PLANEJAMENTO DE MARKETING DE RELACIONAMENTO EM UMA EMPRESA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DO SUL DE SANTA CATARINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO DE MARKETING DE RELACIONAMENTO EM UMA EMPRESA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DO SUL DE SANTA CATARINA"

Transcrição

1 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro de PLANEJAMENTO DE MARKETING DE RELACIONAMENTO EM UMA EMPRESA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DO SUL DE SANTA CATARINA Leandro Lachini Nascimento (UNISUL) Luciano Costa Santos (UFGD) Cláudia Fabiana Gohr (UFGD) Este artigo retoma o tema do marketing de relacionamento como uma estratégia viável e lucrativa para as organizações modernas. Para isso, o presente trabalho relata a elaboração de um plano de marketing destinado à implantação de estratégiaas de relacionamento em uma empresa de transporte rodoviário de cargas do sul de Santa Catarina que vinha enfrentando dificuldades para a retenção de sua base de clientes atuais. O processo de análise e formulação de estratégias foi conduzido por meio da interação entre os gerentes da empresa e os autores do trabalho, envolvidos em um projeto conjunto que seguiu a abordagem metodológica da pesquisa-ação. Os resultados observados ao longo do processo de elaboração do trabalho permitiram concluir que as estratégias de relacionamento podem ser incluídas naturalmente na atividade de planejamento de marketing de empresas com características similares às da organização aqui estudada. No entanto, é importante que seja dada uma ênfase especial na fase analítica do processo de planejamento, de forma que os resultados do diagnóstico possam sinalizar com clareza quais estratégias de relacionamento são mais viáveis. Palavras-chaves: Marketing de Relacionamento. Estratégias de Marketing. Planejamento.

2 1. Introdução A filosofia do marketing de relacionamento aos poucos vem ganhando força nas empresas modernas, à medida que se constata que a retenção de clientes atuais é mais lucrativa que a aquisição de novos clientes. Mesmo que essa constatação pareça óbvia, muito pouco tem sido observado nas empresas brasileiras em termos de estratégias efetivas de retenção de clientes. Alguns esforços isolados têm apenas provocado melhorias residuais, gerando resultados pouco significativos nas organizações. Um dos prováveis motivos para essa situação é a falta de uma estruturação clara das estratégias de relacionamento como parte da atividade de planejamento de marketing nas empresas. A implantação de estratégias de marketing de relacionamento dificilmente terá êxito quando feita por meio de ações isoladas, que não garantem a sustentabilidade dessas estratégias ao longo do tempo. De fato, o marketing de relacionamento deve estar vinculado à estratégia empresarial, sendo que, para isso, duas alternativas podem ser viáveis: incorporar as estratégias de relacionamento aos planos de marketing tradicionais ou traçar um plano específico de marketing de relacionamento. Este artigo adota a perspectiva das empresas que já possuem o objetivo pré-definido de implantar estratégias de marketing de relacionamento e que necessitam de um plano para guiar a implantação dessas estratégias. Este foi o caso de uma empresa de transporte rodoviário de cargas, localizada ao sul do estado de Santa Catarina, objeto de estudo deste trabalho. Embora a empresa tivesse uma posição de destaque em seu setor de atuação, ela enfrentava dificuldades em relação à retenção de sua base de clientes atuais. Por esse motivo, os gerentes da empresa consideraram oportuna a participação em um projeto que pudesse auxiliá-los na implementação de estratégias de relacionamento, apoiados pela constatação de que o investimento no marketing de relacionamento business-to-business traz retorno financeiro para o negócio (PALMATIER; GOPALAKRISHNA; HOUSTON, 2006). Assim, os gerentes da empresa e os autores do trabalho se envolveram em um projeto conjunto para análise e formulação de estratégias de marketing de relacionamento, conduzido segundo a abordagem metodológica da pesquisa-ação. O desenvolvimento deste trabalho acontece em três etapas principais. Em um primeiro momento, o artigo aborda o conceito de marketing de relacionamento e sua importância, bem como os aspectos relacionados com a implantação dessa estratégia por meio do plano de marketing. Em seguida, são apresentados os procedimentos metodológicos que guiaram a pesquisa de campo, introduzindo o modelo proposto para a elaboração de um plano de marketing destinado à implantação de estratégias de relacionamento. Na terceira parte do artigo são descritos os principais resultados do desenvolvimento de um plano de marketing de relacionamento na empresa que é o objeto de análise deste trabalho. 2. Marketing de relacionamento: conceito, importância e implantação Um dos conceitos centrais do Marketing é a troca ou transação (KOTLER; KELLER, 2005). Entretanto, muitas empresas seguem esse conceito de forma isolada e direcionam equivocadamente seus esforços de marketing para uma única transação, negligenciando o potencial de transações futuras com o cliente. O que tais empresas não se dão conta é que o conceito de transação está inserido dentro de outro conceito central mais amplo: relacionamento. À medida que as empresas buscam aumentar o número de transações com um mesmo cliente ao longo do tempo, elas estão visando a um relacionamento de longo prazo. O 2

3 marketing orientado para o relacionamento implica relações duradouras que geram benefício mútuo para as partes envolvidas. No marketing orientado para a transação essas premissas nem sempre são verdadeiras. Alguns autores chegam a afirmar que a abordagem do relacionamento representa uma mudança de paradigma em Marketing (GUMMESSON, 1999, GRÖNROOS, 1997). Mesmo com todo o exagero aparente dessa afirmação, o fato é que nas empresas mais avançadas o marketing de transação aos poucos vem sendo substituído pelo marketing de relacionamento. É evidente que as ferramentas tradicionais de marketing continuam sendo válidas, como por exemplo, o marketing mix/4p s (produto, preço, promoção e praça), a pesquisa de marketing e a segmentação de mercado. O que muda para as empresas, entretanto, são o foco estratégico e o objetivo da aplicação das ferramentas de marketing. O foco tradicional da gestão de marketing nas empresas sempre foi atrair e conquistar clientes. Dentro dessa visão, o objetivo principal do marketing era transformar contatos com clientes potenciais em transações (vendas). A abordagem orientada para o relacionamento amplia a forma tradicional que o marketing vinha sendo praticado pelas empresas, que passam a visar a um possível relacionamento (e não somente uma transação) a partir do contato inicial com o cliente. Além de atrair e conquistar, o marketing de relacionamento ressalta a importância de manter e reter o cliente (figura 1). Escopo do Marketing Abordagem Orientada para o Relacionamento ATRAÇÃO AQUISIÇÃO MANUTENÇÃO RETENÇÃO Cliente Potencial Cliente Novo Cliente Freqüente Cliente Fiel Interesse Inicial Compra Repetida Criação de Vínculos Figura 1 O marketing na perspectiva do relacionamento com o cliente. Fonte: Elaborado pelos autores. Quando o marketing é visto na perspectiva do relacionamento com o cliente, seu objetivo principal passa a ser a transformação de um cliente potencial em um cliente fiel. No estágio inicial do marketing na perspectiva do relacionamento, a preocupação principal é atrair o cliente potencial, de forma a despertar nele um interesse inicial na proposta de valor da empresa. Depois que um cliente potencial é conquistado (aquisição), ele pode ser considerado um cliente novo. A partir do momento que um cliente novo começa a repetir a compra, ele passa a ser considerado um cliente freqüente, podendo-se afirmar que a empresa mantém esse cliente. O último estágio acontece quando a empresa utiliza estratégias de retenção para criar vínculos com o cliente, transformando um cliente freqüente em um cliente fiel. O foco do marketing de relacionamento é voltado para os clientes que a empresa já possui. Obviamente, isso não seria possível sem um trabalho anterior de atração de clientes potenciais, gerando novos clientes. Entretanto, observa-se atualmente que muitas empresas investem mais recursos no trabalho de captação de clientes do que no trabalho de manutenção e retenção de clientes atuais (PECK et al., 1999). De acordo com Reichheld (1994), a lucratividade de uma empresa é, em sua maior parte, gerada pelos clientes atuais, o que 3

4 reforça ainda mais a abordagem do relacionamento. Mesmo que no curto prazo pareça mais vantajoso captar o maior número possível de clientes, numa perspectiva de longo prazo, a melhor alternativa é investir em relacionamentos. Por isso, o objetivo principal do marketing de relacionamento é a retenção de clientes. Mas como implementar o marketing de relacionamento nas empresas? Devido à proliferação dos sistemas informatizados de CRM (Customer Relationship Management), a adoção do marketing de relacionamento corre o risco de ser vista, equivocadamente, como uma mera questão de investimento em tecnologia de informação. No entanto, a própria literatura da área demonstra que a adoção do CRM envolve a completa vinculação desse modelo de gestão com a estratégia empresarial (PAYNE; FROW, 2005). Tradicionalmente, o vínculo entre as estratégias de marketing e as estratégias da organização é feito pelo plano de marketing. O plano de marketing é um componente do processo de planejamento estratégico de uma empresa, que dá suporte à estratégia empresarial e traduz de forma detalhada as ações de marketing que a empresa deve adotar a fim de alcançar seus objetivos estratégicos (WESTWOOD, 2007, FERRELL et al., 2000). Seguindo esta lógica, o plano de marketing pode funcionar como um instrumento para a implantação de estratégias de marketing de relacionamento. As estratégias de marketing de relacionamento normalmente são enquadradas dentro do que vem sendo denominado de programas de fidelidade (SHOEMAKER; LEWIS, 1999, DOWLING; UNCLES, 1997). As diferentes abordagens dos programas de fidelidade foram agrupadas por Bretzke (2009), no que a autora denominou de modelos de relacionamento, apresentados a seguir: Modelo de recompensas. Busca estimular a repetição da compra por meio de incentivos (monetários ou não), bônus e prêmios. Os programas de milhagem das companhias aéreas se enquadram nesse modelo. Modelo educacional. Tem o objetivo de manter a comunicação com o cliente por meio de materiais informativos e outras formas de comunicação, que podem ser enviados periodicamente ou mediante a solicitação do cliente. Esse modelo também pode ter a função de educar o cliente para a utilização do serviço prestado pela empresa. Modelo contratual. É representado pelo clube de clientes, no qual eles pagam uma taxa de filiação que os permite usufruir benefícios exclusivos para membros. Esse modelo procura equiparar o relacionamento com o cliente ao tipo de relacionamento existente nos bancos e seguradoras, por exemplo. Modelo de afinidade. Procura agrupar clientes que têm interesses comuns, gerando os clubes de afinidade. Ao contrário do modelo contratual, o clube de afinidade não é necessariamente estabelecido mediante o pagamento de taxa pelos membros. O que une os membros de um clube de afinidade é o interesse comum, permitindo que a empresa possa formular uma proposta de valor específica para o clube. Modelo do serviço adicional. Consiste em agregar bens ou serviços suplementares ao produto principal, como por exemplo, a instalação gratuita na compra de um computador. Esse modelo pode ser utilizado tanto como uma estratégia de retenção (somente para clientes atuais) quanto como uma estratégia de aquisição (promoção de vendas). Modelo de aliança. É adotado por duas ou mais empresas diferentes que formam uma aliança com o objetivo de prestar serviços para clientes em comum. Os serviços prestados podem ser complementares, como no caso das alianças dos hotéis com as companhias aéreas. 4

5 É importante que a empresa analise cautelosamente os diferentes modelos, a fim de identificar os que mais se adéquam ao seu negócio específico. Porém, antes de decidir qual (ou quais) estratégia(s) adotar, é conveniente observar quatro diretrizes básicas que podem maximizar as chances de sucesso de um programa de retenção (DOWLING; UNCLES, 1997): O programa deve intensificar a proposta de valor da empresa. É necessário fazer um levantamento completo dos custos. O programa deve motivar o cliente a fazer a próxima compra. Situações específicas de mercado devem ser consideradas. Cabe aqui fazer observações adicionais em relação às diretrizes apresentadas acima. A primeira diretriz refere-se a alguns programas de fidelidade que oferecem benefícios que não têm relação nenhuma com o produto principal, não garantindo a fidelidade à empresa, mas somente ao programa. A segunda diz respeito a situações em que uma empresa pode comprometer sua lucratividade em programas de fidelidade ineficazes ou pode não ter condições de manter os benefícios prometidos. A terceira refere-se ao caso dos programas que são mal planejados, muitas vezes sem uma seleção adequada dos clientes-alvo. E por último, além de examinar a adequação da empresa aos diferentes modelos, é necessário analisar as características do mercado em que a empresa está inserida. 3. Procedimentos metodológicos A base conceitual apresentada na seção anterior forneceu as diretrizes necessárias para a construção de um modelo para a elaboração do plano de marketing de relacionamento na empresa analisada: uma transportadora de cargas do sul do estado de Santa Catarina. Pelo fato de o trabalho realizado envolver questões estratégicas, optou-se por não divulgar o nome da empresa, omitindo todos os dados que pudessem identificar a organização. A estrutura do modelo proposto (figura 2) não difere conceitualmente da estrutura usual de um plano de marketing tradicional, que normalmente inclui procedimentos de diagnóstico e formulação de estratégias de marketing. A diferença básica reside na definição das estratégias de marketing, que neste caso, são focadas no marketing de relacionamento, uma vez que este era o objetivo da empresa. Por esse motivo é que o modelo não inclui uma etapa específica para a definição dos objetivos de marketing, pois a equipe de implantação já havia definido o objetivo estratégico de implantar estratégias de marketing de relacionamento, delineado no processo de planejamento anterior à execução deste trabalho. Assim, as estratégias de marketing deveriam ser formuladas como meios para alcançar este objetivo. 5

6 FORMULAÇÃO ANÁLISE Análise do Ambiente Interno Análise do Negócio Análise do Ambiente Externo Análise Setorial Análise do Composto Mercadológico Análise dos Concorrentes Análise dos Clientes Análise SWOT Definição de Estratégias de Marketing de Relacionamento Elaboração de Planos de Ação Figura 2 Modelo proposto para o plano de marketing de relacionamento. Fonte: Elaborado pelos autores. Do ponto de vista do desenvolvimento do plano de marketing na empresa, o trabalho seguiu a abordagem da pesquisa-ação, um método de pesquisa em que o pesquisador intervém na realidade organizacional e envolve o objeto pesquisado para o alcance dos objetivos da pesquisa (EDEN; HUXHAM, 1996). Nesse sentido, o modelo proposto serviu como um roteiro para coleta e análise de dados, que envolveu a participação dos gerentes da empresa e foi facilitado pelos autores deste trabalho. Para realizar a aplicação das etapas do modelo proposto, a pesquisa utilizou uma análise documental dos dados disponíveis na empresa, de forma a avaliar a carteira de clientes atuais e o composto mercadológico da organização. Também foram analisados alguns documentos externos à empresa, para entender a real situação do setor de transportes rodoviários e a posição relativa da empresa em relação à concorrência. Além da aplicação direta dos métodos de pesquisa-ação, a coleta de dados primários também se beneficiou com a aplicação de um questionário estruturado com questões fechadas, utilizado para avaliar as expectativas dos clientes atuais e suas propensões a aceitar diferentes estratégias de relacionamento. Esse questionário foi distribuído para 60 clientes dentre o grupo dos 100 maiores compradores, registrados no banco de dados empresa. 4. O caso de uma empresa de transporte rodoviário de cargas do sul de Santa Catarina A empresa objeto de estudo é uma transportadora de cargas criada há treze anos no sul do estado de Santa Catarina. Realizando transportes de cargas fechadas e fracionadas, a empresa tem sido muito bem sucedida em sua área de atuação, experimentado um crescimento constante desde a sua criação. Entretanto, a empresa tem observado uma volatilidade crescente de sua base de clientes, embora ainda seja líder de mercado. Mesmo que sua carteira de clientes tenha aumentado, o volume de negócios com clientes antigos tem diminuído continuamente. Isso despertou a 6

7 necessidade de fidelização dos clientes atuais, oportunizada pela elaboração de um plano de marketing de relacionamento. Nas próximas subseções é apresentada uma síntese da elaboração do plano, dividida nas etapas do modelo proposto na seção anterior. Ressalta-se que algumas informações financeiras e estratégicas tiveram que ser omitidas para viabilizar a publicação deste artigo Análise do negócio Desde a sua criação, a empresa se especializou no transporte de matérias-primas, revestimentos e máquinas industriais do setor de cerâmica, aproveitando a vocação industrial da região sul de Santa Catarina. Inicialmente, os esforços estavam concentrados no segmento de cargas fechadas, atendendo todo o território nacional. Posteriormente, a empresa alavancou seus negócios com o transporte de cargas fracionadas. Mantendo seu foco de atuação, a empresa costuma adotar ações inovadoras de marketing, como por exemplo, a utilização da internet para a disponibilização dos serviços via rede (sendo a primeira de sua região a implantar este serviço). De um modo geral, a empresa utiliza uma combinação de estratégias ofensivas e oportunistas. Ofensivas porque o objetivo é expandir seu market share e manter sua liderança no mercado, sempre implantando serviços inovadores antes da concorrência. Oportunistas pela habilidade da empresa em explorar nichos criados com as mudanças do mercado. Ao longo dos anos, a empresa obteve um amplo reconhecimento no mercado, conquistando vários prêmios de associações comerciais, grupos de clientes e entidades sem fins lucrativos. Considerando a credibilidade conquistada, a empresa não tem muitas dificuldades para a captação de novos clientes. Porém, como o negócio de transporte de cargas é caracterizado por parcerias business-to-business, a redução do volume de serviços prestados para clientes antigos é um fator preocupante, pois ameaça a liderança da empresa Análise do composto mercadológico Para a descrição do composto mercadológico da empresa, foi utilizado o clássico modelo dos 4P s (produto, preço, promoção e praça), introduzido na literatura por McCarthy (1982). A análise do composto mercadológico é uma atividade fundamental para traçar novas estratégias de relacionamento, uma vez que estas implicam em possíveis alterações do mix marketing. O composto mercadológico da empresa analisada é apresentado a seguir: Produto. Além dos serviços prestados por uma transportadora tradicional, a empresa oferece facilidades que aumentam a atratividade dos serviços convencionais. Dentre essas facilidades, destacam-se os serviços expressos, com prazo de 24 horas para entrega, e os serviços de rastreabilidade, informando emissores e destinatários sobre a situação das mercadorias transportadas. Preço. A empresa pratica preços de mercado, em grande parte das vezes, estipulados por tabelas padronizadas para o setor. Eventualmente, a empresa negocia fretes em função da faixa de peso a ser transportada. Contudo, a empresa não adota nenhuma estratégia agressiva de descontos, uma vez que ocupa a posição de líder de mercado. Praça. Além das instalações localizadas na sede, a empresa conta com quinze filiais, das quais, treze prestam o serviço de cargas fechadas e fracionadas e duas prestam somente o serviço de cargas fechadas. Embora as filiais estejam localizadas predominantemente nos estados da região sul, a empresa realiza entregas de cargas fechadas para todas as regiões do país, restringindo as entregas de cargas fracionadas para as regiões sul e sudeste. 7

8 Promoção. Dentre as principais mídias para publicidade que a empresa utiliza, estão a televisão, os jornais de circulação regional, as revistas especializadas no setor cerâmico, além do rádio. A empresa também utiliza folders e catálogos promocionais, distribuídos através de mala direta para seus clientes. Além das ferramentas de divulgação, a empresa participa regularmente e promove eventos sociais na região Análise setorial Para a análise setorial, foram coletados dados por meio da técnica de clipagem de notícias publicadas na mídia de massa e em veículos especializados. Além disso, foram utilizados documentos técnicos de entidades ligadas ao setor de transporte rodoviário de cargas. Essa análise foi feita em dois níveis: pela análise de tendências do ambiente externo que afetam o setor de transportes de forma sistêmica, e por meio da análise das cinco forças competitivas de Porter (1991). Na análise de tendências setoriais, foi possível verificar um conjunto de forças que podem influenciar fortemente no setor de transportes. Dentre as principais tendências relevantes, foram identificadas: a privatização das estradas, a utilização da tecnologia da informação para fiscalização de cargas e a implantação de programas ambientais para a redução de emissões de dióxido de carbono por parte dos veículos de transportadoras. A concretização das tendências identificadas pode alterar substancialmente a estrutura de custos do setor, criando cenários desfavoráveis que alertam para a necessidade urgente de um planejamento para que a empresa possa se antecipar às mudanças previstas. De acordo com o segundo nível de análise, os resultados da avaliação das cinco forças competitivas são sintetizados abaixo: Rivalidade entre os concorrentes existentes. Verificou-se a existência de uma concorrência acirrada no setor, em função do grande número de empresas e transportadores autônomos (caminhoneiros). De fato, a rivalidade entre os concorrentes foi considerada a força de maior impacto dentre as cinco analisadas, pois exerce uma forte influência na determinação da lucratividade da empresa. Poder de negociação dos fornecedores. O fornecimento de insumos e serviços necessários para o setor de transportes de cargas está diluído em uma grande quantidade de empresas fornecedoras, com pouca diferenciação entre elas e pouca possibilidade de estabelecer vínculos comerciais. Portanto, o poder de negociação dos fornecedores foi considerado como uma força de baixa intensidade na análise realizada. Poder de negociação dos clientes. Por se tratar de um setor em que o serviço vendido pela transportadora representava grandes custos para o cliente, existe uma pressão por parte dos compradores por preços menores, o que beneficia as empresas que praticam esse tipo de estratégia. Por outro lado, os serviços oferecidos ao cliente não são padronizados, distinguindo-se muito na qualidade, agilidade e comprometimento no serviço (itens muito valorizados pelos compradores), o que beneficia as empresas que vendem serviço. No caso da empresa analisada, as principais ameaças vêm dos clientes de grande porte, que exercem intensamente seu poder de barganha, uma vez que eles têm consciência de que representam uma parcela significativa da receita da transportadora. Ameaça de novos entrantes. Incluindo os transportadores autônomos na análise, pode-se considerar que é relativamente fácil entrar no setor. Porém, para empresas do porte da transportadora em estudo, os principais entrantes potenciais do setor de transporte rodoviário de cargas em Santa Catarina são as grandes transportadoras nacionais, que de 8

9 fato possuem capacidade para ameaçar as empresas estabelecidas no Estado. Embora não existam barreiras de entrada impostas por regulamentações governamentais, as características do setor de transporte de cargas demonstram uma grande oportunidade para a construção de relacionamentos fiéis, inibindo a entrada de novos concorrentes em conseqüência da diminuição da fatia de mercado a ser explorada. Ameaça de serviços substitutos. Verificou-se no setor uma baixa quantidade de serviços substitutos, podendo-se destacar os correios, como um substituto ao serviço de cargas fracionadas. Apesar disso, essa força não representa uma ameaça significativa Análise dos concorrentes A avaliação da rivalidade entre os concorrentes feita na análise setorial tratou a concorrência de uma forma agregada, tendo como foco os impactos no setor. Para a elaboração de um plano de marketing é necessário detalhar mais essa análise, como uma forma de identificar potenciais estratégias de posicionamento em relação aos concorrentes diretos. Para realizar essa tarefa, foram selecionadas quatro empresas para a pesquisa (denominadas como Concorrente A, Concorrente B, Concorrente C e Concorrente D, por questões de sigilo). A coleta de dados para essa análise ocorreu por meio de pesquisas nas home-pages de cada um dos concorrentes diretos e também por meio de entrevistas com alguns funcionários da área comercial da empresa, que estão em contato direto com o mercado e buscam continuamente informações dos concorrentes. De modo a guiar a análise, foram identificados pontos fortes e pontos fracos dos concorrentes selecionados. Ao final, todos os pontos fortes e pontos fracos identificados foram distribuídos em um quadro, formando uma espécie de matriz de comparação (quadro 1). Foi possível verificar que os principais concorrentes estão praticando estratégias similares, tais como: especialização em um nicho de mercado, obtenção de certificações, disponibilização de rastreamento via satélite e utilização de propaganda na televisão. Algumas dessas estratégias já foram realizadas anteriormente pela empresa que é o objeto de estudo deste artigo, demonstrando a clássica relação líder/seguidor nas estratégias praticadas pela concorrência. Essa relação gera uma tendência de padronização dos serviços oferecidos no mercado e tem impelido a empresa líder a buscar novas estratégias de diferenciação. CONCORRENTES PONTOS FORTES A B C D Grande abrangência de praças de atuação X Veículos rastreados via satélite X X X Implantação de projetos ambientais X X Empresa antiga, com relacionamentos bem estabelecidos X Certificação SASSMAQ, exigida pela indústria química X X Diferencial de agilidade no processo de coleta e entrega X Frota de veículos nova X X PONTOS FRACOS A B C D Pequena abrangência de praças de atuação X Dificuldade no fornecimento de informações para o cliente X Falta de padronização dos serviços X X X X Não realizam serviços de transporte 24 horas X X X X Falta da certificação SASSMAQ X X Terceirização da maior parte do serviço de transporte X X Frota de veículos antiga X 9

10 Quadro 1 Comparação entre os principais concorrentes. Fonte: Elaborado pelos autores Análise dos clientes A empresa conta atualmente com aproximadamente clientes em sua carteira, sendo que cerca de são considerados clientes ativos. Essa grande carteira de clientes representa uma diferença radical do início das atividades da empresa (há treze anos), quando era fornecedora exclusiva de um grande fabricante de revestimentos cerâmicos. Atualmente, esse cliente corresponde somente a 8% do faturamento da empresa, embora ainda seja o principal comprador em termos de geração de receitas e de volume de transporte. Mesmo que a pulverização das fontes de receita da empresa contribua para diminuição do risco associado à dependência de poucos clientes, ela dificulta a implantação de estratégias de relacionamento, uma vez que a empresa passa a dispor de menos tempo para se dedicar às necessidades específicas de cada cliente. Porém, com base em informações financeiras referentes aos últimos quatro anos, pôde-se constatar que os 100 maiores clientes (dentre uma carteira de clientes ativos) são responsáveis por aproximadamente 50% do faturamento da empresa. Essa constatação tende a facilitar a categorização dos clientes para os quais as estratégias de relacionamento podem ser direcionadas. A análise financeira permitiu elaborar rankings de clientes ativos para os últimos quatro anos, de forma a acompanhar a evolução particularizada da carteira de clientes. Essa análise foi essencial para os propósitos do plano de marketing de relacionamento, pois a definição de estratégias de relacionamento pressupõe que a empresa tenha informações individualizadas para cada cliente (marketing um-a-um). Para complementar essa avaliação, foram coletados dados referentes ao volume de transporte dos diferentes clientes, discriminados por faixas de peso. A análise de informações dos clientes também se baseou em dados primários, obtidos por meio da aplicação de um questionário distribuído para 60 clientes dentre o grupo dos 100 maiores. O questionário era composto por questões que pediam para o cliente estabelecer prioridades, numerando as diferentes opções. As questões eram referentes a três temas principais: vantagens oferecidas pela empresa (serviços adicionais implantados ou em fase de implantação), serviços adicionais que caracterizavam estratégias de relacionamento e fatores que o cliente mais valoriza em uma transportadora. Dos 60 questionários enviados, foram obtidas 33 respostas aproveitáveis. Embora seja um número relativamente baixo, as respostas foram uniformes, o que permitiu aceitar os resultados para uma generalização das opiniões dos principais clientes. Com base nos resultados obtidos, já foi possível vislumbrar potenciais estratégias de relacionamento que iriam de encontro com as necessidades dos clientes e teriam uma grande probabilidade de adesão Análise SWOT As análises do ambiente interno e do ambiente externo foram sintetizadas por meio da tradicional análise SWOT (strengths, weaknesses, opportunities, threats), que se propõe a conciliar os pontos fortes e fracos da organização com as oportunidades e ameaças do ambiente externo. Para isso, os pontos fortes e fracos foram levantados na empresa, enquanto as oportunidades e ameaças foram extraídas das análises realizadas anteriormente. Os resultados da análise SWOT foram reunidos no quadro 2, apresentado a seguir. PONTOS FORTES PONTOS FRACOS 10

11 Instalações amplas e de capital próprio na sede da empresa. Utilização ampla da tecnologia da informação, incluindo relacionamento via web. Inovação nas estratégias promocionais de publicidade Serviços de entrega expressa (24 horas). Veículos rastreados via satélite. Obtenção de certificações que permitem explorar novos mercados. OPORTUNIDADES Finalização da duplicação da BR 101 (trecho do sul do estado de Santa Catarina). Alto potencial para o estabelecimento de parcerias. Implantação da tecnologia de conhecimento eletrônico. Recuperação do agronegócio, puxado pela demanda de cana-de-açúcar. Poucos produtos substitutos no mercado. Baixo poder de barganha dos fornecedores. Ausência de treinamento de funcionários. Veículos de coleta e entrega com tecnologia ultrapassada. Serviços terceirizados de coleta e entrega. Ausência de uma área de planejamento na empresa. AMEAÇAS Concorrência acirrada, dificultando o reajuste de preços. Ingresso de novos entrantes (grandes transportadoras nacionais). Início da cobrança de pedágios nas estradas do estado de Santa Catarina. Criação de um programa ambiental que visa reduzir a emissão de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera, o que alteraria as regras e a estrutura de custos do setor. Alto poder de barganha dos clientes de grande porte. Quadro 2 Síntese da análise SWOT. Fonte: Elaborado pelos autores. Com a discussão dos resultados da análise SWOT, a equipe de planejamento já tinha condições suficientes para o delineamento de estratégias de marketing de relacionamento, complementando assim, as ações de marketing que estavam sendo implantadas Definição de estratégias de marketing de relacionamento As etapas descritas até o momento não diferem das etapas convencionais de um plano de marketing tradicional. A diferença principal do plano descrito neste artigo está no direcionamento da análise realizada, pois foi necessário buscar evidências que demonstravam a viabilidade ou não para a implantação de estratégias de relacionamento. Como os resultados da fase analítica do plano demonstraram um grande potencial para o estabelecimento da filosofia do marketing de relacionamento na empresa, foi possível prosseguir para a fase seguinte e formular um conjunto coeso de estratégias de relacionamento. As estratégias de relacionamento a serem implementadas na empresa foram desenvolvidas com base nos modelos de relacionamento propostos por Bretzke (2009), apresentados no referencial teórico deste artigo. Dentre as estratégias de relacionamento que foram definidas, é possível destacar as seguintes: Criar o sistema de Coleta Inteligente. Trata-se de um procedimento em que o próprio cliente faz a programação mensal de coleta de suas mercadorias, a fim de conferir uma maior agilidade ao processo. Bastará o cliente determinar o dia e a hora, para que seja efetuada a coleta. Esse serviço tende a contribuir para a diminuição de problemas ocorridos na coleta, como indisponibilidade de caminhão, por exemplo. A indisponibilidade de caminhão faz com que o cliente seja induzido a migrar para outro fornecedor. A partir do momento que o próprio cliente programa a sua coleta com antecedência, ele passa a se comprometer mais e tende a aumentar seu vínculo com a empresa. Criar o serviço Truckdoor. Inserida no modelo do serviço adicional, esta estratégia consiste em colocar um outdoor no baú do caminhão para divulgação da marca e dos produtos do cliente. A idéia é oferecer um canal promocional alternativo para os clientes maiores e mais fiéis. Criar o Programa de Toneladas. Procura recompensar clientes fiéis por meio de prêmios, bônus, incentivos. Inspirado nos programas de milhagens, promovidos pelas companhias 11

12 aéreas, o programa de toneladas pode incentivar o cliente a contratar fretes maiores ou aumentar sua freqüência de utilização dos serviços. Criar o serviço TransHelp. Trata-se de um serviço de segurança que consiste em disponibilizar uma carreta que atenda as ocorrências de transportes urgentes. O TransHelp seria ativado somente quando um ou mais solicitantes atingissem a pesagem mínima para esse serviço. Ao definir estratégias de relacionamento, os gerentes da empresa passaram a adotar uma postura mais focada na retenção dos clientes atuais, mas sem abandonar os esforços de captação de novos clientes. Entretanto, mesmo ao captar novos clientes, o objetivo desde o primeiro contato deveria ser o de construir novos relacionamentos. Na seqüência do processo de planejamento, as estratégias que foram formuladas deveriam ser operacionalizadas por meio de planos de ação, desenvolvidos na etapa seguinte Elaboração de planos de ação Para serem implantadas, as estratégias de relacionamento necessitam de que as responsabilidades sejam definidas, os recursos sejam dimensionados e os prazos sejam estabelecidos. O plano de marketing de relacionamento não está finalizado com o estabelecimento de estratégias, pois é necessário traçar o caminho para alcançá-las. Com essa finalidade, os planos de ação detalham a implementação de cada estratégia, desdobrando os passos que são necessários para sua execução. Para cada uma das estratégias planejadas na etapa anterior, foi feito um plano de ação correspondente. A estrutura dos planos de ação que foram elaborados é exemplificada no quadro 3, que mostra algumas das ações propostas para a criação do Programa de Toneladas. O conjunto total das ações propostas representa uma forma de colocar em prática as estratégias planejadas, uma vez que foram estabelecidos prazos e responsáveis para sua execução. Como a alta direção da empresa está comprometida com o projeto, há uma garantia de disponibilização de recursos para a execução das ações que foram definidas, o que encoraja os funcionários para um esforço comum de concretização da filosofia do marketing de relacionamento. Atualmente, a alta direção trabalha com uma grande expectativa de que a implementação das estratégias de relacionamento ora citadas possam contribuir para que a empresa consolide suas vantagens competitivas em relação ao setor em que está inserida. Além disso, os responsáveis pela empresa pretendem incorporar definitivamente as estratégias de relacionamento em seu processo anual de planejamento, aperfeiçoando sua aplicação com o suporte de um sistema de indicadores de desempenho para monitorar o progresso de seus programas. ESTRATÉGIA: Criar o Programa de Toneladas Ação Definir benefícios do programa Desenvolver um sistema de informação para verificar e acompanhar os valores praticados no programa Processos envolvidos Marketing Tecnologia da Informação Responsável Prazo Recursos Gerentes da área comercial Gerentes de TI 2º semestre de º semestre de 2008 Não divulgados Não divulgados 12

13 Estruturar o modelo do Programa de Toneladas Marketing Gerentes da área comercial 2º semestre de 2008 Não divulgados Quadro 3 Exemplos de ações relacionadas ao Programa de Toneladas. Fonte: Elaborado pelos autores. 5. Considerações finais A perspectiva do relacionamento realmente representa uma mudança no foco estratégico da gestão de marketing nas empresas modernas. Com essa mudança, muitas empresas passaram a concentrar mais suas atenções na retenção de clientes, ao invés da estratégia imediatista de captação de clientes a qualquer custo. O desafio da retenção pode atuar em maior ou menor grau, conforme o setor em que a empresa está inserida. Porém, de uma forma geral, a retenção de clientes representa lucratividade e vantagem competitiva para a maioria das empresas, em todos os setores. No setor de transporte rodoviário de cargas existe um ambiente propício para a implantação de estratégias de marketing relacionamento, uma vez que existem relações business-tobusiness em transações de longa duração. No entanto, mesmo em setores favoráveis à implantação do marketing de relacionamento, existe a necessidade de incorporar essa filosofia à prática gerencial, de forma a legitimar as iniciativas de implantação. Em empresas que já praticam a atividade (nem sempre usual) de planejamento de marketing, as estratégias de relacionamento passam a ter uma maior probabilidade de aderência, desde que exista um direcionamento claro para isso. Para essa finalidade, o modelo proposto neste artigo e o exemplo de sua aplicação podem servir como referência para outras empresas similares, o que, por si só, já uma contribuição relevante deste trabalho. A aprendizagem desenvolvida ao longo da elaboração do trabalho permitiu concluir que o sucesso na definição das estratégias de relacionamento foi influenciado fortemente pela ênfase especial que foi dada à fase analítica do processo de planejamento. Dessa forma, os resultados do diagnóstico puderam sinalizar com clareza quais estratégias de relacionamento se mostraram mais viáveis. É importante destacar que este artigo apresentou um exemplo de inclusão do marketing de relacionamento na prática rotineira de planejamento empresarial, sem que fosse necessário um programa de implantação que invocasse mudanças radicais e, conseqüentemente, gerasse resistência por parte de seus executores. Espera-se que a incorporação sutil de estratégias de relacionamento no plano de marketing da empresa relatada neste trabalho possa trazer resultados positivos e não tão sutis. Entretanto, ressalta-se que os resultados do plano desenvolvido na empresa ainda não foram avaliados completamente, pois algumas ações planejadas ainda estão em fase de implantação. Isso sugere um caminho natural para a continuidade desta pesquisa, que segue no sentido de conhecer e avaliar o retorno que se tem quando da implantação do marketing de relacionamento. Referências BRETZKE, Miriam. Sistema de fidelização: como encantar o seu cliente. Disponível em: < Acesso em: 10 março DOWLING, Grahame R.; UNCLES, Mark. Do customer loyalty programs really work? Sloan Management Review, v. 38, n. 4, p , summer EDEN, Colin; HUXHAM, Chris. Action research for management research. British Journal of Management, v. 7, n. 1, p ,

14 FERRELL, O. C. et al. Estratégia de marketing. São Paulo: Atlas, GRÖNROOS, Christian. Keynote paper: From marketing mix to relationship marketing towards a paradigm shift in marketing. Management Decision, v. 35, n. 4, p , GUMMESSON, Evert. Total relationship marketing: from the 4Ps of traditional marketing management to the 30Rs of the new marketing paradigm. Oxford: Butterworth-Heinemann, KOTLER, Philip; KELLER, Kevin Lane. Administração de marketing. 12. ed. São Paulo: Prentice Hall, McCARTHY, E. Jerome. Essentials of marketing. Homewood: R.D. Irwin, PALMATIER, Robert W.; GOPALAKRISHNA, Srinath; HOUSTON, Mark B. Returns on business-tobusiness relationship marketing investments: strategies for leveraging profits. Marketing Science, v. 25, n. 5, p , sep./oct PAYNE, Adrian; FROW, Pennie. A strategic framework for customer relationship management. Journal of Marketing, v. 69, n. 4, p , oct PECK, Helen et al. Relationship marketing: strategy and implementation. Oxford: Butterworth-Heinemann, PORTER, Michael E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 7. ed. Rio de Janeiro: Campus, REICHHELD, Frederick F. Loyalty and the renaissance of marketing. Marketing Management, v. 2, n. 4, p , SHOEMAKER, Stowe; LEWIS, Robert C. Customer loyalty: the future of hospitality marketing. International Journal of Hospitality Management, v. 18, p , WESTWOOD, John. O plano de marketing. 3. ed. São Paulo: Makron Books,

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda, uma

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais/CVB s 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda,

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

5. Análise conjunta dos casos

5. Análise conjunta dos casos 5. Análise conjunta dos casos Após analisar como tem ocorrido o processo de institucionalização da responsabilidade social corporativa nas empresas farmacêuticas estudadas concluiu-se que nas quatro empresas

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MAX ALEXANDRE AMERICO CANAL DE VENDA - INTERNET

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MAX ALEXANDRE AMERICO CANAL DE VENDA - INTERNET UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MAX ALEXANDRE AMERICO CANAL DE VENDA - INTERNET CURITIBA 2014 MAX ALEXANDRE AMERICO CANAL DE VENDA - INTERNET Monografia

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Prof. Marcopolo Marinho

Prof. Marcopolo Marinho Aula 05 Marketing Modelo E-C-D; Modelo de cinco forças de ameaças ambientais; Análise do Ambiente Externo; Ferramenta de mapeamento de processos e de planificação estratégica - 5w2h; O Plano Estratégico:

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES Por Caio Fiuza Nos últimos 10 anos, a gestão das áreas de apoio nas grandes organizações brasileiras vem passando por importantes transformações. A principal delas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Estratégias e Mudanças

Estratégias em Tecnologia da Informação. Estratégias e Mudanças Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 3 Estratégias e Mudanças Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

e-mail: professor@luisguilherme.adm.br / www.luisguilherme.adm.br FONE: (62) 9607-2031

e-mail: professor@luisguilherme.adm.br / www.luisguilherme.adm.br FONE: (62) 9607-2031 INSTITUTO UNIFICADO DE ENSINO SUPERIOR OBJETIVO - IUESO PLANO DE ENSINO CURSO: Administração PROF. Luis Guilherme Magalhães SÉRIE: 7º e 8º Período TURNO: Matutino DISCIPLINA: Gestão Mercadológica CARGA

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial

AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial ALUNO(A): MATRÍCULA: NÚCLEO REGIONAL: DATA: / / QUESTÃO 1: Que escola de pensamento reúne aspectos

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais