ORIENTADORA: Profª. Drª. Eliane Ferreira da Silva CO-ORIENTADORA: Profª. MSc. Renata P. F. de Carvalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORIENTADORA: Profª. Drª. Eliane Ferreira da Silva CO-ORIENTADORA: Profª. MSc. Renata P. F. de Carvalho"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA Maria Claudia Gouveia Cosmo SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO MÉDICO PRIVADO ORIENTADORA: Profª. Drª. Eliane Ferreira da Silva CO-ORIENTADORA: Profª. MSc. Renata P. F. de Carvalho NATAL-RN 2006

2 ii MARIA CLAUDIA GOUVEIA COSMO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO MÉDICO PRIVADO Monografia apresentada à disciplina Monografia, ministrada pela professora Maria do Socorro de Azevedo Borba para fins de avaliação da disciplina e como requisito parcial para a conclusão do curso de Biblioteconomia do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. ORIENTADORA: Profª Drª Eliane Ferreira da Silva CO-ORIENTADORA: Profª. MSc. Renata P. F. de Carvalho NATAL-RN 2006

3 iii Divisão de Serviços Técnicos Catalogação da Publicação na Fonte. UFRN / Biblioteca Central Zila Mamede C834s Cosmo, Maria Claudia Gouveia. A segurança de Informação em serviço de arquivo médico privado / Maria Claudia Gouveia Cosmo. Natal, RN, f. Orientadora : Eliane Ferreira da Silva. Co-orientadora : Renata P. F. de Carvalho. Monografia (Bacharelado) Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências Sociais Aplicadas. Departamento de Biblioteconomia 1. Informação Monografia. 2. Arquivo. Monografia. 3. Segurança da informação Monografia. 4. Gestão da informação. 5. Serviço de arquivo Monografia. I. Silva, Eliane Ferreira da. II. Carvalho, Renata P. F. de Carvalho. III. Título. RN/UF/BCZM CDU 004:

4 iv MARIA CLAUDIA GOUVEIA COSMO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO MÉDICO PRIVADO MONOGRAFIA APROVADA EM / /2006 BANCA EXAMINADORA Profª. Drª. Eliane Ferreira da Silva (Orientadora) Profª. MSc. Renata Passos Filgueira de Carvalho (Co-orientadora) Profª. MsC Maria do Socorro de Azevedo Borba (Profª da Disciplina)

5 v Dedico a meu esposo Francisco Cândido E aos meus pais, com todo amor do mundo. Cuja inspiração, incentivo e ajuda tornaram possível mais essa realização.

6 vi AGRADECIMENTOS Os gestos valem mais que as palavras, mas utilizar-me-ei delas para expressar minha gratidão, amizade, solidariedade e amor. Primeiramente a vida, que é algo fascinante para aqueles que realmente sabem vivê-la. A Deus, pela sua força suprema que possibilitou o direito do homem de pensar e escolher seus próprios caminhos; pelo direito de amar e respeitar qualquer ser vivo acima de qualquer coisa e interesse. Ao meu querido esposo pelo o esforço em compreender os meus objetivos. Meus Pais e Irmãos, que compartilham dos meus sonhos, das minhas dificuldades, do meu sucesso, enfim, da minha vida. Sem vocês nada disso seria possível. A todos professores que ao longo do curso se dedicaram a me motivaram a ter acesso ao conhecimento. Em especial a minha Professora Orientadora Eliane Ferreira da Silva e a professora Co-orientadora Renata Passos Filgueira de Carvalho por sua inspiração, inteligência e paciência, também pela confiança e otimismo que despertou, além da constante disponibilidade, em contribuir para a conclusão de mais uma etapa importante da minha vida. Aos meus amigos da UFRN, pelo convívio, aprendizado e marcante amizade.

7 vii "É melhor tentar e falhar, que preocupar-se e ver a vida passar; é melhor tentar, ainda que em vão, que sentar-se fazendo nada até o final. Eu prefiro na chuva caminhar, que em dias tristes em casa me esconder. Prefiro ser feliz, embora louco, que em conformidade viver..." Martin Luther King

8 viii RESUMO Utiliza como metodologia aplicação de questionários ao setor de serviço de arquivo de um hospital privado de Natal, para analise dos dados relacionando com as informações teóricas de acordo com as observações e análises dos resultados alcançados. Apresenta definições relacionadas a arquivo, serviços de arquivos e a segurança da informação, a fim de proporcionar maior compreensão do tema. Aborda a respeito da gestão documental e da informação, enfatizando o valor da informação como um recurso estratégico importantíssimo e de suma importância para a sociedade no atual contexto mundial. Esclarece a respeito da Segurança da Informação compreendendo-a como instrumento fundamental para o bom funcionamento da organização. Utiliza como metodologia a aplicação de questionários ao setor de serviço de arquivo de um hospital privado de Natal. Faz ainda uma explanação do que seria o serviço de arquivo médico e estatístico. Evidencia os princípios que regem a Legislação do Conselho Federal de Medicina e do Conselho Nacional de Arquivo. Esclarece os principais objetivos da segurança da informação; integridade, confidencialidade e disponibilidade. Destaca a importância da aplicação de uma política de segurança da informação rigorosa e ainda apresentar alguns procedimentos de como desenvolvê-la. Mostra os principais controles de acesso de físico, ambiental humano e lógico. Esclarece o que seria um engenheiro social, e lista alguns cuidados de como evitar seu ataque. Evidencia nas considerações finais a importância da segurança da informação como recurso indispensável para o bom funcionamento de qualquer organização e faz algumas recomendações. Palavras-chave: Informação. Segurança da Informação. Gestão da Informação. Arquivo. Serviço de Arquivo.

9 ix ABSTRACT It uses as methodology application of questionnaires to the sector of service of archive of a Natal s private hospital, for analyzes of the data relating with the theoretical information. in accordance with the comments and analyses of the reached results. It presents the related definitions the archive, services of archives and the security of the information, in order to provide to greater understanding of the subject. It approaches regarding the documentary management and of the information, emphasizing the value of the information as a strategical resource has very important and of utmost importance for the society in the current world-wide context. It clarifies regarding the security of the information understanding it as basic instrument for the good functioning of the organization. For this the application of questionnaires to the sector of service of archive of a Natal s private hospital uses as methodology. It still makes a communication of what it would be the service of Average and Statistical Archive. It evidences the principles that conduct the legislation of the Federal Advice of Medicine and the National Advice of Archive showing the main objectives of the security of the information; integrity, trust, and availability. It detaches the importance of the application of one politics of security of the rigorous information and still to present some procedures to develop it. It shows the main controls of access of physicist, ambient human being and logical. It clarifies what he would be a social engineer, and lists some cares of as to prevent its attack. The information evidences in the final considerations the importance of the security as indispensable resource for the good functioning of any organization and makes some recommendations. Key words: Information.Security. information.management. Information.Archive. Archive service.

10 x LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Relacionamento da Política de Segurança da Informação Figura 2 - Os três pólos da Segurança da Informação Gráfico 1 - Conceitos e padrões de SI Gráfico 2 - Conhecimento da PSI Gráfico 3 - Boa Política de Segurança da Informação Gráfico 4 - Analise da empresa quanto os Controles de Segurança da Informação Gráfico 5 - Controles de SI e entendimento dos empregados Gráfico 6 - Quanto ao modismo da Segurança da Informação Gráfico 7 Gráfico 8 - Quanto aos cuidados e gasto com a SI não tem nada a ver com o lucro... - Os cuidados com SI, esta pode aumentar a lucratividade da empresa Quadro 1 - Dificuldades encontradas para manter a Segurança da 54 Informação... Quadro 2 - A respeito à Segurança Física e de Ambiente... 56

11 xi LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABNT CFM CONARQ ISO PSI SAME SI - Associação Brasileira de Normas Técnicas - Conselho Federal de Medicina - Conselho Nacional de Arquivos - International Organization For Standartizatton - Política de Segurança da Informação - Serviço de Arquivo Médico Estatístico - Segurança da Informação

12 xii SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO METODOLOGIA ARQUIVO EVOLUÇÃO DO ARQUIVO ESTRUTURA DO ARQUIVO FASES DO ARQUIVO GESTÃO DOCUMENTAL GESTÃO DO INFORMAÇÃO SERVIÇO DE ARQUIVO MÉDICO E ESTATÍSTICO (SAME) PRONTUÁRIO ELETRÔNICO DE PACIENTES LEGISLAÇÃO DO ARQUIVO MÉDICO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA ORGANIZACIONAL CONTROLE DE ACESSO Controle de Acesso Físico Controle Ambiental Controle de Acesso Lógico Controle de Acesso Humano Engenharia Social ANALISE DOS DADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE ANEXOS... 74

13 1 1 INTRODUÇÃO A informação nunca foi tão valorizada como na atualidade, devido principalmente as mudanças tecnológicas. Foram elas responsáveis pela aproximação dos países. Através dos mais variados sistemas automatizados, acarretando no desenvolvimento da globalização e do alto nível competitivo. Nesse contexto a informação tornou-se um insumo importantíssimo na tomada de decisão em todos as atividades realizadas pela sociedade, passando a ser produzida em larga escala e em grande velocidade. Em razão disso, tornou-se fundamental saber filtrá-la, para aproveitar apenas o que é de vital importância para o funcionamento e manutenção da organização. Diante disso, surge por sua vez a Segurança da Informação, com normas, procedimentos e orientações com a finalidade de assegurar a confidencialidade, a integridade e a disponibilidade da informação gerada em qualquer ambiente. Ela é considerada uma real necessidade das empresas, sendo requisito estratégico importantíssimo, por ter a capacidade de interferir tanto nos negócios, como no valor dos produtos de mercado. Portanto, a presente pesquisa teve como enfoque a Segurança da Informação em Serviço de Arquivo Médico de um Hospital Privado do Rio Grande do Norte, enfatizando os conceitos e princípio tanto referente a Serviços de Arquivo e, principalmente, os da Segurança da Informação. Por verificar sua importância e quais as principais formas de prevenir incidentes em relação a Segurança da Informação na organização dos prontuários disponibilizados eletronicamente, além de analisar a postura das pessoas quanto à informação. Assim, através deste estudo buscou-se analisar a Segurança da Informação no contexto atual da organização. Abordando a política, os controles de acesso e os tipos de prevenção, além de permitir uma reflexão

14 2 sobre a importância real da Segurança da Informação para que as informações sejam precisas, corretas, acessíveis e, quando necessário, sigilosas. A idéia do tema principal, Segurança da Informação surgiu a partir da disciplina de Redes e Sistemas de Informação ministrada pela professora Eliane Ferreira da Silva do Curso de Biblioteconomia da Universidade Federal do Rio grande do Norte-UFRN. Na oportunidade, pode-se perceber que se tratava de um tema bastante interessante e ainda pouco explorado, então, vi a possibilidade de explorar algo novo e contribuir para o despertar de outras pessoas sobre o assunto, além conscientizá-las da importância de sua utilização não somente em hospitais, mas nas diversas organizações que compõem a sociedade. No que se refere à estrutura da monografia, no primeiro capítulo encontra-se a Introdução, onde serão apresentados; o tema, a justificativa, os objetivos e as finalidades do trabalho. O segundo capítulo traz os Procedimentos Metodológicos, ou seja, o relato de como o autor procedeu para realização da pesquisa. O terceiro capítulo descreve sobre Arquivo, traçando conceito, tipologia e evolução. Evidencia ainda a gestão documental e gestão da informação compreendendo-as como primordiais para o processo de tomada de decisão. O quarto capítulo trata de explicar o que seria o Serviço de Arquivo Médico Estatístico. Aborda também do Prontuário Eletrônico de Pacientes, apontando esclarecimentos sobre o Conselho Nacional de Arquivos e o Conselho Federal de Medicina, apresentado as principais leis. O quinto capítulo enfoca a Segurança da Informação, como procedimento fundamental para garantir a confidencialidade, integridade e disponibilidade de qualquer organização, sendo este o ponto central da pesquisa. Ainda nesse capitulo será exposto esclarecimentos sobre os controles de acesso: ambiental, humano, tecnológico e físico; e se fará uma breve explanação a respeito da engenharia social.

15 3 No sexto capitulo, é descrita a Analise e interpretação dos resultados em consonância com a fundamentação teórica retratada no trabalho. No capítulo seguinte são apresentadas as Considerações finais, acompanhadas de algumas recomendações que se achou pertinentes.

16 4 2 METODOLOGIA A metodologia é o instrumento pelo qual o autor descreve os procedimentos e métodos utilizados para alcançar as informações na elaboração da sua pesquisa, cujo Inácio Filho (2005, p. 71) define como, Conjunto de procedimentos e técnicas de que se lança mão no processo de investigação, incluindo-se aí os aspectos relacionados ao como fazer (Know how) a pesquisa. Está relacionada ainda à postura ideológica do investigador, aos seus objetivos, os seus pressupostos, a sua concepção de mundo. Salomon (2001, p. 221) afirma que, ela funciona como suporte e diretriz da pesquisa. Já a fundamentação teórica, consiste em explicitar os conceitos primordiais que serão utilizados para realizar a analise, as categorias e os pressupostos teóricos que serão apresentados no desenvolvimento da pesquisa.(inácio FILHO, 2005, p. 63). Portanto, para a elaboração do referido trabalho, a fim de obter fundamentação teórica que pudessem subsidiar o estudo sobre o tema, recorreu-se a Pesquisa Bibliográfica em: livros, artigos, dissertações e a Internet. Como objeto de estudo foi escolhido um Hospital Médico privado, de Natal (RN), que possui um Serviço de Arquivo Médico e Estatístico. No entanto, para a realização da pesquisa os responsáveis pelo serviço de arquivo se prontificaram em fornecer dados fidedignos enquanto a pesquisadora responsabilizou-se, por meio de declaração, em divulgar somente os dados de forma única sem mencionar o nome da empresa.

17 5 No que tange a coleta de dados, foi realizado um questionário a respeito da Segurança da Informação com o objetivo de diagnosticar a disponibilidade, acessibilidade, confidencialidade e a integridade dos serviços de Arquivo Médico do hospital em estudo. Após a finalização dos levantamentos dos dados, foi feito o estudo dos mesmos para relacioná-los com as informações teóricas de acordo com as observações e análises dos resultados alcançados.

18 6 3 ARQUIVO A informação é um bem vital responsável pela formação e desenvolvimento tanto da sociedade erudita como da sociedade contemporânea. Assim, o ato de documentar e arquivar a informação tornou-se essencial para o resgate da memória de qualquer geração de povos, desde aos mais humilde aos mais sofisticados. Quanto à origem do termo arquivo, apesar de ter sido discutido pelos mais renomados estudiosos, não é apresenta de forma clara e precisa. De fato, o que se sabe é que o termo pode ter surgido na antiga Grécia com a denominação arché, atribuída aos palácios dos magistrados; evoluindo então para archeion, local de guarda e depósito dos documentos (PAES, 2004, p. 19). Em nítido contraste, Ramis Galvão (1909 apud PAES, 2004, p. 19) o considera procedente de archivum, palavra de origem latina, que no sentido antigo identifica o lugar de guarda de documentos e outros títulos. No que se refere à definição de arquivo, tem-se ampliado bastante na atualidade devido, principalmente, aos avanços tecnológicos que propiciaram novas formas de organização bem mais sofisticadas e o surgimento de novos suportes informacionais. Assim, partindo dessa visão, recorre-se a essas duas definições - uma antiga e outra moderna, para um melhor entendimento do termo. Para Paes (1997, p. 16, grifo do autor) arquivo: É a acumulação ordenada dos documentos, em sua maioria textuais, criados por uma instituição ou pessoa, no curso de sua atividade, e preservados para a consecução de seus objetivos, visando à utilidade que poderão oferecer no futuro.

19 7 Bellotto (2002, p. 18) afirma que: Arquivo são conjuntos orgânicos de documentos produzidos/recebidos/acumulados por um órgão público, uma organização privada ou uma pessoa, no curso de suas atividades, independentemente do seu suporte, e que, passada sua utilização ligada às razões pelas quais foram criados, podem ser preservados, por seu valor informativo, para fins de pesquisa científica ou testemunho sociocultural. De modo geral, o arquivo tem como função a conservação e disponibilização das informações guardadas no acervo documental. Ele é de fundamental importância, pois visa comprovar a veracidade das informações documentadas, a fim de que seja recuperada de forma rápida e precisa no momento em que se necessite. De acordo com Bellotto (2002, p.18), a função do arquivo pode ser vista como: [...] a de dar acesso às informações contidas nos documentos que ele custodia são, no que toca à parte técnica: registra, classificar, avaliar, eliminar (quando chegada à data estabelecida pela avaliação) descrever dar à consulta e divulgar (no caso dos arquivos históricos) seus documentos. Quanto à função cidadã social, atender aos direitos dos cidadãos, facilitar a investigação histórica. Em tudo isso, há uma enorme carga de responsabilidade, por parte dos arquivistas, seja como cidadãos, seja como profissionais. Portanto, com base nesses estudos, pode-se afirmar que as instituições devem estar familiarizadas tanto com a definição de arquivo quanto sua função, para que possam alcançar seus objetivos de dar acesso às informações, sejam através de suportes ou outros meios quaisquer que utilizem. Elas devem desenvolver funções e metodologias corretas, para que seu arquivo funcione de forma adequada, cumprindo as finalidades históricas, jurídicas e administrativas de sua existência. Além, de uma estrutura que siga os preceitos da instituição.

20 8 A seguir, relatar-se-á um pouco a respeito da evolução do arquivo, partindo da importância da informação desde os primórdios do mesmo. 3.1 EVOLUÇÃO DO ARQUIVO Parece óbvio compreender que é impossível um mundo sem informação. Caso contrário, o homem jamais teria alcançado tamanho desenvolvimento econômico, social e político que se tem hoje; viveria em total abstração, pois tudo a sua volta é informação, mesmo um simples gesto ou expressão. Através da informação, o homem adquiri novos conhecimentos, que lhes permiti construir novas concepções. Aliado a isso, segundo Carvalho e Tavares (2001, p. 7): Se um mundo sem informação é inconcebível, as organizações sem elas, simplesmente, não existiram. Organizações alimentamse de informação. São elas que lhes dão sentido, que lhes direcionam o caminho, que lhes garantem a sobrevivência. Igualmente, o homem sempre registrou sua história, independente de que suporte fosse preciso para isso: inscrições rupestres, papirus, tabletes de argila, livros, cartas, comunicação oral etc. Mas não bastava apenas registrar, era preciso também organizar para recuperar e preservar. Lógico que em tempos atrás isso era uma tarefa bem mais fácil, pois o fluxo de informação era bem menor. Nessa perspectiva, Schellenberg (2004, p. 97) menciona:

21 9 Entre os povos da Antiguidade, os habitantes da Mesopotâmia foram talvez os que mais documentos deixaram. Incansáveis escritores de cartas, seus escritos se conservavam, pois escreviam em materiais imperecíveis. Os tijolos de argila nos quais inscreviam caracteres cuneiformes eram cozidos em fôrmas que os convertiam em pequenos tabletes, algo parecidos com o material usado hoje em dia nos telhados da Austrália. No entanto, em seus achados arqueológicos nunca foram encontrados indícios de forma de organização, o que se deduz que os tabletes eram acumulados em pilhas, como um monte de telhas. (SCHELLENBERG, 2004, p. 97). Em Roma, originou-se o sistema de registro, considerado o mais antigo sistema de ordenação dos documentos, que tratava de notas particulares realizadas por magistrados denominadas na época de comentarii. Tempos mais tarde, essas notas aumentaram de volume, passando a chamar-se de diários da Justiça ou comentarii diurni. Neles continham informações organizadas cronologicamente de documentos recebidos ou expedidos, que passaram no fim da república romana, a ser considerado parte do acervo público. A igreja tem um papel fundamental em relação aos arquivos, pois era a instituição menos instável entre a Idade Antiga e a Idade Média. Por isso, lhes era confidenciado, através dos escribas, as cartas e documentos para serem guardadas em sua forma original e faziam cópias das expedidas. Na segunda metade do século XIV, com o uso do papel, há um aumento considerável dos documentos. Então, criam-se órgãos burocráticos ou chancelarias responsáveis pela documentação real; surgindo assim os serviços de registro, em que eram guardados documentos de um órgão em duas séries, uma de papel expedido e a outra de recebidos. Na idade contemporânea, há a abertura dos arquivos públicos aos cidadãos. Mas o uso continuava sendo jurídico e administrativo, prova das relações estado-cidadão.

22 10 No século XIX, os arquivos começam a serem vistos como objetos de pesquisa para historiadores, tendo ele um valor expressivo na busca de informação. No século XX, ocorre o aperfeiçoamento do arquivo: público, privado e histórico, bem como dos profissionais responsáveis. Dessa forma, o arquivo passa a ser visto como um instrumento indispensável para toda e qualquer sociedade que deseje regatar informação do passado para transformar seu futuro. Hoje, por se tratar da preservação da memória de um povo, os arquivos já são percebidos com um grau maior de importância. Eles possibilitam o resgate de informação de geração em geração. Apesar da organização dos arquivos estar bem mais complexa, dada a grande quantidade de informação, eles são bem mais funcionais quando organizados adequadamente para seguir sua finalidade. Isso se dá devido, principalmente, ao surgimento da informática, que possibilitou a formulação de sistemas operacionais adaptados à necessidade das instituições nesse respeito. Torna-se pertinente dizer que toda organização precisa conservar e organizar a documentação, para ser possível seu uso em qualquer momento. A seguir, falar-se-á da estrutura do arquivo para compreender como ela influi na recuperação da informação em qualquer instituição. 3.2 ESTRUTURA A estrutura organizacional é extremamente importante para permitir a organização adequada dos documentos. Nesse respeito, para Ferreira (1995, p. 54): é fundamental o conhecimento da estrutura organizacional e

23 11 compreensão do seu funcionamento para a elaboração do quadro de arranjos, que segue as linha gerais do organograma da instituição. A partir do quadro de arranjos - grupos, subgrupos, séries e subséries, tornam-se possíveis à classificação da massa documental, bem como a notação, com seus sinais e símbolos, que permitirão a localização dos documentos no acervo. Precisa-se ressaltar que o trabalho de organização de um acervo documental é impossível de ser realizado sem o conhecimento dos procedimentos adequados para o acondicionamento do acervo; é fundamental a existência de pessoas capacitadas, pois caso isso não ocorra, a tendência é de apenas guardar e, ainda mais, significa guardar sem seguir critérios de organização e descarte. Torna-se evidente que a organização do acervo deve seguir uma avaliação de acordo com a legislação em vigor e possuir uma tabela de temporalidade, em que conste a determinação da vida útil de cada documento ali inserido na organização. Um arquivo bem organizado, baseado em Gomes e Helluy (1976, p. 47), deve apresentar: Simplicidade; Flexibilidade; Rapidez de consulta; Diminuir a duplicação do trabalho; Evita repetições desnecessárias de experiências; Diminui a duplicação do trabalho; Mostrar o que estar para ser feito, o que foi feito e os resultados obtidos; Constituir fonte de pesquisa para todos os ramos administrativos; Auxiliar o administrador na tomada de decisões mais precisas. Por outro lado, um arquivo organizado sem critérios, dificilmente possibilitará o resgate rápido e seguro de qualquer documento, por mais que a pessoa responsável seja experiente; ela será incapaz de armazenar todas as informações que existe em uma instituição. O arquivo deve seguir um plano

24 12 coerente com suas necessidades e bem orientado para cumprir com o objetivo de regatar a informação. Por isso, o processo de organização do arquivo de uma instituição, assim como o de qualquer outro setor, ocorre em 4 etapas, são elas: Levantamento de dados; Analise dos dados coletados; Planejamento; Implantação e acompanhamento. Além disso, o arquivo precisa ser estruturado levando-se em consideração a sua classificação que pode ser de acordo com Paes (2004, p. 20) : 1 As entidades mantenedoras: Públicos- Federal, Estadual, Municipal; Institucionais- Instituições Educacionais, Igrejas, Corporações não-lucrativas, Sociedades e Associações; Comerciais- Firmas, Corporações, Companhias e Familiares ou Pessoais; Os estágios de sua evolução: Correntes ou Ativos; Intermediários; Permanentes ou Definitivos; A extensão de sua atuação: arquivos setoriais e gerais ou centrais; A natureza dos documentos: especiais ou especializados; Gênero: textual, audiovisuais, cartográficos, iconográficos; Espécie: mensagem, oficio, circular, aviso, cartas e outros; Assunto: ostensivo ou ordinário, sigiloso, secreto, confidencial, reservado. Para dar segmento ao argumento, é preciso acentuar que somente quando existir uma classificação adequada; que siga o organograma da instituição e a partir dele seja elaborado o quadro de arranjos (grupos, 1 Grifos e adaptação nossa.

25 13 subgrupos, séries e subséries), bem como a notação (com seus sinais e símbolos), é que será possível a recuperação dos documentos. Mas, para isso, faz-se também necessário conhecer as fases do arquivo. Esse tópico será abordado a seguir. 3.3 FASES DO ARQUIVO O arquivo precisa ser organizado levando em consideração o ciclo vital dos documentos. Esse ciclo administrativo compreende três idades interdependentes, que serão abordadas na continuação. A primeira é o arquivo corrente formado por documentos que estão sendo usados pela organização e não cumpriram seu tempo de vida útil que é geralmente de 5 a 10 anos. Bellotto ( 2004, p. 24, grifo nosso) define-a da seguinte forma: [...] Arquivos correntes, nos quais se abrigam os documentos durante seu uso funcional, administrativo, jurídico; sua tramitação legal; sua utilização ligada às razões pelas quais foram criados. A permanência de tais documentos nesse tipo de arquivo depende de sua tipologia/função e, principalmente, de sua vigência, mas pode ser generalizada em um ano; podem passar dali a um arquivo central do respectivo órgão gerador, onde permanecerão de cinco a 10 anos (sem que isso seja considerado uma outra idade). A segunda fase é a que se denomina de arquivo intermediário. Aqui os documentos já passaram do seu período de vigência, mas ainda podem ser usados pelo seu produtor, ficando separados e aguardando sua destinação final por um período de 20 anos.

26 14 Paes (2004, p. 117) afirma que: Sua função principal consiste em proceder a um arquivamento transitório, isto é, em assegurar a preservação de documentos que não são mais movimentados, utilizados pela administração e que devem ser guardados temporariamente, aguardando pelo cumprimento dos prazos estabelecidos pelas comissões de análise ou, em alguns casos, por um processo de triagem que decidirá pela eliminação ou arquivamento definitivo, para fins de prova ou de pesquisa. Por ocasião dessa segunda fase, os documentos devem ser submetidos à avaliação da tabela de temporalidade para reafirmar seu tempo de vida útil e sua importância para administração. O desempenho dessa fase é mais definida em instituições públicas. Por sua vez, a última fase, denomina-se como terceira idade ou arquivos permanentes. Inclusive os documentos passam por uma avaliação levando em consideração a tabela de temporalidade e a observação da função daquele documento para a organização. Caso ele seja definido como fazendo parte do registro da historia da instituição, passa a fazer parte dos arquivos permanentes da instituição sendo arquivado por um período de 25 a 30 anos. que: Sob esse viés, Feijó (1988, p. 67) define essa derradeira fase afirmando Arquivo de terceira idade, passivo ou permanente: referem-se a reunião de documentos cuja freqüência de consulta é praticamente nula. São considerados arquivos de custódia, pois a massa documental já perdeu o valor administrativo. Entretanto, são mantidos em virtude do seu valor histórico, servindo como subsídios para conhecer o passado ou a evolução de certos eventos.

27 15 Nesse contexto, percebe-se que a localização dos documentos deve ser feita respeitando essas três idades, ou seja, o corrente deve situar-se junto ao produtor administrador, tem que ser ágil, seguindo classificação de acordo com as funções administrativas. O segundo é pouco consultado pela administração, a não ser esporadicamente, também não está totalmente aberto à pesquisa, pode estar em local afastado, de manutenção acessível. Já os da terceira idade, devem estar localizados juntos as Universidades ou aos Centros Culturais para permitir a pesquisa das informações ali armazenadas.(bellotto, 2004, p. 24). Cabe frisar a importância da organização do arquivo respeitando suas fases, pois, através disso, será possível delimitar o que se deve ou não manter e proteger, para o resgate da história de cada instituição, servindo posteriormente de estudo critico da sociedade que o produziu. O arquivo por muito tempo foi alvo de pouco estudos e preocupações, hoje vivenciando a era da sociedade da informação, sente-se à necessidade da organização do arquivo para que as instituições possam desenvolver suas atividades com competência e qualidade. Porém, apesar do conhecimento das fases do arquivo, isso por si só não basta para a segurança, recuperação e preservação da informação, é preciso da elaboração de um plano de gestão documental. Esse assunto será abordado logo abaixo. 3.4 GESTÃO DOCUMENTAL Para que a informação seja disponibilizada de forma precisa e eficiente, é necessário que toda e qualquer organização siga uma política de organização que permita a saída e entrada dos documentos de forma clara e

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Ementa: Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação RESOLUÇÃO CFM nº 1.639/2002 Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário Médico", dispõe sobre tempo de guarda dos prontuários, estabelece critérios

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A criação dos arquivos intermediários torna-se uma tendência nacional para a implementação da gestão dos documentos, disciplinada

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

DECRETO Nº 25624. de 17 de julho de 2008.

DECRETO Nº 25624. de 17 de julho de 2008. DECRETO Nº 25624 de 17 de julho de 2008. Dispõe sobre a Gestão de Documentos, os Planos de Classificação e a Tabela de Temporalidade de Documentos e define normas para avaliação, guarda e destinação de

Leia mais

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação Política de segurança da Informação. Metodologia de levantamento da política de segurança. Objetivos e responsabilidades sobre a implementação. Métodos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Aula 1 Descrição Arquivística Revisando Conceitos de arquivologia: o documento, o arquivo, os princípios arquivísticos e a qualidade arquivística. Teoria das três idades.

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 058 de 17 de abril de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Cria o Arquivo Público do Executivo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações 16/IN01/DSIC/GSIPR 00 21/NOV/12 1/8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES PARA DESENVOLVIMENTO E OBTENÇÃO DE SOFTWARE

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 232/2013 Aprova a Norma Complementar de Procedimentos para Inventariar Ativos de Tecnologia da Informação. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 Através da vasta experiência, adquirida ao longo dos últimos anos, atuando em Certificações de Sistemas de Gestão, a Fundação Vanzolini vem catalogando

Leia mais

Curso Forense Computacional

Curso Forense Computacional Curso Forense Computacional Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado de Segurança da Informação no Brasil e exterior. Os cursos são ministrados em português,

Leia mais

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo I CICLO DE PALESTRAS SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICAS DE DOCUMENTOS NO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.010 Denominação: Controle de Documentos do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento define a sistemática e os critérios para a elaboração, revisão, aprovação

Leia mais

Técnicas Secretariais: Gestão de Documentos e Arquivística. Contextualização. Aula 1. Organização da Aula. Onde Tudo Começou.

Técnicas Secretariais: Gestão de Documentos e Arquivística. Contextualização. Aula 1. Organização da Aula. Onde Tudo Começou. Técnicas Secretariais: Gestão de Documentos e Arquivística Aula 1 Contextualização Profa. Vanderleia Stece de Oliveira Organização da Aula Conceito de arquivo Origem Órgãos de documentação Finalidade Função

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos Margareth da Silva Arquivo Nacional XII Encontro Catarinense de Arquivos Jaraguá do Sul 23 de outubro de 2007 e-arq

Leia mais

REDUÇÃO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO COMO MEIO DE COMBATE A FUGA DE INFORMAÇÔES ORGANIZACIONAIS

REDUÇÃO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO COMO MEIO DE COMBATE A FUGA DE INFORMAÇÔES ORGANIZACIONAIS REDUÇÃO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO COMO MEIO DE COMBATE A FUGA DE INFORMAÇÔES ORGANIZACIONAIS Autor(a): Tatiene Rochelle Santana Melo Coautor(es): Gliner Dias Alencar INTRODUÇÃO Com o aumento

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 CONCEITOS... 3 4 ESTRUTURA NORMATIVA...

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PR 29/07/2013 Instrução Normativa Nº 24/2013 Assunto: Institui a Política

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência Definições Informação: Produto de um documento. Documento: Tudo aquilo que pode transmitir uma idéia, pensamento ou acontecimento, ou seja, uma informação. Arquivo: Lugar onde se guardam os documentos

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007 S e g u r a n ç a d a I n f o r m a ç ã o 2007 Uma corrente não é mais forte do que seu elo mais fraco. Tem medo de ataques? Tranque sua rede numa sala!. Só gerenciamos aquilo que medimos, só medimos aquilo

Leia mais

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602.

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 4/2008 O Conselho de Administração, com base no disposto no Art. 17 do Estatuto da CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência, em reunião do dia 19 de fevereiro de

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. O CONSELHO

Leia mais

central de atendimento -> 55(11) 3807-0188 ou atendimento@grupotreinar.com.br

central de atendimento -> 55(11) 3807-0188 ou atendimento@grupotreinar.com.br Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado de Segurança da Informação no Brasil e exterior. Os cursos são ministrados em português, espanhol ou inglês, atendendo

Leia mais

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade 3 Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade Não existe um jeito único de se implementar um sistema da qualidade ISO 9001: 2000. No entanto, independentemente da maneira escolhida,

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Segurança da Informação BM&FBOVESPA Última revisão: maio de 2014 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONCEITOS... 3 4. ESTRUTURA NORMATIVA... 3 5. DIRETRIZES... 4 6. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

PLANO BÁSICO AMBIENTAL

PLANO BÁSICO AMBIENTAL ESTALEIRO ENSEADA 1/9 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE DOCUMENTOS 1. Objetivo Este procedimento define o processo de elaboração, revisão, aprovação, divulgação e controle de documentos do Estaleiro Enseada

Leia mais

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos.

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos. Idade dos arquivos Fabrício Mariano A classificação das idades dos arquivos varia de autor para autor, pois cada uma tem origem em um país diferente ou é influenciada em maior ou menor grau por uma cultura

Leia mais

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003 Technology and Security Risk Services Novembro, 2003 1. Por que escrevemos o livro? 2. Objetivo do livro 3. Conteúdo do livro 4. Dúvidas Acesso aos sites financeiros cresceu 199% em dois anos; Os sites

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Prof. Ms. Edison Fontes, CISM, CISA, CRISC

SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Prof. Ms. Edison Fontes, CISM, CISA, CRISC NUCLEO CONSULTORIA EM SEGURANÇA Artigo SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BRASIL, São Paulo Novembro, 2013 V.1.0 1. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Agência Nacional de Vigilância Sanitária Segurança da Informação (Gerenciamento de Acesso a Sistemas de Informação) Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Sistemas/GGTIN Brasília, junho de

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Caracterização A elaboração do Trabalho de Curso fundamenta-se nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição,

Leia mais

Ato da Mesa Nº 47, DE 16 DE JULHO DE 2012

Ato da Mesa Nº 47, DE 16 DE JULHO DE 2012 Ato da Mesa Nº 47, DE 16 DE JULHO DE 2012 Institui a Política de Segurança da Informação da Câmara dos Deputados e dá outras providências. A MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

GLOSSÁRIO. 1 ACERVO Totalidade dos documentos sob custódia de um arquivo.

GLOSSÁRIO. 1 ACERVO Totalidade dos documentos sob custódia de um arquivo. 43 RECOMENDAÇÕES Após a homologação do Código de Classificação e da Tabela de Temporalidade pela Comissão de Homologação, através de um documento normatizador, estes deverão ser publicados. Uma cópia destes

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações METODOLOGIA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES ORIGEM Departamento de

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES Disciplinas obrigatórias: ICIA39 Administração de Unidades de Básica EMENTA: Conceitos de informação e gestão de organizações. Qualidade e competitividade (noções). Estudo de serviços de informação em

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL: ATUAÇÃO DO SECRETÁRIO EXECUTIVO

GESTÃO DOCUMENTAL: ATUAÇÃO DO SECRETÁRIO EXECUTIVO GESTÃO DOCUMENTAL: ATUAÇÃO DO SECRETÁRIO EXECUTIVO Cristiane Lessa Zwirtes 1 Daniela Giareta Durante 2 Resumo A gestão de documentos é um atividade fundamental em todas as organizações, por meio da organização

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O Projeto de Pesquisa

O Projeto de Pesquisa O Projeto de Pesquisa CLÁUDIA BARBOSA O objetivo desta unidade é ensinar ao aluno sobre a definição e elaboração de um Projeto de Pesquisa. Ao final desta aula o aluno deverá apresentar seu projeto de

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO APRESENTAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Este documento foi elaborado pelo setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (CSGI), criada com as seguintes atribuições: Assessorar a Direção da SESAU

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014 Dispõe sobre a aprovação do Documento Acessório Comum Política de Gestão de Riscos,

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 3, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011

PORTARIA NORMATIVA N 3, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 PORTARIA NORMATIVA N 3, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 Cria o Assentamento Funcional Digital - AFD e estabelece orientação aos órgãos e entidades integrantes do Sistema de Pessoal Civil da Administração Publica

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

FAQ Escrita de Cases

FAQ Escrita de Cases FAQ Escrita de Cases 1. Sobre o que escrever um case e com qual foco? Sua EJ poderá escrever cases de sucesso ou insucesso que tenha trazido muito aprendizado e superação, ou seja, cases distintos da realidade

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

SOLUÇÕES AMBIENTE SEGURO SEUS NEGÓCIOS DEPENDEM DISSO!

SOLUÇÕES AMBIENTE SEGURO SEUS NEGÓCIOS DEPENDEM DISSO! SOLUÇÕES AMBIENTE SEGURO SEUS NEGÓCIOS DEPENDEM DISSO! O ambiente de Tecnologia da Informação (TI) vem se tornando cada vez mais complexo, qualquer alteração ou configuração incorreta pode torná-lo vulnerável

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas

A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ESCOLHA DO TEMA - Seja cauteloso na escolha do tema a ser investigado. Opte por um tema inserido no conteúdo programático da disciplina pela qual teve a maior aptidão

Leia mais

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos O código de ética DBA representa a necessidade de reforço aos valores e à cultura da empresa através da ética. Assim, é fundado nos valores essenciais da corporação e pode ser definido pelas normas padrões

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 10/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Inventário e Mapeamento de Ativos de Informação nos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 11 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. Institui a política de segurança da informação do Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais