MODELAGEM NUMÉRICA DA DISPERSÃO DA PLUMA DE SEDIMENTOS PROVENIENTES DAS ATIVIDADES DE DRAGAGEM DOS CANAIS DE ACESSO DA BAÍA DE PARANAGUÁ - PR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELAGEM NUMÉRICA DA DISPERSÃO DA PLUMA DE SEDIMENTOS PROVENIENTES DAS ATIVIDADES DE DRAGAGEM DOS CANAIS DE ACESSO DA BAÍA DE PARANAGUÁ - PR"

Transcrição

1 MODELAGEM NUMÉRICA DA DISPERSÃO DA PLUMA DE SEDIMENTOS PROVENIENTES DAS ATIVIDADES DE DRAGAGEM DOS CANAIS DE ACESSO DA BAÍA DE PARANAGUÁ - PR Preparado para: Aquaplan Preparado por: Novembro de 2010

2 ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 0 ORIGINAL DATA 09/11/2010 PROJETO BR56 EXECUÇÃO VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO REV. 0 REV. A REV. B REV. C REV. D REV. E REV. F REV. G REV. H Alex Rafael Lindino AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO SÃO PROPRIEDADE DA COASTAL PLANNING & ENGINEERING DO BRASIL, SENDO PROIBIDA A UTILIZAÇÃO FORA DA SUA FINALIDADE. A IMPRESSÃO OU REPRODUÇÃO DESTE DOCUMENTO TORNA A CÓPIA NÃO CONTROLADA. i

3 MODELAGEM NUMÉRICA DA DISPERSÃO DA PLUMA DE SEDIMENTOS PROVENIENTES DAS ATIVIDADES DE DRAGAGEM DOS CANAIS DE ACESSO DA BAÍA DE PARANAGUÁ - PR SUMÁRIO EXECUTIVO A foi solicitada pela Aquaplan para realizar um estudo de modelagem numérica da dispersão da pluma de sedimentos provenientes das atividades de dragagem dos canais de acesso aos portos de Paranaguá e Antonina, na Baía de Paranaguá - PR. A modelagem numérica foi executada com o modelo numérico Delft3D, desenvolvido pela Deltares e considerada a ferramenta mais avançada na atualidade para simulações de ambientes costeiros, estuarinos e fluviais. Para a modelagem hidrodinâmica foi utilizado o Delft3D-Flow e para a modelagem de dispersão da pluma de sedimentos foi utilizado o Delft3D-Mor. A batimetria utilizada foi obtida através da digitalização de cartas náuticas da DHN e dos levantamentos batimétricos efetuados pela Associação dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA) e pela praticagem ao longo do canal de navegação. O modelo hidrodinâmico foi devidamente calibrado com dados de maré e corrente medidos em campo. Foram selecionados seis pontos representativos para a simulação de dispersão da pluma de material dragado ao longo dos canais de acesso aos portos de Paranaguá e Antonina (Alfa, Bravo1, Bravo2, Charlie2, Delta e Echo), com despejo em dois locais distintos, um localizado na área interna da Baía de Paranaguá (para despejo do material dragado nos canais Delta e Echo), e outro localizado na área externa à baía (para despejo de material dragado nas demais localidades). Foi considerada a taxa de resuspensão de 5% do material dragado e overflow de 15 minutos nos pontos dos canais Alfa, Bravo1, Bravo2 e Charlie2, assim como operação sem overflow para os pontos localizados nos setores Delta e Echo, em decorrência da elevada fração de silte. ii

4 Os resultados das simulações de dispersão de sedimentos em suspensão, realizadas para diferentes áreas do canal de navegação indicaram: Alfa: A pluma de resuspensão na superfície em decorrência da baixa fração de silte (15%), apresenta concentrações inferiores a 5 mg/l. A pluma de overflow inicialmente restringe-se às imediações do canal e apresenta concentrações de até 40 mg/l, dispersando-se, após 1 hora, em um raio de aproximadamente 2 km, com concentrações inferiores a 10 mg/l. A pluma de sedimentos na área de despejo ACE20 permanece com concentrações superiores a 100 mg/l em um raio de aproximadamente 2 km, após 1 hora do momento do despejo, reduzindo a concentrações inferiores a 30 mg/l após 3 horas do momento do despejo. Cabe ressaltar que na área ACE20, no momento de despejo, a pluma referente ao ciclo anterior ainda não atingiu sedimentação total. Bravo1: Em decorrência da alta fração de areia (99,88%), este ponto não apresenta pluma de resuspensão nem pluma de overflow com concentrações significativas. A pluma de sedimentos na área de despejo ACE20 pode apresentar concentrações superiores a 100 mg/l em um raio de aproximadamente 1,5 km, reduzindo a concentrações inferiores a 10 mg/l após 45 minutos do momento do despejo. Bravo2: A pluma de sedimentos resuspendidos, em decorrência da maior fração de silte (65%), apresenta concentrações na ordem de 5 mg/l, com possibilidade desta pluma se dispersar a distâncias superiores a 10 km para dentro ou fora da baía em condições de máximas correntes na enchente ou vazante, respectivamente. A pluma de overflow inicialmente restringe-se às imediações do canal e apresenta concentrações superiores a 100 mg/l, em um raio de aproximadamente 1,8 km, dispersando-se após 1 hora em um raio de aproximadamente 4,5 km, com concentrações variando de 40 mg/l a 10 mg/l, chegando a concentrações inferiores a 10 mg/l após 4 horas do momento do overflow. A pluma de sedimentos na área de despejo ACE20 permanece com concentrações superiores a 100 mg/l em um raio de aproximadamente 2 km, mesmo após mais de 2 horas do momento do descarte, reduzindo a concentrações entre 40 mg/l e 10 mg/l após 6 horas do momento do despejo, e concentrações inferiores a 10 mg/l após aproximadamente 18 horas do despejo. Cabe ressaltar que na área ACE20, no momento de despejo, a pluma referente ao ciclo anterior ainda não atingiu sedimentação total. Charlie2: Embora o percentual de silte nessa área seja predominante (61%), como a iii

5 taxa de operação e o volume de cisterna da draga utilizada são menores que os utilizados em Bravo1, a pluma de sedimentos resuspendidos apresenta concentrações inferiores, em torno de 2 mg/l, com possibilidade de se dispersar a até 2 km do ponto de dragagem. A pluma de sedimentos oriunda do processo de overflow inicialmente restringe-se às imediações do canal e apresenta concentrações superiores a 50 mg/l, em um raio de aproximadamente 2,5 km após 30 minutos, dispersando-se após 2 horas do momento do overflow com concentrações inferiores a 10 mg/l. O alcance dessa pluma varia de acordo com condições de marés e ventos, podendo alcançar o início do canal Delta, na enchente, ou a Ilha da Cotinga, na vazante. A pluma de sedimentos originada pelo despejo na área ACE20 permanece com concentrações superiores a 100 mg/l em um raio de aproximadamente 1,8 km, após 1 hora do momento do despejo, reduzindo a concentrações entre 40 mg/l e 10 mg/l após 1h45min do momento do descarte, e concentrações inferiores a 10 mg/l após aproximadamente 4 horas. Cabe ressaltar que na área ACE20, no momento de despejo, a pluma referente ao ciclo anterior ainda não atingiu total dispersão. Delta: A pluma de sedimentos oriundos do processo de resuspensão, em decorrência da elevada fração de silte (99%), apresenta concentrações variando de 40 mg/l, no ponto de dragagem, até 5 mg/l, prolongando-se longitudinalmente na baía numa extensão de aproximadamente 4 km, para o interior ou para a área externa, de acordo com o fluxo de correntes. Em decorrência da alta quantidade de silte, o processo overflow não foi considerado nessa simulação. A pluma sedimentos originada pelo processo de despejo do material dragado na área ECHO Paque Antonina permanece com concentrações superiores a 100 mg/l, podendo se estender a distâncias superiores a 4 km, mesmo após mais de 5 horas do momento do despejo, ocorrendo a superposição de plumas de sedimentos despejados em ciclos consecutivos de dragagem. Dependendo das condições de marés e ventos, a pluma pode abranger toda a Baía de Antonina nas marés enchentes, ou se estender até as imediações do Porto de Paranaguá nas marés vazantes. Echo: A pluma de sedimentos originada pelo processo de resuspensão, em decorrência da elevada fração de silte (98%), apresenta concentrações variando de 15 mg/l no ponto de dragagem, até 5 mg/l, prolongando-se longitudinalmente na Baía de Antonina em extensão de aproximadamente 5 km para o interior ou para a área externa, de acordo com o fluxo de correntes. Em decorrência da alta quantidade de silte o overflow não foi considerado nessa simulação. A pluma de sedimentos iv

6 originada pelo despejo do material dragado na área ECHO Parque Antonina permanece com concentrações superiores a 100 mg/l, podendo se estender a distâncias superiores a 4 km, mesmo após mais de 5 horas do momento do despejo, ocorrendo a superposição de plumas de sedimentos despejados em ciclos consecutivos de dragagem. Dependendo das condições de marés e ventos, a pluma pode abranger toda a Baía de Antonina nas marés enchentes, ou se estender até as imediações do Porto de Paranaguá nas marés vazantes. v

7 ÍNDICE GERAL 1 INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO E LOCALIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO ASPECTOS GEOMORFOLÓGICOS CARACTERIZAÇÃO OCEANOGRÁFICA E METEOROLÓGICA DA ÁREA DE ESTUDO VENTOS ONDAS MARÉ E CORRENTES SALINIDADE E DRENAGEM FLUVIAL DESCRIÇÃO DAS SEÇÕES DOS CANAIS A SEREM DRAGADOS MODELAGEM NUMÉRICA MODELO HIDRODINÂMICO DELFT-FLOW MODELO DE TRANSPORTE DE SEDIMENTOS GRADES NUMÉRICAS BATIMETRIA DADOS DE ENTRADA CALIBRAÇÃO E VALIDAÇÃO DO MODELO NUMÉRICO CALIBRAÇÃO DE NÍVEL CALIBRAÇÃO PARA AS CORRENTES CENÁRIOS DE ESTUDO RESULTADOS CANAL ALFA CENÁRIO 1 VENTOS DE QUADRANTE NORDESTE CENÁRIO 2 - VENTOS DO QUADRANTE LESTE CENÁRIOS 3 - VENTOS DO QUADRANTE SUL vi

8 6.2 CANAL BRAVO CENÁRIO 1 VENTOS DE QUADRANTE LESTE (E) CANAL BRAVO CENÁRIO 1 - VENTOS DO QUADRANTE LESTE (E) CENÁRIO 2 - VENTOS DO QUADRANTE NORDESTE CENÁRIOS 3 - VENTOS VARIANDO DE SUL (S) A LESTE (E) CANAL CHARLIE CENÁRIO 1 - VENTOS DO QUADRANTE SUL/SUDESTE CENÁRIO 2 - VENTOS DO QUADRANTE LESTE CENÁRIO 3 - VENTOS DO QUADRANTE NORDESTE CANAL DELTA CENÁRIO 1 - VENTOS DO QUADRANTE NORDESTE (NE) E LESTE (E) CENÁRIO 2 - VENTOS DO QUADRANTE LESTE (E) E NORDESTE (NE) CENÁRIO 3 - VENTOS DO QUADRANTE LESTE (E) E NORDESTE (NE) CANAL ECHO CENÁRIO 1 - VENTOS DOS QUADRANTES NORDESTE (NE) LESTE (E) E LESTE-SUDESTE (ESSE) CENÁRIO 2 - VENTOS DO QUADRANTE SUDESTE (SE) E LESTE (E) CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS vii

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Localização da área de estudo - Complexo Estuarino de Paranaguá Figura 2 Complexo Estuarino de Paranaguá (CEP)... 3 Figura 3 Fragmento da Carta Náutica nº Proximidades da Barra de Paranaguá. Em realce: 1- Baixio do Perigo; 2- Banco da Galheta (delimitado externamente pelo contorno vermelho) Figura 4 Rosa de distribuição dos ventos. Escala de cores representa velocidade média do vento em m/s Figura 5 Rosa de distribuição de direções e alturas significativas de ondas. Dados de reanálise do modelo WAVEWATCH III (NOAA) Figura 6 Localização do ponto de extração dos dados de vento NCEP e dados de onda do modelo WW3. No quadro de cor vermelha encontra-se destacada a Baía de Paranaguá Figura 7 Elevação do nível d água medida pela APPA na Ilha da Galheta, Porto de Paranaguá e Ponta do Félix Figura 8 Série temporal das componentes u e v das correntes medidas pelo CEM em frente ao Porto de Paranaguá Figura 9 Localização dos canais de navegação nas baías de Paranaguá e Antonina, bem como das áreas de despejo do material dragado Figura 10 - Mapa sedimentológico da Baía de Paranaguá (Adaptado de: Lamour et al, 2004).1 Figura 11 - Histograma de freqüência das classes de sedimentos amostrados dentro de cada setor do canal de navegação Figura 12 - Percentual de sedimentos coesivos e não coesivos para os setores Alfa, Bravo1 e Bravo Figura 13 - Percentual de sedimentos coesivos e não coesivos para os setores Charlie 1, Charlie3, Delta 1 e Delta 2 (Ponta do Félix) Figura 14 Grade numérica criada para resolver os processos hidrodinâmicos e de transporte de sedimentos no interior da Baía de Paranaguá (664 x 346 elementos de cálculo) Figura 15 - Grade numérica (278 x 274 elementos de cálculo) criada para resolver os processos de dispersão de sedimentos na área externa da baía. O quadro em cor preta destaca viii

10 a área de abrangência das duas grades, para fins comparativos Figura 16 Pontos de batimetria obtidos através a digitalização das cartas náuticas da DHN. 9 Figura 17 Pontos obtidos pelo levantamento batimétrico efetuado nos canais de navegação entre os anos de 2008 e Figura 18 Batimetria final, interpolada e projetada na grade numérica destinada a resolver os processos internos da baía, a partir do módulo Delft3D-QUICKIN Figura 19 - Localização das fronteiras abertas das grades, bem como os pontos de descarga fluvial utilizados no modelo hidrodinâmico Figura 20 - Direção e magnitude do vento para o ano de (Fonte de dados: NCEP/NOAA) Figura 21- Grade numérica destinada a resolver os processos de dispersão da pluma de sedimentos na área de despejo ACE 20, e suas fronteiras abertas Norte e Sul Figura 22 Tabela de componentes de maré da FEMAR para a estação de Caiobá PR Figura 23 - Tabela de componentes de maré da FEMAR para a estação da Ilha do Bom Abrigo - SP Figura 24 Localização dos pontos de medição maré e de corrente utilizados no processo de calibração do modelo hidrodinâmico Figura 25 Séries temporais da maré medida nas estações maregráficas de Galheta, Porto de Paranaguá e Ponta do Félix, bem como simulada pelo modelo destinado a resolver os processos internos da baía Figura 26 - Séries temporais da maré medida nas estações maregráficas de Galheta, Porto de Paranaguá e Ponta do Félix, bem como simulada pelo modelo destinado a resolver os processos externos da baía Figura 27 Gráficos das séries temporais de correntes medidas e simuladas na nas proximidades do Porto de Paranaguá Figura 28 Gráficos das séries temporais de correntes medidas e simuladas na nas proximidades do Porto de Paranaguá Figura 29 Localização dos pontos de simulação de dispersão da pluma de sedimentos provenientes do processo de resuspensão e overflow e áreas de despejo ix

11 Figura 30 Pluma de sedimentos em suspensão oriunda dos processos de overflow (no Canal Alfa) e do processo de despejo do ciclo anterior de dragagem, na zona de bota-fora ACE 20 maré de sizígia Figura 31 Pluma de sedimentos em suspensão após 1h do processo de overflow (no Canal Alfa), início do processo de despejo e residual do despejo do ciclo de dragagem anterior, na zona de bota-fora ACE 20 maré de sizígia Figura 32 Dispersão da pluma de sedimentos em suspensão, 2h após o início do despejo na zona de bota-fora ACE Figura 33 Dispersão da pluma de sedimentos em suspensão, 8h15min após o início do despejo na zona de bota-fora ACE Figura 34 - Pluma de sedimentos em suspensão oriunda dos processos de overflow (no Canal Alfa) e do processo de despejo do ciclo anterior de dragagem, na zona de bota-fora ACE 20 maré de quadratura Figura 35 - Pluma de sedimentos em suspensão após 1h15min do processo de overflow (no Canal Alfa), início do processo de despejo e residual do despejo do ciclo de dragagem anterior, na zona de bota-fora ACE 20 maré de quadratura Figura 36 Dispersão da pluma de sedimentos em suspensão 1h30min após o início do despejo na zona de bota-fora ACE 20 maré de quadratura Figura 37 Dispersão da pluma de sedimentos em suspensão, 6h15min após o início do despejo na zona de bota-fora ACE 20 maré de quadratura Figura 38 - Pluma de sedimentos em suspensão oriunda dos processos de overflow (no Canal Alfa) e do processo de despejo do ciclo anterior de dragagem, na zona de bota-fora ACE 20 maré de quadratura e vento do quadrante sul Figura 39 - Pluma de sedimentos em suspensão após 1h45min do processo de overflow (no Canal Alfa), pluma de sedimentos 30min após o despejo e residual do despejo do ciclo de dragagem anterior, na zona de bota-fora ACE 20 maré de quadratura e vento do quadrante sul Figura 40 Dispersão da pluma de sedimentos em suspensão, 2h45min após o início do despejo na zona de bota-fora ACE 20 maré de quadratura e vento do quadrante sul Figura 41 Dispersão da pluma de sedimentos em suspensão, 7h15min após o início do x

12 despejo na zona de bota-fora ACE 20 maré de quadratura e vento do quadrante sul Figura 42 Pluma de sedimentos em suspensão após 15 minutos do despejo na zona de botafora ACE Figura 43 Pluma de sedimento em suspensão após 45 minutos do despejo na zona de botafora ACE Figura 44 Pluma de sedimento e suspensão durante o processo de overflow (painel esquerdo) Figura 45 Pluma de sedimentos em suspensão após 2h do processo de overflow no Canal Bravo2 (painel esquerdo) e 15min após início do processo de despejo na zona de bota-fora ACE Figura 46 Pluma de sedimentos em suspensão após 11h do processo de overflow no Canal Bravo2 (painel esquerdo) e pluma de sedimentos 9h15min após o processo de despejo na zona de bota-fora ACE 20 (painel direito) Figura 47 - Pluma de sedimentos em suspensão oriunda dos processos de overflow no Canal Bravo2 (painel esquerdo) e pluma de sedimentos oriunda do processo de despejo na zona de bota-fora ACE 20 no ciclo de dragagem anterior Figura 48 - Pluma de sedimentos em suspensão após 2h do processo de overflow no Canal Bravo2 (painel esquerdo), 15min após início do processo de despejo na zona de bota-fora ACE 20 e residual do despejo do ciclo de dragagem anterior Figura 49 Pluma de sedimentos em suspensão após 7h do processo de overflow no Canal Bravo2 (painel esquerdo) e pluma de sedimentos após 5h15min do processo de despejo na zona de bota-fora ACE Figura 50 Pluma de sedimentos em suspensão após 10h45min do processo de overflow no Canal Bravo2 (painel esquerdo) e pluma de sedimentos após 9h do processo de despejo na zona de bota-fora ACE Figura 51 Pluma de sedimentos em suspensão oriunda dos processos de overflow no Canal Bravo2 (painel esquerdo) e pluma de sedimentos oriunda do processo de despejo na zona de bota-fora ACE 20 no ciclo de dragagem anterior Figura 52 Pluma de sedimentos em suspensão após 2h30min do processo de overflow no Canal Bravo2 (painel esquerdo), pluma após 30min do processo de despejo na zona de bota- xi

13 fora ACE 20 e residual do despejo do ciclo de dragagem anterior Figura 53 Pluma de sedimentos em suspensão após 7 horas do processo de overflow no Canal Bravo2 (painel esquerdo) e pluma de sedimentos após 5h do processo de despejo na zona de bota-fora ACE Figura 54 Pluma de sedimentos em suspensão após 11h15min do processo de overflow no Canal Bravo2 (painel esquerdo) e pluma de sedimentos após 9h15min do processo de despejo na zona de bota-fora ACE Figura 55 Pluma de sedimentos em suspensão oriunda dos processos de overflow no Canal Charlie2 (painel esquerdo) e pluma de sedimentos oriunda do processo de despejo na zona de bota-fora ACE 20 no ciclo de dragagem anterior Figura 56 - Pluma de sedimentos em suspensão após 2h do processo de overflow no Canal Charlie2 (painel esquerdo), pluma no início do processo de despejo na zona de bota-fora ACE 20 e residual do despejo do ciclo de dragagem anterior Figura 57 - Pluma de sedimentos em suspensão após 3 horas do processo de overflow no Canal Charlie2 (painel esquerdo) e pluma de sedimentos após 1h do processo de despejo na zona de bota-fora ACE Figura 58 - Pluma de sedimentos em suspensão após 5h15min do processo de overflow no Canal Charlie2 (painel esquerdo) e pluma de sedimentos após 3h15min do processo de despejo na zona de bota-fora ACE Figura 59 Pluma de sedimentos em suspensão oriunda dos processos de overflow no Canal Charlie2 (painel esquerdo) e pluma de sedimentos oriunda do processo de despejo na zona de bota-fora ACE 20 no ciclo de dragagem anterior Figura 60 Pluma de sedimentos em suspensão após 2h15min do processo de overflow no Canal Charlie2 (painel esquerdo), pluma após 15min do processo de despejo na zona de botafora ACE 20 e residual do despejo do ciclo de dragagem anterior Figura 61 - Pluma de sedimentos em suspensão após 5 horas do processo de overflow no Canal Charlie2 (painel esquerdo), e pluma após 3 horas do processo de despejo na zona de bota-fora ACE Figura 62 Pluma de sedimentos em suspensão oriunda dos processos de overflow no Canal Charlie2 (painel esquerdo) e pluma de sedimentos oriunda do processo de despejo na zona de bota-fora ACE 20 no ciclo de dragagem anterior xii

14 Figura 63 Pluma de sedimentos em suspensão após 2h15min do processo de overflow no Canal Charlie2 (painel esquerdo), pluma após 15min do processo de despejo na zona de botafora ACE 20 e residual do despejo do ciclo de dragagem anterior Figura 64 - Pluma de sedimentos em suspensão após 5 horas do processo de overflow no Canal Charlie2 (painel esquerdo) e pluma de sedimentos após 3 horas do processo de despejo na zona de bota-fora ACE Figura 65 Pluma de sedimento oriunda do processo de resuspensão em dragagem realizada no canal Delta Figura 66 Pluma de sedimentos oriunda do processo de resuspensão em dragagem realizada no canal Delta e pluma no início do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA Figura 67 - Pluma de sedimentos oriunda do processo de resuspensão em dragagem realizada no canal Delta e pluma após 4 horas do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA Figura 68 Pluma de sedimentos oriunda do processo de resuspensão em dragagem realizada no canal Delta, pluma no início do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA e pluma após 4h15min do processo de despejo do ciclo de dragagem anterior Figura 69 Pluma de sedimentos oriunda do processo de resuspensão em dragagem realizada no canal Delta e pluma após 2 horas do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA Figura 70 Pluma de sedimentos oriunda do processo de resuspensão em dragagem realizada no canal Delta, pluma no início do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA e pluma após 4h15min do processo de despejo do ciclo de dragagem anterior Figura 71 Pluma de sedimentos oriunda do processo de resuspensão em dragagem realizada no canal Delta e pluma após 1h45min do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA Figura 72 Pluma de sedimentos oriunda do processo de resuspensão em dragagem realizada no canal Delta, pluma no início do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA e pluma residual do processo de despejo do ciclo de dragagem xiii

15 anterior Figura 73 - Pluma de sedimentos após 7 horas do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA Figura 74 Pluma de sedimentos após 17 horas do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA Figura 75 Pluma de sedimentos após 29 horas do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA Figura 76 Pluma de sedimento oriunda do processo de resuspensão em dragagem realizada no canal Echo Figura 77 Pluma de sedimentos oriunda do processo de resuspensão residual em dragagem realizada no canal Echo e pluma no início do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA Figura 78 Pluma de sedimentos após 4 horas do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA Figura 79 Pluma de sedimentos no início do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA e pluma após 4h15min do processo de despejo do ciclo de dragagem anterior Figura 80 - Pluma de sedimentos após 4 horas do último processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA Figura 81 Pluma de sedimentos no início do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA e pluma residual do processo de despejo do ciclo de dragagem anterior Figura 82 Pluma de sedimentos após 3 horas do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA Figura 83 - Pluma de sedimentos após 22 horas do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA Figura 84 Pluma de sedimentos após 33 horas do processo de despejo na zona de bota-fora ECHO PARQUE ANTONINA xiv

16 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Diagrama de distribuição conjunta de velocidade e direção dos ventos para dados compreendidos entre os anos de 2000 e 2010 (NCEP)... 6 Tabela 2 Dados de Vazão média dos principais rios do CEP Tabela 3 Cartas náuticas utilizadas e suas respectivas escalas Tabela 4 Componentes harmônicas utilizadas nas fronteiras abertas Tabela 5 Componentes harmônicas utilizadas nas fronteiras abertas Tabela 6 Parâmetros do modelo hidrodinâmico Tabela 7 - Parâmetros do modelo hidrodinâmico Tabela 8 - Descrição dos pontos representativos da operação de dragagem xv

17 1 INTRODUÇÃO O presente relatório descreve os procedimentos de implementação e os resultados da modelagem numérica computacional da dispersão da pluma de sedimentos (resuspensão, overflow e despejo) provenientes das atividades de dragagem a serem realizadas no canal de acesso aos portos de Paranaguá e Antonina, localizados no interior da Baía de Paranaguá. 1.1 DESCRIÇÃO E LOCALIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO O Complexo Estuarino de Paranaguá (CEP) está localizado no Estado do Paraná, e é parte de um extenso sistema estuarino subtropical interconectado que inclui o sistema de Cananéia-Iguape, localizado na parte sul da costa do Estado de São Paulo (Figura 1). Figura 1 Localização da área de estudo - Complexo Estuarino de Paranaguá. 1

18 Os sistemas estuarinos são definidos em uma forma clássica por Miranda et al. (2002) como: Corpos de água parcialmente fechados, com aberturas para o oceano adjacente, onde a água do mar é diluída pela água de origem fluvial. Essa diluição é ocasionada pela mistura da água fluvial com a água do mar. As aberturas através das quais o CEP possui comunicação com o oceano são quatro. As duas principais se dão nos canais de maré que estão ao redor da Ilha do Mel (152 Km²). Esses canais apresentam dois caminhos primários de circulação separados por um grande baixio denominado Baixio do Perigo (Figura 3, quadro 1), limitando dois corpos de água principais: os sistemas estuarinos da Baía de Paranaguá e os da Baía de Laranjeiras, (Angulo, 1999). A terceira conexão com o oceano é o Canal de Superagüi, um canal independente localizado na porção central-norte da Baía de Laranjeiras. A quarta localiza-se na barra do Ararapira, via Canal do Varadouro, artificialmente construído. Uma grande diversidade de ambientes pode ser notada ao longo dessa região, incluindo: planícies de maré, baixios, costões rochosos, marismas, canais de maré e manguezais. Seus funcionamentos estão ligados à circulação hidrodinâmica forçada principalmente pela ação das marés e pela descarga fluvial (Mantovanelli, 1999). A Baía de Paranaguá propriamente dita representa o eixo leste-oeste, situado na parte inferior do Complexo Estuarino de Paranaguá e a Baía de Laranjeiras, o eixo sul-norte, no setor superior. Na Figura 2 é apresentado o Complexo Estuarino de Paranaguá e identificada as baías e principais localidades. No presente estudo, as áreas de manguezal foram delimitadas de acordo com a metodologia descrita por Krug, Leão e Amaral (2007), utilizando imagens do satélite TM/LANDSAT. As imagens foram realçadas e utilizadas como base para a digitalização dos polígonos correspondentes à vegetação, facilmente identificados na composição R5 G4 B3. O objetivo principal da delimitação dessas áreas foi o de delimitar as áreas passíveis de alagamento durante ciclos de maré enchente. 2

19 Figura 2 Complexo Estuarino de Paranaguá (CEP). 1.2 ASPECTOS GEOMORFOLÓGICOS A Baía de Paranaguá possui zonas bem distintas decorrentes do processo de formação relacionado aos eventos de transgressão e subseqüentes regressões de nível do mar. Esses processos criaram uma zona superior (oeste de Paranaguá) que constitui um paleo-vale inundado, estreito e cortado. Adjacente à baía, está a Serra do Mar. Alcançando altitudes de até m, possui grandes vertentes e seus rios são responsáveis pela lixiviação das rochas e aporte sedimentar na planície litorânea (Bigarella, 2007). Grande parte desses sedimentos fica aprisionada no interior da baía pela zona intermediária do estuário não ter força hidrodinâmica para expulsar o material trazido pelos rios, tornando assim a parte superior mais lamosa (Bigarella, 2007; Lamour, 2007). Já a zona inferior da baía (leste de Paranaguá) caracteriza-se por largas praias de planícies costeiras (Lessa et.al, 1995), predominantemente arenosas. A Ilha do Mel, localizada na boca da baía, é parte fragmentada de uma dessas praias de planície costeira, que juntamente com dois deltas de maré vazante protegem o interior da Baía de Paranaguá das condições de ondas de alta energia (Lessa et al., 1998). 3

20 Os deltas de maré vazante, por sua vez, são feições sedimentares encontradas nas desembocaduras dos canais principais que passam imediatamente ao norte e ao sul da Ilha do Mel. As formas associadas ao canal de entrada sul da Baía de Paranaguá formam o mais extenso delta de maré de toda a costa do Estado do Paraná (delimitado externamente pelo contorno em vermelho na Figura 3). Ainda, na porção mais abaixo (sul) do canal principal (mantido atualmente por dragagens), existe um complexo de barras, conhecido como Banco da Galheta (Figura 3, quadro 2), com dunas submersas que se movimentam costa afora pelo efeito das correntes de maré vazante. Essas barras desenvolvem-se de forma rápida por receberem aporte sedimentar via deriva litorânea. Os sedimentos provenientes de sul com direção ao norte são retidos nas proximidades do delta pela barreira hidrodinâmica gerada por correntes de maré do canal principal. Isso representa, além do crescimento do Banco da Galheta, um possível déficit no balanço sedimentar de regiões vizinhas situadas mais ao norte, que deveriam estar recebendo esse aporte de sedimentos. Figura 3 Fragmento da Carta Náutica nº Proximidades da Barra de Paranaguá. Em realce: 1- Baixio do Perigo; 2- Banco da Galheta (delimitado externamente pelo contorno vermelho). 4

21 2 CARACTERIZAÇÃO OCEANOGRÁFICA E METEOROLÓGICA DA ÁREA DE ESTUDO Neste item é apresentada uma breve descrição dos dados meteorológicos e oceanográficos analisados e utilizados nas modelagens dos processos hidrodinâmicos e de propagação de ondas na região da Baía de Paranaguá. 2.1 VENTOS No presente estudo foram utilizados dados de vento provenientes do programa de reanálise do NCEP/NCAR/NOAA. Nesse programa são geradas bases de dados globais através da utilização combinada de resultados de modelos numéricos e dados observacionais provenientes de diversas fontes, tais como navios em rota, aviões, estações meteorológicas, satélites, entre outras. Foi analisada uma série extraída nas coordenadas geográficas: 25,7 S e 46,8 W (Figura 6), para o período compreendido entre os anos de 2000 e 2010, e os resultados podem ser visualizados na Tabela 1. Os casos mais representativos aparecem realçados. 5

22 Tabela 1 Diagrama de distribuição conjunta de velocidade e direção dos ventos para dados compreendidos entre os anos de 2000 e 2010 (NCEP). Velocidade (m/s) N NNE NE ENE E ESSE SE SSE S SSW SW WSW W WNW NW NNW Total Frequência (%) 4,5 6 8,5 12,5 11,6 10,3 9,2 9,2 6,7 4,7 3,2 2,3 2,1 2,1 2,8 4,3 Vel. Média 3,3 3,5 3,8 4,4 4,5 4,4 4,5 4, ,8 4,6 4,4 3,7 3,6 3,5 Vel. Máxima 8,7 8,3 9,1 10,6 10,6 9,6 11,2 11,7 12,1 12,8 12,5 13,4 12,3 11,7 9,9 10,1 6

23 Os ventos predominantes são provenientes do quadrante leste, em especial a direção lésnordeste (ENE), com velocidades entre 4 e 5 m/s. Os ventos mais intensos (maiores velocidades) são provenientes do quadrante sul. A rosa dos ventos para esse mesmo período é apresentada na Figura 4. ROSA DE DISTRIBUIÇÃO DIRECIONAL DOS VENTOS (EM %) VELOCIDADE EM M/S Figura 4 Rosa de distribuição dos ventos. Escala de cores representa velocidade média do vento em m/s. 2.2 ONDAS De acordo com Mar e Costa (2006), o trem de ondas no mar aberto praticamente não afeta a circulação na parte interna dos estuários paranaenses. Comparando-se com efeitos de maré, a influência torna-se mínima. Porém, as áreas externas e próximas às barras podem sofrer leve influência de ondas. Para inserir o efeito de ondas no modelo, foi extraída uma série temporal de dados de onda de águas profundas do módulo de reanálise do modelo WAVEWATCH III (WWIII), nas coordenadas geográficas: 26 S e 47,5 W (Figura 6), para o período compreendido entre os 7

24 anos de 2005 e O modelo WAVEWATCH III (Tolman 1997, 1999) é um modelo de terceira geração desenvolvido pela NOAA/NCEP (WAMDIG 1988, Komen et al. 1994), que resolve a equação da conservação da densidade espectral da ação de onda. O modelo assume que as propriedades do meio (profundidades e correntes), bem como o campo de ondas, variam em escalas espaciais e temporais muito superiores às escalas de variação de uma única onda. O modelo considera os processos de geração de ondas pelo vento, interações nãolineares onda-onda, dissipação por whitecapping e fricção com o fundo. Ele permite simular a geração e propagação de espectros de ondas com base em dados de ventos. Uma rosa de direção e altura significativa de ondas foi gerada para visualização dos dados compreendidos entre fevereiro de 2005 e junho de 2010 (Figura 5). ROSA DE DISTRIBUIÇÃO DIRECIONAL DE ONDAS (EM %) ALTURA SIGNIFICATIVA EM METROS Figura 5 Rosa de distribuição de direções e alturas significativas de ondas. Dados de reanálise do modelo WAVEWATCH III (NOAA). 8

25 Figura 6 Localização do ponto de extração dos dados de vento NCEP e dados de onda do modelo WW3. No quadro de cor vermelha encontra-se destacada a Baía de Paranaguá. 2.3 MARÉ E CORRENTES Na ausência de efeitos meteorológicos significativos, a circulação estuarina no complexo estuarino da Baía de Paranaguá é dominada pelos efeitos da maré. No litoral paranaense, as marés são classificadas como micro-marés e seu regime é caracterizado por uma desigualdade diurna com padrão semidiurno quando na presença de amplitudes de marés máximas (sizígia), sendo a M2 (lunar semi-diurno), a principal componente (Marone et al.,1997). O atraso na ocorrência das marés alta e baixa aumenta progressivamente conforme se caminha estuário adentro (Knoppers et al., 1987). As marés alta e baixa em Antonina ocorrem com até 1,5 horas de atraso em relação à ocorrência no canal da Galheta. O mesmo é verificado com a variação de amplitude. Durante marés de sizígia, variam desde 1,7m na boca até aproximadamente 2,7m em Antonina (Marone et al. 1997). Já durante as marés de quadratura, a variação da maré é reduzida a menos de 80% dos valores de maré de sizígia, 9

26 apresentando fortes interações não lineares entre as componentes de maré, permitindo a formação de até seis eventos diários de maré alta e baixa (Marone et al., 1994). Essas interações são decorrentes da advecção e fricção no interior da baía e geram componentes não astronômicos, aumentando da boca para o interior da baía. Na Figura 7 são ilustradas as séries de elevação do nível d água medidas pela Associação dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA) na Ilha da Galheta, Porto de Paranaguá e Ponta do Felix, evidenciando um pequeno atraso de fase entre as marés do início (estação da Galheta) e fim da baía (estação da Ponta do Félix), bem como um aumento na amplitude no sentido do interior da baía, caracterizando-se desta forma, como um estuário hipersíncrono. A localização desses pontos está ilustrada na Figura 24. Figura 7 Elevação do nível d água medida pela APPA na Ilha da Galheta, Porto de Paranaguá e Ponta do Félix. As marés também demonstram uma assimetria crescente no sentido do interior da baía, caracterizada por um curto período descendente e um longo período ascendente de maré. A razão média entre os períodos de vazante e de enchente aumenta de 1,23 no canal da Galheta para 1,92 próximo a Antonina (Marone et al., 1997). 10

27 As correntes de maré são fortes, atingem velocidades máximas de 80 cm/s durante a enchente e 110 cm/s na vazante (Marone et al., 1995). Em média, as correntes de vazante são de 10 a 15 % superiores às de enchente. Isso ocorre devido à influência dos atritos lateral e de fundo, gradativamente maiores em direção à cabeceira (Camargo, 1998) e, também, devido ao aporte de água doce e à circulação residual (Marone et al., 1995). A Figura 8 ilustra as correntes medidas pelo Centro de Estudos do Mar/UFPR (CEM) em frente ao Porto de Paranaguá de 11/07/1996 a 26/07/1996. A localização exata do ponto de medição de correntes está ilustrada na Figura 24. Figura 8 Série temporal das componentes u e v das correntes medidas pelo CEM em frente ao Porto de Paranaguá. 2.4 SALINIDADE E DRENAGEM FLUVIAL Como em todo estuário, os corpos aquáticos do Complexo Estuarino de Paranaguá sofrem efeitos da salinidade oriunda da água do mar. Esse estuário em questão é margeado por extensas florestas de mangue, por onde a água doce é drenada e diluída à água do mar que 11

28 penetra nas baías na maré enchente. As fontes de água doce ditam as características estuarinas das áreas mais internas (Mar e Costa, 2006). Segundo Mantovanelli (1999), o CEP recebe a drenagem de aproximadamente 70% da área da bacia hidrográfica litorânea do Estado do Paraná (Bacia Atlântica). Destes, a maior porção é absorvida pelas baías de Antonina e Paranaguá (e.g. rios Cachoeira e Nhundiaquara, com vazões médias relativamente maiores, deságuam na região de Antonina ver Tabela 2). Padrões de sazonalidade na descarga fluvial são perceptíveis em decorrência da variabilidade da precipitação, que tende a ser menor no inverno. Com base nos dados analisados para os anos de 2006, 2007 e 2008, oriundos da ANA (Agência Nacional de Águas) e Sudersha (Superintendência de Desenvolvimento de Recursos hídricos e Saneamento), foi criada a Tabela 2, com dados de descargas médias anuais, de verão e de inverno, para os principais rios que deságuam na região do CEP. Tabela 2 Dados de Vazão média dos principais rios do CEP. 12

29 3 DESCRIÇÃO DAS SEÇÕES DOS CANAIS A SEREM DRAGADOS Os canais a serem dragados são separados primariamente em: Alfa, Bravo, Charlie, Delta e Echo. Sendo o Alfa o canal mais externo, as nomenclaturas vão progredindo em ordem alfabética em direção ao interior das baías de Paranaguá e Antonina. Nesses canais, são realizadas periodicamente processos de dragagem para manutenção das profundidades em níveis de boa navegabilidade. O material retirado dos canais é direcionado para áreas de despejo específicas. Na Figura 9 é apresentada a distribuição dos canais na Baía de Paranaguá, bem como a localização das áreas Echo Parque Antonina, Cais Leste e ACE 20, utilizadas para despejo do material dragado. Neste estudo foram avaliados os impactos hidrodinâmicos em decorrência de dois cenários de dragagem, um de manutenção e outro de aprofundamento. 13

30 Figura 9 Localização dos canais de navegação nas baías de Paranaguá e Antonina, bem como das áreas de despejo do material dragado. 1

31 A descrição das características sedimentológicas da área de estudo foi obtida por meio de análise de amostras de sedimentos realizadas nas diferentes seções do canal de navegação: Alfa, Bravo (1 e 2), Charlie (1,2 e 3) e Delta, realizadas pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e através de revisões de literatura. O mapa sedimentológico apresentado por Lamour et al, 2004 (Figura 10) revelou padrões gerais semelhantes às análises sedimentológicas feitas para o canal (Figura 11). Ambos apresentam mesma relação causaefeito entre qualidade do sedimento e o padrão hidrodinâmico. Dessa forma, onde a circulação é mais forte, os sedimentos são mais selecionados e predominam areias (e.g. Canais Alfa e Bravo Uno). Já em locais onde a circulação é menos intensa, predominam sedimentos pouco selecionados (maior número de classes de tamanho), mais finos e argilosos (e.g. Canal Delta). Figura 10 - Mapa sedimentológico da Baía de Paranaguá (Adaptado de: Lamour et al, 2004). 1

32 Figura 11 - Histograma de freqüência das classes de sedimentos amostrados dentro de cada setor do canal de navegação. Para estudos de transporte de sedimentos (e.g. erosão/sedimentação e dispersão da pluma de sedimentos) é importante também diferenciar as características de pacotes sedimentares de acordo com o caráter coesivo ou não coesivo. Siltes e argilas, por exemplo, são originados através de intenso intemperismo, o qual reduz minerais menos resistentes a uma forma muito diminuta. Como resultado, possui grande área superficial em relação ao volume. Por ser a superfície quimicamente ativa, siltes e argilas possuem características diferentes das outras categorias. Uma delas é a facilidade em se agregar e, por isso, são classificados como sedimentos coesivos. Também diferem na característica de floculação em contato com água salobra, possuem reduzidas velocidades de sedimentação e logo, características de transportabilidade também diferentes (Van Rijn, 1993, 2006). Portanto, para melhor descrição das seções do canal a serem dragadas, os dados amostrais foram agrupados em coesivos classes de siltes e argilas e não coesivos classes de areias ou maiores para cada ponto amostral. Os resultados foram plotados para cada canal sob duas formas: porcentagem de sedimentos coesivos por amostra, e porcentagem de sedimentos não coesivos, e interpolados para gerar os mapas apresentados na Figura 12 e Figura 13. 2

33 Figura 12 - Percentual de sedimentos coesivos e não coesivos para os setores Alfa, Bravo1 e Bravo2. 3

34 Figura 13 - Percentual de sedimentos coesivos e não coesivos para os setores Charlie 1, Charlie3, Delta 1 e Delta 2 (Ponta do Félix). 4

Preparado para: Aquaplan. Preparado por: Coastal Planning & Engineering do Brasil. Novembro de 2010. Coastal Planning & Engineering do Brasil

Preparado para: Aquaplan. Preparado por: Coastal Planning & Engineering do Brasil. Novembro de 2010. Coastal Planning & Engineering do Brasil MODELAGEM NUMÉRICA DOS PROCESSOS DE TRANSPORTE DE SEDIMENTOS E MUDANÇAS MORFOLÓGICAS COMO FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DA TAXA DE SEDIMENTAÇÃO DO CANAL DE ACESSO AOS PORTOS DE PARANAGUÁ E ANTONINA Preparado

Leia mais

USO DE TÉCNICAS DE MODELAGEM PARA AVALIAR O TRANSPORTE DE SEDIMENTOS NO COMPLEXO ESTUARINO DE PARANAGUÁ

USO DE TÉCNICAS DE MODELAGEM PARA AVALIAR O TRANSPORTE DE SEDIMENTOS NO COMPLEXO ESTUARINO DE PARANAGUÁ USO DE TÉCNICAS DE MODELAGEM PARA AVALIAR O TRANSPORTE DE SEDIMENTOS NO COMPLEXO ESTUARINO DE PARANAGUÁ Cynara L. N. CUNHA 1 ; Ada C. SCUDELARI 2 ; Paulo C. C. ROSMAN 3 RESUMO Sistemas estuarinos, compostos

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010 Alterações na tensão de cisalhamento de fundo e na mistura da coluna de água da plataforma continental interna do sul do Brasil devido à interação onda-corrente Pablo D. Silva 1 ; Wilian C. Marques 2 ;

Leia mais

Simulação computacional do acidente com navio tanque Bahamas no porto de Rio Grande

Simulação computacional do acidente com navio tanque Bahamas no porto de Rio Grande Simulação computacional do acidente com navio tanque Bahamas no porto de Rio Grande Régis S. Pereira 1, Luis Felipe H. Niencheski 2, Marcelo A. Vitola 3, Waldir T. Pinto 4 1 Engenharia Oceânica FURG, Rio

Leia mais

Efeitos das Mudanças Globais Sobre os Estuários.

Efeitos das Mudanças Globais Sobre os Estuários. SBPC - 2010 UFRN - Natal, julho de 2010 Efeitos das Mudanças Globais Sobre os Estuários. Carlos A.F. Schettini Laboratório de Oceanografía Física Instituto de Ciências do Mar Universidade Federal do Ceará

Leia mais

6. PROGRAMA DE MONITORAMENTO E MODELAGEM DE PARÂMETROS HIDRODINÂMICOS E OCEANOGRÁFICOS... 1

6. PROGRAMA DE MONITORAMENTO E MODELAGEM DE PARÂMETROS HIDRODINÂMICOS E OCEANOGRÁFICOS... 1 6. PROGRAMA DE MONITORAMENTO E MODELAGEM DE PARÂMETROS HIDRODINÂMICOS E OCEANOGRÁFICOS... 1 6.1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS... 1 6.2. MATERIAIS E MÉTODOS... 2 6.3. RESULTADOS... 12 6.4. CONSIDERAÇÕES FINAIS...

Leia mais

Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California. Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson

Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California. Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson Journal of Coastal Research, 28(4):903-922. 2012 INTRODUÇÃO ÁREA DE ESTUDO MÉTODOS

Leia mais

Ciclos de Palestras IBAMA

Ciclos de Palestras IBAMA Ciclos de Palestras IBAMA A UTILIZAÇÃO DE MODELOS NUMÉRICOS DE CIRCULAÇÃO NO MONITORAMENTO DO IMPACTO DE OBRAS COSTEIRAS: O CASO DO APROFUNDAMENTO DO CANAL E DA AMPLIAÇÃO DOS MOLHES DA BARRA DO PORTO DO

Leia mais

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES DINÂMICA COSTEIRA DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES A costa é onde a terra, a água e o ar se encontram. As águas desta junção tríplice podem ser doces o salgadas. A costa é melhor observada como zona de mistura ou

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE OCEANOGRAFIA

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE OCEANOGRAFIA UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE OCEANOGRAFIA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DRAGAGEM NO CANAL DO RIO ITAJAÍ-AÇU NA ENCHENTE DE 2011 EM ITAJAÍ SC POR

Leia mais

PORTFÓLIO. www.acquadinamica.com

PORTFÓLIO. www.acquadinamica.com PORTFÓLIO 2016 www.acquadinamica.com Balneário Camboriú - SC - Brasil Av. Rui Barbosa, 372 - Apto. 02 Praia dos Amores - CEP 88.331-510 +55 (47) 3366.1246 acquadinamica@acquadinamica.com PORTFÓLIO 2016

Leia mais

Anderson Gomes de Almeida 1, Alberto Garcia de Figueiredo Jr. 2, Gilberto Pessanha Ribeiro 3

Anderson Gomes de Almeida 1, Alberto Garcia de Figueiredo Jr. 2, Gilberto Pessanha Ribeiro 3 MODELAGEM NUMÉRICA DO TERRENO A PARTIR DA RECUPERAÇÃO DA BATIMETRIA DE 1958 NA FOZ DO RIO PARAÍBA DO SUL E DA ÁREA DA PLATAFORMA CONTINENTAL ADJACENTE, E SUAS APLICAÇÕES GEOLÓGICAS Anderson Gomes de Almeida

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ):

ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ): ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ): ASPECTOS FÍSICOS, METEOROLÓGICOS. & OCEANOGRÁFICOS (Figuras) CLIENTE: COMPANHIA DOCAS DO PARÁ - CDP EXECUTORES: Cartografia, Hidrografia e

Leia mais

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Para a região da foz do Itajaí-Açu Melhoramento fluvial ao longo do rio Itajaí; Canal extravasor; Melhoramento fluvial

Leia mais

EIA - Porto Pontal Paraná

EIA - Porto Pontal Paraná EIA - Porto Pontal Paraná 4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO O conceito de área de influência é de difícil operacionalização prática, particularmente quando se trata da abordagem de processos e estruturas

Leia mais

Informações do Porto de Ilha Guaíba

Informações do Porto de Ilha Guaíba Informações do Porto de Ilha Guaíba Sumário 1. Introdução... 3 2. História e Desenvovimento do Porto... 3 3. Vista Panorâmica de Ilha Guaíba... 4 4. Infra-Estrutura Portuária... 4 4.1. Localização... 4

Leia mais

TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES.

TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES. TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES. Larissa Cristina Alves 1 ; Marcelo Renato Lamour 1 ; larialves_oceano@ufpr.br 1 Centro

Leia mais

Bacia Hidrográfica 1. GENERALIDADES

Bacia Hidrográfica 1. GENERALIDADES Capítulo 1. GENERIDDES O ciclo hidrológico, se considerado de maneira global, pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, uma vez que a quantidade total da água existente em nosso planeta é constante.

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU Régis Chrystian da Silva (1) Técnico em Segurança do Trabalho e Meio Ambiente pela Faculdade de

Leia mais

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900 MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP Maurício César Sinício Abib 1 ; Kátia Cristina Cruz Capel 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 1 abib.mauricio@hotmail.com 1 - Laboratório de Estratigrafia

Leia mais

Informações do Porto de Sepetiba

Informações do Porto de Sepetiba Sumário 1. Introdução... 03 2. História e Desenvolvimento do Porto... 03 3. Vista Paronâmica de Sepetiba... 04 4. Infra-Estrutura Portuária... 04 4.1. Localização... 04 4.2. Cartas de Navegação... 05 4.3.

Leia mais

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IV-007 - ANÁLISE DO PADRÃO DE ESCOAMENTO NA DESEMBOCADURA DO CANAL DA PASSAGEM VITÓRIA (ES) POR MEIO DA UTILIZAÇÃO DE DERIVADORES E MODELAGEM COMPUTACIONAL Mônica de Souza Mendes Castro Engenheira Civil

Leia mais

7 - EVOLUÇÃO PALEOGEOGRÁFICA

7 - EVOLUÇÃO PALEOGEOGRÁFICA 7 - EVOLUÇÃO PALEOGEOGRÁFICA 7.1 - Material e Métodos Foram utilizadas informações obtidas do Mapa Topográfico do Serviço Geográfico do Exército (SGE) de 1943, de fotointerpretação de fotografias aéreas

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR Celia Regina de Gouveia Souza Pesquisadora Científica - Instituto Geológico-SMA/SP Profa. Colaboradora

Leia mais

BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL

BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL Luiz Henrique Sielski de Oliveira 1 ; Fernando Alvim Veiga 2 ; Rodolfo José Angulo 1 ; Maria Cristina

Leia mais

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ;

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ; Estudo da Dinâmica Costeira da Praia de Piratininga em Niterói (RJ), analisando a relação homem-natureza através da intervenção da sociedade em um ambiente praial. SILVA, Mariana da Costa 1 ; COSTA, Bruno

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

AVALIAÇÃO DA POLUIÇÃO POR ESGOTO SANITÁRIO NA BAÍA DE SEPETIBA USANDO MODELAGEM AMBIENTAL

AVALIAÇÃO DA POLUIÇÃO POR ESGOTO SANITÁRIO NA BAÍA DE SEPETIBA USANDO MODELAGEM AMBIENTAL AVALIAÇÃO DA POLUIÇÃO POR ESGOTO SANITÁRIO NA BAÍA DE SEPETIBA USANDO MODELAGEM AMBIENTAL Cynara de Lourdes da Nóbrega Cunha * Engenheira Civil formada na Universidade Estadual do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS HABITATS MARINHOS E COSTEIROS Manguezais Marismas e planícies de maré Estuários e Lagunas Praias Costões Rochosos Recifes de Coral Plataforma Continental Mar Profundo Fontes Hidrotermais MANGUEZAIS Compreendem

Leia mais

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS 1 Origens dos Agentes Geológicos ARTIGO 9 Pelo Geólogo Josué Barroso Inicialmente, como base para

Leia mais

Caracterização Física do Estuário do Rio Itajaí-açu, SC

Caracterização Física do Estuário do Rio Itajaí-açu, SC RBRH - Revista Brasileira de Recursos Hídricos Volume 7 n.1 Jan/Mar 2002, 123-142 Caracterização Física do Estuário do Rio Itajaí-açu, SC Carlos A. F. Schettini Centro de Ciências Tecnológicas da Terra

Leia mais

Efeitos do Local e da Batimetria na Validação da Circulação (2D-H): Caso do Estuário do Recife/Pe Brasil

Efeitos do Local e da Batimetria na Validação da Circulação (2D-H): Caso do Estuário do Recife/Pe Brasil Efeitos do Local e da Batimetria na Validação da Circulação (2D-H): Caso do Estuário do Recife/Pe Brasil Alex Maurício Araújo Depto. Eng. Mecânica/UFPE, Recife, PE, Brasil Tel. +55 81 2718230 E-mail: 49ama@npd.ufpe.br

Leia mais

Laboratório de Oceanografia Geológica

Laboratório de Oceanografia Geológica O Laboratório de Oceanografia Geológica LOG concentra suas pesquisas para no reconhecimento, e caracterização de ambientes costeiros e marinhos visando o aproveitamento do seu potencial natural, especificamente

Leia mais

1 a Lista de Exercícios

1 a Lista de Exercícios UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO OCEANOGRÁFICO IOF1202 - Oceanografia Física Descritiva Arquivo obtido em: http://www.danilorvieira.com/ 1 a Lista de Exercícios 2 a Semestre de 2007 Aluno Danilo Rodrigues

Leia mais

MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS

MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS Gilberto Pessanha Ribeiro ¹, ², ³ gilberto@globalgeo.com.br ¹ Globalgeo Geotecnologias www.globalgeo.com.br ² Faculdade

Leia mais

3 Geo/Sensoriamento Remoto

3 Geo/Sensoriamento Remoto 3 Geo/Sensoriamento Remoto Neste item, serão apresentadas pesquisas desenvolvidas em programas da Coppe/UFRJ relacionadas à temática geo/sensoriamento remoto. Alguns resultados parciais desta linha temática

Leia mais

Oceanografia Física. Guilherme Camargo Lessa Mauro Cirano Fernando Genz Clemente Augusto Souza Tanajura Renato Ramos da Silva

Oceanografia Física. Guilherme Camargo Lessa Mauro Cirano Fernando Genz Clemente Augusto Souza Tanajura Renato Ramos da Silva III Oceanografia Física Guilherme Camargo Lessa Mauro Cirano Fernando Genz Clemente Augusto Souza Tanajura Renato Ramos da Silva I n t r o d u çã o Baías costeiras constituem um tipo particular de estuário

Leia mais

Mudanças. climáticas. globais CAÇANDO INDICADORES NO NORDESTE BRASILEIRO. Litoral cearense, junto à foz do rio Jaguaribe

Mudanças. climáticas. globais CAÇANDO INDICADORES NO NORDESTE BRASILEIRO. Litoral cearense, junto à foz do rio Jaguaribe Mudanças climáticas globais CAÇANDO INDICADORES NO NORDESTE BRASILEIRO Litoral cearense, junto à foz do rio Jaguaribe 32 CiênCia Hoje vol. 46 nº 272 As mudanças climáticas globais atraem hoje a atenção

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Rafael KÖENE e Mário Sérgio de MELO Universidade Estadual de Ponta Grossa A região de Piraí da Serra é um representante remanescente

Leia mais

CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS DA ATIVIDADE II.1.3

CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS DA ATIVIDADE II.1.3 PROJETO GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS TRANSFRONTEIRIÇOS NA BACIA DO RIO AMAZONAS, CONSIDERANDO A VARIABILIDADE E MUNDANÇA CLIMÁTICA OTCA/GEF/PNUMA COMPONENTE II Compreensão da base

Leia mais

45 mm ANÁLISE HIDRODINÂMICA DOS ESTUÁRIOS AÇU, CAVALOS E CONCHAS, RIO PIRANHAS-AÇU/RN, NORDESTE DO BRASIL.

45 mm ANÁLISE HIDRODINÂMICA DOS ESTUÁRIOS AÇU, CAVALOS E CONCHAS, RIO PIRANHAS-AÇU/RN, NORDESTE DO BRASIL. NÁLISE HIDRODINÂMIC DOS ESTUÁRIOS ÇU, CVLOS E CONCHS, RIO PIRNHS-ÇU/RN, NORDESTE DO RSIL. Camila Hyslava Campos Soares 1 ; Helenice Vital 1,2 camila@geologia.ufrn.br 1 - Programa de Pós Graduação em Geodinâmica

Leia mais

3. do Sul-Sudeste. Sudeste.

3. do Sul-Sudeste. Sudeste. A Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA O Brasil apresenta hidrografia bastante diversificada e rica. Para se ter uma idéia, a Bacia Amazônica, que é a maior do mundo, tem 7.050.000 km, enquanto a do Congo,

Leia mais

Modelagem do Descarte de Benzeno, Tolueno e Fenóis Totais na Água Produzida Descartada na Bacia de Campos Revisão 00 Maio / 2006

Modelagem do Descarte de Benzeno, Tolueno e Fenóis Totais na Água Produzida Descartada na Bacia de Campos Revisão 00 Maio / 2006 Modelagem do Descarte de Benzeno, Tolueno e Fenóis Totais na Água Produzida Descartada na Bacia de Campos Revisão 00 Maio / 2006 Quebra de seção (próxima página) Modelagem do Descarte de Benzeno, Tolueno

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES CONCEITOS SOBRE DRAGAGEM HIDROVIÁRIA SEGES/DEPTA SE/COPEMA SFAT/DEFIT DNIT ANTAQ

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES CONCEITOS SOBRE DRAGAGEM HIDROVIÁRIA SEGES/DEPTA SE/COPEMA SFAT/DEFIT DNIT ANTAQ MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES CONCEITOS SOBRE DRAGAGEM HIDROVIÁRIA SEGES/DEPTA SE/COPEMA SFAT/DEFIT DNIT ANTAQ Abril/2011 CONCEITOS SOBRE DRAGAGEM HIDROVIÁRIA 1. Introdução Conceitualmente a navegação interior

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

Encarte 5 Diagnóstico da UC. Quadro 5.1.6.1-1: Rios mais expressivos da área de Influência. Plano de Manejo da Estação Ecológica de Tamoios - Fase 1

Encarte 5 Diagnóstico da UC. Quadro 5.1.6.1-1: Rios mais expressivos da área de Influência. Plano de Manejo da Estação Ecológica de Tamoios - Fase 1 5.1.6. Hidrografia/Hidrologia da Área de Influência da Estação Ecológica de Tamoios 5.1.6.1. Águas Superficiais a. Hidrografia e fluviometria da região A bacia hidrográfica da região caracteriza-se pelo

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CENTRO DE HIDROGRAFIA DA MARINHA GLOSS

MARINHA DO BRASIL CENTRO DE HIDROGRAFIA DA MARINHA GLOSS MARINHA DO BRASIL CENTRO DE HIDROGRAFIA DA MARINHA GLOSS Global Sea Level Observing System Agosto - 2006 Sumário Introdução GLOSS Brasil Realizações GLOSS GLOSS - Global Sea Level Observing System - Sistema

Leia mais

Caracterização das correntes costeiras

Caracterização das correntes costeiras CRIAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO NO LITORAL ABRANGIDO PELA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Estudo do litoral na área de intervenção da APA I.P.

Leia mais

PROJETO "TRANSFERÊNCIA DE METODOLOGIAS E FERRAMENTAS DE APOIO À GESTÃO DO LITORAL BRASILEIRO, SISTEMA DE MODELAGEM COSTEIRA DO BRASIL (SMC-BRASIL)"

PROJETO TRANSFERÊNCIA DE METODOLOGIAS E FERRAMENTAS DE APOIO À GESTÃO DO LITORAL BRASILEIRO, SISTEMA DE MODELAGEM COSTEIRA DO BRASIL (SMC-BRASIL) PROJETO "TRANSFERÊNCIA DE METODOLOGIAS E FERRAMENTAS DE APOIO À GESTÃO DO LITORAL BRASILEIRO, SISTEMA DE MODELAGEM COSTEIRA DO BRASIL (SMC-BRASIL)" ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MMA/IDEMA-RN/UFRN RELATÓRIO

Leia mais

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA Segunda 18 às 20h Quarta 20 às 22h museu IC II Aula 15 Ambientes de transição Deltas Turma: 2016/01 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Retrogradante Progradante Retrogradante

Leia mais

Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011

Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011 Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011 1. Introdução O inverno de 2011 foi marcado por excessos de chuva na Região Sul do país que, por sua

Leia mais

ELETROSUL Centrais Elétricas SA RELATÓRIO. Relatorio Características do Potencial Eólico Coxilha Negra ELETROSUL 2012

ELETROSUL Centrais Elétricas SA RELATÓRIO. Relatorio Características do Potencial Eólico Coxilha Negra ELETROSUL 2012 0A 99/99/99 Emissão inicial deste documento Sigla Sigla Sigla Rev. Data Descrição da Revisão Elaboração Verificação Aprovação RELATÓRIO ELETROSUL Centrais Elétricas SA CONTRATO/LICITAÇÃO: xxxxxx PECN-P-ELRL-ESM-W05-0001

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL 3.1 CONSIRAÇÕES INICIAIS O meio natural representa um dos grandes bens da humanidade, pois sobre ele o homem desencadeia suas ações e se apropria de acordo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MODELO DE ONDAS

AVALIAÇÃO DO MODELO DE ONDAS AVALIAÇÃO DO MODELO DE ONDAS O modelo de onda WAVEWATCH implementado operacionalmente no CP- TEC/INPE global é validado diariamente com os dados do satélite JASON-2. Este novo produto tem como finalidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX Rita Yuri Ynoue Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo.

Leia mais

DESCRIÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTAR DO RIO PARAGUAI NO SEGMENTO ENTRE O POÇO DO RENATO A BAÍA DA INHAROSA

DESCRIÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTAR DO RIO PARAGUAI NO SEGMENTO ENTRE O POÇO DO RENATO A BAÍA DA INHAROSA DESCRIÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTAR DO RIO PARAGUAI NO Almeida, J.C. 1 ; Silva, V.N. 2 ; Souza, C.A. 3 ; Souza, I.C. 4 ; 1 UNEMAT Email:jennyfercarla18@hotmail.com; 2 UNEMAT Email:vinicius.k99@gmail.com;

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO

SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO DEMARCAÇÃO LPM 1831 Departamento de Caracterização do Patrimônio/SPU 1 DEMARCAÇÃO DA LPM 1831 Manual de Regularização Fundiária. Instituto Pólis, Brasília. MPOG, 2007. 2 Demarcação: LPM de1831 TERRENOS

Leia mais

CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB)

CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB) CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB) SUMÁRIO A QUESTÃO DA SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO SITUAÇÃO ATUAL DO CANAL DE ACESSO AOPORTO DE PARANAGUÁ A

Leia mais

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC)

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PRODUTO IV: INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS SONDAGEM EM MAR ABERTO POR JET PROBE Preparado

Leia mais

RESUMO DOS RESULTADOS DO MONITORAMENTO DAS ATIVIDADES DE DRAGAGEM DO PORTO DE SANTOS REALIZADO DURANTE O MÊS DE ABRIL DE 2010

RESUMO DOS RESULTADOS DO MONITORAMENTO DAS ATIVIDADES DE DRAGAGEM DO PORTO DE SANTOS REALIZADO DURANTE O MÊS DE ABRIL DE 2010 RESUMO DOS RESULTADOS DO MONITORAMENTO DAS ATIVIDADES DE DRAGAGEM DO PORTO DE SANTOS REALIZADO DURANTE O MÊS DE ABRIL DE 2010 Todos os programas que compõem o Plano Básico Ambiental da Dragagem de Aprofundamento

Leia mais

E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG

E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG SEMINÁRIO - ENG 797 CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA, HIDROLÓGICA E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG EQUIPE Prof. Gilberto C. Sediyama - Orientador Prof. Vicente Paulo Soares - Conselheiro Prof.

Leia mais

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL QUESTÃO 01 - A Terra é, dentro do sistema solar, o único astro que tem uma temperatura de superfície que permite à água existir em seus três estados: líquido, sólido e gasoso.

Leia mais

O novo canal externo do Porto de Suape. Hans Hutzler Agosto 2014

O novo canal externo do Porto de Suape. Hans Hutzler Agosto 2014 O novo canal externo do Porto de Suape Hans Hutzler Agosto 2014 Histórico de Suape Recife: um porto histórico, que fez crescer uma cidade mas foi por ela engolido Suape: de abrigo de corsários franceses

Leia mais

INSTITUTO HIDROGRÁFICO

INSTITUTO HIDROGRÁFICO INSTITUTO HIDROGRÁFICO DIVISÃO DE OCEANOGRAFIA ELEMENTO OC33PW01000OC RELATÓRIO TÉCNICO FINAL REL TF OC 05/10 AQUASIG VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL DA ORLA COSTEIRA DO CONCELHO DE CASCAIS DEZEMBRO

Leia mais

CONSEQUÊNCIAS DA INTERVENÇÃO ANTRÓPICA NA ZONA COSTEIRA: UM EXEMPLO DO LITORAL DO PARANÁ

CONSEQUÊNCIAS DA INTERVENÇÃO ANTRÓPICA NA ZONA COSTEIRA: UM EXEMPLO DO LITORAL DO PARANÁ CONSEQUÊNCIAS DA INTERVENÇÃO ANTRÓPICA NA ZONA COSTEIRA: UM EXEMPLO DO LITORAL DO PARANÁ INTRODUÇÃO Gabriela M. Ignácio Karina B. Rebuli Lilian Anne Krug Liliane Kotler Maiara P. Tel Soraya M. Patchineelam

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

Superintendência do Porto de Rio Grande. http://www.portoriogrande.com.br

Superintendência do Porto de Rio Grande. http://www.portoriogrande.com.br Superintendência do Porto de Rio Grande http://www.portoriogrande.com.br 1º WORSHOP SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PORTOS DAS REGIÕES SUL E SUDESTE ESTUDO DE CASO LICENÇA DE OPERAÇÃO DO PORTO ORGANIZADO

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972).

Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972). Figura 2.2: Contexto geológico-estrutural da costa amazônica. Compilado a partir de Bizzi et al., 2001; Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972).

Leia mais

SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC.

SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC. SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC. De Oliveira, A.O 1 ; Calliari, L.J 2 ; Griep, G. 2 ; Corrêa, I.C.S 3 ; Goulart, E. 2 ; Veiga, F. 2. e Albergone, E. 2.

Leia mais

Capítulo I GENERALIDADES

Capítulo I GENERALIDADES Topografia I Profa. Andréa Ritter Jelinek 1 Capítulo I GENERALIDADES 1. Conceitos Fundamentais Definição: a palavra Topografia deriva das palavras gregas topos (lugar) e graphen (descrever), que significa

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS. Profº. Neto

RECURSOS HÍDRICOS. Profº. Neto RECURSOS HÍDRICOS Profº. Neto A DINÂMICA DA HIDROSFERA Distribuição global de água DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DAS ÁGUAS DOCES Disponibilidade de água (2000 e 2050) UTILIZAÇÃO DA ÁGUA O sistema hidrológico

Leia mais

DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA MARINHA BACHARELADO EM BIOLOGIA MARINHA ONDAS MARINHAS ABILIO SOARES GOMES

DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA MARINHA BACHARELADO EM BIOLOGIA MARINHA ONDAS MARINHAS ABILIO SOARES GOMES DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA MARINHA BACHARELADO EM BIOLOGIA MARINHA ONDAS MARINHAS ABILIO SOARES GOMES 2003 1 ONDAS Fenômeno de propagação de energia de um ponto a outro, sem que ocorra transporte de matéria.

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange oceanos e mares. Águas

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DADOS OCEANOGRÁFICOS

BANCO NACIONAL DE DADOS OCEANOGRÁFICOS BANCO NACIONAL DE DADOS OCEANOGRÁFICOS SUMÁRIO LEGISLAÇÃO DADOS ARMAZENADOS USUÁRIOS ATENDIMENTOS NECESSIDADES AÇÕES EM ANDAMENTO PERSPECTIVAS FUTURAS INFORMAÇÕES E CONTATOS LEGISLAÇÃO DECRETO de 5 de

Leia mais

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA VI- - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA Lúcia Beckmann de Castro Menezes () Professora Adjunto IV do Departamento de Engenharia Química da Universidade Federal

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos 6 1. INTRODUÇÃO O presente relatório disponibiliza o resultado do monitoramento da qualidade das águas nas Bacias Hidrográficas Litorâneas e das captações para abastecimento, realizado pela Agência Estadual

Leia mais

ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1.2.1-1 Figura 1.2.1-2 Figura 1.2.1-3 Figura 1.2.2-1 Figura 1.2.2-2: Figura 1.2.2-3 Figura 1.2.2-4 Figura 1.2.

ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1.2.1-1 Figura 1.2.1-2 Figura 1.2.1-3 Figura 1.2.2-1 Figura 1.2.2-2: Figura 1.2.2-3 Figura 1.2.2-4 Figura 1.2. ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1.2.1-1: Localização do Complexo Lagunar de Jacarepaguá.... 5 Figura 1.2.1-2: Desenho esquemático do prolongamento do molhe do Canal da Joatinga.... 5 Figura 1.2.1-3: Vista esquemática

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL Janice Rezende Vieira Peixoto 1 ; Tânia Castellani Tarabini 2 tartbr@yahoo.com.br 1 - Universidade

Leia mais

A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA

A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA Escrever a equação do movimento corresponde a escrever a 2ª Lei de Newton (F = ma) numa forma que possa ser aplicada à oceanografia. Esta Lei diz-nos que como resultado

Leia mais

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos É na faixa litorânea em que se encontra situada uma parcela significativa dos bens públicos, uma vez que, por disposição contida na Constituição Federal de 1988,

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

XXI CONGRESO LATINOAMERICANO DE HIDRÁULICA SÃO PEDRO, ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL, OCTUBRE, 2004. SIMULAÇÃO DO TEMPO DE RESIDÊNCIA DA LAGOA DOS PATOS

XXI CONGRESO LATINOAMERICANO DE HIDRÁULICA SÃO PEDRO, ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL, OCTUBRE, 2004. SIMULAÇÃO DO TEMPO DE RESIDÊNCIA DA LAGOA DOS PATOS Hidráulica AmbientalMonferrer IAHR AIPH XXI CONGRESO LATINOAMERICANO DE HIDRÁULICA SÃO PEDRO, ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL, OCTUBRE, 2004. SIMULAÇÃO DO TEMPO DE RESIDÊNCIA DA LAGOA DOS PATOS Régis S. Pereira¹;

Leia mais

Notas de Aula Manejo de Bacias Hidrográficas

Notas de Aula Manejo de Bacias Hidrográficas BCI HIDROGRÁFIC (Obs: Este material é uma compilação de assuntos, não devendo ser adotado como única forma de estudo da disciplina. O mesmo não substitui a bibliografia apresentada no primeiro dia de aulas.

Leia mais

PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL

PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL CLAUDINO-SALES, V. (1) (1) Departamento de Geografia, Universidade Federal do Ceará, (vcs@ufc.br) PARENTE, L.P. (2) (2) Instituto de Ciências do

Leia mais

VARIAÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA DE UM TRECHO DE PLANÍCIE DE MARÉ NO CANAL DA PASSAGEM, VITÓRIA-ES

VARIAÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA DE UM TRECHO DE PLANÍCIE DE MARÉ NO CANAL DA PASSAGEM, VITÓRIA-ES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE OCEANOGRAFIA E ECOLOGIA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM OCEANOGRAFIA WIKTOR DUDA WIOREK VARIAÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA

Leia mais

Decantação primária e precipitação

Decantação primária e precipitação Decantação primária e precipitação Prof. Dr. Peterson B. Moraes Departamento de Tecnologia em Saneamento Ambiental Centro Superior de Educação Tecnológica UNICAMP - Limeira 1 Decantadores primários (sedimentação)

Leia mais