IBGC atualiza pesquisa de 2003 sobre o Panorama da Governança Corporativa no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IBGC atualiza pesquisa de 2003 sobre o Panorama da Governança Corporativa no Brasil"

Transcrição

1 F e v e r e i r o n º P u b l i c a ç ã o Tr i m e s t r a l d o I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e G o v e r n a n ç a C o r p o r a t i v a 2 Informes IBGC 4 Novo Estatuto do IBGC é aprovado por maioria dos associados votantes - Deliberações do Conselho - Em dia com os acontecimentos dos capítulos - Media Training - Jornada Técnica 2 Participaram do processo 628 dos associados ao Instituto, sendo obtidas 601 manifestações favoráveis ao projeto, cujas principais alterações são explicadas e detalhadas em entrevista ao IBGC em Foco 6 IBGC lança nova série sobre sustentabilidade Documento tem foco na prática, tendo sido elaborado a partir da vivência e desafios dos responsáveis pela sua implantação nas organizações 8 Novo Guia contempla as melhores práticas de Governança para o 3º Setor Em parceria com o GIFE, IBGC publica guia voltado para fundações e institutos empresariais e sinaliza importantes avanços da sociedade civil brasileira ocorridos nos últimos anos 12 IBGC publica nova edição de suas Cartas Diretrizes A partir da percepção do mercado e das discussões sobre os efeitos das cláusulas, o Instituto formaliza seu posicionamento sobre os Mecanismos de Defesa à Tomada de Controle com o lançamento da 2ª Carta Diretriz 13 O leque de temas da 10ª Mesa-Redonda de Governança para América Latina Realizado em Santiago, no Chile, evento reflete o atual contexto e centra suas discussões no ativismo dos investidores institucionais, na eficácia do conselho e na atuação dos reguladores e do Estado 15 Fórum debate a divisão de poder entre conselhos de administração, de sócios e de família Especialistas comentam os ajustes necessários para as empresas familiares implantarem as melhores práticas de Governança 17 Os papéis do conselho de administração nas empresas listadas no Brasil Artigo estabelece a relação entre a estrutura e tipo de propriedade, tamanho e tempo da empresa, determinantes da qualidade de Governança no nível do conselho e os seus papéis desempenhados nas organizações IBGC atualiza pesquisa de 2003 sobre o Panorama da Governança Corporativa no Brasil Realizado em parceria com a Booz&Co, estudo retrata os avanços no conhecimento e na adoção das melhores práticas pelas empresas, porém, aponta estagnação e retrocessos em determinados quesitos pág. 10

2 Esta seção é patrocinada por: ARTIGO ACADÊMICO Os papéis do Conselho de Administração nas empresas listadas no Brasil Sandra Guerra INTRODUÇÃO Os escândalos corporativos dos anos 1990 (Enron, WorldCom e Tyco) somados à crise financeira internacional que veio à tona em 2008 acabaram por desempenhar um papel didático sobre a importância das práticas da boa governança corporativa. Resultando em uma sequência sem precedentes de prejuízos aos investidores e outras partes interessadas, FTUFT FQJTØEJPT FYQVTFSBN GBMIBT HSBWFT EPT TJTUFNBT de governança das empresas e instituições financeiras. 'BMUB EF DMBSF[B EPT QBQÏJT EPT ØSHÍPT EF HPWFSOBOÎB F de seus administradores, processos viciosos baseados em assimetria de informações, menosprezo no trato de conflito de interesses, falta de capacitação adequada e de diligência dos administradores estiveram entre os fatores que, unidos a doses de ganância e ausência de princípios básicos de conduta ética, deram origem aos dois quadros críticos mencionados. No caso dos escândalos corporativos, por que os conselhos foram incapazes de identificar previamente fraudes de tais dimensões, quando distintos estudos posteriores apontaram que os sintomas eram muito evidentes com bastante antecedência? (CLARKE, 2007) No outro FQJTØEJP P RVF IPVWF EF FSSBEP DPN PT DPOTFMIPT EBT instituições financeiras, pouco efetivos para prevenir o nível excessivo de exposição a risco que acabou conduzindo à ruptura sistêmica? Os conselhos de administração (CAs), sendo o principal GØSVN EF EFDJTÍP EBT FNQSFTBT BP BHJS QPS EFMFHBÎÍP de seus acionistas, vêm sendo dissecados e discutidos tanto no mundo das empresas quanto na academia. /P FOUBOUP BQØT B FDMPTÍP QÞCMJDB EPT FTDÉOEBMPT corporativos e da crise financeira sistêmica, passaram a receber especial atenção, já que as práticas e processos do CA são determinantes para estabelecer o nível de governança de uma empresa e há muita concordância sobre a essencialidade de seu papel. Este artigo descreve o resultado de uma pesquisa realizada entre as empresas listadas brasileiras, que embasou dissertação de mestrado apresentada em BHPTUP EF OB '&" 641 (6&33" "UÏ POEF se tem informação, foi o primeiro estudo a investigar os papéis dos CAs e a relacioná-los à estrutura e tipo de propriedade, tamanho, idade da empresa e determinantes da qualidade de governança no nível do CA, assim como a relação dos papéis com a presença de investidores institucionais na estrutura de propriedade. Como a coleta dos dados foi realizada no período entre setembro e dezembro de 2008, seus resultados podem ter capturado os efeitos da crise financeira sobre a opinião dos administradores respondentes. Os objetivos desta pesquisa foram: 1. descrever e explorar os papéis dos CAs e sua relevância no sistema de governança corporativa nas FNQSFTBT MJTUBEBT OB #PMTB EF 7BMPSFT EF 4ÍP 1BVMP (BM&FBovespa); 2. estudar a relação entre a estrutura e tipo de propriedade, tamanho e idade da empresa, determinantes da qualidade de governança no nível do CA como estabelecido pela literatura e os papéis dos CAs na empresa. OS PAPÉIS DOS CAs - A pesquisa descreveu o que o CA faz e como ele é composto. Adotou-se o pressuposto EF RVF B BCPSEBHFN NVMUJUFØSJDB QPEF DBQUBS NFMIPS B complexidade da dimensão da governança das empresas. Depois de amplo trabalho de revisão da literatura, esta pesquisa partiu do princípio de que os papéis do CA descritos não são sempre comparáveis, embora usem NVJUBT WF[FT P NFTNP SØUVMP."$& ;")3" PEARCE, 1989; FAMA; JENSEN, 1983; JOHNSON; DAILY; &--453"/% 7"/ %&/ )&67&- (* DECKERS, 2006). As atividades dos CAs consideradas na pesquisa relacionam-se a três papéis mais frequentemente apresentados na literatura (controle, direcionamento e prestação de serviço), descritos por 17 atividades no quadro na página seguinte. Nesta pesquisa, buscou-se cotejar os achados anteriores sobre os papéis do CA ao ambiente com capital concentrado, como o brasileiro, no qual os acionistas fazem parte do controle efetivo da organização. MÉTODO DE PESQUISA - O estudo é quantitativo com base em procedimentos estatísticos e teve caráter descritivo e correlacional. Em duas etapas, a pesquisa abordou o papel dos CAs, verificando distintos fatores para medi-los independentemente e depois estabelecer o relacionamento entre as variáveis estudadas. Seu universo foram as empresas financeiras e não financeiras listadas na BM&FBovespa, nos segmentos tradicional, Nível 1, Nível 2 e Novo Mercado, que totalizavam

3 PAPEL ASSOCIADO À ATIVIDADE ATIVIDADE Controle Direcionamento Serviço Contratar e demitir o presidente executivo (CEO) Aprovar a escolha (ou dispensa) dos demais executivos sob proposta do presidente executivo (CEO) Aprovar a remuneração e pacotes de incentivo para os executivos que serão enviados à Assembleia de Acionistas Avaliar e monitorar o desempenho dos executivos e da empresa Discutir e direcionar assuntos de sucessão dos principais cargos na empresa Definir a responsabilidade do executivo principal e seus subordinados Supervisionar o relacionamento dos executivos com as partes interessadas Monitorar os riscos da empresa 9 Indicar e substituir os auditores independentes 10 Tomar de fato as decisões sobre a estratégia da empresa 11 Tomar decisões (ou as propor para a Assembléia de Acionistas) sobre os principais fatos da empresa como aquisições, desinvestimentos, estrutura de capital, dividendos 12 Ocupar-se com e liderar os assuntos relativos à governança da empresa "QSPWBS P DØEJHP EF DPOEVUB F P SFHJNFOUP JOUFSOP EP $" 14 Estabelecer contatos com a rede de relacionamentos externos de interesse da empresa e usam esse relacionamento para o benefício da empresa 15 Facilitar acesso da empresa a recursos extras, como fontes de financiamento, por exemplo 16 Fornecer conselho e orientação ao executivo principal e seus subordinados 17 Exercer o papel de representação institucional da empresa firmas em dezembro de A amostra foi composta de 65 empresas e de 122 administradores. 18 Inicialmente, foram analisadas as listadas de 1998 a 2007 com base nos dados secundários em painel similares aos utilizados por Leal e Carvalhal-da-Silva (2007). Em seguida, o estudo usou como base um corte transversal, aplicando o método de survey. O método estatístico utilizado foi o Modelo de Equações Simultâneas. RESULTADOS - Os resultados obtidos apontam que os CAs em grande parte são dominados pelos acionistas controladores e a participação de conselheiros independentes ainda está bastante abaixo do SFDPNFOEBEP QFMPT DØEJHPT EF NFMIPSFT QSÈUJDBT *#($ 2004) e por diversos autores, entre eles, Saito e Dutra (2006) e Black, Carvalho e Gorga (2008). Há ainda uma presença pequena de acionistas minoritários nos CAs. 7FSJåDPV TF UBNCÏN P BDÞNVMP EF QPEFS QFMP GBUP EF o presidente do conselho de Administração (PCA) ser EB GBNÓMJB DPOUSPMBEPSB PV P QSØQSJP F UBNCÏN VNB relevante frequência de presidentes executivos (PE) familiares do controlador. Quanto ao foco central da pesquisa, não se confirmaram BT IJQØUFTFT EF SFMBÎÍP FOUSF FTUSVUVSB EF QSPQSJFEBEF tamanho e idade da empresa, determinantes da qualidade de governança do CA no papel das empresas MJTUBEBT CSBTJMFJSBT /FN UBNQPVDP B PVUSB IJQØUFTF EF relação significativa entre a participação relevante de investidores institucionais na estrutura de propriedade e os papéis do CA. O modelo, entretanto, permitiu a conclusão de que há um predomínio das atividades relacionadas ao papel de controle nos CAs, da mesma forma que os comitês relacionados a este papel são quase o dobro daqueles vinculados às atividades de direcionamento (estratégia + políticas) da empresa. O papel de direcionamento também é relevante, confirmado pelo número de comitês; sendo o papel de serviço o menos proeminente. 0 FGFUJWP OÓWFM EFDJTØSJP EP $" FTUÈ BTTPDJBEP B VN OÞNFSP maior de melhores práticas de governança. Quanto ao desenvolvimento da estratégia, os conselheiros estão mais envolvidos na etapa da aprovação do que na de monitoramento; além disso, participam ativamente da etapa de iniciação que deveria estar delegada aos gestores. As maiores lacunas observadas pelos respondentes em relação às atividades do CA são: (i) não direcionar os assuntos de sucessão; (ii) não monitorar riscos; (iii) não decidir de fato sobre a estratégia da empresa; (iv) não monitorar o desempenho dos executivos e da empresa; (v) não estabelecer contatos de interesse da empresa. Os resultados indicaram que os respondentes veem seus conselhos com altos níveis dos estilos recomendados - participativo, ativo e independente - e igualmente DPN FMFWBEPT ÓOEJDFT EF OÓWFM EFDJTØSJP &TTFT EBEPT porém, devem ser observados com cautela devido ao grande número de administradores internos (executivos ou acionistas controladores) na amostra. Embora essa predominância possa ter levado a uma visão menos DSÓUJDB TPCSF P ØSHÍP RVF GPSNBSBN F MJEFSBN BJOEB assim foi identificado que, quando o PCA é familiar do acionista controlador, os respondentes retratam um CA menos ativo, deliberativo e relevante. Diante dos dados estatísticos que identificaram que os papéis de serviço ganham mais relevância quando

4 o PE ou PCA são familiares dos controladores, pode-se especular que o papel de controle é menos presente nas empresas dirigidas por familiares dos controladores. É que estes podem entender não haver necessidade de o CA exercer o papel de controle como advogado na teoria de agência de Jensen e Meckling (1976), pois FMFT QSØQSJPT FTUÍP GB[FOEP FTTF QBQFM.BT DBCF B pergunta: quem fará esse papel em nome dos acionistas minoritários e de outras partes interessadas? Além disso, existe outro motivo para a conclusão de que o papel de controle fica enfraquecido nas empresas controladas: quando o PE é familiar dos controladores, os respondentes concordaram em menor grau com a atividade do CA de decidir sobre a contratação ou EFNJTTÍP EFTTF NFTNP 1& 7BMF EFTUBDBS RVF FTTB Ï uma das atribuições primordiais de um conselho de administração. CONCLUSÕES Esta pesquisa objetivou oferecer algumas contribuições para o estudo dos conselhos de administração, assim como para a prática nas empresas. Pela primeira vez, compõe-se um quadro sobre as atividades dos CAs das empresas listadas brasileiras - particularmente aquelas aderentes a práticas mais estritas de governança - e os papéis prevalentes nestes conselhos. Novos elementos de contorno desses papéis são trazidos à tona, explorando o estilo e o nível EFDJTØSJP EPT $"T No grupo de empresas estudadas, verificou-se que ainda há muito espaço de melhoria nas atividades dos CAs, apesar de a amostra reunir maioria de companhias que se diferenciam pelas práticas de GC. Pode-se imaginar, portanto, quão incipiente será o quadro nas demais empresas listadas brasileiras para não mencionar aquelas de capital fechado. Os progressos nas melhorias das práticas de governança corporativa no país foram apenas iniciados e este estudo indica pontos para o aprimoramento das atividades dos CAs, entre eles: aumentar sua atuação no monitoramento da implantação da estratégia; cuidar dos assuntos de sucessão na empresa; monitorar o desempenho da empresa e dos executivos; monitorar riscos; decidir efetivamente os rumos estratégicos da empresa. As implicações práticas desta pesquisa apontam alguns outros caminhos específicos para melhorias nas práticas de governança. Em primeiro lugar, a adoção de regimentos internos para os CAs, já que menos da metade das empresas da amostra revelou dispor desse conjunto de normas. Em segundo, como o regimento está associado a práticas superiores de governança, esta deveria ser uma demanda prioritária dos investidores institucionais ou outros acionistas minoritários em relação às empresas em que investem. Em terceiro, o mercado deve avançar para um nível mais apurado de escrutínio da composição do CA, dando ainda mais atenção à proporção de externos e independentes nos casos de maior concentração de poder com controladores ou seus representantes atuando também como administradores. Entretanto, não cabe somente às empresas o aprimoramento das atividades e papéis de seus CAs. Aos minoritários, que seguem com uma participação pequena nos conselhos e não se utilizam de todos os mecanismos à sua disposição para se fazer representar, a sugestão é para que busquem se organizar melhor, observando os casos em que podem unir-se para eleger um membro no conselho. Aos conselheiros de administração cabe a responsabilidade de impulsionar a adoção de práticas que MFWFN PT $"T B FYFSDFS QBQÏJT NBJT QSØYJNPT EBRVFMFT QPUFODJBMNFOUF FTQFSBEPT EF VN ØSHÍP EF ($ RVF UFN atribuição deliberativa e alta relevância para a sociedade. & åobmnfouf BP ØSHÍP SFHVMBEPS ådb B SFDPNFOEBÎÍP de implementar aprimoramentos nos sistemas públicos de informação sobre as listadas, oferecendo ferramentas QBSB P QSØQSJP NFSDBEP åtdbmj[bs F FTUJNVMBS NFMIPSJBT OBT práticas das empresas. No âmbito da pesquisa acadêmica, este trabalho contribuiu com a criação de um índice de concentração EF QPEFS F UBNCÏN DPN B EP JOEJDBEPS EF FOEPHFOJB exogenia. Os dois, além do uso na pesquisa acadêmica para avaliar suas relações com práticas do CA, podem ser úteis também ao mercado para a avaliação de QSPQPSÎÍP ØUJNB EF DPOTFMIFJSPT QBSB DBEB TJUVBÎÍP FN particular, considerando-se que cada quadro demanda uma solução única de governança em resposta às situações contextuais. Quanto a futuras pesquisas, propõe-se adicionalmente, como argumentam Guerra, Fischmann e Machado Filho (2009), que os investigadores dediquem-se à construção EF VNB FTUSVUVSB UFØSJDB NVMUJEJTDJQMJOBS F JOUFHSBEB que modele a complexidade e distintas dimensões do conselho como processo de decisão em grupo, em que elementos como confiança, redes sociais e board interlocking (apenas para citar alguns) poderão adicionar dimensões não capturadas por modelos econômicos. Os papéis do conselho de administração, seu funcionamento e dinâmica ainda devem ser muito explorados e representam grandes oportunidades de investigação com benefícios para a academia e para os BHFOUFT EF NFSDBEP 0 FOUFOEJNFOUP EP ØSHÍP DFOUSBM do sistema de governança está apenas se iniciando. 19

5 20 REFERÊNCIAS #-"$, #FSOBSE 4 $"37"-)0 "OUPOJP ( (03(" &SJDB An Overview of Brazilian Corporate Governance. ECGI 8PSLJOH 1BQFS +BO %JTQPOÓWFM FN IUUQ TTSO DPN BCTUSBDU "DFTTP FN GFW CLARKE, Thomas. International Corporate Governance: A Comparative Approach. New York: Routledge, p. FAMA, Eugene; JENSEN, Michael C. Separation of ownership and control. Journal of Law and Economics. Ohio, v. 26, p , Jun GUERRA, Sandra. Os papéis do conselho de administração em empresas listadas no Brasil. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo São Paulo GUERRA, Sandra; FISCHMANN, Adalberto; MACHADO FILHO, Claudio P. An agenda for board research. Corporate Ownership & Control v. 6, n. 3, */45*5650 #3"4*-&*30 %& (07&3/"/±" $03103"5*7" *#($ $ØEJHP EBT NFMIPSFT QSÈUJDBT EF HPWFSOBOÎB corporativa. 3. ed. São Paulo: IBCG, Disponível em IUUQ XXX JCHD PSH CS $PEJHP.FMIPSFT1SBUJDBT BTQY Acesso em: 28 jul JENSEN, Michael C.; MECKLING, William H.. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics. Amsterdam: North Holland, v. 3, p , JOHNSON, Jonathan; DAILY, Catherine; ELLSTRAND, Allan. Boards of directors: a review and research agenda. Journal of Management, v. 22, n. 3, p , &"- 3JDBSEP 1 $"37"-)"- %" 4*-7" "OESÏ - $PSQPSBUF (PWFSOBODF BOE 7BMVF JO #SB[JM BOE JO $IJMF *O -01&; %& 4*-"/&4 'MPSFODJP $)0/( "MCFSUP FE Investor Protection and Corporate Governance Firm Level Evidence Across Latin America. Palo Alto: Stanford University Press, 2007, p MACE, Myles M. Directors: Mith and Reality (1971) In: CLARKE, Thomas (ed.). Theories of Corporate Governance: the philosophical foundations of corporate governance. Oxon: Routledge, 2004, 370 p., p SAITO, Richard.; DUTRA, Marcos G. L. Board of Directors of Publicly-Held Companies in Brazil: Profile and Implications for Minority Shareholders. Corporate Governance, v. 14, n. 2, p , "/ %&/ )&67&- +FSPFO 7"/ (*-4 "OJUB 7003%&$,&34 Win. Board Roles in Small and Medium-Sized Family Businesses: Performance and Importance. Corporate Governance: An International Review. v. 14, n.5, p , Sep ;")3" 4IBLFS 1&"3$& +PIO " #PBSET PG EJSFDUPST BOE corporate financial performance: a review and integrative model. Journal of Management, v. 15, n. 2, p , Jun Artigo na íntegra: tde / Av. das Nações Unidas, º andar cj WTC CEP São Paulo-SP tel.: (11) fax: (11) CAPÍTULO PARANÁ Av. 7 de Setembro, conj. 901 Curitiba-PR tel.: (41) CAPÍTULO SUL Av. Carlos Gomes, 328 4º andar conj. 404 Porto Alegre-RS tel.: (51) CAPÍTULO RIO CAPÍTULO MG - CONSELHO Presidente: Mauro Rodrigues da Cunha Vice-presidentes: Gilberto Mifano e João Pinheiro Nogueira Batista Conselheiros: Alberto Whitaker, Carlos Biedermann, Eliane Lustosa, -FPOBSEP 7JFHBT -VJ[ $BOUJEJBOP F 3PCFSUP 'BMEJOJ DIRETORIA "OESÏ $PVUJOIP &MJBOF -VTUPTB F 3JDBSEP 7FJSBOP SUPERINTENDENTE GERAL Heloisa Belotti Bedicks Produção e coordenação da Newsletter: t Jornalista responsável - IBGC: Maíra Sardão (MTB 42968) t *OUFSUFYUP 5FYUPT 0OMJOF $SJTUJOB 3BNBMIP Projeto gráfico e diagramação: $POGSBSJB 7JTVBMF "HÐODJB EF 1VCMJDJEBEF e Comunicação - Fotos desta edição: Giuseppe Pimentel Reprodução: É vedada a reprodução de textos e imagens desta publicação sem autorização prévia, mediante consulta formal e citação de fonte. ASSOCIADOS PATROCINADORES Compromisso com a Governança Corporativa APOIO

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Melhores Práticas de Governança

Melhores Práticas de Governança Melhores Práticas de Governança Corporativa Eletros Novembro de 2011 Eliane Lustosa Objetivos Introdução Governança Corporativa (GC) Conceito e princípios básicos Sistema Importância e benefícios Principais

Leia mais

Tendências da Governança Corporativa Tá na Mesa Porto Alegre, 7/04/2010. Gilberto Mifano

Tendências da Governança Corporativa Tá na Mesa Porto Alegre, 7/04/2010. Gilberto Mifano Tendências da Governança Corporativa Tá na Mesa Porto Alegre, 7/04/2010 Gilberto Mifano Agenda Panorama atual da GC no Brasil 2009 x 2003 Temas em discussão no Brasil e no Mundo 2 GOVERNANÇA CORPORATIVA

Leia mais

Governança Corporativa no Brasil: um círculo virtuoso

Governança Corporativa no Brasil: um círculo virtuoso Governança Corporativa no Brasil: um círculo virtuoso VI Encontro Nacional da Mulher Contabilista Florianópolis Sandra Guerra 08/06/2007 sandraguerra@bettergovernance.com.br Agenda 1 2 3 4 5 Panorâmica

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS AGENDA DE S E EVENTOS 2015 AGENDA DE S E EVENTOS 2015 CATEGORIAS DE S Introdução à Governança Primeiro passo dentro da Governança Corporativa, os cursos de Introdução à Governança fornecem uma visão de

Leia mais

Assuntos ligados a pessoas que devem estar na pauta dos Conselhos de Administração

Assuntos ligados a pessoas que devem estar na pauta dos Conselhos de Administração 2º Encontro para Conselheiros Painel 02 Assuntos ligados a pessoas que devem estar na pauta dos Conselhos de Administração Neste painel, os convidados destacaram os desafios de inserir esse tema de forma

Leia mais

Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades

Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades Luiz Marcatti Fevereiro/2009 GOVERNANÇA CORPORATIVA É o sistema pelo qual as sociedades são dirigidas e monitoradas, envolvendo os relacionamentos

Leia mais

O que é Governança Corporativa?

O que é Governança Corporativa? O que é Governança Corporativa? O que é Governança Corporativa? Tradução literal de Corporate Governance conduz à percepção equivocada da abrangência e limites de aplicabilidade da Governança Corporativa.

Leia mais

Desafios da Governança Corporativa 2015 SANDRA GUERRA PRSIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015

Desafios da Governança Corporativa 2015 SANDRA GUERRA PRSIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 Desafios da Governança Corporativa 2015 SANDRA GUERRA PRSIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 CONVERGÊNCIA INTERNACIONAL Princípios de Governança TRANSPARÊNCIA EQUIDADE PRESTAÇÃO

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI SINÔNIMO DE EXCELÊNCIA EM GOVERNANÇA CORPORATIVA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC IRÁ APRIMORAR E CONFERIR MAIOR EFICÁCIA À ATIVIDADE PROFISSIONAL

Leia mais

1ª SESSÃO. A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. DR. ALEXANDRE DI MICELI DA SILVEIRA

1ª SESSÃO. A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. DR. ALEXANDRE DI MICELI DA SILVEIRA 1ª SESSÃO A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. DR. ALEXANDRE DI MICELI DA SILVEIRA SÓCIO-FUNDADOR DIREZIONE CONSULTORIA EMPRESARIAL PROFESSOR

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Parecer do Comitê de Auditoria

Parecer do Comitê de Auditoria Parecer do Comitê de Auditoria 26/01/2015 Introdução Título do documento De acordo com o que estabelece o seu regimento interno, compete ao Comitê de Auditoria assegurar a operacionalização dos processos

Leia mais

ESTRATÉGIA E GESTÃO PATRIMONIAL EMPRESAS FAMILIARES. Domingos A Laudisio São Paulo, 15 de julho de 2014

ESTRATÉGIA E GESTÃO PATRIMONIAL EMPRESAS FAMILIARES. Domingos A Laudisio São Paulo, 15 de julho de 2014 ESTRATÉGIA E GESTÃO PATRIMONIAL EMPRESAS FAMILIARES Domingos A Laudisio São Paulo, 15 de julho de 2014 Existem argumentos pró e contra empresas familiares particularmente no Brasil os argumentos contra

Leia mais

Manual da Assembleia Geral Ordinária. Hotel Hilton São Paulo Morumbi

Manual da Assembleia Geral Ordinária. Hotel Hilton São Paulo Morumbi Manual da Assembleia Geral Ordinária 26 de março de 2015 às 10h00 Hotel Hilton São Paulo Morumbi Atualizado em 24.02.2015 CNPJ: 01.082.331/0001-80 Legenda da Barra Inferior Voltar ao Slide Inicial Voltar

Leia mais

Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 05/03/2013. 1 Semestre de 2013

Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 05/03/2013. 1 Semestre de 2013 Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 05/03/2013 1 Semestre de 2013 A importância da TI não é igual em todas as empresas Em algumas, faz parte do core Em outras, é somente uma área de suporte A

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Wagner S. Almeida Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários Divisão de Equipes Especializadas I Comissão

Leia mais

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ATA SUMÁRIA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO DE 2014 DATA, HORA E LOCAL: Em 7 de fevereiro de

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 1 DE OUTUBRO DE 2013 DATA, HORÁRIO e LOCAL: 1º de outubro de 2013, às

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

1 Sandra explique um pouco o gênesis de criar o Círculo das Companhias, bem como a idéia por trás da metodologia.

1 Sandra explique um pouco o gênesis de criar o Círculo das Companhias, bem como a idéia por trás da metodologia. Volume 1: Número 5 Editor: Fernando Carneiro Managing Director, The Altman Group fcarneiro@altmangroup.com Caso tenha problemas visualizando este email clique aqui. O CÍRCULO DAS (BOAS) COMPANHIAS Sandra

Leia mais

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 Agenda Introdução Demandas do mercado de capitais Governança corporativa Governança corporativa no

Leia mais

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das Número de empresas brasileiras que procuram se aprimorar em governança corporativa aumentou na última edição do estudo Melhores práticas Estudo aponta que as empresas investem mais no aprimoramento dos

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

CARTA DE OPINIÃO - IBGC 1 Comitê de Auditoria para Instituições Financeiras de Capital Fechado

CARTA DE OPINIÃO - IBGC 1 Comitê de Auditoria para Instituições Financeiras de Capital Fechado CARTA DE OPINIÃO - IBGC 1 Comitê de Auditoria para Instituições Financeiras de Capital Fechado Em maio de 2004 foi publicada a Resolução 3.198 do Conselho Monetário Nacional, que trouxe, entre outras novidades,

Leia mais

A crise financeira e o papel do conselho no monitoramento de riscos

A crise financeira e o papel do conselho no monitoramento de riscos BETTER GOVERNANCE A crise financeira e o papel do conselho no monitoramento de riscos Sandra Guerra Nov/2009 [ GUERRA, Sandra. A crise financeira e o papel do conselho no monitoramento de riscos. In: IBGC

Leia mais

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS AGENDA DE CURSOS E EVENTOS 2014 CATEGORIAS DE CURSOS Introdução à Governança Primeiro passo dentro da Governança Corporativa, os cursos de Introdução à Governança fornecem uma visão de toda a estrutura,

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fórum Gestão de Pessoas Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fabiano Nijelschi G. Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Secretaria de Fiscalização

Leia mais

MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO NA GOVERNANÇA CORPORATIVA

MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO NA GOVERNANÇA CORPORATIVA MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO NA GOVERNANÇA CORPORATIVA ADALBERTO JOSÉ CONTESSOTTO,ADILSON TREVISAN, FILIPE FRANCISCHINE, LUCIANO APARECIDO SOARES E MARCOS PAULO GONÇALVES, alunos do Curso de Administração

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 Ata da Reunião Ordinária do Conselho de Administração realizada em 25 de agosto de 2011 Instalou-se nesta data, 25 de agosto de

Leia mais

Governança Corporativa:

Governança Corporativa: Abril 15 Governança Corporativa: Qual papel? Onde estamos... Nossa estrutura de Governança: NÍVEL DE GOVERNANÇA Assembléias de Associados 10 representantes dos associados efetivos + todos os associados

Leia mais

Regra de Governança Corporativa da NYSE para Emissoras Norte-Americanas. Abordagem da Vale

Regra de Governança Corporativa da NYSE para Emissoras Norte-Americanas. Abordagem da Vale Comparação das práticas de governança corporativa adotadas pela VALE com aquelas adotadas pelas companhias norte-americanas em cumprimento às exigências da Bolsa de Valores de Nova Iorque De acordo com

Leia mais

UMA ANÁLISE COMPARATIVA DAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA NO MUNDO

UMA ANÁLISE COMPARATIVA DAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA NO MUNDO UMA ANÁLISE COMPARATIVA DAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA NO MUNDO RESUMO A governança corporativa tem como enfoque minimizar problemas de assimetria informacional e de agência, objetivando um melhor

Leia mais

Rumo a novos patamares

Rumo a novos patamares 10Minutos Auditoria Estudo sobre a Situação da Profissão de Auditoria Interna Rumo a novos patamares Destaques Os stakeholders estão menos satisfeitos com a contribuição da auditoria interna em áreas de

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Práticas Corporativas

Práticas Corporativas Práticas Corporativas Nível 1 de Governança Corporativa Fontes: Estatuto Social Código de Conduta Relatório de Sustentabilidade Formulário de Referência Política de divulgação e negociação Atualizado em

Leia mais

Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras

Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras RP1102 Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS PRÁTICAS DE COMPRAS EM MÉDIAS E GRANDES EMPRESAS NO BRASIL Coordenadores Paulo Tarso

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/9 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Princípios... 4 4. Diretrizes... 4 4.1. Estrutura de Governança... 4 4.2. Relação com as partes interessadas...

Leia mais

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014 Compliance e a Valorização da Ética Brasília, outubro de 2014 Agenda 1 O Sistema de Gestão e Desenvolvimento da Ética Compliance, Sustentabilidade e Governança 2 Corporativa 2 Agenda 1 O Sistema de Gestão

Leia mais

Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil

Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil Pesquisa 013 A caminho da maturidade A Governança Corporativa é um tema que está cada vez mais presente nas empresas que pretendem

Leia mais

Parques de Inovação como alternativa de Desenvolvimento Regional, face à Crise Mundial: Modelo de Governança

Parques de Inovação como alternativa de Desenvolvimento Regional, face à Crise Mundial: Modelo de Governança Parques de Inovação como alternativa de Desenvolvimento Regional, face à Crise Mundial: Modelo de Governança Prof. Dr. Neri Dos Santos, EGC/UFSC BRASIL Outubro.2011 1. Apresentação 2. Conceitos de Abordagem

Leia mais

Preparação da Empresa para o Capital Empreendedor. Sidney Chameh ABVCAP

Preparação da Empresa para o Capital Empreendedor. Sidney Chameh ABVCAP Preparação da Empresa para o Capital Empreendedor Sidney Chameh ABVCAP Agenda Mudança Cultural Passos para obtenção do capital empreendedor O que os fundos procuram Seleção de projetos Ciclo de Investimento

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Programa de Formação, Fortalecimento e Consolidação

Programa de Formação, Fortalecimento e Consolidação Programa de Formação, Fortalecimento e Consolidação da Cultura de Companhia Aberta 2 0 0 6 Governança Corporativa nas Diversas Instâncias da Companhia 28 e 29 de agosto BOVESPA São Paulo, SP coordenação

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. Aplicação e Objeto

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. Aplicação e Objeto POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. Aplicação e Objeto 1.1. O objeto desta Política de Voto é estabelecer as regras a serem observadas pela INFRA

Leia mais

Julho/2008. O Que São Debêntures

Julho/2008. O Que São Debêntures Julho/2008 O Que São Debêntures As debêntures são títulos que se ajustam perfeitamente às necessidades de captação das empresas. Graças a sua flexibilidade, transformaram-se no mais importante instrumento

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 Antes de começar, ressalto apenas que as opiniões que estarei expressando aqui hoje refletem a minha

Leia mais

Núcleo de Estudos em Estratégia e Governança Corporativa, de Redes e das Organizações - NEEG

Núcleo de Estudos em Estratégia e Governança Corporativa, de Redes e das Organizações - NEEG Núcleo de Estudos em Estratégia e Governança Corporativa, de Redes e das Organizações - NEEG Coordenador(es): Joaquim Rubens Fontes Filho APRESENTAÇÃO Os estudos em administração apenas recentemente têm

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 03 DE SETEMBRO DE 2013 DATA, HORÁRIO e LOCAL: 03 de setembro de 2013,

Leia mais

MMK EDITORIAL. Ética Corporativa e Compliance CGU LANÇA DIRETRIZES SOBRE PROGRAMAS DE INTEGRIDADE PARA EMPRESAS PRIVADAS

MMK EDITORIAL. Ética Corporativa e Compliance CGU LANÇA DIRETRIZES SOBRE PROGRAMAS DE INTEGRIDADE PARA EMPRESAS PRIVADAS EDITORIAL CGU LANÇA DIRETRIZES SOBRE PROGRAMAS DE INTEGRIDADE PARA EMPRESAS PRIVADAS EQUIPE: Thiago Jabor Pinheiro tjabor@mmk.com.br Maria Cecilia Andrade mcandrade@mmk.com.br Em 22.9.2015, a Controladoria-Geral

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

Diretoria de Tecnologia Dr. Antônio Cesar Azevedo Neves

Diretoria de Tecnologia Dr. Antônio Cesar Azevedo Neves Diretoria de Tecnologia Dr. Antônio Cesar Azevedo Neves GOVERNANÇA CORPORATIVA Conceitos e Prática Alfredo Martini Neto Superintendente de Gestão do Conhecimento Agenda Conceito básico Origens e evolução

Leia mais

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Julho/2008 Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Principal instrumento de captação de recursos de médio e longo prazos, a debênture representa para muitas companhias a porta de entrada no mercado

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 3.0 - Julho/2014) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

Política Institucional

Política Institucional ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DIRETRIZES E PRINCIPIOS... 2 4. PROCEDIMENTOS RELATIVOS A POTENCIAIS CONFLITOS DE INTERESSE... 3 5. PROCESSO DECISÓRIO DE VOTO... 3 6. MATÉRIAS OBRIGATÓRIAS...

Leia mais

Governança Corporativa Profa. Patricia Maria Bortolon

Governança Corporativa Profa. Patricia Maria Bortolon Governança Corporativa Desenvolvimento dos Códigos de Boas Práticas no Mundo Aula 3 O crescimento dos Códigos de Governança Durante a última década, todo ano uma série de novos códigos e revisões são introduzidos

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Victor Halla

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Victor Halla Unidade IV GERENCIAMENTO DE INFRAESTRUTURA Prof. Victor Halla O que é governança corporativa? É o sistema pelo qual as sociedades empresariais são dirigidas e monitoradas pelo mercado de capitais através

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil)

Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil) Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil) Revisado em Novembro de 2009. 1. Apresentação O FBN Brasil (The Family Business Network Brasil), cuja

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 4.0 - Março/2015) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E GOVERNANÇA

SUSTENTABILIDADE E GOVERNANÇA Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Instituto de Educação Continuada Curso: Gestão Estratégica da Comunicação SUSTENTABILIDADE E GOVERNANÇA B Mônica

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

MARCOS HISTÓRICOS DA GOVERNANÇA CORPORATIVA: O ATIVISMO DE MONKS X OS PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

MARCOS HISTÓRICOS DA GOVERNANÇA CORPORATIVA: O ATIVISMO DE MONKS X OS PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 235 MARCOS HISTÓRICOS DA GOVERNANÇA CORPORATIVA: O ATIVISMO DE MONKS X OS PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO JovelinoMárcio de Souza¹, Ronise Suzuki de Oliveira² Resumo:

Leia mais

Governança Corporativa em uma Joint Venture O caso da SAMARCO

Governança Corporativa em uma Joint Venture O caso da SAMARCO TÍTULO SOBRE ALGUM ASSUNTO Material Reservado de uso exclusivo da Samarco 42º ENCONTRO DE CONSELHEIROS CERTIFICADOS - IBGC Governança Corporativa em uma Joint Venture O caso da SAMARCO Belo Horizonte -

Leia mais

Diretoria de Participações PREVI Marco Geovanne Tobias da Silva. Fundos de Pensão e seu papel na Governança das empresas investidas

Diretoria de Participações PREVI Marco Geovanne Tobias da Silva. Fundos de Pensão e seu papel na Governança das empresas investidas Diretoria de Participações PREVI Marco Geovanne Tobias da Silva Fundos de Pensão e seu papel na Governança das empresas investidas Outubro/2013 1 PREVI e a Governança - Histórico Criação da Diretoria de

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA O que é governança corporativa? Qual o motivo do crescente interesse pela governança corporativa? A quem interessa a governança corporativa? Trata-se de apenas mais um modismo? Francisco

Leia mais

Unisal - Semana de Estudos de Administração e Contábeis - 2013

Unisal - Semana de Estudos de Administração e Contábeis - 2013 Governança e Sucessão nas Empresas Familiares Governança e Sucessão nas empresas familiares Os Marcos históricos da Governança 1. O Relatório Cadbury 2. Os Princípios da OCDE 3. A Difusão Mundial dos Códigos

Leia mais

mudando atitudes e Motivação Alinhamento de propósitos Planejamento Benefícios tangíveis Motivação Implementação alinhamento de propósitos:

mudando atitudes e Motivação Alinhamento de propósitos Planejamento Benefícios tangíveis Motivação Implementação alinhamento de propósitos: 2 alinhamento de propósitos: mudando atitudes e gerando compromisso Motivação Benefícios tangíveis Motivação Implementação Alinhamento de propósitos Desafios das empresas familiares O que fazer Planejamento

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Av. Princesa Diana, 760 34000-000 Nova Lima MG Campus Aloysio Faria Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil Campus BH Rua Bernardo Guimarães, 3.071 Santo Agostinho

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 13 DE JULHO DE 2015 DATA, HORÁRIO E LOCAL: 13 de julho

Leia mais

GESTÃO DE IMAGEM CORPORATIVA

GESTÃO DE IMAGEM CORPORATIVA GESTÃO DE IMAGEM CORPORATIVA G ESTÃO DE I MAG A reputação de uma empresa pode corresponder a cerca de 40% de seu valor de mercado negócio. Pesquisas de universidades norte-americanas revelaram que o nível

Leia mais

O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009

O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009 O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009 O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas (*) Palestrante: Vinícius Sampaio (*) Contará

Leia mais

Programa Latino-americano de Advocacy em Saúde Liderança para Terceiro Setor

Programa Latino-americano de Advocacy em Saúde Liderança para Terceiro Setor Programa Latino-americano de Advocacy em Saúde Liderança para Terceiro Setor Setembro/2010 Uma organização vista em duas dimensões Vista em sua dimensão interna: Uma organização é um conjunto de pessoas

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Leandro Schunk

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Leandro Schunk TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Módulo 4 Governança de TI Dinâmica 1 Discutir, em grupos: Por que então não usar as palavras ou termos Controle, Gestão ou Administração? Qual seria a diferença entre os termos:

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Política de Governança Corporativa

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Política de Governança Corporativa 1/13 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO: ELABORAÇÃO: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CGPC nº13/2004 Apresenta e especifica estrutura, componentes e mecanismos corporativa na

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Clique para editar o estilo do título mestre

Clique para editar o estilo do título mestre Clique para editar o estilo do título mestre Seminário Governança Corporativa Pequena e Média Empresa (ACRJ/IBGC) Diversos Aspectos de Governança Corporativa na Média Empresa Aspectos gerais: a empresa,

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO ESTRUTURADOS

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO ESTRUTURADOS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO ESTRUTURADOS DO OBJETO A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, na qualidade de gestora e/ou instituição administradora de Fundos de

Leia mais

CVRD: Governança Corporativa e Diretrizes Estratégicas

CVRD: Governança Corporativa e Diretrizes Estratégicas CVRD: Governança Corporativa e Diretrizes Estratégicas Rio de Janeiro, 25 de outubro de 2001 - O Conselho de Administração da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) aprovou um novo modelo de governança e diretrizes

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Governança do Empreendimento Sistema Produtor São Lourenço

Governança do Empreendimento Sistema Produtor São Lourenço Governança do Empreendimento Sistema Produtor São Lourenço 04/08/2015 1. Sistema Produtor São Lourenço 1. Sistema Produtor São Lourenço Desenho esquemático 2. Governança Corporativa 2. Governança Corporativa

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba

Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA em Comunicação Corporativa O MBA em Comunicação Corporativa é um curso de Pós-Graduação Latu Sensu que capacita profissionais para

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo Conteúdo O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 REGULAMENTO DO COMITÊ DE AUDITORIA Este regulamento ( Regulamento ), elaborado com base nas melhores práticas internacionais,

Leia mais