2ª etapa. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2ª etapa. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável"

Transcrição

1 2ª etapa Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Belo Horizonte 2014

2 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS...3 ANEXO I COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES ACORDADAS E RESPONSÁVEL...11 ANEXO II MAPA ESTRATÉGICO DO SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS...14 ANEXO III QUADRO DE METAS E PRODUTOS POR EQUIPE...15 GABINETE...15 ASSESSORIA JURÍDICA...20 UNIDADE DE AUDITORIA INTEGRADA...24 ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO...27 ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E INOVAÇÃO...30 SUBSECRETARIA DE INOVAÇÃO E LOGÍSTICA DO SISEMA...38 SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS...43 SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS...48 SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS LOGÍSTICOS E MANUTENÇÃO...52 SUPERINTENDÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO...61 SUBSECRETARIA DE GESTÃO E REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA...66 SUPERINTENDÊNCIA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL...71 SUPERINTENDÊNCIAS REGIONAIS DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL...74 SUBSECRETARIA DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA...83 SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA...91 SUPERINTENDENCIA DE CONTROLE E EMERGÊNCIA AMBIENTAL...96 SUPERINTENDENCIA DE ATENDIMENTO E CONTROLE PROCESSUAL ANEXO IV SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO ANEXO V - PRERROGATIVAS PARA AMPLIAÇÃO DE AUTONOMIA GERENCIAL, ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA...114

3 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS QUE ENTRE SI CELEBRAM A SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E OS DIRIGENTES DAS EQUIPES DE TRABALHO QUE COMPÕEM A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA REFERIDA INSTITUIÇÃO. A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - SEMAD, inscrita no CNPJ nº / com sede na Cidade Administrativa Tancredo Neves Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/n., Bairro Serra Verde, Edifício Minas, Belo Horizonte, Minas Gerais, representada por seu Secretário, Sr. Alceu José Torres Marques, Carteira de Identidade nº MG e CPF nº , doravante denominado ACORDANTE e os dirigentes das equipes de trabalho identificados no Anexo I, doravante denominados ACORDADOS, ajustam entre si a presente 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS de 2014, mediante as seguintes cláusulas e condições: CLÁUSULA PRIMEIRA DA VINCULAÇÃO AO ACORDO DE RESULTADOS 1ª ETAPA O presente Acordo de Resultados é parte integrante, subsidiária, acessória ao Acordo de Resultados firmado entre o Governador do Estado de Minas Gerais e os órgãos e entidades que compõe o Sistema Operacional de Meio Ambiente e Recursos Hídricos também denominado 1ª etapa. CLÁUSULA SEGUNDA DO OBJETO E DA FINALIDADE O presente Acordo tem por objeto a pactuação de resultados e o cumprimento de metas específicas para cada equipe de trabalho acordada, visando à viabilização da estratégia governamental do Sistema Operacional de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, pactuada na 1ª etapa deste Acordo de Resultados e expressa no Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado PMDI. Para o alcance da finalidade assinalada, visa o presente instrumento especificar indicadores e metas de desempenho por equipe acordada, definir as obrigações e as responsabilidades das partes, estabelecer as condições para sua execução e os critérios para fiscalização, acompanhamento e avaliação do desempenho das equipes, com base em indicadores de eficiência, eficácia e efetividade. CLÁUSULA TERCEIRA DAS OBRIGAÇÕES DOS ACORDADOS Obrigam-se os Acordados a: 3 I. alcançar os resultados pactuados; II. III. IV. alimentar quaisquer sistemas ou bases de dados informatizadas que, por indicação do(s) Acordante(s) ou da SEPLAG, seja necessário para o acompanhamento dos resultados pactuados; garantir a precisão e a veracidade das informações apresentadas, especialmente nos Relatórios de Execução; prestar as informações adicionais solicitadas pela Comissão de Acompanhamento e Avaliação e disponibilizar documentos que comprovem as mesmas; V. garantir a imediata interrupção do uso das prerrogativas para ampliação de autonomia gerencial, orçamentária e financeira, conforme legislação vigente; VI. elaborar e encaminhar, dentro dos prazos definidos pela SEPLAG, os Relatórios de Execução do objeto pactuado, conforme o estabelecido na Sistemática de Acompanhamento e Avaliação;

4 CLÁUSULA QUARTA DAS OBRIGAÇÕES DO(S) ACORDANTE(S) Obriga(m)-se o(s) Acordante(s) a: I. zelar pela pertinência, desafio e realismo das metas e produtos pactuados; II. supervisionar e monitorar a execução deste Acordo de Resultados; III. garantir a presença e participação de seus representantes nas Comissões de Acompanhamento e Avaliação. IV. elaborar e encaminhar, sempre que solicitado, à SEPLAG e/ou à Comissão de Acompanhamento e Avaliação, relatórios sobre o uso das prerrogativas para ampliação de autonomia gerencial, orçamentária e financeira e prestar as informações e justificativas que venham a ser solicitadas CLÁUSULA QUINTA DOS QUADROS DE METAS Os resultados pactuados neste instrumento são os dispostos no Quadro de Metas (Dividido em Quadro de Indicadores e Quadro de Produtos), descritos no Anexo III, correspondendo ao conjunto de compromissos a serem executados por cada equipe. CLÁUSULA SEXTA DA CONCESSÃO DE PRERROGATIVAS PARA AMPLIAÇÃO DE AUTONOMIA GERENCIAL, ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DO ACORDADO Com o objetivo de alcançar ou superar as metas fixadas, será concedido à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - SEMAD, o conjunto de prerrogativas para ampliação de autonomia gerencial, orçamentária e financeira constantes do Anexo V. CLÁUSULA SÉTIMA DO PAGAMENTO DE PRÊMIO POR PRODUTIVIDADE O Prêmio por Produtividade será pago nos termos da legislação vigente, sempre que cumpridos os requisitos legais definidos para tal, observando o cálculo das notas das unidades conforme previsto no Anexo IV Sistemática de Acompanhamento e Avaliação. Paragrafo único: A modalidade de premiação da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - SEMAD será com base na Receita Corrente Líquida. CLÁUSULA OITAVA - DOS RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS E FINANCEIROS Os recursos orçamentários e financeiros necessários ao cumprimento do Acordo de Resultados são os estabelecidos na Lei Orçamentária Anual. CLÁUSULA NONA DO ACOMPANHAMENTO E DA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS O desempenho do(s) Acordado(s) será avaliado pela Comissão de Acompanhamento e Avaliação, conforme disposto no Anexo IV - Sistemática de Acompanhamento e Avaliação. 1º A Comissão a que se refere o caput será constituída por: 4

5 a) um representante do Governador, indicado pela SEPLAG; b) um representante do Acordante da Segunda Etapa do Acordo de Resultados, indicado pelo seu dirigente; c) um representante dos servidores Acordados, indicado pelas entidades sindicais e representativas dos servidores do órgão ou entidade acordante; e 2º - A coordenação da Comissão de Acompanhamento e Avaliação caberá ao representante do Governador, bem como o voto de qualidade, nos casos de empate nas deliberações da Comissão. 3º - Havendo impossibilidade de comparecimento de membro da Comissão de Acompanhamento e Avaliação a qualquer reunião, sua substituição temporária, indicada pelo próprio membro ou por seu superior hierárquico, deverá ser comunicada e justificada aos demais membros e registrada na ata ou no relatório de Acompanhamento e Avaliação assinado pela Comissão. 4º O acompanhamento e a avaliação do Acordo de Resultados serão feitos por meio dos Relatórios de Execução e das reuniões da Comissão de Acompanhamento e Avaliação conforme disposto na Sistemática de Acompanhamento e Avaliação. 5º - Além das reuniões e relatórios previstos Sistemática de Acompanhamento e Avaliação, qualquer representante da Comissão poderá convocar reuniões extraordinárias se estas se fizerem necessárias. CLÁUSULA DÉCIMA DA VIGÊNCIA O presente Acordo de Resultados vigorará até 31 de dezembro de 2014 e poderá ser aditivado havendo interesse de ambas as partes. CLÁUSULA DECIMA PRIMEIRA DA RESCISÃO A 2ª Etapa do Acordo de Resultados poderá ser rescindida por consenso entre as partes ou por ato unilateral e escrito do(s) Acordante(s) ou de representante do Governador do Estado em caso de descumprimento grave e injustificado. 1º O descumprimento contratual de que trata o caput será reportado pela Comissão de Acompanhamento e Avaliação, por meio dos seus relatórios de acompanhamento e avaliação e atestado do(s) Acordante(s). 2º - Ocorrendo a rescisão deste Acordo, ficarão automaticamente encerradas as prerrogativas para ampliação de autonomia gerencial, orçamentária e financeira e flexibilidades que tiverem sido concedidas ao Acordado por meio deste instrumento, nos termos da legislação vigente; CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA DA PUBLICIDADE O extrato deste Acordo de Resultados e seus respectivos aditamentos serão publicados no órgão de imprensa oficial do Estado. 5

6 1º O presente Acordo de Resultados, seus aditivos, Relatórios de Execução e Relatórios de Avaliação e composição da Comissão de Acompanhamento e Avaliação serão disponibilizados no sítio eletrônico sem prejuízo da sua disponibilização no sítio eletrônico do Acordante e, se houver, dos Acordados. 2º O(s) Acordante(s) e os acordados providenciarão a ampla divulgação interna deste Acordo de Resultados e de seus Relatórios de Execução e Relatórios de Avaliação. Belo Horizonte, 30 de Abril de ALCEU JOSÉ TORRES MARQUES Secretário de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ACORDANTE GERMANO LUIS GOMES VIEIRA Chefe de Gabinete ACORDADO DA EQUIPE GABINETE SEMAD GUSTAVO CHAVES CARREIRA MACHADO Procurador ACORDADO DA EQUIPE ASSESSORIA JURÍDICA ALTAIR FERNANDES MARTINS Auditor ACORDADO DA EQUIPE UNIDADE DE AUDITORIA INTEGRADA DIOGO MELO FRANCO Chefe da Assessoria de Comunicação ACORDADO DA EQUIPE ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 6

7 NATHÁLIA MILAGRE HAZAN Chefe da Assessoria de Gestão Estratégica e Inovação ACORDADA DA ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E INOVAÇÃO VALÉRIA CRISTINA REZENDE Subsecretária ACORDADA DA EQUIPE SUBSECRETARIA DE INOVAÇÃO E LOGÍSTICA EDUARDO HENRIQUE ALVES DE PAULA Superintendente ACORDADO DA EQUIPE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS ANA CLEIDE DE OLIVEIRA ÁVILA Superintendente ACORDADA DA EQUIPE SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS RÉGIS MACIEL FERREIRA JÚNIOR Superintendente ACORDADO DA EQUIPE SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS LOGÍSTICOS E MANUTENÇÃO MARVIO LUIZ RENDA Superintendente ACORDADO DA EQUIPE SUPERINTENDÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 7

8 ALINE FARIA SOUZA TRINDADE Subsecretária ACORDADA DA EQUIPE SUBSECRETARIA DE GESTÃO E REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA ANDRÉIA COLLI Superintendente ACORDADA DA EQUIPE SUPERINTENDÊNCIA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL CRISTIANE BRANT VELOSSO Superintendente ACORDADA DA EQUIPE SUPRAM CENTRAL-METROPOLITANA GISLANDO VINICIUS ROCHA DE SOUZA Superintendente ACORDADO DA EQUIPE SUPRAM DO NORTE DE MINAS ELIANA PIEDADE ALVES MACHADO Superintendente ACORDADA DA EQUIPE SUPRAM DO JEQUITINHONHA MARIA HELENA BATISTA MURTA Superintendente ACORDADA DA EQUIPE SUPRAM DO LESTE DE MINAS 8

9 LEONARDO SORBLINY SCHUCHTER Superintendente ACORDADO DA EQUIPE SUPRAM DA ZONA DA MATA AMILTON FERRI VASCONCELOS Superintendente ACORDADO DA EQUIPE SUPRAM DO SUL DE MINAS PAULA FERNANDES DOS SANTOS Superintendente ACORDADA DA EQUIPE SUPRAM ALTO SÃO FRANCISCO RODRIGO ANGELIS ALVAREZ Superintendente ACORDADO DA EQUIPE SUPRAM DO TRIÂNGULO MINEIRO E ALTO PARANAÍBA MARINA SARDINHA MACHADO Superintendente ACORDADA DA EQUIPE SUPRAM DO NOROESTE DE MINAS DANIELA DINIZ FARIA Subsecretária ACORDADA DA EQUIPE SUBSECRETAIRA DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA 9

10 MARCELO DA FONSECA Superintendente ACORDADO DA EQUIPE SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA ANA CAROLINA MIRANDA LOPES DE ALMEIDA Superintendente ACORDADA DA EQUIPE SUPERINTENDENCIA DE CONTROLE E EMERGÊNCIA AMBIENTAL DANIELA DE SOUZA Superintendente ACORDADA DA EQUIPE SUPERINTENDENCIA DE ATENDIMENTO E CONTROLE PROCESSUAL 10

11 ANEXO I COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES ACORDADAS E RESPONSÁVEL 1. NOME DA EQUIPE ACORDADA GABINETE (GAB) 2. ASSESSORIA JURÍDICA (ASJUR) 3. UNIDADE DE AUDITORIA INTEGRADA (UIA) UNIDADES ADMINISTRATIVAS QUE COMPÕEM esta EQUIPE 1.1 Assessoria de Apoio Administrativo - - NOME E MASP DO dirigente RESPONSÁVEL pela EQUIPE Germano Luís Gomes Vieira MASP: Gustavo Chaves Carreira Machado MASP: Altair Fernandes Martins MASP: ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO (ASCOM) - Diogo Melo Franco MASP: ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E INOVAÇÃO (AGEI) - Nathália Milagre Hazan MASP: SUBSECRETARIA DE INOVAÇÃO E LOGÍSTICA DO SISEMA (SIL) 6.1 Todas as unidades subordinadas Valéria Cristina Rezende MASP: SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS (SUPOF) 7.1 Todas as unidades subordinadas Eduardo Henrique Alves de Paula MASP: SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS (SGDP) 8.1 Todas as unidades subordinadas. Ana Cleide de Oliveira Ávila MASP: SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS LOGÍSTICOS E MANUTENÇÃO (SURL) 9.1 Todas as unidades subordinadas. Régis Maciel Ferreira Júnior MASP: SUPERINTENDÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (STI) 10.1 Todas as unidades subordinadas Marvio Luiz Renda MASP: SUBSECRETARIA DE GESTÃO E REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (SGRAI) 11.1 Todas as unidades subordinadas Aline Faria Souza Trindade MASP:

12 NOME DA EQUIPE ACORDADA UNIDADES ADMINISTRATIVAS QUE COMPÕEM esta EQUIPE NOME E MASP DO dirigente RESPONSÁVEL pela EQUIPE 12. SUPERINTENDÊNCIA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL (SURA) 12.1 Todas as unidades subordinadas Andréia Colli MASP: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL CENTRAL METROPOLITANA (SUPRAM CM) 13.1 Todas as unidades subordinadas Cristiane Brant Veloso MASP: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL NORTE DE MINAS (SUPRAM NM) 14.1 Todas as unidades subordinadas Gislando Vinicius Rocha de Souza MASP: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL JEQUITINHONHA (SUPRAM JEQ) 15.1 Todas as unidades subordinadas Eliana Piedade Alves Machado MASP: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL LESTE DE MINAS (SUPRAM LM) 16.1 Todas as unidades subordinadas Maria Helena Batista Murta MASP: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL ZONA DA MATA (SUPRAM ZM) 17.1 Todas as unidades subordinadas Leonardo Sorbliny Schuchter MASP: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL SUL DE MINAS (SUPRAM SM) 18.1 Todas as unidades subordinadas Amilton Ferri Vasconcelos MASP: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL ALTO SÃO FRANCISCO (SUPRAM ASF) 19.1 Todas as unidades subordinadas Paula Fernandes dos Santos MASP:

13 NOME DA EQUIPE ACORDADA UNIDADES ADMINISTRATIVAS QUE COMPÕEM esta EQUIPE NOME E MASP DO dirigente RESPONSÁVEL pela EQUIPE 20. SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL TRIÂNGULO MINEIRO E ALTO PARANAÍBA (SUPRAM TMAP) 20.1 Todas as unidades subordinadas Rodrigo Angelis Alvarez MASP: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL NOROESTE (SUPRAM NOR) 21.1 Todas as unidades subordinadas Marina Sardinha Machado MASP: SUBSECRETARIA DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (SUCFIS) 22.1 Todas as unidades subordinadas Daniela Diniz Faria MASP: SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (SUFAI) 23.1 Todas as unidades subordinadas Marcelo da Fonseca MASP: SUPERINTENDENCIA DE CONTROLE E EMERGÊNCIA AMBIENTAL (SUCEA) 24.1 Todas as unidades subordinadas Ana Carolina Miranda Lopes de Almeida MASP: SUPERINTENDENCIA DE ATENDIMENTO E CONTROLE PROCESSUAL (SUACP) 25.1 Todas as unidades subordinadas Daniela de Souza MASP:

14 ANEXO II MAPA ESTRATÉGICO DO SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS Qualidade Ambiental e Sustentabilidad e Q2- Proteger a Biodiversidade, os recursos hídricos e reduzir os efeitos dos resíduos produzidos Q1- Promover a melhoria da qualidade e sustentabilidade Ambiental em Minas Gerais Público Alvo Empreendedor C1- Tornar mais ágil e efetiva a regularização ambiental Governo C3 - Buscar o comprometimento das Secretarias com o desenvolvimento sustentável Cidadão Usuário C2 - Atender com eficiência as demandas dos cidadãos usuários Entidades Representativas C4 - Fortalecer o alinhamento entre as partes para efetivação das políticas públicas de meio ambiente Responsabilidade Financeira PROPOSTA DE VALOR Credibilidade Transparência Clareza Agilidade no atendimento Responsabilidade Sócio-ambiental Gestão Participativa R1 -Otimizar a relação custo efetividade Políticas de meio ambiente e desenvolvimento sustentável Regularização Ambiental Inovação Gestão Financeira P1 -Consolidar e implementar instrumentos de políticas públicas ambientais para florestas,fauna, recursos hídricos, solo e resíduos P3 - Aprimorar continuamente o processo de regularização ambiental P5 - Desenvolver e articular a implementação de instrumentos econômicos e de gestão para a proteção ambiental P7 -Aprimorar a Gestão Financeira Relacionamento Processos Internos P2 -Estabelecer e implementar a política para redução das emissões atmosférica e gases de efeito estufa P8 - Compatibilizar o desenvolvimento econômico com as questões sócio-ambientais P4 - Intensificar o monitoramento e a fiscalização ambiental Informação e Conhecimento P9 - Disponibilizar informações para suporte das decisões estratégicas P6 - Promover e articular a implementação de investimentos públicos e privados com externalidades ambientais positivas P10 - Promover parcerias para aquisição e difusão de know-how P11 - Otimizar a comunicação interna e externa P12 -Atuar de forma pró-ativa na orientação ao público alvo P13 -Otimizar parcerias com os Poderes Legislativo, Judiciário e Ministério Público A&C A1 - Promover uma cultura sistêmica e integrada respeitando a identidade dos Órgãos Pessoas A2 - Promover a valorização dos servidores Meritocracia Política Salarial Capacitação Permanente Respeito Organização A3 - Consolidar a integração institucional das entidades do SISEMA Administrativa Operacional Processual Técnica Gestão da Informação A4 - Efetivar a gestão integrada da informação 14

15 ANEXO III QUADRO DE METAS E PRODUTOS POR EQUIPE OBJETIVO ESTRATÉGICO Promover a melhoria da qualidade e sustentabilidade ambiental Promover a valorização dos servidores Atender com eficiência as demandas dos cidadãos usuários GABINETE QUADRO DE INDICADORES ITEM NOME DO INDICADOR VALOR DE REFERÊNCIA (VR) PESO METAS % Média das notas das Subsecretarias 93,10 97,60 95, ,00 Percentual dos novos servidores capacitados 2 na Trilha de Aprendizagem Cheguei... E ,00 agora? na unidade administrativa. 3 Tempo médio de respostas às demandas das ouvidorias especializadas/oge 35,00 33,22 37, ,00 15

16 GABINETE INDICADORES: Indicador 1: Média das notas das Subsecretarias Descrição: A nota deste indicador corresponde à média das notas das Subsecretarias contidas na estrutura da SEMAD: Subsecretaria de Inovação e Logística, Subsecretaria de Gestão e Regularização Ambiental Integrada e Subsecretaria de Controle e Fiscalização Ambiental Integrada. Fórmula: Média aritmética das notas das Subsecretarias da SEMAD. Unidade de medida: Número absoluto Polaridade: Maior melhor Fonte de dados: Assessoria de Gestão Estratégica e Inovação (AGEI/SEMAD) Fonte de comprovação: Relatório de Execução do Acordo de Resultados Valores de Referência: 2011: 93, : 97, : 95,30 Cálculo de desempenho: NOTA = VA/VM * 100 NOTA: Índice de cumprimento da meta (Taxa de Execução) VA: Valor apurado (Valor do ano corrente) VM: Valor da Meta 16

17 Indicador 2: Percentual dos novos servidores capacitados na Trilha de Aprendizagem Cheguei... E agora? na unidade administrativa. Descrição: De acordo com a Instrução Normativa SEPLAG/SCPRH Nº 01, de 23 de julho de 2009, a realização do treinamento introdutório é de responsabilidade do órgão ou entidade. Para que o treinamento introdutório seja realizado de acordo com as diretrizes estabelecidas e cumpra o seu papel de promover a integração do servidor ao seu contexto de trabalho, a Superintendência de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas disponibiliza a Trilha de Aprendizagem Cheguei... E agora?. Esta trilha está inserida no Ambiente Virtual de Aprendizagem do SISEMA Trilhas do Saber e contém a estrutura, objetivos e conteúdo programático estabelecidos na Instrução Normativa mencionada. Para a efetividade da meta, será mensurada a participação e o aproveitamento mínimo (70%) dos servidores ingressantes em cada equipe no período de 22 de abril de 2014 a 31 de agosto de 2014, excluídos os servidores que estejam de licença/afastamento, que tenham sido removido ou exonerado antes do período mínimo de participação, qual seja, 60 dias para participação na Trilha. Fórmula: (Nº de Servidores capacitados no Gabinete, AGEI, ASCOM, ASJUR e AIU / Nº total de Servidores a serem capacitados no Gabinete, AGEI, ASCOM, ASJUR e AIU) * 100 Unidade de medida: Percentual (%) Polaridade: Maior melhor Periodicidade: Anual Fonte de dados: Diretoria de Desenvolvimento de Pessoas/Superintendência de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas Fonte de comprovação: Relatório das capacitações, contendo relação de participantes com o aproveitamento. Cálculo de desempenho: NOTA = VA/VM * 100 NOTA: Índice de cumprimento da meta (Taxa de Execução) VA: Valor apurado (Valor do ano corrente) VM: Valor da Meta 17

18 Indicador 3: Tempo médio de respostas às demandas das ouvidorias especializadas/oge Descrição: A pactuação deste item visa garantir que todas as manifestações do cidadão recebidas na OGE sejam respondidas pelos órgãos e entidades com qualidade e celeridade, contribuindo para melhoria da prestação de serviços públicos de responsabilidade do Executivo Estadual. As manifestações recebidas do cidadão são analisadas pelo Ouvidor Especializado e encaminhadas aos órgãos ou entidades competentes para solução e retorno de resposta à OGE. As respostas que não possibilitarem a geração de informação pertinente ao cidadão serão devolvidas para complementação, sendo consideradas para cálculo deste indicador somente as respostas finais e definitivas a respeito de cada manifestação. O indicador deverá ser pactuado observando o disposto no parágrafo único do artigo 38, do Decreto nº /2012, que dispõe que em cada órgão ou entidade da administração pública direta e indireta, será designado responsável ocupante de cargo de nível estratégico, subordinado diretamente ao titular, para receber solicitações feitas pela OGE, e por tramitar e encaminhar resposta no prazo legal, nos termos do art. 7º da Lei nº , de 6 de agosto de 2004, e no inciso V do art. 4º do Decreto nº , de 6 de setembro de A contagem do tempo será feita em dias corridos, iniciando-se com o recebimento da demanda no órgão ou entidade e encerrando-se com o envio da resposta final à OGE. Serão computadas todas as manifestações encerradas dentro do período avaliatório (janeiro a dezembro de 2014). Conforme documento formalizado entre a SEMAD e a OGE, as manifestações recebidas pelo órgão que demandarem fiscalização in loco, por se tratarem de objeto mais complexo, terão pedido de sobrestamento de prazo até que seja possível responder, atentando ao prazo máximo de 90 dias. Fórmula: (Data da resposta final do órgão ou entidade Data do envio da manifestação ao órgão ou entidade pela OGE) [ ] Manifestações respondidas pelo órgão ou entidade em 2014 Manifestações devolvidas ao órgão ou entidade para complementação em 2014 [1 + ( )] Manifestações respondidas pelo órgão ou entidade em 2014 Unidade de Medida: Dias Polaridade: Menor melhor 18

19 Periodicidade de Monitoramento: Mensal Periodicidade de Avaliação: Anual Fonte de dados: Assessoria de Gestão Estratégica e Inovação/OGE Fonte de comprovação: Planilha consolidada pela Diretoria de Análise, Estatística e Informação/OGE a partir das informações disponibilizadas no(s) sistema(s) informatizado(s) utilizado(s) na Ouvidoria-Geral do Estado. Valores de Referência: 2011: 35, : 33, : 37,70 Cálculo de Desempenho: NOTA = {1 [(VA VM) / VM]} X100, sendo a maior Nota =100 e a menor Nota =0 NOTA: Índice de cumprimento da meta (Taxa de Execução) VA: Valor apurado (Valor do ano corrente) VM: Valor da Meta 19

20 OBJETIVO ESTRATÉGICO Disponibilizar informações para suporte de decisões estratégicas ITEM 1 ASSESSORIA JURÍDICA QUADRO DE INDICADORES NOME DO INDICADOR VALOR DE REFERÊNCIA (VR) PESO METAS % 2014 Tempo médio para emissão de pareceres e notas jurídicas sobre licitações, contratos, convênios e 3,44-3, ,00 editais. ASSESSORIA JURÍDICA QUADRO DE PRODUTOS OBJETIVO ESTRATÉGICO ÍTEM AÇÃO PRODUTO/MARCO PESO(%) DATA DE ENTREGA Disponibilizar informações para suporte de decisões estratégicas 1 Súmulas Administrativas Elaboração de 3 (três) propostas de súmulas administrativas 70 30/11/

21 ASSESSORIA JURÍDICA INDICADORES: Indicador: Tempo médio para emissão de pareceres e notas jurídicas sobre licitações, contratos, convênios e editais. Descrição: Esse indicador pretende mensurar o tempo médio para resposta de expedientes enviados ao jurídico na análise de processos licitatórios, contratos, convênios e editais. Objetiva-se manter um tempo médio suficiente para não comprometer a qualidade das análises e ao mesmo tempo não comprometer a eficiência dos processos administrativos. A contagem do tempo será feita em dias úteis e inicia-se da entrada da demanda até a saída da mesma do setor jurídico. Quaisquer diligências nas demandas, por parte de outros setores, interrompe a contagem do prazo, sendo que o mesmo continua a correr após a realização das diligências. Serão considerados neste indicador apenas os expedientes recebidos após a formalização do Acordo de Resultados e elaborados durante o período avaliatório. Fórmula: [(soma do tempo gasto para análise de cada expediente encaminhado ao jurídico) / nº de expedientes] Unidade de medida: Dias úteis Polaridade: Menor melhor Periodicidade de Monitoramento: mensal Periodicidade de Avaliação: anual Fonte de dados: Controle diário das demandas encaminhadas para análise jurídica pertinente aos processos licitatórios, contratos, convênios e editais. Fonte de comprovação: Relatório (planilha) consolidado de todos os expedientes e os resultados de tempo médio que serão encaminhados, mensalmente, à Assessoria de Gestão Estratégica e Inovação (AGEI/SEMAD). 21

22 Valores de Referência: 2011: 3, : : 3,12 Cálculo de desempenho: NOTA = {1 [(VA VM) / VM]} X100, sendo a maior Nota =100 e a menor Nota =0 NOTA: Índice de cumprimento da meta (Taxa de Execução) VA: Valor apurado (Valor do ano corrente) VM: Valor da Meta PRODUTOS: Produto: Elaboração de 3 (três) propostas de súmulas administrativas Objetivo: Garantir segurança jurídica às decisões administrativas sobre a gestão ambiental do Estado de Minas Gerais Descrição: As propostas de súmulas administrativas deverão ser fundamentadas mediante a emissão de um parecer jurídico do qual conste a legislação, a jurisprudência iterativa dos Tribunais Superiores sobre a matéria ou do Tribunal de Justiça nas hipóteses do direito local e, eventualmente, os pronunciamentos reiterados sobre a matéria emitidos pela unidade jurídica responsável. A previsão a respeito da edição das súmulas administrativas constam, respectivamente, do art. 5º, do Decreto estadual n.º , de 28 de maio de 2004 e do art. 9º, do Decreto estadual n.º , de 10 de novembro de O modelo da proposta de súmula administrativa deverá observar o adotado pela Advocacia-Geral do Estado que se encontra disponível no site da AGE (www.age.mg.gov.br). As propostas de súmulas administrativas, contendo o parecer e a minuta respectiva, deverão ser encaminhadas ao Procurador-Chefe da Consultoria Jurídica que as analisará e as submeterá a apreciação do Advogado-Geral do Estado. Este produto será compartilhado entre a Assessoria Jurídica da SEMAD e as Procuradorias Jurídicas da FEAM, IEF e IGAM. Critério qualitativo de aceitação: Envio das propostas de súmulas administrativas para a Consultoria Jurídica da AGE. Fonte de comprovação: Cópia para AGEI do ofício ou de envio das súmulas para a Consultoria Jurídica da AGE. 22

23 Fonte dos dados: Assessoria Jurídica (ASJUR/SEMAD) Data de entrega: 30/11/2014 Desempenho Nota Produto entregue na data 100 Até 15 dias de atraso 70 De 15 a 30 dias de atraso 50 De 30 a 45 dias de atraso 30 Acima de 45 dias de atraso 0 23

24 OBJETIVO ESTRATÉGICO Promover a melhoria da qualidade e sustentabilidade Ambiental em Minas Gerais ITEM 1 UNIDADE DE AUDITORIA INTEGRADA QUADRO DE INDICADORES VALOR DE REFERÊNCIA (VR) PESO METAS NOME DO INDICADOR % 2014 Índice de execução do Plano Anual de Auditoria 92,10 95,93 96, ,00 (PAA) 24

25 UNIDADE DE AUDITORIA INTEGRADA INDICADORES: Indicador: Índice de execução do Plano Anual de Auditoria (PAA) Descrição: O indicador tem como objetivo medir o percentual de execução do PAA acordado com o auditor Setorial/Seccional, com o dirigente máximo do órgão/entidade e com a Controladoria- Geral do Estado. O PAA é a principal ferramenta gerencial de coordenação das auditorias setoriais, seccionais e núcleos de auditoria interna integrantes do Sistema de Controle Interno do Poder Executivo estadual. Por meio dele se delimita a abrangência de atuação das unidades de auditoria, acompanha-se a execução das ações pactuadas e avalia-se o desempenho alcançado. O PAA, objeto de avaliação, compreende os trabalhos cujo prazo de execução se estende de outubro do ano de 2013 a setembro do ano de Fórmula: Média aritmética ponderada do grau de execução das ações definidas pela CGE. Cada ação integrante do PAA será avaliada, apurando-se o respectivo percentual de execução, atribuindo-lhe a avaliação entre 0% (não cumprida) até 100% (cumprida). Após essa avaliação individualizada, será efetuada a média ponderada de todas as ações levando-se em consideração o peso específico de cada item e, em seguida, aplicar-se-á a tabela do cálculo de desempenho. Unidade de medida: Percentual (%) Polaridade: Maior melhor Periodicidade de monitoramento: Anual Observação: O monitoramento efetuado visa o acompanhamento da execução das ações nos termos propostos no PAA. Contudo não é possível aferir resultados parciais, tendo em vista que existem trabalhos de natureza contínua, cuja execução estende-se por todo ano-calendário. Periodicidade de avaliação: Anual Fonte de dados: DCCA/SCAO/CGE 25

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008.

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. Dispõe sobre modificações no processo de implantação do monitoramento dos programas e ações governamentais, no âmbito da Administração Pública do Estado de Mato

Leia mais

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012.

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. -0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. Dispõe sobre os critérios e os procedimentos para promoção, organização e participação da ANAC em eventos internos e externos. A DIRETORIA DA AGÊNCIA

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

I TERMO ADITIVO AO ACORDO DE RESULTADOS DE 1ª ETAPA 2014. Sistema Operacional de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas Gerais

I TERMO ADITIVO AO ACORDO DE RESULTADOS DE 1ª ETAPA 2014. Sistema Operacional de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas Gerais I TERMO ADITIVO AO ACORDO DE RESULTADOS DE 1ª ETAPA Sistema Operacional de e Integração do rte e rdeste Gerais Belo Horizonte I TERMO ADITIVO AO ACORDO DE RESULTADOS 1ª ETAPA - I TERMO ADITIVO AO ACORDO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO Nº. 001/2014 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA NO MUNICÍPIO DE BREJETUBA-ES. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 06/05/2014 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto Municipal

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003 UCCI Unidade Central de Controle Interno SCI Sistema de Controle Interno Versão: 1.0 Aprovada em: 31/10/2011 Unidade Responsável: Unidade Central de Controle Interno I -

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

CONVÊNIO Nº 015/2009

CONVÊNIO Nº 015/2009 ESTADO DE SERGIPE PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE CONVÊNIO Nº 015/2009 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE E A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. O

Leia mais

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE ESPECIALISTA EM LICITAÇÕES PARA O

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DA LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - LEMG. Período avaliatório: 2008

1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DA LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - LEMG. Período avaliatório: 2008 1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DA LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - LEMG Período avaliatório: 2008 Belo Horizonte 2009 1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA

TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA A FAEL E O POLO (NOME FANTASIA) CELEBRAM O PRESENTE TERMO VISANDO A ANTECIPAÇÃO DE VALORES, PARA UTILIZAÇÃO EXCLUSIVA EM MÍDIA, COMO

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 51.307, DE 20 DE MARÇO DE 2014. (publicado no DOE n.º 055, de 21 de março de 2014) Estabelece o Sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN ROTINAS ADMINISTRATIVAS PROPLAN SETOR: Pró-Reitoria CARGO: Docente / TNS FUNÇÃO: Pró-Reitor

Leia mais

MINUTA CONVÊNIO Nº 004/2010-TJAP

MINUTA CONVÊNIO Nº 004/2010-TJAP MINUTA CONVÊNIO Nº 004/2010-TJAP CONVÊNIO DE PARCERIA PARA CONSIGNAÇÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO QUE ENTRE SI CELEBRAM O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ E O BANCO BMG S/A O, com sede em Macapá, Capital

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012.

RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012. RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012. Altera o Regulamento de Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas da Secretaria Municipal de Fazenda. A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE FAZENDA, no uso das atribuições

Leia mais

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 16, DE 8 DE JUNHO DE 2010

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 16, DE 8 DE JUNHO DE 2010 FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 16, DE 8 DE JUNHO DE 2010 Altera a Resolução CD/FNDE nº 64, de 13 de dezembro de 2007, que estabelece os critérios e os

Leia mais

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO PORTARIA INTERMINISTERIAL N.º 140, de 16 de março de 2006 O MINISTRO DE ESTADO DO CONTROLE E DA TRANSPARÊNCIA e o MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no

Leia mais

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032)

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032) PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032) SELECIONA PROFISSIONAL, COM O SEGUINTE PERFIL: CONSULTOR (Consultor por Produto - Serviços Não Continuados) Consultor Especialista em Projetos

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO PROCURADORIA GERAL CONVÊNIO Nº 105/PGM/2011 - PROCESSO Nº 06.3467-00/2011

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO PROCURADORIA GERAL CONVÊNIO Nº 105/PGM/2011 - PROCESSO Nº 06.3467-00/2011 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PORTO VELHO, POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA - SEMFAZ, DE UM LADO, E DO OUTRO O BANCO DO BRASIL S.A., PARA OS FINS QUE ESPECIFICAM. Aos vinte

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS CONTRATO N 047/2013.

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS CONTRATO N 047/2013. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS CONTRATO N 047/2013. Contrato de prestação de serviços de consultoria técnicoespecializada na área tributária. MUNICÍPIO DE GOIATUBA, pessoa jurídica de direito

Leia mais

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032)

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032) PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032) SELECIONA PROFISSIONAL, COM O SEGUINTE PERFIL: CONSULTOR (Consultor por Produto - Serviços Não Continuados) Consultor Especialista em Projetos

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Serviço Social é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº XXX, DE XXX DE XXXXX DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO Nº XXX, DE XXX DE XXXXX DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO Nº XXX, DE XXX DE XXXXX DE 2015 Regulamenta o teletrabalho no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF 032/2014 - PGM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE TERMOS DE COOPERAÇÃO Estabelece diretrizes, normas e procedimentos para celebração, execução e prestação de contas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 467, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 467, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 467, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS

Leia mais

DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005

DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005 DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005 Dispõe sobre o Conselho Municipal de Informática, o Sistema de Tecnologia da Informação, a aquisição e a contratação de bens e serviços de informática. JOSÉ SERRA,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO

ACORDO DE COOPERAÇÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO DEFINE O ACORDO DE COOPERAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESPIRITO SANTO - CREA/ES, PARA CONCESSÃO

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios PORTARIA Nº 021/2010 O Presidente da Associação Matogrossense dos Municípios AMM, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelo Estatuto Social e Resolução 002/2010 da AMM, RESOLVE: Art.

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE TERMO DE ADESÃO - MMA-A3P/2015, QUE ENTRE SI CELEBRAM A UNIÃO, POR INTERMÉDIO DO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, E O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, PARA OS FINS QUE SE

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

INCUBADORAS DE EMPRESAS. EDITAL SEBRAE/ANPROTEC 01/2015 Implantação e Certificação do CERNE

INCUBADORAS DE EMPRESAS. EDITAL SEBRAE/ANPROTEC 01/2015 Implantação e Certificação do CERNE INCUBADORAS DE EMPRESAS EDITAL SEBRAE/ANPROTEC 01/2015 Implantação e Certificação do CERNE Brasília, 2015 O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE, entidade associativa de Direito

Leia mais

C O N V Ê N I O Nº 055/2014

C O N V Ê N I O Nº 055/2014 C O N V Ê N I O Nº 055/2014 Que entre si celebram de um lado o MUNICÍPIO DE ITABIRITO, pessoa jurídica de direito público interno, inscrição no CNPJ sob o nº 18.307.835/0001-54, com endereço a Avenida

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR TERMO DE COOPERAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE SALVADOR E O CONSELHO FEDERAL DE RELAÇÕES PÚBLICAS E DELEGACIA REGIONAL, COM O FITO DE CONVERGIR ESFORÇOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES INTEGRADAS

Leia mais

CONTRATANTE: CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO

CONTRATANTE: CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO CONTRATO Nº 013/2014 CONTRATO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA PARA A EXECUÇÃO DE SERVIÇO PUBLICITÁRIO DE CRIAÇÃO E DIVULGAÇÃO DOS TRABALHOS INSTITUCIONAIS E LEGISLATIVOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP CONTRATANTE:

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA DO PROGRAMA DE TRABALHO

CLÁUSULA SEGUNDA DO PROGRAMA DE TRABALHO QUARTO TERMO ADITIVO AO CONTRATO Nº 14/ANA/2004 CELEBRADO ENTRE A AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E A ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL, COM A ANUÊNCIA DO COMITÊ PARA

Leia mais

1 de 5 03/12/2012 14:32

1 de 5 03/12/2012 14:32 1 de 5 03/12/2012 14:32 Este documento foi gerado em 29/11/2012 às 18h:32min. DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. Institui o Programa de Gestão do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul - Otimizar,

Leia mais

CONVÊNIO Nº 004/2011-TJAP

CONVÊNIO Nº 004/2011-TJAP CONVÊNIO Nº 004/2011-TJAP CONVÊNIO DE PARCERIA PARA CONSIGNAÇÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO QUE ENTRE SI CELEBRAM O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ E O BANCO GERADOR S.A. O, com sede em Macapá, Capital

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*)

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) Disciplina no âmbito do IFPR as Orientações acerca da Execução Orçamentária e Financeira, relativas à Concessão de Suprimentos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Sumário 1. Introdução:...3 2. Abrangência:...3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:...3 3.1. Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional:...4

Leia mais

Art. 2 o Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação. Reitoria da Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Art. 2 o Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação. Reitoria da Universidade Estadual de Ponta Grossa. RESOLUÇÃO CA N o 220 DE 9 DE JUNHO DE 2014. Aprova a assinatura do Convênio a ser celebrado entre a Universidade Estadual de Ponta Grossa e a Barigui S/A- Crédito, Financiamento e Investimentos. O CONSELHO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE ESPECIALISTA EM GESTÃO FINANCEIRA

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA

ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO Rua O távio Francis co Carus o da Rocha, 300 - Bairro Praia de Belas - CEP 90010-395 - Porto Alegre - RS - www.trf4.jus.br ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ACORDO DE

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS INSTITUTO DE METROLOGIA E QUALIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS (IPEM-MG)

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS INSTITUTO DE METROLOGIA E QUALIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS (IPEM-MG) RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS INSTITUTO DE METROLOGIA E QUALIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS (IPEM-MG) PERÍODO AVALIATÓRIO: 2013 Belo Horizonte, 28 de maio de 2014. RELATÓRIO DE

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA - SEFAZ

SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA - SEFAZ SISTEMA DE GESTÃO FISCAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Administração: Finalidade: SISTEMA DE GESTÃO FISCAL - SGF SISTEMA SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA - SEFAZ Consolidar e manter a compatibilização

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI: 01/2014 Versão nº: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 074/2014. Unidade Responsável: Departamento Financeiro da Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO PROTOCOLO DE ENTENDIMENTOS QUE ENTRE SI CELEBRAM ÓRGÃOS PÚBLICOS E ENTIDADES PARA O COMPARTILHAMENTO E A INTEGRAÇÃO DE DADOS AGRÁRIOS, FUNDIÁRIOS E AMBIENTAIS NO ESTADO DO PARÁ. Os Órgãos Públicos e Entidades

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO Nº 5, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2014

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO Nº 5, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2014 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO Nº 5, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2014 Estabelece procedimentos e prazos para abertura de créditos adicionais, no âmbito da

Leia mais

Art. 3º Para concretização do disposto nesta Lei fica o Poder Executivo autorizado a suplementar a seguinte dotação orçamentária:

Art. 3º Para concretização do disposto nesta Lei fica o Poder Executivo autorizado a suplementar a seguinte dotação orçamentária: LEI Nº 3570/2014, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014. AUTORIZA O MUNICÍPIO CONCEDER CONTRIBUIÇÃO À ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO BAIRRO SÃO CRISTÓVÃO, SUPLEMENTAR DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA, FIRMAR CONVÊNIO E DÁ OUTRAS

Leia mais

Estabelece normas para alteração do Detalhamento da Despesa, das solicitações de Créditos Adicionais e dá outras providências

Estabelece normas para alteração do Detalhamento da Despesa, das solicitações de Créditos Adicionais e dá outras providências 1 Decreto nº 29.524 de 30/12/2009 Estabelece normas para alteração do Detalhamento da Despesa, das solicitações de Créditos Adicionais e dá outras providências 2 3 4 Decreto nº 30.934 de 20/01/2011 Estabelece

Leia mais

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 08/2011

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 08/2011 SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/n Edifício Gerais - Bairro Serra Verde CEP: 31630-901 - Belo Horizonte - MG COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 08/2011

Leia mais

COMITÊ DA CONTA TFCA

COMITÊ DA CONTA TFCA COMITÊ DA CONTA TFCA REGIMENTO Título Das disposições INTERNO I preliminares Art. 1 - O Comitê da Conta TFCA é um órgão colegiado de caráter deliberativo, instituído pela Portaria 398, de 21 de outubro

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais

Instrução Normativa PROEX/IFRS nº 13, de 17 de dezembro de 2013.

Instrução Normativa PROEX/IFRS nº 13, de 17 de dezembro de 2013. Instrução Normativa PROEX/IFRS nº 13, de 17 de dezembro de 2013. Estabelece o fluxo e os procedimentos para o registro, a análise e o acompanhamento das ações de extensão do IFRS e dá outras providências.

Leia mais

COOPERAÇÃO TÉCNICA, CIENTÍFICA E CULTURAL QUE ENTRE SI CELEBRAM E O INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE

COOPERAÇÃO TÉCNICA, CIENTÍFICA E CULTURAL QUE ENTRE SI CELEBRAM E O INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA, CIENTÍFICA E CULTURAL QUE ENTRE SI CELEBRAM E O INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS RENOVÁVEIS IBAMA E A ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL CONHECER PARA CONSERVAR

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras SUMÁRIO O Sistema de Registro de Preços do Governo do Estado

Leia mais

2ª Etapa do Acordo de Resultados 2014 LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS (LEMG)

2ª Etapa do Acordo de Resultados 2014 LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS (LEMG) 2ª Etapa do Acordo de Resultados 2014 LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS (LEMG) Belo Horizonte 30 de Abril de 2014 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS QUE ENTRE SI CELEBRAM A LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires PROJETO-DE-LEI Nº 006, DE 09 DE JANEIRO DE 2013 Poder Executivo Autoriza o Poder Executivo a conceder repasse de subvenção social à ASBERV ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE EVANGÉLICA RESTAURANDO VIDAS. Art. 1º Fica

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

ELABORAR PROJETO DO PLANO PLURIANUAL 1 OBJETIVO

ELABORAR PROJETO DO PLANO PLURIANUAL 1 OBJETIVO Proposto por: Diretor da Divisão de Gestão Orçamentária (DIGOR) Analisado por: Diretor do Departamento de Planejamento e Orçamento (DEPLO) Aprovado por: Diretor da Diretoria-Geral de Planejamento, Coordenação

Leia mais

Relatório da Comissão de Avaliação do Termo de Parceria celebrado entre FEAM e FIP

Relatório da Comissão de Avaliação do Termo de Parceria celebrado entre FEAM e FIP 8º Relatório da Comissão de Avaliação (CA) do Termo de Parceria celebrado entre a Fundação Estadual do Meio Ambiente e a OSCIP Fundação Israel Pinheiro. Período Avaliatório: 07 de maio de 2010 a 31 de

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE Pelo presente instrumento a Associação Brasileira de Arte Contemporânea - ABACT apresenta o Manual de Procedimentos e Adesão referente às regras

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. Institui os procedimentos para o gerenciamento de projetos prioritários no âmbito da Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC e dá outras providências.

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Farroupilha Regimento Interno da Comissão de Avaliação

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

MODELO DO PROJETO DE RESOLUÇÃO. Projeto de Resolução nº /20 Data: de de 20. Autoria:

MODELO DO PROJETO DE RESOLUÇÃO. Projeto de Resolução nº /20 Data: de de 20. Autoria: MODELO DO PROJETO DE RESOLUÇÃO Projeto de Resolução nº /20 Data: de de 20. Autoria: Ementa: Autoriza a Presidência da Câmara Municipal de a filiar-se e firmar convênio com a Uvesp (União de Vereadores

Leia mais

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008.

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 81, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos sobre a apresentação de relatórios de gestão e prestação de contas em Programas Especiais de Fomento. A DIRETORIA COLEGIADA

Leia mais

ESTADO DE MINAS GERAIS ADVOCACIA-GERAL DO ESTADO

ESTADO DE MINAS GERAIS ADVOCACIA-GERAL DO ESTADO Procedência: Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais - IEPHA Interessado: Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais - IEPHA Parecer nº: 14.847

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRATUBA ESTÂNCIA HIDROMINERAL E CLIMÁTICA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRATUBA ESTÂNCIA HIDROMINERAL E CLIMÁTICA PROJETO DE LEI N 055/2014, de 24 de Novembro de 2014 Autoriza firmar convênio com a entidade Associação dos Estabelecimentos de Hotéis Restaurantes e Similares. O Prefeito Municipal de Piratuba, Estado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

MINUTA TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PROVEDORES

MINUTA TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PROVEDORES Sumário TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA...2 1.1 DO OBJETO...2 1.2 DA EXECUÇÃO...2 1.3 DOS DIREITOS E DAS OBRIGAÇÕES DAS PARTES...2 1.3.1 SÃO DIREITOS DOS PARTÍCIPES:...2 1.3.2 SÃO OBRIGAÇÕES DOS PARTÍCIPES:...2

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais