NORMA TÉCNICA NTE PADRÃO PRÉ-FABRICADO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA TÉCNICA NTE PADRÃO PRÉ-FABRICADO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil"

Transcrição

1 NORMA TÉCNICA NTE PADRÃO PRÉ-FABRICADO Cuiabá Mato Grosso - Brasil

2 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento de padrões pré-fabricados para serem instalados nas entradas de serviços das unidades consumidoras, bem como informar: - Ao fabricante, sobre as exigências técnicas básicas relativas à aprovação de protótipos para conseguinte fabricação; - Ao comerciante, sobre as características básicas relativas do padrão pré-fabricado aprovado para Comercialização em área de concessão da CEMAT; - Ao usuário, sobre as características básicas do padrão pré-fabricado aprovado para uso em sua unidade consumidora. 2. AMPLITUDE Esta norma aplica-se externamente aos fabricantes, comerciantes e consumidores de energia elétrica e internamente aos setores da CEMAT responsáveis pela inspeção e ligação de padrões de entrada de energia elétrica. 3. CONCEITUAÇÃO O Padrão de entrada de energia elétrica pré-fabricado compreende um conjunto de componentes (postes, cabos, caixas, disjuntores, etc.) adequadamente montados de forma a possibilitar a ligação das unidades consumidoras atendendo a requisitos técnicos e de segurança. 4. INSTRUÇÕES GERAIS 4.1. TIPOS DE PADRÕES De acordo com a categoria do fornecimento De acordo com a categoria de fornecimento a que se destina, o padrão pré-fabricado poderá ser: Padrão monofásico - MRT (desenho 1-A); Padrão monofásico (desenhos..1 e1b); Padrão bifásico (desenhos 2 e 2 A); Padrão Trifásico (desenhos 3 e 3 A.) De acordo com o local de instalação do medidor de energia: De acordo com o local de instalação do medidor de energia elétrica, o padrão pré-fabricado deverá ser: Com eletrodutos externos Sempre que o medidor de energia for instalado em caixa de medição no próprio padrão pré-fabricado, esse padrão deverá ser construído com eletrodutos externos para abrigar os ramais de entrada e de saída do padrão. (ver desenhos..1, 2 e 3); Sem eletrodutos externos Quando o medidor de energia for instalado em caixa de medição da Cemat, colocada no poste da rede de distribuição, o padrão pré-fabricado poderá ser montado sem eletrodutos externos e com apenas a caixa de proteção para o disjuntor. (ver desenhos. 1B, 2 A e 3 A) CARGAS MÁXIMAS QUE PODEM SER LIGADAS Em função da categoria de atendimento, fica definida a carga máxima a ser ligada conforme tabela n.01 Anexo I CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS Identificação Os padrões pré-fabricados deverão ser identificados no que diz respeito á origem (fabricação) através de marcas claras e indeléveis, estampadas em alto ou baixo relevo: NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 2 / 21

3 Na tampa e no corpo da caixa para medidor, quando o fabricante do padrão pré-fabricado for também o fabricante da caixa. No corpo do poste, imediatamente acima da parte superior do ponto onde se localiza a caixa, e do mesmo lado da caixa para medidor, quando o fabricante do padrão pré-fabricado não for o fabricante da caixa utilizada no padrão; A identificação do padrão deverá abranger as seguintes informações básicas: Nome e/ou marca comercial do fabricante; Mês e ano de fabricação; Modelo ou tipo do padrão Caixas para Medição Quando a medição for instalada no próprio padrão de entrada, os padrões pré-fabricados devem ser montados utilizando as caixas tipo FM ou FP, para fornecimento monofásico ou polifásico respectivamente. As caixas deverão estar de acordo com a Norma NTE 10 - Caixas para Equipamentos de Medição Caixa para Proteção Quando a medição for instalada nos postes da rede de distribuição, em caixas de medição da CEMAT caixas CPREDE, os padrões pré-fabricados devem ser montados utilizando a Caixa de Proteção Tipo CP, prevista na forma NTE 10 - Caixas para Equipamentos de Medição Fixação das caixas de medição e de proteção nos postes No caso de padrões fabricados com eletrodutos externos, a caixa de medição, ou caixa de proteção, deve ser fixada no poste de aço através de parafusos passantes, conforme mostrado nos desenhos 1, 1 A, 2 e 3; No caso de padrões pré-fabricados sem eletrodutos externos, a caixa de proteção para alojar o disjuntor, deve ser fixada no poste de aço através dos dispositivos de PVC mostrados no Anexo II, ou similares. Esses dispositivos devem ser resistentes aos raios ultra-violeta da radiação solar Suportes para fixação dos condutores do ramal de ligação e do ramal de saída Poderá ser usada armação secundária e haste feita de aço carbono, laminado ou trefilado e cupilha em bronze, latão ou aço inoxidável. O corpo da armação e da haste deverá ser zincado a quente. A fixação da armação secundária deverá ser feita através de braçadeiras apropriadas ou parafusos passantes. Não será permitido o uso de solda Isoladores Os isoladores deverão ser de porcelana vidrada ou vidro recozido liso, de 57 ± 3,8 x 54 ± 3,7 mm, no mínimo, conforme Norma Técnica NTD - 01 Materiais Padronizados de Distribuição. Cor do isolador: Marrom escuro, notação MUNSELL 5YR 3/3 ou cinza claro, notação MUNSELL 5BG 7/0.4 ou N6.5, para o isolador de porcelana vidrada ou na cor verde claro para o isolador de vidro recozido. a) Características Mecânicas: Carga de ruptura mínima de 900 dan b) Características Dimensionais: Distância do escoamento 98 mm. Demais valores de acordo com a NBR NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 3 / 21

4 c) Características Elétricas: - Tensão suportável nominal em freqüência industrial a seco durante 01 minuto 22KV; - Tensão suportável em freqüência industrial sob chuva durante 01 minuto 10 KV Eletrodutos Para padrões pré-fabricados construídos com eletrodutos externos. a) Os eletrodutos deverão ser de PVC rígido, tipo rosqueável de acordo com NBR 6150 ou aço carbono conforme as NBR 5597 e NBR 5598 (tipo pesado). Os eletrodutos de aço carbono devem possuir tratamento superficial através de zincagem a quente quando forem utilizados em instalação ao tempo. b) Os eletrodutos aparentes deverão ser fixados por meio de fita de aço, braçadeira, arame de aço galvanizado n.º 14 BWG ou fio de cobre de seção equivalente; c) As junções entre os eletrodutos e as caixas devem ser executadas por meio de buchas e arruelas e serem vedadas com massa de calafetar nas instalações ao tempo; d) Na extremidade superior dos eletrodutos deverá ser instalada curva de 135º dotada de luva de união e bucha de forma a permitir que se faça o pingadouro Condutores Os condutores, fase e neutro, devem ser unipolares, de cobre, dimensionados conforme a Tabela 01 do Anexo I. O condutor neutro deve ser perfeitamente identificado, na cor branca, azul ou cinza, e os condutores fases poderão ser, de preferência, na cor preta. Os condutores devem ser contínuos e sem emendas; Deverá haver continuidade no condutor neutro, sendo nele vedado o uso de disjuntor Entrada e saída dos condutores nos postes de aço e nas caixas de medição ou proteção. Nos padrões fabricados sem eletrodutos externos, os condutores do ramal de entrada e saída, nunca deverão entrar ou sair do poste, (ou das caixas) diretamente através dos orifícios nele feitos para essa finalidade. O contato dos condutores com as arestas (e rebarbas) dos orifícios poderá causar a danificação do isolamento dos mesmos e provocar energizações acidentais da estrutura metálica do padrão, criando riscos de acidentes. Pelo acima exposto, a entrada e saída dos condutores pela parte superior do poste de aço, deverão ser feitas através do capuz de proteção de PVC mostrado no Anexo II, ou outro similar, desde que seja resistente aos raios ultra-violetas e que conduza e proteja os condutores contra danos ao isolamento. Da mesma forma, a passagem dos condutores do interior do poste para caixa de medição ou proteção e vice-versa, deve ser feita também de forma protegida através de dispositivo como o mostrado no Anexo II, ou similar, que seja resistente aos raios ultra-violetas e que conduza e proteja os condutores contra danos ao isolamento Disjuntor O disjuntor termomagnético deverá ser parte integrante do padrão, e ser dimensionado de acordo com a tabela n.º 01 do Anexo I, e instalado em ambiente separado do medidor, NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 4 / 21

5 podendo ser unipolar, bipolar ou tripolar, se o fornecimento for a dois, três ou quatro fios respectivamente. Deverá ser do tipo Quick-lag, e no corpo do mesmo deve vir estampado, de fábrica, o selo de Conformidade do INMETRO. Na ligação, o disjuntor deverá ficar depois do medidor Pontas de Condutor Para que a CEMAT possa efetuar a ligação da unidade consumidora, o fabricante de padrões de padrões pré-fabricados deverá deixar, no mínimo, as pontas de condutor conforme tabela N.º 02 do anexo Altura dos padrões Os padrões deveram ser montados em postes de 5, 6 ou 7 metros, conforme a situação exigir, para atender as seguintes distâncias mínimas: a) A distância mínima do ramal de ligação em relação ao piso acabado: - Local de circulação exclusiva de pedestres : 3,5 metros ; - Local de entrada de prédios e demais locais de acesso restrito a veículos leves: 4,5 metros. - Local de trânsito de veículos: 5,5 metros; b) altura da caixa de medição deverá ser de 1,50 m ± 0,10 m de sua face superior em relação ao piso acabado Aterramento O aterramento do padrão deverá ser efetuado através de haste própria para esse fim e condutor de cobre nu. O condutor de cobre nu deverá ter uma extremidades conectada à haste de aterramento e a outra ao parafuso de latão existente na base da caixa do medidor. Para que o condutor de cobre nu seja conectado à haste de aterramento, deverá ser deixada uma ponta de 50 cm, no mínimo, na altura da marca de fincamento do poste. No caso de padrão sem eletrodutos externos, o condutor do aterramento deverá ser instalado por dentro do poste de ferro, e sair por um orifício localizado na altura da marca de fincamento e ser fixado na parte externa do poste de ferro através de parafuso. (ver desenhos 1B, 2 A e 3 A) No caso de padrão com eletrodutos externos, proteção mecânica do condutor de aterramento deverá ser feita por eletroduto de PVC rígido de diâmetro adequado. Os eletrodos (hastes) de aterramento deverão ser especificados e dimensionados conforme tabela a seguir: Eletrodos de terra Forma Material Dimensões Mínimas Posição Profundidade Coperweld 5/8 x 2,4m Vertical Nível do solo Seção Circular Ferro ou Aço 5/8 x 2,4m Vertical Nível do solo Notas: 1. O enterramento de haste de terra deverá ser total e feito por percussão. 2. Todo material de ferro ou aço deverá ser zincado a quente. NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 5 / 21

6 Tratamento e Acabamento As ferragens que, por conveniência do fabricante, forem zincadas ou bicromatizadas, deverão ser desengraxadas e decapadas. Em seguida, após a montagem do padrão, deverão receber duas demãos de tinta antiferruginosa à base de cromato de zinco, com espessura mínima de 25µm. Deverão receber, finalmente, pintura de acabamento na cor cinza claro, com espessura mínima de 50µm por camada, (mínimo 02 camadas) faixa de brilho 73, como previsto na Norma ANSI Z.55.1 n.º 70 (notação Munsell 5 OBG 7.0/04). Quanto da análise do padrão, o fabricante deverá informar as marcas e tipos das tintas utilizadas na pintura de proteção anti-corrosiva aplicada no padrão Composição Os padrões pré-fabricados deverão ser compostos com todos os materiais necessários à sua instalação como: - Ferragens; - Condutores; - Isoladores; - Fio de aterramento; - Haste de Aterramento; - Disjuntor Postes de sustentação Os padrões pré-fabricados montados sem eletrodutos externos, deverão ser construídos com postes de aço de seção circular ou quadrada, com postes de madeira ou postes de concreto; Os padrões pré-fabricados montados sem eletrodutos externos, deverão ser construídos com postes de aço de seção circular ou quadrada. Na tabela 03 do Anexo I estão definidas as características dos postes que devem ser empregados na montagem dos padrões pré-fabricados. O poste de aço com seção quadrada poderá ser fabricado com uma única chapa dobrada, ou com dois perfis U. Nos dois casos, as junções de chapas deverão receber solda a cada 30 cm, no máximo e ainda: Os postes deverão possuir marca indicadora de financiamento situada a 1100, 1200 e 1300 ± 50 mm da base, para os padrões de 5, 6 e 7 metros respectivamente. Os postes de aço devem ser galvanizados a quente ou confeccionados com chapas previamente galvanizadas nas bitolas e espessuras conforme a Tabela 03 do Anexo I; Capuzes de proteção para os postes de aço A extremidade superior dos postes de aço deve ser protegida por um capuz de proteção como a seguir especificado: Padrões com eletrodutos externos. O capuz poderá ser de metal ou PVC resistente à radiação solar. Poderá ser roscado ou NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 6 / 21

7 5. PROCEDIMENTOS SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS encaixado na extremidade do poste, exercendo apenas a função de proteção contra a entrada de água. (ver desenhos 1, 1 A, 2 e 3) Padrão sem eletrodutos externos O capuz deverá ser de PVC resistente à radiação solar. Deverá ser encaixado na extremidade do poste. No Anexo II está mostrado um exemplo de capuz para poste circular. Além de servir de proteção contra a penetração de água, o capuz também deve servir para permitir a entrada e saída dos condutores pelo interior do poste sem que haja contato deles com as arestas de ferro do poste. (ver desenhos 1 B, 2 A, 3 A) LIGAÇÃO DO PADRÃO A ligação do padrão à rede de distribuição será de competência exclusiva da CEMAT. As unidades consumidoras atendidas com padrões pré-fabricados que não estejam de acordo com esta Norma não serão ligadas. 6. AVALIAÇÃO DE PROTÓTIPO O fabricante poderá solicitar à CEMAT orientações técnicas no que tange à fabricação de caixas de medição e montagem de padrões pré-fabricados, dirigindo suas consultas à Gerência de Planejamento do Sistema GPS. 7. APROVAÇÃO NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 7 / 21

8 ANEXO I (TABELAS) TABELA 01 Limitações quanto às categorias de atendimento Tensão De Fornecimento Categoria de Atendimento Carga Instalada (KW) RAMAL DE ENTRADA COBRE 70º Eletroduto 750V ( - interno) (mm) (mm²) Disjuntor (A) Fases Característica de Atendimento Tensão disponível (V) N.º de Fios Potência Disponibilizada (KVA) 220/127V 380/220 V 254/127 V (MRT) M1 Até 5 10(10) (A) M2 De 5,1 até 7,5 16(16) (A) B1 De 7,6 até 10 10(10) (A) / B2 De 10,1 até 15 25(25) (B) / T1 De 15,1 até 23 16(16) (B) ou / T2 De 23,1 até 27 25(25) (B) / T3 De 27,1 até 38 35(35) (B) / M1 Até 10 10(10) (A) M2 De 10,1 até 13 16(16) (A) B1 De 13,1 até 22 16(16) (A) / B2 De 22,1até 26 25(25) (B) / T1 De 26,1 até 40 16(16) (B) ou / T2 De 40,1 até 50 25(25) (B) / M1 Até 4 6(6) (A) / Atendida por Trafo Monof. de 5 kva 6(6) (A) ou / Atendida por Trafo Monof. de 10 kva 10(10) (A) / Atendida por Trafo Monof. de 15 kva 16(16) (B) / Notas: (A) Encordoamento classe 1 (1 fio); (B) Encordoamento classe 2 (7 fios). NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 8 / 21

9 NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 9 / 21

10 NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 10 / 21

11 NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 11 / 21

12 NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 12 / 21

13 NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 13 / 21

14 NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 14 / 21

15 NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 15 / 21

16 NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 16 / 21

17 NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 17 / 21

18 NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 18 / 21

19 NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 19 / 21

20 NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 20 / 21

21 NTE ª Edição GPS/NT 08/11/2012 pág. 21 / 21

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal DDI/SCD/SED Maio/2010 Notas sobre esta revisão (maio/2010) Este manual, originalmente desenvolvido para Entrada

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de unidades consumidoras do Grupo

Leia mais

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido:

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido: MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0048 EQUIPAMENTOS 1/16 1. FINALIDADE

Leia mais

Padrão de entrada PCI-3

Padrão de entrada PCI-3 Padrão de entrada PCI-3 padrão de entrada Relação de Materiais Item Qtde. Un. Descrição 01 01 pç 02 Fornecido e instalado pela EDP 03 Variável m Poste com caixa incorporada tipo PCI-3 (ver nota 4) Ramal

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0049 ISOLADORES 1/19 1. FINALIDADE

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

Dispositivo metálico que exerce função mecânica e/ou elétrica em uma linha aérea.

Dispositivo metálico que exerce função mecânica e/ou elétrica em uma linha aérea. 11 / 05 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de engate concha garfo para utilização nas subestações de energia da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

Dispositivo metálico que exerce função mecânica e/ou elétrica em uma linha aérea.

Dispositivo metálico que exerce função mecânica e/ou elétrica em uma linha aérea. 10 / 05 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do engate concha olhal 90º para utilização nas Subestações da CEMAR. 2 CAMPO DE

Leia mais

CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO E PROTEÇÃO

CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO E PROTEÇÃO NORM 1. TÉNI IXS PR EQUIPMENTOS DE MEDIÇÃO E PROTEÇÃO DEPRTMENTO DE PLNEJMENTO E ENGENHRI DPE OJETIVO SISTEM DE DOUMENTOS NORMTIVOS SUSISTEM DE NORMS TÉNIS NORM DE I XS PR EQUIPMENTOS DE MEDIÇÃO E PROTEÇÃO

Leia mais

Item (Pág. 26) Foi inserida a Norma NR 10 Segurança em instalações e serviços em eletricidade.

Item (Pág. 26) Foi inserida a Norma NR 10 Segurança em instalações e serviços em eletricidade. O presente documento contém as alterações, correções e inclusões da versão anterior, contempladas na versão 1.2, que entrará em vigor a partir de 1º de novembro de 2014. TEXTO Item 10.3.2 (Pág. 26) Foi

Leia mais

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Redes de Distribuição de Baixa e Média Tensão CANOAS- RS MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO 1. OBJETIVO: Fornecer informações necessárias sobre os

Leia mais

MANUAL DE INFRA-ESTRUTURA MEDLIQ MMD1 CONDIÇÕES DE INFRA-ESTRUTURA INDISPENSÁVEIS PARA UMA CORRETA INSTALAÇÃO DO APARELHO MEDIDOR MEDILIQ MODELO MMD1.

MANUAL DE INFRA-ESTRUTURA MEDLIQ MMD1 CONDIÇÕES DE INFRA-ESTRUTURA INDISPENSÁVEIS PARA UMA CORRETA INSTALAÇÃO DO APARELHO MEDIDOR MEDILIQ MODELO MMD1. 1/5 CONDIÇÕES DE INFRA-ESTRUTURA INDISPENSÁVEIS PARA UMA CORRETA INSTALAÇÃO DO APARELHO MEDIDOR MEDILIQ MODELO MMD1. REQUISITOS INDISPENSÁVEIS: 1. Todas as linhas de tubulações, e caixas de passagem, deverão

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Especificação Sucinta de Caixa Modelo F5 Uso Externo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR.-00.198 2ª Folha 1 DE

Leia mais

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura 1. FINALIDADE MEMORIAL DESCRITIVO Fornecimento de energia elétrica a três edifícios da Universidade Federal do Sul da Bahia, com a sede sendo a Reitoria localizada na Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus Vitória

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 28/06/2005 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para manilhasapatilha utilizada nas Redes de Distribuição da Companhia Energética do

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-22/07/2014 05/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO. COREN Subseção de Floriano

MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO. COREN Subseção de Floriano MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO COREN Subseção de Floriano ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. NORMAS TÉCNICAS 3. DESCRIÇÃO DOS SITEMAS 3.1. Entradas de energia e telefone 3.2. Quadros de distribuição local 3.3. Dispositivos

Leia mais

Fornecimento Provisório de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Procedimento Interno Uso Exclusivo da Ampla)

Fornecimento Provisório de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Procedimento Interno Uso Exclusivo da Ampla) ITA - 010 Rev. 0 MAIO / 2005 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Fornecimento Provisório de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Procedimento Interno Uso Exclusivo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Não-Me-Toque Secretaria da Fazenda [daianeluisa] Anexo Itens Página : 1 de 4 Tomada de Preços N 9/2015 ITEM QTD UN ESPECIFICAÇÃO DO MATERIAL/SERVIÇO MARCA PR.UN TOTAL 1 3 UN CENTRO

Leia mais

Ferragem de rede aérea que se fixa numa superfície, em geral a face superior de uma cruzeta, na qual, por sua vez, é fixado um isolador de pino.

Ferragem de rede aérea que se fixa numa superfície, em geral a face superior de uma cruzeta, na qual, por sua vez, é fixado um isolador de pino. 26 / 07 / 2011 1 de 10 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pino de isolador para utilização nas Redes de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE

NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE 1- OBJETIVO Padronizar a estrutura de montagem da chave tripolar sob carga SF6 15 kv do fabricante Arteche. 2- APLICAÇÃO DO TIPOS DE MONTAGEM

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 2 Principais alterações: Quantidade de medições De 1 a 2 medições no mesmo terreno Norma Norma número 13 Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição De 3 a 12 medições Unidade consumidora pertencente

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 11 / 04 / 2013 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para Arruela Presilha, utilizados nas Redes de Distribuição da Companhia Energética

Leia mais

Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para cabo de aço utilizado nas Redes de Distribuição da CEMAR.

Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para cabo de aço utilizado nas Redes de Distribuição da CEMAR. 12 / 11 / 2012 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para cabo de aço utilizado nas Redes de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: INCÊNDIO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. Apresentação... 03 2. Extintores... 04 3. Iluminação de Emergência...

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m Proprietário: Secretaria de Estado de Goiás Autora: LUCIANA DUTRA MARTINS - Engenheira Eletricista - CREA_8646/D Sumário:

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 18 / 02 / 2014 1 de 8 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padronizam as dimensões e as características mínimas exigíveis para a haste de aterramento e acessórios utilizados nas Redes de Distribuição,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANGELO RS TIC Tecnologia da Informação e Comunicações Departamento de Processamento de Dados

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANGELO RS TIC Tecnologia da Informação e Comunicações Departamento de Processamento de Dados PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO ANEXO-I Especificação técnica mínimas dos serviços a serem realizados Projeto EDUCAR José Fioravante Schneider 09/09/2014 Página 1 de 14 ANEXO-I Especificação técnica

Leia mais

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT 1 OBJETIVO A presente Orientação Técnica altera e complementa as normas de fornecimento contemplando as mudanças ocorridas em conformidade com as alterações da REN 414/2010 da ANEEL, implementadas através

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 44/81 3. Deverão ser afixadas, com parafusos, placas identificando as chaves-facas com os dizeres FONTE, CARGA e BY PASS ; 4. Todos os reguladores de tensão deverão ser solidamente conectados ao neutro

Leia mais

Diretoria Técnica Planejamento e Engenharia Engenharia e Obra

Diretoria Técnica Planejamento e Engenharia Engenharia e Obra PADRÃO DE MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO COMUNICADO A Ampla Energia e Serviços S/A comunica que visando favorecer ao consumidor na construção de instalação para medição de energia em baixa

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 12 / 04 / 2013 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do poste de aço, com seção transversal quadrada, para utilização em padrões de entrada

Leia mais

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono.

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Definição ( montado): é uma combinação de dispositivos e equipamentos de manobra,

Leia mais

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA.

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. ENERGIA EM SUA CASA Recon BT/2013 Regulamentação para o Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Baixa Tensão CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. Regulamentação para

Leia mais

DIRETORIA FINANCEIRA CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO

DIRETORIA FINANCEIRA CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 01 CARRETEL DE MADEIRA PARA EXPORTAÇÃO FICAP OPTEL CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO ÁREA SIGLA DATA DISTRIBUIÇÃO Suprimentos Tecnologia Cabos Ópticos Fs Tto GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 1/18

Leia mais

2. TOMADA DE ENERGIA:

2. TOMADA DE ENERGIA: MEMORIAL DESCRITIVO DO POSTO DE TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA DA EMEII LUZIA MARIA DAIBEM FERRAZ DE ARRUDA RUA LUIZ MARCÍLIO BERNARDO, 03-160, NÚCLEO HABITACIONAL NOBUJI NAGASAWA O presente memorial descritivo

Leia mais

3 REFERÊNCIAS 4 DISPOSIÇÕES GERAIS

3 REFERÊNCIAS 4 DISPOSIÇÕES GERAIS Elaborador: Mário Sérgio de Medeiros Damascena ET - 05.117.01 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de pino de isolador para utilização

Leia mais

INSTRUÇÃO ÍNDICE. Revisão Data Natureza da Revisão APROVAÇÃO. Emissão inicial cancela e substitui a PRA-D-20098

INSTRUÇÃO ÍNDICE. Revisão Data Natureza da Revisão APROVAÇÃO. Emissão inicial cancela e substitui a PRA-D-20098 1/5 ÍNDICE ITEM TÓPICO I OBJETIVO 02 II ABRANGÊNCIA 02 III RESPONSÁVEIS 02 IV DOCUMENTOS RELACIONADOS 02 V NORMAS GERAIS 02 VI PROCEDIMENTOS 03 Revisão Data Natureza da Revisão APROVAÇÃO Emissão inicial

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTC 015

NORMA TÉCNICA NTC 015 COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA COCEL NORMA TÉCNICA 015 POSTE DE DIVISA Divisão de medição e fiscalização Emissão: 2015 Versão : 01/2015 1 2 Sumário 1. OBJETIVO... 4 2. INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES...

Leia mais

Foram projetados poços de aterramento com hastes de cobre e interligações feitas com solda exotérmicas e ligações mecânicas.

Foram projetados poços de aterramento com hastes de cobre e interligações feitas com solda exotérmicas e ligações mecânicas. SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. MEMORIAL DESCRITIVO... 4 2.1 SISTEMA DE ATERRAMENTO - CONCEPÇÃO... 5 2.2 SISTEMA DE ATERRAMENTO - MEDIÇÃO... 6 2.3 SISTEMA DE CAPTAÇÃO... 6 3. MATERIAIS APLICADOS... 7 3.1

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ZINCAGEM EM GERAL

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ZINCAGEM EM GERAL ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ZINCAGEM EM GERAL Código ETD-00.002 Data da emissão 11.01.1984 Data da última revisão 30.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições 4 Condições

Leia mais

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 CT-63 NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 Norma Técnica da AES Eletropaulo Diretoria de Planejamento, Engenharia

Leia mais

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I Folha: 0001 Objeto: Aquisição de Material de e Permanente(Material de Construção e Elétrico) 001 1190 Transformador em poste de 11,5 KVA-15KV, 60Hz alta tensão 1, ZKV, baixa tensão 0/17V. LOTE 001 / SETOR

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 01 / 04 / 2013 1 de 8 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso de cabeça quadrada utilizado nas Redes e Linhas de Distribuição da

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA

LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA Condições de atendimento Coordenação de Engenharia Gerência de Planejamento da Expansão e Engenharia da Distribuição

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 24/09/ 2013 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para o gancho olhal utilizadas nas Redes de Distribuição Aéreas da Companhia Energética

Leia mais

ENG2333 CONSTRUÇÃO CIVIL II

ENG2333 CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG2333 CONSTRUÇÃO CIVIL II Prof. Eng Civil Bruno Rocha Cardoso Aula 02: Instalações Elétricas O Projeto O trabalho do Eletricista não é um processo Contínuo 1) Eletrodutos ou Conduítes 1) Eletrodutos

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG GT

NORMA TÉCNICA CELG GT NORMA TÉCNICA CELG GT Padrões de Entrada Pré-Fabricados em Poste de Aço ou Concreto Especificação e Padronização NT-16 NT-16 / DT - SETOR DE ENGENHARIA DA TRANSMISSÃO 1 CELG GT GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A.

Leia mais

LINHA Bt100. Conjunto de Manobra e Controle de Baixa Tensão. Bt100

LINHA Bt100. Conjunto de Manobra e Controle de Baixa Tensão. Bt100 LINHA LINHA CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS Dimensões Altura: 2200mm., Largura: 700/900/1100mm., Profundidade: 400/600/800mm. Outras configurações conforme consulta; Estrutura fabricada em chapa de 1,90mm.

Leia mais

ANEXO II PLANILHA DE QUANTITATIVOS E PREÇOS DOS SERVIÇOS

ANEXO II PLANILHA DE QUANTITATIVOS E PREÇOS DOS SERVIÇOS 1 REDE ELÉTRICA 13105.8.6.1 ATERRAMENTO completo para pára-raios, com hastes de cobre com alma de UN 30,00 417,99 12.539,70 16120.3.2.1 aço tipo "Copperweld" Cabo de cobre nu (seção transversal: 25 mm²)

Leia mais

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA Recon BT_Energia em Casa_10x21.indd 1 12/22/15 3:31 PM

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA Recon BT_Energia em Casa_10x21.indd 1 12/22/15 3:31 PM ENERGIA EM SUA CASA Recon BT/2013 Regulamentação para o Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Baixa Tensão CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. 499-008 Recon BT_Energia

Leia mais

PROPOSTA DE PADRONIZAÇÃO PARA SPDA

PROPOSTA DE PADRONIZAÇÃO PARA SPDA GGO GRUPO GESTOR DE OBRAS CPO COORDENADORIA DE PROJETOS DE OBRAS Rua Bernardo Sayão, 38 - Térreo - Cidade Universitária Zeferino Vaz - Campinas/SP PROPOSTA DE PADRONIZAÇÃO PARA SPDA Cidade Universitária,

Leia mais

FINALIDADE RAMO DE ATIVIDADE. Pré-moldados CARGA INSTALADA

FINALIDADE RAMO DE ATIVIDADE. Pré-moldados CARGA INSTALADA FINALIDADE Este memorial refere-se ao projeto(de acordo com a NT-002/2011 R03 da COELCE) de implantação de uma subestação aérea de 225kVA, atendendo à BM Pré-Moldados LTDA. Localidade:, Rodovia BR 222,

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ESTIMATIVA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ESTIMATIVA MÊS DE REFERÊNCIA DOS S: MAIO / 2009 ITEM MATERIAL UN QUANT. 1 REDE DE DISTRIBUIÇÃO: Rede de distribuição a ser executada parte no sistema embutido e parte no sistema aparente com eletroduto de pvc, fiação,

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 004/2013 GERÊNCIA ADMINISTRATIVA TERMO DE REFERÊNCIA LOTE 2 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 004/2013 GERÊNCIA ADMINISTRATIVA TERMO DE REFERÊNCIA LOTE 2 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS LOTE 2 EDITAL DE LICITAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO MOBILIÁRIO DIRETORIA 1 MESAS COM TAMPO DE MADEIRA 1.1 MESA PRINCIPAL COM TAMPO DE MADEIRA C/ DETALHE EM COURO - O Tampo da mesa deverá ser confeccionado em

Leia mais

APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS

APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS A Apolo Tubos e Equipamentos S.A, fundada em 1938 na cidade do Rio de janeiro, foi a primeira empresa industrial do Grupo Peixoto de Castro. Pioneira no Brasil na fabricação

Leia mais

ITENS EXIGIDOS PELA OPERADORA TUBULAÇÃO DE ENTRADA SUBTERRÂNEA

ITENS EXIGIDOS PELA OPERADORA TUBULAÇÃO DE ENTRADA SUBTERRÂNEA Readequação do DG TUBULAÇÃO DE ENTRADA SUBTERRÂNEA Instalar tubo galvanizado 50 mm ( subida de lateral ) com ( 3 ) três amarrações com fita galvanizada ou arame galvanizado ( 8 voltas ); Utilizar PVC rígido

Leia mais

CISCEA. Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo PÁGINA: PLANILHA QUANTIDADE /ORÇAMENTÁRIA. 1 de 5 DATA:

CISCEA. Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo PÁGINA: PLANILHA QUANTIDADE /ORÇAMENTÁRIA. 1 de 5 DATA: 1 de 5 01.00.000 SERVIÇOS TÉCNICOS-PROFISSIONAIS 01.02.000 GEOTECNIA 01.02.107 Medição de resistividade do solo.01 - Ponto de medição com 5 níveis (2, 4, 8, 16 e 32)m un 10,00 01.03.000 ESTUDOS E PROJETOS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: janeiro/2004 FOLHA : 1 / 7 OBS : 1 Dimensões

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE PREÇO UNITÁRIO

COMPOSIÇÃO DE PREÇO UNITÁRIO 8.13.1.1 FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE CORDOALHA DE ALUMÍNIO NÚ, SEÇÃO NOMINAL #70MM2 M EQUIPAMENTOS UND QUANT OPER IMPROD (A) DE EQUIPAMENTOS - SALÁRIO MÃO-DE-OBRA SUPLEMENTAR UND COEFICIENTE BASE H 0,8400000

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SINALIZAÇÃO VERTICAL Página 1 de 5 1. OBJETIVO Esta especificação técnica fixa condições exigíveis para o fornecimento de placas de regulamentação, advertência ou indicativas para sinalização vertical

Leia mais

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA.

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 008

Especificação Técnica de Projeto Nº 008 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 008 Especificação Técnica de Projeto Nº 008 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 24/09/2013 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para porcaolhal utilizada nas Redes de Distribuição da Companhia Energética do Maranhão

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. CAIXA DE MEDIÇÃO EM 34, kv 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Praça da Biblia R22 e R23, Centro Sinop/MT. Sinop/MT,30 de julho de 2014

MEMORIAL DESCRITIVO. Praça da Biblia R22 e R23, Centro Sinop/MT. Sinop/MT,30 de julho de 2014 MEMORIAL DESCRITIVO ASSUNTO: Projeto de instalações elétricas para implantação de iluminação pública nas dependências internas da Praça da Biblia Quadra R22 e R23 com a instalação de projetores embutidos

Leia mais

ELETRODUTOS E CONEXÕES DE AÇO

ELETRODUTOS E CONEXÕES DE AÇO ELETRODUTOS E CONEXÕES DE AÇO Eletrodutos Rígidos e Conexões PréZincados (Equivalente à Norma NBR 07) Os Eletrodutos e Conexões PréZincados são produzidos para serem aplicados na proteção de Fabricados

Leia mais

CT Caixas de Policarbonato para Padrão de Entrada de Baixa Tensão com Leitura Voltada para a Via Pública. Comunicado Técnico

CT Caixas de Policarbonato para Padrão de Entrada de Baixa Tensão com Leitura Voltada para a Via Pública. Comunicado Técnico CT - 67 Caixas de Policarbonato para Padrão de Entrada de Baixa Tensão com Leitura Voltada para a Via Pública Comunicado Técnico Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos Página 2 de 24 FOLHA

Leia mais

Remoção de entulho de obra com caçamba metálica - material volumoso misturado por alvenaria, terra, madeira, papel, plástico e metal. total 10.

Remoção de entulho de obra com caçamba metálica - material volumoso misturado por alvenaria, terra, madeira, papel, plástico e metal. total 10. PREFEITURA MUNICIPAL ARTUR NOGUEIRA PREFEITURA PREFEITURA MUNICIPAL MUNICIPAL ARTUR FONTE CÓDIGO ÍTEM SCRIÇÃO UNID. QUANT. VALOR VALOR TOTAL 1- Serviço Preliminar 20308 1.1 Fechamento provisório de vãos

Leia mais

Caixa de passagem e ligação

Caixa de passagem e ligação Caixa de passagem e ligação AR14 A prova de tempo e jatos potentes d água Características Construtivas Caixa de passagem e ligação fabricada em liga de alumínio fundido copper free de alta resistência

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE FIXAÇÃO. Francisco Ceará Barbosa, Amarais - Campinas - SP fibralit.com.br

RECOMENDAÇÕES DE FIXAÇÃO. Francisco Ceará Barbosa, Amarais - Campinas - SP fibralit.com.br Francisco Ceará Barbosa, 89 - Amarais - Campinas - SP -.08-00 - fibralit.com.br Fone: 9 000-0800 0 0809 - Fax: 9 - fibralit@fibralit.com.br ORIENTAÇÃO DE COMO PROCEDER NA ESTRUTURAÇÃO E FIXAÇÃO DE PLACAS

Leia mais

2 Condutores Elétricos

2 Condutores Elétricos 2 Condutores Elétricos 2.1 Introdução O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada de sua instalação e da carga a ser suprida. Um condutor mal dimensionado, além de implicar

Leia mais

Bairro: Zona Rural N e data da ART de projeto: N e data da art de execução:

Bairro: Zona Rural N e data da ART de projeto: N e data da art de execução: P A R A Carga Instalada: Demandas: 86,6 kw KW: 52 KVA: 56 U S O D A C E M I G Desenho: Conteúdo: Cálculo de demanda, carga instalada, situação, diagrama unifilar, quadro de medidores, dimensionamentos

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; frequência nominal; potência ou

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICO

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICO 1 Introdução UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICO O aterramento é, por definição, a conexão física com o solo efetuada com o auxílio de materiais condutores de

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIA - 220/127 V

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIA - 220/127 V MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIA - VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA R2 01/02/2011 ITEM ASSUNTO PÁGINA 01 FINALIDADE... 02 02 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 02 03 CONCEITOS

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO TÍTULO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-06//2009 06//2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior TÍTULO SUMÁRIO. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE

CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos fios existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor do núcleo dos átomos. Quando uma força,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA BALCÃO POLIVALENTE BP ERG-01 REVOGA: REVOGA DESENHO: DT-486/6 CÓDIGO ERP: ORGÃO DEMANDANTE: DERAT

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA BALCÃO POLIVALENTE BP ERG-01 REVOGA: REVOGA DESENHO: DT-486/6 CÓDIGO ERP: ORGÃO DEMANDANTE: DERAT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA BALCÃO POLIVALENTE NÚMERO: 152001 DESENHO: EMISSÃO: JULHO/2015 VALIDADE: JULHO/2020 REVOGA: 112048 REVOGA DESENHO: DT-486/6 CÓDIGO ERP: 10050463-9 ORGÃO DEMANDANTE: DERAT APLICAÇÃO:

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO VENTILADOR DE TETO MODELOS: SUNNY, SUNNY CONTR FHARO Obrigado por adquirir o. Antes de utilizar o seu produto leia atentamente este manual de instruções. Após a leitura guarde-o em local seguro para consultas

Leia mais

A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A

A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D E C O N S T R U Ç Ã O D E S U B E S T A Ç Õ

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO VENTILADOR DE TETO MODELO: Obrigado por adquirir o. Antes de utilizar o seu produto leia atentamente este manual de instruções. Após a leitura guarde-o em local seguro para consultas futuras. Este aparelho

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0007 ACESSÓRIOS E FERRAGENS DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B

Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Prof. Marcos Fergütz fev/2014 - O Surto - Geração da Sobretensão(Surto): Descarga Atmosférica (raio) Direta; Indução por descarga

Leia mais

Índice. N.Documento: Categoria: Versão: Aprovado por: Data Publicação: Página: 11518 Instrução 1.1 Ronaldo Antônio Roncolatto 03/07/2008 1 de 13

Índice. N.Documento: Categoria: Versão: Aprovado por: Data Publicação: Página: 11518 Instrução 1.1 Ronaldo Antônio Roncolatto 03/07/2008 1 de 13 Índice 1. OBJETIVO...3 2. CAMPO DE APLICAÇÃO...3 3. TERMINOLOGIA...3 4. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...3 5. CONDIÇÕES GERAIS...4 6. TRANSFORMADOR...4 Condições Normais de Funcionamento... 4 Potências

Leia mais

FOLDER JJ BARROSO LTDA - ME

FOLDER JJ BARROSO LTDA - ME FOLDER Item 01: Mesa reunião redonda Mesa reunião para restaurante com diâmetro de 900 mm e altura de 750 mm com apoio. Tampo em MDF, com espessura de 25 mm, revestida com laminado melamínico de baixa

Leia mais

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00014/2015

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00014/2015 13/01/2016 COMPRASNET O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO Pregão Eletrônico Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00014/2015 Às 16:55 horas do dia 28 de dezembro de 2015, após constatada a regularidade

Leia mais

Projeto Instalação Sala 3D v. 1.0 Pearson Sistemas do Brasil

Projeto Instalação Sala 3D v. 1.0 Pearson Sistemas do Brasil / 2 v..0 Pearson Sistemas do Brasil Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág./2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6) 3603 9272 2/ 2

Leia mais

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas de Transição Rede Compacta Rede Nua com Para-Raios 6.1. Estrutura CE3.N3

Leia mais

1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO. Aplica-se ao Departamento de Gestão Técnica Comercial, fabricantes e fornecedores da empresa. 3.

1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO. Aplica-se ao Departamento de Gestão Técnica Comercial, fabricantes e fornecedores da empresa. 3. MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-321.0016 MEDIDOR ELETRÔNICO MULTIFUNÇÃO PARA MEDIÇÃO INDIRETA PARA CLIENTES DO GRUPO B 1/9 1. FINALIDADE Estabelecer

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE II - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE II - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE II - Teoria) Projeto Elétrico TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA MARINHO CONCEITOS INICIAIS

Leia mais

UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO. Módulo 2

UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO. Módulo 2 UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO Módulo 3 Módulo FRENTE MEDIDAS: Comprimento Total 2,0 m Comprimento módulo, m Comprimento módulo 2,00 m Comprimento módulo 3,0 m Largura 2,3 m

Leia mais

PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS

PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS P.UNIT.S/ P.UNIT.C/ ITEM DISCRIMINAÇÃO UNID QUANT ITEM S/ BDI ITEM C/BDI BDI BDI 1 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 Terreno 1.1.1 Limpeza do terreno m2 24,99 1.1.2 Locação da obra m2 24,99 1.2 Ligações provisórias

Leia mais

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ESCADAS ROLANTE PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ESCADAS ROLANTE PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ESCADAS ROLANTE PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ Secretaria

Leia mais

1.1 Apresentação 1.2 Assistência técnica 1.3 Inspeção no ato do recebimento 1.4 Especificações técnicas. 2.1 Introdução 2.

1.1 Apresentação 1.2 Assistência técnica 1.3 Inspeção no ato do recebimento 1.4 Especificações técnicas. 2.1 Introdução 2. ÍNDICE SEÇÃO 1 Dados Gerais 1.1 Apresentação 1.2 Assistência técnica 1.3 Inspeção no ato do recebimento 1.4 Especificações técnicas SEÇÃO 2 Funcionamento 2.1 Introdução 03 2.2 Funcionamento 03 SEÇÃO 3

Leia mais