Orientador: Profª. Alex Wendell de Lima Manduca

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Orientador: Profª. Alex Wendell de Lima Manduca"

Transcrição

1 Camila de Queiroz Dayrell D ébora Rodrigues Cunha Eliane Cristina Soares E l i zabeth Aparecida Maia Fabiana Carvalho Diniz Orientador: Profª. Alex Wendell de Lima Manduca R e l a t ó r i o f i n a l d o p r o j e t o i n t e r d i s c i p l i n a r a p r e s e n t a d o à c o o r d e n a ç ã o d o c u r s o d e A d m i n i s t r a ç ã o d a F a c u l d a d e N o v o s H o r i z o n t e s, c o m o r e q u i s i t o p a r c i a l p a r a a p r o v a ç ã o n a s d i s c i p l i n a s d o 6 º P e r í o d o. B e l o H o r i z o n t e M a i o

2 D e d i c a m o s e s t e t r a b a l h o a t o d o s a q u e l e s q u e d i r e t a o u i n d i r e t a m e n t e c o n t r i b u í r a m p a r a o d e s e n v o l v i m e n t o d e s t e t r a b a l h o. P r i n c i p a l m e n t e à f a m í l i a d e c a d a u m p e l a c o n f i a n ç a e i n c e n t i v o. 2

3 AGRADECIMENTOS A g radecemos em p rimeiro l ugar á Deus, pela vida e por temos obtido a graça deste tão almejado objetivo. A o p rofessor Alex W e ndell d e L ima Maduca, p ela valiosa o rientação, apoio e incentivo, o s q u ais foram indispensáveis p a ra a realização deste trabalho. A o s colegas e todos que no a n onimato compartilharam com i déias, compreensão e incentivo, dividimos os méritos desta conquista. 3

4 B o m m e s m o é i r a l u t a c o m d e t e r m i n a ç ã o, a b r a ç a r a v i d a c o m p a i x ã o, p e r d e r c o m c l a s s e e v e n c e r c o m o u s a d i a, p o i s o t r i u n f o p e r t e n c e a q u e m s e a t r e v e... A v i d a é m u i t a p a r a s e r i n s i g n i f i c a n t e. C h a r l e s C h a p l i n 4

5 SUMÁRIO RESUMO INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO Diagnóstico Organizacional Etapas do Diagnóstico Componentes do Diagnóstico EMPRESA ANALISADA Histórico Visão Missão Valores Principais Produtos/Serviços Principais Fornecedores Principais Clientes Principais Concorrentes Qual é o Negócio da Empresa Localizações da Empresa ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL Faturamento da Empresa nos últimos 12 meses Pontos de Venda Modelos de Gestão Políticas de Marketing Resultados, Faturamento e Rentabilidade DIAGNÓSTICO GERAL Filosofia da empresa Formato do negócio Foco de clientes Foco dos produtos Canais de distribuição Análise de SWOT ANÁLISES DOS DADOS DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL REFERÊNCIAS ANEXOS APÊNDICES

6 6

7 RESUMO O diagnóstico o rganizacional aponta onde será p reciso ocorrer mudanças a partir de coletas d e i n formações q ue possibilite u ma análise dos p o n tos fortes e fracos da e mpresa. A s coletas d e informações são adquiridas a través de entrevistas, questionários, análise d e d o cumentos, mapeamento e e studo d o mercado. A e mpresa escolhida foi a Perdigão A g roindustrial S /A, u ma d a s maiores e mpresas d a A mérica Latina n o segmento d e carnes. O objetivo p rincipal foi levantar, a través d e entrevistas com o s dois supervisores de Marketing, i n formações q ue levasse aos p roblemas na área d e Marketing d a P e rdigão e p ropor, após u ma a nálise das informações, plano d e ação para empresa indicando o s p rincipais pontos de mudanças. P a lavr a s C have s : D i agnóstico, Mudanças, Planos de A ção, Marketing. 7

8 1 INTRODUÇÃO P a ra THOMAS (2004) a palavra diagnóstico vem do g rego d iagnoses, e é u ma medida de me lhoramento d o conhecimento sobre a e mpresa para a p a rtir daí i n dicar soluções a d equadas p a ra q u e stões levantadas, normalmente u sando a e xperiência d e u m a nalista, o n de serão a valiados a situação d a empresa i d entificando o s problemas e barreiras que dificultam seu desempenho. A identificação desses problemas o corre a pós u ma a n álise dos fatores que precisam se r melhorados na o rganização. P a ra que i sso a conteça é p reciso a nalisar o perfil o rganizacional, apontando o s p rincipais pontos de a p rimoramento e indicando soluções adequadas e de melhoria de resultados. A Enciclopédia Barsa (1972) relata que: r e l a ç ã o e n t r e o m é d i c o e s e u p a c i e n t e é u m e x e m p l o d a s e t a p a s q u e d e v e m s e r c u m p r i d a s p a r a o m é d i c o c h e g a r a u m d i a g n ó s t i c o : d e p o i s d e f e i t a a i d e n t i f i c a ç ã o c o m p l e t a d e l e o d o u t o r i n v e s t i g a, c o m o b j e t i v o d e a p r e n d e r a h i s t ó r i a d a d o e n ç a a t u a l a b r a n g e n d o s i n t o m a s, d u r a ç ã o e e v o l u ç ã o d o p r o b l e m a, p a r a i s s o s ã o p e d i d o s e x a m e s f í s i c o s e c o m p l e m e n t a r e s. ( E n c i c l o p é d i a B a r s a , p ). P a ra o site diagnóstico o rganizacional é u ma importante ferramenta de a nálise da estrutura empresarial, a fim de propor soluções aos possíveis p roblemas e n contrados n o s p rocessos internos, no q ual será p roposto, após a u m e studo aprofundado, um plano e stratégico p a ra a s tomadas de decisão. 8

9 A e mpresa a n alisada é a P e rdigão Agroindustrial, u ma das maiores companhias d a A mé rica Latina no segmento d e carnes. Fundada h á 70 a nos no B rasil na cidade d e Videira (SC), ela produz hoje mais de mil itens para os mercados internos e e xternos sob marcas Perdigão, B a tavo, Turma da Mônica, Borella, P e rdix, Eleva, Confiança e a mais nova aquisição, a Cotochés. P o ssui 1 4 u nidades industriais situadas nos e stados d e S anta Catarina, R io Grande d o sul, P a raná, Goiás, B rasília e Mato Grosso. Tem a maior rede d e d i stribuição de congelados e refrigerados com pontos de cross d o cking (redução da p e rmanência de mercadorias e m e stoques), dezesseis centros de d i stribuição p róprios e sete terceirizados. O foco de pesquisa e stará voltado p a ra a Gestão de Marketing d a e mpresa P e rdigão, e specificamente sua logística d e marketing e seus processos, j á q ue... é função d a Gestão d e Marketing identificar e desenvolver melhores o fertas a o s seus diferentes mercados (LIMA e MIGUEL; 2006 p.13). P a ra Lima e Miguel ( 2 006), e m u m a mbiente sujeito à mudança, por causa do a vanço tecnológico a gestão de Marketing p recisa estar a tenta, i dentificando a s o p o rtunidades e as ameaças d e mercado e p ropor rapidamente planos d e ação, com intuito de surpreender a concorrência e sustentar u ma b a se sólida de relacionamento com todos os públicos (stakeholders) clientes, fornecedores, intermediários, concorrentes e acionistas. S egundo Cobra (1994, p.6 2 ) u m plano de marketing deve i dentificar a s o p o rtunidades m ais p romissoras no n egócio d a empresa, definindo p rogramas d e a ção para a tingir os objetivos visados. 9

10 Mostra também como p enetrar com sucesso, o b ter e manter as posições desejadas nos mercados identificados. Objetivo s para a obtenção do diagnóstico: Compreender o p rocesso d e g e renciamento do Marketing e seus processos na o rganização, a través d e u ma análise interna, d e sde a elaboração d a s campanhas, l ogística de Marketing e seus resultados. Identificar, a través das pesquisas, os pontos q u e p recisam d e mudanças. P ropor soluções para os problemas. Metodologia Optou-se p o r uma pesquisa q ualitativa d e scritiva, pois de a cordo com Michel (2005, p. 3 3 ), fundamenta-se n a d i scussão d a ligação das situações dos informantes a nalisadas a p a rtir d a significação dos a to s. O método d e scritivo é mais participativo, pois b u sca um entendimento mais p ro fundo do a ssunto a b o rdado a través de interpretações e comparações. Michel (2005, p.3 6 ), a firma que a p e squisa descritiva tem como p ropósito e xtrair do ambiente natural, fatos e fenômenos p a ra serem analisados a l uz d a s influências que o a mbiente e xerce sobre eles. P a ra isso, serão e n trevistados o s dois supervisores de Marketing que atuam na filial da empresa Perdigão de Belo Horizonte. 10

11 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 Diagnóstico Organizacional P a ra o site h ttp://www.p a b l o.prof.ufu.br, o Diagnóstico Organizacional é o p rocedimento q u e p roporciona u ma visão ampla e segura da sua o rganização. E sse procedimento consiste n a coleta de dados e i n formações, de forma técnica e p rofissional, q ue possibilitem a mensuração d o desempenho d a e mpresa sob a ó tica de p rodutividade, apuração d e resultados, controles e qualidade d o s p rodutos e serviços oferecidos ao mercado. O D i a g n ó s t i c o O r g a n i za c i o n a l é, n a m a i o r i a d a s v e ze s, r e a l i za d o a p a r t i r d a A n á l i s e S w o t, o u s e j a, d e u m a a n á l i s e a m b i e n t a l d a e m p r e s a p a r a t r a ç a r c e n á r i o s e d i r e c i o n a d o r e s q u e r e s u l t a r ã o e m u m a m e l h o r p e r c e p ç ã o d a e m p r e s a i n t e r n a e e x t e r n a m e n t e, p o s s i b i l i t a n d o, a s s i m, a ç õ e s m a i s s e g u r a s p a r a a i m p l a n t a ç ã o d e n o v a s e s t r a t é g i a s. ( h t t p : / / w w w. p o t e n c i a l i z e. a d m. b r / n e w s. p h p ). Cavalcanti e Mello ( 1 981), a fi rmam que o Diagnóstico Organizacional tem por o bjetivo indicar pontos fortes e fracos d a empresa frente a o mercado, detectando oportunidades e possíveis a meaças. P o r meio dos resultados apurados com esse p rocedimento, tornando possível traçar metas d e curto, médio e longo p razo. P a ra C a valcanti e Mello (1981), o Diagnóstico Organizacional é realizado a través d e observações do ambiente da empresa, aplicação d e q uestionários, análise d e d o cumentos, mapeamento e e studo do mercado. P a ra que i sso o corra, é fundamental que a 11

12 e mpresa se comprometa a viabilizar o a cesso a o s d a dos e informações relativos à s operações d a e mpresa a o s consultores. Os dados coletados sã o analisados d e forma a mensurar a p rodutividade, a q ualidade, a segurança e o controle de cada u m dos p rocessos u ti l i zados pela empresa. A ssim, a a plicação d o Diagnóstico Organizacional é realizado nas i n stalações d a e mpresa diagnosticada e a s a ções de compilação e análise serão concretizadas na empresa de consultoria. S egundo o site o tencialize.adm.br/news.php, o diagnóstico o rganizacional é a plicado a toda e qualquer empresa p reocupada com a competitividade e com a busca d e a l ternativas seguras para enfrentar o s desafio d o mercado, não havendo u m momento d e finido p a ra a aplicação d e sse p rocedimento, o diagnóstico o rganizacional pode e d e ve ser aplicado e m q ualquer fase d a e mpresa de a cordo com sua necessidade e i n teresse. S u a a p l i c a ç ã o e m e m p r e s a s n o v a s p o d e e v i t a r o c r e s c i m e n t o d e s o r g a n i z a d o, e n q u a n t o e m e m p r e s a s m a i s e x p e r i e n t e s, o D i a g n ó s t i c o O r g a n i za c i o n a l p o d e p r o m o v e r u m n o v o c r e s c i m e n t o g r a d a t i v o d e f o r m a s e g u r a e c o n s c i e n t e. E s t e p r o c e d i m e n t o d e v e s e r r e p e t i d o p e r i o d i c a m e n t e, p a r a q u e n ã o h a j a p r e j u í z o s d e c o r r e n t e s d a f a l t a d e m a n u t e n ç ã o d a s e s t r a t é g i a s i m p l a n t a d a s. ( h t t p : / / w w w. p o t e n c i a l i z e. a d m. b r / n e w s. p h p ) Etapas do Diagnóstico P a ra B l o ck (1991) q u alquer p rojeto d e consultoria que demore dez minutos ou dez meses, passa por cinco fases: 12

13 1 ª Fase: Chamada E n trada e Contrato: R ealiza-se u m contrato com o cliente sobre o p rojeto, n o qual i n clui a realização da p rimeira reunião, investiga a natureza do p roblema, descobre se o consultor é a pessoa certa p a ra se trabalhar com o problema e m questão, e d e fine a s expectativas do cliente e do consultor. 2 ª Fase: Coleta d e Dados e D iagnósticos: E xiste a n e cessidade d o s consultores p roporem seus p róprios pontos d e vista e m relação a o p roblema p reposto, j ulga-se e sta a tividade a mais ú til, porém é necessária a habilidade e m a judar o cliente fazer o mesmo. N esta fase e n volvem a questões como: Quem será e n volvido n a d e finição do problema? Quais se rão os métodos u tilizados? Quais os tipos d e dados deverão ser coletados? Qual o tempo de duração? 3 ª Fase: Feedback e a decisão d e agir: D e vem e xistir relatos e análise d e coleta d e d ados, independente da forma como serão. O consultor sempre se p o siciona c o m a finalidade d e redução d e g rande quantidade d e dados a u m conjunto gerenciáveis de i te n s, ele também tem a opção de envolver o u não o cliente n o p rocesso d e análise d e i n formações. Se o s dados d i zem respeito a a ssuntos que se julgam importantes h á sempre certas resistências a eles, então o consultor p recisa l idar com essa a n tes q u e u ma decisão inadequada possa ser tomada em re lação ao p roblema e influencia na forma de p rosseguir. N e sta fase, muitas p e ssoas a chamam de planejamento, pois n e ste p a sso são estabelecidas a s metas finais para o p rojeto, onde serão escolhidos os melhores passos de ação ou mudança. 13

14 4 ª Fase: E ngajamento e Implementação: O p l anejamento feito no p a sso anterior é colocado e m a ção. A i mplementação pode ser de responsabilidade da o rg anização. O consultor, n o s e sforços mais complexos d e mudanças p ode ser envolvido em maior p rofundidade. E m d e terminados projetos a i mplementação i nicia-se com u m e vento educacional p odendo também haver u ma série d e reuniões para a introdução de a l guma mudança. P ode requerer uma reunião ú nica para fazer com que d i ferentes partes da o rganização a tu e m conjuntamente n a solução d o p roblema. O consultor é responsável pela elaboração e condução da reunião ou da sessão de treinamento. 5 ª Fase: E xtensão, R e ciclagem o u Término: Nesta fase a valia-se o que o correu durante o e ngajamento e a i mplementação. Logo após decide se deve o u n ã o e stender o p rocesso a u m seguimento mais a mplo da o rganização. E m determinadas o casiões, somente a p ó s algum tipo de implementação é e merso algum quadro mais claro d o seu p roblema real. N e sse caso, o processo é reciclado e m u m n o vo contrato, d e vendo ser d iscutido. C a so a i mplementação tenha tido sucesso, ou um fracasso moderado o u a l to, o fim do envolvimento com o p rojeto p o de ser eminente. E xistem várias opções p a ra se a cabar com o relacionamento e término, a lém de legítimo, deve ser considerada p a rte i mportante d a consultoria. C a so seja b e m realizado, pode p ropiciar uma valiosa e xperiência d e a p rendizado para o consultor q u anto p a ra o cliente. P o rém o e vento p rincipal o corre quando se realiza a lgo com impacto que pode ser n o tado p o r várias pessoas da o rganização e e stas passam a ter uma expectativa de mudança ou a p rendizagem, de certa forma os e ventos p reliminares são mais cruciais do q u e o s p rincipais e a compreensão dos eventos preliminares. 14

15 2.1.3 Componentes do Dia gnóstico W ood Júnior e P i carelli Filho (2004) citam como componentes d o diagnóstico e stratégico a visão e valores da e mpresa. C onceitua a visão como clara e permanente demonstração para a comunidade, da natureza e d a e ssência d a e mpresa e m termos de seus p ropósitos, do espaço do negócio e da liderança competitiva. A visão e o s valores da e mpresa servem também p a ra consolidar o slogan comercial e de a tratividade d a e mpresa perante o s clientes, fornecedores, comunidade, Governo e funcionários. N o ta-se que o s valores d a e mpresa p o ssuem forte i n teração com q uestões é ti cas e morais da empresa. A s análises internas e e xternas d a empresa também fazem parte d o s componentes d o diagnóstico organizacional n o qual p o ssuem a lguns componentes: Forças: são a s variáveis i n ternas que p odem ser controladas p ropiciando uma condição favorável a empresas e m relação o seu a mbiente. Fraquezas: são a s variáveis i n ternas e controláveis provocando u ma situação desfavorável para a empresa em relação o seu ambiente. Oportunidades: são as variáveis e xternas e n ã o controláveis pela e mpresa. Fatores que favorecem o crescimento d a organização, desde que a mesma tenha interesse e condições de usufruí-los. 15

16 A meaças: são as variáveis e xternas e n ã o controláveis pela e mpresa que podem criar c ondições d e sfavoráveis para a mesma, ou seja, podem proporcionar prejuízos e perdas quando mal administradas. 3 EMPRES A AN ALISAD A 3.1 Histórico A P e rdigão foi fundada p elas famílias B randalise e Ponzoni, e m 1934, como P o n zoni, B ra ndalise e Cia, no E stado de S anta C a tarina, na R egião S u l, e p e rmaneceu sob a a d ministração d a família B randalise a té setembro de N os a n o s q u a renta, e xpandiram suas o perações l i gadas à e xploração d o comércio e m geral, com ênfase e m produtos a l i mentícios e produtos correlatos, para incluir o p rocessamento d e suínos. N o s anos cinqüenta, i ngressaram no ramo de p r o cessamento de a ves. Nos anos setenta, ampliaram a distribuição de seus p ro dutos p a ra i n cluir mercados de e xportação, iniciando com a Arábia Saudita. De 1980 a 1990, expandiram os seus mercados de e xportação para incluir o Japão, e m , e a Europa, e m Também e mpreenderam u ma série d e aquisições n o negócio d e p rocessamento de a ves e suínos e i n vestiram e m o u tros negócios. (Fonte: p e r d i g a o. c o m. b r ) De a , tiveram p rejuízos substanciais e m razão do aumento d e d e spesas financeiras, b aixo i n vestimento em desenvolvimento d e produtos, capacidade limitada, b e m como divulgação modesta de seus produtos. E m setembro de 1994, tiveram u ma crise d e l iquidez em decorrência d a qual a família B randalise vendeu suas participações n a C ompanhia, que consistia e m 8 0,68% 16

17 das a ções o rdinárias d e sua e missão e 6 5,54% das a ções p referenciais, para oito fundos de pensão: PREVI C aixa de P revidência d o s Funcionários d o B anco do B rasil; Fundação Telebrás d e S e guridade S o cial S ISTEL; P E TROS Fundação P e trobrás de S eguridade Social; Real Grandeza Fundação de A ssistência e P revidência Social; Fundação d e A ssistência e P revidência Social do BNDES FAPES; P R E V I B ANERJ Caixa d e P revidência d o s Funcionários do B A N ERJ; V A L IA Fundação V ale do R io D o ce e TELOS Fundação E mbratel de Seguridade Social. 3.2 Visão Crescer e e xpandir as suas operações de u ma forma g lobalizada, a creditando ser a melhor e scolha, se tornando u ma e mpresa de Classe Mundial. P a ra a Perdigão,... o trabalho hoje, fa z o mundo d e a manhã melhor. ( S i t e d a P e r d i g ã o : h t t p : / / w w w. p e r d i g a o. c o m. b r ) 3.3 Missão P a rticipar da vida das p e ssoas, o ferecendo alimentos saborosos, d e alta qualidade e a preços acessíveis, em qualquer lugar do mundo. 17

18 3.4 Valores S e r confiáveis, é ticos e transparentes. Cumprindo o q ue p rometem construindo relações de respeito com todos o s seus clientes, fornecedores, colegas de trabalho e acionistas. Comprometem-se co m a q u alidade e segurança alimentar, q u e rendo sempre contribuir co m o bem e star de seus consumidores em todo o mundo. Têm paixão pelo trabalho focado em ser uma d a s melhores empresas globais de alimentos, sempre com garra, força e determinação. A creditam na simplicidade e trabalham com i sso, resolvendo tudo sempre de forma rápida e prática. S ão comprometidos e m construir o futuro d a e mpresa baseados n o desenvolvimento e valorização do trabalho de equipe. A P e rdigão tem u m a g e stão que valoriza a e ficiência e o s l u cros, e vitando os desperdícios desnecessários. Além d o s valores citados, a P e rdigão têm u m papel muito importante como agente de desenvolvimento social nas localidades onde atua. 3.5 Principais Produtos/Serviç os A companhia a tu a na p ro dução a p a rtir d o abate de a ves, suínos, e bovinos, n o p rocessamento de produtos i ndustrializados, e laborados e congelados d e carne, além d a fabricação d e l inhas d e massas p rontas, tortas, pizzas, folhados, vegetais congelados e margarinas, chegando a cerca de mais de 400 produtos. 18

19 3.6 Principais Fornecedores A tualmente a P e rdigão mantém u ma rede d e seis mil parceiros integrados p a ra a p rodução d e suínos e a ves, d e senvolvendo u ma série de i niciativas q ue contribuem para a sustentabilidade de seus negócios. A maior parte d a m a téria-prima u ti l i zada pelas empresas d o setor agroindustrial alimentício, p rovém da i n tegração com p rodutores rurais. A P e rdigão S.A. mantém relação bem estreita com pequenos fornecedores agropecuários, através de cooperativas. 3.7 Principais Clientes Os p rincipais clientes supermercadistas a n ível nacional são a s redes Carrefour, W all Ma rt e E xtra. No mercado mineiro, destacamse a s redes B retas, D MA (Epa), A raújo, S alles e S u per Nosso. Já no segmento a tacadista são: Makro (nacional), C E MA (Central Mineira A tacadista), apoio Mineiro e o s demais atacadistas do CEASA-MG. 3.8 Principais Concorrentes Os concorrentes da Perdigão se dividem em dois grandes grupos: a S adia (como principal concorrente) e outras empresas de pequeno ou médio porte como a Pif-Paf, Aurora, Resende, Saudali, Tropeira, S adesa, entre outros. 19

20 S egue abaixo Gráficos comparativos e m percentual d e volume d e vendas retiradas d a r e vista Top Five 2007, dos concorrentes da P e rdigão por produtos estratégicos: G r á f i c o 1. P i z z a p r o n t a C o n g e l a d a Pizza Pronta Congelada Volumes Perdigão Sadia Pif Paf Aurora Romanha Outros 40 F o n t e : R e v i s t a T o p F i v e, G r á f i c o 2. P e r u C o n g e l a d o Peru Congelado Volumes Perdigão Sadia Grupo Dolix Outros F o n t e : R e v i s t a T o p F i v e,

21 G r á f i c o 3. P r e s u n t o Presunto Volumes Perdigão 2 Sadia Pif Paf Seara Aurora Outros 44 F o n t e : R e v i s t a T o p F i v e, G r á f i c o 4. P r a t o s P r o n t o s Pratos Prontos Volumes Perdigão Sadia Pif Paf Seara Cotrel Outros 49 F o n t e : R e v i s t a T o p F i v e,

22 G r á f i c o 5. S a l a m e s E m b a l a d o s Salames Embalados Volumes Perdigão Sadia Aurora Seara Cotrel Outros 40 F o n t e : R e v i s t a T o p F i n e, v 3.9 Qual é o Negócio da Empresa A P e rdigão a tua na área d e p rodutos i n dustrializados a limentícios e no ano passado de 2007, entrou no mercado de lácteos Localizações da Empresa A d ministração central: S ã o P aulo/sp - A venida E scola P olitécnica, 760 C E P : Telefone: (11) Fax: (11) / (011) Central d e serviços p e rdigão: Itajaí/SC - Rua Jorge Tzachel, bairro fazenda - C E P : Telefone: (47) Fax: (47) / (47)

23 4 ANÁLISE DO DESEMPENHO ORG ANIZ ACIONAL 4.1 Faturamento da Empresa nos últimos 12 meses A Perdigão fechou o ano de com u m resultado positivo e stimulado p elo aumento das e xportações, mercado interno, p rodutividade e aumento d a p a rticipação dos p rodutos p rocessados. O faturamento b ruto d e R $ 7,8 bilhões, ou seja, 27,6% superior a O lucro líq u i do cresceu 174%, um total de 321,3 milhões. P e r íodo % V ariação R e ceita Bruta 7.788, ,00 27,6 Mercado Interno 4.589, ,50 25,9 E xportações 3.199, ,40 30 R e ceita Líq u i da 6.633, ,80 27,3 L u cro Bruto 1.873, ,10 39,4 E B IT 503,90 191,40 163,3 R e sultado Líquido 321,30 117, E B ITDA 802,70 455,80 76,1 Investimentos 857,40 636,90 34,6 L u cro por ação R$ 1,73 0,71 144,5 F o n t e : h t t p : / / w w w. p e r d i g a o. c o m. b r 4.2 Pontos de Venda A Perdigão atende as grandes redes que são os nacionais, e o varejo e m geral: p a darias, restaurantes, b a res, l anchonetes, mercearias, pizzaria, pousadas dentre outras. 23

24 4.3 Modelos de Gestão O comprometimento d a e mpresa na b u sca pelos resultados se resume nos aspectos abaixo: A rentabilidade dos investimentos para os acionistas; A s políticas corporativas da Perdigão; O a tendimento à s Legislações e N o rmas a mbientais a p licáveis, p revenindo poluição e impactos ambientais para a sociedade; Cumprimento dos aspectos de segurança e de higiene alimentar para os clientes e consumidores; Os a tendimentos à s L e gislações e Normas d e segurança e medicina d o trabalho a p licavam a ssegurando p a d rões compatíveis, de bem-estar aos funcionários. 4.4 Políticas de Marketing Com a nova campanha, Perdigão É do C o ração d o B rasil e um comercial de TV a trativo, a Perdigão g a nhou o p rêmio d a Empresa de Marketing do A no, eleita p o r l eitores d a R e vista Marketing, com 61% dos votos assinalados no ano de Esta notícia foi destaque no j o rnal interno da Perdigão Jornal da Gente de Janeiro/2008, Ano 2 E dição 14. A l é m do jornal, a e mpresa d i sponibiliza a R e vista P e rdigão, bimestralmente, e é o mais e ficaz meio d e comunicação interna da e mpresa, o nde traz noticias, comunicados, mudanças, aquisições e principalmente informações de Marketing. 24

25 O Marketing da P e rdigão i n veste muito no visual. U m e xemplo d i sso é q u e todos o s caminhões agregados a e mpresa g anharam adesivos com a traentes imagens d e p ratos e d o s p rincipais produtos da linha, com o p ropósito de criar u ma e spécie de outdoor ambulante que p roduz u m i mpacto e chama a tenção do público. ( F o n t e : R e v i s t a P e r d i g ã o, n 6 6 s e t e m b r o / o u t u b r o ). A i n ternet é u m facilitador na comunicação e p rincipalmente p a ra o conhecimento d e ma rcas e l inhas d e p rodutos. No site d a P e rdigão são encontrados toda a e xtensão de linha de produtos ilustrados, informações sobre o s p rodutos, receitas e n tre outras i n formações. Os p rodutos encontrados na ilustração do site da P e rdição são: Turma da Mônica, Toque d e S abor, P e ru, Ouro, L i g th e Fibras, L igth e E l e gant, Industrializados P e rdigão, Frango In Natura, E scolha S audável, Doriana, Cortes Suínos, Na B rasa, Congelados P e rdigão, Chester, Boas Festas, A vis R a ras e A p reciata. A s e xtensões d e marca são: Perdix, Batavo, Eleva, Bovinos e Cotochés. A Perdigão fornece materiais de merchandising q ue a judam na e xposição d o s p rodutos e m pontos e stratégicos para melhor visualização do cliente. A s e ti q u e tas, g ô ndolas, d i splays, folder, catálogos, balcões sã o distribuídos p a ra vendedores, promotores e degustadores. Uma forma de Marketing de relacionamento e de gestão e stratégica de serviços é o S A C -S e rviço d e A tendimento a o C onsumidor que funciona na matriz e m S ão Paulo, o n de são repassados o s a tendimentos p a ra o responsável pelo S AC e m cada filial visando a satisfação d o cliente e consumidor com p razo d e a tendimento de no máximo 3 dias (lied time ). 25

26 4.5 Resultados, Faturamento e Rentabilidade A Perdigão, sempre b u scando novas estratégias de mercado, n o s últimos 10 a nos, vem registrando crescimento médio a nual de 22% e m receitas e 1 3% e m volumes, enfatizando a spectos e conômicos, sociais e a mbientais. A l é m disso, gerou n a última d é cada u m crescimento médio a n ual de 2 0% e m faturamento, 2 8 % e m l ucro l íquido, 1 7% em geração de valor (EBTIDA) e 21,5% p a ra o s investidores e criou, e m média, 2,4 mil e mpregos a o a n o. S egundo dados N ielsien, a P e rdigão encerrou 2006 com market share de 40,7% e m p ratos p ro n tos, 3 6,1% e m congelados; 24,9% e m industrializados d e carnes; 3 8,1% em pizzas congeladas e 14,5% e m lácteos. (Fonte: p e r d i g a o. c o m. b r ) E m 2 007, a s vendas n a cionais totalizaram 7,8 b ilhões de reais, incrementando 2 7,6% se comparado a A tuando na produção e no a bate d e a ves e suínos, focando e m refrigerados e congelados na industrialização de p rodutos d e rivados d e sses a n i mais, n o s setores de massas p rontas (pizzas, lasanhas, tortas, p ratos p rontos, entre outros) e vegetais, contribui com a abertura de novas frentes de a tuação nos segmentos de carne b o vina, margarinas e, mais lácteos da Batavia d i sputando a liderança d o mercado n a cional e m todos o s segmentos. E m 2007 estes p rodutos p ropiciaram crescimento d e 27,3% na receita l íquida, a cumulando 6,6 bilhões de reais. Comparado a , no mercado interno, e m volumes d e vendas d e carnes e l á cteos a receita cresceu 2 5,9%, os p rocessados em 8 4%. ( F o n t e : h t t p : / / w w w. p e r d i g ã o. c o m. b r ) A P e rdigão p retende, n o mercado nacional, crescer e m torno d e 10% ao a no e m capacidade produtiva ( ), e xpandir a p rodução na região centro-oeste, a d equar a s u n idades adquiridas d e Nova 26

27 Mutum e Jataí a o p a d rão de p rodução da P e rdigão, A fim d e manter a s metas d e p rodutividade e qualidade e e stabilidade de produção, concluir a implementação do P rojeto A TP A tendimento Total P e rdigão permitindo a ampliação dos canais de venda, melhor gestão de e stoques e planejamento d o mercado e modernizar a s campanhas de Marketing. Já n o e xterior, o crescimento da receita chegou a 3 0%, com volumes e vendas d e carnes (18,6%) e o u tros processados e m 67,3%. A tualmente a Perdigão realiza negócios com mais de cem países com e scritórios distribuídos n a s seguintes l ocalidades: Cingapura, França, H olanda, Inglaterra, Japão e Rússia, a l é m de u m centro de distribuição na Holanda. Nesta perceptiva de crescimento a P e rdigão, e m a nálise de mercado, mostra u ma p reocupação com a sustentabilidade e rentabilidade da e mpresa, com objetivo de 3 0 n o vos p rodutos, reduzindo custos, e com u m controle d e q ualidade rigoroso, j á q ue, h ouve u m investimento de R$ 8 5 7,7 milhões e m 2 007, distribuídos entre aquisições e novos projetos de linha de produção. 27

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.o 06064/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de 2006 Referência: Ofício n 394/2006/SDE/GAB de 30 de janeiro

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos Marketing em Design 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing Profª Ms. Angela Maria Ramos 4. Planejamento de novos negócios, redução de negócios superados Os planos da empresa para seus negócios

Leia mais

LUCRO DA PERDIGÃO CRESCE 174% EM 2007. Novos negócios respaldaram o bom desempenho operacional da empresa

LUCRO DA PERDIGÃO CRESCE 174% EM 2007. Novos negócios respaldaram o bom desempenho operacional da empresa LUCRO DA PERDIGÃO CRESCE 174% EM 2007 Novos negócios respaldaram o bom desempenho operacional da empresa A Perdigão encerrou 2007 com faturamento bruto de R$ 7,8 bilhões, valor 27,6% superior ao registrado

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

FILOSOFIA EMPRESARIAL

FILOSOFIA EMPRESARIAL FILOSOFIA EMPRESARIAL FILOSOFIA EMPRESARIAL Bebidas S/A Troféu Prata FILOSOFIA EMPRESARIAL MISSÃO SACIAR NATURALMENTE A SEDE DOS GAÚCHOS. Bebidas S/A Troféu Prata FILOSOFIA EMPRESARIAL VISÃO QUEREMOS SER

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Como facilitar sua Gestão Empresarial

Como facilitar sua Gestão Empresarial Divulgação Portal METROCAMP Como facilitar sua Gestão Empresarial Aplique o CANVAS - montando o seu(!) Modelo de Gestão Empresarial de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br Por que empresas precisam de

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Sumário. Introdução... Diagnóstico... Objetivo: 100% de Aprovação... A Conquista...

Sumário. Introdução... Diagnóstico... Objetivo: 100% de Aprovação... A Conquista... Créditos Gilson Ribeiro Gomes Economista Jonatas Costa Monte Alto Administrador de Empresas Felipe Augusto da Silva Mendes - Psicólogo Bruna Albuquerque Graduanda em Administração de Empresas Sumário Introdução...

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

15 anos entregando soluções empresariais que constroem resultados.

15 anos entregando soluções empresariais que constroem resultados. 15 anos entregando soluções empresariais que constroem resultados. Agronegócio brasileiro. Aqui vive um país inteiro! CONSULTORIA EM USINAS SUCROALCOOLEIRAS APORTE - Análise de Potencial de mercado com

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Observação: Aqui não esta sendo exposto a questão da estratégia competitiva e os fatores internos e externos à companhia.

Observação: Aqui não esta sendo exposto a questão da estratégia competitiva e os fatores internos e externos à companhia. Avaliação de Desempenho- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Alinhamento do desempenho humano ao organizacional Veremos agora o alinhamento do desempenho humano ao organizacional. Segundo Souza (2005),

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

TASCHIBRA. Resumo. Sistema de Gestão de Qualidade SGQ na Taschibra: processo de melhoria contínua

TASCHIBRA. Resumo. Sistema de Gestão de Qualidade SGQ na Taschibra: processo de melhoria contínua TASCHIBRA Sistema de Gestão de Qualidade SGQ na Taschibra: processo de melhoria contínua por Ademar do Amaral Jr Mestre em Administração pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (2007); Especialista

Leia mais

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica.

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Além de tornar-se fundamental para a difusão do conhecimento e geração das relações interpessoais, a Internet

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 Senhores Acionistas, A conjuntura política nacional continuou gerando turbulências no mercado, aumentando significativamente o risco do

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Nossa Visão. Ser a melhor empresa de logística da América Latina.

Nossa Visão. Ser a melhor empresa de logística da América Latina. Nossa Visão Ser a melhor empresa de logística da América Latina. Nossos Valores Foco no cliente Gente faz a diferença e vale pelo que faz Integridade e transparência Lucro para valorização crescente Simplicidade

Leia mais

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria Financiamento ao Agronegócio Internacionalização da Agroindústria BRF Visão Geral BRF Principais Key Brands Marcas Dados Financeiros 3 Uma das maiores empresas de alimentos do Brasil e do mundo 7 a maior

Leia mais

1º de outubro de 2007 A métrica de CRM correta para a sua organização MÉTRICAS REQUEREM DISCIPLINA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE CRM BEM-SUCEDIDA

1º de outubro de 2007 A métrica de CRM correta para a sua organização MÉTRICAS REQUEREM DISCIPLINA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE CRM BEM-SUCEDIDA 1º de outubro de 2007 A métrica de CRM correta para a sua organização por William Band com Sharyn C. Leaver e Mary Ann Rogan SUMÁRIO EXECUTIVO A Forrester entrevistou 58 executivos sobre as melhores práticas

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Você é comprometido?

Você é comprometido? Você é comprometido? Não, isso não é uma cantada. O que o seu chefe quer saber é se você veste a camisa da organização. Você adora seu trabalho e desempenha suas funções com eficiência, mas não aposta

Leia mais

PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO

PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO PESQUISA RESPONDENTES 1065 executivos (as) PERÍODO De 02 a 17 (Novembro de 2009) CEOs Diretores UNs Diretores Funcionais QUESTIONÁRIO

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Convênio FIESP/SEBRAE. APL de Jóias de São José do Rio Preto

Convênio FIESP/SEBRAE. APL de Jóias de São José do Rio Preto Convênio FIESP/SEBRAE APL de Jóias de São José do Rio Preto Rio de Janeiro - Outubro, 2004 1 Metodologia FIESP 2 Objetivos: Micros e Pequenas Empresas Aumentar a Competitividade Criar Processos de Auto-Sustentação

Leia mais

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014 NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014 WORKSHOPS CH DATA HORÁRIO INVESTIMENTO CONTEÚDO 1. Razões para prestar um fantástico atendimento. 2. Motivação e empregabilidade. 3. Fidelização do cliente. 4.

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS Objetivo Consolidar os resultados positivos alcançados pelas associações rurais, assistidas pela EMATER e dinamizar as suas ações,

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto 1 Sumário Executivo (O que é o plano de negócios) 2 Agradecimentos 3 Dedicatória 4 Sumário ( tópicos e suas respectivas páginas) 5 Administrativo - Introdução (O que foi feito no módulo administrativo)

Leia mais

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s Av Eng. Luiz Carlos Berrini 1645, 8 andar, 04571-000 Brooklin Novo, São Paulo SP Brazil. Tel: 55 11 5508-3400 Fax: 55 11 5508 3444 W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1ª Edição Fevereiro 2013

CÓDIGO DE ÉTICA 1ª Edição Fevereiro 2013 CÓDIGO DE ÉTICA 1ª Edição Fevereiro 2013 Se surgirem dúvidas sobre a prática dos princípios éticos ou desvios de condutas, não hesite em contatar o seu superior ou o Comitê de Ética. SUMÁRIO O CÓDIGO DE

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br NO CAMPO: UMA FAMÍLIA DE SOLUÇÕES EDUCACIONAIS PARA PRODUTORES RURAIS. TODA MINHA FAMÍLIA VIVE DA PRODUÇÃO RURAL. E MAIS DE CINCO MILHÕES

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Consultoria! O que é e como usar?

Consultoria! O que é e como usar? Consultoria! O que é e como usar? Luciano Terra Afinal, o que é consultoria? Percebe-se que, para muitos, o termo Consultoria, assim como Marketing, Rightsizing, Merchandising, Downsizing e tantos outros,

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Contexto Operacional. Operação. Receita Líquida. 12,9 bilhões. Composição da Receita Consolidada (%)

Contexto Operacional. Operação. Receita Líquida. 12,9 bilhões. Composição da Receita Consolidada (%) 103 Contexto Operacional A seguir seguem os comentários sobre o desempenho da S.A. referentes ao exercício de 2014. Com intuito de proporcionar a visibilidade anual dos resultados, tais comentários são

Leia mais

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os valores éticos como base da ação. Aidentidade de nosso Grupo assenta-se historicamente num conjunto de valores que foram ao longo dos anos visados e tutelados

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Uma boa gestão de estoques comprova sua importância independente do segmento em questão. Seja ele comércio, indústria ou serviços, o profissional que gerencia

Leia mais

Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1

Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1 Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1 Fabiane Silveira GOMES 2 Claudia Nociolini REBECHI 3 Universidade Metodista de São Paulo - UMESP, São Paulo, SP RESUMO Em posse de dados cruciais

Leia mais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Nicola Minervini Santa Catarina, 02-05/12/2014 Sumario Desafios da empresa Ferramentas para a competitividade O porque das alianças Formas de alianças

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 Relatório de Sustentabilidade 2014 Sumário Executivo Março de 2015 A Brasil Kirin Jovem, mas cheia de história A Brasil Kirin faz parte de um dos maiores grupos de bebidas do mundo, a japonesa Kirin Holdings

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 Relatório de Sustentabilidade 2014 Sumário Executivo Março de 2015 BrKirin_RAS2014_Compacta.indd 1 02/06/15 13:03 A Brasil Kirin Jovem, mas cheia de história A Brasil Kirin faz parte de um dos maiores

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Como Selecionar Projetos Seis Sigma

Como Selecionar Projetos Seis Sigma Como Selecionar Projetos Seis Sigma Cristina Werkema Etapas do processo de seleção A definição dos projetos a serem desenvolvidos pelos Black Belts e Green Belts é uma das atividades mais importantes do

Leia mais

DATA:07/05/2015 AUDITÓRIO: TEMÁTICO TEMA:PLANEJAMENTO COMERCIAL MAIS QUE UMA FERRAMENTA, UM DIFERENCIAL COMPETITIVO. PALESTRANTE:ALEX COSME RIBEIRO

DATA:07/05/2015 AUDITÓRIO: TEMÁTICO TEMA:PLANEJAMENTO COMERCIAL MAIS QUE UMA FERRAMENTA, UM DIFERENCIAL COMPETITIVO. PALESTRANTE:ALEX COSME RIBEIRO DATA:07/05/2015 AUDITÓRIO: TEMÁTICO TEMA:PLANEJAMENTO COMERCIAL MAIS QUE UMA FERRAMENTA, UM DIFERENCIAL COMPETITIVO. PALESTRANTE:ALEX COSME RIBEIRO DOS SANTOS A PALAVRA É P R O D U T I V I D A D E expressão

Leia mais