Produto Interno Bruto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produto Interno Bruto"

Transcrição

1 DESIGNAÇÃO Valores em 10^6 STD, a Preços Correntes TOTAL PRODUTO INTERNO BRUTO VALOR ACRESCENTADO Agricultura, Produção Animal, Caça e Silvicultura Pescas Indústrias Extractivas Indústrias Transformadoras Produção e Distribuição de Electricidade, Gas e Água Construção Comércio Alojamento e Restauração ( Restaurantes e Similares) Transportes, Armazenagem e Comunicações Actividades Financeiras Actividades Imobiliarias, Alugueres e Serviços Prestados a Empresas Administração Pública, Defesa e Segurança Social Obrigatória Educação Saúde e Acção Social Outras Actividades de Serviços Colectivos, Sociais e Pessoais SIFIM Impostos sobre Produtos Direitos de Importacao Populaçao PIB percapita (M ilhoes STD) PIB percapita (USD) 524,93 573,68 672,86 721,37 847,12 885,00 941, , , , , , , ,51 Tx cambio media anual 8842, , , ,

2 DESIGNAÇÃO Valores em 10^6 STD, a Preços Constantes TOTAL PRODUTO INTERNO BRUTO VALOR ACRESCENTADO Agricultura, Produção Animal, Caça e Silvicultura Pescas Indústrias Extractivas Indústrias Transformadoras Produção e Distribuição de Electricidade, Gas e Água Construção Comércio Alojamento e Restauração ( Restaurantes e Similares) Transportes, Armazenagem e Comunicações Actividades Financeiras Actividades Imobiliarias, Alugueres e Serviços Prestados a Empresas Administração Pública, Defesa e Segurança Social Obrigatória Educação Saúde e Acção Social Outras Actividades de Serviços Colectivos, Sociais e Pessoais SIFIM Impostos sobre Produtos Direitos de Importacao

3 Tabela de Taxa: Preços Corrente TOTAL P RODUTO INTERNO BRUTO 11,9 15,5 11,6 19,2 15,1 14,2 30,5 7,7 10,7 11,7 14,5 6,9 5,8 VALOR ACRESCENTADO 11,3 16,9 12,3 20,9 16,8 16,3 31,6 14,5 11,3 15,3 18,6 9,5 8,5 Agricultura, Produção Animal, Caça e Silvicultura 30,4 15,7 2,8 15,8 16,1 18,5 23,1 37,3 16,7 20,8 11,1 8,4 10,1 Pescas 8,6 17,5 17,9 4,7 19,6 19,3 34,8 29,3 20,0 13,3 17,8 21,9 12,5 Indústrias Extractivas 25,7 29,4 15,2 17,6 23,7 27,4 48,0 7,0 0,2 3,3 0,0-0,8-0,8 Indústrias Transformadoras 5,9 7,0 0,4 9,5 15,6 7,1 62,5 5,8-0,4 6,2 1,4 0,0 0,2 Produção e Distribuição de Electricidade, Gas e Água 14,3 10,4 6,8 16,7 14,1 6,3 48,9 3,5-1,7 11,1 2,7 0,0 0,2 Construção 0,5 12,0 15,5 26,7 15,9 24,0 46,9 10,3-7,6 4,6 0,3-0,9-0,6 Comércio 7,9 13,3 3,7 15,3 16,7 14,3 35,7 13,0 8,1 13,6 9,9 4,3 4,8 Alojamento e Restauração ( Restaurantes e Similares) 8,4 8,5 20,8-0,5 13,3 35,3 35,7 10,1 22,9 19,6 14,2 17,2 40,7 Transportes, Armazenagem e Comunicações 8,5 11,1 15,3 24,9 21,1 16,0 19,0 6,4 7,4 17,8 17,2 4,4 4,4 Actividades Financeiras 3,4 153,3 31,3 38,1 7,6 15,0 46,0 21,5 10,5 15,1 18,4 9,8 8,6 Actividades Imobiliarias, Alugueres e Serviços Prestados a Empresas 19,2 17,0 17,3 11,9 7,6 15,1 46,0 21,4 10,5 15,1 18,4 9,8 8,6 Administração Pública, Defesa e Segurança Social Obrigatória 9,8 19,0 47,0 48,3 9,1-9,8 4,2 18,8 39,3-1,1 108,1 21,6 6,9 Educação 13,6 7,2 9,3-0,4-8,8 7,8 2,2 27,0 15,0 3,6 12,3 11,8 8,9 Saúde e Acção Social 9,5 11,5 10,1 3,2 1,7 4,6 7,0 13,3 27,6 4,4-0,2 33,3 13,7 Outras Actividades de Serviços Colectivos, Sociais e Pessoais 10,0 9,8 12,3 17,2 23,1 18,5 32,0 17,0 13,3 14,3 10,6 8,1 6,7 SIFIM 9,9-0,1 3,2 3,4 5,1-3,7 34,1 63,3-2,4 0,9-3,2-0,3 1,1 Impostos sobre Produtos 10,0-0,2 3,2 3,4 5,0-3,7 11,4-11,4-3,1 0,9-3,2-2,3-1,3 Direitos de Importacao 34,8-14,9-0,2-8,5 10,6-1,9 53,6-45,8 44,5-19,8-9,7 3,1-2,4

4 Volume TOTAL P RODUTO INTERNO BRUTO 2,4 6,6 3,8 7,1 9,1 3,3 8,2 4,0 4,5 4,8 4,6 4,2 4,5 VALOR ACRESCENTADO 2,4 4,9 3,0 6,1 6,0 1,4 5,2-0,2 2,6 2,7 1,6 1,5 1,9 Agricultura, Produção Animal, Caça e Silvicultura -1,5 1,4 3,9 1,7 7,3 2,6 11,2 4,4-2,9 0,3-1,2 0,2 1,3 Pescas 3,5 4,9 3,4 1,4 3,0 2,9 2,8 2,8 2,7 2,6 2,5 2,5 2,6 Indústrias Extractivas -19,2 10,5 8,8 2,6 6,7 0,8 3,9 4,6 5,0 8,3 9,5-0,7 1,2 Indústrias Transformadoras 4,5 3,4 2,7 3,6 5,0 3,2 7,7 2,7 0,5 3,8 8,7 5,3 1,3 Produção e Distribuição de Electricidade, Gas e Água 17,0 10,0 6,1 10,5 9,6 3,8 5,9 8,0 9,6 12,7 14,9 8,4 7,1 Construção -23,1 9,8 8,8 2,6 7,0 2,3 4,2-3,3 2,0 4,6 4,8 1,1 1,1 Comércio 5,2 7,6 7,7 6,6 9,6 2,6 9,8 1,0 6,3 7,0 5,6 3,8 3,4 Alojamento e Restauração ( Restaurantes e Similares) 18,1 4,9 4,2 0,8 8,6 0,0 1,2-1,9-2,5 4,5 4,7 4,9 24,1 Transportes, Armazenagem e Comunicações 17,4 11,1 6,1 32,3 2,7 4,7 1,1 8,0 4,1 3,0 4,7 5,4 5,8 Actividades Financeiras 2,4 4,9 3,0 6,1 15,0 2,6-4,8-1,7 2,6 2,7 1,6 1,5 1,9 Actividades Imobiliarias, Alugueres e Serviços Prestados a Empresas 2,4 4,9 3,0 6,1 15,0 2,6-4,8-1,7 2,6 2,7 1,6 1,5 1,9 Administração Pública, Defesa e Segurança Social Obrigatória 1,1 12,7-5,6-3,3 2,1 1,6 1,0 1,1 1,1 2,0 2,0 2,0 2,0 Educação -0,1 9,2 5,3 5,1 4,0 0,2 5,1 2,4 6,7 2,1 4,1 4,6 2,7 Saúde e Acção Social 13,2 14,4 9,0 2,1 2,0 5,6 1,5-0,6-4,7 1,9 1,9 2,0 2,0 Outras Actividades de Serviços Colectivos, Sociais e Pessoais 1,7 3,0-3,0 9,4 4,5 7,0 10,9 6,4 6,1 6,2 6,2 6,2 6,2 SIFIM 0,2 109,9 50,1 48,5 17,2 23,1 11,3 28,9 7,2 15,2 21,9 14,3 11,3 Impostos sobre Produtos 26,9 60,4 28,3 18,9 103,4 26,3 0,0 71,6 8,5 2,1 9,1 30,4 10,3 Direitos de Importacao -4,6 48,2 15,6 23,0 32,1 17,4 51,9 13,2 16,9 21,1 20,0 6,0 13,7

5 Tabela de Estruturas: DESIGNAÇÃO A Preços Correntes TOTAL PRODUTO INTERNO BRUTO 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 VALOR ACRESCENTADO 96,3 95,7 95,4 95,2 95,7 94,3 94,3 92,5 94,5 93,2 94,3 94,9 94,7 94,7 Agricultura, Produção Animal, Caça e Silvicultura 14,3 16,0 15,3 14,1 13,0 12,9 13,3 12,9 16,5 16,2 16,7 15,3 15,0 15,1 Pescas 6,3 6,2 6,2 6,5 5,4 5,3 5,5 5,4 6,4 6,9 6,8 6,9 7,7 8,1 Indústrias Extractivas 0,4 0,4 0,5 0,5 0,5 0,5 0,5 0,6 0,6 0,5 0,5 0,5 0,4 0,4 Indústrias Transformadoras 7,8 7,6 6,8 6,1 5,4 5,2 4,9 6,0 5,9 5,1 4,8 4,4 4,2 3,8 Produção e Distribuição de Electricidade, Gas e Água 1,5 1,8 1,7 1,7 1,7 1,7 1,6 1,8 1,8 1,7 1,8 1,7 1,7 1,6 Construção 10,0 6,7 6,7 7,3 7,4 7,4 7,9 8,6 8,2 6,7 6,2 5,5 4,9 4,5 Comércio 25,9 25,7 25,4 24,5 23,6 24,0 23,9 25,2 25,7 25,5 26,4 25,6 24,9 24,4 Alojamento e Restauração ( Restaurantes e Similares) 1,5 1,7 1,5 1,7 1,3 1,3 1,5 1,4 1,4 1,4 1,5 1,5 1,7 2,7 Transportes, Armazenagem e Comunicações 12,1 13,4 13,5 14,2 18,4 18,2 18,8 16,0 16,4 15,8 16,4 16,8 16,6 16,6 Actividades Financeiras 2,5 2,3 4,9 5,7 6,6 6,5 6,5 6,4 6,8 6,7 6,7 6,8 6,8 6,8 Actividades Imobiliarias, Alugueres e Serviços Prestados a Empresas 4,1 4,3 4,3 4,5 4,2 4,1 4,1 4,1 4,3 4,2 4,3 4,3 4,3 4,3 Administração Pública, Defesa e Segurança Social Obrigatória 5,5 5,4 5,9 7,0 7,9 7,0 5,4 4,0 4,3 5,3 4,5 8,0 9,0 8,8 Educação 1,0 1,0 0,9 0,9 0,7 0,6 0,5 0,4 0,5 0,5 0,4 0,4 0,4 0,5 Saúde e Acção Social 0,5 0,5 0,6 0,6 0,5 0,4 0,4 0,3 0,3 0,3 0,3 0,2 0,3 0,3 Outras Actividades de Serviços Colectivos, Sociais e Pessoais 4,7 4,6 4,2 3,9 4,0 4,0 4,4 4,5 5,0 5,2 5,4 5,3 5,5 5,6 SIFIM -1,9-1,8-3,0-4,1-4,9-4,8-4,8-5,1-9,6-8,6-8,6-8,5-8,7-8,8 Impostos sobre Produtos 0,7 0,9 1,2 1,4 1,3 2,2 2,3 1,8 2,4 2,2 2,0 1,7 2,0 1,9 Direitos de Importacao 3,0 3,4 3,4 3,4 3,0 3,5 3,4 5,7 3,1 4,5 3,8 3,4 3,3 3,3

6 TOTAL P RODUTO INTERNO BRUTO A Preços Constantes de ,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 VALOR ACRESCENTADO 96,3 96,3 94,7 94,0 93,1 90,4 88,8 86,4 82,9 81,4 79,8 77,5 75,5 73,6 Agricultura, Produção Animal, Caça e Silvicultura 14,3 13,8 13,1 13,1 12,4 12,2 12,2 12,5 12,6 11,7 11,2 10,5 10,1 9,8 Pescas 6,3 6,4 6,3 6,3 5,9 5,6 5,6 5,3 5,2 5,1 5,0 4,9 4,9 4,8 Indústrias Extractivas 0,4 0,3 0,4 0,4 0,4 0,4 0,3 0,3 0,3 0,3 0,3 0,4 0,3 0,3 Indústrias Transformadoras 7,8 8,0 7,8 7,7 7,4 7,1 7,1 7,1 7,0 6,8 6,7 6,9 7,0 6,8 Produção e Distribuição de Electricidade, Gas e Água 1,5 1,7 1,8 1,8 1,9 1,9 1,9 1,8 1,9 2,0 2,2 2,4 2,5 2,5 Construção 10,0 7,5 7,7 8,1 7,8 7,6 7,6 7,3 6,8 6,6 6,6 6,6 6,4 6,2 Comércio 25,9 26,6 26,9 27,9 27,7 27,9 27,7 28,1 27,3 27,7 28,3 28,6 28,5 28,2 Alojamento e Restauração ( Restaurantes e Similares) 1,5 1,7 1,7 1,7 1,6 1,6 1,5 1,4 1,4 1,3 1,3 1,3 1,3 1,5 Transportes, Armazenagem e Comunicações 12,1 13,9 14,5 14,8 18,2 17,2 17,4 16,3 16,9 16,8 16,5 16,6 16,8 17,0 Actividades Financeiras 2,5 2,5 2,4 2,4 2,4 2,5 2,5 2,2 2,1 2,0 2,0 1,9 1,9 1,8 Actividades Imobiliarias, Alugueres e Serviços Prestados a Empresas 4,1 4,1 4,0 4,0 3,9 4,1 4,1 3,6 3,4 3,4 3,3 3,2 3,1 3,0 Administração Pública, Defesa e Segurança Social Obrigatória 5,5 5,5 5,8 5,3 4,8 4,4 4,4 4,1 4,0 3,8 3,7 3,6 3,6 3,5 Educação 1,0 0,9 1,0 1,0 1,0 0,9 0,9 0,9 0,9 0,9 0,9 0,8 0,9 0,8 Saúde e Acção Social 0,5 0,5 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 0,5 0,5 0,5 0,4 0,4 0,4 0,4 Outras Actividades de Serviços Colectivos, Sociais e Pessoais 4,7 4,6 4,5 4,2 4,3 4,1 4,2 4,3 4,4 4,5 4,6 4,6 4,7 4,8 SIFIM -1,9-1,8-3,6-5,2-7,2-7,7-9,2-9,4-11,7-12,0-13,2-15,4-16,9-18,0 Impostos sobre Produtos 0,7 0,9 1,4 1,7 1,9 3,6 4,4 4,0 6,6 6,9 6,7 7,0 8,8 9,3 Direitos de Importacao 3,0 2,8 3,9 4,3 4,9 6,0 6,8 9,6 10,4 11,7 13,5 15,5 15,7 17,1

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO (ÓPTICA DA PRODUÇÃO) Preços correntes

PRODUTO INTERNO BRUTO (ÓPTICA DA PRODUÇÃO) Preços correntes Preços correntes CAErev1 1953 1954 1955 1956 1957 1958 1959 1960 1961 1962 1963 1964 11+12 Agricultura caça silvicultura e exploração florestal... 15 660 16 752 17 649 15 996 18 025 18 609 17 364 17 900

Leia mais

ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE GRÁFICOS... NOTA INTRODUTÓRIA... 1

ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE GRÁFICOS... NOTA INTRODUTÓRIA... 1 ÍNDICE DE QUADROS ÍNDICE ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE GRÁFICOS... ix xiii xiv NOTA INTRODUTÓRIA... 1 Parte 1O «ACIDENTE TÍPICO» EM TODOS OS SECTORES DE ACTIVIDADE (PERÍODO 2001-2003)...

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DELEGAÇÃO PROVINCIAL DE INHAMANE RELATORIO DE ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS DURANTE O 1º TRIMESTRE

INSTITUTO NACIONAL DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DELEGAÇÃO PROVINCIAL DE INHAMANE RELATORIO DE ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS DURANTE O 1º TRIMESTRE INSTITUTO NACIONAL DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DELEGAÇÃO PROVINCIAL DE INHAMANE RELATORIO DE ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS DURANTE O 1º TRIMESTRE ANO: 2012 1. AVALIAÇÃO DA EXECUÇÃO DO PES A realização

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO TRABALHO

ESTATÍSTICAS DO TRABALHO ESTATÍSTICAS DO TRABALHO BALANÇO SOCIAL 2003 Fonte: Balanço Social 2003 Direcção Regional do Trabalho/Direcção - Geral de Estudos Estatística e Planeamento. Elaboração: Direcção de Serviços de Estatísticas

Leia mais

Econômico Contabilidade Nacional

Econômico Contabilidade Nacional Tabela 3.7.1 - Produto Interno Bruto a preço de mercado corrente (milhões de R$), do e Estados da região Norte - 2008-2011 Acre Roraima 3.032.205 3.239.404 3.770.085 4.143.013 154.251 163.207 201.511 230.011

Leia mais

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. 8 de Março 2012

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. 8 de Março 2012 Perfil da presença feminina no tecido empresarial português Sumário executivo Em Portugal : 54,9% das empresas têm pelo menos uma mulher nos seus cargos de gestão e direcção: 44,8% têm uma equipa mista,

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO E ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR

PRODUTO INTERNO BRUTO E ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR PRODUTO INTERNO BRUTO E ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Q. 70 - PIB a Preços correntes da REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Unidade: 1000 Contos Sectores/Ramos de Actividade 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986

Leia mais

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE SETEMBRO-2007 SETEMBRO/06 AGOSTO/07 SETEMBRO/07 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Mês Homólogo Mês Anterior DESEMPREGO REGISTADO 7946

Leia mais

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Panorama Econômico do Rio Grande do Sul 2008 Unidade de Estudos Econômicos COMPOSIÇÃO DO PIB PIB DO RIO GRANDE DO SUL 62% 9% 29% Estamos mais sujeitos a refletir crises agrícolas que a média da economia

Leia mais

Zona industrial/empresarial de Armês. Área Empreasarial de Lameiras. Edificio multiempresas (Ocupação com mais de uma empresa) Espaço industrial 6 5

Zona industrial/empresarial de Armês. Área Empreasarial de Lameiras. Edificio multiempresas (Ocupação com mais de uma empresa) Espaço industrial 6 5 Enquadramento geográfico da Enquadramento da área cartografada Zona industrial/empresarial de Armês e da Area empresarial de Lameiras 0 29 28 27 26 2 Zona industrial/empresarial de Armês 2 2 22 2 2 20

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 1 INDICADOR: População residente e taxa de variação, 1991 e 2001 População Variação 1991 2001 Portugal 9867147 10356117 5,0 Alentejo 782331 776585-0,7 Alentejo Litoral

Leia mais

Presença feminina nas empresas em Portugal

Presença feminina nas empresas em Portugal Presença feminina nas empresas em Portugal 4ª Edição, Março 2014 ESTUDO INFORMA D&B A Informa D&B, como especialista no conhecimento da informação sobre o tecido empresarial, tem vindo a acompanhar esta

Leia mais

ONDE NASCE O NOVO EMPREGO?

ONDE NASCE O NOVO EMPREGO? ONDE NASCE O NOVO EMPREGO? Informa D&B - Maio 2013 UNIVERSO DO ESTUDO Os dados referem-se ao período de 2007 a 2011 Fontes: Análise Informa D&B; dados ministério da justiça: portal da justiça, I.E.S.;

Leia mais

Dados mensais. Barómetro sectorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal

Dados mensais. Barómetro sectorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal Período 2009-2013 Dados mensais Análise fenómeno a fenómeno Análise de tendências Barómetro sectorial Barómetro distrital Nascimentos Nascimentos vs encerramentos Mensal Acumulado Mensal Acumulado Encerramentos

Leia mais

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE JANEIRO/07 DEZEMBRO/07 JANEIRO/08 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Mês Homólogo Mês Anterior DESEMPREGO REGISTADO 8895 100,0 8773

Leia mais

ESTUDOS PARA COMPOSIÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES DO OBSERVATÓRIO EMPRESARIAL PRODUTO E EMPREGO

ESTUDOS PARA COMPOSIÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES DO OBSERVATÓRIO EMPRESARIAL PRODUTO E EMPREGO ESTUDOS PARA COMPOSIÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES DO OBSERVATÓRIO EMPRESARIAL 2014 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Produto interno bruto... 5 3. Estrutura do VAB... 7 4. Emprego... 9 5. Anexo estatístico...

Leia mais

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%).

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). O PIB encerrou o ano de 2014 com variação de 0,1%. Nessa comparação, a Agropecuária (0,4%) e os Serviços (0,7%) cresceram e a Indústria caiu (- 1,2%).

Leia mais

Estudo de Insolvências Ano de 2008

Estudo de Insolvências Ano de 2008 Estudo de Insolvências IIC Ano de 2008 Estudo de Insolvências Ano de 2008 Análise Geral Os resultados de 2008 confirmaram a tendência de crescimento verificada em 2007, tendo-se registado um total de 2.785

Leia mais

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola 1.População e Território 2.Modelo de Desenvolvimento 3.O Desafio da Diversificação 4.O Papel da Logística 5.A Rede de Distribuição 6.O Novo Quadro

Leia mais

INQUÉRITO ÀS NECESSIDADES DE QUALIFICAÇÃO DAS MICROEMPRESAS DA RAM 2006/2008

INQUÉRITO ÀS NECESSIDADES DE QUALIFICAÇÃO DAS MICROEMPRESAS DA RAM 2006/2008 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL INQUÉRITO ÀS NECESSIDADES DE QUALIFICAÇÃO DAS MICROEMPRESAS DA RAM 2006/2008 SÍNTESE DE INFORMAÇÃO

Leia mais

SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO

SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO NOVEMBRO 2011 SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO NOVEMBRO/10 OUTUBRO/11 NOVEMBRO/11 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Homólogo Anterior DESEMPREGO REGISTADO 15.737 100,0 17.831 100,0 18.600 100,0

Leia mais

COMPORTAMENTO HISTÓRICO DA PARTICIPAÇÃO DO SETOR RURAL NA COMPOSIÇÃO DO PIB DA PARAÍBA

COMPORTAMENTO HISTÓRICO DA PARTICIPAÇÃO DO SETOR RURAL NA COMPOSIÇÃO DO PIB DA PARAÍBA 1 COMPORTAMENTO HISTÓRICO DA PARTICIPAÇÃO DO SETOR RURAL NA COMPOSIÇÃO DO PIB DA PARAÍBA Sérgio Furtado - Consultor do Projeto Cooperar 1 DESEMPENHO DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS NO ESTADO DA PARAÍBA EM 2012

Leia mais

MATEMÁTICA PARA A VIDA. Nome: Grupo: Data:

MATEMÁTICA PARA A VIDA. Nome: Grupo: Data: Centro Novas Oportunidades Agrupamento de Escolas Mestre Domingos Saraiva Formação Complementar MV 3 A - Estatística Nome: Grupo: Data: ESTATÍSTICA Significado de algumas designações estatísticas relevantes:

Leia mais

A discriminação remuneratória da mulher em Portugal continua a ser muito grande nas empresas Pág. 1

A discriminação remuneratória da mulher em Portugal continua a ser muito grande nas empresas Pág. 1 A discriminação remuneratória da mulher em Portugal continua a ser muito grande nas empresas Pág. 1 A DISCRIMINAÇÃO DE REMUNERAÇÕES EM PORTUGAL, COM BASE NO SEXO, É TANTO MAIOR QUANTO MAIS ELEVADA É A

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nota metodológica da série retropolada 2002-2009 PIB dos Municípios - Referência 2010 (versão para informação e comentários) Versão 1 outubro

Leia mais

Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas

Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas - 2002 Principais resultados UMIC - Observatório da Inovação e Conhecimento Instituto Nacional de Estatística Maio de

Leia mais

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO DE ESTUFA DE ORIGEM ENERGÉTICA. Matriz Energética Sumária do MédioTejo e Pinhal Interior Sul

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO DE ESTUFA DE ORIGEM ENERGÉTICA. Matriz Energética Sumária do MédioTejo e Pinhal Interior Sul EMISSÕES DE GASES DE EFEITO DE ESTUFA DE ORIGEM ENERGÉTICA Matriz Energética Sumária do MédioTejo e Pinhal Interior Sul Emissões de CO 2 Relativas ao Consumo de Energia Eléctrica por Sector de Actividade

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Observatório Negócios, Insolvências, Créditos Vencidos, Constituições maio 2016

Observatório Negócios, Insolvências, Créditos Vencidos, Constituições maio 2016 Observatório Negócios, Insolvências, Créditos Vencidos, Constituições maio 216 I. Volume de Negócios PORTUGAL Volume de Negócios variação homóloga 215/214 acumulado março (ac3)-abril (ac4) de 216 (fonte:

Leia mais

Insolvências de Empresas

Insolvências de Empresas Insolvências de Empresas José R. Pires Manso 1 SUMÁRIO EXECUTIVO Os dados demonstram que o número de empresas insolventes tem vindo a crescer incessantemente desde há alguns anos; Demonstram ainda que

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA O QUADRIÉNIO

GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA O QUADRIÉNIO Junta Freguesia Castelo Branco Município Castelo Branco GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA O QUADRIÉNIO 2008/2011 APROVADO PELA JUNTA DE FREGUESIA Em reunião / / PELA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA Em sessão / / Fl.

Leia mais

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um CRESCIMENTO DESENVOLVIMENTO PARCERIAS Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um espaço (CONFEDERAÇÃO

Leia mais

Caracterização Energética do País e do Algarve

Caracterização Energética do País e do Algarve Armando Inverno António Lamarão Área Eng. Mecânica EST/UAlg Caracterização Energética do País e do Algarve Uma Breve Abordagem Introdução A dependência energética de Portugal, particularmente em relação

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO Portugal na União Europeia Alguns indicadores estatísticos

O MERCADO DE TRABALHO Portugal na União Europeia Alguns indicadores estatísticos Informação à Comunicação Social 22 de arço de 2000 O ERCADO DE TRABALO na União Europeia Alguns indicadores estatísticos A propósito da realização, em Lisboa, a 23 e 24 de arço de 2000, da Cimeira extraordinária

Leia mais

INQUÉRITO À EXECUÇÃO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

INQUÉRITO À EXECUÇÃO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA OBSERVATÓRIO DO SISTEMA EDUCATIVO E CULTURAL DA RAM INQUÉRITO À EXECUÇÃO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - 2009 OSECRAM Observatório

Leia mais

Produto Interno Bruto 2º trimestre de de agosto de 2015

Produto Interno Bruto 2º trimestre de de agosto de 2015 Produto Interno Bruto 2º trimestre de 2015 28 de agosto de 2015 Crescimento do PIB no 2º Trimestre de 2015 2 Var. % pela ótica da produção 2º tri 2015 contra 1º tri 2015 2º tri 2015 contra 2º tri 2014

Leia mais

INQUÉRITO À EXECUÇÃO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

INQUÉRITO À EXECUÇÃO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL INQUÉRITO À EXECUÇÃO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - 2004 GEEA Direcção de Serviços de Estatísticas,

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC¹ Número especial 1 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2014 2 As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego da Região do ABC, em 2014, mostram relativa estabilidade

Leia mais

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007 Ceará: Resultados do PIB Trimestral 2003-2007 eloisa@ipece.ce.gov.br rogerio.soares@ipece.ce.gov.br Fortaleza 2009 CEARÁ: COMPOSIÇÃO Ceará: DO Resultados PRODUTO INTERNO do PIB BRUTO Trimestral A PREÇOS

Leia mais

QUADROS DE PESSOAL REMUNERAÇÕES

QUADROS DE PESSOAL REMUNERAÇÕES QUADROS DE PESSOAL REMUNERAÇÕES GRÁFICO 23 Remunerações Médias Mensais, Base e Ganho, segundo a Dimensão da Empresa Continente - Outubro 99 TOTAL BASE 0 a 9 Pessoas GANHO 10 a 19 Pessoas 20 a 49 Pessoas

Leia mais

O presente questionário foi concebido de forma a apoiar uma organização de produção (fabril) a avaliar a sua posição competitiva.

O presente questionário foi concebido de forma a apoiar uma organização de produção (fabril) a avaliar a sua posição competitiva. O presente questionário foi concebido de forma a apoiar uma organização de produção (fabril) a avaliar a sua posição competitiva. : Ao preencher o questionário é importante ser honesto e objectivo. Respostas

Leia mais

DESTAQUE ELEMENTOS DE CARACTERIZAÇÃO ELEMENTOS AUXILIARES PONTOS FORTES PONTOS FRACOS

DESTAQUE ELEMENTOS DE CARACTERIZAÇÃO ELEMENTOS AUXILIARES PONTOS FORTES PONTOS FRACOS INDICADORES GLOBAIS DA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA 7,4% 20,4% 11,1% 25,9% 16,7% 13,0% 5,6% Indicador de Confiança dos Consumidores da região do (3º trimestre de 2003): - 41 Variação homologa do Índice

Leia mais

Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral de Estudos e Previsão DOCUMENTO DE TRABALHO Nº. 36.

Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral de Estudos e Previsão DOCUMENTO DE TRABALHO Nº. 36. Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral de Estudos e Previsão DOCUMENTO DE TRABALHO Nº. 36 IMPACTO DAS ALTERAÇÕES NO IRC UMA APLICAÇÃO DO MOSIS Jorge Oliveira Fernanda Monteiro

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil

Sistema de Contas Nacionais Brasil Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2004-2008 Coordenação de Contas Nacionais Rio, 05/11/2010 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres de 2010, HOJE - ano 2008

Leia mais

Portugal. Principais Indicadores Económicos

Portugal. Principais Indicadores Económicos Portugal Principais Indicadores Económicos janeiro de 2016 Índice 1 - Indicadores Macroeconómicos 2 - Previsões Macroeconómicas 3 - Valor Acrescentado Bruto 4 - Estatísticas de Emprego 5 - Indicadores

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO-GERAL DO EMPREGO E DAS RELAÇÕES DE TRABALHO DIVISÃO DE ESTUDOS DE RENDIMENTOS DO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO-GERAL DO EMPREGO E DAS RELAÇÕES DE TRABALHO DIVISÃO DE ESTUDOS DE RENDIMENTOS DO TRABALHO Variação média ponderada intertabelas 2008 Comentário síntese 1. Em 2008 foram publicadas 296 convenções 1, distribuídas por 172 CCT (Contratos colectivos de trabalho), 27 ACT (Acordos colectivos de trabalho)

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 27 de Maio 2011 27 de Maio 2011 Imposto Predial Urbano Sisa Imposto de Consumo Imposto do Selo Imposto Predial Urbano Incidência objectiva Rendimentos dos prédios

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR. R$ 54 bilhões VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO TOTAL DE ESTABELECIMENTOS

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR. R$ 54 bilhões VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO TOTAL DE ESTABELECIMENTOS Os dados mostram uma estrutura agrária ainda concentrada no país: os estabelecimentos não familiares, apesar de representarem 15,6% do total dos estabelecimentos, ocupavam 75,7% da área ocupada. A área

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ECONÓMICO DE Alves da Rocha

APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ECONÓMICO DE Alves da Rocha APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ECONÓMICO DE 2013 Alves da Rocha Luanda, 11 de Junho de 2014 A EQUIPA Alves da Rocha - Coordenador Regina Santos João Fonseca Carlos Leite Fernando Pacheco Ana Duarte (Instituto

Leia mais

INQUÉRITO À EXECUÇÃO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

INQUÉRITO À EXECUÇÃO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL INQUÉRITO À EXECUÇÃO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - 2002 GEEA Gabinete de Estatísticas Estudos

Leia mais

E S T A T Í S T I C A S

E S T A T Í S T I C A S E S T A T Í S T I C A S e m S í n t e s e Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Estatísticas dos Empregos Vagos 4º Trimestre - 2014 Portugal Principais resultados Em Portugal, no 4º trimestre

Leia mais

E S T A T Í S T I C A S

E S T A T Í S T I C A S E S T A T Í S T I C A S e m S í n t e s e Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Estatísticas dos Empregos Vagos 1º Trimestre - 2014 Portugal Principais resultados No 1º trimestre de 2014,

Leia mais

E S T A T Í S T I C A S

E S T A T Í S T I C A S Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia E S T A T Í S T I C A S e m S í n t e s e Estatísticas dos Empregos Vagos 2º Trimestre - 2013 Portugal Principais resultados No 2º trimestre de 2013,

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ O número de empregos formais no estado alcançou 1,552 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA O número de empregos formais no estado alcançou 2,274 milhões em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Marcas: Hyundai, Kia, Samsung, Daewoo, LG e Pantech

Marcas: Hyundai, Kia, Samsung, Daewoo, LG e Pantech A Coreia do Sul possui a décima segunda maior economia do mundo, sendo o principal dos dragões asiáticos, o país atingiu um rápido crescimento económico com a exportação de produtos manufacturados. Na

Leia mais

O Ins5tuto do Emprego e Formação Profissional, I.P. Pensar o Emprego e a Formação hoje. Lagos, 20 de fevereiro de 2016

O Ins5tuto do Emprego e Formação Profissional, I.P. Pensar o Emprego e a Formação hoje. Lagos, 20 de fevereiro de 2016 O Ins5tuto do Emprego e Formação Profissional, I.P. Pensar o Emprego e a Formação hoje Lagos, 20 de fevereiro de 2016 TÓPICOS 1. a evolução recente do mercado de emprego 2. o mercado de emprego no Algarve

Leia mais

3º Trimestre de 2011

3º Trimestre de 2011 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 3º Trimestre de 2011 Coordenação de Contas Nacionais 06 de dezembro de 2011 Revisões nas Contas Nacionais Trimestrais No 3º trimestre

Leia mais

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013 Angola Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 28 e 212 e perspectivas futuras Junho 213 Sumário da apresentação Produto Interno Bruto Inflação Exportações e Reservas Internacionais

Leia mais

Demonstrativo da Despesa por Órgãos e Funções - Anexo IX

Demonstrativo da Despesa por Órgãos e Funções - Anexo IX Legislativa Judiciária Essencial à Justiça Administração Segurança Pública 49.350.000 02 - Secretaria 7.590.239 Municipal de Governo 03 - Gabinete 884.465 do Vice-Prefeito 04 - Procuradoria 16.522.000Geral

Leia mais

Dados mensais. Barómetro setorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal

Dados mensais. Barómetro setorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal Período 2010-2014 Dados mensais Análise fenómeno a fenómeno Análise de tendências Barómetro setorial Barómetro distrital Nascimentos Nascimentos vs encerramentos Mensal Acumulado Mensal Acumulado Encerramentos

Leia mais

AUTORIDADE E SEGREDO ESTATÍSTICO Lei 15/V/96 de 11 de Novembro, artigos 6º e 7º respectivamente VALOR TOTAL (ESC.)

AUTORIDADE E SEGREDO ESTATÍSTICO Lei 15/V/96 de 11 de Novembro, artigos 6º e 7º respectivamente VALOR TOTAL (ESC.) IIIº RECENSEAMENTO EMPRESARIAL 2007 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE Av. Amilcar Cabral, CP 116 Praia; Telef: 261 38 27/261 39 60; Fax: 261 16 56; Email: inecv@ine.gov.cv QUESTIONÁRIO ESPECIFICO

Leia mais

MUNICÍPIO DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS

MUNICÍPIO DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS REDE SOCIAL MUNICÍPIO DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS Diagnóstico Social Freguesia: S. Roque CARACTERIZAÇÃO GEOGRÁFICA DA FREGUESIA INDICADORES FREGUESIA S. Roque Km2 6,8 Lugares 5 480 Vias de unicação EN 227,

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos gabinete de estratégia e estudos Síntese Estatística INVESTIMENTO DIRECTO DE PORTUGAL NO EXTERIOR (IDPE) Fevereiro de 25 GEE - R.Laura Alves, 4-1º, 15-138 LISBOA - www.gee.min-economia.pt Telef. 21 799

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA INQUÉRITO MULTI-OBJECTIVO CONTINUO (IMC) ESTATÍSTICAS DO EMPREGO E MERCADO DO TRABALHO RESULTADOS 2014 Praia, Março de 2015

Leia mais

DESPEDIMENTOS COLECTIVOS e por extinção do posto de trabalho

DESPEDIMENTOS COLECTIVOS e por extinção do posto de trabalho S R REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO DESPEDIMENTOS COLECTIVOS e por extinção do posto de trabalho ANO 2010 Breve

Leia mais

D Informações particulares sobre a. Economia e a Sociedade Espanhola. e alguns indicadores do mesmo tipo para Portugal

D Informações particulares sobre a. Economia e a Sociedade Espanhola. e alguns indicadores do mesmo tipo para Portugal D Informações particulares sobre a Economia e a Sociedade Espanhola e alguns indicadores do mesmo tipo para Portugal Oferta e Procura de água em Espanha, 1992-2012 1992 2002 2012 Hm 3 /ano % Hm 3 /ano

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Ministério da Economia e Finanças SISTAFE Orçamento do Estado para o Ano de 2017 Código Designação 01A000141 PRESIDENCIA DA REPUBLICA 44.978,53 0,00 44.978,53 01A000741 CASA MILITAR

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS JOSÉ MELO DE OLIVEIRA SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AIRTON ÂNGELO CLAUDINO

GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS JOSÉ MELO DE OLIVEIRA SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AIRTON ÂNGELO CLAUDINO GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Produto Interno Bruto Trimestral do Estado do Amazonas 4º Trimestre de 2014 Março de 2015 GOVERNADOR

Leia mais

Taxa de desemprego em relativa estabilidade

Taxa de desemprego em relativa estabilidade PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC JUNHO 2 DE 2016 DIVULGAÇÃO N o 62 Taxa de desemprego em relativa estabilidade Aumenta o nível de ocupação nos Serviços e se reduz na Indústria

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas

Avaliação Externa das Escolas Avaliação Externa das Escolas 205-6 Agrupamento de Escolas Identificação Área Territorial NORTE Código da Unidade de Gestão 52596 Código da Sede (no caso dos Agrupamentos) 34574 Denominação da Unidade

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS

CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Departamento de Planeamento Estratégico Divisão do Plano Director Municipal CARACTERIZAÇÃO PRELIMINAR DAS EMPRESAS E DO EMPREGO NO CONCELHO DE ODIVELAS Novembro 2003 CÂMARA

Leia mais

Dados Econômicos Baden-Württemberg 2015

Dados Econômicos Baden-Württemberg 2015 Dados Econômicos Baden-Württemberg 2015 Baden- Württemberg Esse estado, situado no sudoeste da Alemanha, é um centro internacional de empresas líderes no mercado mundial. As vantagens de Baden-Württemberg

Leia mais

PEDRA PRETA 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

PEDRA PRETA 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 19/01/1963 - Distância da capital: 149 km - Área: 295 Km 2 - Localização Mesorregião: Central Potiguar Microrregião: Angicos - População: 2.659 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Registro 3 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação constante nas folhas "INVESTIMENTOS", "GASTOS" e "RENDIMENTOS"

MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação constante nas folhas INVESTIMENTOS, GASTOS e RENDIMENTOS Presidência do Conselho de Ministros Secretaria de Estado do Desporto e Juventude Instituto Português do Desporto e Juventude, I. P. MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação

Leia mais

Implicações da subida do IVA no sector alimentar

Implicações da subida do IVA no sector alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares Implicações da subida do IVA no sector alimentar Junho 2011 Agenda 1. Enquadramento estratégico do sector 2. Análise de competitividade da Indústria

Leia mais

Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo

Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC outubro 2 DE 2015 DIVULGAÇÃO N o 54 Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo Nível de ocupação aumenta no Comércio e Reparação

Leia mais

GANHOS MÉDIOS. Abril Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho e da

GANHOS MÉDIOS. Abril Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho e da GANHOS MÉDIOS Abril 2015 Fonte: Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do trabalho e da Ação Inspetiva e Gabinete de Estratégia e

Leia mais

A RAA em números. Geografia

A RAA em números. Geografia 09 Foto: Espectro A RAA em números Geografia O arquipélago dos Açores é constituído por nove ilhas dispersas no Atlântico Norte ao longo de 600 km, segundo uma orientação noroeste-sudeste e enquadrado

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RM da Baixada Santista 1 o trimestre de 2016 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS), os empregos formais celetistas

Leia mais

Conta Satélite do Turismo

Conta Satélite do Turismo Conta Satélite do Turismo Portugal Departamento de Contas Nacionais Serviço de Contas Satélite Angra do Heroísmo, Açores 20 de Junho de 2008 1 A Conta Satélite de Turismo para Portugal (CSTP) A CSTP Enquadramento

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO 1 OBJECTIVOS Os cursos profissionais são uma modalidade de ensino que pretende desenvolver competências pessoais e profissionais específicas para o exercício de uma profissão a partir de uma preparação

Leia mais

Acidentes de trabalho e problemas de saúde relacionados com o trabalho (ATPS 2013)

Acidentes de trabalho e problemas de saúde relacionados com o trabalho (ATPS 2013) Acidentes de e problemas de saúde relacionados com o (ATPS 2013) Módulo ad hoc do Inquérito ao Emprego DES/Serviço de Estatísticas das Condições de Vida 14ª Reunião da Secção Permanente de Estatísticas

Leia mais

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 1 Rio de Janeiro, 22/11/2016 Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO CRESCEU EM VOLUME 0,9% NO 1º TRIMESTRE DE 2008

PRODUTO INTERNO BRUTO CRESCEU EM VOLUME 0,9% NO 1º TRIMESTRE DE 2008 09 de Junho de 2008 Contas Nacionais Trimestrais (Base 2000) 1º Trimestre de 2008 PRODUTO INTERNO BRUTO CRESCEU EM VOLUME 0,9% NO 1º TRIMESTRE DE 2008 No 1º trimestre de 2008, o Produto Interno Bruto (PIB)

Leia mais

CONTAS REGIONAIS. Governo do Estado do Amapá. Secretaria de Estado do Planejamento Coordenadoria de Pesquisas, Estratégias Socioeconômicas e Fiscais

CONTAS REGIONAIS. Governo do Estado do Amapá. Secretaria de Estado do Planejamento Coordenadoria de Pesquisas, Estratégias Socioeconômicas e Fiscais Governo do Estado do Amapá Diretoria de Pesquisas Coordenação de Contas Nacionais - CONAC Secretaria de Estado do Planejamento Coordenadoria de Pesquisas, Estratégias Socioeconômicas e Fiscais CONTAS REGIONAIS

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN / PO ALGARVE21

SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN / PO ALGARVE21 SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN / PO ALGARVE21 FARO, 8 de Outubro de 2008 Legislação de Enquadramento Enquadramento Nacional dos Sistemas de Incentivos Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento

Leia mais

SECTOR AGRO-ALIMENTAR

SECTOR AGRO-ALIMENTAR SECTOR AGRO-ALIMENTAR AEP / Gabinete de Estudos Março de 2007 A indústria alimentar e das bebidas ( 15 1 ) é um sector com forte expressividade na economia nacional, o que não é de estranhar dada a sua

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 17 e 18 de Fevereiro 2011 17 e 18 de Fevereiro 2011 Imposto Predial Urbano Sisa Imposto de Consumo Imposto do Selo Imposto Predial Urbano Incidência objectiva Rendimentos

Leia mais

,14. Demonstrativo da Despesa por Órgãos e Funções - Anexo 9 - Admiministração Direta, Indireta e Fundacional. Total da Entidade:

,14. Demonstrativo da Despesa por Órgãos e Funções - Anexo 9 - Admiministração Direta, Indireta e Fundacional. Total da Entidade: ESSENCIAL À CÓDIGO LEGISLATIVA JUDICIÁRIA ADMINISTRAÇÃO DEFESA NACIONAL JUSTIÇA 119.840,60 81.670,45 3 SECRETARIA DE ADMINISTRACAO E FINANCAS 346.963,69 4 SECRET. EDUCACAO, CULTURA E DESPORTO 6 SECRET.OBRAS/ESTR./SERV.URB.AGROP.

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano SETORES DA ECONOMIA. Prof. Esp. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano SETORES DA ECONOMIA. Prof. Esp. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano SETORES DA ECONOMIA Prof. Esp. Claudimar Fontinele ATIVIDADE ECONÔMICA PRIMÁRIA OU SETOR PRIMÁRIO DA ECONOMIA Denomina-se como Setor

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana do Rio de Janeiro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Estado de São Paulo 1 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

Projeto Contas Regionais do Brasil PRODUTO INTERNO BRUTO PIB DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2010

Projeto Contas Regionais do Brasil PRODUTO INTERNO BRUTO PIB DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2010 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão SEPLAG Fundação Centro Estadual de Estatísticas, Pesquisas e Formação de Servidores Públicos do Rio de Janeiro - CEPERJ.

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços 1 Fevereiro de

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços 1 Fevereiro de 0099 DDEE AABBRRI IIL L DDEE 22000099 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços 1 Fevereiro de 2009 2 Volume de Negócios nos Serviços prossegue trajectória descendente

Leia mais