EFICIÊNCIA E GESTÃO DE RESULTADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFICIÊNCIA E GESTÃO DE RESULTADOS"

Transcrição

1 EFICIÊNCIA E GESTÃO DE RESULTADOS Plano de Gestão BIÊNIO 2015/2017 CLEANDRO ALVES DE MOURA CLEANDRO ALVES DE MOURA 1

2

3 Carta de Intenções Caros colegas; É com satisfação, clareza de propósitos, transparência e, principalmente, humildade e respeito ao Ministério Público do Estado do Piauí e seus integrantes, membros e servidores, e à sociedade piauiense, que anuncio a todos minha decisão de concorrer ao Cargo de Procurador-Geral de Justiça, elegendo como plataforma de gestão três eixos prioritários, a seguir delineados: a) INCREMENTO DO ORÇAMENTO b) FORTALECIMENTO DA ATIVIDADE FINALÍSTICA c) APERFEIÇOAMENTO DA ATIVIDADE MEIO A decisão em nos candidatarmos à lista tríplice para escolha do membro que será nomeado para o cargo de Procurador-Geral de Justiça, se deve a uma postura coerente e determinada que há quase vinte anos faz parte de minha vida, que é buscar com meu trabalho contribuir para o engrandecimento institucional do Ministério Público e de servir à sociedade, indistintamente e independentemente da classe ou nível social a que aquele que busca nosso apoio pertença. Conquistas foram alcançadas na atual administração, fazendo-se necessário a garantia e manutenção dos direitos adquiridos e que asseguraram a recomposição dos subsídios, o pagamento dos auxílios-alimentação e moradia e o pagamento da Parcela Autônoma de Equivalência PAE. Não devemos esquecer, ainda, da reestruturação física e de pessoal da sede da PGJ, das Procuradorias e Promotorias de Justiça. Diante disso, havendo participado ativamente nos últimos oito meses da elaboração e execução do plano de gestão da atual Administração superior, aprovado pela maioria da classe, manifestamos nosso propósito de agir de modo eficiente, tendo como finalidade a contínua implementação de maiores avanços para Instituição. CLEANDRO ALVES DE MOURA 3

4 Sempre lutamos por um Ministério Público independente, eficiente, aguerrido, defensor da sociedade, justo, harmônico, transparente e, acima de tudo, que respeite a todos. Uma Instituição que se relacione com os demais Poderes e órgãos da administração pública de forma altiva e imparcial. É com essa postura que esperamos dignamente sermos merecedores de sua confiança e, uma vez alçado ao cargo de Procurador-Geral de Justiça, com humildade servir a todos, indistintamente e cordialmente. Tenho certeza que nosso Plano de Gestão para o Biênio 2015/2017 é plenamente passível de execução em sua integralidade, razão pela qual conto com seu apoio. Cleandro Alves de Moura 4 EFICIÊNCIA E GESTÃO DE RESULTADOS

5 EFICIÊNCIA E GESTÃO DE RESULTADOS PROGRAMAÇÃO ADMINISTRATIVA PROPOSTAS PARA O BIÊNIO 2015/2017 EIXOS PRIORITÁRIOS 1. INCREMENTO DO ORÇAMENTO 2. FORTALECIMENTO DA ATIVIDADE FINALÍSTICA 3. APERFEIÇOAR A ATIVIDADE MEIO

6 METAS PARA IMPULSIONAR A ELEVAÇÃO DO ORÇAMENTO Aperfeiçoar o trabalho da Comissão de Orçamento, aprofundando estudos para a elaboração de Plano Plurianual (PPA), possibilitando, assim, a inserção do Ministério Público nas estratégias governamentais de desenvolvimento; Envidar os esforços necessários para captação de recursos, inclusive extraorçamentários, visando a construção da sede das Promotorias e Procuradorias de Justiça de Teresina, centralizando-se todas as unidades ministeriais em um só local, minimizando-se, assim, custos com deslocamento e comunicação; Desenvolver Plano de Atuação do Parquet para contribuir com o aumento da receita corrente líquida do Piauí. Com a majoração da Receita Corrente Líquida RCL do Estado, a margem do limite prudencial será ampliada e, via de consequência, poderemos nomear mais Promotores de Justiça e servidores; Articular a Comissão de Gestão de Orçamento com as Coordenações de Apoio Administrativo e com os Núcleos das Promotorias de Justiça, de maneira que todas as necessidades da Instituição sejam ponderadas por ocasião da execução orçamentária; Estabelecer um plano de acompanhamento da Receita Corrente Líquida do Estado do Piauí, possibilitando a aquisição de recursos através das quotas decorrentes de excesso de arrecadação. 6 EFICIÊNCIA E GESTÃO DE RESULTADOS

7 METAS PARA FORTALECIMENTO DA ATIVIDADE FINALÍSTICA Atuação proativa como PGJ, discutindo amplamente questões de interesse institucional; Implantar o Ministério Público Itinerante; Criar Núcleos Regionais de Promotorias de Justiça, dotadas de suprimento de fundos, concedendo assim certa autonomia administrativa para as promotorias integrantes do núcleo; Viabilizar a criação de núcleos regionais de Promotorias de Justiça, compostos por Promotorias Especializadas em matéria de improbidade, saúde, consumidor, educação e cidadania; Proporcionar estrutura de trabalho e recursos tecnológicos condizentes com as necessidades cotidianas; Instituir Grupo Técnico para auxiliar nas Promotorias de Justiça com excesso de demanda, atendendo a requerimento fundamentado de membro, ou quando constatada a situação em correição ou inspeção realizada pela Corregedoria do Ministério Público; Ampliar o acesso ao SIMP (Sistema Integrado do Ministério Público), sobretudo nas Promotorias de Justiça de entrância inicial e intermediária, a fim de facilitar o controle do fluxo de processos judiciais e administrativos; Realizar processo regional para seleção de estagiários da área jurídica e afins, com consequente lotação nas Promotorias de Justiça, atendendo-se, principalmente, aquelas que ainda não foram contempladas; Implantar, conforme disponibilidade orçamentária e financeira, direitos já previstos em outras carreiras ministeriais e judiciais, como a gratificação pelo efetivo exercício em comarca de difícil provi- CLEANDRO ALVES DE MOURA 7

8 mento, assim definida e indicada em lei (Art. 65, X, da Lei Orgânica da Magistratura Nacional) e prevista no art. 4º, IV da Resolução CNMP nº 09/2006; Assegurar a imediata titularização dos Promotores de Justiça Substitutos, removendo a cláusula de barreira e fortalecendo o quadro de membros, de forma a garantir o exercício satisfatório do respectivo mister; Planejar a atuação integrada dos órgãos de execução, tendo por escopo combater a sonegação fiscal em nível estadual, mediante a criação, inclusive, de Promotorias especializadas; Planejar a atuação ministerial integrada e regionalizada, criando núcleos regionais compostos de servidores com atribuições específicas para realização de perícias, fiscalizações, promovendo-se o atendimento imediato das análises técnicas necessárias; Fortalecer a atuação das Promotorias de Justiça da Fazenda Pública, sobretudo para o combate da improbidade administrativa e quaisquer outras formas de ofensa ao erário; Buscar a integração articulada da Instituição com outras entidades de forma a viabilizar a recuperação de créditos; Possibilitar o acesso de um maior número de membros aos cursos e reuniões de caráter institucional; Dotar cada uma das Promotorias de Justiça com, pelo menos, um servidor e/ou recepcionista, para auxiliar o Membro na sua atuação; Criar o cargo de Diretor de Núcleo de Promotorias de Justiça, para a gestão administrativa do órgão, sendo-lhe assegurado o direito à percepção da respectiva gratificação; Destinar a cada uma das Promotorias de Justiça um Kit básico constituído por mobília, computador, impressora multifuncional 8 EFICIÊNCIA E GESTÃO DE RESULTADOS

9 essencial para virtualização de processos -, sistema de internet wireless e frigobar; Dotar as Promotorias de Justiça especializadas na defesa dos Direitos Difusos e Coletivos com uma Secretaria composta de assessoria jurídica, setor de atendimento, conciliação e fiscalização. Estabelecer critérios objetivos e em sistema de rodízio para assegurar a participação de membros em cursos de pós-graduação, oportunizando-se a todos formação em nível de mestrado e doutorado; Implantar, conforme disponibilidade orçamentária e financeira, direitos já reconhecidos em outros MPs, como o auxílio-saúde; Celebrar convênio com o Tribunal de Contas do Estado do Piauí para capacitação de Promotores de Justiça; Executar convênio firmado com o TCE-PI, para capacitar e disponibilizar estagiários para auxiliarem nas Promotorias de Justiça do Interior; Estabelecer o canal direto de relacionamento Fale com o PGJ, de forma a dar maior celeridade ao atendimento das demandas oriundas das Procuradorias e Promotorias de Justiça; Viabilizar a remuneração ou possibilitar a justa compensação dos plantões ministeriais; Criar o cargo de Chefe de Gabinete de Promotoria de Justiça; Majorar o valor das diárias pagas ao Membros, estabelecendo data para revisão periódica; Buscar a majoração do valor da ajuda de custo, conforme disponibilidade orçamentária e financeira; Criar grupo para otimizar o controle externo da atividade policial, CLEANDRO ALVES DE MOURA 9

10 despersonalizando a atuação dos membros e contribuindo com a atividade finalística,; Discutir a atuação do MP no sistema penitenciário, como a ressocialização do preso, humanização e prevenção à reincidência; Viabilizar a criação de Núcleo de Proteção à Vítima dentro do MP, permitindo a este o atendimento por equipe multiprofissional, a exemplo do que já ocorre no NUPEVID, composta por psicólogo e assistente social, auxiliando na recuperação do ofendido; METAS PARA O APERFEIÇOAMENTO DA ATIVIDADE MEIO Constituir comissão para estudo e atualização do Plano de Carreira dos servidores do Ministério Público, com a finalidade de valorizar a carreira, buscando a implantação de direitos como o auxílio-saúde, pagamento de auxilio alimentação retroativo, etc., conforme disponibilidade orçamentária e financeira; Desburocratizar o procedimento para concessão de diárias, acelerando, assim, seu deferimento, sem prejuízo do controle interno, que passará a ser descentralizado; Promover reuniões mensais com os Coordenadores e Diretores de Núcleos de Promotorias de Justiça; Treinamento de servidores para substituição durante férias e afastamentos no setor, de modo a assegurar a eficiente continuidade do serviço; Estabelecer rotinas de trabalho e procedimentos padronizados, para que a atuação das unidades administrativas se dê de forma eficiente e célere; Fixar métodos para avaliação da produtividade de cada setor administrativo; 10 EFICIÊNCIA E GESTÃO DE RESULTADOS

11 Implantação e utilização do critério da meritocracia; Contratação de Segurança Privada para guarnição da sede da PGJ e Promotorias de Justiça, iniciando-se pelas Promotorias de Justiça de maior risco, conforme classificação do Gabinete de Segurança Institucional, a ser criado; Celebração de convênio com a Polícia Militar do Piauí para promover a segurança pessoal de membros e servidores em situação de risco; Celebrar convênio com o Tribunal de Contas do Estado do Piauí para capacitação de servidores das várias unidades administrativas; Adotar mecanismos para verificação da atuação funcional e indicadores de produtividade dos servidores, com vistas a possibilitar à Administração e aos Promotores de Justiça uma melhor gestão dos recursos humanos e materiais; Instituir uma unidade centralizada para atender às necessidades de suprimento de fundo das Promotorias de Justiça que não forem dotadas desse recurso. PROPOSTAS ESPECÍFICAS POR ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO Coordenadoria de Recursos Humanos Aumentar a integração entre membros e servidores, a fim de fortalecer o vínculo institucional e a especialização dos mesmos; Reestruturar e fortalecer o Comitê de Saúde e Qualidade de Vida do Ministério Público (SQVT), de forma a propiciar o efetivo desempenho de suas atribuições; Propiciar o acompanhamento psicológico de membros e servido- CLEANDRO ALVES DE MOURA 11

12 res; Informatização do setor de Recursos Humanos com a digitalização de documentos e processos; Monitorar a nomeação de estagiários e servidores, de forma a prevenir eventual vacância da função sem substituto; CEAF Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional Fortalecer o CEAF para oferta de educação à distância/ead; Dotar o órgão de mecanismos para realização de concurso para seleção de estagiários a nível regional; Realização de cursos a nível de pós-graduação; Intensificar a realização de Cursos de aperfeiçoamento para membros e servidores; Participação efetiva em concurso para provimento de cargo de Promotor de Justiça; Promover a realização de cursos de media training, capacitando, assim, membros e servidores para a realização de suas atividades cotidianas e relacionamento com a sociedade; Implantar curso de especialização em inteligência institucional, nos moldes preconizados pelo Conselho Nacional do Ministério Público; Implantar convênios com universidades e órgãos públicos especializados, destinados à realização de cursos de preparação gerencial de membros e servidores, com ênfase na gestão pública; Promover a capacitação de membros e servidores em gerenciamento de projetos; 12 EFICIÊNCIA E GESTÃO DE RESULTADOS

13 Implementar o Sistema de Gestão de Eventos, com o intuito de controlar e integrar todas as informações relativas aos eventos promovidos pelo CEAF; Capacitação dos servidores envolvidos com cursos relacionados a realização de licitações e fiscalização dos contratos firmados; PROCON Programa de Proteção e Defesa do Consumidor Instituir o Procon Móvel com a aquisição de um veículo destinado ao atendimento do consumidor no território estadual; Instituir o pagamento de gratificação para atuação de membros na Junta Recursal do Procon JURCON e nas Turmas Recursais dos Juizados Especiais; Aplicação dos recursos do FEPDC - Fundo Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor, nas Promotorias de Justiça Única e nas Promotorias de Justiça com atribuições na defesa dos Direitos Difusos e Coletivos. GAECO - Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado O fortalecimento do GAECO se dará com a destinação de sede própria não identificada para funcionamento, central de informações e designação de membro para exercer a coordenação do órgão em regime de dedicação exclusiva; Aquisição do Sistema Guardião e de Laboratório para identificação dos crimes de Lavagem de Dinheiro, Ampliar convênios interinstitucionais para fortalecer a atuação do GAECO, junto à Polícia Rodoviária Federal, ao DETRAN PI, à Receita Federal, ao Banco Central, etc., otimizando o apoio prestado aos demais agentes ministeriais; CLEANDRO ALVES DE MOURA 13

14 Dotar o órgão com um sistema de investigação moderno no combate ao crime organizado; CACOP - Centro de Apoio Operacional de Combate à Corrupção e Defesa do Patrimônio Público Fortalecer o Centro de Apoio Operacional de Combate à Corrupção e Defesa do Patrimônio Público - CACOP, dando-lhe condições estruturais para prestar maior apoio às Promotorias de Justiça na defesa do patrimônio público; Ampliar convênios interinstitucionais para fortalecer a atuação do CACOP, junto à Polícia Rodoviária Federal, ao DETRAN PI, à Receita Federal, ao Banco Central, etc, otimizando o apoio prestado aos demais agentes ministeriais; Coordenadoria de Perícias e Pareceres Técnicos Realizar concurso para ampliação do quadro de servidores lotados na Coordenadoria de Perícias e Pareceres Técnicos, para que possa o MP dispor em seu quadro de profissionais da área de engenharia, arquitetura, psicologia, medicina, segurança, sanitarista, etc.; Criar um espaço adequado que propicie aos usuários uma estrutura física adequada com acessibilidade, visando a manutenção da qualidade de vida e a prevenção de doenças de membros e servidores; Planejar e efetivar a ampliação e descentralização das atividades periciais, visando dotar com profissionais especialistas as Promotorias Regionais com maior demanda de análises. Gabinete de Segurança Institucional 14 EFICIÊNCIA E GESTÃO DE RESULTADOS

15 Criar o Gabinete de Segurança Institucional - GSI, cuja assessoria será voltada à promoção da segurança institucional e de membros e servidores, tutelando, ainda, bens, informações e recursos humanos; Desenvolver a gestão da segurança institucional, modernizando-a através de cursos de aperfeiçoamento e aquisição de equipamentos, capacitando os órgãos de segurança com ganhos qualitativos; Executar o Plano de Segurança Orgânica, aperfeiçoando-o continuamente à estrutura de pessoal e equipamento, no intuito de capacitá-lo para colocar em prática as orientações operacionais originárias do CNMP; Adquirir e implantar novas tecnologias para utilização em ações de segurança preventiva e reativa, objetivando incrementar as medidas protetoras dos Membros, Servidores e do patrimônio da Instituição, ampliando os sistemas de alarme por detecção de movimento e de Circuito Fechado de Televisão (CFTV) nas Promotorias de Justiça localizadas nos fóruns, estabelecendo-se parcerias com o Poder Judiciário; Estabelecer tratativas com o Poder Judiciário, objetivando promover convênios para solucionar as deficiências de segurança, detectadas por ocasião das visitas realizadas nas diversas instalações, situadas nas sedes de Comarcas; Promover novos cursos direcionados aos Membros da Instituição, tendo por meta sedimentar noções de segurança pessoal, a exemplo de manuseio e uso de armas de fogo, direção defensiva e evasiva e defesa pessoal, etc.; CLEANDRO ALVES DE MOURA 15

16 Assegurar avanço estratégico na área de inteligência e contrainteligência, objetivando a salvaguarda pessoal dos Membros e, também, a restrição de acesso a dados e documentos sigilosos, com ampliação de escudos defensivos e protetivos, nas áreas de informática e tecnologia. Aquisição de veículos blindados; Centros de Apoio Operacional Reestruturar e prover os Centros de Apoio Operacional com os recursos necessários e adequados à realização de sua atividade fim, que é dar o suporte necessários aos órgãos de execução na realização de sua atuação finalística. Coordenadoria de Comunicação Social Estabelecer um canal periódico de divulgação das ações realizadas pelo Ministério Público, visando contemplar o controle social da Administração Pública, bem como informar sobre metas realizadas; Fazer o acompanhamento de membros quando no exercício de seu mister, realizando a cobertura da respectiva participação em eventos e entrevistas, para fins de divulgação institucional, incumbindo-lhe, ainda prestar a assessoria necessária de media training; Publicação da Revista do MP; Dar maior transparência e divulgação aos atos da PGJ; Promover campanhas institucionais e dar suporte àquelas desenvolvidas pelos órgãos de execução. 16 EFICIÊNCIA E GESTÃO DE RESULTADOS

17 Controle Interno Descentralizar a atuação do Controle Interno do MP, de forma a imprimir maior celeridade à tramitação de processos administrativos de sua competência; Ouvidoria Fortalecer a atuação da Ouvidoria, ampliando a utilização das redes sociais (Facebook, Instagram e Whatsapp), aproximando a sociedade ainda mais do Ministério Público; Coordenadoria de Licitações e Contratos Criar mecanismos para tornar mais célere os processos licitatórios, estabelecendo rotinas e cronograma de atuação; Adotar o sistema de política de compras sustentáveis, as chamadas compras verdes, transformando o poder de compra do Ministério Público em um instrumento de proteção ao meio ambiente e de desenvolvimento econômico e social; Implantar o Sistema de Cotação Eletrônica de Preços SCEP, com o escopo de difundir as aquisições e contratações do Ministério Público, virtualizando os procedimentos inerentes às contratações. A medida visa, também, racionalizar, de forma transparente, os procedimentos relativos às contratações de pequeno valor, ampliando a competitividade e elevando a possibilidade de contratações a preço mais justo; Coordenadoria de Tecnologia da Informação Implantar a certificação digital no âmbito da PGJ, Procuradorias e Promotorias de Justiça; Adquirir novos e modernos equipamentos, atualizando o acervo CLEANDRO ALVES DE MOURA 17

18 tecnológico do Ministério Público; Lançar o Projeto MP Sem Papel, com a implantação de sistema GED (Gestão Eletrônica de Documentos), virtualizando a tramitação de ofícios e documentos, aumentando a eficiência na administração e reduzindo custos. CSMP - Conselho Superior do Ministério Público Regulamentar o recebimento de procedimentos de forma virtual; Propor ao CSMP a emissão de Enunciados acerca de suas decisões; Assessoria de Planejamento e Gestão Criar programa de controle e redução de custos, dotado de sistema informatizado para acompanhamento e baseado em estudos que vêm sendo realizados e divulgados por Comissão específica do Fórum Nacional de Gestão do CNMP; Implantar, em todas as unidades do MP, projeto de gestão sustentável, englobando as áreas ambientais e de Tecnologia da Informação TI; Estabelecer fórum permanente de gestão, em âmbito estadual, com participação ativa no Fórum Nacional de Gestão do CNMP. Adoção do modelo de Gestão por Competência, a fim de priorizar a execução de projetos e alcançar as metas estipuladas; Implantar projeto de padronização e organização administrativa voltado para as Promotorias de Justiça; Incentivar a elaboração de Projetos pelos Membros do MP-PI, para inclusão no Banco Nacional de Projetos do CNMP; 18 EFICIÊNCIA E GESTÃO DE RESULTADOS

19 Instituir o escritório de projetos, com o objetivo de auxiliar Membros e Servidores na implementação dos princípios, práticas, metodologias, ferramentas e técnicas de gerenciamento de projetos, possibilitando maior efetividade no planejamento e execução das ações organizacionais, estruturando cada vez mais a área de Planejamento e o Banco de Projetos; DA EXPERIÊNCIA ADMINISTRATIVA NA COORDENAÇÃO DO PROCON No Programa de Proteção e Defesa do Consumidor Procon, órgão criado em 2004 na estrutura do Ministério Público do Estado do Piauí, exerci o cargo de Coordenador Geral, por pouco mais de dois anos. Destaco como fato importante, dentre tantos ocorridos sob minha direção, uma inspeção realizada no dia 10 de junho de 2014, pela Corregedoria Geral do Ministério Público, a qual reconheceu: um incremento significativo na demanda a partir de 2011, coincidindo com a gestão do atual Coordenador, ora inspecionado. Ao assumirmos o Procon, em virtude da exoneração de servidores comissionados dos quadros da PGJ, o órgão que antes contava com grande número de servidores e era integrado por cinco Promotorias de Justiça de Defesa do Consumidor, passou a dispor de apenas 10 (dez) servidores, uma Coordenação Geral e duas Promotorias de Justiça de Defesa do Consumidor, para atender a todo o Estado do Piauí. Contrariando os prognósticos, mesmo diante da abrupta redução do quadro de membros e servidores lotados no Procon/MP-PI, adotando um modelo de gestão inovador, em pouco mais de dois anos, triplicamos os índices de produtividade e valores em multas revertidas ao Fundo Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor- FEPDC. CLEANDRO ALVES DE MOURA 19

20 Tabela Analítica da Gestão do Promotor Cleandro Alves de Moura junto ao Procon/MP-PI, com ênfase no período entre Janeiro de 2011 e junho de Processos Administrativos Instaurados Período entre 2004 (data da criação do Procon/MP-PI) e 2010* Período entre 2011 e junho de 2014 (Gestão do Promotor Cleandro Alves de Moura) Ações Ajuizadas Número de Servidores Número de Reclamações Abertas** Pessoas Atendidas Valores Oriundos de Multas *** R$ ,00 R$ ,00 * Antes da Gestão do Promotor de Justiça Cleandro Alves de Moura, o Procon/MP-PI contava com 5 (cinco) Promotorias de Justiça, sendo que, posteriormente, apenas duas Promotorias passaram a atuar em matéria consumerista. ** Graças à implantação de mecanismos alternativos de solução de demandas, foi possível elevar o número de atendimentos individuais, reduzindo o quantitativo de reclamações, tendo em vista a adoção de meios de composição específicos para diversas modalidades de reclamação. Tal fato viabilizou maior potencial à tutela preventiva, vez que priorizados meios de composição amigável, reservando a abertura de reclamação para as situações mais graves ou para as quais a tutela preventiva se mostrou insuficiente. *** Valores aproximados. 20 EFICIÊNCIA E GESTÃO DE RESULTADOS

21 Campanhas desenvolvidas no PROCON/PI Campanhas Institucionais a) Comemoração do Dia Internacional do Consumidor; b) Aniversário do Código de Defesa do Consumidor CDC. Campanhas Educativas c) Tema: Formando o Consumidor do Futuro, ministrada em diversas escolas públicas municipais e estaduais; d) Publicação do Manual do Consumidor Piauiense; e) Elaboração do Projeto da Revista do Consumidor; Atuação pró-ativa na Coordenação Geral do Procon a) Realização de Audiências Públicas para discussão de temas relacionados a defesa do consumidor; b) Participação em Conselhos de Consumidores; c) Elaboração de notas e pareceres técnicos. Como Órgão Consultivo, o Procon passou a responder às consultas formuladas por entidades representativas de classe, sendo ouvido, inclusive, antes da sanção pelo Chefe do Poder Executivo de leis de cunho consumerista; d) Ajuizamento constante de demandas consumeristas. Experiências Inovadoras Dentre as experiências inovadoras adotadas no Procon, podemos destacar: a) O remanejamento imediato de servidores para garantir celeridade de atendimento ao público, quando identificado o aumento expressivo da demanda; b) Implantação do rodízio de servidores nos diversos setores, de modo a proporcionar o conhecimento da rotina de cada um por todos; c) Treinamento do substituto antes do início do gozo de férias pelo servidor, evitando assim prejuízo na prestação do serviço. d) Implantação do procedimento Circular Operacional, explicitando rotinas administrativas; CLEANDRO ALVES DE MOURA 21

22 e) Implantação de Salas de Atendimento ao Consumidor dentro de empresas, facilitando a resolução de demandas extra Procon, o que ajudou a desafogar o Setor de Atendimento. (ex.: Agespisa, Cepisa, Itaú, etc) f) Implantação do Plano Piloto do SIMP, indispensável ao acompanhamento da tramitação dos procedimentos administrativos instaurados pelo Procon, já que para as Reclamações o Procon dispõe do programa SINDEC, disponibilizado e interligado com a Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor- SENACON, do Ministério da Justiça. g) Criação sob minha gestão dos Procons Municipais de Parnaíba, Campo Maior, Floriano e Picos; h) Membro da Associação Procons Brasil; i) Representante do Procon-PI junto à Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor Senacon; j) Estabelecimento de metas de produtividade para todos os Setores do Procon, com a constante avaliação de resultados; Alguns cargos e funções exercidas Coordenador Geral do Procon/MP-PI; Sub-Coordenador do Procon de Parnaíba; Membro de Grupo de Promotores designado para desenvolver ações de combate ao crime organizado e atos de improbidade; Membro do CETI- Comitê Estratégico de Tecnologia da Informação do MP/PI; Membro da Associação Procons Brasil; Representante do MP-PI junto a SENACON Secretaria Nacional do Consumidor; Atualmente é Chefe de Gabinete da Procuradoria-Geral de Justiça, sem prejuízo do exercício das funções na 36ª PJ. 22 EFICIÊNCIA E GESTÃO DE RESULTADOS

23 Biografia Cleandro Alves de Moura é piauiense, natural de Teresina, formado em Direito pela Universidade de Fortaleza - UNIFOR, no ano de A nível de graduação, cursou, além de Direito, Filosofia e Geografia. Ainda estudante, foi aprovado em concurso para provimento de cargo de técnico processual-judicial promovido pelo Tribunal Regional do Trabalho. Foi advogado militante de 1990 até 1994; Aprovado no 1º Concurso para provimento de Cargo de Delegado de Polícia Civil de Carreira do Piauí, foi nomeado após aprovação no Curso Preparatório realizado pela Academia de Polícia Civil. Foi Defensor Público do Estado do Ceará de 1995 a Assumiu o cargo de Promotor de Justiça Substituto no Estado do Piauí, em 1º de fevereiro de A nível de pós-graduação, é especialista em Direito Civil e Processual Civil, pela Universidade Federal do Piauí UFPI. Nomeado para os quadros do Ministério Público do Estado do Piauí em 1º de fevereiro de 1996, portanto, há quase 20 (vinte) anos, iniciou na carreira como Promotor de Justiça Substituto nas Promotorias de Justiça de Avelino Lopes, Parnaguá e Curimatá. Durante esse período respondeu por inúmeras Promotorias de Justiça, dentre as quais, além das referidas, citamos São Gonçalo, Pio IX, Santa Cruz, Cocal, Luzilândia, Esperantina, Barras, Luiz Correia, Parnaíba, Canto do Buriti, Elizeu Martins, Pedro II, Guadalupe, Campinas do Piauí, etc., dentre tantas outras, sendo que nas duas últimas respondeu até o mês de abril do corrente ano. Cleandro Moura é Promotor de Justiça titular da 36ª Promotoria de Justiça da Fazenda Pública de Teresina. CLEANDRO ALVES DE MOURA 23

24 24 EFICIÊNCIA E GESTÃO DE RESULTADOS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

ANEXO I. Relatório de Atividades Anuais do Ministério Público: Rol de informações mínimas necessárias por órgão

ANEXO I. Relatório de Atividades Anuais do Ministério Público: Rol de informações mínimas necessárias por órgão ANEXO I Relatório de Atividades Anuais do Ministério Público: Rol de informações mínimas necessárias por órgão 1. SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA PARA ASSUNTOS INSTITUCIONAIS 1.1 Atividades Institucionais

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 005/2013

ATO NORMATIVO Nº 005/2013 ATO NORMATIVO Nº 005/2013 Dispõe sobre as funções de confiança exercidas por servidores do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA,

Leia mais

LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007

LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007 LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007 DISPÕE sobre a SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA SSP, definindo suas finalidades, competências e estrutura organizacional, fixando o seu quadro de cargos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 734/2012- PGJ, 27 DE ABRIL DE 2012 (Protocolado nº 59.120/12)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 734/2012- PGJ, 27 DE ABRIL DE 2012 (Protocolado nº 59.120/12) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 734/2012- PGJ, 27 DE ABRIL DE 2012 (Protocolado nº 59.120/12) Revogado pelo Ato (N) nº 970/2016 PGJ, de 28 de junho de 2016. Institui a Coordenadoria

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) Altera o art. 4º-A do Ato Normativo nº 572/2009-PGJ, de 30 de janeiro de

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ Princípio A segurança pública deve promover a cidadania e prevenir a criminalidade. Princípio As políticas de segurança pública devem ser transversais.

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR GERAL ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

ESTADO DO CEARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR GERAL ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Monitoramento dos Indicadores de Desempenho do Planejamento Estratégico - 2008 a 2012 Indicador Fórmulas Metas 2008 2009 2010 2011 2012 Índice de Reuniões Realizadas Qtde de Reuniões Realizadas Qtde de

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA Fabiana Alves de Souza dos Santos Diretora de Gestão Estratégica do TRT 10 1/29 O TRT da 10ª Região Criado em 1982 32 Varas do Trabalho

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. Institui o programa de transparência do Ministério da Justiça e estabelece medidas internas para aperfeiçoar os instrumentos preventivos de controle da atividade

Leia mais

* DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais,

* DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais, Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais * DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui o Programa Estadual de Proteção a Vitimas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

(ANEXO 2) FICHA DOS PROJETOS

(ANEXO 2) FICHA DOS PROJETOS (ANEXO 2) FICHA DOS PROJETOS 1 - SUAP - Sistema Unificado de Acompanhamento Processual Implantar, a partir de diretrizes do CSJT, sistema único de acompanhamento processual, em substituição aos diversos

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Diretoria Geral de Planejamento, Coordenação e Finanças (DGPCF) 0301- Tribunal de Justiça.

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Diretoria Geral de Planejamento, Coordenação e Finanças (DGPCF) 0301- Tribunal de Justiça. ESTRUTURA PROGRAMÁTICA - PROPOSTA 2016 UNIDADE - UO 0301 PROGRAMA PROGRAMA Garantir o pagamento pelo efetivo serviço exercido por magistrados e servidores, bem como as obrigações de responsabilidade do

Leia mais

Anexo V - Descrição dos cargos de provimento efetivo da Carreira Judiciária, atribuições principais e requisitos para ingresso

Anexo V - Descrição dos cargos de provimento efetivo da Carreira Judiciária, atribuições principais e requisitos para ingresso Anexo V - Descrição dos cargos de provimento efetivo da Carreira Judiciária, atribuições principais e requisitos para ingresso (artigo 7º da Lei nº, de de de 2008.) GRUPO OCUPACIONAL DE ATIVIDADES TÉCNICAS

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2013-2014 Sumário: 1 INTRODUÇÃO... 3 2 BIÊNIO 2013-2014: ATIVIDADES DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO.... 3 2.1 Apoio ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo...

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROGRAMA DE MUNICIPALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR É com satisfação que a Fundação Procon/SP apresenta o novo Programa de Municipalização que tem como objetivo fortalecer o Sistema Estadual

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Dispõe sobre o Plano Nacional de Capacitação Judicial de magistrados e servidores do Poder Judiciário (Publicada no DJ-e nº

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca a modernização e a ampliação das ações e dos instrumentos de Comunicação para atender às necessidades de divulgação e alinhamento de informações

Leia mais

ENUNCIADOS DO FORUM NACIONAL DA MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO

ENUNCIADOS DO FORUM NACIONAL DA MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO ENUNCIADOS DO FORUM NACIONAL DA MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO Semestralmente o Fórum Nacional da Mediação e Conciliação se reúne e promove discussões objetivando levantar boas práticas que possam aprimorar o

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

PROVIMENTO Nº 20/2009

PROVIMENTO Nº 20/2009 PROVIMENTO Nº 20/2009 Cria no âmbito do Ministério Público do Estado do Ceará a Coordenação de Controladoria e Auditoria Interna e dá outras providências. A PROCURADORA-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 Sobre a atuação dos Juízes e Poderes Judiciários Iberoamericanos relativamente à informação, à participação pública e ao acesso à justiça em matéria de meio ambiente

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

Parágrafo único. Aplica-se aos titulares dos órgãos referidos no caput deste artigo o disposto no art. 2º, 2º, desta Lei Complementar.

Parágrafo único. Aplica-se aos titulares dos órgãos referidos no caput deste artigo o disposto no art. 2º, 2º, desta Lei Complementar. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 518, DE 26 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a organização e o funcionamento da Assessoria Jurídica Estadual, estrutura a Carreira e o Grupo Ocupacional dos titulares

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

ÁREAS ADMINISTRATIVAS

ÁREAS ADMINISTRATIVAS ÁREAS ADMINISTRATIVAS SUBPROCURADORIA-GERAL - criar Subprocuradoria-Geral de Justiça, com atribuição na área institucional, focada principalmente no planejamento, na comunicação e marketing institucional,

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

3. PERFIL DOS SERVIDORES

3. PERFIL DOS SERVIDORES 3. PERFIL DOS SERVIDORES A política de pessoal das Carreiras Docente e Técnico-Administrativa em Educação da UFJF segue as regras do Serviço Público Federal, estabelecidas por Atos Normativos e Atos Autorizativos

Leia mais

Esfera: 10 Função: 06 - Segurança Pública Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 30101 - Ministério da Justiça

Esfera: 10 Função: 06 - Segurança Pública Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 30101 - Ministério da Justiça Programa 1127 Sistema Único de Segurança Pública - SUSP Numero de Ações 12 Ações Orçamentárias 2272 Gestão e Administração do Programa Produto: - Unidade de Medida: - Esfera: 10 Função: 06 - Segurança

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

MINUTA DE MACROPROCESSOS FINALÍSTICOS

MINUTA DE MACROPROCESSOS FINALÍSTICOS FL. 114 166 MINUTA DE MACROPROCESSOS FINALÍSTICOS MACROPROCESSO PROCESSO SUBPROCESSO Atermação- 1º grau Distribuição 1º e 2º graus Triagem Inicial 1º e 2º graus Providências Preliminares Redistribuição

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1.

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1. 34 Os indicadores são índices utilizados para aferir resultados. O TRT da 7ª Região adotou indicadores aferidos pelo CNJ e criou outros considerados relevantes para o processo decisório da gestão institucional,

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 530, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 530, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 530, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre a criação de estágio para estudantes de pós-graduação, denominado PGE Residência, no âmbito da Procuradoria-Geral do

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 552, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 552, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 552, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. Altera os artigos 31 e 34, bem como os Anexos I e II, da Lei Complementar Estadual nº 446, de 29 de novembro de 2010, e dá outras

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, usando das atribuições legais e regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, usando das atribuições legais e regimentais, DECRETO JUDICIÁRIO Nº 1543/2013. Dispõe sobre a Regulamentação da concessão de Bolsa de Graduação e Pós-Graduação no âmbito do Poder Judiciário do Estado de Goiás. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

Programa de Combate ao Trabalho Infantil

Programa de Combate ao Trabalho Infantil Programa de Combate ao Trabalho Infantil 1. 1. JUSTIFICATIVA A partir das conclusões dos trabalhos iniciais da Comissão pela Erradicação do Trabalho Infantil da Justiça do Trabalho e do Seminário Trabalho

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

Nota oficial do Poder Judiciário do Estado de Santa Catarina,

Nota oficial do Poder Judiciário do Estado de Santa Catarina, Nota oficial do Poder Judiciário do Estado de Santa Catarina, É de conhecimento de todos que os servidores filiados ao Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Estado de Santa Catarina Sinjusc,

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

6 - Garantir recursos orçamentários necessários para funcionamento do Poder Judiciário Estadual.

6 - Garantir recursos orçamentários necessários para funcionamento do Poder Judiciário Estadual. 5.4. ORÇAMENTO Objetivo Estratégico: 6 - Garantir recursos orçamentários necessários para funcionamento do Poder Judiciário Estadual. Descrição do Objetivo: Garantir a disponibilização dos recursos necessários

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA. ANEXO ÚNICO DO ATO PGJ n 056/2010

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA. ANEXO ÚNICO DO ATO PGJ n 056/2010 PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA ANEXO ÚNICO DO ATO PGJ n 056/2010 SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO: Indicador: Percentual de órgãos com estrutura de equipamentos adequada. Meta: 79, 24% Melhorar a estrutura

Leia mais

Institucionalização e monitoramento do Planejamento Institucional

Institucionalização e monitoramento do Planejamento Institucional Execução do Plano Estratégico e seus desdobramentos Institucionalização e monitoramento do Planejamento Institucional Planejamento Estratégico e seus desdobramentos: planejamento setorial e planejamento

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 4 OBJETIVOS 5 PROGRAMAS EDUCACIONAIS 6 CONSTRUÇÃO DO PLANO ANUAL DE EDUCAÇÃO 7 CONCEITOS BÁSICOS 8 CATÁLOGO DE CURSOS 2010 9

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 4 OBJETIVOS 5 PROGRAMAS EDUCACIONAIS 6 CONSTRUÇÃO DO PLANO ANUAL DE EDUCAÇÃO 7 CONCEITOS BÁSICOS 8 CATÁLOGO DE CURSOS 2010 9 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 4 OBJETIVOS 5 PROGRAMAS EDUCACIONAIS 6 CONSTRUÇÃO DO PLANO ANUAL DE EDUCAÇÃO 7 CONCEITOS BÁSICOS 8 CATÁLOGO DE CURSOS 2010 9 PROGRAMA EDUCACIONAL DIREITO 9 Atualização em Direito

Leia mais

Domínio E: Celeridade e Tempestividade

Domínio E: Celeridade e Tempestividade Domínio E: Celeridade e Tempestividade 10 Agilidade no julgamento de processos e gerenciamento de prazos pelos Tribunais de Contas (4 domínios) 11 Controle externo concomitante (preventivo) (4 domínios)

Leia mais

Resolução nº 1280 De 17 de janeiro de 2005

Resolução nº 1280 De 17 de janeiro de 2005 Resolução nº 1280 De 17 de janeiro de 2005 RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.280 DE 17 DE JANEIRO 2005 DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ORGÂNICA DA PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

LEI N 4.549, DE 13 DE DEZEMBRO 2013. A CÂMARA MUNICIPAL DE PARAUAPEBAS, ESTADO DO PARÁ, APROVOU, E EU PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI N 4.549, DE 13 DE DEZEMBRO 2013. A CÂMARA MUNICIPAL DE PARAUAPEBAS, ESTADO DO PARÁ, APROVOU, E EU PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI N 4.549, DE 13 DE DEZEMBRO 2013. L/DO NO QUADRODE AVISO DA Em: DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL E DEFESA DO CIDADÃO, E DÁ OUTRAS

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA Capítulo I - DA

Leia mais

Perspectiva 1 - Enfrentamento à Criminalidade

Perspectiva 1 - Enfrentamento à Criminalidade Perspectiva 1 - Enfrentamento à Criminalidade Objetivo Estratégico 1: ENFRENTAR O CRIME ORGANIZADO Programa 1.1 Enfrentamento ao crime de lavagem de dinheiro Consultar quanto à possibilidade de celebração

Leia mais

PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2014-2017

PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2014-2017 ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ Auditoria Administrativa de Controle Interno PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2014-2017 Equipe Gestora: Antonia Tatiana Ribeiro

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União.

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011 Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ CORREGEDORIA GERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ CORREGEDORIA GERAL PROGRAMAÇÃO DO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO Dia 1º de agosto de 2013 Quinta-feira. 9h às 12h: Posse solene e conferência magna A missão do Ministério Público como agente de transformação social. Palestrante: José

Leia mais

PLANO SETORIAL DE AÇÃO PROCURADORIA/PROMOTORIA DE JUSTIÇA PROCURADORIA / PROMOTORIA DE JUSTIÇA: COMARCA DE SIQUEIRA CAMPOS. Resultados de Pesquisas de

PLANO SETORIAL DE AÇÃO PROCURADORIA/PROMOTORIA DE JUSTIÇA PROCURADORIA / PROMOTORIA DE JUSTIÇA: COMARCA DE SIQUEIRA CAMPOS. Resultados de Pesquisas de MINISTÉRI O PÚBLICO do Estado do Paraná PLANO SETORIAL DE AÇÃO PROCURADORIA/PROMOTORIA DE JUSTIÇA SUBPLAN ANO: 2014 PROCURADORIA / PROMOTORIA DE JUSTIÇA: COMARCA DE SIQUEIRA CAMPOS RECONHECIMENTO EXTERNO

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DECRETO Nº 186, DE 10 DE JULHO DE 2015. Dispõe sobre a estrutura organizacional da Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social SETAS, a redistribuição dos cargos

Leia mais

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis CANDIDATURA DE DIRETOR GERAL AO CAMPUS CARAGUATATUBA PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis Nossa Primeira Razão de Ser: Nossos Alunos Proposta: Consolidação do Diretório

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça Processo Judicial Eletrônico

Conselho Nacional de Justiça Processo Judicial Eletrônico Conselho Nacional de Justiça Processo Judicial Eletrônico O documento a seguir foi juntado aos autos do processo de número 0001627-78.2014.2.00.0000 em 13/02/2015 16:56:00 e assinado por: - MIRZA GUARANI

Leia mais

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher Lucinery Helena Resende Ferreira do Nascimento Túlio Carlos Souza Ortiz Desde o nascimento da Lei 11.340, em

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

Finalidade Proporcionar aos servidores, empregados, seus dependentes e pensionistas condições para manutenção da saúde física e mental.

Finalidade Proporcionar aos servidores, empregados, seus dependentes e pensionistas condições para manutenção da saúde física e mental. Programa 0390 Metrologia, Qualidade e Avaliação da Conformidade Numero de Ações 13 Ações Orçamentárias 09HB Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo.

Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo. Eficiência Operacional. Buscar a efetividade nos trâmites judiciais e administrativos. Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo.

Leia mais

Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas

Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas Palestra: O controle Interno no Brasil - situação atual e perspectivas futuras. Valdir Agapito Teixeira Secretário

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 Dispõe sobre as atribuições da Coordenação de Atendimento ao Preso Provisório da Defensoria Pública da Capital e dá outras providências.

Leia mais

PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI - 2015

PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI - 2015 PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI - 2015 1 PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA - PAAI 2015 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 03 2. AÇÕES COORDENADAS PELO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA - CNJ 2.1. Ações Coordenadas

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Aripuanã

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Aripuanã LEI Nº. 721/2007 SÚMULA: DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Estado de Mato Grosso, seguinte Lei: EDNILSON LUIZ FAITTA, Prefeito Municipal de Aripuanã,

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE MIMOSO DO SUL GABINETE DA PREFEITA

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE MIMOSO DO SUL GABINETE DA PREFEITA PROJETO DE LEI Nº /2013 DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MIMOSO DO SUL, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Título I Das Disposições Preliminares Art. 1º A organização

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 Dispõe sobre os cargos em comissão do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Brasília 2013 SUMÁRIO MOTIVAÇÃO DO RELATÓRIO... 3 INTRODUÇÃO... 3 INICIATIVAS DO SENADO FEDERAL PARA ADEQUAÇÃO À LEI DE

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública unifesp, 23.04.2009 tópicos conhecendo o mpf unifesp e administração pública atuação do mpf/sp na unifesp tutela de direitos coletivos defesa do patrimônio

Leia mais

0003/09-TJAP. LEI Nº. 1.377, DE 07 DE OUTUBRO DE

0003/09-TJAP. LEI Nº. 1.377, DE 07 DE OUTUBRO DE Referente ao Projeto de Lei nº 0003/09-TJAP. LEI Nº. 1.377, DE 07 DE OUTUBRO DE 2009. Publicada no Diário Oficial do Estado nº 4597, de 07/10/2009. Autor: Tribunal de Justiça do Estado do Amapá Altera

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, que dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos Ministérios; autoriza a prorrogação de contratos temporários firmados com fundamento no art.

Leia mais

SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO

SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO Termo de referência - Treinamento de mídia (media training) para membros e assessores dos gabinetes do Conselho Nacional do Ministério Público 1. Do objeto 1.1 Contratação de

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

SUMÁRIO SIGLAS E ABREVIAÇÕES UTILIZADAS NESTA OBRA...13 PARTE I A JUSTIÇA FEDERAL E SEUS JUÍZES

SUMÁRIO SIGLAS E ABREVIAÇÕES UTILIZADAS NESTA OBRA...13 PARTE I A JUSTIÇA FEDERAL E SEUS JUÍZES SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...11 SIGLAS E ABREVIAÇÕES UTILIZADAS NESTA OBRA...13 PARTE I A JUSTIÇA FEDERAL E SEUS JUÍZES CAPÍTULO I - BREVE RECONSTRUÇÃO HISTÓRICA DA JUSTIÇA FEDERAL NO BRASIL...17

Leia mais

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º A Secretaria de Relações de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DE RORAIMA COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DE RORAIMA COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA EXTRATO DA ATA DA SÉTIMA SESSÃO ORDINÁRIA DO EGRÉGIO COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE RORAIMA 2014. Data: 24/11/2014 Horário: 9h Local: Sala de reuniões dos Órgãos

Leia mais

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE Referente ao Projeto de Lei Complementar n. º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE 2007. Publicada no Diário Oficial do Estado nº 4073, de 20.08.07 Autor: Deputado Jorge Amanajás Autoriza

Leia mais