Masculinidade na Construção da Saúde do Homem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Masculinidade na Construção da Saúde do Homem"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE SAÚDE COLETIVA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA Masculinidade na Construção da Saúde do Homem Autores Marianne Cardoso Julio Neuza Cristina Gomes da Costa Alane Andréa Souza Costa Maurício Matheus de Melo Rosa Érica Martins da Cunha Bianca Tiemi Morais Matsui

2 Introdução Projeto de Pesquisa: Masculinidade em Questão? O Homem na Estratégia de Saúde da Família. Pesquisas e estudos mostram como a masculinidade interfere diretamente e indiretamente na vida dos homens, principalmente quando se trata da própria saúde. A população masculina cuida menos da saúde em virtude de ter dificuldades em se afastar do trabalho, procura por ajuda médica apenas diante de situações críticas que ocasionam limites na vida social, e por isso adoecem de modo mais severo.

3 Objetivo Analisar a influência da construção social da masculinidade nas formas de adoecer e o comportamento dos homens em relação ao seu cuidar.

4 Metodologia Trata-se de uma pesquisa bibliográfica com abordagem qualitativa. Realizou-se um levantamento bibliográfico da literatura de fundamentação teórica e metodológica contemplando as contribuições da Antropologia, da Sociologia, da Ciência Política, da História e da Saúde Coletiva.

5 Apresentação dos Resultados Masculinidade é um gênero, que basicamente seria identificada somente pela formulação biológica. Porém o gênero é culturamente constituído, criando a possibilidade de gêneros diferentes (Judith Butler, 2003) A ideia cultural intitulada pela sociedade em relação ao homem aplicam a este as virtudes de virilidade, superioridade, dominação, moral, honra, trabalho e força. Visão esta que é fruto de uma cultura herdada há muitos anos atrás e que predomina em nosso meio até os dias de hoje (Pierre Bourdie, 2003; Robert Connel, 1995).

6 Apresentação dos Resultados As ações citadas anteriormente, desenvolvem problemas para o próprio homem, como o uso de bebida alcoólica e tabaco para serem autossuficientes, arrojados, superiores, o que leva estes homens a sérios problemas de saúde (Harrison; Chin; Ficarrotto, 1994). Características como força, assertividade e não-vulnerabilidade, nos homens, levam a um menor cuidado com a saúde e a uma menor procura de médicos por parte destes, uma vez que isso são representados como uma fraqueza (Rosely Gomes Costa, 2003).

7 Apresentação dos Resultados O Ministério da Saúde lançou em 2008 a Política Nacional de Atenção Integral a Saúde do Homem, formalizada em 2009, visando estimular o autocuidado e o reconhecimento que a saúde é um direito social básico e de cidadania de todos os homens brasileiros. Atenção essa que passou a ser analisada quando se constatou que homens são mais vulneráveis as doenças do que as mulheres, e que eles não buscam a atenção primária de saúde como elas, sendo que muitos agravos poderiam ser evitados caso os homens realizassem regularmente medidas de prevenção (BRASIL, 2009).

8 Apresentação dos Resultados Os profissionais da saúde devem buscar um olhar mais ampliado sobre a relação estabelecida entre o homem e o meio, desde as questões identitárias que trazem consigo valores sociais diferenciados. Este olhar inclui a compreensão da construção social da masculinidade que é responsável pelas formas de adoecer do homem e suas consequências. Conhecer e compreender as formas construídas da masculinidade é essencial para que os profissionais da saúde compreendam as formas de adoecer do homem, a falta de adesão destes ao tratamento, a não procura pelo seu cuidar, bem como o alto índice de morbidade e mortalidade masculina.

9 Considerações Finais A grande contribuição que tem a masculinidade para a baixa demanda de homens aos serviços de assistência à saúde torna importante um maior investimento nas políticas públicas voltadas para eles. Os estudos demonstram a necessidade em ampliar o conhecimento da temática, para assim, fomentar o debate acerca da inclusão do homem na agenda dos serviços de saúde.

10 Referências BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde, BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, CONNELL, R. W. Políticas da masculinidade. Educação & Realidade. v. 20, n COSTA, R. G. Saúde e Masculinidade: reflexões de uma perspectiva de gênero. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 20, n. 1, jan./jun HARRISON, J.; CHINN, J.; FICARROTTO, T. Warning: masculinity may be dangerous to your health. In: KIMMEL, M.; MESSNER, M. (Ed.). Men s Lives. Boston: Allyn and Bacon, 1994.

A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA

A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA Maria do Perpétuo Socorro Lima Viana E-mail: socorroviana_@hotmail.com

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática Secretaria de Atenção à Saúde - SAS

Leia mais

O que é uma alimentação saudável? Considerações sobre o conceito, princípios e características: uma abordagem ampliada.

O que é uma alimentação saudável? Considerações sobre o conceito, princípios e características: uma abordagem ampliada. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO O que é uma alimentação saudável? Considerações sobre o conceito,

Leia mais

PROGRAMA DE CURSO EMENTA:

PROGRAMA DE CURSO EMENTA: Curso: Enfermagem Disciplina: Políticas de Saúde Carga Horária: 36h. PROGRAMA DE CURSO EMENTA: Estuda a evolução da saúde no Brasil, as relações entre estado,sociedade,políticas e organização das ações

Leia mais

PROJETO CINEMAPSI: ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM PSICOLOGIA

PROJETO CINEMAPSI: ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM PSICOLOGIA CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 RESUMO PROJETO CINEMAPSI: ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM PSICOLOGIA Monique Santos Ysmael Rocha Fátima

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA - SP Curso ENFERMAGEM Disciplina: ADMINSTRAÇÃO Ano letivo 2011 Série: 3ª Carga Horária:72h/aula Teoria: 72h/aula sem/semestral Professor(a) Claudia Lysia de

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DO NORTE GOIANO OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM Objetivos do curso O Curso de Graduação em Enfermagem tem por objetivo formar bacharel em enfermagem (enfermeiro) capaz de influenciar na construção

Leia mais

FORMAÇÃO DE AGENTES SOCIAIS DE ESPORTE E LAZER PROGRAMAÇÃO

FORMAÇÃO DE AGENTES SOCIAIS DE ESPORTE E LAZER PROGRAMAÇÃO MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE, EDUCAÇÃO, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL PROGRAMA ESPORTE E LAZER DA CIDADE PELC FORMAÇÃO DE AGENTES SOCIAIS DE ESPORTE E LAZER 1 - IDENTIFICAÇÃO: PROGRAMAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Vanessa Martins Hidd Santos NOVAFAPI INTRODUÇÃO A avaliação institucional constitui objeto de preocupação e análise na NOVAFAPI, desde sua fundação quando

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso: Psicologia Núcleo Temático: Fundamentos Téoricos Disciplina: Análise Experimental do Comportamento I Professor(es): Cassia Roberta

Leia mais

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA Gisele Cristina Tertuliano RESUMO Este artigo é um relato de experiência sobre o processo de aprendizagem de aprendizagem para

Leia mais

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/AIDS na Saúde Mental no Brasil

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/AIDS na Saúde Mental no Brasil Seminário PRISSMA-PESSOAS Rio de Janeiro, RJ 13 e 14 de março de 2008 Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/AIDS na Mental no Brasil Cristina de A. Possas Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

PPGED-UFPA Vitor Sousa Cunha Nery 26/01/2017 EDUCAÇÃO CULTURA E SOCIEDADE. O PODER SIMBÓLICO: conceito de habitus PIERRE BOURDIEU

PPGED-UFPA Vitor Sousa Cunha Nery 26/01/2017 EDUCAÇÃO CULTURA E SOCIEDADE. O PODER SIMBÓLICO: conceito de habitus PIERRE BOURDIEU EDUCAÇÃO CULTURA E SOCIEDADE PPGED-UFPA Vitor Sousa Cunha Nery 26/01/2017 O PODER SIMBÓLICO: conceito de habitus PIERRE BOURDIEU agenda 1. 2. Biografia do Autor Conceitos Básicos 3. Conceito de Habitus

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE MOTIVOS DA NÃO ADESÃO AO EXAME DE PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO UTERINO EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

IDENTIFICAÇÃO DE MOTIVOS DA NÃO ADESÃO AO EXAME DE PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO UTERINO EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

Formação de Merendeiras: análise das formações pelos Cecanes. Lorena Chaves Nutricionista/RT COTAN/FNDE Cecane UnB Mestranda Unifesp

Formação de Merendeiras: análise das formações pelos Cecanes. Lorena Chaves Nutricionista/RT COTAN/FNDE Cecane UnB Mestranda Unifesp Formação de Merendeiras: análise das formações pelos Cecanes Lorena Chaves Nutricionista/RT COTAN/FNDE Cecane UnB Mestranda Unifesp Estrutura de apresentação Levantamento bibliográfico Projeto de pesquisa

Leia mais

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DOS ANOS

Leia mais

Edital VC 002/2011 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE CURRÍCULOS DE CANDIDATOS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS:

Edital VC 002/2011 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE CURRÍCULOS DE CANDIDATOS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: Edital VC 002/2011 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE CURRÍCULOS DE CANDIDATOS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: Modalidade Produto Área de Ciências Humanas e Direitos Humanos SELECIONA CURRÍCULOS

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA CÓDIGO: CHF217 DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA I CARGA HORÁRIA: 60H EMENTA:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PUBLICIDADE E PROPAGANGA

EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PUBLICIDADE E PROPAGANGA EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PUBLICIDADE E PROPAGANGA 1) ASSESSORIA E CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO O mapeamento do campo de atuação em assessoria e consultoria em comunicação, baseado na

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Semestre Letivo. 1. Identificação Código. 1.2 Unidade: Faculdade de Medicina Departamento Responsável: Medicina Social 25.

PLANO DE ENSINO. Semestre Letivo. 1. Identificação Código. 1.2 Unidade: Faculdade de Medicina Departamento Responsável: Medicina Social 25. PLANO DE ENSINO Ano Semestre Letivo 2014 2 1. Identificação Código 1.1 Disciplina: Antropologia do corpo e da saúde 0450041 1.2 Unidade: Faculdade de Medicina 25 1.3 Departamento Responsável: Medicina

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PLANO DE ENSINO Semestre 2015.1 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA PRÉ-REQUISITOS EXA 471 Metodologia e didática do ensino --------------------------------------------- de química CURSO DEPARTAMENTO ÁREA

Leia mais

Revisão de Metodologia Científica

Revisão de Metodologia Científica Revisão de Metodologia Científica Luiz Eduardo S. Oliveira Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática http://lesoliveira.net Luiz S. Oliveira (UFPR) Revisão de Metodologia Científica 1

Leia mais

MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA

MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA INTRODUÇÃO Neste Caso Didático vamos relatar a experiência de organização dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) de um município de grande

Leia mais

Coordenadores: Conceição Gomes e José Igreja Matos Horas: 35

Coordenadores: Conceição Gomes e José Igreja Matos Horas: 35 Plano Curricular UC 1: Governação e organização do sistema de justiça Coordenadores: Conceição Gomes e José Igreja Matos Horas: 35 Objetivos: Refletir sobre o papel e as funções dos tribunais nas sociedades

Leia mais

DIVERSIDADE SEXUAL NA ESCOLA: ESTRATÉGICAS DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA POPULAÇÃO LGBTT NO IFPE RECIFE E NA REDE ESTADUAL DE PERNAMBUCO

DIVERSIDADE SEXUAL NA ESCOLA: ESTRATÉGICAS DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA POPULAÇÃO LGBTT NO IFPE RECIFE E NA REDE ESTADUAL DE PERNAMBUCO DIVERSIDADE SEXUAL NA ESCOLA: ESTRATÉGICAS DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA POPULAÇÃO LGBTT NO IFPE RECIFE E NA REDE ESTADUAL DE PERNAMBUCO COORDENADORA: DANIELA BARROS COLABORADORES/COLABORADORAS:

Leia mais

TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO

TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES):

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Perspectivas Sociológicas em Educação II - JP0018 PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 30h II EMENTA A disciplina de Perspectivas

Leia mais

O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL

O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL Acadêmica :Amanda da Silva Alves Orientador: Alexsandro Barreto Almeida Águas Claras - DF 2016 Alexsandro Barreto

Leia mais

DROGAS E EDUCAÇÃO UMA RELAÇÃO PARA A VIDA

DROGAS E EDUCAÇÃO UMA RELAÇÃO PARA A VIDA DROGAS E EDUCAÇÃO UMA RELAÇÃO PARA A VIDA Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Universidade Federal de Campina Grande robsonsfr@hotmail.com) Ailanti de Melo Costa Lima (Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

Ensino em arquitetura e urbanismo: meios digitais e processos de projeto

Ensino em arquitetura e urbanismo: meios digitais e processos de projeto PROJETO DE PESQUISA PÓS-DOUTORADO Ensino em arquitetura e urbanismo: meios digitais e processos de projeto Candidata: Mayara Dias de Souza Supervisor: Prof. Associado Dr. Marcelo Tramontano 1 RESUMO Reflexões

Leia mais

Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro

Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro Ana Lucia A. de Toledo Carla R. Fernandes 1 Ana Claudia S. Amaral -NESC/UFRJ-SMS/RJ) Vania da S. Cardoso

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde 040 Curso: Psicologia Disciplina: Psicologia e Processos de Prevenção e Promoção da Saúde Coletiva Professor(es): Robson Jesus Rusche Carga

Leia mais

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB Silmery da Silva Brito- UFPB- silmery_ce@hotmail.com Regiane Fixina de Lucena UEPB regi.rfl@bol.com.br Joyce Lane Braz Virgolino- UFPB- joyce.lane@hotmail.com

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação PROPOSTA DE QUALIFICAÇÃO DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO BRASIL Brasília, Junho/2004

Leia mais

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I Código: ENF- 209 Pré-requisito:

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA: OS IMPACTOS POSITIVOS NAS FAMÍLIAS BENEFICIÁRIAS DO PROGRAMA NO SETOR AEROPORTO NO MUNICÍPIO DE OURILÂNDIA DO NORTE/PA

BOLSA FAMÍLIA: OS IMPACTOS POSITIVOS NAS FAMÍLIAS BENEFICIÁRIAS DO PROGRAMA NO SETOR AEROPORTO NO MUNICÍPIO DE OURILÂNDIA DO NORTE/PA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Gezeir Farias da Silva Juliana Sousa Porto Maurício Carlos da Silva

Leia mais

VI SEMINÁRIO DA REDE BRASILEIRA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 19 a 21 de Novembro de 2014

VI SEMINÁRIO DA REDE BRASILEIRA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 19 a 21 de Novembro de 2014 [1 ] VI SEMINÁRIO DA REDE BRASILEIRA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 19 a 21 de Novembro de 2014 O papel estratégico do monitoramento e da avaliação no contexto das políticas públicas: a experiência de execução

Leia mais

OS FATORES DE RISCOS PARA NÃO REALIZAÇÃO DO PARTO NORMAL

OS FATORES DE RISCOS PARA NÃO REALIZAÇÃO DO PARTO NORMAL OS FATORES DE RISCOS PARA NÃO REALIZAÇÃO DO PARTO NORMAL Amanda Florêncio da Silva* Rosemeire do Carmo Martelo** JUSTIFICATIVA No Brasil vem aumentando o número de partos cesarianos, sem base científica

Leia mais

POLITICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL

POLITICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL 1 POLITICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL Elisabeth Rossetto 1 A formação de professores para a educação especial enfrenta em nosso país sérios desafios decorrentes tanto do contexto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

LONGE DEMAIS DAS CAPITAIS: O SECRETÁRIO EXECUTIVO NA PERIFERIA DA PERIFERIA DO CAPITAL

LONGE DEMAIS DAS CAPITAIS: O SECRETÁRIO EXECUTIVO NA PERIFERIA DA PERIFERIA DO CAPITAL LONGE DEMAIS DAS CAPITAIS: O SECRETÁRIO EXECUTIVO NA PERIFERIA DA PERIFERIA DO CAPITAL Profª Marília Lobato - UNIFAP; Bacharel Maycon Aleluia e Prof. Dr. Arley Costa - UFF O que instigou a construção do

Leia mais

Ética e Conduta Empresarial no âmbito da saúde 26º Congresso Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos

Ética e Conduta Empresarial no âmbito da saúde 26º Congresso Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos Ética e Conduta Empresarial no âmbito da saúde 26º Congresso Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos Anahp O tema da ética Anahp Representatividade Ética Organizações de saúde e ética Ao trabalhar

Leia mais

Gênese socioeconômica e histórico da Educação Ambiental. Prof.ª Drª Ana Maria Thielen Merck

Gênese socioeconômica e histórico da Educação Ambiental. Prof.ª Drª Ana Maria Thielen Merck Gênese socioeconômica e histórico da Educação Ambiental Prof.ª Drª Ana Maria Thielen Merck Situação socioeconômica das décadas 60 e 70 no mundo Divisão de blocos econômicos ( países desenvolvidos x não

Leia mais

ANEXO I: Modelo de Programa de Disciplina (elaborar em conformidade com o Projeto Pedagógico do Curso)

ANEXO I: Modelo de Programa de Disciplina (elaborar em conformidade com o Projeto Pedagógico do Curso) ANEXO I: Modelo de Programa de Disciplina (elaborar em conformidade com o Projeto Pedagógico do Curso) Sociologia rural CARGA HORÁRIA PROGRAMA DE DISCIPLINA NOME COLEGIADO CÓDIGO SEMESTRE Engenharia Agronômica

Leia mais

Lista de TCC da Licenciatura em Educomunicação ECA USP

Lista de TCC da Licenciatura em Educomunicação ECA USP Lista de TCC da Licenciatura em Educomunicação ECA USP N Aluno Orientador Titulo do Trabalho Defesa Média 1 Wilson Biancardi Lopes Roselí Fígaro Educomunicação, Trabalho e Competências para o Século XXI

Leia mais

Licenciandos; 3 Coordenador. I Encontro de Sensibilização Ambiental do Lourdes Guilherme. Tema: Revitalização do espaço escolar e qualidade de vida

Licenciandos; 3 Coordenador. I Encontro de Sensibilização Ambiental do Lourdes Guilherme. Tema: Revitalização do espaço escolar e qualidade de vida MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) Subprojeto Biologia Carla Tatiane 1 ; Evanoel Nunes 2 ; Ivaneide Alves

Leia mais

Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil

Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil APRESENTAÇÃO No Brasil os homens vivem em média 7,2 anos menos do que as mulheres, segundo dados do IBGE em 2015, a expectativa de vida da população masculina

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Conteúdos e Didática de História

Conteúdos e Didática de História Conteúdos e Didática de História Professora autora: Teresa Malatian Departamento de História da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais UNESP / Franca. Bloco 2 Disciplina 21 Didática dos Conteúdos Conteúdos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS - FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS - FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS - FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ÉTICA E EXERCÍCIO DA ENFERMAGEM GRADE: RESOL. CEPEC

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: FIS09 Carga Horária: 60 Créditos: 03 Pré-requisito: Período: IV Ano:

PLANO DE CURSO. Código: FIS09 Carga Horária: 60 Créditos: 03 Pré-requisito: Período: IV Ano: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Educação Física Disciplina: Educação Física na Infância Professor: Gilson Pereira Souza E-mail: professorgilsonpereira@gmail.com Código:

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS COSTA, Yago da 1 ; ALVES, Beatriz Rodrigues 2 ; FELIX, Jefferson Ferreira 3 ; PACHECO, Lílian Fernanda

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS OCORRÊNCIAS DE QUEDAS DE ÁRVORES E AS SUAS RELAÇÕES

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS OCORRÊNCIAS DE QUEDAS DE ÁRVORES E AS SUAS RELAÇÕES DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS OCORRÊNCIAS DE QUEDAS DE ÁRVORES E AS SUAS RELAÇÕES COM VENTOS FORTES NO ESTADO DE SÃO PAULO DE 2000 A 2007 Mayra de Oliveira Melo 1 ; Iára Regina Nocentini André 2 ; Thiago Salomão

Leia mais

Secretaria Nacional de Promoção e Defesa de Direitos Humanos (SNPDDH)

Secretaria Nacional de Promoção e Defesa de Direitos Humanos (SNPDDH) (SNPDDH) PAULO ROBERTO MARTINS MALDOS Secretário paulo.maldos@sdh.gov.br Brasília, 09 de março de 2015 Principais responsabilidades da SNPDDH políticas de promoção e defesa dos direitos dos idosos e da

Leia mais

Gastos com medicamentos para tratamento da asma pelo Ministério da Saúde, 2007-2011

Gastos com medicamentos para tratamento da asma pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Gastos com medicamentos para tratamento da asma pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Cristiane Olinda Coradi, Marina Guimarães Lima Departamento de Farmácia Social da Faculdade de Farmácia da Universidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CEBC COMO SE ASSOCIAR 2014

APRESENTAÇÃO DO CEBC COMO SE ASSOCIAR 2014 APRESENTAÇÃO DO CEBC 201 QUEM SOMOS FUNDADO EM 200, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA,

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo II Políticas Públicas e Direitos Humanos Aula 7 Políticas públicas e

Leia mais

A atuação psicopedagógica institucional

A atuação psicopedagógica institucional A atuação psicopedagógica institucional Psicopedagogia Dorival Rosa Brito 1 A psicopedagogia assume um compromisso com a melhoria da qualidade do ensino expandindo sua atuação para o espaço escolar, atendendo,

Leia mais

A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE

A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE Autor: Celso Guilherme de Souza Silva Estudante de Geografia da Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

COMPORTAMENTO DO SALÁRIO FORMAL NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS NO PERÍODO ENTRE 2002 E 2014.

COMPORTAMENTO DO SALÁRIO FORMAL NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS NO PERÍODO ENTRE 2002 E 2014. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

REFLEXÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE NA SAÚDE. BERNARDES, Ana Paula Fugazza¹ GASDA, Vera Lúcia Podewils 1 PEZENTI, Daiana¹ PINHEIRO, Shirla Regina²

REFLEXÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE NA SAÚDE. BERNARDES, Ana Paula Fugazza¹ GASDA, Vera Lúcia Podewils 1 PEZENTI, Daiana¹ PINHEIRO, Shirla Regina² REFLEXÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE NA SAÚDE BERNARDES, Ana Paula Fugazza¹ GASDA, Vera Lúcia Podewils 1 PEZENTI, Daiana¹ PINHEIRO, Shirla Regina² Introdução: Em fevereiro de 2004, o Ministério da Saúde institui

Leia mais

RESSIGNIFICAR: PSICOLOGIA E ONCOLOGIA 1. Jacson Fantinelli Dos Santos 2, Flávia Flach 3.

RESSIGNIFICAR: PSICOLOGIA E ONCOLOGIA 1. Jacson Fantinelli Dos Santos 2, Flávia Flach 3. RESSIGNIFICAR: PSICOLOGIA E ONCOLOGIA 1 Jacson Fantinelli Dos Santos 2, Flávia Flach 3. 1 Trabalho de Extensão Departamento de Humanidades e Educação, Curso de Graduação em Psicologia 2 Acadêmico do 8ºsemestre

Leia mais

O Senso Comum e os Corpos Generificados

O Senso Comum e os Corpos Generificados O Senso Comum e os Corpos Generificados Vincular o comportamento ao sexo, gênero à genitália, definindo o feminino pela presença da vagina e o masculino pelo pênis, remonta ao século XIX quando o sexo

Leia mais

SMA 0186 PRÁTICA DO ENSINO DE MATEMÁTICA I- 2011

SMA 0186 PRÁTICA DO ENSINO DE MATEMÁTICA I- 2011 SMA 0186 PRÁTICA DO ENSINO DE MATEMÁTICA I- 2011 Responsável: Dra. Miriam Cardoso Utsumi Horário: quarta-feira 16:10h as 17:50h, sala : LEM Atendimento a alunos: PRESENCIALMENTE apenas às terças e quintas:

Leia mais

Eixo temático: Política Social e Trabalho

Eixo temático: Política Social e Trabalho ISSN 2359-1277 A COMPREENSÃO DO CONCEITO VULNERABILIDADE SOCIAL PELOS TRABALHADORES DA POLITICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL Aluna Gabriela Nunes da Silva PIC (PIBIC/Fundação Araucária) Unespar/Campus Paranavaí,

Leia mais

ORIENTAÇO ES PARA DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE INTERVENÇA O

ORIENTAÇO ES PARA DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE INTERVENÇA O ORIENTAÇO ES PARA DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE INTERVENÇA O O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO? Na perspectiva do desenvolvimento das habilidades e competência do eixo do Programa de Aprendizagem em Atenção

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL 1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL A ação humana sobre a natureza faz parte da história da civilização. Neste inicio de século, porém, a consciência sobre os impactos desta intervenção tem adquirido

Leia mais

LABORATÓRIO DE MATEMÁTICA: UMA FERRAMENTA IMPRESCINDÍVEL PARA A APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA

LABORATÓRIO DE MATEMÁTICA: UMA FERRAMENTA IMPRESCINDÍVEL PARA A APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA LABORATÓRIO DE MATEMÁTICA: UMA FERRAMENTA IMPRESCINDÍVEL PARA A APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA Rodolfo Moreira Cabral, Antonio Carlos Belarmino Segundo Universidade Estadual da Paraíba, rodolfomoreira.16@hotmail.com;

Leia mais

Aluna: Ticiana de Carvalho Farias Orientador: Prof. Esp. Hélio T. Matos

Aluna: Ticiana de Carvalho Farias Orientador: Prof. Esp. Hélio T. Matos UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CCSO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DECCA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADM Aluna: Ticiana de Carvalho Farias Orientador:

Leia mais

IV Seminário Internacional da Primeira Infância Brasília, 5 a 7 de julho de 2016

IV Seminário Internacional da Primeira Infância Brasília, 5 a 7 de julho de 2016 IV Seminário Internacional da Primeira Infância Brasília, 5 a 7 de julho de 2016 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas Coordenação Geral de

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO CURSO Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais MATRIZ 763 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Resolução 037/11-COGEP

Leia mais

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA Aparecida Vieira de Melo 1 INTRODUÇÃO Dados do censo demográfico de 1991 e da contagem populacional de 1996 mostram que

Leia mais

CURSO: MÚSICA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: MÚSICA EMENTAS º PERÍODO CURSO: MÚSICA EMENTAS - 2017.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: TEORIA E PERCEPÇÃO MUSICAL II Desenvolvimento da percepção dos elementos da organização musical, através de atividades práticas; utilização de elementos

Leia mais

Palavras-Chave: Gênero; Monografias; Ensino de História, Livro Didático.

Palavras-Chave: Gênero; Monografias; Ensino de História, Livro Didático. ENSINO DE HISTÓRIA E RELAÇÕES DE GÊNERO: as relações de gênero nos livros didáticos de história e nas análises monográficas produzidas pelos alunos da CAC/UFG 1 Paulo Duarte BARRETO Campus Catalão, paulo.duarte431@gmail.com

Leia mais

DESVENDANDO ALGUNS MISTÉRIOS DE QUESTÕES DA OBMEP

DESVENDANDO ALGUNS MISTÉRIOS DE QUESTÕES DA OBMEP Sociedade Brasileira de na Contemporaneidade: desafios e possibilidades DESVENDANDO ALGUNS MISTÉRIOS DE QUESTÕES DA OBMEP Carlos Henrique Carneiro Universidade Estadual de Feira de Santana chcwillis@hotmail.com

Leia mais

Política de Relacionamento do Sistema Unimed Paraná com os cooperados do estado

Política de Relacionamento do Sistema Unimed Paraná com os cooperados do estado Política de Relacionamento do Sistema Unimed Paraná com os cooperados do estado Conceito Uma política consiste em um conjunto de objetivos que dão forma a um determinado programa de ação e condicionam

Leia mais

OPAS/OMS BRASIL. Edital de seleção de prestador de serviço OPAS/BRA/CNT/PF/01-15

OPAS/OMS BRASIL. Edital de seleção de prestador de serviço OPAS/BRA/CNT/PF/01-15 OPAS/OMS BRASIL Edital de seleção de prestador de serviço OPAS/BRA/CNT/PF/01-15 A Organização Pan-Americana da Saúde é um organismo internacional de saúde pública, dedicado a melhorar as condições de saúde

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇOS CLÍNICOS

IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇOS CLÍNICOS IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇOS CLÍNICOS FARMACÊUTICOS NA ATENÇÃO BÁSICA EM UMA REGIÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FELIPE TADEU CARVALHO SANTOS CARACTERIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Região do Itaim Pta composta por dois

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio Supervisionado de que trata este regulamento refere-se à formação de

Leia mais

EAD COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Prof. Joel Dutra aula de

EAD COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Prof. Joel Dutra aula de EAD 521 - COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Prof. Joel Dutra aula de 08.03.17 Conteúdo Programa Desafios presentes e futuros para a gestão de pessoas Compreendendo a da gestão de pessoas Bibliografia 2 EAD

Leia mais

Antropologia Econômica. Aula 8 Antropologia disposicional. Prof.: Rodrigo Cantu

Antropologia Econômica. Aula 8 Antropologia disposicional. Prof.: Rodrigo Cantu Antropologia Econômica Aula 8 Antropologia disposicional Prof.: Rodrigo Cantu EBC Agência Brasil, 27/11/2014 Ministro da Fazenda tem experiência no mercado financeiro e no setor público O novo ministro

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Estruturas e Interacção Social Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Estruturas e Interacção Social Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular Estruturas e Interacção Social Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular Estruturas

Leia mais

METODOLOGIA TIPOS DE PESQUISA

METODOLOGIA TIPOS DE PESQUISA FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE JOÃO PESSOA-PB METODOLOGIA TIPOS DE PESQUISA Profª Séfora Andrade JOÃO PESSOA-PB 2016 PESQUISA Procedimento racional e sistemático que tem por

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE AS CAUSAS DA EVASÃO E RETENÇÃO NO IFAL

DIAGNÓSTICO SOBRE AS CAUSAS DA EVASÃO E RETENÇÃO NO IFAL DIAGNÓSTICO SOBRE AS CAUSAS DA EVASÃO E RETENÇÃO NO IFAL TERMO DE ABERTURA DO PROJETO AMPLIADO Portfólio de Projetos Estratégicos de 201 Objetivo Estratégico: PR01 - Reduzir as taxas de evasão e retenção

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011

PLANO DE TRABALHO 2011 Unidade Temática do Turismo Apresentada pela cidade Porto Alegre 1) Introdução PLANO DE TRABALHO 2011 Fortalecer o turismo internacional é um trabalho prioritário que deve ser cada vez mais consolidado

Leia mais

Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos

Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos NOTA PEDAGÓGICA* MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA Para refletir... Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos INTRODUÇÃO De acordo com Campos e Domitti (2007), os conceitos

Leia mais

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Apresentado pelo representante do Ministério das Cidades Histórico Aprovado pelo Conselho de Desenvolvimento

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS

PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS Tainá de Oliveira Castelanelli Jáima Pinheiro de Oliveira Instituição de origem dos autores: UNESP Marília/SP Eixo Temático:

Leia mais

RESUMO Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina.

RESUMO Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina. RESUMO FRACASSO, Rafael Monari. Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina. 2015. 202 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal Área: Produção Florestal) Universidade do

Leia mais

Tópicos em Antropologia: ANTROPOLOGIA DO GÊNERO

Tópicos em Antropologia: ANTROPOLOGIA DO GÊNERO Universidade Federal de Minas Gerais UFMG Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas Curso: Antropologia/Ciências Sociais Disciplina: Tópicos em Antropologia - Antropologia do Gênero Profa. Érica Renata

Leia mais

Aula 3: O que é saúde? Saúde na adolescência Texto 1. O que é saúde?

Aula 3: O que é saúde? Saúde na adolescência Texto 1. O que é saúde? O que é saúde? Aula 3: O que é saúde? Saúde na adolescência Muitas pessoas nunca pararam para pensar o que é ter saúde. Vivem suas vidas imaginando que uma pessoa tem saúde quando não tem nenhuma doença.

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Conteúdos e Didática de Libras

Conteúdos e Didática de Libras Conteúdos e Didática de Libras Professora autora: Elisa tomoe moriya Schlünzen Departamento de Matemática, Estatística e Computação, Faculdade de Ciência e Tecnologia Unesp - Professoras assistentes: Renata

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL BRASILEIRO E O DESENVOLVIMENTO DE COMUNIDADE DE 1945 A 1953

SERVIÇO SOCIAL BRASILEIRO E O DESENVOLVIMENTO DE COMUNIDADE DE 1945 A 1953 ISSN 2359-1277 SERVIÇO SOCIAL BRASILEIRO E O DESENVOLVIMENTO DE COMUNIDADE DE 1945 A 1953 RESUMO Bruna Fonseca Moreira, bruna.fonsecamoreira@gmail.com Carlos Henrique Lopes da Silva, carloshenriquelopess@hotmail.com

Leia mais

1ª Conferência nacional de Vigilância em Saúde. Etapa Nacional - de 21 a 24 de novembro de 2017

1ª Conferência nacional de Vigilância em Saúde. Etapa Nacional - de 21 a 24 de novembro de 2017 1ª Conferência nacional de Vigilância em Saúde Etapa Nacional - de 21 a 24 de novembro de 2017 Motivação Debater na sociedade brasileira: Direito à Promoção e Proteção da Saúde - compreendendo a Vigilância

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais