndes.gov.br 1 de 23 Atuação

Leia mais

A nova classe média vai às compras

A nova classe média vai às compras A nova classe média vai às compras 18 KPMG Business Magazine Cenário é positivo para o varejo, mas empresas precisam entender o perfil do novo consumidor Nos últimos anos o mercado consumidor brasileiro

Leia mais

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras As principais modalidades de aplicação financeira disponíveis no mercado doméstico caderneta de poupança, fundos de investimento e depósitos a prazo

Leia mais

EXAME FORUM INFRAESTRUTURA

EXAME FORUM INFRAESTRUTURA EXAME FORUM INFRAESTRUTURA O MERCADO DE CAPITAIS E O FINANCIAMENTO DA INFRAESTRUTURA Carlos A. Rocca 24092014 CEMEC Centro de Estudos do IBMEC INDICE 1. Colocação do problema 2. A necessidade de um novo

Leia mais

Boletim RPPS. Resenha Macroeconômica Comentários do Gestor Entenda o Mercado Fique de Olho Portfólio de Fundos

Boletim RPPS. Resenha Macroeconômica Comentários do Gestor Entenda o Mercado Fique de Olho Portfólio de Fundos 1 Boletim RPPS Resenha Macroeconômica Comentários do Gestor Entenda o Mercado Fique de Olho Portfólio de Fundos Gerência Nacional de Investidores Corporativos (11) 3555-6350 geico@caixa.gov.br Resenha

Leia mais

2 Histórico de fusões e aquisições e conceitos.

2 Histórico de fusões e aquisições e conceitos. 2 Histórico de fusões e aquisições e conceitos. 2.1. Fusões e aquisições globais Com a globalização e a necessidade de escalas cada vez maiores de operação, as grandes empresas ultrapassaram fronteiras

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Carta do Gestor. Vento Contra. Caros Investidores,

Carta do Gestor. Vento Contra. Caros Investidores, Carta do Gestor Vento Contra Caros Investidores, Há alguns meses temos ressaltado em nossas cartas a piora do ambiente global para as economias emergentes. Esse vento contra, formado inicialmente pela

Leia mais

Fontes de Financiamento para Pequenas e Médias Empresas

Fontes de Financiamento para Pequenas e Médias Empresas Fontes de Financiamento para Pequenas e Médias Empresas Bruno Boetger Managing Director, Bradesco BBI 30 de Novembro de 2010 Estritamente Confidencial Fontes de financiamento para as empresas Instrumentos

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

O MERCADO DE SEGURO DE PESSOAS E PREVIDÊNCIA PARA 2014 NA VISÃO DA FENAPREVI. Osvaldo do Nascimento Presidente da FenaPrevi

O MERCADO DE SEGURO DE PESSOAS E PREVIDÊNCIA PARA 2014 NA VISÃO DA FENAPREVI. Osvaldo do Nascimento Presidente da FenaPrevi O MERCADO DE SEGURO DE PESSOAS E PREVIDÊNCIA PARA 2014 NA VISÃO DA FENAPREVI Osvaldo do Nascimento Presidente da FenaPrevi 1 CENÁRIO INTERNACIONAL 2 CENÁRIO INTERNACIONAL 3 CENÁRIO INTERNACIONAL 4 CENÁRIO

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

Relatório Mensal - Junho de 2013

Relatório Mensal - Junho de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor Junho foi mais um mês bastante negativo para o Ibovespa. O índice fechou em queda pelo sexto mês consecutivo impactado pela forte saída de capital estrangeiro

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira O agravamento da crise financeira internacional decorrente da falência do banco Lehman Brothers,

Leia mais

Evitar a recessão no Brasil

Evitar a recessão no Brasil Evitar a recessão no Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Federação Nacional dos Engenheiros - FNE São Paulo, 12 de Março de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A economia brasileira Comércio,

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 O Brasil Adota o Modelo do Covered Bond Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP A Medida Provisória 656, de 2014, aprovada

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

RB CAPITAL ANHANGUERA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII. CNPJ nº 13.568.181/0001-07 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.

RB CAPITAL ANHANGUERA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII. CNPJ nº 13.568.181/0001-07 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing. RB CAPITAL ANHANGUERA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII CNPJ nº 13.568.181/0001-07 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) 1 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Seção I Objeto do Fundo 2 Seção I

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS

INDICADORES FINANCEIROS Relatório 2014 Um Olhar para o Futuro DESEMPENHO ECONÔMICO ECONÔMICA www.fibria.com.br/r2014/desempenho-economico/ 126 INDICADORES FINANCEIROS A Fibria encerrou 2014 com lucro líquido de R$ 163 milhões,

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Carta do gestor Setembro 2013

Carta do gestor Setembro 2013 Carta do gestor Setembro 2013 Em setembro, observamos significativa desvalorização do dólar e alta dos preços dos ativos de risco em geral. Por trás destes movimentos temos, principalmente, a percepção

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

12 portos marítimos (+8 terminais privados de uso misto) 409.473 km de rodovias. 18 aeroportos (9 internacionais)

12 portos marítimos (+8 terminais privados de uso misto) 409.473 km de rodovias. 18 aeroportos (9 internacionais) Fórum Nacional Eólico Carta dos Ventos Financiamento de Projetos José Maria Vilar Superintendente do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) Natal, 19.06.2009 Nordeste do Brasil: Infraestrutura 12 portos marítimos

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada A nossa carteira para este mês de Outubro continua estruturada considerando a expectativa de aumento da taxa de juros a partir do próximo ano. Acreditamos que

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Julio Hegedus Assunto: Balanço Semanal InterBolsa BALANÇO SEMANAL 24 DE SETEMBRO DE 2010 BALANÇO SEMANAL 20 A 24/09 CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Capitalização da Petrobras

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Unidade de Política Econômica

Unidade de Política Econômica Unidade de Política Econômica Brasília, abril de 2007 Superávit na balança comercial e juros altos sustentam valorização do real No primeiro bimestre de 2007, o dólar foi negociado a R$ 2,10, na média

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

DESAFIOS PARA OS FUNDOS DE PENSÃO

DESAFIOS PARA OS FUNDOS DE PENSÃO DESAFIOS PARA OS FUNDOS DE PENSÃO Marcelo Rabbat e Tais Campos Importante: Este documento não constitui uma opinião ou recomendação, legal ou de qualquer outra natureza, por parte da Vinci Partners, e

Leia mais

ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO CONSIDERAÇÕES INICIAIS Aos poucos as turbulências no mercado financeiro europeu e seus impactos nas atividades econômicas

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais