TOMADA DE DECISÃO EM RELAÇÃO AO CRÉDITO EM UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA: UM ESTUDO DE CASO DO BANCO DO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TOMADA DE DECISÃO EM RELAÇÃO AO CRÉDITO EM UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA: UM ESTUDO DE CASO DO BANCO DO BRASIL"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CENTRO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E PESQUISA CURSO DE MESTRADO EXECUTIVO TOMADA DE DECISÃO EM RELAÇÃO AO CRÉDITO EM UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA: UM ESTUDO DE CASO DO BANCO DO BRASIL DISSERTAÇÃO APRESENTADA À ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE IVO JOEL BORATTI Rio de Janeiro 2002

2 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CENTRO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E PESQUISA CURSO DE MESTRA TO EXECUTIVO TíTULO TOMADA DE DECISÃO EM RELAÇÃO AO CRÉDITO EM UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA: UM ESTUDO DE CASO DO BANCO DO BRASIL DISSERTAÇÃO DE MESTRADO APRESENDADA POR: Ivo Joel Boratti E APROVADO EM 2i-'MJ)()f),2 PELA COMISSÃO EXAMINADORA Doutor Engenharia da Produção IS INTELA CURY Doutor em Eng nharia da Produção

3 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CENTRO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E PESQUISA CURSO DE MESTRA TO EXECUTIVO TOMADA DE DECISÃO EM RELAÇÃO AO CRÉDITO EM UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA: UM ESTUDO DE CASO DO BANCO DO BRASIL DISSERTAÇÃO APRESENTADA À ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE IVO JOEL BORATTI Rio de Janeiro 2002

4 lu AGRADECIMENTOS Inicialmente, preciso registrar o apoio incondicional dos meus familiares. Não fosse o incentivo e a compreensão da minha esposa Rejane e das minhas filhas Juliana e Larissa, talvez eu não tivesse concluído este mestrado. Grande parte desta conquista se deve a elas. Que eu possa, oportunamente, recompensá-las pelo sacrificio imposto ao nosso lazer e convívio e familiar. Devo, também, registrar meus agradecimentos ao Banco do Brasil, instituição onde trabalho há 22 anos e que me oportunizou, até este momento, um grande crescimento pessoal e profissional, além da importante sustentação econômica. Quanto ao tema desta dissertação, posso dizer que o banco tem sido a minha grande escola, eis que me possibilita o real exercício da Análise de Crédito. Através da negociação diária com clientes, estudos de dossiês que contemplam a essência dos conteúdos aqui apresentados, discussões em comitês de crédito de agências e atuação como instrutor do curso "Análise Financeira e de Crédito", me é oferecida a oportunidade para perceber a importância e as necessidades intrínsecas do assunto. Além desta relação com o tema, agradeço também ao banco pela ajuda financeira a mim dispensada, através do financiamento de 65% do custo deste curso. Neste momento, não poderia esquecer de outras pessoas que, da mesma forma, foram decisivas para a conclusão deste trabalho. Embora muitos colegas do curso, de formas diversas, tenham me auxiliado, preciso registrar a ajuda incondicional do Fernando Ben, que, em todos os momentos, me incentivou a ir adiante nesta desafiadora empreitada. Não posso esquecer, também, dos colegas do Banco que me forneceram dados, responderam pesquisas ou que me receberam pessoalmente e foram solícitos em relação às minhas dúvidas e questionamentos. Quanto a eles, faço um registro especial sobre o grau de profissionalismo demonstrado. Sempre observando os limites impostos pelas normas baixadas pela instituição, em nenhum momento se furtaram a partilhar seus conhecimentos. Mesmo correndo o risco de deixar alguém fora, agradeço de forma

5 IV especial ao Marco Túlio de Oliveira Mendonça, ao Carlos Renato Bonetti e ao Guilherme Altomar, todos da Central de Crédito de Brasília (DF), assim como agradeço ao José Luiz Mansano e toda sua equipe, estes da Divisão de Crédito de Curitiba (PR). Por derradeiro, o meu agradecimento maior aos professores José Cezar Castanhar, José Carlos Franco de Abreu Filho, Istvan Karoly Kasznar e Marcus Vinicius Quintela Cury, pela orientação e incentivo que me emprestaram. Não fosse a capacidade técnica e humana dos mesmos, talvez eu tivesse desistido no meio do caminho. Muito Obrigado a todos. Ivo Joel Boratti

6 v SUMÁRIO INTRODUÇAO DEFINIÇÃO DO PROBLEMA DEFINIÇÃO DO PROBLEMA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICA TIV A REVISAO DE LITERATURA A MUDANÇA NAS ORGANIZAÇÕES A TRANSFORMAÇÃO NA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL AS TRANSFORMAÇÕES NA TOMADA DE DECISÃO O PLANEJAMENTO DA DECISÃO A DECISÃO COM BASE NAS INFORMAÇÕES A GERAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA DECISÃO O PROCESSO DE DECISÃO DE CRÉDITO NA INSTITUIÇÃq FINAN~EIRA A FUNÇAO DO CREDITO O CRÉDITO COMO NEGÓCIO RISCO DO CLIENTE OU RISCO INTRÍNSECO... 28,, A POLITICA DE CREDITO CULTURA DE CREDITO... 31,, 2.4 A ANALISE DE CREDITO MODELOS DE ANÁLISE DO RISCO DE CRÉDITO CARACTERÍSTICAS DOS MODELOS RELEVÂNCIA DOS MODELOS DE RISCO DE CRÉDITO PARA O TOMADOR DE DECISÕES ALGUNS MODELOS DE ANÁLISE DE RISCO ALGUNS ESTUDOS EMPÍRICOS REALIZADOS NO EXTERIOR ESTUDOS DE PATRICK ESTUDOS DE WINAKOR SMITH ESTUDOS DE T AMARI ESTUDOS DE ALTMAN O Modelo Score-Z O Modelo de Risco de Crédito Zeta ESTUDOS DE LETÍCIA E. TOPA ALGUNS ESTUDOS EMPÍRICOS REALIZADOS NO BRASIL ESTUDOS DE STEPHEN C. KANITZ ESTUDOS DE ALTMAN ESTUDOS DE ISTV AN ESTUDOS DE ALBERTO MATIAS ESTUDOS DE JOSÉ PEREIRA DA SILV A

7 VI MODELOS COMO AVALIAÇÃO DE CRÉDITO NECESSIDADE DE ANÁLISE COMPLEMENTAR NOVAS ABORDAGENS DE ANÁLISE DO RISCO DE, CREDITO MODELO KMV O SISTEMA DE TOMADA DE DECISÃO ATRAVÉS DAS REDES NE URAIS , A LOGICA FUZZY O CASO DO SISTEMA ASK O CASO DA BMW BANK TOMADA DE DECISÃO, RISCO E A NEURO-FUZZY METODOLOGIA TIPO DE PESQUISA PLANO, DE COLETA DE DADOS ANALISE DE DADOS POPULAÇA O IJNIVERSO AMOSTRA LIMITAÇÕES METODOLÓGICAS TOMADA DE DECISÃO EM RELAÇÃO AO CRÉDITO NO BANCO DO BRASIL PARA PESSOAS JURÍDICAS DO SETOR MOVELEIRO A ESTRUTURA HIERÁRQUICA DO PROCESSO, DECISORIO DOCUMENTAÇÃO SOLICITADA PARA ANÁLISE - ( A) O RELATÓRIO DE VISITAS - ( B ) COLETA DE INFORMAÇÕES EFETUADA PELA AGÊNCIA - ( B ) CONFECÇÃO DAS FICHAS CADASTRAIS - (B ) MANIFESTAÇÃO DO COMITÊ DE CRÉDITO DA AGÊNCIA - ( C) O TRABALHO DA DIVISÃO DE CRÉDITO RECEPÇÃO DO DOSSIÊ PELA DIVISÃO DE CRÉDITO - ( D ) O ANALISTA DE CRÉDITO O TRABALHO DO ANALISTA - ( E 1,2,3 ) ASPECTOS EXTERNOS DO MODELO DE CRÉDITO ADOTADO PELO BANCO DO BRASIL AN;\LISE QUANTITATIVA OU TÉCNICA ANALISE QUALITATIV A A,PONTUAÇÃO FINAL DO MODELO E A DEFINIÇÃO DO RISCO DE CREDITO DO CLIENTE POSICIONAMENTO DO ANALISTA ASPECTOS INTERNOS DO MODELO DE ANÁLISE DE CRÉDITO DO BANCO DO BRASIL DESENVOLVIMENTO DA PARTE QUANTITATIVA DO MODELO

8 Vll DESENVOLVIMENTO DA PARTE QUALITATIVA DO MODELO CARÁTER CAPACIDADE CONDIÇÕES DEFINIÇÃO DA PONTUAÇÃO DA PARTE QUALITATIVA DO MODELO PONTUAÇÃO FINAL E DEFINIÇÃO DO RISCO DE CRÉDITO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS RESULTADOS PRÁTICOS OBTIDOS PELO BANCO DO BRASIL E OS RESULTADOS OBTIDOS A PARTIR DO MODELO DE ANÁLISE DE CRÉDITO AQUI DESENVOLVIDO PONTOS CRÍTICOS DA ANÁLISE DE CRÉDITO PRATICADA PELO BANCO DO BRSASIL A FORMA DA DECISÃO NO BANCO DO BRASIL A LÓGICA NEURAL, FUZZY E NEURO-FUZZY NO BANCO DO BRASIL CONSIDERAÇÕES FINAIS BIBLIOGRAFIA

9 Vll1 LISTA DE QUADROS Quadro 2.1: Composição do Grupo de Pesquisa Quadro 4.1: Medianas de índices econômico-financeiros da indústria movei eira nacional, por faixa de risco.... Quadro 4.2: Exemplo de Régua Discriminante do Risco das empresas Quadro 4.3: Medianas dos Percentuais Utilizados pelo Banco do Brasil para Calcular os Limites de Crédito a partir da Receita Operacional Líquida (ROL) e do Patrimônio Líquido (PL) das Empresas, por Nível de Risco.... Quadro 4.4: Limites Calculados e Deferidos para empresas do Rio Grande do Sul, no Período Set/2000 a Ago/200 1, em R$ mil Quadro 4.5: Variáveis Independentes Utilizadas no Desenvolvimento do Modelo de Análise de Crédito.... Quadro 4.6: Distribuição Percentual dos Graus de Risco Calculados pelo Banco do Brasil, por Porte de Empresa.... Quadro 4.7: Valores Mínimos e Máximos das Variáveis Independentes Quadro 4.8: Resultado da Função Discriminante Dl, Aplicada a uma Empresa Hipotética.... Quadro 4.9: Itens a serem Observados na Avaliação do Fator Caráter da Empresa.... Quadro 4.10: Pontuação a ser Observada na Avaliação de Risco do Fator Caráter.... Quadro 4.11: Definição do Nível de Risco do Fator Caráter de uma Indústria Moveleira Hipotética.... Quadro 4.12: Itens a serem Observados na Avaliação do Fator Capacidade da Empresa.... Quadro 4.13: Pontuação a ser Observada na Avaliação de Risco do Fator Capacidade... Quadro 4.14: Definição do Nível de Risco do Fator Capacidade de uma Indústria Moveleira Hipotética... Quadro 4.15: Itens a serem Observados na Avaliação do Fator Condições da Empresa.... Quadro 4.16: Pontuação a ser Observada na Avaliação de Risco do Fator Condições

10 IX Quadro 4.17: Definição do Nível de Risco do Fator Condições de uma Indústria Moveleira Hipotética Quadro 4.18: Pontuação Qualitativa Atribuída a uma Empresa Hipotética Quadro 4.19: Comparação entre os riscos de crédito definidos pelo Banco do Brasil e aqueles estabelecidos pelo modelo de análise desenvolvido neste trabalho

11 x LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 2.1: Capital como Opção de Compra sobre uma Empresa Gráfico 2.2: Cálculo da Freqüência Esperada de Inadimplência de uma 59 Determinada Empresa.... Gráfico 4.1: Percentuais da ROL e do PL, por nível de risco, utilizados pelo 94 Banco do Brasil para calcular o limite de crédito das empresas.... Gráfico 4.2: Limites de crédito deferidos para empresas do RS no período de 96 Set/2000 a Ago/2001 (valores em R$ mil)....

12 Xl LISTA DE FIGURAS Figura 2.1: Os Níveis Hierárquicos Figura 2.2: Variáveis do Processo Decisório Figura 2.3: Tipos de Decisão Figura 2.4: Bases da Tomada de Decisão Figura 2.5: Importância da Informação Figura 2.6: Modelo de Fluxos de Informação em uma Empresa Figura 2.7: Exemplo de escala de classificação de risco, tendo como base as 53 funções "2" de Silva.... Figura 2.8: Exemplo de uma Rede Neural Simples Figura 2.9: Modelo de Decisão Hierárquico Figura 2.10: Avaliação do Risco de Leasing para Clientes Privados Figura 2.11: Avaliação do Risco de Leasing para Clientes Corporativos Figura 4.1: Estrutura do Processo Decisório Figura 4.2: Aspectos Considerados na constituição dos Modelos de Análise de 99 Crédito utilizados pelo Banco do Brasi1.....

13 XIl RESUMO Há uma intensa transfonnação nas empresas, exigindo uma efetividade maior em seus processos. Neste contexto repleto de incertezas, tem grande importância a tomada de decisão. O processo decisório de uma organização é o reflexo de como ela interage com seu ambiente (Simon,1965). A Tomada de Decisão se toma muito importante para a organização, passando por diversas variáveis na constituição de um modelo decisório. Esta pesquisa tem como objetivo o estudo dos modelos adotados por uma instituição financeira, que refletem sua fonna de decidir. A escolha deste tema justifica-se pela importância que o mesmo representa para as organizações financeiras e pela necessidade de melhorar a efetividade decisória. A empresa estudada é o Banco do Brasil, através de uma análise do processo de crédito dos clientes "pessoas jurídicas", onde se procura descrever a fonna como as decisões são tomadas. Há uma descrição da hierarquia do processo decisório, juntamente com os modelos de análise do risco de crédito como fatores preponderantes no sucesso do negócio crédito. No capítulo Metodologia, é caracterizada a empresa, a situação problema e o tema de estudo. No referencial teórico, foi feita uma análise do processo decisório, onde são analisados os modelos de análise do risco de crédito e a formação de sistemas de apoio à decisão nas instituições financeiras. Os resultados do estudo proposto, respondem o problema da pesquisa, onde é analisada, com aplicação de pesquisa documental e observação empírica, a empresa pesquisada. Através desta pesquisa, observou-se uma organização com modelo decisório extremamente planejado, porém não utilizando ainda as práticas modernas de tomada de decisão com relação ao crédito. A conclusão deste trabalho, além de trazer várias observações em tomo do tema analisado, também faz algumas sugestões à empresa pesquisada.

14 Xlll ABSTRACT There has been an intense transformation at compames, demanding in tum, more effectiveness on their processes. In this envirorunent full of uncertainties, decisionmaking is very important. "The decision-making process of a company shows how it interacts with its environment" (Simon, 1965). The decision-making tums out to be very important, passing through severa) variabies for decision model constitution. This research aims the study of the models adopted by a financiai institution that end up reflecting its way of decision. The choice of this subject justifies itself not oniy by the importance that it represents to the financiai institutions, but also by the constant improvement necessity of decision effectiveness. The institution under study is Banco do Brasil SI A, through a credit process anaiysis of Corporative Clients, showing how the decisions are made. There is a description of the decision-making process hierarchy along with credit risk models analysis, as being prevailing factors for the credit business success. In the Methodology chapter are characterized the institution and the study case. Regarding to theoretical references, an anaiysis of the decision-making process has been done, with study of credit risk models, as well as the formation of supporting systems for decision-making on financiai institutions. The results of the study case answer the questions proposed, against documental analysis and empirical observation of the institution under study. Throughout this research, it has been observed an institution with a decision-making model extremely planned, nevertheless not using as yet the most modem methods of decision-making, conceming to credit risk assessment. The conclusions of this research besides resulting in several remarks about the study case, also contribute with some suggestions to the institution analyzed.

15 INTRODUÇÃO o processo decisório das organizações vem se tomando cada vez mais recheado de informações, que estão relacionadas à dinamicidade das atividades. Há uma busca cada vez maior pela eficiência do resultado da ação da decisão. o aumento da concorrência nas instituições financeiras exige processos mais eficientes, que atendam a expectativa do ambiente externo e ao mesmo tempo demonstrem efetividade na apuração dos resultados da organização. É necessário que se alie ao bom serviço prestado, o resultado financeiro da Instituição. As instituições financeiras precisam identificar as oportunidades e ameaças do ambiente externo, pois o mercado fica cada vez mais exigente, havendo um aumento geral da eficiência das organizações. Para que uma organização inserida neste ambiente competitivo se destaque, é necessário que acompanhe a mudança tecnológica, constituindo uma estrutura interna adequada à realidade de seu mercado. Existe uma mudança na forma de decidir nas instituições bancárias, com uma transformação nos modelos decisórios. Estes modelos são extremamente planejados, passando de uma análise determinística para uma abordagem probabilística. A tomada de decisão começa a ser estruturada por um planejamento, através do uso das informações apuradas por sistemas de apoio à decisão. O negócio do crédito começa a transformar seus modelos, que vêm sendo incorporados por sistemas, com o objetivo de agilizar a atividade do decisor na organização. As formas de classificação de clientes, através do uso de modelos que os classificam em faixas, é de extrema importância nos processos de análise de crédito nas instituições. A teoria da Análise Discriminante Múltipla de Altman (1968), continua sendo base no processo decisório do crédito, porém existem hoje teorias capazes de assimilar os modelos de análise de crédito de forma quantitativa e qualitativa, otimizando o processo decisório.

16 2 A decisão, no contexto da análise do risco de crédito, passa a ser estruturada através do apoio de sistemas de informação à decisão. São os chamados sistemas neurais, capazes de incorporar as ações decisórias, otimizando o tempo e os resultados da ação da decisão. Os sistemas de apoio à decisão, constituídos através das redes neurais, começam a utilizar a chamada Lógica-Fuzzy, incorporando a ferramenta computacional na prática diária do decisor. o tema central deste trabalho é o estudo da tomada de decisão com relação ao crédito em uma instituição financeira, relacionando os diversos modelos de análise até hoje utilizados. O Referencial Teórico estuda as tendências no processo decisório, analisando a estrutura decisória na concessão do crédito no Banco do Brasil, no segmento estabelecido pelos objetivos da dissertação. O trabalho é dividido em cinco seções: definição do problema, revisão de literatura, metodologia, estudo do caso Banco do Brasil e conclusão. A definição do problema traz a situação problema, os objetivos e a justificativa do presente estudo. A revisão de literatura apresenta, a partir da análise de alguns autores, o estudo da forma da tomada de decisão e sua estruturação. É realizado um estudo do processo decisório, contemplando-se modelos para análise do crédito, até se chegar nas formas mais modernas de estruturação das informações para decisão dessa área, através, inclusive, das chamadas teorias Neuro-Fuzzy. A metodologia utilizada para a realização desta pesquisa está disposta em um capítulo, onde se menciona o tipo de pesquisa, o plano de coleta de dados, a análise de dados, a população-universo, a amostra e limitações metodológicas do estudo. Os resultados práticos do estudo estão baseados no referencial teórico constituído, onde é mostrado o modelo da hierarquia decisória, modelos de análise de crédito e

17 3 características de teorias decisórias do crédito, que estão ou não presentes no Banco do Brasil. Por fim, a conclusão apresenta algumas contribuições do estudo e o levantamento de questões que podem servir de parâmetro para futuros estudos nesta área.

18 4 1 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA o presente estudo busca analisar, e entender, o processo através do qual as instituições financeiras tomam decisões com o objetivo de conceder ou negar crédito a seus clientes. 1.1 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA Uma organização possui um sistema próprio de decisão, influenciado pelas variáveis estabelecidas em seus mercados. Através de sua estrutura pré-definida, se compõe um modelo de decisão influenciado por variáveis qualitativas e quantitativas. o processo de decisão está sob uma estrutura organizacional, baseada numa estratégia, planejamento e controle, sendo realizado através de um sistema de informação. Este sistema passará a delinear um modelo decisório, que se tomará base para a decisão do gestor (Bio, 1985). Na gestão financeira dos bancos comerciais existe uma complexidade e uma pressão pela análise direta de valores, que favorecem ou prejudicam a instituição de forma instantânea. São analisados os fluxos monetários derivados das atividades exercidas, evidenciando o sucesso ou insucesso das operações de crédito. Quando os valores são significativos, a decisão não é exclusiva de um gestor, mas de um grupo de pessoas que analisa a concessão do crédito, dividindo a responsabilidade da decisão (Gitman, 1978). As pessoas que decidem estão preocupadas em maximizar a receita da instituição onde trabalham, através de decisões corretas, que podem ser verificadas com a análise de suas atividades operacionais. Por um determinado período, as instituições financeiras utilizaram modelos de análise extremamente quantitativos para tomada de decisão em relação ao crédito,

19 5 desconsiderando boa parte das informações qualitativas sobre o cliente, hoje tão importantes para a tomada de uma boa decisão. A preocupação com a maximização da receita, conduziu as instituições financeiras a uma visão determinística, fazendo com que clientes potenciais fossem até mesmo ignorados. No Banco do Brasil ocorreu uma grande reformulação na forma como se tomam as decisões com relação ao crédito, influenciada, até mesmo, pela mudança havida na estrutura das instituições bancárias. Surge, assim, o problema da presente pesquisa: de que forma são tomadas as decisões com relação ao crédito no Banco do Brasil? 1.2 OBJETIVOS o objetivo geral e os objetivos específicos, a seguir enunciados, buscam delimitar o tema central do presente estudo OBJETIVO GERAL - Analisar a forma como são tomadas as decisões para concessão de crédito no Banco do Brasil, levando-se em conta alguns modelos de apoio à decisão, utilizados pelas instituições financeiras no Brasil e no exterior OBJETIVOS ESPECÍFICOS - Verificar a transformação que ocorre no processo de decisão com relação ao crédito no Banco do Brasil;

20 6 - Descrever as informações utilizadas para concessão de crédito às indústrias movei eiras no Banco do Brasil; - Estudar os cenários utilizados para concessão de crédito à indústria movei eira e seus reflexos na tomada de decisão no Banco do Brasil. 1.3 JUSTIFICA TIV A Ocorre uma mudança cada vez maior no ambiente das organizações empresanals, havendo a produção de novos bens e serviços. Existe uma movimentação dos setores econômicos e sociais que está mudando as características das organizações (Drucker, 1999). A diversidade de estruturas organizacionais, faz com que uma pessoa não consiga tomar decisões sozinha. Isto envolve um grupo de pessoas que é influenciado pelas regras, políticas e modelos da organização. A forma como as decisões são tomadas afetam diretamente as organizações. Há, portanto, por de trás da decisão, uma repercussão de eficiência no processo, que ao mesmo tempo conduz à ganhos ou perdas (Bretãs Pereira, 1997). As empresas tomaram-se mais complexas, sendo facilmente fragmentáveis e tomando o meio empresarial cada vez mais dinâmico e competitivo. Isto exige que as decisões sejam tomadas rapidamente, sob a pressão das oportunidades, mas de forma a expor a organização ao mínimo possível de risco (Motta, 1994). Os administradores precisam decidir com rapidez e cautela, conduzindo a organização ao desenvolvimento através da conquista de mais clientes, superando a concorrência e diminuindo os custos nas operações. Em mercados ágeis, é essencial a rapidez na tomada de decisão, alcançando resultados satisfatórios. Para aumentar a eficiência é preciso também aumentar as perguntas e as respostas, refletidas no escopo das decisões.

21 7 Na administração financeira, a captação, aplicação e distribuição dos recursos financeiros, são aspectos que determinam a eficiência da organização. A instituição financeira opera de acordo com os objetivos e metas, trazendo segurança e credibilidade em compromissos que assume perante terceiros. É um negócio que envolve a captação de recursos de terceiros e analise de suas aplicações, devendo manter-se atualizada nas atividades de crédito que exercita. o ambiente atual das instituições financeiras toma-se cada vez mais complexo, visto os cenários apresentados. Existe um declínio das vendas, expansão de algumas organizações e ao mesmo tempo uma forte retração de outras. Observa-se, também, um acirramento da concorrência, alterações freqüentes na política governamental dos países e aumento na inadimplência. Para conseguir monitorar as empresas com o objetivo de diminuir o fisco, uma instituição financeira precisa analisar aspectos relativos a estrutura de seus clientes. É preciso verificar se as empresas às quais a instituição irá conceder crédito possuem um planejamento financeiro detalhado, verificando o lucro das mesmas, seu faturamento, custo fixo e variável, liquidez, endividamento do patrimônio, rentabilidade de produtos e operações, entre outros aspectos. Observando as ações e resultados de seus clientes, as instituições financeiras podem verificar se os tomadores de crédito estão obtendo sucesso no que planejaram, gerando uma organização com mais liquidez (Gitman, 1987). A globalização fez aumentar as responsabilidades das instituições financeiras, pois existem agora diferentes câmbios para serem administrados, tendo, um mesmo produto, diferentes valores em diferentes países. Aumenta a complexidade na tomada de decisão, pois a ineficiência é conhecida de maneira rápida, sendo que seus reflexos vão atingir diretamente os valores monetários da organização. Admitida a complexidade existente no ambiente das organizações financeiras, em especial no que se refere à tomada de decisão com relação ao crédito, esta dissertação

22 8 pretende contribuir para com o desenvolvimento do estudo desta área. Através da pesquisa da instituição financeira Banco do Brasil, pretende-se estudar como são aplicados os modelos tradicionais de análise, bem como se pretende verificar o nível de utilização das novas teorias, a saber, Redes Neurais, Lógica Fuzzy e Neuro-fuzzy.

23 9 2 REVISÃO DE LITERATURA Este capítulo analisará a mudança nas organizações, a transformação na estrutura organizacional com relação a decisão, o processo de decisão do crédito nas instituições financeiras, a relevância dos modelos de risco de crédito para o tomador de decisões e as novas abordagens de análise de risco do crédito que começam a ser experimentadas. 2.1 A MUDANÇA NAS ORGANIZAÇÕES A mudança organizacional se toma uma constante nas organizações modernas, sendo fator de sohrevivência e de adequação aos novos princípios da administração. Há uma necessidade de compreensão e assimilação das informações num tempo cada vez mais reduzido, sendo fator determinante para o futuro (Ulrich, 1998). Ulrich (1998) conceitua mudança como a capacidade da organização de melhorar a concepção e implementação de iniciativas e de reduzir o tempo de ciclo de todas as atividades organizacionais. Urna organização precisa estar sintonizada com o processo de mudança, identificando seus agentes. Isto ocorre quando a empresa consegue visualizar o ambiente e o espaço que ocupa. Através de uma visão chamada "sistêmica-organizacional", é posslvel estabelecer esta relação de harmonia. Na Visão sistêmica, há um processo de flexibilização, onde o princípio é a adaptação da estrutura organizacional, verificando se a mesma está de acordo com seu ambiente interno e externo. Considera-se o sistema social, político e econômico, fazendo relação com os aspectos internos da organização. A Idéia de Ulrich (1998), da agilização das iniciativas com relação a mudança, toma-se efetiva quando a organização começa a obter a visão de seu ambiente. Desta forma, a

24 10 estrutura se altera de acordo com as mudanças, não permanecendo uma visão interna extremamente estática, capaz de isolar a organização. A organização que só adapta sua estrutura organizacional quando percebe ineficiências quanto à sua estratégia, processos ou planejamentos, está presa a uma estrutura estática. Esta empresa enxerga através dos problemas que surgem, só conseguindo visualizar, em sua maior parte, as conseqüências, perdendo a visão do agente causador. A visão sistêmica é pré-requisito para o processo de adaptação de forma adequada à mudança, mas deve estar aliada à visão da organização e seus objetivos. A empresa precisa visualizar as oportunidades, mas tomar para si o que lhe é importante. Nesta relação, destaca-se a chamada Visão Contingencial (Motta, 1994). A Visão Contingencial permite uma ampliação da visão organizacional, onde percebese a dependência da organização e os fatores ambientais que a influenciam. A definição da estrutura organizacional toma-se algo mais dinâmico, pois não existe maneira correta de organizar uma empresa, mas uma visão de estrutura adaptativa (Argyris, 1992). Com o passar do tempo vai se intensificando a sensação de insegurança, pois é difícil para uma organização adaptar sua estrutura organizacional de acordo com seu ambiente, já que ele vem se tomando cada vez mais instável. O que acontecerá com a tecnologia, sociologia, valores sociais, movimentos populacionais, ninguém poderá prever. Se algo pode ser considerado certo, é que os desafios irão convocar a capacidade coletiva para melhor compreendê-los, onde o repensar das organizações, se conduzido desta forma, será menos turbulento (Senge, 1999). O ambiente instável das organizações traz aos gestores mais desafios, havendo maiores esforços para compreender o ambiente de mudanças. Existe uma busca por modelos que conduzam a respostas rápidas, que consigam acompanhar a evolução social, política, econômica, e tecnológica (Oliveira, 1995).

25 11 A presença de desafios é cada vez maior no contexto das organizações atuais, ampliando-se os esforços para compreender as mudanças ocorridas no ambiente. Na medida em que aumenta a turbulência, cresce a necessidade de flexibilização, despertando um interesse maior das instituições para compreender as transformações. Os desafios apresentados às organizações, podem se constituir em excelentes oportunidades, que, se bem compreendidas e aproveitadas, representam vantagens em relação à concorrência. Estas oportunidades nem sempre são facilmente percebidas pela organização. O certo é que ocorrem em situações variadas e até mesmo de formas imprevistas. As organizações estão com dificuldades para compreender estas mudanças e analisá-las de forma adequada, através de uma leitura que identifique oportunidades de crescimento. Para compreender melhor a mudança, Oliveira (1995) classifica três maneiras de lidar com a complexidade instalada. Trata-se da mudança linear, caótica e abrupta. A mudança linear é gradual, evolucionária ou progressiva. Esta pode ser melhor percebida ao se estudar detalhadamente as alterações de uma organização ao longo do tempo, pois costuma representar ajustes ou correções de gestores diante das pressões do dia-a-dia. A mudança caótica costuma alterar radicalmente o modo operante de uma empresa, uma vez que pressupõe a revisão dos objetivos e a adoção de novas estratégias organizacionais. Esta, tende a ser menos freqüente e toma-se mais comum em ambientes turbulentos e competitivos. Existe uma certa suposição de que a mudança caótica compreende um tipo de mudança difícil de ser prevista ou planejada, sendo de pouco controle gerencial dos seus agentes. Caracteriza-se, assim, por movimentos decorrentes de práticas ou ações diferenciadas, sem qualquer tipo de padrão de comportamento previamente identificado. O tipo de mudança abrupta, ocorre a partir de circunstâncias especiais ou de fatos esporádicos advindos, por exemplo, de uma inovação de produto ou de processo, de uma nova legislação, ou mesmo da entrada de novas lideranças ou governantes. Neste

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Painel da Indústria Financeira - PIF

Painel da Indústria Financeira - PIF Painel da Indústria Financeira - PIF Agenda Desintermediação Bancária nas Operações de Créditos Relacionamento com Instituições não Bancárias As Razões de Uso do Sistema Financeiro, segundo as Empresas:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Leonardo Pinheiro Morel (FEG-UNESP) pro04096@feg.unesp.br Prof. Dr. Ubirajara Rocha Ferreira (FEG-UNESP) ferreiur@feg.unesp.br

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A José Jonas Alves Correia 4, Jucilene da Silva Ferreira¹, Cícera Edna da

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos Gestão Financeira Aula 1 Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Organização da Aula Contextualização Abrangência da área financeira O profissional de finanças O mercado

Leia mais

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Função Gerencial Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem por objetivo levar aos seus leitores à uma aproximação teórica dos estudos da administração empresarial, enfocando a importância

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais