DIREITO PROCESSUAL CIVIL V Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes PROCEDIMENTOS ESPECIAIS FORA DO CPC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITO PROCESSUAL CIVIL V Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes PROCEDIMENTOS ESPECIAIS FORA DO CPC"

Transcrição

1 1 DIREITO PROCESSUAL CIVIL V Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes PROCEDIMENTOS ESPECIAIS FORA DO CPC MEDINA, José Miguel Garcia. MARINONI, SCARPINELLA BUENO, Cássio. (sobre MS) Divisão de Livros do CPC - Livro I - Processo de Conhecimento - Livro II - Processo de Execução - Livro III - Cautelar - Livro IV - Procedimentos Especiais - Livro V - Disposições Finais e transitórias Novo CPC Líder da Comissão: Luiz Fux, relatora: Maria Teresa Wambier + 8 processulistas (inclusive BEDAQUI) - Livro I. - Parte geral - Livro II - Conhecimento - Livro III - Execução - Livro IV - Recursos - Livro V - Disposições Finais e transitórias - Da tutela de urgência e Da tutela de evidência: tratadas no Livro II (Conhecimento) no novo CPC. - Não há Livro dos Procedimentos Especiais no novo CPC: não há mais procedimento monitório e os outros procedimentos especiais estarão dentro do Livro II (Processo de Conhecimento). - Como o tema do curso é procedimentos especiais na legislação extravagante, não há grande interferência do novo CPC.

2 2 2 tipos de procedimentos: 1- Procedimento Comum: - Ordinário - Sumário 2- Procedimento Especial (quando há lei extravagante ou dispositivo no CPC) - dentro do CPC - na legislação extravagante * Característica: normas cogentes: a lei exige sua observância. - Importância dos procedimentos especiais: são os meios de defesa adequados para garantir o direito material em tela. - É a garantia adequada (proteção efetiva) para a tutela do direito material. - Nesse sentido, a introdução do art. 273 CPC que previu a antecipação de tutela. Prof. Arruda Alvim considerava a introdução deste artigo tão ou mais importante que a aprovação do Código Processo Civil (1973). - art. 5º, XXXV: princípio da inafastabilidade da tutela jurisdicional. A visão atual desse princípio deixou de ser formal para encontrar a prática, ou seja, não basta garantir acesso ao Judiciário, mas efetividade do processo. - Revolução Francesa: Montesquieu ( o juiz deve ser a boca da lei ) a demora procedimental favorece aos interesses da burguesia. - A antecipação de tutela e cautelares: - art. 798 CPC: exercício do poder geral de cautela do juiz: preocupação com o processo efetivo. PROGRAMA - Ações Locatícias - Lei 8.245/91 e Lei /09 (modifica ALGUNS dispositivos da lei anterior) - ação de despejo, ação de despejo por falta de pagamento, ação de revisão e renovatória etc. - Mandado de Segurança - Lei / Ação Popular - embrião da tutela do Direito Coletivo - Lei 4.717/65

3 3 - Ação Civil Pública - Lei 7.347/85 OBS: O CPC não faz a tutela do direito coletivo, portanto para sua tutela há o microssistema da tutela do direito coletivo formado pela Lei de Ação Popular + Ação Civil Pública + CDC. - Juizados Especiais: Cíveis, Federais e Fazenda Pública - Lei 9.099/95, Lei /01 e Lei /09 - ADIN/ ADCON - Lei 9.868/99 - Ação de Alimentos - Lei 5.478/68 - Ação de Improbidade - Lei 8.429/92 - Arbitragem - Lei 9.307/96 - Ação de Desapropriação - DL 3.365/41 - Reclamação Constitucional Lembrando: O CPC se aplica aos procedimentos especiais naquilo que não os contrariar. ASPECTOS GERAIS DAS AÇÕES LOCATÍCIAS - aspectos processuais da Lei de locação: a partir do art Ler: GILDO DOS SANTOS, MARIA HELENA DINIZ, LUÍS EDUARDO SIMARDI (aspectos processuais da ação). - Lei n /91: trata do direito material e direito processual. - disciplina a locação de imóveis URBANOS. - alguns artigos alterados pela Lei n /09. - Não se aplicam aos imóveis: - de propriedade da União, Estados, Municípios, autarquias, fundações públicas. - vagas de garagem.

4 4 - apart-hotéis. - espaço de publicidade. - arrendamento mercantil. - Na área rural: em princípio não se aplica (regra geral), mas o que determina o tipo de locação é a destinação. - não importa a localização do imóvel, mas sua destinação. - ex: área rural, ao lado de estrada, locação para restaurante. (aplica-se Lei 8.245) - Lei de locação, art. 58 (regras gerais): I- Férias: Ação locatícia tramita durante as férias. II- III- Foro: da situação do imóvel (admite-se foro de eleição). Valor da causa: 12 aluguéis. -Lembrando: art. 20 CPC (honorários fixados pelo valor da condenação). - art. 284 CPC (emenda da inicial: quando valor da causa é incorreto). - cabe ao juiz fazer o controle em 1º lugar, e caso não o faça: cabe impugnação ao valor da causa. - art. 259 CPC: indica como determinar o valor da causa (regra geral em termos de contrato), mas no caso de locação: há regra especial, portanto NÃO incide art. 259 CPC. - na ação revisional (pode ser proposta tanto pelo locador quanto pelo locatário) e na PI deve indicar o valor da locação. Posição majoritária: vale o aluguel vigente e não o proposto. - se o contrato de locação for inferior a 12 meses: Maria Helena Diniz: deve ser multiplicado pelo número de meses do aluguel. - no caso de Ação de Consignação, mesmo que seja de apenas 1 mês, o valor da causa é de 12 meses. STF sum IV- Citação: por correio, com AR. - é anterior ao art. 222 CPC: regra geral da citação: por correio com AR, independentemente de autorização. (CPC, Art A citação será feita pelo correio, para qualquer comarca do País, exceto...) - portanto: vige art. 222 CPC. V- Recursos: Apelação deve ser recebida apenas no efeito devolutivo. (No CPC, a regra geral: efeito devolutivo e suspensivo. Novo CPC, a regra geral será de apenas efeito devolutivo (correlato ao efeito dispositivo)). Quando há efeito suspensivo (a decisão não pode ser executada): na realidade impede que a decisão inicie a produzir efeitos. (obstativo) - art. 520 CPC: rol das situações com efeito suspensivo automático. - art. 558 CPC: rol das situações em que se pode pedir o efeito suspensivo. (caso de negação: cabe AGRAVO).

5 5 SP, 14/02/2011 AÇÃO DE DESPEJO Lei n /91 Lei n /09 - o contrato de locação pode ser extinto por diversas razões. - art. 5º - a rescisão do contrato e a retomada do imóvel. Art. 5º Seja qual for o fundamento do término da locação, a ação do locador para reaver o imóvel é a de despejo. Parágrafo único. O disposto neste artigo não se aplica se a locação termina em decorrência de desapropriação, com a imissão do expropriante na posse do imóvel. - 2 finalidades: - rescisão do contrato - retomada do imóvel - art. 59 e s. da Lei do inquilinato: rito ordinário, com algumas peculiaridades da Lei do inquilinato. - valor da causa: 12 ALUGUÉIS. - exceção: locação em razão de contrato de trabalho: 3 salários do empregado. - foro: da situação do imóvel, desde que não haja foro de eleição. - legitimidade ativa: LOCADOR (não necessariamente o proprietário: caso da sublocação ou do usufrutuário). - LOCADOR LOCATÁRIO SUBLOCATÁRIO. - Na relação de locação locatário/sublocatário - NÃO SE TRATA DE DIREITO REAL: ou seja, quem não está no contrato não precisa ser citado (ex. se casados e apenas 1 dos cônjuges figurar no contrato de locação, só ele é legitimado passivo). - possibilidade de concessão de liminar para desocupação em 15 dias. (essa lei (1991) é anterior à antecipação de tutela (art. 273 CPC), portanto é avançada). - Requisitos para LIMINAR: 1- caução: valor de 3 aluguéis 2- existência de 1 das condições do art. 59, 1º:

6 I- descumprimento do acordo de desocupação (prazo mínimo de 6 meses e estabelecido por escrito com assinatura de 2 testemunhas), II- fundada no art. 47, II com prova na PI (extinção contrato trabalho). 6 (art. 47, II, em decorrência de extinção do contrato de trabalho, se a ocupação do imóvel pelo locatário relacionada com o seu emprego;) III- temporada (introduzida pela Lei /2009) desde que a ação de despejo seja proposta em até 30 dias ao final do prazo de locação (temporada: prazo máximo = 90 dias). IV- morte do locatário sem permanência no imóvel de sucessor legítimo (art. 11 herdeiro necessário etc.) V- permanência do sublocatário uma vez extinta a locação (em princípio não existe a relação entre o locador e o sublocatário). VI- retomada para obras urgentes determinadas pelo Poder Publico (nesse caso NÃO é necessário perito). VII- o locatário não indicar FIADOR em 30 dias - nas hipóteses do art. 40 (locação fica sem garantia). VIII- locação não residencial: em até 30 dias ao final do prazo de locação. IX- falta de pagamento ou acessório SE não houver garantia. - nesse caso, se o locatário depositar o valor integral devido. - as últimas 4 hipóteses entraram em vigor em 2010 (introduzidas em 2009). CONTROVÉRSIA - art. 273 CPC: antecipação de tutela: o despejo pode ser pedido com base no art. 273 CPC ou somente no art.59, da Lei 8.245/91? - alguns consideram que somente o art. 59 porque é especifico: 2º TAC (não cabia antecipação de tutela no art. 273 CPC enunciado do 2º TAC). Vigorava em SP e ainda é muito seguido pelo TJ. - prof. Gildo dos Santos: acha que o art. 273 CPC pode ser invocado, pois há prova do autor ter razão. Ou seja, o art. 59 exige prova independentemente do art Posição do STJ. Ler: REsp ou seja, em SP é muito difícil conseguir liminar com base no art. 273 CPC em ação de despejo, até porque há dificuldade de conseguir... Necessidade de cientificação 2º- o SUBLOCATÁRIO deve ser intimado (cientificado da ação de despejo), desde que seja legítimo (aceito pelo locador), na condição de ASSISTENTE SIMPLES porque tem interesse jurídico que o legitime.

7 - Sempre que 3º seja afetado por decisão em processo no qual NÃO é parte, pode ajudar a parte a ganhar a ação na qual é beneficiário. - assistente pode ajudar o assistido, mas está subordinado ao assistido. - assistência litisconsorcial: o assistente tem mais poder de atuação, porque tem relação com a parte. Ex. Esbulho em condomínio (qualquer um dos condôminos, isoladamente, pode ingressar com ação para defender a posse e outros condôminos podem entrar como assistentes. Nesse caso é assistente litisconsorcial porque ele também tem a posse e, portanto, tem relação com o réu da ação (esbulhou sua posse)). Art. 60 (aplica-se somente ao proprietário) - necessidade de provar a propriedade ou compromisso de compra (na PI) - quando há hipóteses próprias do direito do proprietário. - na sua falta: aplicação do art. 284 CPC emenda da inicial (o juiz intima a parte para apresentação da prova em 10 dias, sob pena de extinção do feito). Art é dado ao locatário a oportunidade de concordar com o despejo, tendo o prazo de 6 meses para desocupação. Requisitos: - locação residencial superior a 30 meses, prorrogada por prazo indeterminado, e sendo feita a denúncia da locação antes da propositura da ação. - locação verbal ou inferior a 30 meses, prorrogada por prazo indeterminado e ocorra uma das seguintes hipóteses: - uso próprio, de ascendente ou descendente - obras determinadas pelo Poder Público - o juiz deve fixar o prazo de 6 MESES. - honorários advocatícios: 20% sobre o valor da causa. - Sanção premial: se a desocupação se der antes do prazo, o locatário fica liberado dos honorários. E título executivo judicial. - Lembrando: o autor não paga as custas, mas adianta o pagamento (inclusive do perito judicial). 7 - Possibilidade de CUMULAÇÃO de pedido de despejo com despesas em aberto. - PI deve ser instruída com cálculo do valor devido. (para o locatário poder purgar a mora).

8 - Fiador: pode ser incluído no polo passivo (facultativo) quando CUMULADO com a cobrança. Se for só no despejo, não (o fiador não ocupa o imóvel). Polêmica extinta com a lei de Polêmica: - se há contrato escrito de locação, há interesse em cumular a cobrança? (contrato é título executivo extrajudicial). Maioria: há interesse pois, ao cumular se resolvem dúvidas sobre o valor devido e há maior possibilidade de defesa ao locatário cobrado. - do ponto de vista prático: não é interessante para o autor fazer a cumulação porque a discussão do débito atrasa o despejo. O melhor seria efetuar o despejo e depois executar o contrato. Art. 62, II, III Purgação da mora - pelo locatário ou pelo fiador. - evitar o despejo através do depósito integral das importâncias devidas. - prazo (alterado em 2009): - antes: locatário era citado e no prazo para defesa (15 dias) fazia pedido para purgar a mora na prática demorava 6 meses. - HOJE: purgar a mora no prazo da defesa. - o juiz pede para o autor se manifestar acerca do valor depositado. - caso não haja concordância (depósito a menor): o locatário pode complementar o depósito ou a ação prossegue em relação à diferença. OU seja, o locador pode levantar os valores incontroversos. Aluguéis vincendos: devem ser depositados mês a mês enquanto a ação está em curso. - Quando há cumulação (despejo + cobrança): pode iniciar a execução do valor devido independentemente do despejo. - Limites à purgação da mora: - antes: lei anterior: não pode purgar a mora 3 vezes no prazo de 2 anos. - hoje: o locatário pode purgar a mora desde não tenha feito isso nenhuma vez nos últimos 24 meses. (só pode purgar a mora 1 vez a cada 2 anos). Prazo de desocupação: 30 DIAS, em regra (por disposição legal). Exceções - 15 dias: (mas o que realmente acontece) - se entre a citação e o despejo houver decorrido mais de 4 meses;

9 9 - hipóteses do art. 9º: - mútuo acordo - infração contratual - falta de pagamento - reparações urgentes determinadas pelo Poder Público - entre 6 meses e 1 ano: art. 63, 1º e 2º. - estabelecimento de ensino autorizado, hospitais, repartições públicas, unidades sanitárias oficiais, asilos, estabelecimentos de saúde e de ensino, entidades religiosas. Sentença - recebida apenas no efeito devolutivo. - é possível obter, excepcionalmente, efeito suspensivo. - na falta de efeito suspensivo: a sentença pode ser executada provisoriamente (não precisa esperar o trânsito em julgado). - é possível execução provisória: - caução (deve ser fixada na sentença pelo juiz varia entre 6 e 12 alugueis) que se feita pelo locador pode executar; - dispensa de caução: a- descumprimento de acordo de desocupação (6 meses), b- infração legal ou contratual, c- falta de pagamento, d- realização de obras urgentes determinadas pelo Poder Público. - art. 520 CPC: as ações locatícias não estão previstas nesse rol (apelação apenas no efeito devolutivo) por terem regra específica na lei. - Caução: se reformada a sentença, a caução será a indenização mínima de Perdas e Danos para o locatário que poderá pleitear a diferença (outro valor maior) em ação própria. Prazo de 30 dias: conta-se a partir de intimação pessoal do locatário. (2º TAC súmula 19) que deve ser peticionada pelo locador. - se não houver desocupação: oficial de justiça + locador arrumar caminhão etc.

10 10 SP, 21/02/2011 AÇÃO RENOVATÓRIA Lei n /91 Objetivo: impedir a cobrança de luvas pelo locador na renovação da locação. Proteger o locatário não-residencial. Renovação compulsória da locação. Luvas: são valores cobrados pelo locador para concordar com a locação ou renovação. - as luvas iniciais são legítimas, mas não cabe sua exigência na renovação do contrato. - Enunciado n. 9 do 2º TAC: a lei 8.245/91 não proíbe a cobrança inicial de luvas. Ponto ou fundo de comércio é desenvolvido pelo locatário (investiu no ponto e despendeu tempo) e é protegido pela ação renovatória. Decreto-lei /1934: conhecido pela Lei de Luvas se prestava para impedir a luvas. Regulou até 1991, quando a nova Lei do inquilinato foi criada e incorporou a disciplina da ação renovatória. Cabimento - Locação não-residencial. - Sempre proposta pelo LOCATÁRIO. Requisitos Art. 51 Lei 8.245/91 I- contrato escrito E por prazo determinado. - locação verbal: não se aplica. - se a locação se prorrogou por prazo indeterminado: não se aplica. II- prazo mínimo de 5 anos ou a soma de contratos ininterruptos é de 5 anos. - ou seja, um único contrato de 5 anos. - soma de contratos: soma de prazo = accessio temporis (é a soma dos contratos escritos atingindo os 5 anos exigidos).

11 - a jurisprudência tem aceito pequenos intervalos entre um contrato e outro porque: a) os tribunais concordam que haja intervalos por conta das negociações contatuais, b) para impedir que o locador, propositadamente, retarde a assinatura do contrato para afastar o direito da ação renovatória. Nesses casos, há jurisprudência para todos os gostos (maioria: 6 meses ou menos é considerado razoável, e 1 ano é considerado muito). (5 anos de contrato escrito, sem contar o lapso temporal, ou seja, o lapso temporal não conta para se atingir os 5 anos.) - Exemplo: 3 anos (contrato) + 6 meses + 2 anos (contrato) III- mesmo ramo por 3 anos (na data da propositura da ação) - necessidade de um tempo mínimo para desenvolvimento do fundo de comércio. - mesmo ramo : admite-se pequenas alterações, mas com a continuidade da atividade principal. 11 Legitimidade ativa: LOCATÁRIO 1º, art. 51: CESSIONÁRIO (se possível a cessão, o cessionário aproveita o prazo, desde que no mesmo ramo), SUCESSOR, SUBLOCATÁRIO. - locador locatário sublocatário - na situação extraordinária em que o locatário faz a sublocação integral do imóvel, ele perde a legitimidade ativa, ficando exclusivamente com o SUBLOCATÁRIO. - na cessão: o sublocatário sai e o vínculo fica entre o locador sublocatário. Legitimidade passiva: LOCADOR Sublocação - Legitimidade ativa: SUBLOCATÁRIO Caso 1: legitimidade passiva: LOCATÁRIO quando o contrato entre o locador/locatário for de prazo suficiente para garantir a renovação. No ex. 12 anos comporta os 5 anos + renovação de 5 anos. Locador (12 anos)---- Locatário (5 anos) Sublocatário Caso 2: legitimidade passiva: LOCADOR E LOCATÁRIO (litisconsórcio necessário) 2º, art. 51: na situação em que é alugado por pessoa física e depois utilizado pela PJ. 3, art. 51 : na morte de sócio, a PJ é dissolvida, e o sócio sobrevivente passa a ter legitimidade para propor. 4º, art. 51: indústria e sociedade civil com fins lucrativos. - Na falta de um dos requisitos: carência de ação (falta de interesse).

12 Prazo: (muito importante!) - Antecedência máxima de 1 ano e mínima de 6 meses do fim do prazo da locação. Ex. se o contrato termina em 01/01/2012, a ação renovatória deverá ser proposta no 1º semestre de se fora do prazo: carência de ação. - prazo decadencial (em princípio não se suspende, não se interrompe, não se prorroga, ou seja, se o prazo se encerrar no domingo, propor a ação até a sexta-feira anterior). Art. 52 Situações em que, mesmo se preenchidos os requisitos legais do locatário, o LOCADOR não precisa renovar: I- obras determinadas pelo Poder Público e que não podem ser realizadas na presença da locação, obras que impliquem em aumento de área e valorização da propriedade. II- Uso próprio ou transferência de fundo de comércio existente a mais de um ano para cônjuge, ascendente, descendente. - o locador NÃO pode utilizar no MESMO RAMO DO LOCATÁRIO. (impedir que o locador se locuplete do trabalho do locatário). - exceção: se o imóvel é preparado para desenvolver atividade específica ex. cinema, teatro. Início Ação de rito ORDINÁRIO com requisitos específicos do art. 71 da Lei 8.245/91. Art. 71 Petição Inicial I- Prova dos requisitos legais do art. 51. (contrato + prova documental (folder, livros contábeis, NF para provar o desempenho de determinado ramo) exige prova robusta na PI, apesar de admitir dilação probatória. 12 II- III- Prova do exato cumprimento do contrato (o locador não pode ficar sujeito a suportar indefinidamente um locatário que não cumpre seu contrato ex. pagamento de aluguel, seguro, condomínio, etc.) - discussão: o locatário que no curso da locação deixa de pagar e é submetido a ação de despejo por falta de pagamento. O locatário citado, purga a mora. Nesse caso, ele torna-se mal cumpridor do contrato. Luiz Fux: ao purgar a mora, exerce um direito previsto na lei, portanto não ofende o cumprimento do contrato (+ enunciado n. 14 do 2º TAC). Por outro lado, Prof. Gildo dos Santos não considera aquele que purga a mora exato cumpridor do contrato. Prova de pagamento de taxas e impostos. Na realidade, este inciso já está dentro do inciso II.

13 13 IV- O locador deve indicar as condições do contrato (prazo, pagamento). V- e VI- Indicar fiador com sua aceitação, se for novo ou velho, provar a atual idoneidade financeira. - quando o contrato inicial não tinha fiador, em princípio, não se exige no outro, mas o locador pode, no contrato renovado, passar a exigir fiador. Art. 72 Contestação - 15 dias - pode se recusar à renovação do contrato, alegando (matérias de defesa que impedem a renovação da locação) - falta dos requisitos, - admitir a existência dos requisitos, mas não concordar com as condições propostas, - tem melhor proposta de locação de terceiro interessado (deve ser apresentada por escrito com a assinatura de 2 testemunhas). Nesse caso, o locatário pode cobrir a proposta de 3º para ficar ou deverá sair (não pode impor que o locador alugue por menos quando há proposta melhor). - art. 52: obras etc. Sentença - PROCEDÊNCIA: a sentença renovatória retroage à data do término do contrato. - IMPROCEDÊNCIA: o despejo só é decretado se o locador pedir na contestação, ou o contrato se converte em prazo indeterminado e o locador deverá entrar com ação de despejo. - ação dúplice: o réu pode fazer pedido expresso a seu favor (aluguel maior, despejo do locatário (prazo de 30 dias para desocupação do imóvel)).

14 14 SP, 28/02/2011 AÇÃO REVISIONAL Fundamento: art. 19 da Lei do Inquilinato. Art. 19. Não havendo acordo, o locador ou locatário, após três anos de vigência do contrato ou do acordo anteriormente realizado, poderão pedir revisão judicial do aluguel, a fim de ajustá - lo ao preço de mercado. Objetivo: trazer o valor do aluguel ao valor do mercado. - ocorre nas situações em que não há acordo entre as partes em relação ao valor do aluguel de acordo com o valor de mercado. - vale para qualquer modalidade de locação: residencial e comercial. Legitimado ativo: locador (e sublocador) (pleiteia majoração do aluguel) ou pelo locatário (pleiteia a redução do aluguel). Legitimidade passiva: depende de quem propôs a ação. Prazo: prazo mínimo de 3 anos da assinatura do contrato ou da última revisão. Não se consideram as alterações contratualmente previstas para recuperação do valor real. Ou seja, o aluguel em questão deve ser cobrado por pelo menos 3 anos. - Nesse sentido, pequeno acordo que não satisfaça integralmente locador ou locatário, não deve ser feito, porque com ele inicia-se nova contagem de prazo, sendo necessário esperar no mínimo 3 anos para nova revisão. - ação RITO SUMÁRIO. - art. 275 CPC: - valor da causa - inciso II, h (casos previstos em lei) - rito sumário e subsidiariamente as regras do rito ordinário. - Lembrando: o rito é sumário, mas a cognição é profunda e exauriente. I- Petição inicial Art. 68 Lei 8.245/91 e art. 276 CPC

15 Indicação de testemunha: ser quiser ouvir testemunha, requerer prova testemunhal na PI e arrolar as testemunhas (no novo CPC, essa regra será para todos os ritos). Cuidado! Há preclusão consumativa. Provas: se quiser realização de prova pericial, requerer na PI e apresentar assistente técnico e quesitos. Sob pena de preclusão. Citação: não é citado para contestar, mas para comparecer em audiência de conciliação. Se não obtida a conciliação, deverá apresentar a contestação nessa audiência. Por isso, o réu deve ser citado com, no mínimo, 10 dias de antecedência. (o prazo se conta a partir da data da citação (prof. Nelson Nery) ou da juntada da citação (Athos Gusmão Carneiro) jurisprudência e doutrina nos 2 sentidos. Fiador: deve ser cientificado da ação revisional. Tem interesse jurídico na discussão, portanto, pode intervir como ASSISTENTE (em princípio, simples, porque não tem um vínculo direto com o locador mas é discutível e alguns consideram assistente litisconsorcial). Valor: a PI deve indicar o valor pretendido. Se o autor deixar de indicar o valor art. 284 CPC, o juiz deve determinar a emenda da PI, prazo de 10 dias e, se não emendada, é caso de indeferimento. (sempre que o juiz aplica o art. 284 CPC, deve esclarecer o motivo). 15 II- Aluguel provisório 2 requisitos: a) Pedido do autor. b) Prova documental que indique o valor correto da locação (anúncios etc.). Limite: 80% do aluguel vigente. - Não pode ultrapassar 80% do valor do pedido. (se o locador pede 10 mil, o aluguel provisório não pode ser maior de 8 mil. Se o aluguel é de 10 mil e o locatário quer 6 mil, o aluguel provisório não pode ser inferior a 8 mil). É decisão interlocutória, passível de AGRAVO DE INSTRUMENTO (agravo retido seria inútil, só apreciado junto com a apelação). III- Revisão provisória Independentemente da audiência de conciliação e da apresentação da contestação, o réu, por simples petição, pode pleitear a revisão do aluguel provisório. De pronto não pode agravar (antes da contestação) porque não há interesse processual (necessidade).

16 16 - Para o autor: o agravo é imediato, para o réu não (primeiro, apresentar simples petição). IV- Contestação - deve trazer a contraprestação do réu. (não é obrigatório, mas deve se apresentar em observância ao princípio da eventualidade) ou simplesmente dizer que não cabe revisional por exemplo, porque ocorreu há menos de 3 anos. - é DÚPLICE, ou seja, o réu pode fazer pedido a seu favor. (ex. aluguel de 8 mil, o locador pede 10 mil e o réu, na contestação pede 6 mil). V- Interrupção do prazo para agravo - previsão desnecessária. - interrupção do prazo (prazo devolvido por inteiro). 1º Descabimento da revisional - durante a fluência do prazo de desocupação do imóvel. - são institutos incompatíveis: não se pode pedir para desocupar e pedir revisional. - doutrina e jurisprudência entendem que: após o prazo para desocupação (30 dias) quando esta não ocorre, ao ser proposta a ação de despejo, cabe a revisional porque a ação de despejo demora muito e seria descabido o aluguel ficar defasado. SENTENÇA - o VALOR do aluguel RETROAGE À DATA DA CITAÇAO. - geralmente há valores a serem recebidos. - a diferença será executada nos próprios autos, após o trânsito em julgado (não cabe execução provisória). - a sentença pode homologar acordo de desocupação do imóvel (a desocupação do imóvel não é pedido próprio da ação), o que é muito comum art. 475-N CPC. CPC, Art. 475-N. São títulos executivos judiciais: III a sentença homologatória de conciliação ou de transação, ainda que inclua matéria não posta em juízo

17 17 AÇÃO CONSIGNATÓRIA - Lei do Inquilinato (art. 67); no CC e no CPC (art. 890 a 900) subsidiariamente. Finalidade: pagamento em consignação - art. 334 e s. no CC - Pagamento em consignação: pagamento judicial ou extrajudicial para o devedor se desonerar e evitar os efeitos da mora. - é direito do devedor se ver livre da obrigação. Cabimento: art. 335 CC 5 hipóteses: a- Credor não pode ou se recusa a receber ou dar quitação; b- Credor não for receber (querable); c- Credor incapaz, desconhecido ou ausente; d- Dúvida sobre quem é o credor; e- Litígio sobre o objeto de pagamento. Legitimidade ativa: em princípio: locatário ou sublocatário. Autor: pode ser proposta por 3º. Credor: quando o credor é desconhecido: citação por edital para que os possíveis credores se credenciem para receber. Quando há dúvidas acerca do legítimo credor: consignar TODOS no polo passivo. PETIÇÃO INICIAL - art. 282 CPC. - indicar os alugueis e os acessórios que serão depositados. - valor da causa: 12 alugueis vigentes (mesmo quando se vai pagar somente 1 aluguel). - Súmula 449 STF o valor da causa na ação consignatória de aluguel é uma anuidade. I- ALUGUÉIS/ ACESSÓRIOS II- DEPÓSITO: não é necessário provar o depósito na PI, mas após o deferimento da citação, 24h para fazer o depósito. No CPC (5 dias para fazer o depósito). III- ALUGUÉIS VINCENDOS: devem ser depositados na data do vencimento. Princípio da economia processual. IV- REÚ NÃO CONTESTAR e RECEBER OS VALORES: é reconhecimento do pedido e deve arcar com os ônus sucumbenciais.

18 18 V- CONTESTAÇÃO: matérias de fato que podem ser alegadas: a- não houve recusa; b- a recusa foi justa (ex. pagamento parcial); c- não ter sido efetuado o depósito no prazo e no lugar do pagamento (responsabilidade pela consignatória é do autor); d- depósito não é suficiente Prazo - não é previsto na lei nem no art. 890 CPC. - vale a regra geral: 15 dias para a contestação. VI- RECONVENÇÃO - pede a condenação do réu e, além disso, pode pedir: - condenado a pagar as diferenças - despejo VII- COMPLEMENTAÇÃO - quando o réu contesta e diz que o depósito é insuficiente, e o autor reconhece que estava consignando menos, tem o prazo de 5 dias para depositar a diferença, pagará 10% de multa e é condenado aos ônus sucumbenciais. VIII- EXECUÇÃO - quando há pedido de despejo, a execução só pode ocorrer após a desocupação. - No curso da consignação pode-se pedir o levantamento dos valores incontroversos. Art. 890, 1º: autoriza a consignação por depósito extrajudicial (desde 1994), em banco oficial. - o credor é intimado por AR para se manifestar sobre o depósito. Tem 10 dias a partir do recebimento do AR para RECUSAR o depósito. Se isso não ocorrer, considera-se que ele aceitou o depósito. - a recusa deve ser expressa no Banco. Nesse caso, não é dada como satisfeita a obrigação e: a- quem fez o depósito pode levantar a quantia, b- pode propor a ação consignatória, instruindo a PI com o comprovante de depósito. (enquanto não propuser a consignatória, estará em mora). - Discussão interessante: a consignação extrajudicial vale para a consignação de aluguel? (porque está no CPC e não na Lei do inquilinato). Para alguns, não cabe por falta de previsão na Lei do inquilinato (minoritária). No entanto, a maioria aceita porque allei do inquilinato é anterior (1991) a este dispositivo foi introduzido no CPC em 94. Além disso, a Lei do inquilinato não veda.

19 19 Enunciado 41 do 2º TAC: O depósito bancário, a que alude o art. 890 do CPC, é instrumento de direito material e também se presta à exoneração de obrigações oriundas do contrato de locação. AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO DE CHAVES - consignação do bem locado, representado pelas chaves quando o locatário quer entregar o bem imóvel ao locador que se recusa a receber. - não é disciplinada pela lei do inquilinato, portanto, aplicar a disciplina do CPC. SP, 14/3/11 MANDADO DE SEGURANÇA Lei Federal /2009 Art. 5º, LXIX, CF Art. 5º, LXX, CF - É o remédio processual constitucional impetrado contra ato ilegal ou abusivo de autoridade pública com a finalidade de proteger direito líquido e certo não amparado por HC ou HD. - garantia constitucional art. 5º, LXIX - art. 5º, LXX mandado de segurança coletivo.

20 Legitimados a) partido político com representação no Congresso Nacional, b) organização sindical, entidade de classe ou associação legalmente constituída e em funcionamento a pelo menos um ano, em defesa de seus membros ou associados. - Lei Federal /2009: traz atualizações na lei de 1951 e de outras leis. - Revoga a lei de 1951 e outras leis, concentrando a matéria. - Ação de RITO ESPECIAL. Classificação - Quanto ao momento da proposição: - PREVENTIVO (tutela inibitória) - quando há risco de prática de ato ilegal ou abusivo pela autoridade. - caráter inibitório. - pode se convolar em MS repressivo. - REPRESSIVO - quando já ocorreu o ato ilegal ou abusivo da autoridade. - objetivo: corrigir ou desfazer ato já consumado Quanto ao direito tutelado: - INDIVIDUAL - se presta à tutela de direito individual. - a parte prejudicada pelo ato de autoridade impetra MS para defender direito próprio. - COLETIVO - MS impetrado por legitimado extraordinário (3º autorizado) na defesa do interesse da coletividade, ou seja, de direito líquido e certo. - legitimado extraordinário: age em nome próprio em defesa de direito de 3º. Cabimento ou requisitos - ATO DE AUTORIDADE - inclusive autoridade judicial (em situações especiais). - PJ em função de delegação (ex. contra diretor de instituição particular de ensino).

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 SWISSCAM - Câmara de Comércio Suíço-Brasileira - São Paulo, Brasil - 13 de agosto de 2010 MULTA CONTRATUAL Lei nº. 8.245/91 O locatário poderia devolver

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 8.245, de 18 de outubro de 1991, que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos e os procedimentos pertinentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei introduz alteração na Lei

Leia mais

LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1985.

LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1985. LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1985. Disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio-ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico,

Leia mais

AÇÕES POSSESSÓRIAS E LOCATÍCIAS PROF. ANDRE ROQUE

AÇÕES POSSESSÓRIAS E LOCATÍCIAS PROF. ANDRE ROQUE AÇÕES POSSESSÓRIAS E LOCATÍCIAS PROF. ANDRE ROQUE VITÓRIA 4.9.2015 PARTE I AÇÕES POSSESSÓRIAS POSSE ASPECTOS DE DIREITO MATERIAL Conceito: Teoria subjetiva de Savigny (animus domini) Teoria objetiva de

Leia mais

PROCEDIMENTO SUMÁRIO e SUMARÍSSIMO

PROCEDIMENTO SUMÁRIO e SUMARÍSSIMO PROCEDIMENTO SUMÁRIO e SUMARÍSSIMO 1. Procedimento Sumário e Sumaríssimo 1.1 Generalidades I. Processo de Conhecimento (artigo 272 Livro I): b) Comum: a.1) Ordinário (regra geral) a.2) Sumário (275) b)especiais

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição A 3ª edição do livro CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO foi atualizada com o texto do PL de novo CPC enviado pelo Congresso Nacional à sanção presidencial em 24.02.2015. Em razão da renumeração dos artigos

Leia mais

TUTELA PROVISÓRIA NOÇÕES GERAIS

TUTELA PROVISÓRIA NOÇÕES GERAIS TUTELA PROVISÓRIA NOÇÕES GERAIS 1.1. TUTELA DEFINITIVA: SATISFATIVA E CAUTELAR TUTELA DEFINITIVA Obtida com base na cognição do exauriente, profundo debate acerca do objeto da decisão, garantindo o devido

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal Interposição: perante o órgão prolator da decisão Recurso Especial Nomenclatura: REsp Competência: Superior Tribunal de Justiça STJ Prazo para interposição 15 dias; Recurso Extraordinário Nomenclatura:

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

Apresentação: Leandro Ibagy. Vitória, mar/2010

Apresentação: Leandro Ibagy. Vitória, mar/2010 Apresentação: Leandro Ibagy Vitória, mar/2010 Ao proteger excessivamente o locatário, restringindo a reprise, ninguém mais se interessava adquirir imóveis para destiná-los a locação. Nível de aquisição

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39 SUMÁRIO Apresentação da Coleção...15 CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 1. Antecedentes históricos da função de advogado...19 2. O advogado na Constituição Federal...20 3. Lei de regência da

Leia mais

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12 Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Sumário Jurisdição Competência Ação Partes, Ministério Público e Intervenção

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA INÍCIO análise inicial Verificar a existência de demonstrativo de débito e contrato

Leia mais

LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS

LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS Diogo L. Machado de Melo Nathália Annette Vaz de Lima NORMA ANTERIOR (LEI 8245/91) ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI 12.112/09 (COM JUSTIFICATIVAS DE VETOS) (EM VIGOR

Leia mais

ÍNDICE. Esta oportunidade... Prefácio... PARTE I LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO: CONCEITO, CARACTERES GERAIS E ELEMENTOS ESSEN CIA IS...

ÍNDICE. Esta oportunidade... Prefácio... PARTE I LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO: CONCEITO, CARACTERES GERAIS E ELEMENTOS ESSEN CIA IS... ÍNDICE Esta oportunidade... Prefácio... PARTE I LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO: CONCEITO, CARACTERES GERAIS E ELEMENTOS ESSEN CIA IS... XXI XXV I PARTE II CO M EN TÁ RIO S À L E I N. 8.245, DE 18 DE OUTUBRO

Leia mais

PROCESSO CAUTELAR. COMPETÊNCIA EFICÁCIA CITAÇÃO E PRAZO PARA DEFESA

PROCESSO CAUTELAR. COMPETÊNCIA EFICÁCIA CITAÇÃO E PRAZO PARA DEFESA PROCESSO CAUTELAR. JUSTIFICATIVA MOROSIDADE DO PROCESSO PROCESSO CAUTELAR CARACTERÍSTICAS ASSEGURAR A PRETENSÃO EXISTENCIA DE PROCESSO PRINCIPAL CARÁTER PROVISÓRIO PROCESSO CAUTELAR CARACTERÍSITCAS CITAÇÃO

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

1. Multa pela quebra do contrato. (Lei 8.245/91- art. 4º)

1. Multa pela quebra do contrato. (Lei 8.245/91- art. 4º) Efeitos e reflexos da Lei no. 12.112/09 ao introduzir alterações na Lei n o 8.245/91 que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos (por conseqüência não se aplica às locações regidas pelo código civil).

Leia mais

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282)

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1 PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1. Requisitos do 282 do CPC 1.1. Endereçamento (inciso I): Ligado a competência, ou seja, é imprescindível que se conheça as normas constitucionais de distribuição de competência,

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação.

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação. 1. Execução Resumo A Lei 11.232/05 colocou fim à autonomia do Processo de Execução dos Títulos Judiciais, adotando o processo sincrético (a fusão dos processos de conhecimento e executivo a fim de trazer

Leia mais

COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS DA FAZENDA PÚBLICA

COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS DA FAZENDA PÚBLICA COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS DA FAZENDA PÚBLICA Fabiano Samartin Fernandes * BREVE HISTÓRICO Os Juizados Especiais foram criados pela Lei n. 9.099, de 26 de setembro de 1995, inspirados diretamente

Leia mais

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 PREFÁCIO... 17 INTRODUÇÃO... 19 Capítulo I FLEXIBILIZAÇÃO... 21 1.1. Definição... 21 1.2. Flexibilização da norma... 23 1.3. Flexibilizar a interpretação e

Leia mais

Tassos Lycurgo DIREITO CONSTITUCIONAL. Notas de Aula (Esboço) Docente: Prof. Dr. Tassos Lycurgo Website: www.lycurgo.org E-mail: TL@ufrnet.

Tassos Lycurgo DIREITO CONSTITUCIONAL. Notas de Aula (Esboço) Docente: Prof. Dr. Tassos Lycurgo Website: www.lycurgo.org E-mail: TL@ufrnet. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE DIREITO PÚBLICO DIREITO CONSTITUCIONAL Notas de Aula (Esboço) Atualizada em: 18.10.06 Docente: Prof. Dr.

Leia mais

SÚMULAS E ENUNCIADOS PERTINENTES AO ESTUDO DA LEI DO INQUILINATO NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

SÚMULAS E ENUNCIADOS PERTINENTES AO ESTUDO DA LEI DO INQUILINATO NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO 1 SÚMULAS E ENUNCIADOS PERTINENTES AO ESTUDO DA LEI DO INQUILINATO NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO Alencar Frederico Mestre em Direito pela Universidade Metodista de Piracicaba; Pós-graduado em Direito

Leia mais

O empregado caminhando na empresa, cai e se machuca vai pedir uma indenização na justiça do trabalho. (empregado x empregador);

O empregado caminhando na empresa, cai e se machuca vai pedir uma indenização na justiça do trabalho. (empregado x empregador); Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Processo do Trabalho / Aula 04 Professor: Leandro Antunes Conteúdo: Procedimento Sumário, Procedimento Sumaríssimo. A competência para julgar acidente de trabalho:

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Modelos: Ações Constitucionais e Recursos Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Modelos: Ações Constitucionais e Recursos Cristiano Lopes OAB 2ª Fase Direito Constitucional Modelos: Ações Constitucionais e Recursos Cristiano Lopes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MODELOS: AÇÕES CONSTITUCIONAIS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E: ESTADO DO PARANÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 O Desembargador Fernando Wolff Bodziak, 2º Vice-Presidente e Supervisor-Geral dos Juizados Especiais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o

Leia mais

EXECUÇÃO E CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

EXECUÇÃO E CUMPRIMENTO DE SENTENÇA EXECUÇÃO E CUMPRIMENTO DE SENTENÇA 1. Processo de execução Título executivo extrajudicial art. 876, CLT e art. 4º, Lei 6.830/80 (Lei de Execução Fiscal LEF) a) Termo de ajustamento de conduta firmado com

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI » Pedro Henrique Meira Figueiredo NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI O ano de 2010 marcou a comunidade jurídica com a divulgação dos tão esperados anteprojetos do novo Código

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS É o ato de vontade que, por se conformar com os mandamentos da lei e a vocação do ordenamento jurídico, confere ao agente os efeitos por ele almejados. ELEMENTOS ESTRUTURAIS I -ESSENCIAIS

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu Direito Tributário

Pós-Graduação Lato Sensu Direito Tributário Pós-Graduação Lato Sensu Direito Tributário Professora FABIANA DEL PADRE TOMÉ Mestre e Doutora em Direito Tributário pela PUC/SP Disciplina SUSPENÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Que é crédito tributário? Crédito

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

O CONVÊNIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E A UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA: RESULTADOS ESTATÍSTICOS (ANO BASE 2007) DO CARTÓRIO DO

O CONVÊNIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E A UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA: RESULTADOS ESTATÍSTICOS (ANO BASE 2007) DO CARTÓRIO DO O CONVÊNIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E A UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA: RESULTADOS ESTATÍSTICOS (ANO BASE 2007) DO CARTÓRIO DO ANEXO II DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA UNOESTE... 969

Leia mais

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO Ações Possessórias 131 INTRODUÇÃO Conceito: Grace Mussalem Calil 1 Há duas principais teorias sobre a posse: a Subjetiva de Savigny e a Objetiva de Ihering. Para Savigny, a posse é o poder físico sobre

Leia mais

Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO. Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi

Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO. Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi INTRODUÇÃO - TÍTULO EXECUTIVO - DINAMARCO: Título executivo

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Condomínio Ação de Anulação de Assembleia Geral- Ação Ordinária Petição Inicial...16

APRESENTAÇÃO... 13. Condomínio Ação de Anulação de Assembleia Geral- Ação Ordinária Petição Inicial...16 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO................ 13 PETIÇÕES EM MATÉRIA IMOBllIÁRIA...15 Condomínio Ação de Anulação de Assembleia Geral- Ação Ordinária Petição Inicial......16 Condomínio Ação de Anulação de Assembleio

Leia mais

CONTROLE CONCENTRADO

CONTROLE CONCENTRADO Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 11 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles CONTROLE CONCENTRADO Ação Direta de Inconstitucionalidade

Leia mais

Atualizações da 3ª para a 4ª edição

Atualizações da 3ª para a 4ª edição Atualizações da 3ª para a 4ª edição Página de Normas Importantes Relacionadas Ao Direito Administrativo SUBSTITUIR: Mandado de segurança... Lei nº 1.533/1951 Mandado de segurança... Lei nº 4.348/1964 Mandado

Leia mais

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual.

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual. Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 22 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles (continuação) Exceções No Direito Romano, exceção era no sentido amplo

Leia mais

ALEKSANDER MENDES ZAKIMI Advogado militante; Mestrando em Direito Difusos e Coletivos pela UNIMES; Especialista em Direito Processual Civil

ALEKSANDER MENDES ZAKIMI Advogado militante; Mestrando em Direito Difusos e Coletivos pela UNIMES; Especialista em Direito Processual Civil Curso: Recurso de Embargos de Declaração e Agravo no Processo Civil Sistemática do CPC Vigente e do Novo CPC ALEKSANDER MENDES ZAKIMI Advogado militante; Mestrando em Direito Difusos e Coletivos pela UNIMES;

Leia mais

Conteúdo: - Desapropriação: Juros Compensatórios; Juros Moratórios; Desapropriação Indireta; Retrocessão. - DESAPROPRIAÇÃO -

Conteúdo: - Desapropriação: Juros Compensatórios; Juros Moratórios; Desapropriação Indireta; Retrocessão. - DESAPROPRIAÇÃO - Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Administrativo / Aula 11 Professor: Luiz Oliveira Jungstedt Conteúdo: - Desapropriação: Juros Compensatórios; Juros Moratórios; Desapropriação Indireta; Retrocessão.

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DA APOSTILA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL - CÓD.: 0612

ATUALIZAÇÃO DA APOSTILA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL - CÓD.: 0612 Atualização - 1 ATUALIZAÇÃO DA APOSTILA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL - CÓD.: 0612 LEI N. 1.060, DE 5 DE FEVEREIRO DE 1950 Lei Complementar N. 132, de 7 de Outubro de 2009 Art. 17. O art. 3º da Lei nº 1.060,

Leia mais

INTERVENÇÃO DE TERCEIROS

INTERVENÇÃO DE TERCEIROS 1 INTERVENÇÃO DE TERCEIROS Trata-se de roteiro de um importantíssimo capítulo da disciplina Direito Processual Civil Processo de Conhecimento de modo a auxiliar os discentes na compreensão da matéria.

Leia mais

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por :

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por : Controle de Constitucionalidade Desenvolvido por : Prof. Raul de Mello Franco Júnior e-mail: raul@mp.sp.gov.br Página: www.raul.pro.br Versão para Impressão www.tonirogerio.com.br Conceito Controlar a

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades competentes, visando sanar ilegalidades ou abuso de poder

Leia mais

S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS

S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS 1.1. Generalidades... 17 1.2. Conceito, requisitos e características... 37 1.3. Natureza jurídica do contrato de locação...

Leia mais

- lei ordinária: regra - lei complementar: empréstimos compulsórios e contribuição para a seguridade social. - bitributação X bis in idem

- lei ordinária: regra - lei complementar: empréstimos compulsórios e contribuição para a seguridade social. - bitributação X bis in idem I. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 1. COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA - lei ordinária: regra - lei complementar: empréstimos compulsórios e contribuição para a seguridade social vide arts. 146 e 148 da CF vide arts.

Leia mais

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro APELAÇÃO CÍVEL N. 638896-9, DA COMARCA DE LONDRINA 2.ª VARA CÍVEL RELATOR : DESEMBARGADOR Francisco Pinto RABELLO FILHO APELANTE : MUNICÍPIO DE LONDRINA APELADO : ALESSANDRO VICTORELLI Execução fiscal

Leia mais

Direito Constitucional Peças e Práticas

Direito Constitucional Peças e Práticas PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO CONSTITUCIONAL ASPECTOS JURÍDICOS E PROCESSUAIS DA RECLAMAÇÃO Trata-se de verdadeira AÇÃO CONSTITUCIONAL, a despeito da jurisprudência do STF a classificar como direito de petição

Leia mais

D E C I S Ã O. Vistos.

D E C I S Ã O. Vistos. D E C I S Ã O Vistos Trata-se de mandado de segurança impetrado pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos ECT pretendendo a concessão de liminar nas modalidades initio litis e inaudita altera pars

Leia mais

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Consignação em Pagamento: A ação de consignação, na Justiça do Trabalho, é substitutiva ao pagamento, para

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

INSTITUTO IBERO-AMERICANO DE DIREITO PROCESSUAL INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DERECHO PROCESAL CÓDIGO MODELO DE PROCESSOS COLETIVOS PARA IBERO-AMÉRICA

INSTITUTO IBERO-AMERICANO DE DIREITO PROCESSUAL INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DERECHO PROCESAL CÓDIGO MODELO DE PROCESSOS COLETIVOS PARA IBERO-AMÉRICA 1 INSTITUTO IBERO-AMERICANO DE DIREITO PROCESSUAL INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DERECHO PROCESAL CÓDIGO MODELO DE PROCESSOS COLETIVOS PARA IBERO-AMÉRICA Capítulo I Disposições gerais Art 1 o. Cabimento da

Leia mais

VOLUME I CAPÍTULO I. Administrativo

VOLUME I CAPÍTULO I. Administrativo Sumário -~ VOLUME I CAPÍTULO I Administrativo Contestação à reclamação administrativa... Defesa administrativa em notificação por falta de alvará de licença de localização... Defesa administrativa à Secretaria

Leia mais

As Principais Modificações no Processo Civil. Pedro Henrique Pedrosa Nogueira

As Principais Modificações no Processo Civil. Pedro Henrique Pedrosa Nogueira As Principais Modificações no Processo Civil Pedro Henrique Pedrosa Nogueira PARTE GERAL E PROCEDIMENTO COMUM Valorização do contraditório Distribuição dinâmica do ônus da prova Gestão do procedimento

Leia mais

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no âmbito da Justiça Federal. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

PROCEDIMENTOS ESPECIAIS

PROCEDIMENTOS ESPECIAIS Aula 6: Direito Processual do Trabalho Procedimentos especiais e Dissídio Coletivo Maria Inês Gerardo PROCEDIMENTOS ESPECIAIS CONSIGNA- ÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO RESCISÓRIA AÇÕES ESPECIAIS PROCESSO TRABALHO

Leia mais

Da TUTELA ANTECIPADA. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

Da TUTELA ANTECIPADA. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO Da TUTELA ANTECIPADA Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO ANTECIPAÇÃO DE TUTELA - REQUISITOS Art. 273. O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida

Leia mais

MANDADO DE SEGURANÇA PASSO A PASSO

MANDADO DE SEGURANÇA PASSO A PASSO MANDADO DE SEGURANÇA PASSO A PASSO Rénan Kfuri Lopes SUMÁRIO: I- CONCEITO E PRAZO DECADENCIAL II- PETIÇÃO INICIAL III- EMENDA OU INDEFERIMENTO INICIAL IV- LEGITIMIDADE ATIVA V- AUTORIDADE COATORA E LITISCONSORTE

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO CIVIL

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL Trata-se da hipótese em que o(a) examinando(a) deverá se valer de medidas de urgência, sendo cabíveis cautelares preparatórias, com pedido de concessão de medida

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Após regular certame licitatório, vencido pelo consórcio Mundo Melhor, o Estado X celebrou contrato de obra pública, tendo por objeto a construção de uma rodovia

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

VALOR ATUAL IGPM ACUMULADO CORREÇÃO PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2.

VALOR ATUAL IGPM ACUMULADO CORREÇÃO PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2. 2 0 0 7 PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2.164,95 2 - Recursos: A) interposição de qualquer recurso 1.042,37 3,8476 40,11 1.082,47 B)

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 15 de janeiro de 2013, Marcelo, engenheiro, domiciliado no Rio de Janeiro, efetuou a compra de um aparelho de ar condicionado fabricado pela G S. A., empresa sediada

Leia mais

Petições Trabalhistas 3.0

Petições Trabalhistas 3.0 Contestações 1. Contestação - ação de cobrança de contribuição sindical 2. Contestação - ação rescisória trabalhista 3. Contestação - adicional de insalubridade - limpeza de banheiro - empresa 4. Contestação

Leia mais

BLACKPOOL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. - EPP DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA EM SÃO PAULO

BLACKPOOL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. - EPP DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA EM SÃO PAULO MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: IMPETRADO: BLACKPOOL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. - EPP DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA EM SÃO PAULO DECISÃO REGISTRADA SOB Nº /2015 A impetrante

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na 1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na qual este reivindicava a propriedade do veículo adquirido

Leia mais

Lição 15. Locação Locação de coisas

Lição 15. Locação Locação de coisas Lição 15. Locação No direito romano, a locação se dividia em locação de coisas e locação de serviços (trabalho). O CC/16 apresentava o contrato de prestação de serviços como locação de serviços. O CC/02

Leia mais

Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial

Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial Ao alugar um imóvel é necessário documentar a negociação por meio de um contrato, de preferência, escrito. O inquilino deve ler atentamente todas

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. Vigência Regulamento Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no

Leia mais

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Publicada no DJE/STF, n. 72, p. 1-2 em 26/4/2010 RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DO

Leia mais

LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965

LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 Regula o Direito de Representação e o Processo de Responsabilidade Administrativa Civil e Penal, nos casos de abuso de autoridade. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP PROCESSO nº DISTRIBUIÇÃO POR DEPENDÊNCIA AO PROCESSO nº 90.0042414-3 MARÍTIMA SEGUROS S/A, pessoa jurídica de

Leia mais

André Luís Monteiro. Fernanda Medina Pantoja

André Luís Monteiro. Fernanda Medina Pantoja OAB/RJ Comissão de Arbitragem Impactos do Novo Código de Processo Civil na Arbitragem André Luís Monteiro Advogado de Andrade & Fichtner Advogados. Mestrando em Direito Processual Civil pela PUC-SP SP.

Leia mais

PONTO 1: Prescrição e Decadência 1. PRESCRIÇÃO E DECADÊNCIA 1.1 PRESCRIÇÃO. CONCEITO DE PRESCRIÇÃO: Duas correntes:

PONTO 1: Prescrição e Decadência 1. PRESCRIÇÃO E DECADÊNCIA 1.1 PRESCRIÇÃO. CONCEITO DE PRESCRIÇÃO: Duas correntes: 1 PROCESSO DO TRABALHO PONTO 1: Prescrição e Decadência 1. PRESCRIÇÃO E DECADÊNCIA 1.1 PRESCRIÇÃO A prescrição foi inserida na legislação brasileira no código comercial de 1950. Hoje não há mais distinção

Leia mais

S E N T E N Ç A JOSÉ. 3ª Vara do Trabalho de São José RTOrd 0000307-11.2012.5.12.0054 - Sentença - p. 1

S E N T E N Ç A JOSÉ. 3ª Vara do Trabalho de São José RTOrd 0000307-11.2012.5.12.0054 - Sentença - p. 1 3ª VARA DO TRABALHO DE SÃO JOSÉ - SC TERMO DE AUDIÊNCIA RTOrd 0000307-11.2012.5.12.0054 Aos 17 dias do mês de abril do ano de dois mil e doze, às 17h57min, na sala de audiências da, por ordem da Exma.

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Coordenadoria Estadual dos Juizados Especiais

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Coordenadoria Estadual dos Juizados Especiais ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Coordenadoria Estadual dos Juizados Especiais ENUNCIADOS DO FEJESC Fórum Estadual dos Juizados Especiais E Encontro de Turmas Recursais ENUNCIADOS CÍVEIS Nº

Leia mais

4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 4.1 Conceito - O que é a ação de prestação de contas? 4.2 Ação de dar e ação de exigir contas - A quem compete esta ação? - Trata-se de uma ação dúplice? - Ação de dar contas

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO N º 904.124-0/9 São Paulo Agravante: Patrícia de Carvalho Izoldi Agravado: Paulo Penido Pinto Marques

AGRAVO DE INSTRUMENTO N º 904.124-0/9 São Paulo Agravante: Patrícia de Carvalho Izoldi Agravado: Paulo Penido Pinto Marques AGRAVO DE INSTRUMENTO N º 904.124-0/9 São Paulo Agravante: Patrícia de Carvalho Izoldi Agravado: Paulo Penido Pinto Marques AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO CUMULADA COM COBRANÇA DE ALUGUERES E ENCARGOS.

Leia mais

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE LOCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEL

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE LOCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEL CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE LOCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEL, que entre si fazem, GMI - Grupo Mineiro de Imóveis Ltda, inscrita no CNPJ sob o n.º 42.771.485/0001-67, CRECI PJ 2427, estabelecida nesta

Leia mais

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 001 DE 13 DE MARÇO DE 2002. CONSIDERANDO as conclusões apresentadas pelo Fórum de Juízes Distribuidores da 2ª Região;

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 001 DE 13 DE MARÇO DE 2002. CONSIDERANDO as conclusões apresentadas pelo Fórum de Juízes Distribuidores da 2ª Região; CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 001 DE 13 DE MARÇO DE 2002 A Excelentíssima Doutora MARIA HELENA CISNE CID, Corregedora- Geral da Justiça Federal da 2ª Região, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO

A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO PARTE 1 A TUTELA PROVISÓRIA PREVISTA NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA CRÍTICA... 23 CAPÍTULO I TEORIA GERAL DA TUTELA

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA. Cláudio Basques. A garantia dos credos é o patrimônio do devedor.

DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA. Cláudio Basques. A garantia dos credos é o patrimônio do devedor. DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA Cláudio Basques A garantia dos credos é o patrimônio do devedor. LEI N. 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005 Nova Lei de Falências Art. 1º Esta lei disciplina a recuperação judicial,

Leia mais

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis?

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis? Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Juizados Especias Perguntas mais freqüentes e suas respostas 1 - O que são os Juizados Especiais Cíveis? Os Juizados Especiais Cíveis são órgãos da Justiça (Poder

Leia mais

DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO PROCESSO E PROCEDIMENTO PROCEDIMENTO COMUM Art. 271. Aplica-se a todas as causas o procedimento comum, salvo disposição em contrário deste Código

Leia mais

PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro. Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013

PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro. Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013 PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013 Esse pequeno ensaio tem por objetivo elaborar um estudo a respeito

Leia mais