UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE"

Transcrição

1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE 1

2 Todos possuem conceitos variados sobre os termos ciência, sociedade e tecnologia. Ao consultarmos o dicionário Aurélio, encontramos as seguintes definições: Um conjunto organizado e relativo aos conhecimentos de certas categorias que estão relacionados com os fatos ou fenômenos. Toda ciência, para definir se como tal, deve necessariamente recortar, no real, seu objeto próprio, assim como definir as bases de uma metodologia específica: ciências físicas e naturais. 2

3 Reunião de homens, de animais, que vivem em grupos organizados; corpo social. Conjunto de membros de uma coletividade, sujeitos às mesmas leis. Cada um dos diversos estágios da evolução do gênero humano. 3

4 Estudo dos instrumentos, processos e métodos empregados nos diversos ramos industriais. Nestas definições, podemos perceber claramente que a ciência está diretamente relacionada ao conhecimento,àsociedade,aos seres humanos e à tecnologia, às técnicas, aos métodos, processos e instrumentos. 4

5 Nas diferentes definições encontradas na literatura publicada sobre esses termos podemos destacar algumas características relevantes em cada uma: CIÊNCIA: Constitui se de um conjunto de conhecimentos organizados; Desenvolve se através do tempo; Parte de mecanismos de causalidade dos fatos observáveis; Baseia se no estudo objetivo de fenômenos empíricos; Está relacionada à comprovação de teorias; Está associada à publicação de artigos, teses, livros, etc.; Os conhecimentos criados são livremente veiculados e patrimônio da civilização. 5

6 SOCIEDADE: Constitui se por um conjunto de pessoas; Desenvolve se através do tempo; Baseia se em um sistema de relacionamentos entre as pessoas; Seus membros compartilham propósitos, interesses, preocupações e costumes e interagem entre si, constituindo uma comunidade; Seus membros constroem conhecimentos e desenvolvem tecnologia. 6

7 TECNOLOGIA: Constitui se de um conjunto de conhecimentos científicos ou empíricos; Desenvolve se através do tempo; Baseia se na aplicação dos conhecimentos na produção ou melhoria de bens e serviços; Está relacionada aos impactos socioeconômicos sobre uma comunidade; Seus resultados são obtidos a partir da aplicação de novos materiais, processos, métodos e produtos nos meios de produção; Está sintonizada com o desenvolvimento econômico e o bem estar da sociedade; Seus produtos e processos são passíveis de negociação e de enquadramento como patentes. 7

8 Ciência e Tecnologia não são neutras, são formas de poder e de dominação entre grupos humanos e de controle, onde: Ciência está associada à publicação de artigos, teses, livros, tratado, etc., e os conhecimentos por ele criados são livremente veículos. A tecnologia está sistematicamente vinculada a um produto ou processo passível de ser negociado e enquadrado por patentes. CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE INDÚSTRIA FLUXO CONSTANTE DO CONHECIMENTO 8

9 A tecnologia também pode ser definida como um acervo de conhecimentos de uma sociedade, como a ciência, entretanto, relaciona esse acervo de conhecimentos com as indústrias. CIÊNCIA TECNOLOGIA INDÚSTRIA REPRESENTAÇÃO DO FLUXO DE EVOLUÇÃO NA SOCIEDADE OCIDENTAL 9

10 Consulte o material didático: Para entender os conceitos sobre ciência, tecnologia e sociedade, leia o conteúdo das páginas de 31 a 33 do livro Gestão da Inovação Tecnológica, 2ª Edição, de Dálcio Roberto dos Reis, apresentação de Gina Paladino. Editora Manole,

11 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E RELAÇÃO DIALÉTICA ENTRE: CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE 11

12 Apesar da análise particularizada dos termos sociedade, ciência e tecnologia, no mundo real seria impossível tentarmos isolar esses conceitos, pois estão ligados por uma relação dialética. Dizer que a relação entre sociedade, ciência e tecnologia é dialética, significa dizer que: A sociedade determina os impactos na ciência e na tecnologia. A ciência determina os impactos na sociedade e na tecnologia. A tecnologia determina os impactos na sociedade e na ciência. 12

13 SOCIEDADE TECNOLOGIA CIÊNCIA As setas indicam um duplo sentido e simultâneo, que indica o que determina e o que é determinado. 13

14 Para entendermos melhor essa relação dialética entre ciência, tecnologia e sociedade, podemostomarcomoexemploocelular: A sociedade necessita se comunicar com mobilidade de formaqueoaparelhotelefônicoestivessejuntocomo homem para essa comunicação. Através da ciência, foram desenvolvidos os conhecimentos que suportassem a telefonia móvel e, por meio da tecnologia, foi desenvolvido o artefato do aparelho celular, dando início a telefonia sem fio. 14

15 Com o uso intensivo do aparelho celular, a tecnologia agregou novas funções a esse artefato, possibilitando o envio de mensagens de texto, por exemplo. Com a popularização do celular, os adolescentes passaram a ter acesso fácil a esse aparelho e, ao invés de falar ao telefone, começaram a utilizá lo com mais frequência para o envio de mensagens. A tecnologia, então, passou a determinar mudanças no comportamento dos adolescentes e em sua forma de comunicação. A partir do exemplo, podemos perceber que a sociedade demandou o desenvolvimento de novos conhecimentos através da ciência que, por sua vez, demandou o desenvolvimento de uma nova tecnologia. 15

16 O aparelho celular determinou novas formas de comportamento e de comunicação, impulsionou a evolução desse meio de comunicação possibilitando: acessar a Internet, fotografar, enviar mensagens, enviar e fazer downloads, ouvir musicas, etc. Agora que conhecemos as diferentes abordagens sobre a relação entre ciência, sociedade e tecnologia, precisamos compreender que cada uma reflete um momento histórico em nossa evolução contemporânea, impregnadas de crenças, valores, argumentos e conhecimentos próprios do cenário e do período evolutivo em questão. 16

17 Entretanto, atualmente podemos chegar a algumas conclusões oportunas e importantes para o exercício profissional na área de TIC: Há conceitos diferenciados sobre sociedade, ciência e tecnologia, variando de acordo com o período histórico, a cultura, o contexto e a abordagem que lhe são atribuídos. Sociedade, ciência e tecnologia mantêm uma relação dialética contínua entre si, em constante interação e determinação mútua de impactos em sua evolução. 17

18 Consulte o material didático: Para entender a relação dialética entre ciência, tecnologia e sociedade, leia o conteúdo das páginas de 33 a 35 do livro Gestão da Inovação Tecnológica, 2ª Edição, de Dálcio Roberto dos Reis, apresentação de Gina Paladino. Editora Manole,

19 RESUMO DESSA AULA Tivemos uma visão geral da disciplina Tecnologia da Informação e Comunicação. Compreendemos que há conceitos diferenciados sobre sociedade, ciência e tecnologia, variando de acordo com o período histórico, a cultura, o contexto e a abordagem que lhe são atribuídos. Aprendemos que sociedade, ciência e tecnologia mantêm uma relação dialética contínua entre si, em constante interação e determinação mútua de impactos em sua evolução. 19

20 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E PRÓXIMO TEMA UNIDADE 01 Evolução social, científica e tecnológica. 20

21 AULAS DE APOIO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E Este arquivo está disponibilizado para estudos e consultas no formato PDF. Alguns estarão disponíveis para impressão, outros, somente para leitura. ou 21

FORMAS DE ACESSO A TECNOLOGIA

FORMAS DE ACESSO A TECNOLOGIA FORMAS DE ACESSO A TECNOLOGIA 1 Nossos últimos assuntos foram: Estratégias de Inovação. Nesta aula veremos: Formas de Acesso à Tecnologia. 2 Serão comentados: Formas de Acesso à Tecnologia: Compra; Importação

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

TECNOLOGIA WEB. Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura de Máquina; o Implementação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Prof.ª Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Componente

Leia mais

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES LIVRO ENGENHARIA FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES WILSON PADUA PAULA FILHO CAPÍTULO REQUISITOS 1 REQUISITOS TECNICO E GERENCIAL ESCOPO (RASCUNHO) CARACTERISTICAS 2 O que são Requisitos? São objetivos ou

Leia mais

Desenvolvimento Organizacional. Cultura e Clima Organizacional

Desenvolvimento Organizacional. Cultura e Clima Organizacional Cultura e Clima Organizacional Atualizado em 01/03/2016 OBJETIVO: Compreender as implicações das novas configurações e alternativas que permeiam o trabalho no mundo contemporâneo; Compreender e analisar

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio Supervisionado de que trata este regulamento refere-se à formação de

Leia mais

RÁDIO UNIVERSIDADE FM

RÁDIO UNIVERSIDADE FM RÁDIO UNIVERSIDADE FM Histórico Criada em 30 de março de 1974, através da Resolução nº 217/74, a Rádio Universidade (UEL) FM, entrou no ar em 06 de junho de 1990. Em 31 de julho de 2009 voltou a ser Órgão

Leia mais

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik O ensino de ciências segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais O ensino de Ciências tem

Leia mais

Metodologia da Pesquisa

Metodologia da Pesquisa Metodologia da Pesquisa Apresentação Nome Área de atuação Tema de interesse para pesquisa O SABER CIENTÍFICO O SER HUMANO TEM UMA NECESSIDADE DE CONSTRUIR SABER POR SI SÓ. O PRINCIPAL OBJETIVO DA PESQUISA

Leia mais

Introdução à Administração. Prof. Marcos Vinicius Pó

Introdução à Administração. Prof. Marcos Vinicius Pó Introdução à Administração Prof. Marcos Vinicius Pó marcos.po@ufabc.edu.br 1. Introdução e antecedentes históricos da administração 2. Abordagem clássica da administração 3. Administração e o ambiente

Leia mais

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 08 de março de 2012 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Secretaria de Tecnologia da Informação Coordenadoria de Sistemas BIBLIOTECA DIGITAL. Glossário

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Secretaria de Tecnologia da Informação Coordenadoria de Sistemas BIBLIOTECA DIGITAL. Glossário SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Secretaria de Tecnologia da Informação BIBLIOTECA DIGITAL GLOSSÁRIO Acervo bibliográfico Acervo comum Ajuda Área Argumento de pesquisa Assunto Autor Campos descritivos Cesta de

Leia mais

Aluno(a): / / Cidade Polo: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA PESQUISA E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (PED)

Aluno(a): / / Cidade Polo:   CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA PESQUISA E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (PED) Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA PESQUISA E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (PED) Preencha o GABARITO: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Observação: Nesta atividade há 10 (dez) questões de múltipla

Leia mais

Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física

Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física Mesa redonda 04 XXI SNEF Uberlândia, 27/01/2015 Profa. Eliane A. Veit, UFRGS Vivemos num país com dimensões

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

Chamada de trabalho para Coletânea ArqUrb 2016

Chamada de trabalho para Coletânea ArqUrb 2016 1 Chamada de trabalho para Coletânea ArqUrb 2016 05 e 06 de Outubro de 2016 1. Instruções Gerais para submissão de resumo de trabalhos Estas normas regulamentam os procedimentos destinados à seleção e

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 NATAL/RN MARÇO/2012

Leia mais

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Etapas do Trabalho de Pesquisa Escolha do

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência?

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência? CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE O que é Ciência? O QUE É CIÊNCIA? 1 Conhecimento sistematizado como campo de estudo. 2 Observação e classificação dos fatos inerentes a um determinado grupo de fenômenos

Leia mais

MBA EMPRESARIAL. Disciplina: Metodologia do Trabalho Cientifico

MBA EMPRESARIAL. Disciplina: Metodologia do Trabalho Cientifico FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA Departamento de Pesquisa: Curso de Pós-Graduação "Lato-Sensu" MBA EMPRESARIAL Disciplina: Metodologia do Trabalho Cientifico Prof. Adm. Ms. Alexandre de Paula Pereira

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS

TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE

Leia mais

PRODUÇÃO INTELECTUAL SIGAA

PRODUÇÃO INTELECTUAL SIGAA PRODUÇÃO INTELECTUAL SIGAA Universidade Federal de Sergipe Núcleo de Tecnologia da Informação 2015 www.ufs.br NTI - 2105-6583 / 2105-6584 Produção Intelectual: Objetivos: O objetivo deste módulo é beneficiar

Leia mais

Perfil dos clientes de Bibliotecas Universitárias: geração digital e serviços. Rosa Maria Andrade Grillo Beretta

Perfil dos clientes de Bibliotecas Universitárias: geração digital e serviços. Rosa Maria Andrade Grillo Beretta Perfil dos clientes de Bibliotecas Universitárias: geração digital e serviços. Rosa Maria Andrade Grillo Beretta Gramado Setembro de 2012 CONTEÚDO Estudo das Gerações A Geração Digital Competência Informacional

Leia mais

Análise de Conteúdo. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Ms. Anderson dos Santos Carvalho

Análise de Conteúdo. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Ms. Anderson dos Santos Carvalho Análise de Conteúdo Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Ms. Anderson dos Santos Carvalho Introdução É importante esclarecer que a análise de conteúdo não deve ser confundida com a análise do

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE DISCIPLINAS

REGULAMENTO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE DISCIPLINAS DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA REGULAMENTO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE DISCIPLINAS 2017/1 UNIVERSIDADE TIRADENTES DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA REGULAMENTO DO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE DISCIPLINAS

Leia mais

TIC DOMICÍLIOS 2009 Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Brasil

TIC DOMICÍLIOS 2009 Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Brasil TIC DOMICÍLIOS 2009 Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Brasil Coletiva de Impresa 06 de abril de 2010 Comitê Gestor da Internet no Brasil Núcleo de Informação e Comunicação

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

História da Ciência e Epistemologia Aplicadas ao Ensino de Química Paulo Alves Porto Instituto de Química - USP 17 / 09 / 2004

História da Ciência e Epistemologia Aplicadas ao Ensino de Química Paulo Alves Porto Instituto de Química - USP 17 / 09 / 2004 Mesa-redonda: Implicações da pesquisa nas atividades de formação de professores História da Ciência e Epistemologia Aplicadas ao Ensino de Química Paulo Alves Porto Instituto de Química - USP 17 / 09 /

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Matemática Componente Curricular: Matemática Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS MÓDULO 1

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS MÓDULO 1 FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS MÓDULO 1 Índice 1. Introdução...3 1.1. Conceituação dos Sistemas Operacionais... 3 2 1. INTRODUÇÃO 1.1. CONCEITUAÇÃO DOS SISTEMAS OPERACIONAIS A maior parte dos equipamentos

Leia mais

Requisitos de sistemas

Requisitos de sistemas Requisitos de sistemas Unidade III - Casos de Uso Identificação de casos de uso Conceitos de orientação a objetos Modelagem do diagrama de classes e casos de uso 1 Casos de uso CONCEITO Especifica o comportamento

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Apresentação de Memoriais em Concursos de Livre-Docência e Professor Titular Faculdade de Medicina da USP

Sugestão de Roteiro para Apresentação de Memoriais em Concursos de Livre-Docência e Professor Titular Faculdade de Medicina da USP Sugestão de Roteiro para Apresentação de Memoriais em Concursos de Livre-Docência e Professor Titular Faculdade de Medicina da USP Identificação Resumo do Memorial Apresentação sob forma de tabelas demonstrando

Leia mais

PRÊMIO SER HUMANO ABRH/MA REGULAMENTO 2016 MODALIDADE: GESTÃO DE PESSOAS / ORGANIZAÇÃO

PRÊMIO SER HUMANO ABRH/MA REGULAMENTO 2016 MODALIDADE: GESTÃO DE PESSOAS / ORGANIZAÇÃO Página 1 A. OBJETIVO A.1. O Prêmio Ser Humano ABRH/MA - Modalidade Gestão de Pessoas - Organização, premia os cases ou projetos implantados em organizações, relativos à gestão ou desenvolvimento dos seres

Leia mais

TCC EM SISTEMAS DA INFORMAÇÃO. Aula 9- Modelando um Sistema com a UML parte 2

TCC EM SISTEMAS DA INFORMAÇÃO. Aula 9- Modelando um Sistema com a UML parte 2 Aula 9- Modelando um Sistema com a UML parte 2 Objetivo desta sexta aula Identificar como deve ser o desenvolvimento da escrita do projeto. Apresentar exemplos de trabalhos modelados com a UML para que

Leia mais

SINAPI. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil

SINAPI. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil é um sistema de informações de preços e custos relativos

Leia mais

1. A comunicação e a argumentação em sala de aula

1. A comunicação e a argumentação em sala de aula COMUNICAÇÃO, ARGUMENTAÇÃO E A APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Profª Drª Regina Maria Pavanello Universidade Estadual de Maringá reginapavanello@hotmail.com Resumo: Os professores mostram,

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO: O CONHECIMENTO COMO UMA UNIDADE EM QUE TODOS OS SABERES ESTÃO CONECTADOS

MÉTODO CIENTÍFICO: O CONHECIMENTO COMO UMA UNIDADE EM QUE TODOS OS SABERES ESTÃO CONECTADOS MÉTODO CIENTÍFICO: O CONHECIMENTO COMO UMA UNIDADE EM QUE TODOS OS SABERES ESTÃO CONECTADOS Kethelen Amanda Silva (FDCON) 1 Carlos Alexandre Rodrigues de Oliveira (UFMG/FDCON) 2 Se quiser buscar realmente

Leia mais

Introdução ao Sistemas de Informação

Introdução ao Sistemas de Informação Introdução ao Sistemas de Informação Parte 1 Aula 3 Fundamentos de SI Prof. Walteno Martins Parreira Jr Utilidade da informação no século XX 1 A informação como recurso organizacional Organizações têm

Leia mais

O senso comum e o conhecimento científico. Beatriz Alvarenga Álvares

O senso comum e o conhecimento científico. Beatriz Alvarenga Álvares O senso comum e o conhecimento científico Beatriz Alvarenga Álvares As prováveis veis preocupações, no século s XXI, com os conhecimentos de Física F e com seu ensino As atenções dos Físicos no século

Leia mais

12ª SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2015 LUZ, CIÊNCIA E VIDA

12ª SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2015 LUZ, CIÊNCIA E VIDA EDITAL 31/2015 NORMAS PARA PARTICIPAÇÃO NO VI SIMPÓSIO DE PESQUISA E INOVAÇÃO E V SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO INSTITUTO FEDERAL DO SUDESTE DE MINAS GERAIS - CAMPUS BARBACENA 12ª SEMANA NACIONAL

Leia mais

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série O que é Patrimônio Cultural? Patrimônio é constituído pelos bens materiais e imateriais que se referem à nossa identidade, nossas ações, costumes,

Leia mais

Teoria e Análise das Organizações. Prof. Dr. Onofre R. de Miranda Setembro, 2014

Teoria e Análise das Organizações. Prof. Dr. Onofre R. de Miranda Setembro, 2014 Teoria e Análise das Organizações Prof. Dr. Onofre R. de Miranda Setembro, 2014 OBJETIVOS OBJETIVO GERAL: Ressaltar a organização enquanto objeto de estudo científico; OBJETIVOS ESPECÍFICOS: o Comparar

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã/SP Área de conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: Biologia

Leia mais

Revisão de Metodologia Científica

Revisão de Metodologia Científica Revisão de Metodologia Científica Luiz Eduardo S. Oliveira Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática http://lesoliveira.net Luiz S. Oliveira (UFPR) Revisão de Metodologia Científica 1

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E CRIATIVIDADE E RECOMBINAÇÃO EMPREENDEDORISMO DE CONHECIMENTOS. Prof. Dr. Daniel Caetano

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E CRIATIVIDADE E RECOMBINAÇÃO EMPREENDEDORISMO DE CONHECIMENTOS. Prof. Dr. Daniel Caetano INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO CRIATIVIDADE E RECOMBINAÇÃO DE CONHECIMENTOS Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-2 Objetivos Compreender a importância da criatividade para as carreiras e organizações

Leia mais

Disciplina: Teoria das Organizações AULA 4

Disciplina: Teoria das Organizações AULA 4 Disciplina: Teoria das Organizações AULA 4 Assunto: Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail:

Leia mais

ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1)

ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1) ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1) Prof. Dr. Onofre Miranda (1) ZANELLA, L. C. H. Metodologia da Pesquisa. Florianópolis: SEaD:UFSC, 2006. OBJETIVO(S) GERAL Apresentar as etapas para desenvolvimento de

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

AJUDA DE NAVEGAÇÃO OFFICE2 CRM - CLIENTE

AJUDA DE NAVEGAÇÃO OFFICE2 CRM - CLIENTE AJUDA DE NAVEGAÇÃO OFFICE2 CRM - CLIENTE ATENÇÃO: Solicitamos que em caso de ao acessar o Office 2 CRM, encontrar qualquer informação divergente de sua empresa, nos comunique imediatamente, por favor,

Leia mais

Inovação Publicidade Entretenimento Opinião. Mídia Kit

Inovação Publicidade Entretenimento Opinião. Mídia Kit Inovação Publicidade Entretenimento Opinião Mídia Kit - 2016 Apresentação O Geek Publicitário nasceu em 2013, quando eu estava no último ano da faculdade e acreditei que tinha algo diferente e relevante

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Introdução

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Introdução REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Introdução O presente regulamento constitui um documento interno do curso de Ciências Contábeis e tem por objetivo reger as atividades relativas ao Estágio Supervisionado.

Leia mais

REPRESENTAÇÃO CULTURAL DENTRO DA SOCIEDADE DIGITAL: A UTILIZAÇÃO DAS REDES SOCIAIS COMO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO 1. Vitor Pachioni Brumatti 2

REPRESENTAÇÃO CULTURAL DENTRO DA SOCIEDADE DIGITAL: A UTILIZAÇÃO DAS REDES SOCIAIS COMO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO 1. Vitor Pachioni Brumatti 2 23 1ª Jornada Científica de Comunicação Social A pesquisa em Comunicação: tendências e desafios REPRESENTAÇÃO CULTURAL DENTRO DA SOCIEDADE DIGITAL: A UTILIZAÇÃO DAS REDES SOCIAIS COMO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ 13 específica, de segunda-feira a sexta-feira e aos sábados, caso seja necessário para complementação do período letivo e/ou carga horária curricular. Cada aula tem durafao de 50min (cinquenta minutos),

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Carla de Araújo Universidade Estadual da Paraíba tapcarla@gmail.com Profª. Dra. Abigail Fregni Lins Universidade Estadual

Leia mais

ÍNDICE CAMPANHA DE SINDICALIZAÇÃO Apresentação Anúncios Cartaz Adesivos Camiseta... 8

ÍNDICE CAMPANHA DE SINDICALIZAÇÃO Apresentação Anúncios Cartaz Adesivos Camiseta... 8 Manual de APLICAÇÃO DA CAMPANHA DE SINDICALIZAÇÃO 2013 ÍNDICE CAMPANHA DE SINDICALIZAÇÃO 2013 Apresentação... 3 Anúncios... 4 Cartaz... 6 Adesivos... 7 Camiseta... 8 CAMPANHA DE SINDICALIZAÇÃO 2013 APRESENTAÇÃO

Leia mais

CAPACITAÇÃO DIDÁTICA COMPORTAMENTAL Freqüência obrigatória de 100% SALA 10 PRÉDIO 1

CAPACITAÇÃO DIDÁTICA COMPORTAMENTAL Freqüência obrigatória de 100% SALA 10 PRÉDIO 1 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE MONITORES CAPACITAÇÃO DIDÁTICA COMPORTAMENTAL Freqüência obrigatória de 100% SALA 10 PRÉDIO 1 CAPACITAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA -14 de agosto a 11 de setembro de 2014 Prof. José

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Conteúdo Complementar Introdução à Informática FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Introdução à Informática Sumário Ferramentas colaborativas na Internet 5 Armazenamento de arquivos online 6

Leia mais

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

ESTAGIÁRIO

ESTAGIÁRIO III ESTAGIÁRIO 3.1 Formulário de Identificação 3. Autorização de uso de imagem organizacional 3.3 Autorização de uso de imagem pessoal 3.4 Requisitos e diretrizes para o relatório e evidências 3.5 Avaliação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Educação. Mayara Freitas Tricárico. Plano de aula

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Educação. Mayara Freitas Tricárico. Plano de aula UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Educação Mayara Freitas Tricárico Plano de aula São Paulo 2012 Mayara Freitas Tricárico Plano de aula apresentado para a Disciplina Metodologia do ensino de português:

Leia mais

TÉCNICA DE PESQUISA EM ECONOMIA

TÉCNICA DE PESQUISA EM ECONOMIA TÉCNICA DE PESQUISA EM ECONOMIA Professores Helder Queiroz Pinto Jr Marcelo Matos INSTITUTO DE ECONOMIA UFRJ 2016 Problema de Pesquisa e Hipótese Bibliografia: ANTONIO CARLOS GIL - Como Elaborar Projetos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital - SP Eixo Tecnológico: Gestão e Negócio Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

SISTEMA ELENCO DIGITAL Tecnologia e Relacionamento para Produção de Casting Sistema Elenco Digital Cadastro de ELENCO Agradecemos por se cadastrar e seu interesse em conhecer detalhes sobre o funcionamento

Leia mais

UNIP Ciência da Computação AES Análise Essencial de Sistemas MER (Modelo Entidade Relacionamento)

UNIP Ciência da Computação AES Análise Essencial de Sistemas MER (Modelo Entidade Relacionamento) MER (Modelo Entidade Relacionamento) O Modelo Entidade Relacionamento é uma ferramenta para modelagem de dados, utilizada durante a modelagem do projeto conceitual de banco de dados. A utilização do MER

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Definição do Problema

1 Introdução. 1.1 Definição do Problema 1 Introdução 1.1 Definição do Problema Há pouco mais de 20 anos a Motorola apresentou para o mundo o primeiro telefone móvel comercial. Apelidado de tijolo, o DynaTAC 8000x pesava um pouco menos de 1 kilo,

Leia mais

FUNDAMENTOS DA PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES BIT / CARACTERE / BYTE/ PALAVRA

FUNDAMENTOS DA PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES BIT / CARACTERE / BYTE/ PALAVRA FUNDAMENTOS DA PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES BIT / CARACTERE / BYTE/ PALAVRA 1 REPRESENTANDO AS INFORMAÇÕES Organização de Computadores Toda informação introduzida em um computador precisa ser entendida

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 7ª Série Linguagens Formais e Autômatos Ciência da Computação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

Atividade 1. Objetivos: Planificação: Etapa 1. Debata: Tempo: 3 horas. Disciplinas: Ciências Naturais, Ciências Sociais, Inglês.

Atividade 1. Objetivos: Planificação: Etapa 1. Debata: Tempo: 3 horas. Disciplinas: Ciências Naturais, Ciências Sociais, Inglês. Atividade 1 Tempo: 3 horas Disciplinas: Ciências Naturais, Ciências Sociais, Inglês. Ciclo de ensino: Ensino secundário da área das ciências. Objetivos: Conseguir decifrar e compreender um artigo científico

Leia mais

24 e 25 de MAIO VILAMOURA

24 e 25 de MAIO VILAMOURA II JORNADAS DE NEUROCIRURGIA DO ALGARVE 24 e 25 de MAIO 2016 - VILAMOURA Caro(a) participante: Decorrerá no mês de Maio de 2016 as II Jornadas de Neurocirurgia do Algarve. Pela segunda vez em Vilamoura

Leia mais

PONTUAÇÃO PARA PROGRESSÃO FUNCIONAL DE DOCENTES (Aprovada na 207ª Reunião do Conselho da Unidade do IM, em 25/09/2009)

PONTUAÇÃO PARA PROGRESSÃO FUNCIONAL DE DOCENTES (Aprovada na 207ª Reunião do Conselho da Unidade do IM, em 25/09/2009) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA Av. Bento Gonçalves 9500 - Agronomia - 91509-900 Porto Alegre - RS - BRASIL Tel: (051) 3308-6189/3308-6225 FAX: (051) 3308-7301 e-mail:

Leia mais

Desenvolvimento da Pesquisa

Desenvolvimento da Pesquisa Desenvolvimento da Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Modelo de Processo de Pesquisa Estratégias de Pesquisa

Leia mais

CURRÍCULO. Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª. Raquel Pereira Quadrado

CURRÍCULO. Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª. Raquel Pereira Quadrado FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SISTEMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO CURRÍCULO Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª.

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA DEPARTAMENTO DE ARTE E DESIGN

UNIVERSIDADE DA MADEIRA DEPARTAMENTO DE ARTE E DESIGN UNIVERSIDADE DA MADEIRA DEPARTAMENTO DE ARTE E DESIGN REGULAMENTO DA TRANSIÇÃO CURRICULAR ENTRE O CURSO DE LICENCIATURA EM DESIGN / PROJECTAÇÃO (Publicado no Diário da República II Série, nº159 1 de Julho

Leia mais

MANUAL DE ACESSO AOS SERVIÇOS CAFÉ Versão 3.0

MANUAL DE ACESSO AOS SERVIÇOS CAFÉ Versão 3.0 Diretoria Adjunta de Administração Versão 3.0 Adelcival de Sousa Cunha Endy de Almeida Costa João Marcelo Rondina Rildo Delpino São José do Rio Preto 2016 Cunha, Adelcival de Sousa Manual de acesso aos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO INTRODUÇÃO As diferentes unidades que compõem o conjunto de cadernos, visam desenvolver práticas de ensino de matemática que favoreçam as aprendizagens dos alunos. A

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO NO VAREJO KAYANE VITORINO PERIRA¹, LIDIANE ROSVADOSKI², ROSANA DOS SANTOS PAULO³.

MARKETING DE RELACIONAMENTO NO VAREJO KAYANE VITORINO PERIRA¹, LIDIANE ROSVADOSKI², ROSANA DOS SANTOS PAULO³. MARKETING DE RELACIONAMENTO NO VAREJO KAYANE VITORINO PERIRA¹, LIDIANE ROSVADOSKI², ROSANA DOS SANTOS PAULO³. 1 - Aluna do 1º semestre do curso Superior de Gestão em Marketing UNIFIA 2 - Aluna do 1º semestre

Leia mais

III Congresso Internacional sobre Culturas - Interfaces da Lusofonia

III Congresso Internacional sobre Culturas - Interfaces da Lusofonia III Congresso Internacional sobre Culturas - Interfaces da Lusofonia Discussion published by Carla Alferes Pinto on Monday, January 16, 2017 III Congresso Internacional sobre Culturas - Interfaces da Lusofonia

Leia mais

PODCASTING Uma nova rádio, Uma nova forma de aprender

PODCASTING Uma nova rádio, Uma nova forma de aprender SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - SEED DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA TECNOLÓGICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC. PODCASTING Uma nova rádio, Uma nova forma de aprender ALEXSANDER B. OLIVEIRA MARLÍ VELASQUES

Leia mais

Blackboard Collaborate AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM TUTORIAL DO COLLABORATE. Autor(es) Natália Regina de Souza Lima, Scarlat Pâmela Silva

Blackboard Collaborate AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM TUTORIAL DO COLLABORATE. Autor(es) Natália Regina de Souza Lima, Scarlat Pâmela Silva TUTORIAL DO COLLABORATE AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Blackboard Collaborate Autor(es) Natália Regina de Souza Lima, Scarlat Pâmela Silva 1 1. O que é o Blackboard Collaborate? 2. Como acessar ao Blackboard

Leia mais

GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO (PARTE I - Teoria)

GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO (PARTE I - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO (PARTE I - Teoria) EQUIPE: TC_045 - GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROFESSORA: ELAINE SOUZA MARINHO

Leia mais

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 19 de março de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Este é o capítulo 13 do PMBoK e é uma área muito importante para o PMI, pois antes de levar em consideração o cumprimento dos prazos, orçamento e qualidade,

Leia mais

REGIMENTO DA DISCIPLINA CE078 LABORATÓRIO DE ESTATÍSTICA DO CURSO DE ESTATÍSTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

REGIMENTO DA DISCIPLINA CE078 LABORATÓRIO DE ESTATÍSTICA DO CURSO DE ESTATÍSTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ REGIMENTO DA DISCIPLINA CE078 LABORATÓRIO DE ESTATÍSTICA DO CURSO DE ESTATÍSTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Os alunos do Curso de Estatística da UFPR regularmente matriculados na disciplina CE078

Leia mais

Medir a Literacia Estatística

Medir a Literacia Estatística Medir a Literacia Estatística Conteúdo 1. A propósito da Literacia Estatística 2. O Índice: metodologia questionário 3. O caso português 1 A propósito da Literacia Estatística A propósito da Literacia

Leia mais

Afinal, quem manda aqui?!

Afinal, quem manda aqui?! Afinal, quem manda aqui?! Poder e liderança na sala de aula. Júlio César Furtado julio@juliofurtado.com.br Poder Produz efeitos Relação Social Controle !" O poder está no tambor de um revólver. Mao Tsé

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE CAMPOS DOS GOYTACAZES-RJ SOBRE CIÊNCIA E DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE CAMPOS DOS GOYTACAZES-RJ SOBRE CIÊNCIA E DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE CAMPOS DOS GOYTACAZES-RJ SOBRE CIÊNCIA E DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA Lis P. Rocha - lispeixotoroch@gmail.com Rodrigo G. da Costa - rgarrett@iff.edu.br Instituto

Leia mais

Competências Digitais para Professores. 3ª Edição. Ana Reto

Competências Digitais para Professores. 3ª Edição. Ana Reto Competências Digitais para Professores 3ª Edição Ana Reto Artefacto 2 Resolução de situações Problemáticas aplicadas ao dia-a-dia. PROBLEMA DO MÊS Resolução de situações Problemáticas na disciplina de

Leia mais

BLOGS COMO APOIO A APRENDIZAGEM DE FÍSICA E QUÍMICA

BLOGS COMO APOIO A APRENDIZAGEM DE FÍSICA E QUÍMICA BLOGS COMO APOIO A APRENDIZAGEM DE FÍSICA E QUÍMICA Silvia Ferreto da Silva Moresco Patricia Alejandra Behar UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO NÚCLEO DE TECNOLOGIA APLICADA

Leia mais

A Teoria Hipodérmica e as abordagens empíricas subsequentes

A Teoria Hipodérmica e as abordagens empíricas subsequentes A Teoria Hipodérmica e as abordagens empíricas subsequentes Profa. Lidiane Santos de Lima Pinheiro Wolf, Mauro. Teorias da Comunicação. São Paulo: Martins Fontes, 2003 Emissor

Leia mais

Apresentação. Ludmila Andrzejewski Culpi 1

Apresentação. Ludmila Andrzejewski Culpi 1 Apresentação Ludmila Andrzejewski Culpi 1 Esse dossiê organizado por professores do Centro Universitário Internacional UNINTER tem o objetivo de divulgar artigos de qualidade desenvolvidos por alunos e

Leia mais

I. AVALIAÇÃO DO TRABALHO E DO EVENTO (MÁXIMO 10,0 PONTOS)

I. AVALIAÇÃO DO TRABALHO E DO EVENTO (MÁXIMO 10,0 PONTOS) ANEXO V CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A nota final (NF) será dada pela média aritmética da nota de cada uma das alíneas do 1º, Art. 11 o, conforme os critérios estabelecidos nas tabelas apresentadas neste documento.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês - Prova Escrita e Prova Oral 2016 11º Ano de Escolaridade (Decreto-lei nº 139/2012 de 5 de Julho) O presente documento

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO. Prof Bruno Tamancoldi

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO. Prof Bruno Tamancoldi A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Prof Bruno Tamancoldi META DA AULA Apresentar conceitos sobre o Conhecimento, partindo da Filosofia, distinguindo Ciência e senso comum. OBJETIVOS conceituar lógica e raciocínio;

Leia mais

Pesquisas Institucionais. uma forma científica de conhecer o público interno

Pesquisas Institucionais. uma forma científica de conhecer o público interno uma forma científica de conhecer o público interno Comunicação Interna Fluxos de Comunicação Chefe Subchefes Sub-sub Front office D e s c e n d e n t e A s c e n d e n t e 2 Conceito Identificação, coleta

Leia mais

Apresentando-se bem com o Currículo Lattes. Eduardo Graziosi Silva Bibliotecário da EESC/USP

Apresentando-se bem com o Currículo Lattes. Eduardo Graziosi Silva Bibliotecário da EESC/USP Apresentando-se bem com o Currículo Lattes Eduardo Graziosi Silva Bibliotecário da EESC/USP Agenda Histórico da Plataforma Lattes Currículo Lattes: criação e preenchimento Perguntas? Currículo Lattes:

Leia mais

Metodologia Científica ILUSTRAÇÕES DAS NORMAS DA ABNT. Organização: Paulo Roberto de C. Mendonça Revisão: Vania Hirle

Metodologia Científica ILUSTRAÇÕES DAS NORMAS DA ABNT. Organização: Paulo Roberto de C. Mendonça Revisão: Vania Hirle ILUSTRAÇÕES DAS NORMAS DA ABNT NORMA NBR 6028 - INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO - RESUMO - APRESENTAÇÃO Organização: Paulo Roberto de C. Mendonça Revisão: Vania Hirle Resumo: NBR 6028 Definições. 2.1 palavra-chave:

Leia mais