Determinação de Rating de Crédito de Empresas Brasileiras com a Utilização de Índices Contábeis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Determinação de Rating de Crédito de Empresas Brasileiras com a Utilização de Índices Contábeis"

Transcrição

1 Determinação de Rating de Crédo de Empresas Brasileiras com a Utilização de Índices Contábeis Resumo: Autoria: Danilo Luís Damasceno, Rinaldo Artes, Andrea Maria Accioly Fonseca Minardi Este trabalho tem dois diferentes, mas complementares, objetivos: o primeiro deles é averiguar se as agências de avaliação de crédo estão sendo mais severas nas análises de empresas brasileiras ao longo do tempo, conforme sugerido em alguns estudos efetuados para o mercado norte-americano. O segundo objetivo está relacionado ao desenvolvimento de uma metodologia de rating baseada no modelo probo ordinal em painel, que, através da utilização de variáveis contábeis e indicadoras (dummies), seja capaz de prever o nível de rating para aquelas companhias que não possuem nenhuma avaliação de crédo. Os resultados não apontaram nenhuma evidência de que as agências de ratings estão sendo mais rigorosas em suas análises ao longo do tempo para as companhias brasileiras. Isto permiu a utilização da amostra no período de dezembro de 2000 a dezembro de 2005 para a previsão de ratings. As variáveis lucro líquido sobre o total de ativos (ROA), dívida total sobre total de ativos (DT) e a variável indicadora de presença no Índice Bovespa (IBOV) foram as que, conjuntamente, melhor explicaram os ratings no modelo proposto. Palavras-chave: Ratings de Crédo, Modelo Probo Ordenado em Painel, Risco de Crédo, Agência de rating. I. Introdução Os ratings de crédo são informações públicas que representam o julgamento de analistas de crédo, supostamente bem informados, a respeo da capacidade das empresas em honrar compromissos financeiros assumidos. Dificilmente uma empresa consegue emir dívida sem a opinião de uma agência de rating a respeo de sua qualidade de crédo, além disto as taxas de juros obtidas nos títulos da dívida estão bastante correlacionadas com os ratings concedidos pelas agências. A importância de sistemas de rating de crédo também vem crescendo principalmente por questões regulatórias. O Acordo de Basiléia II perme que os bancos utilizem tanto ratings externos de agências, como construam sistemas internos de ratings para gerenciar o risco de crédo de sua carteira de empréstimos e títulos de dívida. Por isso, compreender o que determina ratings de crédo é um exercício bastante útil, tanto para construir sistemas internos semelhantes aos das agências, como para saber o que pode influenciar o spread de crédo de títulos de dívida. Uma preocupação corrente dos agentes regulatórios, como por exemplo o FSA do Reino Unido, conforme exposto por Ingolfsson e Elvarsson (2007), é que os ratings deveriam prever a qualidade de crédo de longo prazo, não sendo influenciados por fatores cíclicos e temporários. Mas alguns estudos, como por exemplo, Blume, Lim e MacKinlay (1998) constataram que as agências de rating têm endurecido em sua opinião de crédo com o passar do tempo, observando que o número de rebaixamentos foi muo superior ao número de promoções, colocando em questionamento se ratings de crédo refletem de fato opinião de longo prazo. Este trabalho tem dois objetivos complementares: (1) testar se há evidências de que as agências de rating estão efetivamente sendo mais creriosas nas avaliações de crédo de empresas brasileiras ao longo do tempo, o que implicaria em ratings de crédo sujeos a efeos cíclicos e temporários e (2) desenvolver um modelo capaz de replicar a classificação 1

2 de ratings da Standard and Poor s (S&P), através do uso de índices contábeis e financeiros, e com isto estimar o nível de rating das empresas que não são acompanhadas por esta agência. Para isso foram coletados dados anuais de ratings de crédo e índices contábeis de empresas brasileiras entre 2000 a Para determinação dos ratings utilizou-se o modelo probo ordenado em painel. Os resultados não apontaram evidências de que as agências de rating de crédo estão sendo mais rigorosas com as opiniões de crédo em relação a empresas brasileiras. O modelo de determinação de rating de crédo estimado teve um acerto de 64,1% dos ratings da amostra, e 24,2% das observações foram classificadas um nível acima ou um nível abaixo na escala de ratings. As variáveis explicativas mais relevantes foram: dummy, indicando se a empresa tem ações que fazem parte do índice BOVESPA, Retorno sobre Ativo (lucro líquido/ ativo total) e índice de endividamento ((dívida total bruta + outras obrigações de longo prazo)/ Ativo total). O restante deste artigo está organizado como segue. Na seção II são explicadas as metodologias de rating de crédo das agências e o que significa cada grau de rating, na seção III é fea uma revisão de leratura sobre metodologias adotadas para estimação de ratings de crédo, investigação de variáveis contábeis críticas para previsão de inadimplência no Brasil e metodologias para estimação de endurecimento das agências de rating de crédo; na Seção IV é apresentada a metodologia e a descrição da base de dados; na Seção V são apresentados e discutidos os resultados e na Seção VI o trabalho é concluído. II. Ratings de Crédo de Agências A globalização dos mercados financeiros, o desenvolvimento de novos produtos e a estabilidade econômica de regiões até então pouco conhecidas pelos investidores internacionais, contribuiu de forma decisiva para a expansão das agências de rating, bem como para uma maior sofisticação dos crérios e das metodologias empregadas para as análises de crédo. Bone (2004, p.26) relata que após as diversas crises financeiras ocorridas entre os anos de 1994 e 2002, o olhar crítico dos investidores com relação às agências de rating fez com que houvesse uma maior transparência dos crérios adotados para elaboração das análises de crédo. Como resultado natural deste processo, têm-se hoje um farto material disponibilizado por estas agências de classificação. Para a Moody s (1999, p.5), rating é uma opinião sobre a capacidade futura, a responsabilidade jurídica e a vontade de um emente de efetuar, dentro do prazo, pagamentos do principal e juros de um título específico de renda fixa. Para as agências uma avaliação de crédo nunca deve ser interpretada como uma indicação de investimento, pois não avalia outros riscos, como o risco de mercado e operacional, por exemplo. Basicamente, uma avaliação de crédo pode ser atribuída a um emissor ou a uma emissão. De acordo com a S&P (2006), há uma estrea correspondência entre o rating de um emissor e o de uma emissão, sendo que a avaliação de um emissor não se refere a nenhuma obrigação financeira específica, nem leva em consideração a natureza e as provisões da obrigação, sua posição relativa no caso de falência ou liquidação, preferências estatutárias, ou a legalidade e a capacidade de execução da obrigação. Além disto, um rating pode ser de curto ou de longo prazo, dependendo das emissões consideradas na análise. Uma avaliação de curto prazo é aquela que contempla operações de até um ano, sendo que no geral são utilizadas como indicadores da qualidade de crédo das obrigações de médio e de longo prazo. A S&P possui três tipos de ratings: Escala Global em Moeda Local, Escala Global em Moeda Estrangeira e Escala Nacional. O primeiro tipo reflete a capacidade de um devedor gerar moeda local em volume suficiente para honrar suas obrigações (inclusive as 2

3 denominadas em moeda estrangeira). Os ratings Escala Global em Moeda Estrangeira avaliam a capacidade dos devedores de cumprirem suas obrigações em moeda estrangeira, considerando inclusive a capacidade do governo soberano de honrar sua dívida externa, uma vez que a probabilidade de um governo soberano restringir o acesso à moeda estrangeira é idêntica àquela dele não honrar sua própria dívida externa. Por último, o rating em Escala Nacional é muo parecido com um de Escala Global, exceto pelo fato deste apresentar um peso menor nos fatores relacionados ao risco soberano. A Tabela I contém o significado de cada grau na escala de rating da Moody s e Standard&Poor s. Dentre as análises realizadas, a avaliação do risco setorial tem um grande peso na atribuição de um rating máximo, desempenhando um papel fundamental na determinação do perfil básico de risco. Por exemplo, seria difícil para uma empresa receber um rating muo alto, caso esta esteja inserida em um setor cujo risco apresente-se acima da média. Pode-se destacar diversos outros fatores que são contemplados em uma análise de crédo, dentre eles: posição competiva (participação no mercado, eficiência operacional, tamanho, qualidade do corpo administrativo e diversificação dos negócios), risco financeiro, qualidade da contabilidade, política financeira, rentabilidade, alavancagem financeira, proteção dos ativos, adequação do fluxo de caixa, flexibilidade financeira, propriedade e apoio do estado e acesso a fontes locais de financiamento. III Revisão da Leratura De acordo com Standard and Poor s (2005, p.4), o processo de rating não se lima ao exame de várias medidas financeiras, sendo necessário um acompanhamento detalhado dos fundamentos do negócio, o que inclui a opinião sobre a posição competiva da empresa e a avaliação dos administradores e de suas estratégias. Entretanto, os principais estudos relacionados à determinação de ratings de crédo são baseados exclusivamente em informações contábeis e financeiras, não considerando as análises qualativas das empresas, conforme será visto nos próximos ens. Os primeiros estudos a empregarem dados contábeis de empresas para determinação de ratings são do início dos anos sessenta nos EUA. Em geral, os indicadores contábeis e financeiros mais cados como significativos na leratura são aqueles relacionados à cobertura de juros, ao grau de alavancagem, às medidas de lucratividade (avaliação do negócio) e, muas vezes, ao tamanho da empresa. Quanto a variável tamanho da empresa, Blume et al (1998, p.1394) defende a idéia de que grandes empresas tendem a ser mais velhas e, portanto, mais estáveis, tendendo com isto a receber ratings de crédo mais elevados. Além de variáveis contábeis, alguns estudos sugerem o uso de variáveis de mercado como o coeficiente beta e o erro-padrão (standard error) do modelo CAPM. Blume et al (1998, p.1395) argumenta que o uso destas duas variáveis pode fornecer mais informação sobre a competência dos gestores. Com relação aos modelos utilizados para a determinação de ratings, Ederington (1985) comparou diversos métodos empregados, entre eles os modelos logo, logo ordinal e análise de discriminante, recomendando o logo ordinal, principalmente pelos resultados empíricos obtidos. Kaplan e Urwz (1979) também consideraram o modelo logo ordinal mais adequado em detrimento a outras técnicas, uma vez que o método adme a existência de uma variável latente, a partir da qual se originam os ratings das empresas. 3

4 Tabela I. Definição dos Graus na Escala de Ratings Grau de Investimento S&P e S&P e outras Moody s Interpretação outras agênci as AAA AA+ AA AA- A+ A A- BBB+ BBB BBB- Aaa Aa1 Aa2 Aa3 A1 A2 A3 Baa1 Baa2 Baa3 Altíssima qualidade, com mínimo risco de crédo. A capacidade de pagamento dos compromissos é extremamente forte. Alta qualidade, com risco de crédo muo baixo. A capacidade de pagamento dos compromissos é muo forte. Grau mediano e sujeo a baixo risco de crédo. Um pouco mais suscetível à efeos adversos de mudança nas circunstâncias e nas condições econômicas do que obrigações de ratings mais elevados. Entretanto, a capacidade de pagamento dos compromissos ainda é forte. BB+ BB BB- B+ B B- CCC+ CCC CCC- CC Moody s Ba1 Ba2 Ba3 B1 B2 B3 Caa1 Caa2 Caa3 Ca Grau Especulativo Risco de crédo moderado. É considerado um rating de grau médio, com parâmetros de proteção adequados. Entretanto, condições econômicas adversas C Ca ou mudança de circunstâncias podem conduzir a um enfraquecimento na capacidade de pagamento dos compromissos. D Default Interpretação Elementos especulativos e sujeos a risco de crédo substancial. Menos vulnerável do que outras emissões especulativas. Entretanto, em face de uma maior incerteza ou exposição a adversidades financeiras, econômicas e de negócios podem levar a uma capacidade inadequada de pagamento da contraparte. Especulativo e sujeo a alto risco de crédo. Condições econômicas, financeiras e de negócio adversas provavelmente prejudicarão a capacidade ou a disposição de pagamento dos compromissos. Crédo pobre e sujeo a alto risco de crédo. Vulnerável a defaults e dependente de condições financeiras, econômicas e de negócio favoráveis para o pagamento de suas obrigações. Em condições econômicas, financeiras e de negócios adversas provavelmente não terá capacidade de pagamento. Tipicamente em default, com baixa possibilidade de recuperação do principal ou juros. Pedidos de falência ou outras ações similares têm sido solicados, mas os pagamentos das obrigações ainda estão sendo efetuados. Baseando-se na premissa de que as agências de ratings estão sendo mais creriosas em suas análises, há dois importantes trabalhos elaborados nos EUA. No primeiro, Blume et al (1998) utilizou-se de variáveis contábeis e de risco de mercado para empresas com grau de investimento (investment grade) no período de 1978 a A técnica empregada para a estimação do modelo de ratings de crédo foi o modelo probo ordinal em painel (ordered prob in panel), sendo a tendência do comportamento dos interceptos desta regressão ao longo do tempo interpretada como um indicador de aperto ou não nas avaliações das agências de rating. Os resultados encontrados indicavam que as agências de crédo tornaram-se mais severas, principalmente nos anos noventa. Por outro lado, Jorion, Shi e Zhang (2005) ampliaram os estudos e, por fim, contestaram os resultados obtidos por Blume et al (1998) para empresas investment grade. Primeiramente, os autores, utilizando o mesmo modelo e as variáveis para o período de

5 a 2002, estenderam suas análises para empresas de grau especulativo (speculative grade), não encontrando nenhuma tendência no intercepto, ou seja, não houve indícios de aperto por parte das agências de rating. Assim, a questão é: por quê as agências de rating foram mais creriosas apenas com as empresas investment grade? Jorion et al (2005) procuraram responder a esta questão embasando-se em estudos de outros autores, que afirmavam que os dados contábeis tornaram-se menos informativos e confiáveis ao longo do tempo, e que isto estava diretamente relacionado à elevação dos rendimentos dos administradores, principalmente para empresas com grau de investimento. Cohen, Dey e Lys (2004), por exemplo, relataram um aumento nos rendimentos dos administradores no período 1987 a 2003, atribuído ao comportamento oportunista dos gerentes em função do uso crescente de opções de ações em sua remuneração. Segundo os autores, este comportamento oportunista está diretamente relacionado à manipulação de dados contábeis, que podem levar a um alisamento artificial dos ganhos, ou ao relato de uma menor alavancagem. Assim, Jorion et al (2005) incluíram no modelo uma variável que exprimia o aumento dos ganhos dos administradores, não obtendo nenhum indicativo que sustentasse a visão de que as agências de ratings estavam sendo mais creriosas em suas análises do que no passado. Para os trabalhos efetuados por Blume et al (1998) e Jorion et al (2005) nos EUA, não foram encontrados estudos correspondentes em toda a América Latina, sendo portanto, até onde vai o conhecimento dos autores deste trabalho, inéda a avaliação de maior severidade das agências de rating em suas análises de crédo. Com relação à estimação de ratings através da utilização de indicadores contábeis e financeiros, Minardi, Sanvicente e Artes (2006) adotaram um modelo logo ordinal, sendo que as variáveis selecionadas foram: Ativo (em escala logarítmica), Dívida Bruta/Ativo Total, EBIT/Dívida Financeira Líquida, ROA (retorno sobre o ativo), EBIT/Recea Líquida e Volatilidade. Os resultados apontaram para um acerto de 58% dos ratings. Além disto, 39% das empresas foram classificadas nos ratings imediatamente superior ou imediatamente inferior. Sales (2006) também utilizou um modelo logo ordinal para estimativa de ratings, entretanto o autor utilizou em sua amostra apenas instuições financeiras. Dos 44 bancos analisados, 41 deles tiveram o nível de rating estimado igual ao nível obtido a partir da Fch, o que representou 93 % de acerto. Diversos estudos foram realizados para determinar variáveis críticas na previsão de falência, utilizando análise discriminante e logo com duas classes: empresas saudáveis e empresas inadimplentes. Pode-se car Minardi e Sanvicente (2008) e Neto e Bro (2005). As principais variáveis explicativas encontradas foram (ativo circulante passivo total) / ativo total, (patrimônio líquido capal social) / ativo total, (lucro operacional despesas financeiras + receas financeiras) / ativo total, valor contábil do patrimônio líquido / valor contábil do exigível total e lucro operacional antes de juros e imposto de renda / despesas financeiras. IV. Metodologia e Base de Dados O modelo utilizado neste trabalho foi o probo ordinal em painel. Nessa seção apresentamos alguns detalhes desse modelo e descrevemos a base de dados. IV.1 O Modelo Probo Ordinal 5

6 Corbi e Menezes-Filho (2006, p.527) descrevem o probo ordinal (ou ordenado) como um modelo multinomial, utilizado principalmente para modelagem de uma variável dependente qualativa ordinal, como é o caso dos ratings emidos pelas agências de avaliação de risco de crédo. Em dados em painel, uma mesma unidade amostral, no caso empresa, é acompanhada ao longo do tempo. Assumindo que y representa o rating obtido pela empresa i no instante de tempo t, desse modo, essa variável assume o valor: 0 para rating "AAA", 1 para "AA", 2 para "A" e assim sucessivamente. Admindo a existência de m+1 categorias de * resposta e considerando uma variável latente y que se associa com y através da seguinte * relação: y = j μ j 1 y μ j, em que j = 0,..., m e = μ 1 μ0 = 0 μ1... μm =. O modelo probo ordinal pode ser representado através da relação y * = β x' + ε, (1) em que, i = 1,..., n e t=1,..., T, na qual x é um vetor p-dimensional com os valores das variáveis independentes para a i-ésima empresa, no t-ésimo instante de tempo e ε =α i +ν, em que α i e ν seguem distribuições normais com média zero e variâncias dadas por σ 2 e 1, respectivamente. Além disso, dadas as variáveis independentes, α i e α j são não correlacionadas (para i diferente de j) e o mesmo acontecendo para ν e ν is para i j e/ou t s. A partir desses resultados temos que: 2 ( ε X ) 0 ( ), Var ε X = 1+ σ a E = e Corr σ 2 a 2 σ a ( ε, ε is X ) = ρ = 2 1+ σ a, sendo ρ o coeficiente de correlação intraclasse. O parâmetro expressa a heterogeneidade existente entre as diferentes empresas; já a correlação intraclasse, relaciona-se ao grau de dependência existente entre observações de uma mesma empresa ao longo do tempo. A estimação dos parâmetros do modelo é fea pelo método da máxima verossimilhança. Mais detalhes sobre modelos probo para dados em painel podem ser encontrados em Maddala (1987), Woolridge (2002) e Greene (2003), por exemplo. Sem perda de generalidade, o modelo apresentado pode ser utilizado em painéis desbalanceados. Extensões desse modelo podem ser encontradas nas referências deste capítulo e na leratura especializada. IV.2 Base de Dados Foram coletados dados de companhias brasileiras que disponibilizavam informações contábeis e possuíam avaliação de crédo da S&P, no período de 2000 a Empresas financeiras e seguradoras foram excluídas da amostra, pois apresentam um alto grau de alavancagem, diferentemente da maioria das companhias industriais e de serviços. Também não fizeram parte da amostra empresas de capal fechado, dado que as mesmas não são obrigadas a publicar suas demonstrações contábeis audadas. A Tabela 2 contém a amostra de empresas analisadas. Os graus de ratings utilizados neste trabalho foram aqueles emidos pela S&P e referentes à classificação Escala Nacional de Crédo de Longo Prazo. A utilização de dados da S&P foi devida a disponibilidade de série histórica em seu sistema Cred Watch. Cabe destacar que se adotou, para cada empresa da amostra, o rating válido para o último dia do ano entre dezembro de 2000 a dezembro de A opção pela classificação Escala Nacional 6

7 de Crédo de Longo Prazo foi motivada pelo fato desta avaliação atribuir um menor peso ao risco soberano nacional. Não foi possível utilizar dados de outras agências, como a Moody s, por exemplo, por não existir uma base histórica consolidada com este tipo de informação. Os graus de rating foram associadas à variável independente categorizada y de acordo com a Tabela 3, sendo 0 o equivalente ao grau AAA e 6 equivalente aos piores ratings: CC, C e D. Foram construídas duas séries de variáveis explicativas contábeis ou financeiras: (1) a partir das demonstrações contábeis em 31 de dezembro disponíveis na base da Economática e (2) médias dos índices apurados em 31 de dezembro dos últimos três anos. Os índices contábeis e financeiros foram selecionados com base nos estudos de Blume et al (1998), Jorion et al (2005), Minardi et al (2006) e Standard and Poor s (2006), conforme demonstrado na Tabela 4. Não foi possível testar variáveis relacionadas ao mercado, como o coeficiente beta, o erro-padrão do CAPM e o valor de mercado das companhias. Algumas empresas da amostra não tinham ações negociadas na Bolsa de São Paulo, outras empresas não apresentavam uma liquidez razoável para se apurar dados de betas e erros padrões. Por isso, optou-se por incluir uma variável dummy indicando se a empresa tem ação pertencente ao índice BOVESPA ou não. Usualmente as ações que fazem parte do Ibovespa, além de muo líquidas, são de grandes companhias, que no geral oferecem maior transparência aos seus acionistas, através da divulgação de um maior volume de informações de qualidade, facilando o acompanhamento de seu desempenho. Foi incluída uma variável dummy de intercepto para cada ano, com a finalidade de testar a hipótese de que as agências de rating estão sendo mais rigorosas em suas análises. Essa metodologia foi adotada por Blume et al (1998) e Jorion et al (2005). Caso haja uma tendência de aumento ou de diminuição no rigor das análises, os interceptos do modelo apresentarão tendência de crescimento ou decrescimento ao longo do tempo. O período analisado neste estudo foi de 2000 a 2005, sendo, portanto, criadas as variáveis dummies: D2001, D2002, D2003, D2004 e D2005. O ano de 2000 foi representado pelo próprio intercepto da regressão, evando-se com isto uma suação de perfea multicolinearidade. Desse modo, o intercepto de 2001, por exemplo, é obtido pela soma do intercepto do modelo com o parâmetro que multiplica D2001. V. Análise dos Resultados Inicialmente foi testado se há uma maior severidade por parte das agências de rating em suas análises de crédo, controlando-se pelas características individuais de cada empresa medidas pelas variáveis explicativas. Os sinais e a significância dos coeficientes das dummies de anos é que indicarão se houve ou não um aperto nas análises das agências. O modelo utilizado neste teste é o indicado pela equação (2). E (2) ( y ) = α 1 + α 2D2001t + α 3D2002t + α 4D2003t + α 5D2004t + α 6D2005t + βx' em que: y é a variável latente que determina o rating da empresa i no ano t; α 1 é o intercepto da α j regressão; D ANOt é 1 se t=ano e 0 caso contrário;, j = 2,...,6, é o parâmetro que indica a importância da variável dummy de ano (D ANO ); x é o vetor com os valores observados das 7

8 variáveis independentes para a empresa i no ano t; β é o vetor de parâmetros que indica a contribuição das variáveis independentes na explicação da média de y. Tabela 2 Amostra de Empresas Analisadas Empresa Setor Aços Villares S.A. Transformação de aço em produtos de aço AES Sul Distribuidora Gaucha de Energia S.A. AmBev - Companhia de Bebidas das Américas Indústria de bebidas America Latina Logística S.A. Transporte ferroviário Ampla Energia e Serviços Aracruz Celulose S.A. Indústria de papel, celulose e papelão Brasil Telecom Participacões S.A Telecomunicações Brasil Telecom S.A. Telecomunicações Braskem S.A. Indústria química Companhia de Concessões Rodoviárias (CCR) Atividades auxiliares ao transporte rodoviário Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia Sabesp Água, esgoto e outros sistemas CESP Companhia Energética do Rio Grande do Norte Companhia Forca e Luz Cataguazes-Leopoldina Companhia Paulista de Forca e Luz Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) Transformação de aço em produtos de aço CPFL Energia S.A. Elektro Eletricidade e Serviços, S.A. Eletropaulo Fertibrás S.A. Indústria de fertilizantes e pesticidas Gafisa S.A. Construção de edifícios residenciais Gerdau S.A. Transformação de aço em produtos de aço Klabin S.A. Indústria de papel, celulose e papelão L.F. TEL S.A. Telecomunicações La Fonte Participações Administração de empresas e empreendimentos Localiza Rent a Car S.A. Atividades auxiliares ao transporte rodoviário Neoenergia S.A. Net Serviços de Comunicação S.A. TV a cabo Petroquímica União S.A. Indústria química REXAM Indústria de produtos de metal Rio Grande Energia S.A. Souza Cruz Indústria de fumo Tele Norte Leste Participações S.A. (TNL) Telecomunicações TIM Nordeste Telecomunicações S.A. Telecomunicações TIM Sul S.A Telecomunicações Tractebel Energia S.A. Ultrapar Participações S.A. Indústria química Vivo Participações S.A. Telecomunicações Tabela 3 Variável categorizada y e classe de rating Variável Categorizada y Grau de rating 0 AAA 1 AA 2 A 3 BBB 4 BB e B 5 CCC 6 CC, C e D 8

9 Tabela 4 Variáveis explicativas adotadas no estudo Categoria Nome Método de Estimação Referência Bibliográfica Ibovespa IBOV Variável Dummy de presença no Índice Bovespa - Tamanho Ativo Ln(Ativo Total) Minardi et al (2006) CJ1 Cobertura de Juros (1) = EBIT* / Blume et al (1998), Jorion et al (2005) Desp. Financeira e Standard and Poor s (2006) Capacidade de Cobertura de Juros (2) = (Lucro Pagamento Líquido + Depreciação e Blume et al (1998), Jorion et al (2005) CJ2 Amortização Var. Capal Giro e Standard and Poor s (2006) Var. Ativo Permanente) / Despesa Financeira Endividamento de Longo Prazo/ DLP Ativo = Exigível de Longo Prazo / Blume et al (1998) e Jorion et al (2005) Estrutura Capal Lucratividade de DT MO Ativo Total Endividamento Total/ Ativo = (Dívida Total Bruta** + Outras Obrigações de Curto e Longo Prazo) / Ativo Total Margem Operacional = EBIT / Recea Líquida Operacional Blume et al (1998), Jorion et al (2005) e Standard and Poor s (2006) Blume et al (1998), Jorion et al (2005), Minardi et al (2006) e Standard and Poor s (2006) ROA Lucro Líquido / Ativo Total Minardi et al (2006) CP1 Capacidade pagamento (1)= Dívida Total Bruta / EBITDA*** Standard and Poor s (2006) Capacidade pagamento (2) = (Lucro CP2 Líquido + Depreciação e Amortização) / Dívida Total Bruta Blume et al (1998), Jorion et al (2005) e Standard and Poor s (2006) * EBIT Lucro antes do pagamento de juros e impostos (do inglês Earnings Before Interest and Taxes); ** Dívida Total Bruta Financiamento de Curto e Longo Prazo + Debêntures de Curto e Longo Prazo; *** EBITDA - Lucro antes do pagamento de juros, impostos, depreciação e amortização (do inglês Earnings before interest,taxes, depreciation and amortization). O modelo em (2) foi testado com índices contábeis apurados em 31 de dezembro e com a média dos últimos 3 anos. A Tabela 5 contém os resultados. Apenas o coeficiente da variável ROA e da variável indicativa D2002, quando calculados com dados médios, foram significativos. No modelo onde foram empregadas as variáveis em 31/12, nenhum coeficiente se mostrou isoladamente significativo. A análise do comportamento do intercepto da regressão não indicou nenhuma tendência para ambas as estimativas (média e 31/dez), o que implica que não se constatou uma maior severidade das agências de ratings em suas análises para as empresas brasileiras. Realizou-se um teste de Wald para avaliar se os coeficientes das dummies de ano são conjuntamente iguais a zero, ou seja, se α 2 =α 3 =α 4 =α 5 =α 6 =α 7 =0. A hipótese de que os coeficientes são iguais a zero não foi rejeada tanto com variáveis explicativas estimadas com a média dos últimos 3 anos, como estimadas em 31 de dezembro. O teste foi realizado novamente com modelo que continha apenas as variáveis adotadas por Blume et al (1998): Endividamento Total sobre Ativo (DT), Endividamento de Longo Prazo sobre Ativo (DLP), Margem Operacional (MO) e Cobertura de Juros 1 (CJ1). Neste caso também a hipótese nula não foi rejeada. As variáveis explicativas significativas foram MO e D2003, tanto para dados apurados ao final do ano, como apurados com média dos últimos 3 anos. A Tabela 6 contém os resultados dos coeficientes para o modelo com as variáveis utilizadas por Blume et al (1998). 9

10 Tabela 5 Regressões com todas as variáveis explicativas Variáveis Média dos índices dos últimos 3 anos Índices em 31/12 Parâmetro Estatística-T Parâmetro Estatística-T Constante 5,44 0,20 45,71 1,75 D2001 1,71 0,91 2,29 0,98 D2002 4,18 2,34 4,42 1,80 D2003 4,68 1,71 5,33 1,55 D2004 3,68 1,37 4,78 1,52 D2005 3,72 1,31 3,24 1,17 IBOV -3,74-1,27-3,40-1,31 ATIVO 0,02 0,02-1,73-1,63 CP1 0,14 0,21 0,28 0,45 CJ2 0,03 0,16-0,08-0,58 MO -4,98-0,57-12,29-1,54 ROA -25,00-2,28 0,05 0,00 DT 13,99 1,49 5,04 0,60 CP2 0,13 0,24 0,13 0,08 CJ1-0,12-0,23-0,01-0,03 DLP -11,71-1,23 2,37 0,43 μ1 6,53 1,98 10,13 2,30 μ2 12,77 2,64 16,30 2,61 μ3 16,24 2,76 19,70 2,72 μ4 16,90 2,56 20,51 2,58 μ5 17,61 2,41 21,18 2,62 ρ 0,95 0,97 Teste de Wald 0,6682 0,4048 Tanto nos modelos da Tabela 5, como nos da Tabela 6, a correlação intraclasse (ρ) mostrou-se bastante elevada. Isso não chega a ser uma surpresa, pois observa-se, na maioria das empresas pequenas variações do rating ao longo do tempo. Isso leva a uma forte autocorrelação nos dados, captada por esse coeficiente. Tabela 6 Regressões com as variáveis explicativas adotadas por Blume et al Variáveis Média dos índices dos últimos 3 anos Índices em 31/12 Parâmetro Estatística-T Parâmetro Estatística-T Constante 6,12 3,25 3,52 1,86 D2001 0,84 0,89 1,24 0,88 D2002 2,71 1,90 2,49 1,41 D2003 2,74 2,18 3,37 2,11 D2004 2,12 1,72 2,98 1,73 D2005 1,57 1,55 1,74 1,44 MO -8,67-2,39-10,11-2,91 DT 7,52 1,25 9,08 1,89 CJ1-0,45-1,53-0,26-1,02 DLP -4,74-0,99 0,64 0,15 μ1 5,70 2,98 6,02 3,10 μ2 9,71 3,13 10,18 3,34 μ3 12,21 3,35 12,87 3,59 μ4 12,67 3,10 13,49 3,13 μ5 13,16 2,97 14,12 2,99 ρ 0,93 0,92 Teste de Wald 0,1778 0,

11 Dado que não foi encontrada nenhuma evidência de que as agências de ratings estão sendo mais rígidas em suas análises, foi possível utilizar toda a amostra (2000 a 2005) para a estimação de um modelo para determinação de ratings para empresas brasileiras através de variáveis contábeis. O modelo utilizado para a estimativa de ratings é o indicado pela equação (3). E ( y ) = α + βx' (3) na qual: y é a variável latente que determina o rating da empresa i no ano t (vide capítulo 3); α é o intercepto da regressão; x é o vetor com os valores observados das variáveis independentes para a empresa i no ano t; β é o vetor de parâmetros que indica a contribuição das variáveis independentes na explicação da média de y. O primeiro modelo estimado reuniu todas as variáveis contábeis construídas neste estudo e o resultado é apresentado na Tabela 7. Pode-se verificar que apenas os coeficientes da variável indicadora de presença no Ibovespa (IBOV), DT (Dívida Total Bruta + Outras Obrigações de Curto e Longo Prazo / Ativos) e ROA (Lucro Líquido / Ativos) foram significativos. O modelo classificou corretamente 57,0% da amostra e 32,0% da amostra foi classificada um nível acima ou um nível abaixo na escala de ratings. A partir do modelo completo foram testadas diversas combinações de variáveis explicativas, retirando-se a variável com menor significância. As variáveis estimadas com as médias dos últimos 3 anos que, conjuntamente, melhor explicaram os ratings foram a dummy do IBOVESPA (IBOV), Retorno sobre o Ativo (ROA) e Endividamento total sob o Ativo (DT). Os resultados são apresentados na Tabela 8. Todos os coeficientes foram significativos e com sinais iguais aos esperados. Este modelo foi capaz de acertar 64,1% dos ratings da amostra. Outros 24,2% foram classificados um nível acima ou um nível abaixo na escala de ratings, totalizando 88,3%. A Tabela 9 sintetiza, para cada agrupamento de ratings (variável categorizada y), o nível de acerto obtido com o modelo proposto. Por exemplo, na amostra havia seis empresas que foram agrupadas na variável categorizada 0 (ratings +AAA, AAA e AAA), desta amostra o modelo acertou o rating de apenas uma empresa, sendo que as outras cinco companhias foram classificadas como 1 (ratings +AA, AA e AA). O modelo atribuiu um rating pior do que o estabelecido pela S&P para quatro empresas, sendo que para duas delas (AES Sul e NET) pode-se constatar que no ano seguinte a S&P efetuou o rebaixamento destas empresas, ou seja, o modelo antecipou a avaliação de crédo. Para as empresas CPFL e Vivo o modelo não apresentou a aderência esperada. Por outro lado, constatou-se que para três empresas (CESP, Elektro e Eletropaulo) o modelo atribuiu ratings de crédo melhores do que os divulgados pela S&P. Neste caso pode-se apurar que, apesar do nível de endividamento (DT) e do retorno sobre ativo (ROA) serem compatíveis com os apresentados por outras empresas, algumas variáveis não adotadas no modelo indicavam problemas com a empresa, como por exemplo, o indicador relacionado à taxa de cobertura de juro (CJ1), que na média era muo inferior aos das demais empresas da amostra. Em termos de acerto dentro da amostra, o modelo proposto apresentou resultados levemente superiores aos apresentados por Minardi et al (2006), entretanto as únicas variáveis em comum entre ambos os estudos foram endividamento total sobre ativo (DT) e retorno sobre ativo (ROA). A variável volatilidade empregada por Minardi et al (2006, p.9) não pôde ser reproduzida neste estudo, enquanto as demais variáveis (Ativo Total, EBIT / Dívida 11

12 Financeira Líquida e EBIT / Recea Líquida), apesar de terem sido avaliadas, foram descartadas durante o processo de eliminação de variáveis não significativas. Outro ponto que diferenciou os trabalhos diz respeo ao modelo adotado, uma vez que Minardi et al (2006, p.8) empregou um modelo logo ordinal, enquanto este estudo aplicou o probo ordinal em painel. Além do exposto, foi aplicada a técnica leave-one-out. De acordo com Neto e Bro (2000, p.20) esta técnica consiste em: separar uma observação da amostra original, estimar os coeficientes do modelo com base no restante da amostra (n-1) e classificar a observação apartada utilizando a nova equação. O procedimento é repetido para toda a amostra (n vezes), de maneira que todas as observações sejam classificadas por modelos cujos parâmetros foram estimados com base nas demais. Os resultados não apontaram nenhuma diferença significativa no número de acertos do modelo. Tabela 7. Modelo com todas as variáveis para a determinação de ratings Variável Coeficiente (b) P-Valor Constante 4,07 0,71 IBOV -3,70 0,00 (*) ATIVO 0,12 0,83 CP1 0,04 0,92 CJ2 0,12 0,48 MO -3,16 0,70 ROA -14,83 0,06 (**) DT 9,42 0,07 (**) DLP -4,74 0,47 CP2 0,10 0,91 CJ1-0,28 0,40 μ1 4,85 0,03 (*) μ2 8,61 0,00 (*) μ3 10,70 0,00 (*) μ4 11,18 0,00 (*) μ5 11,62 0,00 (*) Tabela 8. Modelo Contendo apenas Variáveis Explicativas Significativas Variável Coeficiente (b) P-Valor Constante 2,97 0,06 (**) IBOV -2,41 0,02 (*) ROA -11,88 0,00 (*) DT 7,33 0,01 (*) μ1 3,85 0,00 (*) μ2 6,67 0,00 (*) μ3 8,41 0,00 (*) μ4 8,80 0,00 (*) μ5 9,16 0,00 (*) (*) Significativo a 5%. (**) Significativo a 10%. 12

13 Tabela 9 Resultado obtido pelo modelo reduzido de determinação de ratings Rating observado Total Linha Rating previsto pelo modelo Total Coluna VI. Conclusão As análises efetuadas não indicaram que a Standard and Poor s, entre os anos de 2000 a 2005, tenha sido mais restriva em suas análises de crédo para empresas brasileiras não financeiras, ou seja, não foram encontrados indícios de que uma empresa com os mesmos indicadores contábeis ao longo do tempo receberia atualmente uma avaliação de risco de crédo pior do que a atribuída em anos anteriores. É difícil comparar os resultados obtidos com os apresentados por Blume et al (1998, p.1399) e Jorion et al (2005, p.21). Em primeiro lugar o presente estudo utilizou conjuntamente empresas com grau de investimento e com grau especulativo, enquanto os autores cados analisaram cada classe separadamente. Apenas uma amostra maior de empresas possibilaria esta estratificação. Outro ponto que diferencia este trabalho dos demais diz respeo às variáveis empregadas, uma vez que não foi possível utilizar alguns indicadores de mercado, como o coeficiente beta e o erro-padrão do modelo CAPM, pois algumas empresas que fizeram parte da amostra não possuíam ações negociadas na Bovespa. A alternativa empregada foi utilizar uma variável dummy de presença das ações da empresa no Índice Bovespa, o que se mostrou uma decisão acertada, haja vista que essa variável foi significativa nos modelos de previsão de rating. Dado que não foi encontrada nenhuma diferença significativa entre os interceptos dos diferentes anos, foi possível utilizar a amostra de 2000 a 2005 para previsão de um modelo para atribuição de ratings. O modelo com maior nível de acerto na previsão, onde os coeficientes, além de significativos, apresentaram os sinais esperados, utilizou as seguintes variáveis médias: IBOV (variável dummy de presença no Índice Bovespa, distinguindo se uma empresa participa ou não do Índice Bovespa); DT (Dívida Total Bruta + Outras Obrigações de Curto e Longo Prazo / Ativos); ROA (Lucro Líquido / Ativos). A partir deste modelo foram obtidos indícios de que empresas com ações no Ibovespa, maior retorno sobre os ativos (ROA) e menor endividamento total sobre o total de ativos (DT) tendem a ter um rating melhor. Isto já era esperado, uma vez que estas são características básicas em empresas com baixo risco de crédo. Através do modelo probo ordinal em painel (desbalanceado) foi possível acertar 64,1% dos ratings da amostra. Outros 24,2% foram classificados um nível acima ou um nível abaixo na escala de ratings. Resultados parecidos foram encontrados por Minardi et al (2006, p. 10), entretanto os autores utilizaram outras variáveis explicativas, além do modelo adotado ter sido o logo ordinal. A ausência de uma série histórica mais longa e uma amostra relativamente pequena foram os principais problemas encontrados para a elaboração deste estudo. Isso sugere que as conclusões deste trabalho merecem ser confirmadas em amostras maiores. Sugerimos, então, que para estudos futuros o modelo seja reavaliado, à medida que novas notas de rating e dados contábeis sejam disponibilizados pelo mercado. A obtenção de uma série maior de empresas pode permir a utilização de modelos alternativos em estudos futuros. A estrutura de dependência poderia ser flexibilizada através 13

14 do uso de uma abordagem de equações de estimação, além da adoção de modelos com melhor controle da heterocedasticidade. Outra sugestão seria a divisão dos dados em duas amostras: uma de estimação e outra de validação. Os dados da primeira amostra seriam utilizados na estimação do modelo. O modelo estimado seria utilizado para prever os ratings das empresas da segunda amostra. Dessa forma, matrizes como a apresentada na Tabela 9 poderiam ser construídas com empresas que não participaram do procedimento de estimação, o que replicaria uma suação real de uso dos modelos. Apesar das limações impostas por uma amostra pequena, os resultados obtidos foram coerentes com o esperado, principalmente no que se refere aos modelos de previsão de rating que apresentaram uma taxa satisfatória de boas classificações (corretas ou vizinhas às corretas) e, para os indicadores contábeis significativos, estimativas de parâmetros com os sinais esperados pela teoria. Com relação à análise dos interceptos dos diferentes anos, este trabalho está sujeo aos mesmos problemas destacados por Blume et al (1998, p. 1409), principalmente no que diz respeo à omissão de alguma variável explicativa chave. Se esta hipótese estiver correta, os indicadores contábeis utilizados para caracterizar as firmas deste estudo e em estudos similares são inadequados, ou pelo menos insuficientes para justificar uma postura mais severa por parte das agências de rating. Referências bibliográficas BLUME, M.E.; LIM, F.; MACKINLAY, A.C. The Declining Cred Qualy of U.S. Corporate Debt: Myth or Realy? The Journal of Finance, Chicago, v. 53, n.4, p , BONE, R.B. Ratings Soberanos e Corporativos: o rompimento do teto soberano pela Petrobrás e Repsol-YPF. Tese (Doutorado em Ciências Econômicas) - Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ. Rio de Janeiro: UFRJ, COHEN, D.; DEY, A.; LYS, T. Trends in Earnings Management and Informativeness of Earnings Announcements in the Pre and Post-Sarbanes Oxley Periods. Working Paper - Northwestern Universy, Chicago, Disponível em: < Acesso em: 01 de mai CORBI, R.B.; MENEZES-FILHO, N.A. The empirical determinants of happiness in Brazil. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 26, n. 4, Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=es&nrm=iso>. Acesso em: 01 de mai EDERINGTON, L. Classification models and bond ratings. The Financial Review, Washington, v. 20, n.4, , GREENE, W. H. Econometric Analysis. 5. ed. New Jersey: Prentice Hall, INGOLFSSON, S; ELVARSOON, B.T. Cyclical Adjustment of Point-in-Time (PiT) PD. Cred Scoring & Cred Control X, Cred Research Centre. Universy of Edinburgh. School of Management

15 JORION, P.; SHI, C.; ZHANG, S. Tightening Cred Standards: Fact or Fiction? Job Paper - Universy of California, Irvine, Disponível em: <http://faculty.washington.edu/yuchin/papers/ner.pdf>. Acesso em: 10 de mar KAPLAN, R.S.; URWITZ, G, Statistical Models of Bond Ratings: A Methodological Inquiry. The Journal of Business, Chicago, v. 52, n. 2, p , MADDALA, G.S. Limed Dependent Variable Models Using Panel Data. Journal of Human Resources, Madison, v. 22, n. 3, p , MINARDI, A; SANVICENTE, A. Identificação de indicadores contábeis significativos para previsão de concordata de empresas. Outubro de Disponível em MINARDI, A.; SANVICENTE, A.; ARTES, R. Determinação de Crédo de Unidades de Negócio Visando Estimar o Custo de Capal de Terceiros. Working Paper Ibmec SP, São Paulo, MOODY S INVESTORS SERVICE. Rating Methodology: Moody s Approach to Rating the Petroleum Industry, Disponível em: <www.moodys.com>. NETO, A.; BRITO, G.A.S. Modelo de Classificação de Risco de Crédo de Grandes Empresas, Disponível em: <http://www.congressoeac.locaweb.com.br/artigos52005/383.pdf>. Acesso em: 01 de mai SALES, B.F. Desenvolvimento de metodologia de rating baseado no modelo Ordered Prob. Dissertação (Mestrado em Finanças e Economia Empresarial) - Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ. Rio de Janeiro: UFRJ, STANDARD & POOR S. Corporate Ratings Creria, Disponível em: <http://www.corporatecreria.standardandpoors.com> Acesso em: 12 de dez STANDARD & POOR S. Ratings Corporativos, Disponível em: <http://www.standardandpoors.com.br> Acesso em: 12 de dez WOOLDRIDGE, J.M. Econometric Analysis of Cross Section and Panel Data. London: The MIT Press, p. 15

Revista de Administração - RAUSP ISSN: 0080-2107 rausp@edu.usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista de Administração - RAUSP ISSN: 0080-2107 rausp@edu.usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revista de Administração - RAUSP ISSN: 0080-2107 rausp@edu.usp.br Universidade de São Paulo Brasil Damasceno, Danilo Luís; Artes, Rinaldo; Accioly Fonseca Minardi, Andrea Maria Determinação de rating de

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

Comunicado à Imprensa. S&P reafirma ratings da Tele Norte Leste Participações S.A.

Comunicado à Imprensa. S&P reafirma ratings da Tele Norte Leste Participações S.A. Comunicado à Imprensa S&P reafirma ratings da Tele Norte Leste Participações S.A. Analistas: Ana Claudia Nunes, São Paulo (55) 11-5501-8956; Reginaldo Takara, São Paulo (55) 11-5501- 8932; Milena Zaniboni,

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

LOCALIZA RENT A CAR S.A. 5ª Emissão Pública de Debêntures

LOCALIZA RENT A CAR S.A. 5ª Emissão Pública de Debêntures LOCALIZA RENT A CAR S.A. 5ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 LOCALIZA RENT A CAR S.A. 5ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

Fitch Publica Rating A-(bra) da Casan; Perspectiva Estável

Fitch Publica Rating A-(bra) da Casan; Perspectiva Estável Fitch Publica Rating A-(bra) da Casan; Perspectiva Estável Fitch Ratings - Rio de Janeiro, xx de outubro de 2015: A Fitch Ratings publicou, hoje, o Rating Nacional de Longo Prazo A-(bra) (A menos(bra))

Leia mais

NT-Assessoria da Bancada do PT no Senado Esclarecimentos sobre a Retirada do Grau de Investimento

NT-Assessoria da Bancada do PT no Senado Esclarecimentos sobre a Retirada do Grau de Investimento NT-Assessoria da Bancada do PT no Senado Esclarecimentos sobre a Retirada do Grau de Investimento A retirada do grau de investimento dos papéis da dívida brasileira pela agência Standard and Poors, uma

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro

Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro Alexandre de Oliveira - out/2013 No atual estágio de desenvolvimento das metodologias para mensuração do risco de crédito

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures

OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Oi S.A. (atual denominação de BRASIL TELECOM S.A.) 8ª Emissão

Leia mais

metodologias SR RATING

metodologias SR RATING metodologias SR RATING o processo de avaliação de risco de instituição financeira 1. INTRODUÇÃO A intermediação financeira é peça motriz da economia, estando esses agentes financeiros no centro da ebulição

Leia mais

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ ETAPA II RELATÓRIO 12 Relatório técnico de indicadores do setor de concessões

Leia mais

ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE. Margem Bruta. VL = Vendas Líquidas (ou Receitas Líquidas ou Faturamento Líquido)

ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE. Margem Bruta. VL = Vendas Líquidas (ou Receitas Líquidas ou Faturamento Líquido) Índices econômico-financeiros sob a ótica de finanças 13 ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE LB = Lucro Bruto Margem Bruta MB = LB Margem Bruta é quanto a empresa tem de lucro após a dedução dos custos da empresa.

Leia mais

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 AVISO Nesta apresentação nós fazemos declarações prospectivas que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e suposições

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Principais termos e condições dos empréstimos do BIRD

Principais termos e condições dos empréstimos do BIRD BANCO INTERNACIONAL DE RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO B I R D Principais termos e condições dos empréstimos do BIRD D EPARTAMENTO DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS (FPS) TELEFONE: (202) 458-1122 FAX:

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09 Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa A instabilidade registrada nos mercados financeiros internacionais de maio a junho de 26, a exemplo da turbulência observada recentemente, impactou negativamente

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

Estatística I Aula 1. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística I Aula 1. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística I Aula 1 Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística Estatística

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 ESTUDO ESPECIAL REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Novembro 2013 SUMÁRIO 1. Sumário e conclusões... 3 2. Entre

Leia mais

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES O Instituto Assaf comparou diversos indicadores de desempenho dos bancos grandes e dos bancos médios de 2009 a 2011. Primeiramente

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Financiamento a Longo Prazo. Alternativas. Capital Próprio. Prf. José Fajardo EBAPE-FGV. Ações Ordinárias Ações Preferenciais

Financiamento a Longo Prazo. Alternativas. Capital Próprio. Prf. José Fajardo EBAPE-FGV. Ações Ordinárias Ações Preferenciais Financiamento a Longo Prazo Prf. José Fajardo EBAPE-FGV Alternativas Ações Ordinárias Ações Preferenciais Debêntures Outros títulos de dívida BNDES Capital Próprio Ações autorizadas x emitidas Lucros retidos

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 Agenda Introdução Demandas do mercado de capitais Governança corporativa Governança corporativa no

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 5 Índice OBJETIVO

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 13 de maio de 2013 - A Unidas S.A. ( Companhia ou Unidas ) anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação 3T08 Apresentação de Resultados José Carlos Aguilera (Diretor Presidente e de RI) Eduardo de Come (Diretor Financeiro) Marcos Leite (Gerente de RI) Destaques do Período Contexto de crise no

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o Capital entre 2004 e 03/2006

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o Capital entre 2004 e 03/2006 SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o o A Quantidade do Capital Vendido o O Valor das Empresas no dia do IPO o O Valor das

Leia mais

Determinação de Rating de Crédito de Unidades de Negócios Visando Estimar o Custo de Capital de Terceiros

Determinação de Rating de Crédito de Unidades de Negócios Visando Estimar o Custo de Capital de Terceiros Determinação de Rating de Crédito de Unidades de Negócios Visando Estimar o Custo de Capital de Terceiros Andrea Maria Accioly F. Minardi Antônio Zoratto Sanvicente Rinaldo Artes Insper Woring Paper WPE:

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50%

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50% III) Plano de Benefícios de Contribuição Definida (Plano CD) 1) Administracão dos Recursos: A administração dos recursos da Fundação Previdenciária IBM é terceirizada, sendo prerrogativa do Conselho Deliberativo

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2012 A Percepção dos Investidores Sobre as Ações das Companhias Brasileiras de Incorporação e Construção Residencial David Lawant,

Leia mais

Contribuição AES BRASIL 1

Contribuição AES BRASIL 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL Nº 002/2014 Contribuição da AES Brasil à Audiência Pública ANEEL n⁰ 002/2014, a qual tem o objetivo obter subsídios para o aprimoramento da metodologia de cálculo de custo de capital

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

CUSTO DE CAPITAL AUDIÊNCIA PÚBLICA 123/2013

CUSTO DE CAPITAL AUDIÊNCIA PÚBLICA 123/2013 Sumário Modelo CAPM... 2 Risco Cambial... 3 Risco Regulatório... 4 Tamanho das Séries Históricas... 5 Modelo CAPM Embora exista certa diversidade de metodologias para o cálculo do risco de capital, o modelo

Leia mais

DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho

DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho RESUMO Este artigo relata uma pesquisa empírica de teste e quantificação

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012 OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012 Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012 Assunto: Orientação sobre os deveres e responsabilidades dos administradores e dos auditores independentes, na elaboração

Leia mais

BRB. Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating

BRB. Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco de Brasília S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 19 de Agosto de 2009, foi confirmada a nota atribuída

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO INTRODUÇÃO Todo problema de decisão envolve julgamento sobre um conjunto conhecido de alternativas; Informações Disponíveis (Dados) Conhecidos com certeza;

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T15

Divulgação de Resultados 3T15 São Paulo - SP, 4 de Novembro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A.

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. BI Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco Industrial S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 6 de agosto de 2008, foi confirmada a nota A+ atribuída ao referido banco

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

OS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA: UM ESTUDO DO MERCADO BRASILEIRO 1. Maicon Lambrecht Kuchak 2, Daniel Knebel Baggio 3.

OS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA: UM ESTUDO DO MERCADO BRASILEIRO 1. Maicon Lambrecht Kuchak 2, Daniel Knebel Baggio 3. OS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA: UM ESTUDO DO MERCADO BRASILEIRO 1 Maicon Lambrecht Kuchak 2, Daniel Knebel Baggio 3. 1 Resultados do Projeto de Pesquisa de Iniciação Científica - PIBIC/CNPq 2 Bolsista PIBIC/CNPq,

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Prezado(a) participante, Seguem informações referentes à Política de Investimento para o Plano Complementar de Benefícios da FACEB, Plano de Benefícios CEBPREV e Plano Administrativo PGA para o ano de

Leia mais

CIBRASEC - COMPANHIA BRASILEIRA DE SECURITIZAÇÃO

CIBRASEC - COMPANHIA BRASILEIRA DE SECURITIZAÇÃO CIBRASEC - COMPANHIA BRASILEIRA DE SECURITIZAÇÃO 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários Série: 153ª Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 CIBRASEC - COMPANHIA BRASILEIRA

Leia mais

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor Novembro 2010 Sobre Insider Buying/Selling Uma das perguntas cuja resposta todo analista ou investidor de ações gostaria de ter se refere à opinião daquelas pessoas

Leia mais

Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE

Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE Data de Publicação: 14 de outubro de 2009 Relatório de Monitoramento Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE Ratings em Outubro de 2009 Instrumento Rating Atual Rating Inicial

Leia mais

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Comunica orientações preliminares relativas à utilização das abordagens baseadas em classificação interna de exposições segundo o risco de crédito, para fins da apuração

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

Como funcionam os fundos de investimentos

Como funcionam os fundos de investimentos Como funcionam os fundos de investimentos Fundos de Investimentos: são como condomínios, que reúnem recursos financeiros de um grupo de investidores, chamados de cotistas, e realizam operações no mercado

Leia mais

Parte 1 Risco e Retorno

Parte 1 Risco e Retorno TÓPICOSESPECIAIS EM FINANÇAS: AVALIAÇÃO DE PROJETOS E OPÇÕES REAIS. AGENDA 1. RISCO E RETORNO 2. CUSTO DE CAPITAL PROF. LUIZ E. BRANDÃO 3. CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL (WACC) RAFAEL IGREJAS Parte 1

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DE INVESTIMENTO SOCIAL: UM ESTUDO DAS CEM MAIORES EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO NO BRASIL NO ANO DE 2009.

ANÁLISE DO PERFIL DE INVESTIMENTO SOCIAL: UM ESTUDO DAS CEM MAIORES EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO NO BRASIL NO ANO DE 2009. ANÁLISE DO PERFIL DE INVESTIMENTO SOCIAL: UM ESTUDO DAS CEM MAIORES EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO NO BRASIL NO ANO DE 2009. Maria Carolina Domingues Franco 1 ; Michel Mott Machado 2 ; Ricardo Trovão 3 Estudante

Leia mais

FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA

FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA POLÍTICA DE INVESTIMENTO FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA Vigência: 01/01/2008 a 31/12/2012 1 ÍNDICE GERAL 1 OBJETIVOS DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO...3 2 CRITÉRIOS

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I! Como o risco influi na análise de crédito?! O risco e o Cs do crédito! O modelo matricial de crédito! A importância da elaboração dos cenários

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

ÍNDICE DIVIDENDOS (IDIV) BM&FBOVESPA

ÍNDICE DIVIDENDOS (IDIV) BM&FBOVESPA ÍNDICE DIVIDENDOS (IDIV) A. Apresentação O Índice Dividendos (IDIV) tem por objetivo oferecer visão segmentada do mercado acionário, medindo o comportamento das ações das empresas que ofereceram aos investidores

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

Contato analítico adicional: Marcelo Schwarz, CFA, São Paulo, 55 (11) 3039?7782, marcelo.schwarz@standardandpoors.com

Contato analítico adicional: Marcelo Schwarz, CFA, São Paulo, 55 (11) 3039?7782, marcelo.schwarz@standardandpoors.com Data de Publicação: 26 de junho de 2014 Comunicado à Imprensa Standard & Poor's reafirma ratings 'BB+' na escala global e 'braa' na Escala Nacional Brasil atribuídos à Ampla Energia e Serviços; Rating

Leia mais

2005 Corretora em Nova York. Diversificação do portfólio. 2007 Expansão em Investment Bank, Consignado e Cartões. Estrutura acionária 3

2005 Corretora em Nova York. Diversificação do portfólio. 2007 Expansão em Investment Bank, Consignado e Cartões. Estrutura acionária 3 VISÃO GERAL - 2T5 Histórico 99 Início das operações como banco múltiplo 2002 Agência em Nassau 2005 Corretora em Nova York 2009 Início da parceria estratégica com o Banco do Brasil 205 BV Promotora (Consignado

Leia mais

Modigliani e Miller (MM) Estrutura de Capital. MM - Proposição I. Efeito das imperfeições do mercado. Custo de Capital. Premissas do Modelo de MM

Modigliani e Miller (MM) Estrutura de Capital. MM - Proposição I. Efeito das imperfeições do mercado. Custo de Capital. Premissas do Modelo de MM Modigliani e Miller (MM) Estrutura de Capital Premissas do Modelo de MM Não existem impostos. O endividamento da empresa não afeta o seu custo de capital A divisão do lucro entre Dividendos e Lucros Retidos

Leia mais

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais