Cartão Universitário Inteligente. Cartão Universitário Inteligente Visão. Versão <1.0>

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cartão Universitário Inteligente. Cartão Universitário Inteligente Visão. Versão <1.0>"

Transcrição

1 Cartã Universitári Inteligente Cartã Universitári Inteligente Visã Versã <1.0>

2 Revisões Data Versã Descriçã Autr <20/jun/2002> <1.0> Versã para avaliaçã d prte d prjet Fátima, Cláudi para reuniã cm BANESPA em 21/8/02 Tabela de Cnteúd 1. Intrduçã 1.1 Objetiv d dcument 1.2 Escp d dcument 1.3 Definições e Abreviações 1.4 Referências 2. Psicinament 2.1 Mtivaçã d prjet 2.2 Prblema atual 2.3 Cnceituaçã d Prdut 3. Envlvids/Interessads e Usuáris d Prdut 3.1 Envlvids 3.2 Usuáris (prtadres d Cartã Universitári Inteligente) 3.3 Ambiente atual d Usuári 3.4 Alternativas para prjet 4. Visã Geral d Prjet 4.1 Perspectiva d Prdut 4.2 Premissas e Dependências 5. Restrições 6. Precedência e Priridade 7. Outrs Requisits d Prdut 7.1 Padrões Aplicáveis 8. Requisits de Dcumentaçã <CGI-Prefeitura/Unicamp>, 2

3 1.Intrduçã Visã 1.1Objetiv d dcument O bjetiv deste dcument é frnecer dads para avaliaçã de viabilidade d prjet de implantaçã d Cartã Universitári Inteligente na Universidade Estadual de Campinas em cnjunt cm BANESPA S.A., cnfrme aditiv a Instrument Particular de Prestaçã de Serviçs de Emissã e Administraçã d Cartã Afinidade BANESPA Visa, prcess 01 P Escp d dcument Este dcument se refere a prjet de implantaçã d Cartã Universitári Inteligente na Universidade Estadual de Campinas. O Cartã Universitári Inteligente pderá receber, pela capacidade d chip e d códig de barras, além d medeir eletrônic Visacash, várias utras funções cm identificaçã universitária, integraçã de sistemas na área de biblitecas, acess físic, acess lógic a aplicativs acadêmics, médics, cntrle de restaurantes, lanchnetes, cantinas, livraria, entre utrs. O Cartã Universitári Inteligente, de acrd cm a pçã de seu prtadr, pderá ter também funções financeiras utilizand a platafrma de sluções d própri banc u através de interface cm a família Visa de prduts financeirs. 1.3Definições e Abreviações Prdut Cartã Universitári Inteligente Unicamp Universidade Estadual de Campinas Smartcard - Cartã Inteligente CDI Cmissã Diretra de Infrmática CGI Crdenadria Geral de Infrmática DAC Diretria Acadêmica DGRH Diretria Geral de Recurss Humans BC Bibliteca Central HC Hspital das Clínicas RA Restaurante Administrativ RU Restaurante Universitári FAEP Fund de Api a Ensin e Pesquisa COTUCA Clégi Técnic de Campinas COTIL Clégi Técnic de Limeira CCUEC Centr de Cmputaçã da Unicamp DGA Diretria Geral da Administraçã FUNCAMP Fundaçã de Desenvlviment da Unicamp Banespa BANESPA S.A. - Serviçs Técnics, Administrativs e de Crretagem de Segurs. <CGI-Prefeitura/Unicamp>, 3

4 VISA ELECTRON serviç de pagaments através de lançament a débit em cnta crrente bancária, que integra estabeleciments cmerciais sinalizads cm a marca Electrn, prestadres de serviçs e Bancs filiads, que peram segund as regras e prcediments definids pela VISA para serviç Visa Electrn. MOEDEIRO ELETRÔNICO VISA CASH serviç de pagaments através de lançament a débit em cartã plástic cm chip eletrônic recarregável que tenha sald financeir previamente armazenad, e que integra estabeleciments cmerciais sinalizads cm a marca VisaCash, prestadres de serviçs e bancs assciads, que peram segund as regras e prcediments definids pela VISA para serviç VisaCash. REDE PLUS rede de equipaments eletrônics instalads e mantids pel Sistema Visa, passíveis de acess através d Cartã Universitári Inteligente, para efetivaçã de saques em meda crrente nacinal, quand utilizad na funçã de cartã bancári. CHEQUE ELETRÔNICO sistema de débit em cnta crrente bancária, que integra estabeleciments cmerciais, prestadres de serviçs e bancs filiads, que peram segund as regras e prcediments definids pela Tecnlgia Bancária S/A. 1.4Referências Aditiv a Instrument particular de prestaçã de serviçs de emissã e administraçã d cartã afinidade BANESPA VISA prcess 01 P Prpsta de Nva Identificaçã Funcinal e Estudantil para a Unicamp. Implantaçã d Cartã Universitári Inteligente dcument frnecid pel Banespa Psicinament 2.1Mtivaçã d prjet Este prjet prevê a implantaçã de cartões inteligentes (smart-cards) na Unicamp que permitirá à Universidade um salt de qualidade em terms de mdernidade n cntrle ds serviçs que presta a cmunidade e ns prcediments de cntrle de acess em instalações de acess restrit. Exempls sã seu us nas biblitecas, n cntrle de entrada e saída de veículs n campus e em labratóris de ensin e pesquisa, dentre utrs. Esta iniciativa vai a encntr da tendência atual de universalizar s mecanisms de segurança e privacidade exigids nas empresas cmbinads, em alguns cass, cm s já dispníveis pelas instituições financeiras. 2.2Prblema atual A existência de uma multiplicidade de cartões cm diversas finalidades afeta s administradres e s usuáris que pr vezes têm que prtar mais de um cartã para utilizar s serviçs dispníveis para a cmunidade universitária u mesm adentrar em determinadas instalações de frma segura. Cm cartã inteligente únic, usuári pde acessar s serviçs dispníveis para a cmunidade universitária de frma segura e permite cntrle de acess às instalações da Universidade de frma padrnizada. <CGI-Prefeitura/Unicamp>, 4

5 2.3Cnceituaçã d Prdut Inicialmente, s cartões inteligentes fram intrduzids na Eurpa na década passada send utilizads para pagaments de chamadas telefônicas cm bjetiv de reduzir crrências de furt. Na medida em que as tecnlgias baseadas em chips evluíram, as pessas encntraram nvas frmas de utilizaçã. O Cartã Inteligente, na mairia ds cass, é muit semelhante na sua frma e tamanh a um cartã de crédit cnvencinal de plástic cm tarja magnética. A grande diferença é que ele embute um micr prcessadr cm memória que armazena váris tips de infrmações na frma eletrônica e cm sfisticad mecanism de segurança. Cartões magnétics pdem se cmunicar cm uma leitra u um receptr em uma de duas frmas: - Cartões Inteligentes de cntat - requerem a inserçã em um dispsitiv de leitura. - Cartões inteligentes sem cntat - requerem smente a prximidade de uma antena. Existe ainda tip cmbinad, versã que incrpra as duas tecnlgias anterires. Os chips utilizads em tds estes cartões pdem ser de duas categrias: chips micrprcessadres e chips de memória. Um chip de memória pde ser vist cm um pequen disc flppy cm segurança pcinal. Cartões cm memória pdem armazenar de 103 bits a 16k bits de dads. Eles sã mais barats que cartões cm micrprcessadr, mas cm mens pções de segurança e pr iss, dependem da segurança da leitra de cartões para seu prcessament. Um chip micrprcessadr pde adicinar, eliminar e manipular infrmações na sua memória. Ele pde ser vist cm um cmputadr em miniatura cm entrada e saída, sistema peracinal e disc rígid. Estã dispníveis em arquitetura de 8, 16 e 32 bits. Sua capacidade de armazenament é de 330 bytes a 32Kb. O Cartã Inteligente utiliza micrprcessadr residente n cartã para armazenar e prcessar dads, efetuar cálculs, gerenciar arquivs e executar algritms de criptgrafia. Sua memória pde ser reutilizada regravand pr cima ds dads existentes. Aplicações usuais: s cartões inteligentes têm sid empregads em td mund nas seguintes áreas/setres: telefnia, plans de saúde, identificaçã/autenticaçã, militar, meda digital u eletrônica, cntrle de acess, cmérci eletrônic, cartões de crédit, universidades, hspitais, bancs e financeiras, agências de viagem e turism, cmpanhias aéreas, estacinaments, cmpanhias de segur e prgramas de fidelidade. De acrd cm levantaments recentes, mercad de cartões inteligentes irá crescer de 4.7 bilhões para 6.8 bilhões em td mund. Cartões Inteligentes sã diferentes ds cartões magnétics cmuns quant à sua capacidade de prcessar e armazenar dads. Os cartões inteligentes utilizam sfisticads aplicativs de prcessament de dads, fazend cm que sejam mais cnfiáveis d que cartã magnétic. As vantagens d Cartã Inteligente cm relaçã a cartã magnétic cmum sã: - Prprcina funções de segurança, tais cm, criptgrafia e assinatura eletrônica. - Armazena até 100 vezes mais infrmações d que s cartões magnétics cmuns. Alguns cartões inteligentes cntêm 4 K bits de memória cm padrã. - Reduz a adulteraçã e falsificaçã através de mecanisms de alta segurança. - Descartável u reutilizável. <CGI-Prefeitura/Unicamp>, 5

6 - Executa múltiplas funções, cm um cartã de débit, cartã de crédit e Identidade Pessal. - Pssui ampla faixa de aplicações (pr exempl, bancárias, transprte e saúde). - Cmpatível cm dispsitivs eletrônics prtáteis (pr exempl, PCs e telefnes móveis). - Incrpra rapidamente desenvlviment da tecnlgia de semicndutres. Cartões inteligentes pdem prcessar dads dinamicamente. Cartões multifuncinais alcam a memória d cartã em seções independentes alcadas a funções u aplicações específicas. Dentr d cartã existe um micrprcessadr u micr-cntrladr que gerencia a memória e acess as arquivs. Este tip de chip é semelhante àqueles encntrads dentr de tds s cmputadres pessais e quand implantads em um cartã inteligente, gerencia dads em estruturas de arquivs rganizadas através d sistema peracinal d cartã (COS card perating system). Diferente de utrs sistemas peracinais este sftware cntrla acess à memória d cartã d usuári. Esta funcinalidade permite que múltiplas e diferentes funções e/u aplicações residam n cartã, permitind que diferentes negócis insiram e mantenham uma diversidade de prduts através d cartã. Um exempl dist é um cartã de débit que também permite cntrle de acess a um campus universitári. A tecnlgia permite a atualizaçã de infrmações sem a trca da base de cartões já implantada, simplificand enrmemente prgrama de mudanças e reduzind custs. Para usuári d cartã, multifuncinalidade significa mair cnveniência e segurança e finalmente a cnslidaçã de diverss cartões em um únic cartã que serve a diferentes prpósits. 3.Envlvids/Interessads e Usuáris d Prdut 3.1Envlvids Nme Pró-Reitria de Desenvlviment Universitári BANESPA Respnsabilidades Articular s recurss necessáris à execuçã d prjet junt à Reitria e a Cnselh Universitári. Mediar as questões institucinais relacinadas a prjet junt as seus usuáris: funcináris, aluns e dcentes. Intermediar as relações entre Banespa e Unicamp. Emitir s cartões inicialmente. Prver a emissã de nvs seja para s nvs usuáris u para repsiçã em cas de perdas e dans. Prver s recurss financeirs acrdads em cntrat cnfrme prcess P <CGI-Prefeitura/Unicamp>, 6

7 Cmitê Crdenadr Desenvlver trabalh detalhad cntempland aspects técnics relacinads à arquitetura, funcinalidade e interfaces cm utrs equipaments da Universidade, que garantam a integraçã ds sistemas e padrnizaçã ds prduts nã bancáris incluíd n cartã; s levantaments, estuds e ações que se façam necessáris para a cnsecuçã da implantaçã d prjet. Indicar a equipe técnica de execuçã d prjet. Prpr plíticas que envlvem us d Cartã Universitári Inteligente na Unicamp para aprvaçã superir. Mediar as questões relacinadas cm as atividades sb a respnsabilidade d Banespa. CGI/CDI Mediar as decisões d prjet e acmpanhar a sua execuçã, emitind relatóris gerenciais. Pró-Reitria de Extensã Mediar as questões institucinais relacinadas a prjet junt as aluns de extensã e ds clégis técnics. Pró-Reitria de Graduaçã Mediar as questões institucinais relacinadas a prjet junt as aluns de graduaçã. Pró-Reitria de Pós-Graduaçã Mediar as questões institucinais relacinadas a prjet junt as aluns de pós-graduaçã. DAC Validar cartã cm relaçã às características e funções inicialmente previstas n dcument de Prpsta da Nva Identidade Funcinal e Estudantil para a Unicamp. Atuar junt a prcess de captura de dads ds aluns para envi ds dads a Banespa. DGRH Validar cartã cm relaçã às características e funções inicialmente previstas n dcument de Prpsta da Nva Identidade Funcinal e Estudantil para a Unicamp. Atuar junt a prcess de captura de dads ds funcináris e dcentes para envi ds dads a Banespa COTUCA e COTIL Validar cartã cm relaçã às características e funções inicialmente previstas n dcument de Prpsta da Nva Identidade Funcinal e Estudantil para a Unicamp. Atuar junt a prcess de captura de dads ds aluns de ensin técnic/médi para envi ds dads a Banespa HC Validar cartã cm relaçã às características e funções inicialmente previstas n dcument de Prpsta da Nva Identidade Funcinal e Estudantil para a Unicamp. <CGI-Prefeitura/Unicamp>, 7

8 Prefeitura Validar cartã cm relaçã às características e funções inicialmente previstas n dcument de Prpsta da Nva Identidade Funcinal e Estudantil para a Unicamp. CCUEC Gerenciar prjet de implantaçã d Cartã Universitári Inteligente n restaurante da Unicamp. Estabelecer prcediment e desenvlver as aplicações necessárias para identificaçã, lcalizaçã, btençã e rganizaçã ds dads a serem enviads para Banespa para a emissã ds cartões. Estabelecer prcediment de crreçã ds dads, cas seja necessári, cm resultad d prcess de cnsistência n Banespa. Atuar junt à empresa cntratada para desenvlviment ds aplicativs específics das leitras, assimiland cnheciment para divulgaçã e treinament de técnics da Universidade para futuras manutenções e nvs desenvlviments lcais. DGA Realizar a aquisiçã ds equipaments de api necessáris para a implantaçã d cartã universitári inteligente. Centralizar frneciment ds dads ds funcináris de serviçs terceirizads em tda a Universidade. BC Validar cartã cm relaçã às características e funções inicialmente previstas n dcument de Prpsta da Nva Identidade Funcinal e Estudantil para a Unicamp. Funcamp Frnecer s dads ds funcináris Funcamp. 3.2Usuáris (prtadres d Cartã Universitári Inteligente) - Aluns: graduaçã, pós-graduaçã (strict sensu, lat sensu, pós-dutrad), curss de extensã, curs de especializaçã mdalidade extensã, ensin técnic/médi, curss seqüenciais, aluns especiais e aluns à distância. - Servidres: dcente, funcinári, apsentad dcente estatutári, apsentad funcinári estatutári, funcinári Funcamp. - Médic residente - Externs: apsentad CLT, aprimrands, prfessr clabradr vluntári, prfessr participante/visitante, cmissinads, estagiári FAEP, guardinha, patrulheir, serviçs terceirizads, utrs (visitantes, representantes, serviçs prestads, curss de enfermagem/auxiliar HC). 3.3Ambiente atual d Usuári Cntrle de Freqüência O apntament d hrári é feit manualmente na entrada e saída via cartã papel. <CGI-Prefeitura/Unicamp>, 8

9 Cntrle de acess as restaurantes A ppulaçã ingressante n RU e RA (n RA só se aceita pagaments cm vales) está dividida nas seguintes categrias: - Funcináris dcentes e nã dcentes - Estudantes - Patrulheirs e mensageirs - Pessas que trabalham em empresas prestadras de serviç dentr da Universidade (terceirizadas, bancs, crreis, etc.) - Filhs de funcináris u filhs de estudantes - Visitantes - Participantes de events (cngress) O ingress de pessas cm víncul UNICAMP e FUNCAMP é feit mediante a apresentaçã de identidade funcinal/estudantil, cm pagament n caixa d valr estipulad para funcinári/estudante u cm a entrega de vale refeiçã. Para funcinári é feit descnt em flha d valr ds vales slicitads. Para estudante a venda ds vales é antecipada. O ingress de Patrulheirs e Mensageirs, unifrmizads, é feit mediante a entrega de vale-refeiçã (gratuit) O ingress de pessas que trabalham em empresas prestadras de serviç é feit mediante a apresentaçã de carteira de cnvêni emitida pela Prefeitura e a entrega d vale-refeiçã. O valr é descntad d cntrat firmad cm a terceirizada (Limpeza) u venda antecipada ns demais cass. O ingress de filhs de funcináris / estudantes é acmpanhad d pai/mãe e entrega d vale. O ingress de visitantes é feit mediante a apresentaçã de autrizaçã emitida pela Prefeitura e pagament d valr estipulad para visitantes. O ingress de participantes de events é feit mediante a apresentaçã d vale-refeiçã. a venda é antecipada Cntrle de acess e cntrle de empréstims nas biblitecas Para cntrle de acess a funcináris: funcinári da BC passa cartã funcinal atual na leitra para liberaçã da abertura da prta; a prta é liberada de acrd cm a categria d funcinári e períd esclar. Para empréstims, devluçã e reservas de itens bibligráfics: leitr u usuári é autrizad para a transaçã de acrd cm uma identificaçã específica cntida n Cartã Leitr de papel emitid e cntrlad pelas biblitecas. Este prcess está send alterad para se adequar a Módul de Circulaçã d Sistema Integrad de Funções Virtua. Para guarda de vlumes: usuári apresenta a identificaçã estudantil u funcinal para requisitar uma chave para armári de guarda-vlumes. Cntrle de acess a restaurante d HC O cntrle de acess de usuáris (aluns, dcentes, funcináris Unicamp e Funcamp, externs) a restaurante d HC é feit utilizand a leitura d códig de barra da identidade funcinal atual, cuja identificaçã é validada pel aplicativ da leitra da catraca. <CGI-Prefeitura/Unicamp>, 9

10 Mradia Estudantil Atualmente nã existe um cntrle frmal de entrada na Mradia Estudantil. 3.4Alternativas para prjet Quant as recurss financeirs: Implantaçã d prjet sem s recurss frnecids pel Banespa. Quant a desenvlviment das aplicações necessárias: desenvlviment intern e/u cntrataçã de uma empresa externa. Quant a layut d cartã: O Banespa apresentu algumas alternativas que fram submetidas a Reitr que sugeriu uma delas; Banespa ainda estuda a pssibilidade de reduzir a presença marcante d lg Visa, atendend a slicitações d Cmitê Crdenadr. 4.Visã Geral d Prjet 4.1Perspectiva d Prdut Em Universidades Cartã é utilizad para se pder acessar diverss serviçs tais cm: - lcais de atividade esprtiva: clubes e academias - cntrle de acess a instalações de acess restrit e/u cntrlad - biblitecas - serviçs cmputacinais e cnexã - restaurantes - mradia estudantil - serviçs financeirs e bancáris - transprtes - pagament de taxas e mensalidades - serviçs de impressã e reprduçã de dcuments, entre utrs. Na Unicamp, Cartã Universitári Inteligente pretende cntemplar s seguintes usuáris: - Aluns (carteira estudantil): graduaçã, pós-graduaçã strict sensu, pós-graduaçã lat sensu, pós-graduaçã pós-dutrad, curs de extensã, curs de especializaçã mdalidade extensã, ensin técnic/médi, curss seqüenciais. - Funcináris (identidade funcinal): dcente, funcinári, apsentad dcente estatutári, apsentad funcinári estatutári, funcinári FUNCAMP. - Médic residente (identidade funcinal médic residente) - Outrs: apsentad CLT, aprimrands, prfessr clabradr vluntári, prfessr participante/visitante, cmissinads, estagiári FAEP, guardinha, patrulheir, serviç terceirizad (limpadras, vigilante, segurança) e utrs (visitante, representantes, serviçs prestads, curs enfermagem/auxiliar HC). Os dads de identificaçã que estarã cdificads n cartã sã: - Dads de identificaçã visual cnfrme prcess P , fls 33: Nme e ftgrafia d prtadr, em frente d cartã; <CGI-Prefeitura/Unicamp>, 10

11 Identificaçã e carg funcinal (alun, prfessr u servidr pcinal); Númer de identificaçã d cartã e praz de validade; Lgtip da Unicamp, d Banespa, da Visa Internacinal, da Visa Electrn, d medeir eletrônic Visa Cash, da rede Plus e Banc 24 Hras; Chip eletrônic cm múltiplas funções, incluind medeir eletrônic; Outras funções que sejam técnica e ecnmicamente viáveis. - Dads de cdificaçã: cdificaçã em barras n padrã 2-de-5 entrelaçad cntend: Tip (1 dígit numéric) Categria (2 dígits) Códig de identidade (8 dígits) Númer de via (2 dígits) Dígit cntrladr (1 dígit) Prcediments que serã revisads cm a utilizaçã d Cartã Universitári Inteligente: - Cntrle de Freqüência prevend a integraçã cm módul Rnda d Sistema VetrH. - Cntrle de acess as restaurantes. - Cntrle de acess e cntrle de empréstims nas biblitecas prevend a integraçã cm Sistema Virtua, módul de Circulaçã. - Cntrle de acess às instalações d HC 4.2Premissas e Dependências Em funçã das respnsabilidades determinadas na tabela d item 3.1 acima, a equipe d prjet de implantaçã d cartã deverá ser cmpsta de técnics ds seguintes Órgãs da Universidade: CCUEC (redes e sistemas), DAC, DGRH, COTUCA, COTIL, HC, Prefeitura, DGA e BC. Estes técnics serã indicads pela Diretria d seu Órgã. A equipe cnduzirá s trabalhs de acrd cm as premissas descritas a seguir. Cnfrme prcess 01 P , Banespa briga-se a emitir, às suas expensas, a primeira via d cartã para s prtadres indicads pr mei magnétic pela Unicamp. Caberá também a Banespa a distribuiçã da primeira via d cartã as usuáris. Segund dcument frnecid pel Banespa, a implantaçã d Cartã Universitári Inteligente requer dinâmica de reuniões cm diversas áreas da Universidade e também a hmgeneizaçã de cnheciment sbre prgrama pr parte das pessas indicadas a atuar na implantaçã d prjet. Algumas dessas áreas sã: - Infra-estrutura - Infrmática/ sistemas/ tecnlgia - Administrativa/ secretaria/ RH - Prjets especiais (se huver) - Acadêmica - Nrmativa/ O&M Reengenharia <CGI-Prefeitura/Unicamp>, 11

12 - Marketing - Cmunicaçã/ divulgaçã - Financeira Tds s Órgãs devem adtar, de frma planejada, cartã cm instrument de segurança e acess às suas instalações e serviçs sb sua respnsabilidade. Exempls: - Prefeitura para permitir e cntrlar a entrada ns restaurantes. - DAC para identificaçã ds estudantes. - HC para cntrle de acess às suas instalações, incluind restaurantes. - As Unidades, de frma geral, para cntrle de acess às suas instalações. - DGRH para implantaçã d pnt eletrônic. Ficará a carg ds Órgãs que estiverem adtand cartã, a aquisiçã de equipaments cmpatíveis cm a especificaçã padrã adtada na Universidade. É também da respnsabilidade d Órgã fazer as adaptações necessárias para que seu sistema atual de cntrle seja adequad a nv frmat. Deve ser permitid à equipe técnica encarregada da geraçã ds arquivs de dads para Banespa, u a respnsável designad para tal, acess às bases de dads peracinais existentes de funcináris, aluns, dcentes, terceirizads e utrs que se fizerem necessáris. O Banespa exige a apresentaçã da Bandeira d medeir e da funçã de débit, pis só pde se ter um cartã cm medeir através de uma Bandeira regulamentada mundialmente para iss. De acrd cm prcess P , fls 36, ficu estabelecid que a Unicamp e Banespa cncrdaram que as seguintes características e funções estarã brigatriamente incrpradas a Cartã Universitári Inteligente: - Lgtips e marcas indicadas pel Banespa e Unicamp para serem aplicadas na frente d cartã bem cm as marcas de serviçs financeirs que, a critéri d Banespa, vierem a ser agregads a cartã; - Medeir eletrônic; - Funções de mvimentaçã de cnta crrente n Banespa, incluind Visa Electrn, Rede Plus e cheque eletrônic, send que a ativaçã dessas funções se dará para s prtadres que sã u ptarem pr se trnar crrentistas d banc. Nvas características e funções bancárias e de cartã de crédit pderã ser incrpradas a cartã a critéri exclusiv d Banespa. 5.Restrições O Banespa destinará uma verba máxima em trn de R$ ,00 (dis milhões de reais). O valr exat destes investiments será determinad quand d detalhament ds prjets de implantaçã, que serã feits de cmum acrd entre a Unicamp e Banespa, e dcumentads em anexs que, assinads pelas partes passarã a fazer parte integrante d prcess P D valr ttal de R$ ,00 mencinad acima, Banespa destinará a quantia de R$ ,00 (seiscents mil reais) para a cmpra e instalaçã de catracas, leitras de cartã e utrs dispsitivs a serem instalads em lcais a serem definids pela Unicamp. O desembls será feit a lng d períd d cntrat, de acrd cm slicitaçã d Cmitê Crdenadr definid para prjet. <CGI-Prefeitura/Unicamp>, 12

13 Os dads de identificaçã d cartã serã enviads pela Unicamp a Banespa em frmat previamente estabelecid. As fts serã enviadas segund prcediments que ainda serã determinads. Cartã únic traz prblemas de segurança se esse fr utilizad inclusive para transações bancárias. A cbrança pr repsiçã de cartões perdids terá que cntemplar aqueles que nã pssuem cnta bancária, se esse fr mecanism esclhid pel Banespa (exempl: serviçs terceirizads). 6.Precedência e Priridade Cnfrme priridades estabelecidas pela Administraçã superir da Universidade, a implantaçã d Cartã Universitári Inteligente cntemplará s seguintes serviçs na rdem: 1. Cntrle de entrada ns restaurantes RA e RU 2. Cntrle de entrada ns restaurantes d COTUCA, COTIL, CESET e FOP 3. Sistema integrad de cntrle de empréstim de vlumes das biblitecas 4. Cntrle de acess às instalações d HC. 5. Autmaçã d Sistema de Freqüência Pnt Eletrônic Os itens 2, 3 e 4 pderã ser executads em paralel cm item 1 desde que haja recurss financeirs para tal. 7.Outrs Requisits d Prdut 7.1Padrões Aplicáveis Padrões aplicáveis a chip O cartã exige aderência a padrã de leitra hmlgada para ler cartã sistema peracinal TIBC 1.0 e 3.0 (Visa), bem cm padrã EMV (Eurpay, MasterCard e Visa). Padrões aplicáveis a códig de barras Cdificaçã em barras n padrã 2-de-5 entrelaçad. 8.Requisits de Dcumentaçã Tdas as infrmações sbre cartã, cm btê-l, s serviçs dispníveis, prcediments em cas de perda u rub, plíticas e suprte devem estar dcumentadas e acessíveis a partir d site da Unicamp. <CGI-Prefeitura/Unicamp>, 13

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

SIG Sistema Integrado de Gestão

SIG Sistema Integrado de Gestão SIG Sistema Integrad de Gestã SIGRH -Sistema Integrad de Gestã de Recurss Humans Gustav Bertld Quatrin Deivid Firin Agenda Cntextualizaçã Visã Geral ds seguintes sistemas: SIPAC, SGPP, SIGAA, SIGADMIN,

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013.

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013. PORTARIA N. 8.605 de 05 de nvembr de 2013. Altera a Plítica de Segurança da Infrmaçã n âmbit d Tribunal Reginal d Trabalh da 4ª Regiã. A PRESIDENTE DO, n us de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Suprte técnic O serviç de suprte técnic tem pr bjetiv frnecer atendiment as usuáris de prduts e serviçs de infrmática da Defensria Pública. Este serviç é prvid

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Term de Referência Anex I - Especificaçã técnica Cntrataçã de Empresa para prestaçã de Serviçs de Treinament na suíte Libreffice TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO

Leia mais

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação Definições Relacinadas à Plítica de Segurança da Infrmaçã Área respnsável Versã Data de emissã Data de revisã Data de vigência Infrmática Crprativa - Segurança 1.2 20/08/2009 30/10/2013 01/02/2014 Objetiv

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

REGRAS PARA USO DE RECURSOS PROAP/CAP

REGRAS PARA USO DE RECURSOS PROAP/CAP REGRAS PARA USO DE RECURSOS PROAP/CAP I - AJUDA DE CUSTO A ALUNOS DE DOUTORADO DA CAP, PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS INTERNACIONAIS FORA DO PAÍS Eligibilidade Aluns de dutrad da CAP que preencham,

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Política de Privacidade Qrush Cards

Política de Privacidade Qrush Cards Plítica de Privacidade Qrush Cards Última atualizaçã em 21/09/2013 A Qrush Tecnlgia e Serviçs Ltda repeita a privacidade de seus clientes e usuáris e desenvlveu esta Plítica de Privacidade para demnstrar

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO AGOSTO/2011 Presidenta da República Dilma Russeff Ministr da Educaçã

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

Informações Importantes 2015

Informações Importantes 2015 Infrmações Imprtantes 2015 CURSOS EXTRACURRICULARES N intuit de prprcinar uma frmaçã cmpleta para alun, Clégi Vértice ferece curss extracurriculares, que acntecem lg após as aulas regulares, tant n períd

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico Legenda da Guia de Tratament Odntlógic Term Registr NS Nº da n prestadr Num. d Camp na Númer da principal 3 Data da autrizaçã Senha senha 1 2 4 5 6 Nme d camp na Registr NS Númer da n prestadr Númer da

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem.

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem. Aluns de Pós-Graduaçã de Instituições Estrangeiras Visa apiar visitas de n máxim 30 dias, de dutrands de instituições estrangeiras, qualificads, e prcedentes de Centrs de Excelência para estudarem, pesquisarem

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows Sftware Develpment Kit (SDK) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licenciament cnstituem um cntrat entre a Micrsft Crpratin (u dependend d país em que reside uma das respetivas empresas afiliadas)

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL

CERTIFICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Pól Mveleir de Arapngas PR Revisã: 00 Pól Mveleir de Arapngas PR Revisã: 01 TERMOS DE USO DO ECOSELO EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DESTE DOCUMENTO: Irineu Antni Brrasca Presidente d CETEC

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Manual de Procedimentos do Correspondente no País

Manual de Procedimentos do Correspondente no País Manual de Prcediments d Crrespndente n País Manual de Prcediments d Crrespndente n País A BV Financeira elabru este manual para rientar e esclarecer seus parceirs cmerciais, de frma simples e bjetiva,

Leia mais