UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE"

Transcrição

1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE 1

2 Todos possuem conceitos variados sobre os termos ciência, sociedade e tecnologia. Ao consultarmos o dicionário Aurélio, encontramos as seguintes definições: Um conjunto organizado e relativo aos conhecimentos de certas categorias que estão relacionados com os fatos ou fenômenos. Toda ciência, para definir se como tal, deve necessariamente recortar, no real, seu objeto próprio, assim como definir as bases de uma metodologia específica: ciências físicas e naturais. 2

3 Reunião de homens, de animais, que vivem em grupos organizados; corpo social. Conjunto de membros de uma coletividade, sujeitos às mesmas leis. Cada um dos diversos estágios da evolução do gênero humano. 3

4 Estudo dos instrumentos, processos e métodos empregados nos diversos ramos industriais. Nestas definições, podemos perceber claramente que a ciência está diretamente relacionada ao conhecimento,àsociedade,aos seres humanos e à tecnologia, às técnicas, aos métodos, processos e instrumentos. 4

5 Nas diferentes definições encontradas na literatura publicada sobre esses termos podemos destacar algumas características relevantes em cada uma: CIÊNCIA: Constitui se de um conjunto de conhecimentos organizados; Desenvolve se através do tempo; Parte de mecanismos de causalidade dos fatos observáveis; Baseia se no estudo objetivo de fenômenos empíricos; Está relacionada à comprovação de teorias; Está associada à publicação de artigos, teses, livros, etc.; Os conhecimentos criados são livremente veiculados e patrimônio da civilização. 5

6 SOCIEDADE: Constitui se por um conjunto de pessoas; Desenvolve se através do tempo; Baseia se em um sistema de relacionamentos entre as pessoas; Seus membros compartilham propósitos, interesses, preocupações e costumes e interagem entre si, constituindo uma comunidade; Seus membros constroem conhecimentos e desenvolvem tecnologia. 6

7 TECNOLOGIA: Constitui se de um conjunto de conhecimentos científicos ou empíricos; Desenvolve se através do tempo; Baseia se na aplicação dos conhecimentos na produção ou melhoria de bens e serviços; Está relacionada aos impactos socioeconômicos sobre uma comunidade; Seus resultados são obtidos a partir da aplicação de novos materiais, processos, métodos e produtos nos meios de produção; Está sintonizada com o desenvolvimento econômico e o bem estar da sociedade; Seus produtos e processos são passíveis de negociação e de enquadramento como patentes. 7

8 Ciência e Tecnologia não são neutras, são formas de poder e de dominação entre grupos humanos e de controle, onde: Ciência está associada à publicação de artigos, teses, livros, tratado, etc., e os conhecimentos por ele criados são livremente veículos. A tecnologia está sistematicamente vinculada a um produto ou processo passível de ser negociado e enquadrado por patentes. CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE INDÚSTRIA FLUXO CONSTANTE DO CONHECIMENTO 8

9 A tecnologia também pode ser definida como um acervo de conhecimentos de uma sociedade, como a ciência, entretanto, relaciona esse acervo de conhecimentos com as indústrias. CIÊNCIA TECNOLOGIA INDÚSTRIA REPRESENTAÇÃO DO FLUXO DE EVOLUÇÃO NA SOCIEDADE OCIDENTAL 9

10 Consulte o material didático: Para entender os conceitos sobre ciência, tecnologia e sociedade, leia o conteúdo das páginas de 31 a 33 do livro Gestão da Inovação Tecnológica, 2ª Edição, de Dálcio Roberto dos Reis, apresentação de Gina Paladino. Editora Manole,

11 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E RELAÇÃO DIALÉTICA ENTRE: CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE 11

12 Apesar da análise particularizada dos termos sociedade, ciência e tecnologia, no mundo real seria impossível tentarmos isolar esses conceitos, pois estão ligados por uma relação dialética. Dizer que a relação entre sociedade, ciência e tecnologia é dialética, significa dizer que: A sociedade determina os impactos na ciência e na tecnologia. A ciência determina os impactos na sociedade e na tecnologia. A tecnologia determina os impactos na sociedade e na ciência. 12

13 SOCIEDADE TECNOLOGIA CIÊNCIA As setas indicam um duplo sentido e simultâneo, que indica o que determina e o que é determinado. 13

14 Para entendermos melhor essa relação dialética entre ciência, tecnologia e sociedade, podemostomarcomoexemploocelular: A sociedade necessita se comunicar com mobilidade de formaqueoaparelhotelefônicoestivessejuntocomo homem para essa comunicação. Através da ciência, foram desenvolvidos os conhecimentos que suportassem a telefonia móvel e, por meio da tecnologia, foi desenvolvido o artefato do aparelho celular, dando início a telefonia sem fio. 14

15 Com o uso intensivo do aparelho celular, a tecnologia agregou novas funções a esse artefato, possibilitando o envio de mensagens de texto, por exemplo. Com a popularização do celular, os adolescentes passaram a ter acesso fácil a esse aparelho e, ao invés de falar ao telefone, começaram a utilizá lo com mais frequência para o envio de mensagens. A tecnologia, então, passou a determinar mudanças no comportamento dos adolescentes e em sua forma de comunicação. A partir do exemplo, podemos perceber que a sociedade demandou o desenvolvimento de novos conhecimentos através da ciência que, por sua vez, demandou o desenvolvimento de uma nova tecnologia. 15

16 O aparelho celular determinou novas formas de comportamento e de comunicação, impulsionou a evolução desse meio de comunicação possibilitando: acessar a Internet, fotografar, enviar mensagens, enviar e fazer downloads, ouvir musicas, etc. Agora que conhecemos as diferentes abordagens sobre a relação entre ciência, sociedade e tecnologia, precisamos compreender que cada uma reflete um momento histórico em nossa evolução contemporânea, impregnadas de crenças, valores, argumentos e conhecimentos próprios do cenário e do período evolutivo em questão. 16

17 Entretanto, atualmente podemos chegar a algumas conclusões oportunas e importantes para o exercício profissional na área de TIC: Há conceitos diferenciados sobre sociedade, ciência e tecnologia, variando de acordo com o período histórico, a cultura, o contexto e a abordagem que lhe são atribuídos. Sociedade, ciência e tecnologia mantêm uma relação dialética contínua entre si, em constante interação e determinação mútua de impactos em sua evolução. 17

18 Consulte o material didático: Para entender a relação dialética entre ciência, tecnologia e sociedade, leia o conteúdo das páginas de 33 a 35 do livro Gestão da Inovação Tecnológica, 2ª Edição, de Dálcio Roberto dos Reis, apresentação de Gina Paladino. Editora Manole,

19 RESUMO DESSA AULA Tivemos uma visão geral da disciplina Tecnologia da Informação e Comunicação. Compreendemos que há conceitos diferenciados sobre sociedade, ciência e tecnologia, variando de acordo com o período histórico, a cultura, o contexto e a abordagem que lhe são atribuídos. Aprendemos que sociedade, ciência e tecnologia mantêm uma relação dialética contínua entre si, em constante interação e determinação mútua de impactos em sua evolução. 19

20 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E PRÓXIMO TEMA UNIDADE 01 Evolução social, científica e tecnológica. 20

21 AULAS DE APOIO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E Este arquivo está disponibilizado para estudos e consultas no formato PDF. Alguns estarão disponíveis para impressão, outros, somente para leitura. ou 21

FORMAS DE ACESSO A TECNOLOGIA

FORMAS DE ACESSO A TECNOLOGIA FORMAS DE ACESSO A TECNOLOGIA 1 Nossos últimos assuntos foram: Estratégias de Inovação. Nesta aula veremos: Formas de Acesso à Tecnologia. 2 Serão comentados: Formas de Acesso à Tecnologia: Compra; Importação

Leia mais

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik O ensino de ciências segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais O ensino de Ciências tem

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

TECNOLOGIA WEB. Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura de Máquina; o Implementação

Leia mais

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES LIVRO ENGENHARIA FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES WILSON PADUA PAULA FILHO CAPÍTULO REQUISITOS 1 REQUISITOS TECNICO E GERENCIAL ESCOPO (RASCUNHO) CARACTERISTICAS 2 O que são Requisitos? São objetivos ou

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

Desenvolvimento Organizacional. Cultura e Clima Organizacional

Desenvolvimento Organizacional. Cultura e Clima Organizacional Cultura e Clima Organizacional Atualizado em 01/03/2016 OBJETIVO: Compreender as implicações das novas configurações e alternativas que permeiam o trabalho no mundo contemporâneo; Compreender e analisar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Secretaria de Tecnologia da Informação Coordenadoria de Sistemas BIBLIOTECA DIGITAL. Glossário

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Secretaria de Tecnologia da Informação Coordenadoria de Sistemas BIBLIOTECA DIGITAL. Glossário SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Secretaria de Tecnologia da Informação BIBLIOTECA DIGITAL GLOSSÁRIO Acervo bibliográfico Acervo comum Ajuda Área Argumento de pesquisa Assunto Autor Campos descritivos Cesta de

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência?

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência? CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE O que é Ciência? O QUE É CIÊNCIA? 1 Conhecimento sistematizado como campo de estudo. 2 Observação e classificação dos fatos inerentes a um determinado grupo de fenômenos

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 NATAL/RN MARÇO/2012

Leia mais

Revisão de Metodologia Científica

Revisão de Metodologia Científica Revisão de Metodologia Científica Luiz Eduardo S. Oliveira Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática http://lesoliveira.net Luiz S. Oliveira (UFPR) Revisão de Metodologia Científica 1

Leia mais

TCC EM SISTEMAS DA INFORMAÇÃO. Aula 9- Modelando um Sistema com a UML parte 2

TCC EM SISTEMAS DA INFORMAÇÃO. Aula 9- Modelando um Sistema com a UML parte 2 Aula 9- Modelando um Sistema com a UML parte 2 Objetivo desta sexta aula Identificar como deve ser o desenvolvimento da escrita do projeto. Apresentar exemplos de trabalhos modelados com a UML para que

Leia mais

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Etapas do Trabalho de Pesquisa Escolha do

Leia mais

Perfil dos clientes de Bibliotecas Universitárias: geração digital e serviços. Rosa Maria Andrade Grillo Beretta

Perfil dos clientes de Bibliotecas Universitárias: geração digital e serviços. Rosa Maria Andrade Grillo Beretta Perfil dos clientes de Bibliotecas Universitárias: geração digital e serviços. Rosa Maria Andrade Grillo Beretta Gramado Setembro de 2012 CONTEÚDO Estudo das Gerações A Geração Digital Competência Informacional

Leia mais

RÁDIO UNIVERSIDADE FM

RÁDIO UNIVERSIDADE FM RÁDIO UNIVERSIDADE FM Histórico Criada em 30 de março de 1974, através da Resolução nº 217/74, a Rádio Universidade (UEL) FM, entrou no ar em 06 de junho de 1990. Em 31 de julho de 2009 voltou a ser Órgão

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Prof.ª Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Componente

Leia mais

Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto

Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto BREVE HISTÓRICO O momento histórico contemporâneo é especial, porque vivemos uma era de profundas transformações em todas as áreas

Leia mais

Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física

Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física Mesa redonda 04 XXI SNEF Uberlândia, 27/01/2015 Profa. Eliane A. Veit, UFRGS Vivemos num país com dimensões

Leia mais

História da Ciência e Epistemologia Aplicadas ao Ensino de Química Paulo Alves Porto Instituto de Química - USP 17 / 09 / 2004

História da Ciência e Epistemologia Aplicadas ao Ensino de Química Paulo Alves Porto Instituto de Química - USP 17 / 09 / 2004 Mesa-redonda: Implicações da pesquisa nas atividades de formação de professores História da Ciência e Epistemologia Aplicadas ao Ensino de Química Paulo Alves Porto Instituto de Química - USP 17 / 09 /

Leia mais

Aluno(a): / / Cidade Polo: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA PESQUISA E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (PED)

Aluno(a): / / Cidade Polo:   CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA PESQUISA E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (PED) Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA PESQUISA E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (PED) Preencha o GABARITO: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Observação: Nesta atividade há 10 (dez) questões de múltipla

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº aprovado pela portaria Cetec nº de / / Etec: Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Habilitação Profissional:

Leia mais

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A Ministério da Educação e Ciência Agrupamento de Escolas de Anadia Ano letivo de 2015-2016 I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A CICLO CÓDIGO - DISCIPLINA ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

ÍNDICE CAMPANHA DE SINDICALIZAÇÃO Apresentação Anúncios Cartaz Adesivos Camiseta... 8

ÍNDICE CAMPANHA DE SINDICALIZAÇÃO Apresentação Anúncios Cartaz Adesivos Camiseta... 8 Manual de APLICAÇÃO DA CAMPANHA DE SINDICALIZAÇÃO 2013 ÍNDICE CAMPANHA DE SINDICALIZAÇÃO 2013 Apresentação... 3 Anúncios... 4 Cartaz... 6 Adesivos... 7 Camiseta... 8 CAMPANHA DE SINDICALIZAÇÃO 2013 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série O que é Patrimônio Cultural? Patrimônio é constituído pelos bens materiais e imateriais que se referem à nossa identidade, nossas ações, costumes,

Leia mais

TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS

TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE

Leia mais

Análise de Conteúdo. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Ms. Anderson dos Santos Carvalho

Análise de Conteúdo. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Ms. Anderson dos Santos Carvalho Análise de Conteúdo Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Ms. Anderson dos Santos Carvalho Introdução É importante esclarecer que a análise de conteúdo não deve ser confundida com a análise do

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Definição do Problema

1 Introdução. 1.1 Definição do Problema 1 Introdução 1.1 Definição do Problema Há pouco mais de 20 anos a Motorola apresentou para o mundo o primeiro telefone móvel comercial. Apelidado de tijolo, o DynaTAC 8000x pesava um pouco menos de 1 kilo,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISCIPLINA : METODOLOGIA DA PESQUISA ASSUNTO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISCIPLINA : METODOLOGIA DA PESQUISA ASSUNTO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISCIPLINA : METODOLOGIA DA PESQUISA ASSUNTO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO PROFESSOR : Romilson Lopes Sampaio CIÊNCIA Etimologia: Ciência

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Apresentação de Memoriais em Concursos de Livre-Docência e Professor Titular Faculdade de Medicina da USP

Sugestão de Roteiro para Apresentação de Memoriais em Concursos de Livre-Docência e Professor Titular Faculdade de Medicina da USP Sugestão de Roteiro para Apresentação de Memoriais em Concursos de Livre-Docência e Professor Titular Faculdade de Medicina da USP Identificação Resumo do Memorial Apresentação sob forma de tabelas demonstrando

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS MÓDULO 1

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS MÓDULO 1 FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS MÓDULO 1 Índice 1. Introdução...3 1.1. Conceituação dos Sistemas Operacionais... 3 2 1. INTRODUÇÃO 1.1. CONCEITUAÇÃO DOS SISTEMAS OPERACIONAIS A maior parte dos equipamentos

Leia mais

AULA 02 O Conhecimento Científico

AULA 02 O Conhecimento Científico 1 AULA 02 O Conhecimento Científico Ernesto F. L. Amaral 06 de agosto de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Aranha, Maria Lúcia de Arruda; Martins, Maria Helena Pires. 2003. Filosofando: introdução à filosofia.

Leia mais

O senso comum e o conhecimento científico. Beatriz Alvarenga Álvares

O senso comum e o conhecimento científico. Beatriz Alvarenga Álvares O senso comum e o conhecimento científico Beatriz Alvarenga Álvares As prováveis veis preocupações, no século s XXI, com os conhecimentos de Física F e com seu ensino As atenções dos Físicos no século

Leia mais

Grupo de Informática Disciplina de Pl PLANO CURRICULAR 12º ANO /2016

Grupo de Informática Disciplina de Pl PLANO CURRICULAR 12º ANO /2016 Curso Formação Geral Formação específica Matemática A (disciplina Curso Ciências e Tecnologia A - Biologia Química Física Geologia B - Psicologia B Inglês Aplicações Informáticas B (ver síntese pp. 4 e

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

UNIP Ciência da Computação AES Análise Essencial de Sistemas MER (Modelo Entidade Relacionamento)

UNIP Ciência da Computação AES Análise Essencial de Sistemas MER (Modelo Entidade Relacionamento) MER (Modelo Entidade Relacionamento) O Modelo Entidade Relacionamento é uma ferramenta para modelagem de dados, utilizada durante a modelagem do projeto conceitual de banco de dados. A utilização do MER

Leia mais

SISTEMA ELENCO DIGITAL Tecnologia e Relacionamento para Produção de Casting Sistema Elenco Digital Cadastro de ELENCO Agradecemos por se cadastrar e seu interesse em conhecer detalhes sobre o funcionamento

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA

METODOLOGIA CIENTÍFICA EQE040 METODOLOGIA CIENTÍFICA www.liviajatoba.com/eqe040 Professora Livia Jatobá liviajatoba@eq.ufrj.br 1 /22 SOBRE A DISCIPLINA FUNDAMENTOS DA METODOLOGIA CIENTÍFICA ÉTICA NA PESQUISA E NOS TRABALHOS

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Pervasivos)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Pervasivos) Tipos de Sistemas Distribuídos (Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais.

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman Centro Universitário Estácio da Bahia Conteúdo O contexto histórico

Leia mais

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR Curso: Desporto Ciclo: 1º Ramo: Licenciatura em Desporto Ano: 3º Designação: ECONOMIA E MARKETING DO DESPORTO Créditos: 6 Departamento: Ciências e Tecnologias Tipo: Área

Leia mais

Introdução ao Sistemas de Informação

Introdução ao Sistemas de Informação Introdução ao Sistemas de Informação Parte 1 Aula 3 Fundamentos de SI Prof. Walteno Martins Parreira Jr Utilidade da informação no século XX 1 A informação como recurso organizacional Organizações têm

Leia mais

VISÃO DE MUNDO E CTS

VISÃO DE MUNDO E CTS VISÃO DE MUNDO E CTS Visão de mundo A visão de mundo caracteriza-se como um conjunto pré-estabelecido de suposições que dá suporte para a formação da visão da realidade (CORBEN, 1991,1996) e constitui

Leia mais

CE Estatística I

CE Estatística I CE 002 - Estatística I Agronomia - Turma B Professor Walmes Marques Zeviani Laboratório de Estatística e Geoinformação Departamento de Estatística Universidade Federal do Paraná 1º semestre de 2012 Zeviani,

Leia mais

ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1)

ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1) ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1) Prof. Dr. Onofre Miranda (1) ZANELLA, L. C. H. Metodologia da Pesquisa. Florianópolis: SEaD:UFSC, 2006. OBJETIVO(S) GERAL Apresentar as etapas para desenvolvimento de

Leia mais

MANUAL DE ACESSO AOS SERVIÇOS CAFÉ Versão 3.0

MANUAL DE ACESSO AOS SERVIÇOS CAFÉ Versão 3.0 Diretoria Adjunta de Administração Versão 3.0 Adelcival de Sousa Cunha Endy de Almeida Costa João Marcelo Rondina Rildo Delpino São José do Rio Preto 2016 Cunha, Adelcival de Sousa Manual de acesso aos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ 13 específica, de segunda-feira a sexta-feira e aos sábados, caso seja necessário para complementação do período letivo e/ou carga horária curricular. Cada aula tem durafao de 50min (cinquenta minutos),

Leia mais

CIÊNCIA X IDEOLOGIA CRISTINA BENATTE BONOME. Cubatão

CIÊNCIA X IDEOLOGIA CRISTINA BENATTE BONOME. Cubatão CIÊNCIA X IDEOLOGIA CRISTINA BENATTE BONOME Cubatão 2012 CRISTINA BENATTE BONOME CIÊNCIA X IDEOLOGIA Trabalho apresentado ao Professor Admilson Toscano da disciplina Metodologia de pesquisa cientifica

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO NO VAREJO KAYANE VITORINO PERIRA¹, LIDIANE ROSVADOSKI², ROSANA DOS SANTOS PAULO³.

MARKETING DE RELACIONAMENTO NO VAREJO KAYANE VITORINO PERIRA¹, LIDIANE ROSVADOSKI², ROSANA DOS SANTOS PAULO³. MARKETING DE RELACIONAMENTO NO VAREJO KAYANE VITORINO PERIRA¹, LIDIANE ROSVADOSKI², ROSANA DOS SANTOS PAULO³. 1 - Aluna do 1º semestre do curso Superior de Gestão em Marketing UNIFIA 2 - Aluna do 1º semestre

Leia mais

Introdução a Sistemas de Informação

Introdução a Sistemas de Informação Introdução a Sistemas de Informação Orivaldo Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho, Fernando Fonseca & Ana Carolina Salgado Graduação 1 Introdução Sistema de Informação (SI)

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Contabilidade

Leia mais

Metodologia Científica ILUSTRAÇÕES DAS NORMAS DA ABNT. Organização: Paulo Roberto de C. Mendonça Revisão: Vania Hirle

Metodologia Científica ILUSTRAÇÕES DAS NORMAS DA ABNT. Organização: Paulo Roberto de C. Mendonça Revisão: Vania Hirle ILUSTRAÇÕES DAS NORMAS DA ABNT NORMA NBR 6028 - INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO - RESUMO - APRESENTAÇÃO Organização: Paulo Roberto de C. Mendonça Revisão: Vania Hirle Resumo: NBR 6028 Definições. 2.1 palavra-chave:

Leia mais

Associação de Resistores

Associação de Resistores Guia de aplicação de apoio ao experimento Painel Elétrico CC Experimentação Remota Móvel para o Ensino Básico e Superior Associação de Resistores Guia de Aplicação UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Leia mais

PRÊMIO SER HUMANO ABRH/MA REGULAMENTO 2016 MODALIDADE: GESTÃO DE PESSOAS / ORGANIZAÇÃO

PRÊMIO SER HUMANO ABRH/MA REGULAMENTO 2016 MODALIDADE: GESTÃO DE PESSOAS / ORGANIZAÇÃO Página 1 A. OBJETIVO A.1. O Prêmio Ser Humano ABRH/MA - Modalidade Gestão de Pessoas - Organização, premia os cases ou projetos implantados em organizações, relativos à gestão ou desenvolvimento dos seres

Leia mais

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO Ciências da Natureza 2º Ciclo 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico, a realizar em 2013 pelos alunos que se encontram

Leia mais

Prof. Luiz A. Nascimento

Prof. Luiz A. Nascimento Prof. Luiz A. Nascimento Qual a importância da Engenharia de Software? O desenvolvimento de um software envolve processos muitos complexos. A engenharia de software estabelece um modelo para se construir

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA DEPARTAMENTO DE ARTE E DESIGN

UNIVERSIDADE DA MADEIRA DEPARTAMENTO DE ARTE E DESIGN UNIVERSIDADE DA MADEIRA DEPARTAMENTO DE ARTE E DESIGN REGULAMENTO DA TRANSIÇÃO CURRICULAR ENTRE O CURSO DE LICENCIATURA EM DESIGN / PROJECTAÇÃO (Publicado no Diário da República II Série, nº159 1 de Julho

Leia mais

Experiências na formação de professores sobre o uso de TIC no Ensino de Química

Experiências na formação de professores sobre o uso de TIC no Ensino de Química Experiências na formação de professores sobre o uso de TIC no Ensino de Química 13º Simpósio Brasileiro de Educação Química - SIMPEQUI 05 a 07/08 - Fortaleza-CE Prof. Dr. Airton Marques da Silva UECE /

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática. FORMA/GRAU: ( )integrado ( )subsequente ( )concomitante ( )bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

Módulo 8 Teoria da Produção

Módulo 8 Teoria da Produção Módulo 8 Teoria da Produção Numa economia de mercado, consumidores e empresas representam respectivamente as unidades do setor de consumo e de produção, que se interrelacionam através do sistema de preços

Leia mais

Portal Moderna.Compartilha Guia de Funcionalidades para Alunos

Portal Moderna.Compartilha Guia de Funcionalidades para Alunos Portal Moderna.Compartilha Guia de Funcionalidades para Alunos 1 1. Acesso ao Portal Moderna.Compartilha... 3 2. LMS - Sistema de Gestão de Aprendizagem... 5 3. Rede Compartilha... 6 3.1 Xmile Learning...

Leia mais

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Investimento: Disciplinas: Fundado em 1965, o Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel - é um centro de excelência em ensino e pesquisa na área de Engenharia, e tem se consolidado cada vez mais, no Brasil e no exterior, como

Leia mais

PODCASTING Uma nova rádio, Uma nova forma de aprender

PODCASTING Uma nova rádio, Uma nova forma de aprender SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - SEED DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA TECNOLÓGICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC. PODCASTING Uma nova rádio, Uma nova forma de aprender ALEXSANDER B. OLIVEIRA MARLÍ VELASQUES

Leia mais

Palavras-chave: TIC; experimento; espaço amostral; evento.

Palavras-chave: TIC; experimento; espaço amostral; evento. UMA INTRODUÇÃO À TEORIA DA PROBABILIDADE: O USO DE AULAS MULTIMÍDIAS COMO FACILITADOR DO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM Diánis Ferreira Irias dianis.irias@hotmail.com Laura Lima Dias laura_limadias@hotmail.com

Leia mais

USO DO CORREIO ELETRÔNICO INSTITUCIONAL SUMÁRIO

USO DO CORREIO ELETRÔNICO INSTITUCIONAL SUMÁRIO 03/IN03/CGSIC/IFTM 00 - / /2013 29/08/2013 1/5 ORIGEM Esta é uma norma complementar à Política de Segurança de Informação e Comunicação (POSIC), a qual foi elaborada pela Diretoria de Tecnologia de Informação

Leia mais

Escola Principais autores Abordagens teóricas Metodologia

Escola Principais autores Abordagens teóricas Metodologia Revisão Antropologia II Escola Principais autores Abordagens teóricas Metodologia Evolucionismo Tylor, Fraser, Morgan Unidade humana, compreensão das diferenças através de uma linha evolutiva da humanidade,

Leia mais

Química Nova Interativa Novas tecnologias no Ensino de Química

Química Nova Interativa Novas tecnologias no Ensino de Química Química Nova Interativa Novas tecnologias no Ensino de Química Eduardo Galembeck (IB-UNICAMP) Guilherme A. Marson (IQ-USP) Quebrando o gelo Expectativas Quem é professor? Quem é aluno? Quem é químico?

Leia mais

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Ensino de História, Currículo, Currículo do Estado de São Paulo.

PALAVRAS-CHAVE: Ensino de História, Currículo, Currículo do Estado de São Paulo. O CURRÍCULO E O ENSINO DE HISTÓRIA NO ESTADO DE SÃO PAULO: O QUE DIZEM OS PROFESSORES? José Antonio Gonçalves Caetano- UEL 1 zg_caetano@hotmail.com CAPES-Cnpq Marlene Rosa Cainelli - UEL 2 RESUMO Este

Leia mais

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES MEDICINA - SÃO CARLOS. Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Medicina - Campus São Carlos

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES MEDICINA - SÃO CARLOS. Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Medicina - Campus São Carlos RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES MEDICINA - SÃO CARLOS Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Medicina - Campus São Carlos INDICADOR CLASSIFICAÇÃO ÍNDICE DE AVALIAÇÃO GERAL SATISFAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Estruturas e Interacção Social Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Estruturas e Interacção Social Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular Estruturas e Interacção Social Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular Estruturas

Leia mais

Guia para as atividades de estágio

Guia para as atividades de estágio UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Estagio Curricular Supervisionado II ECS2002 Guia para as atividades de estágio Os tópicos

Leia mais

12ª SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2015 LUZ, CIÊNCIA E VIDA

12ª SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2015 LUZ, CIÊNCIA E VIDA EDITAL 31/2015 NORMAS PARA PARTICIPAÇÃO NO VI SIMPÓSIO DE PESQUISA E INOVAÇÃO E V SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO INSTITUTO FEDERAL DO SUDESTE DE MINAS GERAIS - CAMPUS BARBACENA 12ª SEMANA NACIONAL

Leia mais

Assinale a resposta mais adequada de acordo com os nossos estudos nesta Unidade de Ensino:

Assinale a resposta mais adequada de acordo com os nossos estudos nesta Unidade de Ensino: Questão 1 Se as inovações tecnológicas modificam o ritmo de vida das pessoas, pode-se dizer que alterações no ritmo das jornadas de trabalho também têm relação com as novas tecnologias? Assinale a resposta

Leia mais

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 19 de março de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

Competências Digitais para Professores. 3ª Edição. Ana Reto

Competências Digitais para Professores. 3ª Edição. Ana Reto Competências Digitais para Professores 3ª Edição Ana Reto Artefacto 2 Resolução de situações Problemáticas aplicadas ao dia-a-dia. PROBLEMA DO MÊS Resolução de situações Problemáticas na disciplina de

Leia mais

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA Ficha de inscrição 17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA 2014/2015 Categoria Artigo Jornalístico Nível superior Tema: A importância dos museus na formação cultural do país Aluna: Janaina Bárbara Bolonezi

Leia mais

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL. Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura Sejam Bem-Vindos!

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL. Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura Sejam Bem-Vindos! RELACIONAMENTO INTERPESSOAL Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura Sejam Bem-Vindos! ACORDO DE TRABALHO Motivação Disposição para aprendizagem xícara de chá Comprometimento com os resultados Trazer o Vinho

Leia mais

BLOGS COMO APOIO A APRENDIZAGEM DE FÍSICA E QUÍMICA

BLOGS COMO APOIO A APRENDIZAGEM DE FÍSICA E QUÍMICA BLOGS COMO APOIO A APRENDIZAGEM DE FÍSICA E QUÍMICA Silvia Ferreto da Silva Moresco Patricia Alejandra Behar UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO NÚCLEO DE TECNOLOGIA APLICADA

Leia mais

Introdução à Interação Humano-Computador. Teorias de IHC Engenharia Cognitiva. Fragmentação de IHC

Introdução à Interação Humano-Computador. Teorias de IHC Engenharia Cognitiva. Fragmentação de IHC Introdução à Interação Humano-Computador Teorias de IHC Engenharia Cognitiva Professora: Raquel Oliveira Prates http://www.dcc.ufmg.br/~rprates/ihc \ Aula 1: 14/05 Fragmentação de IHC A grande quantidade

Leia mais

Licenciatura em Design e Tecnologia das Artes Gráficas

Licenciatura em Design e Tecnologia das Artes Gráficas Feriado FREQUÊNCIAS 2014/2015 Avaliação Contínua até 13 de junho 00-jan 01-jun 02-jun 03-jun 04-jun 08-jun 09-jun 10-jun 11-jun 12-jun 13-jun 2ª F 2ª F 3ª F 4ª F 5ª F 2ª F 3ª F 4ª F 5ª F 6ª F SÁB Análise

Leia mais

Introdução ao Discipulado aos alunos do programa Desafio Jovem com respostas Senhor, me ajude, eu sou novo na equipe!

Introdução ao Discipulado aos alunos do programa Desafio Jovem com respostas Senhor, me ajude, eu sou novo na equipe! Introdução ao Discipulado aos alunos do programa Desafio Jovem com respostas Senhor, me ajude, eu sou novo na equipe! Por Dave Batty Visão Geral 1. Quais são os maiores desafios encarados pelos novos membros

Leia mais

Tutorial para preenchimento do Currículo Lattes

Tutorial para preenchimento do Currículo Lattes Tutorial para preenchimento do Currículo Lattes Universidade do Estado de Minas Gerais 2016 1 Apresentação O Currículo Lattes é um documento padronizado pelo Conselho Nacional de Pesquisa CNPq para padronizar,

Leia mais

USO DE BLOG EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA POSSIBILIDADE PEDAGÓGICA

USO DE BLOG EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA POSSIBILIDADE PEDAGÓGICA FUNDAÇÃO OSWALDO ARANHA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO MEIO AMBIENTE FÁTIMA HELENA DA FONSECA MIRANDA USO DE BLOG EM EDUCAÇÃO

Leia mais

AULA: Introdução à Informática I

AULA: Introdução à Informática I Campus Muriaé Professor: Luciano Gonçalves Moreir Disciplina: Informática Aplicada I AULA: Introdução à Informática I O que é Informática? Pode dizer-se que informática é ciência que estuda o processamento

Leia mais

ESTUDO DA GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA NO AMBIENTE DE MATEMÁTICA DINÂMICA - GEOGEBRA

ESTUDO DA GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA NO AMBIENTE DE MATEMÁTICA DINÂMICA - GEOGEBRA ESTUDO DA GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA NO AMBIENTE DE MATEMÁTICA DINÂMICA - GEOGEBRA Marcelo Pirôpo da Silva 1 Universidade Estadual de Santa Cruz marcelopiropo@hotmail.com Resumo: O presente trabalho tem

Leia mais

Apresentação. Ludmila Andrzejewski Culpi 1

Apresentação. Ludmila Andrzejewski Culpi 1 Apresentação Ludmila Andrzejewski Culpi 1 Esse dossiê organizado por professores do Centro Universitário Internacional UNINTER tem o objetivo de divulgar artigos de qualidade desenvolvidos por alunos e

Leia mais

Objetivo do GEPEMHEP:

Objetivo do GEPEMHEP: GEPEMHEP/ Centro Paula Souza Objetivo do GEPEMHEP: Propor e desenvolver projetos de estudos e pesquisas com a finalidade de levantar, analisar e divulgar informações sobre práticas escolares e pedagógicas

Leia mais

REGIMENTO DA DISCIPLINA CE078 LABORATÓRIO DE ESTATÍSTICA DO CURSO DE ESTATÍSTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

REGIMENTO DA DISCIPLINA CE078 LABORATÓRIO DE ESTATÍSTICA DO CURSO DE ESTATÍSTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ REGIMENTO DA DISCIPLINA CE078 LABORATÓRIO DE ESTATÍSTICA DO CURSO DE ESTATÍSTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Os alunos do Curso de Estatística da UFPR regularmente matriculados na disciplina CE078

Leia mais

A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA ARQUIVÍSTICA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL NO BRASIL

A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA ARQUIVÍSTICA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL NO BRASIL A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA ARQUIVÍSTICA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL NO BRASIL José Mauro Gouveia (Universidade de Brasília) Eliane Braga de Oliveira (Universidade de Brasília) A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA

Leia mais

Troféu Português do Voluntariado Regulamento

Troféu Português do Voluntariado Regulamento Troféu Português do Voluntariado Regulamento INTRODUÇÃO Considerando a necessidade de promover e incentivar a prática do voluntariado, de relevar o trabalho anónimo, empenhado e desinteressado, de incentivar

Leia mais

Administração. Arte, Ideologia, Ciência ou Costume Moral

Administração. Arte, Ideologia, Ciência ou Costume Moral Administração Arte, Ideologia, Ciência ou Costume Moral Administração como Arte Os administradores possuem habilidade inatas, uma espécie de talento com o qual já nascem. A administração pode ser aperfeiçoada

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MÓVEIS (Dev-Apps)

ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MÓVEIS (Dev-Apps) FACULDADE CESAR Unidade de Educação do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MÓVEIS (Dev-Apps) PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Edital do Processo Seletivo

Leia mais

12/20/2010. O primeiro é um problema científico, o segundo é um problema moral. (Nerio. Rojas)

12/20/2010. O primeiro é um problema científico, o segundo é um problema moral. (Nerio. Rojas) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Filosofia Ciências e Letras - Departamento de Química 2 Encontro Nacional de Química Forense Ribeirão Preto SP 8 a 11/12/2010 O dever de um PERITO é dizer a verdade;

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - CAPES

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - CAPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Normas e Critérios para Concessão de Bolsas por quota - CAPES e CNPq 2014/2015 (* Alterações aprovadas em reunião do Conselho do Programa realizada no dia 22 de agosto

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Sociologia Série: 2º Eixo Tecnológico:

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES AILTON GORDIANO ELIANA PIGARI BAPTISTA. A criação e a Evolução Biológica dos Seres Vivos

ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES AILTON GORDIANO ELIANA PIGARI BAPTISTA. A criação e a Evolução Biológica dos Seres Vivos ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES AILTON GORDIANO ELIANA PIGARI BAPTISTA A criação e a Evolução Biológica dos Seres Vivos TAQUARUSSU MS AGOSTO/2009 ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES AILTON GORDIANO

Leia mais