TMap NEXT Test Engineer

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TMap NEXT Test Engineer"

Transcrição

1 Guia de Preparação TMap NEXT Test Engineer Edição Julho 2013

2 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Este documento, ou parte dele, não pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenado em sistemas de processamento de dados ou circulado em qualquer forma impressa, foto impressa, microfilme ou qualquer outro meio sem permissão escrita do EXIN. TMap is a registered trademark of Sogeti Nederland B.V. 2

3 Conteúdo 1.Visão Geral 4 2.Requisitos do exame 6 3.Lista de conceitos básicos 9 4.Literatura 16 3

4 1. Visão Geral TMap NEXT Test Engineer Resumo Este modulo é baseado na versão revisada do TMap, descrito no livro TMap Next, for result- driven testing. Cada vez mais organizações percebem que a qualidade dos produtos de TI é um fator critico para o sucesso do negócio. Um bom processo de desenvolvimento de software é essencial para o controle de riscos e para a entrega de software de alta qualidade. O teste estruturado provê melhor visão da qualidade do sistema de informação e dos riscos presentes em um dado momento do ciclo de vida do desenvolvimento. A Abordagem de Gerenciamento de Teste (TMap) é um exemplo perfeito de uma abordagem de testes estruturados. O TMap é um padrão líder para testes. Centenas de organizações ao redor do mundo estão utilizando o TMap agora. Os tópicos para este módulo são: Estrutura e importância do teste, Teste de sistema e de aceite no Ciclo de Vida do TMap, Teste de desenvolvimento e Design de teste. Contexto Pessoas que possuem o certificado do TMap NEXT Test Engineer sabem como os testes devem ser preparados, especificados e realizados, quais técnicas, infra - estrutura e ferramentas podem ser utilizadas para este propósito, e como isto se encaixa no ciclo de vida do processo de testes. Além do certificado TMap NEXT Test Engineer o EXIN também oferece o TMap NEXT Test Manager. Público alvo O módulo é direcionado principalmente ao profissional de testes (júnior) com seis meses a um ano de experiência de trabalho na área de testes. O módulo também é adequado para usuários, desenvolvedores e gerentes de teste de sistemas de informação e produtos de software. Pré-requisitos Conhecimento geral da área de desenvolvimento de sistemas e seis meses a um ano de experiência de trabalho na área de testes. Formato do exame Questões de múltipla escolha online (Computer based) Estimativa de Tempo de Estudo 60 horas Exercício prático Não aplicável 4

5 Tempo destinado ao exame 60 minutos Detalhes do exame Número de questões : 30 Mínimo para aprovação : 65% (20 de 30) Com consulta : não Equipamentos eletrônicos permitidos : não Exemplos de questões Para se preparar melhor para os exames você pode fazer gratuitamente o download do exame simulado através do link Curso Quantidade de alunos em classe O número máximo de alunos em sala é 25. (Isso não é aplicável nos casos de ensino à distância / CBT - computer based training/e-learning) Horas de contato O número mínimo de horas de contato durante o curso é de 22 horas. Isso inclui as atividades em grupo, preparação para o exame, e coffee breaks, mas não inclui tarefas de casa, preparação da logística de exame e horário de almoço. Provedores de Treinamento A lista das empresas credenciadas para ministrar este e outros treinamentos do Exin encontra-se no nosso site: 5

6 2. Requisitos do exame Os requisitos do exame são os principais temas de um módulo. O candidato deve ter o comando completo sobre estes temas. Os requisitos do exame são elaborados na especificação do exame. Requisitos de exame Especificação de exame Peso (%) 1 Estrutura e importância do teste Teste estruturado Os princípios básicos do TMap 4 2 Teste de sistema e de aceite no Ciclo de Vida do TMap Fases do gerenciamento de teste do TMap 2.2 Fases TMap de implementação de teste 3 Testes de Desenvolvimento Aspectos dos testes de desenvolvimento 4 Design de Teste Tipos de coberturas e técnicas de design de teste Total

7 Requisitos e especificações do exame 1. Estrutura e importância do teste (15%) 1.1 Teste estruturado O candidato tem familiaridade com os diversos termos de teste. O candidato é capaz de: descrever os testes e avaliação assim como o que o teste produz descrever os conceitos de teste e as vantagens da abordagem do teste estruturado nomear os pontos de foco da imagem de testes e as características que um bom testador deve ter. 1.2 Os princípios básicos do TMap O candidato deve conhecer os quatro princípios básicos do TMap. O candidato é capaz de: enumerar os aspectos da abordagem de gerenciamento de teste direcionada ao negócio descrever os processos do TMap dar exemplos da caixa de ferramentas dar nomes às propriedades de adaptabilidade. 2. Teste de sistema e de aceite no Ciclo de Vida do TMap (40%) 2.1 Fases do gerenciamento de teste do TMap O candidato compreende as fases de Planejamento, Controle e Montagem e Manutenção da Infra-estrutura. O candidato é capaz de: explicar as fases de Planejamento, Controle e Montagem e Manutenção da Infra-estrutura; nomear e descrever as características de qualidade e os tipos de teste descrever o ambiente de teste nomear exemplos de tipos de ferramentas de teste explicar as vantagens da utilização das ferramentas de teste. 2.2 Fases TMap de implementação de teste O candidato compreende as fases de Preparação, Especificação, Execução e Conclusão. O candidato é capaz de: dar exemplos de atividades e objetivos nas fases de Preparação, Especificação, Execução e Conclusão explicar a seqüência de atividades e suas dependências, nas fases de Preparação, Especificação, Execução e Conclusão realizar uma revisão de testabilidade do insumo de teste e do processo e relatar os resultados da revisão descrever a importância e o uso de pontos centrais de partida descrever os diversos métodos de testes encontrar uma não-conformidade e preparar um relatório de defeitos. 7

8 3. Testes de Desenvolvimento (5%) 3.1 Aspectos dos testes de desenvolvimento O candidato tem conhecimento sobre testes de desenvolvimento. O candidato é capaz de: descrever os tipos de testes de desenvolvimento descrever as características, o contexto, as vantagens e as desvantagens de testes de desenvolvimento melhores. 4. Design de Teste (40%) 4.1 Tipos de coberturas e técnicas de design de teste O candidato compreende e é capaz de usar os tipos de coberturas e as técnicas de design de testes. O candidato é capaz de: explicar os conceitos essenciais associados ao design de teste explicar e aplicar os diversos tipos de coberturas de teste explicar e aplicar as diversas técnicas de design criar casos de teste baseados nos insumos e tipos de cobertura e/ou técnicas de design de teste. Justificativa de escolhas A ênfase no módulo TMap NEXT Test Engineer é no o que e no porque do teste estruturado e na preparação e execução dos testes. Neste módulo, as tarefas de coordenação e gerenciamento, como a criação do plano de teste e a estimativa de esforço, não são consideradas. As tarefas de coordenação e gerenciamento fazem parte do módulo TMap NEXT Test Manager. 8

9 3. Lista de conceitos básicos Este capítulo contém os termos com os quais os candidatos devem mostrar familiaridade. English Portuguese 1. Framework and importance of testing 1. Estrutura e importância do teste 1.1 Structured testing 1.1 Teste estruturado acceptance test teste de aceite corrective measures medidas corretivas detective measures medidas detectivas development tests teste de desenvolvimento dynamic explicit testing teste dinâmico explícito dynamic implicit testing teste dinâmico implícito evaluation avaliação Key Performance Indicators (KPIs) Indicador Chave de Performance (KPIs) preventive measures medidas preventivas quality qualidade quality assurance garantia de qualidade quality characteristic característica de qualidade quality management gerenciamento da qualidade regression regressão regression test teste de regressão requirements requisitos static testing teste estático structured testing teste estruturado system test teste de sistema test basis insumo de teste test benefits benefícios do teste test image imagem do teste test level nível do teste test type tipo de teste test object objeto de teste test professional profissional de teste testing teste testing method método de teste unstructured testing teste não estruturado V-model modelo em V 1.2 The essentials of TMap 1.2 Os princípios básicos do TMap acceptance testing teste de aceite 9

10 adaptive adaptável business case justificativa de negócio business driven direcionado ao negócio business driven test management (BDTM) gerenciamento de teste direcionado ao negócio (BDTM) characteristic característica completion phase fase de conclusão control phase fase de controle control phase of the total test process fase de controle do processo total de teste costs custos critical path caminho crítico defects defeitos test design design de teste development testing teste de desenvolvimento essentials princípios execution phase fase de execução infrastructure infra-estrutura inspection inspeção IT governance governança de TI (TI - Tecnologia da Informação) life cycle model modelo de ciclo de vida master test plan (MTP) plano mestre de teste (MTP) metrics métricas object part parte do objeto organization organização permanent test organization organização permanente de teste planning phase of the total test process fase de planejamento do processo total de teste planning phase fase de planejamento preparation phase fase de preparação product risk risco do produto product risk analysis (PRA) análise de risco do produto (PRA) result resultado review revisão risk risco risk class classe de risco setting up and maintaining infrastructure phase fase de montagem e manutenção da infra-estrutura specification phase fase de especificação structured testing process processo estruturado de teste system testing teste de sistema techniques técnicas test environment ambiente de teste test estimation estimativa de teste 10

11 test policy política de teste test professional profissional de teste test roles papéis de teste test strategy estratégia de teste test tools ferramentas de teste time tempo toolbox caixa de ferramentas walkthrough walkthrough workstations estações de trabalho 2. TMap life cycle acceptance and system tests 2. Ciclo de vida do TMap para testes de aceite e de sistema 2.1 TMap test management phases 2.1 Fases de gerenciamento de teste no TMap acceptance test teste de aceite business driven test management (BDTM) gerenciamento de teste direcionado ao negócio (BDTM) completeness completude connectivity conectividade continuity continuidade control phase fase de controle data controllability controle sobre os dados degradation factor fator de degradação effectivity efetividade efficiency eficiência fail-over possibilities possibilidade de falência total flexibility flexibilidade functionality funcionalidade heuristic evaluation avaliação heuristica information security segurança da informação infrastructure infra-estrutura iteration model modelo iterativo load carga load model modelo de carga maintainability manutenibilidade manageability gerenciável measurement plan plano de medição performance performance (desempenho) planning phase fase de planejamento portability portabilidade quality characteristic característica de qualidade recoverability recuperável regression regressão regression testing teste de regressão 11

12 release advice recomendação na versão reliability confiabilidade reusability reutilizável risk risco robustness robustez security segurança setting up and maintaining infrastructure phase fase de montagem e manutenção da infra-estrutura stress stress suitability conformidade ou adequação (suitability of) infrastructure (adequação da) infra-estrutura system testing teste de sistema test environment ambiente de teste test infrastructure coordinator coordenador da infra-estrutura de teste test manager gerente de teste test plan plano de teste test tool ferramentas de teste test type tipo de teste testability testabilidade tools for executing the test ferramentas para execução de teste tools for debugging and analyzing the code ferramentas para depurar e analisar o código tools for designing the test ferramentas para design de teste tools for planning and controlling the test ferramentas para planejamento e controle de teste usability usabilidade user-friendliness amigável ao usuário workstations estação de trabalho 2.2 TMap test implementation phases 2.2 Fases de implementação de teste no TMap acceptance testing teste de aceite alternative test basis insumos alternativos de teste checklist checklist completion phase fase de conclusão defect defeito defect report relatório de defeito defects administration gestão de defeitos dynamic explicit testing teste dinâmico explícito dynamic implicit testing teste dinâmico implícito evaluating the test process avaliação do processo de teste evaluation avaliação execution phase fase de execução logical test case caso de teste lógico 12

13 physical test case caso de teste físico preparation phase fase de preparação preserving the testware preservar o testware pretest pré-teste priority prioridade prototype protótipo requirements requisitos retests retestes severity severidade specification phase fase de especificação starting point linha-base static testing teste estático system testing teste de sistema test basis insumo de teste test object intake recebimento do objeto de teste test level nível de teste test script script de teste test situation cenário de teste test unit teste unitário testability testabilidade testability review revisão da testabilidade testability review report relatório de revisão da testabilidade testware testware (artefatos de teste) 3. Development testing 3. Teste de desenvolvimento 3.1 Aspects of development testing 3.1 Aspectos do teste de desenvolvimento build & deploy scripts scripts de compilação e deployment do build Continuous Integration integração contínua development testing teste de desenvolvimento DSDM DSDM - Dynamic Systems Development Method - Método dinâmico de desenvolvimento de sistemas extreme Programming (XP) extreme Programming (XP) Pair Programming Programação em pares RUP RUP - Rational Unified Process - Processo Unificado Rational SCRUM SCRUM SDM SDM - System Design and Management - Gerencimento e design de sistema (system) development method: agile, waterfall, incremental, iterative (sistema) método de desenvolvimento: ágil, cascata, incremental, iterativo Test Driven Develoment (TDD) Desenvolvimento Direcionado pelos Testes (TDD) test harness harness do teste 13

14 unit integration test (UIT) teste unitário de integração (UIT) unit test (UT) teste unitário (UT) 4. Test design 4. Design de teste 4.1 Coverage types and test design techniques 4.1 Tipos de cobertura e técnicas de design de teste action ação boundary value analysis análise de valor limite checklist checklist condition coverage cobertura de condição condition/decision coverage cobertura de condição/decisão coverage cobertura coverage ratio proporção da cobertura coverage type tipo de cobertura CRUD CRUD - create, read, update, delete - criar, ler, atualizar, deletar Data Combination Test (DCoT) Teste de Combinação de Dados (DCoT) Data Cycle Test (DCyT) Teste de Ciclo de Dados (DCyT) decision coverage cobertura de decisão decision points pontos de decisão Decision Table Test (DTT) Teste de Tabela de Decisão (DTT) Elementary Comparison Test (ECT) Teste de Comparação Elementar (ECT) equivalence classes classes de equivalência Error Guessing (EG) Adivinhação de Erro (EG) Exploratory Testing (ET) Teste Exploratório (ET) initial situation situação inicial load profiles perfil de carga logical test case caso de teste lógico modified condition/decision coverage cobertura de condição/decisão modificada multiple condition coverage cobertura de condição múltipla neutral value valor neutro n-wise testing teste n-wise operational profiles perfils operacionais orthogonal arrays matriz ortogonal pairwise testing teste pairwise paths caminhos physical test case caso de teste físico Process Cycle Test (PCT) Teste de Ciclo de Processo (PCT) pseudo code pseudo-código quality characteristic caracteristica de qualidade Real-Life Test (RLT) Teste da Vida-Real (RLT) right paths/fault paths caminhos positivos/caminhos negativos Semantic Test (SEM) Teste Semântico (SEM) 14

15 starting point linha-base Syntactic Test (SYN) Teste Sintático (SYN) test basis insumos de teste test case caso de teste test depth level N nível de profundidade do teste N test design technique técnica de design de teste test script script de teste test situation cenário de teste test strategy estratégia de teste test type tipo de teste Use Case Test (UCT) Teste de Caso de Uso (UCT) Justificativa de escolhas Para cada requisito do exame, os conceitos são organizados em ordem alfabética. O glossário não é exaustivo (inclusive para cada requisito do exame), mas estes são os conceitos que podem ser testados durante o exame. Um conceito pode ser testado em diversas especificações do exame, mas está incluído no glossário, dentro do conceito em que a literatura dá mais atenção. Esses termos estão listados em ordem alfabética. Estão incluídos tanto as abreviaturas quanto o nome completo do termo a ser estudado. Por favor, note que o conhecimento destes termos isoladamente não é suficiente para o exame; o candidato deve entender e estar apto a aplicar a teoria. 15

16 4. Literatura Literatura de Suporte para o Exame A Koomen, T., Aalst, L. van der, Broekman, B., Vroon, M. TMap Next, for result-driven testing UTN Publishers, s Hertogenbosch, The Netherlands, 2007 ISBN Visão geral da literatura Especificação do exame Literatura a 1.1 A: Capítulo a inclusive 1.2 A: Capítulo A: 2.1, a 6.4 b inclusive 8.4.2, a inclusive Capítulo A: 2.3.2, a 6.8 inclusive 12.1 a 12.3 inclusive 3.1 A: a inclusive 4.1. A: Capítulo 14 c Justificativa de escolhas a Nenhuma questão será feita sobre conteúdo dos textos enquadrados, exceto conteúdo e textos enquadrados que contenham definições e aqueles no capítulo 14. O conteúdo destes últimos fazem parte do exame. b Somente os parágrafos 6.2, 6.3 e 6.4 fazem parte do exame. Os sub-parágrafos (6.2.x, 6.3.x, e 6.4.x) não fazem parte do exame. c Nenhuma questão será feita sobre a derivação de matrizes ortogonais ( ). 16

17 17

18 Contato EXIN

EXIN Business Information Management Foundation

EXIN Business Information Management Foundation Guia de Preparação EXIN Business Information Management Foundation with reference to BiSL Edição Maio 2012 Copyright 2012 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicada,

Leia mais

Testes Direcionados aos Resultados do Negócio TMap Next TDC2012 :: José Correia

Testes Direcionados aos Resultados do Negócio TMap Next TDC2012 :: José Correia Qualidade não é um destino, é uma jornada :: Líder pela Qualidade Edward Deming Testes Direcionados aos Resultados do Negócio TMap Next TDC2012 :: José Correia Coordenador José Correia Fundador da Iterasys,

Leia mais

Glossário de Terminologia Engenharia de Requisitos

Glossário de Terminologia Engenharia de Requisitos Martin Glinz Glossário de Terminologia Engenharia de Requisitos Com Dicionário Inglês-Português e Português-Inglês Glossário Padrão para o Curso e Exame de Certificação Certified Professional for Requirements

Leia mais

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Projeto de Testes Programa de Capacitação em Testes de Software Casos de Teste O que são casos de teste? Como projetar testes? 3 Caso de Teste 4 Tipos

Leia mais

O que é um processo de software?

O que é um processo de software? O que é um processo de software? Um conjunto de atividades realizadas por pessoas cujo objetivo é desenvolvimento ou evolução de software e sua documentação. Atividades genéricas em todos os processos:

Leia mais

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas.

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas. Métodos Ágeis Edes Garcia da Costa Filho edes_filho@dc.ufscar.br 1 Tópicos Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Extreme Programming (XP). Referências Bibliográficas. 2 Histórico

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

IBM Rational Quality Manager. Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com

IBM Rational Quality Manager. Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com Gerenciamento de Qualidade IBM Rational Quality Manager Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com Introdução Jazz Rational Quality Manager Demonstração Agenda 2 Teste de software?!? O que é? Para que

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

Processo Unificado (RUP)

Processo Unificado (RUP) Fases do Desenvolvimento Processo Unificado (RUP) Ulf Bergmann ulf@ime.eb.br Domínio do Problema Objetos Objetos do do Mundo Mundo real real Modelo Semântico Domínio da Solução Aplicação Interface Serviços

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? 2. Qual das alternativas é um atributo da qualidade?

1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? 2. Qual das alternativas é um atributo da qualidade? Simulado CTFL- BSTQB Tempo de duração: 30 minutos 1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? a) Acompanhamento b) Revisão técnica c) Revisão informal d) Aprovação da gerência 2. Qual

Leia mais

Integrando o PSM ao COBIT

Integrando o PSM ao COBIT Integrando o PSM ao COBIT Diana Baklizky, CFPS Qualified PSM Instructor ti MÉTRICAS Ltda www.metricas.com.br 1 Agenda Objetivo Governança de TI COBIT 4.1 Como o PSM pode ajudar Caso Prático Conclusão Referências

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P.

2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. A implementação de processos Ágeis em uma organização CMMI 5 Lúcia Mazoni Couto - luciamazoni.couto@hp.com Líder do Escritório de Projetos e Processos HP

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

SOFTWARE PROCESSES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

SOFTWARE PROCESSES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos SOFTWARE PROCESSES Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos Introduzir modelos de processo de software Descrever uma variedade de modelos de processo

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Glossário BiSL. Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 -

Glossário BiSL. Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 - Glossário BiSL Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 - 1. Glossário de Terminologia Terminologia em Inglês Terminologia em Português BiSL processes Processos de BiSL Business data management

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Proposta. Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos. Apresentação Executiva Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos Apresentação Executiva 1 O treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos tem como premissa preparar profissionais para darem início às

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Capítulo 3 Processos de Software Slides do Livro do Sommerville, 2000 Disponíveis em inglês em www.software-engin.com Traduzidos por Jacinta Pereira Graduando do Curso de Letras

Leia mais

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS PARA APOIO AO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

Leia mais

Proposta. ITIL V3 2011 Fundamentos. Apresentação Executiva. ITIL V3 2011 - Fundamentos

Proposta. ITIL V3 2011 Fundamentos. Apresentação Executiva. ITIL V3 2011 - Fundamentos ITIL V3 2011 Fundamentos Apresentação Executiva 1 O treinamento de ITIL V3 Foundations, tem como premissa capacitar o aluno a entender a aplicação da metodologia do ITIL e contato com as suas principais

Leia mais

A PRIMMER possui casos importantes nesta área. Venha compartilhar conosco desta experiência magnífica no mundo das metodologias ágeis.

A PRIMMER possui casos importantes nesta área. Venha compartilhar conosco desta experiência magnífica no mundo das metodologias ágeis. METODOLOGIAS ÁGEIS Boas Práticas para o Gerenciamento de Projetos de TI utilizando métodos ágeis baseados em SCRUM e XP etc. DIFERENCIAIS Avaliação prévia das necessidades de cada participante para customização

Leia mais

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software O curso vai propiciar que você seja um especialista para atua atuar na área de Arquitetura de Software em diferentes organizações, estando apto a:

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

Fundamentos da Segurança da Informação baseado na norma ISO/IEC 27002

Fundamentos da Segurança da Informação baseado na norma ISO/IEC 27002 Guia de Elaboração de Documentos Fundamentos da Segurança da Informação baseado na norma ISO/IEC 27002 Edição Junho 2011 Copyright 2011 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published,

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Mapeamento entre os requisitos da ISO 9001:2008 e da ISO FDIS 9001:2015 Guia de Mapeamento

Mapeamento entre os requisitos da ISO 9001:2008 e da ISO FDIS 9001:2015 Guia de Mapeamento ISO Revisions New and Revised Mapeamento entre os requisitos da ISO 9001:2008 e da ISO FDIS 9001:2015 Guia de Mapeamento Introdução Este documento faz uma comparação entre a ISO 9001:2008 e o ISO 9001:2015

Leia mais

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Abstract. Resumo. 1. Introdução Vinicius A. C. de Abreu 1 Departamento de Ciência da Computação - DCC Universidade

Leia mais

Tipos de teste de software

Tipos de teste de software Tipos de teste de software Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Adilson Hira ayhira@lsi.usp.br Laboratório de Sistemas Integráveis Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Sumário

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 3 Planejamento e Aula 8 do Projeto Aula 08 do Projeto SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ACOMPANHAMENTO DO PROJETO... 3 1. do Progresso...

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

PRO201 - Integrando o Visual Studio 2005 Team Edition for Database Professional no Ciclo de Desenvolvimento de Software. Regis Gimenis - Microsoft

PRO201 - Integrando o Visual Studio 2005 Team Edition for Database Professional no Ciclo de Desenvolvimento de Software. Regis Gimenis - Microsoft PRO201 - Integrando o Visual Studio 2005 Team Edition for Database Professional no Ciclo de Desenvolvimento de Software Regis Gimenis - Microsoft 01. 02. 03. 04. 05. Introdução Visual Studio Team System

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software

ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software Uso de práticas ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software Artur Mello artur.mello@pitang.com Uma empresa C.E.S.A.R Fábrica de Software O termo software factory foi empregado pela primeira

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

IT Management Principles

IT Management Principles Exame Simulado IT Management Principles Edição Julho 2012 Copyright 2012 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada num sistema

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

Com metodologias de desenvolvimento

Com metodologias de desenvolvimento Sociedade demanda grande quantidade de sistemas/aplicações software complexo, sistemas distribuídos, heterogêneos requisitos mutantes (todo ano, todo mês, todo dia) Mas, infelizmente, não há gente suficiente

Leia mais

Treinamento ITIL Intermediate Capability. Operational Support and Analysis (OSA)

Treinamento ITIL Intermediate Capability. Operational Support and Analysis (OSA) Treinamento ITIL Intermediate Capability Operational Support and Analysis (OSA) 10 razões parafazerum treinamento nailumna 1. São 10 anos com foco absoluto, especializado na área de ITSM (IT Service Management)

Leia mais

Engenharia de Negócios 1. Gestão de Sistemas Complexos. Introdução

Engenharia de Negócios 1. Gestão de Sistemas Complexos. Introdução Engenharia de Negócios 1 Gestão de Introdução Objetivos do Curso Examinar a questão dos sistemas complexos através das práticas de controle sobre projetos Complexidade da arquitetura corporativa e dos

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

EXIN Agile Scrum Fundamentos

EXIN Agile Scrum Fundamentos Exame Simulado EXIN Agile Scrum Fundamentos Edição Fevereiro 2015 Copyright 2015 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

Simulado ITIL V3 Português Sicoob

Simulado ITIL V3 Português Sicoob Simulado ITIL V3 Português Sicoob Dezembro 2009 1 de 40 A Implementação do Gerenciamento de Serviços Baseados na ITIL requer preparação e planejamento do uso eficaz e eficiente de quais dos seguintes?

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios USP UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO Métodos Ágeis Alunos: Rogério Guaraci dos Santos - rgsantos@ime.usp.br Giulian Dalton Luz - gdaltonl@ime.usp.br Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações

Leia mais

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 Disciplina: Professor: Engenharia de Software Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Área: Metodologias

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software .:: Universidade Estadual de Maringá Bacharelado em Informática Eng. de Software III :. Sistema de Gerenciamento de Eventos - Equipe 09 EPSI Event Programming System Interface Metodologia e Gerenciamento

Leia mais

RUP Rational Unified Process

RUP Rational Unified Process RUP Rational Unified Process Baseado em http://www.wthreex.com/rup/ e em outros materiais da IBM/Rational Visão Geral O RUP tem duas dimensões: o eixo horizontal representa o tempo e mostra os aspectos

Leia mais

Curso preparatório para a certificação COBIT 4.1 Fundation

Curso preparatório para a certificação COBIT 4.1 Fundation Curso preparatório para a certificação COBIT 4.1 Fundation Dentro do enfoque geral em conhecer e discutir os fundamentos, conceitos e as definições de Governança de TI - tecnologia da informação, bem como

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Guide to the SWEBOK (Guide to the Software Engineering Body of Knowledge) IEEE Computer Society Professor José Eduardo A. de O. Teixeira - Slide 1 IEEE Institute of Eletric and Eletronic

Leia mais

Matriz de Cursos. Testes para melhoria da Qualidade dos Sistemas. ATHOS Tecnologia

Matriz de Cursos. Testes para melhoria da Qualidade dos Sistemas. ATHOS Tecnologia Matriz de Testes para melhoria da Qualidade dos Sistemas ATHOS Tecnologia Testes para melhoria da Qualidade dos Sistemas - Apresentação e Instruções A matriz a seguir apresenta os cursos para Testes mais

Leia mais

Desenvolvimento ágil de software

Desenvolvimento ágil de software Desenvolvimento ágil de software Desenvolvimento ágil de software (do inglês Agile software development) ou Método ágil é um conjunto de metodologias de desenvolvimento de software. O desenvolvimento ágil,

Leia mais

Borland: Informatizando TI. João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com

Borland: Informatizando TI. João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com Borland: Informatizando TI João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com Software Diferentes Níveis Extrair o Máximo Valor para o Negócio Eficiência Vantagem Competitiva Copyright 2007 Borland Software Corporation.

Leia mais

Método Aldeia de Projetos

Método Aldeia de Projetos MAP Método Aldeia de Projetos Como surgiu o MAP? Em mais de 15 anos de atuação experimentamos distintas linhas de pensamento para inspirar nosso processo e diversas metodologias para organizar nossa forma

Leia mais

Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado o uso do XP? Por quê?

Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado o uso do XP? Por quê? Significado de XP? Extreme Programming (Programação Extrema). Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Pequenas e Médias. Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

Treinamento ITIL Intermediate Capability. Release, Control and Validation (RCV)

Treinamento ITIL Intermediate Capability. Release, Control and Validation (RCV) Treinamento ITIL Intermediate Capability Release, Control and Validation (RCV) 10 razões parafazerum treinamento nailumna 1. São 10 anos com foco absoluto, especializado na área de ITSM (IT Service Management)

Leia mais

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 VANT-EC-SAME Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 17/0/07 1.0 Versão Inicial Douglas Moura Confidencial VANT-EC-SAME, 2007

Leia mais

Reuse in a Distributed Environment

Reuse in a Distributed Environment Reuse in a Distributed Environment É possível aplicar APF em um Ambiente Ágil? Alcione Ramos, MSc, CFPS, PMP, CSD Cejana Maciel, MSc, Scrum Master, ITIL, COBIT Ponto de função é coisa dos anos 70. É uma

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Apresentação Apresentação Professor Alunos Representante de Sala Frequência e Avaliação Modelos das aulas

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Proposta. COBIT Fundamentos. Apresentação Executiva. COBIT - Fundamentos

Proposta. COBIT Fundamentos. Apresentação Executiva. COBIT - Fundamentos COBIT Fundamentos Apresentação Executiva 1 O treinamento de Cobit Fundamentos tem como premissa capacitar o participante a compreender e controlar os riscos associados, mantendo o equilíbrio entre os investimentos

Leia mais

O Swirl Logo é uma marca comercial do Cabinet Office ITIL é uma marca comercial registrada do Cabinet Office

O Swirl Logo é uma marca comercial do Cabinet Office ITIL é uma marca comercial registrada do Cabinet Office Qualificação Profissional para PRÁTICAS ITIL PARA GERENCIAMENTO DE SERVIÇO Certificado de Fundamentos da ITIL em Gerenciamento de Serviço de TI PLANO DE ENSINO O Swirl Logo é uma marca comercial do Cabinet

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I Aula 3

Processos de Desenvolvimento de Software. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I Aula 3 Processos de Desenvolvimento de Software Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I Aula 3 Modelos de Processo de Software O Modelo Sequencial Linear Aula passada também chamado Modelo Cascata

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%.

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%. Números de tecnologia 630 mil é o número de novos postos de trabalho em TI até 2009 9 em cada 10 PC s vendidos saem com Microsoft Windows 47% da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado

Leia mais

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r G l o b a l C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r v.1.8 de 14/07/2010 1 1993: fundada como Integradora de Sistemas 2009: reconhecida Inteligência em Projetos 16 anos de realizações: + 350 projetos no

Leia mais

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira METODOLOGIA ÁGIL Lílian Simão Oliveira Fonte: Pressman, 2004 Aulas Prof. Auxiliadora Freire e Sabrina Schürhaus Alexandre Amorin Por quê???? Principais Causas Uso das Funcionalidades Processos empírico

Leia mais

Teste de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Teste de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Teste de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade Garantia de Qualidade Qualidade do processo Qualidade do produto Testes Estáticos Testes Dinâmicos Teste de software

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição outubro 2011 Copyright 2011 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio. Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior

O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio. Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior 1 Orientações iniciais Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

a) Teste das funções do sistema com outros sistemas b) Teste de componentes que em conjunto compõem a função do sistema

a) Teste das funções do sistema com outros sistemas b) Teste de componentes que em conjunto compõem a função do sistema Simulado CTFL- BSTQB Tempo de duração: 60 minutos 1. Considerando as seguintes afirmações: I. 100% de cobertura de sentença (comando) garante 100% de cobertura de desvio II. 100% de cobertura de desvio

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

O seu caminho em Tecnologia da Informação.

O seu caminho em Tecnologia da Informação. O seu caminho em Tecnologia da Informação. A Empresa Tecnologia da Informação é a essência da Company, empresa criada para fornecer soluções em produtos e serviços para o mercado composto por empresas

Leia mais

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br Comparativo entre Processos Ágeis Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br O que discutiremos: Histórico Os Princípios Ágeis Comparação Do ponto de vista incremental Do ponto de vista funcional Vantagens e Desvantagens

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais