PIB PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DE RONDÔNIA 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PIB PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DE RONDÔNIA 2014"

Transcrição

1 PIB PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DE RONDÔNIA 2014 A Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão SEPOG/RO, através da Gerência do Observatório em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE, Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA e Institutos e Órgãos Estaduais de Planejamento, divulgam o resultado do Produto Interno Bruto do Estado de Rondônia sob a ótica da produção referente ao ano de 2014, Base Esse programa de trabalho é desenvolvido em conjunto com IBGE órgão coordenador e os Órgãos Estaduais de Estatística, visando a construção de um Sistema de Contas, por Unidade da Federação, metodologicamente integrado e, portanto, comparável, no tempo e no espaço, atendendo à demanda por informações regionalizadas. Para isso, a metodologia adotada nas Contas Regionais foi uniformizada, por Unidade da Federação, e integrada à metodologia adotada pelo IBGE no Sistema de Contas Nacionais. Apesar dos avanços ocorridos, havia o entendimento de que era necessário atualizar a base do Sistema de Contas Nacionais e, por conseguinte, das Contas Regionais.A recomendação internacional é que se atualize o ano-base das Contas Nacionais, no máximo, a cada 10 anos e o atual Sistema de Contas Nacionais do Brasil. As últimas revisões foram em 2007, revendo a base que tinha como referência o último ano de realização dos Censos Econômicos, isto é, A revisão de 2007 passou a referência do Sistema de Contas Regionais para o ano de 2002, já incorporando as recomendações das Nações Unidas, expressas no manual System of national accounts SNA 93. A atualização de uma série de Contas Regionais, usualmente referida como mudança de referência, é, normalmente, compreendida como a atualização dos pesos das atividades econômicas adotados no cálculo do PIB dos estados e de seus componentes a preços constantes de um determinado ano. Quando se realiza a chamada mudança de referência incorpora-se, também, nova classificação de bens e serviços, novas fontes de dados, e resultados de

2 pesquisas realizadas, visando ao estabelecimento de marcos estruturais que serão referências para os próximos anos. Em geral, a escolha do ano de referência deve recair sobre um ano para o qual se disponha de dados suficientes para a construção, a partir de uma metodologia homogênea, da conta de produção e renda de todos os estados. As Contas Regionais do Brasil foram revisadas adotando o ano de 2010 como referência, estando em conformidade com o novo manual System of national accounts 2008, SNA Síntese da Conjuntura O ano de 2014 encerrou com sinais de deterioração dos fundamentos econômicos no que se refere ao desempenho das contas públicas, inflação acima da meta e déficit nas contas externas além de eventos desestabilizadores que afetaram a maior empresa estatal brasileira, abalando o setor de óleo e gás e aumentando o custo de captação de recursos externos para empresas no Brasil. O Produto Interno Bruto PIB Brasil, em 2014, foi de R$ 5,78 trilhões e o seu crescimento em relação a 2013 foi revisado de 0,1% para 0,5%. O PIB per capita alcançou em valores correntes R$ , Tabela 01.Produto Interno Bruto e PIB per Capita- Ano base Rondônia Discriminação PIB (milhões R$) PIB per capita R$1,00) Fonte: IBGE/ GOB/SEPOG Síntese do PIB Rondônia 2014 O Produto Interno Bruto PIB Rondônia a preço de mercado, somou R$ 34,03 bilhões em 2014 representando 0,6% do PIB Brasil. A variação real anual foi 3,7 % em relação ao ano anterior. O crescimento acumulado no período foi 85,2% e a média de 5,3% ao ano. O PIB per capita alcançou R$ ,61 ficando acima da média da Região Norte que foi R$ ,20 e Nordeste R$ ,13. Ainda que venha apresentando bons resultados a cada

3 ano, o PIB do estado de Rondônia figura entre os cinco menores do Brasil ocupando a 23ª posição relativa no ranking de 2014, entre as demais unidades da federação. O Produto Interno Bruto (PIB) do estado de Rondônia sob as Óticas da Produção e da Renda totalizou a preços correntes R$34,03 bilhões respectivamente. O PIB pela ótica da produção é composto pelos setores da agropecuária, indústria e serviços obtiveram as seguintes participações em relação ao total do valor adicionado bruto a preços básicos Rondônia em 2014 e Tabela02. Participação das atividades, no valor adicionado bruto do Produto Interno Bruto Rondônia-2013 e 2014 Setores Participação no VAB preço Participação no VAB preço básico2013 (%) básico- 2014(%) Agropecuária 12,0 12,7 Indústria 19,3 18,0 Serviços 68,7 69,3 Fonte: IBGE/ GOB/SEPOG Tabela 03. Participação dos componentes, no Produto Interno Bruto sob a ótica da Renda Rondônia-2010 e 2014 Participação dos componentes do PIB Componentes do PIB sob a ótica da renda sobre o PIB da UF (%) Valor Adicionado Bruto (a) 87,7 87,7 88,2 89,0 89,3 Remunerações (b) 47,8 50,0 48,9 50,5 50,7 Salários 37,9 39,5 38,8 40,0 40,2 Contribuições sociais 9,9 10,5 10,1 10,5 10,5 Impostos, líquidos de subsídios, sobre a produção e a importação (c) 13,1 13,0 12,4 11,7 11,5 Impostos, líquidos de subsídios, sobre produto (d) 12,3 12,3 11,8 11,0 10,7 Outros impostos, líquidos de subsídios, sobre a produção 0,7 0,7 0,6 0,7 0,8 Excedente Operacional Bruto (EOB) e Rendimento Misto Bruto (RMB) (e) 39,1 37,0 38,7 37,8 37,9 Produto Interno Bruto Ótica da Renda =(b + c+e) 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Produto Interno Bruto - Ótica Produção = (a + d) Franca de Manaus SUFRAMA

4 Agropecuária Participação da atividade no valor adicionado bruto do estado em 2014 foi de 12,7% com um aumento de 8,5% em termos reais. A agricultura e a pecuária rondoniense têm potencialidades e são importantes no desenvolvimento econômico do estado, através do cultivo e produção de cereais, leguminosas e oleaginosas. Em 2014, a atividade agrícola foi responsável pela produção de 1.223,7 mil toneladas, tendo como seus principais produtos a soja, milho, mandioca, café, cana-de-açúcar, arroz, feijão e outros, contribuindo para o valor da produção agrícola brasileira , com os percentuais de 0,8% e 0,7% respectivamente. Os resultados da agropecuária foram influenciados pela pecuária com seus efetivos de pequeno, médio e grande porte, ocupando lugar de destaque entre os maiores criadores de bovinos do país, com cabeças, ou 6,06% do efetivo total de bovinos. Em 2014, produziu mil litros de leite e na piscicultura passou a ocupar o primeiro lugar com a despesca de 75,02mil toneladas de peixes, ou 15,8% da produção nacional, elevando a participação da Região Norte entre as demais. Em 2014, a criação de codornas obteve um incremento de 82,2% e galináceos apresentou queda de (-4,4%). Tabela 04. Valor adicionado da agropecuária e participação no Valor adicionado totaldas atividades. Rondônia (Ano Base2010) (R$ ) Discriminação Valor adicionado total Valor adicionado da agropecuária Participação% ,53 10, ,66 15, ,52 13, ,22 12, ,01 10, ,79 11, ,13 13, ,60 12, ,54 10, ,83 10, ,67 12, ,66 12, ,53 12,73 Fonte: IBGE/ GOB/SEPOG

5 INDÚSTRIA Participação no VAB do estado em 2014 foi de 18% e crescimento em volume 1,1%. No setor da indústria os resultados foram positivos e foi alavancado pela produção e distribuição de eletricidade e gás, água (SIUP) com 47,9%, construção (obras de infraestrutura) contribuiu com o maior percentual no valor adicionado bruto do setor (10,1%), seguido por transformação (5,7%) e com 2,3% de crescimento, enquanto a indústria extrativa apresentou retração. Tabela 05. Valor adicionado da Indústria e participação no Valor adicionado total- das atividades. Rondônia (Ano Base2010) (R$ ) Discriminação Valor adicionado total Valor adicionado da indústria Participação% , , , , , , , , , , , , ,94 Fonte: IBGE/ GOB/SEPOG Participação no VAB do estado em 2014 foi de 18% e crescimento em volume 1,1%. No setor da indústria os resultados foram positivos e foi alavancado pela produção e distribuição de eletricidade e gás, água (SIUP) com 47,9%, construção (obras de infraestrutura) contribuiu com o maior percentual no valor adicionado bruto do setor (10,1%), seguido por transformação (5,7%) e com 2,3% de crescimento, enquanto a indústria extrativa apresentou retração.

6 Gráfico 01 Participação da Indústria no Valor Adicionado Total das atividades. Rondonia ,00 25,00 20,00 15,00 Participação% 10,00 5, Fonte: SEPOG- Gerencia do Observatório Serviços Participação no VAB do estado em 2014 foi de 69,3% e mostrou um crescimento em volume de 2,4%. O setor de serviços responde por 69,3% no valor adicionado do PIB (RO) e aumentaram 2,4% em volume. O resultado positivo foi impactado pelo comércio que cresceu 7,6%, seguidos por atividades financeiras com 6,5%, educação e saúde privadas com 5,3%, atividades imobiliárias com 2,4% e administração pública 1,2%. As atividades profissionais e os serviços domésticos apresentaram variações negativas de -5,4% e -12,1% respectivamente. Em 2014, Rondônia ficou em terceiro lugar no volume de vendas do comércio em relação às demais unidades da federação.

7 Tabela 06. Participação do Valor adicionado dos Serviços e do Valor adicionado bruto da Administração, saúde e educação públicas e seguridade social, a preços correntes, sobre o valor Adicionado Total das Atividades- Rondônia (R$ ) Discriminação Valor adicionado total Valor adicionado dos Serviços Administração Pública Participação% dos Serviços no valor adicionado Total Participação% da Administração Pública no valor adicionado Total ,70 71,23 33, ,58 70,00 29, ,86 69,50 28, ,74 70,73 29, ,68 69,86 32, ,56 71,34 31, ,84 70,50 29, ,35 69,42 29, , ,44 66,24 28, , ,20 65,15 26, , ,10 66,69 27, , ,82 68,68 28, , ,22 69,33 28,10 Fonte: SEPOG- Gerencia do Observatório Pela ótica da Renda o Valor Adicionado Bruto do estado de Rondônia em 2014 foi na ordem de 89,4% e os componentes do PIB ficaram assim distribuídos: Remuneração com 50,7%; Impostos Total com 11,4% e Excedente Operacional Bruto + Rendimento Misto Bruto com 37,9,%.

8

9 Tabela 01. Produto Interno Bruto a preços de mercado, variação real anual, população e produto Interno per capita, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação Grandes Regiões e Unidades da Federação Produto Interno Bruto R$ Variação real anual (%) População residente (1 000 hab.) (1) Produto Interno Bruto per capita R$ Norte , ,20 Rondônia , ,61 Acre , ,15 Amazonas , ,36 Roraima , ,40 Pará , ,53 Amapá , ,34 Tocantins , ,94 Nordeste , ,13 Maranhão , ,37 Piauí , ,08 Ceará , ,05 Rio Grande do Norte , ,33 Paraíba , ,42 Pernambuco , ,05 Alagoas , ,44 Sergipe , ,71 Bahia , ,95 Sudeste (-) 0, ,57 Minas Gerais (-) 0, ,12 Espírito Santo , ,56 Rio de Janeiro , ,26 São Paulo (-) 1, ,87 Sul (-) 0, ,15 Paraná (-) 1, ,74 Santa Catarina , ,90 Rio Grande do Sul (-) 0, ,16 Centro-Oeste , , ,48 Mato Grosso do Sul , ,58 Mato Grosso , ,81 Goiás , ,60 Distrito Federal , ,80 Franca de Manaus - SUFRAMA.

10 Tabela 02. Produto Interno a preço de mercado corrente, do Brasil, da Região Norte e de Rondônia Participação de Rondônia no Brasil e Região Norte. (R$ ) Discriminação Brasil Norte Rondônia Participação% Brasil Região Norte ,50 10, ,55 11, ,56 11, ,58 11, ,54 10, ,53 10, ,56 11, ,59 11, ,62 11, ,63 11, ,63 11, ,58 10, ,59 11,05 Franca de Manaus - SUFRAMA. Tabela3. Valor Adicionado Total das Atividades, Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios e Produto Interno Bruto- Rondônia (R$ ) Discriminação Valor adicionado total das atividades Impostos sobre produtos, líquidos de subsídios Produto Interno Bruto Franca de Manaus SUFRAMA

11 Tabela 04. Participação das atividades no valor Adicionado Bruto a preços básicos (%) Rondônia Participação no valor adicionado bruto a preços Grupos de Atividades básicos (%) Total Agropecuária 11,0 10,4 12, ,70 Indústria 22,8 24,5 20,9 19,30 18,0 Indústria extrativa 0,4 0,8 0,4 0,4 0,3 Indústria de transformação 8,2 6,0 6,7 7,1 5,7 Construção Civil 12,7 16, ,1 Serviços 66,2 65,1 66,7 68,7 69,3 Comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas 15,2 15,5 15,0 14,8 14,6 Transporte, armazenamento e correios 2,8 2,7 2,7 3,5 2,8 Alojamento e Alimentação 1,8 1,8 2,3 1,9 1,5 Serviços de informação e comunicação 1,2 0,9 0,9 0,7 1,2 Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados 1,9 1,9 2,1 2,3 2,6 Atividades imobiliárias 8,3 8,0 9,1 8,1 9,5 Atividades Profissionais, cientificas e técnicas, administrativas e serviços 2,8 3,3 3,5 4,1 4,0 complementares Administração, educação, saúde, pesquisa e desenvolvimento públicos, 28,00 26,90 27,10 29,00 28,10 defesa, seguridade social Educação e saúde privadas 1,8 1,6 1,9 1,9 2,5 Artes, Cultura, esporte e recreação e outros serviços 1,4 1,3 1,1 1,3 1,5 Serviços domésticos 1,2 1,2 1,1 1,3 1,0 Fonte: IBGE/ GOB/SEPOG Tabela 05. Participação das Grandes Regiões e Unidades da Federação no Produto Interno Bruto do Brasil Participação no Produto Interno Bruto (%) Grandes Regiões e Unidades da Federação ( continua) BRASIL 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 NORTE 5,3 5,5 5,4 5,5 5,3 Rondônia 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 Acre 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 Amazonas 1,6 1,6 1,5 1,6 1,5 Roraima 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 Pará 2,1 2,3 2,2 2,3 2,2

12 Tabela 05. Participação das Grandes Regiões e Unidades da Federação no Produto Interno Bruto (conclusão) Grandes Regiões e Unidades da Federação Participação no Produto Interno Bruto (%) Amapá 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 Tocantins 0,4 0,4 0,4 0,4 0,5 NORDESTE 13,5 13,3 13,6 13,6 13,9 Maranhão 1,2 1,2 1,3 1,3 1,3 Piauí 0,6 0,6 0,6 0,6 0,7 Ceará 2,0 2,0 2,0 2,0 2,2 Rio Grande do Norte 0,9 0,9 1,0 1,0 0,9 Paraíba 0,9 0,8 0,9 0,9 0,9 Pernambuco 2,5 2,5 2,7 2,6 2,7 Alagoas 0,7 0,7 0,7 0,7 0,7 Sergipe 0,7 0,7 0,7 0,7 0,6 Bahia 4,0 3,8 3,8 3,8 3,9 SUDESTE 56,1 56,1 55,9 55,3 54,9 Minas Gerais 9,0 9,1 9,2 9,2 8,9 Espírito Santo 2,2 2,4 2,4 2,2 2,2 Rio de Janeiro 11,6 11,7 11,9 11,8 11,6 São Paulo 33,3 32,8 32,4 32,2 32,2 SUL 16,0 15,9 15,9 16,5 16,4 Paraná 5,8 5,9 5,9 6,3 6,0 Santa Catarina 4,0 4,0 4,0 4,0 4,2 Rio Grande do Sul 6,2 6,1 6,0 6,2 6,2 CENTRO-OESTE 9,1 9,1 9,2 9,1 9,4 Mato Grosso do Sul 1,2 1,3 1,3 1,3 1,4 Mato Grosso 1,5 1,6 1,7 1,7 1,8 Goiás 2,7 2,8 2,9 2,8 2,9 Distrito Federal 3,7 3,5 3,4 3,3 3,4 Franca de Manaus - SUFRAMA. Tabela 6. População Residente por UF, Região e Brasil (Continua) Regiões / UF BRASIL NORTE Rondônia Acre Amazonas

13 Tabela 6. População Residente por UF, Região e Brasil (Conclusão) Regiões / UF Roraima Pará Amapá Tocantins NORDESTE Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Alagoas Sergipe Bahia SUDESTE Minas Gerais Espírito Santo Rio de Janeiro São Paulo SUL Paraná Santa Catarina Rio Grande do Sul CENTRO-OESTE Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal Fonte: IBGE Tabela7 - Produto Interno Bruto per capita das Grandes Regiões e das Unidades da Federação (R$ 1,00)(continua) Regiões / UF BRASIL , , NORTE Rondônia Acre Amazonas Roraima

14 Tabela7 - Produto Interno Bruto per capita das Grandes Regiões e das Unidades da Federação (R$ 1,00)(conclusão) Regiões / UF Pará Amapá Tocantins NORDESTE Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Alagoas Sergipe Bahia SUDESTE Minas Gerais Espírito Santo Rio de Janeiro São Paulo SUL Paraná Santa Catarina Rio Grande do Sul CENTRO-OESTE Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal Franca de Manaus - SUFRAMA. Tabela 8 - Valor adicionado bruto a preços básicos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação (continua) Grandes Regiões Valor adicionado bruto (R$ ) e Unidades da Federação Norte Rondônia Acre Amazonas

15 Tabela 8 - Valor adicionado bruto a preços básicos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação (Conclusão) Grandes Valor adicionado bruto ( R$) Regiões e Unidades da Federação Roraima Pará Amapá Tocantins Nordeste Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Alagoas Sergipe Bahia Sudeste Minas Gerais Espírito Santo Rio de Janeiro São Paulo Sul Paraná Santa Catarina Rio Grande do Sul Centro-Oeste Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal Franca de Manaus - SUFRAMA.

16 Tabela 9 Participação das Ufs nos Impostos sobre o produto líquidos de subsídios por grandes regiões e unidades da federação Regiões / UF BRASIL 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 NORTE 4,1 4,1 4,2 4,3 4,4 Rondônia 0,5 0,5 0,5 0,4 0,5 Acre 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 Amazonas 1,8 1,8 1,8 1,8 1,8 Roraima 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 Pará 1,2 1,2 1,4 1,4 1,4 Amapá 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 Tocantins 0,3 0,3 0,3 0,3 0,3 NORDESTE 11,0 11,1 11,5 11,6 11,9 Maranhão 0,9 1,0 1,0 1,0 1,0 Piauí 0,4 0,4 0,4 0,4 0,5 Ceará 1,7 1,7 1,8 1,8 1,9 Rio Grande do Norte 0,7 0,7 0,7 0,7 0,7 Paraíba 0,6 0,6 0,7 0,7 0,7 Pernambuco 2,4 2,5 2,7 2,6 2,7 Alagoas 0,5 0,5 0,5 0,5 0,5 Sergipe 0,5 0,5 0,5 0,5 0,5 Bahia 3,3 3,2 3,2 3,4 3,4 SUDESTE 60,8 60,8 60,2 60,1 59,4 Minas Gerais 7,9 7,7 7,7 7,6 7,7 Espírito Santo 2,7 3,0 2,9 2,5 2,4 Rio de Janeiro 12,1 11,7 11,8 12,0 11,4 São Paulo 38,2 38,4 37,8 38,0 37,9 SUL 15,6 15,9 15,9 16,1 16,4 Paraná 5,5 5,8 5,9 5,9 5,8 Santa Catarina 4,0 4,1 4,1 4,3 4,7 Rio Grande do Sul 6,1 5,9 5,8 5,9 5,9 CENTRO-OESTE 8,3 8,1 8,1 7,9 7,9 Mato Grosso do Sul 1,0 1,0 1,0 1,0 1,1 Mato Grosso 1,2 1,2 1,3 1,4 1,3 Goiás 2,3 2,5 2,3 2,2 2,3 Distrito Federal 3,9 3,5 3,6 3,2 3,3 Franca de Manaus - SUFRAMA.

17 Tabela 10 Componentes do PIB sob a ótica da renda em valores correntes Componentes do PIB sob a ótica da renda Em valores correntes (R$ ) Valor Adicionado Bruto (a) Remunerações (b) Salários Contribuições sociais Impostos, líquidos de subsídios, sobre a produção e a importação (c) Impostos, líquidos de subsídios, sobre produto (d) Outros impostos, líquidos de subsídios, sobre a produção Excedente Operacional Bruto (EOB) e Rendimento Misto Bruto (RMB) (e) Produto Interno Bruto - Ótica da Renda = (b + c + e) Produto Interno Bruto - Ótica Produção = (a + d) Franca de Manaus - SUFRAMA Tabela 11. Participação dos componentes do PIB sobre o PIB de Rondônia Participação dos componentes do PIB Componentes do PIB sob a ótica da renda sobre o PIB da UF (%) Valor Adicionado Bruto (a) 87,7 87,7 88,2 89,0 89,3 Remunerações (b) 47,8 50,0 48,9 50,5 50,7 Salários 37,9 39,5 38,8 40,0 40,2 Contribuições sociais 9,9 10,5 10,1 10,5 10,5 Impostos, líquidos de subsídios, sobre a produção e a importação (c) 13,1 13,0 12,4 11,7 11,5 Impostos, líquidos de subsídios, sobre produto (d) 12,3 12,3 11,8 11,0 10,7 Outros impostos, líquidos de subsídios, sobre a produção 0,7 0,7 0,6 0,7 0,8 Excedente Operacional Bruto (EOB) e Rendimento Misto Bruto (RMB) (e) 39,1 37,0 38,7 37,8 37,9 Produto Interno Bruto Ótica da Renda =(b + c+e) 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Produto Interno Bruto - Ótica Produção = (a + d) Franca de Manaus - SUFRAMA

18 Tabela 12. Participação dos componentes do PIB da UF sobre os componentes do PIB Brasil (%) Componentes do PIB sob a ótica da renda Participação dos componentes do PIB sobre o PIB da UF (%) Valor Adicionado Bruto (a) 0,6 0,7 0,6 0,6 0,6 Remunerações (b) 0,7 0,7 0,7 0,7 0,7 Salários 0,7 0,7 0,7 0,7 0,7 Contribuições sociais 0,7 0,7 0,7 0,7 0,7 Impostos, líquidos de subsídios, sobre a produção e a importação (c) 0,5 0,5 0,5 0,4 0,5 Impostos, líquidos de subsídios, sobre produto (d) 0,5 0,5 0,5 0,4 0,5 Outros impostos, líquidos de subsídios, sobre a produção 0,4 0,5 0,4 0,4 0,5 Excedente Operacional Bruto (EOB) e Rendimento Misto Bruto (RMB) (e) 0,6 0,6 0,6 0,5 0,5 Produto Interno Bruto Ótica da Renda = (b + c + e) 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 Produto Interno Bruto - Ótica Produção = (a + d) Franca de Manaus - SUFRAMA Elaboração: Gerência do Observatório Técnicas responsáveis: Hilda Coêlho Gomes Denny Teresa Cristina Simoni

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 REGIÃO NORTE 5.951.408 87,35 861.892 12,65 6.813.300 RONDÔNIA 760.521 88,11 102.631 11,89 863.152 ACRE 298.081 85,86 49.094

Leia mais

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Panorama Econômico do Rio Grande do Sul 2008 Unidade de Estudos Econômicos COMPOSIÇÃO DO PIB PIB DO RIO GRANDE DO SUL 62% 9% 29% Estamos mais sujeitos a refletir crises agrícolas que a média da economia

Leia mais

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007 Ceará: Resultados do PIB Trimestral 2003-2007 eloisa@ipece.ce.gov.br rogerio.soares@ipece.ce.gov.br Fortaleza 2009 CEARÁ: COMPOSIÇÃO Ceará: DO Resultados PRODUTO INTERNO do PIB BRUTO Trimestral A PREÇOS

Leia mais

Econômico Contabilidade Nacional

Econômico Contabilidade Nacional Tabela 3.7.1 - Produto Interno Bruto a preço de mercado corrente (milhões de R$), do e Estados da região Norte - 2008-2011 Acre Roraima 3.032.205 3.239.404 3.770.085 4.143.013 154.251 163.207 201.511 230.011

Leia mais

Acre Previsão por Coeficiente no Estado

Acre Previsão por Coeficiente no Estado Acre 0,6 121.073,55 262.729,59 0,8 161.431,39 350.306,12 1,0 201.789,24 437.882,66 1,2 242.147,09 525.459,19 1,4 - - 1,6 322.862,79 700.612,25 1,8 363.220,64 788.188,78 2,0 - - 2,2 - - 2,4 - - 2,6 524.652,03

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2011

Contas Regionais do Brasil 2011 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2011 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 22/11/2013 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

9, R$ , , R$ ,

9, R$ , , R$ , Rondônia 2005 R$ 601.575,17 2005 10.154 2004 1.027.983 2004 108.139 2004 10,52 2006 R$ 609.834,21 2006 10.757 2005 1.025.249 2005 101.539 2005 9,90 2007 R$ 1.229.490,00 2007 9.100 2006 1.047.004 2006 111.068

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO

PRODUTO INTERNO BRUTO Ano I Edição I Novembro/2015 PRODUTO INTERNO BRUTO 2013 Contas Regionais Cuiabá-MT 2015 SI - Secretaria Adj. de Informações Socioeconômicas, Geog. e de Indicadores SEGE Superintendência de Estudos Socioeconômicos

Leia mais

CONTAS REGIONAIS. Governo do Estado do Amapá. Secretaria de Estado do Planejamento Coordenadoria de Pesquisas, Estratégias Socioeconômicas e Fiscais

CONTAS REGIONAIS. Governo do Estado do Amapá. Secretaria de Estado do Planejamento Coordenadoria de Pesquisas, Estratégias Socioeconômicas e Fiscais Governo do Estado do Amapá Diretoria de Pesquisas Coordenação de Contas Nacionais - CONAC Secretaria de Estado do Planejamento Coordenadoria de Pesquisas, Estratégias Socioeconômicas e Fiscais CONTAS REGIONAIS

Leia mais

PIB BAIANO TOTALIZOU R$ 159,9 BILHÕES EM 2011

PIB BAIANO TOTALIZOU R$ 159,9 BILHÕES EM 2011 PIB BAIANO TOTALIZOU R$ 159,9 BILHÕES EM 2011 INTRODUÇÃO A SEI divulga, em parceria com o IBGE e demais institutos de pesquisas e estatísticas do país, os dados relativos ao PIB do ano de 2011. Mais uma

Leia mais

outro, o aperto monetário e a redução da confiança dos empresários impediram avanços mais significativos da economia.

outro, o aperto monetário e a redução da confiança dos empresários impediram avanços mais significativos da economia. O Produto Interno Bruto goianoo alcançou em 2013 a cifra de R$ 151,010 bilhões. Este é o número oficial consolidado, calculado através de nova metodologia que o IBGE, em parceria com as instituições estaduais

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas - ano 2015 Pernambuco 5,20% Ceará 5,44% Maranhão 5,14% Pará 4,89% Paraná 4,43% Rio Grande do Sul 4,37% Santa Catarina 2,54% Rio Grande do Norte 2,48% Espírito Santo 2,14% Amazonas 2,06% Sergipe 1,87% Alagoas

Leia mais

ANÁLISE DAS CONTAS REGIONAIS

ANÁLISE DAS CONTAS REGIONAIS Ano X, Nº 1, janeiro de 2016. Informe Macroeconomia, Indústria e Serviços Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE ANÁLISE DAS CONTAS REGIONAIS 2010-2013 Autor Antônio RICARDO de Norões

Leia mais

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Fonte: IBGE/Pnad. Elaboração própria. Nota: a PNAD até o ano de 2003 não abrangia a área rural da região Norte (exceto o Tocantins). Nos anos de 1994, 2000

Leia mais

Produto Interno Bruto (PIB) Espírito Santo 2013

Produto Interno Bruto (PIB) Espírito Santo 2013 GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES IJSN Vitória, novembro 2015 Sumário Executivo O do Espírito Santo apresentou estabilidade

Leia mais

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014)

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) 8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) Elaboração: Contraf-CUT, CNTV e Federação dos Vigilantes do Paraná Fonte: Notícias da imprensa, SSP e sindicatos Apoio: Sindicato dos Vigilantes de Curitiba

Leia mais

A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010

A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010 A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010 Iniciação Científica Karoline Almeida Cavalcanti Universidade Estadual

Leia mais

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio Tiragem Limitada República Federativa do Brasil Fernando Henrique Cardoso Ministério da Educação e do Desporto - MEC Paulo Renato Souza Secretaria

Leia mais

Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social

Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social 2º Semestre/2011 1 Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social Informações Trabalhistas e Previdenciárias de acordo

Leia mais

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Abril de 2014

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Abril de 2014 Indicadores IBGE Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI Abril de 2014 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff

Leia mais

Resultado do Estoque de Empregos Formais RAIS 2002 a 2013

Resultado do Estoque de Empregos Formais RAIS 2002 a 2013 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

IBGE divulga as Contas Regionais 2007

IBGE divulga as Contas Regionais 2007 IBGE divulga as Contas Regionais 2007 Desde 1995, oito estados (SP, RJ, MG, RS, PR, BA, SC e DF) mantém a liderança das participações no PIB do país e, em 2007, eles concentravam quase 80% da economia.

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nota metodológica da série retropolada 2002-2009 PIB dos Municípios - Referência 2010 (versão para informação e comentários) Versão 1 outubro

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JANEIRO DE 214 BRASIL O saldo líquido de empregos formais no primeiro mês de 214 foi de 29.595 empregos em todo o país, segundo o Cadastro Geral

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 Emprego industrial 28 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO - no acumulado do ano, foi

Leia mais

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6.

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6. Produção Brasileira de Abacaxi por Estado 2007 Pará 15.462 701.948 125.596 Paraíba 11.600 625.527 150.054 Minas Gerais 7.593 596.668 127.597 Bahia 6.430 282.634 63.185 São Paulo 3.620 271.380 76.161 Rio

Leia mais

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 1 Rio de Janeiro, 22/11/2016 Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção

Leia mais

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%).

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). O PIB encerrou o ano de 2014 com variação de 0,1%. Nessa comparação, a Agropecuária (0,4%) e os Serviços (0,7%) cresceram e a Indústria caiu (- 1,2%).

Leia mais

Noções Básicas sobre. Encontro Nacional de Coordenadores da Saúde do Idoso. População Idosa no Cenário Nacional: Transição Demográfica

Noções Básicas sobre. Encontro Nacional de Coordenadores da Saúde do Idoso. População Idosa no Cenário Nacional: Transição Demográfica Encontro Nacional de Coordenadores da Saúde do Idoso Noções Básicas sobre População Idosa no Cenário Nacional: Transição Demográfica Joilson Rodrigues de Souza Coordenador de Disseminação de Informações

Leia mais

Características do candidato a Empreendedor Individual (MEI) no Brasil. SEBRAE-SP/Planejamento Abril de 2009

Características do candidato a Empreendedor Individual (MEI) no Brasil. SEBRAE-SP/Planejamento Abril de 2009 Características do candidato a Empreendedor Individual (MEI) no Brasil SEBRAE-SP/Planejamento Abril de 2009 1 Metodologia do trabalho Definição de candidato a MEI: Consideramos como proxy de candidato

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO DE ALAGOAS (PIB) PARA O ANO DE 2014

PRODUTO INTERNO BRUTO DE ALAGOAS (PIB) PARA O ANO DE 2014 PRODUTO INTERNO BRUTO DE ALAGOAS (PIB) PARA O ANO DE 2014 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Gerência de Estatística e Indicadores Em 2014, a economia mundial cresceu apenas

Leia mais

Estimativas e Análises do PIB Regiões, Estados e Municípios. Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 02 Setembro/2012.

Estimativas e Análises do PIB Regiões, Estados e Municípios. Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 02 Setembro/2012. O Atual Potencial Econômico do Brasil Estimativas e Análises do PIB 2011 - Regiões, Estados e Municípios Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 02 Setembro/2012 Edição 2009 www.goncalvesassociados.com

Leia mais

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Agosto de 2016

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Agosto de 2016 Indicadores IBGE Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI Agosto de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Michel Miguel

Leia mais

CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016

CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 V2 1 1. SETOR 2 UNIVERSO DISTRIBUIÇÃO MACRO REGIÕES SHOPPINGS EM OPERAÇÃO - UNIDADES 26 NORTE 80 NORDESTE 50 CENTRO OESTE 292 SUDESTE 520 +3,5% 538 SHOPPINGS

Leia mais

ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS

ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS MONTANTE DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS (em R$ milhões) Receita Estadual () BNDES Estatais Agências Financeiras União Royalties e Participações

Leia mais

Maio/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Maio/2014

Maio/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Maio/2014 Maio/2014 - BRASIL Análise do emprego Brasil Maio/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA HORISTA % GRUPO A

ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA HORISTA % GRUPO A ACRE B1 Repouso Semanal Remunerado 18,06 0,00 18,06 0,00 B2 Feriados 4,77 0,00 4,77 0,00 B3 Auxílio - Enfermidade 0,91 0,69 0,91 0,69 B4 13º Salário 10,97 8,33 10,97 8,33 B7 Dias de Chuvas 1,68 0,00 1,68

Leia mais

REFLEXOS E PARADIGMAS DA GUERRA FISCAL DO ICMS

REFLEXOS E PARADIGMAS DA GUERRA FISCAL DO ICMS REFLEXOS E PARADIGMAS DA GUERRA FISCAL DO ICMS Muito se tem falado sobre os reflexos econômicos da Guerra Fiscal do ICMS para os Estados brasileiros. Criaram-se alguns paradigmas, os quais sustentam que

Leia mais

Desafios do Federalismo Brasileiro. Paula Ravanelli Losada Subchefia de Assuntos Federativos Secretaria de Relações Institucionais

Desafios do Federalismo Brasileiro. Paula Ravanelli Losada Subchefia de Assuntos Federativos Secretaria de Relações Institucionais Desafios do Federalismo Brasileiro Paula Ravanelli Losada Subchefia de Assuntos Federativos Secretaria de Relações Institucionais Federação desigual Arranjo Federativo Brasileiro As desigualdades regionais

Leia mais

ICMS: um retrato da economia brasileira em 2015

ICMS: um retrato da economia brasileira em 2015 ICMS: um retrato da economia brasileira em 2015 Pedro Jucá Maciel 1 INTRODUÇÃO O ICMS, imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual,

Leia mais

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 Isaac A. Coimbra Lou SEI/BA Lis Helena Borges Bolsista/IPEA Roberta Pimenta Bolsista/IPEA Brasília, Março de 2013 3 a Conferência

Leia mais

COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016

COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos).

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos). EMPREGO INDUSTRIAL JULHO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CATARINENSE APRESENTOU DIMINUIÇÃO DO EMPREGO EM JULHO. O número de demissões foi maior que o de admissões resultando em um

Leia mais

COMPORTAMENTO HISTÓRICO DA PARTICIPAÇÃO DO SETOR RURAL NA COMPOSIÇÃO DO PIB DA PARAÍBA

COMPORTAMENTO HISTÓRICO DA PARTICIPAÇÃO DO SETOR RURAL NA COMPOSIÇÃO DO PIB DA PARAÍBA 1 COMPORTAMENTO HISTÓRICO DA PARTICIPAÇÃO DO SETOR RURAL NA COMPOSIÇÃO DO PIB DA PARAÍBA Sérgio Furtado - Consultor do Projeto Cooperar 1 DESEMPENHO DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS NO ESTADO DA PARAÍBA EM 2012

Leia mais

Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil

Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil Audiência pública Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa

Leia mais

A DÍVIDA ATIVA INSCRITA PELOS MUNICÍPIOS E A RECEITA COM ELA AUFERIDA: A SITUAÇÃO EM 2010

A DÍVIDA ATIVA INSCRITA PELOS MUNICÍPIOS E A RECEITA COM ELA AUFERIDA: A SITUAÇÃO EM 2010 A DÍVIDA ATIVA INSCRITA PELOS MUNICÍPIOS E A RECEITA COM ELA AUFERIDA: A SITUAÇÃO EM 2010 (Estudo Técnico nº 174) François E. J. de Bremaeker Salvador, junho de 2012 2 A DÍVIDA ATIVA INSCRITA PELOS MUNICÍPIOS

Leia mais

Emprego Industrial Dezembro de 2014

Emprego Industrial Dezembro de 2014 Emprego Industrial Dezembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de dezembro de 2014, o saldo de empregos em Santa Catarina recuou em relação ao estoque de novembro (-36.691 postos e variação de -1,8%). A

Leia mais

Estado de São Paulo tem a maior quantidade de POS a cada mil habitantes; Maranhão, a menor

Estado de São Paulo tem a maior quantidade de POS a cada mil habitantes; Maranhão, a menor INFORMATIVO PARA A IMPRENSA ML&A Comunicações Fernanda Elen fernanda@mla.com.br (11) 3811-2820 ramal 833 Cresce a aceitação de cartões em 2015, aponta a Boanerges & Cia. Estado de São Paulo tem a maior

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro Balanço de 2012

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro Balanço de 2012 NOTA CONJUNTURAL GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro Balanço de 2012 OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JANEIRO DE 2013 19 2013 PANORAMA GERAL Os

Leia mais

Projeto Contas Regionais do Brasil PRODUTO INTERNO BRUTO PIB DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2010

Projeto Contas Regionais do Brasil PRODUTO INTERNO BRUTO PIB DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2010 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão SEPLAG Fundação Centro Estadual de Estatísticas, Pesquisas e Formação de Servidores Públicos do Rio de Janeiro - CEPERJ.

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE DE POPULAÇÕES EXPOSTAS A AGROTÓXICOS

VIGILÂNCIA EM SAÚDE DE POPULAÇÕES EXPOSTAS A AGROTÓXICOS Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador - CGST VIGILÂNCIA EM SAÚDE DE POPULAÇÕES

Leia mais

Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 CIDE - - PIS/COFINS 2,18 2,18 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57

Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 CIDE - - PIS/COFINS 2,18 2,18 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57 jan/16 fev/16 Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57 6,57 Margem Bruta de Distribuição 15,73 16,14 Preço de Distribuição 37,57

Leia mais

NOTA ECONÔMICA. Indústrias do Amapá, Maranhão, Espírito Santo e Rio de Janeiro ganham importância

NOTA ECONÔMICA. Indústrias do Amapá, Maranhão, Espírito Santo e Rio de Janeiro ganham importância Informativo CNI NOTA ECONÔMICA 2 Indústrias do Amapá, Maranhão, Espírito Santo e Rio de Janeiro ganham importância O Brasil possui uma indústria regionalmente concentrada. Os quatro maiores estados respondem

Leia mais

G1 -Preço da cesta básica em São Paulo cai 4,22% em agosto, diz Pr...

G1 -Preço da cesta básica em São Paulo cai 4,22% em agosto, diz Pr... G1 -Preço da cesta básica em São Paulo cai 4,22% em agosto, diz Pr... Página 1 de 7 MENU G1 Economia MENU G1 Economia g1 ge gshow famosos vídeos ENTRE Seu Dinheiro Notícias da sua região Centro Oeste distrito

Leia mais

Emprego Industrial Janeiro de 2015

Emprego Industrial Janeiro de 2015 Emprego Industrial Janeiro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de janeiro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina cresceu em relação a dezembro (14.637 postos e variação de 0,7%). A indústria de transformação

Leia mais

Março/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Março/2014

Março/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Março/2014 Março/2014 - BRASIL Análise do emprego Brasil Março/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Participação dos Pequenos Negócios no Emprego

Participação dos Pequenos Negócios no Emprego Participação dos Pequenos Negócios no Emprego CAGED fevereiro/2013 2013. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Emprego Industrial Outubro de 2015

Emprego Industrial Outubro de 2015 Emprego Industrial Outubro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de ubro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de setembro (-4.475 postos e variação de -0,2%). A indústria

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 FLUXO - OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos).

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos). JAN/2016 Sumário Executivo No mês de janeiro de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina aumentou em relação a dezembro (7.211 postos e variação de 0,4%). A indústria de transformação também teve desempenho

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO DE MINAS GERAIS. O turismo formal em Minas Gerais a 2010

SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO DE MINAS GERAIS. O turismo formal em Minas Gerais a 2010 SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO DE MINAS GERAIS O turismo formal em Minas Gerais - 2006 a 2010 Ficha técnica Realização: Governo do Estado de Minas Gerais Governador Antônio Augusto Junho Anastasia Secretaria

Leia mais

ESTIMATIVA TRIMESTRAL DO PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DE ALAGOAS. Maceió, AL 20 de Julho de 2012

ESTIMATIVA TRIMESTRAL DO PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DE ALAGOAS. Maceió, AL 20 de Julho de 2012 ESTIMATIVA TRIMESTRAL DO PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DE ALAGOAS Maceió, AL 20 de Julho de 2012 Breve Histórico PIB dos Estados da Região Nordeste calculado pela SUDENE Década de 90: Necessidade crescente

Leia mais

Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes

Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes - 2015 Data: 18/05/2016 FILTROS: Veículos: Todos Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Piores trechos por Estado número de acidentes -

Leia mais

jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12

jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12 Coordenadoria de Defesa da Evolução Concorrênciados preços de GLP (R$ / botijão de 13 kg) Brasil Preço de Realização do Produtor 11,33 11,34 11,33 11,34 11,33 11,34 11,34 11,33 11,34 11,34 11,34 11,34

Leia mais

Emprego Industrial Junho de 2015

Emprego Industrial Junho de 2015 Emprego Industrial Junho de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de junho de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de maio (-7.922 postos e variação de -0,4%). A indústria

Leia mais

BNB Conjuntura Econômica Nº40

BNB Conjuntura Econômica Nº40 BNB Conjuntura Econômica Nº40 Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE 4. Mercado de Trabalho O cenário atual da economia brasileira, que experimentou queda sucessiva do PIB nos dois

Leia mais

Política de Desenvolvimento Regional e as Propostas de Reforma Tributária

Política de Desenvolvimento Regional e as Propostas de Reforma Tributária Política de Desenvolvimento Regional e as Propostas de Reforma Tributária Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado Audiência Pública em 18 de junho de 2008 Maria Helena Zockun Recursos

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL ORÇAMENTOS DA UNIÃO EXERCÍCIO FINANCEIRO 2015 PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Leia mais

Vigilância em Saúde do Trabalhador Agenda Estratégica e a Renast

Vigilância em Saúde do Trabalhador Agenda Estratégica e a Renast Vigilância em Saúde do Trabalhador Agenda Estratégica e a Renast Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Secretaria de Vigilância

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Emprego Industrial Setembro de 2014

Emprego Industrial Setembro de 2014 Emprego Industrial Setembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de setembro de 2014, o saldo do emprego voltou a crescer em Santa Catarina (7.033 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de agosto).

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO DO PIAUÍ

PRODUTO INTERNO BRUTO DO PIAUÍ PRODUTO INTERNO BRUTO DO PIAUÍ 2012 2 O PROJETO DE CONTAS REGIONAIS Considerações Metodológicas O projeto de Contas Regionais do Brasil (CR) estima o PIB dos estados brasileiros pela ótica da produção,

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2014

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2014 SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COINT - Coordenação-Geral de Análise e Informações das Transferências Financeiras Intergovernamentais TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2014

Leia mais

DA PARAÍBA E DE SEUS MUNICÍPIOS

DA PARAÍBA E DE SEUS MUNICÍPIOS 1ª Edição PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DA PARAÍBA E DE SEUS MUNICÍPIOS 2013 57% 43% Outros 5 Maiores INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO MUNCIPAL E ESTADUAL - IDEME PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

14-17 anos 5-13 anos. Faixa etária (anos) Ocupação Outras Ignorada

14-17 anos 5-13 anos. Faixa etária (anos) Ocupação Outras Ignorada Ocupação (N) Acidente de trabalho em crianças e adolescentes com diagnóstico de lesão de traumatismo do punho e da mão (CID, S6-S69), segundo ocupação. Brasil, 27 a 26* 4-7 anos - anos Trabalhador polivalente

Leia mais

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Limitações: Requer informações adicionais sobre a quantidade per capita, a qualidade da água de abastecimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB PRIMEIROS RESULTADOS:

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB PRIMEIROS RESULTADOS: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB - PRIMEIROS RESULTADOS: Médias de desempenho do SAEB/ em perspectiva comparada Fevereiro de 2007 Presidente

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA

MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA 2013 MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Sumário 1. EVOLUÇÃO GERAL... 2 1.1. Movimentação do emprego - comparação com o setor de Serviços e Construção Civil 5 1.1.1.

Leia mais

Geração de Empregos Celetistas no Ceará - 1º Semestre de 2014

Geração de Empregos Celetistas no Ceará - 1º Semestre de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Instituto Trata Brasil - por um Brasil com saneamento básico Cenário do saneamento básico no país, desafios e oportunidades

Instituto Trata Brasil - por um Brasil com saneamento básico Cenário do saneamento básico no país, desafios e oportunidades Instituto Trata Brasil - por um Brasil com saneamento básico Cenário do saneamento básico no país, desafios e oportunidades SANEAMENTO E TRATAMENTO DA ÁGUA nos Processos de Abastecimento Público e Produtivos

Leia mais

Alexsandre Lira Cavalcante *

Alexsandre Lira Cavalcante * 1. Volume de vendas do comércio varejista Alexsandre Lira Cavalcante * De acordo com dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), realizada pelo IBGE, o volume de vendas do comércio varejista comum cearense

Leia mais

Av. Presidente Juscelino Kubitschek, Itaim Bibi , São Paulo/SP Telefone: (11)

Av. Presidente Juscelino Kubitschek, Itaim Bibi , São Paulo/SP Telefone: (11) ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO - O IPVA é o tributo estadual, cuja arrecadação é a segunda mais importante, depois do ICMS; - A estimativa de arrecadação de IPVA (Imposto

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Brasil Em Números. Maio 2014

Brasil Em Números. Maio 2014 Brasil Em Números Maio 2014 Dados gerais Nome oficial - República Federativa do Brasil Capital: Brasília, localizada no Distrito Federal, Centro-Oeste do país e inaugurada oficialmente em 1960 Idioma:

Leia mais

RESULTADO DO LIRAa JANEIRO FEVEREIRO/15

RESULTADO DO LIRAa JANEIRO FEVEREIRO/15 RESULTADO DO LIRAa JANEIRO FEVEREIRO/15 1º LIRAa 2015 - Situação dos municípios brasileiros Participação voluntária de 1.844 municípios Pesquisa realizada entre janeiro/fevereiro de 2015; Identifica focos

Leia mais

Emprego Industrial Agosto de 2014

Emprego Industrial Agosto de 2014 Emprego Industrial Agosto de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de agosto de 2014, o saldo de emprego em Santa Catarina voltou a crescer (6.599 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de julho). A indústria

Leia mais

NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010

NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010 NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010 População brasileira cresce quase 20 vezes desde 1872 A população do Brasil alcançou a marca de 190.755.799 habitantes na data de referência do

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

Valor da Produção Agropecuária: a geografia da agricultura e da pecuária brasileira em

Valor da Produção Agropecuária: a geografia da agricultura e da pecuária brasileira em v. 9, n. 12, dezembro 2014 Valor da Produção Agropecuária: a geografia da agricultura e da pecuária brasileira em 2012 1 O objetivo deste trabalho é apresentar a distribuição geográfica da produção da

Leia mais

Nosso negócio é fazer negócios! MERCADO BRASILEIRO SHOPPING CENTERS

Nosso negócio é fazer negócios! MERCADO BRASILEIRO SHOPPING CENTERS MERCADO BRASILEIRO SHOPPING CENTERS O comércio responde por 13% do PIB brasileiro O comércio varejista é responsável por 42% do comércio geral Os Shopping Centers representam 19% do comércio varejista

Leia mais

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 03/2013 A década virtuosa: pobreza e desigualdade

Leia mais

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas C.1 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas O indicador estima o risco de morte por neoplasias malignas e dimensiona a sua magnitude como problema de saúde pública. Corresponde ao número

Leia mais

PERFIL DO MAGISTÉRIO

PERFIL DO MAGISTÉRIO PERFIL DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA MEC Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Censo do Professor 97 1 Diretoria de Informações e Estatísticas Educacionais João Batista Ferreira Gomes

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Março/15) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

BUBALINOCULTURA. INFORMATIVO ECONOMICO Jan/2015

BUBALINOCULTURA. INFORMATIVO ECONOMICO Jan/2015 BUBALINOCULTURA INFORMATIVO ECONOMICO Jan/2015 O IBGE divulgou a pesquisa de Produção da Pecuária Municipal 2013. Segue dados relevantes à cadeia produtiva do leite: 34.255 bilhões de litros produzidos

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Maio/15) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de 2009

PROJETO DE LEI Nº de 2009 PROJETO DE LEI Nº de 2009 Dispõe sobre o salário profissional e a jornada de trabalho dos profissionais técnicos agrícolas de nível médio e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º)

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil

Sistema de Contas Nacionais Brasil Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2004-2008 Coordenação de Contas Nacionais Rio, 05/11/2010 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres de 2010, HOJE - ano 2008

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SHOPPING CENTER NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SHOPPING CENTER NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SHOPPING CENTER NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

3º Trimestre de 2011

3º Trimestre de 2011 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 3º Trimestre de 2011 Coordenação de Contas Nacionais 06 de dezembro de 2011 Revisões nas Contas Nacionais Trimestrais No 3º trimestre

Leia mais